Você está na página 1de 49

Unidade III

Unidade III
7 NORMA CULTA

A norma culta é uma dentre várias outras normas de uso da língua. No entanto, ela foi a escolhida
como padrão de uso da língua e por isso devemos aprendê-la para que sejamos inseridos na sociedade.
Iremos, então, nesta unidade, tratar de questões relacionadas à gramática do padrão ou ao que se
denomina norma culta.

Como vimos na unidade I, precisamos pensar em gramática no sentido plural, pois vimos que há a
variedade no que diz respeito ao uso efetivo da língua, todavia, há uma seleção de norma como padrão,
aquela considerada de prestígio social, como já dito anteriormente. Esse padrão segue determinadas regras,
daí chamarmos essa gramática de normativa. São essas regras que veremos a seguir.

7.1 Estudo gramatical: uso da norma culta na expressão escrita do texto

A luta que enfrentamos com relação à produção de textos escritos é muito especial. Em geral, não
apresentamos dificuldades em nos expressarmos por meio da fala coloquial. Os problemas começam a
surgir quando temos necessidade de nos expressar formalmente e se agravam no momento de produzir
um texto escrito.

Quando a interação verbal realiza-se face a face, o falante tem domínio sobre a situação comunicativa,
o que facilita a produção oral. No processo de interação, o interlocutor pode intervir, solicitando
esclarecimentos, por exemplo, ou pode até tomar o turno e mudar o curso da conversação.

Além dos recursos linguísticos, nesse tipo de comunicação o falante tem a possibilidade de utilizar
elementos paralinguísticos, como gestos ou expressões faciais. Já na comunicação escrita, tais recursos
terão de ser supridos por outros, próprios desse tipo de uso da língua, como, por exemplo, a pontuação.

Entretanto, não basta apenas traduzir o que foi expresso em língua oral por sinais gráficos, é preciso
dominar a modalidade escrita para que o texto seja eficiente e cumpra a finalidade comunicativa.

Assim, não basta saber que escrever é diferente de falar. Além de ser necessário preocupar-se com a
constituição de um discurso, entendido como um ato de linguagem que representa uma interação entre
o produtor do texto e seu interlocutor, é preciso ter em mente a figura do interlocutor e a finalidade
para a qual o texto foi produzido.

Para formalizar esse discurso em língua escrita, é ainda preciso considerar que a escrita tem normas
próprias, tais como regras de ortografia – que, evidentemente, não é marcada na fala –, de pontuação,
de concordância, de uso de tempos verbais etc.
54
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Dentre os inúmeros casos de desvios da norma culta que mais comumente aparecem nos
textos escritos, selecionamos alguns que consideramos influenciar negativamente aquelas que
são tidas como qualidades de um “bom” texto: a correção, a clareza e a concisão.

Emprego dos pronomes de tratamento, demonstrativos e possessivos

Um dos problemas apresentados no texto escrito é o uso adequado de pronomes. Trataremos,


portanto, desse assunto neste item.

Pronomes de tratamento

Quando se trata de concordância, os pronomes de tratamento têm suas peculiaridades. Por exemplo,
pronomes que correspondem à segunda pessoa, como “vós”, fazem a concordância na terceira pessoa:
Vossa Senhoria receberá (e não recebereis) os documentos ainda hoje.

O uso de sua e vossa.

Usa-se vossa quando estamos falando diretamente com a pessoa e sua quando falamos da
pessoa.

Exemplo:

Lembrem-se dos pedidos que Sua Excelência fez antes de partir.

Vossa Excelência, conte-nos as novidades.

Quadro de pronomes de tratamento:

Quadro 5

Pronome Abreviatura Usado para


Você V. Tratamento familiar
No tratamento respeitoso às
Senhor (a) Sr. ou Sra. pessoas que se mantém um certo
distanciamento.
Pessoas de cerimônia,
Vossa Senhoria V.S.ª principalmente em
correspondências comerciais.
Altas autoridades: presidentes da
Vossa Excelência V.Ex.ª República, senadores, deputados.
Vossa Eminência V.Em.ª Cardeais
Vossa Alteza V.A. Príncipes e duques
Vossa Santidade V.S O Papa
Vossa Majestade V.M. Reis e rainhas

55
Unidade III

Pronomes demonstrativos

Os pronomes demonstrativos são usados sempre em textos produzidos por usuários da língua
pertencentes a todos os níveis socioeconômicos e também são bastante usados em nossas conversas
cotidianas. Entretanto, em sua utilização, tais usuários não o fazem em conformidade com as
recomendações da gramática normativa.

Para entender os critérios de uso do pronome demonstrativo, atente para o que se segue:

Quadro 6

Pronomes Espaço (lugar) Tempo No texto


Este, esta, isto Aqui Presente Apresentam um elemento
Esse, essa, isso Aí Passado recente ou futuro Retomam um elemento
Aquele, aquela, Ali, lá, acolá Passado remoto -o-
aquilo

O pronome demonstrativo tem duas funções ou dois empregos distintos:

a. Na função pragmática (ou de uso de acordo com o contexto situacional), seu emprego envolve a
relação dêitica, assim como ocorre com os advérbios pronominais – aqui para 1ª pessoa, aí para 2ª
pessoa e ali para a 3ª pessoa do discurso. Então:

• emprego de “este” equivale, situacionalmente, ao de “aqui”;

• o emprego de “esse”, ao de “aí”;

• e o emprego de “aquele”, ao de “ali”.

Observe o exemplo:

A empregada pergunta à patroa:


–Onde ponho as roupas passadas?
E a mulher responde:
–Ponha lá na cadeira.

Em relação a essa primeira função, os demonstrativos também indicam proximidade ou distanciamento


temporal. Assim, usamos “este, esta, isto” para representar o tempo presente; “esse, essa, isso”, para o
passado recente ou para o futuro; “aquele, aquela, aquilo”, para o passado remoto. O grande problema
é distinguir o passado recente do remoto, pois duas pessoas podem ter interpretações diferentes para
a mesma frase.

Obs.: quando o verbo estiver conjugado no pretérito imperfeito do indicativo (dançava,


comia, dormia), usa-se aquele, aquela, aquilo; com o pretérito perfeito do indicativo (dancei,
56
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

comi, dormi) é uma questão de estilo: aquele que julgar que está se referindo ao passado recente
usará esse, essa, isso e aquele que julgar que está se referindo ao passado distante usará aquele,
aquela, aquilo.

Exemplos:

Essa noite dormi mal.

Essa noite vou sair.

Naquele tempo, os filhos das classes abastadas iam estudar em Portugal.

b. A segunda função do demonstrativo é chamada textual ou sintática. O pronome demonstrativo,


na função sintática, refere-se ao que já foi dito (anafórico) ou ao que ainda vai ser dito num texto
(catafórico).

• “Este”, quando empregado sozinho e sem oposição, se refere ao que ainda vai ser dito no texto:

O lema da Revolução Francesa é este: Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

• “Esse” é sempre empregado sozinho, sem oposição, e refere-se sempre ao que já foi dito no
texto:

Liberdade, Igualdade e Fraternidade – esse é o lema da Revolução Francesa.

• “Aquele” é empregado unicamente em oposição a este e sempre em referência ao que já foi dito
no texto:

Pedro estuda e Maria se diverte. Aquele passará no vestibular, mas esta ficará reprovada.

Veja o esquema abaixo:

1º termo 2º termo este aquele


Figura 9

Observação

Repare que nunca se deve dizer esse em oposição a aquele.

Na língua em uso há exceções, como formas já cristalizadas na língua – isto é, por isso, posto isso
– que nunca são usadas como isso é, por isto, posto isto.
57
Unidade III

Lembrete

São considerados demonstrativos o, a, os, as e tal. As formas o, a, os e as são demonstrativos quando


precedem as formas “que” e “de”. A forma tal é considerada como demonstrativo quando estiver
substituindo as formas “esse(a)”, “isso”, “aquele(a)”, “aquilo”.

Pronomes possessivos

São aqueles que se referem às pessoas gramaticais e dão a ideia de posse.

Quadro 7

Pessoa do discurso Pronome possessivo


1ª pessoa singular Meu, minha, meus, minhas
2ª pessoa singular Teu, tua, teus, tuas
3ª pessoa singular Seu, sua, seus, suas
1ª pessoa plural Nosso, nossa, nossos, nossas
2ª pessoa plural Vosso, vossa, vossos, vossas
3ª pessoa plural Seu, sua, suas, suas

Há casos em que o uso dos pronomes possessivos causa ambiguidade, como, por exemplo, em:

Renato encontrou Joana e seu amigo na festa.

O pronome “seu” pode se referir a Renato ou a Joana.

Nesse caso, é melhor o uso de “dele” ou “dela” para evitar ambiguidade.

Além de posse, ao serem utilizados, os pronomes possessivos podem:

Indicar proximidade, intimidade:

Exemplo:

Ele deve ter seus motivos para essa decisão.

Indicar afeto ou cortesia.

Exemplos:

Minha senhora, não foi isso que eu disse.

Meu filho, preste atenção!


