Você está na página 1de 437

VERSÃO PRELIMINAR

PERCURSOS
CURRICULARES
E TRILHAS DE APRENDIZAGENS PARA A REDE MUNICIPAL
DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE EM TEMPOS DE PANDEMIA
PERCURSOS
CURRICULARES
E TRILHAS DE APRENDIZAGENS PARA A REDE MUNICIPAL
DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE EM TEMPOS DE PANDEMIA

Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Belo Horizonte, 2020


Prefeitura de Belo Horizonte Projeto Gráfico e diagramação
Secretaria Municipal de Educação Terezinha Nelma de Araújo
Bruno Milagres Paschoa
Secretária: Ângela Imaculada Loureiro
de Freitas Dalben Revisão
Secretário Municipal Adjunto: Marcos Carolina Bicalho
Evangelista Alves Flávia Lucimar Batista da Luz
Subsecretária de Planejamento, Gestão e Magner Miranda de Souza
Finanças: Natália Raquel Ribeiro Araújo
Leitura Crítica
Organização César Eduardo de Moura
Adriana Nogueira Araújo Silveira Heli Sabino de Oliveira
Lucilene Alencar das Dores Francisca Izabel Pereira Maciele
Maria do Socorro Lages Figueiredo Rita Cristina Lages Lima
AGRADECIMENTOS
A Secretaria Municipal de Educação agradece à Universidade Federal de Minas Gerais pela
contribuição na construção de conhecimentos e no envolvimento formativo com os(as) professo-
res(as) da Rede Municipal de Educação durante o processo de produção desta obra. É incontestá-
vel o esforço que essa instituição realizou, e ainda realiza, ao preservar o seu compromisso com a
sociedade na produção de saberes indispensáveis para a formação humana, crítica e cidadã.
Ao Prefeito Alexandre Kalil e sua equipe, agradecemos o respeito com nossos(as) professo-
res(as), estudantes e suas famílias no contexto difícil que temos vivenciado em tempos de pande-
mia, sempre colocando a proteção à vida e o cuidado com o ser humano como ações prioritárias.
Agradecemos às escolas municipais, que se organizaram coletivamente e dedicaram seu
tempo de trabalho para realizar a leitura desta obra e colaborar, generosamente, com a escrita dos
textos, a fim de retratar, com respeito, a realidade enfrentada por cada unidade escolar no período
de isolamento social.
Agradecemos, também, aos(às) professores(as) e profissionais da Rede Municipal de Edu-
cação que participaram das formações, grupos de trabalho e estudos, que foram realizados com
vista a intercambiar saberes e fazeres docentes em tempos de pandemia.
Aos estudantes e suas famílias, agradecemos a confiança que foi depositada no trabalho
pedagógico desenvolvido pelas escolas, seus(suas) professores(as) e profissionais da Educação,
que não mediram esforços para reinventar suas práticas, com vista a acessar todos(as) que fazem
parte da comunidade escolar. Participação, empenho e determinação são algumas das palavras
que marcam as trajetórias dos(as) estudantes e suas famílias no “novo” diálogo em favor de apren-
dizagens que, mais do que nunca, articulam família e escola.
Por meio da escuta atenta e cuidadosa das narrativas apresentadas nos encontros formati-
vos e das manifestações, através de comentários e sugestões enviados pelas escolas, foi possível
estruturar os conteúdos apresentados nesta obra, que, de fato, materializam as intencionalidades
pedagógicas e respeitam a pluralidade de sujeitos, conhecimentos e processos da Rede Municipal
de Educação de Belo Horizonte.
O estreitamento de laços de trabalho entre essas instituições possibilitou, especialmente
durante a pandemia da Covid-19, ressignificar a profissão docente, à luz do contexto social pautado
pelo “novo normal”; reconhecer o(a) estudante como centro do processo de ensino-aprendizagem
e reinventar a escola e as suas práticas pedagógicas, com foco nos conhecimentos que são es-
senciais no momento que vivemos. Além disso, podemos dizer que o documento “Percursos Curri-
culares e Trilhas de Aprendizagens para a Rede Municipal de Educação em tempos de pandemia”
é fruto das trocas de experiências estabelecidas pelas escolas e suas comunidades; pelos(as)
estudantes com seus(suas) colegas de turma e professores(as) e, ainda, pelos(as) professores(as)
do ensino superior com os(as) professores(as) da educação básica, ao longo dos encontros de
formação que foram desenvolvidos a fim de consolidar um trabalho pedagógico contextualizado no
momento vivido.
Agradecemos, portanto, todos(as) os(as) profissionais envolvidos(as) na elaboração deste
documento, que traz, em sua essência, um convite ao diálogo, à formação continuada e às intera-
ções pedagógicas que, certamente, contribuirão na busca de novos caminhos, novos percursos,
novas aprendizagens.
9 Uma palavra da Secretária

SUMÁRIO
13 1 Ser professor(a) em Tempos de Pandemia
1.1 Como (Re)significar a nossa Profissão em Tempos
de Pandemia? — O desenvolvimento profissional
docente é um processo criativo
1.2 Desenvolvimento profissional significa produzir a
própria profissão docente todos os dias
1.3 Reinventar a Escola? Eis a Questão!
1.3.1 Eixo I — Construção do Mapa
Socioeducacional
1.3.2 Eixo II — Percurso Curricular emergencial

1.3.3 Eixo III — Projetos de Ensino por


agrupamentos
Ângela Imaculada Loureiro de Freitas Dalben

27 2 O Mapa Socioeducacional como Prática Pedagógica da


Educação de Qualidade Social
Letícia de Melo Honório; Maria do Socorro Lages Figueiredo; Marília de Dirceu
Salles Dias e Rosângela Elmira

31 3 O(A) Estudante é o Centro do Processo de Ensino-


Aprendizagem também no Ensino Híbrido
Daniella Dias Chaves; Diego de Oliveira; Lucilene Alencar das Dores e Rodrigo
Gavioli de Assis

35 4 Acessibilidade Pedagógica: uma construção coletiva


4.1 Registros e avaliações
Bernadete Quirino Duarte Blaess; Elaine Salles da Costa; Elizabet Dias de Sá;
Flávio Couto e Silva de Oliveira; Luciana Aparecida Guimarães de Freitas
43 5 Conhecimentos Essenciais para o Processo de

SUMÁRIO
Alfabetização, Letramento, Alfabetização Matemática e
Numeramento: proposta para o trabalho com crianças
do recorte etário de 4 a 8 anos no ensino híbrido
5.1 Projeto APPIA – Um Olhar para a Infância
5.2 Infâncias, Alfabetização, Letramento e
Numeramento
5.3 Conhecimentos Essenciais para o Processo de
Letramento e Alfabetização
5.3.1 Alguns pressupostos conceituais
Ana Paula Pedersoli Pereira; Francisca Izabel Pereira Maciel; Gilcinei Teodoro
Carvalho; Isabel Criatina Alves da Silva Frade; Sara Monteiro Mourão; Valéria
Barbosa de Resende e Professores(as) da Rede Municipal de Educação1

5.4 Conhecimentos Essenciais para o Processo de


Letramento e Alfabetização
Denise França Stehling; Luciana Tenuta; Vânia Gomes Michel Machado e
Professores(as) da Rede Municipal de Educação2

87 6 Conhecimentos Essenciais para a Trajetória Formativa


da Infância à Adolescência – APPIA– Horizontes da
Adolescência
Cláudia Sapag Ricci; Nícia Beatriz Espaladori de Lima Campos; Selma Moura
Braga; Tânia Margarida Lima Costa e Professores(as) da Rede Municipal de
Educação3

1
Ver relação de professores(as) da Rede da Rede Municipal de Educação parti-
cipantes da escrita do texto na página 435
2
Ver relação de professores(as) da Rede da Rede Municipal de Educação parti-
cipantes da escrita do texto na página 435
3
Ver relação de professores(as) da Rede da Rede Municipal de Educação parti-
cipantes da escrita do texto na página 436
423 7 Conhecimentos Essenciais para a Trajetória

SUMÁRIO
Formativa de Jovens, Adultos(s) e Idosos(as) – APPIA–
Consolidando projetos de vida
Diego de Oliveira; Elias José Lopes de Freitas; Heli Sabino de Oliveira e Marcos
Evangelista Alves e Professores(as) da Rede Municipal de Educação4.

431 Referências

4
Ver relação de professores(as) da Rede da Rede Municipal de Educação partici-
pantes da escrita do texto na página 436
APRESENTAÇÃO
UMA PALAVRA DA SECRETÁRIA
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Façamos da interrupção um caminho novo.


Da queda, um passo de dança,
do medo, uma escada,
do sonho, uma ponte,

da procura, um encontro! 1

Queridas professoras, queridos professores das Escolas Municipais de Educação Infantil


(EMEIs) e Escolas Municipais da Rede Municipal de Educação, diretores(as) e vice-direto-
res(as), coordenadores(as) pedagógicos(as) gerais, coordenadores(as) de ciclo e de turno,
coordenadores(as) da escola integrada, secretários(as) escolares, gestores(as) administra-
tivos(as), bibliotecários(as) escolares, assistentes administrativos(as) educacionais, articu-
ladores(as) de leitura, monitores(as) do programa escola integrada, diretores(as) regionais
de educação e suas equipes, diretores(as) e gerentes da Smed, assessores(as) e estagiá-
rios(as), é com carinho que me dirijo a vocês.

Estamos em isolamento social desde o dia 14 de março e, a cada 24 horas, refletimos so-
bre o que estamos vivendo. Assistindo permanentemente às informações da TV, olhando
continuamente as mensagens do celular e articulando ações devidas em razão das nossas
profissões. O mundo teve que se reorganizar e funcionar a partir de novas configurações,
em todos os campos. Milhares de pessoas morrem por dia, acometidas pelo novo corona-
vírus, pela Covid-19.

Esse inimigo nos faz viver como em períodos de guerra, mas uma guerra estranha, sem
inimigo visível. E muitas dúvidas surgem, muitos dilemas, confrontos sobre o que pode ou
não pode ser feito e, diante das dificuldades, constrangimentos e dores afloram e afligem
as pessoas.

O que está acontecendo merece de nós reflexões em várias dimensões: éticas, técnicas,
profissionais, científicas, políticas, religiosas, afetivas, familiares, criativas, pedagógicas,
ou qualquer outra que nos venha à mente, porque estamos vivendo um tempo sem prece-
dentes na história mundial. Trata-se de um contexto paradoxal, em que está em jogo a luta
pela vida humana e, diante do qual, há uma busca pela construção de novos sentidos para
a vida. Óbitos pelo mundo e pelo Brasil ultrapassam as centenas de milhares. Grupos de
pesquisadores(as), em todos os cantos do planeta, ocupam-se em descobrir uma vacina.
Mais do que nunca, a importância da ciência se faz presente. Desemprego, mortes, vio-
lência doméstica, abusos e tensão são vividos dia a dia e os números, gráficos e curvas
que aparecem nos telejornais assustam e impactam. Persiste a recomendação de que
cada pessoa se cuide, permanecendo em casa, em isolamento social. As nossas escolas
1
Trecho adaptado do livro “O encontro marcado”, de Fernando Sabino (SABINO, 2011).

10
seguem fechadas, com total incerteza quanto ao futuro e uma espera inquieta pelo retorno

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


à vida normal.

Diante de tudo isso, refletimos sobre a importante verdade que o convívio com o vírus nos
ensina: o exercício da humildade. Ensina que ninguém sabe ou tem certezas das coisas,
porque ninguém viveu ou experimentou algo semelhante. A urgência da experiência de de-
senvolvimento da solidariedade e da colaboração traz possibilidades de melhores momen-
tos no enfrentamento das situações rotineiras da vida. E a alegria de termos de volta essas
atitudes e valores traz alento para os maus dias, de tantas perdas, dramas e tristezas.

A escola não está desvinculada desse contexto. Não é um universo fechado, isolado, à
parte. Nós, profissionais da educação, estamos diante de algo nunca visto. Precisamos
enfrentar a nossa profissão sem a casa que sempre foi o nosso chão – a escola. Mas, se
estamos fisicamente distantes das nossas escolas e de nossos/as estudantes, como fazer?
Como garantir os conhecimentos que consideramos fundamentais aos(às) nossos(as) es-
tudantes? Como realizar o ensino sem tê-los(as) diante de nós, sem poder olhar nos seus
olhos e interagir com seus sentimentos, desejos, ansiedades, alegrias e medos?

No enfrentamento a esses desafios, desde o momento em que as atividades escolares pre-


senciais foram suspensas, diversas respostas a essas questões têm sido construídas, por
meio do esforço de cada escola da Rede Municipal de Educação. De modo muito especial,
esse esforço tem revelado grande criatividade dos coletivos de profissionais no exercício
da autonomia pedagógica, para a proposição de soluções criativas para viabilizar a ma-
nutenção de vínculos afetivos com estudantes e suas famílias, bem como para viabilizar
atividades de ensino remoto, com o objetivo de manter os vínculos pedagógicos e de criar
possibilidades de acesso aos conhecimentos escolares.

Por essas razões, e acreditando que todos(as) nós, juntos(as), conseguiremos superar es-
ses grandes desafios, apresentamos os eixos estruturadores de uma proposta pedagógica
para esses tempos de pandemia, na esperança de conseguirmos sistematizar, de forma
coletiva e considerando a autonomia pedagógica das escolas, os planos de ensino e as
trilhas de aprendizagem para crianças, adolescentes, jovens e adultos(as) da cidade de
Belo Horizonte.

Ângela Imaculada Loureiro de Freitas Dalben

Novembro /2020.

11
SER PROFESSOR(A)
EM TEMPOS 1
DE PANDEMIA
“Quem ensina aprende ao ensinar
e quem aprende ensina ao aprender”
(FREIRE, 1994, p. 2).
A preocupação com a disseminação da vida das pessoas, quando aprendizagens
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Covid-19 trouxe a suspensão das aulas em novas sinalizam e abrem horizontes tam-
todas as escolas de Belo Horizonte, desde bém novos. Nesse sentido, o ofício de es-
o dia 18 de março de 2020. tudante se constrói nesta complementari-
dade de referências - família e escola. O
A escola fechou. A comunidade escolar
desejo e o gosto pelo novo que o conhe-
está em casa. E a sala de aula passa a
cimento descortina, o gosto por estudar
ser a casa do/a estudante. O que significa
mais, o hábito por desejar novas aprendi-
esse cenário?
zagens serão adquiridos nestas interações
Mães, pais, avós, tios, primos são os/as entre estudante/família/escola.
companheiros/as dos/as nossos/as es-
Ora, ser professor(a) é um ofício centrado
tudantes nos estudos diários propostos
na observação da vida de nossos/as estu-
pela escola. São as pessoas que, cotidia-
dantes e nas interações que estabelecem
namente, conectam os/as estudantes ao
com outros/as estudantes e com os am-
mundo e, também, à escola. São os/as
bientes de aprendizagens. Ou, falando de
maiores influenciadores/as, os/as árbitros/
outra forma, o/a professor(a) é um/a obser-
as das situações vividas, os/as informan-
vador/a do processo de desenvolvimento
tes, os/as apoiadores/as, que traçam cami-
do ser humano e da sua trajetória na aqui-
nhos para o futuro e delineiam projetos de
sição dos conhecimentos. Nesse contexto,
vida. Mas, isso é diferente do que já existia
o/a professor(a) define intencionalidades,
antes da Covid-19? Não. Mas, de repente,
estimula, motiva, promove a aquisição de
essa realidade ficou mais clara para nós.
novos conhecimentos, favorece aprendi-
Diferentemente do que enxergávamos na
zagens. É assim que o/a professor(a) pas-
vida escolar presencial, precisamos, agora,
sa a fazer parte da vida do/a estudante e a
considerar, necessariamente, que nossos/
fazer parte da sua família.
as estudantes vivem em núcleos familiares
dinâmicos, vivos, que interferem na forma Perrenoud (1993, p. 157) disse que “for-
como pensam, sentem e vivem a escola e mar professores significa prepará-los para
sua dinâmica. observar, decidir e agir em situações, ten-
do em conta o conjunto dos constrangi-
Isso significa que nossos/as estudantes es-
mentos que caracterizam a ação pedagó-
tão, hoje, totalmente dependentes do seu
gica numa sala de aula”. Entretanto, hoje,
próprio grupo social e nós, profissionais
o maior constrangimento de um/a profes-
da escola, precisaremos nos esforçar para
sor(a) está no fato de não ter a escola
entrar na casa deles. Se possível, sendo
como o lugar onde possa realizar o seu
amados/as, desejados/as e queridos/as.
trabalho. Estamos precisando das famílias
Família e Escola são instituições comple- e de seus lares para poder trabalhar. Pre-
mentares na perspectiva da formação para cisamos chegar, visitar, ser convidados/as,
a cidadania. Complementam-se como in- com carinho, para fazer parte da vida da-
fluenciadoras dos rumos que os sujeitos queles/as que são a razão de ser do nosso
seguirão no desenrolar de seus percursos trabalho. Hoje, crianças e adolescentes,
e de suas trajetórias escolares. Assim, a jovens e adultos das nossas escolas es-
escola pode (re)significar os projetos de tão nas suas próprias casas e precisare-

14
mos conviver com todos/as que lá estão, 20 anos… vão nos estudar. Vão analisar

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


conviver com toda a família do/a nosso/a nossas ansiedades, medos, inseguranças
estudante. e decisões em busca das respostas.

Mas, será possível, neste contexto de iso- Mas, uma coisa está muito clara: ninguém
lamento social, quando tudo se modifica, consegue vencer uma pandemia e suas
que o processo de escolarização fora dos consequências solitariamente, mesmo
muros da escola aconteça? Qual é o sen- com o distanciamento social. Se a nossa
tido da relação pedagógica professor/es- alternativa é entrar nas casas de nossos/
tudante/conhecimento nessas circunstân- as estudantes, precisamos fazer isso. Pre-
cias? Será que tudo pode acontecer como cisamos pedir licença para entrar. Reco-
se apenas mudássemos de casa? Quem nhecer a importância de tentar estabelecer
é a autoridade do conhecimento? E se a um diálogo franco com a família, com a
cultura nos lares de nossos/as estudantes sua realidade e sua condição sociocultural
tomar como pressupostos outras bases e material de vida.
ideológicas para lidar com o conhecimento
Trabalhar coletivamente, estudando junto,
do mundo, que não a ciência? Qual é o co-
procurando respostas em vários lugares e
nhecimento necessário neste momento?
com várias referências, é fundamental. E
Quais os ensinamentos deste novo tempo?
mais, reconhecer que essa atitude é priori-
Perguntas difíceis e complexas exigem tariamente uma atitude científica e respon-
respostas também complexas. O mundo fi- sável, que revela o cuidado e a empatia
cou de cabeça para baixo. E não podemos com o próximo. Assumir os novos tempos
ignorar a realidade, negar que tudo está também é uma atitude fundamental. O
diferente. No início da pandemia, médicos/ avanço das tecnologias digitais estão nos
as e profissionais da área da saúde diziam, permitindo construir infinitas conexões,
a todo instante, que estavam aprendendo para que o diálogo se estabeleça e que
com a doença. Confessaram que ninguém esse isolamento seja, especificamente, fí-
tinha certeza sobre o que daria certo ou sico.
errado para lidar com o vírus. Havia incer-
tezas sobre qual medicamento, qual pro-
cedimento médico utilizar. Tiveram que ex- 1.1 Como (re)significar a nos-
perimentar, inovar! Estão estudando muito,
sa profissão em tempos de
criando grupos de trabalho em parceria
com profissionais que atuam em contextos
pandemia? - O desenvolvi-
diferentes, em países diferentes, em sinto- mento profissional docente é
nia, em colaboração. Muito trabalho, muita um processo criativo
luta, muita ansiedade.
Comênio, o pai da Didática, ainda no sécu-
Na verdade, todos/as nós estamos apren- lo XVI, dizia que a Didática é a arte de en-
dendo. O mundo inteiro está aprendendo sinar tudo a todos, conforme reitera Ferrra-
e o conhecimento está no ar! Todos/as so- ri (2008). Como podemos interpretar isso?
mos aprendizes e vulneráveis. Qualquer Arte! Ensinar tudo! Ensinar todos!
metodologia é experimental. E, daqui a
Pode-se entender o autor como um incenti-

15
vador da atitude científica a favor da demo- em que as desigualdades socioeducacio-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

cratização do saber. Em sua conceituação, nais nos desafiam no exercício de nossa


apresenta um método, uma perspectiva e profissão. Assim, na nossa ânsia de exer-
um posicionamento político. Isto é, um(a) citar a arte de ensinar, precisamos ter cla-
professor(a) deve exercitar, permanen- reza de alguns pontos: até que ponto se
temente, a ação de indagar, de formular estende o poder da nossa vontade, do nos-
questões acerca do fazer docente, numa so desejo, de nossa consciência? Até onde
constante busca por soluções. É preciso vai o alcance da nossa liberdade? O que
buscar alternativas diversas para realizar está inteiramente em nosso poder? O que
as interações com as pessoas e o mun- depende inteiramente de causas e forças
do, porque a arte busca formas diversas exteriores que agem sobre nós? O que fa-
de comunicação e porque ensinar é um zíamos pode voltar a ser feito? O que dava
processo de comunicação por natureza, certo numa sala de aula, no interior de uma
assim como a arte. Sabe-se, entretanto, escola, pode dar certo na casa do(a) estu-
que o(a) interlocutor(a) é sempre diferen- dante, sem a mediação do(a) professor(a)?
te e isso exige o uso de diferentes formas
O desenvolvimento profissional docente é
para atingir quem é diferente por natureza.
um processo holístico, presente nos prin-
A dimensão democrática de Comênio está
cípios da Educação Integral. Precisamos
na certeza e no desejo de que todas as
pensar nas diferentes dimensões que fa-
pessoas podem aprender, dependendo de
zem parte do ser humano (física, social,
como um(a) professor(a) exercitará a sua
emocional, ética, estética, cognitiva, eco-
arte de ensinar.
nômica), nos valores que emergem das
Relembrar Comênio, em plena pandemia, nossas práticas e rotinas usuais, para com-
é importante porque o desafio trazido pela preendermos os limites do que fazemos e
Covid-19, que não nos deixa abrir escolas e acreditamos. No ambiente escolar, tínha-
exercitar nossa didática nas salas de aula, mos condições de desenvolver atividades
nos diz que, mais do que nunca, é preciso complexas próprias da materialidade do
ter clareza e consciência de que nossas entorno, mas o que fazer quando o entorno
ações se constituem pelas intencionalida- é a casa do(a) estudante? O(a) estudante
des pedagógicas. Se estamos longe e de- e sua família esperam de nós o exercício
sejamos interagir, por meio desse processo da profissão docente e também estão de-
de ensino híbrido, precisamos, como sem- safiados em seus ofícios de ser estudante
pre, nos perguntar: o que vamos ensinar? ou de ser mãe ou pai desse(a) estudante.
Por que devemos ensinar? Como vamos A casa do(a) nosso(a) estudante também
ensinar? Quais limites o ensino híbrido nos está desafiada a acolher esse novo pro-
impõe? Quais possibilidades pedagógicas cesso de interações, abrindo-se ou não ao
e didáticas ele nos apresenta? Precisamos que nunca viveu e sem condições, muitas
e vamos pensar coletivamente essas pos- vezes, de enfrentar o desafio. Ou sentindo
sibilidades, para viabilizar as melhores pro- medo de enfrentá-lo, assim como nós.
postas de ensino para os(as) nossos(as)
estudantes, nesse contexto pandêmico.

Estamos diante de uma situação inusitada,

16
1.2 Desenvolvimento profis- foi proposto. Exige a crítica e a autocrítica

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


sional significa produzir a do que foi planejado, tendo como referên-
cia o que, efetivamente, aconteceu. Todo
própria profissão docente to-
plano dialoga com seu processo de avalia-
dos os dias ção. A avaliação é uma tarefa de rotina, por
A formação docente passa pela experi- meio da qual nos comprometemos a refletir
mentação, pela curiosidade, pela inova- sobre os acertos e desacertos de nossos
ção, pelo ensaio de novos modos de fazer. planos de ensino, visto que resultados e
Tomando como exemplo os profissionais processos se complementam no entendi-
da área de saúde, que reconheceram mento da realidade. Isto é, a avaliação co-
que estão aprendendo a cada dia sobre meça com o conhecimento de resultados
a Covid-19, também nós, profissionais da de ações anteriores e se concretiza quan-
educação, precisamos reconhecer que o do produz informações sobre os processos
grande desafio do momento exige, mais implementados para o alcance dos referi-
do que antes, consciência das dimensões dos resultados e ajuda a tomar decisões
coletivas do fazer pedagógico. Precisamos futuras, para melhorá-los. Assim, podemos
assumir, sem preconceitos, as produções dizer que a avaliação é como um aval para
e práticas que estão dando certo e que es- novas ações.
tão sendo experimentadas por outros(as) Então, é isto: estamos diante do novo. Mas,
colegas profissionais do ensino. Vivemos, estamos abertos para enfrentar o novo?
com certeza, o tempo da predominância Estamos nos preparando para conquistar
do trabalho em rede. um novo tempo possível? Conquistar uma
Refletir, estudar, planejar e propor é pre- nova escola, um(a) novo(a) profissional da
ciso. Fazer um plano exige refletir sobre educação, um novo ofício de estudante e
nossos desejos profissionais, sobre as ne- um novo espaço de interações com as fa-
cessidades educativas de nossos(as) estu- mílias dos(as) estudantes?
dantes. Exige, também, antever e projetar
resultados dos processos educativos. E,
neste momento, o desafio que nos move 1.3 Reinvtar a escdola? Eis a
é reconstruir a nossa profissão e nossas Questão!
propostas de trabalho, a partir de novos
caminhos, novas aventuras, novos planos, Não partimos do pressuposto de que esta-
novos lugares, novas tecnologias. mos vivendo um ano perdido para a edu-
cação. Não partimos do pressuposto de
Planejamento é uma atividade consciente que teremos a tragédia anunciada de uma
e política, porque planejamos para um ob- geração sem preparo. Ao contrário, consi-
jetivo e para alguém. É um ato decisório, deramos que todo o planeta está vivendo
orientador de ações e tradutor de aspira- experiências dramáticas, mas aprendendo
ções. Um plano é uma ação comprometida, muito com tudo isso. A importância do meio
que envolve análise da situação, definição ambiente na alteração das condições de
de necessidades e objetivos, delineamen- vida na terra e os desafios da degradação
to do que vai ser feito e compromisso com ambiental na proliferação de doenças é um
o que acontecerá após a realização do que

17
conhecimento essencial e está às claras e didáticas, teremos que exercitar, com
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

para o mundo. Como deixar de considerar certeza, a arte de ensinar tudo a todos,
tudo isso quando se pensa a educação de porque somos profissionais do ensino.
uma nação, de um povo e de uma cidade?
Apresentaremos, neste livro, os eixos da-
Como não considerar que o ser humano,
quilo que está pensado e proposto como
seja criança, adolescente ou adulto, apren-
prática pedagógica escolar nestes tempos
de a todo momento, por meio das intera-
de pandemia, mas é importante salien-
ções que realiza com o ambiente, com as
tar que o que reunimos é fruto de muitas
pessoas e com o contexto de informações,
conversas, com diretores de escolas, pro-
conhecimentos e práticas sociais com os
fessores(as) da Rede Municipal de Edu-
quais é desafiado a interagir, imitando-o,
cação das diferentes áreas e segmentos,
assistindo-o e a ele se habituando?
professores(as) das instituições de ensino
O contexto social nos molda e constrói há- superior que nos assessoraram nos deba-
bitos e mentalidades necessárias ao bom tes sobre as questões curriculares, ideias
convívio. Assim, se crianças e adolescen- apresentadas em lives assistidas e apre-
tes das nossas escolas não aprenderam, ciadas e experiências retiradas de outros
sistematicamente, os conteúdos escola- países ou de municípios brasileiros. Não
res previstos para serem ensinados pelas estamos preocupados com a originalidade
práticas pedagógicas escolares do ano de da proposta, mas estamos atentos à sua
2020, aprenderam, por outras formas, inú- efetividade, considerando os formatos a
meros outros conteúdos, relativos às modi- serem criados pelas escolas em seus rotei-
ficações vividas no cotidiano de seus lares ros de trabalho; o uso de tecnologias e téc-
e de suas famílias. Precisaremos descobrir nicas de ensino que realmente ensinem;
o que aprenderam. Essa será a nossa pri- os objetos de conhecimento essenciais
meira tarefa. Redescobrir quem são os(as) que devem ser ensinados; o apoio ao(à)
nossos(as) estudantes nesses tempos de estudante e o cuidado com a sua formação
pandemia. Entender o que viveram e o que escolar, além da qualidade das interações
aprenderam longe de nós. entre escola/família/estudante.

É certo que ainda não poderemos estar Colocamos como eixo central a defesa
juntos, abraçados, convivendo, como an- da construção de um Mapa Socioeduca-
tes, nas escolas. Entretanto, é importante cional nas escolas, porque estamos fo-
acreditar que já amadurecemos o suficien- cados nos sujeitos aprendizes da Educa-
te para enfrentar uma nova fase nesta pan- ção Infantil, do Ensino Fundamental e da
demia: a fase de construção de uma rela- Educação de Jovens e Adultos (EJA) e
ção pedagógica sistemática com os(as) nos desafios que um contexto de pande-
estudantes, mediada por intencionalida- mia trouxe. Perguntas incessantes e diá-
des explícitas, objetos de conhecimentos rias devem ser feitas: como acompanhar
essenciais e atividades propostas com o os(as) estudantes diante do isolamento
intuito de dialogar com aquilo que o(a) es- social e da impossibilidade de frequência
tudante aprendeu ou está em processo de à escola? Como chegar nesse(a) estu-
aprendizagem. Mediados por tecnologias dante e como atingi-lo(a) naquilo que é
digitais ou analógicas, técnicas de ensino fundamental, como o acesso aos direitos

18
de aprendizagem para um percurso de tões pertinentes ao território em está loca-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


escolarização de sucesso? lizada, complementando as informações
que já possuía sobre seus estudantes, in-
Nessa linha de raciocínio e desejando
vestindo esforços na busca por dados que
oferecer às escolas uma proposta peda-
permitissem entender a situação em que
gógica sólida, fundamentada na realidade
se encontram. Temos consciência de que
e com possibilidades de um atendimento
esse mapa não terá um fim e será perma-
cuidadoso e personalizado, esta propos-
nentemente alimentado, a partir das infor-
ta pedagógica para a Rede Municipal de
mações que, a cada dia, o(a) professor(a)
Educação de Belo Horizonte partiu de três
ou um(a) colaborador(a) da escola obtém
eixos básicos, na perspectiva de orientar
sobre um(a) estudante ou outro(a). Essa
as práticas pedagógicas dos professores,
ferramenta será o chão da nova escola,
das escolas e da gestão da educação na
que se ergue em tempos de pandemia,
cidade, como um todo: a construção do
porque será a referência da relação peda-
Mapa Socioeducacional, um Percurso Cur-
gógica professor/estudante/conhecimento.
ricular Emergencial e Projetos de Ensino
por agrupamentos. Um Mapa Socioeducacional da condição
dos/as docentes também foi feito, porque
todos/as nós ficamos vulneráveis na reali-
1.3.1 EIXO I – Construção do zação da nossa profissão. O conhecimento
oriundo da aplicação do mapa docente si-
Mapa Socioeducacional
tua o sujeito professor no contexto pandê-
O Mapa Socioeducacional das escolas da mico, para que, também, possamos tomar
Rede Municipal de Educação configura- por base as suas possibilidades na cons-
-se como um instrumento orientador para trução desta proposta pedagógica.
a prática pedagógica, com a finalidade de
Ao longo destes três últimos anos, foi cria-
conhecer o ambiente e as condições de
do o Inventário de Desenvolvimento Pro-
vida de cada estudante, em tempos de
fissional (IDP), com a finalidade de cons-
pandemia. Esse instrumento não foi pro-
truir um perfil profissional dos docentes da
posto para ser elaborado pelas escolas a
Rede Municipal de Belo Horizonte. Esse
partir da Portaria Smed n. 110/2020 (BELO
instrumento tem caráter informativo e for-
HORIZONTE, 2020), com o apoio das
mativo, concebido para ser apropriado pe-
Diretorias Regionais de Educação e da
los docentes, reverberando suas práticas,
Smed e nem é um mapa para a Secretária
produções e experiências, na perspectiva
de Educação. A finalidade e o foco central
de construir trilhas possíveis de formação
do Mapa Socioeducacional são conhecer
e fomentar o desenvolvimento profissio-
os(as) estudantes e identificar as alterna-
nal, em sintonia com as demandas atuais.
tivas disponíveis para que pudéssemos in-
No cenário da pandemia, esse inventário
teragir e nos relacionar com eles em tem-
passa a se associar ao Mapa Socioeduca-
pos de distanciamento social.
cional dos docentes, trazendo luz para que
Cada escola, em diálogo permanente com a proposta aqui dimensionada possa se
as equipes das Diretorias Regionais de efetivar em diálogo com todos os sujeitos
Educação, desenhou e elaborou as ques- envolvidos.

19
A realidade consolidada a partir desses os objetos de conhecimento essenciais em
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

mapas poderá, também, auxiliar a ges- cada ano de escolarização.


tão das escolas, das regionais e da RME,
Essa empreitada tão ousada e tão impor-
como um todo, incluindo, ainda, as possi-
tante teve por finalidade criar um instru-
bilidades de proposição de ações interse-
mento capaz de nortear a prática docen-
toriais, fundamentais para a realização do
te em um ano atípico, complexo, em que
Projeto Político Pedagógico das escolas.
persiste o necessário monitoramento de
Foi a partir dessa ideia que decidimos por
aprendizagens específicas, bem como a
construir um sistema de informações com
promoção de aprendizagens essenciais
indicadores comuns, que foram escolhidos
para cada estudante, em cada fase de
por todas as escolas para oferecer à Rede
escolarização, de maneira a não permitir
um conhecimento global da realidade.
que, sem a escola presencial, tenhamos
um ano perdido.

1.3.2 EIXO II – Percurso Curri- Os Percursos Curriculares foram elabora-


dos considerando os princípios do Projeto
cular Emergencial
APPIA – Integração, política pública edu-
As dificuldades apresentadas pela suspen- cacional estruturante da Secretaria Muni-
são das aulas presenciais, mesmo com as cipal de Educação, desenvolvida a partir
normatizações vindas do Conselho Nacio- da necessidade de organizar a transição
nal de Educação e do Ministério da Edu- entre a Educação Infantil e os anos iniciais
cação, nos alertaram para a importância do Ensino Fundamental de forma contí-
de construir um Percurso Curricular Emer- nua e harmônica. Esse projeto tem como
gencial, capaz de auxiliar o corpo docente objetivo articular e integrar as propostas
das escolas na construção de seus planos pedagógicas das etapas/níveis de escola-
de ensino. Buscamos, então, as parcerias rização ofertadas pela Rede Municipal de
já firmadas com a Universidade Federal Educação, na perspectiva da vivência es-
de Minas Gerais, especificamente com as colar adequada dos processos formativos
equipes que desenvolvem os Programas referentes às infâncias, às adolescências,
de Especialização em Residência Do- às juventudes e às vidas adulta e idosa.
cente, do Centro Pedagógico dessa Uni-
versidade, com as equipes do Centro de Partindo dessas premissas, os Percursos
Estudos em Alfabetização e Letramento Curriculares foram organizados conside-
(Ceale) e do Programa de Especialização rando três blocos de sujeitos prioritários:
da Educação Básica (Laseb). Entramos
a) o grupo da infância, correspondendo os
em contato com os(as) professores(as)
estudantes de 4 aos 8 anos, referencian-
de grupos específicos de pesquisa, forma-
do-nos ao Projeto APPIA - Um Olhar para
dos por profissionais da Universidade e da
a Infância;
Rede Municipal de Educação, que foram
convidados a nos assessorar na constru- b) o grupo de estudantes do 4º ao 9º anos,
ção de uma proposta de ensino com ca- que se encontram em fase de consolida-
ráter emergencial, para a elaboração de ção de conhecimentos específicos, por
percursos curriculares capazes de indicar disciplinas dos anos finais do ensino fun-

20
damental, referenciando-nos ao Projeto muito engajamento na dinâmica escolar.

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


APPIA - Horizontes da Adolescência; Esse pode ser considerado o grande de-
safio desta pandemia, porque significa o
c) o grupo da Educação de Jovens e Adul-
momento de reinvenção da relação peda-
tos (EJA), considerando as fases dos pro- gógica de uma escola presencial para uma
cessos de alfabetização e/ou de certifica- possibilidade de ensino híbrido.
ção, referenciando-nos ao Projeto APPIA
Para isso, inicialmente, toda a equipe de
- Consolidando Projetos de Vida.
profissionais das escolas, coordenada
Nos capítulos seguintes, esses Percursos pelo Conselho de Coordenação Pedagógi-
Curriculares serão apresentados de forma ca, pelo coordenador/a pedagógico/a geral
detalhada, com orientações para que se- e pela Direção Escolar, deverá se alinhar
jam tomados como referências, por profes- com as intenções e perspectivas educacio-
sores(as) e equipes de coordenação peda- nais desejadas. Nesse momento, a leitura
gógica, para a construção de propostas de e o estudo dos dados coletados no Mapa
ensino pelas unidades escolares, observa- Socioeducacional serão prioritários para o
da a autonomia pedagógica de cada insti- entendimento do cenário global das condi-
ções sociais, materiais e de saúde dos(as)
tuição, conforme explicaremos no eixo III.
estudantes e para que os agrupamentos
Queremos salientar que os Percursos Cur- de estudantes sejam organizados a partir
riculares de objetos de conhecimento es- de condições específicas e semelhantes
senciais apresentados nos capítulos deste que forem detectadas e que melhor favo-
livro são uma referência. Não significam, reçam o atendimento pedagógico.
especificamente, uma proposta curricu- Essas condições permitirão definir como
lar, como geralmente se fala, já que um os(as) estudantes poderão ser acessados
currículo escolar é muito mais do que um e qual tecnologia de mediação deverá ser
percurso curricular que define objetos de utilizada. Nessa fase, será possível defi-
conhecimento essenciais. nir como organizar as interações, seja por
meio digital, por meio de redes sociais ou
aplicativos de mensagens instantâneas,
1.3.3 EIXO III – Projetos de seja por meio de materiais impressos, en-
caminhados via correio às casas dos/as es-
Ensino por Agrupamentos
tudantes ou entregues às famílias na porta
Este eixo diz respeito, necessariamente, das escolas. Isso significa que as antigas
à ação específica das equipes de profes- turmas podem ser modificadas, porque o
sores(as) das escolas na elaboração dos foco deve ser a possibilidade de interação
projetos de ensino para atendimento sis- e de reciprocidade desses(as) estudantes
temático emergencial dos(as) estudantes, com os(as) professores(as). Esse será o
numa perspectiva quase personalizada ou primeiro desafio, porque implica que toda
desenhada para atender agrupamentos a organização de trabalho da escola se
específicos de discentes. Consideramos modifica ou pode se modificar, caso haja
que a elaboração de tais projetos será muita diferença entre as condições socioe-
um processo de construção coletiva e de ducacionais entre estudantes.

