Você está na página 1de 116

Conteúdo

Prefácio v

Agradecimentos vii

1 Introdução 1
1.1 Objetivo da apostila . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Divisão da apostila . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.3 Comentários sobre a bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1

2 Amplificação 3
2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
2.2 Noções básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
2.3 Amplificador linear ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
2.4 Amplificador linear real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.4.1 Conservação de energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.4.2 Saturação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.4.3 Faixa dinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.4.4 Ganho dependente da freqüência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.4.5 Impedâncias de entrada e de saı́da . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.5 Perdas em acoplamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.5.1 Acoplamento de tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.5.2 Acoplamento de corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.5.3 Acoplamento de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.6 Tensão diferencial e tensão de modo comum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

3 Amplificadores Operacionais 17
3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.2 Simbologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.3 Equações gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

4 Modelo ideal 21
4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.2 Elaboração de um modelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.3 Modelo ideal para um OpAmp genérico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

ix
x

5 Realimentação 25
5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
5.2 Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
5.3 Existência de realimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.4 Tipos de realimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.5 Importância da realimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.6 Sistemas em malha aberta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.7 Sistemas com realimentação negativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.8 Posicionamento de pólos e zeros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
5.9 Amplificadores com realimentação negativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.10 Análise de circuitos usando realimentação negativa . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5.11 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

6 Circuitos básicos 37
6.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6.2 Circuitos não lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6.2.1 Comparadores simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6.2.2 Margem de ruı́do e laço de histerese . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
6.2.3 Comparadores com histerese . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
6.3 Circuitos lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
6.3.1 Amplificador inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
6.3.2 Amplificador não-inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
6.3.3 Amplificador somador inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.3.4 Amplificador subtrator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
6.3.5 Amplificador integrador inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
6.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

7 Caracterı́sticas não-ideais 57
7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
7.2 Resumo das caracterı́sticas não ideais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
7.3 Tensão de offset de entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
7.4 Correntes de polarização de entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
7.5 Resposta em freqüência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
7.5.1 Modelo com um pólo dominante em baixa freqüência . . . . . . . . . . . 60
7.5.2 Modelo com um pólo dominante na origem . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
7.5.3 Modelo com dois pólos reais fora da origem . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
7.6 Impedâncias de entrada e de saı́da . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
7.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

8 Efeitos das caracterı́sticas não ideais 65


8.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
8.2 Efeito de tensão de offset e corrente de polarização . . . . . . . . . . . . . . . . 65
8.2.1 Amplificador integrador inversor sem perdas . . . . . . . . . . . . . . . . 65
8.2.2 Amplificador integrador inversor com perdas . . . . . . . . . . . . . . . . 67
8.3 Efeito da resposta em freqüência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
8.3.1 Topologia inversora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
8.3.2 Amplificador inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
8.3.3 Amplificador integrador inversor sem perdas . . . . . . . . . . . . . . . . 76
8.3.4 Amplificador integrador inversor com perdas . . . . . . . . . . . . . . . . 79
xi

8.3.5 Topologia não inversora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83


8.3.6 Amplificador não inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
8.3.7 Amplificador não inversor com compensação de fase . . . . . . . . . . . . 87
8.4 Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da . . . . . . . . . . . . . 91
8.4.1 Topologia inversora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
8.4.2 Amplificador inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
8.4.3 Amplificador integrador inversor sem perdas . . . . . . . . . . . . . . . . 96
8.4.4 Topologia não inversora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
8.4.5 Amplificador não inversor com compensação de fase . . . . . . . . . . . . 100

Bibliografia 105
xii
Lista das Tabelas

xiii
xiv
Lista das Figuras

2.1 Sistema amplificador linear ideal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4


2.2 Modelos lineares ideais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.3 Conexão de amplificador genérico com fonte de sinal e carga. . . . . . . . . . . . 5
2.4 Conexão de amplificador ativo com fonte de sinal e carga. . . . . . . . . . . . . . 6
2.5 Gráfico de saturação do sinal de saı́da em um amplificador real. . . . . . . . . . 6
2.6 Gráfico da Resposta em Freqüência de um amplificador linear ideal com tempo
de propagação nulo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.7 Gráfico da Resposta em Freqüência de um amplificador linear ideal com tempo
de propagação não nulo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.8 Modelos de quadripólos completos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.9 Modelos de quadripólos para amplificadores lineares reais. . . . . . . . . . . . . 10
2.10 Acoplamento de tensão com perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.11 Acoplamento de corrente com perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.12 Acoplamento de potência com perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.13 Cálculo de dois pontos em função da média e da diferença. . . . . . . . . . . . . 14
2.14 Circuito com entrada diferencial, submetido a duas tensões independentes. . . . 14
2.15 Circuito com entrada diferencial, submetido às tensões diferencial e de modo
comum. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

3.1 Sı́mbolo genérico para um OpAmp. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17


3.2 Equivalência entre sı́mbolos para um OpAmp alimentado. . . . . . . . . . . . . . 18
3.3 Sı́mbolo para um OpAmp com saı́da balanceada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.4 Sı́mbolo simplificado para um OpAmp com entrada aterrada. . . . . . . . . . . . 18
3.5 Sı́mbolo para um amplificador genérico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.6 Tensões e correntes de um OpAmp. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

4.1 Fonte de tensão controlada por tensão ideal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22


4.2 Curva caracterı́stica de um OpAmp genérico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.3 Modelo ideal para um OpAmp na região de saturação positiva. . . . . . . . . . . 23
4.4 Modelo ideal para um OpAmp na região de saturação negativa. . . . . . . . . . 23
4.5 Modelo ideal para um OpAmp na região linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.6 Curva caracterı́stica de um modelo ideal para um OpAmp genérico. . . . . . . . 24