58
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Colocação dos pronomes átonos

Uma das dúvidas constantes no texto escrito é a colocação dos pronomes átonos me, te, se, o, a, lhe,
nos, vos, os, as e lhes.

Quando colocamos esse pronome depois do verbo, isso é denominado ênclise, se o colocamos antes
do verbo, próclise e caso fique no meio, mesóclise.

Atente para os exemplos:

Vou-me embora daqui. (ênclise)

Nunca se viu tanto entusiasmo. (próclise)

Dar-te-ei uma resposta amanhã. (mesóclise)

Pela norma culta, não se inicia oração com pronome oblíquo, por isso é necessário que haja algum
outro termo que o aproxime.

Vejamos, de acordo com a gramática normativa, as regras de colocação pronominal.

Próclise

Usa-se a próclise:

1. Em orações subordinadas:

O professor pediu que o aluno se comportasse. (substantiva objetiva direta)

Seria difícil identificar o estado em que se encontrava. (adjetiva restritiva)

Desci pelas escadas do sétimo andar, logo que o zelador do prédio me comunicou, pelo telefone,
o acontecimento. (adverbial temporal)

2. Com adjunto adverbial, sem pausa:

Naquela época se encontrava em sua casa uma visita ilustre.

Ele sempre nos diz as mesmas coisas.

Obs.: havendo pausa, não haverá próclise.

3. Oração iniciada por palavras interrogativa ou exclamativa:

59
Unidade III

Quem te fez isso?

Como se encantou!

4. Junto de palavra de sentido negativo (não, nada, nem, nunca...):

Nunca o vi tão feliz!

5. Junto de pronomes (relativos: que, quais, qual, onde etc.; indefinidos: alguém, muitos, todos,
poucos etc.; e demonstrativos: este, esta, aquele, aquilo...):

Alguns me deram apoio.

Este é o sujeito de quem lhe falei.

Essa notícia me deixou surpresa.

6. Com o verbo no infinitivo precedido de preposição:

Até se darem conta do ocorrido, passou muito tempo. (infinitivo)

7. Com o verbo no gerúndio, precedido da preposição em:

Em se falando do assunto, diga o que sabe.

Obs.: Se gerúndio não for precedido de em, deve ocorrer ênclise.

8. Em orações que exprimem desejo:

Os anjos te acompanhem!

9. Com conjunções (que, quando, embora, se, como...):

Espero que nos entendamos.

Mesóclise

A mesóclise é usada quando não houver nenhum caso que solicite a próclise e caso o verbo esteja
no futuro do presente ou no futuro do pretérito. Embora não vejamos tanto esse uso em textos
jornalísticos, por exemplo, em textos científicos esse uso é comum devido ao grau de formalidade
exigido.

Coloca-se, portanto, o pronome no meio do verbo: (1) quando o verbo estiver no futuro; (2) quando
iniciar a frase; e (3) quando antes dele não houver palavra atrativa:
60
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Far-me-ia um favor?

Falar-se-á do assunto amanhã.

Encontrar-nos-íamos no clube ontem à noite.

Ênclise

São, portanto, casos de ênclise:

1. Início da oração ou período:

Contei-lhe toda a verdade quando conversamos.

Obs.: na linguagem informal falada ou escrita, contudo, é comum iniciar a oração com pronome
oblíquo átono. A próclise ou a ênclise em início de oração dependerá do tipo de linguagem que a
situação e o contexto recomendam: formal ou informal, falada ou escrita.

Me diga aí qual foi o resultado do jogo.

2. Com verbo no imperativo:

Faça-me um favor.

3. Com verbo no gerúndio sem a preposição em:

Olhando-me fixamente, contou toda a verdade.

4. Com verbo no infinitivo não flexionado:

Eu prometi entregar-lhe os documentos logo.

Uso dos tempos verbais do pretérito: imperfeito, perfeito e mais que perfeito

O pretérito imperfeito é empregado:

a. Para expressar um fato passado, não concluído.

Exemplo:

A testemunha reconhecia o réu, mas não pode denunciá-lo.

b. Para indicar um fato habitual.

61
Unidade III

Exemplos:

Ele estudava de duas a quatro horas por dia.

Nós escrevíamos apenas o necessário.

c. Com valor de outros tempos:

Presente do indicativo (atenuação de pedidos)

Exemplos:

Eu queria um livro de receitas.

Eu desejava saber se esse carro está à venda.

O pretérito perfeito é empregado:

a. Para indicar um fato passado concluído.

Exemplos:

Ele jogou uma ótima partida.

Acordei cedo e fui ao mercado.

Renata comeu todo o bolo de chocolate.

O pretérito mais que perfeito é empregado:

a. Para expressar um fato passado anterior a outro acontecimento passado.

Exemplo:

Ele finalmente comprou o carro, o mesmo que desejara durante tempos.

b. Em orações optativas (que expressem desejo).

Exemplo:

Pudera eu conseguir atingir minhas metas.

62
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Concordância nominal

Na produção oral, é comum desvios de concordância que, pela gramática do padrão culto, são
considerados erros.

Em textos formais, esse tipo de erro gera má impressão no leitor mais exigente.

Selecionamos a seguir alguns casos para estudar neste tópico:

a. As expressões é bom, é necessário, é proibido

As expressões formadas de verbo ser mais um adjetivo não variam. Entretanto, se o sujeito vier
antecedido de artigo (ou palavra equivalente), a concordância será obrigatória.

Veja:

A comida caseira é boa. Comida caseira é bom.

Pela norma culta, quando a intenção é generalizar, prevalece o masculino no uso de expressões
como é bom, é proibido, é permitido etc.

Não é permitido entrada. Não é permitida a entrada.

b. Anexo, incluso, obrigado(a), próprio(a), mesmo(a)

São palavras adjetivas; devem, portanto, concordar com o nome a que se referem.

Veja, em:

“As pessoas pensam em si mesmas”, o pronome adjetivo mesmas concorda com o substantivo
pessoas.

Observe outros exemplos:

Seguem anexos os acórdãos.

A procuração está apensa aos autos.

Os documentos estão inclusos no processo.

Obrigado, disse o rapaz.

Obrigada, respondeu a menina.

63
Unidade III

Elas próprias resolveram os exercícios.

Eles próprios resolveram a questão.

Observação:

A expressão “em anexo” é invariável.

Exemplo:

Em anexo segue a procuração

Em anexo segue o despacho.

c. Meio

A palavra meio pode ter a função de numeral ou de advérbio.

Assim, temos as seguintes condições:

1. “Meio” como numeral varia e concorda com o termo a que se refere.

Exemplo:

Tomou meio prato de sopa. (numeral)

Comi meia torta sozinha. (numeral)

2. “Meio” como advérbio é invariável.

Exemplo:

Estou meio confusa com tudo isso.

Meu pai anda meio estressado.

d. Só

1. “Só” como sinônimo de “sozinho/sozinha” é variável.

Exemplo:

Ela sentia-se só naquele lugar.

As crianças ficaram sós na casa.


64
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

2. Quando só significa apenas/somente, torna-se invariável.

Exemplo:

Depois de tudo que aconteceu só restaram lágrimas.

O menino queria comer só a sobremesa.

Observação

A locução adverbial “a sós” é invariável.

Exemplo:

Ficamos a sós naquela sala.

Concordância verbal

Observe este trecho da letra de “Música urbana”, do Capital Inicial. Nela, há um verbo que nem
sempre é flexionado corretamente:

Tudo errado, mas tudo bem.


Tudo quase sempre como
eu sempre quis.
Sai da minha frente, que
agora eu quero ver.
Não me importam
os seus atos
eu não sou mais
um desesperado.
Se eu ando por
ruas quase escuras
as ruas passam
(LEMOS, 1986)

O verbo “importar” está flexionado de acordo com o sujeito “os seus atos”, conforme prescreve
a norma culta. Entretanto, na língua falada, principalmente no cotidiano, esse verbo nem sempre é
flexionado, permanecendo no singular.

Sujeito simples e concordância verbal

De acordo com a norma culta, o verbo deve concordar com a pessoa expressa pelo sujeito. Essa
é a regra geral, principalmente quando se trata de sujeito simples, mesmo que este seja posposto ao
verbo.
65
Unidade III

Exemplos:

O povo protestou.

Os revoltados protestaram.

Sumiu um documento.

Sumiram vários documentos.

Sujeito composto antes do verbo

a. O verbo flexiona e passa para o plural

Exemplo:

Pedro e João são meus amigos.

b. O verbo poderá ficar no singular:

–Se os núcleos do sujeito forem sinônimos.

Exemplos:

A honestidade e a decência são virtudes de um ser humano.

–Quando os núcleos formam uma gradação.

Exemplo:

A dor, a tristeza, o desespero levou-a àquela atitude.

–Quando os núcleos aparecem resumidos por tudo, nada, ninguém.

Exemplos:

Professores, alunos, coordenador, ninguém sabia o que acontecera.

A dificuldade de trabalho, a falta de dinheiro, as dificuldades pessoais, nada o desanimava naquele


momento.

Sujeito composto posposto ao verbo

a. O verbo flexiona para o plural.