21
A partir dessa “nova” organização, novos Comênio se efetivará.
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

agrupamentos de docentes também pode-


Uma proposta curricular é rica pela natu-
rão ser definidos, para favorecer a constru-
reza das atividades propostas a partir dos
ção dos planos de ensino e de tudo o que
planejamentos criados pelos(as) professo-
se associa a eles, como: os roteiros de es-
res(as) e pelas escolas. É rica, também,
tudo, as sequências didáticas, os formatos
porque envolve o conjunto das competên-
de atividades a serem realizadas, assim
cias, habilidades e valores presentes no
como definições relativas aos tempos de
processo de escolarização, na globalidade
reciprocidade esperados entre um roteiro e
das atividades propostas para que se efe-
outro enviado ao(à) estudante, critérios de
tivem as aprendizagens dos objetos de co-
monitoramento, entre outros.
nhecimento selecionados.
Definidos com base nos objetos de conhe-
A proposta curricular deste plano de en-
cimento previstos para cada ano de escola-
sino emergencial ficará emoldurada pelas
ridade, esses roteiros de estudos deverão
trilhas de aprendizagem propostas aos(às)
ser concebidos como trilhas de aprendiza-
estudantes pelas equipes das escolas. En-
gem: conjuntos de atividades organizadas
tretanto, é muito importante frisar a neces-
em sequências didáticas complementares
sidade de que os planos de ensino elabora-
entre si, a serem propostas aos(às) estu-
dos pelas unidades escolares mantenham
dantes, com o objetivo de permitir a evolu-
um diálogo constante com o rol dos objetos
ção gradual e autônoma da aprendizagem
de conhecimento previstos pela Base Na-
dos objetos de conhecimento e o desen-
cional Comum Curricular (BNCC) (BRASIL,
volvimento de capacidades/habilidades
2018), pelo Currículo Mineiro (MINAS GE-
elencados nos Percursos Curriculares.
RAIS, 2018) e pelas Proposições Curricu-
Trata-se, portanto, do planejamento de lares da Rede Municipal de Educação para
uma sequência de atividades que deverá a Educação Infantil (BELO HORIZONTE,
apresentar aos(às) estudantes os objeti- 2012), para o Ensino Fundamental (BELO
vos/conteúdos referenciados nos percur- HORIZONTE, 2010) ou para a Educação
sos curriculares, além das competências de Jovens e Adultos (BELO HORIZONTE,
e habilidades que estarão presentes nas 2014, 2016). Sem esse diálogo, teremos
propostas didáticas, para que eles(as) pos- uma proposta incompleta, incapaz de fa-
sam alcançar o que for delimitado como vorecer o devido acompanhamento do
objetivo de ensino e aprendizagem. Isso crescimento cognitivo dos/as estudantes
significa que a riqueza dos roteiros de es- e de sua capacidade de realizar as ações
tudo estará nas mesclagens de propostas previstas nos processos de escolarização
de ação didática, a serem desenvolvidas presenciais para cada faixa etária e de de-
de forma crescentemente autônoma pe- senvolvimento.
los(as) estudantes, o que, certamente, via-
Assim sendo, acreditamos que a proposta
bilizará a progressão das aprendizagens
apresentada define os direitos de aprendi-
ao longo do processo de reorganização
zagem e auxilia os(as) professores(as) na
dos calendários escolares de 2020 e de
ação de elaborar roteiros para a organiza-
2021. Será por meio da realização desses
ção dos planos de ensino e das sequên-
roteiros pelos(as) estudantes que a arte de

22
cias didáticas. A diversificação e a criativi- e o que conseguem realizar?

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


dade dos coletivos de professores(as), na
f) É possível organizar uma documentação
proposição das atividades e ações peda-
pedagógica comprobatória do que foi ofe-
gógicas definidas nos roteiros de estudo,
recido como atividade de aprendizagem
determinam a abrangência curricular desta
aos(às) estudantes e do que conseguiram,
proposta. Isto é, a ação didática dos pro-
de fato, realizar?
fissionais da educação será concretizada
a partir da relação pedagógica escolar A existência de um percurso curricular,
pretendida, da mediação proposta na de- com objetos de conhecimento previstos
finição do quê, do porquê, do quando e para cada ano escolar, faz com que seja
do como ensinar. Uma proposta curricular possível compor roteiros de atividades que
define, ainda, a organização escolar, uma podem ser realizadas com distanciamento
construção social que tem interfaces com do professor, de modo a permitir a ava-
escolhas e seleções, define prioridades no liação do que o/a estudante aprendeu, do
tempo e no espaço, articulada ou não a as- que deixou de aprender e do que já conso-
pirações e expectativas da sociedade, da lidou e sistematizou.
cultura nacional e dos territórios onde as
O terceiro eixo deste programa de rein-
escolas estão inseridas.
venção da escola convida os(as) profes-
Assim, perguntas importantes devem fazer sores(as) a elaborar e criar roteiros de
parte das reflexões das equipes de profes- atividades, mas a novidade está nas pos-
sores(as) e coordenadores(as) das esco- sibilidades desses roteiros se estrutura-
las, na definição do como serão as intera- rem, de modo que possam ser realizados
ções com os estudantes. pelos(as) estudantes de maneira autôno-
ma. Será sumamente necessário, então, o
a) Em que ponto do processo de aprendi-
investimento de tempos no planejamento
zagem o(a) estudante está, o que ele(a)
pedagógico dessas trilhas de aprendiza-
precisa saber e como é possível acessá-
gem, que serão os instrumentos mais im-
-lo(a) e ajudá-lo(a)?
portantes nas interações remotas, porque
serão a base daquilo que o estudante
b) O que deve ser trabalhado nesta condi- precisa realizar e entregar de volta ao(à)
ção de pandemia? professor(a). Cada roteiro tem objetivos,
conteúdos, habilidades e competências
c) O que se pode esperar do(a) estudante,
específicos a serem trabalhados e monito-
em termos de conhecimentos, habilidades
rados, como garantia de que as aprendiza-
e competências escolares nessa condi-
gens se concretizarão. Os tempos de rea-
ção?
lização dos roteiros pelos/as estudantes
d) Como é possível monitorar as realiza- serão definidos e monitorados pela equipe
ções sistemáticas do/a estudante em rela- de professores(as) da escola.
ção às aprendizagens adquiridas?
Para a elaboração dos roteiros, os(as) pro-
e) É possível organizar uma sistemática fessores(as) tomarão como pontos de par-
de verificação do que está sendo proposto tida os Percursos Curriculares e os objetos
aos(às) estudantes no processo de ensino de conhecimentos de cada fase de desen-

23
volvimento, que devem ser organizados de uma avaliação diagnóstica. Assim, ao
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

em sequências didáticas, que deverão elaborar as atividades a serem ofertadas,


indicar: a) os objetos de conhecimento a as escolas precisarão construir e enca-
serem abordados; b) os objetivos do rotei- minhar orientações precisas às famílias e
ro; c) as atividades propostas para o alcan- aos(às) estudantes sobre a melhor forma
ce desses objetivos; d) as habilidades, as de interação com os roteiros.
competências previstas para a realização
Toda a comunidade escolar deve conhe-
das atividades; e) o formato esperado para
cer os eixos dessa nova forma de realizar
a devolutiva do(a) estudante ao(à) profes-
o ensino e o(a) estudante precisa ser es-
sor(a), que comprovará a realização das
timulado(a) a evoluir dentro de uma trilha
atividades propostas.
de aprendizagens, até cumprir a totalida-
É importante salientar que a organização de de tarefas propostas, entendendo que
do trabalho pedagógico deve ser um pon- a realização de umas é pré-requisito para
to importante de toda essa ação. Como o avanço para outras, de tal forma que a
os(as) estudantes estão distantes dos(as) realização de um roteiro indique a possibi-
professores(as) e os roteiros serão a ponte lidade de iniciar uma nova fase, simulan-
para a realização do ensino híbrido, eles do a passagem de fases em um jogo. Um
devem ser bem estruturados, a fim de que roteiro, uma entrega, outro roteiro, outra
os(as) estudantes tenham clareza do que entrega, de modo que o acompanhamento
se espera que realizem, de como deverão se faça por meio direto de entregas para a
estudar e/ou se organizar para conseguir avaliação das aprendizagens, organizadas
realizar as atividades propostas, quais são em uma coletânea, um dossiê de ativida-
os conhecimentos que devem demonstrar des realizadas.
que aprenderam. Os roteiros podem ser
A esse “dossiê” chamaremos de Portfólio
organizados de maneira criativa, tomando
Escolar Anual, um instrumento fundamen-
sempre como base os ensinamentos de
tal nos processos de avaliação contínua,
Comênio no exercício da nossa arte de en-
pois permite organizar os registros sobre
sinar e levando em conta as condições de
o processo de aprendizagem e facilita o
produção das atividades pelos(as) profes-
acompanhamento da evolução do desem-
sores(as), de acesso e recepção pelos(as)
penho dos(as) estudantes na realização
estudantes e o lugar das famílias nesse
das atividades propostas. Para tanto, su-
processo, conforme as informações obti-
gerimos que as equipes de professores(as)
das pelo Mapa Socioeducacional de cada
de cada agrupamento de estudantes inte-
escola.
rajam entre si para elaborar roteiros únicos
Os(as) estudantes devem saber que a de- de trabalho, incluindo as diferentes ativida-
volução das atividades no tempo certo, des propostas, de modo que o(a) estudan-
definido pela escola, será um dos critérios te entenda o que deve realizar e respeite o
de avaliação e de promoção fase a fase, prazo definido de entrega de cada conjun-
o que possibilitará aos(às) professores(as) to de ações solicitadas.
não somente a manutenção de vínculos
Importantes, também, nesse processo
pedagógicos com os agrupamentos de es-
avaliativo, são os feedbacks das apren-
tudantes, como auxiliará no delineamento

24
dizagens, a serem dados pelos(as) pro- acompanhamento pertinentes a cada faixa

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


fessores(as) aos(às) estudantes e seus etária. Essa nova organização deve con-
familiares. Quando se assume um ensino siderar a necessidade de auxiliar os fami-
mais articulado com as aprendizagens de liares nesse acompanhamento, permitindo
cada estudante, torna-se fundamental dar construir uma parceria entre escola e fa-
feedbacks (ou devolutivas) permanentes e mília.
sistemáticos. Isso porque pretende-se que
Ao mesmo tempo, o feedback dos(as) es-
o(a) próprio(a) estudante tenha noção exa-
tudantes na reflexão sobre si próprios e
ta do que se espera dele(a), daquilo que
seus aprendizados cria chances de que se
precisa aprender para realizar as ativida-
tornem fonte de conhecimento para os(as)
des e as tarefas propostas. As orientações
professores(as) e a escola, tendo em vista
dos roteiros devem ser capazes de escla-
a organização de novas atividades e estra-
recer para o(a) estudante o que ele(a) já
tégias de ensino. Nessa ação, tomar como
consegue realizar remotamente, eviden-
referências um objeto de conhecimento, a
ciar o que já adquiriu e aprendeu e o que
estratégia proposta, o resultado da apren-
ainda não sabe ou não demonstrou saber,
dizagem ou a sua ausência favorece a re-
o que dá conta de fazer sem a ajuda de
flexão para a criação de novas alternativas
um(a) professor(a).
e estratégias de ensino na busca pelas
E mais, essa organização deve ser capaz aprendizagens plenas.
de identificar aquele(a) estudante que con-
Em síntese, a ideia central desta proposta
segue fazer sozinho/a, o(a) que é capaz
envolve uma nova organização de traba-
de usar conhecimentos incorporados e
lho pedagógico, com centralidade nas in-
o(a) que ainda precisa de ajuda para rea-
formações obtidas no Mapa Socioeducati-
lizar as atividades propostas, mesmo que
vo. Esse ponto de partida indicará critérios
essa ajuda seja de uma pessoa adulta pró-
para a organização de agrupamentos de
xima ou de um(a) irmão(ã) mais velho(a),
estudantes e de professores, conforme
que se encontra em uma fase mais avan-
suas condições materiais e sociais, que
çada de escolarização. São orientações
determinarão as melhores formas de aces-
que nem sempre eram necessárias no dia
so e interação entre eles e com as famílias.
a dia da sala de aula presencial, mas que,
A partir desse conhecimento e tendo como
no ensino remoto, são fundamentais para
referência nos objetos de conhecimen-
que o(a) estudante consiga se situar nas
to essenciais apontados pelos Percursos
tarefas que são propostas e para que os
Curriculares, os(as) professores(as) cria-
familiares ou pessoas adultas que estão no
rão roteiros de atividades a serem reali-
papel de mediadores(as) possam se situar.
zadas pelos(as) estudantes remotamente,
Um ensino personalizado também altera o usando ferramentas digitais ou analógicas,
ofício de estudante porque traz a neces- livros didáticos, baterias de exercícios, pla-
sidade de que ele(a) se conscientize do taformas digitais ou qualquer outra estraté-
que deve fazer e se torne responsável pelo gia didática capaz de compor sequências
seu aprendizado, conforme os níveis de didáticas para cada grupo de estudantes.
autonomia que é capaz de construir, ob-
Essa organização deve prever prazos para
servadas as necessidades de orientação e

25
a realização e a entrega das atividades pe- começarmos um trabalho. Como dissemos
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

los estudantes, além de apresentar a defi- no início, estamos vivendo um momento


nição dos tempos para os feedbacks dos inusitado e ninguém tem respostas definiti-
produtos das aprendizagens pelos(as) pro- vas, mas vale arriscar, experimentar, tentar
fessores(as). Sugere-se que, a cada ativi- o melhor que pudermos, porque o nosso
dade proposta, o(a) estudante realize uma estudante merece o melhor de nós. Mãos
ação concreta, que evidencie os objetivos à obra!
pedagógicos almejados, a fim de que a
produção possa compor o Portfólio Escolar
Anual, capaz de permitir processos futuros
de controle e/ou avaliação de aprendiza-
gens. Utilizamos aqui a imagem da teoria
dos jogos, que estimula os sujeitos a se-
rem desafiados a passarem de fases, de-
monstrando, em cada uma, o progresso no
jogo.

Acredita-se que cada escola deverá se or-


ganizar de forma diferente, em razão das
diferenças entre os mapas socioeducacio-
nais de cada território. As equipes de pro-
fessores(as) das escolas também poderão
se organizar de formas diferentes. Podem,
por exemplo, criar pequenos grupos de pro-
fessores(as) para atendimento de grupos
de estudantes ou organizar agrupamentos
de estudantes sob a responsabilidade de
um(a) professor(a), que atue como orien-
tador(a) ou mediador(a), para acompanhar
os roteiros criados pelo grupo de professo-
res(as) de anos de escolaridade específi-
cos. As escolas, no uso de sua autonomia,
têm liberdade para se organizar conforme
as necessidades evidenciadas pela reali-
dade dos estudantes e dentro das possi-
bilidades concretas da estrutura da Rede
Municipal de Educação de Belo Horizonte.
Esses arranjos podem ser discutidos, caso
necessário, com o órgão central da Smed
e/ou com representantes das Diretorias
Regionais de Educação, nos aspectos de
apoio demandados.

Pois bem, apresentamos essas ideias para

26
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE
O MAPA
SOCIOEDUCACIONAL
COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA
2
DA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE SOCIAL

27
O Mapa Socioeducacional é um instru- construção de seu Projeto Político Peda-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

mento de reflexão necessário, porque fa- gógico; e para o órgão central, na cons-
vorece o fortalecimento dos diálogos entre trução de ações de gestão intersetorial.
a escola e a família, no atual momento da Considera-se que as novas realidades e
pandemia. Com o objetivo de possibilitar o incertezas oriundas da pandemia desafiam
conhecimento da realidade social de cada as escolas a se reinventarem em busca de
estudante e de suas condições familiares, formatos inovadores para a efetivação dos
esse mapa é uma ferramenta rica para a processos de ensino-aprendizagem.
construção de uma prática pedagógica fo-
Tendo em vista a dimensão territorial da
cada no direito às aprendizagens. Ao tomar
Rede Municipal de Educação de Belo Ho-
consciência da realidade dos(as) estudan-
rizonte, as escolas municipais construíram
tes, mapeada em suas condições concre-
uma diversidade de Mapas Socioeduca-
tas de vida, os(as) profissionais da educa-
cionais e, assim, adotaram formas varia-
ção podem conhecer e entender melhor os
das no compartilhamento de suas ações
desafios e as possibilidades na interação
educativas com os(as) estudantes e suas
família-escola, de modo a não acentuar as
famílias, o que demonstrou compromisso e
já terríveis desigualdades socioeducacio-
respeito com a qualidade social da educa-
nais.
ção. Percebe-se, assim, que a dinâmica de
A ideia de construir um mapa surge da elaboração dos mapas permitiu traçar os
importância de tomar decisões relativas perfis dos(as) estudantes, o que possibili-
a estratégias pedagógicas a serem adota- tou o surgimento de novas estruturas para
das pelos(as) educadores(as) em tempos a organização do trabalho escolar e a con-
de pandemia, que estejam alinhadas com figuração de agrupamentos mais persona-
as realidades dos(as) estudantes, iden- lizados, flexíveis e focados nos discentes,
tificadas como forma de compreender os de acordo com suas demandas de apren-
caminhos possíveis de conexões e vín- dizagens.
culos a serem efetivados neste contexto
A elaboração do Mapa Socioeducacional
adverso. O uso de celular, notebook, livro
requer o uso de metodologias que identi-
didático, apostilas, rádio, TV, redes sociais,
fiquem não somente dados quantitativos.
entre outros, são alguns dos meios de co-
É preciso qualificar as informações levan-
municação que podem favorecer as inte-
tadas, tendo em vista o contexto da reali-
rações, as trocas e a criação de vínculos
dade da escola e daquela vivida por cada
entre educadores(as) e estudantes.
um dos sujeitos relacionados no mapa. Es-
Nesse sentido, no atual contexto de dis- tudantes e suas famílias, professores(as),
tanciamento social, em que é necessário educadores(as), coordenadores(as), dire-
identificar as condições reais das famílias e ção escolar, parceiros(as) e equipes inter-
dos(as) estudantes, compreendemos que setoriais dos territórios em que as escolas
o Mapa Socioeducacional tem um caráter estão inseridas são sujeitos importantes
pedagógico e se apresenta como uma es- nas redes de proteção a crianças e adoles-
tratégia importante para os(as) professo- centes e devem fazer parte do Mapa So-
res(as) nas interações com seus agrupa- cioeducacional, como forma de apresentar
mentos de estudantes; para a escola, na elementos que enriqueçam a compreen-

28
são dos dados e possibilitem a articula- promover ações de acolhimento da comu-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


ção de ações que viabilizem o ensino e a nidade escolar.
aprendizagem dos estudantes.
A efetividade do mapa será materializada
Os Mapas Socioeducacionais precisam em ações conjuntas, que considerem a ar-
responder às seguintes questões: quais ticulação entre os sujeitos, os conhecimen-
são as condições atuais dos(as) estudan- tos e os processos. Sendo assim, é funda-
tes, das suas famílias e dos(as) profissio- mental a participação dos(as) profissionais
nais da educação frente aos desafios da da educação, bem como das equipes inter-
pandemia? Como as escolas podem se setoriais presentes no território de cada es-
organizar para que os(as) estudantes con- cola, em sua elaboração. Eles precisam ter
tinuem seus processos de aprendizagem voz e vez na construção das ações educa-
escolar sem acentuar as desigualdades tivas desenvolvidas pelas escolas, consi-
socioeducacionais? derando o Projeto Político Pedagógico, os
Percursos Curriculares de cada segmento
Nesse sentido, podemos dizer que o Mapa
da escolarização, os referenciais curricu-
Socioeducacional é um instrumento para o
lares para o ensino e a aprendizagem, a
planejamento docente, no atual contexto
Organização do Trabalho Escolar (dentro
de distanciamento social e de suspensão
das possibilidades da realidade atual) e os
das atividades presenciais nas escolas,
projetos e programas desenvolvidos por
mas a sua construção não se encerra nes-
meio de parcerias.
te momento da pandemia. Ele está no âm-
bito da escola e se aplica ao fazer docente, A partir das informações coletadas nesses
em sua prática, nas relações de ensino- Mapas Socioeducacionais, as equipes das
-aprendizagem. Por isso, paralelamente escolas e suas coordenações pedagógi-
ao levantamento de informações sobre as cas, podem reorganizar os agrupamentos
condições dos estudantes e suas famílias, de estudantes, visando a garantir condi-
é necessário contemplar informações so- ções semelhantes de atendimento e de
bre os(as) docentes e funcionários(as), interação a todos os grupos, observadas
tais como: número de professores(as) e suas especificidades. A partir dessas con-
funcionários/as pertencentes aos chama- dições, podem e devem surgir formatos
dos “grupos de risco”; número de profes- diferentes e inovadores, com o intuito de
sores(as) e funcionários(as) que convivem, estreitar o diálogo e os vínculos possíveis
em suas casas, com pessoas que também no contexto adverso do distanciamento so-
estão inseridas nesses grupos; número de cial.
professores(as) que têm acesso a meios
Assim, as condições específicas de cada
tecnológicos como computador, notebook,
estudante e também dos/as docentes serão
entre outros equipamentos similares ne-
os eixos norteadores da nova Organização
cessário à realização do trabalho remoto.
do Trabalho Escolar para a efetivação dos
Além disso, do ponto de vista socioemo-
processos de ensino-aprendizagem. No-
cional, é muito importante apreender as
vas formas de agrupamentos de estudan-
condições emocionais de estudantes/famí-
tes, diferentes das tradicionais e usuais
lias, diretores(as), coordenadores(as), pro-
turmas; novos tempos e espaços de traba-
fessores(as) e funcionários(as), buscando

29
lho; novas perspectivas educacionais e de metodologia de articulação com as demais
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

avaliação das aprendizagens terão lugar políticas públicas presentes no território,


em novas e mais contemporâneas intera- que podem contribuir muito para esse ma-
ções pedagógicas entre professores e es- peamento.
tudantes.
contextos e sujeitos de ensino-aprendiza-
Por meio do estreitamento da colaboração gem são múltiplos e peculiares, compreen-
coletiva entre todos os sujeitos pertencen- demos que as ideias e concepções aqui
tes à rede de proteção de crianças e ado- abordadas podem contribuir para fomentar
lescentes, o movimento de construção de discussões no cotidiano da equipe peda-
dentro dos muros escolares para fora (e gógica e inspirar a elaboração de novas
também de fora para dentro) será, de fato, propostas de trabalho com experiências
integrado, repleto de novidades criadas matemáticas significativas na infância.
pelos próprios sujeitos em interação, car-
regado de respeito às diferenças e atento
ao atendimento quase personalizado, na
busca pelas chances reais de realização
do ato educativo, mesmo em tempos de
distanciamento social.

As instituições de educação (escolas e cre-


ches parceiras) constituem pontos na rede
de proteção de crianças e adolescentes
nos territórios. E não se pode negar que
o distanciamento social impõe desafios à
efetivação desse papel. Contudo, quando
da articulação com as famílias, seja no pro-
cesso de mapeamento socioeducacional,
seja nas ações de interação entre escolas
e estudantes/famílias, é importante atentar
para elementos que indiquem situações
de violências, violações de direitos e/ou
outras vulnerabilidades que coloquem em
risco a vida de crianças, adolescentes, jo-
vens, adultos(as) e idosos(as).

Nesses casos, é necessário, inclusive, no-


tificar o Conselho Tutelar e demais órgãos
de proteção e defesa dos direitos sobre
tais situações, por meio das Diretorias Re-
gionais de Educação. Em síntese, na pers-
pectiva da educação integral, tendo os(as)
estudantes como foco, é importante que
a escola efetive a intersetorialidade como

30
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE
O/A ESTUDANTE
COMO CENTRO
DO PROCESSO DE
3
ENSINO-APRENDIZAGEM
NO ENSINO HÍBRIDO
“Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende
ensina ao aprender”.
(FREIRE, 1994, p. 2).

31
A escola é uma instituição importante na cias e dos contextos em que ele aconte-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

socialização e na formação para a cida- ce e dos locais em que as experiências


dania, por meio da efetivação de proces- são vividas. Trata-se de um processo que
sos educacionais complexos, integrais e ultrapassa as habilidades cognitivas pes-
integrados. Partindo dessa premissa, a soais e prepara crianças, adolescentes,
escola assume o papel de articuladora jovens, adultos e idosos para a vida em
das diversas experiências educativas que sociedade com dignidade.
os(as) estudantes podem viver dentro e
A centralidade no sujeito (criança, ado-
fora dela, a partir de intencionalidades
lescente, jovem, adulto e idoso) é o pon-
pedagógicas claras e bem definidas, que
to de partida para uma organização do
favoreçam as aprendizagens, a sistemati-
trabalho escolar que tenha como foco o
zação de conhecimentos essenciais para
desenvolvimento dos(as) estudantes em
o desenvolvimento integral dos sujeitos e
todas as suas dimensões: intelectual, fí-
para a construção de projetos de vida.
sica, emocional, social e cultural. Reco-
No contexto da pandemia da Covid-19, nhecer a pluralidade das dimensões dos
caracterizado pela suspensão das ati- sujeitos e suas peculiaridades no proces-
vidades escolares presenciais, torna-se so de desenvolvimento é condição ne-
ainda mais notável e necessária a defi- cessária para o sucesso dos processos
nição das intencionalidades pedagógicas de ensino-aprendizagem que articulem
para a realização das atividades de ensi- os conteúdos escolares com os saberes
no híbrido, levando sempre em considera- da experiência. Cada sujeito é único na
ção os seguintes questionamentos: quem sua condição humana e é múltiplo, quan-
são os(as) estudantes? Quais são suas do considerado no interior de sua cultura
condições de vida (social, material, afeti- específica. Daí a importância de situá-lo
va, cultural)? Como os(as) estudantes e como foco dos processos de escolariza-
suas famílias se organizam dentro e fora ção e de educação em geral e, de modo
de casa para tentar satisfazer plenamen- mais enfático, neste momento em que é
te suas necessidades da vida diária? Em essencial repensar a organização escolar
que ponto estão nos processos de forma- em face do contexto pandêmico.
ção humana e de aprendizagem? O que
A fragmentação do processo de aprendi-
a escola pode oferecer atende às suas
zagem dos(as) estudantes em etapas que
necessidades? Quais são suas condições
não dialogam, a centralidade da prática
de acesso às tecnologias do mundo con-
pedagógica no(a) professor(a), a desvalo-
temporâneo?
rização dos saberes sociais e culturais e o
Essas e outras perguntas problematizam planejamento do currículo focado apenas
a condição do ser humano, do sujeito, do em conteúdos científicos são concepções
‘ser estudante’. Desnaturalizar essa con- que encaram os(as) estudantes como me-
dição é necessário, porque essas respos- ros seres receptores de informações, des-
tas colaboram para o entendimento de conectados(as) do mundo globalizado,
que a educação é um processo formativo além de concebê-los(as) de uma forma
e contínuo, dependente das circunstân- genérica, que os(as) naturaliza como sim-

32
ples estudantes de um determinado ano considerando suas necessidades de rela-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


do processo de escolarização. cionamento social, são fundamentais para
que ambos estabeleçam uma relação de
Nesse sentido, é preciso compreender
confiança, de modo a garantir as trocas
que o ser humano é fruto das relações es-
de experiências no processo de ensino-
tabelecidas no grupo social em que vive
-aprendizagem e favorecer que se com-
e cresce, dependente das oportunidades
plementem como sujeitos que se formam
e limitações que o rodeiam, sendo, coti-
no ato de ensinar e aprender.
dianamente, formado e conformado por
esse campo de experiências. E faz-se Entretanto, para permitir projeções de
necessário considerar que o mundo está diálogo e de sucesso nas aprendizagens
cada vez mais pautado pela velocidade dos(as) estudantes, a escola precisa reo-
da era digital, que cria, liga, conecta es- cupar seu lugar como uma das principais
paços, tempos, culturas, eras, sistemas instituições presentes em suas vidas.
em linguagens múltiplas. A agilidade con- Apesar das limitações impostas à intera-
quistada pelas tecnologias digitais desafia ção com os(as) estudantes e suas famí-
escolas e educadores(as), convocando a lias, a escola precisa retomar sua con-
mudança, a fomentar práticas pedagógi- dição referência para a proteção social,
cas inovadoras que dialoguem mais com para o aprendizado da vida em socieda-
os sujeitos entre si e que coloquem os(as) de, para o diálogo com as diferenças e a
estudantes como verdadeiros(as) prota- participação na vida social, com civilidade
gonistas, criadores/as e produtores/as de e de forma cidadã. Assim, a despeito do
projetos de vida que tragam mais sentidos distanciamento físico imposto pelas medi-
e significados para suas trajetórias esco- das de enfrentamento à Covid-19, a esco-
lares que, no momento atual, precisam se la poderá se reafirmar como lugar onde se
inserir em contextos socioculturais cada aprende a entender e a respeitar o outro;
vez mais interligados a ambientes virtuais. como lugar do afeto, da acolhida, da sen-
sibilidade; lugar onde é possível aprender,
Frente aos vários desafios apresentados,
mas também errar e começar novos pro-
no contexto de reorganização do traba-
cessos de aprendizagem.
lho escolar, garantir direitos de aprendi-
zagens significa reconhecer que a escola A escola deve, portanto, promover o diálo-
deve acolher tanto o(a) professor quanto go e estimular a reciprocidade de maneira
o(a) estudante na sua integralidade cog- inclusiva. Ou seja, precisa ser capaz de li-
nitiva, social e cultural e considerar, ain- dar com as diversidades e as complexida-
da, as demandas dos(as) educadores(as) des dos seres humanos, compreendendo
referentes a conhecimentos sobre as vá- que a educação inclusiva ultrapassa a ne-
rias ferramentas, ambientes e linguagens cessária acessibilidade pedagógica, cur-
tecnológicas que dialogam com o mundo ricular, linguística e comunicacional para
contemporâneo, que é o campo nativo as pessoas com deficiência, pois implica
dos(as) estudantes das novas gerações. assegurar a todos(as) o direito ao conhe-
Assim, a empatia, o acolhimento e o diá- cimento amplo e essencial. Ao se preocu-
logo entre estudantes e educadores(as), par com esses aspectos, a escola acolhe

33
os(as) estudantes na sua integralidade
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

e possibilita um ambiente fértil e seguro


para a construção de uma rede de apoio
e de proteção a todos os membros da co-
munidade escolar, nela incluídos os(as)
docentes que buscam suporte para o en-
frentamento de suas dificuldades didáti-
cas. Além disso, oferecer e assegurar o
direito a uma educação de qualidade so-
cial também se configura como um fator
protetivo para a sociedade, de modo ge-
ral, na medida em que possibilita, de for-
ma democrática, a participação social tão
importante na construção do mundo atual.

34
PEDAGÓGICA
ACESSIBILIDADE

UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA


4

35
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE
Os desafios impostos pela pandemia tra- ferença é trabalhar na perspectiva real da
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

zem reflexões importantes sobre a garan- garantia de educação para todos(as).


tia e a continuidade da escolarização aos
Como refere Mantoan (2013), esse aco-
estudantes. No atual contexto, as desi-
lhimento impede que o ensino e a apren-
gualdades sociais adquirem maiores pro-
dizagem escolares de estudantes com
porções, intensificando situações desafia-
deficiência sejam restritos a currículos
doras que já faziam parte do cotidiano.
adaptados, objetivos educacionais redu-
Pensar em termos de uma Educação In- zidos, critérios de avaliação abrandados,
clusiva é pensar numa escola que seja, terminalidade específica para certificação,
verdadeiramente, para todos e todas e facilitação de atividades. O que concebe-
que enfrente, com dedicação e profissio- mos é o direito de autonomia intelectual
nalismo, a questão da diferença em todos do(a) estudante na interação com o co-
os seus aspectos, de modo a fazer com nhecimento.
que esse paradigma se traduza em ações
Considerar a diferença não tem a ver
pedagógicas concretas.
com um ensino adaptado ou especiali-
A educação inclusiva tem como premissa zado a partir da deficiência, mas com um
a garantia do direito de todos(as) à educa- planejamento pedagógico que garanta a
ção. Ela pressupõe a igualdade de opor- todos(as) se desenvolver sem compara-
tunidades e a valorização da diferença ções, sem a aprovação ou a reprovação
humana. Implica a transformação da cul- de outrem. Para tanto, são necessárias
tura, das práticas e das políticas vigentes profundas transformações que vão desde
na escola e nos sistemas de ensino, de as intenções da escola às estratégias de
modo a garantir o acesso, a participação ensino nela desenvolvidas. (LANUTTI e
e a aprendizagem de todos(as), sem ex- MANTOAN, 2018).
ceção.
Tendo em vista as especificidades do con-
O direito à educação inclui o direito à texto atual, é de fundamental importância
aprendizagem e ao desenvolvimento de que:
acordo com a capacidade de cada um. Tal
• o ponto de partida seja a singularidade
dimensão, prevista na Constituição Fede-
do sujeito, com foco em suas poten-
ral de 1988, demanda da escola a valori-
cialidades. Se, por um lado, a propos-
zação dos esforços e das aquisições de
ta curricular deve ser uma só para to-
cada estudante, percebidos em relação
dos(as) os(as) estudantes, por outro, é
ao próprio processo, e não a partir da pa-
imprescindível que as estratégias pe-
dronização da aprendizagem ou da ideali-
dagógicas sejam diversificadas, com
zação do(a) estudante.
base nos interesses, habilidades e ne-
A compreensão de que cada um(a) apren- cessidades de cada um(a). Só assim
de de uma forma e em um ritmo permite se torna viável a participação efetiva,
um planejamento coletivizado das estra- em igualdade de oportunidades, para
tégias pedagógicas e, considerando to- o pleno desenvolvimento dos(as) estu-
dos(as) os(as) estudantes da turma, com dantes, com e sem deficiência.
e sem deficiência. Educar na e para a di-

36
• o mapeamento socioeducativo seja rio intensificar o diálogo com a família e o

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


o instrumento para identificação das contato com o(a) aluno(a), de forma virtual
possibilidades de acesso dos(as) estu- ou de outras possíveis maneiras, a fim de
dantes às atividades produzidas pela se ampliar esse conhecimento.
escola, bem como da identificação
Para o desenvolvimento de práticas peda-
das barreiras existentes no ambiente
gógicas inclusivas, é de fundamental im-
familiar sejam elas físicas, atitudinais,
portância que o(a) professor(a), em cada
comunicacionais, comportamentais,
ciclo e/ou disciplina em que atua, desen-
sociais, de convivência. O mapeamen-
volva uma atitude investigativa na busca
to auxilia na compreensão da rotina da
do recurso, da atividade ou da mediação
família, amplia a potencialidade desta
que melhor atendam ao seu(sua) estu-
na mediação dos estudos de seus fi-
dante com deficiência.
lhos e contribui nas ações de planeja-
mento pedagógico. Assim, o(a) professor(a) é protagonista
nas decisões pedagógicas sobre o traba-
• o diálogo seja constante entre a es-
lho com seus(suas) estudantes com defi-
cola e as famílias, pois estabelece um
ciência, sendo desejável, pois, que ele(a)
vínculo de respeito e parceria na pro-
inclua no seu planejamento estratégias
moção e no desenvolvimento dos(as)
diferenciadas e relacionadas ao conteú-
estudantes. Cabe à escola orientar a
do proposto para toda a turma, contando
família na organização da rotina, do
sempre com a parceria do(a) professor(a)
ambiente e na mediação de estudos.
do AEE e da Equipe de Inclusão Escolar.
• estudantes com deficiência tenham
O Atendimento Educacional Especiali-
garantidos os direitos à escolarização,
zado tem por objetivo a promoção das
recebendo as atividades e participan-
condições de ensino e aprendizagem na
do das estratégias pedagógicas cons-
escola, ou seja, é um serviço que busca
truídas pelos(as) professores(as) das
soluções para o trabalho escolar. Portan-
unidades escolares.
to, para que seja efetivo, é necessário que
Quando o planejamento não leva em con- o(a) professor(a), em sala de aula, informe
ta as particularidades de cada estudante, seu planejamento pedagógico ao(a) pro-
as estratégias pedagógicas podem cons- fessor(a) especializado(a) e experimente,
tituir uma das principais barreiras à inclu- observe e avalie as estratégias e os re-
são educacional de estudantes com e sem cursos propostos por esse serviço. Vale
deficiência. Como este ano tornou-se um lembrar que o(a) professor(a) do AEE não
ano diferenciado, pode ocorrer que o(a) é o responsável pelo(a) estudante com
professor(a) da sala de aula ou mesmo deficiência e nem organizará atividades
o(a) professor(a) do Atendimento Educa- diferenciadas.
cional Especializado (AEE) não conheça
Esse atendimento educacional contribuirá
o(a) estudante com deficiência, devido
para um planejamento pedagógico inclusi-
ao pouco tempo de efetivo trabalho com
vo, tanto na proposição de estratégias di-
a turma. Nesse sentido, se o(a) estudante
versificadas, considerando os interesses
for novato(a) na escola, torna-se necessá-
e as necessidades de cada um(a) dos(as)

37
estudantes com deficiência, transtorno do e para cada um(a), atendendo às caracte-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

espectro do autismo (TEA) e altas habili- rísticas de desenvolvimento e


dades/superdotação, quanto na identifica-
garantindo a acessibilidade pedagógica,
ção das barreiras e sua aprendizagem na
requer decisões e iniciativas colabora-
escolha ou NA construção de recursos ou
tivas - objeto destas orientações. Nesse
estratégias para superá-las e para equi-
sentido, elencamos, a seguir, exemplos
parar oportunidades.
que buscam elucidar recursos acessíveis
Para efetivação de diferentes estratégias (desde a sua concepção à sua materia-
de ensino, a escola deverá pautar-se na lidade) que devem ser considerados em
acessibilidade, seja ela atitudinal, comuni- um planejamento que contempla a diver-
cacional, metodológica, linguística ou pe- sidade no ensino e a singularidade na
dagógica, como possibilidade de eliminar aprendizagem:
as barreiras de acesso do(a) estudante ao
currículo, previsto na Lei Brasileira de In-
clusão (2015). Ressaltam-se: 1) oferecer atividades e recursos diversi-
ficados que possibilitem trabalhar
• acessibilidade comunicacional: elimina-
ção de barreiras na comunicação inter- conteúdos com diferentes níveis de
pessoal (oral, língua de sinais - Libras), complexidade;
escrita (jornal, revista, livro, carta, apostila
2) utilizar material diversificado que pro-
etc., incluindo textos em braile, ou amplia-
picie diversificados usos, diferentes
do e atentos à acessibilidade digital);
vias de representação simbólica (apoio
• acessibilidade metodológica: eliminação
de desenhos, imagens,
de barreiras nos métodos e nas técnicas
de estudos (escolar), de trabalho (profis- símbolos), variados modos de expres-
sional), de ação comunitária (social, cultu- são, ampliação das alternativas
ral, artística etc.) e de educação familiar;
e dos níveis de associação de ideias;
• acessibilidade instrumental: eliminação contextualizando o(a) estudante no
de barreiras para o acesso e a utilização
processo pedagógico de sua turma;
de instrumentos, utensílios e ferramentas
de estudos (escolar), de trabalho (profis- 3) empregar recursos como janela de Li-
sional), de lazer e recreação (comunitária, bras, descrição, audiodescrição, legen-
turística, esportiva etc.); das nos materiais produzidos:

• acessibilidade atitudinal: eliminação de 3.1) Para que sejam acessíveis, as vi-


toda forma de discriminação baseada em deoaulas precisam apresentar a janela
preconceitos, estigmas e estereótipos em de Libras e todo material que contém
relação a qualquer pessoa. áudio deve ser traduzido, possibilitan-
do que estudantes surdos(as) tenham
a mesma experiência de aprendiza-
A conquista do equilíbrio de planejar o en- gem que os(as) demais. Os conteúdos
sino para o grupo de estudantes das videoaulas devem ser traduzidos

38
e apresentados na janela de Libras. leitor de tela* terá acesso direto a essa

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


O(a) professor(a) do AEE auxiliará nas descrição. Da mesma maneira, um(a)
orientações junto aos(às) intérpretes mediador(a), em casa, poderá se benefi-
de Libras. ciar da descrição para explicar o assun-
to proposto.
3.2) A legenda também é um recurso
de acessibilidade importante que, com O Facebook, por exemplo, conta com
o auxílio de aplicativos específicos, esse recurso. Por meio dele, é possível
pode ser inserida nos vídeos produzi- descrever as imagens postadas.
dos. Na internet, é possível encontrar
3.5) Leitor de tela é um recurso disponí-
vídeos com esse recurso já inserido.
vel para ler o conteúdo que se apresen-
3.3) Outro recurso importante é a au- ta na tela do notebook, PC ou celular.
diodescrição, cuja função é traduzir Quem tem Windows 8 e 10 já encontra
imagens em palavras, permitindo que essa versão gratuita atualizada e dis-
pessoas cegas ou com baixa visão ponível de fábrica. O mesmo vale para
consigam compreender conteúdos aparelhos Android ou IOS. Há leitores
audiovisuais ou imagens. Para os ví- de tela de diferentes tipos, inclusive uma
deos que produzirem, é essencial que versão gratuita que pode ser baixada
incluam áudios descritivos, juntamente em outras máquinas (até mais antigas)
com eventuais textos escritos ou quan- chamado NVDA. Pode haver também
do contiverem apenas imagens. Isso diferentes leitores para diversos tipos
pode colaborar com as pessoas cegas de documentos. O site “Ver com Pala-
e com baixa visão, além de tornar o vras” é uma referência nacional sobre o
conteúdo acessível aos(às) estudan- assunto: https://vercompalavras.com.br.
tes que ainda estejam em processo de
alfabetização.
4) Com relação a estudantes com defi-
3.4) Para que o material audiovisual seja
ciência visual, as demandas envolvem
acessível, é importante estarmos aten-
a adequação de material em diferentes
tos à descrição das imagens: as pessoas
formatos, como por exemplo, em braile,
com baixa visão e cegueira, além de ou-
em áudio, em alto relevo, com fonte am-
tras pessoas, ainda que sem deficiência,
pliada, ou digitalizado, para ser lido por
se beneficiam desse recurso. Quando
leitor de tela, folhas com pauta ampliada
descrevemos uma imagem, oferecemos
e reforçada, uso de lápis 3b ou 6b (para
a oportunidade de que seu conteúdo
aumento do contraste). O prejuízo do
informacional possa ser conhecido por
canal sensorial da visão poderá reduzir
outra via que não unicamente a visão.
as chances de experiências sensoriais,
Na internet, existem tutoriais simples,
prévias à escola, pelas quais os(as) es-
ensinando o passo a passo para uma
tudantes adquirem conhecimento so-
boa descrição. É possível, portanto, es-
bre os objetos e contextos. Assim, uma
crever sem dificuldades pequenas des-
criança cega pode não ter conhecimen-
crições e agregá-las às imagens que
to prévio (experiência) sobre objetos ou
usamos. Desse modo, quem possuir um
situações cotidianas em razão da falta

39
de oportunidade de experiências táteis AEE para a organização do trabalho e
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

e auditivas adequadas para substituir as participação nas atividades remotas a


informações visuais. serem disponibilizadas pelos(as) pro-
fessores(as) para todos(as) os(as) es-
5) O Decreto nº 5.626/2005, que regu-
tudantes, não havendo necessidade de
lamentou a Lei nº 10.436/2002, no seu
atividades diferenciadas para aquele(a)
artigo 1º, reconhece a Língua Brasileira
com surdez.
de Sinais (Libras) e outros recursos de
expressão a ela associados como meio 6) É fundamental considerar, no pla-
legal de comunicação e expressão das nejamento do ensino e nas avaliações
pessoas surdas. Esse Decreto garante diagnósticas e de aprendizagem, que
às pessoas com surdez serem usuárias a escrita do português para esses(as)
de duas línguas distintas, Libras como estudantes não se dá por via fonética
primeira língua e português como se- como para estudantes ouvintes. Os(as)
gunda língua na modalidade escrita. estudantes surdos(as) necessitam da
Os(as) estudantes surdos(as) no meio atribuição de significado à imagem grá-
educacional têm direito ao ensino nes- fica. O ensino da leitura e da escrita
sas duas línguas – Libras (L1) e Portu- dos conteúdos de cada disciplina deve
guês (L2). Para tornar acessível o en- considerar os vários modos de produzir
sino dos conteúdos aos(às) estudantes significado (KRESS, 2000), ressaltando
nas escolas e na sala de aula, é disponi- a valorização das produções dos(as)
bilizado(a) um(a) intérprete e tradutor(a) estudantes em sua língua natural (Li-
de Libras como mediador(a) no proces- bras), considerando a expressão facial
so da comunicação; a oferta do ensino e corporal, a dramatização, o contexto,
da Libras, por meio de oficinas; o ensino vídeos, dentre outros recursos visuais
da leitura e escrita dos conteúdos, con- que contemplem uma metodologia e
siderando o português como segunda uma pedagogia visual. Para a leitura, a
língua; a identificação e a elaboração utilização de leitura visual de imagens,
de recursos de acessibilidade ao currí- ícones, sinais, símbolos e signos lin-
culo. O trabalho pedagógico, entretanto, guísticos e a interpretação por meio de
permanece sendo de responsabilidade desenho, fotografia, ilustrações são fun-
do(a) professor(a), promovendo encon- damentais, tendo um cuidado para que
tros junto à coordenação da escola com as imagens dialoguem com o assun-
uma articulação e um planejamento do to e não sejam meramente ilustrativas
conteúdo a ser ministrado junto ao(à) (FREITAS, 2018). A leitura de vídeos
intérprete e instrutor(a) de Libras. O pla- em Libras e textos escritos em outras
nejamento do trabalho pedagógico po- línguas como português, inglês e espa-
derá ser acompanhado e orientado pelo nhol devem, de modo global, oferecer
serviço de Atendimento Educacional Es- todo o conteúdo para que o(a) estudante
pecializado (AEE). Para este momento, se apropie do conhecimento e consiga
o(a) intérprete ou instrutor(a) de Libras apreender informações gerais e especí-
deverá participar dos encontros forma- ficas do texto (QUADROS, 2006). Para
tivos com o grupo de professores(as) e o desenvolvimento da escrita, é impor-

40
tante o uso de diferentes gêneros tex- um escriba (apoio para a escrita), além

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


tuais e discursivos que dialoguem com o das opções de acessibilidade já utiliza-
interesse, a faixa etária e que desafiem das na sala de Atendimento Educacional
os(as) estudantes a entederem a impor- Especializado.
tância da escrita numa segunda língua e
10) Os recursos para acessibilidade à
a sua função social.
mediação de ensino feita pelo(a) pro-
7) A apresentação de atividades ilustra- fessor(a) ao currículo escolar pode va-
das, uso de imagens e recursos visuais riar de acessibilidades simples, como,
representam apoio importante para a por exemplo, ilustrações, substituição
compreensão do contexto e a interpreta- de respostas escritas por respostas a
ção de textos, devendo ser considerada serem assinaladas, cadernos e papéis
no planejamento pedagógico, além de maiores, inclinação dos materiais, ma-
ser uma forma de comunicação, am- teriais adesivos ou tipos específicos de
pliando o universo dos estudantes com lápis, até o uso de tecnologias assistivas
deficiência seja física, intelectual, TEA, no campo da informática.
sensorial.

8) As restrições de campo visual decor-


4.1 Registros e avaliações
rentes da deficiência física (acesso ao
campo visual de acordo com o posicio-
namento em que é colocado) e aque-
Os critérios que estão colocados para
las decorrentes de deficiência sensorial
validação de carga horária, portfólio e
(não ver, não ouvir) podem ocasionar
outras formas de registro, estabelecidos
lacunas no conhecimento prévio a res-
na Portaria n° 138/2020 são também cri-
peito dos objetos e dos contextos. As-
térios a serem considerados para os(as)
sim, o(a) professor(a) deve assegurar
estudantes com deficiência, para fins de
que temas, objetos e situações tratados
certificação. Não é o fato de se ter uma
nas atividades sejam conhecidos por es-
deficiência que irá determinar a retenção
ses(as) estudantes.
ou a progressão do(a) estudante, mas as
9) As especificidades decorrentes da implicações no seu desenvolvimento ge-
deficiência poderão determinar impedi- ral, que tal decisão poderá trazer para o
mentos para o registro escrito, verbali- processo de aquisição de conhecimento,
zação de respostas, manuseio autôno- visando à garantia do direito de aprender.
mo do material escolar, dentre outras.
É importante que os(as) estudantes com
Nesses casos, o(a) professor(a) deverá
deficiência participem de todos os proces-
considerar válidas as alternativas para
sos de avaliação de sua turma. Isso pos-
participação nas atividades. Para isso,
sibilitará que o planejamento da rotina, as
o(a) professor(a) poderá oferecer mate-
estratégias e os recursos a serem utiliza-
rial que permita ao(à) estudante apontar
dos pelo(a) professor(a) em sala de aula
a alternativa escolhida, colar respostas
possam contribuir para o desenvolvimen-
corretas para as opções, usar da co-
to das competências/habilidades desse(a)
municação alternativa com registro por
estudante.

41
O registro centrado apenas nas compe-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

tências/habilidades relacionadas às áreas


de conhecimento exclui o reconheci-
mento de importantes esforços por parte
dos(as) estudantes e da escola, quando
eles apresentam desafios peculiares a se-
rem enfrentados em função de prejuízos
decorrentes da deficiência. Assim, um(a)
estudante que apresenta defasagens, por
exemplo, na linguagem expressiva e re-
ceptiva, ou na interação social, ou ainda
no uso funcional de recursos escolares;
demandará esforço próprio, e por parte da
escola, que precisa ser registrado, assim
como cada avanço no sentido da supera-
ção de tais defasagens.

Quando o(a) estudante com condições


físicas, sensoriais e cognitivas específi-
cas requer o acréscimo de objetivos in-
dividualizados, é importante fazer uso
do Registro Descritivo de Aprendizagem.
Este formulário compõe a escrituração
dos resultados da avaliação e tem a fun-
ção de descrição do desenvolvimento e
da aprendizagem, tendo como referência
os objetivos estabelecidos conforme a de-
manda identificada. O Registro Descriti-
vo de Aprendizagem deve acompanhar a
certificação, a fim de contextualizar para a
família os pontos atribuídos em cada ativi-
dade, com base nos resultados atingidos,
em relação aos objetivos individualizados,
e acrescidos ao currículo proposto para o
ciclo.

Lembrando que o Conselho de Classe é


uma instância colegiada importante da
escola que contribuirá na avaliação do
processo ensino-aprendizagem e nas to-
madas de decisão pelo do ano escolar.

42
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE
CONHECIMENTOS
ESSENCIAIS
PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO,
5
LETRAMENTO, ALFABETIZAÇÃO
MATEMÁTICA E NUMERAMENTO:
PROPOSTA PARA O TRABALHO COM
CRIANÇAS DO RECORTE ETÁRIO DE 4 A
8 ANOS

43
5.1 Projeto APPIA - Um Olhar O Projeto “APPIA - Um Olhar para a Infân-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

cia” transformou-se em uma política pú-


para a Infância
blica estruturante da Secretaria Municipal
de Educação, no contexto das políticas de
expansão e consolidação da Educação In-
A expansão da oferta pública em Educação
fantil na Rede Municipal de Educação em
Infantil em Belo Horizonte trouxe a neces-
Belo Horizonte. Nesse contexto, a proposta
sidade de se criarem formatos de organi-
assumiu a perspectiva de integração entre
zação escolar diferentes do habitual e isso
as etapas de escolarização, – Educação
trouxe o desafio de colocar, em um mesmo
Infantil e Ensino Fundamental – conside-
prédio, o atendimento à Educação Infantil
rando as possibilidades de convívio num
e ao Ensino Fundamental. Essa nova con-
mesmo espaço físico escolar de crianças
figuração exigiu o estudo de uma gestão
dos 4 aos 8 anos e os desafios advindos
pedagógica integrada entre as duas eta-
da implementação de uma perspectiva ino-
pas de ensino, para a criação de novas
vadora, envolvendo três dimensões: peda-
rotinas, nova organização do espaço físi-
gógica, programática e política1.
co, mobiliário, materiais didáticos e novas
metodologias de trabalho para as crianças No que se refere à dimensão pedagógica,
de 4 a 8 anos. o APPIA envolve as demandas do proces-
so de trabalho integrado e as necessida-
A implementação de uma política dessa
des evidenciadas para a construção de re-
natureza trouxe, ainda, o desafio de como
lações harmoniosas, efetivas e pertinentes
lidar com a transição entre a Educação In-
para o convívio entre sujeitos, processos
fantil e os anos iniciais do Ensino Funda-
e resultados, num mesmo espaço, favore-
mental. Passamos a nos perguntar: é pos-
cendo a continuidade do desenvolvimento
sível garantir a continuidade nos processos
e das aprendizagens da criança.
de desenvolvimento e aprendizagens es-
colares e de convívio social aos(às) estu- Na dimensão programática, o projeto le-
dantes das duas etapas? Como lidar com vantou e mapeou programas, projetos e
as múltiplas transições pelas quais a crian- ações direcionados especificamente a
ça passa, que envolvem aspectos físicos, essa faixa etária, propostos pelas escolas,
cognitivos, afetivos e sociais? Como con- pelo órgão central e por outros órgãos da
ferir à escola e às suas equipes maiores gestão municipal, assim como as diferen-
chances de atendimento, tendo em conta tes propostas curriculares para cada uma
as especificidades e necessidades educa- das etapas, incluindo a BNCC (BRASIL,
cionais de cada uma das crianças, nessa 2018), o Currículo Mineiro (MINAS GE-
faixa de 4 a 8 anos? RAIS, 2018) e as Proposições Curriculares
da Rede Municipal de Educação (BELO
Questões de outra ordem ainda vieram à
HORIZONTE, 2012), como já tivemos a
tona: como lidar com profissionais que estão
1
A opção pela investigação a partir das três dimen-
em carreiras diferentes, que recebem salá-
sões da transição se deu em função do estudo do
rios diferentes, que possuem jornadas de texto “Vendo a transição através de um novo pris-
trabalho com desenhos diferentes? É possí- ma: um alinhamento pedagógico, programático e
de políticas públicas”, de autoria da professora dou-
vel integrá-los em um trabalho conjunto? tora Sharon Lynn Kagan e da orientação da mesma
no whorkshop em Nova Iorque.

44
oportunidade de pontuar. do que o olhar diferenciado para a infân-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


cia é um norte para a integração curricular
Quanto à dimensão política, o projeto as-
entre a Educação infantil e o Ensino Fun-
sumiu a tarefa de estabelecer o diálogo
damental, bem como para pensar em um
entre profissionais com diferentes forma-
processo de escolarização de sucesso.
ções e carreiras e regidos por legislação
específica, buscando atuar de forma arti- 5.2 Infâncias, Alfabetização,
culada com as demais políticas públicas
Letramento e Numeramento
que envolvem a rede de proteção de crian-
ças nessa faixa etária, tais como: saúde,
assistência social, alimentação e nutrição,
A Rede Municipal de Educação de Belo Ho-
esportes, cultura e segurança. Também
rizonte, por meio de professores(as), coor-
buscou mapear os serviços públicos que
denadores/as, diretores/as, vice-diretores/
atendem às crianças na escola, relacio-
as, profissionais da educação em geral,
nando e analisando os objetivos e metas
gestores/as, equipe técnica da Secretaria
daqueles que são específicos das duas
Municipal de Educação e parceiros/as2,
etapas e identificando aspectos que inte-
tem discutido o atual contexto educacio-
ragem com as questões pedagógicas do
nal, com foco em temáticas como infância,
desenvolvimento infantil.
alfabetização, letramento e numeramento,
Nesse sentido, ficaram definidos como buscando, com serenidade e responsabili-
princípios desta política pública: dade, assumir os desafios que o momento
da pandemia nos apresenta.
a) garantir um trabalho pedagógico que
procure reconhecer as especificidades Sabemos que o momento é delicado, incer-
das crianças nas duas etapas da Edu- to e absolutamente novo para a sociedade.
cação Básica e os pontos de interseção No campo educacional, estamos experi-
para proporcionar transições harmonio- mentando uma situação escolar que desa-
sas entre elas, com o mínimo impacto, fia nossa capacidade de reinventar antigas
favorecendo uma trajetória contínua e de representações e práticas pedagógicas e,
sucesso nas aprendizagens escolares e ao mesmo tempo, de fortalecer vínculos
na formação integral; com os sujeitos envolvidos no processo
escolar (estudantes, famílias e profissio-
b) refletir sobre a construção conjunta de
nais da escola) e com a comunidade local.
propostas e projetos pedagógicos que in-
tegrem o currículo das duas etapas, viabi- Nesse sentido, reafirmamos a necessida-
lizando atividades coletivas nos diversos de de valorizar a cooperação e o diálogo,
espaços da escola, de forma a garantir para que diferentes coletivos de profes-
direitos de aprendizagem das crianças sores(as) e demais profissionais possam
numa perspectiva de formação integral. responder, com autonomia, a esse grande
desafio. Assim, apontamos três princípios
O projeto APPIA pretende, assim, apoiar
gerais que têm orientado nossas discus-
as escolas nas ações de elaboração, im-
2
plementação e monitoramento do Plano de Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita (Ceale),
da Faculdade de Educação da Universidade Fede-
Trabalho Pedagógico Integrado, acreditan- ral de Minas Gerais e Pontifícia Universidade Cató-
lica de Minas Gerais.

45
sões e ações: compromisso com o direito Letramento, da Alfabetização Matemática
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

à vida, compromisso de não acentuar as e do Numeramento e, concomitantemente,


desigualdades socioeducacionais e com- sobre a criança, sobre a pluralidade desse
promisso com a qualidade e a equidade ser humano e sobre onde cada sujeito se
das ações propostas. encontra no processo de aprendizagem.
Só assim respeitamos, de fato, as nossas
É nesse contexto que as equipes da Infân-
crianças.
cia e do Núcleo de Alfabetização e Letra-
mento trazem dois documentos, que aqui No que diz respeito à aprendizagem da
serão apresentados “Conhecimentos es- língua escrita, compreendemos que essa
senciais para o processo de alfabetização apropriação acontece a partir de dois pro-
e letramento” e “Conhecimentos essenciais cessos distintos, mas indissociáveis: a al-
para o processo de Alfabetização Matemá- fabetização e o letramento. Assim, como
tica e Numeramento”, como uma proposta prática pedagógica, a aprendizagem da
para o trabalho com crianças do recorte língua escrita deve ser tratada em sua to-
etário de 4 a 8 anos. Cabe esclarecer que talidade, como um processo complexo e
a expressão “conhecimentos essenciais” multifacetado (linguístico, interativo e so-
refere-se a uma seleção de conhecimen- ciocultural). Isso significa que a alfabeti-
tos importantes a serem explorados, ex- zação e o letramento se desenvolvem de
perimentados, vivenciados e trabalhados modo integrado e que as habilidades de
com as crianças de 4 a 8 anos. apropriação do sistema de escrita alfabé-
tico são criadas no contexto das práticas
Ao pensar em infâncias, alfabetização, le-
sociais da leitura e da escrita (SOARES,
tramento e numeramento, algumas con-
2004, 2014, 2016). Portanto, entende-se
siderações são relevantes. Quando re-
que é necessário garantir o contato coti-
gistramos a infância no plural, estamos
diano das crianças, desde cedo, com um
alinhados aos estudos da sociologia da
repertório variado de suportes e gêneros
infância (MONTEIRO; CARVALHO, 2011),
textuais (orais, escritos e multimodais),
que a consideram uma categoria social e
bem como planejar e mediar práticas que
enxergam a criança como um sujeito social
despertem a “curiosidade, a exploração, o
e de direitos, ou seja, que produz cultura
encantamento, o questionamento e o co-
e traz diferentes formas de sociabilidade,
nhecimento das crianças sobre a lingua-
desenvolvendo diferentes modos e lingua-
gem escrita” (BAPTISTA, 2014, p. 33 ).
gens para vivenciar, experimentar e signifi-
car o mundo, bem como intervir nele. Na apropriação de noções e conceitos ma-
temáticos, compreendemos dois proces-
Assim, ao planejar as práticas pedagógi-
sos também diferentes e indissociáveis:
cas para e com a criança, há que se con-
a Alfabetização Matemática, relacionada
siderar as infâncias e as especificidades
aos conhecimentos matemáticos que se
dessa fase da vida. Isso significa que, em
baseiam em critérios quantitativos, métri-
todas as ações, é preciso garantir, simulta-
cos ou classificatórios e o Numeramento
neamente, os direitos à infância e à apren-
que, em analogia ao termo Letramento,
dizagem. A garantia desses direitos só se
refere-se à dimensão do uso desses co-
efetiva quando temos conhecimentos so-
nhecimentos em práticas sociais que en-
bre os fundamentos da Alfabetização e do

46
volvem a necessidade de ler e interpretar professor(a) saberá e poderá desenvolver/

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


informações, fazer comparações, resolver construir, com autonomia pedagógica, ten-
problemas, argumentar e tomar decisões. do em vista suas especificidades e as pos-
sibilidades didáticas que as circunstâncias
É importante considerar que, na apropria- e os contextos permitirem.
ção da leitura e da escrita ou de noções
e conceitos da matemática, muitas apren- 5.3. Conhecimentos Essenciais
dizagens iniciadas na Educação Infantil, a para o processo de letramen-
partir de contextos e situações significa-
to e alfabetização – Proposta
tivas e de modo intencional, são impres-
cindíveis para assegurar um percurso para o trabalho com crianças
contínuo e ampliado das experiências nas do recorte etário de 4 a 8 anos
etapas posteriores.

Destacamos que, diante do nosso compro-


Foi grande o desafio de elaborar a presen-
misso com a acessibilidade e considerando
as orientações emanadas dos Pareceres te proposta em tempos de pandemia, uma
Conselho Nacional de Educação (CNE) n. vez que envolveu a ideia de transformar o
005/2020 (BRASIL, 2020a) e n. 011/2020 complexo em algo simples, mas não sim-
(BRASIL, 2020b), quanto à possibilidade plificado, ou seja, apresentar o imprescin-
de reordenar a trajetória escolar, reunin- dível para a alfabetização e o letramento
do e reorganizando, em um continuum, a de crianças dentro de um contexto atípico,
programação curricular prevista para 2020 considerando a necessidade de mantê-las
com a do ano letivo de 2021, adotamos engajadas em ações de leitura, escrita e
uma estratégia específica. Encontramos, oralidade.
na utilização de cores com tonalidades
diferentes, representando o processo de Vivemos uma situação que põe em evidên-
aprofundamento dos conhecimentos/habi- cia as relações entre letramento familiar e
lidades, uma forma de demonstrar a orga- letramento escolar. Essa situação impõe a
nização contínua dos processos de apren- busca de alternativas em torno das formas
dizagem. Além disso, essas cores e suas de interação, ressaltando-se a ideia de que
tonalidades serão representadas através cabe à escola promover meios de alfabe-
da escrita de seus nomes, pois o programa tizar em condições adversas de acesso
de leitura de tela para pessoas com defi- às práticas escolares, às tecnologias, aos
ciência visual não realiza a leitura de cores materiais pedagógicos e a alguns dos arte-
e sim dos nomes das mesmas. fatos que marcam a cultura escrita contem-
Salientamos que esses documentos vi- porânea, aí incluídos os computadores e
sam contribuir com um contexto em que o acesso à internet. Além disso, estão em
processos, interações e mediações estão jogo condições de letramento das famílias
diferenciados e envoltos em dificuldades e os graus de autonomia das crianças, si-
nunca antes vividas por educadores/as tuação que requer estratégias mais especí-
em seus processos pedagógicos usuais. ficas quando elas não estão alfabetizadas.
Assim, o sentido desses documentos está
nos desdobramentos metodológicos/prá- Este documento tem raízes na discussão
ticas pedagógicas que cada escola, cada desenvolvida pelo Núcleo de Alfabetização

47
e Letramento da Smed/BH, instituído em mando como base:
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

2019. Nos tempos de distanciamento so-


a) as experiências da equipe que com-
cial, em um esboço que viria como fonte/
põe o Núcleo de Alfabetização e Letra-
eixo para a produção de materiais e ativi-
mento, assessorado pelo Centro de Alfa-
dades para crianças de 6 a 8 anos, a equi-
betização, Leitura e Escrita (Ceale/FAE/
pe do Núcleo, os membros de Gerências
UFMG), Gerências da Secretaria Munici-
da Secretaria Municipal de Educação, as
pal de Educação, Diretorias Regionais de
Diretorias Regionais de Educação, pro-
Educação;
fessores(as) e coordenadores(as) peda-
gógicos(as) construíram uma agenda de b) as ações pedagógicas de regionais
trabalho para socializar experiências e sis- para acompanhamento da alfabetização;
tematizar orientações para o enfrentamen-
c) as Proposições Curriculares da Rede
to do que se denominou “novo normal”,
Municipal de Educação/BH (BELO HORI-
projetando as condições de ensino e de
ZONTE, 2012);
aprendizagem postas pela pandemia da
Covid-19. d) os materiais de formação do Plano Na-
cional pela Alfabetização na Idade Certa
O trabalho desse grupo foi posteriormen-
(BRASIL, 2012) e
te ampliado, tendo em vista a demanda
da Secretaria Municipal de Educação para e) a Base Nacional Comum Curricular
a produção de uma proposta pedagógica (BRASIL, 2018).
que indicasse uma expectativa de conhe-
cimentos essenciais para o processo de
letramento e alfabetização a serem ga- 5.3.1 Alguns pressupostos
rantidos como direitos das crianças, incor-
conceituais
porando, inclusive, aquelas de 4 e 5 anos
da Etapa da Educação Infantil (BRASIL,
2018, p. 34), que passou a ser obrigatória
Os seres humanos são constituídos pela
com a Emenda Constitucional n. 59/2009
linguagem. Com as linguagens (gesto,
(BRASIL, 2009). Em consonância com es-
ses documentos, foi incluída a faixa etária imagem, escrita, desenho, entre outras),
de 4 e 5 anos para a Educação Infantil, dia- as crianças se constituem e interagem
logando, principalmente, com o campo de com o mundo, com seus pares e com os
experiências “Fala, escuta, pensamento e adultos. Como sujeitos socioculturais, vi-
imaginação” (BNCC, 2018, p. 42) e outras vem experiências singulares que envol-
propostas considerando a leitura e a escri- vem as linguagens em práticas culturais
ta na Educação Infantil (MEC, 2016). Para próprias de sua família e de seu território
os anos iniciais do Ensino Fundamental, social. Numa cultura mediatizada (tele-
foi feito um diálogo com a organização ano visão, rádio, celulares, materiais impres-
a ano e com os conhecimentos previstos, sos), ainda que sob condições desiguais
buscando-se uma “progressiva sistemati- de acesso, as crianças partilham e com-
zação” (BRASIL, 2018, p. 57). partilham repertórios mais amplos. Como
Assim, este documento foi produzido to- sujeitos socioculturais que interagem com

48
os outros, com o mundo e sua produção as formas das letras, e formulando crité-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


cultural, são ativas, lúdicas, curiosas, in- rios para suas possíveis combinações,
dagadoras e produzem sentidos nas inte- incluindo aspectos da sua natureza alfa-
rações sociais. bética e das suas convenções em diferen-
tes níveis. Nos processos intencionais de
A oralidade atravessa as interações e as
ensino, há diferentes formas de dialogar
relações sociais de forma marcante, seja
com as crianças sobre o que elas pensam
no convívio da criança com os adultos,
sobre a escrita. Esse diálogo favorece a
seja na relação com seus pares, em dife-
compreensão das percepções, atitudes,
rentes situações da vida cotidiana e esco-
valores, conhecimentos que estão em
lar, levando-as a perceber diferentes usos
jogo no processo de ensino e de apren-
da linguagem oral. Muito do que as crian-
dizagem, dando visibilidade às práticas
ças trazem dessas práticas, aliadas aos
sociais de leitura e escrita vivenciadas.
repertórios da tradição, oral como brinca-
Além disso, os pressupostos e ações es-
deiras, declamações de quadrinhas, jogos
pecíficos de alfabetização, tais como ana-
de linguagem, deve compor a experiência
lisar o processo de construção da escri-
escolar.
ta nas suas hipóteses conceituais e nas
A escrita também permeia, nas socieda- situações de uso, são importantes para
des letradas, as experiências das crian- garantir o direito ao letramento e à alfa-
ças desde muito novas. Nesse sentido, betização.
aprender a ler e escrever já faz parte de
Há uma grande diferença quando se pen-
um processo social e, certamente, a es-
sa nas repercussões disso para a expe-
cola não é a única via de acesso à cultura
riência escolar e para o ensino da leitura
escrita. Pesquisas mostram dois aspectos
e da escrita, considerando faixas etárias
dessa aprendizagem que ocorrem simul-
diferentes e os aspectos que caracteri-
taneamente.
zam a Educação Infantil e os anos iniciais
1. As crianças, ao compartilhar experiên- do Ensino Fundamental. Seja qual for a
cias de leitura de textos, ao ver alguém etapa da escolaridade, cumpre destacar
escrevendo, ao compreender as funções que as crianças certamente vão apreciar
sociais da escrita, ao simular que estão as brincadeiras, os desafios, os jogos de
escrevendo ou ditando para outro escre- palavras, as atividades lúdicas. Ao longo
ver, aprendem que há um modo escrito da infância, a articulação das atividades
de representar o mundo e de interagir de oralidade e escrita deve ser orienta-
com ele. São saberes sobre a linguagem da por um procedimento que não queira
escrita ou, de forma mais ampliada, so- substituir ou anular a experiência oral,
bre as culturas do escrito. acreditando que a ação de escrever este-
ja descolada ou isolada.
2. As crianças se interessam pela escrita
e são capazes de desenvolver uma com- A literatura infantil, dada a sua diversi-
preensão sobre o seu funcionamento, dade de gêneros, de temas e propostas
observando, por exemplo, nas palavras, estéticas, pode permear todos os campos

49
de experiência das crianças. Ela situa as públicas federais, os acervos escolares vi-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

crianças na sua relação consigo mesmas, nham respondendo positivamente a esse


com o outro e com a coletividade em diver- fluxo, sendo renovados com frequência e
sas culturas. A sua “leitura”, mediada pelo valorizados por programas de compra de
adulto ou reinventada, provoca movimen- livros. Dessa forma, ainda podem ser en-
tos, imitações, identificações, sentimentos contrados livros nas escolas de Educação
de empatia com as personagens. Quando Infantil e do Ensino Fundamental. No en-
a criança se lança no mundo imaginário tanto, em tempo de isolamento social, o
também com o seu corpo, ela desenvolve acesso a livros fica comprometido pelas
uma escuta atenta e uma fala indagadora restrições sanitárias.
diante das novidades da imaginação lite-
Como, então, dar continuidade às práticas
rária. Narrativas ficcionais e poéticas se-
de leitura e ao processo de letramento li-
guramente ampliam as noções de tempo
terário das crianças nessas condições?
e espaço que se abrem em possibilidades
Este texto não tem a pretensão de sugerir
passadas, presentes e futuras, ordenando
um único caminho para isso. No entanto,
ou mesmo desordenando a sua suposta
não se pode descartar toda e qualquer
linearidade, em diferentes lugares visita-
possibilidade que aproxime a criança da
dos pelas palavras e imagens. Desde o
literatura, com recursos que propiciem
nascimento até a idade de 4 e 5 anos, fai-
a experiência literária em contextos de
xa que nos interessa de perto neste texto,
poucos livros. Lançar mão de tecnolo-
as crianças podem ter contato não só com
gias digitais para contar/ouvir histórias ou
livros de literatura de diferentes gêneros,
ler poemas a distância é uma delas. Há,
como também com textos representativos
também, a possibilidade de promover a
da literatura oral, passados de uma gera-
circulação da literatura oral, por meio de
ção a outra. Há, portanto, muitas possibili-
projetos de ensino que envolvam a famí-
dades que advêm dessa bibliodiversidade
lia. Sejam quais forem as ideias nessa
na Educação Infantil.
direção – e elas podem ser muitas! – o
Quando no Ensino Fundamental, aos 6, que não pode acontecer é a interrupção
7, 8 anos, além dos repertórios adquiridos de um processo prazeroso e desafiador
na vivência cotidiana com os textos lite- de formação literária que, por vezes, pro-
rários nos anos anteriores, a criança se duz incômodos positivos que nos tiram do
emancipa como leitora independente, ao lugar e nos transformam.
se alfabetizar. Ler sozinha, por ela mes-
Os livros literários para crianças mani-
ma, já podia acontecer antes, em um nível
festam a pluralidade cultural e social do
da invenção criativa e do entrecruzamen-
mundo real e imaginário, em propostas
to da memória e das relações entre texto
estéticas avessas a padrões, construídas
e imagens, mas, a partir da alfabetização,
com liberdade. É exatamente por isso que
potencializam-se as escolhas pessoais no
tendem a encantar. Conhecer os acervos
infindável universo da literatura. Embora
diversificados das escolas e os livros que
não seja mais uma realidade das políticas
os(as) estudantes têm em casa (os livros

50
dos Kits Literários da Rede Municipal de rização. Ou seja, queremos que elas te-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Belo Horizonte, por exemplo) é uma ação nham o direito de se alfabetizar a partir
que deve ser priorizada para que, em as- do respeito às suas formas de aprender,
sociação com outras atividades e práticas experimentando usos sociais dos tex-
de leitura, esses acervos possam servir tos, lendo e escrevendo diferentes gêne-
para o necessário contato com os livros ros, fazendo análises sobre o sistema de
neste período de pandemia. escrita e sobre o funcionamento da orto-
grafia. Isso implica ações sistemáticas de
Ao dialogar com experiências mais am-
contato com os textos e o desenvolvimen-
plas de leitura mediada pela voz do adulto
to de habilidades que contribuem para
ou com situações de escrita ditada pelas
a alfabetização, como ler textos da tra-
crianças, há um conjunto de situações
dição oral e observar seus componentes
de escrita e de leitura relacionadas aos
sonoros e gráficos, como rimas, sílabas e
nomes das crianças, às personagens e
letras; comparar palavras e ver suas se-
às rotinas guiadas pelo escrito, através
melhanças e diferenças; saber identificar
das quais as crianças podem ser incenti-
unidades sonoras e relacioná-las com as
vadas a conhecer nomes de letras e po-
letras correspondentes; comparar a escri-
dem, também, querer registrar ou deman-
ta espontânea com a convencional; entre
dar do(a) professor(a) informações para
outras. Implica, também, uma postura pe-
tentar registrar a escrita. Com textos da
dagógica que, principalmente, valorize a
tradição oral, há vários aspectos que as
produção de sentido, a experiência com
crianças podem observar, relacionados à
textos e que mantenha jogos de lingua-
sonoridade da linguagem, que provocam
gem e jogos sonoros, mas que acrescen-
novos sentidos e que podem ser propí-
te a isso desafios de reflexão sobre os
cios para uma reflexão gradativa sobre
usos da linguagem.
o funcionamento da linguagem, nos seus
aspectos fonológicos, morfológicos, sin- Na situação de distanciamento social vi-
táticos e semânticos. Nesses contextos, venciada nesse momento histórico, há
quando elas demandam informações so- vários desafios para pensar estratégias
bre o funcionamento da escrita e do siste- pedagógicas, pois muitas ações desen-
ma de escrita, isso pode ser incentivado e volvidas no contexto de sala de aula
trabalhado intencionalmente. Nas intera- dependem das indagações feitas pelas
ções entre as crianças e os adultos, entre crianças e das interpretações de suas
elas e o mundo da escrita, muitas apren- respostas, de modo que é a partir des-
dizagens podem acontecer, considerando se diálogo que se torna possível ensinar
as singularidades dessas interações. sobre os textos e suas convenções, em
interação face a face. Diante dos inúme-
Há uma expectativa, nos anos iniciais do
ros desafios, é imprescindível manter as
Ensino Fundamental, e um dever dos sis-
crianças engajadas em ações de leitura
temas de ensino de que as crianças es-
e escrita e garantir seu direito de acesso
tejam alfabetizadas, no sentido amplo do
a textos de qualidade. Na verdade, o ob-
termo, depois de um período de escola-

51
jetivo maior de todas as ações é propor- priação do sistema de escrita. No entanto,
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

cionar a formação do leitor para ouvir/ler vários conhecimentos estão relacionados


textos informativos e literários e manter, dentro desse item. Na prática pedagó-
nas crianças, o desejo de participar das gica, o(a) professor(a) pode abordá-los
culturas do escrito. numa mesma experiência ou atividade.

