Você está na página 1de 18

ÍNDICE

INTRODUÇÃO 3

GRIFAR 5

RELEITURA 6

MNEMÔNICA 7

ASSOCIAÇÃO DE IMAGENS 9

ELABORAÇÃO DE RESUMOS 10

INTERROGAÇÃO ELABORATIVA 12

AUTO-EXPLICAÇÃO 13

ESTUDO INTERCALADO 14

TESTE PRÁTICO 15

PRÁTICA DISTRIBUÍDA 17
INTRODUÇÃO
Ano após ano o Exame da Ordem consolida-se como umdos
maioresdesafios para grande parte dos Bacharéis em Direito
recém-formados. Quem acompanha o Exame da OAB já está
acostumado a defrontar-se com índices de aprovação inferiores a
20% do total de inscritos. A prova é muito difícil e o Bacharel em
Direito que almeja lograr êxito no certame precisa estar muito bem
preparado.

Em virtude do baixo índice de Aprovação no Exame de


Ordem, a identificação de novas técnicas de estudo que resultem
em maior desempenho para os examinandos deve ser uma
constante dentre faculdades e cursos preparatórios. Professores e
a maioria absoluta dos candidatos não dão a devida importância
para assuntos como as técnicas de aprendizagem e o
funcionamento do cérebro, da memória e da inteligência.

As técnicas comumente utilizadas até então, como assistir


videoaulas ou aulas presenciais, já não surtem o efeito desejado
pela banca examinadora, forçando o candidato a buscar novas
alternativas!

3
Um recente estudo científico publicadopela revista
Psychological Sciencein thePublic Interest avaliou dez técnicas
comunsde aprendizagem para classificar as que de fato
possuem maior eficácia na assimilação acerca da matéria
estudada.

O resultado do estudo é no mínimo inusitado, pois aponta que as


principais técnicas de estudo largamente utilizadas produzem
resultados muito abaixo do esperado, algumas atésem nenhuma
eficácia. Confira na íntegra as técnicas de estudo avaliadas
pela revista e os motivos de sua maior ou menor utilidade em
provas objetivas.

4
GRIFAR
(UTILIDADE: BAIXA)

Seu bom e velho amigo marca texto pode ser


facilmente aposentado sem prejudicar sua
aprendizagem. Segundo a pesquisa científica, grifar
partes importantes do texto não auxilia em
praticamente NADA a assimilação do conteúdo
estudado.

O motivo pelo qual a prática recebeu avaliação


negativa é a razão pela qual é tão difundida:
praticamente não requer esforço algum! Ao grifar
uma determinada parte do texto, seu cérebro não
está organizando, destacando ou conectando
determinado conhecimento.

A prática só faz sentido caso seja combinada com


alguma outra técnica de estudo. Porém como as
demais técnicas geralmente combinadas com a
marcação de texto, como a releitura, também têm
baixa eficácia. Nessecaso, a melhor sugestão que
podemos dar aos candidatos é economizar os
grifadores e buscar novas abordagens.

5
RELEITURA
(UTILIDADE: BAIXA)

A técnica de Releitura também apresentou


avaliação negativa no presente estudo científico. A
prática emsi foi a menos eficiente emrelação a
todas as demais avaliadas.

Porém se a técnica for aplicada de forma menos


espaçada, ou seja, leitura de uma parte do conteúdo,
seguida da releitura, a técnica já apresenta
desempenho superior ao Grifo e a Elaboração de
Resumo, utilizando como base o mesmo espaço de
tempo na utilização das três técnicas comparadas.

6
MNEMÔNICA
(UTILIDADE: BAIXA)

Mnemônica é o emprego de técnicas de


memorização que utiliza a associação e sumarização
de frases ou números. Esta prática é utilizada como
forma de facilitar a memorização de conceitos
importantes de determinado assunto. Para facilitar o
entendimento desta técnica, vamos apresentar um
exemplo:

Para memorizar os princípios administrativos


expressos na CF, em seu art. 37, caput, você
poderia utilizar a seguinte expressão: LIMPE

L = Princípio da Legalidade
I = Princípio da Impessoalidade
M = Princípio da Moralidade
P = Princípio da Publicidade
E = Princípio da Eficiência

7
O estudo da Psychological Sciencein thePublic
Interest demonstrou que a Mnemônica é uma técnica
de estudo efetiva somente para conteúdos que
possuam palavras chaves ou possam ser
sumarizados em tópicos. Assuntos que não se
enquadram nesta descrição teriam assimilação
baixíssima no emprego da Mnemônica, revelando
que a utilização desta técnica destina-se a casos
muito específicos.

Um detalhe importante é que para esta prática


desempenhar o efeito esperado, a mesma deve ser
revisada num curto espaço de tempo antes do teste
de aprendizagem, caso contrário, não surtirá efeito
algum, pois depende exclusivamente da memória de
curto prazo do estudante.

8
ASSOCIAÇÃO DE IMAGENS
(UTILIDADE: BAIXA)

Para avaliar esta técnica de estudo, pesquisadores


solicitaram a estudantes que imaginassem figuras
enquanto reproduziam determinado conteúdo. A
técnica apresentou resultado positivo somente para
memorização de frases isoladas, tendo efeito muito
baixo para textos longos.

