Você está na página 1de 17

Alinhando metas da qualidade com o PE

1/2

APRESENTAÇÃO

Nesta Unidade de Aprendizagem você vai conhecer a importância do planejamento estratégico


(PE) para o sucesso de uma gestão voltada para a qualidade. O planejamento estratégico é uma
das mais importantes diretrizes organizacionais. Para que as políticas e metas da gestão da
qualidade tenham sucesso sendo aplicadas em sua íntegra na organização, é fundamental que
estejam contempladas no planejamento.

Bons estudos.

Ao final desta Unidade de Aprendizagem, você deve apresentar os seguintes aprendizados:

• Analisar a importância da integração das metas da gestão da qualidade no planejamento


estratégico.
• Reconhecer os benefícios que a implementação estratégica traz para a organização.
• Identificar pontos que podem comprometer a política de gestão da qualidade ao não
integrá-la ao planejamento estratégico.

DESAFIO

O planejamento estratégico vem se consolidando nas últimas décadas como uma das mais
poderosas ferramentas de mudança organizacional. Contribui para consolidar a cultura da
empresa, fortalecer os objetivos e garantir a sobrevivência das organizações. Hoje ele faz parte
dos fundamentos que sustentam um sistema mais amplo de gestão dos negócios da organização.
a) Elabore um modelo simples de planejamento estratégico que contemple pontos
imprescindíveis do planejamento. b) Responda como as metas de qualidade devem ser
elaboradas e contempladas no planejamento estratégico.

INFOGRÁFICO
As metas da qualidade somente são efetivas quando há um comprometimento de toda a
organização, principalmente das lideranças mais importantes, por isso o alinhamento dessas
metas com o planejamento estratégico é tão importante. Acompanhe no infográfico o assunto
desta unidade.

CONTEÚDO DO LIVRO

A disseminação das práticas de gestão da qualidade contribuiu para também popularizar a


utilização do planejamento estratégico como instrumento diretivo de gestão. Ao conhecer as
duas práticas - Gestão da Qualidade e Planejamento Estratégico -, logo percebe-se uma
importante relação de dependência entre ambas.

Para conhecer mais sobre o tema, realize a leitura do trecho do livro Fundamentos da qualidade
para líderes. Inicie seus estudos a partir do título Alinhamento das metas de qualidade com o
planejamento estratégico.

Boa leitura.
D313f DeFeo, Joseph A.
Fundamentos da qualidade para líderes / Joseph A.
DeFeo, Joseph M. Juran ; tradução: Ronald Saraiva de
Menezes ; revisão técnica: Altair Flamarion Klippel. – Porto
Alegre : Bookman, 2015.
xxiv, 260 p. : il. ; 23 cm.

ISBN 978-85-8260-345-1

1. Gestão da qualidade. 2. Liderança. I. Juran, Joseph M.


II. Título.
CDU 005.6

Catalogação na publicação: Poliana Sanchez de Araujo – CRB 10/2094


CAPÍTULO 4

Alinhamento das metas de


qualidade com o planejamento
estratégico

Este capítulo descreve os meios pelos quais uma organização precisa alinhar as
metas de qualidade com sua visão, missão e planejamento estratégico. O pro-
cesso de planejamento e implementação estratégicos esclarece como uma orga-
nização pode integrar e alinhar os métodos para alcançar excelência em desem-
penho. Também são abordadas questões muito importantes como o que fazer
para alinhar as metas com a visão e a missão organizacionais, como implementar
essas metas por toda a organização e como auferir os benefícios do planejamento
estratégico.