66
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplos:

Chegaram à festa os pais e os irmãos da aniversariante.

Sumiram do cofre o documento e a joia de estimação.

b. O verbo concorda com o núcleo mais próximo.

Exemplo:

Chegou à reunião o chefe e os subordinados.

Sujeito composto de pessoas diferentes

a. A 1ª pessoa do plural prevalece sobre o singular e o verbo flexiona para o plural.

Exemplos:

Bruna e eu sairemos amanhã.

Meus amigos e eu nos divertimos muito.

b. Se o sujeito for formado de segunda e terceira pessoas do singular, o verbo pode flexionar para a
2ª ou a 3ª pessoa do plural.

Exemplos:

Tu e ele recebereis o prêmio.

Tu e tua companheira conhecerão muitos lugares diferentes.

Núcleos do sujeito ligados por “ou”

a. Quando há ideia de exclusão ou retificação, o verbo fica no singular ou concorda com o núcleo do
sujeito mais próximo.

Exemplos:

Pedro ou Paulo será o nosso novo professor.

O corrupto ou os corruptos serão indiciados pela justiça federal.

b. Não havendo ideia de exclusão, o verbo flexiona para o plural.

67
Unidade III

Exemplos:

Frutas ou legumes são fontes de vitamina.

Núcleos do sujeito ligados por com

O verbo flexiona para o plural, mas admite-se o singular quando se quer destacar o primeiro núcleo
do sujeito.

Exemplos:

O engenheiro com o auxiliar concluíram a obra.

O engenheiro com o auxiliar concluiu a obra.

Sujeito coletivo

Quando o sujeito é um coletivo, o verbo concorda com ele.

Exemplo:

A multidão implorava a renúncia do presidente.

Os bandos seguiam pela trilha.

Observação: se o coletivo vier especificado, o verbo pode ficar no singular ou ir para o plural.

Exemplo:

A equipe de trabalhadores da prefeitura escavou todo o terreno.

A equipe de trabalhadores da prefeitura escavaram todo o terreno.

Sujeito é substantivo que só tem plural.

Quando o sujeito é um substantivo usado somente no plural, há duas possibilidades:

a. Se o substantivo não vier precedido de artigo fica no singular.

Exemplo:

Minas Gerais é uma das regiões ricas em beleza natural.

b. Se o substantivo for precedido de artigo, o verbo vai para o plural.


68
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplo:

As Minas Gerais são fontes de beleza natural do país.

Sujeito é um pronome de tratamento

Quando o sujeito é um pronome de tratamento, o verbo vai para a 3ª pessoa.

Exemplos:

Vossa Senhoria receberá a proposta por escrito.

Vossas Excelências receberão todas as informações.

Sujeito são os pronomes relativos que e quem

a. Se o sujeito for o pronome relativo “que”, o verbo concordará em número e pessoa com o
antecedente do pronome.

Exemplos:

Fui eu que dei a notícia a ele.

Fomos nós que contamos a verdade ao diretor.

b. Se o sujeito for o pronome quem, o verbo fica na 3ª pessoa do singular.

Exemplos:

Sou em quem fará o exame.

Fomos nós quem recebeu a notícia.

Observação: no uso coloquial da língua, é comum o verbo concordar com o antecedente do pronome
quem.

Exemplo:

Não fui eu quem fiz a lei.

O sujeito é uma oração

Quando o sujeito for representado por uma oração, o verbo fica na 3ª pessoa do singular.

69
Unidade III

Exemplos:

Ainda falta comprar vários livros.

Não adianta vocês ficarem parados na fila.

Sujeitos com verbos no infinitivo como núcleo

O verbo flexiona para o plural se os infinitivos forem determinados por artigos. Caso os infinitivos
não sejam determinados, o verbo poderá flexionar no singular.

Exemplos:

Comer bem e fazer exercício é uma ótima escolha.

O viver e o sonhar são necessários ao ser humano.

Verbo com a partícula apassivadora se

O verbo normalmente concorda com o sujeito.

Exemplos:

Aluga-se um quarto.

Vendem-se objetos usados.

Verbo com índice de indeterminação do sujeito

O verbo permanece na 3ª pessoa do singular e a partícula se está ligada a um verbo transitivo


indireto ou intransitivo.

Exemplos:

Necessita-se de esclarecimentos.

Vive-se bem em São Paulo.

Sujeito formado por expressões

• Um ou outro

O verbo concorda no singular com o sujeito.

70
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplos:

Um ou outro presente manifestou sua opinião.

Um ou outro conseguiu responder todo o questionário.

• Um e outro, nem um nem outro, nem... nem...

O verbo concorda preferencialmente no plural.

Exemplos:

Um e outro manifestante gritavam palavras de ordem.

Nem um nem outro aceitaram o convite.

• Um dos que, uma das que

O verbo vai, de preferência, para o plural.

Exemplo:

Aquele menino é um dos que tumultuam a aula.

• Mais de, menos de

O verbo concorda com o numeral a que se refere.

Exemplos:

Mais de uma pessoa contou-me essa história.

Mais de mil pessoas participaram da manifestação.

• A maior parte de, grande número de

Nessas expressões seguidas de substantivos ou pronome no plural, o verbo flexiona para o singular
ou para o plural.

Exemplos:

Grande número de pessoas manifestou-se contra o candidato.

A maioria dos eleitores foram às urnas.


71
Unidade III

• Quais de vós, quantos de nós, alguns de nós

O verbo concordará com os pronomes nós ou vós ou pode concordar na 3ª pessoa do plural.

Exemplos:

Alguns de nós fizeram tudo certo.

Muitos de nós recebemos elogios do chefe.

Observação:

Se o pronome indefinido ou interrogativo estiver no singular, o verbo ficará na 3ª pessoa do


singular.

Exemplo:

Nenhum de nós é vítima da situação.

• Haja vista

Podem ocorrer as seguintes concordâncias:

– A expressão fica invariável.

Exemplos:

Haja vista aos documentos do inquérito. (atente-se)

Haja vista os últimos prêmios recebidos pela equipe. (por exemplo)

�– A expressão vai para o plural.

Exemplo:

Hajam vista as mudanças ocorridas na empresa. (vejam-se)

Concordância dos verbos dar, soar, bater

Esses verbos concordam regularmente com o sujeito, a não ser que sejam usadas outras palavras
como sujeito.

Exemplos:

72
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Batiam duas horas no relógio da sala.

Deu três horas e não havia notícia dele.

O relógio bateu dez horas.

Concordância dos verbos impessoais

Ficam na 3ª pessoa do singular, pois não possuem sujeito.

Exemplo:

Havia dez anos que tudo acontecera.

Ventava bastante naquela tarde.

Faz cinco anos que não a vejo.

Observação:

Quando acompanhado de verbo auxiliar, esse fica invariável na 3ª pessoa do singular.

Exemplo:

Devia fazer quatro meses que não nos falávamos.

Verbos que exprimem fenômenos da natureza usados em sentido figurado deixam de ser impessoais.

Exemplo:

Choviam pétalas de rosa do teto da igreja.

No uso coloquial da língua, é comum usar o verbo ter como impessoal no lugar de haver ou existir.

Exemplo:

Tem três dias que não como direito.

Concordância do verbo ser

O verbo ser ora concorda com o sujeito, ora concorda com o predicativo.

Quando o sujeito for o pronome que ou quem, o verbo ser concordará obrigatoriamente com o
predicativo.
73
Unidade III

Exemplos:

Que são tristezas? Quem foram os culpados?

O verbo ser concordará com o numeral na indicação de tempo, dias e distância.

Exemplos:

É uma hora daqui até o local.

São oito horas da manhã.

Quando o sujeito for os pronomes tudo, o, isso, aquilo, isto o verbo ser concorda, preferencialmente,
com o predicativo, mas poderá concordar com o sujeito.

Exemplo:

Tudo são rumores.

Tudo é tristeza.

Quando aparece nas expressões é muito, é pouco, é bastante, o verbo ser fica no singular, quando
indicar quantidade, distância, medida.

Exemplo:

Cem reais é pouco para pagarmos a dívida.

Dois quilos de farinha é mais que suficiente.

Concordância do verbo parecer

O verbo parecer, antes de infinitivos, admite duas concordâncias:

• O verbo parecer se flexiona e o infinitivo não varia.

Exemplo:

As estruturas da obra pareciam ruir.

• Não varia o verbo parecer e o infinitivo é flexionado.

Exemplo:

Os presentes à reunião parecia concordarem com a decisão do síndico.


74
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

• O verbo parecer concordará no singular, usando-se oração desenvolvida.

Exemplo:

As frutas parece que estão estragadas.

Saiba mais

Veja o site: <http://www.klickeducacao.com.br/2006/materia/21/display/


0,5912,POR-21-98-861-,00.html>. Acesso em: 24 mai. 2011.

Constituintes da frase

Você já deve ter estudado a estrutura da frase em suas aulas de gramática. A análise sintática é a parte
da gramática que se ocupa da estrutura da frase, procurando demonstrar como as palavras se organizam a
fim de formarem enunciados portadores de sentido. Nossa intenção aqui não é a de retomar o estudo da
análise sintática com a terminologia específica (sujeito, predicado, objeto direto etc.), embora entendamos
que esse estudo seja fundamental para o conhecimento da estrutura da frase.

