Você está na página 1de 9

COLÉGIO MUNICIPAL PROFESSORA DJANIRA ALVES GONÇALVES

Rua Bom Jesus, S/Nº Centro Côcos – Bahia CEP 47.680–000


Código – 29430356
colegiodjaniracocos@gmail.com (77) 3489–1973

ALUNO: ____________________________________________ TURNO: Noite ( )

SÉRIE: 8º ANO TURMA:A ( ) B ( )

PROFESSOR(A): Ivanete ( )

Atividades Remotas em Tempos de Pandemia – PORTUGUÊS Data de Entrega: 22/03/2021

LEIA O TEXTO A SEGUIR, DEPOIS RESPONDA AS QUESTÕES DE 01 A 11.

Se eu fosse Sherlock Holmes


Os romances de Conan Doyle me deram o desejo de empreender alguma façanha no gênero das de Sherlock
Holmes. Pareceu-me que deles se concluía que tudo estava em prestar atenção aos fatos mínimos. Destes, por uma série de
raciocínios lógicos,era sempre possível subir até o autor do crime.
Quando acabara a leitura do último dos livros de Conan Doyle ,meu amigo Alves Calado teve a oportuna
nomeação de delegado auxiliar. Íntimos, como éramos, vivendo juntos, como vivíamos na mesma pensão,tendo até escritório
comum de advocacia ,eu lhe tinha várias vezes exposto minhas idéias de “detetive’’.
Assim, no próprio dia de sua nomeação ele me disse:
__ Eras tu que devias ser nomeado!
Mas acrescentou, desdenhoso das minhas habilidades:
__ Não apanhavas nem o ladrão que roubasse o obelisco da avenida!
Fi-lo, porém, prometer que, quando houvesse algum crime, eu o acompanharia a todas as diligências . Por outro lado
levei-o a chamar a atenção do seu pessoal para que, tendo notícias de qualquer roubo ou assassinato, não invadisse nem deixasse
invadir o lugar do crime.
__ Alta polícia científica __disse ele, gracejando.
Passei dias esperando por algum acontecimento trágico, em que pudesse revelar minha sagacidade. Creio que fiz
mais do que esperar: cheguei a desejar.
Uma noite, fui convidado por Madame Guimarães para uma pequena reunião familiar. Em geral, o que ela chamava
“pequenas reuniões” eram reuniões de vinte a trinta pessoas, da melhor sociedade. Dançava-se, ouvia-se boa música e quase
sempre ela exibia algum “número” curioso: artistas de teatro, de music-hall ou de circo, que contratava para esse fim. O melhor,
porém, era talvez a palestra que então se fazia, porque era mulher muito inteligente e só convidava gente de espírito. Fazia disso
questão.
A noite em que eu lá estive entrou bem nessa regra.
Em certo momento, quando ela estava cercada por uma boa roda, apareceu Sinhazinha Ramos. Sinhazinha era
sobrinha de Madame Guimarães; casara-se pouco antes com um médico de grande clínica.Vindo só, todos lhe perguntaram:
__ Como vai seu marido?
__ Tem trabalhado por toda noite com uma cliente. [...]
A casa era dois andares e Madame Guimarães, nos dias de festas, tomava a si arrumar capas e chapéus femininos
no seu quarto:
__ Serviço de vestiário é exclusivamente comigo. Não quero confusões. [...]
Nisto uma das senhoras presentes veio despedir-se de Madame Guimarães. Precisava de seu chapéu. A dona da
casa, que, para evitar trocas e desarrumações, era a única a penetrar no quarto que transformara em vestiário, levantou-se e subiu
para ir buscar o chapéu da visita, que desejava partir.
Não se demorou muito tempo.Voltou com a fisionomia transformada:
__ Roubaram-me. Roubaram meu anel de brilhantes...
Todos se reuniram em torno dela. Como era? Como não era?Não havia, aliás,nenhuma senhora que não o conhecesse:
um anel com três grandes brilhantes de um certo mau gosto espetaculoso, mas que valia de sessenta a oitenta contos.
Sherlock Holmes gritou dentro de mim: “Mostra o teu talento, rapaz!”
Sugeri logo que ninguém entrasse no quarto. Ninguém! Era preciso que a Polícia pudesse tomar as marcas digitais
que por acaso na mesa de cabeceira de Madame Guimarães. Porque era lá que tinha estado a jóia.
Saltei ao telefone, toquei para o Alves Calado, que se achava de serviço nessa noite, e preveni-o do que havia,
recomendando-lhe que trouxesse alguém, perito em datiloscopia .
Ele respondeu de lá com a sua troça habitual:
__ Vais afinal entrar em cena com a tua alta polícia científica?
Objetou-me, porém, que a essa hora não podia achar nenhum perito. Aprovou, entretanto, que não consentisse
ninguém entrar no quarto. Subi então com todo o grupo para fecharmos a porta a chave. Antes de se fechar ,era, porém,
necessário que Madame Guimarães tirasse as capas que estavam no seu leito. Todos ficaram no corredor, mirando, comentando.