Planejamento estratégico e qualidade: os benefícios


Planejamento estratégico é uma abordagem sistemática para definir metas comer-
ciais em longo prazo e planejar como alcançá-las. Depois que uma organização
estabelece suas metas de longo prazo, um planejamento estratégico eficaz permite
que ela crie um plano de negócios, o que inclui metas anuais, recursos e ações
imprescindíveis para alcançá-las.
Muitas organizações se definiram como as melhores no desenvolvimento de
produtos e serviços de alta qualidade para seus clientes. Ao fazê-lo, superaram o
desempenho daquelas que não o fizeram. Esse desempenho está relacionado não
apenas com a qualidade de seus bens e serviços, mas com os negócios em si: mais
vendas, menos custos e uma cultura melhor mediante a satisfação dos clientes, e
derradeiramente um maior sucesso no mercado para suas partes interessadas.
É preciso incorporar essas metas ao processo de planejamento estratégico e aos
planos anuais de negócios. Isso garantirá que o novo foco se torne parte do plano
e não acabe competindo com prioridades bem estabelecidas por recursos. Caso
contrário, até as mudanças com as melhores intenções fracassarão.
54 Fundamentos da qualidade para líderes

Muitos líderes compreendem o significado do planejamento estratégico no que


se refere à elaboração do planejamento estratégico e das metas e objetivos financei-
ros a serem alcançados. Frequentemente, eles não incluem a implementação das
metas, submetas e metas anuais de qualidade ou a alocação de recursos e ações
para alcançá-las. Tentaremos destacar essa diferença e usar o termo planejamento
e implementação estratégica ao longo deste capítulo. Muitas organizações supera-
ram fracassos com programas de mudança e alcançaram resultados duradouros
mediante a implementação estratégica.
O Seis Sigma, o Seis Sigma Lean e, em anos anteriores, o TQM, tornaram-se
processos bem difundidos e foram candidatos naturais para inclusão no planeja-
mento estratégico de muitas organizações. A integração desses métodos voltados
para a qualidade e para o cliente com o planejamento estratégico foi importante
para o sucesso dessas organizações.
Diferentes organizações adotaram diferentes termos para esse processo.
Algumas usaram o termo japonês hoshin kanri. Outras traduziram parcialmente
a expressão e a chamaram de planejamento honshin. Outras, ainda, adotaram uma
tradução grosseira do termo e a chamaram de desdobramento de diretrizes. Numa
versão anterior do Prêmio Nacional de Qualidade Malcolm Baldrige, esse processo
foi chamado de planejamento de qualidade estratégica. Mais tarde, esse critério de
premiação foi rebatizado de planejamento estratégico.
Determinar se a alta gerência deve alinhar a qualidade com o planejamento é
uma decisão exclusiva de cada organização. O que é decisivo é a importância de
integrar importantes iniciativas de mudança ou programas de qualidade com o pla-
nejamento estratégico. Os benefícios potenciais do planejamento e da implementa-
ção estratégicos são claros:
■ As metas ficam claras – o processo de planejamento força o esclarecimento de
quaisquer aspectos mais vagos.
■ O processo de planejamento torna, assim, as metas alcançáveis.
■ O processo de monitoramento ajuda a assegurar que as metas sejam alcançadas.
■ A redução dos desperdícios crônicos é programada por meio do processo de
melhoria.
■ A criação de um novo foco nos clientes e na qualidade é colocada em prática
conforme são feitos progressos.

O que é planejamento e implementação estratégicos?


Trata-se de uma abordagem sistemática para integrar ao planejamento estratégico
da organização métodos de excelência em qualidade e em negócios sistêmicos e
focados no cliente. O planejamento estratégico é um processo sistemático pelo
CAPÍTULO 4 Alinhamento das metas de qualidade com o planejamento estratégico 55

qual uma organização define suas metas em longo prazo com relação à qualidade
e aos clientes, e as integra pari passu com metas financeiras, de recursos humanos,
marketing, e pesquisa e desenvolvimento num único e coeso plano de negócios. A
partir daí, o plano é colocado em prática por toda a organização.
Como um componente de um eficaz sistema de gestão de negócios, o planeja-
mento estratégico permite que uma organização planeje e execute saltos estratégi-
cos organizacionais. Em longo prazo, o efeito pretendido de tais saltos é alcançar
uma vantagem competitiva ou garantir a condição de liderança de qualidade.
O planejamento estratégico evoluiu nas últimas décadas até se tornar uma parte
integrante de muitos processos de mudança organizacional, como Seis Sigma e
Excelência Operacional (OpEx). Atualmente, ele faz parte dos fundamentos que
sustentam o sistema mais amplo de gestão dos negócios para a organização. Um
modelo simples de planejamento e implementação estratégicos é mostrado na
Figura 4.1. Ele será usado ao longo deste capítulo.
O planejamento estratégico e sua implementação também representam um ele-
mento-chave do Prêmio Nacional de Qualidade Malcolm Baldrige dos Estados
Unidos e do Prêmio da Fundação Europeia para Gestão da Qualidade (EFQM, na
sigla em inglês), bem como de outras premiações internacionais e estaduais. Os

