Você está na página 1de 58

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/331346429

PONTES METÁLICAS (Apostila 2)

Technical Report · June 2003


DOI: 10.13140/RG.2.2.23515.41762

CITATIONS READS

0 655

1 author:

Ricardo A. M. Silveira
Universidade Federal de Ouro Preto
236 PUBLICATIONS   500 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Advanced numerical analysis of steel, concrete and composite structures View project

Stability of Structures under their Own Weight View project

All content following this page was uploaded by Ricardo A. M. Silveira on 26 February 2019.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


PONTES METÁLICAS

Apostila 2

Prof. Ricardo A.M. Silveira


Departamento de Engenharia Civil
Escola de Minas
Universidade Federal de Ouro Preto

Colaboração:
Mestranda Aparecida Mucci Castanheira
PROPEC/Deciv/EM/UFOP

Junho, 2003
ÍNDICE

1 Considerações Iniciais .............................................................................. 1


1.1 Generalidades.......................................................................................................... 1
1.2 Aços Estruturais ...................................................................................................... 3
1.2.1 Aços de Média Resistência ........................................................................... 4
1.2.2 Aços de Alta Resistência .............................................................................. 4

2 Projeto ....................................................................................................... 5
2.1 Cargas ..................................................................................................................... 7
2.2 Materiais e Normas ................................................................................................. 8
2.3 Cálculo do Vigamento/Laje de Concreto................................................................ 8

3 Viga Mista ................................................................................................. 9


3.1 Considerações Iniciais ............................................................................................ 9
3.2 Cálculo das Propriedades Geométricas................................................................. 10
3.3 Cálculo das Solicitações ....................................................................................... 11
3.4 Cálculo das Tensões.............................................................................................. 12
3.5 Verificação ............................................................................................................ 15

4 Projeto – Viga Mista .............................................................................. 17


4.1 Cálculo de bu e das propriedades geométricas ...................................................... 17
4.1.1 Viga Mista Lateral ...................................................................................... 18
4.1.1.1 Área, Distâncias, Mom. Inércia e Mód. Resistência: η0 ................ 20
4.1.1.2 Área, Distâncias, Mom. Inércia e Mód. Resistência: ηf ................. 21
4.1.1.3 Área, Distâncias, Mom. Inércia e Mód. Resistência: ηr ................. 22
4.1.2 Viga Mista Central ...................................................................................... 23
4.1.2.1 Área, Distâncias, Mom. Inércia e Mód. Resistência: η0 ................ 25
4.1.2.2 Área, Distâncias, Mom. Inércia e Mód. Resistência: ηf ................. 26
4.1.2.3 Área, Distâncias, Mom. Inércia e Mód. Resistência: ηr ................. 27
4.2 Cálculo das Solicitações ....................................................................................... 28

I
4.2.1 Carga Permanente A ................................................................................... 28
4.2.2 Carga Permanente B ................................................................................... 33
4.2.3 Carga Móvel ............................................................................................... 39
4.3 Cálculo e Verificação das Tensões ....................................................................... 47
4.3.1 Viga Lateral ................................................................................................ 47
4.3.2 Viga Central ................................................................................................ 52

II
1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

PONTES I
Deciv / EM / UFOP

Ref.: Pontes Rodoviárias Metálicas; Volume 3, Partes I e II - SIDERBRÁS, 1989.


Autor: Elaborado pela EPC (Eng. Proj. Consult. LTDA)

1.1 GENERALIDADES
 PROJETO DE RODOVIAS MODERNAS: adaptação das pontes
ao melhor traçado da estrada

 PONTES MODERNAS: estrutura como um conjunto único


 PONTES MODERNAS:
 Sistema estrutural em viga caixão
 Sistema estrutural em grelha
 Sistema estrutural em placa ortotrópica ou viga mista

 CAMPO DE PREDOMINÂNCIA DAS PONTES METÁLICAS: grandes vãos


 CONHECIMENTOS EXIGIDOS:
 Escolha do tipo do aço
 Adequação do sistema estrutural ao relevo do terreno e característica do solo
 Processos de fabricação e montagem
 Conhecimentos em estática, estabilidade e segurança aerodinâmica
 Sensibilidade estética
 Influência no meio ambiente e proteção do mesmo

1
PONTES METÁLICAS (vantagens):
 Pequena altura disponível
 Curto tempo de execução
 Evita interrupções no escoamento do tráfego
 Necessidade de grandes vãos livres
 Condições desfavoráveis do terreno
 Possibilidade de tráfego mais pesado no futuro
 Facilidade de transporte e execução

2
1.2 AÇOS ESTRUTURAIS

PONTES METÁLICAS

MÉDIA ALTA
RESISTÊNCIA RESISTÊNCIA

3
1.2.1 AÇOS DE MÉDIA RESISTÊNCIA

 MODERADO TEOR DE CARBONO: 0,25%

 PEQUENAS PORCENTAGENS DE MANGANÊS E SILÍCIO

 BOA SOLDABILIDADE (solda elétrica)

 PRÉ-AQUECIMENTO: SÓ PARA PEÇAS DE GRANDE ESPESSURA

 AÇOS:
MR250: Norma Brasileira
ASTM A-36: Norma Americana
ST 37: Norma alemã

1.2.2 AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA


 AÇOS DE INTERESSE: ALTA RESISTÊNCIA, BAIXA LIGA E COM
RESISTÊNCIA A CORROSÃO ATMOSFÉRICA

 PEQUENAS PORCENTAGENS DE LIGA: cromo, nióbio, titânio

 COMPOSIÇÃO QUÍMICA: estabelecida para obter uma elevada resitência

 TEOR DE CARBONO: < 0,2% ⇒ BOA SOLDABILIDADE

 SOLDAS EXECUTADAS COM ELETRODOS DE BAIXO HIDROGÊNIO

 AÇOS: SAC-50: USIMINAS; NIOCOR: CSN; COS-AR-COR: COSIPA

 TENSÃO MÉDIA DE ESCOAMENTO: fy = 350 N/m2 (40% > ASTM A-36)

 REDUÇÃO DO PESO NAS ESTRUTURAS

 CUIDADO: PROBLEMAS DE INSTABILIDADE

 RESISTÊNCIA À CORROSÃO ATMOSFÉRICA

4
2. PROJETO

 PONTE RODOVIÁRIA COM TABULEIRO EM


CONCRETO AMADO

 VIGAS PRINCIPAIS METÁLICAS BIAPOIADAS

 COMPRIMENTO LONGITUDINAL: 20 m

 LARGURA TOTAL: 13 m (12,2 m: pista; 0,4 m: passeio)

