Você está na página 1de 4

Engenharias (Ciclo Básico)

Física 2
prof. Raphael Púpio (2020/1)

Lista de Exercícios 4 – Ondas

Todo o material contido neste documento não possui propósito comercial; contém material original, assim como
material adaptado e compilado de várias fontes.

Questão 1
Considere a equação de ondas unidimensional de uma onda que se propaga através de um dado meio na direção
+x. (a) Mostre, por substituição direta, que as ondas harmônicas,

y1 (z, t) = A1 sen(kx − ωt) , y2 (z, t) = A2 cos(kx − ωt) ,

onde v = ω/k, são possíveis soluções da equação de onda:

∂2y 1 ∂2y
− = 0.
∂x2 v 2 ∂t2
(b) Mostre que a superposição y = y1 + y2 é também uma solução da equação de onda.

Questão 2 (H16.66)
Um pulso isolado, cuja forma de onda é dada por h(x−5t), com x em centímetros
e t em segundos, é mostrado na figura ao lado para t = 0. A escala do eixo
vertical é definida por hs = 2. Quais são: (a) a velocidade e (b) o sentido de
propagação do pulso? (c) Faça um gráfico de h(x − 5t) em função de x para
t = 2 s. (d) Faça um gráfico de h(x − 5t) em função de t para x = 10 cm.

Questão 3 (M5.1)
Uma corda uniforme, de 20 m de comprimento e massa de 2 kg, está esticada sob uma tensão de 10 N. Faz-se oscilar
transversalmente uma extremidade da corda, com amplitude de 3 cm e frequência de 5 oscilações por segundo. O
deslocamento inicial da extremidade é de 1,5 cm para cima. (a) Ache a velocidade de propagação v e o comprimento
de onda λ da onda progressiva gerada na corda. (b) Escreva, como função do tempo, o deslocamento transversal y
de um ponto da corda situado à distância de x da extremidade que se faz oscilar, após ser atingido pela onda e
antes que ela chegue à outra extremidade. (c) Calcule a intensidade I da onda progressiva gerada.

Questão 4 (M5.5)
Uma corda uniforme de massa m e comprimento L está pendurada em u teto. (a) Mostre que a velocidade de uma

onda transversal na corda é função de z, a distância da extremidade inferior, e é dada
p por v = gz. (b) Mostre
que o tempo que uma onda transversal leva para atravessar a corda é dado por t = 2 L/g.

Questão 5 (M5.6)
Duas ondas transversais de mesma frequência ν = 100 Hz são produzidas num fio de aço de 1 mm de diâmetro e
densidade 8 g/cm3 , submetida a uma tensão T = 500 N. As ondas são dadas por

y1 (x, t) = A cos(kx − ωt + π/6) , y2 (x, t) = 2A sen(ωt − kx)

onde A = 2 mm. (a) Escreva a expressão da onda harmônica progressiva resultante da superposição dessas duas
ondas. (b) Calcule a intensidade da onda resultante. (c) Se fizermos variar a diferença de fase entre as duas ondas,
qual é a razão entre os valores máximo e mínimo possíveis da intensidade da resultante?

Questão 6 (H16.53)
Duas ondas são geradas em uma corda com 3,0 m de comprimento para produzir uma onda estacionária de três
meios comprimentos de onda com uma amplitude de 1,0 cm. A velocidade da onda é de 100 m/s. admita que
a equação de uma das ondas é da forma y(x, t) = A sen(kx + ωt). Na equação da outra onda, determine (a) a
amplitude A0 (b) o número de onda k 0 , (c) a frequência angular ω 0 e (d) o sinal que precede ω 0
Questão 7 (M5.7; fis2-2015-1-p2-gabarito)
A corda mi de um violino tem uma densidade linear de 0,5 g/m e está sujeita a uma tensão de 80 N, afinada para
uma frequência ν = 660 Hz . (a) Qual é o comprimento da corda? (b) Para tocar a nota lá da escala seguinte, de
frequência 880 Hz, prende-se a corda com um dedo, de forma a utilizar apenas uma fração f de seu comprimento.
Qual é o valor de f ?

Questão 8 (H16.58; fis2-2015-2-p2-gabarito)


Na figura ao lado, uma corda, presa a um oscilador senoidal no
ponto P e apoiada em um suporte no ponto Q, é tensionada por
u bloco de massa m. A distância entre P e Q é L = 1,20 m,
a densidade linear da corda é µ = 1,6 g/m e a frequência do
oscilador é f = 120 Hz. A amplitude do deslocamento do ponto P
é suficientemente pequena para que esse ponto seja considerado
um nó. Também existe um nó no ponto Q. (a) Qual deve ser o
valor da massa para que o oscilador produza na corda o quarto
harmônico? (b) Qual é o modo produzido na corda pelo oscilador
para m = 1,00 kg?