Eu fui o único que entrei, mas com um cuidado extremo, um cuidado um tanto cômico de não tocar em coisa alguma. [...]
Retiradas as capas, o zum-zum das conversas continuava . Ninguém tinha entrado no quarto fatídico. Todos o diziam e
repetiam.
Foi no meio dessas conversas que Sherlock Holmes cresceu dentro de mim. Anunciei:
__ Já sei quem furtou o anel.
De todos os lados surgiam exclamações. Algumas pessoas se limitavam a interjeições:”Ah!”,”Oh!”. Outras
perguntavam quem tinha sido.
Sherlock Holmes disse o que ia fazer ,indicando um gabinete próximo:
__ Vou para aquele gabinete. Cada uma das senhoras aqui presentes fecha-se ali em minha companhia por cinco
minutos.
__ Por cinco minutos? __ indagou o dr. Caldas.
__ Porque eu quero estar ao mesmo tempo com cada uma ,para não se poder concluir da maior demora com qualquer
delas que essa que essa foi a culpada.Serão para cada uma cinco minutos cronométricos. [...]
Houve uma hesitação. Algumas diziam estar acima de qualquer suspeita, outras que não se submetiam a nenhum
inquérito policial. Venceu ,porém, o partido das que diziam “quem não deve não teme”. Eu esperava ,paciente. Por fim, quando
vi que todas estavam resolvidas, lembrei que seria melhor quem fosse saindo despedir-se e partir.
E a cerimônia começou. Cada uma das senhoras esteve trancada comigo justamente os cinco minutos que eu marcara.
Quando a última partiu,saiu do gabinete, achei à porta,ansiosa, Madame Guimarães:
__ Venha comigo__ disse-lhe eu.
Aproximei-me do telefone, chamei o Alves Calado e disse-lhe que não precisava mais tomar providências alguma,
porque o anel fora achado.
Voltando-me para Madame Guimarães entreguei-o então. Ela estava tão nervosa que me abraçou e até beijou
freneticamente. Quando, porém, quis saber quem fora a ladra, não me arrancou nem uma palavra.
No quarto, ao ver Sinhazinha Ramos entrar, tínhamos tido, mais ou menos, a seguinte conversa:
__ Eu não vou deitar verdes para colher maduros, não vou armar cilada alguma.Sei que foi a senhora que tirou a
jóia de sua tia.
Ela ficou lívida. Podia ser medo. Podia ser cólera. Mas respondeu firmemente:
__ Insolente! É assim que o senhor está fazendo com todas, para descobrir a culpada?
__ Está enganada. Com as outras converso apenas, conto-lhes anedotas. Com a senhora, não, exijo que me entregue
o anel.
Mostrei-lhe o relógio para que visse que o tempo estava passando.
__ Note __ disse eu __ que tenho uma prova, posso fazer ver a todos.
Ela se traiu, pedindo:
__ Dê sua palavra de honra que tem essa prova!
Dei. Mas o meu sorriso lhe mostrou que ela, sem dar por isso, confessara indiretamente o fato.
__ E já agora __ acrescentei__ dou-lhe também a minha palavra de honra que nunca ninguém saberá por mim o
que fez.
Ela tremia toda.
__ Veja que falta um minuto. Não chore. Lembre-se de que precisa sair daqui com uma fisionomia jovial. Diga que
estivemos falando de modas.
Ela tirou a jóia do seio, deu-ma e perguntou:
__ Qual é a prova?
__ Esta __ disse-lhe eu apontando para uma esplêndida rosa-chá que ela trazia. __ É a única pessoa,esta noite,que
tem aqui uma rosa amarela. Quando foi ao quarto de sua tia ,teve a infelicidade de deixar cair duas pétalas dela. Estão junto da
mesa de cabeceira.
Abri a porta. Sinhazinha compôs magicamente, imediatamente, o mais encantador, o mais natural dos sorrisos e
saiu dizendo:
__ Se este Sherlock fez com todas o mesmo que fez comigo, vai ser um fiasco absoluto.
Não foi fiasco, mas foi pior.
Quando Sinhazinha chegara, subira, logo. Graças à intimidade que tinha na casa, onde vivera até a data do
casamento, podia fazer isso naturalmente. Ia só para deixar sua a capa dentro de um armário. Mas, à procura de um alfinete,
abriu a mesinha de cabeceira , viu o anel, sentiu a tentação de roubá-lo e assim fez. Lembrou-se de que tinha de ir para a Europa
daí a um mês. Lá venderia a joia. Desceu então novamente com a capa e mandou pô-la no automóvel. E como ninguém a tinha
visto subir, pôde afirmar que não fora ao andar superior.
Eu estraguei tudo.
Mas a mulherzinha se vingou: a todos insinuou que provavelmente o ladrão tinha sido eu mesmo, e, vendo o caso
descoberto antes da minha retirada, armara aquela encenação para atribuir a outrem o meu crime.
O que sei é que Madame Guimarães, que sempre me convidava para as suas recepções, não me convidou para a de
ontem... Terá talvez sido a primeira a acreditar na sobrinha.