 SUPERESTRUTURA: GRELHA
(vigas em aço e tabuleiro de concreto)

 GRELHA METÁLICA: três vigas “I” unidas por uma transversina


intermediária treliçada e duas de apoio de alma cheia

VISTA LONGITUDINAL

5
SEÇÃO TRANSVERSAL

SEÇÃO TRANSVERSAL

6
VIGA LATERAL VIGA CENTRAL

2.1 CARGAS
 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA (viga mista não escorada):
1. CARGA PERMANENTE A: peso próprio APENAS A SEÇÃO TRANSVERSAL DO AÇO
das vigas principais, transversinas, outros CONTRIBUI PARA RESISTIR AOS ESFORÇOS
componentes metálicos, concreto ainda sem SOLICITANTES
resistência e formas

2. CARGA PERMANENTE B: revestimento A SEÇÃO TRANSVERSAL FUNCIONA COMO


asfáltico (50 mm), guarda corpo, eventuais VIGA MISTA PARA RESISTIR AOS ESFORÇOS
dispositivos (dutos, iluminação) SOLICITANTES

3. TODAS AS OUTRAS CARGAS: carga


móvel, retração do concreto, gradiente de
temperatura

A SEÇÃO TRANSVERSAL FUNCIONA COMO VIGA


MISTA PARA RESISTIR AOS ESFORÇOS SOLICITANTES

 CARGA MÓVEL: CLASSE 45 (NBR 7188/84)


1. VEÍCULO TIPO: 450 kN
2. SOBRECARGA: 5 kN/m2
7
2.2 MATERIAIS e NORMAS

AÇO ESTRUTURAL DE ALTA RESISTÊNCIA MECÂNICA


(USI SAC 50, COS - AR - COR, NIOCOR)
Tensão de Escoamento Mínima: Fy = 35 kN/cm2
MATERIAIS
CONCRETO ESTRUTURAL: fck ≥ 21 MPa

BARRAS DE AÇO PARA O CONCRETO:


CA 50 A

 CARGA MÓVEL: NBR 7188/84

 TABULEIRO EM CONCRETO ARMADO: NBR 7187/87 e NBR 6118/82

NORMAS  DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA METÁLICA


1. TENSÕES ADMISSÍVEIS: DIN 1050
2. LARGURA ÚTIL E CONECTORES: DIN 1075, 1078
3. ESTABILIDADE: DIN 4114
4. CARGAS: DIN 1072

2.3 CÁLCULO DO VIGAMENTO / LAJE DE CONCRETO

1. TENSÕES ADMISSÍVEIS: DIN 1050


PRINCIPAIS NORMAS 2. LARGURA ÚTIL E CONECTORES: DIN 1075, 1078
3. ESTABILIDADE: DIN 4114

DISTRIBUIÇÃO TRANSVERSAL DE CARGAS TABELAS DE H. HOMBERG

ESTABILIDADE DA ALMA TABELAS DE KLÖPPEL

LAJE:
E c = 0.9 × 6640,78 f ck + 3,5 MPa
f ck = 21 MPa
E c = 0.9 × 6640,78 21,0 + 3,5 MPa
f ck = 2,1 kN / cm 2
E c = 29583,2 MPa = 2958,32 kN / cm 2
8
3. VIGA MISTA

 DEFINIÇÃO: Laje de concreto rigidamente ligada a uma viga metálica

s
Yc ac
i s
Yc = Ya a

aa
i
Ya

3.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS


 GRANDE ECONOMIA NA VIGA DE ESTRUTURA METÁLICA:
participação da laje de concreto como mesa superior e contraventamento da viga

 REDUÇÃO DO PESO DA VIGA METÁLICA: Metade

 PONTES EM VIGA MISTA (vantagens):


 Pequena altura disponível
 Dificuldade em escorar
 Escoramento oneroso
 Interesse em não obstruir área sob a ponte

 PONTES MISTAS EM GRELHA: Pontes largas e pequeno vão em relação à altura

 TRABALHO CONJUNTO DA LAJE + VIGAS METÁLICAS: Conectores

 CONCRETO:
 RETRAÇÃO: processo de cura
 DEFORMAÇÃO LENTA: carga permanente

9
3.2 CÁLCULO DAS PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS

1. RELAÇÃO ENTRE OS MÓDULOS DE ELASTICIDADE DO AÇO E DO


CONCRETO

Ea
η0 = , onde:
Ec
E c = 0.9 × 2087 f ck + 0.35 (kN / cm 2 )

2. EFEITO DA DEFORMAÇÃO LENTA E RETRAÇÃO (COEFICIENTES)

ηf = η0 (1 + 1.1 ϕn ) e
ηr = η0 (1 + 0.52 ϕn )
Relação entre
ϕn = 2 deformação plástica
e deformação elástica

3. ÁREAS
1. VIGA METÁLICA: Sa
2. LAJE DE CONCRETO: Sc
3. VIGA MISTA: Sc
Sm = Sa +
η0,f ,r
4. DISTÂNCIAS
1. Centro de gravidade da seção de concreto ao centro de gravidade da viga metálica: a
2. Centro de gravidade da seção de concreto ao centro de gravidade da viga mista: ac
Sa
ac = × a
Sc
+ Sa
η 0 ,f ,r
3. Centro de gravidade da viga metálica ao centro de gravidade da viga mista: aa
S c
η 0 ,f ,r
a a = × a
S c
+ S a
η 0 ,f ,r
10
5. MOMENTO DE INÉRCIA
1. SEÇÃO DE AÇO: Ja
2. SEÇÃO DE CONCRETO: Jc
3. VIGA MISTA: 1
J m = J a + S a a a2 +
η 0 ,f ,r
(J c + S c a c2 )
6. MÓDULO DE RESISTÊNCIA
1. VIGA METÁLICA
s
- SUPERIOR: Waa