Neste item, procuraremos mostrar como a estruturação de uma frase pode contribuir (ou não) para
a clareza e precisão do texto.

Colocação ou ordem dos termos na oração

Organizar as ideias de modo a ter sentido, com coesão e coerência, é uma dificuldade que tem se tornado
muito presente na realidade dos alunos, pois é preciso ter um conhecimento básico da estrutura da língua
para se obter sucesso, o que normalmente não ocorre com eles ao elaborarem um texto escrito.

Hoje em dia, é uma queixa comum dos professores que os alunos não constroem textos que expressem
suas ideias de forma clara, isso devido à deficiência no uso de elementos linguísticos de forma adequada,
o que torna o texto muitas vezes confuso, incoerente e sem a transmissão de um pensamento lógico.

Infelizmente, essa é a realidade que nos cerca atualmente. Então, vamos recordar os conceitos de
frase, oração e período:

Frase – todo enunciado de sentido completo, capaz de estabelecer comunicação. Podem ser nominais
ou verbais.

Oração – enunciado que se estrutura em torno de um verbo ou locução verbal.

Período – constitui-se de uma ou mais orações. Podem ser simples ou compostos.

75
Unidade III

Observe que, embora possam existir frases sem verbo (frase nominal), a frase sintaticamente estruturada
é aquela que apresenta verbo e em torno do qual se agrupam outros termos: o sujeito que com ele estará
concordando, os complementos do verbo, termos que acrescentam informações acessórias etc.

Há frases simples (aquelas formadas por uma única oração) e frases complexas (aquelas formadas
por várias orações). Nas frases simples, costumamos dispor os termos na seguinte ordem: sujeito, verbo,
complemento do verbo e adjuntos adverbiais. É a chamada ordem direta.

Embora a ordem direta seja natural, nada impede que se altere a disposição dos elementos na frase.
Quando isso ocorre, temos a ordem inversa.

Observe como a disposição dos elementos da frase pode ser alterada:

O ser humano é o único animal inteligente na face da Terra.

O único animal inteligente na face da Terra é o ser humano.

Mas, se a ordem natural dos elementos da frase é a ordem direta, por que razão empregaríamos a
ordem inversa?

A resposta é bem simples: por uma questão de estilo.

Essa inversão na disposição dos elementos constituintes da frase marca a ênfase que se quer dar a
um determinado elemento, que é deslocado para o início da oração. Esse procedimento denomina-se
topicalização e isso ocorre devido às intenções na situação comunicativa de se colocar em destaque um
constituinte da oração.

O fato é comum na língua oral, como quando, por exemplo, um falante diz: “Seu filho mais velho eu
vi hoje na praia. Estava muito bem acompanhado. De bobo ele não tem nada”.

Observe como funciona:

O governo Lula e o presidente em pessoa tiveram na quinta–feira o seu melhor momento desde a
reeleição. (O Estado de São Paulo, 17 de mar. 2007. A3)

Tiveram, na quinta-feira, o seu melhor momento desde a reeleição o governo Lula e o presidente
em pessoa.

O seu melhor momento desde a reeleição o governo Lula e o presidente em pessoa tiveram na
quinta-feira.

Essas três frases trazem a mesma informação. No entanto, dependendo da ordem em que se dispõem
os termos, damos maior relevância a um em relação a outro.

76
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

No primeiro exemplo, a utilização da ordem direta confere maior relevância ao sujeito “o


governo Lula e o presidente em pessoa”. No segundo, a ênfase recai na ação expressa pelo
verbo. No terceiro, a antecipação do objeto direto para o início da frase confere destaque a esse
elemento.

A opção por uma construção na voz passiva ou na ativa está também relacionada ao
destaque que se quer dar a algum elemento da frase: o agente, o paciente ou a própria ação
verbal. Veja:

Provinha já é adotada por 4 estados. (O Estado de São Paulo, 17 de mar. 2007. A24)

4 estados já adotam a Provinha.

No primeiro exemplo, a construção na voz passiva dá maior relevância ao objeto da adoção (a


Provinha que foi adotada), que na frase funciona como sujeito.

Já no segundo exemplo, a construção na voz ativa dá maior relevância aos agentes da adoção (os
quatro estados, aqueles que adotaram), que na frase funcionam como sujeito.

Quando se opta pela voz passiva sintética (verbo transitivo mais o pronome apassivador se), a ênfase
recai sobre a própria ação verbal. Observe:

Consertam-se sapatos.

Aluga-se casa na praia.

Vendem-se apartamentos.

Grafia das palavras

A grafia é uma representação dos sons, por isso ela é uma convenção social.

Enquanto a pronúncia das palavras pode sofrer variação (de acordo com fatores externos que
influenciam essas alterações, conforme visto na unidade anterior), a grafia padroniza a forma de
escrevê-las.

Para que essa padronização ocorra, há uma convenção estabelecida por instituições que normatizam
o uso da língua. É o caso, por exemplo, da Academia Brasileira de Letras.

Não podemos nos esquecer, entretanto, que a língua portuguesa não é nossa, dos brasileiros, há
outros países que a utilizam como língua oficial. Esses países são Portugal, Angola, Moçambique, Cabo
Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Esses países participaram do que se denomina Novo Acordo Ortográfico, assinado em 1990 por seus
representantes e que deve estar em vigor até janeiro de 2013.
77
Unidade III

Vale ressaltar que o último país a assinar o Novo Acordo foi Portugal e o objetivo desse acordo é
unificar a ortografia da língua portuguesa, a qual atualmente é o único idioma do ocidente com duas
grafias oficiais, a do Brasil e a de Portugal.

Com o Acordo, estima-se que 98% das diferenças sejam resolvidas. Quanto às alterações
na escrita, para o Brasil, elas representam em torno de 0,5%, ao passo que, para Portugal, elas
correspondem a 1,6%.

Chamamos de Novo Acordo porque já houve outros acordos em relação à ortografia e, para situar
você, caro aluno, nesse contexto, passamos a fazer uma breve retrospectiva.

Em 1907, a Academia Brasileira de Letras (ABL) elaborou um projeto de reformulação ortográfica


com base na ortografia nacional (1904) que foi oficializado por Portugal em 1911.

Em 1915, a ABL aprovou a proposta do projeto, ajustando-o aos padrões do Brasil. Todavia, em 1919
a Academia voltou atrás e revogou o projeto de 1907, não havendo reforma.

O primeiro Acordo Ortográfico, de iniciativa da ABL, data de 1931. Ele foi também aprovado
pela Academia das Ciências de Lisboa, em Portugal. O governo brasileiro oficializou tal acordo em
1931.

Em 1934, a Constituição brasileira revogou o acordo de 1931 e estabeleceu a volta das regras
ortográficas de 1891, como, por exemplo, a grafia de pharmácia ou mesmo da palavra ortographia.

Em 1943, uma convenção luso-brasileira retoma o acordo de 1931, com pequenas modificações.

No ano de 1945, as normas do novo acordo ortográfico passam a vigorar em Portugal, enquanto no
Brasil manteve-se a ortografia de 1943.

Em 1971, um decreto do governo brasileiro altera algumas regras da ortografia de 1943. É o caso, por
exemplo, de palavras como saudade, antes grafada saüdade, ou de palavras como sòmente, cujo acento
diferencial marcava a pronúncia fechada ou aberta da vogal.

Houve uma reunião no Brasil de países que compõem a CPLP (Comunidade dos Países de Língua
Portuguesa), os quais correspondem aos oito países que têm a língua portuguesa como língua oficial.
Dessa reunião resultaram as Bases Analíticas da Ortografia Simplificada da Língua Portuguesa, de 1945,
que nunca foram implantadas.

Em 1975, tanto a Academia Brasileira quanto a de Portugal elaboraram um texto com a


finalidade de diminuírem-se as divergências dos acordos de 1943 e 1945, privilegiando-se
este último, todavia, esse texto não se oficializou devido à situação política por que passava
Portugal.

Em 1990, nova reunião é realizada, dessa vez em Portugal, da qual resultou o Novo Acordo Ortográfico
da Língua Portuguesa, previsto para entrar em vigor em janeiro de 1994.
78
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

É esse acordo que tem previsão de ser implantado totalmente até janeiro de 2013 e, para tanto, a
sociedade deve se adequar às novas regras estabelecidas para a grafia das palavras.

Apresentamos, então, os principais pontos desse acordo:

Quadro 8

Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa


Alfabeto
Nova Regra Regra Antiga Como Será
Essas letras serão usadas em siglas,
O alfabeto é agora formado por 26 O “k”, “w” e “y” não eram consideradas símbolos, nomes próprios, palavras
letras. letras do nosso alfabeto. estrangeiras e seus derivados. Exemplos:
km, watt, Byron, byroniano.

