Você está na página 1de 13

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO

IFMT Campus Diamantino. 2º ANO GEOGRAFIA, Prof. Gilmar Vitalino Dias. Assunto: Regionalização Brasil.
Cursos Técnicos em Administração e Agricultura Integrados ao Ensino Médio. 3º bimestre. RED 3 – Mês de outubro e
novembro. Valor: 20 pts.

Aluno (a): Kauane de Oliveira Nº Turma e Curso: 2° Administração

OBS: Professor, foi o senhor quem elaborou os mapas conceituais que usamos nesta atividade?
Pergunto por curiosidade. “Mamonas não assassinas”

Temas: 1) Regionalização do território brasileiro; 2) Agricultura e estrutura fundiária brasileira; 3)


Industrialização e desconcentração industrial no Brasil.

Regionalização e as divisões regionais no Brasil. (Regionalizações, mapas, critérios, conceitos e


características).

1- Regionalização do território e sua importância.?

Primeira regionalização antes do IBGE, 1913.

2- IBGE (1934/38) e a regionalização do território brasileiro. (Divisão regional oficial).

2.1- Primeira divisão 1940/42. Configuração atual veio a partir de 1970/ Atualizada 1990.

2.2- Macrorregiões brasileiras/ Meso e microrregiões de Mato Grosso – 5 e 22 respectivamente.

3- Regiões geoeconômicas ou Complexos regionais. (Pedro Pinchas Geiger, 1967).

3.1- Três regiões: Centro-Sul/ Nordeste/ Amazônia.

4- Quatro Brasis – (Região Concentrada).

(Milton Santos e Maria Laura Silveira, 2001).

4.1- Regiões: Nordeste/ Concentrada/ Centro-Oeste/ Amazônia.


Brasil: industrialização e desconcentração industrial.
> País periférico – industrialização tardia.

> Brasil predominantemente agrário até 1930. (Crise de 1929 e a Segunda Guerra Mundial).

> Capital da cafeicultura, transferido para a industrialização (Região Sudeste). Capitais do Sudeste e
industrialização.

> Estado centralizador – Nacionalista – Industrialização por Substituição.

> Grandes empresas Estatais – até a década de 1980/ Década de 1990- “Abertura econômica”,
privatizações, modernização industrial.

> Final da década de 1990 – Processo de Desconcentração Industrial (Regiões Metropolitanas X


Cidades médias).

Atividades Avaliativas do RED do Terceiro Bimestre.

Parte I- Questões objetivas. Valor 5 pts. Cada questão vale 0,5 pts.

1- Com base no mapa a seguir e em seus conhecimentos sobre a divisão regional brasileira realizada pelo
IBGE, assinale a alternativa correta:

Mapa da porcentagem de domicílios com televisão no território nacional¹


a) A quantidade de televisores no Brasil não reflete os níveis de desenvolvimento econômico das respectivas
regiões brasileiras.
b) O Centro-Oeste brasileiro é a região que possui, proporcionalmente, a menor quantidade de televisores
em suas casas.
c) O Amapá é o único estado da região Norte que apresenta mais de 85% de seus domicílios com aparelhos
de TV.
d) O Nordeste é a região mais heterogênea em termos da quantidade proporcional de televisores entre os
seus estados.
_____________________
¹ Fonte do mapa: IBGE. Atlas Geográfico Escolar. 6ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. p.124.

2- “Aprendi, na década de 60, que o Estado de São Paulo fazia parte da região Sul. Minas estava na região
Leste, assim como a Bahia, o Rio, o Espírito Santo e Sergipe.
Certo dia, um professor, já na década de 70, disse que São Paulo estava no Sudeste, bem como o Espírito
Santo, o Rio de Janeiro e Minas Gerais. Fiquei chocado. Os Estados mudaram de posição e eu nem havia
percebido”.
(MELGAR, E. O IBGE e os Estados do Brasil. Folha de S. Paulo, 08/05/2003).
Essa “mudança de posição” dos estados brasileiros, conforme registrado pelo autor, ocorreu porque:
a) Houve uma nova perspectiva em relação ao IBGE sobre o território brasileiro, que deixou de ser
predominantemente interiorano para ocupar melhor o litoral.
b) A nova região Sudeste representava melhor as zonas mais industrializadas do país e com posição
geográfica semelhante.
c) A integração do Espírito Santo ao Sudeste era necessária em razão do seu acelerado grau de urbanização e
concentração populacional.
d) Estava em curso, na década de 1970, a redistribuição industrial brasileira em direção às regiões Sul e
Norte.