- INFERIOR: Wi
aa

2. VIGA MISTA
A. CONCRETO: B. AÇO:
- SUPERIOR: Wcs = J m - SUPERIOR: Was = J m
Ycs Yas

- INFERIOR: Wci = J m - INFERIOR: Wai = J m


Yci Yai

3.3 CÁLCULO DAS SOLICITAÇÕES

MOMENTOS FLETORES

1. CARGA PERMANENTE A (peso próprio da laje e da viga de aço): MCPA

2. CARGA PERMANENTE B (guarda-corpo, passeio, asfalto): MCPB

3. CARGA PERMANENTE TOTAL: MCP = MCPA + MCPB

4. CARGA MÓVEL: MCA

5. MOMENTO TOTAL: MTOT = MCPA + MCPB + MCA

11
3.4 CÁLCULO DAS TENSÕES

PONTES SEM ESCORAMENTOS

DIMENSIONAMENTO

CONTROLE DAS
TENSÕES DENTRO
DE CERTOS LIMITES

TEORIA DA ELASTICIDADE
PARA AS CONDIÇÕES
DE USO

A. CARGA PERMANENTE A

 Elemento Resistente: VIGA DE AÇO

 Carga: PESO PRÓPRIO DA LAJE E DA VIGA DE AÇO

 Para: t = 0 e t = ∞
MCPA
σsa =
Waas
MCPA
σia =
Waai

12
B. CARGA PERMANENTE B

 Elemento Resistente: VIGA MISTA

 Carga: GUARGA-CORPO; PASSEIO; ASFALTO

 Para: t = 0  Para: t = ∞ (Deformação Lenta)

1. CONCRETO 2. AÇO 1. CONCRETO 2. AÇO

MCPB MCPB MCPB MCPB


σsc = σsa = σsc = σsa =
η0Wcs Was ηf Wcs Was
MCPB MCPB MCPB MCPB
σic = σia = σic = σia =
η0Wci Wai ηf Wci Wai

C. CARGA MÓVEL

 Elemento Resistente: VIGA MISTA

 Carga: SOBRECARGA DE CURTA DURAÇÃO - Veículos

 Para: t = 0 e t = ∞

1. CONCRETO 2. AÇO

MCA MCA
σsc = σsa =
η0Wcs Was

MCA MCA
σic = σia =
η0Wci Wai

13
D. RETRAÇÃO
 Elemento Resistente: VIGA MISTA
 Deformação: εr = 0.00025
 Para: t = ∞

Sa  Sm (η )a a (η ) 
σ sc = + ε r E a 1 − r
s
r

η r S m ( η )  W c ( ηr ) 
r
1. CONCRETO
Sa  Sm (η )a a (η ) 
σ ic = + ε r E a 1 − r
i
r

ηr Sm(η )  Wc ( η r ) 
r

Sc  S m (η )a c(η ) 
σ sa = − ε r E a 1 + r
s
r

η r S m ( η )  W a ( ηr ) 
2. AÇO r

Sc  S m (η )a c (η ) 
σ ia = − ε r E a 1 − r
1
r

ηr Sm(η )  Wa ( ηr ) 
r

E. GRADIENTE DE TEMPERATURA
 Variação de Temperatura (∆ ∆T): Norma
 Coeficiente de Dilatação: α = 1,2 x 10-5
 Para: t= 0 e t = ∞
Sa  Sm (η )a a (η ) 
σ sc = ± α ∆ T E a 1 − 0
s
0

η 0S m ( η 0 )  Wc ( η 0 ) 
1. CONCRETO
Sa  Sm (η )a a ( η ) 
σ ic = ± α ∆ T E a 1 − 0
i
0

η 0S m ( η 0 )  W c ( η0 ) 

Sc  Sm (η )a c(η ) 
σ sa = ± α ∆ T E a 1 + 0 0

η 0S m ( η 0 )  Was( η0 ) 
2. AÇO
Sc  Sm (η )a c(η ) 
σ ia = ± α ∆ T E a 1 − 0
1
0

η 0S m ( η 0 )  Wa ( η 0 ) 

14
F. RESULTADO FINAL
♦ Calcular as tensões máximas nos 4 pontos combinando-se os resultados

3.5 VERIFICAÇÃO

CONCRETO

COMPRESSÃO
TRAÇÃO

0.4 fck 1
1 . f tk =
10
(
f ck kN / cm 2 )
2
para f ck ≤ 1 . 8 kN / cm

(
2 . f tk = 0 . 06 f ck + 0 . 07 kN / cm 2
)
2
para f ck > 1 . 8 kN / cm

15
AÇO SAC 50

• COMPRESSÃO • CISALHAMENTO
• COMPRESSÃO NA FLEXÃO
13.5 kN/cm2
C/ NECESSIDADE DE VERIFICAÇÃO
DA ESTABILIDADE
21 kN/cm2

• TRAÇÃO
• TRAÇÃO NA FLEXÃO
• COMPRESSÃO QUANDO NÃO É
NECESSÁRIO VERIFICAR 24 kN/cm2
A ESTABILIDADE

PONTES ESCORADAS

DIMENSIONAMENTO

NO ITEM REFERENTE A CARGA


PERMANENTE B:
MCP (momento da carga
permanente total)
NÃO CONSIDERAR O
ITEM REFERENTE A
CARGA PERMANENTE A

16
4. PROJETO – VIGA MISTA
4.1 CÁLCULO DE bu E DAS PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS
LARGURA ÚTIL (DIN 1075, folha 168)

bu = bm1 + bm0 + bm2

onde: bm1 = λ1 b1 e bm2 = λ2 b2

COEFICIENTES λ

b/L 0,05 0,10 0,15 0,20 0,25 0,30 0,35 0,40

λ 0,984 0,938 0,870 0,782 0,702 0,620 0,544 0,477

17
4.1.1 VIGA MISTA LATERAL

b1 1914 b
= = 0,096 Int
. lin .
→ m1 ≅ 0,94 → b m1 ≅ 1799 mm
L 20000 b1

b 2 1789 b
= = 0,089 Int
. lin .
→ m 2 ≅ 0,95 → b m 2 ≅ 1700 mm
L 20000 b2

bu = bm1 + bm0 + bm 2
bu = 1799 + 672 + 1700
bu = 4171 mm

18
VIGA MISTA LATERAL

RET 1 RET 3
RET 2
TRI 1 TRI 2

PLACA DE CONCRETO (VML)


SEÇÕES ÁREAS (cm2) Yi (cm) Yf (cm) LARG (cm) JC (cm4)

RET 1 3870 13,6 33,6 193,5 2284436

RET 2 1344 0 33,6 40 505774

RET 3 3672 13,6 33,6 183,6 2167557

TRI 1 612 0 13,6 90 56598

TRI 2 612 0 13,6 90 56598

EC = 2958,32 kN/cm2
yG = + 20,9 cm
ÁREA (total) = 10110 cm2
MOM. INÉRCIA = + 639377 cm4
JC (total) = 5070963 cm4
19
VIGA DE AÇO (VML)

SEÇÕES ÁREAS (cm2) Yi (cm) Yf (cm) LARG (cm) JC (cm4)

