Você está na página 1de 24

Agência e distribuição

APRESENTAÇÃO

As relações contratuais são inúmeras no Brasil. Vão desde contratos de prestação de serviços até
compra e venda de imóveis. Nesse ínterim, há o contrato de agência e distribuição, que consiste
em um acordo entre duas partes, em que uma concede à outra o direito de representá-la junto ao
mercado. Regido pelo Código Civil, e em alguns aspectos pela Lei de Representação Comercial,
é um contrato que tem algumas peculiaridades.

Nesta Unidade de Aprendizagem, você irá aprender como ocorre a relação entre os contratantes,
se há hierarquia e vínculo empregatício, dentre outras informações.

Bons estudos.

Ao final desta Unidade de Aprendizagem, você deve apresentar os seguintes aprendizados:

• Definir agência e distribuição.


• Descrever as características gerais de agência e distribuição.
• Analisar as obrigações das partes.

DESAFIO

O contrato de agência consiste em uma gerência indireta por parte do preponente, na qual
incidirá orientações e parcial subordinação, visto que o agente representa o preponente. Mas
subordinação, pessoalidade, continuidade na prestação do serviço e onerosidade não são
requisitos para caracterizar uma relação de emprego? Como resolver essa questão?
Você, na posição de juiz dessa ação, e com base em seus conhecimentos sobre o contrato de
agência e sua disciplina no Código Civil, como decidiria essa situação? Há relação empregatícia
entre as partes?
INFOGRÁFICO

No contrato de agência, o preposto atua em nome do preponente, desenvolvendo atividades


mercantis para a promoção dos negócios, mediante uma remuneração, em uma zona delimitada.
Mas, então, qual é a diferença entre um agente e um representante comercial?

No Infográfico a seguir, você verá comparações entre a atuação de cada um desses papeis.
CONTEÚDO DO LIVRO

Você já se perguntou qual tipo de contrato é necessário para que alguém venda um produto em
seu nome? E para entregá-lo ao cliente, deve haver uma relação contratual também? A resposta
para ambas as perguntas é sim. Nesses casos, entra o contrato de agência e distribuição. O
contrato de agência se refere à realização do negócio, enquanto o de distribuição diz respeito à
disponibilidade da coisa a ser negociada pelo agente.

No capítulo Agência e distribuição, da obra Direito empresarial III, você verá que como
funciona o contrato de agência e distribuição, quais as suas características, bem como as
obrigações e os direitos decorrentes dessa pactuação.

Boa leitura.
 DIREITO
EMPRESARIAL III

Guérula Mello Viero


Agência e distribuição
Objetivos de aprendizagem
Ao final deste texto, você deve apresentar os seguintes aprendizados:

 Definir agência e distribuição.


 Descrever as características gerais da agência e distribuição.
 Analisar as obrigações das partes.

Introdução
As relações contratuais são inúmeras no Brasil. Vão desde contratos de
prestação de serviços até compra e venda de imóveis. Nesse ínterim, há o
contrato de agência e distribuição, que consiste em um acordo entre
duas partes, em que uma parte concede a outra o direito de representá-
-la junto ao mercado. Regido pelo Código Civil e, em alguns aspectos,
pela Lei de Representação Comercial, é um contrato que possui algumas
peculiaridades.
Neste capítulo, você vai ler sobre o contrato de agência e distribui-
ção, bem como sobre os direitos e as obrigações para o preponente e
o preposto. Vai ler também sobre as características desse contrato, se
há subordinação entre o contratante e o contratado, como ocorre a
remuneração e se há um limite de produtos para a venda.