3- Observe a figura a seguir:

Mapa da divisão regional do Brasil


O critério adotado, na divisão regional descrita no mapa, tem por referência:
a) a base física territorial, onde se destacam as bacias hidrográficas.
b) os aspectos demográficos, considerando-se a distribuição da população brasileira.
c) o setor secundário, mediante o número de estabelecimentos industriais.
d) as características socioeconômicas relativas à população e às atividades produtivas.
e) os elementos de ordem natural relacionados com os tipos climáticos.

4- (UFPI – adaptada)
Observe o mapa de divisão regional do Brasil e, em seguida, assinale a proposição correta:

Divisão regional brasileira


a) O número 5 assinala a região Sul, onde se concentram numerosos descendentes de europeus, que
utilizaram a terra mantendo a cobertura vegetal original, adotando um sistema de agricultura extensiva e de
autoconsumo.
b) O número 1 corresponde à região de maior área, onde as condições naturais permitiram o estabelecimento
de uma floresta temperada homogênea e que vem apresentando crescente extensão de áreas devastadas,
porque ainda não utiliza modelos de desenvolvimento sustentável.
c) O número 2 indica a região que teve menor importância econômico-social no período colonial e que, após
o período áureo da mineração, voltou às condições de pobreza dos primeiros séculos de colonização.
d) O número 4 identifica a região que apresenta maior índice de industrialização, com destaque para as
cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, que polarizam as demais regiões brasileiras.
e) O número 3 assinala a região Centro-Oeste, que passou a crescer após a construção de Brasília, mesmo
apresentando condições naturais adversas, advindas da presença do bioma caatinga.

5- A estrutura fundiária está relacionada à maneira como as propriedades agrárias estão distribuídas em um
determinado lugar. Sobre a estrutura fundiária, assinale a alternativa incorreta:
a) Quanto maior a concentração de terras, menor será a quantidade de propriedades de terras e maior será o
tamanho da propriedade.
b) Em países subdesenvolvidos, há grandes propriedades rurais concentradas nas mãos de muitos
proprietários, que abastecem o mercado interno.
c) A estrutura fundiária brasileira é uma das mais concentradas do mundo.
d) A concentração de terras nas mãos de poucos contribui para o aumento dos problemas no campo,
intensificando os conflitos por terra.
e) A concentração fundiária brasileira remonta a sua formação histórica.

6- A estrutura fundiária no Brasil está concentrada nas mãos de uma pequena parcela da população, criando
assim os conflitos por terra. Diante desse problema, o mapa abaixo mostra a distribuição territorial mais
conflitante em 2009 no território brasileiro. Assinale a alternativa correta. A região no Brasil com maior
número de conflitos por terra é a:

a) Região Norte
b) Região Nordeste
c) Região Centro-Oeste
d) Região Sudeste
e) Região Sul

7- Observe o mapa e o texto a seguir:


Mapa para exercícios sobre agricultura brasileira*
*Disponível em:  Contenidosdigitales
“De grão em grão – transgênico ou não – o cultivo da soja espalhou-se por todas as regiões do Brasil nas
três últimas décadas. Ocupa hoje uma área cinco vezes e meia superior à da Holanda. O Brasil foi, em
2003 e 2004, o maior exportador mundial de soja e vem mantendo a posição de segundo maior produtor,
após os Estados Unidos. A previsão é de que esta condição de maior exportador mundial volte a ocorrer em
breve, consolidando-se ao longo dos próximos anos”.
(SCHLESINGER, S., NORONHA, S. O Brasil está nú! O avanço da monocultura da soja, o grão que
cresceu demais. Rio de Janeiro: FASE, 2006).
O mapa acima representa o avanço da produção de soja no Brasil, cuja principal consequência socioespacial
foi:
a) a democratização da estrutura fundiária pelo interior do país
b) a expansão da fronteira agrícola sobre as áreas do Cerrado
c) a ampliação de reservas florestais nas áreas do Centro-Oeste
d) a diminuição dos latifúndios improdutivos no território nacional
e) o crescimento da agricultura de subsistência

8- Sobre a agricultura no Brasil, leia as assertivas abaixo:


I. A mecanização agrícola e a liberação de mão de obra na agricultura foram importantes fatores de
migração da população do campo para as cidades.
II. A concentração fundiária, que se observa, entre outros estados, no Paraná e no Mato Grosso do Sul, é
fator de expropriação de camponeses que passam a buscar áreas da fronteira agrícola da Amazônia ou se
direcionam aos centros urbanos.
III. Os boias-frias são trabalhadores sazonais característicos da implantação de relações capitalistas
modernas no campo.
IV. O avanço da pecuária extensiva na Amazônia e a ocupação das áreas de Cerrado visando à cultura de
grãos resultaram na redução da taxa de urbanização dos Estados do Mato Grosso e de Rondônia.
Assinale a alternativa cujas afirmativas estão corretas.
a) I, III e IV.
b) II, III e IV.
c) III e IV.
d) I, II e IV.
e) I, II e III.

9- Observe o mapa abaixo:


Distribuição espacial da indústria no Brasil
(Adaptado de: IBGE. Atlas Geográfico Escolar. 6ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.p.136)
Assinale a alternativa que indica corretamente as causas para a atual disposição industrial apresentada no
mapa.
a) Desenvolvimento industrial têxtil na região Nordeste no século XIX.
b) Herança das infra estruturas geradas pelo café na política industrial do Brasil durante o século XX.
c) A guerra fiscal brasileira, que beneficiou os investidores da região Sul do Brasil.
d) Resistência da região Centro-oeste do Brasil que se recusou a passar pela industrialização por sucessivas
vezes.
e) Maior concentração industrial na região Norte em função do ciclo econômico histórico da borracha.

10- Assinale a alternativa que melhor caracteriza o atual momento da atividade industrial no Brasil.
a) investimentos nacionais e predominância de empresas estatais.
b) investimentos estrangeiros e desconcentração industrial.
c) instalação de indústrias em regiões densamente urbanizadas e concentração da mão de obra.
d) predomínio de fábricas tecnológicas de origem brasileira, com evasão de capital externo.
e) Reconcentração de grandes indústrias nas regiões metropolitanas do Sudeste.

Parte II- Questões abertas. Produção de texto. Cada questão vale 5 pts.

Obs. As questões a seguir têm como base os mapas conceituais sobre as regiões geoeconômicas do
Brasil. Os mapas conceituais serão enviados pelo professor.

Como fazer? Transformar os mapas conceituais em textos. Texto corrente ou em tópicos.

a) Região geoeconômica do Centro-Sul.

COMPLEXO REGIONAL CENTRO-SUL


➔ Sudeste, Sul, parte do Centro-Oeste

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS


➔ Sede de empresas transnacionais e instituições financeiras (bancos e bolsas de valores), justificando
o contato intenso com outras cidades globais.
➔ Abriga boa parte das melhores universidades e dos centros de pesquisa.
➔ Maior produção e refino de petróleo e de geração de energia elétrica.
➔ Mão de obra altamente qualificada.
➔ Mão densidade populacional.
➔ Lidera a produção nacional em todos os setores de atividade econômica.

CONTRASTE:
➔ Com a quantidade de subempregados.
➔ Com a pobreza e a miséria nas áreas urbanas e rurais.
➔ Com índices elevados de violência nas metrópoles e grandes cidades.

