Você está na página 1de 1

E, pela propriedade L1, Vamos determinar a função inversa da função

A = (a + b) logqab [1] y=ax, onde 0<a ≠ 1.


Em uma equação do segundo grau mx2+n.x+k Permutando x por y, vem: x = ay → y = logax
= 0, a soma e o produto de suas raízes valem, Portanto a função logarítmica é, então:
respectivamente, S = –n/m e P = k/m. f: R*+ → R ; y = logax , 0 < a ≠ 1.
Daí, pelas condições iniciais do exercício: Mostramos, a seguir, os gráficos das funções ex-
a + b = p e a.b = q ponencial (y = ax) e logarítmica (y = logax), para
Substituindo esses valores em [1]: A=p.logqq=p os casos a > 1 e 0 < a ≠ 1. Observe que, sendo
as funções inversas, os seus gráficos são curvas
04. Se a, b e c são as medidas dos lados de um
simétricas em relação à bissetriz do primeiro e
triângulo retângulo de hipotenusa de medida a, e
terceiro quadrantes, ou seja, simétricos em rela-
01. Resolvida a equação log3 (x + 5) = 2. sabendo que a–b e a+b são diferentes de 1,
ção à reta y = x.
Solução: demonstre que: loga+bc + loga–bc = 2loga+bc.
Devemos ver a condição de existência: x + 5 > 0 ⇒ loga–bc
x > –5 Solução:
log3 (x+5) = 2 ⇒ x+5 = 32 ⇒ x = 9–5 ⇒ x = 4 ou Como o triângulo é retângulo, pelo Teorema de
então, log3 (x+5)= 2 ⇒ log3(x+5)= 2 . log3 3 ⇒ Pitágoras:
log3 (x+5)= log3 32 ⇒ x+5 = 32 ⇒ x=9–5 ⇒ x=4 a2 + b2 +c2 ⇒ c2 = a2 – b2 =(a – b)(a +b)
Como x = 4 satisfaz a condição de existência, então c2
a solução é S = {4}. ⇒ a + b = –––––– [1]
02. Resolver a equação log2 (log4 x) = 1. a–b
Solução: Efetuando a mudança de base (de a + b para a
A condição de existência: log4x > 0 então x > 1 – b) da primeira parcela:
log2 (log4 x) = 1 ; como 1 = log2 2, então log2 (log4
x) = log2 2 ⇒ log4x = 2 ⇒ 42= x ⇒ x = 16
Como x = 16 satisfaz a condição de existência, então E substituindo no primeiro membro da igualdade
a solução é S = {16}. a ser demonstrada:
03. Resolva o sistema:
Solução:
As condições de existência: x > 0 e y > 0
Na primeira equação, temos: log x + log y = 7 ⇒ log
y = 7 – log x . Daí, substituindo log y na segunda E, por fim, de [1] e [2] vem que:
equação, temos:
3.log x – 2.(7 – log x) = 1 ⇒ 3.log x – 14 + 2.log x = Notas:
1 ⇒ 5.log x = 15 ⇒ log x = 3 ⇒ x = 103 a) Para a > 1, as funções exponencial e logarítmi-
Como x=103, então log y=7 –log x, temos: log y=7 – ca são CRESCENTES;
log 103 ⇒ log y= 7 – 3 ⇒ log y= 4 ⇒ y= 104. b) Para 0 < a ≠ 1, elas são DECRESCENTES.
Como essas raízes satisfazem as condições de exis- c) O domínio da função y = logax é o conjunto
tência, então a solução é S = {(103;104)}. 05. Demonstrar que .
R*+ .
04. Resolver a inequação log2(–4x + 13) = 2 Solução: d) O conjunto imagem da função y = logax é o
13 conjunto R dos números reais.
{–4x + 13 > 0 ⇒ x<–––} e) O domínio da função y = ax é o conjunto R dos
4 06. Se a, b e c são reais positivos e diferentes de números reais.
–4x + 13 = 22 ⇒ x = 9/4 um e a = b.c, prove que: f) O conjunto imagem da função y = ax é o con-
junto R*+.
g) Observe que o domínio da função exponencial
Solução: é igual ao conjunto imagem da função logarít-
05. Resolva a inequação: log2 (x + 2) > log2 8 . mica e que o domínio da função logarítmica é
Solução: igual ao conjunto imagem da função expo-
A condição de existência: x + 2 > 0 ⇒ x > –2 e a Da condição inicial, aplicando-se o logaritmo na nencial. Isso ocorre porque as funções são in-
base é maior do que 1, então: x + 2 > 8 e, daí, base b, obtemos: versas entre si.
x > 6 . Como satisfaz a condição, então a solução é logba = logbbc = logbb + logbc = 1 + logbc [2]
S = {x ∈ IR; x > 6}. Substituindo [2] em [1]: Equações Logarítmicas
Chamamos de equações logarítmicas todas
06. Resolva a inequação: log2 (log3 x) > 0.
aquelas que envolvem logaritmos com a incógni-
Solução: ta, aparecendo no logaritmando, na base ou em
Condições de existência: x > 0 e log3 x > 0 e, portan- ambos.
to, x > 1 Função Logarítmica Exemplos:
Como log2 1 = 0, a inequação pode ser escrita as-
Considere a função y = ax , denominada função log3x =5 → x=243
sim: log2 (log3 x) > log21. Como a base é maior que
exponencial, onde a base a é um número positi- log(x2–1) = log 3 → x’=–2 e x’’=2
1, temos: log3 x > 1.
vo e diferente de 1, definida para todo x real. log2(x+3) + log2(x–3) = log27 → x = 4
Como log3 3 = 1, então log3 x > log33 e, daí, x > 3,
Observe que, nessas condições, ax é um número logx+1(x2–x)=2 → x = –1/3
positivo, para todo x ∈ IR, onde IR é o conjunto
porque a base é maior que 1.
Como satisfaz as condições, então a solução é S = Inequações Logarítmicas
{x ∈ IR; x > 3} dos números reais. Chamamos de inequações logarítmicas todas
07. Resolver a inequação log2(3x – 5) ≤ log26.
Denotando o conjunto dos números reais positi- aquelas que envolvem logaritmos com a incógni-
vos por R+*, poderemos escrever a função expo- ta aparecendo no logaritmando, na base ou em
Solução:
(A) {3x – 5 > 0 ⇒ x > 5/3 e (B) 3x – 5 ≤ 6 ⇒ x ≥ nencial como segue: ambos.
11/3 f: R → R*+ ; y = ax , 0 < a ≠ 1 Exemplos:
Esta é bijetora, pois: log2x > 0 → x > 1
a) é injetora, ou seja, elementos distintos pos- log4(x+3) → 1 → –3 < x → 1
suem imagens distintas. Para resolver inequações logarítmicas, devemos
b) É sobrejetora, pois o conjunto imagem coinci- realizar dois passos importantes:
de com o seu contradomínio. 1. redução dos dois membros da inequação a lo-
Assim sendo, a função exponencial é BIJETORA garitmos de mesma base;
e, portanto, é uma função inversível, OU SEJA, 2. aplicação da propriedade:
admite uma função inversa. Se a > 1, então logam > logan ⇒ m>n>0
{x ∈ IR|5/3< x ≤ 11/3} Se 0<a<1, então logam > logan ⇒ 0<m<n

10