Você está na página 1de 8
Puerto Iguazú Argentina
Puerto Iguazú
Argentina

XIII ERIAC DÉCIMO TERCER ENCUENTRO REGIONAL IBEROAMERICANO DE CIGRÉ

24 al 28 de mayo de 2009

XIII/PI-B5 -07
XIII/PI-B5 -07

Comité de Estudio B5 - Protecciones de Sistemas y Automatización de Subestaciones

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO ELÉTRICA:

CAMINHOS DAS MODERNIZAÇÕES DE USINAS HIDRELÉTRICAS

M.F. MENDES* ITAIPU Binacional Brasil

J.A. JARDINI Universidade de São Paulo Brasil

Resumo – Existem várias formas de implementação de sistemas de automação para usinas hidrelétricas. De acordo com a tecnologia empregada os sistemas podem ser classificados em três tipos básicos: convencionais, numéricos e modernos. O artigo apresenta essas tecnologias e resume os avanços na área nas últimas décadas. Analisando a evolução pode se identificar os requisitos e necessidades, os próximos desenvolvimentos e as opções para atualizações tecnológicas de usinas hidrelétricas.

Palavras chave: Automação Elétrica – Atualização Tecnológica – Modernização – Usinas Hidrelétricas

1

INTRODUÇÃO

Há décadas é crescente o interesse pela automação dos processos industriais. O setor elétrico tem acompanhado essa tendência. A automação elétrica foi introduzida com sucesso há mais de 30 anos, mas hoje em dia os sistemas de automação são completamente diferentes dos iniciais.

Basicamente o sistema de automação deve ter funcionalidades para as atividades de operação, de forma confiável, eficiente e segura, assim como funcionalidades de suporte às atividades de manutenção. Ele deve atender aos requisitos do processo e gerenciar os recursos necessários.

Este trabalho resume a evolução histórica dos sistemas de automação elétrica. São apresentadas as principais características de cada uma das tecnologias empregadas, bem como as maiores diferenças entre elas. Por fim, é feita uma análise crítica que permite apontar a tendência da evolução e prever os próximos passos. Com esse estudo pretende-se dar subsídios para os processos de atualizações tecnológicas de usinas hidrelétricas, como o que a Usina Hidrelétrica de ITAIPU (UHI) está passando.

O entendimento da evolução é importante para investigar, planejar e avaliar os custos e benefícios das modernizações de usinas. Nesses processos é necessário elaborar critérios e diretrizes para as atualizações tecnológicas, que se baseiam na tecnologia instalada e na nova tecnologia.

Na UHI existem sistemas de automação convencionais concomitantes com sistemas numéricos. Está se estudando a substituição desses por sistemas de automação modernos, para manter ou melhorar o fornecimento de energia e a disponibilidade, aumentar a confiabilidade, diminuir os riscos e minimizar os custos operacionais. As evoluções apresentadas no artigo mostram características dos sistemas de automação instalados na UHI e apontam as características dos futuros sistemas.

2

EVOLUÇÃO DA AUTOMAÇÃO ELÉTRICA

Os sistemas de automação elétrica evoluíram muito nos últimos anos. O principal motivo foi o desenvolvimento da tecnologia associada: dispositivos eletrônicos, computadores e equipamentos de rede cada vez mais rápidos, com maiores capacidades de processamento e memória e mais baratos.

Outra razão da evolução é a mudança constante do que os usuários esperam do sistema de automação [14]. Inicialmente eles queriam apenas supervisionar e controlar. Em seguida tornou-se necessário o gerenciamento de alarmes e controle avançado. Depois houve a necessidade de documentação da produção e de interface com os sistemas administrativos e gerenciais. Um dos maiores desafios relacionados a essas necessidades é projetar os sistemas de automação com as novas funções sem deixar a complexidade crescer demasiadamente.