Medeiros e Albuquerque. Se eu fosse Sherlock Holmes. Em: Conan Doyle e outras.


Histórias de detetive. São Paulo:Ática,2006.p.37-43 (Coleção Para Gostar de Ler)
1- Relacione as palavras destacadas a seus significados.
a- “Ninguém tinha entrado no quarto fatídico.”                     (   ) pálida
b- “Ela ficou lívida.”                                                                (   ) fatal, trágico
c -“___Insolente!”                                                                  (   ) alegre
d- “... precisa sair daqui ... fisionomia jovial.”                       (  ) atrevido

2-Que sentimentos, dos abaixo relacionados, estão expressos nas falas das personagens?

a- honradez       b- ofensa       c- culpa               d- autoridade

(    ) (Sinhazinha Ramos) “___ Insolente!”


(   ) (Narrador) “Com a senhora, não, exijo que me entregue o anel.”
(    ) (Sinhazinha Ramos) “___ Dê sua palavra de honra que tem essa prova!”
(    ) (Narrador) “... dou-lhe a minha palavra de honra que nunca ninguém saberá por mim o que fez.”

3-Após a leitura do conto, marque a alternativa correta sobre o narrador:

O narrador-personagem conta na 1ª pessoa a história da qual participa também como personagem.


O narrador-observador conta a história do lado de fora, na 3ª pessoa, sem participar das ações.
O narrador-onisciente conta a história em 3ª pessoa e, às vezes, permite certas intromissões narrando em
1ª pessoa.
a)( ) Ele é narrador-personagem, uma vez que participa dos acontecimentos que narra.
b)( ) Ele é narrador- observador , uma vez que não participa dos acontecimentos que narra.
c)( ) Ele é narrador-onisciente, pois conta a história em 3ª pessoa e, às vezes, permite certas intromissões
narrando em 1ª pessoa.
d)( ) Todas as alternativas estão corretas.

