Você está na página 1de 3

CASOS PRÁTICOS - DD352

CASO 1 -

O paciente já está viciado em vídeo game, pois passa muitas horas por dia jogando, perdendo o
interesse e atenção em outras atividades, reproduzindo comportamentos e gestuais, imitando os
personagens e ações que vê em jogos, chegando até mesmo a machucar seus pares, fraturando o
braço de um colega. Claramente demonstra que o mesmo está sofrendo influência dos jogos, visto
que tem preferência pela temática de luta e guerra, tem se demonstrado, mais irritado, distraído, com
baixa tolerância a frustrações, negativas.

Carlos é uma criança que sofre de hiper estimulação eletrônica, o que pode causar danos tanto na
vida pessoal quanto na vida escolar, pois por passar tanto tempo isolado em seu próprio mundo,
jogando, acaba se isolando cada vez mais, perdendo interesse em interagir com outras pessoas e com
o mundo a sua volta, tornando-o alienado, ansioso, com algumas valores deturpados. Como próprio
relato diz o paciente já se encontra distraído, sem interesse nas tarefas escolares, pois geralmente
considera chato e desinteressante, desenvolvendo atenção seletiva ou concentrada, apenas a
conteúdos que considera interessante.

CASO 2 -

Maria é vítima de assédio escolar, pois sofre violência neste âmbito, ocorrendo prática ou omissão
por exercido por membros da comunidade escolar. A mesma padece bullying verbal, sendo chamada
de diversos apelidos, assim como: índia, marrom, mestiça, pobretona, todos com conotação
pejorativa, bullying social, pois eles a excluem e isolam, não lhe escolhem para fazer trabalho e está
sempre sozinha no pátio. Também sofre bullying físico, pois empurram, fazem ela tropeçar, quando
cai, riem, rasgam seus cadernos, cospem quando ela passa, enfim a mesma sofre assédio físico, moral,
social e psicológico, pois todos esses relatos podem causar sérios danos psicológicos.

Segundo relato, ela evita enfrentamento e não diz nada a ninguém, sendo que ela deveria falar com
seus professores ou com seus responsáveis para que tomassem uma providência junto a escola,
contudo é necessário que estes estejam atentos aos sinais de que essas crianças possam vir a está
enfrentando bullying. Sendo de a responsabilidade da escola conscientizar e criar estratégias para
eliminar o assédio, através de palestras, dinâmicas e trabalhos com os alunos. E pais buscarem através
de diálogo e ajuda psicológica, capacitarem Maria a lidar com a situação, tomando uma atitude de
enfrentamento e não de vitimização, aceita tudo calada sem ao menos buscar ajuda.

CASO 3 -

A situação de ciberbullying, tem consequências para vítima e para o agressor, pois após Jesus cumprir
a ameaça e espalhar fotos e vídeos de Laura nua, ela passou a receber comentários maliciosos,
mensagens ofensivas, memes a ridicularizando, sendo qualificada de ingênua a prostituta. A partir
deste fato, dela ser vítima de ciberbullying, começou a se isolar, dizendo aos pais que não mais ir à
escola, nem estudar, se resignando e isolando-se, chegou s implicadosa tomar pílulas numa tentativa
de suicídio. O que indica sentia-se indefesa, incapaz de lidar com a situação, tão desesperada que
preferiu tentar dar fim a própria vida e o sofrimento, o que caracteriza uma possível depressão.
Mas também há consequências para o ciberagressor, apesar do texto não relatar claramente é
possível perceber os distúrbios da personalidade, pois antes do ocorrido e do término, ele oferece um
amor doentio, possessivo, controlador, depois passando a ser agressivo, pois além de controlar as
roupas e os lugares onde ela ia, passou a bater nela, tudo com a desculpava de que a amava de de
mais e queria protege-la. Quando ele cometeu o ciberbullying, ele infringiu normas e regras, pois este
é classificado como crime e está sujeito a punição, no caso de menor deste provavelmente ser menor
de idade, possivelmente está sujeito a medida sócio educativa. Além de ficar marcado pelo resto da
vida como uma pessoa que não é confiável, com caráter duvidoso, com grande probabilidade de se
envolver com bebidas e drogas em outras infrações devido ao seu descontrole e obsessividade.

