Você está na página 1de 2

 

Comentário 4 
Sociologia de Theodor Adorno 
 

5ª Aula | 07/05/1968 
Adorno  -  em  uma  narrativa  (ou talvez tradução) mais leve, porém tão profunda e rica quanto a de 
Horkheimer  -  critica,  na  aula  ocorrida  em  maio  de  1968,  a  visão  de  sociedade  durkheimiana 
analisando  o  conceito  de  “dado  de  segundo  plano”.  Afirma  que  essa  noção  relega  a abstração, 
subjetividade e dinamismo inerentes às relações sociais, sendo que esses últimos elementos são 
fulcrais  a  uma  compreensão  coerente  do  constructo  “sociedade”.  O  conceito  de  “dado  de 
segundo  plano”  permite  à  sociologia  reificar  a  sociedade  em  leis  imanentes  e  estáticas,  como 
algo absoluto. 

A  contribuição  da  filosofia  para  a  compreensão  de  sociedade  é  legitimada  através  do  conceito 
de  dialética:  Ao  mesmo  tempo  em  que  a  sociedade  não  se  resume  à  soma  de  seus  indivíduos, 
não  se  pode  falar  dela  sem  abrangê-los  ou  colocando-a  como  superior  a  eles.  Os  indivíduos 
sociais  existem  de  forma  dialética  à  sociedade.  Essa  mediação  entre  indivíduo  e  sociedade 
provoca  um  dinamismo  essencial  para  o  estudo  da  sociologia  ou  qualquer  outro  campo  que 
necessite compreender a sociedade.  

No  capitalismo,  esse  dinamismo  conserva  apenas  o  que  é  ampliado  e  expandido.  Isso pode ser 
observado  na  relação  entre  a  cidade  e  o  campo  que,  antes  era  muito  bem  delimitada  mas,  na 
atualidade,  a  linha  que  separa  um  do  outro  está  cada  vez  mais  tênue.  Esse  processo  é 
denominado  de  integração  e  possui  duas  facetas:  a  “subordinação  a  uma  visão de conjunto” (p. 
124)  formando  unidades  cadas  vez  maiores  e  mais  homogêneas;  e  a  constante  e  cada  vez 
melhor  desenvolvida  adaptação  das  partes  ao  sistema,  formando  sujeitos  em  conformidade  à 
lógica dominante, “convertendo-os propriamente em cópias microcósmicas do todo” (p. 124). 

Inicialmente  proporcional  à  integração,  acontece  também  a  diferenciação de funções, ainda que 


dentro  de  uma  adaptação  ideológica  homogênea.  No  entanto,  quando  a integração é levada ao 
seu  ápice,  a  diferenciação  é  suspendida,  provavelmente  -  de  acordo  com  o  autor  -  com  o 
contínuo  avanço  da  divisão  do  trabalho,  onde  os  processos  singulares  de  trabalho 
assemelham-se novamente entre si. 

Adorno  complementa  ainda  que  a sociedade capitalista é mediada pela individualidade, onde os 


sujeitos procuram o seu lucro individual. 


 

A  leitura  da  5ª  aula  do  livro  Introdução  à  Sociologia,  de  Theodor  W.  Adorno,  preserva  o  meu 
encantamento  e  afinidade  com  a  Teoria  Crítica,  com  sua  compreensão  complexa e autêntica da 
sociedade  e  dos  fenômenos  sociais.  Faço  uma  menção  especial  à  legitimação  da  contribuição 
da  filosofia  para  as  discussões  intelectuais  e  científicas  pois,  na  minha  concepção,  tudo  se 
origina  a  partir  de  um  pensamento  filosófico  -  independente  se  o  produto  epistêmico  é objetivo 
ou  subjetivo,  concreto  ou  abstrato  -  assim,  se  faz  importante  sempre  convocar  a  filosofia  para o 
debate.