Conceitos fundamentais
O contrato de agência e distribuição é regido pelo Código Civil e está sujeito às
regras contratuais dispostas no referido instituto. Disciplinado nos arts. 710 a
721, consiste no contrato pelo qual uma “[...] pessoa se obriga a realizar, mediante
retribuição, com caráter de habitualidade, mas sem subordinação hierárquica,
operações mercantis por conta de outrem, em zona determinada” (PEREIRA,
2017, p. 276). Ou seja, o contrato de agência se refere à realização do negócio,
enquanto o de distribuição diz respeito à disponibilidade da coisa a ser negociada
pelo agente (GONÇALVES, 2012). O agente, ou distribuidor, age em nome do
2 Agência e distribuição

preponente, devendo informá-lo sobre as condições existentes na sua zona de


atuação, bem como deve repassar dados de mercado úteis ao comércio. Por sua
vez, o preponente delimita a quantidade de produtos disponíveis.
Como dispõe o art. 710 do Código Civil (BRASIL, 2002), trata-se de um
contrato personalíssimo, visto ser celebrado intuitu personae. É intransferível
e exclusivo, pois o agente ou distribuidor não pode distribuir produtos de mais
de um preponente, ao mesmo tempo em que esse preponente não pode contar
com outro agente ou distribuidor atuando com seus produtos na mesma zona,
como estabelece o art. 711. Ainda, refere-se a um contrato bilateral, oneroso,
consensual, comutativo e informal.
Por ser um contrato oneroso, a remuneração ocorre por meio de percentual
dos negócios, a qual consolida a comissão. De um lado, o preponente tem a
obrigação de pagar a comissão, que pode ser condicionada ao pagamento da
mercadoria pelo terceiro adquirente. De outro, o agente ou distribuidor deve
encontrar interessados em adquirir os produtos (COELHO, 2012).

Muitos autores utilizam erroneamente a expressão “proponente” para se referir ao


titular do produto. Nos contratos de agência e distribuição, a parte detentora do
insumo é o preponente, pois diz respeito àquele que prepõe, que elege ou designa
alguém para agir em seu lugar. O proponente corresponde ao que propõe; ou seja,
ao que apresenta uma proposta.
Para facilitar, podemos associar as expressões ao processo judicial. Quando uma
empresa precisa que alguém a represente em uma audiência, por exemplo, quem
vai é o preposto, que é indicado para agir no lugar do preponente, mas, quando a
empresa propõe a ação, ela é a proponente.

O agente ou distribuidor deve seguir as orientações recebidas do preponente,


agindo com toda a diligência, uma vez que, ao contrário, pode caracterizar
descumprimento contratual, ocasionando a resolução do contrato com perdas e
danos. As despesas ficam a cargo do preposto, visto que age por conta própria
(TARTUCE, 2017).
Quando não há estipulação de prazo para a duração do contrato, este pode
cessar por resolução unilateral, como dispõe o art. 720 do Código Civil
(BRASIL, 2002). Apesar de a lei definir como resolução contratual, o caso em
tela trata-se de resilição, por ser um direito potestativo da parte, como refere
Agência e distribuição 3

o art. 473 do Código Civil. Para tanto, é necessário que tenha transcorrido
prazo compatível. Ambas as partes estão condicionadas ao aviso prévio de
90 dias, tanto para a conclusão dos negócios quanto para a atribuição da zona
para outro preposto (PEREIRA, 2017).

A resolução é o meio de dissolução e ocorre quando uma das partes descumpre o


contrato, seja por inadimplemento culposo ou fortuito. Logo, o contrato precisa ser
resolvido. A resilição ocorre quando uma ou ambas as partes manifestam a vontade
de desfazimento do contrato por não haver mais interesse em prosseguir.