5.1 Diagrama de blocos de um fluxo em malha aberta. . . . . . . . . . . . . . . . . . 25


5.2 Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo em malha aberta. . . . . . . . . . . . . 25
5.3 Diagrama de blocos de um fluxo em malha aberta com feedforward. . . . . . . . 26
5.4 Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo em malha aberta com feedforward. . . . 26
5.5 Diagrama de blocos de um fluxo contendo realimentação. . . . . . . . . . . . . . 26
5.6 Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo contendo realimentação. . . . . . . . . 27
5.7 Diagrama de blocos de um fluxo sem realimentação. . . . . . . . . . . . . . . . . 28

xv
xvi

5.8 Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo sem realimentação. . . . . . . . . . . . 28


5.9 Estrutura geral de um sistema em malha aberta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.10 Estrutura de um sistema em malha aberta, com conexão de controlador em série. 29
5.11 Estrutura de um sistema em malha aberta, com conexão de controlador em
paralelo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.12 Estrutura geral de um sistema com realimentação negativa. . . . . . . . . . . . . 30
5.13 Estrutura geral de um amplificador com realimentação negativa. . . . . . . . . . 32
5.14 Amplificador utilizando OpAmp com realimentação negativa. . . . . . . . . . . . 34
5.15 Desenho equivalente do amplificador, destacando a estrutura de um sistema re-
alimentado negativamente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.16 Modelo equivalente para o amplificador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.17 Modelo simplificado para o amplificador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
5.18 Estrutura geral para o amplificador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

6.1 Curva caracterı́stica de um OpAmp. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38


6.2 Comparador simples não inversor sem deslocamento. . . . . . . . . . . . . . . . 38
6.3 Comparador simples inversor sem deslocamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.4 Comparador simples não inversor com deslocamento positivo. . . . . . . . . . . . 39
6.5 Comparador simples inversor com deslocamento positivo. . . . . . . . . . . . . . 39
6.6 Comparador simples não inversor com deslocamento negativo. . . . . . . . . . . 40
6.7 Comparador simples inversor com deslocamento negativo. . . . . . . . . . . . . . 40
6.8 Comparador simples não inversor na presença de ruı́do. . . . . . . . . . . . . . . 41
6.9 Comparador não inversor com dois nı́veis de comparação. . . . . . . . . . . . . . 42
6.10 Curvas caracterı́sticas relativas aos dois nı́veis de um comparação. . . . . . . . . 42
6.11 Curva caracterı́stica de um comparador não inversor com laço de histerese. . . . 43
6.12 Comparador com histerese inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
6.13 Comparador com histerese não inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
6.14 Amplificador inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.15 Amplificador inversor genérico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.16 Amplificador não inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
6.17 Amplificador não inversor genérico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.18 Amplificador somador inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.19 Amplificador somador inversor genérico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
6.20 Amplificador subtrator. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
6.21 Amplificador subtrator genérico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.22 Amplificador integrador inversor sem perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
6.23 Amplificador integrador inversor com perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

7.1 Exemplos de modelagem da tensão de offset de entrada. . . . . . . . . . . . . . . 58


7.2 Modelagem das correntes de polarização de entrada. . . . . . . . . . . . . . . . . 59
7.3 Módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com pólo dominante. . . . . . 60
7.4 Módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com pólo dominante na origem. 61
7.5 Módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com pólo dominante e pólo
em alta freqüência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
7.6 Modelagem das impedâncias de entrada e de saı́da para um OpAmp ideal. . . . 62
7.7 Modelagem das impedâncias de entrada e de saı́da de um OpAmp real. . . . . . 63

8.1 Amplificador integrador inversor sem perdas com modelagem da tensão de offset
e das correntes de polarização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
xvii

8.2 Amplificador integrador inversor com perdas com modelagem da tensão de offset
e das correntes de polarização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
8.3 Topologia inversora genérica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
8.4 Amplificador inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
8.5 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante e de um amplificador inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . 73
8.6 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante na origem e de um amplificador inversor. . . . . . . . . . . 74
8.7 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com dois pólos e de um amplificador inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
8.8 Amplificador integrador inversor sem perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
8.9 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante e de um amplificador integrador inversor sem perdas. . . . . 77
8.10 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante na origem e de um amplificador integrador inversor sem
perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
8.11 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com dois pólos e de um amplificador integrador inversor sem perdas. . . . . . . . 79
8.12 Amplificador integrador inversor com perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
8.13 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante e de um amplificador integrador inversor com perdas. . . . 81
8.14 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante na origem e de um amplificador integrador inversor com
perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
8.15 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com dois pólos e de um amplificador integrador inversor com perdas. . . . . . . 83
8.16 Topologia não inversora genérica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
8.17 Amplificador não inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
8.18 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante e de um amplificador não inversor. . . . . . . . . . . . . . . 86
8.19 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante na origem e de um amplificador não inversor. . . . . . . . . 86
8.20 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com dois pólos e de um amplificador não inversor. . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
8.21 Amplificador não inversor com compensação de fase. . . . . . . . . . . . . . . . 88
8.22 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com pólo dominante e de um amplificador não inversor com compensação de fase. 89
8.23 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante na origem e de um amplificador não inversor com compensação
de fase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
8.24 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com dois pólos e de um amplificador não inversor com compensação de fase. . . 91
8.25 Topologia inversora genérica, com impedância de saı́da. . . . . . . . . . . . . . . 91
8.26 Amplificador inversor, com resistência de saı́da. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
8.27 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,
com pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador inversor. . . . . 94
8.28 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,
com pólo dominante na origem e e resistência de saı́da, de um amplificador inversor. 95
xviii

8.29 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,


com dois pólos e resistência de saı́da, e de um amplificador inversor. . . . . . . . 96
8.30 Amplificador integrador inversor sem perdas, com resistência de saı́da. . . . . . . 96
8.31 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,
com pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador integrador
inversor sem perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
8.32 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,
com pólo dominante na origem e resistência de saı́da, e de um amplificador
integrador inversor sem perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
8.33 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,
com dois pólos e resistência de saı́da, e de um amplificador integrador inversor
sem perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
8.34 Topologia não inversora genérica, com impedância de saı́da. . . . . . . . . . . . 99
8.35 Amplificador não inversor com compensação de fase, com resistência de saı́da. . 100
8.36 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,
com pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador não inversor
com compensação de fase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
8.37 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,
com pólo dominante na origem e resistência de saı́da, de um amplificador não
inversor com compensação de fase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
8.38 Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp
com dois pólos e de um amplificador não inversor com compensação de fase. . . 104
Capı́tulo 1