Questão 9 (M5.8)
Uma corda de comprimento l está distendida, com uma extremidade presa a um suporte e a outra extremidade
livre. (a) Ache as frequências νn dos modos normais de vibração da corda (b) Desenhe a forma da corda associada
aos três modos de vibração mais baixos (em ordem de frequência crescente). A velocidade de ondas na corda é v.

Questão 10 (M5.10)
Uma corda vibrante de comprimento l, presa em ambas as extremidades, está vibrando em seu n-ésimo modo
normal, com deslocamento transversal dado por
yn (x, t) = bn sen(nπx/l) cos(nπvt/l) .
Calcule a energia total de oscilação da corda. Sugestão: Considere um instante em que a corda esteja passando
pela posição de equilíbrio, de modo que sua energia total de oscilação esteja em forma puramente cinética. Calcule
a densidade linear de energia cinética e integre sobre toda a corda.

Questão 11 (H17.10)
A pressão de uma onda sonora progressiva é dada pela equação
p(x, t) = (1,5 Pa) sen π[(0,9/m)x − (315/s)t]
Determine: (a) a amplitude, (b) a frequência, (c) o comprimento de onda, (d) a velocidade da onda e (e) a
intensidade.

Questão 12 (H17.7; ver Halliday, Exemplo 16-1)


Os terremotos geram ondas sonoras no interior da Terra. Ao contrário de um gás, a Terra pode transmitir tanto
ondas sonoras transversais (S) como ondas longitudinais (P). A velocidade da onda S é da ordem de 4,5 km/s e a
das ondas P é da ordem de 8,0 km/s. Um sismógrafo registra as ondas P e S de um terremoto. As primeiras ondas
P chegam 3,0 min antes das primeiras ondas S. Se as ondas se propagaram em linha reta, a que distância ocorreu o
terremoto?

Questão 13 (H17.95)
Um segmento de reta AB liga duas fontes pontuais, separadas por uma distância 5,00 m, que emitem ondas sonoras
de 300 Hz de mesma amplitude e fases opostas. (a) Qual é a menor distância entre o ponto médio de AB e um
ponto sobre AB no qual a interferência das ondas provocada a maior oscilação possível das moléculas de ar? Quais
são (a) a segunda e (c) a terceira menor distância?

Questão 14 (M6.2)
Um alto-falante de um aparelho de som emite 1 W de potência sonora na frequência ν = 100 Hz. Admitindo
que o som se distribui uniformemente em todas as direções, determine, num ponto situado a 2 m de distância do
auto-falante: (a) o nível sonoro em db; (b) a amplitude de pressão; (c) a amplitude de deslocamento. Tome a
densidade do ar como 1,3 kg/m3 e a velocidade do som como 340 m/s. (d) A que distância do auto-falante o nível
sonoro estaria 10 dB abaixo do calculado no item (a)?
Questão 15 (M6.4)
Um diapasão vibrante D de frequência ν conhecida excita ondas sonoras numa
coluna de ar, contida num tubo cilíndrico de vidro com água na parte inferior.
Faz-se variar o comprimento l da coluna variando o nível N da água no tubo.
A coluna de ar é aberta numa extremidade e fechada na outra, de modo que se
produzem ressonâncias quando l = λ/4, 3λ/4, 5λ/4, . . . (figura ao lado), onde
λ = v/ν e v é a velocidade do som no ar. A ressonância é detectada pelo
reforço considerável produxido na intensidade sonora.
Na verdade, a variação de pressão só se anula um pouco adiante da extremidade
aberta: a coluna de ar vibrante se estende um pouco além da extremidade
aberta. Para um tubo de secção circular e pareddes não muito espessas,
esta correção terminal equivale a corrigir o comprimento efetivo do tubo,
acrescentando-lhe ≈ 0, 6, onde R é o raio do tubo.

Considere que o diapasão emite a nota lá de 440 Hz. À medida que a água no tubo vai baixando, a primeira
ressonância aparece quando a altura da coluna de ar é de 17,5 cm e a segunda quando é de 55,5 cm. (a) Qual é o
comprimento de onda? (b) Qual é o valor da correção terminal? (c) Estime o diâmetro do tubo. (d) Qual é a
velocidade do som no tubo?

