Você está na página 1de 2

Associação de Ensino e Cultura Faculdade Pio Décimo

Curso de Psicologia
Aluno (a): Daniela de Oliveira Lopes
Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento II
Professor: José Marcos de Oliveira Cruz
Data: 09/03/2021

FICHAMENTO

REFERÊNCIA DO MATERIAL LIDO


BECKER, Daniel. O que é adolescência. São Paulo: Brasiliense. 2003 - (Coleção Primeiros
Passos; 159).
MATERIAL FICHADO
O texto traz questões que norteiam a fase da adolescência. O autor possui como
objetivo quebrar os estigmas e generalizações da sociedade diante do adolescente, já que são
tarjados como “rebeldes” e “problemáticos”.
Quando falamos sobre adolescentes, as pessoas costumam associar a palavra
problema e é algo que se faz presente em nossa sociedade há muito tempo. Sabemos que é
uma fase marcada pelas mudanças de modo geral, porém essa fase também é vista como um
indivíduo em conflito e em desenvolvimento e que para atingir sua maturidade almejada e se
tornar um adulto prospero é necessário se adaptar a estrutura da sociedade.
Porém, o autor Daniel Becker traz uma visão diferente sobre o assunto e aborda de
maneira mais dinâmica. Ele afirma que não existe somente um adolescente, mas sim diversos,
e que para compreender um é preciso olhar para o jovem com uma visão mais ampla que o
tradicional. Além disso, o autor cita os fatores sociais, econômicos e culturais presente nessa
fase. Becker busca em todo o texto convencer de que a adolescência é apenas uma fase, um
período onde o jovem além de mudanças físicas, passa a aprender a fazer suas escolhas, ou
seja, ele passa de mero espectador da vida para uma posição onde possa questionar aquilo que
lhe é imposto e justamente nessa fase e com todas essas escolhas que se constrói e desenvolve
a sua personalidade.
Tendo em vista isso, sabemos que o adolescente passa por diversas coisas nesse
período da vida, como a mudança física, escolha da carreira, inserção na vida sexual, o poder
da reprodução e outros. Mais essa série de fatores exige uma maturidade na qual o jovem não
está tão preparado, pois vivemos em uma civilização ocidental em que assuntos como sexo,
preservativos e menstruação é pouco falado ou nem sempre é falado, diferente de outras
culturas que essa transição é feita de maneira gradual, sem pressa e cobranças, ou seja, a
sociedade de Samoa, estudada por Margaret Mead, possui um olhar mais individual e amplo
como citado por Becker.
Enfim, o autor conclui trazendo necessárias reformas tanto na sociedade quanto no
sistema ideológico, diante da situação que crianças e adolescentes passam cotidianamente na
transição dessa fase. Vale ressaltar que é fundamental uma reestruturação no sistema de
ensino com disciplinas voltadas a educação sexual e da saúde visando não apenas falar, mas
ensinar, conscientizar e prevenir jovens de possíveis doenças no ato sexual. Diante disso,
precisamos abrir os olhos para essa fase que diferente do que se diz, não é problemática, mas
devido a tudo que acontece ao mesmo tempo acaba tendo uma série de fatores desenvolvidos
a partir dos acontecimentos, e os conflitos podem resultar em doenças como ansiedade,
depressão e levar até ao suicídio. A sociedade necessita etiquetar menos e agir mais, ou seja,
nenhuma dessas doenças citadas anteriormente é normal ou comum no adolescente, se tornou
algo frequente sim, mas não deixa de ser algo sério e que precisa de uma atenção, pois se
diversos jovens estão desenvolvimento essas doenças o problema não está neles e sim na
sociedade e suas ideologias que joga um peso grande e várias cobranças diante do
adolescente.

Você também pode gostar