Introdução

1.1 Objetivo da apostila


O presente texto tem por objetivo fornecer o mı́nimo de informação necessária à compreensão
tanto da funcionalidade como das limitações dos componentes eletrônicos denominados Ampli-
ficadores Operacionais.
A fim de exemplificar sua aplicação, é apresentado também um conjunto básico de circuitos
que empregam tais componentes.
Os Amplificadores Operacionais (ou Operational Amplifiers) costumam ser designados por
algumas siglas diferentes, entre elas: AmpOp, AO, OpAmp e OA. Ao longo deste texto eles
serão referenciados por OpAmps.
O material aqui fornecido deve ser encarado como um passo inicial no entendimento dos
OpAmps e da sua utilização. Para um estudo mais profundo a cerca dos tópicos abordados,
recomenda-se que sejam consultados livros especı́ficos para cada assunto, os quais podem ser
encontrados na vasta bibliografia existente sobre o tema.
Porém, ainda que considerando este trabalho como um texto introdutório sobre o assunto,
algumas análises aqui apresentadas não são comumente encontradas na bibliografia corrente,
uma vez que levam em consideração as caracterı́sticas não ideais dos OpAmps. Tais análises
foram incluı́das em vista de sua importância para: i) identificar, nos circuitos em questão, a
relevância de cada parâmetro do circuito nas funções calculadas e ii) apresentar uma técnica
de análise a ser utilizada em outros circuitos.

1.2 Divisão da apostila


Explicar a divisao da apostila...
Escrever após fechamento da “primeira versão definitiva”...

1.3 Comentários sobre a bibliografia


A literatura que trata de Amplificadores Operacionais e suas aplicações é muito vasta. Apenas
um pequeno conjunto de referências é aqui apresentado.
Embora não seja possı́vel estabelecer uma classificação exata dos assuntos de cada referência,
a seguir são feitos comentários sobre a bibliografica sugerida.
Para aqueles interessados no funcionamento interno dos OpAmps, as referências [1], [2] e [3]
apresentam um bom material sobre o assunto.

1
2 Capı́tulo 1. Introdução

Se o objetivo for apenas um estudo introdutório sobre OpAmps e suas aplicações, as re-
ferências [4], [5] e [6] são satisfatórias.
Exemplos de circuitos diversos são ilustrados em [1], [2], [3], [4], [5] e [6].
Abordagens sobre as caracterı́sticas não ideais dos OpAmps podem ser encontradas em [1],
[2], [3] e [4].
No tocante à Teoria de Realimentação, podem ser consultadas as referências [7], [8] e [9].
Tópicos relativos à aplicação especı́fica de OpAmps na área de filtros contı́nuos do tipo RC-
ativo também encontram-se divididos em algumas das referências sugeridas. A parte relativa
à Teoria de Circuitos é consistentemente coberta por [5], [6]. [7], [10], [11], [12], [13] e [14].
Aspectos introdutórios são encontrados em [15]. Abordagens preocupadas com detalhes de
implementação são apresentadas em [1], [16], [17], [18], [19], [20] e [21]. Um tratamento completo
e com satisfatória profundidade é realizado em [18] e [19].

A.S.V.
Capı́tulo 2

Amplificação

2.1 Introdução
O objetivo deste capı́tulo é discutir aspectos comuns a amplificadores de uma forma geral.
Inicialmente, são apresentadas algumas noções gerais sobre amplificação. Em seguida, o am-
plificador linear ideal é definido, bem como são abordados aspectos de ordem prática para
amplificadores lineares reais. São discutidos ainda as formas de acoplamento entre circuitos
elétricos. Finalmente, é apresentada uma forma alternativa de definição de sinais de entrada
para amplificadores com entrada diferencial.

2.2 Noções básicas


A idéia inicial de amplificação de sinais está associada ao aumento da amplitude dos mesmos.
Porém, no projeto de sistemas que realizam tal operação e/ou operações correlatas, vários
termos e conceitos são definidos, os quais, por vezes, podem causar não só estranheza como
também interpretações errôneas. Alguns destes são discutidos a seguir.
Um amplificador é classificado como linear ou não linear quando, respectivamente, ele
mantém ou modifica a forma original do sinal processado, além de promover o aumento de
amplitude do sinal. Na prática, todos os amplificadores são projetados para que possuam
uma faixa de trabalho onde eles se comportem como elementos lineares. Além dessa faixa, a
linearidade não será garantida e eles possivelmente apresentarão um comportamento não linear.
A modificação da forma original de um sinal é, genericamente, denominada de distorção.
O estudo de Sinais e Sistemas mostra que um sinal qualquer pode ser interpretado como uma
composição adequada de sinais básicos, denominados de componentes espectrais. O con-
junto das componentes espectrais de um determinado sinal é chamado de espectro do sinal.
Uma vez que as componentes espectrais são, de forma geral, funções complexas, a distorção do
sinal pode ser associada a modificações não apropriadas no módulo e/ou no argumento (ângulo
de fase) de suas componentes espectrais. Sendo um sistema fı́sico, o amplificador apresentará
um tempo de retardo entre a aplicação do sinal de entrada e a geração do sinal de saı́da.
Portanto, para que seja produzida na saı́da do amplificador uma composição de componentes
equivalente àquela apresentada na sua entrada, não ocorrendo distorção no sinal processado, o
amplificador deve aumentar de forma equalitária o módulo de todas as componentes espectrais
e acrescentar um ângulo de fase cujo valor dependerá do valor da freqüência de cada uma das
componentes.
O uso diferenciado dos termos amplificação, atenuação, ganho e perda, normalmente
gera muitas dúvidas em relação ao real significado destes termos nas diversas situações em que

3
4 Capı́tulo 2. Amplificação

os mesmos são encontrados. É comum que se utilize os termos Ganho e Atenuação para fazer
referência às funções definidas por

Saı́da
Ganho = G =
Entrada
e
Entrada
Atenuação = A = .
Saı́da
Normalmente, a função Ganho é mais utilizada no estudo de amplificadores, enquanto a
função Atenuação é mais empregada no estudo de filtros. Seja qual for a forma utilizada,
G > 1 e A < 1 representam uma amplificação ou um ganho. Por outro lado, G < 1 e A > 1
representam uma atenuação ou uma perda.