Missão Política Valores


Visão

Define:
Estratégias-chave
Metas estratégicas
Implementação

Metas anuais

Implantação

Revisão e auditoria

FIGURA 4.1 Modelo de planejamento estratégico. (De Juran e DeFeo, 2010)


56 Fundamentos da qualidade para líderes

critérios desses prêmios valorizam a qualidade voltada para o cliente e a excelência


em desempenho operacional como estratégicas para o negócio, devendo fazer parte
do planejamento geral. Uma avaliação crítica dos ganhadores do Prêmio Nacional
de Qualidade Malcolm Baldrige demonstra que as organizações premiadas supera-
ram o desempenho daquelas não premiadas (Tabela 4.1).

TABELA 4.1 Prêmio Nacional de Qualidade Malcolm Baldrige para Melhor


Desempenho (De Businessweek, 1998)
1988-1996
Investimentos Valor em 01/12/1997 Mudança percentual
Todos os premiados US$ 7.496,54 US$ 33.185,69 342
Standard & Poor’s 500 US$ 7.496,54 US$ 18.613,28 148
Fonte: National Institute of Standards and Technology

De 1995 a 2002, foi demonstrado o quanto a qualidade pode ser lucrativa.


O Índice Baldrige superou o desempenho do índice acionário S&P 500 por oito
anos seguidos, às vezes chegando a superar o S&P 500 por margens de 4:1 ou 5:1.
O Índice Baldrige foi suspenso em 2004 quando passou a reconhecer e premiar
pequenas empresas e entidades educacionais junto com suas categorias normais do
Prêmio Nacional de Qualidade. A inclusão de organizações de menor porte distor-
ceu o Índice Baldrige, ainda que os resultados do estudo original, quando ambos os
lados estavam em pé de igualdade, falem por si: a qualidade compensa.
Godfrey (1997) observou que, para ser eficaz, a implementação estratégica deve
ser usada como uma ferramenta, como um meio para um fim, e não como uma meta
em si. Ela deve ser um empreendimento capaz de envolver pessoas de todas as áreas
da organização e precisa englobar atividades já existentes, não apenas adicionar mais
atividades a setores já atulhados. A implementação estratégica precisa, ainda, ajudar a
alta gerência a enfrentar decisões difíceis, estabelecer prioridades e não apenas a come-
çar novas atividades, mas também a eliminar atividades atuais que não agregam valor.

Metas de qualidade e de satisfação dos clientes


Essas importantes metas são incorporadas e apoiadas por uma hierarquia de metas
nos níveis inferiores: submetas, projetos, etc. Metas de melhoria são metas voltadas à
criação de um salto no desempenho de um produto, de um processo de atendimento
ou de pessoas ao focar as necessidades dos clientes, dos fornecedores e dos acionistas.
O planejamento incorpora a voz do cliente e a alinha a si, o que permite que as metas
sejam legítimas e equilibra as metas financeiras (importantes para os acionistas) com
CAPÍTULO 4 Alinhamento das metas de qualidade com o planejamento estratégico 57