No início, os sistemas de automação eram baseados em relés eletromecânicos interligados com muitos fios. Antes dos computadores, os operadores observam os instrumentos analógicos e lâmpadas e faziam o controle manualmente, através de chaves e botoeiras. Com o advento dos microprocessadores, a implementação dos circuitos lógicos tornou-se programável e simples e também mudou a forma de operação, possibilitando o uso de computadores como interface. O Controlador Lógico Programável (CLP) foi um grande avanço para automação industrial, que também se aplicou nas empresas de eletricidade.

A evolução seguinte foi com relação ao uso de redes de comunicação. Primeiro foram instaladas redes no nível de estação para supervisão e controle do processo usando computadores. Depois as redes chegaram ao nível do bay e de processo, integrando a aquisição de dados e atuação no processo. Hoje em dia a proposta é utilizar uma única rede interligando os três primeiros níveis do sistema de automação elétrica.

Os sistemas de automação elétrica podem ser classificados de acordo com a tecnologia empregada em:

convencionais, numéricos e modernos. A maior mudança com relação aos equipamentos ocorreu da transição dos sistemas convencionais para os numéricos. Dos sistemas numéricos para os modernos as principais mudanças foram na comunicação de dados e conceituais. As Subseções seguintes apresentam as principais características, diferenças e vantagens desses três tipos de sistemas.

2.1 Sistemas Convencionais

Os sistemas convencionais são baseados em relés eletromecânicos e dispositivos analógicos. Eles utilizam painéis de controle com chaves mecânicas, botoeiras, instrumentos analógicos, luzes indicativas, etc.

A troca de dados entre os níveis de automação não é completa, restringindo-se aos dados essenciais, e se dá exclusivamente por cabos dedicados. Cada ponto de informação resulta em um cabo de cobre entre o equipamento e o dispositivo de controle ou proteção. Assim, existem muitos cabos e borneiras nos painéis. Por isso, o projeto e os desenhos são complexos e a manutenção é difícil. As modificações também são árduas. A inclusão de um ponto do processo pode ser uma tarefa complicada, ou até mesmo impossível.

Essa tecnologia, apesar de ainda estar em operação de forma satisfatória em várias usinas antigas, está completamente obsoleta. A melhoria da qualidade dos serviços e produtos aumenta a demanda por informações mais precisas e atualizadas (preferencialmente em tempo real) dos processos [12].

Os sistemas convencionais não permitem a troca eficiente de informações. Por outro lado, a tecnologia usada nos sistemas numéricos atende completamente essa necessidade. Essa tecnologia foi um grande passo na evolução dos sistemas de automação elétrica e é apresentada na próxima Subseção.

2.2 Sistemas Numéricos

Os sistemas numéricos são baseados em dispositivos digitais microprocessados e em redes de comunicação de dados no nível de estação e de bay. As implementações dos dispositivos numéricos são similares em conceito aos convencionais, já que as principais características funcionais são preservadas [8]. A qualidade tem sido melhorada, entretanto, os princípios estabelecidos há muito tempo continuam sendo usados. As maiores melhorias são em relação ao desempenho, testes, manutenção e principalmente flexibilidade.

Nas primeiras aplicações, os dispositivos digitais duplicavam as funções de hardware que eles substituíam [15]. Em seguida, os sistemas digitais substituíam ou complementavam as funções dos equipamentos convencionais. Com os anos, as funções foram aumentando e as aplicações se tornaram mais complexas.

Os valores analógicos são convertidos em dados digitais que podem ser processados em computadores [12]. Isto disponibiliza prontamente as informações para várias funções e diminui a complexidade dos sistemas. A aquisição de dados proporciona visibilidade que não era possível na automação convencional [13].

As aplicações de microprocessadores em automação de usinas e subestações começaram na década de 70. As primeiras aplicações foram nos sistemas SCADA. Os desenvolvimentos começaram nos EUA e Japão e depois se espalharam pela Europa e outros locais. A transição efetiva para a tecnologia digital ocorreu entre

as décadas de 1980 e 1990. No final dos anos 1980 havia vários sistemas de controle de subestações com microprocessadores implementados e instalados [8] [15] [16].