2.3 Amplificador linear ideal


Um amplificador linear ideal é um sistema como aquele da Figura 2.1, definido por

x2 (t) = K x1 (t) , (2.1)


onde a constante K é o fator de amplificação do sistema.

x 2 (t) = K x 1 (t)

K
x 1 (t) K x 2 (t)
0 x 1 (t)

Figura 2.1: Sistema amplificador linear ideal.

No caso de sistemas elétricos, os sinais x1 (t) e x2 (t) podem assumir as formas de tensões e
correntes. Assim, a Equação (2.1) pode ser reescrita como

v2 (t) = Avv v1 (t) = µ v1 (t) , (2.2)

v2 (t) = Aiv i1 (t) = r i1 (t) , (2.3)

i2 (t) = Avi v1 (t) = gm v1 (t) (2.4)


e

i2 (t) = Aii i1 (t) = β i1 (t) . (2.5)


As Equações (2.2) – (2.5) definem modelos lineares ideais para, respectivamente, um am-
plificador de tensão, um amplificador de tranresistência, um amplificador de transcondutância
e um amplificador de corrente. A Figura 2.2 ilustra tais modelos.

A.S.V.
2.4. Amplificador linear real 5

+ + +
+ +
v1(t) - v2(t) i 1(t) - v2(t)

- µ v1(t) - r i 1(t) -

(a) Amplificador de tensão. (b) Amplificador de tranresistência.

v1(t) i 2(t) i 1(t) i 2(t)

- g m v1(t) β i 1(t)

(c) Amplificador de transcondutância. (d) Amplificador de corrente.

Figura 2.2: Modelos lineares ideais.

2.4 Amplificador linear real


Na modelagem do funcionamento de amplificadores lineares reais, deve-se levar em conta alguns
efeitos de ordem prática, tais como: conservação de energia, saturação, faixa dinâmica, ganho
dependente da freqüência e impedâncias de entrada e de saı́da. Cada um deles é discutido a
seguir.

2.4.1 Conservação de energia


A Figura 2.3 ilustra a conexão de um amplificador com uma fonte de sinal e uma carga.
Levando-se em consideração o Princı́pio da Conservação da Energia, duas situações são possı́veis.
Primeiro, se o bloco Amplificador for um circuito passivo, a potência de saı́da (p2 (t) = v2 (t)i2 (t))
deverá ser menor ou igual à potência de entrada (p1 (t) = v1 (t)i1 (t)). Logo, se houver ampli-
ficação de tensão, deverá ocorrer uma atenuação correspondente de corrente, e vice-versa. Este
é o caso, por exemplo, de transformadores e circuitos multiplicadores de tensão a diodos.

v1 , i 1 v2 , i 2
Fonte de sinal Amplificador Carga

Figura 2.3: Conexão de amplificador genérico com fonte de sinal e carga.

Por outro lado, nos casos em que se necessita da amplificação de uma deteminada grandeza
concomitantemente com o aumento de potência, o bloco Amplificador deve ser um circuito
ativo. Nesses casos, a Figura 2.4 ilustra melhor o funcionamento do sistema, destacando a

TET / UFF
6 Capı́tulo 2. Amplificação

fonte de alimentação, a qual possibilita a amplificação do sinal com aumento de potência.


A Figura 2.4 possibilita ainda que o bloco Amplificador seja interpretado como um simples
elemento de controle. Nesse sentido, pode-se pensar que quem fornece a energia para a carga é
a Fonte de Alimentação (Power Supply), enquanto o sinal de entrada serve de sinal de referência
para indicar a forma do sinal de saı́da. A função do Amplificador é, portanto, controlar a forma
como a energia da Fonte de Alimentação é passada para a carga.

Fonte de Alimenta ,c~


ao

V PS , I PS

v1 , i 1 v2 , i 2
Fonte de Sinal Amplificador Carga

Figura 2.4: Conexão de amplificador ativo com fonte de sinal e carga.

Quando um amplificador é projetado para trabalhar com uma tensão de alimentação cons-
tante VP S , qualquer que seja a corrente iP S (t) exigida, diz-se que ele é polarizado em tensão.
Por outro lado, quando a corrente de alimentação IP S é constante, qualquer que seja a tensão
vP S (t) exigida, diz-se que ele é polarizado em corrente.

2.4.2 Saturação
O arranjo mostrado na Figura 2.4 sugere a existência de uma outra limitação. Para o ampli-
ficador ideal da Figura 2.1, não há limites para os valores dos sinais de entrada e de saı́da.
Porém, no amplificador real da Figura 2.4 os valores dos sinais de saı́da são limitados pelos
valores máximos que a fonte de alimentação pode fornecer. Assim, naturalmente ocorrerá uma
saturação no gráfico Saı́da × Entrada, conforme ilustrado na Figura 2.5.

x2
X PS
X2
SAT
X2
MAX

X1
MIN

0 X1 x1
MAX

X2
MIN
-X 2
SAT
-X PS

N~
ao linear Linear N~
ao linear

Figura 2.5: Gráfico de saturação do sinal de saı́da em um amplificador real.

A.S.V.
2.4. Amplificador linear real 7

Da Figura 2.5, pode-se definir uma região de operação linear, definida entre os pontos
(X1M IN , X2M IN ) e (X1M AX , X2M AX ). Para valores abaixo do ponto (X1M IN , X2M IN ) e acima do
ponto (X1M AX , X2M AX ) a curva ilustra um comportamento não linear, onde ocorrem saturações
nos valores do sinal de saı́da. Cabe ressaltar que, devido a perdas dentro do amplificador,
o valor máximo do sinal de saı́da deverá ser menor que o valor da fonte de alimentação, em
módulo.

