Você está na página 1de 56

Processos de Fabrico de Peças Metálicas

-
Processos de Deformação Plástica de Metais

1
Processos de Deformação Plástica de Metais

2
Processos de Deformação Plástica de Metais

 Processos de Deformação/ Enformação/ Conformação Plástica de Metais


(“Metal Forming Processes”)
 Processos de deformação plástica na massa.

 Forjamento
 Extrusão
 Laminagem
 Processos de deformação plástica de chapa.

 Quinagem
 Estampagem
 Calandragem
 Fluo-torneamento
 Corte por arrombamento

3
Corte por Arrombamento

4
O que é?

5
Corte por arrombamento

 Importância e combinações do processo.


 Corte por arrombamento convencional, aparamento ou “shaving” e corte fino
ou de precisão.
 Corte por arrombamento (peça final ou estampa), puncionamento (desperdício
ou rombo), estampagem e embutissagem/embutidura. “Blanking (blank),
punching (scrap), stamping, and drawing/(deep drawing)”.
 Aplicações:
 Carcaças de computadores e electrodomésticos;

 Carroçarias e componentes de automóveis;

 Fuselagens de aviões;

 Utensílios de cozinha.

6
Corte por arrombamento

 Aplicações:

7
Corte por arrombamento

 Características do processo:
 Corte de chapa, barra, tubo ou perfis.

 Geralmente, a espessura máxima de corte para chapa de aço é: 6-8 mm.

 Corte a frio (a morno para espessuras elevadas ou materiais frágeis).

 Taxas de produção elevadas (com alimentador).

 Resistência mecânica do material das peças “inalterada”.

 Precisão dimensional e acabamento bons.

 Custo baixo (função da série de fabrico).

8
Corte por arrombamento convencional

9
Mecanismo de corte

10
Mecanismo de corte

 Modelo:
 Ferramentas com arestas afiadas.

 Folga pequena entre punção e matriz: 5-10% da espessura da chapa.

 Momento flector, empeno e concentração das forças de corte.

 Corte produzido por tensões de corte que se distribuem pela espessura ao


longo do perímetro de corte.

11
Mecanismo de corte

12
Mecanismo de corte

 Máximo de τCD e σCD = 0 para α = 0º - secção AB (corte puro).

 Quando F for tal que τAB = τcrit inicia-se a deformação plástica.


 τcrit = τmax = k – tensão limite de elasticidade em corte puro (critério de Tresca).

13
Mecanismo de corte
 Distorção, γ =AA’/AC, aumenta quando a folga diminui, para a mesma
penetração do punção.
  Penetração do punção   tensões de corte  distorção progressiva do
material   deformação plástica até um valor limite

 Início da fissuração até à separação da peça/rombo da banda.


(depende das propriedades mecânicas do material – limite dado por γmax)

14
Mecanismo de corte

 Início da fissuração junto às arestas do punção e da matriz (direcções


favoráveis - 45º com a vertical).
  Penetração do punção  Rotação progressiva da direcção de propagação
das fendas para a vertical até se encontrarem

15
Mecanismo de corte
 Morfologia da superfície e fases/zonas do corte.
 Repuchamento

 Fase inicial – repuchamento das superfícies livres adjacentes ao punção e à


matriz (para folgas pequenas pode surgir identação) - deformação
permanente.

16
Mecanismo de corte
 Morfologia da superfície e fases/zonas do corte.
 Penetração

 Superfícies verticais definidas pelas paredes laterais do punção e da matriz


com dimensões regulares e precisas e de aspecto polido e brilhante.
 Distorção imposta, γ < distorção máxima suportada pelo material, γmax

17
Mecanismo de corte
 Morfologia da superfície e fases/zonas do corte.
 Cone de rotura

 Quando γ = γmax, dá-se o início da fissuração junto das arestas do punção e


da matriz em direcções a 45º com a vertical.
 Com a penetração do punção dá-se a rotação progressiva da direcção de
propagação das fissuras no sentido de aproximação da direcção da secção
resistente instantânea até se encontrarem.
 Superfície cónica, irregular e baça.

18
Mecanismo de corte

 Morfologia da superfície e fases/zonas do corte.


 Rebarba

 Escoamento do material para o espaço aberto junto às arestas do


punção e da matriz pela propagação das fendas.
 A dimensão da rebarba depende do desgaste das arestas de corte,
da ductilidade do material, da folga e da força de corte “local”.