4-A principal característica da personalidade do narrador é :


a)( ) sua admiração pelo Conan Doyle e sua tentativa em seguir os passos de seu ídolo.
b)( ) ser admirador dos romances de Conan Doyle, o que faz sonhar em viver uma aventura como as
vividas por Sherlock Holmes.
c)( ) se comportar como o Alves Calado e resolver um caso policial.
d)( ) as alternativas “ a e c” estão corretas.

5-Em contos de enigma, há tipos, ou seja, personagens que representam comportamentos


padronizados: o detetive, o criminoso, a vítima e os suspeitos. No conto lido, que personagens se
enquadram em cada um desses tipos?
a)O detetive:______________________________________________________________________
b)O criminoso:____________________________________________________________________
c)A vítima:_______________________________________________________________________
d)Os suspeitos:___________________________________________________________________

6-Sobre o espaço e o tempo no conto lido, analise cada pergunta e marque a alternativa correta:
a)Em que espaço(s) se desenvolve as ações narradas no conto?
1-( ) Na delegacia; 2-( ) No escritório de Alves Calado; 3-( ) Na casa de Madame Guimarães.

b) O período de tempo em que se deram essas ações é:


1-( )Logo pela manhã 2-( ) No final da tarde 3-( ) À noite, durante a confraternização.

7- Que situação fez Madame Guimarães perceber que seu anel havia sido furtado?
a)( ) Quando todos os convidados foram embora.
b)( ) Quando Sinhazinha Ramos se ausentou da festa.
c)( ) Quando ela teve de ir buscar o chapéu de uma convidada no quarto onde estava guardado o anel e
percebeu que ele havia sumido.
d)( ) Quando foi arrumar o quarto no dia seguinte.
8-  Medidas tomadas para descobrir quem havia furtado o anel: 
a)( )  o narrador impede a entrada de Madame Guimarães no quarto e interroga os suspeitos.
b)( )  o narrador permite somente a entrada de Sinhazinha Ramos no quarto e interroga os suspeitos.
c)( ) o narrador proibiu que qualquer pessoa, além dele, entrasse no quarto, de modo que pudesse observar
a cena do crime e em seguida, ele interrogou os suspeitos.
d)( ) Todas as alternativas estão incorretas.

9-A pista determinante para que o enigma fosse desvendado foi:


a)( )  as pétalas da rosa-chá amarela utilizadas somente por Sinhazinha Ramos na festa.
b)( )  as pétalas da rosa branca deixadas por Sinhazinha Ramos no quarto.
c)( ) o laço vermelho deixado por Sinhazinha Ramos no quarto.
d)( ) o laço amarelo utilizado somente por Sinhazinha Ramos na festa.

10-Que atitude do narrador dá uma pista de que o criminoso é uma mulher?


a)( )  o narrador pede que os homens permaneçam no salão de festa.
b)( ) o narrador solicita que apenas as mulheres conversem com ele no gabinete.
c)( ) o narrador diz que o criminoso usa vestuário feminino.
d)( ) o narrador solicita que apenas os jovens conversem com ele no gabinete.

11- o método investigativo de Sherlock Holmes baseia-se em observação, raciocínio lógico e uso de
recursos científicos, como a análise de impressões digitais. Em qual parágrafo o narrador-personagem
do conto "Se eu fosse Sherlock Holmes" menciona o método investigativo da personagem de Conan
Doyle?
a)( ) No 4º pará grafo.
b)( ) No 2º pará grafo.
c)( ) No 1º pará grafo.
d)( ) No 3º pará grafo.

 LÍNGUA EM ESTUDO
 MORFOLOGIA E SINTAXE: SUJEITO E PREDICADO

A Morfologia é a parte da gramática que estuda as palavras de acordo com a classe gramatical a que ela pertence. Quando nos
referimos às classes gramaticais, logo sabemos que se refere àquelas dez, que são: substantivos, artigos, pronomes, verbos,
adjetivos, conjunções, interjeições, preposições, advérbios e numerais.