Contudo, no que tange ao prazo do aviso-prévio, o art. 720 deve ser anali-
sado em conjunto com o art. 473, pois a resilição unilateral pode ser afastada
caso uma das partes tenha feito investimentos consideráveis, ocorrendo a
prorrogação do acordo (BRASIL, 2002). Esse entendimento tem como base
o princípio da conservação do contrato, o qual se relaciona com a função
social. O seguinte julgado aborda o tema:

CONTRATO DE DISTRIBUIÇÃO. PRAZO DE AVISO PRÉVIO. DILAÇÃO


PELO PODER JUDICIÁRIO. POSSIBILIDADE. ANTECIPAÇÃO DOS
EFEITOS DA TUTELA. REQUISITOS PREENCHIDOS.
1. Presentes os requisitos do art. 273 do CPC, cabível a antecipação dos efeitos
da tutela, dilatando-se o prazo de aviso prévio do contrato de distribuição
havido entre as partes.
2. Nos termos do parágrafo único do art. 720 do Código Civil de 2002, é lícito
ao Poder Judiciário dilatar o prazo de aviso prévio do contrato de distribuição,
de modo a compatibilizá-lo com a natureza e o vulto dos investimentos reali-
zados para sua execução (RIO GRANDE DO SUL, 2011, documento on-line).

O preponente também pode cessar, sem justa causa, o atendimento do pre-


posto e, ao mesmo tempo, reduzir o atendimento. Nesse caso, se a continuação
do contrato se tornar antieconômica, o agente ou distribuidor tem direito à
indenização. Por ser considerada um caso de deslealdade do preponente, gera
a resolução do negócio, com a aplicação do princípio da reparação integral
dos danos (TARTUCE, 2017). Ainda sobre o descumprimento do contrato, o
Código Civil (BRASIL, 2002, documento on-line) traz duas regras:
4 Agência e distribuição

Art. 717 Ainda que dispensado por justa causa, terá o agente direito a ser
remunerado pelos serviços úteis prestados ao proponente, sem embargo de
haver este perdas e danos pelos prejuízos sofridos.
Art. 718 Se a dispensa se der sem culpa do agente, terá ele direito à remu-
neração até então devida, inclusive sobre os negócios pendentes, além das
indenizações previstas em lei especial.

No entanto, se o preposto não puder dar continuidade ao trabalho,


por motivo de força maior, o art. 719 do Código Civil estabelece que o
agente ou distribuidor terá direito à remuneração correspondente aos
serviços prestados, inclusive cabendo aos herdeiros no caso de morte
(BRASIL, 2002).
No caso de prorrogação do contrato entre as partes, quando houver di-
vergência sobre o prazo de alongamento ou o valor da remuneração devida,
a decisão ficará a cargo do juiz, que deverá decidir com razoabilidade e
equidade, reafirmando a conservação contratual (TARTUCE, 2017).

Aos contratos de agência e distribuição, devem ser aplicadas as regras que concer-
nem aos mandatos e à comissão, bem como as constantes de lei especial, quando
couber, conforme disciplina o art. 721 do Código Civil (BRASIL, 2002). A expressão
“couber” indica uma aplicação subsidiária, portanto, prepondera as normas espe-
cíficas ao instituto.

Características da agência e distribuição


Os contratos de agência e distribuição já foram considerados distintos por
alguns doutrinadores, como José Maria Trepat Cases (CASES; AZEVEDO,
2003, p. 64), que entedia o contrato de distribuição inerente apenas à dispo-
nibilidade da coisa a ser negociada:

A distribuição é modalidade contratual recente, de concepção estrutural da


economia moderna. A distribuição é a contratação voltada para otimizar
a produção e circulação de bens, aproximando o produtor do consumidor,
por intermédio do distribuidor. A distribuição engloba de forma orgânica e
coordenada a figura do colaborador-intermediário (distribuidor) e o produtor,
numa integração vertical, segundo Roberto Baldi.
Agência e distribuição 5

Contudo, a I Jornada de Direito Comercial, promovida pelo Conselho da


Justiça Federal em 2012, elucidou a questão aprovando o Enunciado Doutrinário
nº. 31, que estabelece o contrato de distribuição como uma modalidade de
agência). Tal entendimento se baseia no fato de que o agente atua como um
mediador ou mandatário do preponente, com a devida remuneração corres-
ponde aos negócios concluídos em sua área de atuação (TARTUCE, 2017).
Para facilitar a compreensão dessa forma de contrato, as características serão
apresentadas separadamente.