Partindo de atitudes favoráveis à cultura A progressão dos conhecimentos se fará


escrita e oral, utilizamos como organiza- a partir dos gêneros textuais e seus temas
ção, neste documento, a ideia de eixos/ escolhidos para cada ano, pelos graus de
práticas e não de lista de conteúdos. Essa autonomia (com mediação do professor e
escolha considera que as práticas de ora- sem mediação do professor) e pelo tipo
lidade, leitura e escrita ocorrem a partir da de experiência vivenciada (mais informal
compreensão e da produção de textos em e assistemática ou com sistematização),
situações significativas para as crianças. o que permite reunir, num mesmo campo
Os gêneros apresentados para leitura, es- conceitual e pedagógico, a etapa da Edu-
crita e oralidade filiam-se aos campos de cação Infantil e dos primeiros três anos do
atuação apontados pela BNCC (BRASIL, Ensino Fundamental, para ações envol-
2018) e são sugestões de entradas que vendo letramento e alfabetização.
valorizam, primordialmente, as funções
É importante considerar que muitas apren-
sociais dos textos. A formação literária e a
dizagens da leitura e da escrita iniciadas
leitura literária foram incluídas como com-
na etapa da Educação Infantil, a partir de
ponentes fundamentais da formação do
contextos e situações significativas e de
leitor, para a fruição dos textos e imagens,
modo intencional, são imprescindíveis
para incentivar e reforçar o jogo com a
para uma relação mais harmoniosa entre
linguagem, a imaginação e a reflexão so-
a Educação Infantil e o Ensino Fundamen-
bre o mundo.
tal e, também e principalmente, entre os
Na organização do que é considerado es- anos das etapas. Uma estratégia encon-
sencial, também são focalizados alguns trada para demonstrar esse continuum na
conhecimentos e habilidades que podem aprendizagem foi o uso da mesma cor em
contribuir para a alfabetização das crian- tonalidades diferentes, que escurecem
ças, como o conhecimento do alfabeto e para mostrar o mesmo conhecimento/ha-
outros símbolos, a análise fonológica e bilidade em processo de aprofundamento.
sua relação com a escrita, a compreen- Isso porque consideramos que o conhe-
são do princípio alfabético e a análise gra- cimento deve perpassar as experiências
fofonêmica. Esses conhecimentos podem desde a educação infantil até os 8 anos.
ser empregados na leitura e escrita de O que difere um ano do outro é o grau de
palavras, possibilitando maior foco no sis- autonomia do leitor/escritor, a extensão do
tema alfabético/ortográfico de escrita. Ao texto, o vocabulário e os temas dos textos
verificar quantitativamente as linhas dos autênticos, tratados em gêneros apropria-
quadros, há uma preponderância ou deta- dos aos contextos e próximos do universo
lhamento maior nos 6 anos, no eixo apro- diversificado das crianças.

52
Em cada linha, a tonalidade mais forte in- nem para o professor nem para a crian-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


dica que o conhecimento deve ser siste- ça. As aprendizagens ocorrem de manei-
matizado naquele ano, mas é o professor ra integrada, em contextos significativos,
que deve avaliar se pode ser tratado an- e uma aprendizagem deve repercutir na
tes ou se deve ser retomado e/ou aprofun- outra. A opção por articular conhecimen-
dado nos anos posteriores. Assim, mes- tos essenciais/ aprendizagens essenciais
mo quando um conhecimento parece se em atitudes e habilidades diz respeito ao
consolidar num determinado ano, há va- caráter complexo que envolve essas di-
riações nos graus de complexidade que mensões, pois suas fronteiras são, muitas
vão trazendo mais elementos para que vezes, imperceptíveis.
esta consolidação seja possível em cada
A proposta aqui apresentada visa contri-
ano da escolaridade.
buir para a criação de um contexto em
Para melhor compreensão da progres- que o ensino e a aprendizagem escolares
são das aprendizagens e por entendê-las são diferenciados e seu foco é a alfabeti-
como um processo que depende de condi- zação e o letramento. As condições para
ções cognitivas, linguísticas, sociais, cul- desenvolvê-los no ensino remoto, presen-
turais, escolares e emocionais, o uso de cial ou híbrido, assim como as condições
cores pretende sinalizar essa fluidez: da das crianças em suas casas, com suas
aprendizagem inicial para uma aprendiza- famílias, observadas por meio dos Mapas
gem já consolidada, ou seja, do tom mais Socioeducacionais, certamente, terão que
claro para o mais escuro. O quadrinho na ser levadas em consideração e repensa-
cor branca significa que a aprendizagem das pelos professores em cada escola.
indicada NÃO necessita ser promovida Daí o desafio de selecionar, articular os
naquela faixa etária, por ser considerada conhecimentos apresentados neste docu-
precoce ou por ser dada como consolida- mento e formular propostas metodológi-
da. cas, nesse tempo em que as perspectivas
socioemocionais específicas da pandemia
O detalhamento expresso neste docu-
estão impactando as relações sociais e as
mento sobre os conhecimentos, as atitu-
ações escolares.
des e as habilidades não representa um
volume maior de trabalho pedagógico, Este documento passará a ter sentido

Figura 1 - Conhecimentos essenciais de Letramento e Alfabetização

53
Os quadros que se seguem estão organi- pandemia, relatar acontecimentos, con-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

zados tendo em vista os conhecimentos tar e recontar histórias, fazer entrevistas,


essenciais para o processo de Letramen- postar comentários, recolher cantigas, re-
to e Alfabetização, conforme disposto na pertoriar conhecimentos familiares pode
Figura 1. ser uma estratégia produtiva, que mobiliza
a criança para se envolver em interações
a) Produção de gêneros orais
orais que favorecem o desenvolvimento
O desenvolvimento da oralidade implica da linguagem. O documento das Proposi-
considerar suas várias dimensões pre- ções Curriculares da Secretaria Municipal
sentes na tradição oral, na performance de Educação traz várias indicações para
(gestos, expressões, entonações), nos o trabalho pedagógico, destacando a
registros informais e formais representa- oralidade como um importante eixo.
tivos das práticas escolares nos diferen-
Nesse sentido, é importante trabalhar
tes anos do processo de escolarização.
com gêneros orais diversos (aviso, re-
Esse desenvolvimento envolve o conhe-
cado, convite, anúncio publicitário, notí-
cimento de gêneros orais valorizados no
cia, piada, caso, adivinha, parlenda, tro-
cotidiano escolar e que repercutem na
va, quadrinha, letra de canção, poema,
ampliação de conhecimento de mundo
história, conto de fada, lenda, fábula,
e de conhecimento linguístico, quer de
representações teatrais, exposição de
estruturas textuais quer de vocabulário.
trabalhos, rap, regras de brincadeiras,
Uma prática importante na alfabetização
receitas) e tipos (narrativo, descritivo,
e em toda a escolaridade é a de saber
argumentativos, expositivos e injuntivos)
ouvir, recontar histórias, relatar aconte-
próprios das interações escolares coti-
cimentos, participar de debates e apre-
dianas informais e formais.
sentação de pesquisas. Em tempos de

54
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE
EIXO/PRÁTICA:
4/5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS 8 ANOS
PRODUÇÃO DE GÊNEROS ORAIS

(Re)produzir oralmente gêneros orais diversos,


considerando o contexto de comunicação,
respeitando as situações formais e informais
escolares.

Relatar fatos importantes sobre seu nascimento


e desenvolvimento, sobre fatos do cotidiano,
história dos seus familiares e da sua
comunidade.

Apreciar a produção oral e a linguagem literária,


entendendo e usufruindo o jogo lúdico e
sonoro, metáforas e a pluralidade de sentidos,
ouvindo e declamando poesias, quadrinhas,
produzindo contos recontos e casos,
encenando peças teatrais, empregando nos
textos orais performances características da
oralidade, tais como: tons de voz, gestos,
olhares, fantasias, uso de instrumentos.

Produzir textos orais para expressar ideias,


desejos e sentimentos, em contextos
significativos.

Produzir suas próprias histórias orais, usando


livremente sua imaginação, criatividade e
aspectos expressivos necessários para que o
ouvinte compreenda a história, em contextos
específicos e significativos.

Recontar histórias ouvidas.

Planejar coletivamente roteiros de vídeos,


áudios e encenações, definindo os contextos, a
estrutura da história, os objetivos, o tempo, os
personagens, o figurino e os adereços, quando
necessário.

Desenvolver a linguagem oral, apropriando-se


dos gêneros como debates, exposições orais e
mensagens, entrevistas e pequenos programas
em áudio e vídeo.

Quadro 1 - Gêneros Orais

55
quando professores(as) e escolas o utili- cabe afirmar que vamos inserir as crian-
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

zarem para tomarem decisões pedagógi- ças na cultura escrita. Elas já estão inse-
cas que oportunizem a participação das ridas, por influência direta ou indireta. No
crianças em situações escolares cada vez entanto, há, seguramente, um processo de
mais qualificadas. exclusão social indicado pela dificuldade
e/ou impossibilidade de acesso a certos
b) Cultura escrita
artefatos dessa cultura.
Os seres humanos são seres produtores
O que faz diferença é criar condições para
de cultura. A cultura escrita relaciona-se
que as crianças produzam cultura escrita,
ao processo de produção de sentidos que
ampliando seu repertório e atuando crí-
ocorre quando a escrita está presente, na
tica e criativamente nos espaços sociais.
forma simbólica e material. O conceito de
Assim, a compreensão e a valorização da
cultura escrita abarca objetos simbólicos e
cultura escrita é uma condição que abarca
materiais do mundo da escrita, relaciona-
várias habilidades, inclusive a de aprender
dos a usos, valores, gestos, suportes de
a ler e a escrever. Por isso, é fundamental
escrita, instrumentos como lápis, folhas,
que a experiência de ler e escrever consi-
tela, teclado, tinta. Ao vivenciar essa cultu-
dere essa complexidade. Isso se manifes-
ra, os grupos manifestam atitudes, valores,
ta na presença de materiais escritos, em
comportamentos e procedimentos típicos
atitudes e comportamentos que mostram
das instituições que integram os sujeitos
práticas de escrita e de leitura, em espaços
produtores dessa cultura. Por isso, não

EIXO/PRÁTICA:
CULTURA ESCRITA 4/5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS 8 ANOS

Vivenciar usos e funções da escrita


em diferentes contextos (como apoio
à memória, como modo de se
expressar emoções e ideias, informar
e agir no mundo, entre outros), seus
gêneros textuais, formas e suportes
da escrita (manuscrito, impresso,
digital).
Usar os instrumentos e suportes da
escrita em suas diversas
materialidades (lápis, teclado,
caderno, tela), conforme suas
funções.

Quadro 2 - Cultura Escrita

56
escolares e não escolares. A construção seadas em informações implícitas no tex-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


de uma ambiência de aprendizagem e as to, apreender sentido global de um texto,
experiências vividas na cultura escrita são relacionar texto verbal e imagético. O
tão importantes quanto o desenvolvimento desenvolvimento dessas estratégias de
de habilidades e conhecimentos formais. leitura também depende do conhecimen-
to gradativo dos usos sociais da escrita,
c) Leitura
dos gêneros textuais, dos tipos de texto,
A leitura é atravessada por dimensões de sua extensão, do seu vocabulário, da
culturais que compõem as experiências estrutura das palavras, da sua estrutura
prévias do leitor. A leitura (e a leitura li- gramatical e do suporte.
terária) implica num processo de cons-
As atividades de leitura devem compor
trução de sentidos que é resultado da
ações mediadas, com a leitura do outro
interação entre um texto (interlocutores,
ou com autonomia, dependendo do tipo
conteúdo, forma e suporte) e os conhe-
e função social do texto, do tema e da
cimentos prévios de quem lê. Existem
estrutura. A fluência em leitura depende
diversos fatores que condicionam a pro-
tanto do conhecimento de estruturas pos-
dução de sentidos e se relacionam a um
síveis para a organização das frases, da
conjunto de atitudes e valores que têm a
familiaridade com o vocabulário e com a
ver com o processo de formação do leitor
estrutura de gêneros, quanto da rapidez
que, certamente, não se esgota nos pri-
da leitura na forma fonológica e lexical.
meiros anos de escolarização.
Nesse sentido, orienta-se a leitura de
Nesse processo mais amplo de desen-
gêneros diversos (de forma mediada ou
volvimento da leitura, são importantes
autônoma): quadrinhas, biografias e au-
habilidades: fazer antecipações sobre
tobiografias, tirinhas, poemas, parlen-
o que está escrito, levantar hipóteses e
das, adivinhas, piadas, avisos, bilhetes,
confrontá-las no momento da leitura, lo-
lista, contos, curiosidades, cartas, fábu-
calizar informação, fazer inferências ba-

57
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

EIXO/PRÁTICA: LEITURA 4/5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS 8 ANOS

Apreciar e fruir a produção literária: sua


linguagem (jogos de palavras,
metáforas), suas formas (poesia e
prosa) e sua contribuição para vivenciar
as emoções, o imaginário e a criação
humanas.

Levantar hipóteses sobre gêneros


textuais que circulam com mais
frequência, a partir de suportes
conhecidos, usando como indícios a
observação gráfica e/ou leitura.

Ouvir a leitura de diferentes gêneros


textuais.

Ouvir a leitura e identificar o gênero


textual a partir de sua estrutura
composicional.

Incorporar ao vocabulário novas palavras


encontradas em textos.

Inferir o sentido de palavras ou


expressões, em textos de diferentes
gêneros, considerando o contexto em
que aparecem, a partir da leitura do(a)
professor(a) ou de forma autônoma.

Ler textos de curta extensão com


autonomia e atribuir sentido.

Ler textos de média extensão com


autonomia e atribuir sentido.

Ler, com fluência, textos de curta


extensão, compostos
predominantemente de orações diretas,
utilizando conhecimentos sobre o
vocabulário e a estrutura das palavras e
das frases e o tema.

Quadro 3 - Leitura

58
las, verbetes, mensagens, receita, regra considerado essencial para que pensem

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


de convivência e de participação, regras sobre o sistema de escrita, em situações
de jogo e notícias, conforme os campos em que precisam ditar ou ler letras. O co-
de atuação da BNCC: Campo da vida nhecimento do nome das letras também
cotidiana, Campo da vida pública. possibilita fazer relação entre nomes das
letras e fonemas, uma vez que no nome
d) Apropriação do sistema alfa-
de várias letras está contido seu “som”
bético/ortográfico de escrita (princípio acrofônico), embora nem sem-
A apropriação do sistema alfabético/orto- pre essa relação produza, automatica-
gráfico de escrita envolve a compreensão mente, uma escrita ortográfica. Saber a
sobre o que a escrita representa (os sons ordem do alfabeto favorece localizar de-
da fala) e como representa (combinação terminada letra da cadeia sonora numa
das letras do alfabeto para notar as pala- sequência escrita. O registro das letras
vras). Além disso, passa pelos aspectos pode tornar legível a sua escrita. Do pon-
figurativos relacionados às formas das to de vista conceitual e metodológico,
letras e ao modo como podem se com- não se trata de treinar o alfabeto ou a
binar na língua portuguesa. No percurso forma das letras, mas mobilizar esse co-
da aprendizagem, de modo muito dinâ- nhecimento, tornando-o observável para
mico, a criança constrói hipóteses sobre as crianças em várias situações de escri-
a escrita (pré-silábica, silábica, silábico- ta e leitura.
-alfabética, alfabética). A apropriação do Outro fator relevante é o desenvolvi-
sistema de escrita alfabética também se mento da consciência fonológica e gra-
relaciona à natureza da sua ortografia fofonêmica. A consciência fonológica
(mais transparente: relações mais diretas implica perceber que palavras, sílabas e
entre letras e sons; mais opaca: relações fonemas são unidades sonoras. Na Edu-
mais arbitrárias entre letras e sons) e da cação Infantil e nos anos iniciais do En-
estrutura das sílabas (CV, V, CVC etc.). sino Fundamental, muito se pode fazer
Do ponto de vista pedagógico, a aborda- no plano da oralidade, operando com a
gem do sistema pode ser feita no con- dimensão lúdica dos jogos sonoros pre-
texto de atividades de leitura e escrita de sentes, por exemplo, em brincadeiras
textos ou com atividades que fazem sen- de tradição oral, poemas, quadrinhas,
tido por serem desafiadoras e lúdicas. O trava-línguas e jogos de linguagem com
trabalho só será produtivo se considerar as palavras, destacando os recursos ex-
o papel ativo das crianças, suas hipóte- pressivos (rimas e aliterações). Por sua
ses e a natureza do sistema de escrita. vez, a consciência grafofonêmica implica
estabelecer relações entre letras e sons,
Nesse sentido, o conhecimento das le-
habilidade que se desenvolve a partir
tras do alfabeto, de como elas apare-
da leitura e escrita de palavras e com a
cem nos nomes próprios e em palavras
comparação de palavras escritas, uma
significativas para as crianças, tem sido
vez que a escrita é uma representação

59
dos sons da fala. cionar as letras que julgarem adequadas
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

para representar as unidades sonoras.


Com a comparação de palavras escritas
A leitura, por sua vez, por um processo
com as mesmas letras em várias posi-
inverso, ocorre por meio do reconheci-
ções, há um favorecimento para a análise
mento visual desses mesmos componen-
dos aspectos sonoros. Por isso, defende-
tes da palavra escrita. Ao ler, as crian-
-se que deve ser feita uma relação entre
ças necessitam identificar os sons que
análise fonológica das palavras e sua for-
correspondem a uma letra ou a conjunto
ma escrita, pois a reflexão sobre a relação
de letras (leitura pela via fonológica) ou
oral/escrita, em suas várias dimensões
usar partes de palavras que já conhecem
(palavra, sílaba, fonema), contribui para a
para ler palavras novas ou reconhecer
construção do princípio alfabético.
palavras em seu aspecto global (via lexi-
Ler e escrever palavras configuram-se cal), por já terem muita vivência com de-
como operações fundamentais, pois en- terminada palavra escrita, como nomes
volvem pensar nos aspectos semânticos, significativos ou que aparecem com mui-
lexicais, fonológicos e gráficos. A escrita ta frequência.
de palavras representa o registro gráfico
Favorecer a leitura e escrita de palavras
de uma palavra percebida pela criança
não significa que as crianças deixarão de
em seus componentes fonológico e se-
ler e escrever textos de forma comparti-
mântico. Ao escrever, as crianças pre-
lhada, em várias situações pedagógicas,
cisam segmentar a palavra oral e sele-
mas que a escrita e a leitura de palavras

60
PRÁTICA/EIXO:

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


APROPRIAÇÃO DO SISTEMA 4/5 6 ANOS 7 ANOS 8 ANOS
ALFABÉTICO/ORTOGRÁFICO DE ESCRITA ANOS

Compreender as funções de signos não


verbais e outros símbolos presentes na
sociedade.
Saber que se escreve com letras e
diferenciar letras de desenhos e
números.
Conhecer a direção e o alinhamento da
escrita.

CONHECIMEN
TO DAS
LETRAS DO Identificar letras do próprio nome e de
ALFABETO E outras palavras significativas.
DE OUTROS
SÍMBOLOS

Explorar a ordem alfabética como pista


para identificar letras, palavras e para
compreender seus usos.
Levantar hipóteses sobre as letras que
compõem a escrita de palavras
significativas, de forma espontânea ou
ditando para a professora escrever.
Escrever letras ouvindo seu nome.
Identificar e reconhecer as letras do
alfabeto em letra de imprensa maiúscula.

Identificar e reconhecer as letras do


alfabeto em letra de imprensa minúscula.
Grafar as letras do alfabeto em letra de
imprensa maiúscula.
Grafar as letras do alfabeto em letra
cursiva.

61
Memorizar e recitar quadrinhas,
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

parlendas e trava-línguas.
Segmentar palavras orais em sílabas.
Identificar palavras que rimam ao ouvir
quadrinhas e poemas.
Identificar palavras que rimam e marcar
segmentos semelhantes em palavras
escritas.
Contar letras de palavras escritas.
Segmentar palavras escritas em sílabas.

Identificar número de sílabas de palavras


orais e/ou de palavras escritas.
Identificar semelhanças sonoras de
palavras orais e escritas a partir de
sílaba inicial.
Identificar semelhanças sonoras de
palavras orais e escritas, considerando a
letra inicial.
Substituir letra inicial de palavras,
formando novas palavras orais e/ou
escritas.
Substituir sílabas iniciais e finais,
formando novas palavras orais e
escritas.
CONHECIMEN Produzir rimas a partir de palavra falada
TO DAS e/ou escrita.
LETRAS DO Perceber que todas as sílabas
ALFABETO E constituídas por vogais.
DE OUTROS Compreender que o registro escrito se
SÍMBOLOS relaciona à linearidade sonora das partes
das palavras.
Agrupar palavras escritas considerando
a mesma letra inicial (ex. mola, medo,
mico/bota, bico, bala, bule)

Comparar palavras escritas


considerando mudanças na letra inicial
(ex. pato/rato, mato/gato, pia/mia)

Substituir letra inicial de uma palavra


escrita, formando uma nova palavra,
através de comutação (ex. cala, bala,
mala, sala/pato, mato, cato, bato/, etc.).

62
Reconhecer o próprio nome e palavras

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


muito frequentes de uso cotidiano e
escolar.
Escrever, com apoio na memória, o
próprio nome.
Escrever palavras significativas, de
forma espontânea e não convencional,
usando os recursos que conhece.
Ler, com apoio na memória, palavras
muito frequentes em sala de aula e na
vida cotidiana.
Escrever, com apoio na memória,
palavras muito frequentes de uso em
sala de aula e no cotidiano.
Ler palavras compostas por fonemas
consonantais que têm correspondência
direta no português (P, B, T, D, V, F).
Escrever palavras compostas por
LEITURA E fonemas consonantais que têm
ESCRITA DE correspondência direta no português (P,
PALAVRAS B, T, D, V, F).
Ler palavras compostas por sílabas
canônicas, formadas por consoante e
vogal.
Escrever palavras contendo sílabas
canônicas formadas de consoante e
vogal.
Ler palavras formadas por sílabas não
canônicas (V, CVC, CCV, CCVCV...).
Escrever palavras formadas por sílabas
não canônicas (V, CVC, CCV,
CCVCV...).
Ler palavras regulares frequentes
utilizando regras de correspondências
contextuais.
Escrever palavras regulares, utilizando
regras de correspondências contextuais.
Ler palavras compostas por
correspondências irregulares.
Quadro 4 - Sistema alfabético/ortográfico de escrita

63
é um componente importante na alfabe- respeitando certas convenções. A escrita
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

tização. Em atividades que envolvem pa- de textos na alfabetização pode ser feita
lavras, as crianças podem, por exemplo, de forma mediada (tendo o(a) professor(a)
montar palavras com letras móveis, com- ou colega como escriba), espontaneamen-
pletar sílabas ou letras que faltam em pa- te ou na forma de reescrita de textos ouvi-
lavras, consultar palavras no dicionário, dos ou lidos. Muitas habilidades a serem
trabalhadas dependem da escolha de tex-
para escrever convencionalmente.
tos representativos de gêneros em uso.
e) Produção de textos escritos
Assim, orienta-se a produção de gêne-
A produção de textos é um processo que ros escritos diversos de forma mediada
deve sempre considerar a situação de in- e autônoma, conforme as possibilidades
teração. Isso supõe ajustar os textos à sua e as idades das crianças: autobiografia,
finalidade (por que escrever), aos interlo-
quadrinhas, verbetes, reconto, relato,
cutores (para quem escrever), à estrutu-
mensagens, avisos, receitas, instruções,
ra textual (como o texto se organiza) e ao
legenda, cartaz, cartas, diários, dentre
gênero textual a ser escrito e seu suporte,

64
PRÁTICA/EIXO:

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


4/5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS 8 ANOS
PRODUÇÃO DE TEXTOS ESCRITOS

Utilizar a escrita espontânea ou outras


linguagens, como fotos, desenhos, para
expressar ideias, desejos e sentimentos
sobre suas vivências.

Produzir suas próprias histórias escritas


(escrita espontânea ou convencional),
em contextos sociais significativos.

Produzir textos de diferentes gêneros


vivenciados na leitura, atendendo a
diferentes finalidades, por meio da
atividade de um escriba ou com
autonomia.
Produzir textos orais a serem escritos
pelo professor, respeitando algumas
características formais da língua escrita,
usando como repertório gêneros e temas
conhecidos.

Escrever textos próximos do seu


universo (gêneros já vivenciados na
leitura e frequentes em sala de aula e no
cotidiano), respeitando características
formais da língua escrita, os gêneros e
seus tipos, considerando o contexto de
interação e de circulação.

Recontar oralmente uma história,


respeitando características do gênero
que circula na linguagem escrita, tais
como estrutura textual, construção de
frases, vocabulário.

Reescrever textos a partir de um texto-


fonte lido ou ouvido, respeitando a sua
estrutura composicional, o vocabulário e
os modos de organização da escrita.

Pontuar textos, favorecendo a


legibilidade e compreensão do leitor,
mobilizando recursos ortográficos (uso
de maiúsculas e minúsculas, por
exemplo).

Quadro 5 -Textos escritos

65
outros, compostos com variadas estru- da realidade dos sujeitos envolvidos e dos
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

turas tipológicas (narrativa, descritiva, contextos educativos. Ele apresenta uma


argumentativa, injuntiva), conforme os proposta global e contínua, possibilitando
campos de atuação da BNCC: Campo da ao(à) professor(a) identificar os objetos de
vida cotidiana, Campo da vida pública, conhecimentos essenciais elencados para
Campo artístico- literário e Campo das as faixas etárias/ano de escolaridade an-
terior e posterior àquela com a qual ele(a)
práticas de estudo e pesquisa.
trabalha.

Considerando que a matemática está pre-


5.4 Conhecimentos essenciais sente na vida humana e que as crianças
para o processo de alfabetização acessam informações e participam cotidia-
matemática e numeramento namente de experiências que remetem a
saberes matemáticos, é necessária a via-
Outro desafio superado, e que nos trouxe
bilização de práticas pedagógicas signifi-
imensa alegria, foi a elaboração dos co-
cativas, que requerem uma escuta atenta
nhecimentos essenciais para o desenvol-
dessas vivências e a promoção de víncu-
vimento da Alfabetização Matemática e
los efetivos com as famílias. Essas práti-
do Numeramento, apresentados a seguir.
cas também devem propiciar contextos
Com todas as suas nuances de complexi-
educativos que levem as crianças a explo-
dade e de incertezas, o momento histórico
rar, a problematizar e se a apropriarem de
que estamos vivendo requer novos olha-
conhecimentos matemáticos acumulados
res e nos provoca a reconstruir, a criar e
ao longo da história da humanidade, que
a reinventar novos saberes e fazeres nas
as permitam desenvolver habilidades es-
práticas pedagógicas.
senciais na infância e em todas as fases
Partindo dessa compreensão e da neces- da vida, tais como posicionar-se, comuni-
sidade de avançar em um caminho mais car e tomar decisões.
produtivo e coerente com as demandas e
Para a organização da proposta para a Al-
especificidades das crianças, foi proposta
fabetização Matemática e o Numeramen-
a elaboração deste documento, que pre-
to, assim como no caso da Alfabetização e
tende compor o conjunto de objetos de
do Letramento, foram selecionadas apren-
conhecimentos essenciais para a alfabeti-
dizagens essenciais para serem trabalha-
zação matemática, na faixa etária de 4 a 8
das de forma articulada e específica nesse
anos, apresentando uma progressão con-
momento de excepcionalidade, tomando
tínua das aprendizagens essenciais a se-
como referência a BNCC (BRASIL, 2018),
rem desenvolvidas na Educação Infantil e
o Currículo Mineiro (MINAS GERAIS,
no Ensino Fundamental, etapas iniciais da
2018) e as práticas evidenciadas no coti-
Educação Básica, coerentemente com o
diano das escolas da Rede Municipal de
Projeto APPIA – Um Olhar para a Infância.
Educação.
Vale ressaltar que não se trata de um do-
Embora compreendamos a multiplicidade
cumento fechado e estático, mas aberto
de experiências que as infâncias propor-
a inúmeras possibilidades de ampliação
cionam às crianças, vale ressaltar que este
e adequação, tendo em vista a dinâmica

66
documento se referenciou no campo de (BRASIL, 2018) e do Currículo Mineiro (MI-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


experiências “Espaços, Tempos, Quanti- NAS GERAIS, 2018) e foram organizados
dades, Relações e Transformações” (BRA- sem hierarquias entre eles, ou seja, o de-
SIL, 2018, p.42-43, 51-52), que também senvolvimento de habilidades pode e deve
mantém interface com outros campos de acontecer concomitantemente.
experiências. Organizaram-se os objetivos
Dessa forma, o documento pretende con-
de aprendizagem/habilidades (aprendiza-
tribuir para que o ensino e a aprendizagem
gens essenciais) para a faixa etária de 4 e
dos conhecimentos essenciais se deem de
5 anos em uma única coluna e para o Ensi-
forma diferenciada. Isso supõe repensar
no Fundamental, nos três primeiros anos,
e planejar ações e estratégias adequadas
definiu-se pela organização ano a ano, re-
para a efetivação desses conhecimentos,
ferenciada na Base Nacional Comum Cur-
seja no ensino remoto, no presencial ou no
ricular (BRASIL, 2018, p. 276-289).
híbrido, considerando as condições e par-
O documento também apresenta a colu- ticularidades de cada escola, seus(suas)
na “Objetos de conhecimento”, com o de- profissionais e suas famílias.
talhamento dos conhecimentos a serem
Certamente, não houve pretensão de es-
trabalhados em cada faixa etária/ano de
gotar todas as possibilidades dos conhe-
escolaridade, num movimento de progres-
cimentos lógico-matemáticos neste docu-
são contínua, de forma a contribuir direta
mento. Partindo da premissa de que os
e objetivamente para o planejamento e o
contextos de ensino-aprendizagem, assim
trabalho do(a) professor(a).
como os sujeitos que deles participam,
Para demonstrar como se dá esse conti- são múltiplos e peculiares, compreende-
nuum na aprendizagem dos conhecimen- mos que as ideias e as concepções aqui
tos, apresentamos uma escala em dégra- abordadas podem contribuir para fomentar
dé, num movimento diagonal, de tonalidade discussões no cotidiano da equipe peda-
mais clara para a mais escura, conforme o gógica e inspirar a elaboração de novas
ano de escolaridade e o aprofundamento propostas de trabalho com experiências
do objeto de conhecimento, de forma que matemáticas significativas na infância.
cada nova experiência está relacionada
com as anteriores. É importante conside-
rar que a referência ano a ano indica, de
acordo com a BNCC, onde se pretende
chegar, mas o ponto de partida para o pla-
nejamento precisa ser sempre a criança, o
que ela já sabe e o que é necessário fazer
para alcançar esses objetivos, indicando,
assim, fluidez de uma aprendizagem inicial
para uma aprendizagem consolidada.

Os códigos utilizados na identificação das


aprendizagens essenciais da Matemáti-
ca também seguem os critérios da BNCC

67
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

68
Figura 2 - Conhecimento essenciais da matemática
Conhecimentos Essenciais do Processo de Alfabetização Matemática e Numeramento

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Proposta para o trabalho com crianças do recorte etário de 4 a 8 anos

Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações


Eixo: Geometria
Aprendizagens essenciais (atitudes,
procedimentos e habilidades) que 4e5 6 7 8
Objetos de conhecimento
ocorrerão de forma articulada e anos anos anos anos
específica.
Localização e movimentação de Descrever e registrar pequenos
pessoas e objetos no espaço: deslocamentos de objetos ou de
descrição do deslocamento e da pessoas no espaço, tendo como
posição em relação a si mesmo e a um referência seu próprio corpo, orientando-
ponto de referência. Desenvolvimento se por noções como em frente, atrás, em
de noções de direita, esquerda, em cima, embaixo, direita e esquerda,
cima, embaixo, em frente, atrás, ao alternando diferentes direções e
lado. posições, durante as situações de
interações e brincadeiras. (Smed)
Descrever e registrar a localização e o
deslocamento de pessoas e de objetos
Localização de objetos e de pessoas
no espaço, segundo um dado ponto de
no espaço, utilizando diversos
referência, compreendendo que, para a
pontos de referência e vocabulário
utilização de termos que se referem à
apropriado:
posição, como direita, esquerda, em
esboço do deslocamento realizado.
cima, embaixo, é necessário explicitar o
referencial. (EF01MA12)
Identificar e registrar, em linguagem
Localização, orientação e verbal ou não verbal, a localização, a
movimentação de pessoas e objetos orientação e os deslocamentos de
no espaço, segundo pontos de pessoas e de objetos no espaço,
referência, e indicação de mudanças considerando mais de um ponto de
de direção e sentido. referência, e indicar mudanças de
direção e de sentido. (EF02MA12)
Descrever e representar, por meio de
Localização, orientação e esboços de trajetos ou utilizando croquis
movimentação - representação de e maquetes, a movimentação de
objetos e pontos de referência: pessoas ou de objetos no espaço,
utilização de esboços de trajetos, incluindo mudanças de direção e
croquis e maquetes. sentido, com base em diferentes pontos
de referência. (EF03MA12)
Classificação de objetos ou figuras, Classificar objetos e figuras, de acordo
de acordo com suas características, com suas semelhanças e diferenças.
semelhanças e diferenças. (EI03ET05)
Figuras geométricas espaciais Relacionar figuras geométricas espaciais
(esferas, cones, cilindros e blocos (cones, cilindros, esferas e blocos
retangulares): retangulares) a objetos familiares do
relação com objetos familiares do mundo físico. (EF01MA13)
mundo físico.
Figuras geométricas espaciais Reconhecer, nomear e comparar figuras
(cubo, bloco retangular, pirâmide, geométricas espaciais (cubo, bloco
cone, cilindro e esfera): retangular, pirâmide, cone, cilindro e

69
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Geometria
Aprendizagens essenciais (atitudes,
procedimentos e habilidades) que 4e5 6 7 8
Objetos de conhecimento
ocorrerão de forma articulada e anos anos anos anos
específica.
reconhecimento e características. esfera), relacionando-as com objetos do
mundo físico. (EF02MA14)

Identificar e nomear figuras planas


(círculo, quadrado, retângulo e triângulo)
Figuras geométricas planas:
em desenhos apresentados em
reconhecimento do formato das faces
diferentes disposições ou em contornos
de figuras geométricas espaciais.
de faces de sólidos geométricos.
(EF01MA14)
Reconhecer, comparar e nomear figuras
planas (círculo, quadrado, retângulo e
Figuras geométricas planas (círculo,
triângulo), por meio de características
quadrado, retângulo e triângulo):
comuns, em desenhos apresentados em
reconhecimento e características.
diferentes disposições ou em sólidos
geométricos. (EF02MA15)

70
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Eixo: Álgebra

Aprendizagens essenciais
4e5 6 7
(atitudes, procedimentos e 8
Objetos de conhecimento ano ano ano
habilidades) que ocorrerão de anos
s s s
forma articulada e específica.
Estabelecer relações de
Exploração, organização, classificação e comparação entre objetos,
ordenação de objetos, materiais ou figuras observando suas propriedades.
que fazem parte do seu cotidiano, utilizando (EI03ET01)
todos os sentidos e observando suas Classificar objetos e figuras, de
características. acordo com suas semelhanças e
diferenças. (EI03ET05)
Classificação de objetos mediante um Organizar e ordenar objetos
atributo comum, como cor, forma e tamanho: familiares ou representações por
- explicitação de critérios de classificação figuras, por meio de atributos tais
utilizados num agrupamento; como cor, forma e medida.
- seriação de objetos, de acordo com critérios (EF01MA09)
determinados.
Construção de sequências repetitivas e de Construir sequências de números
sequências recursivas: naturais, em ordem crescente ou
- ordenação de números de dois algarismos em decrescente, a partir de um
séries crescentes e decrescentes; número qualquer, utilizando uma
- indicação do número que vem logo após outro regularidade estabelecida.
ou imediatamente antes de outro (sucessor e (EF02MA09)
antecessor);
- identificação da regularidade de uma
sequência.
Identificação e descrição de regularidades Identificar regularidades em
em sequências numéricas recursivas: sequências ordenadas de
- regularidades em sequências ordenadas de números naturais, resultantes da
números naturais resultantes da realização de realização de adições ou
adições ou subtrações sucessivas por um subtrações sucessivas por um
mesmo número (2, 13, 24, 35…, adição mesmo número, descrever uma
sucessiva de 11; ou 150, 135, 120, 105, regra de formação da sequência
subtração sucessiva de 15); e determinar elementos faltantes
- ordenação de números de até três algarismos ou seguintes. (EF03MA10)
em séries crescentes e decrescentes.
- reconhecimento de regularidades em
sequências;
- identificação e descrição do padrão de uma
sequência.

71
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Números
Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4 e 5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Investigação sobre as relações de igualdade Relacionar números a suas
ou desigualdade (mais que/menos que, respectivas quantidades e
maior que/menor que, igual a/diferente de): identificar o antes, o depois e o
-- representação de quantidades utilizando entre em uma sequência.
registros não convencionais e convencionais; (EI03ET07)
- estabelecimento de relações entre número,
numeral e quantidades, utilizando materiais
concretos em contextos significativos.
Utilização de diferentes instrumentos de Registrar observações,
medição convencional e não convencional, manipulações e medidas,
a fim de estabelecer distância, comprimento, usando múltiplas linguagens
capacidade (litro e massa), com a (desenho, registro por números
participação das crianças na verificação de ou escrita espontânea), em
suas próprias medidas: diferentes suportes. (EI03ET04)
- investigação sobre a relação de igualdade ou
desigualdade (mais que/menos que, maior
que/menor que, igual a/diferente de);
- representação de quantidades utilizando
registros não convencionais e convencionais;
- estabelecimento de relações entre número,
numeral e quantidades, utilizando materiais
concretos em contextos significativos.
Contagem de rotina. Contagem ascendente Utilizar números naturais como
e descendente. Reconhecimento de indicadores de quantidade ou de
números no contexto diário: ordem em diferentes situações
- indicação de quantidades, de ordem ou de cotidianas e reconhecer
código para a organização de informações; situações em que os números
- conhecimento da notação de algarismos para não indicam contagem, nem
utilização em diversos contextos; ordem, mas código de
- contagem oral e escrita da sequência identificação. (EF01MA01)
numérica de 1 em 1, a partir de 1 e também a
partir de um determinado número; - contagem
oral de 10 em 10, até 100;
- compreensão do papel do algarismo zero na
contagem.
Quantificação de elementos de uma coleção Estimar e comparar quantidades
- estimativa, contagem um a um, de objetos de dois conjuntos
pareamento ou outros agrupamentos e (em torno de 20 elementos), por
comparação: estimativa e/ou por
- comparação e complementação de grupos de correspondência (um a um, dois
objetos utilizando diferentes estratégias para a dois), para indicar “tem mais”,
quantificá-los (correspondência, estimativa). “tem menos” ou “tem a mesma

72
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Eixo: Números
Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4 e 5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
quantidade”. (EF01MA03)

Leitura, escrita e comparação de números Contar a quantidade de objetos


naturais (até 100): de coleções compostas por até
- reta numérica, identificação dos símbolos 100 unidades e apresentar o
utilizados para codificar números de 0 a 9; resultado por registros verbais e
- escrita correta dos algarismos; simbólicos, em situações de seu
- escrita dos números até 100, observando a interesse, como jogos,
regularidade da sequência numérica; brincadeiras, materiais da sala
- leitura dos números até 100, observando a de aula, entre outros.
regularidade da sequência numérica. (EF01MA04)
Leitura, escrita e comparação de números Comparar números naturais de
naturais (até 100): até duas ordens em situações
- reta numérica, inserção de um grupo entre cotidianas, com e sem suporte
outros organizados por ordem numérica; da reta numérica. (EF01MA05)
- determinação do número que vem logo após
outro ou imediatamente antes do outro
(antecessor e sucessor).
Leitura, escrita, comparação e ordenação de Comparar e ordenar números
números de até três ordens pela naturais (até a ordem de
compreensão de características do sistema centenas) pela compreensão de
de numeração decimal (valor posicional e características do sistema de
papel do zero): numeração decimal (valor
- realização de contagem oral da sequência posicional e função do zero).
numérica de 1 em 1, 2 em 2, 5 em 5 e 10 em (EF02MA01)
10, a partir de um número determinado;
- utilização da calculadora para a produção de
escritas numéricas;
- identificação das duas primeiras ordens do
sistema de numeração decimal, nomeando-as;
- identificação da posição das duas primeiras
ordens do sistema de numeração decimal em
números de dois algarismos.