aquelas importantes para os clientes. Ele também elimina a preocupação de que exis-
tam dois planejamentos, um para as finanças e outro para a qualidade.
Uma metodologia sistemática e estruturada para o estabelecimento de metas
anuais e a alocação de recursos precisa incluir o seguinte:
■ Alocação de recompensas. A comparação do desempenho com as metas de
melhoria recebe um peso substancial no sistema de qualificação de mérito e
reconhecimento. Para isso é preciso haver uma mudança na estrutura para
recompensar os comportamentos corretos.
■ Participação exigida e universal. As metas, relatórios, revisões, etc. são desenvol-
vidos para conseguir a participação da hierarquia da organização. Essa partici-
pação envolve cada funcionário em cada escalão, oferecendo suporte à iniciativa
de mudança e ajudando a alcançar os resultados desejados.
■ Uma língua comum. Termos-chave, como qualidade, benchmarking e implemen-
tação de estratégia de qualidade devem adquirir significados-padrão para que as
comunicações se tornem cada vez mais precisas.
■ Treinamento. É comum que todos os funcionários passem por treinamento
referente a vários conceitos, processos, métodos, ferramentas, etc. Organizações
que treinam assim sua mão de obra, em todas as funções, em todos os escalões e
no momento certo, estão bem preparadas para superar o desempenho de outras
organizações em que tal treinamento ficou restrito ao departamento de quali-
dade ou aos gestores.

Por que a implementação estratégica? Os benefícios


A primeira pergunta que costuma surgir nos estágios iniciais do planejamento
estratégico de uma organização é: para início de conversa, para que fazer planeja-
mento estratégico? Para respondê-la, é preciso analisar os benefícios colhidos pelas
organizações que de fato realizaram esse planejamento. Elas relatam que o planeja-
mento estratégico:
■ Concentra os recursos da organização nas atividades essenciais para elevar a
satisfação dos clientes, diminuir os custos e aumentar o valor para os acionistas
(veja a Tabela 4.1)
■ Cria um sistema de planejamento e implementação adaptável, flexível e disciplinado
■ Incentiva a cooperação interdepartamental
■ Proporciona um método para executar saltos ano após ano
■ Delega poder aos líderes, gestores e funcionários ao alocar os recursos que colo-
cam em prática as iniciativas planejadas
■ Elimina iniciativas desnecessárias e dispendiosas que não constam do planeja-
mento
■ Elimina a existência de muitos planejamentos potencialmente conflituosos – o
planejamento financeiro, o planejamento de marketing, o planejamento de tec-
Encerra aqui o trecho do livro
disponibilizado para esta Unidade de
prendizagem. Na Biblioteca Virtual da
Instituição, você encontra a obra na
íntegra.
DICA DO PROFESSOR

O planejamento estratégico é uma das mais importantes ferramentas organizacionais; por isso,
empresas que desejam incorporar uma cultura de gestão da qualidade devem incluir estas
práticas no seu PE. Saiba mais assistindo ao vídeo a seguir.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

EXERCÍCIOS

1) O planejamento estratégico é uma abordagem sistemática para definir metas


comerciais em longo prazo e planejar como alcançá-las. Depois de estabelecidas as
metas de longo prazo, o planejamento torna possível a elaboração de um plano de
negócios, que incluirá metas, recursos e ações para alcançar os objetivos. Entre as
alternativas abaixo, assinale a única que NÃO pode ser considerada um benefício
potencial do planejamento e da implementação estratégicos.

A) O processo de monitoramento ajuda a assegurar que as metas sejam alcançadas.

B) A redução dos desperdícios crônicos é programada por meio do processo de melhoria.

C) As metas ficam claras.

D) O processo de planejamento torna as metas mais flexíveis e adaptáveis.

E) A criação de um novo foco nos clientes e na qualidade é posta em prática conforme são
feitos progressos.

2) Uma metodologia sistemática e estruturada para o estabelecimento de metas anuais e


a alocação de recursos precisam incluir: alocação de recompensas, participação
exigida e universal, uma língua comum e treinamento. Quando fala-se em alocação de
recompensas e em uma língua comum, isso significa que:

A) A comparação de desempenho com as metas de melhoria devem ter peso substancial no


sistema de qualificação de mérito; e termos-chave, como qualidade, benchmarking e
implementação devem adquirir significados padrões para que as comunicações se tornem
cada vez mais precisas.

