Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB

DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E EXATAS-DQE


QUÍMICA GERAL E EXPERIMENTAL II
RENÊ ALEXANDRE GIAMPEDRO TURMA P01

REAÇÕES DE REDUÇÃO E OXIDAÇÃO

Jorge Luiz Alves Da Silva

Jequié-Ba
Junho/2017
1. Objetivos
 Observar algumas reações de óxido-redução.
 Colocar os metais e o hidrogênio na sequência dos seus potenciais de
eletrodo.
2. Material utilizado
 Tubos de ensaio
 Lâmina de cobre
 Estante para tubos de ensaio
 Fio de cobre
 Béqueres
 Lâmina de alumínio
 Placa de Petri
 Lâmina de chumbo
 Esponja de aço ou lixa
 Nitrato de prata (AgNO3) 0,10 mol L-1
 Lupa
 Sulfato de magnésio (MgSO4) 0,10 mol L-1
 Algodão
 Sulfato de zinco (ZnSO4) 0,10 mol L-1
 Álcool comercial
 Sulfato de cobre (CuSO4) 0,10 mol L-1
 Raspas de magnésio
 Ácido clorídrico (HCl) 0,50 mol L-1
 Raspas de zinco
 Soluções A, B, C e D, fornecidas pelo professor
 Raspas de cobre

3.2 Procedimento experimental


3.3 Formação de dendrites de prata: lixou-se a superfície de um fio de
cobre de modo a remover alguma oxidação que possa existir.
Desengordurou-se bem o fio esfregando-o com algodão embebido
em álcool. Mergulhou-se o fio de cobre desencapado (enrolado de
uma forma decorativa) dentro de um béquer de 100 mL contendo
solução de nitrato de prata 0,10 mol L-1. Colocou-se o fio de cobre
de forma que ficasse totalmente imerso e observou-se. Deixando o
sistema em repouso por trinta minutos, observou-se constantemente
e anotou-se os resultados.
3.4 Poder redutor dos metais: Colocou-se em cada tubo de ensaio
raspas do metal indicado na segunda coluna da Tabela 1 e a solução
dos cátions da terceira coluna. Anotando-se as observações em cada
caso.
Tabela 1. Reações de metais com íons em solução.

tubo meta cátion observações


l
1 Mg Mg2+
2 Mg Zn 2+
3 Mg Cu2+
4 Mg H+
5 Zn Mg2+
6 Zn Zn 2+
7 Zn Cu2+
8 Zn H+
9 Cu Mg2+
10 Cu Zn 2+
11 Cu Cu2+
12 Cu H+

3.5 Identificação de cátions: limpou-se, com esponja de aço ou lixa, as


lâminas metálicas de cobre, alumínio e chumbo até que ficassem
brilhantes. Em seguida, limpou-se com toalha de papel. Adicionando-
se uma gota de cada uma das soluções A, B, C e D às três lâminas e
observou-se o que estava a acontecer. O aparecimento de uma
mancha na lâmina indicaria reação. Como as reações nem sempre
são instantâneas, esperou-se por volta de três minutos para chegar a
uma conclusão definitiva. Na Tabela 2, escreveu-se "+", se ocorreu
reação, e "-", em caso contrário.

Tabela 2. Reações para identificação de cátions.


Solução Lâmina de cobre Lâmina de Lâmina de
alumínio chumbo
A
B
C
D
1. Resultados e discussão
 Formação de dendrites de prata

Ao colocar um pedaço de cobre em solução de nitrato de prata. Após um breve


momento, foi observado que houve a formação de pequenos cristais em torno
do cobre.

A prata metálica depositou-se sobre o cobre. Ocorreu a seguinte reação de


oxirredução:

Cu (s) +  2Ag+(aq) → Cu2+(aq)  + 2 Ag(s)


  

Os íons Ag+ em solução entram em contato direto com a superfície do cobre,


onde ocorre a transferência de elétrons. Dois elétrons são transferidos para um
átomo de Cu para dois íons de Ag +.. Assim, os íons de Cu2+, entram na solução,
e os átomos de prata depositam-se no cobre. E esta reação onde o produto é
favorecido ocorre até que um ou ambos dos reagentes sejam completamente
consumidos.

Ao analisar a equação global podemos observar que o cobre reduziu os íons


Ag+ a cristais de prata metálica, e o cobre metálico foi oxidado para íons de
Cu2+. Nesta reação há transferência de elétrons entre o agente redutor (espécie
química que causa a redução) e o agente oxidante (espécie química que causa
a redução). Houve aumento no número de oxidação do Cu, logo este é o
agente redutor, já no Ag+ seu número de oxidação foi diminuído, ou seja, Ag + é
o agente oxidante.