73
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Números
Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4 e 5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Composição e decomposição de números Identificar características do
naturais: sistema de numeração decimal,
- identificação das quatro primeiras ordens do utilizando a composição e a
sistema de numeração decimal, nomeando-as; decomposição de número
- identificação da posição das quatro primeiras natural de até quatro ordens.
ordens do sistema de numeração decimal em (EF03MA02)
números de quatro algarismos;
- determinação do valor absoluto e relativo dos
algarismos em número de até quatro ordens;
- composição e decomposição de números
naturais de quatro algarismos, considerando
suas ordens e a soma indicada dos valores
relativos dos seus algarismos;
- reconhecimento de diferentes decomposições
de um número;
- realização de agrupamentos de dezenas,
dando origem à centena;
- registro de números obtidos nos
agrupamentos;
- identificação de um objeto do grupo como
uma unidade;
do grupo de 10 como uma dezena; do grupo de
100 como uma centena.
Construção de fatos fundamentais da adição Construir fatos básicos da
e da subtração: adição e da subtração e utilizá-
- identificação dos fatos fundamentais da los no cálculo mental ou escrito.
adição e da subtração. (EF02MA05)
- registro dos fatos fundamentais da adição e
da subtração na forma horizontal e vertical;
- resolução de adição e de subtração com
números de um algarismo (fato fundamental)
para obter o resultado.
- demonstração, com uso de materiais, que dois
ou mais grupos de objetos podem ser reunidos,
passando a constituir um grupo maior; que um
ou mais objetos podem ser acrescentados a
outro grupo, tendo como resultado um grupo
maior; que é possível retirar um grupo de
objetos de outro grupo, desde que esse seja
igual ou maior;
- comparação de dois grupos de objetos para
descobrir a diferença numérica entre eles, ou
seja, quanto um possui a mais ou a menos
(comparação de quantidades);
- indicação de quantos objetos faltam a um
grupo para que ele tenha uma determinada
quantidade;

74
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Eixo: Números
Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4 e 5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Leitura, escrita, comparação e ordenação de Ler, escrever e comparar
números naturais de quatro ordens: números naturais até a ordem
- registro do número de objetos obtidos em uma de unidade de milhar,
contagem; estabelecendo relações entre os
- escrita correta dos algarismos; escrita de registros numéricos e em língua
números de até quatro algarismos; materna. (EF03MA01)
- leitura de números de até quatro algarismos;
- representação de números com até quatro
algarismos, utilizando diferentes materiais;
- realização de contagem oral da sequência
numérica de 1 em 1, 2 em 2, 5 em 5 e 10 em
10, a partir de determinado número e entre dois
números determinados;
- utilização da calculadora para a produção de
escritas numéricas.
Compor e decompor número de
Composição e decomposição de números
até duas ordens, por meio de
naturais:
diferentes adições, com o
- contagem de objetos, reunindo-os em grupos
suporte de material manipulável,
de dez;
contribuindo para a
- realização de agrupamentos de dez,
compreensão de características
determinando o número de grupos;
do sistema de numeração
- conhecimento dos conceitos de quantidades
decimal e o desenvolvimento de
numéricas (dúzia, meia dúzia, dezena e meia
estratégias de cálculo.
dezena).
(EF01MA07)
Composição e decomposição de números Compor e decompor números
naturais (até 1000): naturais de até três ordens, com
- composição e decomposição de números suporte de material manipulável,
naturais de dois algarismos; por meio de diferentes adições.
- realização de agrupamentos de dez, (EF02MA04)
determinando o número de grupos e a
quantidade de objetos que sobram;
- realização de agrupamentos de dez, dando
origem a dezenas;
- registro dos números obtidos nos
agrupamentos;
- identificação de um objeto do grupo como 1
unidade;
- identificação do grupo de dez como 1 dezena.

75
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Números
Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4 e 5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
- utilização de estimativa ao trabalhar com
quantidades;
- realização de cálculos utilizando estratégias
próprias;
- utilização do pensamento matemático, com a
utilização dos fatos básicos;
- resolução de situação-problema de adição e
subtração, a partir de registros pessoais.
Identificação dos fatos fundamentais da Consolidar os fatos básicos da
adição e da subtração: adição e da subtração para o
- registro de fatos fundamentais da adição e da cálculo mental ou escrito.
subtração; (Smed)
- associação da adição e da subtração aos
seus significados (reunir, agrupar, tirar,
comparar, completar.)
- realização de cálculos utilizando estratégias
com o uso de desenhos, símbolos, contagem,
estimativa, decomposição e composição de
números e materiais manipulativos (ábaco,
material dourado, fichas);
- desenvolvimento de estratégias de
aproximação, estimativa e cálculo mental para
adição e subtração.
Problemas envolvendo diferentes Resolver e elaborar problemas
significados da adição e da subtração de adição e de subtração,
(juntar, acrescentar, separar, retirar): envolvendo números de até dois
- resolução de problemas envolvendo diferentes algarismos, com os significados
significados da adição e da subtração, de juntar, acrescentar, separar e
utilizando estratégias próprias; retirar, com o suporte de
- descrição do processo de resolução dos imagens e/ou material
problemas; manipulável, utilizando
- elaboração de problemas envolvendo estratégias e formas de registro
diferentes significados da adição e da pessoais. (EF01MA08)
subtração.
Problemas envolvendo diferentes Resolver e elaborar problemas
significados da adição e da subtração de adição e de subtração,
(juntar, acrescentar, separar, retirar e envolvendo números de até três
comparar):
ordens, com os significados de
- resolução de problemas envolvendo diferentes
significados da adição e da subtração, juntar, acrescentar, separar,
utilizando estratégias próprias; retirar, comparar, utilizando
- descrição do processo de resolução dos estratégias pessoais ou
problemas; convencionais. (EF02MA06)
- elaboração de problemas envolvendo os
diferentes significados da adição e da
subtração.

76
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Eixo: Números
Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4 e 5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Problemas envolvendo significados da Resolver e elaborar problemas
adição e da subtração (juntar, acrescentar, de adição e subtração com os
separar, retirar, comparar e completar significados de juntar,
quantidades): acrescentar, separar, retirar,
- resolução e elaboração de problemas comparar e completar
envolvendo diferentes significados da adição e quantidades, utilizando
da subtração; diferentes estratégias de cálculo
- resolução e elaboração de problema exato ou aproximado, incluindo
envolvendo adição, em que é procurado o valor cálculo mental. (EF03MA06)
da soma ou de uma parcela;
- resolução e elaboração de problema
envolvendo subtração, em que é procurado o
valor do resto, do minuendo ou do subtraendo;
- descrição do processo de resolução dos
problemas;
- resolução e elaboração de problemas
envolvendo a adição e a subtração em uma
mesma situação.
Problemas envolvendo diferentes Resolver e elaborar problemas
significados da multiplicação e da divisão: de multiplicação (por 2, 3, 4, 5 e
- adição de parcelas iguais, proporcionalidade, 10), com os significados de
configuração retangular, repartição em partes adição de parcelas iguais,
iguais e medida; proporcionalidade, combinatória
- significados da multiplicação (repetição de e elementos apresentados em
parcelas iguais, proporcionalidade,) e disposição retangular, utilizando
significados da divisão (partilha); diferentes estratégias de cálculo
- estabelecimento de relações numéricas para e registros. (EF03MA07)
obter os resultados dos fatos fundamentais;
- demonstração, com uso de materiais, que
quantidades iguais podem ser reunidas para se
obter outra, relacionando a adição de números
iguais à multiplicação, com uso da expressão
"vezes";
- estabelecimento da relação de
proporcionalidade entre dois números em
diferentes contextos;
- associação da multiplicação à combinação de
objetos de dois grupos, considerando todas as
possibilidades;
- associação da multiplicação à sua
representação em uma configuração retangular;
- demonstração, com uso de materiais, que
uma mesma quantidade pode ser repartida em
partes numericamente iguais;
- demonstração, com uso de materiais, de
quantas vezes um grupo está contido no outro;
- interpretação de situações que demandam

77
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Números
Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4 e 5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
ação de reunir quantidades iguais, nas
vivências do cotidiano;
- resolução de problemas envolvendo diferentes
significados da multiplicação (adição de
parcelas iguais, proporcionalidade,
combinatória, configuração retangular),
utilizando estratégias próprias;
- descrição do processo de resolução dos
problemas;
- elaboração de problemas envolvendo os
diferentes significados da multiplicação (adição
de parcelas iguais, proporcionalidade,
combinatória, configuração retangular).

78
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Eixo: Grandezas e Medidas

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
OBJETOS DE CONHECIMENTO
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Mudanças em diferentes materiais, Observar e descrever mudanças
resultantes de fenômenos naturais ou em diferentes materiais,
artificiais, como o derretimento do gelo, resultantes de ações sobre eles,
crescimento de plantas, apodrecimento de em experimentos envolvendo
frutos, cozimento de produtos alimentícios fenômenos naturais e artificiais.
etc. (EI03ET02)
Experienciar e comparar
comprimentos, capacidades ou
Medidas de comprimento, capacidade e massas, por meio de estratégias
massa: pessoais e instrumentos de
medição utilizando unidades de medida não medida não convencionais,
convencionais (noções de mais alto, mais utilizando noções como: mais
baixo, mais comprido, mais curto, mais grosso, alto, mais baixo, mais comprido,
mais fino, mais largo, mais pesado, mais leve, mais curto, mais grosso, mais
cabe mais, cabe menos, entre outros). fino, mais largo, mais pesado,
mais leve, cabe mais, cabe
menos, entre outros. (Smed)
Utilização de diferentes instrumentos de Registrar observações,
medição convencional e não convencional, manipulações e medidas, usando
a fim de estabelecer distância, comprimento, múltiplas linguagens (desenho,
capacidade (litro e massa), com a registro por números ou escrita
participação das crianças pequenas na espontânea), em diferentes
verificação de suas próprias medidas: suportes. (EI03ET04)
- investigação sobre a relação de igualdade ou
desigualdade (mais que/menos que, maior
que/menor que, igual a/diferente de);
- representação de quantidades, utilizando
registros não convencionais e convencionais;
- estabelecimento de relações entre número,
numeral e quantidades, utilizando materiais
concretos em contextos significativos.
Medidas de comprimento, massa e Comparar comprimentos,
capacidade (comparações e unidades de capacidades ou massas,
medida não convencionais): utilizando termos como mais alto,
- medição de comprimentos, utilizando mais baixo, mais comprido, mais
unidades de medida não padronizadas curto, mais grosso, mais fino,
(polegada, palmo, pé, passo); mais largo, mais pesado, mais
- comparação dos resultados de medições leve, cabe mais, cabe menos,
realizadas com o uso de medidas não entre outros, para ordenar objetos
padronizadas; de uso cotidiano. (EF01MA15)
- utilização de termos como: menor, maior,
médio, alto, baixo, comprido, curto, estreito,
largo, longe, perto;
- comparação da massa de objetos em
vivências, determinando o pesado/leve;
- medição de capacidades, utilizando unidades

79
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Grandezas e Medidas

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
OBJETOS DE CONHECIMENTO
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
de medida não padronizadas;
- comparação de capacidade de diferentes
recipientes;
- utilização dos termos cheio/vazio.

Medida de comprimento: unidades não Estimar, medir e comparar


padronizadas e padronizadas (metro, comprimentos de lados de salas
centímetro e milímetro): (incluindo contorno) e de
- medição de comprimentos, utilizando polígonos, utilizando unidades de
unidades de medida não padronizadas; medida não padronizadas e
- comparação dos resultados de medições padronizadas (metro, centímetro
realizadas com o uso de medidas não e milímetro) e instrumentos
padronizadas; adequados. (EF02MA16)
- utilização de termos como: menor, maior,
médio, alto, baixo, comprido, curto, estreito,
largo, longe, perto;
- reconhecimento do uso das medidas de
comprimento em situações práticas do
cotidiano;
- identificação do metro como unidade padrão
de medida de comprimento;
- identificação de instrumentos de medida de
comprimento (metro não graduado, metro
articulado, metro de prumo, trena, fita métrica);
- medição e comparação de resultados de
medições;
- identificação do uso do metro, centímetro e
milímetro como unidades de medidas de
comprimento;
- compreensão da adequação de uso do metro,
centímetro e milímetro.

80
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Eixo: Grandezas e Medidas

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
OBJETOS DE CONHECIMENTO
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Medida de capacidade e de massa - Estimar, medir e comparar
unidades de medida não convencionais e capacidade e massa, utilizando
convencionais (litro, mililitro, grama e estratégias pessoais e unidades
quilograma): de medida não padronizadas ou
- reconhecimento do uso das medidas de padronizadas (litro, mililitro,
massa e de capacidade, em situações práticas grama e quilograma).
do cotidiano; (EF02MA17)
- identificação do quilograma e do grama como
unidades padronizadas de medida de massa;
- identificação de diferentes tipos de balança
como instrumento para medir massa;
- identificação de recipientes graduados
adequados para medir diferentes capacidades;
- identificação do litro e do mililitro como
unidades padronizadas de medida de
capacidade;
- compreensão da adequação de uso de
medidas de massa: quilograma e da grama;
- compreensão da adequação de uso de
medidas de capacidade: litro, mililitro.
Medidas de comprimento (unidades não Estimar, medir e comparar
convencionais e convencionais) - registro, comprimentos, utilizando
instrumentos de medida, estimativas e unidades de medida não
comparações: padronizadas e padronizadas
- medição de comprimentos, utilizando mais usuais (metro, centímetro e
unidades de medida não padronizadas; milímetro) e diversos
- comparação dos resultados de medições instrumentos de medida.
realizadas com o uso de medidas não (EF03MA19)
padronizadas;
- identificação do metro como unidade padrão
de medida de comprimento;
- medição e comparação de resultados de
medições utilizando o metro;
- identificação do centímetro e do milímetro
como unidades de medidas para pequenos
comprimentos;
- diferenciação de metro, centímetro e
milímetro, indicando situações adequadas para
sua utilização;
- utilização de instrumentos de medida de
comprimento adequados para cada situação.

81
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Grandezas e Medidas

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
OBJETOS DE CONHECIMENTO
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Medidas de capacidade e de massa Estimar e medir capacidade e
(unidades não convencionais e massa, utilizando unidades de
convencionais) - registro, estimativas e medida não padronizadas e
comparações; utilização de medidas não padronizadas mais usuais (litro,
padronizadas para massa e capacidade: mililitro, quilograma, grama e
- identificação do quilograma e da grama como miligrama), reconhecendo-as em
unidades padronizadas de medida de massa; leitura de rótulos e embalagens,
- identificação do litro e do mililitro como entre outros. (EF03MA20)
unidades padronizadas de medida de
capacidade;
- utilização de instrumentos adequados para
medir capacidade e massa.
Relatar fatos importantes sobre
seu nascimento e
Medidas de tempo relacionadas a fatos e desenvolvimento, a história dos
acontecimentos, desenvolvendo noções seus familiares e da sua
como antes, agora, depois, ontem, hoje, comunidade. (EI03ET06)
amanhã: Identificar, na interação com seus
- identificação de sequências temporais, a partir pares e com adultos, uma
da rotina e de passagens significativas do sequência temporal que organize
tempo. a rotina do dia e passagens
- ampliação do vocabulário adequado ao significativas do tempo,
conceito em seu uso social. ampliando o vocabulário
adequado ao conceito em uso
social. (Smed)
Medidas de tempo - unidades de medida de Relatar, em linguagem verbal ou
tempo, suas relações e o uso do calendário; não verbal, sequência de
estabelecimento de relações de ordem acontecimentos relativos a um
temporal: dia, utilizando, quando possível,
- associação de atividades do cotidiano a os horários dos eventos.
períodos do dia; (EF01MA16)
- reconhecimento do caráter cíclico de certas
atividades e fenômenos;
- utilização dos termos: antes, entre, depois,
ontem, hoje, amanhã, agora, já, pouco tempo,
muito tempo, ao mesmo tempo, depressa e
devagar;
- localização de atividades no quadro das
rotinas diárias de sala de aula e nos dias da
semana.

82
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


Eixo: Grandezas e Medidas

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
OBJETOS DE CONHECIMENTO
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Medidas de tempo - unidades de medida de Reconhecer e relacionar períodos
tempo, suas relações e o uso do calendário: do dia, dias da semana e meses
- medição do tempo gasto nas atividades de do ano, utilizando calendário,
sala de aula, utilizando unidades não quando necessário. (EF01MA17)
padronizadas e a ampulheta;
- utilização do relógio digital para marcar o
tempo;
- reconhecimento da sequência dos dias da
semana, nomeando-os corretamente;
- identificação do calendário como instrumento
de medida de tempo.
Medidas de tempo - indicação de intervalo Indicar a duração de intervalos de
de tempo, uso do calendário, leitura de tempo entre duas datas, como
horas em relógios digitais e ordenação de dias da semana e meses do ano,
datas: utilizando calendário, para
- utilização dos termos: antes, entre, depois, planejamentos e organização de
ontem, hoje, amanhã, agora, já, pouco tempo, agenda. (EF02MA18)
muito tempo, ao mesmo tempo, depressa e
devagar;
- localização de atividades no quadro das
rotinas diárias de sala de aula e nos dias da
semana;
- reconhecimento da sequência dos dias da
semana, nomeando-os corretamente;
- identificação do calendário como instrumento
de medida de tempo;
- leitura de calendário, relacionando o dia do
mês com o dia da semana.
Medidas de tempo - leitura de horas em Ler horas, em relógios digitais e
relógios digitais e analógicos, duração de analógicos, e reconhecer a
eventos e reconhecimento de relações entre relação entre hora e minutos e
unidades de medida de tempo: entre minuto e segundos.
- leitura de hora exata e meia hora, em relógios (EF03MA23)
analógicos e digitais;
- associação entre dia, hora, minuto e segundo;
- resolução e elaboração de problemas
envolvendo a leitura de horas e a duração de
eventos.
Sistema Monetário Brasileiro - Estabelecer a equivalência de
reconhecimento de cédulas e moedas e valores entre moedas e cédulas
equivalência de valores: do Sistema Monetário Brasileiro
- utilização de dinheiro em brincadeiras e para resolver situações
situações do cotidiano; cotidianas. (EF02MA20)
- leitura e escrita de quantias por extenso;
- compreensão da equivalência entre cédulas e
moedas do Sistema Monetário Brasileiro.

83
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Eixo: Grandezas e Medidas

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
OBJETOS DE CONHECIMENTO
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Sistema Monetário Brasileiro - Resolver e elaborar problemas
reconhecimento de cédulas e moedas e que envolvam a comparação e a
equivalência de valores: equivalência de valores
- identificação de cédulas e moedas do Sistema monetários do sistema brasileiro,
Monetário Brasileiro; em situações de compra, venda e
- leitura e escrita de quantias por extenso; troca. (EF03MA24)
- compreensão da equivalência entre cédulas e
moedas do Sistema Monetário Brasileiro em
situações de compra, venda e troca.

84
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE
Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações
Eixo: Probabilidade e Estatística

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
Identificar e selecionar fontes de
Identificação e seleção de diferentes fontes
informações, para responder a
de informação e consulta. Participação na
questões sobre a natureza, seus
elaboração de listas, tabelas, gráficos com
fenômenos e sua conservação.
medidas de diferentes grandezas.
(EI03ET03)
Registros e leitura de medidas (peso, altura Expressar medidas (peso, altura
etc.), utilizando gráficos básicos. etc.), construindo gráficos
básicos. (EI03ET08)
Leitura e localização de informações e Ler dados expressos em tabelas e
dados em tabelas simples: em gráficos de colunas simples.
- leitura de informações e dados em gráfico (EF01MA21)
pictórico e de colunas, produzidos ou não pela
turma;
- interpretação de informações e dados
explícitos e implícitos, em gráficos de colunas.
Coleta e organização de informações; Realizar pesquisa, envolvendo até
registros pessoais para comunicação de duas variáveis categóricas de seu
informações coletadas: interesse e universo de até 30
- preenchimento de tabela simples, com dados elementos, e organizar dados por
relativos a atividades de sala de aula; meio de representações pessoais.
- preenchimento de gráfico pictórico, com dados (EF01MA22)
relativos a atividades de sala de aula;
- preenchimento de gráfico de colunas simples
em malha quadriculada.
Coleta, classificação e representação de Comparar informações de
dados em tabelas simples e de dupla pesquisas apresentadas por meio
entrada e em gráficos de colunas: de tabelas de dupla entrada e em
- leitura e localização de informações e dados gráficos de colunas simples ou
em tabelas simples; barras, para melhor compreender
- leitura de informações e dados em gráfico aspectos da realidade próxima.
pictórico e de colunas, produzidos ou não pela (EF02MA22)
turma;
- interpretação de informações e dados,
explícitos e implícitos, em gráficos de colunas
ou barras.
Coleta, classificação e representação de Realizar pesquisa envolvendo
dados referentes a variáveis categóricas, variáveis categóricas, em um
por meio de tabelas e gráficos: universo de até 50 elementos;
- conhecimento dos diferentes tipos de organizar os dados coletados,
variáveis categóricas; planejamento de utilizando listas, tabelas simples
pesquisa; ou de dupla entrada e representá-
- coleta de dados: pesquisa envolvendo los em gráficos de colunas
variáveis categóricas em um universo de até 50 simples, com e sem uso de
elementos; tecnologias digitais. (EF03MA28)

85
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Campo de Experiências (EI): espaços, tempos, quantidades, relações e transformações


Eixo: Probabilidade e Estatística

Aprendizagens essenciais
(atitudes, procedimentos e 4e5 6 7 8
Objetos de conhecimento
habilidades) que ocorrerão de anos anos anos anos
forma articulada e específica.
- organização de dados coletados em listas,
tabelas simples ou de dupla entrada;
- preenchimento de tabela simples ou de dupla
entrada, com dados coletados;
- construção de gráfico de barras ou colunas
simples em malha quadriculada;
- utilização de softwares e/ou recursos digitais
para a construção de gráficos.
Leitura, interpretação e representação de Ler, interpretar e comparar dados
dados em tabelas de dupla entrada e apresentados em tabelas de dupla
gráficos de barras, comparação de entrada, gráficos de barras ou de
informações e dados em tabelas simples e colunas, envolvendo resultados
de dupla entrada: de pesquisas significativas,
- leitura de informações e dados em gráfico de utilizando termos como maior e
colunas ou barras; menor frequência e apropriando-
- interpretação de informações e dados, se desse tipo de linguagem para
explícitos e implícitos, em tabelas simples ou de compreender aspectos
dupla entrada e em gráficos de colunas ou significativos da realidade
barras; sociocultural. (EF03MA27)
- compreensão do significado de frequência;
- comparação de frequências.

86
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE
CONHECIMENTOS
ESSENCIAIS
PARA A TRAJETÓRIA FORMATIVA DA
6
INFÂNCIA À ADOLESCÊNCIA – APPIA –
HORIZONTES DA ADOLESCÊNCIA

87
Em atenção à demanda que emerge no processos formativos dos(as) estudantes.
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

contexto da pandemia da Covid-19, no


Os conhecimentos essenciais para a traje-
enfrentamento desse momento de distan-
tória formativa da infância à adolescência
ciamento social, diante da necessidade
têm como pressupostos o direito de apren-
de reorganização curricular e em respei-
dizagem dos(as) estudantes e a autonomia
to à continuidade do processo de ensi-
dos(as) professores(as) no planejamento e
no-aprendizagem dos estudantes, foram
na criação de estratégias para o desenvol-
construídos percursos curriculares com os
vimento do trabalho pedagógico, além de
conhecimentos essenciais para a trajetó-
reconhecer que a sala de aula é o coração
ria formativa da infância à adolescência.
que pulsa na escola. Neste contexto ex-
Esses percursos constituem-se como um
cepcional, a sala de aula é entendida como
eixo norteador e levam em conta que os
lugar simbólico em que professores(as),
conhecimentos dessa etapa da vida fa-
educadores/as e estudantes se encon-
zem parte do processo de ensino-aprendi-
tram, no espaço e no tempo, para construir
zagem que se iniciou na fase da infância.
conhecimentos, criar vínculos de formas
Nesse sentido, foi constituído um grupo variadas e fortalecer laços de afeto e co-
de trabalho que contou com a assesso- laboração mútua, como forma de possibi-
ria de professores(as) e pesquisadores/ litar momentos férteis de aprendizagens.
as do Centro Pedagógico da Escola de
A estrutura do Percurso Curricular per-
Educação Básica da Universidade Fede-
mite identificar as unidades temáticas,
ral de Minas Gerais e com a participação
os objetos de aprendizagem e as ha-
da equipe técnica da Secretaria Municipal
bilidades a serem desenvolvidas, ten-
de Educação de Belo Horizonte, de pro-
do em vista os componentes curricula-
fessores(as) da RME-BH que concluíram
res (Arte, Ciências, Educação Física,
o Curso de Especialização em Residên-
Geografia, História, Língua Estrangei-
cia Docente, entre outros, com o objetivo
ra, Língua Portuguesa e Matemática).
de elaborar um percurso curricular de co-
nhecimentos essenciais para servir de re- Considerando que cada escola é co-
ferência no contexto da pandemia. Essa nhecedora de sua realidade, o percurso
construção baseou-se no estudo de docu- curricular deve ser entendido como um
mentos curriculares referenciais, como as referencial flexível, que pode ser (re)sig-
Proposições Curriculares da Rede Munici- nificado, com vistas a reconhecer as ne-
pal de Educação de Belo Horizonte (BELO cessidades de cada estudante e de seu
HORIZONTE, 2010) e documentos já contexto familiar e social. Dessa forma,
considerados na elaboração do percurso a gestão escolar, a coordenação e o co-
curricular de conhecimentos essenciais letivo de professores(as) podem elaborar
para a infância1, considerando a impor- as estratégias que julgarem mais adequa-
tância do princípio da continuidade dos das e viáveis para transformar este currí-
1
Currículo de Referência de Minas Gerais (MINAS culo proposto em um currículo em ação.
GERAIS, 2018); Base Nacional Comum Curricular
(BRASIL, 2018).

88
Esse percurso curricular de referência re- por uma reflexão sobre o Projeto Políti-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


mete ao caráter disciplinar dos conteúdos co Pedagógico da escola e as condições
(objetos de conhecimento e habilidades), estruturais e pedagógicas disponíveis.
resguardando a especificidade de cada
Os objetos de conhecimento e respec-
componente curricular e valorizando o
tivas habilidades sinalizados com a cor
olhar da abordagem integrada, que pode
VERDE foram considerados como pas-
ser feita com as demais áreas do conhe-
síveis de interfaces entre os demais
cimento. Considerou-se a noção ampliada
componentes curriculares. Ou seja,
de conteúdo, com suas três dimensões in-
perpassam mais de um componen-
terdependentes: conceituais (conceitos,
te e não são exclusivos de um ou outro.
fatos e princípios), procedimentais (sa-
beres-fazeres, procedimentos e técnicas) É importante destacar que essa sinaliza-
e atitudinais (valores, normas e atitudes). ção não significa uma indicação de tra-
balho integrado ou articulado. O trabalho
O percurso curricular foi organizado em
pedagógico interdisciplinar é uma opção
conhecimentos essenciais, optativos, in-
metodológica e estratégica do coletivo
terfaces e não essenciais, que estão si-
de professores(as) e educadores(as). A
nalizados pelas cores AZUL – PRETO –
abordagem integradora é indicada tanto
VERDE – VERMELHO, respectivamente,
para os objetos de conhecimento quan-
como forma de possibilitar aos(às) profes-
to para as respectivas habilidades con-
sores(as) uma visão ampliada do currícu-
siderados essenciais e/ou optativas.
lo e garantir sua autonomia no processo
de delimitação, escolha ou seleção dos Os objetos de conhecimento e respec-
conhecimentos que são, de fato, essen- tivas habilidades sinalizados com a cor
ciais para o processo de aprendizagem VERMELHA foram considerados como
de cada estudante e em cada contexto. não essenciais, pois estão presentes
em outros anos escolares (anteriores e/
Os objetos de conhecimento e respec-
ou posteriores), além disso, alguns confi-
tivas habilidades sinalizados com a cor
guram-se como pressupostos do compo-
AZUL foram considerados essenciais,
nente curricular, não devendo ficar restri-
por se tratar de conceitos e ideias es-
tos a um ou outro ano escolar. E, ainda,
truturantes do componente curricular,
em alguns componentes curriculares, há
favorecendo a compreensão de ou-
objetos de conhecimento cuja abordagem
tros conteúdos a eles relacionados.
seria impossível no contexto da pandemia.
Os objetos de conhecimento e respectivas
Vale destacar que, em alguns casos, o
habilidades sinalizados com a cor PRETA
mesmo objeto de conhecimento teve as
foram definidos como optativos, conside-
suas respectivas habilidades classificadas
rando a diversidade entre as escolas que
de forma diferente, revelando prioridade
compõem a Rede Municipal de Educação
da abordagem nesse momento, como é
de Belo Horizonte. A sua inclusão ou não
possível perceber no exemplo a seguir:
nos planejamentos didáticos deve passar

89
Exemplo: Componente Curricular Língua Portuguesa – 7º ano
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Objetos de
Habilidades
Conhecimento

Reconstrução das condições (EF69LP44) Inferir a presença de valores sociais, culturais e


de produção, circulação e humanos e de diferentes visões de mundo, em textos literá-
recepção. rios e não literários, reconhecendo nesses textos formas de
estabelecer múltiplos olhares sobre as identidades, socieda-
Apreciação e réplica
des e culturas e considerando a autoria e o contexto social e
histórico de sua produção.

(EF69LP45) Posicionar-se criticamente em relação a textos


pertencentes a gêneros como quarta-capa, programa (de
teatro, dança, exposição etc.), sinopse, resenha crítica, co-
mentário em blog/vlog cultural etc., para selecionar obras
literárias e outras manifestações artísticas (cinema, teatro,
exposições, espetáculos, CDs, DVDs etc.), diferenciando
as sequências descritivas e avaliativas e reconhecendo-os
como gêneros que apoiam a escolha do livro ou produção
cultural e consultando-os no momento de fazer escolhas,
quando for o caso.

(EF69LP46) Participar de práticas de compartilhamento de


leitura/recepção de obras literárias/ manifestações artísticas,
como rodas de leitura, clubes de leitura, eventos de conta-
ção de histórias, de leituras dramáticas, de apresentações
teatrais, musicais e de filmes, cineclubes, festivais de vídeo,
saraus, slams, canais de booktubers, redes sociais temáti-
cas (de leitores, de cinéfilos, de música etc.), dentre outros,
tecendo, quando possível, comentários de ordem estética e
afetiva

90
A fim de possibilitar um olhar diversifica- Os conhecimentos essenciais apre-

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


do dos(as) professores(as) e educado- sentados no percurso curricular para a
res(as) na compreensão da importância trajetória formativa da infância à ado-
de estabelecer práticas pedagógicas lescência são referências para a orga-
integrais e integradoras, estimulamos nização do currículo em cada ano de
que as escolas pautem a realização de formação dos estudantes. Contudo, é
seus trabalhos pedagógicos pelo princí- importante considerar que todos os co-
pio da interdisciplinaridade, com vistas nhecimentos podem ser tratados levan-
a possibilitar o desenvolvimento dos es- do em conta os princípios da educação
tudantes numa perspectiva emancipa- integral, em que o foco do processo de
dora, inclusiva e integral, fundamenta- ensino-aprendizagem está voltado para
da nas seguintes intenções educativas: o reconhecimento ampliado das dimen-
sões dos sujeitos, sejam elas físicas,
a) tratamento crítico da informa-
emocionais, cognitivas, sociais e outras.
ção, objetivando que os(as) estu-
dantes ampliem a capacidade de
análise da realidade, para nela se
inserirem de modo crítico e ativo;

b) uso de e expressão em múl-


tiplas linguagens, incorporando as
tecnologias da informação e da co-
municação às práticas pedagógicas;

c) interação crítica e ativa com o es-


paço físico, social e cultural, ao seu re-
dor, compreendendo a comunidade, os
territórios, a cidade e o mundo como
espaços formativos caracterizados pela
diversidade ecológica, social e cultural;

d) organização de tempos e espaços


de modo flexível, objetivando criar con-
dições para que, tanto a escola como
a casa do/a estudante, se constituam
como espaços culturais capazes de in-
corporar as diferentes formas de con-
vivência, identificando as diferentes
idades e, especificamente, as culturas
juvenis, visando à formação integral.

91
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
VERDE – PERPASSA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR MAIS DE UMABORDAR
| AZUL - ESSENCIAL COMPONENTE
| CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – ARTE 4º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
(EF15AR01MG) Conhecer a história da Arte e os diversos artistas
locais, através de pesquisas e apreciação das linguagens artísticas,
resgatando a tradições culturais de cada município.
Contextos e práticas
(EF15AR01B) Apreciar formas distintas das artes visuais tradicionais e
contemporâneas, cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade
de simbolizar e o repertórioimagético.

(EF15AR02X) Reconhecer as características dos elementos


constitutivos das artes visuais (ponto, linha, forma, cor, espaço,
movimento etc.).
Elementos da
linguagem (EF15AR02MG) Distinguir os diversos elementos visuais
experimentando cada um deles a partir de vivências dessa linguagem.
ARTES
VISUAIS
(EF15AR04) Experimentar diferentes formas de expressão artística
(desenho, pintura, colagem, quadrinhos, dobradura, escultura,
Materialidades modelagem, instalação, vídeo, fotografia etc.), fazendo uso sustentável
de materiais, instrumentos, recursos e técnicas convencionais e não
convencionais.

(EF15AR05) Experimentar a criação em artes visuais de modo


individual, coletivo e colaborativo, explorando diferentes espaços da
escola e da comunidade.
Processos de
criação (EF15AR06MG) Refletir sobre a criação artística e o produto final,
analisando e avaliando o processo.

(EF15AR08x) Apreciar formas distintas de manifestações da dança


presentes em diferentes contextos (regionais, nacionais e
Contextos e práticas
internacionais), cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade de
simbolizar e o repertório corporal.

(EF15AR09MG) Exercitar elementos que estimulem a consciência


corporal individual e coletiva, estimulando atividades solos e em grupo.

Elementos da
DANÇA linguagem (EF15AR10) Experimentar diferentes formas de orientação no espaço
(deslocamentos, planos, direções, caminhos etc.) e ritmos de
movimento (lento, moderado e rápido) na construção do movimento
dançado.

(EF15AR11AX) Criar movimentos dançados de modo individual,


coletivo e colaborativo, considerando os aspectos estruturais,
Processos de
dinâmicos e expressivos dos elementos constitutivos do movimento,
criação com base nos códigos de dança e nas características de cada região
do país.

92
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
OBJETOS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL ABORDARARTE
| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - VERDE
NÃO ABORDAR AZUL -MAIS
– PERPASSA ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
(EF15AR12) Discutir, com respeito e sem preconceito, as experiências
pessoais e coletivas em dança vivenciadas na escola, como fonte para
a construção de vocabulários e repertóriospróprios.

(EF15AR13MG) Apreciar diversas formas e gêneros de expressão


musical, em especial, aquelas que abrangem a cultura popular local e
regional.
Contextos e práticas
(EF15AR13Ax) Identificar criticamente diversas formas e gêneros de
expressão musical, reconhecendo e analisando os usos e as funções
da música em diversos contextos de circulação presentes no cotidiano.

(EF15AR14Bx) Explorar os elementos constitutivos da música (altura,


intensidade, timbre, melodia, ritmo etc.), por meio de jogos,
Elementos da
brincadeiras, canções e práticas diversas de composição/criação,
linguagem
execução e apreciação musical, experimentando as diversas
possibilidades desses elementos.

(EF15AR15A) Explorar fontes sonoras diversas, como as existentes no


próprio corpo (palmas, voz, percussão corporal), na natureza e em
objetos cotidianos, através de jogos musicais e cantigas de roda.

MÚSICA
(EF15AR15MG) Incentivar a confecção de instrumentos musicais
produzidos pelos estudantes, decorrentes de pesquisas e
Materialidades
experimentações sonoras.

(EF15AR15MG) Ampliar o repertório musical dos estudantes através


da apreciação de diversos estilos musicais. Essa apreciação poderá
ser realizada por meio de som mecânico, exibição de vídeos e
excursões a apresentações musicais.

(EF15AR16X) Explorar diferentes formas de registro musical não


convencional (representação gráfica de sons, partituras criativas etc.),
Notação e registro
através da escuta atenta da música. O registro poderá ser realizado
musical
por meio de desenhos, elementos das artes visuais, criação de sinais
gráficos etc.

(EF15AR17MG) Criar mostra com apresentações musicais dos


Processos de estudantes a partir dos processos vivenciados em sala de aula.
criação

(EF15AR18BX) Apreciar formas distintas de manifestações teatrais


presentes em diferentes contextos, através de pesquisas, mostras
audiovisuais e apreciação de espetáculos das Artes Cênicas.
Contextos e práticas
(EF15AR18MG) Estimular a percepção, o imaginário e a capacidade
TEATRO de simbolizar repertórios, através de textos e vivências teatrais.

(EF15AR19X) Identificar elementos básicos da encenação teatral


Elementos da (personagem, voz, corporeidade, espaço e narrativa), através da
linguagem observação dos mesmos elementos na vida cotidiana.

93
OBJETOS
OBJETOS DE CONHECIMENTOARTE
DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - VERDE


NÃO ABORDAR AZUL -MAIS
– PERPASSA ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: base:
Documento Currículo Referência
Currículo Referência de MinasGerais
de Minas Gerais

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
(EF15AR22x) Experimentar possibilidades criativas de construção de
um determinado personagem. A construção dar-se-á através de
Processos de
exercícios que provoquem a reflexão do corpo, da voz e da narrativa
criação
do personagem em questão.

(EF15AR23B) Experimentar, em projetos temáticos, as relações


Processos de processuais entre diversas linguagens artísticas.
criação

(EF15AR24MG) Explorar materialidade reciclável, estimulando a


criatividade dos indivíduos da escola para a produção de brinquedos e
jogos didáticos

Matrizes estéticas e
culturais (EF15AR24MG) Utilizar o recurso do teatro de fantoches para
representação de acontecimentos relevantes da comunidade em que a
escola está inserida. A caracterização dos fantoches poderá ser
ARTES realizada por toda a comunidade escolar.
INTEGRADAS
(EF15AR25B) Valorizar o patrimônio cultural, material e imaterial, de
culturas diversas, em especial a brasileira, incluindo-se suas matrizes
indígenas, africanas e europeias, de diferentes épocas, favorecendo a
Patrimônio cultural
construção de vocabulário e repertório relativos às diferentes
linguagens artísticas.