CHAP.1 150 0 2,5 60 313

CHAP.2 100,5 2,5 128,1 0,8 560548

CHAP.3 76 128,1 130 40 1265719

yG = + 50,7 cm
Ea = 21000 kN/cm2
MOM. INÉRCIA = + 986949 cm4
ÁREA (total) = 326,5 cm2
Waas = +12448 cm 3
JC (total) = 1826580 cm4
i
Waa = +19462 cm 3

4.1.1.1 ÁREA,DISTÂNCIAS, MOM. INÉRCIA E MÓD. RESISTÊNCIA: η0


Ea 21000
η0 = = = 7,09862
E c 2958,32
Sc 10110
ÁREA: Sm = Sa + = 326,5 + ≅ 1750,7 cm 2
η0 7,09862
DISTÂNCIAS:

a = 100,2 cm
Yci = − 2,2 cm
Sa s ac
ac = × a = 18,7 cm Yc i s
Sc / η0 + Sa Ycs = + 31,4 cm Yc= Ya a
aa
aa =
Sc / η0
× a = 81,5 cm Yai = + 132, 2 cm i
Sc / η0 + Sa Ya
Yas = − 2,2 cm

20
MOMENTO DE INÉRCIA:

1
J m = J a + Sa a a2 +
η0
( )
J c + Sc a c2 ≅ + 3744890 cm 4

MÓDULO DE RESISTÊNCIA:

A. CONCRETO:
- SUPERIOR: Wcs = J m = + 119440 cm3
Ycs

- INFERIOR: Wci = J m = − 1667211 cm3


Yci
B. AÇO:
- SUPERIOR: Was = J m = − 1667211 cm3
Yas

- INFERIOR: Wai = J m = + 28318 cm3


Yai

4.1.1.2 ÁREA,DISTÂNCIAS, MOM. INÉRCIA E MÓD. RESISTÊNCIA: ηf


DEFORMAÇÃO LENTA

ηf = η0 (1 + 1.1 × ϕn ) = 7,098 (1 + 1.1 × 2 ) = 22,7156

Sc 10110
ÁREA: Sm = Sa + = 326,5 + ≅ 771,5 cm 2
ηf 22,7156
DISTÂNCIAS:

a = 100,2 cm
Sa Yci = + 21,5 cm
ac = × a = 42,4 cm s ac
Sc / ηf + Sa Yc i s
Ycs = + 55,1 cm Yc= Ya a
S c / ηf aa
aa = × a = 57 ,8 cm Yai = + 108,5 cm i
S c / ηf + S a Ya
Yas = + 21,5 cm
21
MOMENTO DE INÉRCIA:
1
J m = J a + Sa a a2 +
ηf
( )
J c + Sc a c2 ≅ + 2906843 cm 4

MÓDULO DE RESISTÊNCIA:

A. CONCRETO:
- SUPERIOR: Wcs = J m = + 52781 cm3
Ycs

- INFERIOR: Wci = J m = + 135371 cm3


Yci
B. AÇO:
- SUPERIOR: Was = J m = + 135371 cm3
Yas

- INFERIOR: Wai = J m = + 26785 cm3


Yai

4.1.1.3 ÁREA,DISTÂNCIAS, MOM. INÉRCIA E MÓD. RESISTÊNCIA: ηr


RETRAÇÃO

ηr = η0 (1 + 0.52 × ϕn ) = 7,098 (1 + 0.52 × 2 ) = 14,4812

Sc 10110
ÁREA: Sm = Sa + = 326,5 + ≅ 1024,6 cm 2
ηr 14,4812
DISTÂNCIAS:

a = 100,2 cm
i
Sa
ac = × a = 31,9 cm Yc = + 11 cm s ac
Sc / ηr + Sa Yc i s
Ycs = + 44,6 cm Yc= Ya a
S c / ηr aa
aa = × a = 68,3 cm Yai = + 119 cm i
Sc / r Sa
η + Ya
Yas = + 11 cm

22
MOMENTO DE INÉRCIA:

1
J m = J a + Sa a a2 +
ηr
( )
J c + Sc a c2 ≅ + 3265601 cm 4

MÓDULO DE RESISTÊNCIA:

A. CONCRETO:
- SUPERIOR: Wcs = J m = + 73223 cm3
Ycs

- INFERIOR: Wci = J m = + 296923 cm3


Yci
B. AÇO:
- SUPERIOR: Was = J m = + 296923 cm3
Yas

- INFERIOR: Wai = J m = + 27442 cm3


Yai

4.1.2 VIGA MISTA CENTRAL

b1 b 2 1725 b b
= = = 0,086 Int
. lin .
→ m1 = m 2 ≅ 0,95
L L 20000 b1 b2
b m1 = b m 2 ≅ 1639 mm

b u = b m1 + b m 0 + b m 2
b u = 1639 + 800 + 1639
b u = 4078 mm

23
VIGA MISTA CENTRAL

RET 1 RET 3
RET 2
TRI 1 TRI 2

PLACA DE CONCRETO (VMC)


SEÇÕES ÁREAS (cm2) Yi (cm) Yf (cm) LARG (cm) JC (cm4)

RET 1 3678 20 40 183,9 3432802

RET 2 1600 0 40 40 853334

RET 3 3678 20 40 183,9 3432802

TRI 1 900 0 20 90 180000

TRI 2 900 0 20 90 180000

EC = 2958,32 kN/cm2
yG = + 25,7 cm
ÁREA (total) = 10756 cm2
MOM. INÉRCIA = + 961806 cm4
JC (total) = 8078937 cm4
24
VIGA DE AÇO (VMC)

SEÇÕES ÁREAS (cm2) Yi (cm) Yf (cm) LARG (cm) JC (cm4)

CHAP.1 100 0 2,5 40 208

CHAP.2 100,8 2,8 128,75 0,8 569122

CHAP.3 43,8 128,75 130 35 732288

yG = + 50,8 cm
Ea = 21000 kN/cm2
MOM. INÉRCIA = + 671486 cm4
ÁREA (total) = 244,5 cm2
Waas = + 8475 cm3
JC (total) = 1301619 cm4
Waai = + 13227 cm3

4.1.2.1 ÁREA,DISTÂNCIAS, MOM. INÉRCIA E MÓD. RESISTÊNCIA: η0


Ea 21000
η0 = = = 7,09862
E c 2958,32
S 10756
ÁREA: Sm = Sa + c = 244,5 + ≅ 1759,7 cm 2
η0 7,09862
DISTÂNCIAS:

a = 105 cm
Sa Yci = − 11,1 cm
ac = × a = 14,6 cm s ac
Yc i s
Sc / η0 + Sa Ycs = + 28,9 cm Yc= Ya a
Sc / η0 aa
aa = × a = 90,4 cm Yai = + 141,1 cm i
Sc / η0 + Sa Ya
Yas = − 11,1 cm

