Você está na página 1de 1

2.

Campo de duas cargas puntiformes de POTENCIAL ELETROSTÁTICO OU POTENCIAL


mesmo módulo e sinais opostos ELÉTRICO
É a capacidade que um corpo eletrizado tem de
realizar trabalho, ou seja, de atrair ou de repelir
outras cargas elétricas. Para obter o potencial
elétrico de um ponto, coloca-se nele uma carga
de prova q e mede-se a energia potencial
adquirida por ela. Essa energia potencial é
proporcional ao valor de q. Portanto o quociente
entre a energia potencial e a carga é constante.
Esse quociente chama-se potencial elétrico do
01. (UFMS) Na figura, o campo elétrico é unifor- 3. Campo de duas cargas puntiformes de
ponto:
me e tem módulo igual a 20N/C: mesmo módulo e sinais iguais
Ep
V = ––––
q
V é o potencial elétrico, Ep a energia potencial e
q a carga. A unidade no S.I. é J/C = V (volt).
Então, quando se fala que o potencial elétrico
de um ponto L é VL = 10V, entende-se que esse
ponto consegue dotar de 10J de energia cada
unidade de carga de 1C. Se a carga elétrica for
3C, por exemplo, ela será dotada de uma
Importante:
Se d = 4,25m, determine a diferença de po- As linhas de força “saem” de um corpo eletrizado energia de 30J, obedecendo à proporção.
tencial, em volts, entre as superfícies eqüi- positivamente, e “chegam” a um corpo eletrizado
potenciais assinaladas. negativamente.
Linhas de força não se cruzam (se o cruzamento
02. Uma partícula carregada, tendo massa m e ocorresse, teríamos nesse

ponto duas orientações
distintas para o vetor E, o que é absurdo).
carga q>0, penetra numa região entre duas
placas metálicas paralelas com uma velo- 4. Campo eletrostático uniforme

cidade vo, cuja direção é perpendicular às O vetor E tem mesma intensidade, mesma Para calcular o potencial elétrico devido a uma
direção e mesmo sentido em todos os pontos. carga puntiforme usa-se a fórmula:
placas.
Assim, suas linhas de força são representadas K.Q
por segmentos de reta paralelos entre si, V = ––––
d
igualmente espaçados e igualmente orientados.
No S.I., d em metros, K é a constante dielétrica
do meio e Q a carga geradora.
Como o potencial é uma quantidade linear, o
potencial gerado por várias cargas é a soma
algébrica (usa-se o sinal) dos potenciais
gerados por cada uma delas como se
estivessem sozinhas:
Os potenciais das placas de esquerda e da K.Q1 K.Q2 K.Q3 K.Q4
VL = ––––– + ––––– + ––––– + –––––
direita, separadas pela distância d, são, res- d1 d2 d3 d4
Este é o tipo de campo existente entre duas
pectivamente, V > 0 e 0 volt. Quando a par- placas planas e paralelas, uniformemente O potencial elétrico tem o sinal da carga que o
tícula atravessa a região entre as placas sob eletrizadas com cargas de sinais contrários, gerou:
a ação exclusiva da força elétrica, sua ener- desde que não tomemos pontos próximos de Q>0→V>0
suas extremidades. Q<0→V<0
gia cinética sofre uma variação de:
1
a) –––– mv2o Aplicação Aplicação
2
Em cada situação esquematizada a seguir, A figura representa duas partículas eletrizadas
V
b) +q –––– temos partículas eletrizadas com carga de com cargas Q1 = 6µC e Q2 = 2µC e um ponto
d módulo Q, e cada uma delas cria no ponto P um P distante d1 = 6m e d2 = 3m das cargas Q1 e
V campo de intensidade N/C. Em cada Q2, respectivamente (K = 9 . 109 N.m2/C2).
c) – q –––– caso, trace o vetor campo elétrico resultante no
d a) Determine o potencial elétrico no ponto P.
ponto P e determine a sua intensidade.
d) +qV b) Calcule a energia potencial elétrica adquirida
por uma carga de prova q = 2µC, colocada
e) – qV
em P.
03. (Unifor-CE) Entre duas placas paralelas ho- c) Repita o item anterior considerando q = –2µC.
rizontais e uniformemente eletrizadas, com
Solução:
cargas de sinais opostos, existe um campo
a)
elétrico uniforme de intensidade E = 5,0 .
104 N/C . Uma partícula de massa m=2,0 .
10–3 kg e carga q = 2,0.10–7 C é aban-
donada em um ponto desse campo.
Solução:
a) Potencial criado pela carga Q1:
2 2 2 2
E p = E + E = 2E K.Q 9.109 . 6.10–6
V1 = –––––1 = –––––––––––– ⇒ V1= 9.103V
d1 6
b) Potencial criado pela carga Q2:
Sendo a aceleração da gravidade no local
K.Q 9.109 . 6.10–6
igual a g =10 m/s2, a acaleração que a V2 = –––––2 = –––––––––––– ⇒ V2= 6.103V
d2 3
partícula adquire, em m/s2, vale:
Potencial total em P:
a) 2,5 b) 5,0 c) 7,5 V = V1 + V2 = 9.103 + 6.103 ⇒ V= 1,5.104V
d) 10 e) 15 b) Epe= q.V = 2.10–6.1,5.104 ⇒ Epe = +3.10–2 J
EP = 10N/C c) Epe= q.V = (2.10–6).1,5.104 ⇒ Epe = –3.10–2 J