(EF15AR26) Explorar diferentes tecnologias e recursos digitais


(multimeios, animações, jogos eletrônicos, gravações em áudio e
Arte e tecnologia
vídeo, fotografia, softwares etc.) nos processos de criação artística.

94
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – ARTE 4º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO

(EF15AR07MG) Assegurar o acesso aos espaços do Sistema de Artes


Visuais formais, não formais e urbanos.
ARTES Sistemas da
VISUAIS linguagem (EF15AR07MG) Valorizar as instituições artísticas e sistemas das Artes
Visuais presentes no território educativo.

(EF15AR07MG) Assegurar o acesso aos espaços do Sistema de Artes


Visuais formais, não formais e urbanos.
Sistemas da
linguagem (EF15AR07MG) Valorizar as instituições artísticas e sistemas das Artes
Visuais presentes no território educativo.
DANÇA

(EF15AR08A) Experimentar formas distintas de manifestações da


dança presentes em diferentes contextos, cultivando a percepção, o
Contextos e práticas
imaginário, a capacidade de simbolizar e o repertório corporal.

(EF15AR15B) Reconhecer os elementos constitutivos da música e as


características de instrumentos musicais variados, através de vivências
Materialidades
e recursos audiovisuais.

Notação e registro (EF15AR16MG) Reconhecer a notação musical convencional através


musical de pesquisas e entrevistas com músicos da comunidade escolar.

(EF15AR17) Experimentar improvisações, composições e sonorização


MÚSICA de histórias, entre outros, utilizando vozes, sons corporais e/ou
instrumentos musicais convencionais ou não convencionais, de modo
individual, coletivo e colaborativo.
Processos de
criação (EF15AR17MG) Experimentar diversas formas de improvisações
musicais através de reconto de histórias dramatizadas, utilização de
onomatopeia, com o objetivo de levar o estudante a identificar os sons
produzidos pelos personagens das histórias.

(EF15AR20B) - Explorar desde a teatralidade dos gestos e das ações


do cotidiano até elementos de diferentes matrizes estéticas e culturais.

Processos de (EF15AR21) Exercitar a imitação e o faz de conta, ressignificando


TEATRO
criação objetos e fatos e experimentando- se no lugar do outro, ao compor e
encenar acontecimentos cênicos, por meio de músicas, imagens, textos
ou outros pontos de partida, de forma intencional e reflexiva.

ARTES Processos de (EF15AR23MG) Estimular a concepção de projetos interdisciplinares na


INTEGRADAS criação escola, envolvendo todos os professores.

95
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZULOBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL ABORDARARTE| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO -VERDE – PERPASSA


NÃO ABORDAR AZUL -MAIS DE UM
ESSENCIAL COMPONENTE
ABORDAR CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:base:
Documento Currículo
CurrículoReferência
Referência dede Minas
Minas Gerais
Gerais

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO

(EF15AR25A) Conhecer o patrimônio cultural, material e imaterial, de


culturas diversas, em especial a brasileira, incluindo-se suas matrizes
indígenas, africanas e europeias, de diferentes épocas, favorecendo a
Patrimônio cultural OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
construção de vocabulário e repertório relativos às diferentes
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
linguagens artísticas.
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS


COMPONENTES – ARTE 4º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO

(EF15AR03B) Analisar a influência de distintas


ARTES Matrizes estéticas e matrizes estéticas e culturais das artes visuais nas
VISUAIS culturais manifestações artísticas das culturas locais,
regionais e nacionais.

(EF15AR09) Estabelecer relações entre as partes


Elementos da
DANÇA do corpo e destas com o todo corporal na
linguagem
construção do movimento dançado.

(EF15AR24A) Caracterizar brinquedos,


brincadeiras, jogos, danças, canções e histórias de
ARTES Matrizes estéticas e diferentes matrizes estéticas e culturais.
INTEGRADAS culturais (EF15AR24B) Experimentar brinquedos,
brincadeiras, jogos, danças, canções e histórias de
diferentes matrizes estéticas e culturais.

96
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAISDEDE
OBJETOS UM COMPONENTE
CONHECIMENTO ARTE CURRICULAR
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL
Documento base:- PODE OU NÃO
Currículo ABORDARde Minas Gerais
Referência
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER
ABORDADAS NESSE MOMENTO - ARTE 4º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
(EF15AR01X) Identificar formas distintas das artes
Contextos e visuais tradicionais, contemporâneas e regionais,
práticas cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade
de simbolizar e o repertório imagético.

(EF15AR02A) Explorar elementos constitutivos das


Elementos da
artes visuais (ponto, linha, forma, cor, espaço,
linguagem
movimento etc.).

(EF15AR03X) Reconhecer a influência de distintas


Matrizes estéticas e matrizes estéticas e culturais das artes visuais nas
culturais manifestações artísticas das culturas locais,
regionais, nacionais e internacionais.
ARTES
VISUAIS (EF15AR04MG) Realizar experimentações com
Materialidades materiais e/ou meios (tinta, argila, sucata, folhas,
pedras etc.) encontrados no cotidiano.

(EF15AR05MG) Promover ações de intervenções


artísticas e urbanas na escola e na comunidade,
Processos de explorando diversos suportes e materiais.
criação
(EF15AR06) Dialogar sobre a sua criação e as dos
colegas, para alcançar sentidos plurais.

(EF15AR07) Reconhecer algumas categorias do


Sistemas da
sistema das artes visuais (museus, galerias,
linguagem
instituições, artistas, artesãos, curadores etc.).

(EF15AR07) Reconhecer algumas categorias do


Sistemas da
sistema das artes visuais (museus, galerias,
linguagem
instituições, artistas, artesãos, curadores etc.).

(EF15AR11MG) Incentivar a criação e a execução


de coreografias, visando à concepção de
espetáculos de dança para a comunidade.

(EF15AR11BX) Improvisar movimentos dançados


DANÇA de modo individual, coletivo e colaborativo,
considerando os aspectos estruturais, dinâmicos e
Processos de
expressivos dos elementos constitutivos do
criação
movimento, com base nos códigos de dança e nas
características de cada região do país.

(EF15AR12MG) Dialogar, com respeito e sem


preconceito, as experiências pessoais e coletivas
em dança vivenciadas na escola, acerca da
diversidade.

(EF15AR13Bx) Apreciar criticamente diversas


formas e gêneros de expressão musical,
Contextos e
reconhecendo e analisando os usos e as funções
MÚSICA práticas
da música em diversos contextos de circulação
presentes no cotidiano.

Elementos da (EF15AR14Ax) Perceber os elementos

97
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR


OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL
Documento - PODE
base: OU NÃO
Currículo ABORDARde Minas Gerais
Referência
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
linguagem constitutivos da música (altura, intensidade, timbre,
melodia, ritmo etc.), por meio de jogos,
brincadeiras, canções e práticas diversas de
composição/criação, execução e apreciação
musical, identificando os seus diferentes aspectos.

(EF15AR18AX) Reconhecer formas distintas de


manifestações teatrais presentes em diferentes
Contextos e
contextos, através de pesquisas, mostras
práticas
audiovisuais e apreciação de espetáculos das
Artes Cênicas.

(EF15AR19MG) Experimentar vivências teatrais


através de jogos que estimulem a criatividade, a
percepção do espaço, a rapidez de raciocínio, a
TEATRO Elementos da concentração etc.
linguagem
(EF15AR20A) - Experimentar o trabalho
colaborativo, coletivo e autoral em improvisações
teatrais e processos narrativos criativos em teatro.

(EF15AR21MG) Ressignificar vivências cotidianas


Processos de dos estudantes através de encenações teatrais, o
criação professor deverá assumir um papel provocador
estimulando a análise crítica da atividade.

(EF15AR23A) Reconhecer, em projetos temáticos,


Processos de
as relações processuais entre diversas linguagens
criação
artísticas.

(EF15AR24MG) Integrar os diversos atores da


Matrizes estéticas e
ARTES escola na caracterização de canções e histórias
culturais
INTEGRADAS pertencentes ou não ao território Educativo.

(EF15AR25MG) Valorizar de forma geral todo tipo


de manifestação artística presente em cada região,
Patrimônio cultural
em cada território e comunidade em que a escola
estiver inserida.

98
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
VERDE – PERPASSA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL -MAIS DE UMABORDAR
ESSENCIAL COMPONENTE CURRICULAR
| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – CIÊNCIAS 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Matéria e (EF04CI01) Identificar misturas na vida diária, com base em


Misturas suas propriedades físicas observáveis, reconhecendo sua
Energia composição.

(EF04CI04BX) Analisar cadeias alimentares simples,


reconhecendo a posição ocupada pelos seres vivos nessas
cadeias e o papel do Sol como fonte primária de energia na
produção de alimento e compreender que a interferência
humana nas cadeias alimentares pode levar ao desequilíbrio
ambiental.

(EF04CI06) Relacionar a participação de fungos e bactérias


Cadeias no processo de decomposição, reconhecendo a importância
alimentares simples ambiental desse processo.
e
Microrganismos (EF04CI07X) Verificar a participação de microrganismos na
produção de alimentos, combustíveis, medicamentos,
Vida e bioindicadores ecológicos, entre outros.
Evolução
(EF04CI08X) Propor, a partir do conhecimento das formas de
transmissão de alguns microrganismos (vírus, bactérias e
protozoários e fungos), atitudes e medidas adequadas para
prevenção de doenças a eles associadas.

(EF04CI06MG) Reconhecer como a Ciência e a Tecnologia


Ciência e foram produzidas ao longo da história e que o saber está
Tecnologia na vida sujeito a mudanças, visto que a ciências não traz verdades
cotidiana absolutas.
Ciência e
Tecnologia (EF04CI07MG) Identificar vantagens e desvantagens do
Inovações conhecimento científico e tecnológico para a sociedade,
científicas e analisando as circunstâncias históricas em que foram
tecnológicas produzidos.

99
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA
OBJETOSMAIS DE UM COMPONENTE
DE CONHECIMENTO CURRICULAR
CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR


Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – CIÊNCIAS 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF04CI04A) Construir cadeias alimentares simples,


Vida e Cadeias alimentares reconhecendo a posição ocupada pelos seres vivos
Evolução simples nessas cadeias e o papel do Sol como fonte primária
de energia na produção de alimentos.

Astronomia: instrumentos (EF04CI08MG) Relacionar principais instrumentos


Terra e astronômicos (uso e de observação astronômica (telescópios, lunetas,
satélites, sondas) aos tipos de informação ou dados
Universo informações coletadas por
coletados com seus usos.
eles) OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS COMPONENTES


CIÊNCIAS 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF04CI10) Comparar as indicações dos pontos cardeais


resultantes da observação das sombras de uma vara
(gnômon) com aquelas obtidas por meio de uma bússola.
Pontos cardeais
Terra e Calendários,
Universo fenômenos cíclicos e (EF04CI11X) Associar os movimentos cíclicos da Lua e
da Terra a períodos de tempo regulares e ao uso desse
cultura
conhecimento para a construção de calendários em
diferentes culturas, analisando a melhor época para o
cultivo agrícola.

(EF04CI09MG) Identificar conhecimentos populares e


Ciência e Saber científico e saber sua relação com as pesquisas científicas, discutindo a
Tecnologia popular cultura local e sua influência na sociedade.

100
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - DE
OBJETOS ESSENCIAL ABORDARCIÊNCIAS
CONHECIMENTO PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - MAIS DE UMABORDAR
ESSENCIAL COMPONENTE CURRICULAR
| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS


NESSE MOMENTO – CIÊNCIAS 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO
(EF04CI02A) Testar transformações nos materiais do dia
a dia quando expostos a diferentes condições
(aquecimento, resfriamento, luz e umidade).

(EF04CI02B) Relatar transformações nos materiais do


Matéria e Transformações dia a dia quando expostos a diferentes condições
Energia reversíveis e não (aquecimento, resfriamento, luz e umidade).
reversíveis
(EF04CI03)Concluir que algumas mudanças causadas
por aquecimento ou resfriamento são reversíveis (como
as mudanças de estado físico da água) e outras não
(como o cozimento do ovo, a queima do papel etc.).

Cadeias alimentares (EF04CI05) Descrever e destacar semelhanças e


Vida e diferenças entre o ciclo da matéria e o fluxo de energia
simples
Evolução entre os componentes vivos e não vivos de um
ecossistema.

Pontos cardeais (EF04CI09X) Identificar os pontos cardeais, com base no


registro de diferentes posições relativas do Sol e da
Terra e Calendários,
sombra de uma vara (gnômon), utilizando o próprio corpo
Universo fenômenos cíclicos e para demonstrar a posição da sombra em horários
cultura variado.

Observação: Os itens marcados de vermelho podem ser trabalhados em outros anos do Ensino
Fundamental.

101
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
OBJETOS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR DE CONHECIMENTO
AZUL EDUCAÇÃO
- ESSENCIAL ABORDAR PRETOFÍSICA
OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – EDUCAÇÃO FÍSICA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

1. Brincadeiras e jogos (EF35EF03P3) Registrar, por meio de múltiplas


de matriz indígena e linguagens (corporal, oral, escrita, audiovisual), os
africana elementos constituintes das brincadeiras e dos jogos
populares do Brasil e do mundo, incluindo os afro-
brasileiros e os de matriz indígena e africana,
valorizando a vivência, a experimentação e a fruição
como formas legítimas de produção e reprodução de
BRINCADEIRAS saberes sociais e culturais.
E JOGOS

(EF35EF04P3) Experimentar com autonomia e em


diversos tempos e espaços, brincadeiras e jogos
populares do Brasil e do mundo, incluindo os afro-
brasileiros e aqueles de matriz indígena e africana,
reconhecendo limites e possibilidades dos materiais e
espaços disponíveis.

2. Danças de matriz (EF35EF11P3) Experimentar diversas estratégias para


indígena e africana a execução de elementos constitutivos das danças
populares do Brasil e do mundo, incluindo as afro-
brasileiras e as de matriz indígena e africana.

DANÇAS
(EF35EF12P3) Identificar situações de injustiça e
preconceito geradas e/ou presentes no contexto das
danças, buscando superá-las, por meio de estratégias
solidárias, inclusivas e norteadas pelo respeito e pela
empatia, nas práticas escolares e sociais.

3. Esportes de campo e (EF35EF06P3) Reconhecer os conceitos de jogo e


taco (tais como esporte identificando as formas de construção e
tacobol, beisebol, aplicação de combinados e regras em cada uma
críquete e golfe) destas práticas corporais.

4. Esportes de
rede/parede (tais
como voleibol, tênis,
ESPORTES badminton, peteca e
squash)

5. Esportes de invasão
(tais como
basquetebol, futebol
de campo, futsal,
handebol e polo
aquático)

6. Ginástica geral (EF35EF08P3) Vivenciar estratégias e resolver


GINÁSTICAS desafios na execução de elementos básicos da
ginástica geral para composição de apresentações

102
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
OBJETOS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR DE -CONHECIMENTO
AZUL EDUCAÇÃO
ESSENCIAL ABORDAR PRETO FÍSICA
OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

coletivas, reconhecendo suas potencialidades e de


seus colegas e buscando superar os limites individuais
e coletivos com estratégias solidárias e inclusivas.

7. Lutas do contexto (EF35EF15P3) Identificar as características e os


comunitário e regional elementos constitutivos (história, movimentos, regras,
equipamentos de proteção etc.) das lutas de matriz
LUTAS 8. Lutas de matriz indígena, reconhecendo os princípios de respeito e
indígena e africana honra presentes nestas práticas corporais, repudiando
situações de injustiça e violência.
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS COMPONENTES –


EDUCAÇÃO FÍSICA 4ºANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO
(EF35EF09P3) Experimentar e fruir danças populares
do Brasil e do mundo, incluindo as afro-brasileiras e
Danças do Brasil e as de matriz indígena e africana, identificando os
do mundo elementos que as constituem.
DANÇAS
(EF35EF10P3) Identificar os elementos constitutivos
Danças de matriz
(história, ritmo, espaço, gestos, trajes típicos etc.) das
indígena e africana
danças populares do Brasil e do mundo, incluindo as
afro-brasileiras e as de matriz indígena e africana.

103
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICAbase: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO – EDUCAÇÃO FÍSICA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Brincadeiras e jogos (EF35EF01P3) Experimentar e fruir brincadeiras e jogos


populares do Brasil e populares do Brasil e do mundo, incluindo os afro-brasileiros
do mundo e os de matriz indígena e africana.

BRINCADEIRAS (EF35EF02P3) Experimentar estratégias para possibilitar a


E JOGOS participação de todos em brincadeiras e jogos populares do
Brincadeiras e jogos
Brasil e do mundo, incluindo os afro-brasileiros e os de
de matriz indígena e
matriz indígena e africana, mobilizando vivências e
africana
conhecimentos em prol da constituição de atividades lúdicas
e solidárias.

Esportes de campo e
taco (tais como
tacobol, beisebol,
críquete e golfe)

Esportes de
rede/parede (tais (EF35EF05P3) Experimentar e fruir os elementos básicos
como voleibol, tênis, constituintes dos diversos tipos de esportes de campo e
ESPORTES badminton, peteca e taco, rede/parede e invasão, prezando pela inclusão,
squash) cooperação e solidariedade.

Esportes de invasão
(tais como
basquetebol, futebol
de campo, futsal,
handebol e polo
aquático)

(EF35EF07P3) Experimentar e fruir, de forma coletiva,


combinações de diferentes elementos da ginástica geral
GINÁSTICAS Ginástica geral (equilíbrios, saltos, giros, rotações e acrobacias, com e sem
material).

(EF35EF13P3) Experimentar e fruir os elementos


Lutas do contexto constitutivos das diferentes lutas de matriz indígena.
comunitário e regional
LUTAS
Lutas de matriz (EF35EF14P3) Vivenciar de maneira lúdica as estratégias
indígena e africana básicas das diferentes lutas de matriz indígena.

104
OBJETOS DEDECONHECIMENTO
OBJETOS GEOGRAFIA
CONHECIMENTO GEOGRAFIA
LEGENDA: VERMELHO
LEGENDA:- VERMELHO
NÃO ABORDAR | AZUL
- NÃO ABORDAR - ESSENCIAL
AZUL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR | OPCIONAL
PRETO PRETO OPCIONAL
- PODE OU NÃO - PODE OU NÃO ABORDAR
ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDEVERDE
– PERPASSA
– PERPASSAMAIS
MAISDE UM COMPONENTE
DE UM COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – GEOGRAFIA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF04GE04) Reconhecer especificidades e analisar a


Relação campo e
Conexões e interdependência do campo e da cidade, considerando fluxos
cidade
Escalas econômicos, de informações, de ideias e de pessoas.

(EF04GE05) Distinguir unidades político-administrativas


Unidades político-
oficiais nacionais (Distrito, Município, Unidade da Federação e
administrativas do
grande região), suas fronteiras e sua hierarquia, localizando
Brasil
seus lugares de vivência.

(EF45GE01MG) Compreender e relacionar as diversidades


Diversidade cultural
regionais existentes no Estado de Minas Gerais com a
mineira
diversidade sociocultural brasileira.

Mundo do (EF04GE07X) Comparar as características do trabalho no


Trabalho no campo
trabalho campo e na cidade, percebendo as evidências de exploração e
e na cidade
desrespeito a leis trabalhistas.

(EF04GE08X) Identificar, descrever e discutir o processo de


Produção, produção (transformação de matérias-primas), circulação e
circulação e consumo de diferentes produtos, provenientes das atividades
consumo econômicas (agropecuária, extrativismo, indústria, comércio e
serviços) em Minas Gerais e no Brasil.

Formas de (EF04GE09X) Reconhecer e utilizar as direções cardeais na


Sistema de
representação e localização de componentes físicos e humanos nas paisagens
orientação
pensamento rurais e urbanas, em Minas Gerais e no Brasil.
espacial
(EF04GE10X) Comparar tipos variados de mapas,
Elementos
identificando suas características, elaboradores, finalidades,
constitutivos dos
diferenças e semelhanças, permitindo o desenvolvimento do
mapas
raciocínio espacial.

(EF45GE02MG) Representar o espaço geográfico de Minas


Representações
Gerais, por meio de desenhos, mapas mentais, maquetes,
cartográficas
entre outros.

105
OBJETOS DE CONHECIMENTO GEOGRAFIA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR
OBJETOS AZUL
DE- ESSENCIAL ABORDAR GEOGRAFIA
CONHECIMENTO PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR VERDE| – AZUL
PERPASSA MAIS DE UMABORDAR
- ESSENCIAL COMPONENTE| CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – GEOGRAFIA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF04GE02) Descrever processos migratórios e suas


O sujeito e seu Processos
contribuições para a formação da sociedade brasileira,
lugar no mundo migratórios no Brasil
enfatizando a sociedade mineira.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO - GEOGRAFIA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF04GE01X) Identificar e selecionar, em seus lugares de


vivência e em suas histórias familiares e/ou da comunidade,
elementos de distintas culturas (indígenas, quilombolas, afro-
Território e
brasileiras, de outras regiões do país, latino-americanas,
diversidade cultural
europeias, asiáticas etc.), valorizando o que é próprio em cada
O sujeito e seu uma delas e sua contribuição para a formação da cultura local,
lugar no mundo regional e brasileira.

(EF04GE03) Distinguir funções e papéis dos órgãos do poder


Instâncias do poder
público municipal e canais de participação social na gestão do
público e canais de
Município, incluindo a Câmara de Vereadores e os Conselhos
participação social
Municipais.

(EF04GE06X) Identificar e descrever territórios étnico-


culturais existentes no Brasil, tais como terras indígenas e de
Territórios étnico-
Conexões e comunidades remanescentes de quilombos, reconhecendo a
culturais
Escalas legitimidade da demarcação desses territórios, com destaque
para a realidade mineira.

Natureza, (EF04GE11X) Identificar as características das paisagens


Conservação e
ambientes e naturais (relevo, cobertura vegetal, rios etc.) e antrópicas no
degradação da
qualidade de ambiente em que vive, bem como a ação humana na
natureza
vida conservação ou degradação dessas áreas.

106
OBJETOS DE CONHECIMENTO HISTÓRIA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL HISTÓRIA| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR
VERDE AZUL -MAIS
– PERPASSA ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento base:Currículo Referência
Currículo Referência dede Minas
Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – HISTÓRIA 4º ANO

UNIDADE TEMÁTICA OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

(EF04HI01) Reconhecer a história como


resultado da ação do ser humano no tempo e
no espaço, com base na identificação de
A ação das pessoas, grupos mudanças e permanências ao longo do tempo.
Transformações e sociais e comunidades no
permanências nas tempo e no espaço:
trajetórias dos grupos nomadismo, agricultura, escrita, (EF04HI02X) Identificar e comparar
humanos navegações, indústria, entre mudanças e permanências ao longo do
outras tempo, discutindo os sentidos dos grandes
marcos da história da humanidade
(nomadismo, desenvolvimento da agricultura
e do pastoreio, criação da indústria etc.).

(EF04HI09X) Identificar as motivações dos


O surgimento da espécie processos migratórios em diferentes tempos e
As questões
humana no continente africano espaços e avaliar o papel desempenhado
históricas relativas às
e sua expansão pelo mundo pela migração nas regiões de destino,
migrações
compreendendo as transformações desses
espaços em decorrência do fluxo migratório.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – HISTÓRIA 4º ANO

UNIDADE OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES


TEMÁTICA FINAL FINAL

(EF04HI07) Identificar e descrever a importância


Circulação de As rotas terrestres, fluviais e dos caminhos terrestres, fluviais e marítimos para a
pessoas, marítimas e seus impactos para dinâmica da vida comercial, analisando o panorama
produtos e a formação de cidades e as histórico das vias de acesso da cidade no passado,
culturas transformações do meio natural no presente e seu impacto para o meio natural e as
cidades.

107
OBJETOS DE CONHECIMENTO HISTÓRIA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL
OBJETOS ABORDAR
DE CONHECIMENTO | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
HISTÓRIA
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR
PERPASSAAZULMAIS DE UM
- ESSENCIAL COMPONENTE
ABORDAR CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS COMPONENTES –


HISTÓRIA 4º ANO

UNIDADE OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES


TEMÁTICA

(EF04HI04) Identificar as relações entre os


indivíduos e a natureza e discutir o significado do
nomadismo e da fixação das primeiras
comunidades humanas, relacionando esses
fenômenos às necessidades de sobrevivência dos
A circulação de pessoas e as grupos humanos e sua interferência na natureza.
transformações no meio natural
(EF04HI05X) Relacionar os processos de ocupação
do campo a intervenções na natureza, avaliando os
resultados dessas intervenções, discutindo a
Circulação de história local, regional e o uso do espaço pelo
pessoas, homem e seus impactos.
produtos e (EF04HI06X) Identificar as transformações
culturas ocorridas nos processos de deslocamento das
A invenção do comércio e a
pessoas e mercadorias, analisando as formas de
circulação de produtos
adaptação ou marginalização, valorizando a
produção local e regional.

(EF04HI08) Identificar e analisar as transformações


ocorridas nos meios de comunicação (cultura oral,
O mundo da tecnologia: a
imprensa, rádio, televisão, cinema, internet e
integração de pessoas e as
demais tecnologias digitais de informação e
exclusões sociais e culturais
comunicação) e discutir seus significados para os
diferentes grupos ou estratos sociais.

Os processos migratórios para a (EF04HI10X) Analisar diferentes fluxos


formação do Brasil: os grupos populacionais e suas contribuições para a formação
indígenas, a presença da sociedade brasileira, regional e local.
portuguesa e a diáspora forçada
dos africanos (EF04HI11) Analisar, na sociedade em que se vive,
As questões a existência ou não de mudanças associadas à
históricas migração (interna e internacional), descrevendo a
Os processos migratórios do
relativas às importância desses processos para a formação da
final do século XIX e início do
migrações cidade e do Estado de Minas Gerais.
século XX no Brasil

As dinâmicas internas de
migração no Brasil a partir dos
anos 1960

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO – HISTÓRIA 4º ANO

UNIDADE OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES


TEMÁTICA

(EF04HI03X) Identificar e conhecer as


Circulação de O passado e o presente: a transformações ocorridas na cidade ao longo do
pessoas, noção de permanência e as tempo e discutir suas interferências nos modos de
produtos e lentas transformações sociais e vida de seus habitantes, tomando como ponto de
culturas culturais partida o presente.

108
OBJETOS
OBJETOS DEDE CONHECIMENTO LÍNGUA
CONHECIMENTO PORTUGUESA
LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: -VERMELHO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR
NÃO ABORDAR | AZUL AZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR PRETO
| OPCIONAL - PODE OU NÃO
PRETO OPCIONAL ABORDAR
- PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE VERDE – PERPASSAMAIS
– PERPASSA MAIS DE
DE UM
UMCOMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS - LÍNGUA


PORTUGUESA 4º ANO

OBJETOS DE
PRÁTICAS DE LINGUAGEM HABILIDADES
CONHECIMENTO

(EF15LP01) Identificar a função social de


textos que circulam em campos da vida social
Reconstrução das dos quais participa cotidianamente (a casa, a
condições de produção rua, a comunidade, a escola) e nas mídias
e recepção de textos impressa, de massa e digital, reconhecendo
para que foram produzidos, onde circulam,
quem os produziu e a quem se destinam.

(EF15LP02) Estabelecer expectativas em


relação ao texto que vai ler (pressuposições
antecipadoras dos sentidos, da forma e da
função social do texto), apoiando-se em seus
conhecimentos prévios sobre as condições de
produção e recepção desse texto, o gênero, o
suporte e o universo temático, bem como
sobre saliências textuais, recursos gráficos,
Estratégia de leitura imagens, dados da própria obra (índice,
prefácio etc.), confirmando antecipações e
inferências realizadas antes e durante a leitura
de textos, checando a adequação das
hipóteses realizadas.

(EF15LP03) Localizar informações explícitas


em textos.

(EF15LP16) Ler e compreender, em


colaboração com os colegas e com a ajuda do
Leitura colaborativa e professor e, mais tarde, de maneira autônoma,
LEITURA/ESCUTA autônoma textos narrativos de maior porte como contos
(populares, de fadas, acumulativos, de
assombração etc.) e crônicas.

(EF35LP01) Ler e compreender,


Decodificação/Fluência silenciosamente e, em seguida, em voz alta,
de leitura com autonomia e fluência, textos curtos com
nível de textualidade adequado.

(EF35LP21) Ler e compreender, de forma


autônoma, textos literários de diferentes
Formação do leitor
gêneros e extensões, inclusive aqueles sem
literário
ilustrações, estabelecendo preferências por
gêneros, temas, autores.

(EF35LP26) Ler e compreender, com certa


autonomia, narrativas ficcionais que
apresentem cenários e personagens,
Compreensão em
observando os elementos da estrutura
leitura
narrativa (enredo, tempo, espaço,
personagens, narrador) e a construção do
discurso indireto e discurso direto.

109
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR OBJETOS| AZULDE- CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE
PRÁTICAS DE LINGUAGEM HABILIDADES
CONHECIMENTO

(EF35LP27) Ler e compreender, com certa


autonomia, textos em versos, explorando
rimas, sons e jogos de palavras, imagens
poéticas (sentidos figurados) e recursos
visuais e sonoros.

(EF04LP09) Ler e compreender, com


autonomia, boletos, faturas e carnês, dentre
outros gêneros do campo da vida cotidiana, de
acordo com as convenções do gênero
(campos, itens elencados, medidas de
consumo, código de barras) e considerando a
situação comunicativa e a finalidade do texto.

(EF04LP10) Ler e compreender, com


Compreensão em autonomia, cartas pessoais de reclamação,
leitura dentre outros gêneros do campo da vida
cotidiana, de acordo com as convenções do
gênero carta e considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do
texto.

(EF04LP19) Ler e compreender textos


expositivos de divulgação científica para
crianças, considerando a situação
comunicativa e o tema/ assunto do texto.

(EF35LP03) Identificar a ideia central do texto,


Compreensão
demonstrando compreensão global.

(EF35LP04) Inferir informações implícitas nos


textos lidos.

(EF35LP05) Inferir o sentido de palavras ou


expressões desconhecidas em textos, com
base no contexto da frase ou do texto.
Estratégia de leitura
(EF35LP06) Recuperar relações entre partes
de um texto, identificando substituições
lexicais (de substantivos por sinônimos) ou
pronominais (uso de pronomes anafóricos –
pessoais, possessivos, demonstrativos) que
contribuem para a continuidade do texto.

(EF15LP05) Planejar, com a ajuda do


professor, o texto que será produzido,
considerando a situação comunicativa, os
interlocutores (quem escreve/para quem
PRODUÇÃO DE TEXTOS
escreve); a finalidade ou o propósito (escrever
(ESCRITA
Planejamento de texto para quê); a circulação (onde o texto vai
COMPARTILHADA E
circular); o suporte (qual é o portador do
AUTÔNOMA)
texto); a linguagem, organização e forma do
texto e seu tema, pesquisando em meios
impressos ou digitais, sempre que for preciso,
informações necessárias à produção do texto,

110
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR OBJETOS| AZULDE- CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR
VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE
PRÁTICAS DE LINGUAGEM HABILIDADES
CONHECIMENTO

organizando em tópicos os dados e as fontes


pesquisadas.

(EF15LP06) Reler e revisar o texto produzido


com a ajuda do professor e a colaboração dos
Revisão de textos colegas, para corrigi-lo e aprimorá-lo, fazendo
cortes, acréscimos, reformulações, correções
de ortografia e pontuação.

(EF35LP07) Utilizar, ao produzir um texto,


conhecimentos linguísticos e gramaticais, tais
como ortografia, regras básicas de
Construção do sistema
concordância nominal e verbal, pontuação
alfabético/ Convenções
(ponto final, ponto de exclamação, ponto de
da escrita
interrogação, vírgulas em enumerações) e
pontuação do discurso direto, quando for o
caso.

(EF35LP08) Utilizar, ao produzir um texto,


recursos de referenciação (por substituição
Construção do sistema
lexical ou por pronomes pessoais, possessivos
alfabético/
e demonstrativos), vocabulário apropriado ao
Estabelecimento de
gênero, recursos de coesão pronominal
relações anafóricas na
(pronomes anafóricos) e articuladores de
referenciação e
relações de sentido (tempo, causa, oposição,
construção da coesão
conclusão, comparação), com nível suficiente
de informatividade.

Planejamento de (EF35LP09) Organizar o texto em unidades de


texto/Progressão sentido, dividindo-o em parágrafos, segundo
temática e as normas gráficas e de acordo com as
paragrafação características do gênero textual.

(EF04LP11) Planejar e produzir, com


autonomia, cartas pessoais de reclamação,
dentre outros gêneros do campo da vida
cotidiana, de acordo com as convenções do
Escrita colaborativa
gênero carta e com a estrutura própria desses
textos (problema, opinião, argumentos),
considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto/finalidade do texto.

(EF04LP21) Planejar e produzir textos sobre


temas de interesse, com base em resultados
de observações e pesquisas em fontes de
informações impressas ou eletrônicas,
Produção de textos
incluindo, quando pertinente, imagens e
gráficos ou tabelas simples, considerando a
situação comunicativa e o tema/assunto do
texto.

(EF04LP22) Planejar e produzir, com certa


autonomia, verbetes de enciclopédia infantil,
Escrita autônoma digitais ou impressos, considerando a situação
comunicativa e o tema/ assunto/finalidade do
texto.

111
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAROBJETOS | AZULDE-CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: Currículo Referência
Referência dede Minas
Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE
PRÁTICAS DE LINGUAGEM HABILIDADES
CONHECIMENTO

(EF04LP25) Planejar e produzir, com certa


autonomia, verbetes de dicionário, digitais ou
impressos, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do
texto.

(EF35LP12) Recorrer ao dicionário para


esclarecer dúvida sobre a escrita de palavras,
especialmente no caso de palavras com
Construção do sistema relações irregulares fonema- grafema.
alfabético e da
ortografia (EF35LP13) Memorizar a grafia de palavras de
uso frequente nas quais as relações fonema-
grafema são irregulares e com h inicial que
não representa fonema.

(EF35LP14) Identificar em textos e usar na


produção textual pronomes pessoais,
Morfologia
possessivos e demonstrativos, como recurso
coesivo anafórico.

(EF04LP01) Grafar palavras utilizando regras


de correspondência fonema- grafema
Construção do sistema regulares diretas e contextuais.
alfabético e da (EF04LP02) Ler e escrever, corretamente,
ortografia palavras com sílabas VV e CVV em casos nos
quais a combinação VV (ditongo) é reduzida
na língua oral (ai, ei, ou).

ANÁLISE Conhecimento do (EF04LP03) Localizar palavras no dicionário


LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA alfabeto do português para esclarecer significados, reconhecendo o
(ORTOGRAFIZAÇÃO) do Brasil/Ordem significado mais plausível para o contexto que
alfabética/Polissemia deu origem à consulta.

Conhecimento das (EF04LP04) Usar acento gráfico (agudo ou


diversas grafias do circunflexo) em paroxítonas terminadas em -
alfabeto/Acentuação i(s), -l, -r, -ão(s).

(EF04LP05) Identificar a função na leitura e


usar, adequadamente, na escrita ponto final,
de interrogação, de exclamação, dois-pontos e
Pontuação
travessão em diálogos (discurso direto),
vírgula em enumerações e em separação de
vocativo e de aposto.

(EF04LP06) Identificar em textos e usar na


produção textual a concordância entre
substantivo ou pronome pessoal e verbo
(concordância verbal).
Morfologia
(EF04LP08) Reconhecer e grafar,
corretamente, palavras derivadas com os
sufixos -agem, -oso, -eza, -izar/- isar
(regulares morfológicas).

(EF04LP07) Identificar em textos e usar na


Morfossintaxe
produção textual a concordância entre artigo,

112
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAROBJETOS | AZULDE-CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR
VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento base:Currículo
Currículo Referência
Referência dede Minas
Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE
PRÁTICAS DE LINGUAGEM HABILIDADES
CONHECIMENTO

substantivo e adjetivo (concordância no grupo


nominal).

(EF15LP09) Expressar-se em situações de


Oralidade
intercâmbio oral com clareza, preocupando-se
pública/Intercâmbio
em ser compreendido pelo interlocutor e
conversacional em sala
usando a palavra com tom de voz audível, boa
de aula
articulação e ritmo adequado.

(EF15LP10) Escutar, com atenção, falas de


professores e colegas, formulando perguntas
Escuta atenta
pertinentes ao tema e solicitando
esclarecimentos sempre que necessário.

(EF15LP11) Reconhecer características da


conversação espontânea presencial,
Características da
respeitando os turnos de fala, selecionando e
conversação
utilizando, durante a conversação, formas de
espontânea
tratamento adequadas, de acordo com a
situação e a posição do interlocutor.

(EF15LP12) Atribuir significado a aspectos


Aspectos não
não linguísticos (paralinguísticos) observados
linguísticos
na fala, como direção do olhar, riso, gestos,
(paralinguísticos) no ato
movimentos da cabeça (de concordância ou
da fala
discordância), expressão corporal, tom de voz.

(EF15LP13) Identificar finalidades da interação


Relato oral/Registro oral em diferentes contextos comunicativos
formal e informal (solicitar informações, apresentar opiniões,
informar, relatar experiências etc.).

(EF15LP19) Recontar oralmente, com e sem


Contagem de histórias
apoio de imagem, textos literários lidos pelo
ORALIDADE professor.

(EF35LP18) Escutar, com atenção,


apresentações de trabalhos realizadas por
Escuta de textos orais colegas, formulando perguntas pertinentes ao
tema e solicitando esclarecimentos sempre
que necessário.

(EF35LP19) Recuperar as ideias principais em


Compreensão de
situações formais de escuta de exposições,
textos orais
apresentações e palestras.

(EF35LP20) Expor trabalhos ou pesquisas


escolares, em sala de aula, com apoio de
Planejamento de texto
recursos multissemióticos (imagens, diagrama,
oral
tabelas etc.), orientando-se por roteiro escrito,
Exposição oral
planejando o tempo de fala e adequando a
linguagem à situação comunicativa.

(EF35LP28) Declamar poemas, com


Declamação entonação, postura e interpretação
adequadas.

113
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR OBJETOS| AZULDE- CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: Currículo Referência
Referência dede Minas
Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS - LÍNGUA


PORTUGUESA 4º ANO

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF15LP04) Identificar o efeito de sentido


Estratégia de leitura produzido pelo uso de recursos expressivos
gráfico-visuais em textos multissemióticos.

(EF15LP14) Construir o sentido de histórias


em quadrinhos e tirinhas, relacionando
Leitura de imagens em
imagens e palavras e interpretando recursos
narrativas visuais
gráficos (tipos de balões, de letras,
onomatopeias).

