Você está na página 1de 10

Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.

com)

Aplicações ‘Diferentes’ Para


Números Complexos
Capítulo I

Comentário Inicial
O artigo que aqui apresentamos não tem como objetivo introduzir ao
leitor o assunto “números complexos”. O artigo tem como objetivo
aprofundar os conhecimentos de alguém que já estudou o assunto
(mesmo que brevemente) abrindo os seus horizontes para novas
aplicações (ou aplicações ‘diferentes’ como diz o título) dos números
complexos.

Revisão de Complexos:
A unidade complexa é definida como i = −1 .
Considere o complexo z = x + y.i x, y ∈ \ . Definimos:

- Módulo (norma) de z: z = x + y.i = x² + y²


- Partes Real e Imaginaria de z: \e(z) = x Im(z) = y
y
- Argumento de z: θ = arg(z) = arctg   + 2.k.π k∈]
x
- Complexo conjugado de z: z = x − yi

Um número complexo pode ser representado no plano complexo


como um vetor (sendo a parte real de um complexo representado no
eixo horizontal e sua parte imaginária no eixo vertical). A
extremidade do vetor é chamado afixo (x,y) de um complexo.
Da figura, um complexo pode ser escrito na forma trigonométrica:
z = z . ( cos θ + i.senθ )

Notação: Usaremos no decorrer do artigo as notações:


c i s θ = cos θ + i.senθ

Exercícios de Revisão:
1. Prove as seguintes propriedades:
i) z = r.cisθ w = ρ.cisα ⇒ z.w = ( ρ.r ) .cis ( θ + α )
z ρ
ii) z = r.cisθ w = ρ.cisα ⇒ =   .cis ( θ − α )
w r
 z.w = r.ρ

iii) z = r w =ρ≠0 ⇒ z r
 =
w ρ
iv) z.z = z ²

v) z = z

vi) z1 + z2 = z1 + z2

vii) z1 .z2 = z1 .z2

viii) z + w ≤ z + w
2. Prove por indução a lei de Moivre: ( z ) = ( r.cisθ ) = r n cis ( n.θ )
n n

para n natural positivo. Estenda o raciocínio para n inteiros.

2 kπ 
3. Mostre que: ( z )n = 1 ⇔ z = cis   para n natural, e k inteiro.
 n 

θ θ
4. Mostre que: 1 + cisθ = 2.cos   .cis  
2 2

zn
5. Utilize o resultado acima para mostrar que ∈ \ para z de
1 + z2 n
módulo unitário tal que z2 n ≠ −1 e n natural. (IME 2002)

6. Seja P(z) = a 0 .z n + a1 .z n −1 + ... + a n −1 .z + 1 um polinômio com


coeficientes reais. Mostre que se x é raiz da equação P(z)=0 , então o
conjugado de x também será raiz.

7. (ITA) Sejam os números complexos distintos z e w, (onde z tem


módulo unitário). Mostre que:

z−w
=1
1 − z.w
Forma Polar de Complexos:
Resultado conhecido do Cálculo Diferencial e Integral, podemos
expandir funções como séries de potências de x (Expansão de
Taylor):
x² x 4 x6
cos x = 1 − + − + −....
2! 4! 6!
x 3 x 5 x7
senx = x − + − + −....
3! 5! 7 !
x2 x3 x 4
ex = 1 + x + + + + ....
2 ! 3! 4 !

Desses resultados segue que:


x² x3 x 4 x5
cos x + i.senx = 1 + i.x − − i. + − i. + −....
2! 3! 4 ! 5!
ix x² x3 x 4 x5
e = 1 + i.x − − i. + − i. + −....
2! 3! 4 ! 5!

Temos uma identidade de funções:

cos x + i.senx = eix

Com, isso temos que todo complexo pode ser escrito na forma:

z = z .cisθ = z .eiθ

A demonstração da expansão da série de taylor foge aos objetivos do


artigo.
Aplicação 1: Complexos em Somatórios

Binomiais: i 0 = i 4 = i8 = ... = 1
Algo interessante que podemos retirar das 
propriedades de números complexos é a sua i1 = i5 = i9 = ... = i
2
propriedade de potência. Em ciclos de 4 i = i6 = i10 = ... = −1
potências o numero complexo i se repete. 3
i = i7 = i11 = ... = −i
Vamos usar esse fato para nossa vantagem.

Do desenvolvimento binomial de Newton temos:


( 1 + x )n = 1 + C1n .x + C2n .x² + ... + Cnn .xn

A partir daí podemos tirar alguns resultados bastante úteis:

Fazendo x=1 na expressão acima, temos o conhecido Teorema das


Linhas do Triângulo de Pascal:

( 1 + 1 )n = 1 + C1n + C2n + ... + Cnn = 2n

Fazendo x=- 1: ( 1 − 1 )n = 1 − C1n + C2n + −... + ( −1 )n .Cnn = 0

Utilizando os resultados acima é possível provar (verifique como


exercício):
1 + C2n + Cn4 + C6n + ... = C1n + C3n + C5n + ... = 2 n −1

Ou seja, foi obtido facilmente, com conceitos básicos a soma


binomial de combinações de n tomadas em números pares (bem
como ímpares).
Será que sabemos calcular a seguinte soma?
1 + C4n + C8n + C12
n + ...