Questão 16 (M6.5)
O tubo de Kundt, que costumava ser empregado para medir a
velocidade do som em gases, é um tubo de vidro que contém gás,
fechado numa extremidade por uma tampa M que faz vibrar com
uma frequência ν conhecida (acoplando-a a um auto-falante) e na
outra por um pistão P que se faz deslizar, variando o comprimento
do tubo. O tubo contém pó fino (cortiça, por exemplo). Ajusta-se
o comprimento do tubo com o auxílio do pistão até que ele entre
em ressonância com a frequência ν, o que se nota pelo reforço da
instensidade sonora emitida.
Observa-se então que o pó fica acumulado em montículos igualmente espaçados, de espaçamenteo ∆l (ver figura),
que se pode medir. (a) A que correspondem as posições dos topos dos montículos. (b) Qual é a relação entre ∆l, ν
e a velocidade do som no gás? (c) Com o tubo cheio de CO2 a 20 ◦C e ν = 880 Hz, o espaçamento médio medido é
de 15,2 cm. Qual é a velocidade do som no CO2 ?

Questão 17 (H17.71; fis2-2015-1-p2-gabarito)


Uma onda sonora harmônica de comprimento de onda λ é emitida
isotropicamente de uma fonte pontual S. A onda 1 se propaga
diretamente para o detector D, situado a uma distância L. A onda
2 chega a D após ser refletida em uma superfície plana, que ocorre
sobre a mediatriz do segmento de reta SD, a uma distância d da
onda 1. Admita que a reflexão desloca a fase da onda sonora de
λ/2. (a) Calcule a diferença de fase entre a onda direta e a onda
refletida em D. (b) Para quais valores de d as ondas 1 e 2 chegam
a D em oposição de fase? (c) Para quais valores de d as ondas 1 e
2 chegam a D em fase?

Questão 18 (M6.10; ver Halliday, Exemplo 17-3)


Uma onda sonora plana harmônica de comprimento de onda λ
incide perpendivularmente sobre um anteparo opaco com três
fendas igualmente espaçadas, de espaçamento d  λ. (a) Para
pontos de observação P situados a distâncias R  d, determine
as direções de observação θ (na figura ao lado) em que aparecem
mínimos de interferência. (b) Qual é a intensiddade dos mínimos?
Sugestão: Use a notação complexa!
Questão 19 (M6.12; fis2-2015-1-psc-gabarito)
Dois trens viajam em sentidos opostos, sobre trilhos, com velocidades de mesma magnitude. Um deles vem apitando.
A frequência do apito percebida por um passageiro do outro trem varia ente os valores de 348 Hz, quando estão
se aproximando, e 259 Hz, quando estão se afastando. A velocidade do som no ar é de 340 m/s. (a) Qual é a
velocidade dos trens (em km/h)? (b) Qual é a frequência do apito?

Questão 20 (H17.104)
Uma pessoa em um vagão de trem toca uma nota de 440 Hz em um trompete. O vagão está se movendo a 20,0 m/s
em direção a uma parede. Calcule a frequência (a) do som que incide na parede e (b) do som refletido que é ouvido
pelo trompetista.

Questão 21 (fis2-2015-2-p2-gabarito)
Uma onda sonora de 2,0 MHz viaja através do abdômen de uma gestante e é refletida da parede do coração fetal
de seu bebê. No momento em que a medição é realizada, enquanto o coração bate, a parede do coração está
se movendo em direção ao receptor de ultrassom. O som refletido é então misturado com o som transmitido, e
72 batidas por segundo são detectadas. Considerando que a velocidade do som no tecido do corpo é 1,5 km/s:
(a) Mostre como determinar a frequência de batimento em termos da velocidade do coração u, da velocidade do
ultrassom v e da frequência do pulso de ultrassom f0 emitido pelo equipamento. (b) Calcule a velocidade da parede
do coração fetal no instante que esta medição é feita.

Questão 22 (H17.106, ver Moysés, eq. 6.5.10)


Uma onda sonora se propaga uniformemente em todas as direções a partir de uma fonte pontual. (a) Justifique a
seguinte expressão para o deslocamento s do meio transmissor a uma distância r da fonte
b
s= sen(r − vt)
r
onde b é uma constante. Considere a velocidade, o sentido de propagação, a periodicidade e a intensidade da onda.
(b) Qual é a dimensão da constante b?

Você também pode gostar