(EF15LP17) Apreciar poemas visuais e


concretos, observando efeitos de sentido
Apreciação estética/Estilo criados pelo formato do texto na página,
distribuição e diagramação das letras, pelas
ilustrações e por outros efeitos visuais.

(EF15LP18) Relacionar texto com ilustrações


e outros recursos gráficos.
Formação do leitor
literário/Leitura (EF35LP22) Perceber diálogos em textos
multissemiótica narrativos, observando o efeito de sentido de
verbos de enunciação e, se for o caso, o uso
de variedades linguísticas no discurso direto.
LEITURA / ESCUTA
(EF35LP23) Apreciar poemas e outros textos
versificados, observando rimas, aliterações e
Apreciação estética/Estilo
diferentes modos de divisão dos versos,
estrofes e refrões e seu efeito de sentido.

(EF35LP24) Identificar funções do texto


dramático (escrito para ser encenado) e sua
Textos dramáticos organização por meio de diálogos entre
personagens e marcadores das falas das
personagens e de cena.

(EF04LP14) Identificar, em notícias, fatos,


participantes, local e momento/tempo da
ocorrência do fato noticiado.
Compreensão em leitura
(EF04LP15) Distinguir fatos de
opiniões/sugestões em textos (informativos,
jornalísticos, publicitários etc.).

(EF04LP20) Reconhecer a função de gráficos,


Imagens analíticas em
diagramas e tabelas em textos, como forma de
textos
apresentação de dados e informações.

(EF35LP25) Criar narrativas ficcionais, com


PRODUÇÃO DE TEXTOS certa autonomia, utilizando detalhes
(ESCRITA Escrita autônoma e descritivos, sequências de eventos e imagens
COMPARTILHADA E compartilhada apropriadas para sustentar o sentido do texto,
AUTÔNOMA) e marcadores de tempo, espaço e de fala de
personagens.

114
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAROBJETOS| AZUL DE-CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR
VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência
Referência dedeMinas
Minas Gerais
Gerais

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF04LP16) Produzir notícias sobre fatos


ocorridos no universo escolar, digitais ou
impressas, para o jornal da escola, noticiando
Escrita colaborativa os fatos e seus atores e comentando
decorrências, de acordo com as convenções
do gênero notícia e considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto do texto.

(EF35LP16) Identificar e reproduzir, em


notícias, manchetes, lides e corpo de notícias
simples para público infantil e cartas de
Forma de composição
reclamação (revista infantil), digitais ou
dos textos
impressos, a formatação e diagramação
específica de cada um desses gêneros,
inclusive em suas versões orais.

(EF35LP29) Identificar, em narrativas, cenário,


personagem central, conflito gerador,
Formas de composição
resolução e o ponto de vista com base no qual
de narrativas
histórias são narradas, diferenciando
narrativas em primeira e terceira pessoas.

(EF35LP30) Diferenciar discurso indireto e


discurso direto, determinando o efeito de
Discurso direto e indireto sentido de verbos de enunciação e explicando
o uso de variedades linguísticas no discurso
direto, quando for o caso.

(EF35LP31) Identificar, em textos versificados,


Forma de composição de
efeitos de sentido decorrentes do uso de
textos poéticos
recursos rítmicos e sonoros e de metáforas.
ANÁLISE
LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA (EF04LP13) Identificar e reproduzir, em textos
(ORTOGRAFIZAÇÃO) injuntivos instrucionais (instruções de jogos
digitais ou impressos), a formatação própria
Forma de composição do desses textos (verbos imperativos, indicação
texto de passos a serem seguidos) e formato
específico dos textos orais ou escritos desses
gêneros (lista/ apresentação de materiais e
instruções/passos de jogo).

(EF04LP23) Identificar e reproduzir, em


verbetes de enciclopédia infantil, digitais ou
Forma de composição impressos, a formatação e diagramação
dos textos / Coesão e específica desse gênero (título do verbete,
articuladores definição, detalhamento, curiosidades),
considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto/finalidade do texto.

(EF04LP24) Identificar e reproduzir, em seu


Forma de composição
formato, tabelas, diagramas e gráficos em
dos textos / Adequação
relatórios de observação e pesquisa, como
do texto às normas de
forma de apresentação de dados e
escrita
informações.

(EF04LP26) Observar, em poemas concretos,


Forma de composição de
o formato, a distribuição e a diagramação das
textos poéticos visuais
letras do texto na página.

115
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR OBJETOS| AZULDE- CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF04LP27) Identificar, em textos dramáticos,


Forma de composição de
marcadores das falas das personagens e de
textos dramáticos
cena.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS


COMPONENTES – LÍNGUA PORTUGUESA 4º ANO

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF35LP02) Selecionar livros da biblioteca e/ou


do cantinho de leitura da sala de aula e/ou
disponíveis em meios digitais para leitura
Formação de leitor
individual, justificando a escolha e
compartilhando com os colegas sua opinião,
após a leitura.
LEITURA / ESCUTA
(EF35LP17) Buscar e selecionar, com o apoio
do professor, informações de interesse sobre
Pesquisa
fenômenos sociais e naturais, em textos que
circulam em meios impressos ou digitais.

(EF35LP15) Opinar e defender ponto de vista


PRODUÇÃO DE TEXTOS sobre tema polêmico relacionado a situações
(ESCRITA vivenciadas na escola e/ou na comunidade,
Escrita colaborativa
COMPARTILHADA E utilizando registro formal e estrutura adequada
AUTÔNOMA) à argumentação, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto do texto.

116
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais


QUADRO VERMELHO

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER


ABORDADAS NESSE MOMENTO – LÍNGUA PORTUGUESA 4º ANO

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF15LP15) Reconhecer que os textos literários


fazem parte do mundo do imaginário e
Formação do leitor apresentam uma dimensão lúdica, de
LEITURA/ESCUTA literário encantamento, valorizando-os, em sua
diversidade cultural, como patrimônio artístico da
humanidade.

(EF15LP07) Editar a versão final do texto, em


colaboração com os colegas e com a ajuda do
Edição de textos
PRODUÇÃO DE TEXTOS professor, ilustrando, quando for o caso, em
(ESCRITA suporte adequado, manual ou digital.
COMPARTILHADA E (EF15LP08) Utilizar software, inclusive programas
AUTÔNOMA) Utilização de de edição de texto, para editar e publicar os textos
tecnologia digital produzidos, explorando os recursos
multissemióticos disponíveis.

ANÁLISE (EF04LP18) Analisar o padrão entonacional e a


LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA Forma de composição expressão facial e corporal de âncoras de jornais
(ORTOGRAFIZAÇAO dos textos radiofônicos ou televisivos e de entrevistadores /
entrevistados.

(EF04LP12) Assistir, em vídeo digital, a programa


infantil com instruções de montagem, de jogos e
Produção de texto oral
brincadeiras e, a partir dele, planejar e produzir
tutoriais em áudio ou vídeo.

(EF04LP17) Produzir jornais radiofônicos ou


televisivos e entrevistas veiculadas em rádio, TV
Planejamento e
e na internet, orientando-se por roteiro ou texto e
produção de texto
demonstrando conhecimento dos gêneros jornal
falado/televisivo e entrevista.

(EF35LP10) Identificar gêneros do discurso oral,


utilizados em diferentes situações e contextos
comunicativos, e suas características linguístico-
ORALIDADE Forma de composição expressivas e composicionais (conversação
de gêneros orais espontânea, conversação telefônica, entrevistas
pessoais, entrevistas no rádio ou na TV, debate,
noticiário de rádio e TV, narração de jogos
esportivos no rádio e TV, aula, debate etc.).

(EF35LP11) Ouvir gravações, canções, textos


falados em diferentes variedades linguísticas,
identificando características regionais, urbanas e
rurais da fala e respeitando as diversas
Variação linguística
variedades linguísticas como características do
uso da língua por diferentes grupos regionais ou
diferentes culturas locais, rejeitando preconceitos
linguísticos.

117
OBJETOS DE CONHECIMENTO MATEMÁTICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL MATEMÁTICA
ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de MinasGerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – MATEMÁTICA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Sistema de numeração (EF04MA01X) Ler, escrever e ordenar números


decimal: leitura, escrita, naturais até a ordem de centena de milhar.
comparação e ordenação
de números naturais de
até cinco ordens

(EF04MA03A) Analisar, interpretar e resolver


situações problemas com números naturais
envolvendo adição e subtração, utilizando estratégias
diversas, como cálculo, cálculo mental e algoritmos,
além de fazer estimativas do resultado.

(EF04MA3B) Formular e resolver situações problemas


com números naturais envolvendo adição e subtração,
Propriedades das utilizando estratégias diversas, como cálculo, cálculo
operações para o mental e algoritmos, além de fazer estimativas do
desenvolvimento de resultado.
diferentes estratégias de
cálculo com números (EF04MA30MG) Operar com os números naturais:
naturais adição, subtração, multiplicação e divisão (com e sem
agrupamento e desagrupamento).

(EF04MA04) Utilizar as relações entre adição e


subtração, bem como entre multiplicação e divisão,
para ampliar as estratégias de cálculo.

(EF04MA05) Utilizar as propriedades das operações


NÚMEROS para desenvolver estratégias de cálculo.

(EF04MA06X) A Interpretar e resolver problemas


envolvendo diferentes significados da multiplicação
(adição de parcelas iguais, organização retangular e
proporcionalidade), utilizando estratégias diversas,
como cálculo por estimativa, cálculo mental e
algoritmos.

(EF04MA06X) B Elaborar e resolver problemas


Problemas envolvendo envolvendo diferentes significados da multiplicação
diferentes significados da (adição de parcelas iguais, organização retangular e
multiplicação e da divisão: proporcionalidade), utilizando estratégias diversas,
adição de parcelas iguais, como cálculo por estimativa, cálculo mental e
configuração retangular, algoritmos.
proporcionalidade, (EF04MA07A) Resolver problemas de divisão cujo
repartição equitativa e divisor tenha no máximo dois algarismos, envolvendo
medida os significados de repartição equitativa e de medida,
utilizando estratégias diversas, como cálculo por
estimativa, cálculo mental e algoritmos.

(EF04MA07B) Elaborar problemas de divisão cujo


divisor tenha no máximo dois algarismos, envolvendo
os significados de repartição equitativa e de medida,
utilizando estratégias diversas, como cálculo por
estimativa, cálculo mental e algoritmos.

118
OBJETOS DE CONHECIMENTO MATEMÁTICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL MATEMÁTICA
ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR
VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Números racionais: (EF04MA09) Reconhecer as frações unitárias mais


frações unitárias mais usuais (1/2, 1/3, 1/4, 1/5, 1/10 e 1/100) como unidades
usuais (1/2, 1/3, 1/4, 1/5, de medida menores do que uma unidade, utilizando a
1/10 e 1/100) reta numérica como recurso.

(EF04MA31MG) Identificar retas paralelas, retas


concorrentes e retas perpendiculares, utilizando
construções com palitos, mapas, figuras planas etc.
Localização e
movimentação: pontos de (EF04MA16) Descrever deslocamentos e localização
referência, direção e de pessoas e de objetos no espaço, por meio de
sentido Paralelismo e malhas quadriculadas e representações como
perpendicularismo desenhos, mapas, planta baixa e croquis, empregando
termos como direita e esquerda, mudanças de direção
GEOMETRIA e sentido, intersecção, transversais, paralelas e
perpendiculares.

(EF04MA32MG) Reconhecer ângulos nos objetos e


nas figuras geométricas planas.
Ângulos retos e não retos:
uso de dobraduras,
esquadros e softwares (EF04MA18) Reconhecer ângulos retos e não retos
em figuras poligonais, com o uso de dobraduras,
esquadros ou softwares de geometria.

(EF04MA33MG) Calcular perímetro de figuras


desenhada sem malhas quadriculadas e comparar
perímetros de duas figuras sem uso de fórmulas.

(EF04MA34MG) Construir a ideia de área a partir de


recobrimento de superfícies (ladrilhagem) com figuras
Perímetros e áreas de
planas.
figuras construídas em
malhas quadriculadas (EF04MA21) Medir, comparar e estimar área de
figuras planas desenhadas em malha quadriculada,
GRANDEZAS E pela contagem dos quadradinhos ou de metades de
MEDIDAS quadradinho, reconhecendo que duas figuras com
formatos diferentes podem ter a mesma medida de
área.

Medidas de tempo: leitura (EF04MA22) Ler e registrar medidas e intervalos de


de horas em relógios tempo em horas, minutos e segundos em situações
digitais e analógicos, relacionadas ao seu cotidiano, como informar os
duração de eventos e horários de início e término de realização de uma
relações entre unidades de tarefa e sua duração.
medida de tempo

Leitura, interpretação e (EF04MA27) Ler, interpretar e analisar dados


representação de dados apresentados em tabelas simples ou de dupla entrada
em tabelas de dupla e em gráficos de colunas ou pictóricos, com base em
PROBABILIDADE entrada, gráficos de informações das diferentes áreas do conhecimento, e
E ESTATÍSTICA colunas simples e produzir texto com a síntese de sua análise.
agrupadas, gráficos de
barras e colunas e gráficos
pictóricos

119
OBJETOS DE CONHECIMENTO MATEMÁTICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL MATEMÁTICA
ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de MinasGerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – MATEMÁTICA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Composição e decomposição (EF04MA02) Mostrar, por decomposição e


de um número natural de até composição, que todo número natural pode ser escrito
cinco ordens, por meio de por meio de adições e multiplicações por potências de
adições e multiplicações por dez, para compreender o sistema de numeração
potências de 10 decimal e desenvolver estratégias de cálculo.
NÚMEROS (EF04MA10A) Reconhecer que as regras do sistema
Números racionais: de numeração decimal podem ser estendidas para a
representação decimal para representação decimal de um número racional.
escrever valores do sistema
monetário brasileiro (EF04MA10B) Relacionar décimos e centésimos com
a representação do sistema monetário brasileiro.

(EF04MA13) Reconhecer, por meio de investigações,


Relações entre adição e utilizando a calculadora quando necessário, as
subtração e entre relações inversas entre as operações de adição e de
multiplicação e divisão subtração e de multiplicação e de divisão, para aplicá-
las na resolução deproblemas.

(EF04MA14) Reconhecer e mostrar, por meio de


ÁLGEBRA
exemplos, que a relação de igualdade existente entre
dois termos permanece quando se adiciona ou se
Propriedades da igualdade subtrai um mesmo número a cada um desses termos.

(EF04MA15) Determinar o número desconhecido que


torna verdadeira uma igualdade que envolve as
operações fundamentais com números naturais.

Figuras geométricas (EF04MA17) Associar prismas e pirâmides a suas


espaciais (prismas e planificações e analisar, nomear e comparar seus
GEOMETRIA pirâmides): reconhecimento, atributos, estabelecendo relações entre as
representações, planificações representações planas e espaciais.
e características

Medidas de comprimento, (EF04MA20) Medir e estimar comprimentos (incluindo


massa e capacidade: perímetros), massas e capacidades, utilizando
estimativas, utilização de unidades de medida padronizadas mais usuais,
instrumentos de medida e de valorizando e respeitando a cultura local.
unidades de medida
convencionais mais usuais
em um dado dia ou em uma
semana

GRANDEZAS (EF04MA25A) Resolver problemas que envolvam


MEDIDAS situações de compra e venda e formas de pagamento,
utilizando termos como troco e desconto, enfatizando
o consumo ético, consciente e responsável, utilizando
Problemas utilizando o o sistema monetário brasileiro.
sistema monetário brasileiro (EF04MA25B) Elaborar problemas que envolvam
situações de compra e venda e formas de pagamento,
utilizando termos como troco e desconto, enfatizando
o consumo ético, consciente e responsável, utilizando
o sistema monetário brasileiro.

120
OBJETOS DE CONHECIMENTO MATEMÁTICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
OBJETOS DE CONHECIMENTO MATEMÁTICA
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO - MATEMÁTICA 4º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Sistema de numeração (EF04MA29MG) Ler e escrever números romanos


romano até mil (M).

(EF04MA08) Resolver, com o suporte de imagem e/ou


NÚMEROS material manipulável, problemas simples de contagem,
como a determinação do número de agrupamentos
Problemas de contagem
possíveis ao se combinar cada elemento de uma
coleção com todos os elementos de outra, utilizando
estratégias e formas de registro pessoais.

Sequência numérica (EF04MA11) Identificar e descrever regularidade sem


recursiva formada por sequências numéricas compostas por múltiplos de um
múltiplos de um número número natural.
natural

Sequência numérica (EF04MA12) Reconhecer, por meio de investigações,


ÁLGEBRA recursiva formada por que há grupos de números naturais para os quais as
números que deixam o divisões por um determinado número resultam em
mesmo resto ao ser restos iguais, identificando regularidades.
divididos por um mesmo
número natural diferente
de zero

(EF04MA19) Reconhecer simetria de reflexão em


figuras e em pares de figuras geométricas planas e
GEOMETRIA Simetria de reflexão utilizá-la na construção de figuras congruentes, com o
uso de malhas quadriculadas e de softwares de
geometria.

Medidas de temperatura (EF04MA23) Reconhecer temperatura como grandeza


em grau Celsius: e o grau Celsius como unidade de medida a ela
construção de gráficos associada e utilizá-lo em comparações de
para indicar a variação da temperaturas em diferentes regiões do Brasil ou no
temperatura (mínima e exterior ou, ainda, em discussões que envolvam
máxima) medida em um problemas relacionados ao aquecimento global.
GRANDEZAS E dado dia ou em uma
MEDIDAS semana

Medidas de temperatura (EF04MA24) Registrar as temperaturas máxima e


em grau Celsius: mínima diárias, em locais do seu cotidiano, e elaborar
construção de gráficos gráficos de colunas com as variações diárias da
para indicar a variação da temperatura, utilizando, inclusive, planilhas
temperatura (mínima e eletrônicas.
máxima) medida

(EF04MA26) Identificar, entre eventos aleatórios


PROBABILIDADE Análise de chances de cotidianos, aqueles que têm maior chance de
E ESTATÍSTICA eventos aleatórios ocorrência, reconhecendo características de
resultados mais prováveis, sem utilizar frações.

121
OBJETOS DE CONHECIMENTO MATEMÁTICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | OBJETOS DE CONHECIMENTO
AZUL - ESSENCIAL MATEMÁTICA
ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de MinasGerais
Gerais

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Diferenciação entre (EF04MA28) Realizar pesquisa envolvendo variáveis


variáveis categóricas e categóricas e numéricas e organizar dados coletados
variáveis numéricas por meio de tabelas e gráficos de colunas simples ou
Coleta, classificação e agrupadas, com e sem uso de tecnologias digitais.
representação de dados
de pesquisa realizada

122
OBJETOS DE CONHECIMENTO - TODOS OS COMPONENTES - 5º ANO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

ARTE CIÊNCIAS EDUCAÇÃ GEOGRAFIA HISTÓRIA LÍNGUA MATEMÁTICA


O FÍSICA PORTUGUESA
ARTES Misturas Brincadeira Relação A ação das Reconstrução das Sistema de
VISUAIS s e jogos de campo e pessoas, condições de produção e numeração
Contextos e Cadeias matriz cidade grupos recepção de textos decimal: leitura,
práticas alimentares indígena e sociais e escrita,
simples africana Unidades comunidad Estratégia de leitura comparação e
Elementos da político- es no ordenação de
linguagem Microrganism Danças de administrativa tempo e no Leitura colaborativa e números
os matriz s do Brasil espaço: autônoma naturais de até
Materialidad indígena e nomadismo cinco ordens
es africana Diversidade , Decodificação/Fluência
Ciência e cultural agricultura, de leitura Propriedades
Processos de Tecnologia na Esportes de mineira escrita, das operações
criação vida cotidiana campo e navegações Formação do leitor para o
taco (tais Trabalho no , indústria, literário desenvolvimento
DANÇA Inovações como campo e na entre de diferentes
Contextos e científicas e tacobol, cidade outras Compreensão em leitura estratégias de
práticas tecnológicas beisebol, cálculo com
críquete e Produção, O Compreensão em leitura números
Elementos da golfe) circulação e surgimento naturais
linguagem consumo da espécie Compreensão
Esportes de humana no Problemas
Processos de rede/pared Sistema de continente Estratégia de leitura envolvendo
criação e (tais orientação africano e diferentes
como sua Planejamento de texto significados da
MÚSICA voleibol, Elementos expansão multiplicação e
Contextos e tênis, constitutivos pelo mundo Revisão de textos da divisão:
práticas badminton, dos mapas adição de
peteca e Construção do sistema parcelas iguais,
Elementos da squash) Representaçõ alfabético/Convenções configuração
linguagem es da escrita retangular,
Esportes de cartográficas proporcionalidad
Materialidad invasão Construção do sistema e, repartição
es (tais como alfabético/Estabelecime equitativa e
basqueteb nto de relações medida
Notação e ol, futebol anafóricas na
registro de campo, referenciação e Números
musical futsal, construção da coesão racionais:
handebol e frações unitárias
Processos de polo Planejamento de mais usuais (1/2,
criação aquático) texto/Progressão 1/3, 1/4, 1/5,
temática e paragrafação 1/10 e
TEATRO Ginástica 1/100)
Contextos e geral Escrita colaborativa
práticas Localização e
Lutas do Produção de textos movimentação:
Elementos da contexto pontos de
linguagem comunitári Escrita autônoma referência,
o e regional direção e sentido
Processos de Construção do sistema
criação Lutas de alfabético e da Paralelismo e
matriz ortografia perpendicularis
ARTES indígena e mo
INTEGRADAS africana Morfologia
Processos de Ângulos retos e
criação Construção do sistema não retos: uso
alfabético e da de dobraduras,
ortografia esquadros e
softwares

123
OBJETOS DE CONHECIMENTO - TODOS OS COMPONENTES - 5º ANO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Matrizes VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTEConhecimento


CURRICULARdo
estéticas e alfabeto
Documento doCurrículo
base: português Perímetros
Referência de Minase Gerais
culturais do Brasil/Ordem áreas de figuras
alfabética/Polissemia construídas em
Patrimônio malhas
cultural Conhecimento das quadriculadas
diversas grafias do
Arte e alfabeto/Acentuação Medidas de
tecnologia tempo: leitura
Pontuação de horas em
relógios digitais
Morfologia e analógicos,
duração de
Morfossintaxe eventos e
relações entre
Oralidade unidades de
pública/Intercâmbio medida de
conversacional em sala tempo
de aula
Leitura,
Escuta atenta interpretação e
representação
Características da de dados em
conversação espontânea tabelas de dupla
entrada, gráficos
Aspectos não linguísticos de colunas
(paralinguísticos) no ato simples e
da fala agrupadas,
gráficos de
Relato oral/Registro barras e colunas
formal e informal e gráficos
pictóricos
Contagem de histórias

Escuta de textos orais

Compreensão de textos
orais

Planejamento de texto
oral
Exposição oral

Declamação

124
OBJETOS DE CONHECIMENTO - TODOS OS COMPONENTES - 5º ANO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

ARTE CIÊNCIAS EDUCAÇÃO GEOGRAFIA HISTÓRIA LÍNGUA MATEMÁTICA


FÍSICA PORTUGUESA
ARTES Cadeias Processos As rotas Estratégia de Composição e
VISUAIS alimentares migratórios terrestres, leitura decomposição
Sistemas da simples no Brasil fluviais e Leitura de de um número
linguagem marítimas e seus imagens em natural de até
Astronomia: impactos para a narrativas visuais cinco ordens,
DANÇA Instrumentos formação de Apreciação por meio de
Sistemas da astronômicos cidades e as estética/Estilo adições e
linguagem (uso e transformações Formação do multiplicações
Contextos e informações do meio natural leitor por potências de
práticas coletadas por literário/Leitura 10
eles) multissemiótica Números
MÚSICA Apreciação racionais:
Materialidades estética/Estilo representação
Notação e Textos dramáticos decimal para
registro Compreensão em escrever valores
musical leitura do sistema
Processos de Imagens analíticas monetário
criação em textos brasileiro
Escrita autônoma Relações entre
TEATRO e compartilhada adição e
Processos de Escrita subtração e
criação colaborativa entre
Forma de multiplicação e
ARTES composição dos divisão
INTEGRADAS textos Propriedades da
Processos de Formas de igualdade
criação ---------------- composição de Figuras
Patrimônio - narrativas geométricas
cultural Discurso direto e espaciais
indireto (prismas e
Forma de pirâmides):
composição de reconhecimento,
textos poéticos representações,
Forma de planificações e
composição do características
texto Medidas de
Forma de comprimento,
composição dos massa e
textos / Coesão e capacidade:
articuladores estimativas,
Forma de utilização de
composição dos instrumentos de
textos / medida e de
Adequação do unidades de
texto às normas medida
de escrita convencionais
Forma de mais usuais em
composição de um dado dia ou
textos poéticos em uma semana
visuais Problemas
Forma de utilizando o
composição de sistema
textos dramáticos monetário
brasileiro

125
OBJETOS DE CONHECIMENTO - TODOS OS COMPONENTES - 5º ANO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

ARTE CIÊNCIAS EDUCAÇÃO GEOGRAFIA HISTÓRIA LÍNGUA MATEMÁTICA


FÍSICA PORTUGUESA
ARTES VISUAIS Pontos Danças do A circulação de Formação de
Matrizes cardeais Brasil e do pessoas e as leitor
estéticas e mundo transformações
culturais Calendários, no meio Pesquisa
fenômenos Danças de natural
DANÇA cíclicos e matriz indígena Escrita
Elementos da cultura e africana A invenção do colaborativa
linguagem comércio e a
Saber circulação de
ARTES científico produtos
INTEGRADAS Saber
Matrizes popular O mundo da
estéticas e tecnologia: a
culturais integração de
pessoas e as
exclusões
sociais e
culturais

Os processos
migratórios
para a
----------------- -----------------
formação do
Brasil: os
grupos
indígenas, a
presença
portuguesa e a
diáspora
forçada dos
africanos

Os processos
migratórios do
final do século
XIX e início do
século XX no
Brasil

As dinâmicas
internas de
migração no
Brasil a partir
dos anos 1960

126
OBJETOS DE CONHECIMENTO - TODOS OS COMPONENTES - 5º ANO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

ARTE CIÊNCIAS EDUCAÇÃO GEOGRAFIA HISTÓRIA LÍNGUA MATEMÁTICA


FÍSICA PORTUGUESA
ARTES VISUAIS Transformações Brincadeiras e Território e O passado e o Formação do Sistema de
Contextos e reversíveis e Jogos diversidade presente: a leitor literário numeração
práticas não reversíveis populares do cultural noção de romano
Elementos da Brasil e do permanência e Edição de Problemas de
linguagem mundo Instâncias do as lentas textos contagem
Matrizes Cadeias poder transformações Sequência
estéticas e alimentares Brincadeiras e público e sociais e Utilização de numérica
culturais simples jogos de canais de culturais tecnologia recursiva
Materialidades matriz participação digital formada por
Processos de Pontos cardeais indígena e social múltiplos de um
criação africana Forma de número natural
Sistemas da Calendários, Territórios composição Sequência
linguagem fenômenos Esportes de étnico- dos textos numérica
cíclicos e campo e taco culturais recursiva
DANÇA cultura (tais como Produção de formada por
Sistemas da tacobol, Conservação texto oral números que
linguagem beisebol, e degradação deixam o mesmo
Processos de críquete, da natureza Planejamento resto ao ser
criação golfe, entre e produção de divididos por um
outros) texto mesmo número
MÚSICA natural diferente
Contextos e Esportes de Forma de de zero
práticas rede/parede composição de Simetria de
Elementos da (tais como gêneros orais reflexão
linguagem voleibol, tênis, Medidas de
badminton, Variação temperatura em
TEATRO peteca, linguística grau Celsius:
Contextos e squash, entre construção de
práticas outros.) gráficos para
Elementos da indicar a variação
linguagem Esportes de da temperatura
Processos de invasão (tais (mínima e
criação como máxima) medida
basquetebol, em um dado dia
ARTES futebol de ou em uma
INTEGRADAS campo, futsal, semana
Processos de handebol e Medidas de
criação polo aquático, temperatura em
Matrizes entre outros) grau Celsius:
estéticas e construção de
culturais Ginástica geral gráficos para
Patrimônio indicar a variação
cultural Lutas do da temperatura
contexto (mínima e
comunitário e máxima) medida
regional Análise de
chances de
Lutas de eventos
matriz aleatórios
indígena e Diferenciação
africana entre variáveis
categóricas e
variáveis
numéricas
Coleta,
classificação e
representação de
dados de
pesquisa
realizada

127
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL ABORDAR ARTE| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR


VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – ARTE 5º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO

(EF15AR01MG) Conhecer a história da Arte e os diversos artistas


locais, através de pesquisas e apreciação das linguagens artísticas,
Contextos e resgatando as tradições culturais de cada município.
práticas (EF15AR01B) Apreciar formas distintas das artes visuais tradicionais
e contemporâneas, cultivando a percepção, o imaginário, a
capacidade de simbolizar e o repertório imagético.

(EF15AR02X) Reconhecer as características dos elementos


constitutivos das artes visuais (ponto, linha, forma, cor, espaço,
Elementos da movimento etc.).
linguagem
(EF15AR02MG) Distinguir os diversos elementos visuais
ARTES
experimentando cada um deles a partir de vivências dessa linguagem.
VISUAIS
(EF15AR04) Experimentar diferentes formas de expressão artística
(desenho, pintura, colagem, quadrinhos, dobradura, escultura,
Materialidades modelagem, instalação, vídeo, fotografia etc.), fazendo uso
sustentável de materiais, instrumentos, recursos e técnicas
convencionais e não convencionais.

(EF15AR05) Experimentar a criação em artes visuais de modo


individual, coletivo e colaborativo, explorando diferentes espaços da
Processos de escola e da comunidade.
criação
(EF15AR06MG) Refletir sobre a criação artística e o produto final,
analisando e avaliando o processo.

(EF15AR08x) Apreciar formas distintas de manifestações da dança


Contextos e presentes em diferentes contextos (regionais, nacionais e
práticas internacionais), cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade de
simbolizar e o repertório corporal.

(EF15AR09MG) Exercitar elementos que estimulem a consciência


corporal individual e coletiva, estimulando atividades solos e em
grupo.
Elementos da
linguagem (EF15AR10) Experimentar diferentes formas de orientação no
espaço (deslocamentos, planos, direções, caminhos etc.) e ritmos de
DANÇA movimento (lento, moderado e rápido) na construção do movimento
dançado.

(EF15AR11AX) Criar movimentos dançados de modo individual,


coletivo e colaborativo, considerando os aspectos estruturais,
dinâmicos e expressivos dos elementos constitutivos do movimento,
Processos de com base nos códigos de dança e nas características de cada região
criação do país.

(EF15AR12) Discutir, com respeito e sem preconceito, as


experiências pessoais e coletivas em dança vivenciadas na escola,
como fonte para a construção de vocabulários e repertórios próprios.

(EF15AR13MG) Apreciar diversas formas e gêneros de expressão


Contextos e musical, em especial, aquelas que abrangem a cultura popular local
MÚSICA e regional.
práticas
(EF15AR13Ax) Identificar criticamente diversas formas e gêneros de

128
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL ABORDAR ARTE| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR
VERDE PERPASSAAZULMAIS
- ESSENCIAL
DE UM ABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência
Referência dedeMinas
Minas Gerais
Gerais

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO

expressão musical, reconhecendo e analisando os usos e as


funções da música em diversos contextos de circulação presentes
no cotidiano.

(EF15AR14Bx) Explorar os elementos constitutivos da música


(altura, intensidade, timbre, melodia, ritmo etc.), por meio de jogos,
Elementos da
brincadeiras, canções e práticas diversas de composição/criação,
linguagem
execução e apreciação musical, experimentando as diversas
possibilidades desses elementos.

(EF15AR15A) Explorar fontes sonoras diversas, como as existentes


no próprio corpo (palmas, voz, percussão corporal), na natureza e em
objetos cotidianos, através de jogos musicais e cantigas de roda.

(EF15AR15MG) Incentivar a confecção de instrumentos musicais


produzidos pelos estudantes, decorrentes de pesquisas e
Materialidades
experimentações sonoras.

(EF15AR15MG) Ampliar o repertório musical dos estudantes através


da apreciação de diversos estilos musicais. Essa apreciação poderá
ser realizada por meio de som mecânico, exibição de vídeos e
excursões a apresentações musicais.

(EF15AR16X) Explorar diferentes formas de registro musical não


convencional (representação gráfica de sons, partituras criativas etc.),
Notação e
através da escuta atenta da música. O registro poderá ser realizado
registro musical
através de desenhos, elementos das artes visuais, criação de sinais
gráficos etc.

Processos de (EF15AR17MG) Criar mostra com apresentações musicais dos


criação estudantes a partir dos processos vivenciados em sala de aula.

(EF15AR18BX) Apreciar formas distintas de manifestações teatrais


presentes em diferentes contextos, através de pesquisas, mostras
Contextos e audiovisuais e apreciação de espetáculos das Artes Cênicas.
práticas
(EF15AR18MG) Estimular a percepção, o imaginário e a capacidade
de simbolizar repertórios através de textos e vivências teatrais.

TEATRO (EF15AR19X) Identificar elementos básicos da encenação teatral


Elementos da
(personagem, voz, corporeidade, espaço e narrativa), através da
linguagem
observação dos mesmos elementos na vida cotidiana.

(EF15AR22x) Experimentar possibilidades criativas de construção de


Processos de um determinado personagem. A construção dar-se-á através de
criação exercícios que provoquem a reflexão do corpo, voz, narrativa do
personagem em questão.

Processos de (EF15AR23B) Experimentar, em projetos temáticos, as relações


criação processuais entre diversas linguagens artísticas.

(EF15AR24MG) Explorar materialidade reciclável estimulando a


criatividade dos indivíduos da escola para a produção de brinquedos
ARTES
Matrizes e jogos didáticos.
INTEGRADAS
estéticas e (EF15AR24MG) Utilizar o recurso do teatro de fantoches para
culturais representação de acontecimentos relevantes da comunidade em que
a escola está inserida. A caracterização dos fantoches poderá ser
realizada por toda a comunidade escolar.

129
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL ABORDAR ARTE| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO–ABORDAR
PERPASSAAZULMAIS DE UM
- ESSENCIAL COMPONENTE
ABORDAR CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO

(EF15AR25B) Valorizar o patrimônio cultural, material e imaterial, de


culturas diversas, em especial a brasileira, incluindo-se suas
Patrimônio
matrizes indígenas, africanas e europeias, de diferentes épocas,
cultural
favorecendo a construção de vocabulário e repertório relativos às
diferentes linguagens artísticas.

(EF15AR26) Explorar diferentes tecnologias e recursos digitais


Arte e
(multimeios, animações, jogos eletrônicos, gravações em áudio e
tecnologia
vídeo, fotografia, softwares etc.) nos processos de criação artística.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – ARTE 5º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
(EF15AR07MG) Assegurar o acesso aos espaços do Sistema de
Artes Visuais formais, não formais e urbanos.
ARTES Sistemas da
VISUAIS linguagem (EF15AR07MG) Valorizar as instituições artísticas e sistemas
das Artes Visuais presentes no território educativo.

(EF15AR07MG) Assegurar o acesso aos espaços do Sistema de


Artes Visuais formais, não formais e urbanos.
Sistemas da
linguagem (EF15AR07MG) Valorizar as instituições artísticas e sistemas
das Artes Visuais presentes no território educativo.
DANÇA
(EF15AR08A) Experimentar formas distintas de manifestações
da dança presentes em diferentes contextos, cultivando a
Contextos e
percepção, o imaginário, a capacidade de simbolizar e o repertório
práticas
corporal.

(EF15AR15B) Reconhecer os elementos constitutivos da música


e as características de instrumentos musicais variados através
Materialidades
de vivências e recursos audiovisuais.

(EF15AR16MG) Reconhecer a notação musical convencional


Notação e registro através de pesquisas e entrevistas com músicos da comunidade
musical escolar.

(EF15AR17) Experimentar improvisações, composições e


MÚSICA
sonorização de histórias, entre outros, utilizando vozes, sons
corporais e/ou instrumentos musicais convencionais ou não
convencionais, de modo individual, coletivo e colaborativo.
Processos de
criação (EF15AR17MG) Experimentar diversas formas de improvisações
musicais através de reconto de histórias dramatizadas, utilização
de onomatopeia, com o objetivo de levar o estudante a identificar
os sons produzidos pelos personagens das histórias.

(EF15AR20B) Explorar desde a teatralidade dos gestos e das


ações do cotidiano até elementos de diferentes matrizes estéticas
Processos de
TEATRO e culturais.
criação
(EF15AR21) Exercitar a imitação e o faz de conta,

130
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL OBJETOS DE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL ABORDARARTE| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO
VERDE- NÃO ABORDAR AZUL
– PERPASSA - ESSENCIAL
MAIS DE UMABORDAR PRETO OPCIONAL
COMPONENTE - PODE OU NÃO ABORDAR
CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: Currículo Referência
Referência dede Minas
Minas Gerais
Gerais

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
ressignificando objetos e fatos e experimentando-se no lugar do
outro, ao compor e encenar acontecimentos cênicos, por meio de
músicas, imagens, textos ou outros pontos de partida, de forma
intencional e reflexiva.

(EF15AR23MG) Estimular a concepção de projetos


Processos de
interdisciplinares na escola envolvendo todos os professores.
criação
(EF15AR25A) Conhecer o patrimônio cultural, material e
ARTES
imaterial, de culturas diversas, em especial a brasileira,
INTEGRADAS
incluindo-se suas matrizes indígenas, africanas e europeias, de
Patrimônio cultural
diferentes épocas, favorecendo a construção de vocabulário e
repertório relativos às diferentes linguagens artísticas.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS COMPONENTES – ARTE


5º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
(EF15AR03B) Analisar a influência de distintas matrizes
Matrizes estéticas e estéticas e culturais das artes visuais nas manifestações
ARTES VISUAIS
culturais artísticas das culturas locais, regionais e nacionais.

(EF15AR09) Estabelecer relações entre as partes do corpo e


Elementos da destas com o todo corporal na construção do movimento
DANÇA
linguagem dançado.

(EF15AR24A) Caracterizar brinquedos, brincadeiras, jogos,


danças, canções e histórias de diferentes matrizes estéticas e
culturais.
ARTES Matrizes estéticas e
INTEGRADAS culturais (EF15AR24B) Experimentar brinquedos, brincadeiras, jogos,
danças, canções e histórias de diferentes matrizes estéticas e
culturais.

131
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR VERDE| –AZUL
PERPASSA MAIS DE UMABORDAR
- ESSENCIAL COMPONENTE| CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO - ARTE 5º ANO

UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
(EF15AR01X) Identificar formas distintas das artes visuais
tradicionais, contemporâneas e regionais, cultivando a
Contextos e
percepção, o imaginário, a capacidade de simbolizar e o repertório
práticas
imagético.

