Você está na página 1de 1

II – O Imperialismo

História No fim do século XIX, os países industrializados


da Europa iniciaram uma corrida em busca de
Professor Francisco MELO de Souza novos mercados fora do continente, propiciando
o neocolonialismo na África e na Ásia. As razões
que motivaram o neocolonialismo foram:
Aula 82 1. Mercados consumidores fora do continente
A segunda revolução europeu que pudessem absorver o excedente
de produtos industrializados.
industrial e o Imperialismo
2. Mercado produtor de matérias-primas e forne-
I – Segunda Revolução Industrial (1860)
cedor de mão-de-obra barata para acelerar o
A partir de 1860, a indústria ampliou-se para outras processo de industrialização.
01. (Cesgranrio) A industrialização acelerada
regiões, como os estados alemães, o norte da 3. Escoamento do excedente populacional euro- de diversos países, ao longo do século XIX,
Itália, a Rússia, os Estados Unidos, o Japão e a peu para novas áreas coloniais. alterou o equilíbrio e a dinâmica das
Holanda. Nesse momento, começaram a ocorrer
A justificativa para o expansionismo imperialista relações internacionais. Com a Segunda
grandes inovações técnicas. O aço e os sintéticos
era: Revolução Industrial, emergiu o Imperia-
foram utilizados como material industrial básico, e
as principais fontes de energia eram a eletricidade 1. Darwinismo social – Os europeus afirmavam lismo, cuja característica marcante foi o(a):
e o petróleo. Os setores industriais também se mul- que a lei da sociedade funciona como a lei da a) substituição das intervenções militares pelo
tiplicaram com o surgimento da indústria siderúrgi- selva: “só os mais fortes sobrevivem”. Por isso, uso da diplomacia internacional;
ca, petroquímica, eletroeletrônica e automobilística. era disseminada a ideologia da superioridade b) busca de novos mercados consumidores para
Para completar esse quadro de mudanças racial do branco europeu. as manufaturas e os capitais excedentes dos
profundas, Graham Bell inventou o telefone, facili- 2. Doutrina religiosa – Afirmava que a Igreja cris- países industrializados.
tando, sobremaneira, as comunicações, cujos re- tã possuía uma missão de salvar almas dos in- c) manutenção da autonomia administrativa e
sultados podemos sentir no nosso cotidiano; a fiéis para o cristianismo. Assim, eram dissemi- dos governos nativos nas áreas conquistadas;
tecnologia passou a permitir a comunicação com nados os valores ocidentais. d) procura de especiarias, ouro e produtos tro-
qualquer parte do mundo, como se vivêssemos nu- 3. Missão civilizatória – Os europeus afirmavam picais inexistentes na Europa;
ma aldeia global. que levariam a civilização a esses continentes, e) transferência de tecnologia, estimulada por
O capitalismo monopolista tais como a nova ciência e a tecnologia. uma política não intervencionista.
O Neocolonialismo na África
Essa nova fase da economia capitalista foi mar- 02. (Fatec) Segundo as teorias desenvolvimen-
cada pela concentração econômica da produção O início da partilha da África, pelos ingleses, tistas, a guerra era concebida como:
e do capital em torno de grandes empresas ou ocorreu em 1815. A Inglaterra, nesse período, a) uma necessidade de ampliar o mercado
associações de empresas. comprou as colônias do Cabo e do Nata dos ho- interno substituindo as importações;
A livre concorrência das empresas capitalistas landeses. Dessa forma, iniciou uma intervenção
b) uma política econômica tendendo a desvalo-
transformou-se numa verdadeira batalha de pre- capitalista nesse continente: os negros passaram
rizar a produção agrícola;
ços. Nessa batalha, as empresas mais poderosas a fornecer matéria-prima para o mercado inglês,
c) uma forma de criar condições para a importa-
e competitivas eliminavam as mais fracas. Dessa ao mesmo tempo em que se tornavam mão-de-
ção de tecnologia estrangeira;
forma, surgiram os grandes conglomerados eco- obra barata.
d) um recurso complementar e necessário à im-
nômicos, concentrando enormes capitais e domi- A partir de 1830, houve uma nova corrida rumo à
portação de produtos primários;.
nando, em alguns setores, toda a produção. E, África em busca de novos mercados, porém mais
e) uma política econômica que necessitava do
