Você está na página 1de 1

Afinal, toda situação de estresse é propícia para o aprendizado e o crescimento pessoal.

E esse período é
sem dúvida um potencial estressor, que exige enfrentamento de cada um de nós.

“Quando tudo passar, vamos nos amar, abraçar e beijar mais. Valorizaremos a importância
de segurar nas mãos uns dos outros. Vamos nos importar menos com as desavenças.
Vamos valorizar mais cada inspiração. Vamos agradecer por cada dia em que pudermos
acordar e ser livres. Vamos nos conectar com a natureza, dentro e fora de nós. Vamos
valorizar mais o tempo com aqueles que amamos. Quando tudo isso passar, seremos menos
isolados e mais integrados. Vamos ter aprendido a cuidar de nós mesmos e uns dos outros”
 Ressignificar
. Apesar disso, insiste que não se deve se deixar levar por pensamentos catastrofistas, mas é preciso assumir que
é algo totalmente normal. A vida não é um contínuo estático, vivemos em uma constante mudança”.

Por isso, assim como falamos que essa crise nos fez valorizar mais as pessoas que amamos ou os pequenos
prazeres, outra lição a aprender é exatamente esta: devemos aprender a ser mais resilientes para enfrentar as
mudanças imprevistas.

“Na pandemia experimentamos esse golpe de realidade, mas não sei se aprendemos que a vida é muito mais
incerta do que o nosso cérebro gostaria.

Aceitar não significa se resignar

A primeira coisa a ter em mente é que, embora enfrentar mudanças seja um processo da vida, é lógico e
necessário sentir-se mal com a perda desses planos de vida. “É preciso aceitar que temos emoções negativas por
causa dos projetos que não serão realizados. É normal, natural e até saudável que você sinta tristeza e/ou
ansiedade com a perda.”

“É preciso aprender a trocar a resignação pela aceitação mudar nosso diálogo interno e entender que aceitar a
situação é o começo da mudança.” Como resume Viudes, a chave é “parar de se preocupar para começar a se
ocupar”.

“Agora, mais do que nunca, trata-se de viver o momento e ver como essa nova realidade evolui para nos
adaptarmos a ela. O ser humano é muito resistente e é capaz de seguir em frente nas situações mais adversas. O
importante não é cair, mas voltar a se levantar”