✓ Os implicados – Laura (vítima), Jesus (agressor) - Jesus para se vingar de Laura sua ex-
namorada, que terminou com ele, divulga vídeos sexuais e fotos dela nua.
✓ O grupo – Os colegas de escola de Laura e Jesus, pra quem ele enviou as fotos e vídeos, sendo
que estes não só repassaram, como se colocaram na posição de julgadores, enviando
mensagens ofensivas, discriminando, apontando e excluindo a vítima, tornando-se também
participantes do crime.
✓ O colégio - A escola cabe tomar as devidas providências para coibir, os burburinhos nos
corredores, a discriminação, rotulação e isolamento da mesma. É necessário fazer um
trabalho de conscientização com o grupo envolvido e com o agressor para que tenham noção
da gravidade do problema e quanto isso pode ser prejudicial a vida da vítima, seja com
palestras, rodas de conversas, trabalhos de pesquisas. Também importante que a escola
ofereça apoio para Laura e a família, para que a mesma busque ajuda profissional se
necessário, para que possa voltar a inserida ao contexto escolar.
✓ A família - Cabe a família apoiar, acolher e tomar as devidas providências legais, para retirada
os vídeos e as fotos da internet, visto que provavelmente Laura é menor. Buscar ajuda junto
a escola e a profissionais de saúde assim como psicólogo e até mesmo psiquiatra, já que ela
tomou alguns medicamentos na tentativa de suicidar-se

CASO 4 -

Susana sofria de violência doméstica e intrafamiliar com abuso de poder, que afete a integridade física,
psíquica, moral de individuo contra o outro no contexto do grupo familiar. Ocorrendo violência física,
pois Marcos batia nela, quando chegava em casa bêbado, até mesmo quebrou o nariz da esposa.
Violência psicológica, pois a ofendia, xingava, gritava, subjugando a esposa, não dando a ela o direito
de participar das decisões familiares, se colocando com superior a ela, o que se caracteriza também
como violência de gênero. Também podendo classificar como econômica, porque ele se aproveitar da
questão de ser o provedor do lar para oprimir a esposa e moral pois colocava ela como incapaz até de
cuidar da educação dos filhos, culpando-a por tudo de errado que ocorria, fazendo com que sinta-se
inferior e também se culpe.

Pode se dizer que o casal já viveu todos as fases do ciclo da violência, começando pela tensão que é
acumulada, com as cobranças e acusações do marido, que trabalha o dia todo, cumpre as funções de
provedor e sustento da casa, tudo que ganha, gasta com a família, mas se irrita por achar que a esposa
não cumpre sua parte que é controlar os filhos. Ele bebe e passa para a fase da explosão, xinga, ofendi,
briga, agredi a esposa verbal e até mesmo fisicamente. E por último entra na fase do Arrependimento
ou Lua de mel, por diversas vezes ele se arrependeu e pediu desculpas, fez promessas de mudança e
a esposa perdoou, contudo como ele não cumpriu no momento estariam na fase das tensões pois ela
decidiu pedir o divórcio.
REFERÊNCIA

Cinco tipos de assédio na escola ou bullying. A mente é maravilhosa. Janeiro 1, 2017. Disponível
em: <https://amenteemaravilhosa.com.br/5-tipos-assedio-escola-bullying/>. Acessado em: 21 jun.
2019.

Spritzer, Daniel Tornaim, [Et. Al] - Dependência de Jogos Eletrônicos em Crianças e Adolescentes.
REVISTA BRASILEIRA DE PSICOTERAPIA 2014. Disponível em:
<file:///C:/Users/Dell/Downloads/v16n1a06.pdf>. Acessado em: 22 jun. 2019.

FUNIBER - DD352 - Implicações psicossanitárias e comunitárias da violência - Disponível em:


<https://campus2.funiber.org/mod/scorm/player.php?a=6761&currentorg=ORG-
AFE2EB11B73027776A144A8106FC1E1C&scoid=832017>. Acessado em: 20 jun. 2019.

Você também pode gostar