Contrato de agência
Ao se considerar a conceituação legal do contrato de agência, disciplinada
no art. 710 do Código Civil (BRASIL, 2002), podemos elencar os seguintes
elementos (GONÇALVES, 2012, p. 456):

 obrigação do agente em promover e fomentar o negócio do agenciado;


 habitualidade do serviço;
 delimitação da zona em que o serviço é prestado;
 direito do agente à retribuição do serviço que presta;
 exclusividade;
 independência.

Nesse sentido, cabe analisar o que envolve um contrato de agência (GON-


ÇALVES, 2012). Veja a seguir.

 Relação entre empresários — no que tange à circulação de bens e


serviços no mercado, se o agente exerce atividade de representação
comercial e, para tanto, as partes adotam as regras contidas no contrato
de representação comercial autônoma, necessariamente ambos devem
ser empresários. Contudo, como dispõe o Código Civil (BRASIL,
2002), não há obrigatoriedade de o agente e o agenciado serem em-
presários, como nos casos de agentes de desportistas profissionais,
cantores ou escritores.
 Relação de independência hierárquica — o agente atua com auto-
nomia na organização do seu negócio e na promoção dos negócios do
preponente, no entanto, o preposto deve cumprir as programações e
instruções dadas pelo proprietário do produto.
 Prática não eventual da atividade — o agente deve exercer a atividade
de modo habitual, estabelecendo um vínculo duradouro entre as partes.
6 Agência e distribuição

 Intermediação e promoção de negócios — o agente se responsabiliza


por agir em nome do preponente.
 Pagamento de uma remuneração ou retribuição — os serviços agen-
ciados devem ser devidamente remunerados pelo preponente, garantindo
ao contrato o caráter bilateral, comutativo e oneroso.
 Delimitação da zona (área) — os serviços prestados pelo agente são
restritos a uma área ou zona específica.

Conforme Theodoro Júnior (2002, documento on-line), a lei qualifica o


contrato de agência em um sentido mais restrito, definindo o agente como um
prestador de serviços, “[...] cuja função econômica e jurídica se localiza no
terreno da captação de clientela. A distribuição que eventualmente, lhe pode
ser delegada, ainda faz parte da prestação de serviços”. Para tanto, a lei não
exige uma forma escrita. Assim, o contrato pode ser provado por todos os meios
admitidos no Direito, incluindo correspondências, notas fiscais, formulários
de pedidos, comportamento das partes, entre outros (GONÇALVES, 2012).

Contrato de distribuição
Apesar de o Código Civil de 2002 não tratar o contrato de agência e distribuição
como dois contratos distintos, há uma singela diferença disciplinada no art. 170:
“[...] quando o agente tiver à sua disposição a coisa a ser negociada” (BRASIL,
2002, documento on-line). Como leciona Theodoro Júnior (2002, documento
on-line):

Distribuição não é a revenda feita pelo agente. Esse nunca compra a merca-
doria do preponente. [...] Ele age como depositário apenas da mercadoria do
preponente, de maneira que, ao concluir a compra e venda e promover a entrega
de produtos ao comprador, não age em nome próprio, mas o faz em nome e
por conta da empresa que representa. Ao invés de atuar como vendedor atua
como mandatário do vendedor.

A jurisprudência tem respeitado a liberdade de contratar e de extinguir o


contrato, seja por seu termo final, por denúncia unilateral do contrato indeter-
minado ou pela não renovação contratual. Gonçalves (2012, p. 458) exemplifica
com uma empresa distribuidora de bebidas, que pleiteava uma antecipação de
tutela contra a fabricante para garantir-lhe, após o termo final do contrato, a
prorrogação do vínculo por prazo indeterminado:
Agência e distribuição 7

É descabida a decisão liminar, proferida em medida cautelar inominada, que


obriga uma das partes a continuar cumprindo contrato já expirado e contra a
sua vontade. A Constituição Federal expressamente consagra o princípio da
legalidade, ao prescrever que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de
fazer alguma coisa senão em virtude de lei” (art. 5º, inciso II).