No início da década de 1980 não existiam muitos equipamentos e dispositivos microprocessados no mercado mundial. A principal razão era a complexidade das questões teóricas, técnicas e econômicas. Elas precisaram ser resolvidas antes das aplicações com microprocessadores tornarem-se uma prática comum. Acreditava-se que funções diferentes requeriam hardware com características também diferentes. Por exemplo, as funções

de proteção requeriam hardware de 16 bits enquanto as de aquisição de dados e controle 8 bits [8].

Atualmente, como a complexidade, velocidade e capacidades de processamento e de memória dos dispositivos aumentaram, tornou-se obscura a distinção entre eles. O número de funções integradas em um único dispositivo tem se expandido constantemente [16]. Medidores podem fornecer dados de detecção de faltas e de qualidade de energia. Relés podem fornecer dados de medição bem como dados de registro de faltas e seqüência de eventos [15]. Para esses dispositivos surgiu o termo Dispositivo Eletrônico Inteligente (Intelligent Electronic Device - IED) [7]. Agora fica cada vez mais difícil se diferenciar os hardwares.

Outra grande diferença dos sistemas numéricos com relação aos convencionais, é que no lugar de painéis sinóticos existem Interfaces Humano-Máquina (IHMs) baseadas em telas de computadores, as Interfaces Gráficas dos Usuários (Graphical User Interface - GUI). Elas se tornaram comuns na década de 1990.

A combinação de dispositivos eletrônicos baseados em microprocessadores, tecnologia de comunicação de

dados e microcomputadores criou a possibilidade de obter mais dados e apresentar mais informações sobre o sistema de potência e sobre os equipamentos (primários e secundários) usados. Essa combinação proporciona facilidades praticamente impossíveis na tecnologia anterior. Abaixo são descritas as principais facilidades.

2.2.1 Facilidades dos Sistemas Numéricos

Há melhoria da qualidade das informações [12]. A aquisição de dados pode ser feita em ambientes complexos e afastados. Os dados são concentrados em um único lugar, facilitando o seu uso para a operação e minimizando os erros humanos. As informações podem ser disponibilizadas de forma “amigável” através

de tabelas e diagramas, em vários formatos e combinadas com outros dados. O uso de IHM baseada em telas

proporciona uma interface comum. Assim, a idade dos equipamentos não impede o seu uso seguro [6].

A automação de tarefas e a centralização de ações operativas proporcionam um melhor aproveitamento da

capacidade dos equipamentos e otimização do quadro de operadores. Entretanto, a comparação de custos entre as tecnologias eletromecânica e digital freqüentemente gera controvérsia [16].

Os sistemas numéricos com comunicação serial podem fornecer informações relevantes quando as falhas ocorrem, para serem usadas em tempo real na operação [10]. Sensores podem ser incluídos para isso. É possível manter e seguir dados históricos para análise de manutenção [8] [9]. É possível um avanço no uso de probabilidades. Elas podem ser utilizadas para procedimentos de manutenção, usando informações de monitoramento e estatísticas de faltas [10]. Técnicas avançadas de manutenção podem ser implementadas.

A manutenção pode ser mudada e melhorada. Ela pode ser feita de acordo com a necessidade, ao contrário

de se utilizar um cronograma [1]. A contínua monitoração das grandezas do processo permite estimar o

melhor momento para intervenção da manutenção, bem como analisar a vida útil dos equipamentos.

Procedimentos de testes mais elaborados incluindo automonitoramento podem ser implementados [8] [9]. Em sistemas convencionais, os defeitos dos equipamentos são descobertos por trabalho de manutenção ou pela ocorrência de faltas no sistema de potência. Nos sistemas numéricos, as falhas de hardware ou software geram alarmes imediatamente. Assim, os operadores podem tomar ações corretivas prontamente.

É possível fazer extrapolações com os dados para prever defeitos potenciais, usando valores definidos que

limitam as situações aceitáveis, e emitir os devidos alarmes. A predição permite a ação corretiva antes que a falha ocorra [1]. Também é possível usar arquiteturas redundantes e estratégias de reparo que possibilitam manutenção mais eficiente [8]. Isso proporciona aumento da disponibilidade e melhora a confiabilidade.