A Sintaxe é a parte que estuda a função que as palavras desempenham dentro da oração.
Agora, referimo-nos a sujeito, adjunto adverbial, objeto direto e indireto, complemento nominal, aposto, vocativo, predicado,
entre outros.

 SUJEITO E PREDICADO

Sujeito e predicado são os termos essenciais da oração. Enquanto o sujeito é aquele ou aquilo de que(m) se fala, o predicado é a
informação dada sobre o sujeito.
Uma forma fácil de detectar esses termos nas orações é perguntando quem? e/ou o que?

Sujeito: o ser sobre o qual se declara algo

Predicado: o que se declara a respeito do sujeito

Exemplo 1:
Os estudantes organizaram a homenagem.

Quem organizou a homenagem? Os estudantes, logo esse é o sujeito da oração.


O que foi feito? Organizaram a homenagem, logo esse é o predicado da oração.
Exemplo 2:
O discurso foi modificado.

O que? “Algo” foi modificado. Essa é informação dada sobre algo, logo, esse é o predicado da oração.
O que foi modificado? O discurso. É do discurso de que se fala, logo esse é o sujeito da oração.

 TIPOS DE SUJEITO
Os sujeitos podem ser:

 Determinado - quando é identificado na oração.


 Indeterminado - quando não é identificado na oração.
 Inexistente - orações com verbos impessoais.

Os sujeitos determinados, por sua vez, dividem-se em: simples, composto e oculto.

- Sujeito simples: tem apenas um núcleo. Exemplo: O paciente foi atendido.


- Sujeito composto: tem mais do que um núcleo. Exemplo: Mousses e brownies são os meus doces preferidos.
- Sujeito oculto: quando é identificado pela desinência verbal. Exemplo: Andamos a tarde toda.

Exercícios
12- Circule o sujeito e sublinhe o predicado de cada 15- Qual das frases abaixo o sujeito é oculto?
oração. a) O empregado do supermercado vendeu sua casa.
a) Os meninos estão na quadra. b) Livros e cinema são o meu passatempo preferido.
b) O enxame entrou na colmeia. c) Gostamos de pular Carnaval.
c)  Algumas famílias passeiam pelo parque. d) Seria bom pesquisar mais sobre o assunto.
d)  Diversas crianças jogam bola no campinho. e) Está na hora do intervalo.
e)  A cidade parece vazia hoje.
f) O sol desponta no horizonte. 16- Temos um sujeito composto em:
g)  Eles saíram mais cedo da academia. a) Nós estamos cada dia mais desanimados com a escola.
h)  Nós iremos ao cinema hoje à noite. b) Luana terminou o namoro esse final de semana.
c) Todos os empregados estavam insatisfeitos com o
13- Qual o tipo de sujeito da frase "A folha caiu no trabalho.
outono"? d) Eu, Alice e Lucas estamos adorando a viagem.
a) sujeito simples e) A escola das meninas era perto de casa.
b) sujeito composto
c) sujeito oculto 17- Todas as frases abaixo são formadas por sujeitos
d) sujeito indeterminado simples, exceto:
e) sujeito inexistente a) Luciana foi a primeira a chegar na escola.
b) Caminhamos a tarde toda pelo bairro.
14- Qual das alternativas abaixo representa o núcleo do c) Josué ganhou a medalha de ouro na prova.
sujeito da frase: "Os avós, os pais e seus filhos viviam na d) Natália viajou para a Europa durante as férias.
fazenda da família."? e) Eles estão sempre omitindo a verdade.
a) avós
b) avós, pais 18- O homem e a fera vivem livres de fomes e fadigas."
c) avós, pais, filhos Nesta oração o sujeito é:
d) pais, filhos a)  Sujeito indeterminado.
e) filhos b)  Oração sem sujeito.
c)  Sujeito oculto.
d)  Sujeito composto.