Trema
Nova Regra Regra Antiga Como Será
Não existe mais o trema em língua Agüentar, conseqüência, cinqüenta, Aguentar, consequência, cinquenta,
portuguesa. Apenas em casos de qüinqüênio, frqüência, freqüente, quinquênio, frequência, frequente,
nomes próprios e seus derivados, por eloqüência, eloqüente, argüição, delinqüir, eloquência, eloquente, arguição, delinquir,
exemplo: Müller, mülleriano. pingüim, tranqüilo, linguiça. pinguim, tranquilo, linguiça.

Acentuação
Nova Regra Regra Antiga Como Será
Assembléia, platéia, idéia, colméia, boléia, Assembleia, plateia, ideia, colmeia, boleia,
Ditongos abertos (ei, oi) não são mais panacéia, Coréia, hebréia, bóia, paranóia, panaceia, Coreia, hebreia, boia, paranoia,
acentuados em palavras paroxítonas. jibóia, apóio, heróico, paranóico. jiboia, apoio, heroico, paranoico.
Obs.: nos ditongos abertos de palavras oxítonas e monossílabas o acento continua: herói, constrói, dói, anéis, papéis.
Obs. 2: o acento no ditongo aberto “eu” continua: chapéu, véu, céu, ilhéu.

Nova Regra Regra Antiga Como Será


Enjôo, vôo, corôo, perdôo, côo, môo, Enjoo, voo, coroo, perdoo, coo, moo,
O hiato “oo” não é mais acentuado. abençôo, povôo. abençoo, povoo.
Crêem, dêem, lêem, vêem, descrêem, Creem, deem, leem, veem, descreem,
O hiato “ee” não é mais acentuado. relêem, revêem. releem, reveem.

Nova Regra Regra Antiga Como Será


Pára (verbo), péla (substantivo e verbo), Para (verbo), pela (substantivo e verbo),
Não existe mais o acento diferencial pêlo (substantivo), pêra (substantivo), péra pelo (substantivo), pera (substantivo),
em palavras homógrafas. (substantivo), pólo (substantivo). pera (substantivo), polo (substantivo).
Obs.: o acento diferencial ainda permanece no verbo “poder” (3ª pessoa do Pretérito Perfeito do Indicativo – “pôde”) e no verbo
“pôr” para diferenciar da preposição “por”.

Nova Regra Regra Antiga Como Será


Não se acentua mais a letra “u” nas
formas verbais rizotônicas, quando Argúi, apazigúe, averigúe, enxagúe, Argui, apazigue,averigue, enxague,
precedido de “g” ou “q” e antes de “e” enxagúemos, obliqúe ensaguemos, oblique.
ou “i” (gue, que, gui, qui).

79
Unidade III

Não se acentua mais “i” e “u” tônicos Baiúca, boiúna, cheiínho, saiínha, feiúra, Baiuca, boiuna, cheiinho, saiinha, feiura,
em paroxítonas quando precedidos de feiúme feiume.
ditongo.

Hífen
Nova Regra Regra Antiga Como Será
Ante-sala, ante-sacristia, auto-retrato, Antessala, antessacristia, autorretrato,
anti-social, anti-rugas, arqui-romântico, antissocial, antirrugas, arquirromântico,
O hífen não é mais utilizado em arqui-rivalidae, auto-regulamentação, arquirrivalidade, autorregulamentação,
palavras formadas de prefixos (ou auto-sugestão, contra-senso, contra-regra, contrassenha, extrarregimento,
falsos prefixos) terminados em vogal + contra-senha, extra-regimento, extrassístole, extrasseco, infrassom,
palavras iniciadas por “r” ou “s”, sendo extra-sístole, extra-seco, infra-som, intrarrenal, ultrarromântico,
que essas devem ser dobradas. ultra-sonografia, semi-real, semi-sintético, ultrassonografia, suprarrenal,
supra-renal, supra-sensível. suprassensível.
Obs.: em prefixos terminados por “r”, permanece o hífen se a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra: hiper-realista,
hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional, super-realista, super-resistente etc.

Nova Regra Regra Antiga Como Será


Auto-afirmação, auto-ajuda, Autoafirmação, autoajuda,
auto-aprendizagem, auto-escola, autoaprendizagem, autoescola,
auto-estrada, auto-instrução, autoestrada, autoinstrução,
O hífen não é mais utilizado em contra-exemplo, contra-indicação, contraexemplo, contraindicação,
palavras formadas de prefixos (ou contra-ordem, extra-escolar, extra-oficial, contraordem, extraescolar, extraoficial,
falsos prefixos) terminados em vogal + infra-estrutura, intra-ocular, intra-uterino, infraestrutura, intraocular, intrauterino,
palavras iniciadas por outra vogal. neo-expressionista, neo-imperialista, neoexpressionista, neoimperialista,
semi-aberto, semi-árido, semi-automático, semiaberto, semiautomático, semiárido,
semi-embriagado, semi-obscuridade, semiembriagado, semiobscuridade,
supra-ocular, ultra-elevado. supraocular, ultraelevado.
Obs.: esta nova regra vai uniformizar algumas exceções já existentes antes: antiaéreo, antiamericano, socioeconômico etc.
Obs2: esta regra não se encaixa quando a palavra seguinte iniciar por “h”: anti-herói, anti-higiênico, extra-humano,
semi-herbáceo etc.

Nova Regra Regra Antiga Como Será


Anti-ibérico, anti-inflamatório,
Agora se utiliza hífen quando a Antiibérico, antiinflamatório, anti-inflacionário, anti-imperialista,
palavra é formada por um prefixo (ou antiinflacionário, antiimperialista, arqui-inimigo, arqui-irmandade,
falso prefixo) terminado em vogal + arquiinimigo, arquiirmandade, microondas, micro-ondas, micro-ônibus,
palavra iniciada pela mesma vogal. microônibus, microorgânico. micro-orgânico.
Obs.: esta regra foi alterada por conta da regra anterior: prefixo termina com vogal + palavra inicia com vogal diferente = não
tem hífen; prefixo termina com vogal + palavra inicia com mesma vogal = com hífen.
Obs. 2: uma exceção é o prefixo “co”. Mesmo se a outra palavra inicia-se com a vogal “o”, não se utiliza hífen.

Nova Regra Regra Antiga Como Será


Não usamos mais hífen em compostos Manda-chuva, pára-quedas, pára-quedista, Mandachuva, paraquedas, paraquedista,
que, pelo uso, perdeu-se a noção de pára-lama, pára-brisa, pára-choque, para-lama, para-brisa, para-choque,
composição. pára-vento. para-vento.
Obs.: o uso do hífen permanece em palavras compostas que não contêm elemento de ligação e constitui unidade sintagmática e
semântica, mantendo o acento próprio, bem como naquelas que designam espécies botânicas e zoológicas: ano-luz, azul-escuro,
médico-cirurgião, conta-gotas, guarda-chuva, segunda-feira, tenente-coronel, beija-flor, couve-flor, erva-doce, bem-te-vi etc.
Observações Gerais
O uso do hífen permanece Exemplos
Em palavras formadas por prefixos Ex-marido, vice-presidente, soto-mestre.
“ex”, “vice”, “soto”.

80
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Em palavras formadas por prefixos


“circum” e “pan” + palavras iniciadas Pan-americano, circum-navegação.
em vogal, M ou N.
Em palavras formadas com prefixos
“pré”, “pró” e “pós” + palavras que têm Pré-natal, pró-desarmamento, pós-graduação.
significado próprio.
Em palavras formadas pelas palavras Além-mar, além-fronteiras, aquém-oceano, recém-nascidos, recém-casados,
“além”, “aquém”, “recém”, “sem”. sem-número, sem-teto.

Não existe mais hífen Exemplos Exceções


Em locuções de qualquer tipo Cão de guarda, fim de semana, café com Água-de-colônia, arco-da-velha,
(substantivas, adjetivas, pronominais, leite, pão de mel, sala de jantar, cartão de cor-de-rosa, mais-que-perfeito,
verbais, adverbiais, prepositivas ou visita, cor de vinho, à vontade, abaixo de, pé-de-meia, ao deus dará, à
conjuncionais). acerca de etc. queima-roupa.

(BRASIL, 2008)

E, para finalizar, não poderíamos deixar de falar sobre a metodologia de ensino da língua portuguesa
na Educação Básica, uma vez que você será habilitado, no final da curso, a exercer o magistério nesse
período de formação da criança e/ou adolescente. É do que trataremos no próximo item.

8 ESTUDO CRÍTICO DA METODOLOGIA DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA


GRAMÁTICA NORMATIVA EM SALA DE AULA

É possível ensinar gramática?


É desejável ensinar gramática?
Por que ensinar gramática?
Que gramática ensinar?

Mais que responder a essas questões – e, certamente, a tantas outras que insistem em “povoar” o
pensamento de alunos e professores de língua materna –, esta seção destina-se a provocar reflexões
acerca do ensino-aprendizagem da gramática em nossas escolas.

Inicialmente, é preciso que apresentemos alguns aspectos centrais que darão base às reflexões propostas.

Desenvolver a competência comunicativa – oral e escrita – do aluno, a fim de que ele seja capaz
de usar cada vez com mais habilidade os recursos da língua para comunicar-se, e produzir efeitos
de sentido numa determinada situação de interação comunicativa são os grandes objetivos a serem
atingidos nas aulas de língua portuguesa.