FATORES DE DEGRADAÇÃO
➔ Índices elevados de poluição atmosférica.
➔ Desmatamento em “espinha de peixe” ou vetores de degradação.
➔ Contaminação da água superficiais e subterrâneas, os principais vetores são o esgoto e lixo
domésticos, fertilizantes e resíduos industriais.

RELEVO
➔ Pantanal Matogrossense (rochas sedimentares).
➔ Planaltos e Chapadas da Bacia do Rio Paraná (rochas sedimentares e vulcânicas).
➔ Depressão Periférica
➔ Planaltos e Serras do Leste-Sudeste (rochas cristalinas).

HIDROGRAFIA
➔ Rios perenes
➔ Hidrovia Tietê-Paraná
➔ Potencial hidráulico, que favorece a geração de energia elétrica.

VEGETAÇÃO

1. MANGUES

2. CAMPOS SULINOS

3. COMPLEXO DO PANTANAL

CARACTERÍSTICAS VEGETACIONAIS
➔ Área de Transição
➔ Alto grau de endemismo e biodiversidade

SOLO: Ambiente alagado por 6 meses

CLIMA: Tropical Típico

HIDROGRAFIA: Rio Paraguai

DEGRADAÇÃO
➔ Agropecuária
➔ Mineração
➔ Turismo
➔ Urbanização

4. MATA ATLÂNTICA

CARACTERÍSTICAS VEGETACIONAIS
➔ Biodiversa
➔ Latifoliada
➔ Ombrófila.
➔ Vegetação de perene a semi decídua.
➔ Vegetação de porte arbóreo.
➔ Hotspot (que justifica o elevado grau de endemismo e degradação).

SOLO
➔ Propício ao movimento gravitacional de massa.
➔ Possui baixa fertilidade natural.

CLIMA
➔ Tropical Típico
➔ Tropical Úmido
➔ Tropical de Altitude

DEGRADAÇÃO
➔ Mineração
➔ Industrialização
➔ Urbanização
➔ Café

5. MATA DE ARAUCÁRIAS

CARACTERÍSTICAS VEGETACIONAIS
➔ Homogênea
➔ Vegetação de porte arbóreo
➔ Curiosidade: Gralha Azul, espécie que se alimenta das sementes de Araucária e ajuda na sua
disseminação.

SOLO
➔ Latossolo Roxo (popularmente conhecido como Terra Roxa).
➔ Profundos
➔ Formação basáltica
➔ Solo de elevada fertilidade natural

CLIMA
➔ Subtropical
➔ Marcado por baixas temperaturas
➔ Precipitação bem distribuída ao longo do ano

DEGRADAÇÃO
➔ Agropecuária
➔ Celulose
➔ Urbanização
➔ Indústria Moveleira

6. CERRADO

DIVIDE-SE
➔ Campo
➔ Cerrado
➔ Cerradão

CARACTERÍSTICAS VEGETACIONAIS
➔ Veredas
➔ Super espesso
➔ Raízes Pivotantes
➔ Folhas Coriáceas
➔ Semidecídua
➔ Alta biodiversidade
➔ Troncos tortuosos
➔ Hotspot: que justifica o elevado grau de endemismo e degradação.

SOLOS
➔ Profundos
➔ Aluminotóxicos (correção), calagem.

CLIMA: Tropical Típico, marcado pela sazonalidade.

DEGRADAÇÃO
➔ Carvoarias
➔ Avanço da Fronteira agrícola (gado e grãos).

b) Região geoeconômica do Nordeste.

COMPLEXO REGIONAL NORDESTE


➔ As subregiões do Nordeste (“Os nordestes”), Zona da Mata, Agreste, Sertão, Meio-Norte.

