Você está na página 1de 8

Sermão Jó

Nove

Depois dos discuros dos amigos

12-14 O discurso mais longo de Jó até então

12: o que vocês estão dizendo, eu já sei. E sei ainda melhor.


V. 10: Exalta as obras de Deus, “em suas mãos está a alma de tudo que vive”.
V. 16: Descrição do poder de Deus

13: Como vós o sabeis, também eu o sei; não vos sou inferior.
Mas eu falarei ao Todo-Poderoso, e quero defender-me perante Deus.
Vós, porém, sois inventores de mentiras, e vós todos médicos que não valem nada.
Vocês são como médicos, que não curam.
Jó 13:2-4

Ainda que ele me mate, nele esperarei; contudo os meus caminhos defenderei
diante dele.
Também ele será a minha salvação; porém o hipócrita não virá perante ele.
Jó 13:15,16

As vezes a gente acha que isso não é possível. Alguém estar com coração agitado,
ansioso, vacilante e ainda ter fé. Uma das coisas que ficam claras na narrativa de
Jó, é o relacionamento honesto cristalino com Deus. A coisa mais ridícula que
existe é estabelecermos uma aparência performática diante de Deus, que sabe que
nosso coração está vacilante, ansioso.
Mesmo agoniado, triste, desesperado, Jó intercala expressões de desespero e de
esperança.

Desespero
Eis que clamo: Violência! Porém não sou ouvido. Grito: Socorro! Porém não há
justiça.
Jó 19:7
Misericódia
Porque Deus macerou o meu coração, e o Todo-Poderoso me perturbou.
Porquanto não fui desarraigado por causa das trevas, e nem encobriu o meu rosto
com a escuridão.
Jó 23:16,17

Outros grandes homens de Deus também tiveram decepções num relacionamento


com Deus. Os casos de Moisés, ou de Davi em Salmo 22, que o próprio Cristo
repete na cruz.

No Capítulo 31 Jó ainda apela por uma audiência


v. 35 temos o ultimo discurso de Jó

Dez

Do capítulo 4 ao 27 temos 3 ciclos de discursos em que os temas são repetidos,


assim como o firmamento das posições.

O de Jó: O que está acontecendo é injusto e preciso com urgente de uma audiência
com Deus.

Os Amigos de Jó: Você é injusto e tem algum pecado que você está escondendo.
Resumindo o discurso dos amigos:
q
 Efemeridade da vida
 Grandeza de Deus
 Arrependimento
 Nós temos a sabedoria.

Assim, se cria uma expectativa no livro de Jó sobre a figura de Deus, para que ela
apareça. Para que Jó tenha sua audiência. Mas um novo elemento retarda ainda
mais esse encontro: o aparecimento de Eliú.

Não é citado pelo autor nem antes nem depois.


Dos capítulos 32 ao 37 temos os discursos de Eliú.

Dar-te-ei resposta, a ti e aos teus amigos contigo.


Atenta para os céus e vê; contempla as altas nuvens acima de ti.
Se pecas, que mal lhe causas tu? Se as tuas transgressões se multiplicam, que lhe fazes?
Se és justo, que lhe dás ou que recebe ele da tua mão?
A tua impiedade só pode fazer o mal ao homem como tu mesmo; e a tua justiça, dar proveito ao
filho do homem.
Jó 35:4-8
TREZE

Existem dois temas que permeiam o livro de Jó:


1. Justiça retributiva
2. Motivos para a justiça

No cap.1 v.1 existem 4 descrições sobre Jó de uma vez só. Essas descrições
aparecem em outros lugares da Bíblia Hebraica, porém nunca de uma vez só,
atribuídas a um único personagem.

a. Integro: TAM -> TAMAM -> COMPLETO FINALIZADO


b. Reto: YACHAR -> Literal, algo reto. DIFICILMENTE USADO PARA
PESSOAS.
YACHAR ABNEI ADONAI – Aquilo que é
reto perante o Senhor.
Em relação a Deus: Salmos 92: O Senhor é
reto
c. Temente a Deus: Irá Elohim -> ter medo, reconhecimento da grandeza do
Senhor
d. Que se desvia do mal: Ser Merá  algo como se desviar, ou estar em
direção oposta.