O entendimento é de que o simples exercício do direito de resilir o contrato


unilateralmente, no seu vencimento, não enseja conduta ilícita, nem acarreta
obrigação de indenizar perdas e danos, desde que cumprida a exigência de
notificação prévia do distribuidor, atendendo à antecedência estipulada con-
tratualmente. A regra procura atender à inibição de ocorrência de danos mais
graves às partes, devido à cessação do negócio.

Obrigações das partes


O Código Civil de 2002 dispõe, em seu art. 172, que o agente, ao desempenhar
a função que lhe incumbe, deve atender às instruções recebidas do preponente,
agindo com toda a diligência necessária (BRASIL, 2002). Logo, o agente possui
uma autonomia relativa, visto que deve seguir as recomendações recebidas do
empresário detentor do produto a ser representado. Ainda, sua atuação precisa
ser condizente com a confiança que lhe foi depositada, prestando o serviço
com zelo e dedicação, com o intuito de obter um bom e útil desempenho
(GONÇALVES, 2012).
Como leciona Gomes (1999, p. 415-416), dentro das obrigações inerentes
à função do agente, encontram-se “[...] transmitir à outra parte informações
das condições do mercado e perspectivas de vendas. Cumpre-lhe ainda prestar
esclarecimentos a respeito da solvabilidade da clientela e atuação dos con-
correntes, bem como sobre a marcha dos negócios a seu cargo”. As despesas
decorrentes do exercício profissional ficam a cargo do próprio agente, inclusive
os gastos efetuados com propagandas, caso não seja estipulado o contrário no
contrato. De acordo com Gagliano (2012, p. 327):

A principal obrigação do contrato é imposta ao agente (ou distribuidor), que


se obriga a atuar como empreendedor, promotor de negócios, em favor do
proponente, devendo agir, no desempenho do que lhe foi cometido, com toda
diligência, atendo-se às instruções recebidas, ficando ao seu cargo, ainda,
ressalvada estipulação em contrário, todas as despesas decorrentes do contrato.
Fica claro, pois, aqui, o princípio da boa-fé objetiva.
8 Agência e distribuição

Em síntese, são obrigações do agente ou distribuidor (GONÇALVES, 2012):

 exercer sua atividade com diligência;


 seguir as instruções do agenciado;
 não assumir, na mesma zona, negócios de outros proponentes;
 manter o agenciado informado quanto às condições mercadológicas e
à solvabilidade dos clientes;
 prestar contas ao proponente dos serviços realizados à sua conta.

Cabe destacar que o agente recebe do preponente poderes para agir em


seu nome. Dessa forma, o contrato de agência passa a ser regido também pela
Lei de Representação Comercial — Lei nº. 4.886, de 9 de dezembro de 1965.
Assim, as seguintes obrigações são inerentes ao representante comercial:

Art. 29 salvo autorização expressa, não poderá o representante conceder


abatimentos, descontos ou dilações, nem agir em desacordo com as instruções
do representado.
Art. 30 para que o representante possa exercer a representação em Juízo,
em nome do representado, requer-se mandato expresso. Incumbir-lhe-á,
porém, tomar conhecimento das reclamações atinentes aos negócios,
transmitindo-as ao representado e sugerindo as providências acauteladoras
do interesse deste.
Parágrafo único. o representante, quanto aos atos que praticar, responde
segundo as normas do contrato e, sendo este omisso, na conformidade do
direito comum (BRASIL, 1965, documento on-line).