1. ZONA DA MATA

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS
➔ A mais urbanizada
➔ Maior densidade demográfica
➔ Obtém grandes fontes de receita provenientes do turismo.
➔ Estrutura agrária acentuadamente concentrada (plantations), controladas pela estrutura política e por
famílias tradicionais, resultando em inúmeros problemas sociais estruturais no Nordeste.
➔ Fábrica de produtos de base tecnológica (desconcentração industrial), devido a Incentivos Fiscais e
Financiamentos Públicos (SUDENE).
❖ Exemplos:
➢ Aços especiais
➢ Tecnopolos, em Recife/PE e Campina Grande/PB.
➢ Produtos Químicos, da Refinaria Abreu e Lima/PE e do Polo Petroquímico de
Camaçari/BA.
➢ Automóveis, como os Troller/CE, Ford/BA e Jeep-Fiat/PE.

VEGETAÇÃO: Mangues e Mata Atlântica, porém muito antropizadas, o que gera:


➔ Despejo de esgoto e depósito de lixo; além de ceder lugar a habitações e estradas.
➔ Incorporação de grandes espaços ao processo produtivo (agricultura e urbanização).

CLIMA: Tropical úmido, modo sazonal com verões secos e invernos chuvosos.

RELEVO: Planícies Costeiras e Tabuleiros Litorâneos.

HIDROGRAFIA: Rios perenes.

2. AGRESTE
➔ Transição entre o Sertão e a Zona da Mata. Situado em uma faixa estreita, paralela à costa.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS
➔ Pecuária leiteira, caracterizada por baixa produtividade devido ao padrão técnico rudimentar.
➔ Predominam as pequenas e médias propriedades rurais.
➔ Policultura. Ex: café, fumo, algodão.

VEGETAÇÃO: composta de espécies caducifólias (ou decíduas).

CLIMA: Transicional entre o tropical úmido da Zona da Mata e o tropical semiárido do Sertão. As
estiagens podem ser cíclicas.

RELEVO: Planalto da Borborema.

HIDROGRAFIA: Rios Intermitentes.

3. SERTÃO

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS
➔ População espacialmente dispersa.
➔ Pecuária extensiva.
➔ Extensas propriedades rurais.
➔ Agricultura irrigada, utilização do Rio São Francisco.

VEGETAÇÃO: Caatinga (vegetação xerófila).


❖ Fatores de degradação:
➢ Desertificação.
➢ Queimadas e desmatamento.
➢ Pecuária Extensiva (pisoteamento).

SOLOS: Rasos, férteis e pedregosos.

CLIMA: Tropical semiárido.


❖ Características:
➢ Sofre influência do fenômeno El Niño.
➢ Temperaturas médias elevadas, resultando em intensa evapotranspiração.
➢ Chuvas escassas (350 a 750 mm/ano) e mal distribuídas, o que torna comum a ocorrência de
estiagens severas, como em 1877 e 1889.
➢ Indústria da Seca e as Políticas hidráulicas, que favorecem políticos, comerciantes e grandes
fazendeiros, contribuindo para o Polígono da Seca.

RELEVO: Depressão Sertaneja e do São Francisco com inselbergs.

HIDROGRAFIA: Rios intermitentes, com exceção do Rio São Francisco.

4. MEIO-NORTE
➔ Transição entre o Sertão e a Região Amazônica.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS
➔ Polo de grãos “MAPITOBA”.
➔ Arroz
➔ Extrativismo vegetal e manejo da Carnaúba e Babaçu.
➔ Mamonas (mas não são assassinas kkkk).

VEGETAÇÃO: Mata de Cocais, constituída de palmáceas como a Carnaúba e o Babaçu.


CLIMA: Tropical Úmido a Equatorial, em certos momentos do ano sofre ação da MEA (Massa Equatorial
Atlântica quente e úmida).

HIDROGRAFIA: Rios Perenes. Ex: Rio Parnaíba (MA-PI).

c) Região geoeconômica da Amazônia.