Tradicionalmente, no entanto, o ensino de língua portuguesa tomava a oração e o período como unidades
fundamentais para seu estudo e pretendia ensinar o aluno a ler e a escrever por meio do ensino sistemático
da gramática e das estruturas da língua escrita.

Atualmente, como resposta a estudos desenvolvidos especialmente a partir da década de 1980,


sabe-se que o texto é a unidade básica do ensino da língua portuguesa. Assim, no que diz respeito à
81
Unidade III

gramática, é a língua em funcionamento que deve ser objeto de análise nas aulas de língua materna, isto
é, o estudo gramatical não pode estar desligado e distante de sua aplicação prática, hábito que, durante
muito tempo, artificializou sobremaneira o ensino da gramática em todos os níveis de escolaridade.

Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são documentos lançados pelo MEC no final dos anos
1990, elaborados por educadores de todas as áreas do conhecimento, com a intenção de apoiar e ampliar
discussões de caráter pedagógico, visando a uma transformação positiva no sistema educativo brasileiro.

Saiba mais

Consulte o site <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>


para saber mais sobre os PCNs.

Veja o que dizem os Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa a respeito dessa prática
pedagógica.

Reflexão gramatical na prática pedagógica

Na perspectiva de uma didática voltada para a produção e interpretação


de textos, a atividade metalinguística deve ser instrumento de apoio para
a discussão dos aspectos da língua que o professor seleciona e ordena no
curso do ensino-aprendizagem.

Assim, não se justifica tratar o ensino gramatical desarticulado das práticas


de linguagem. É o caso, por exemplo, do tipo que só serve para ir bem na
prova e passar de ano – uma prática pedagógica que vai da metalíngua
para a língua por meio de exemplificação, exercícios de reconhecimento e
memorização de terminologia. Em função disso, discute-se se há ou não
necessidade de ensinar gramática. Mas essa é uma falsa questão: a questão
verdadeira é o que, para que e como ensiná-la.

Deve-se ter claro, na seleção dos conteúdos de análise linguística, que


a referência não pode ser a gramática tradicional. A preocupação não é
reconstruir com os alunos o quadro descritivo constante dos manuais de
gramática escolar (por exemplo, o estudo ordenado das classes de palavras
com suas múltiplas subdivisões, a construção de paradigmas morfológicos,
como as conjugações verbais estudadas de um fôlego em todas as suas
formas temporais e modais, ou de pontos de gramática, como todas as
regras de concordância, com suas exceções reconhecidas).

O que deve ser ensinado não responde às imposições de organização


clássica de conteúdos na gramática escolar, mas aos aspectos que precisam
82
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

ser tematizados em função das necessidades apresentadas pelos alunos nas


atividades de produção, leitura e escuta de textos.

O modo de ensinar, por sua vez, não reproduz a clássica metodologia de


definição, classificação e exercitação, mas corresponde a uma prática que
parte da reflexão produzida pelos alunos mediante a utilização de uma
terminologia simples e se aproxima, progressivamente, pela mediação do
professor, do conhecimento gramatical produzido. Isso implica, muitas
vezes, chegar a resultados diferentes daqueles obtidos pela gramática
tradicional, cuja descrição, em muitos aspectos, não corresponde aos usos
atuais da linguagem, o que coloca a necessidade de busca de apoio em
outros materiais e fontes (BRASIL, 1998).

Saber regras gramaticais não significa saber escrever bem, pois muitas vezes escritores brilhantes
não são capazes de descrever a norma, porém, são capazes de produzir textos que nos comovem ou nos
divertem: eles não podem dizer “como”, mas sabem produzir textos de excelente qualidade.

É apenas na situação de trabalho com o texto, seja em seu processo de produção ou leitura, que o
aluno utiliza o conhecimento gramatical adquirido para garantir um texto claro, coeso, que cumpre sua
finalidade na medida em que assegura sua adequação e correção.

Os PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais) sugerem um ensino que priorize a prática de leitura de
textos diversificados, assim como a prática da produção de textos e a análise linguística dos textos. Esses
são os objetivos centrais propostos por esse documento.

Essas três práticas devem interligar-se, isto é, não podem ser tomadas como atividades estanques,
ao contrário, devem estar em coocorrência e, para tanto, o professor tem de se libertar dos métodos
mecanicistas de ensino da língua.

Desse modo, há de se concordar que decorar regras e definição de conceitos gramaticais – por
exemplo, saber repetir que “verbos são palavras que indicam ação, estado ou fenômeno da natureza”
– definitivamente não assegura que o sujeito seja capaz de escrever um bom texto.

Pois então, aprender gramática não se resume a decorar regras arbitrárias e submeter-se a elas.
Aprender gramática é agir sobre a língua para, gradativamente, construir sua teia de relações.

Veja o que diz Possenti (2005) a respeito de se ensinar ou não a língua padrão na escola:

Talvez deva repetir que adoto sem qualquer dúvida o princípio (quase evidente)
de que o objetivo da escola é ensinar o português padrão, ou, talvez mais
exatamente, o de criar condições para que ele seja aprendido. Qualquer outra
hipótese é um equívoco político e pedagógico. A tese de que não se deve
ensinar ou exigir o domínio do dialeto padrão dos alunos que conhecem e usam
dialetos não padrões baseia-se em parte no preconceito segundo o qual seria
83
Unidade III

difícil aprender o padrão. Isto é falso, tanto do ponto de vista da capacidade


dos falantes quanto do grau de complexidade de um dialeto padrão.

[...] o problema do ensino padrão se põe de forma grave quando se trata


do ensino do padrão a quem não o fala usualmente, isto é, a questão é
particularmente grave em especial para alunos das classes populares, por
mais que também haja alguns problemas decorrentes das diferenças entre
fala e escrita, qualquer que seja o dialeto (mas, insisto sobre a hipótese de
que, provavelmente, tais problemas sejam mais de tipo textual do que de
tipo gramatical) (POSSENTI, 2005, p. 17-18).

Luft (2000) acrescenta:

Uma das principais causas de um ensino de língua materna mal-orientado,


na escola tradicional, é o pressuposto ingênuo de que o aluno não sabe
a língua. Isso leva a concentrar o esforço em “ensinar” coisas, sobretudo
teoria gramatical e regras. Tem-se a impressão de que o professor de idioma
nacional está ensinando português a estrangeiros (LUFT, 2000, p. 65).

O ensino da gramática deve, assim, privilegiar a análise e a reflexão sobre a língua. Deve, do mesmo
modo, ser um espaço em que essa prática se revele como um elemento que contribui, sobremaneira, para
formar alunos usuários competentes de sua língua, verdadeiros “senhores” de sua atividade linguística.

Certamente, o aluno que fala, lê e escreve com competência será bem mais que um sujeito bem
informado; será um cidadão crítico, consciente, capaz de expressar o que sabe, o que pensa e o que
sente. E a todos deve ser reservado esse direito.

No texto de Gilberto Scarton, publicado no site da PUC/RS, há um quadro interessante, que trata
dessa questão da gramática e do ensino. Vejamos:

Quadro 9

Aspectos Tradicionalistas Não tradicionalistas


Língua portuguesa = conjunto de
Língua portuguesa = Língua culta formal (de um
1. Concepção de língua variedades = Língua culta formal +
período pretérito). informal+ popular + regional + gíria + etc.
— Critério histórico.
— Critério fundamentado nos usos atuais.
— Critério absolutista: só é aceito o uso formal culto.
— Critério relativista: todas as modalidades
— Critério irrealista: não é levada em conta a variação linguísticas são legítimas desde que
linguística, os novos usos. adequadas ao contexto.
2. Critério de correção — Incorre em distorções temporais: não aceita
linguística — Critério realista.
a evolução dos usos linguísticos; em distorções
espaciais: não aceita os usos regionais; em distorções — Defendem a aceitabilidade
sociais: não se aceitam as variações sociais; em contextualizada: todas as modalidades
distorções situacionais: não se aceitam as variações linguísticas desde que adequadas ao
determinadas ou condicionadas pelos contextos contexto.
diferentes na interação social.

84
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

— Repetem /copiam os registros tradicionais.


— São servos da língua e não seus senhores:
3. Papel do gramático, — Não observam / registram os usos reais, atuais. registram e explicam os usos linguísticos
do dicionarista reais.
— Consideram-se “autoridades” em questões de
linguagem.
— Tornar o falante plurilíngue no interior
da própria língua: respeitar /apoiar
— Tornar o falante monolíngue: impor a modalidade todas as modalidades linguísticas dos
4. Papel da escola culta formal, erradicando /combatendo todas as alunos e, sob a forma de acréscimo,
demais modalidades linguísticas. ampliar a competência comunicativa
com o favorecimento da linguagem culta
formal.
Não julga os fatos da língua através da
perspectiva elementar do certo X errado,
mas informa sobre usos linguísticos,
distinguindo:
É o juiz, o árbitro da língua julgando todos os fatos — uso atual X uso antigo.
5. Papel do professor linguísticos mediante uma visão radical expressa na
seguinte dicotomia: isto está certo X isto está errado. — uso culto X uso popular.
— uso brasileiro X uso lusitano.
— uso formal X uso informal.
— uso adequado X uso inadequado.
Os não tradicionalistas são menos
conservadores, mais “liberais”, mais
Os tradicionalistas são conservadores, puristas, flexíveis, e distinguem o que é obrigatório,
6. Consequências inflexíveis, dogmáticos, irrealistas. o que é facultativo, o que é tolerável, o
que é inadmissível, o quê, o quando, o por
quê.
(SCARTON, 2005)

Enfim, antes de saber as regras na ponta da língua, o aluno, principalmente da educação básica, ou
seja, do Ensino Fundamental e Ensino Médio, precisa saber compreender e elaborar um texto. Estes são
pressupostos para um ensino eficaz da língua portuguesa.