2.4.3 Faixa dinâmica


Como conseqüência da saturação, pode-se definir o termo faixa dinâmica (dynamic range)
como a faixa de valores de sinal que mantêm o amplificador operando na região linear. Portanto,
em relação à Figura 2.5, pode-se dizer que a faixa dinâmica dos sinais de entrada e de saı́da
são, respectivamente, x1 = [X1M IN ; X1M AX ] e x2 = [X2M IN ; X2M AX ].
A faixa dinâmica do sinal de entrada pode ainda ser afetada por outro fator limitante,
não tão óbvio. Devido à construção do amplificador, quando o sinal de entrada ultrapassa
determinados valores máximos ou mı́nimos, o estágio de entrada do amplificador pode deixar
de operar corretamente ou mesmo ser danificado. Porém, na maioria dos amplificadores, tais
valores são maiores, em módulo, do que os valores necessários para saturar o sinal de saı́da,
representando uma limitação secundária ou, principalmente, de segurança.

2.4.4 Ganho dependente da freqüência


Aplicando-se a Transformada de Laplace à Equação (2.1), que define a operação de um ampli-
ficador linear ideal, obtém-se

X2 (s) = K X1 (s) ,

de onde se pode obter tanto a sua Função de Transferência como a sua Resposta em Freqüência,
dadas por

X2 (s)
H(s) = =K
X1 (s) CI=0
e

|K| ej(0)

, K>0
H(jω) = H(s)|s=jω = K = ◦ . (2.6)
|K| ej(±180 ) , K<0
Os gráficos de módulo e de (ângulo de) fase da Resposta em Freqüência descrita pela
Equação (2.6) são mostrados na Figura 2.6.
Um outro modelo ideal, agora considerando um atraso na geração do sinal de saı́da do
amplificador, é definido por

x2 (t) = K x1 (t − TD ) , (2.7)
onde TD é denominado retardo ou atraso ou tempo de propagação (delay).
Neste caso, aplicando-se a Transformada de Laplace em (2.7), obtém-se

X2 (s) = K X1 (s) e−TD s ,

de onde se obtém tanto a sua Função de Transferência como a sua Resposta em Freqüência,
definidas por

TET / UFF
8 Capı́tulo 2. Amplificação


X2 (s)
H(s) = = Ke−TD s
X1 (s) CI=0

|K| ej(−TD ω)

j(−TD ω) , K>0
H(jω) = H(s)|s=jω = Ke = j(−TD ω±180◦ . (2.8)
|K| e ) , K<0

Os gráficos de módulo e de (ângulo de) fase da Resposta em Freqüência descrita pela


Equação (2.8) são mostrados na Figura 2.7.

H( j ω) H( j ω)

K 180 o

0 ω
0 ω
- 180 o

Figura 2.6: Gráfico da Resposta em Freqüência de um amplificador linear ideal com tempo de
propagação nulo.

H( j ω) H( j ω)

K -T D

0 ω
0 ω

Figura 2.7: Gráfico da Resposta em Freqüência de um amplificador linear ideal com tempo de
propagação não nulo.

Devido às limitações impostas pelos sistemas fı́sicos, não é possı́vel construir um sistema
de amplificação que possua Resposta em Freqüência com faixa plana infinita. Define-se, por-
tanto, como largura de faixa ou largura de banda (bandwidth) do sistema como a faixa
de freqüência onde o mesmo apresenta uma resposta aproximadamente plana. Isto claramente
indica que um amplificador real sempre provocará algum nı́vel de distorção, devido a sua Res-
posta em Freqüência não ideal. Por outro lado, as componentes de alta freqüência de sinais
fı́sicos apresentam, normalmente, um peso menor na sua composição. Dessa forma, mesmo com
uma largura de faixa limitada, é possı́vel construir amplificadores com baixo nı́vel de distorção.

A.S.V.
2.4. Amplificador linear real 9

2.4.5 Impedâncias de entrada e de saı́da


Os modelos lineares ideais, representados na Figura 2.2 por quadripólos extremamente simplifi-
cados, claramente não são suficientes para aproximar o comportamento de amplificadores reais.
O mais indicado é que se utilize modelos de quadripólos completos, como aqueles apresentados
na Figura 2.8.

I1 I2 I1 I2
+ + + g 11 +
z 11 z 22 g 22
V1 V2 V1 V2
z 12 I 2 z 21 I 1 g 12 I 2 g 21 V1
- - - -

(a) Amplificador de tensão. (b) Amplificador de tranresistência.

I1 I2 I1 I2
+ h 22 + + y y +
h 11 11 22

V1 V2 V1 V2
h 12 V2 h 21 I 1 y V2 y V
- - - 12 21 1 -

(c) Amplificador de transcondutância. (d) Amplificador de corrente.

Figura 2.8: Modelos de quadripólos completos.

Porém, ao se projetar um amplificador, deseja-se que os sinais presentes na sua saı́da não
exerçam influência sobre a sua entrada. Dito de outra forma, um amplificador bem projetado
deve possuir um ganho reverso desprezı́vel (z12 = g12 = h12 = y12 ≈ 0). Logo, para se
representar amplificadores reais, pode-se utilizar os modelos simplificados da Figura 2.9, onde
deve-se considerar que todos os parâmetros são dependentes da freqüência complexa s = σ +jω.

TET / UFF
10 Capı́tulo 2. Amplificação

I1 I2 I1 I2
+ z 11 z 22 + + g 11 g 22 +
V1 V2 V1 V2
z 21 I 1 g 21 V1
- - - -

(a) Amplificador de tensão. (b) Amplificador de tranresistência.

I1 I2 I1 I2
+ h 22 + + y11 y22 +
h 11
V1 V2 V1 V2
h 21 I 1 y12 y21 V1
- - - -

(c) Amplificador de transcondutância. (d) Amplificador de corrente.

Figura 2.9: Modelos de quadripólos para amplificadores lineares reais.

A.S.V.
2.5. Perdas em acoplamentos 11

2.5 Perdas em acoplamentos


Independentemente do tipo de variável que carrega a informação a ser processada, as conexões
entre os sistemas que processam tais variáveis devem ser realizadas de tal forma a minimizar as
perdas. A seguir, são analisados acoplamentos entre circuitos, onde a informação é codificada
na forma de tensão, corrente e potência. Em todos os casos, as impedâncias de entrada e de
saı́da são consideradas como resistências puras.