COMPLEXO REGIONAL AMAZÔNICO


➔ Área da Amazônia legal

1. AMAZÔNIA LEGAL

DOMÍNIO MEGADIVERSO
➔ Compreende cerca de um terço das florestas tropicais.
➔ Possui um quinto da água doce disponível no globo.
➔ Abriga grande heterogeneidade de espécies vegetais e animais.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS
➔ Instituída por lei em 1953 (GV), com o objetivo de levar desenvolvimento para a região.
❖ Recursos Públicos:
➢ Fronteira do Capital, através da Renúncia Tributária e Concessão de empréstimos
subsidiados.

❖ Exemplos:
➢ Zona Franca de Manaus (1970).
➢ Grandes projetos minerais. Ex: Projeto Jari/AP, Projeto Serra do Navio/AP, Programa
Grande Carajás/PA (considerada a maior província mineral do mundo).

❖ Em parte sem futuro:


➢ Aumento da dívida externa brasileira.
➢ Empresas eletrointensivas.
➢ Favorecimento de grandes grupos empresariais estrangeiros.

➔ 1966, Regime Militar, é criada a SUDAM (Superintendência para o desenvolvimento da Amazônia).


❖ Espaço de fronteiras:
➢ Fronteira Demográfica. Século XIX - XX, extração do látex da seringueira; 1958,
construção da Belém-Brasília (BR 060 - 163); 1969, Rodovia Transamazônica (BR
230).
➢ Fronteira Política. Ex: Região de fronteira internacional pouco povoada e vulnerável à
invasão.
➢ Fronteira do Capital.

➔ Os maiores latifúndios improdutivos do Brasil estão na região amazônica.


❖ Atores:
➢ Mineradores
➢ Latifundiários
➢ Indígenas
➢ Empresas Madeireiras
➢ Posseiros/Grileiros

CONSEQUÊNCIAS: Conflitos e mortes no campo.


❖ Entre as mais significativas:
➢ Serra Pelada.
➢ Chico Mendes, Xapuri/AC, 1988.
➢ Massacre de Eldorado dos Carajás/PA, 1996.
➢ Dorothy Stang, Anapu/PA, 2005.
➢ José Cláudio e Maria do Espírito Santo, Nova Ipixuna/PA, 2011.

VEGETAÇÃO: Heterogênea, latifoliada, ombrófila e perene.


➔ Mata de terra firme
➔ Mata de Várzea
➔ Mata de Igapó.

SOLO
➔ Raso e arenoso.
➔ Com baixa fertilidade natural, a floresta depende da ciclagem de nutrientes.

CLIMA: Equatorial
❖ Características:
➢ Temperaturas de 24°C a 27°C.
➢ Clima extremamente chuvoso, de 2.000 a 3.000 mm/ano.
➢ Intensa evapotranspiração.
➢ Forma a mEc (Massa Equatorial Continental quente e úmida que passa praticamente o ano
todo no noroeste da Amazônia).

RELEVO
➔ Planaltos da Guianas.
➔ Serras.
➔ Planalto norte-amazônico.
➔ Solo sedimentar recente de várzea.
➔ Depósitos sedimentares terciários de terra firme.
➔ Depressão marginal sul-amazônica e planaltos residuais sul-amazônicos.

HIDROGRAFIA
➔ Maior bacia hidrográfica do mundo.
➔ Dispõe de 20% da água doce do planeta
➔ Rios de Planícies favorecem a navegação fluvial.
➔ Regime misto (nival e pluvial).
➔ Rio Tapajós, Rio Xingu e o Rio Tocantins possibilitam a geração de energia elétrica.

FATORES DE DEGRADAÇÃO
➔ biopirataria
➔ Mineração, devido a descaracterização da paisagem e utilização do mercúrio.
➔ Agropecuária, devido ao avanço da fronteira agrícola (gado e grãos).
➔ Desmatamento em “espinha de peixe” ou vetores de degradação, devido à abertura de rodovias.

2. AMAZÔNIA INTERNACIONAL
➔ Abrange territórios do Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Guiana
Francesa e Suriname.
➔ Equivalente a 7 milhões de km2 da América do Sul.
➔ Mais de 60% dessa área está no Brasil.

Você também pode gostar