25
MOMENTO DE INÉRCIA:
1
J m = J a + Sa a a2 +
η0
( )
J c + Sc a c2 ≅ + 3126277 cm 4

MÓDULO DE RESISTÊNCIA:

A. CONCRETO:
- SUPERIOR: Wcs = J m = + 108325 cm3
Ycs

- INFERIOR: Wci = J m = − 208643 cm3


Yci

B. AÇO:
- SUPERIOR: Was = J m = − 280643 cm3
Yas

- INFERIOR: Wai = J m = + 22150 cm3


Yai

4.1.2.2 ÁREA,DISTÂNCIAS, MOM. INÉRCIA E MÓD. RESISTÊNCIA: ηf


DEFORMAÇÃO LENTA

ηf = η0 (1 + 1.1 × ϕn ) = 7,098 (1 + 1.1 × 2 ) = 22,7156


Sc 10756
ÁREA: Sm = Sa + = 244,5 + ≅ 718 cm 2
ηf 22,7156
DISTÂNCIAS:

a = 105 cm
Sa Yci = + 10 cm s
ac = × a = 35,7 cm ac
Sc / ηf + Sa Yc i s
Ycs = + 50 cm Yc= Ya a
Sc / ηf aa
aa =
Sc / ηf + Sa
× a = 69,2 cm Yai = + 120 cm i
Ya
Yas = + 10 cm
26
MOMENTO DE INÉRCIA:
1
J m = J a + Sa a a2 +
ηf
( )
J c + Sc a c2 ≅ + 2490137 cm 4

MÓDULO DE RESISTÊNCIA:

A. CONCRETO:
- SUPERIOR: Wcs = J m = + 49784 cm3
Ycs

- INFERIOR: Wci = J m = + 248553 cm3


Yci
B. AÇO:
- SUPERIOR: Was = J m = + 248553 cm3
Yas

- INFERIOR: Wai = J m = + 20754 cm3


Yai

4.1.2.3 ÁREA,DISTÂNCIAS, MOM. INÉRCIA E MÓD. RESISTÊNCIA: ηr


RETRAÇÃO

ηr = η0 (1 + 0.52 × ϕn ) = 7,098 (1 + 0.52 × 2 ) = 14,4812


Sc 10756
ÁREA: Sm = Sa + = 244,5 + ≅ 987,3 cm 2
ηr 14,4812
DISTÂNCIAS:

a = 105 cm

Sa
Yci = + 0,3 cm s
ac = × a = 26 cm Yc i s ac
Sc / ηr + Sa Ycs = + 40,3 cm Yc= Ya a
aa
aa =
Sc / ηr
× a = 79 cm Yai = + 129,7 cm i
Ya
Sc / ηr + Sa
Yas = + 0,3 cm

27
MOMENTO DE INÉRCIA:

1
J m = J a + Sa a a2 +
η
( )
J c + Sc a c2 ≅ + 2764369 cm 4
r

MÓDULO DE RESISTÊNCIA:

A. CONCRETO:
- SUPERIOR: Wcs = J m = + 68644 cm3
Ycs

- INFERIOR: Wci = J m = + 10202781 cm3


Yci

B. AÇO:
- SUPERIOR: Was = J m = + 10202781 cm3
Yas

- INFERIOR: Wai = J m = + 21309 cm3


Yai

4.2 CÁLCULO DAS SOLICITAÇÕES


4.2.1 CARGA PERMANENTE A
• APENAS A SEÇÃO TRANSVERSAL DO AÇO
CONTRIBUI PARA RESISTIR AOS ESFORÇOS SOLICITANTES
• Cargas 1. PESO PRÓPRIO DA VIGA METÁLICA

2. LAJE DE CONCRETO
e (espessura média da laje) ≅ 0,259 m
• Cálculo da carga unifor.
distribuída - LAJE DE CONCRETO q = e γc = 0,259 × 25 = 6,475 kN/m2

Laje armada em uma direção

q = 6,475 kN/m2

VP1 VP2 VP3


2,25 m 4,25 m 4,25 m 2,25 m

28
LAJE DE CONCRETO

2
• Momento no Balanço: M b = − 6,475 × 2,25 ≅ −16,39 kNm
2
e
• Esforço Cortante: VVP1 = −6,475 × 2,25 ≅ −14,57 kN / m

• Método de Cross:

d21 d23

VP1 M21 VP3


M23

VP2

qL2 M b 6,475 × 4,252 16,39


M12 = − M 23 = − + =− +
8 2 8 2
M12 = − M 23 = − 6,424 kNm

16,39 6,424
q = 6,475 kN/m2

Obs.:
VP1 4,25 m
VP2

d 16,39 6,424 6,475 × 4,25


VVP1= − + -
4,25 4,25 2
d
VVP1 ≅ 16,10 kN

e
VVP 2 = +16,10 − 6,475 × 4,25
e
VVP 2 ≅ − 11,42 kN

29
e d
VIGA LATERAL: R VP1 = R VP3 = VVP1 + VVP1 = 30,67 kN / m

Vista Longitudinal
Viga Lateral:

q = 30,67 kN/m

pilar pilar

e d
VIGA CENTRAL: R VP 2 = VVP 2 + VVP 2 = 22,84 kN / m

Viga Central:

q = 22,84 kN/m

pilar pilar
20 m

VIGA DE AÇO - PESO PRÓPRIO


• Cálculo da carga uniformemente distribuída: γa = 78,5 kN/m3
VIGA DE AÇO
A(Viga Lateral) = 0,03265 m2
A(Viga Central) = 0,02446 m2

1. VIGA LATERAL: q = A ( V.Lat .) γ a = 0,03265 × 78,5 = 2,56 kN / m


Vista Longitudinal
q = 2,56 kN/m

pilar pilar

2. VIGA CENTRAL: q = A ( V.Cen .) γ a = 0,02446 × 78,5 = 1,92 kN / m

q = 1,92 kN/m

pilar pilar
20 m
30
RESULTADO FINAL

VIGA LATERAL Vista Longitudinal

q = 30,67 + 2,56 ≅ 33,2 kN/m

pilar pilar

VIGA CENTRAL

q = 22,84 + 1,92 ≅ 24,8 kN/m

pilar pilar
20 m

VIGAS PRINCIPAIS: Seções Estudadas

Vista Longitudinal
X=0 X=5 X=10
0 1 2 3 4 8
Apoio X=2,5
Apoio
X=7,5
20 m

31
Viga Lateral

0
X=0
1 2 3 4
q = 33,2 kN/m
X=5 X=10
Seção 0: X=2,5 X=7,5
20 m
M = 0
33 , 2 × 20
V = = 332 kN
2

Seção 1: Seção 3:
2
M = 332 × 2 ,5 −
33 , 2 × 2 ,5
= 726 ,3 kNm 33 , 2 × 7 ,5 2
M = 332 × 7 ,5 − = 1556 ,3 kNm
2 2
V = 332 − 33 , 2 × 2 , 5 = 249 kN V = 332 − 33 , 2 × 7 ,5 = 83 kN