2.5.1 Acoplamento de tensão


A Figura 2.10 ilustra um acoplamento de tensão entre dois circuitos. O desejado é que o sinal
v1 (t), gerado por um circuito, seja completamente fornecido ao circuito seguinte, de tal forma
que v2 (t) = v1 (t). Porém, devido às perdas no estágio de saı́da, aqui modeladas pelo resistor
R1 , o que se obtém é
 
R2
v2 (t) = v1 (t) . (2.9)
R1 + R2
Para que a perda definida em (2.9) seja minimizada, obtendo-se v2 (t) ≈ v1 (t), deve-se
garantir a seguinte relação entre as resistências de entrada e de saı́da

R2 >> R1 . (2.10)

R1
v1(t) v2(t) R2

Figura 2.10: Acoplamento de tensão com perdas.

2.5.2 Acoplamento de corrente


A Figura 2.11 ilustra um acoplamento de corrente entre dois circuitos. O desejado é que o sinal
i1 (t), gerado por um circuito, seja completamente fornecido ao circuito seguinte, de tal forma
que −i2 (t) = i1 (t). Porém, devido às perdas no estágio de saı́da, aqui modeladas pelo resistor
R1 , o que se obtém é
 
R1
−i2 (t) = i1 (t) . (2.11)
R1 + R2
Para que a perda definida em (2.11) seja minimizada, obtendo-se −i2 (t) ≈ i1 (t), deve-se
garantir a seguinte relação entre as resistências de entrada e de saı́da

R1 >> R2 . (2.12)

TET / UFF
12 Capı́tulo 2. Amplificação

i 2(t)

i 1(t) R1 R2

Figura 2.11: Acoplamento de corrente com perdas.

2.5.3 Acoplamento de potência


A Figura 2.12 ilustra um acoplamento de potência entre dois circuitos. O desejado é que o sinal
p1 (t), gerado por um circuito, seja completamente fornecido ao circuito seguinte, de tal forma
que p2 (t) = p1 (t). Porém, devido às perdas no estágio de saı́da, aqui modeladas pelo resistor
R1 , o que se obtém é

v12 (t)
p2 (t) = R2 i22 (t) = R2 . (2.13)
(R1 + R2 )2
A fim de obter a máxima transferência de potência, pode-se fixar o circuito gerador e estudar
a variação de p2 (t) em função da variação de R2 , a qual pode ser calculada por

v1 (t) (R1 + R2 )2 − [R2 v12 (t)2 (R1 + R2 )]


 2 
∂p2 (t)
= . (2.14)
∂R2 (R1 + R2 )4
∂p2 (t)
Os valores que produzem p2M AX podem ser encontrados fazendo-se ∂R2
= 0, o que conduz
ao seguinte resultado

∂p2 (t)
= 0
∂R2
v1 (t) (R1 + R2 )2 − R2 v12 (t)2 (R1 + R2 ) = 0
 2   

v12 (R1 + R2 )2 = R2 v12 (t)2 (R1 + R2 )


(R1 + R2 ) = 2R2
R1 = R2 . (2.15)

Substituindo-se (2.15) em (2.13), obtém-se a potência máxima transferida, que é dada por

v12 (t)
p2M AX (t) = . (2.16)
4R2

A.S.V.
2.5. Perdas em acoplamentos 13

i 2(t)
i 1(t)
R1
v1(t) v2(t) R2

p1(t) = v1(t) i 1(t) p2(t) = v2(t) i 2(t)

Figura 2.12: Acoplamento de potência com perdas.

TET / UFF
14 Capı́tulo 2. Amplificação

2.6 Tensão diferencial e tensão de modo comum


Em sistemas que possuem duas entradas, é comumente útil representá-las em função de duas
outras grandezas. Matematicamente, a idéia é definir os pontos x1 e x2 , da Figura 2.13, através
do seu valor médio xM e da sua diferença xd , os quais são calculados, respectivamente, por

(x1 + x2 )
xM = (2.17)
2
e

xd = (x2 − x1 ) . (2.18)
Utilizando-se (2.17) e (2.18), os pontos x1 e x2 passam a ser definidos por
xd
x1 = xM − (2.19)
2
e
xd
x2 = xM + . (2.20)
2

xd

x1 xM x2

xd xd
2 2

Figura 2.13: Cálculo de dois pontos em função da média e da diferença.

A Figura 2.14 mostra um circuito com entrada diferencial, cuja saı́da v3 é função de dois
sinais de tensão de entrada v1 e v2 .

v3 = f ( v1 , v2)

v2 v1

Figura 2.14: Circuito com entrada diferencial, submetido a duas tensões independentes.

A.S.V.
2.7. Referências 15

Utilizando-se da idéia apresentada acima, pode-se empregar dois novos sinais de tensão, os
quais são denominados de tensão de modo comum vCM e tensão diferencial vd , definidos por

(v1 + v2 )
vCM = (2.21)
2
e

vd = (v2 − v1 ) . (2.22)
A partir de (2.21) e (2.22), os sinais v1 e v2 passam a ser definidos por
vd
v1 = vCM − (2.23)
2
e
vd
v2 = vCM + . (2.24)
2

v3 = f ( v1 , v2)

= f ( vCM , vd)

vd vd
2 2

vCM

Figura 2.15: Circuito com entrada diferencial, submetido às tensões diferencial e de modo
comum.

2.7 Referências
Os tópicos abordados neste capı́tulo podem ser encontrados, com mais detalhes, em [1], [2], [3],
[4], [5], [6], [10] e [11].

TET / UFF
16 Capı́tulo 2. Amplificação

A.S.V.
Capı́tulo 3

Amplificadores Operacionais

3.1 Introdução
O objetivo deste capı́tulo é introduzir o Amplificador Operacional (OpAmp), apresentando
algumas definições básicas. Inicialmente, são apresentados diversos sı́mbolos comumente usados
para representar os OpAmps. Em seguida, as equações gerais de um OpAmp são definidas.