Os sistemas são mais flexíveis. Os dispositivos baseados em microprocessadores possibilitam ajustes e trocas de parâmetros. Relés microprocessados normalmente permitem vários ajustes que podem ser ativados de acordo com as condições do sistema ou através de uma seleção do operador [1]. Além disso, com os dados do processo disponíveis digitalmente, é possível o desenvolvimento de algoritmos para diversas funções.

Com o uso de relés microprocessados o espaço necessário foi reduzido por um fator de quatro, assim como o custo de instalação [1]. Um sistema completo de proteção pode ser fornecido usando alguns relés altamente integrados. Uma unidade geradora de energia elétrica necessita apenas de dois ou três relés. No tempo dos relés convencionais, vários painéis ou cubículos cheios de relés caixas-pretas eram necessários [16].

2.3 Sistemas Modernos

Com o desenvolvimento da comunicação serial, os usuários sentiram a necessidade de um protocolo comum. Porém, os sistemas de automação elétrica eram baseados em padrões não projetados especificamente para esse fim. A primeira abordagem foi a introdução da família IEC 60870-5 [3]. Em seguida, os protocolos e normas evoluíram até a padronização dos dados e modelagem orientada por objetos.

No final da década de 70 surgiu a idéia de fazer a aquisição e conversão dos dados próximo aos sensores e enviá-los por rede. Porém, o compartilhamento dos dados foi prejudicado pelos limites da tecnologia de comunicação disponível. Hoje essa deficiência foi superada.

Os sistemas atuais, aqui classificados como modernos, têm as características dos sistemas numéricos, usando hardware comum ao invés de equipamentos dedicados por função. Além disso, eles substituem o cabeamento de cobre convencional do nível de processo por uma rede de comunicação de dados. Assim, os sistemas de automação elétrica são totalmente digitais. Isso permite uma nova abordagem da automação. Outro aspecto que caracteriza a tecnologia é que ela é fortemente baseada em padrões e normas globais convergentes.

Os sistemas de automação modernos herdaram todas as facilidades dos sistemas numéricos descritas na Subseção anterior. Além disso, agregaram novas vantagens que são apresentadas abaixo.

A inteligência, que já era disponível no nível de bay nos sistemas numéricos, também está presente no nível

de processo. Isso se deve à introdução de sensores, em especial transformadores de instrumentação, e de

atuadores microprocessados. Agora, os IEDs também estão no nível mais baixo do sistema de automação.

Os dispositivos primários (sensores e atuadores) não convencionais possibilitaram o uso redes de comunicação. Isso causou grandes mudanças com relação aos projetos tradicionais. Essa rede permite uma nova alocação de funções [10] [2]. Essa é uma característica marcante dos sistemas modernos e não era nem imaginada no passado. O projeto de intertravamentos e circuitos lógicos deve ser completamente refeito usando mensagens de rede, eliminando relés auxiliares e cabeamento.

A troca de dados não ocorre apenas entre os elementos funcionais, mas também entre diferentes níveis da

hierarquia funcional. Funções em níveis diferentes podem ser localizados no mesmo dispositivo físico, e ao mesmo tempo dispositivos físicos diferentes podem trocar dados no mesmo nível funcional.

Nos sistemas convencionais e numéricos, os detalhes específicos da tecnologia do mecanismo eram trabalhados no nível de bay. Também era exigido grande cuidado com os detalhes das conexões elétricas. Nos sistemas modernos isso se tornou transparente, não é mais necessário saber detalhes dos mecanismos.

Há uma redução ainda maior das instalações físicas. O uso de sensores inteligentes ligados em rede, no lugar dos tradicionais, combinado com proteção e controle digitais permite o projeto de plantas mais compactas. Ao invés de centenas de cabos, há um par de fibras ópticas a partir de cada dispositivo para os switches [13].