Utilizando os resultados já encontrados seria interessante termos um


valor para x que mude sua potência em ciclos diferentes de 2. Bom,
conforme foi dito, o numero complexo i muda sua potencia em ciclos
de 4. Vejamos como isso pode nos ajudar:
( 1 + x )n = 1 + C1n .x + C2n .x² + ... + Cnn .xn

Fazendo x = i
( 1 + i )n = 1 + C1n .i + C2n .i² + C2n .i³ + ...
( ) (
= 1 − C2n + C4n − C6n + C8n − +... + i. C1n − C3n + C5n − C7n + −... )
Da expressão acima tiramos dois resultados úteis:
(
\e ( 1 + i )n = 1 − C2n + Cn4 − C6n + C8n − +...
 )

(
Im ( 1 + i ) = C1n − C3n + C5n − C7n + −...

n
)
 π n nπ
=  2 .cis  , temos:
n
Uma vez que: ( 1 + i ) =  2 .cis 
n
 4  Moivre  4 
 2 .cos  nπ 
n
 \e ( 1 + i ) n
= 2  
  4 

Im ( 1 + i )n = 2 2 .sen  nπ 
n
  
 4 

E com isso temos mais duas somas binomiais importantes:



( )  nπ 
n
2 4 6 8
 1 − Cn + C n − Cn + C n − +... = 2 .cos  
2
  4 

( )
 C1 − C3 + C5 − C7 + −... = 2 2 .sen  nπ 
n
 n n n n  
 4 
Ora, uma vez que conhecemos:

( ) nπ
n
1 − C2n + C4n − C6n + C8n − +... = 2 2 .cos  
 4 
1 + C2n + Cn4 + C6n + ... = 2 n −1

Somando ambos as expressões, chegamos ao resultado (verifique):

1 + Cn4 + C8n + C12 + ... = 2 n −2 ( n −1


) nπ
+ 2 2 .cos  
n
 4 

Usando um raciocínio análogo, utilize os resultados já obtidos para


obter:

C1n + C5n + C9n + ... = 2 n −2 ( n −1


) nπ
+ 2 2 .sen  
 4 

Exercício: Obter uma expressão reduzida para os seguintes


somatórios:
a) C3n + C7n + C11
n + ...
b) C2n + C6n + C10
n + ...
Exercício Resolvida:
(IME 2005) Determine uma expressão reduzida para o somatório:

C0n + C3n + C6n + C9n + ...

Solução:
Acabamos de trabalhar com somatórios binomiais com combinações
tomadas em números repetindo em ciclos de 4. A questão proposta
pelo IME é um somatório binomial com combinações tomadas em
números repetindo em ciclos de 3.

Procuramos algo que repita sua potência da seguinte maneira:


x0 = x3 = x6 ...

Do raciocínio acima, queremos x do tipo:


2 kπ 
1 = x3 ⇒ x = cis  
 3 

Usaremos o binomial de Newton para x = cis 


 2 kπ  :

 3 
n 2 3
  2π   1  2π  2  2π   3   2π  
 1 + cis    = 1 + C n .cis   + Cn  cis    + Cn .  .cis    + ...
  3   3    3    3 
n
  2π     n.2 π  
Da forma de Moivre:  cis    =  cis  
  3    3 
Logo:
n
  2π   1  2π  2  4π  3  6π 
 1 + cis    = 1 + Cn .cis   + Cn .cis   + Cn .cis   + ...
  3   3   3   3 
 1 3 2  1 3
= 1 + C1n .  − + i.  + Cn . ( 1 ) + ...
3
 + Cn .  − − i.
 2 2   2 2 
 C1 C2 C 4 C5   C1 . 3 C2n 3 Cn4 . 3 C5n 3 
=  1 − n − n + C3n − n − n + −...  + i.  n − + − + −... 
 2 2 2 2   2 2 2 2 
n n n
Lembrando que:  1 + cis  2π   =  1 − 1 + 3 i  =  1 + 3 i  = cis  nπ 
  3   2 2  2 2   3 

Das expressões acima:


n
 2π  nπ C1 C 2 C 4 C5
(i) \e  1 + cis    = cos   = 1 − n − n + C3n − n − n + −...
  3   3  2 2 2 2
n
 2π  nπ  C1n . 3 C2n 3 Cn4 . 3 C5n 3
(ii) Im  1 + cis    = sen  = − + − + −...
  3   3  2 2 2 2

Do Teorema das Linhas:


C1n + C2n + C3n + ... + C nn = 2 n (iii)

Fazendo 2.(i) + (iii)

( 2 − C1n − C2n + 2C3n − Cn4 − C5n + −...) + C1n + C2n + C3n + ... + Cnn = 2n + 2 cos  n3π 

( ) nπ
⇒ 3. 1 + C3n + C6n + C9n + ... = 2 n + 2 cos  
 3 

Segue que:


2 n + 2 cos  
1 + C3n + C6n + C9n + ... =  3 
3
Exercícios de Fixação:

1. (IME 2005) Determine uma expressão reduzida para o somatório :


C1n + Cn4 + C7n + C10
n + ...
OBS: É o item b da questão resolvida acima. Utilize um raciocínio
rigorosamente análogo.

2. Determine uma expressão reduzida para o somatório:


1 + C1n .senx + C2n .sen(2 x) + C3n .sen(3x) + ... + Cnn .sen(nx)

Sugestão: Utilize o resultado do exercício 4 da parte de Revisão de


Complexos.

3. Determine uma expressão reduzida para os somatórios

senx + sen( 2x) + sen( 3x) + sen( 4x) + ... + sen(n.x)


cos x + cos(2x) + cos(3x) + cos( 4 x) + ... + cos(n.x)

4 Se n = 1, 2, 3, ..., prove que:


2π 4π 6π 2(n − 1)π
cos + cos + cos + ... + cos = −1
n n n n
2π 4π 6π 2(n − 1)π
sen + sen + sen + ... + sen =0
n n n n

Sugestão: Lembre da expressão para somas de progressões


geométricas.

5. Prove que para n= 2, 3 ,...

 sen π  sen 2 π  sen 3π  ...  sen (n − 1)π  = n


     
 n  n  n   n  2 n −1