No entanto, o preposto também possui direitos. Dessa forma, ao agente


ou distribuidor é garantido o atendimento de seus pedidos, bem como exigir
que sejam proporcionadas condições de exercer plenamente a atividade
para a qual foi contratado. Caso não esteja estabelecido no contrato o vo-
lume de negócio que o agente deve promover, este passa a ter liberdade de
ação, atentando para não exceder a capacidade de produção do preponente
(GONÇALVES, 2012).
O agente ou distribuidor possui o direito de ter exclusividade territorial,
não podendo o preponente dispor da mesma área ou zona de atuação para
outro preposto. O preposto também “[...] faz jus a uma remuneração fixa ou
percentual, pelos negócios que promover, correspondente àqueles concluídos
dentro de sua zona, ainda que sem a sua interferência”, como define o art.
714 do Código Civil (BRASIL, 2002, documento on-line). Além disso, tem o
direito de receber remuneração e indenização se o preponente cessar os forne-
Agência e distribuição 9

cimentos ou reduzi-los, sem justa causa, de forma que se torne antieconômica


a manutenção do contrato (BRASIL, 2002). No que tange às obrigações do
preponente, podemos citar (GONÇALVES, 2012, p. 461):

 obrigação de remunerar os serviços promovidos pelo agente;


 não constituir mais de um agente na mesma zona;
 indenizar o agente na hipótese de, sem justa causa, cessar o atendi-
mento das propostas ou reduzi-las a níveis que tornem antieconômica
a continuação da agência;
 conferir poderes ao agente para que este o represente na conclusão
dos contratos.

Por sua vez, quanto aos direitos do preponente, este pode:

 reter o pagamento por resilição contratual do agente, de forma a garantir


o ressarcimento do que for devido;
 exigir que o agente lhe preste contas dos negócios realizados no seu
interesse.

BRASIL. Lei nº. 4.886, de 9 de dezembro de 1965. Regula as atividades dos representantes
comerciais autônomos. Diário Oficial da União, 10 dez. 1965. Disponível em: http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4886.htm. Acesso em: 25 nov. 2019.
BRASIL. Lei nº. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da
União, 11 jan. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/
l10406.htm. Acesso em: 25 nov. 2019.
CASES, J. M. T.; AZEVEDO A. V. (coord.). Código Civil comentado. São Paulo: Editora Atlas, 2003. v. 8.
COELHO, F. U. Manual de Direito Comercial: direito de empresa. 24. ed. São Paulo: Editora
Saraiva, 2012.
GAGLIANO, P. S. Novo curso de Direito Civil: contratos — teoria geral. 8. ed. São Paulo:
Editora Saraiva, 2012. v. 4.
GOMES, O. Contratos. 18. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1999.
GONÇALVES, C. R. Direito Civil brasileiro: contratos e atos unilaterais. 9. ed. São Paulo:
Editora Saraiva, 2012.
PEREIRA, C. M. S. Instituições de Direito Civil. 21. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2017. v. 3.
10 Agência e distribuição

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (Décima Sexta
Câmara Cível). Agravo de Instrumento 70043460674. Relator: Paulo Sérgio Scarparo, 11
ago. 2011. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, 15 ago. 2011. Disponível em: https://
tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/20276018/agravo-de-instrumento-ai-70043460674-
-rs. Acesso em: 25 nov. 2019.
TARTUCE, F. Manual de Direito Civil: volume único. 7. ed. Rio de Janeiro: Método, 2017.
THEODORO JÚNIOR, H. Do contrato de agência e distribuição no novo Código Civil.
Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, n. 42, p. 129-163,
2002. Disponível em: https://www.direito.ufmg.br/revista/index.php/revista/article/
view/1252/1185. Acesso em: 25 nov. 2019.

Os links para sites da Web fornecidos neste capítulo foram todos testados, e seu fun-
cionamento foi comprovado no momento da publicação do material. No entanto, a
rede é extremamente dinâmica; suas páginas estão constantemente mudando de
local e conteúdo. Assim, os editores declaram não ter qualquer responsabilidade
sobre qualidade, precisão ou integralidade das informações referidas em tais links.
DICA DO PROFESSOR

Você sabe como ocorre o encerramento no contrato de agência e distribuição? A extinção dessas
pactuações ocorre por meio de rescisão, que engloba tanto a resolução quanto a resilição, bem
como pode se dar por morte, sendo denominada cessação. Você conhece cada uma dessas
modalidades? Há outras formas de extinção contratual previstas no Código Civil?