Isso também facilitou muito o processo de configuração do sistema de automação. Nos sistemas numéricos é necessário se configurar todas as conexões, uma a uma. As informações vindas do processo são identificadas por números e letras, praticamente aleatórios, sem agrupamento funcional adequado. Já nos sistemas modernos, todos os nomes são padronizados e definidos no contexto dos sistemas de potência [7]. O serviço mais pesado de configuração pode ser feito de forma automática, economizando muito tempo e dinheiro.

Modificações em sistemas modernos são muito mais fáceis comparando-se com sistemas convencionais e até com os numéricos. Mudar uma base de dados é muito mais simples que adicionar cabos. Novos esquemas de automação podem ser adaptados com pequeno trabalho de projeto. Além disso, o risco de causar interrupção nesses casos é minimizado pelo uso ferramentas de software e projeto de software modular [9].

Outra grande diferença com relação aos sistemas numéricos, é que nos sistemas modernos o uso de normas e padrões globais convergentes é marcante. Os novos padrões provêem a capacidade de trocar não apenas dados, mas também modelos dos componentes do sistema [7]. Eles abrem a capacidade para validar, identificar, rejeitar e corrigir os dados em tempo real e calibrar remotamente os dispositivos de aquisição de dados, além de outras aplicações limitadas apenas pela imaginação e esforço dispensado [11].

A norma que tem se destacado é a IEC 61850 [7]. Ela foi projetada sobre tecnologias de redes modernas e

possibilita funcionalidades que não são disponíveis nos protocolos convencionais. A norma IEC 61850 visa reduzir os custos para projetar, fabricar, instalar, comissionar e operar os sistemas de potência. Ela é a única norma que cobre a comunicação nos três primeiros níveis do sistema de automação e entre eles [2].

Como em qualquer sistema digital, nos sistemas de automação elétrica modernos os avanços de hardware estão à frente dos avanços de software [11]. Para conviver com isso, é usado o conceito de software modular escrito em linguagem de programação de alto nível ou gráfica, que tornam os sistemas independentes do hardware. Isso é essencial para contornar o problema causado pelo rápido ciclo de inovação que o hardware é sujeito [9]. Essa abordagem garante compatibilidade de software e hardware e extensão do sistema.

Uma tendência dos sistemas modernos é a utilização de Redes de Longo Alcance (Wide Area Network - WAN). Vários fornecedores oferecem sistemas com servidores de Internet integrados [16]. Os dados adquiridos podem ser colocados de forma econômica em uma intranet e distribuídos para vários usuários. Estações de trabalho clássicas podem ser substituídas por computadores com browsers Internet tradicionais.

Nas tecnologias anteriores, a verificação da Engenharia e conexões durante o Teste de Aceitação em Fábrica (TAF) e durante o Teste de Aceitação em Campo (TAC) consistiam de muito trabalho manual. Por exemplo, no TAC pelo menos duas pessoas eram necessárias para checar todas as conexões. Era um trabalho lento e tedioso. As conexões em rede e a padronização de dados dos sistemas modernos eliminaram esse trabalho.

3 ANÁLISE CRÍTICA

A maioria dos projetos de sistemas de automação elétrica modernos foi elaborada tentando emular as

tecnologias anteriores. O benefício total da nova tecnologia, a moderna, será alcançado apenas se as suas capacidades plenas forem reconhecidas e utilizadas. O projetista deve se preocupar com a arquitetura geral do sistema de automação e com a utilização de todos os novos recursos necessários.

Além disso, geralmente o pessoal do setor elétrico tem dificuldade em aceitar novas tecnologias. A razão da lenta aceitação dos novos sistemas de automação não é limitação da tecnologia atual em atender os requisitos, mas a resistência dos usuários para novas aplicações sem dominá-las completamente.

O uso de microprocessadores e computadores possibilitou a introdução de novas estratégias de automação

[8]. Os sistemas digitais com comunicação serial facilitam a troca de informação entre todos os níveis, incluindo os centros de controle. O desafio é adaptação dos aplicativos para realmente se utilizar todas essas informações [10]. Os softwares devem ser modificados para usar os dados adicionais [1].