Seção 2: Seção 4:
33,2 × 52 33,2 × 202
M = 332 × 5 − = 1245kNm M= = 1660 Nm
2 8
V = 332 − 33,2 × 5 = 166 kN V=0

Viga Central

0
X=0
1 2 3 4
q = 24,8 kN/m
X=5 X=10
Seção 0:
X=2,5 X=7,5
M = 0 20 m
24 ,8 × 20
V = = 248 kN
2

Seção 1: Seção 3:
24 ,8 × 2 ,5 2
M = 248 × 2 ,5 − = 542 ,5 kNm 24 ,8 × 7 , 5 2
2 M = 248 × 7 , 5 − = 1162 , 5 kNm
2
V = 248 − 24 ,8 × 2 ,5 = 186 kN V = 248 − 24 ,8 × 7 ,5 = 62 kN

Seção 2: Seção 4:
24,8 × 52 24,2 × 202
M = 248 × 5 − = 930kNm M= = 1240 Nm
2 8
V = 248 − 24,8 × 5 = 124 kN V=0
32
4.2.2 CARGA PERMANENTE B
• Observação Importante: A SEÇÃO TRANSVERSAL FUNCIONA COMO
VIGA MISTA PARA RESISTIR AOS ESFORÇOS SOLICITANTES

1. GUARDA CORPO
• Cargas
2. PAVIMENTAÇÃO (revestimento)
e (espessura média do revestimento) ≅ 0,05 m
• Cálculo da carga unifor.
distribuída - PAVIMENTAÇÃO q = e γr = 0,05 × 24 = 1,20 kN/m2
Guarda corpo = 5,8 kN/m
5,8 kN/m 5,8 kN/m

0,2 m 0,2 m 0,2 m 0,2 m

q = 1,2 kN/m2

VP1 VP2 VP3


2,25 m 4,25 m 4,25 m 2,25 m

GRELHA
3 3
L I  20  164807
VIGA LATERAL Z=  Q =  ≅ 0 ,573
2
 a I  2 × 4 , 25  3744890
L = 20 m; I = 3.744.890; L E IQ
Zt = = ∞ (perfil I)
a = 4,25 m; IQ = 164807 8a G IT
3 3
VIGA CENTRAL L I  20  164807
Z=  Q =  ≅ 0 , 687
2
 a I  2 × 4 , 25  3126277
L = 20 m; I = 3.126.277
L E IQ
a = 4,25 m; IQ = 164.807 Zt = = ∞ (perfil I)
8a G IT
J m (Viga Lateral) 3.744.890
= ≅ 1,20
J m (Viga Central) 3.126.277
TABELAS DE H. HOMBERG

ra : rb : rc = 1,20 : 1,0 : 1,20


33
VIGA LATERAL: Tabelas de H. HOMBERG
3
 L  IQ
Z =  ≅ 0 , 687
 2 a  I
ra : rb : rc = 1, 20 : 1,0 : 1, 20
L E IQ
Zt = = ∞ ( perfil I )
8a G I T

B(AA); B(AB); B(AC)

Z = 0,5 Interpolação Z = 1,0


linear
B(AA) = 0,9390 B(AA) = 0,9138
B(AB) = 0,1463 Z = 0,687 B(AB) = 0,2069
B(AC) = - 0,061 B(AC) = - 0,0862
B(AA) = 0,930
B(AB) = 0,169
B(AC) = - 0,070

VIGA CENTRAL: Tabelas de H. HOMBERG


3
 L  IQ
Z =  ≅ 0 , 687
 2 a  I
ra : rb : rc = 1, 20 : 1,0 : 1, 20
L E IQ
Zt = = ∞ ( perfil I )
8a G I T

B(BA); B(BB); B(BC)

Z = 0,5 Interpolação Z = 1,0


linear
B(BA) = 0,1220 B(BA) = 0,1724
B(BB) = 0,7073 Z = 0,687 B(BB) = 0,5862
B(BC) = 0,1220 B(BC) = 0,1724
B(BA) = 0,141
B(BB) = 0,662
B(BC) = 0,141
34
VIGA LATERAL: Curva de Distribuição da Carga

A4
y2
A3
A2
y1 A1

q (Viga Lateral) = 5,8 x (y1 - y2) + 1,2 x (A1 + A2 + A3 - A4) ≅ 12,2 kN/m

VIGA CENTRAL: Curva de Distribuição da Carga

q ( Viga Central ) = 2 × 1, 2 × 1,86 − 2 × 5,8 × 0, 22 = 1,9 kN / m

37
RESULTADO FINAL

VIGA LATERAL Vista Longitudinal

q = 12,2 kN/m

pilar pilar

VIGA CENTRAL

q = 1,9 kN/m

pilar pilar
20 m

Viga Lateral

X=0
0 1 2 3 4
q = 12,2 kN/m
X=5 X=10
Seção 0: X=2,5 X=7,5
20 m
M = 0
12 , 2 × 20
V = = 122 kN
2

Seção 1: Seção 3:
2
12 , 2 × 2 ,5 12 , 2 × 7 , 5 2
M = 122 × 2 ,5 − = 266 ,9 kNm M = 122 × 7 ,5 − = 571 ,9 kNm
2 2
V = 122 − 12 , 2 × 2 ,5 = 91 ,5 kN V = 122 − 12 , 2 × 7 , 5 = 30 , 5 kN

Seção 2: Seção 4:
2
12,2 × 5 12,2 × 202
M = 122 × 5 − = 457,5kNm M= = 610 kNm
2 8
V = 122 − 12,2 × 5 = 61 kN V=0
38
Viga Central

0
X=0
1 2 3 4
q = 1,9 kN/m
X=5 X=10
Seção 0:
X=2,5 X=7,5
M = 0 20 m
1, 9 × 20
V = = 19 kN
2

Seção 1: Seção 3:
1, 9 × 2 , 5 2 1,9 × 7 ,5 2
M = 19 × 2 , 5 − = 41 , 6 kNm M = 19 × 7 ,5 − = 89 ,1kNm
2 2
V = 19 − 1, 9 × 2 ,5 = 14 , 3 kN V = 19 − 1,9 × 7 ,5 = 4 ,8 kN