Então respondeu Satanás ao Senhor, e disse: Porventura teme Jó a Deus debalde?


Jó 1:9

\debalde: Hinan Sem Motivo?

Jó é justo por nada.


A noção de que o homem que é justo, o é sem recompensas. Deus aceita pois sabe
que Jó é justo.

Esse tipo de justiça está representado em Dt. 16:19-20


Não torcerás o juízo, não farás acepção de pessoas, nem receberás peitas;
porquanto a peita cega os olhos dos sábios, e perverte as palavras dos justos.
A justiça, somente a justiça seguirás; para que vivas, e possuas em herança a terra
que te dará o Senhor teu Deus.
Deuteronômio 16:19,20

Não se faz o bem para se dar bem.


A perigosa caminhada moderna se baseia na busca do prazer e na fuga da dor.
Nessa perceptiva sempre o centro somos nós. Sempre é quando é para nos
sentirmos bem, até mesmo na caridade.
Jó foge desse modelo.
Jó é justo.

Quando finalmente Jó encontra Deus, a resposta de Deus é “Eu não devo resposta a
você só pelo fato de você ser justo. A nossa justiça não deve estar pautada na
retribuição.

Você não estava aqui quando eu criei o mundo, e medi os oceanos com as conchas
da minha mão. Assim, todo tipo de retribuição ou resposta, tem a ver com Deus.

CAP. 29-31-> Jó reafirma sua própria justiça. Se eu trai, oprimi, fui mal amigo,
tudo bem, eu mereço. Jó quem ele era, e que ele era uma boa pessoa.

CAP. 27: Jó se apega a que? Na visão de Jó, Deus tinha virado as costas para ele.
Eu fui abandonado. Momento de baixa decide se apegar a algo. Ele não pode
contar com Deus.

Quando Jó perde tudo, como diz em Dt., ele só consegue se apegar a justiça e
integridade. A fé que depende da ação divina para fazer o que é justo, é uma fé
torta, é uma fé inferior. É o que o próprio satanás diz: olha, ele não é assim de
graça.
UM

Dois temas:

1- Existe mesmo um juízo retributivo, Deus retribui de acorco com a


maneira com que elas agem?
2- As virtudes dos seres humanos, são ou deveriam ser motivadas pelas
atitudes humanas?

O homem é justo pela justiça, ou a motivação é a atitude de Deus


O livro é anônimo.

DOIS
PRÓLOGO EM PROSA

Tem uma série de coisas interessantes:


Verso 1.1

1. fato narrativo: homem justo. Essas impressões não aparecem pela primeira
vez na Biblia.
Desviava do mal: Davi. Foram usadas em outros personagens bíblicos.
Depois essa justiça, integridade, vai ser colocada em questão.
Mas jó de fato é justo.

2. 1.5
A primeira esfera é a terrena, a segunda é a divina.
Começa no 6.

Biné Elohim, como se fosse uma apresentação de corte. O trono como uma
corte do antigo oriente médio, era comum. As pessoas vão dar contas ao rei.
Os filhos de Deus: normalmente na Biblia está designando anjos. Seres
celestiais. A expressão Satanás, como se fosse um nome próprio. Acontece
que a palavra Satam é um substantivo comum, significa adversário, usada
outras vezes na Biblia sem se referenciar a Satanas. Genesis 22, anjo de
Deus quando se opõe a jumenta de Balaão. A Descrição que se opõem,
adversário, oponente.
Mas aqui no livro de Jó aparece com um detalhe: com um artigo definido.
HaSatam, que só aparece em Zacarias 3, a gente ve Satanas também numa
corte, num juízo, HaSatam. Agora a gente ve que não está sendo usado para
qualquer adversário, sim para O adversário.
Uma figura enigmática e misteriosa. A figura aparece na corte, entre os
filhos de Deus, mas o texto faz uma oposição entre os benei há elohim e
HaSatam.