Hoje em dia os distintos equipamentos e sistemas (SCADA, medidores, oscilógrafos, etc.) estão evoluindo para tecnologias completamente digitais. A tecnologia básica para cada um deles é idêntica e a separação tem sido imposta apenas por tradição, devido a limitações das tecnologias antigas, e pelas organizações [11].

No passado, para cada tarefa era desenvolvido um dispositivo dedicado [9]. Ele oferecia um desempenho ótimo para uma tarefa específica. Hoje as funções dos IEDs são determinadas pelos softwares que rodam neles. Do ponto de vista do hardware, as aplicações diferem principalmente pelo tipo e número de entradas e saídas. As condições ambientais tanto para os dispositivos de controle como de proteção são os mesmos.

A tendência é que o número de dispositivos independentes deva diminuir, pois cada dispositivo pode

fornecer várias funções [15]. Para otimizar o sistema e reduzir os custos utiliza-se a máxima da integração de

mais e mais funções em menos e menos equipamentos [3]. Isso é a linha seguida nos últimos dez anos [4]. Além disso, menos equipamentos de supervisão e controle se traduz em menos manutenção [6].

Com uma plataforma de dispositivo numérico comum, funções básicas devem ser projetadas apenas uma vez para toda uma família de equipamentos. Dessa forma, as funções podem ser oferecidas integralmente aos clientes com um preço melhor, comparando-se quando equipamento adicional dedicado é necessário [4].

As rápidas mudanças tecnológicas e o crescimento da complexidade dos produtos e sistemas demandam um

aumento da parceria entre fornecedores e empresas de energia elétrica, os usuários [9]. O uso da nova tecnologia, com ferramentas de Engenharia poderosas, leva ao desenvolvimento mais flexível de novas funções. Fornecedores e usuários trabalhando juntos são capazes de resolver problemas complexos da área.

A tecnologia digital melhorou a disponibilidade e confiabilidade. Estudos teóricos tem mostrado que a

disponibilidade de proteção digital é comparável ao esquema de proteção analógico redundante provendo ao mesmo tempo alta segurança contra falsa operação [16].

No início da tecnologia digital, havia poucos estudos para comparação e avaliação de algoritmos [8]. Isso era uma tarefa difícil, pois se utilizavam linguagens de montagem devido à necessidade de execução em tempo real. Acreditava-se que a análise, síntese e avaliação de algoritmos eram problemas chave a serem resolvidos. Com os anos de experiências e com a facilidade proporcionada pelas linguagens de programação

de alto nível, chegou-se a algoritmos não apenas mais eficientes, mas também com alta confiabilidade.

Nem todas as mudanças que estão ocorrendo são necessariamente positivas. O aumento do uso de computadores e redes tornou os sistemas de potência mais vulneráveis ao desligamento devido a problemas inexistentes antes deles, como ataques de hackers e mau funcionamento dos equipamentos, por exemplo.

O volume de dados aumentou significativamente [1]. Além dos dados medidos, os dispositivos baseados em microprocessadores fornecem valores calculados, em tempo real ou não, e houve aumento na troca de dados entre os níveis. Agora é possível operar o sistema de potência mais próximo aos seus limites devido ao monitoramento e disponibilidade de informações em tempo real dos parâmetros e valores do sistema [10].

Além disso, as LANs e WANs tornaram a informação disponível em toda a empresa. O trabalho manual ainda feito atualmente, como inspeções e leituras, deve ser feito automaticamente. O acesso aos dados para operação e diagnóstico é possível a partir de qualquer lugar. O problema é selecionar a informação útil a partir da grande quantidade de dados disponível. Sistemas especialistas podem auxiliar nessa tarefa [16].