Esta reação pode ser analisada mais detalhadamente através das


semirreações de redução e de oxidação, a seguir:

Semirreação de redução:   Ag+ (aq) + e- → Ag0(s)

Semirreação de oxidação: Cu0(s)  →  Cu2+(aq) + 2e-  

 Poder redutor dos metais


Foram colocados em cada tubo de ensaio raspas dos metais, indicados na
segunda coluna da Tabela 1, em soluções com cátions, indicados na terceira
coluna. Então, foram feitas observações, que podem ser analisadas na tabela a
seguir.

Tabela 1: Reações entre metais e cátions

Tubo Metal Cátion Observaçõ


es de
reações
1 Mg Mg2+ Não ocorre
2 Mg Zn 2+ Ocorre
3 Mg Cu2+ Ocorre
4 Mg H+ Ocorre
5 Zn Mg2+ Não ocorre
6 Zn Zn2+ Não ocorre
7 Zn Cu2+ Ocorre
8 Zn H+ Ocorre
9 Cu Mg2+ Não ocorre
10 Cu Zn2+ Não ocorre
11 Cu Cu2+ Não ocorreu
12 Cu H+ Não ocorreu

De modo geral, as reações ocorrentes aconteceram através da transferência


de elétrons, ou seja, são reações de simples troca onde acontece a oxidação e
a redução dos elementos envolvidos. Em que o elemento metálico deslocou os
íons presentes nas soluções.

Os metais têm a tendência de ceder elétrons. Quando comparamos vários


metais, o que possuir maior tendência de doar elétrons é o mais reativo.
Consequentemente, a reatividade dos metais está associada também à sua
energia de ionização, isto é, a energia mínima necessária para remover um
elétron do átomo gasoso em seu estado fundamental. O metal mais reativo
reage com substâncias iônicas cujos cátions são menos reativos.

Para isto, há uma escala de reatividade dos metais. Nesta o hidrogênio,


mesmo não sendo classificado como um metal, também faz parte desta escala,
pois o mesmo aparece em determinadas substâncias (como os ácidos) e é
capaz de formar o cátion hidrônio (H3O+) ou simplesmente o cátion hidrogênio
(H+), que, por sua vez, pode receber elétrons, formando gás hidrogênio e água.

Com o hidrogênio incluído na fila de reatividade é possível determinar a


reatividade dos metais em soluções em que há íons hidrogênio, como é o caso
dos tubos 4, 8 e 12, que continha ácido clorídrico (HCl).

Óxidorredução decorre em reações que há transferência de elétrons entre as


substâncias fazendo com que o número de oxidação (nox) de uma substância
aumente enquanto o nox de outra diminua.

O Nox, Número de Oxidação (Nox), é a carga elétrica que o elemento adquire


quando faz uma ligação iônica ou o caráter parcial que ele adquire quando faz
uma ligação predominantemente covalente.

A seguir estão as reações completas dos tubos em que houve reação:

2 – Mg(s) + Zn+(aq)

Mg(s) + Zn 2+(aq) + SO4 2+ (aq) →  Mg2+(aq) + Zn(s) + SO42-(aq)

3 - Mg(s) + Cu+(aq)

Mg(s) + Cu2+(aq) + SO42-(aq) → Cu(s) + Mg2+(aq) + SO42-(aq)

4 - Mg(s) + H+(aq)

Mg(s) + 2 HCl(aq) → MgCl2(aq) + H2(g)

7 - Zn + Cu 2+

Zn(s) + Cu2+(aq) + SO42-(aq) → Cu(s) + Zn2+(aq) + SO42-(aq)


8 - Zn(s) + H+ (aq)

Ao mergulhar a lâmina de zinco no ácido clorídrico (HCl), ele deslocou o H do


ácido e formou o gás hidrogênio, a equação correspondente é a seguinte:

Zn(s) + 2 HCl(aq) → ZnCl2 + H2(g)

Tubos 5, 6, 9, 10, 11, 12

Estas reações não ocorreram pois, quando o metal é menos reativo que o íon
presente na solução em que ele foi imergido, o cátion não consegue deslocar o
íon da solução. Não houve transferência de elétrons, já que a tendência de
doar elétrons do outro metal (do íon da solução) é maior.

Esta reatividade dos metais está ligada à eletropositividade, isto é, a tendência


que o metal possui de perder elétrons. Quanto mais reativo o metal for, maior
será sua eletropositividade. 

 Identificação de cátions

Ao gotejar quatro soluções iônicas diferentes nos materiais: cobre, alumínio e


chumbo, foi observado em qual deles ocorria algum tipo de reação (sendo
colocado um ‘+” onde havia ocorrido reação e um “-“ onde não havia ocorrido),
os resultados podem ser analisados na tabela a seguir:

Tabela 2: Resultado das reações dos cátions com os metais

Solução Lâmina de cobre Lâmina de Lâmina de chumbo


alumínio

A _ + +
B _ _ _
C + _ _

D _ _ _

Os cátions contidos nas soluções desconhecidas eram os seguintes, Ag +, Na+,


Zn2+ e H3O+.

Para cada substância apresentada existe um potencial de redução padrão.