Nesta Dica do Professor, você vai entender que alguns termos usuais, como rescindir
e distratar, não podem ser utilizados para todos os contratos.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

EXERCÍCIOS

1) O contrato de agência e distribuição é uma modalidade regida pelo Código Civil e


está disciplinado entre os artigos 710 e 721.

Mas no que consiste esse tipo de contrato? Marque a alternativa correta.

A) Mediante remuneração, uma pessoa se obriga a realizar operações mercantis em nome de


outra, com habitualidade, subordinação hierárquica e em zona determinada.

B) Uma pessoa se obriga a realizar operações mercantis em nome de outra, esporadicamente,


sem subordinação hierárquica, em zona determinada, mediante remuneração.

C) Mediante remuneração, uma pessoa se obriga a realizar operações mercantis em nome de


outra, com habitualidade, sem subordinação hierárquica e em zona determinada.

D) Uma pessoa se obriga a realizar operações mercantis em nome de outra, com


habitualidade, subordinação hierárquica, em zona determinada, mediante remuneração.
E) Mediante remuneração, uma pessoa se obriga a realizar operações mercantis em seu
próprio nome, com habitualidade, sem subordinação hierárquica e em zona determinada.

2) Por tratar-se de um contrato, agência e distribuição devem atender às regras


impostas pelo Código Civil.

Nesse sentido, quais são as características que essa modalidade contratual apresenta?

A) Contrato personalíssimo, intransferível, exclusivo, oneroso, bilateral, consensual,


comutativo e formal.

B) Contrato personalíssimo, transferível, oneroso, bilateral, consensual, comutativo e


informal.

C) Contrato intransferível, exclusivo, oneroso, bilateral, consensual, comutativo e formal.

D) Contrato personalíssimo, intransferível, exclusivo, oneroso, bilateral, consensual,


comutativo e informal.

E) Contrato transferível, exclusivo, oneroso, bilateral, consensual, comutativo e informal.

3) O agente atua como um representante do preponente. Assim, precisa seguir as


orientações recebidas para atuar junto aos clientes, agindo com toda a diligência.
Caso contrário, pode ensejar na resolução contratual. Mas há casos em que pode
ocorrer também a resilição contratual.

Observe as afirmativas a seguir sobre resilição contratual e, em seguida, assinale V,


para as que correspondem a essa forma de desfazimento do contrato e F para as que
não correspondem.

I – ( ) Para que haja resilição contratual, é necessário atentar para o aviso prévio de
90 dias.

II – ( ) Para a resilição contratual não é necessário o aviso prévio, caso o preposto


descumpra o contrato.

III – ( ) A resilição contratual só pode ocorrer em contratos por prazo indeterminado.

IV – ( ) O preponente pode encerrar sem justa causa o atendimento do preposto, mas


haverá direito à indenização caso o contrato se torne antieconômico para o agente.

Agora, assinale a opção que apresenta a sequência correta.

A) V, F, V, F.

B) V, V, F, F.

C) V, F, F, F.

D) F, V, F, V.

E) F, F, V, V.

4) Na resilição contratual, ambas as partes devem observar o aviso prévio de 90 dias,


tanto para a conclusão dos negócios quanto para a atribuição da zona para outro
preposto. No entanto, há casos em que o Poder Judiciário tem a prerrogativa de
dilatar esse período.

Observe as afirmativas a seguir.

I – Com base no princípio da conservação do contrato, o juiz pode dilatar o prazo do


aviso prévio, caso o preposto esteja passando por dificuldades financeiras.