Outra grande surpresa revelada através do estudo é


que a associaçãode textos à imagens pré-definidas,
como a utilização de Mapas Mentais, não
aumentou em praticamente NADA a aprendizagem.
Além de não trazer benefícios aos estudantes, a
técnica em alguns casos limita os benefícios da
imaginação, sendo melhor empregada quando o
estudante tem liberdade de escolha sobre quais
imagens utilizar para recordar o conteúdo.

9
ELABORAÇÃO DE RESUMOS
(UTILIDADE: BAIXA)

Resumir os conceitos mais importantes acerca da


matéria estudada sempre foi uma das técnicas de
estudo mais difundidas por instituições de ensino
brasileiras. Até mesmo por ser quase uma forma
intuitiva de assimilação e aparentemente bastante
funcional, deve ser uma das técnicas de estudo mais
utilizadas.

Apesar disto, o presente estudo científico


identificou que a elaboraçãode resumos é uma
técnica pouco eficiente para melhorar o
entendimento acerca da matéria estudada. Para
provas objetivas, o estudo aponta que a Elaboração
de Resumos não desempenhou praticamente
nenhum resultado, tendo desempenho maior quando
usada na preparação para provas discursivas.

Nas consideraçõesfeitas no artigo científico, os


pesquisadores afirmam que esta técnica é mais
efetiva para estudantes hábeis na confecção de
resumos, podendo assim trazer resultados mais
significativosa este público.

10
INTERROGAÇÃO ELABORATIVA
(UTILIDADE: MODERADA)

A Interrogação Elaborativa não é uma técnica de


estudos amplamentedifundida, apesar de ter sido
classificada com utilidade moderada pelo estudo
científico da Psychological Sciencein thePublic
Interest. Atécnica consiste emrealizar
questionamentos e discorrer sobre suas respectivas
explicações em relação aos pontos de maior
relevância do conteúdo que esteja sendo estudado.

Na Interrogação Elaborativafica evidente a


predominância do “Por quê?” o que remete maior
esforço cerebral por parte do estudante, uma vez
que o mesmo concentra-se em compreender causas
e origens dos assuntos de maior relevância.

Este método de estudo é amplamente aconselhável


para estudantes que preparam-se para provas
discursivas, uma vez que estimula a busca pelo
verdadeiro entendimento da disciplina em questão e
sua capacidade de persuasão sobre o tema tratado.

12
AUTO-EXPLICAÇÃO
(UTILIDADE: MODERADA)

A autoexplicação foi avaliada com utilidade


moderada no processo de aprendizagem. A técnica
consiste em realizar uma autoexplicação (indica-se
que a prática seja realizada em frente a um espelho
de médio à grande porte) sobre assuntos de maior
relevância da matéria que esteja sendo estudada.

É importante que a explicação seja feita com suas


próprias palavras. A leitura em voz alta é uma
vertente desta técnica de estudo, embora apresente
menores resultados na assimilação do conteúdo.

13
ESTUDO INTERCALADO
(UTILIDADE: MODERADA)

O Estudo Intercalado consiste na alternância de


matérias dentro do espaço de tempo destinado ao
estudo. O estudocientífico buscou identificarse é
maisefetivo esgotar uma matéria de cada vez ou se
intercalar diferentes matérias gera melhor
assimilação. Em síntese, o estudo comprova que o
Estudo Intercaladogera resultado significativamente
superior.

O artigo científico aponta que o Estudo Intercalado


tem utilidade moderada tendo como principal motivo a
manutenção da concentração do estudante por
maiores períodos de tempo. O estudo não buscou
identificaro tempo ideal de estudo a ser destinado a
cada matéria, mas para dias com 4 horas de estudo,
passar por 3 ou 4 matérias já estaria de bom
tamanho.

14
TESTE PRÁTICO
(UTILIDADE: ALTA)

O estudo científico realizado pela Psychological


Sciencein thePublic Interest é enfático ao afirmar que o
Teste Prático é até DUAS VEZES maiseficiente do
que as demais técnicas de estudos apresentadas até
então. Este método de estudo é muito simples e
amplamente difundido, porémsua eficácia
significativamente superior que as demais técnicas
de estudo raramente é mencionada.

O Teste Prático consiste na resolução de exercícios,


simulando a realização de uma prova convencional.
Para os candidatos que preparam-se para o Exame de
Ordem, o emprego desta técnica de estudo seria
resolver provas de edições anteriores, enfatizando
assuntos de seu domínio e identificando aquelesque
precisam de mais estudo.

15
PRÁTICA DISTRIBUÍDA
(UTILIDADE: ALTA)

A Prática Distribuída também teve sua utilidade


classificada como alta neste mesmo artigo
científico. Esta técnica de estudo consiste na
utilização do Teste Prático e demais técnicas de
estudo ao longo do tempo, ao invés de concentrar
todos os esforços para a semana que antecede um
teste de avaliação de aprendizagem.

O estudo científico aponta que o período de


tempo idealde estudo varia de 10% a 20% do
período que o conteúdo precisa ser recordado. Ou
seja, se você precisa recordar de um conteúdo por 5
anos, você precisa praticá-lo a cada seis meses.

Em suma, a Prática Distribuída pode ser


interpretada como a distribuição do estudo ao longo
do tempo que antecede o teste de aprendizagem,
evitando o acúmulo de estudo em um curto período
de tempo que em tese não gera nem de perto o
mesmo nível de aprendizagem.

17
/PROVADAORDEM

@PROVADAORDEM

PROVADAORDEM.COM.BR