Além disso, é preciso refletir sobre a concepção de linguagem, entendendo-a como uma “atividade
constitutiva”, segundo Geraldi (2006). Como postula o autor

(...) a linguagem é uma atividade constitutiva: é pelo processo de internalização


do que nos era exterior que nos constituímos como os sujeitos que somos,
e, com as palavras de que dispomos, trabalhamos na construção de novas
palavras (GERALDI, 2006, p. 67).

O professor precisa ter essa visão da linguagem, como algo a ser construído e ao mesmo tempo um
instrumento poderoso nas mãos do aluno, se este for conduzido a exercitar essa prática de linguagem,
em que se sente também sujeito da ação.

Para tanto, o professor tem de propiciar o acesso a conhecimentos, por exemplo, de gêneros textuais,
de tipos de sequências textuais, da modalidade a ser usada (oral ou escrita), do registro, dos objetivos da
comunicação, enfim, de todos os elementos que garantam um bom desempenho tanto na compreensão
quanto na elaboração do texto.

85
Unidade III

Nesse contexto, os conhecimentos gramaticais auxiliarão na organização desse texto, mas


sabê-los, como já dissemos, isoladamente, sem aplicação no uso, não garantirá a aquisição desses
conhecimentos.

Para que isso ocorra, esse professor tem, em primeiro lugar, de se libertar das amarras que um ponto
de vista purista da língua acaba construindo para si.

É preciso ir além da gramática normativa, além das normas de bom uso da língua; adentrar o mundo
linguístico que convida ao desafio de comunicar-se sem medo, sem artificialismo, de modo claro,
coerente, para que se possa ser entendido pelo outro.

Somente assim o professor estará exercendo sua função verdadeiramente e oferecendo condições a
esse aluno de exercer a cidadania, no seu verdadeiro sentido.

Para encerrar – ao menos por ora – nossas reflexões, deixamos aqui as palavras do mestre Paulo
Freire:

O desrespeito à leitura de mundo do educando revela o gosto elitista,


portanto antidemocrático, do educador que, desta forma, não escutando o
educando, com ele não fala. Nele deposita seus comunicados (FREIRE, 1996,
p. 139).

Figura 10 – Paulo Freire

86
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Resumo

Nesta unidade, vimos que a norma culta é a que padroniza o uso da língua
e o padrão selecionado foi o da classe de prestígio na sociedade. Portanto, há
outras gramáticas quando se pensa no uso efetivo da língua, mas a do padrão
institui regras que fazem com que todos usem da mesma forma essa língua.

Vimos também que é na escrita que o controle torna-se maior, uma vez
que a língua falada é dinâmica e sofre transformações.

Para compreendermos as regras da norma culta, foram tratados os


seguintes assuntos:

Emprego de pronomes de tratamento.


O uso dos pronomes demonstrativos e dos possessivos.
Colocação dos pronomes átonos (próclise, ênclise e mesóclise).
Uso dos pretéritos (perfeito, imperfeito, mais-que-perfeito).
Concordância verbal e concordância nominal.
Colocação e ordem dos termos na oração.
Grafia das palavras e Acordo Ortográfico.

Por fim, vimos ainda alguns pontos de vista sobre o ensino da língua portuguesa na Educação
Básica, retomando autores que tratam do assunto e sugerem os Parâmetros Curriculares Nacionais.
Nesse sentido, pudemos verificar que o problema não é deixar de ensinar a norma culta, mas a questão
é a eficiência do método de ensino.

Questões

Questão 1 (Cespe – UnB: Pesquisador – Tecnologista – Inmetro – 24/01/2010, adaptada).


Considere o requisito abaixo:

A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem,
clareza, concisão, formalidade e uniformidade.

(Fonte: Manual de Redação da Presidência da República, 2002).

Assinale a opção em que o fragmento apresentado atende a esse requisito:

A) Ficamos felizes com o resultado da análise porque foi melhor do que imaginávamos.

B) Talvez seja bom rever o assunto do pedido de análise. Consideramos um tanto quanto questionável
a sua realização, que para nos daria muito trabalho.
87
Unidade III

C) A produção não atendeu à legislação, à qual deverá ser revista.

D) O presidente falou claramente de que a decisão é inteligente e mais simples do que a lei
vigente.

E) A adequação dos produtos às normas legais implica risco diminuído de acidentes aos
consumidores.

Resposta correta: alternativa E.

Análise das alternativas:

A) Alternativa incorreta.

Justificativa:

O manual recomenda a impessoalidade e, nesta alternativa, há o uso da primeira pessoa.

B) Alternativa incorreta.

Justificativa:

Além do uso da primeira pessoa, que causa efeito de pessoalidade, falta o acento no pronome
nós.

C) Alternativa incorreta.

Justificativa:

O manual recomenda o uso da norma culta e o acento indicativo de crase em à qual não está correto
no período.

D) Alternativa incorreta.

Justificativa:

Há um problema no uso incorreto da preposição e, além disso, há eco no período.

E) Alternativa correta.

Justificativa:

O período está de acordo com todas as regras gramaticais.

88
GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Questão 2 (FUVEST 2010, adaptada). Considere o seguinte trecho de uma carta:

Belo Horizonte, 28 de julho de 1942.

Meu caro Mário,

Estou te escrevendo rapidamente, se bem que haja muitíssima coisa que eu quero te falar (a respeito
da Conferência, que acabei de ler agora). Vem-me uma vontade imensa de desabafar com você tudo o
que ela me fez sentir. Mas é longo, não tenho o direito de tomar seu tempo e te chatear.

Fernando Sabino

Neste trecho de uma carta de Fernando Sabino a Mário de Andrade, assinale a alternativa que não
está de acordo com a norma culta:

A) “(...) se bem que haja”.

B) “(...) que acabei de ler agora”.

C) “Vem-me uma vontade”.

D) “(...) tudo o que ela me fez sentir”

E) “(...) tomar seu tempo e te chatear”.

Resolução desta questão na Plataforma.

89
FIGURAS E ILUSTRAÇÕES

Figura 1

ALFABETO_MANUAL_LGP.JPG. Largura: 377 pixels. Altura: 371 pixels. 24 KB. Formato: JPEG. Disponível
em <http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/53/Alfabeto_Manual_LGP.jpg>. Acesso em: 22
abr. 2011.

Figura 2

MAPA-DOS-DIALETOS.GIF. Largura: 300 pixels. Altura: 294 pixels. 5,40 KB. Formato: GIF. Disponível
em <http://linguagemcontemporanea.files.wordpress.com/2008/06/mapa-dos-dialetos.
gif?w=300&h=294>. Acesso em: 25 abr. 2011.

Figura 3

MAP-LUSOPHONE_WORLD-EM.PNG. Largura: 1357 pixels. Altura: 628 pixels. 47,0 KB. Formato: PNG.
Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Map-Lusophone_World-en.png>. Acesso em: 22 abr. 2011.

Figura 4

P_SOCIETY_VIOLET.PNG. Largura: 200 pixels. Altura: 183 pixels. 18,2 KB. Formato: PNG. Disponível em
<http://commons.wikimedia.org/wiki/File:P_Society_violet.png >. Acesso em: 19 abr. 2011.

Figura 5

STOCK-VECTOR-VERY-MANY-HIGH-QUALITY-BUSINESS-PEOPLE-SILHOUETTES-72423382.JPG. Largura:
447 pixels. Altura: 470 pixels. 78,4 KB. Formato: JPEG. Disponível em <http://www.shutterstock.com/
cat-23-Illustrations-Clip-Art.html#id=72423382>. Acesso em: 23 abr. 2011.

Figura 6

BATTLEOFTHESEXES.JPG. Largura: 1659 pixels. Altura: 1655 pixels. 554 KB Kb. Formato: JPEG. Disponível
em <http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Battleofthesexes.jpg>. Acesso em: 23 abr. 2011.

Figura 7

MH900409711.JPG. Largura: 325 pixels. Altura: 325 pixels. 12,9 KB. Formato: JPEG. Disponível em
<http://office.microsoft.com/pt-br/images/educacao-CM079001901.aspx#ai:MP900409711>. Acesso
em: 23 abr. 2011.