B) A comparação de desempenho com as metas de melhoria devem ter peso substancial no


sistema de qualificação de mérito. Organizações que treinam seus funcionários, em todas
as funções, em todos os escalões e no momento certo estão bem preparadas para superar o
desempenho de outras organizações.

C) As metas, os relatórios e as revisões são desenvolvidos para conseguir a participação da


hierarquia da organização, e os termos-chave devem ser conhecidos por todos os
colaboradores.

D) Termos-chave, como qualidade e benchmarking, devem ser amplamente conhecidos e


metas precisam necessariamente ter recompensas atreladas.

E) A participação deve envolver os funcionários de cada escalão; deve ser oferecido suporte à
iniciativa de mudança para se chegar aos resultados esperados.

3) Sobre o planejamento e a implementação estratégicos, é INCORRETO afirmar que:

A) É um processo sistemático pelo qual uma organização define suas metas em longo prazo
com relação à qualidade e aos clientes.

B) Trata-se de uma abordagem sistemática para integrar ao planejamento estratégico da


organização métodos de excelência em qualidade e em negócios sistêmicos e focados no
cliente.
C) O planejamento estratégico acaba não fazendo parte de processos de mudança
organizacional, como o Seis Sigma e a Excelência Operacional.

D) Permite que uma organização planeje e execute saltos estratégicos organizacionais.

E) Faz parte dos fundamentos que sustentam um sistema mais amplo de gestão dos negócios
para a organização.

4) Enquanto boa parte das empresas que implantaram a Gestão da Qualidade Total
chegaram a excelentes resultados, outras não tiveram mudanças significativas e se
decepcionaram com a metodologia. Uma das causas principais desse fracasso é a não
incorporação dos programas de qualidade nos planos de negócio da organização.
Outros fatores que contribuem para esse insucesso são:

A) Envolvimento de todas as áreas e desdobramento das metas de qualidade em conjunto com


as metas organizacionais.

B) Existência de uma linguagem em comum, principalmente dos termos-chave.

C) O planejamento estratégico foi realizado pelos gestores envolvendo lideranças de todas as


áreas da organização.

D) O planejamento foi atribuído aos departamentos de planejamento, não aos gestores. E


partiu-se do pressuposto que as metas de melhoria se aplicavam exclusivamente aos bens
fabricados e aos processos de fabricação.

E) As metas de qualidade expressas no planejamento estratégico tinham desdobramento em


metas individuais com respectivo sistema de alocação de recompensas.

5) Organizações que de fato realizaram um processo sério de planejamento estratégico


relatam uma série de benefícios que podem inspirar outras empresas a adotarem essa
prática. Um dos benefícios principais é a concentração dos recursos da organização
nas atividades essenciais para elevar a satisfação dos clientes, diminuir os custos e
gerar valor para os acionistas, mas, além deste benefício, existe uma série de outros.
Entre as alternativas abaixo apenas uma NÃO é um benefício relatado pelas
empresas que adotaram a implementação estratégica. Assinale-a:

A) Incentiva a cooperação interdepartamental.

B) Delega poder aos líderes, gestores e funcionários ao alocar os recursos que colocam em
prática as iniciativas planejadas.

C) Elimina iniciativas desnecessárias e dispendiosas que não constam no planejamento.

D) Elimina a existência de planejamentos potencialmente conflituosos.

E) Dispensa os principais gestores de se envolverem no planejamento.

NA PRÁTICA

O planejamento estratégico de uma indústria de peças automotivas vinha sendo realizado


majoritariamente por uma equipe de consultoria externa que, em conjunto com dois diretores,
desenhava todo o planejamento organizacional para os próximos 5 anos, prevendo uma revisão
anual.
SAIBA MAIS
Para ampliar o seu conhecimento a respeito desse assunto, veja abaixo as sugestões do
professor:

Balanced Scorecard e Planejamento Estratégico

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Indicadores de Gestão - Falconi

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Papo de Gestão: Planejamento Estratégico

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Metas e Indicadores

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Modelo de Gestão integrando planejamento estratégico, sistemas de avaliação de


desempenho e gerenciamento de processos.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Você também pode gostar