assim, surgiram os monopólios industriais, que, violenta do que a do século XVI, pois essa não
apoio de todas as classes sociais para ser im-
por sua vez, eliminavam a concorrência e fixavam respeitou a unidade lingüística, religiosa e cultu-
plementada.
preços em busca de uma maior lucratividade. ral dos povos africanos.
Esses monopólios são assim representados: Inglaterra – No fim do século XVIII e meados do 03. (FEI) De 1815 a 1891, a Inglaterra viveu um
período de grande estabilidade política in-
• Cartéis – Formaram-se por meio de acordo en-
século XIX, os ingleses, com enorme poder naval
e econômico, assumem a liderança da coloniza- terna, combinada com grande desenvolvi-
tre grandes empresas que, para evitar os des-
gastes da concorrência, convencionam entre
ção africana. Combatem a escravidão, já menos mento econômico, que possibilitou aos in-
lucrativa, direcionando o comércio africano para gleses o domínio dos mares e a expansão
si formas de manutenção dos preços e de divi-
a exportação de ouro, marfim e animais. Para colonialista. As principais realizações desse
são de mercados. Os cartéis originaram-se na
isso, estabelecem novas colônias na costa e pas- período se deram durante:
Alemanha.
sam a implantar um sistema administrativo forte-
• Holding – Caracteriza-se quando uma grande mente centralizado na mão de colonos brancos
a) a Era Vitoriana;
companhia assume o controle de inúmeras ou- ou representantes da Coroa inglesa. b) a Revolução Gloriosa;
tras por meio da compra da maior parte de c) o governo de Henrique VIII;
A Inglaterra dominou o Egito, o Sudão, a Rodé-
suas ações, passando, então, a atuar de forma d) o governo de Elizabeth I;
sia, a Uganda, o Quênia, o Zanzibar, a Somália e
coordenada. e) a instalação do Anglicanismo.
a África Oriental inglesa. No Ocidente, Gâmbia,
• Trustes – Formam-se quando as grandes em- Serra Leoa, Costa do Ouro e Nigéria. 04. (Fuvest) A conquista da Ásia e da África,
presas, produtoras de determinadas mercado- Holanda – Os holandeses estabelecem-se na li- durante a segunda metade do século XIX,
rias, eliminam ou absorvem as pequenas con- torânea Cidade do Cabo, na África do Sul, a partir pelas principais potências imperialistas ob-
correntes e passam a monopolizar a produção, de 1652. Desenvolvem, na região, uma nova cul- jetivava
o preço e o mercado. Os trustes surgiram nos tura e formaram uma comunidade conhecida co- a) a busca de matérias-primas, a aplicação de
Estados Unidos. mo africâner ou bôer. Mais tarde, os bôeres per- capitais excedentes e a procura de novos
O processo de concentração econômica também deram o domínio da região para o Reino Unido
mercados para os manufaturados;
se desenvolveu no setor bancário. Os grandes na Guerra dos Bôeres.
b) a implantação de regimes políticos favoráveis
bancos acabaram associando-se às grandes França – Os domínios franceses iniciam-se na à independência das colônias africanas e
indústrias para financiar seus investimentos e Argélia, depois Tunísia, África Ocidental francesa asiáticas;
participar dos lucros de seus projetos. (Guiné, Senegal, Daomé, Níger, Costa do Marfim, c) o impedimento da evasão em massa dos ex-
A fusão do capital bancário com o capital indus- Alto Volta e Mali). Região equatoriana (Gabão,
cedentes demográficos europeus para aque-
trial marcou essa nova fase do capitalismo, co- Congo, Chade e República Centro-Africana) e
les continentes;
nhecido como capitalismo financeiro e monopo- Marrocos e Madagáscar.
d) a implantação da política econômica mercan-
lista, que foi caracterizado por: Bélgica – Dominou o Congo em 1908.
tilista, favorável à acumulação de capitais nas
1. Grande aumento da produção industrial que, Alemanha – Dominou a África Oriental: respectivas metrópoles;
para ser vendida, necessitava da ampliação Tanganica, Ruanda, Burundi. No Ocidente africa- e) a necessidade de interação de novas cultu-
dos mercados consumidores. no: Camerum, Togo e a Namíbia.
ras, a compensação da pobreza e a coopera-
2. Grande acúmulo de capitais que também pre- Itália – Os italianos criaram possessões na So- ção dos nativos.
cisavam ser investidos em novos projetos lu- mália, Eritréia, Líbia, e Etiópia.
crativos, fora de seus respectivos países.