3.2 Simbologia
A Figura 3.1 apresenta um sı́mbolo genérico para um OpAmp com saı́da simples. Deste sı́mbolo
constam: i) os pinos de entrada (v+ e v− ), ii) os pinos de alimentação (VP S+ e VP S− ) e iii) o
pino de saı́da (vo ). Intrinsicamente, é ainda considerado um pino para referência de tensão, a
partir do qual são medidas as tensões em todos os outros pinos.

V PS+

v- -
vo
v+ +

V PS-

Figura 3.1: Sı́mbolo genérico para um OpAmp.

A Figura 3.2 ilustra uma equivalência entre sı́mbolos utilizados para representar um OpAmp
alimentado. O objetivo é simplificar a representação gráfica dos circuitos.
Em algumas situações de projeto, necessita-se de amplificadores com saı́da balanceada, os
quais apresentam duas saı́das (vo+ e vo− ) com inversão de fase (vo− = −vo+ ). O sı́mbolo para
tal tipo de OpAmp é apresentado na Figura 3.3.
Em circuitos onde se empregam vários OpAmps com entrada aterrada, é comum que se
utilize a equivalência de sı́mbolos da Figura 3.4, a fim de simplificar o desenho dos circuitos.
Porém, deve-se tomar o cuidado de não confundir este sı́mbolo simplificado com o sı́mbolo de
um amplificador genérico mostrado na Figura 3.5. Neste último, as variáveis de entrada e de
saı́da (x e y) podem representar, indiferentemente, tensões e/ou correntes.

17
18 Capı́tulo 3. Amplificadores Operacionais

V PS+

v- - v- - v- -
vo vo vo
v+ + v+ + v+ +

V PS-

Figura 3.2: Equivalência entre sı́mbolos para um OpAmp alimentado.

v- v o+ v- v o+
- -

v+ + v o- v+ + v o-

Figura 3.3: Sı́mbolo para um OpAmp com saı́da balanceada.

+ -
v- vo
v- +
+
- vo
-

Figura 3.4: Sı́mbolo simplificado para um OpAmp com entrada aterrada.

x K y=Kx

Figura 3.5: Sı́mbolo para um amplificador genérico.

A.S.V.
3.3. Equações gerais 19

3.3 Equações gerais


Dado o OpAmp da Figura 3.6, pode-se definir as equações
X
ik = i+ + i− + iP S+ + iP S− + io = 0 (3.1)
k
e

vo = f (v+ , v− , VP S+ , VP S− ) = g(vd , xCM , VP S+ , VP S− ) , (3.2)


onde vd e vCM são, respectivamente, as tensões diferencial e de modo comum associadas às
tensões v+ e v− , as quais são calculadas por

vd = (v+ − v− ) (3.3)
e

(v+ + v− )
vCM = . (3.4)
2

V PS+

i PS+
i-
v- -
vo
v+ +
io
i+
i PS-

V PS-

Figura 3.6: Tensões e correntes de um OpAmp.

A Equação (3.2) define o OpAmp como uma fonte de tensão controlada por tensão ou como
um amplificador de tensão. Ela ilustra a dependência que o sinal de saı́da (vo ) apresenta em
relação aos sinais de entrada (v+ e v− ou vd e vCM ), assim como a inevitável saturação que
poderá ocorrer devido aos valores limitantes das fontes de alimentação (V P S+ e VP S− ).
Como caracterı́stica de projeto, um OpAmp deve apresentar, na sua região linear de operação,
baixo ganho para os sinais de entrada em modo comum (vCM ) e elevado ganho para os sinais
de entrada em modo diferencial (vd ).
Cabe ainda ressaltar que um circuito interno de polarização converte as tensões de ali-
mentação em correntes constantes, as quais são distribuı́das a todo o circuito do OpAmp, con-
trolando o seu funcionamento. Assim, pode-se dizer que o OpAmp é externamente polarizado
em tensão, mas internamente polarizado em corrente. Essa técnica possibilita que diferentes
valores, dentro de uma faixa permitida, possam ser utilizados nas fontes de alimentação.

3.4 Referências
Os tópicos abordados neste capı́tulo podem ser encontrados, com mais detalhes, em [1], [2], [3],
[4], [5] e [6].

TET / UFF
20 Capı́tulo 3. Amplificadores Operacionais

A.S.V.
Capı́tulo 4

Modelo ideal

4.1 Introdução
O objetivo deste capı́tulo é elaborar um modelo ideal para um OpAmp genérico. Inicialmente,
são apresentados comentários gerais sobre modelos. Em seguida, baseado em caracterı́sticas de
operação de um OpAmp genérico, é definido um modelo ideal.

4.2 Elaboração de um modelo


Pode-se definir modelo como uma descrição ou uma representação de algo real. Nesse sentido,
quanto mais simples ou mais completo for o modelo adotado, mais distante ou mais próximo
será tal descrição da realidade modelada, respectivamente. Dito de outra forma, quanto mais
rico em detalhes for o modelo adotado, mais representativo ele será da realidade em questão.
Um aspecto importante e bastante óbvio, porém muitas vezes esquecido, é que um modelo,
por mais detalhado que seja, jamais será a expressão fiel da realidade. Em última análise, por
mais preciso que seja, um modelo sempre será uma aproximação de algo real.
Deve ser ressaltado também que, justamente por ser o modelo uma aproximação de algo
real, a representatividade de um modelo é absolutamente relativa. Dependendo da informação
que se procura obter através da modelagem, um mesmo modelo pode ser considerado, em
uma situação, demasiadamente simples e, em outras, extremamente complexo. No primeiro
caso, apesar de se conseguir uma efetiva facilidade de manipulação, o uso do modelo não
conduz à obtenção da informação desejada. No segundo caso, informações não relevantes são
obtidas e a manipulação do modelo é dificultada. Resumindo, não se pode falar de um modelo
absolutamente bom ou absolutamente ruim.
No processo de modelagem, é comum que se comece com a construção de um modelo que seja
o mais simples possı́vel. Em seguida, e à medida que se torne necessário, novas caracterı́sticas
vão sendo incorporadas a este modelo básico. Quase sempre, o modelo básico é um modelo
ideal.