Este potencial é dado com base no movimento de elétron em uma reação, que
apresenta uma diferença de potencial chamada de força eletro motriz, ou fem.
Para qualquer reação de célula que prossegue espontaneamente, o seu
pontencial será positivo, por outro lado se o valor de o E 0 for negativo a reação
é prevista como reagente-favorecido, ou seja, a reação direta não ocorre

O E do cátodo e do ânodo podem ser usados como medidas do potencial de


eletrodo. O E0célula é a diferença entre o E0cátodo e o E0ânodo .

E0célula = E0cátodo - E0ânodo

O E0cátodo e o E0ânodo são potenciais de redução padrão das reações de


semicélula que ocorrem no cátodo e no ânodo.

No experimento foram colocados sinais positivos e negativos, indicando


quando a reação ocorria ou não. Segue abaixo as semirreaçães de redução de
cada substância testada na prática.

Fio de cobre

Cátion Na+ / Fio de cobre


2Na+ (aq) + 2e-  2Na(s) Eo = - 2,714 V
Cu(s)  Cu +2 + 2e- Eo = - 0,337 V
2Na+ (aq) + Cu(s)  2Na(s) + Cu +2 Eo = - 3,051

Cátion Zn+2 / Fio de cobre


Zn+2 (aq) + 2e-  Zn (aq) Eo = - 0,763 V
Cu(s)  Cu +2 (aq) + 2e- Eo = - 0,337 V
Zn+2 (aq) + Cu(s)  Zn (aq) + Cu +2 (aq) Eo = - 1,1 v
Cátion Ag+ / Fio de cobre
2 Ag+(aq)+ 2 e-  2 Ago (s) Eo = + 0,799 V
Cu(s)  Cu +2 + 2e- Eo = - 0,337 V
2 Ag+(aq) + Cu2+(aq)  2 Ago (s) + Cu(s) Eo = + 0,462 V

Cátion Zn+2 / Lâmina Al


Zn+2 (aq) + 2e-  Zn (aq) Eo = - 0,763 V
3+ -
Al(s)  Al (aq) + 3e Eo + = + 1,66 V
Zn+2 (aq) + Al(s)  Zn (aq) + Al3+ (aq) Eo = + 0,898
Lâmina de alumínio

Cátion Na+ / Lâmina Al


Na+ (aq) + e-  Na(s) Eo = - 2,714 V
Al(s)  Al3+ (aq) + 3e- Eo + = + 1,66 V
Na+ (aq) + Al(s)  Na(s) + Al3+ (aq) Eo = - 1,054 V

Cátion Ag+ / Lâmina Al


3 Ag+(aq) + 3 e-  3 Ago (s) Eo = + 0,799 V
Al(s)  Al3+ (aq) + 3e- Eo + = + 1,66 V
2 Ag+(aq) + Al3+ (aq)  2 Ago (s) + Al(s) Eo = + 2,46 V

Lâmina de chumbo

Cátion Zn2+/ Lamina Pb


Zn+2 (aq) + 2e-  Zn (aq) Eo = - 0,763 V
Pbo (s)  Pb+2(aq) + 2 e- Eo = + 0,126 V
Zn+2 (aq) + Pbo (s) Zn(aq) + Pb+2(aq) Eo = - 0,637 V

Cátion Na+ / Lamina Pb


Na+ (aq) + e-  Na(s) Eo = - 2,714 V
Pbo (s)  Pb+2(aq) + 2 e- Eo = + 0,126 V
Na+ (aq) + Pbo (s)  Pb+2(aq) + Na(s) Eo = - 2,588 V
Cátion Ag+ / Lamina Pb
2 Ag+(aq) + 2 e-  2 Ago (s) Eo = + 0,799 V
Pbo (s)  Pb+2(aq) + 2 e- Eo = + 0,126 V
2 Ag+(aq) + Pbo (s)  2 Ago (s) + Pb+2(aq) Eo = + 0,925 V

Cátion H3O+ / Lamina Pb


2H3O+(aq) + 2e-  H2+H2O(l)
+2 -
(s) Pb  Pb (aq) + 2 e Eo = + 0,126 V
2H3O+(aq) + (s) Pb  H2+H2O(l)+ Pb+2(aq) A reação ocorre pois o Pb é mais
eletropositivo que o íon H+

Ao analisar os potenciais padrão das soluções não foi possível descobrir quais
soluções estavam representando A, B, C e D pois ao comparar com a tabela os
resultados não corresponderam.
5. CONCULSÃO

Por meio do experimento Reações de redução e oxidação foi possível


observar algumas reações de óxido-redução, e também colocar os metais e o
hidrogênio na sequência dos seus potenciais de eletrodo.
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 Lee, JD, Química Inorgânica não tão concisa, Ed. Edgard Blucher, 5a
edição, 1999, São Paulo.
 Russel, J. B. Química Geral. São Paulo: Mc Graw Hill, 1994.

Você também pode gostar