V.8
Aqui o autor coloca na boca de Deus o que já sabíamos.
No verso seguinte do diálogo de Deus e Satanás, imediatamente após as
consequências disso aqui na terra. Foi sobrenatural. Bendito mesmo.

Um elemento importante no prólogo: as esferas humanas e celestial são


interligadas. O que acontece aqui interfere lá. No pensamento bíblico as coisas
físicas são espirituais. As coisas que acontecem no Céu, também se manifestam
aqui.

É tão radical, que quando adão e eva pecam, a terra física manifesta os espinhos e
abrolhos.
A espiritualidade não vive isolada do resto. Tudo é espiritual de certa forma. O que
acontece na assembleia divina, reflete na terra, e o que acontece na terra, reflete na
atmosfera divina.

QUATRO

FINAL DO CAPILTO 2

Três amigos de jó, ficam sentados em silencio e jejum durante 7 dias.


Não só pela família de Jó, mas pelo próprio Jó. Como se ele mesmo tivesse
morrido.

Depois de sete dias, Jó se levanta e começa a falar.


Capitulo 3-42 é tudo feito em poesia, um tipo diferente de poesia.
Tem elementos muito próprios.
Pq tem tanta poesia?

Três grandes ciclos de discursos:


Primeiro de Jó
Elifaz

Bildade

Zofar

Em paralelismo em poesia, como se fossem diálogos.


Referencias diretas ou indiretas a criação.

Primeiro discurso de Jó: Luz, trevas. Dia, Noite.


Proximos discursos:
6 e 7 elementos da natureza.
9 e 10 menções explicitas:
V.1: Grandeza de
Deus
10 v. 8-12: crianção dele mesmo.

Lv 25
Quando alguém está endividado, um parente pode comprar suas coisas, para depois
conseguir devolver. Gohel, um parente, um termo jurídico

V47: Se virar servo, o Gohel também pode compra-lo.


V55: Vocês servem a mim

Nm 35:9 Cidade de refugio. Vingador de sangue = Gohel.


Jo 19:25: Gohel

É incrível. Não apenas os leitores leigos, mas diversos estudiosos, quando "entram"
na roda da discussão entre Jó e seus amigos, costumam tomar o partido dos
adversários. É muito comum ler comentários bíblicos que alegam: "Jó sofreu para
aprender uma lição"; "Jó sofreu para fortalecer a sua fé"; "Jó sofreu para
vindicar o caráter de deus"; e, pasmem, "Jó sofreu porque se considerava justo
demais". Eu não sei se você percebe a ironia, mas é como se os próprios leitores
de Jó participassem da discussão e tomassem o papel de um dos adversários sem
perceber…

Normalmente, nessas "rodas de conversa" sobre o sofrimento, a voz do sofredor é


anulada. Há sempre a tentativa de advogar a favor do caráter de deus; uma
tentativa constante de justificar os seus atos diante das injustiças do mundo.
"Teodiceia", é o nome técnico conferido à pratica de defender a justiça divina —
do grego, θεός (théos), “deus”, e δίκη (díkē), “justiça". Os "amigos de Jó" (seja o
personagem ou o leitor) se esforçam para calar o protagonista e oferecer a ele um
motivo plausível para continuar sofrendo, já que a justiça de deus não pode ser
questionada.
Por isso, neste ensaio, eu gostaria tomar outro papel. Quero me sentar na roda do
debate e tomar o partido de Jó. Para isso, vou escrever aqui as minhas
considerações sobre o caso:
Em primeiro lugar, devemos reconhecer que o discurso de Jó não é raro, e não
está restrito a seu caso em específico, o que o torna ainda mais verdadeiro. A ideia
do "justo sofredor" é atemporal; reflete a realidade de pessoas que enfrentam
injustiças e não encontram consolo algum, seja nos amigos ou no deus que
professam crer. Podemos encontrar esse discurso na literatura do Antigo Oriente
Médio (AOM), por exemplo, o contexto histórico-literário em que a história de Jó
certamente foi popularizada.

Não existe um tipo de vida que você leva aqui que não seja a espiritual

Você também pode gostar