Figura 8

09146.JPG. Largura: 318 pixels. Altura: 450 pixels. 27,4 KB. Formato: JPEG. Disponível em <http://www.
humortadela.com.br/imagens/view_imagens.php?num=09146>. Acesso em: 23 abr. 2011.
90
Figura 9

TERMOS.GIF. Largura: 357 pixels. Altura: 87 pixels. 3,13 KB. Formato: GIF. Disponível em < http://www.
pucrs.br/manualred/pronomes.php>. Acesso em: 25 abr. 2011.

Figura 10

PAULO_FREIRE.JPG. Largura: 297 pixels. Altura: 375 pixels. 105 KB. Formato: JPEG. Disponível em
<http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Paulo_Freire.jpg>. Acesso em: 25 abr. 2011.

Audiovisuais

GONZAGA, L.; TEIXEIRA, H. Asa Branca. Intérprete: Luiz Gonzaga. In: GONZAGA, L. O Canto Jovem de
Luiz Gonzaga. São Paulo: RCA Victor, 1971. 1 disco sonoro. Lado A, faixa 6. Disponível em <http://
letras.terra.com.br/luiz-gonzaga/47081/>. Acesso em: 25 abr. 2011.

LEMOS, F.; RUSSO, R. et al. Música urbana. Intérprete: Capital Inicial. In: INICIAL, C. Capital Inicial. São
Paulo: Polygram, 1986. 1 disco sonoro. Lado A, faixa 1. Disponível em <http://www.vagalume.com.
br/capital-inicial/musica-urbana.html>. Acesso em: 25 abr. 2011.

VELOSO, C.; ALBUQUERQUE, P. Clara. Intérprete: Caetano Veloso. In: VELOSO, C. Caetano
Veloso. São Paulo, Universal Music, 1990. CD, faixa 9. Disponível em <http://letras.terra.com.br/
caetano-veloso/144330/> Acesso em: 25 abr. 2011.

REFERÊNCIAS

Audiovisuais

Língua - Vidas em Português. Brasil, Portugal. Direção: Victor Lopes. 105 minutos, 2004.

Textuais

ANDRADE, O. Cântico dos cânticos para flauta e violão: relógio. In: Poesias reunidas. Rio de Janeiro,
Civilização Brasileira, 1978. Disponível em: <http://www.lumiarte.com/luardeoutono/oswald/>. Acesso
em: 25 abr. 2011.

___. Vício na fala. In: Poesias reunidas. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1978. Disponível em:
<http://www.jornaldepoesia.jor.br/oswal.html#vicio>. Acesso em: 25 abr. 2011.

___. Pronominais. In: Pau Brasil. São Paulo: Globo, 2003. Disponível em: <http://www.jornaldepoesia.
jor.br/oswal.html#pronominais>. Acesso em: 25 abr. 2011.

AZEREDO, J. C. (coord.). Escrevendo pela nova ortografia: como usar as regras do novo acordo
ortográfico da língua portuguesa. Instituto Antônio Houaiss. São Paulo: Publifolha, 2008.
91
BAGNO, M. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

______. A língua de Eulália: novela sociolinguística. São Paulo, Contexto, 1997.

______. A norma oculta - língua & poder na sociedade brasileira. 2ª ed. São Paulo: Parábola Editorial,
2003.

______. Linguística da Norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

BANDEIRA, M. Poesia Completa & Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.

______. Poesias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1955.

BECHARA, E. (1995) Ensino da gramática. Opressão? Liberdade? São Paulo: Ática, 2007.

______. Moderna gramática portuguesa. 37. Ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2009.

______. O que muda com o novo acordo ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

BELINE, R. A variação linguística. In: FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística: I. Objetos
teóricos. São Paulo: Contexto, 2002.

BRASIL. Ministério da Cultura. Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: um conversor para
facilitar o trabalho. 2008. Disponível em < http://www.cultura.gov.br/site/2008/11/09/novo-acordo-ort
ografico-da-lingua-portuguesa-um-conversor-para-facilitar-o-trabalho/>. Acesso em: 25 abr. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros


Curriculares Nacionais – Língua Portuguesa. 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF,
1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2011.

CAMPOS, A. Tensão (1956). Disponível em: <http://www2.uol.com.br/augustodecampos/poemas.htm>.


Acesso em: 25 abr. 2011.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Gramática reflexiva: texto, semântica e interação. São Paulo: Atual,
2009.

FARACO, C. A.; TEZZA, C. Oficina de Texto. São Paulo: Vozes, 2009.

___. Prática de texto para estudantes universitários. Petrópolis: Vozes, 2009.

FARACO, C. E. MOURA, F. M. Gramática nova. São Paulo: Ática, 2007.

FIORIN, J. L.; PLATÃO, F. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2008.

92
______. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,
1996.

GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2000.

GERALDI, J. W. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas: Mercado de


Letras: Associação de Leitura do Brasil, 2006.

GOLDSTEIN, N. Versos, sons, ritmos. São Paulo: Ática, 1982.


LUFT, C. P. Língua e liberdade. São Paulo: Ática, 2000.

MEIRELES, C. Ou isto ou aquilo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

MILLÔR, F. Vaguidão específica. Revista O Cruzeiro, 1956. Disponível em: <http://www2.uol.com.


br/millor/aberto/textos/005/011.htm>. Acesso em: 25 abr. 2011.

______. Dicionovário. In: 30 anos de mim mesmo. São Paulo: Desiderata/MCPM, 2006. Disponível em:
<http://www2.uol.com.br/millor/aberto/textos/005/011.htm>. Acesso em: 25 abr. 2011.

NEVES, M. H. de M. Gramática de uso do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

______. Gramática na escola. São Paulo: Contexto, 1999.

PERINI, M. A. A Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 2005.

______. Princípios de linguística descritiva: introdução ao pensamento gramatical. São Paulo:


Parábola Editorial, 2006.

______. Sofrendo a Gramática. São Paulo: Ática, 2000.

PINHEIRO, A. P. Práticas de letramento digital nas salas de bate-papo: momento de pôr a


dicotomização oralidade-escrita em xeque. Disponível em <http://www.filologia.org.br/xiicnlf/textos_
completos>. Acesso em 15 abr. 2011.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL. Manual de Redação. Disponível em:
<http://www.pucrs.br/manualred/pronomes.php>. Acesso em: 25 abr. 2011.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado de Letras: Associação de
Leitura do Brasil, 2005.

SCARTON, G. Concepções de língua e reflexos na prática do professor. In: BINZ, J. F.; BOCCHESE, J.
C. (orgs.) Ressignificando a prática do ensino de línguas: a valorização da docência. Porto Alegre:
93
EdiPUCRS, 2005. Disponível em <http://www.pucrs.br/manualred/textos/texto7.php>. Acesso em: 25
abr. 2011.

TERRA, E.;� NICOLA J. Práticas de linguagem: leitura & produção de textos: Ensino Médio. São Paulo:
Scipione, 2001.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino da gramática no 1º e 2º graus.


São Paulo: Cortez, 1998.

VERÍSSIMO, L. F. O gigolô das palavras. Porto Alegre: L&PM Editores, 1982. Disponível em: <http://
colecionadordepedras.blogspot.com/2008/10/o-gigol-das-palavras-lus-fernando.html>. Acesso em 25
abr. 2011.

WEEDWOOD, B. História concisa da linguística. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial,
2002.

Exercícios

Unidade I - Questão 1: INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO


TEIXEIRA (INEP). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) 2007: Formação Geral.
Questão 6. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/enade/2007/provas_gabaritos/
prova.FG.pdf>. Acesso em: 23 mai. 2011.

Unidade I - Questão 2: INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO


TEIXEIRA (INEP). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) 2006: Formação Geral.
Questão 3. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/enade/2006/Provas/PROVA_DE_
FORMACAO_GERAL.pdf>. Acesso em: 23 mai. 2011.

Unidade II - Questão 1: FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA PARA O VESTIBULAR (FUVEST). Vestibular 1998 1ª


fase: Português. Questão 4. Disponível em: <http://www.fuvest.br/vest1998/provas/1fase/dia1/port1f.
pdf>. Acesso em: 23 mai. 2011.

Unidade III - Questão 1: CESPE-UnB. CONCURSO INMETRO – 24/01/2010. Cargo Pesquisador-


Tecnologista.

Unidade III - Questão 2: FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA PARA O VESTIBULAR (FUVEST). Vestibular 2010
1ª fase: Conhecimentos Gerais. Questão 20. Disponível em: <http://www.fuvest.br/vest2010/1fase/
p1f2010v.pdf>. Acesso em: 23 mai. 2011.

Sites

http://books.google.com/books?id=6XPNR3WkygEC&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_
similarbooks_s&cad=1#v=onepage&q&f=false

94
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-44502004000100009&script=sci_arttext

http://oficinadetravessias.mg.gov.br/preconceito-contra-a-educacao

http://educacao.uol.com.br/portugues/ult1693u60.jhtm

http://www.klickeducacao.com.br/2006/materia/21/display/0,5912,POR-21-98-861-,00.html>. Acesso
em: 24 mai. 2011.

95
96
97
98
99
100
Informações:
www.sepi.unip.br ou 0800 010 9000