Seção 2: Seção 4:
1,9 × 5 2
1,9 × 202
M = 19 × 5 − = 71,3kNm M= = 95 kNm
2 8
V = 19 − 1,9 × 5 = 9,5 kN V=0

4.2.3 CARGA MÓVEL

CLASSE 45 (NBR 7188/84)

P = 75 kN/roda
Faixa Principal: q = 5 kN/m2
Faixa Secundária: q = 5 kN/m2

COEFICIENTE DE IMPACTO:

ϕ = 1, 4 − 0 , 007 L
ϕ = 1, 4 − 0 , 007 20
ϕ = 1, 26

39
VIGA LATERAL: TREM-TIPO

1. CARGAS
CONCENTRADAS R (ϕP ) = 1,26 × 75 × (1,20 + 0,79) = 188,1 kN

2. CARGAS
• Região do Veículo
UNIFORMEMENTES
DISTRIBUÍDAS R (ϕq ) = 1,26 × 5 × (1,27 + 0,22) = 9,4 kN / m

• Região Fora do Veículo


R (ϕq ) = 1,26 × 5 × (3,0 + 1,27 + 0,22) = 28,3 kN / m

40
VIGA CENTRAL: TREM-TIPO

1. CARGAS
R (ϕP ) = 1,26 × 75 × 2 × 0,62 = 117,2 kN
CONCENTRADAS

2. CARGAS
UNIFORMEMENTES • Região do Veículo
DISTRIBUÍDAS R (ϕq ) = 1,26 × 5 × 2 × (0,98 + 0,05) = 13,0 kN / m

• Região Fora do Veículo


R (ϕq ) = 1,26 × 5 × 2 × (0,05 + 0,98 + 0,93) = 24,7 kN / m

41
Esforço Cortante: Seção 0 (x = 0 m)

Viga Lateral: Vmáx = 150,3 x 2,775 + 28,3 x 10 = 700,1 kN

Viga Central: Vmáx = 93,8 x 2,775 + 24,7 x 10 = 507,3 kN

Esforço Cortante: Seção 1 (x = 2,5 m)

Viga Lateral: Vmáx = 150,3 x 2,4 + 28,3 x 7,656 = 577,4 kN

Viga Central: Vmáx = 93,8 x 2,4 + 24,7 x 7,656 = 414,2 kN


42
Esforço Cortante: Seção 2 (x = 5 m)

Viga Lateral: Vmáx = 150,3 x 2,025 + 28,3 x 5,625 = 463,5 kN

Viga Central: Vmáx = 93,8 x 2,025 + 24,7 x 5,625 = 328,9 kN

Esforço Cortante: Seção 3 (x = 7,5 m)

Viga Lateral: Vmáx = 150,3 x 1,65 + 28,3 x 3,91 = 358,6 kN

Viga Central: Vmáx = 93,8 x 1,65 + 24,7 x 3,91 = 251,3 kN


43
Esforço Cortante: Seção 4 (x = 10 m)
150,3kN
150,3kN 150,3kN

28,3kN/m Viga Lateral


93,8kN 93,8kN 93,8kN

24,7kN/m Viga Central

0,35 0,425 0,5

Viga Lateral: Vmáx = 150,3 x 1,275 + 28,3 x 2,5 = 262,4 kN

Viga Central: Vmáx = 93,8 x 1,275 + 24,7 x 2,5 =181,3 kN

Momento Fletor: Seção 1 (x = 2,5 m)

Viga Lateral: Mmáx = 150,3 x 6,001 + 28,3 x 21,88 = 1521,2 kNm

Viga Central: Mmáx = 93,8 x 6,001 + 24,7 x 21,88 = 1103,3 kNm

44
Momento Fletor: Seção 2 (x = 5 m)

Viga Lateral: Mmáx = 150,3 x 10,125 + 28,3 x 37,5 = 2583 kNm

Viga Central: Mmáx = 93,8 x 10,125 + 24,7 x 37,5 = 1876 kNm

Momento Fletor: Seção 3 (x = 7,5 m)

Viga Lateral: Mmáx = 150,3 x 12,563 + 28,3 x 46,88 = 3214,9 kNm

Viga Central: Mmáx = 93,8 x 12,563 + 24,7 x 46,88 = 2336,3 kNm


45
Momento Fletor: Seção 4 (x = 10 m)

Viga Lateral: Mmáx = 150,3 x 13,5 + 28,3 x 50 = 3444,1 kNm

Viga Central: Mmáx = 93,8 x 13,5 + 24,7 x 50 = 2501,3 kNm

VIGA LATERAL

46
VIGA CENTRAL

4.3 CÁLCULO E VERIFICAÇÃO DAS TENSÕES


4.3.1 VIGA LATERAL

Seção x = 10 m

ESFORÇOS SOLICITANTES

CPA: M = 1660 kNm CPB: M = 610 kNm

CM: M = 3444,1 kNm

47
CARGA PERMANENTE A

M CPA 166000
σsa = s
=− = −13,34 kN / cm 2
Waa 12448

M CPA 166000
σia = i
=+ = +8,53 kN / cm 2
Waa 19462

CARGA PERMANENTE B

1. t = 0
MCPB 61000
σsc = s
=− = −0,07kN / cm2
η0 Wc 7,098 × 119440
CONCRETO
MCPB 61000
σic = i
=+ = +0,01kN / cm2
η0 Wc 7,098×1667211

M CPB 61000
σ sa = s
=+ = + 0 , 04 kN / cm 2
AÇO Wa 1667211
M CPB 61000
σ ia = i
=+ = + 2 ,15 kN / cm 2
Wa 28318

48
CARGA PERMANENTE B

2. t = ∞

MCPB 61000
σsc = s
=− = −0,05kN / cm2
ηf Wc 22,716 × 52781
CONCRETO
M CPB 61000
σic = i
=− = −0,02 kN / cm 2
ηf Wc 22 , 716 × 135371

M CPB 61000
σ sa = =− = − 0 , 45 kN / cm 2
W as 135371
AÇO
M CPB 61000
σ ia = i
=+ = + 2 , 28 kN / cm 2
Wa 26785

CARGA MÓVEL

t=0e
t=∞
MCM 344410
σsc = s
=− = −0,41 kN / cm2
η0 Wc 7,098 × 119440
CONCRETO
MCM 344410
σic = i
=+ = +0,03 kN / cm2
η0 Wc 7,098×1667211

