Você está na página 1de 8

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA

CENTRO DE ENSINO DA PMRO


ESTÁGIO DE PROFESSOR PESQUISADOR/CONTEUDISTA E TUTOR 2021

CÍCERO RODRIGUES DA SILVA - MAJ QOPM

Fundamentos Teóricos e Legais: Elaboração do Plano de Aula

Porto Velho - RO
2021
POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA
CENTRO DE ENSINO DA PMRO
ESTÁGIO DE PROFESSOR PESQUISADOR/CONTEUDISTA E TUTOR 2021

CÍCERO RODRIGUES DA SILVA - MAJ QOPM

Fundamentos Teóricos e Legais: Elaboração do Plano de Aula

Trabalho apresentado como requisito avaliativo


parcial da disciplina de Fundamentos Teóricos e
Legais do Curso de Estágio de Professor
Pesquisador/Conteudista e Tutor 2021, ministrada
pelo MAJ PM LUIZ GUSTAVO DE OLIVEIRA.

Porto Velho - RO
2021
INTRODUÇÃO

O presente trabalho apresenta um modelo de Plano de Aula elaborado para atender os


requisitos do Estágio de Professor Pesquisador/Conteudista e Tutor 2021.

Para elaboração do Plano de Aula foi utilizado como fonte o modelo previsto na
Diretriz Geral de Ensino da Polícia Militar do Estado de Rondônia, criada mediante
Resolução n° 214, de 12 de setembro de 2017 e publicada no BPM nº 173, de 15 de setembro
de 2017.

O Plano de Aula traz informações voltadas para policiais militares de como deve ser
realizada uma abordagem e os devidos encaminhamentos de uma ocorrência que envolva
cidadãos e as cidadãs em situação de vulnerabilidade, de modo específico, pessoas com
deficiência.
MODELO

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA


POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA
CENTRO DE ENSINO DA PMRO

PLANO DE AULA

1. Identificação:
- Disciplina: Abordagem Policial a pessoas com deficiência física ou mental
(portadoras de necessidades especiais)
- Número de horas/aulas: 20
- Professor: Major PM Cícero Rodrigues da Silva

2. Objetivos Específicos:
Ao formular os objetivos procure utilizar verbos que descrevem o desempenho
esperado e que contemplem as três dimensões do conhecimento: saber, saber fazer e saber
ser:
Ampliar criticamente conhecimentos para:
- conceituar a ação policial, de acordo com os padrões internacionais de Direitos Humanos;
- identificar o que é busca pessoal, captura, detenção e prisão;
- apresentar os procedimentos da abordagem policial e buscar distinguir os procedimentos
que devem ser adotados na abordagem policial a pessoas com deficiência física ou mental
(portadoras de necessidades especiais)
- orientar os policiais militares quanto às particularidades a serem observadas no atendimento
à pessoa de grupo vulnerável.

Desenvolver/Exercitar habilidades para:


- realizar abordagem policial a pessoa com deficiência Física/Motora;
- realizar abordagem policial a pessoa com deficiência Mental/Intelectual;
- realizar abordagem policial a pessoa com deficiência Sensorial (visual e auditiva;
- portar-se adequadamente em ocorrência que envolva deficiente físico ou mental.

Fortalecer atitudes para:


- Prestar um serviço de excelência à sociedade e isso inclui preparar-se para atuar em
quaisquer situações, estando envolvidas ou não pessoas com deficiência;

3. Conteúdos:
Listar os conteúdos em tópicos e subtópicos.
Apresentar os conceitos daa ação policial, de acordo com os padrões internacionais de
Direitos Humanos;
- identificar o que é busca pessoal, captura, detenção e prisão;
- apresentar os procedimentos da abordagem policial e buscar distinguir os procedimentos
que devem ser adotados na abordagem policial a pessoas com deficiência física ou mental
(portadoras de necessidades especiais)
- orientar os policiais militares quanto às particularidades a serem observadas no atendimento
à pessoa de grupo vulnerável.

Contextualização:
- A pessoa com deficiência pode ser abordada?
Sim. A polícia deve estar preparada para executar um serviço de excelência à sociedade e
isso inclui preparar-se para atuar em quaisquer situações, estando envolvidas ou não pessoas
com deficiência. Desse modo, você estudará os procedimentos para abordar:
Cadeirantes – Pessoas que utilizam cadeiras de rodas.
Deficientes auditivos – Pessoas surdas.
|
Procedimentos na abordagem policial ao CADEIRANTE
• A abordagem ao cadeirante deve ser realizada por, pelo menos, três policiais.
• Identifique-se como policial:
Policial 1: Parado! Polícia!
O Policial 1 mantém a arma no coldre e fica em condições de
sacá-la.
Enquanto o Policial 1 verbaliza, Policial 2 e Policial 3 posicionam-se ao lado do abordado.
• Assuma o controle da situação, emita ordens curtas e claras, evitando, assim, dificuldade
na compreensão por parte do abordado:
Policial 1:
“Mãos para cima!”
O cadeirante poderá ter total autonomia. No entanto, existem casos em que eles terão
dificuldades para fazer alguns gestos básicos de abordagem, como é o caso do tetraplégico e
do paralisado cerebral.
Policial 1:
“Cruze os dedos atrás da cabeça!”
• O Policial 1, que verbaliza, deve determinar que o abordado trave a cadeira lentamente
com uma das mãos.
• Feito isso, o Policial 2 posiciona-se ao lado do abordado, segura as mãos do abordado e
faz a revista inicial na área da cintura.
• O Policial 1 pergunta ao abordado se ele consegue se erguer da cadeira com os braços,
retirando o corpo do assento.
• Caso isso seja possível, o Policial 3 posiciona-se ao lado do abordado e o Policial 2 faz a
revista no assento da cadeira.
• Caso o abordado não consiga se erguer da cadeira, o Policial 1 deve orientá-lo a cruzar os
braços em frente ao peito.
• O Policial 1 avisa ao abordado que o Policial o erguerá da cadeira para realizar a revista.
• O Policial 3 deverá posicionar-se atrás da cadeira, colocar um dos pés na roda para
travá-la, colocar as mãos nos pulsos do abordado, por baixo das axilas, e erguer o abordado
da cadeira.
• O Policial 2 faz a revista no assento da cadeira.
• O Policial 2 deve realizar a vistoria nas outras partes da cadeira de rodas, como
compartimentos, almofadas, tubos e outros, a fim de verificar a presença de objetos de
interesse policial.
• Desse momento em diante, desenvolvem-se os procedimentos de identificação e
liberação, conforme o caso.