No final da década de 1990 já se acreditava que as vantagens dos sistemas de automação baseados em telas

de computadores são significativamente maiores que as desvantagens [6]. Hoje em dia, com os avanços de

hardware e software as vantagens são ainda maiores. A aceitação da nova interface pelos operadores é

normalmente grande, requerendo pequeno treinamento inicial ou atualização. O treinamento pode ser realizado facilmente, devido aos recursos computacionais de simulação dos sistemas numéricos.

Com relação aos alarmes, os sistemas de supervisão e controle atuais ainda empregam processamento determinístico [1]. As prioridades dos alarmes são definidas no projeto e todos eles são processados e requerem atenção dos operadores. Uma grande perturbação do sistema elétrico pode disparar centenas de alarmes e eventos, o que torna difícil entender o que realmente aconteceu. Para facilitar a operação deve se desenvolver processadores de alarmes baseados em regras e sistemas especialistas.

A manutenção da nova tecnologia é mais simples e mais barata [9]. Sistemas modernos com automonitoramento podem reduzir consideravelmente a manutenção. Porém, isso requer uma mudança da filosofia de manutenção [10]. O tempo necessário para se detectar a falha é bem menor, o que permite a manutenção corretiva ao invés da preventiva e aumenta a confiabilidade. Os testes podem ser facilitados pelo uso de aplicativos. Entretanto, é necessário um esforço para a seleção de procedimentos de testes ótimos.

Já existem aplicativos para seleção ótima de parâmetros para os IEDs. Porém, esses aplicativos são utilizados off-line e os parâmetros são alterados pelo pessoal de manutenção. Não há razão para que os ajustes dos relés não sejam recalculados on-line baseando-se nas modificações das condições do sistema de potência [1]. Esses ajustes poderiam então ser automaticamente carregados nos dispositivos, sem a intervenção humana.

Quando se usa uma nova tecnologia, o primeiro passo é geralmente emular o que era feito antes [5]. Os projetos atuais são a princípio uma cópia do que era feito com a tecnologia anterior. As maiores mudanças requerem repensar as aplicações e definir um caminho para as mudanças, o que leva tempo.

Para explorar todos os benefícios da nova tecnologia devem se considerar mudanças na abordagem tradicional dos sistemas de automação [2] [5]. Especialmente o usuário deve considerar qual funcionalidade é realmente necessária e quais são os comportamentos dos dispositivos instalados até o momento.

É sabido que separação de dispositivos de controle e proteção é bem definida e rigorosa em quase todas as concessionárias (e fabricantes) [8] [3]. Entretanto, hoje em dia nas áreas de distribuição e de redes de alimentação industriais, a tendência é combinar unidades de controle e proteção baseadas em IEDs [16]. Um dispositivo universal integra todas as funções secundárias da subestação com exceção de medição para taxação. Provavelmente, essa tendência de integração se estenderá para as áreas de geração e transmissão.

Atualmente as funções de supervisão, controle, automação, proteção e monitoramento são consideradas como parte integral do sistema secundário e não mais como entidades independentes [4]. Os especialistas envolvidos nessas atividades devem trabalhar mais próximo do que no passado. A união de atividades e departamentos tradicionalmente diferentes é uma tendência, tanto para os fabricantes como concessionárias.

Com relação à documentação há eliminação do físico e aumento do digital. O que antes era descrito por desenhos detalhados e registros dos parâmetros, agora deve ser acompanhado de arquivos de configuração e diagramas lógicos [13]. O controle da configuração dos IEDs é crítico para uma operação confiável.

Com relação às diferenças de custos, há dificuldade em avaliá-los devido à mudança de filosofia. Como foi apresentado acima, os sistemas moderno são significativamente diferentes dos projetos convencionais. Essa dificuldade de avaliação de custos é maior para os softwares. Já a comparação entre os sistemas numéricos e os modernos pode ser feita mais facilmente devido às suas semelhanças.

Infelizmente, nem todo o desenvolvimento apresentado na teoria dos sistemas modernos está disponível no mercado mundial. Espera-se que novos dispositivos e equipamentos sejam desenvolvidos, baseados nos padrões modernos. Além disso, espera-se que existam alternativas de escolha de equipamentos similares entre fabricantes diferentes, permitindo a tão almejada interoperabilidade.