M CM 344410
σ sa = s
=+ = + 0 , 21 kN / cm 2
Wa 1667211
AÇO
M CM 344410
σ ia = i
=+ = + 12 , 2 kN / cm 2
Wa 28318

49
RETRAÇÃO (εεr = 0,00025)

t=∞

326,5  1024,6 × 68,3


σsc = +0,00025× 2,1 104 1− = +0,01 kN / cm2
14,481×1024,6  73223 
CONCRETO
 1024 , 6 × 68 ,3 
σ ic = + 0 ,11553 1 − = + 0 , 09 kN / cm 2
 296923 

10110  1024,6 × 31,9


σsa = −0,00025× 2,1104 1+ = −3,97 kN/ cm2
14,481×1024,6  296923 
AÇO
 1024 , 6 × 31 ,9 
σ ia = − 3,58 1 −  = + 0 , 68 kN / cm
2
 27442

TEMPERAT. (α ∆T = 1,2x10-5x10 = 1,2 x 10-4)

t=0e
t=∞
326,5  1750,7 × 81,5
σsc = ±1,2 10−4 × 2,1 104 1− = ±0,01 kN / cm2
7,098×1750,7  119440 
CONCRETO
 1750 , 7 × 81 , 5 
σ ic = ± 0 , 6622 1 +  = ± 0 , 07 kN / cm
2

 1667211

10110  1750,7 ×18,7 


σsa = ±1,2 10−4 × 2,1 104 1− = ±2,00 kN / cm2
AÇO 7,098×1750,7  1667211 
 1750 , 7 × 18 , 7 
σ ia = ± 2 , 05 1 −  = ± 0 ,32 kN / cm
2
 28318

50
QUADRO RESUMO DE TENSÕES [kN/cm2]

VERIFICAÇÃO DAS TENSÕES

1. Tensões Admissíveis no Concreto


σc = 0,4 x 2,10 = 0,84 kN/cm2 > 0,49 kN/cm2
σt = 0,06 x 2,10 + 0,07 = 0,196 kN/cm2 > 0,17 kN/cm2

2. Tensões Admissíveis no Aço


σc = 21 kN/cm2 > 19,76 kN/cm2
σt = 24 kN/cm2 ≈ 24,01 kN/cm2

3. Tensão Cisalhante Máxima


332 + 122 + 700,1
τ = 13,5 kN / cm2 ≥ τmáx = = 11,49 kN / cm2
0,8 ×125,6

51
4.3.2 VIGA CENTRAL

Seção x = 10 m

ESFORÇOS SOLICITANTES

CPA: M = 1240 kNm


CPB: M = 95 kNm

CM: M = 2501,3 kNm

CARGA PERMANENTE A

M CPA 124000
σsa = s
= − = −14,63 kN / cm2
Waa 8475
M CPA 124000
σia = i
= + ≅ +9,38 kN / cm 2
Waa 13227

52
CARGA PERMANENTE B

1. t = 0

MCPB 9500
σsc = s
=− = − 0,012 kN / cm2
η0 Wc 7,098×108325
CONCRETO
MCPB 9500
σic = i
=+ = +0,005 kN / cm2
η0 Wc 7,098× 280643

M CPB 9500
σ sa = s
=+ = + 0, 034 kN / cm 2
AÇO Wa 280643

M CPB 9500
σ ia = i
=+ = + 0 , 43 kN / cm 2
Wa 22150

CARGA PERMANENTE B

2. t = ∝
MCPB 9500
σsc = s
=− = − 0,008 kN / cm2
ηf Wc 22,716 × 49784
CONCRETO
M CPB 9500
σic = =− = − 0,002 kN / cm 2
ηf Wci 22,716 × 248553

M CPB 9500
σ sa = s
=− = − 0 , 038 kN / cm 2
Wa 248553
AÇO
M CPB 9500
σ ia = =+ = + 0 , 457 kN / cm 2
W ai 20754

53
CARGA MÓVEL

t=0e
t=∞
MCM 250130
σsc = s
=− = − 0,325 kN / cm2
η0 Wc 7,098×108325
CONCRETO
MCM 250130
σic = i
=+ = + 0,126 kN / cm2
η0 Wc 7,098× 280643

M CM 250130
σ sa = s
=+ = + 0 ,89 kN / cm 2
AÇO Wa 280643
M 250130
σ ia = CM i
=+ = + 11, 29 kN / cm 2
Wa 22150

RETRAÇÃO (εεr = 0,00025)

t=∞

244,5  987,3 × 79 
σsc = +0,00025× 2,1 104 1− = − 0,012 kN / cm2
14,481× 987,3  68644 
CONCRETO
 987 ,3 × 79 
σ ic = + 0 , 0898 1 − = + 0 , 089 kN / cm 2
 10202781 

10756  987,3× 26


σsa = −0,00025× 2,1104 1+ = −3,96 kN/ cm2
14,481× 987,3  10202781
AÇO
 987 ,3 × 26 
σ ia = − 3,95 1 − = − 0 ,808 kN / cm 2
 21309 

54
TEMPERAT. (α ∆T = 1,2x10-5x10 = 1,2 x 10-4)

t=0e
t=∞
244,5  1759,7 × 90,4
σsc = ±1,2 10−4 × 2,1 104 1− = ±0,023 kN/ cm2
7,098×1759,7  108325 
CONCRETO
 1759 , 7 × 90 , 4 
σ ic = ± 0 , 049 1 +  = ± 0 , 077 kN / cm
2
 280643

10756  1759 ,7 × 14,6 


σ sa = ±1,2 10 − 4 × 2,1 10 4 1− = ± 1,97 kN / cm 2
7 ,098 × 1759 ,7  280643 
AÇO
 1759 , 7 × 14 , 6 
σ ia = ± 2 ,17 1 −  = ± 0 , 347 kN / cm
2
 22150

QUADRO RESUMO DE TENSÕES [kN/cm2]

55
VERIFICAÇÃO DAS TENSÕES

1. Tensões Admissíveis no Concreto


σc = 0,4 x 2,10 = 0,84 kN/cm2 > 0,37 kN/cm2
σt = 0,06 x 2,10 + 0,07 = 0,196 kN/cm2 < 0,29 kN/cm2
Recomendação:
2. Tensões Admissíveis no Aço Adotar armadura
σc = 21 kN/cm2 > 20,6 kN/cm2 longitudinal
para combater a
σt = 24 kN/cm2 > 22,28 kN/cm2
fissuração do
concreto
3. Tensão Cisalhante Máxima

248 + 19 + 507,3
τ = 13,5 kN / cm2 ≥ τmáx = = 7,67 kN / cm2
0,8 ×126,25

56

View publication stats

Você também pode gostar