II – O juiz pode ampliar o prazo do aviso prévio do contrato se uma das partes tiver
realizado investimentos consideráveis.

III – Para haver compatibilidade com a natureza e o vulto dos investimentos


realizados à execução do contrato, o juiz pode dilatar o prazo do aviso prévio.

IV – O juiz pode ampliar o prazo do aviso prévio se houve descumprimento


contratual de uma ou ambas as partes.

Agora, assinale a opção que apresenta as afirmativas corretas.

A) As afirmativas I e II estão corretas.

B) As afirmativas I, II e III estão corretas.

C) As afirmativas III e IV estão corretas.

D) As afirmativas II e IV estão corretas.

E) As afirmativas II e III estão corretas.

5) O contrato de agência e distribuição acarreta direitos e obrigações para ambas as


partes, como qualquer relação contratual. No entanto, essa modalidade tem alguns
elementos inerentes à prestação dos serviços.

Analise as afirmativas a seguir.

I – Independência hierárquica, não eventualidade, intermediação e promoção de


negócios e delimitação da área de atuação.

II – Dependência hierárquica, delimitação da área de atuação e pagamento de


remuneração ou retribuição.

III - Independência hierárquica, eventualidade, intermediação e promoção de


negócios e delimitação da área de atuação.

IV - Independência hierárquica, não eventualidade, intermediação e promoção de


negócios e pagamento de remuneração ou retribuição.

Sobre os elementos da relação contratual de agência e distribuição, assinale a opção


que apresenta as afirmativas corretas.
A) As afirmativas I e II estão corretas.

B) As afirmativas I e IV estão corretas.

C) As afirmativas III e IV estão corretas.

D) As afirmativas II e IV estão corretas.

E) As afirmativas II e III estão corretas.

NA PRÁTICA

Os acordos de representação entre agentes e jogadores de futebol também são regidos pelos
contratos de agência. Neles, o atleta cede ao seu representante o poder de agir em seu nome.
E se o jogador de futebol firmar um contrato por conta própria? Como fica a remuneração do
agente? Há descumprimento contratual?

A seguir, Na Prática, você irá entender melhor como funciona uma situação como essa.
Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

SAIBA MAIS

Para ampliar o seu conhecimento a respeito desse assunto, veja abaixo as sugestões do
professor:

O contrato de agência e distribuição e suas peculiaridades

O contrato de agência e distribuição objetiva gerem interesses alheios. No entanto, essa


modalidade contratual tem algumas peculiaridades. Entenda melhor no artigo de Beatriz
Macedo Delgado.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!


Contratos de agência, representação comercial e distribuição: considerações

Alguns aspectos diferenciam os contratos de agência, distribuição e representação comercial.


Acompanhe mais sobre o tema no artigo de Rafael Soares Gonçalves.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Confederação Brasileira de Futebol: diretoria de registro, transferência e licenciamento

A CBF publica, anualmente, as normas para a contratação de agentes de futebol. Saiba quais os
requisitos para um contrato de representação.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Contrato de jogador de futebol com intermediário

O agente que negocia os passes dos jogadores de futebol possui um contrato de agência com os
atletas. Você sabe como funciona? Qual a porcentagem cobrada para tal agenciamento? Tire
suas dúvidas no artigo de Julia Galhego.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

O agente FIFA à luz do direito civil brasileiro

A Fifa e a CBF estabelecem os parâmetros para o exercício do agente esportivo. A relação entre
o agente e o atleta concretiza-se através de um contrato de agenciamento celebrado com base na
vontade das partes.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Distinção entre o contrato de agência e de distribuição

Alguns autores distinguem o contrato de agência e de distribuição. Você sabe qual o motivo?
Entenda melhor no artigo de Maria Bernadete Miranda.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Contrato de prestação de serviços de agenciamento e divulgação de imagem

Você sabe como é um contrato de agenciamento? Confira um modelo desse documento.

Conteúdo interativo disponível na plataforma de ensino!

Você também pode gostar