4 CONCLUSÕES

Existem várias formas de implementação de sistemas de automação para usinas hidrelétricas, com diversas tecnologias. Os avanços na área nas últimas décadas foram muito grandes, de forma que um sistema de automação atual, moderno, é completamente diferente dos primeiros, os convencionais.

É importante notar que o processo controlado (a geração hidráulica de energia elétrica) continua sendo basicamente o mesmo. Os equipamentos primários praticamente não se modificaram, mas houve uma grande evolução dos equipamentos secundários. Essa evolução continua, motivada pelos requisitos de automação, tecnologias de hardware e software disponíveis e necessidades dos usuários, cada vez mais exigentes.

Para que essa evolução tenha efeito prático, são necessárias mudanças na abordagem tradicional de Engenharia e aplicação do sistema de automação elétrica. Deve ocorrer uma mudança de filosofia dos novos sistemas para se utilizar plenamente os recursos atualmente disponíveis. Para isso é imprescindível educação nessa área tanto para as concessionárias como para os fabricantes.

5

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] W.J. Ackerman, “Substation automation and the EMS”. In IEEE Transmission and Distribution Conference (New Orleans - USA), vol. 1, pp. 274-279, April 1999.

[2] K.-P. Brand, “The introduction of IEC 61850 and its impact on protection and automation within substations”. ELECTRA - CIGRÉ 233, pp. 21-29, August 2007.

[3] I. De Mesmaeker, P. Rietmann,

K.-P. Brand, and P. Reinhardt, “Substation automation based on IEC

61850”. In 6 th Regional CIGRÉ Conference (Cairo - Egypt), November 2005.

[4] I. De Mesmaeker, P. Hindle, J. Amantegui, J. Ordacgi, and S. Chano, “SC B5 protection and automation - current activities and prospects”. ELECTRA - CIGRÉ 236, February 2008.

[5] L. Hossenlopp, “Engineering perspectives on IEC 61850”. IEEE Power & Energy Magazine, pp. 45-50, May/June 2007.

[6] S. Humphreys, “Substation automation systems in review”. IEEE Computer Applications in Power 11, 2, pp. 24-30, April 1998.

[7] International Electrotechnical Commission - IEC. Standard IEC 61850, “Communication networks and systems in substations”, Edition 1.0, 14 parts, 2002-2005.

[8] M. Kezunovic, “Microprocessor applications in electric power substations and power plants - state of the art and future trends”. In 4 th International Conference on Present Day Problems of Power Systems, Automation and Control (Gliwice - Poland) , May 1985.

[9] H. Landau, I. De Mesmaeker, J. Maass, and P. Brockett, “Advantages of modern protection and control system architecture and the operational consequences”. In CIGRÉ Session 1998 - 34-109 (Paris - France), August 1998.

[10] B. Lundqvist, and Y. Aabo, “The cost benefit of modern substation automation in electrical high voltage installations”. In CIGRÉ Session 2002 - 34-106 (Paris - France), August 2002.

[11] A.P.S. Meliopoulos, “Substation automation, are we there yet”. IEEE Power & Energy Magazine, pp. 28-30, May/June 2007.

[12] M.F. Mendes, “Acquiring analog data from existing conventional industrial panels”. In V Induscon - Conferência Internacional de Aplicações Industriais IEEE (Salvador - Brasil), Julho 2002.

[13] P. Myrda, and K. Donahoe, “The true vision of automation”. IEEE Power & Energy Magazine, pp. 32- 44, May/June 2007.

[14] C. Rameback, “Process automation systems - history and future”. In 5 th IEEE International Workshop on Factory Communication Systems (Vienna - Austria), September 2004.

[15] H.L. Smith, “Substation automation problems and possibilities”. IEEE Computer Applications in Power, pp. 33-36, October 1996.

[16] G. Ziegler, “Protection and substation automation - state of the art and development trends”. ELECTRA - CIGRÉ 206, pp. 14-23, February 2003.