19
Mecanismo de corte

 Cota nominal da peça/ferramenta.


 No corte por arrombamento, a cota nominal da peça é definida pela matriz.

 No puncionamento, a cota nominal da peça é definida pelo punção.

20
Forças e trabalho de corte

 A Força de corte depende da secção resistente e do encruamento, até à


fissuração.

21
Forças e trabalho de corte

 A Força de corte decresce rapidamente após a fissuração (redução rápida da


secção resistente).
 A estabilização final deve-se ao atrito entre as ferramentas e o material durante
a fase de extracção.

22
Forças e trabalho de corte

 A dimensão conjunta das zonas de repuchamento e penetração depende


essencialmente das propriedades mecânicas do material e da folga.
 Materiais mais dúcteis  Maior penetração do punção  Aumento e
decréscimo mais gradual da força de corte

23
Forças e trabalho de corte
 Força de corte ou força principal de corte
 Valor máximo e a variação  selecção das máquinas-ferramenta e projecto
das ferramentas
 C varia entre 0,6 e 0,8 em função do material. Em projecto usa-se C=0,8.

 Trabalho de corte
 Corresponde à área abaixo da curva força de corte versus deslocamento
do punção

24
Força de extracção do punção do arco

 Forças de atrito e recuperação elástica  Força de extracção e encostadores


 Força de extracção depende de muitos factores (material, folga, lubrificação,
rugosidade do punção, etc.  Expressão empírica

25
Força de ejecção/expulsão da peça/rombo da matriz

 Força de expulsão depende de muitos factores (material, folga, lubrificação,


rugosidade da matriz, etc.  Expressão empírica

26
Redução da força principal de corte

 Decalagem dos punções


 Penetração do 1º punção > 1/2h (corresponde ao final da zona de
penetração)  Inicio do corte com o 2º punção.

27
Redução da força principal de corte
 Decalagem dos punções
 Inconvenientes:

 Aumento do curso da ferramenta;


 Aumento da penetração dos punções nas matrizes;
 Aumenta a tendência para o empenamento do sistema de guiamento.
 Os punções de grande secção devem actuar antes dos punções com
pequena secção.

28
Redução da força principal de corte
 Inclinação da aresta de corte da matriz ou do punção
 Produz um corte progressivo

 A ferramenta deve ser simétrica

 Inclinação máxima < 4º

29
Redução da força principal de corte

 Inclinação da aresta de corte da matriz ou do punção


 Análise do corte na guilhotina

30
Redução da força principal de corte

 Inclinação da aresta de corte da matriz ou do punção


 Análise do corte na guilhotina

31
Redução da força principal de corte

 Inclinação da aresta de corte da matriz ou do punção


 Análise do corte na guilhotina

32
Redução da força principal de corte

 Inclinação da aresta de corte da matriz ou do punção

33
Resultante das forças de corte

34
Dimensão mínima de corte. Encurvatura dos punções

 Dimensionamento do punção à compressão

35
Dimensão mínima de corte. Encurvatura dos punções

 Dimensionamento do punção à encurvatura/instabilidade

36
Qualidade das superfícies obtidas. Folgas

 Folga inferior à ideal, jr

37
Qualidade das superfícies obtidas. Folgas

 Força de corte em função do deslocamento e da folga


 Trabalho de corte

38
Qualidade das superfícies obtidas. Folgas

39
Qualidade das superfícies obtidas. Folgas

40
Qualidade das superfícies obtidas. Folgas

41
Aproveitamento do arco/banda metálica

42
Aproveitamento do arco/banda metálica

43
Aproveitamento do arco/banda metálica

44
Aproveitamento do arco/banda metálica

45
Temperatura e desgaste de punções e matrizes

46
Temperatura e desgaste de punções e matrizes

47
Ferramentas para corte por arrombamento

48
Ferramentas para corte por arrombamento

 Classificação quanto ao modo de funcionamento


 Ferramentas simples

 Ferramentas progressivas

 Ferramentas compostas

49
Ferramentas para corte por arrombamento

 Ferramentas simples

50
Ferramentas para corte por arrombamento

51
Ferramentas para corte por arrombamento

52
Aparamento ou "Shaving"

53
Corte fino ou de precisão

54
Corte fino ou de precisão

55
Corte fino ou de precisão

56