(EF15AR02A) Explorar elementos constitutivos das artes visuais


Elementos da
(ponto, linha, forma, cor, espaço, movimento etc.).
linguagem
(EF15AR03X) Reconhecer a influência de distintas matrizes
estéticas e culturais das artes visuais nas manifestações
Matrizes estéticas
artísticas das culturas locais, regionais, nacionais e
e culturais
internacionais.

ARTES (EF15AR04MG) Realizar experimentações com materiais e/ou


VISUAIS meios (tinta, argila, sucata, folhas, pedras etc.) encontrados no
Materialidades
cotidiano.

(EF15AR05MG) Promover ações de intervenções artísticas e


urbanas na escola e na comunidade explorando o diversos
suportes e materiais.
Processos de
criação
(EF15AR06) Dialogar sobre a sua criação e as dos colegas, para
alcançar sentidos plurais.

(EF15AR07) Reconhecer algumas categorias do sistema das


Sistemas da artes visuais (museus, galerias, instituições, artistas, artesãos,
linguagem curadores etc.).

(EF15AR07) Reconhecer algumas categorias do sistema das


Sistemas da artes visuais (museus, galerias, instituições, artistas, artesãos,
linguagem curadores etc.).

(EF15AR11MG) Incentivar a criação e a execução de


coreografias, visando à concepção de espetáculos de dança
para a comunidade.

(EF15AR11BX) Improvisar movimentos dançados de modo


DANÇA
individual, coletivo e colaborativo, considerando os aspectos
Processos de estruturais, dinâmicos e expressivos dos elementos constitutivos
criação do movimento, com base nos códigos de dança e nas
características de cada região do país.

(EF15AR12MG) Dialogar, com respeito e sem preconceito, as


experiências pessoais e coletivas em dança vivenciadas na
escola, acerca da diversidade.

(EF15AR13Bx) Apreciar criticamente diversas formas e gêneros


de expressão musical, reconhecendo e analisando os usos e as
Contextos e
funções da música em diversos contextos de circulação
MÚSICA práticas
presentes no cotidiano.

Elementos da (EF15AR14Ax) Perceber os elementos constitutivos da música

132
OBJETOS DE CONHECIMENTO ARTE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS
OBJETOS DEDE UM COMPONENTE
CONHECIMENTO ARTE CURRICULAR
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
UNIDADE OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICA CONHECIMENTO
linguagem (altura, intensidade, timbre, melodia, ritmo etc.), por meio de
jogos, brincadeiras, canções e práticas diversas de
composição/criação, execução e apreciação musical,
identificando os seus diferentes aspectos.

(EF15AR18AX) Reconhecer formas distintas de manifestações


teatrais presentes em diferentes contextos, através de
Contextos e
pesquisas, mostras audiovisuais e apreciação de espetáculos
práticas
das Artes Cênicas.

(EF15AR19MG) Experimentar vivências teatrais através de jogos


que estimulem a criatividade, a percepção do espaço, a rapidez
de raciocínio, a concentração etc.
Elementos da
TEATRO
linguagem (EF15AR20A) - Experimentar o trabalho colaborativo, coletivo e
autoral em improvisações teatrais e processos narrativos
criativos em teatro.

(EF15AR21MG) Ressignificar vivências cotidianas dos


estudantes através de encenações teatrais, o professor deverá
Processos de
assumir um papel provocador estimulando a análise crítica da
criação
atividade.

(EF15AR23A) Reconhecer, em projetos temáticos, as relações


Processos de
processuais entre diversas linguagens artísticas.
criação
(EF15AR24MG) Integrar os diversos atores da escola na
Matrizes estéticas caracterização de canções e histórias pertencentes ou não ao
ARTES
e culturais território Educativo.
INTEGRADAS
(EF15AR25MG) Valorizar de forma geral todo tipo de
manifestação artística presente em cada região, em cada território
Patrimônio cultural
e comunidade que a escola estiver inserida.

133
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE
OU NÃO ABORDAR
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
VERDE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO – PERPASSA
ABORDAR | AZUL MAIS DE UMABORDAR
- ESSENCIAL COMPONENTE CURRICULAR
| PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

Documento
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE base: Currículo Referência de Minas Gerais
CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – CIÊNCIAS 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF05CI02X) Aplicar os conhecimentos sobre as mudanças de


estado físico da água para explicar o ciclo hidrológico e analisar
suas implicações na agricultura, no clima, na geração de
Ciclo hidrológico energia elétrica, no provimento de água potável e no equilíbrio
dos ecossistemas regionais (ou locais), relacionando a
necessidade de conservação da água e desperdício
Matéria e doméstico.
Energia
(EF05CI03) Selecionar argumentos que justifiquem a
importância da cobertura vegetal para a manutenção do ciclo
Consumo consciente
da água, a conservação dos solos, dos cursos de água e da
qualidade do ar atmosférico.

(EF05CI10MG) Reconhecer a importância da manutenção da


Reciclagem cobertura vegetal para ao ciclo da água na preservação dos
solos, dos cursos de água e da qualidade do ar atmosférico.

Integração entre os (EF05CI08) Organizar um cardápio equilibrado com base nas


sistemas digestório, características dos grupos alimentares (nutrientes e calorias) e
respiratório e nas necessidades individuais (atividades realizadas, idade,
circulatório sexo etc.) para a manutenção da saúde do organismo.

(EF05CI13MG) Conhecer os métodos de produção e consumo


de alimentos da agricultura familiar regional discutindo sobre o
Vida
valor nutritivo e calórico desses alimentos comparando com os
e Evolução
alimentos industrializados.

(EF05CI09X) Discutir a ocorrência de distúrbios nutricionais


(como obesidade, subnutrição etc.) e transtornos alimentares
(bulimia, anorexia e outros), entre crianças e jovens a partir da
análise de seus hábitos (tipos e quantidade de alimento
ingerido, prática de atividade física etc.).

(EFO5CI12) Concluir sobre a periodicidade das fases da


Terra Periodicidade das Lua, com base na observação e no registro das formas
e Universo fases da Lua aparentes da Lua no céu ao longo de, pelo menos, dois
meses.

Observação: C & T do 5º ano não consta do Currículo Referência do Estado.


Terra e Universo é o que está na BNCC.

134
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR OBJETOS AZUL
DE CONHECIMENTO
- ESSENCIALCIÊNCIAS
ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento
Documento base:
base: Currículo
Currículo Referência
Referência de Minas
de Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – CIÊNCIAS 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF05CI04) Identificar os principais usos da água e de outros


Matéria e
Reciclagem materiais nas atividades cotidianas para discutir e propor formas
Energia
sustentáveis de utilização desses recursos.

Vida e (EF05CI14MG) Identificar os órgãos do sistema reprodutor


Evolução Sistema masculino e feminino.
Reprodutor

(EF05CI15MG)Conhecer as características do aparelho reprodutor


masculino e feminino e as transformações que ocorrem durante a
puberdade.

Terra e (EFO5CI11) Associar o movimento diário do Sol e das demais


Movimento de
Universo estrelas no céu ao movimento de rotação e translação da
rotação da Terra
Terra.

(EFO5CI13) Projetar e construir dispositivos para observação


à distância (luneta, periscópio etc.), para observação
Instrumentos
ampliada de objetos (lupas, microscópios) ou para registro de
óticos
imagens (máquinas fotográficas) e discutir usos sociais
desses dispositivos.

Observação: C & T do 5º ano não consta do Currículo Referência do Estado.


Terra e Universo é o que está na BNCC.
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE
OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS COMPONENTES –


CIÊNCIAS 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF05CI05) Construir propostas coletivas para um consumo mais


consciente e criar soluções tecnológicas para o descarte
adequado e a reutilização ou reciclagem de materiais consumidos
Consumo na escola e/ou na vida cotidiana.
consciente
Matéria e
Energia (EF05CI11MG) Reconhecer o lixo como fator de degradação
ambiental, suas consequências e as formas de recuperação dos
espaços degradados e a reutilização dos materiais do lixo.

(EF05CI12MG) Discutir sobre a necessidade do descarte do lixo


e a importância de seleção do mesmo.

135
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR AZUL - ESSENCIAL ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE
OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
OBJETOS DE CONHECIMENTO CIÊNCIAS
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO – CIÊNCIAS 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF05CI01) Explorar fenômenos da vida cotidiana que evidenciem


Matéria e Propriedades propriedades físicas dos materiais – como densidade,
Energia físicas dos condutibilidade térmica e elétrica, respostas a forças magnéticas,
materiais solubilidade, respostas a forças mecânicas (dureza, elasticidade
etc.), entre outras.

(EF05CI06) Selecionar argumentos que justifiquem por que os


Nutrição do sistemas digestório e respiratório são considerados
organismo corresponsáveis pelo processo de nutrição do organismo, com
Vida e base na identificação das funções desses sistemas.
Evolução
(EF05CI07) Justificar a relação entre o funcionamento do sistema
Hábitos alimentares circulatório, a distribuição dos nutrientes pelo organismo e a
eliminação dos resíduos produzidos.

Observação: Os itens marcados de vermelho podem ser trabalhados em outros anos do Ensino
Fundamental.

136
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDARAZUL - ESSENCIAL
OBJETOS ABORDAR PRETO OPCIONAL
DE CONHECIMENTO - PODE OU
EDUCAÇÃO NÃO ABORDAR VERDE – PERPASSA MAIS DE
FÍSICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZULUM COMPONENTEABORDAR
- ESSENCIAL CURRICULAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
CURRICULAR

Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS –


EDUCAÇÃO FÍSICA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Brincadeiras e jogos (EF35EF03P5) Descrever, registrar e documentar, por


populares do Brasil e do meio de múltiplas linguagens (corporal, oral, escrita,
mundo audiovisual), as brincadeiras e os jogos populares do
Brasil e do mundo, incluindo os afro-brasileiros e os de
BRINCADEIRAS
matriz indígena e africana, explicitando suas
E JOGOS
Brincadeiras e jogos de características e reconhecendo a importância desse
matriz indígena e patrimônio histórico cultural na valorização e
africana preservação das diferentes culturas.

Danças do Brasil e do (EF35EF10P5) Identificar e comparar os elementos


mundo constitutivos (história, ritmo, espaço, gestos, trajes
típicos etc.) em danças populares do Brasil e do mundo,
DANÇAS incluindo as afro-brasileiras e as de matriz indígena e
africana, reconhecendo o sentido de cada elemento na
Danças de matriz sua composição como manifestação sócio/histórica e
indígena e africana cultural.

(EF35EF12P5) Identificar situações de injustiça e


preconceito geradas e/ou presentes no contexto das
danças, comparando-as com os presentes nas demais
práticas corporais, problematizando estas situações e
construindo alternativas para combatê-las e superá-las
nos tempos e espaços escolares e sociais.

Esportes de campo e (EF35EF06P5) Diferenciar os conceitos de jogo e


taco (tais como tacobol, esporte, identificando as características que os
beisebol, críquete e constituem na contemporaneidade e suas formas de
golfe) manifestação (educacional, de formação, de rendimento
ou profissional e de participação ou comunitária/lazer).
Esportes de rede/parede
(tais como voleibol, tênis,
badminton, peteca e
ESPORTES
squash)

Esportes de invasão (tais


como basquetebol,
futebol de campo, futsal,
handebol e polo
aquático)

Lutas do contexto (EF35EF15P5) Identificar e comparar as características


comunitário e regional e os elementos constitutivos (história, movimentos,
LUTAS regras, materiais e equipamentos de proteção etc.) das
Lutas de matriz indígena lutas de matriz indígena e africana e as afro-brasileiras,
e africana valorizando e incorporando os princípios de respeito e

137
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR |OBJETOS AZUL -DEESSENCIAL
CONHECIMENTO EDUCAÇÃO|FÍSICA
ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDARAZUL - ESSENCIAL ABORDAR


VERDE – PERPASSA MAIS DEPRETO OPCIONAL - PODECURRICULAR
UM COMPONENTE OU NÃO ABORDAR VERDE – PERPASSA MAIS DE
UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência
Referência dedeMinas
Minas Gerais
Gerais

honra presentes nestas práticas corporais, repudiando


situações de injustiça e violência.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS COMPONENTES –


EDUCAÇÃO FÍSICA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Brincadeiras e jogos (EF35EF02P5) Planejar e utilizar estratégias inovadoras e


populares do Brasil e inclusivas para a vivência de brincadeiras e jogos
do mundo populares do Brasil e do mundo, incluindo os afro-
BRINCADEIRAS brasileiros e os de matriz indígena e africana, associando-
E JOGOS os aos demais elementos constituintes dos saberes
Brincadeiras e jogos culturais destes povos.
de matriz indígena e
africana

Danças do Brasil e do (EF35EF09P5) Recriar, a partir de princípios inclusivos,


mundo danças populares do Brasil e do mundo, incluindo as afro-
DANÇAS brasileiras e as matriz indígena e africana, valorizando e
Danças de matriz respeitando os diferentes sentidos e significados dessas
indígena e africana danças em suas culturas de origem.

Lutas do contexto (EF35EF13P5) Recriar os elementos constitutivos das


comunitário e regional diferentes lutas afro-brasileiras e as de matriz indígena e
LUTAS africana, a partir de princípios inclusivos.
Lutas de matriz
indígena e africana

138
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR OBJETOS | AZULDE CONHECIMENTO
- ESSENCIAL EDUCAÇÃO FÍSICA
ABORDAR | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDARAZUL - ESSENCIAL ABORDAR
VERDE – PERPASSA PRETO
MAIS DE OPCIONAL - PODE OU
UM COMPONENTE NÃO ABORDAR VERDE – PERPASSA MAIS DE
CURRICULAR
UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento base:Currículo Referência
Currículo Referência dede Minas
Minas Gerais
Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO - EDUCAÇÃO FÍSICA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF35EF01P5) Experimentar e fruir brincadeiras e


jogos populares do Brasil e do mundo, incluindo os
Brincadeiras e jogos afro-brasileiros e os de matriz indígena e africana,
populares do Brasil e do valorizando a importância desse patrimônio histórico
mundo cultural.
BRINCADEIRAS
E JOGOS (EF35EF04P5) Recriar com autonomia, individual e
coletivamente brincadeiras e jogos populares do Brasil
Brincadeiras e jogos de e do mundo, incluindo os afro-brasileiros e os de matriz
matriz indígena e africana indígena e africana, fomentando o envolvimento e a
participação em contextos de lazer, ampliando as
redes de sociabilidade e promoção da saúde.

(EF35EF11P5) Formular e utilizar estratégias


Danças do Brasil e do inclusivas e inovadoras para a execução de elementos
mundo constitutivos das danças populares do Brasil e do
DANÇAS mundo, incluindo as afro-brasileiras e as de matriz
Danças de matriz indígena indígena e africana, buscando aprimoramento da
e africana técnica em função da estética e organizando a
composição de coreografias.

Esportes de campo e taco (EF35EF05P5) Experimentar e fruir diversos tipos de


(tais como tacobol, esportes de campo e taco, rede/parede e invasão,
beisebol, críquete e golfe) identificando seus elementos comuns e criando
estratégias individuais e coletivas para sua execução,
Esportes de rede/parede prezando pela inclusão, cooperação, trabalho coletivo
(tais como voleibol, tênis, e protagonismo.
badminton, peteca e
ESPORTES
squash)

Esportes de invasão (tais


como basquetebol, futebol
de campo, futsal,
handebol e polo aquático)

(EF35EF07P5) Experimentar e fruir, de forma coletiva,


a partir de estratégias inovadoras e princípios
inclusivos, combinações de diferentes elementos da
ginástica geral (equilíbrios, saltos, giros, rotações,
acrobacias, com e sem materiais), criando e
executando composições e coreografias que
expressem sincronia, harmonia e técnica.
GINÁSTICAS Ginástica geral
(EF35EF08P5) Planejar e utilizar estratégias
inovadoras e inclusivas para resolver desafios na
produção e execução de sequências e coreografias
coletivas de ginástica geral, auxiliando os colegas a
superarem seus limites e a executarem movimentos,
posturas e sequências, adotando procedimentos de
segurança.

139
OBJETOS DE CONHECIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | OBJETOS AZUL -DE CONHECIMENTO
ESSENCIAL EDUCAÇÃO| FÍSICA
ABORDAR PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDARAZUL - ESSENCIAL ABORDAR


VERDE – PERPASSA MAIS DEPRETO OPCIONAL - PODECURRICULAR
UM COMPONENTE OU NÃO ABORDAR VERDE – PERPASSA MAIS DE
UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base:
Documento Currículo
base: CurrículoReferência deMinas
Referência de Minas Gerais
Gerais

(EF35EF14P5) Planejar e utilizar estratégias básicas,


Lutas do contexto de forma inovadora e inclusiva, das lutas afro-
comunitário e regional brasileiras e as de matriz indígena e africana,
LUTAS reconhecendo e respeitando o colega como oponente,
Lutas de matriz indígena e valorizando e cumprindo as regras e as normas de
africana segurança.

140
OBJETOS DEDECONHECIMENTO
OBJETOS GEOGRAFIA
CONHECIMENTO GEOGRAFIA
LEGENDA: VERMELHO
LEGENDA:- VERMELHO
NÃO ABORDAR | AZUL
- NÃO ABORDAR - ESSENCIAL
AZUL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR | OPCIONAL
PRETO PRETO OPCIONAL
- PODE OU NÃO - PODE OU NÃO ABORDAR
ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDEVERDE
– PERPASSA
– PERPASSAMAIS
MAISDE UMCOMPONENTE
DE UM COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS – GEOGRAFIA 5º ANO

OBJETOS DE
UNIDADES TEMÁTICAS HABILIDADES
CONHECIMENTO

(EF05GE01) Descrever e analisar dinâmicas


populacionais na Unidade da Federação em que
Dinâmica populacional
vive, estabelecendo relações entre migrações e
O SUJEITO E SEU condições de infraestrutura.
LUGAR NO MUNDO (EF05GE02) Identificar diferenças étnico-raciais,
Diferenças étnico-raciais e
étnico-culturais e desigualdades sociais entre
étnico-culturais e
grupos em diferentes territórios, regiões e
desigualdades sociais
municípios.

(EF05GE03) Identificar as formas e funções das


cidades e analisar as mudanças sociais,
econômicas e ambientais provocadas pelo seu
Território, redes e crescimento.
CONEXÕES E ESCALAS
urbanização
(EF05GE04) Reconhecer as características da
cidade e analisar as interações entre a cidade e
o campo e entre cidades na rede urbana.

(EF05GE08) Analisar transformações de


paisagens nas cidades e no campo, comparando
FORMAS DE Mapas e imagens de satélite sequência de fotografias, fotografias aéreas e
REPRESENTAÇÃO E imagens de satélite de épocas diferentes.
PENSAMENTO (EF45GE02MG) Representar o espaço
ESPACIAL Representações geográfico de Minas Gerais, por meio de
cartográficas desenhos, mapas mentais, maquetes, entre
outros.

(EF05GE11) Identificar e descrever problemas


NATUREZA, AMBIENTES ambientais que ocorrem no entorno da escola e
Diferentes tipos de poluição
E QUALIDADE DE VIDA da residência (lixões, indústrias poluentes,
destruição do patrimônio histórico etc.),

141
OBJETOS DE CONHECIMENTO GEOGRAFIA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL
OBJETOS ABORDAR
DE CONHECIMENTO | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
GEOGRAFIA
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE
LEGENDA: VERMELHO – PERPASSA
- NÃO ABORDAR AZULMAIS DE UMABORDAR
- ESSENCIAL COMPONENTE CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS – GEOGRAFIA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF45GE02MG) Compreender e relacionar as diversidades


CONEXÕES E Diversidade cultural
locais e regionais existentes no Estado de Minas Gerais com
ESCALAS mineira
a diversidade sociocultural brasileira.

(EF05GE05) Identificar e comparar as mudanças dos tipos de


trabalho e desenvolvimento tecnológico na agropecuária, na
indústria, no comércio e nos serviços.

(EF05GE06X) Identificar e comparar transformações dos


Trabalho e meios de transporte e de comunicação, ao longo do tempo em
MUNDO DO
inovação diferentes lugares domundo.
TRABALHO
tecnológica
(EF05GE07X) Identificar os diferentes tipos de energia
utilizados na produção industrial, agrícola e extrativa e no
cotidiano das populações, reconhecendo as fontes
renováveis e alternativas de energia e sua importância para
o ambiente.

FORMAS DE (EF05GE09) Estabelecer conexões e hierarquias entre


Representação das
REPRESENTAÇÃO diferentes cidades, utilizando mapas temáticos e
cidades e do
E PENSAMENTO representações gráficas.
espaço urbano
ESPACIAL

NATUREZA, (EF05GE10) Reconhecer e comparar atributos da qualidade


AMBIENTES E Qualidade ambiental e algumas formas de poluição dos cursos de água e
QUALIDADE DE ambiental dos oceanos (esgotos, efluentes industriais, marés negras
VIDA etc.), fazendo um paralelo com a realidade vivenciada.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO - GEOGRAFIA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF05GE12) Identificar órgãos do poder público e canais de


NATUREZA, participação social responsáveis por buscar soluções para a
AMBIENTES E Gestão pública da melhoria da qualidade de vida (em áreas como meio ambiente,
QUALIDADE DE qualidade de vida mobilidade, moradia e direito à cidade) e discutir as propostas
VIDA implementadas por esses órgãos que afetam a comunidade
em que vive.

142
OBJETOSDE
OBJETOS DECONHECIMENTO
CONHECIMENTO HISTÓRIA
HISTORIA
LEGENDA:-VERMELHO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR
NÃO ABORDAR | AZUL AZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR PRETO
| OPCIONAL - PODE OU NÃO
PRETO OPCIONAL ABORDAR
- PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDEVERDE – PERPASSAMAIS
– PERPASSA MAIS DE
DE UM
UMCOMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS - HISTÓRIA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF05HI02X) Identificar os mecanismos de


Povos e culturas:
As formas de organização organização do poder político com vistas à
meu lugar no
social e política: a noção de compreensão da ideia de Estado e/ou de outras
mundo e meu
Estado formas de ordenação social, percebendo o lugar
grupo social
do indivíduo nesse contexto.

(EF05HI07X) Identificar os processos de


produção, hierarquização e difusão dos marcos de
memória e discutir a presença e/ou a ausência de
diferentes grupos que compõem a sociedade na
Registros da O surgimento da escrita e a nomeação desses marcos e referenciais de
história: linguagens noção de fonte para a memória.
e culturas transmissão de saberes,
culturas e histórias (EF05HI08X) Identificar valorizar formas de
marcação da passagem do tempo em distintas
sociedades, incluindo os povos indígenas
originários e os povos africanos.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS - HISTÓRIA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

(EF05HI03X) Analisar o papel das culturas e das


Povos e culturas: O papel das religiões e
religiões na composição identitária dos povos
meu lugar no da cultura para a
antigos, contextualizando com a cultura brasileira na
mundo e meu grupo formação dos povos
atualidade e enfatizando que a fé não é fator
social antigos
discriminatório e excludente na vida social.

143
OBJETOS DE CONHECIMENTO HISTÓRIA
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR | AZUL - ESSENCIAL
OBJETOS ABORDAR
DE CONHECIMENTO | PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
HISTÓRIA
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE
LEGENDA: VERMELHO - NÃO– ABORDAR
PERPASSAAZULMAIS DE UMABORDAR
- ESSENCIAL COMPONENTE CURRICULAR
PRETO OPCIONAL - PODE OU NÃO ABORDAR
VERDE – PERPASSA MAIS DE UM COMPONENTE CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE PERPASSAM OUTROS COMPONENTES –


HISTÓRIA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

O que forma um povo: do (EF05HI01) Identificar os processos de formação


nomadismo aos primeiros das culturas e dos povos, relacionando-os com o
povos sedentarizados espaço geográfico ocupado.

(EF05HI04) Associar a noção de cidadania com


Povos e culturas: os princípios de respeito à diversidade, à
meu lugar no mundo Cidadania, diversidade pluralidade e aos direitos humanos.
e meu grupo social cultural e respeito às (EF05HI05X) Associar o conceito de cidadania à
diferenças sociais, culturais conquista de direitos dos povos e das
e históricas sociedades, compreendendo-o como conquista
histórica, contextualizando com a história
recente do Brasil.

(EF05HI06X) Comparar e discriminar o uso de


diferentes linguagens e tecnologias no processo
As tradições orais e a de comunicação e avaliar os significados sociais,
Registros da políticos e culturais atribuídos a elas.
valorização da memória
história: linguagens
e culturas (EF05HI09X) Comparar e discutir pontos de vista
sobre temas que impactam a vida cotidiana no
tempo presente, por meio do acesso a diferentes
fontes, incluindo orais.

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES QUE NÃO PRECISAM SER ABORDADAS NESSE


MOMENTO - HISTÓRIA 5º ANO

UNIDADES OBJETOS DE
HABILIDADES
TEMÁTICAS CONHECIMENTO

Registros da (EF05HI10X) Inventariar e conhecer os patrimônios


Os patrimônios
história: materiais e imateriais da humanidade, bem como os
materiais e imateriais
linguagens e nacionais, estaduais e municipais analisando mudanças
da humanidade
culturas e permanências desses patrimônios ao longo do tempo.

144
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
OBJETOS DE CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA:- NÃO
LEGENDA: VERMELHO VERMELHO - NÃO ABORDAR
ABORDAR | AZUL AZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR PRETO| OPCIONAL - PODE OU NÃO
PRETO OPCIONAL ABORDAR
- PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDEVERDE – PERPASSA
– PERPASSA MAISDE
MAIS DE UM
UMCOMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJTEOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES ESSENCIAIS - LÍNGUA PORTUGUESA 5º ANO

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF15LP01) Identificar a função social de


textos que circulam em campos da vida
social dos quais participa cotidianamente
Reconstrução das condições de (a casa, a rua, a comunidade, a escola) e
produção e recepção de textos nas mídias impressa, de massa e digital,
reconhecendo para que foram
produzidos, onde circulam, quem os
produziu e a quem se destinam.

(EF15LP02) Estabelecer expectativas em


relação ao texto que vai ler
(pressuposições antecipadoras dos
sentidos, da forma e da função social do
texto), apoiando-se em seus
conhecimentos prévios sobre as
condições de produção e recepção desse
texto, o gênero, o suporte e o universo
Estratégia de leitura temático, bem como sobre saliências
textuais, recursos gráficos, imagens,
dados da própria obra (índice, prefácio
etc.), confirmando antecipações e
inferências realizadas antes e durante a
leitura de textos, checando a adequação
das hipóteses realizadas.

LEITURA/ESCUTA (EF15LP03) Localizar informações


explícitas em textos.

(EF15LP16) Ler e compreender, em


colaboração com os colegas e com a
ajuda do professor e, mais tarde, de
Leitura colaborativa e autônoma maneira autônoma, textos narrativos de
maior porte, como contos (populares, de
fadas, acumulativos, de assombração
etc.) e crônicas.

(EF35LP01) Ler e compreender,


silenciosamente e, em seguida, em voz
Decodificação/Fluência de
alta, com autonomia e fluência, textos
leitura
curtos com nível de textualidade
adequado.

(EF35LP21) Ler e compreender, de


forma autônoma, textos literários de
diferentes gêneros e extensões, inclusive
Formação do leitor literário
aqueles sem ilustrações, estabelecendo
preferências por gêneros, temas,
autores.

(EF35LP26) Ler e compreender, com


Compreensão em leitura certa autonomia, narrativas ficcionais que
apresentem cenários e personagens,

2
145
OBJETOS
OBJETOS DEDECONHECIMENTO
CONHECIMENTO LÍNGUA PORTUGUESA
LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA:-VERMELHO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR
NÃO ABORDAR | AZUL AZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDARPRETO|OPCIONAL
PRETO- OPCIONAL
PODE OU NÃO- ABORDAR
PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDE VERDE – PERPASSAMAIS


– PERPASSA MAIS DE
DEUMUMCOMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

observando os elementos da estrutura


narrativa: enredo, tempo, espaço,
personagens, narrador e a construção do
discurso indireto e discurso direto.

(EF35LP27) Ler e compreender, com


certa autonomia, textos em versos,
explorando rimas, sons e jogos de
palavras, imagens poéticas (sentidos
figurados) e recursos visuais e sonoros.

(EF35LP03) Identificar a ideia central do


Compreensão
texto, demonstrando compreensão global.

(EF35LP04) Inferir informações implícitas


nos textos lidos.

(EF35LP05) Inferir o sentido de palavras


ou expressões desconhecidas em textos,
com base no contexto da frase ou do
texto.
Estratégia de leitura
(EF35LP06) Recuperar relações entre
partes de um texto, identificando
substituições lexicais (de substantivos por
sinônimos) ou pronominais (uso de
pronomes anafóricos – pessoais,
possessivos, demonstrativos) que
contribuem para a continuidade do texto.

(EF15LP05) Planejar, com a ajuda do


professor, o texto que será produzido,
considerando a situação comunicativa,
os interlocutores (quem escreve/para
quem escreve); a finalidade ou o
propósito (escrever para quê); a
circulação (onde o texto vai circular); o
suporte (qual é o portador do texto); a
Planejamento de texto
linguagem, organização e forma do texto
e seu tema, pesquisando em meios
PRODUÇÃO DE TEXTOS impressos ou digitais, sempre que for
(ESCRITA preciso, informações necessárias à
COMPARTILHADA E produção do texto, organizando em
AUTÔNOMA) tópicos os dados e as fontes
pesquisadas.

(EF15LP06) Reler e revisar o texto


produzido com a ajuda do professor e a
colaboração dos colegas, para corrigi-lo
Revisão de textos e aprimorá-lo, fazendo cortes,
acréscimos, reformulações, correções de
ortografia e pontuação.

146
OBJETOS
OBJETOS DEDE CONHECIMENTO LÍNGUA
CONHECIMENTO PORTUGUESA
LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA:- VERMELHO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR
NÃO ABORDAR | AZUL AZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR PRETO| OPCIONAL
PRETO -OPCIONAL
PODE OU NÃO ABORDAR
- PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDEVERDE – PERPASSAMAIS
– PERPASSA MAIS DE
DE UM
UMCOMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF35LP07) Utilizar, ao produzir um


texto, conhecimentos linguísticos e
gramaticais, tais como ortografia, regras
Construção do sistema
básicas de concordância nominal e
alfabético/Convenções da
verbal, pontuação (ponto final, ponto de
escrita
exclamação, ponto de interrogação,
vírgulas em enumerações) e pontuação
do discurso direto, quando for o caso.

(EF35LP08) Utilizar, ao produzir um


texto, recursos de referenciação (por
substituição lexical ou por pronomes
Construção do sistema
pessoais, possessivos e demonstrativos),
alfabético/Estabelecimento de
vocabulário apropriado ao gênero,
relações anafóricas na
recursos de coesão pronominal
referenciação e construção da
(pronomes anafóricos) e articuladores de
coesão
relações de sentido (tempo, causa,
oposição, conclusão, comparação), com
nível suficiente de informatividade.

(EF35LP09) Organizar o texto em


Planejamento de unidades de sentido, dividindo-o em
texto/Progressão temática e parágrafos segundo as normas gráficas e
paragrafação de acordo com as características do
gênero textual.

(EF35LP12) Recorrer ao dicionário para


esclarecer dúvida sobre a escrita de
palavras, especialmente no caso de
palavras com relações irregulares
Construção do sistema fonema-grafema.
alfabético e da ortografia (EF35LP13) Memorizar a grafia de
palavras de uso frequente nas quais as
relações fonema- grafema são irregulares
e com h inicial que não representa
fonema.

(EF35LP14) Identificar em textos e usar


ANÁLISE
na produção textual pronomes pessoais,
LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA Morfologia
possessivos e demonstrativos, como
(ORTOGRAFIZAÇAO
recurso coesivo anafórico.

(EF05LP01) Grafar palavras utilizando


regras de correspondência fonema-
Construção do sistema
grafema regulares, contextuais e
alfabético e da ortografia
morfológicas e palavras de uso frequente
com correspondências irregulares.

(EF05LP02) Identificar o caráter


polissêmico das palavras (uma mesma
Conhecimento do alfabeto
palavra com diferentes significados, de
português do Brasil/Ordem
acordo com o contexto de uso),
alfabética/Polissemia
comparando o significado de
determinados termos utilizados nas áreas

147
OBJETOS
OBJETOS DE DE CONHECIMENTO LÍNGUA
CONHECIMENTO PORTUGUESA
LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA:- VERMELHO
LEGENDA: VERMELHO - NÃO ABORDAR
NÃO ABORDAR | AZUL AZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR PRETO| OPCIONAL - PODE OU NÃO
PRETO OPCIONAL ABORDAR
- PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDEVERDE – PERPASSA
– PERPASSA MAISDE
MAIS DE UM
UMCOMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

científicas com esses mesmos termos


utilizados na linguagem usual.

(EF05LP03) Acentuar corretamente


Conhecimento das diversas
palavras oxítonas, paroxítonas e
grafias do alfabeto/ Acentuação
proparoxítonas.

(EF05LP04A) Diferenciar, na leitura de


textos, vírgula, ponto e vírgula, dois-
pontos.
Pontuação
(EF05LP04B) Reconhecer, na leitura de
textos, o efeito de sentido que decorre do
uso de reticências, aspas, parênteses.

(EF05LP05) Identificar a expressão de


presente, passado e futuro em tempos
verbais do modo indicativo.

(EF05LP06) Flexionar, adequadamente,


na escrita e na oralidade, os verbos em
concordância com pronomes
Morfologia
pessoais/nomes sujeitos da oração.

(EF05LP07) Identificar, em textos, o uso


de conjunções e a relação que
estabelecem entre partes do texto:
adição, oposição, tempo, causa,
condição, finalidade.

(EF05LP26) Utilizar, ao produzir o texto,


conhecimentos linguísticos e gramaticais:
Forma de composição dos regras sintáticas de concordância
textos/Adequação do texto às nominal e verbal, convenções de escrita
normas da escrita de citações, pontuação (ponto final, dois-
pontos, vírgulas em enumerações) e
regras ortográficas.

(EF05LP27) Utilizar, ao produzir o texto,


recursos de coesão pronominal
Forma de composição dos (pronomes anafóricos) e articuladores de
textos/Coesão e articuladores relações de sentido (tempo, causa,
oposição, conclusão, comparação),
com nível adequado de informatividade.

148
OBJETOS
OBJETOS DE DE CONHECIMENTO LÍNGUA
CONHECIMENTO PORTUGUESA
LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA:- NÃO
LEGENDA: VERMELHO VERMELHO - NÃO ABORDAR
ABORDAR | AZULAZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR PRETO
| OPCIONAL - PODE OU NÃO
PRETO OPCIONAL ABORDAR
- PODE OU NÃO ABORDAR

PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE


VERDEVERDE – PERPASSA
– PERPASSA MAISDE
MAIS DE UM
UM COMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES OPTATIVAS - LÍNGUA PORTUGUESA 5º ANO

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF15LP04) Identificar o efeito de sentido


produzido pelo uso de recursos
Estratégia de leitura
expressivos gráfico-visuais em textos
multissemióticos.

(EF15LP14) Construir o sentido de


histórias em quadrinhos e tirinhas,
Leitura de imagens em
relacionando imagens e palavras e
narrativas visuais
interpretando recursos gráficos (tipos de
balões, de letras, onomatopeias)

(EF15LP17) Apreciar poemas visuais e


concretos, observando efeitos de sentido
criados pelo formato do texto na página,
Apreciação estética/Estilo
distribuição e diagramação das letras,
pelas ilustrações e por outros efeitos
visuais.

(EF15LP18) Relacionar texto com


ilustrações e outros recursos gráficos.
Formação do leitor (EF35LP22) Perceber diálogos em textos
literário/Leitura multissemiótica narrativos, observando o efeito de
sentido de verbos de enunciação e, se
for o caso, o uso de variedades
linguísticas no discurso direto.
LEITURA / ESCUTA
(EF35LP23) Apreciar poemas e outros
textos versificados, observando rimas,
Apreciação estética/Estilo aliterações e diferentes modos de divisão
dos versos, estrofes e refrões e seu
efeito de sentido.

(EF35LP24) Identificar funções do texto


dramático (escrito para ser encenado) e
Textos dramáticos sua organização por meio de diálogos
entre personagens e marcadores das
falas das personagens e de cena.

(EF05LP09) Ler e compreender, com


autonomia, textos instrucionais de regras
de jogo, dentre outros gêneros do campo
da vida cotidiana, de acordo com as
convenções do gênero e considerando a
situação comunicativa e a finalidade do
Compreensão em leitura texto.

(EF05LP10) Ler e compreender, com


autonomia, anedotas, piadas e cartuns,
dentre outros gêneros do campo da vida
cotidiana, de acordo com as convenções
do gênero e considerando a situação
comunicativa e a finalidade do texto.

149
OBJETOS
OBJETOS DE DE CONHECIMENTO LÍNGUA
CONHECIMENTO PORTUGUESA
LÍNGUA PORTUGUESA
LEGENDA:
LEGENDA: VERMELHO VERMELHO
- NÃO - NÃO ABORDAR
ABORDAR | AZULAZUL - ESSENCIAL ABORDAR
- ESSENCIAL ABORDAR PRETO
| OPCIONAL - PODE OU NÃO
PRETO OPCIONAL ABORDAR
- PODE OU NÃO ABORDAR
PERCURSOS CURRICULARES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE

VERDEVERDE – PERPASSA
– PERPASSA MAISDE
MAIS DE UM
UM COMPONENTE
COMPONENTE CURRICULAR
CURRICULAR
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais
Documento base: Currículo Referência de Minas Gerais

PRÁTICAS DE OBJETOS DE
HABILIDADES
LINGUAGEM CONHECIMENTO

(EF05LP22) Ler e compreender verbetes


de dicionário, identificando a estrutura, as
informações gramaticais (significado de
abreviaturas) e as informações
semânticas.

(EF05LP23) Comparar informações


Imagens analíticas em textos
apresentadas em gráficos ou tabelas.

(EF35LP25) Criar narrativas ficcionais,


com certa autonomia, utilizando detalhes
Escrita autônoma e descritivos, sequências de eventos e
compartilhada imagens apropriadas para sustentar o
sentido do texto, e marcadores de tempo,
espaço e de fala de personagens.

(EF05LP11) Registrar, com autonomia,


anedotas, piadas e cartuns, dentre outros
gêneros do campo da vida cotidiana, de
acordo com as convenções do gênero e
considerando a situação comunicativa e
a finalidade do texto.
Escrita colaborativa (EF05LP12) Planejar e produzir, com
autonomia, textos instrucionais de regras
PRODUÇÃO DE TEXTOS
de jogo, dentre outros gêneros do campo
(ESCRITA
da vida cotidiana, de acordo com as
COMPARTILHADA E
convenções do gênero e considerando a
AUTÔNOMA)
situação comunicativa e a finalidade do
texto.

(EF05LP24) Planejar e produzir texto


sobre tema de interesse, organizando
resultados de pesquisa em fontes de
Produção de textos informação impressas ou digitais,
incluindo imagens e gráficos ou tabelas,