Procedimentos na abordagem policial a pessoas com deficiência auditiva:


• As pessoas com deficiência auditiva estão propensas a um equívoco que pode ocorrer
durante a fase de verbalização da abordagem.
• Se o abordado surdo estiver de costas e não visualizar o policial, ele não toma
conhecimento da ordem de parar. Assim, o abordado poderá continuar caminhando em frente,
dando a falsa impressão de que não está acatando determinação legal de autoridade policial.
• Essa situação pode induzir o policial a um erro de interpretação da conduta do abordado e
levá-lo ao uso inadequado de força.
• Assim, é necessário que você, policial, perceba que tem ferramentas para se comunicar
com a pessoa surda.
A abordagem à pessoa surda segue os mesmos procedimentos operacionais de rotina, mas é
necessário estabelecer outro elo de comunicação entre as partes.
• Estão relacionados a seguir, os comandos da abordagem na Língua Brasileira de Sinais
(LIBRAS).
• Com estes sinais, você poderá se comunicar com a pessoa surda que também utilize a
Língua Brasileira de Sinais.
• Certifique-se de que o abordado veja você.
A abordagem à pessoa surda segue os mesmos procedimentos operacionais de rotina,
mas é necessário estabelecer outro elo de comunicação entre as partes.
• Parado!
• Polícia!
• Você é surdo?
• Levante as mãos!
• Mãos na cabeça!
• Levante a camisa! (O policial deve segurar sua gandola e apontar para levantar).
• Gire!
• Antes que o abordado vire de costas para os procedimentos de busca pessoal, mas já com
as mãos na cabeça, segure suas mãos enquanto ele ainda estiver de lado e vire-o de costas.
Assim, estará evitando que ele se “assuste” quando iniciar a busca.
• Mostre-me seu documento de identidade!
Não adianta gritar com o deficiente auditivo. Articule bem as palavras para favorecer a
leitura labial.
Quando lhe for solicitado prestar auxílio a uma pessoa surda, tente também comunicar-se
com ela pela escrita.
Ao conduzir uma pessoa surda vítima de crime à Delegacia de Polícia para registrar
ocorrência, explique a ela o que está acontecendo. Certifique-se de que ela entendeu que não
está sendo presa.
Ao perceber agitação na pessoa abordada, faça gestos para ela se acalmar.
Após identificação e não havendo motivo para condução à Delegacia de Polícia, libere o
abordado.
• Você está liberado!
• Bom dia!

4. Estratégias de Ensino:

- Estabelecer uma boa comunicação com alunos em ambientes virtuais;


- Manter foco no essencial;
- Enquadrar a matéria nova num panorama mais alargado;
- Remeter para o conhecimento prévio dos seus alunos e explicar-lhes como podem
consolidá-los;
- Comunicar claramente os objetivos e os resultados esperados de aprendizagem na
disciplina;
- Incentivar os alunos a participarem de discussões online;
- Apresentar exemplos pormenorizados aos alunos sobre abordagem policial,
contextualizando com exercícios práticos;
- Solicitar aos alunos que relatem uma situação prática correlacionando com o assunto
abordado, destacando quais as principais dificuldades enfrentadas. Acompanhar os alunos
durante os exercícios práticos.
- Incentivar os alunos a processarem ativamente a matéria;
- Comentar e orientar, de forma adequada, os trabalhos e o desempenho dos seus alunos.

5. Recursos:
- Notebook equipado com câmera e microfone e internet;
- Software para transmissão e gravação de aulas;
- Plataforma de estudos on line, onde será disponibilizado fórum para resposta das atividades.

6. Avaliação:
Avaliação de Estudo (AE) - avaliações parciais que permitem aquilatar o
progresso obtido pelo aluno no decorrer da disciplina que, ao final, poderá ser objeto de uma
AC. Aplicada com o conhecimento prévio do aluno em no mínimo 2 (dois) dias antes. Sua
duração não deve ultrapassar 1 (um) tempo de instrução. Restringe-se a pequeno grupo de
conteúdo;

7. Referências Bibliográficas:

Brasil. Secretaria Nacional de Segurança Pública. Atuação policial na proteção dos direitos
humanos de pessoas em situação de vulnerabilidade: cartilha / Secretaria Nacional de
Segurança Pública – 2ª. ed. - Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de
Segurança Pública, 2013. 129 p. : il.

Rondônia. Polícia Militar de Rondônia. Resolução nº 214, de 11 de setembro de 2017.


Aprova a Diretriz Geral de Ensino (D-6-PM). 2017.

Rondônia. Polícia Militar de Rondônia. Diretriz De Ação Operacional nº 25/CPO-2007 -


Atuação Relativa A Grupos Vulneráveis. 2007.
Cacoal RO. 07 de março de 2021.

________________________

CÍCERO RODRIGUES DA SILVA - MAJ PM

PROFESSOR