 “MAU” OU “MAL”?
MAU:
É sempre adjetivo. Significa “ruim”, “imperfeito”, “que causa mal ou prejuízo”. É antônimo de bom, tem como plural “maus” e
como feminino a forma “má”. Assim como todo adjetivo, refere-se a um substantivo.
Exemplos:
– Interpretei o papel de um homem mau no teatro.
– Era um menino mau quando criança.
– Ele era muito mau com os filhos.

MAL:
W Já mal, pode ser classificada como advérbio de modo, quando significa “incorretamente”, “erradamente”. Nesse caso, é
invariável e seu antônimo é o advérbio bem. Como advérbio, refere-se sempre a um verbo.
Ex: Ela comia muito mal. 
WWXHE
20- Levando em consideração o uso correto do advérbio mal, julgue as seguintes proposições:
I. Ele reprovou de ano porque foi mal aluno em matemática.
II. Talita mal entrou no shopping e já queria ir embora.
III. Nós percebemos que ele estava mal intencionado, por isso corremos.
IV. O casal viveu um mal momento durante a viagem para a França.
V. O prefeito faz mal uso do dinheiro público.
a) Todas estão corretas.
b) I e V estão corretas.
c) II e III estão corretas.
d) I, IV e V estão corretas.
e) II, III e V estão corretas.

21- Preencha as lacunas corretamente:

I. Os chefes estavam de _______ humor naquela segunda-feira.


II. Márcia passou _______ e foi levada para casa.
III. O motor do carro apresentou _______ desempenho durante os testes na fábrica.
IV. ______ chegaram de viagem e já começaram a trabalhar.
V. Nunca pratique o ______; pratique sempre o bem.

a) Mau – mal – mau – mal – mal.


b) Mau – mau – mau – mal – mau.
c) Mal – mau – mal – mal – mal.
d) Mau – mal – mal – mal – mal.

A GENTE OU AGENTE
A gente, escrito de forma separada, significa nós.
Agente, escrito de forma junta, significa pessoa que age, que faz alguma coisa.Quando usamos a gente?

Quando utilizamos a locução pronominal a gente, queremos dizer nós, sendo uma locução semanticamente equivalente
a esse pronome pessoal.
A expressão a gente deverá ser conjugada na terceira pessoa do singular: a gente vai, a gente quer, a gente fala, a gente
sabe,…

A gente Nós
A gente não vai ao cinema. Nós não vamos ao cinema.
A gente quer saber a verdade. Nós queremos saber a verdade.

A gente indica também todas as pessoas em geral.


- Toda a gente viu como ela ficou transtornada.
- Todos viram como ela ficou transtornada.

Quando usamos agente?


Quando utilizamos o substantivo comum agente, queremos indicar uma pessoa que faz alguma coisa, ou seja, o agente
da ação. Pode indicar também uma pessoa que administra uma agência, um intermediário em negociações comerciais,
um agente secreto ou um guarda policial.

Agente
O agente da polícia prendeu o bandido.
Ninguém sabe quem é o agente secreto.

22- Marque a frase cujo contexto permita a utilização da palavra “agente”:


a) _________________ gosta de se falar todos os dias pela manhã.
b) Ele diz que ___________________ demais dentro da loja.
c) Ela sempre diz que __________________ não se respeita.
d) O ____________________ da guarda municipal autorizou a paralisação.
e) Fora dessa empresa _________________ demais à procura de um emprego.
AGORA É COM VOCÊ

Você leu um conto em que o narrador – um admirador das façanhas de Sherlock Holmes –
sonha em solucionar enigmas tão complicadas quanto os resolvidos pelo famoso detetive. Agora
com base na sua leitura do conto “Se eu fosse Sherlock Holmes”, identifique as partes que
compõem a estrutura da história e reescreva abaixo o que se pede:

a) Situação inicial:

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

b) Conflito:

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

c) Desenvolvimento e clímax

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

d) Desfecho

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________