Você está na página 1de 1

superior a 0,1s.

O ouvinte só percebe o eco se


estiver a mais de 17 metros do obstáculo. Veja: Aplicação
∆S ∆S
v= –––– ∴ ∆t=––––
∆t v Determine a freqüência dos batimentos gerados
Sendo v = 340m/s e ∆S = 2x (ida e volta), e pela interferência de uma onda sonora de
∆S 1000Hz com outra de 1005Hz.
como ∆t > 0,1, então ––––> 0,1.
v Solução:
2x fb = f2 – f1
–––– > 0,1, logo x > 17m
340 fb = 1005 – 1000
Refração do som – Ocorre quando uma onda so- fb = 5Hz
01. O gráfico da figura indica, no eixo das or- nora produzida em um meio passa para outro em O ouvido humano distingue batimentos até uma
que sua velocidade é diferente. Nesse caso, a fre- freqüência aproximadamente igual a 7Hz; acima
denadas, a intensidade I de uma fonte so- qüência do som permanece a mesma, modifican-
nora, em watts por metro quadrado disso, o som é trepidante, produzindo sensação
do-se o seu comprimento de onda.
(W/m2), ao lado do correspondente nível Difração do som – Propriedade pela qual o som
de desconforto.
de intensidade sonora β, em decibéis pode contornar obstáculos com dimensões de Efeito Doppler – Quando a fonte sonora e o re-
(dB), percebido, em média, pelo ser até 20 metros. ceptor estão movendo-se um em relação ao ou-
humano. No eixo das abscissas, em Interferência do som – Considere duas fontes tro, a freqüência percebida pelo receptor não é a
escala logarítmica, estão representadas sonoras F1 e F2 , emitindo, em fase, ondas de mesma freqüência da fonte. Quando eles se
as freqüências do som emitido. A linha mesma amplitude e de mesmo comprimento de
onda. aproximam um do outro, a freqüência percebida
superior indica o limiar da dor – acima é maior que a da fonte; quando os dois se
dessa linha, o som causa dor e pode afastam, a freqüência observada é menor que a
provocar danos ao sistema auditivo das da fonte. O som da sirene de uma ambulância,
pessoas. A linha inferior mostra o limiar da por exemplo, possui altura sonora maior quando
audição – abaixo dessa linha, a maioria
a ambulância se aproxima do observador, e
das pessoas não consegue ouvir o som
menor, quando a ambulância se afasta. Esse
emitido.
fenômeno é chamado Efeito Doppler.
Fig. 03
Sendo f a freqüência real emitida pela fonte, vf a
No ponto X, onde há uma superposição das
ondas, podemos ter uma interferência construtiva velocidade da fonte, vo a velocidade do observa-
(som mais forte) se a diferença entre as distâncias dor e vs a velocidade do som, a freqüência fr ou-
que separam as fontes do ponto X for um número vida pelo observador será:
par de meio comprimento de onda:
––– –––– λ v S ± vo
F1X – F2X= n –––, onde n’ = 0, 2, 4, 6... fr = f –––––––
2 vS ± v1
Suponha que você assessore o prefeito de
A interferência destrutiva (som fraco ou nulo) se a Para a utilizar essa fórmula, adote a seguinte con-
sua cidade para questões ambientais. diferença entre as distâncias que separam as fon-
venção de sinais:
a) Qual o nível de intensidade máximo que po- tes do ponto X for um número ímpar de meio
de ser tolerado pela municipalidade? Que comprimento de onda:
––– –––– λ
faixa de freqüências você recomenda que
F1X – F2X= n’–––, , onde n = 1, 3, 5, 7...
ele utilize para dar avisos sonoros que sejam 2
ouvidos pela maior parte da população?
b) A relação entre a intensidade sonora, I, em Aplicação
W/m2, e o nível de intensidade, β, em dB, é Duas fontes sonoras, F1 e F2, emitem ondas so-
β = 10.log (I/Io), em que Io= 10–12W/m2. noras em fase, com freqüência de 80Hz. Consi- Fig. 04
Qual a intensidade de um som, em W/m2, dere a velocidade do som no meio como sendo
num lugar onde o seu nível de intensidade é 320m/s. No ponto X, é colocado um receptor Aplicação
sensível a ondas sonoras. Esse receptor acusará
50dB?
um aumento ou uma diminuição na intensidade Uma ambulância passou por uma pessoa parada.
Consultando o gráfico, você confirma o resulta- sonora em relação à intensidade das fontes? A freqüência do som que ela ouviu caiu de
do que obteve?
1080Hz para 900Hz. Considerando a velocidade
02. (Fuvest) O som de um apito é analisado do som no ar 340m/s, determine a velocidade da
com o uso de um medidor que, em sua te- ambulância e a freqüência real da fonte.
la, visualiza o padrão apresentado na figu- Solução:
ra a seguir. O gráfico representa a varia-
Na aproximação:
ção da pressão que a onda sonora exerce
vS
sobre o medidor, em função do tempo, em fr = f –––––––
µs(⊥ µ s=10–6s). Analisando a tabela de in- Solução: vS – vf
tervalos de freqüências audíveis, por dife- v 320 340
λ = ––– ∴ λ = ––––– ∴ λ =4m 1080 = f –––––––
rentes seres vivos, conclui-se que esse 340 – vf
f 80
apito pode ser ouvido apenas por: ––– ––– λ No afastamento:
F1X – F2X= n ––– vS
2 fr = f –––––––
4 vS – vf
18 – 10= n ––– ∴ n=4 340
2 900 = f –––––––
340 + vf
Como n é par, a interferência é construtiva (em X,
o som será mais forte). Dividindo membro a membro:
1080 340 + vf
Batimento – Quando ocorre uma interferência ––––– = ––––––––– ∴ 1,2(340–vf ) = 340 + vf
sonora de ondas com freqüências ligeiramente 900 340 – vf
a) seres humanos e cachorros; diferentes, ouve-se um som de batimento, que é vf ≅ 30,9m/s
b) seres humanos e sapos; uma flutuação periódica da intensidade do som
A freqüência da fonte:
c) sapos, gatos e morcegos; resultante. A freqüência do batimento é dada
d) gatos e morcegos; pela diferença das freqüências dos sons que se 340
1080 = f ––––––––––
e) morcegos. superpõem: 340 – 30,9
fb = f2 – f1 (f2 > f1) f = 981,8Hz

12