4.3 Modelo ideal para um OpAmp genérico


Uma vez que um OpAmp deve ser projetado para se comportar como um amplificador de tensão
com entrada diferencial, o modelo ideal mais adequado para descrever seu funcionamento é o
de uma fonte de tensão controlada por tensão ideal, reapresentada na Figura 4.1.

21
22 Capı́tulo 4. Modelo ideal

+ +
+
v1(t) - v2(t)

- µ v1(t) -

Figura 4.1: Fonte de tensão controlada por tensão ideal.

Esse modelo apresenta: i) impedância de entrada infinita (Zi → ∞), ii) ganho reverso nulo
(Ar → 0), iii) impedância de saı́da nula (Zo → 0) e iv) ganho direto puramente diferencial
(Af = ACM + Ad ≈ Ad ).
Com base no modelo ideal, pode-se assumir que i+ = i− = 0 A, redefinindo-se a Equação (3.2)
como

−io ≈ iP S+ + iP S− . (4.1)
A Equação (4.1) indica que a corrente de saı́da (io ) é completamente definida pelo circuito
externo ao OpAmp. Assim, na prática, é necessário que as fontes de alimentação sejam capazes
de fornecê-la e que o OpAmp possa suportá-la sem ser danificado.
Além disso, considerando-se o ganho direto como sendo puramente diferencial, a tensão de
saı́da pode ser aproximada por

vo ≈ f ((v+ − v− ), VP S+ , VP S− ) = f (vd , VP S+ , VP S− ) . (4.2)


Um gráfico que ilustra tal comportamento é apresentado na Figura 4.2.

v2
V PS
V2
SAT
V2
MAX
V1
MIN

0 V1 v1
MAX
V2
MIN
-V 2
SAT
-V PS

N~
ao linear Linear N~
ao linear

Figura 4.2: Curva caracterı́stica de um OpAmp genérico.

Baseado na Figura 4.2, pode-se definir um modelo para cada região de operação de um
OpAmp: região linear, região de saturação positiva e região de saturação negativa.

A.S.V.
4.3. Modelo ideal para um OpAmp genérico 23

Para as regiões de saturação positiva e negativa, respectivamente, os modelos são mostrados


nas Figuras 4.3 e 4.4, e a saı́da do OpAmp é dada por

Vo (s) = VSAT+ (4.3)


e

Vo (s) = VSAT− . (4.4)

v- vo

v- -
vo V d (s)
v+ + V SAT+
+
v+

Figura 4.3: Modelo ideal para um OpAmp na região de saturação positiva.

v- vo

v- -
vo V d (s)
v+ + V SAT-
+
v+

Figura 4.4: Modelo ideal para um OpAmp na região de saturação negativa.

Na região linear, o OpAmp pode ser modelado conforme a Figura 4.5 e equacionado no
domı́nio da freqüência por

Vo (s) = Ad (s) Vd (s) . (4.5)

v- vo

v- -
vo +
V d (s)
v+ +
A d (s) V d (s)
+
v+

Figura 4.5: Modelo ideal para um OpAmp na região linear.

TET / UFF
24 Capı́tulo 4. Modelo ideal

Ainda como caracterı́stica de projeto, um OpAmp deve apresentar um ganho diferencial


elevado para sinais constantes. Por isso, para a região linear do modelo ideal, pode-se adotar
as seguintes equações

Ad (s) = A0 → ∞ , (4.6)

VP S− < vo < VP S+ (4.7)


e
vo
vd = (v+ − v− ) = →0. (4.8)
A0
A Equação (4.8) indica que, para manter o OpAmp na sua região linear, é necessária uma
tensão diferencial de entrada com valor extremamente pequeno.
Uma outra forma de interpretar a Equação (4.8) é pensar que, se o OpAmp for mantido
na sua região linear, a tensão entre seus terminais de entrada será, aproximadamente, nula e
independente das correntes de entrada. Isto define a ocorrência de um curto-circuito virtual
entre seus terminais de entrada. Esta caracterı́stica de operação é largamente utilizada para
simplificar a análise de circuitos com OpAmps realimentados negativamente.
Como conseqüência das Equações (4.6) – (4.8), a Figura 4.6 ilustra a curva caracterı́stica
de um OpAmp ideal. Deve-se notar que, devido ao elevado ganho do OpAmp na região linear,
esta é aproximada por uma descontinuidade entre as regiões de saturação.

v2
V PS

V2
SAT

0 v1

-V 2
SAT

-V PS

Figura 4.6: Curva caracterı́stica de um modelo ideal para um OpAmp genérico.

Não se deve esquecer que, ao se definir o ganho para a região linear do modelo ideal,
aproximou-se o ganho diferencial (Ad (s)) pelo valor do ganho para sinais constantes (A0 ). Isto
imprime, ao modelo, uma resposta em freqüência plana e com valor elevado, o que está em
desacordo com o funcionamento de um OpAmp real. Ainda assim, tal modelo se apresenta
como uma boa aproximação em baixas freqüências, para muitos circuitos e diferentes OpAmps.

4.4 Referências
Os tópicos abordados neste capı́tulo podem ser encontrados, com mais detalhes, em [1], [2], [3],
[4], [5] e [6].

A.S.V.
Capı́tulo 5

Realimentação

5.1 Introdução
Normalmente, em textos de Teoria de Circuitos, de Eletrônica ou mesmo de Amplificação,
a realimentação é tratada meramente como um tópico. Porém, em vista das definições que
podem ser elaboradas, do formalismo matemático que pode ser desenvolvido e dos resultados
que podem ser obtidos, pode-se falar em uma Teoria da Realimentação, conforme é abordada
em alguns textos de Teoria de Controle e Teoria de Sistemas. Assim sendo, as próximas seções
discutem alguns tópicos relativos à Teoria da Realimentação, bem como sua aplicação a sistemas
e a circuitos.

5.2 Definições
Um determinado fluxo é dito em malha aberta se o mesmo ocorre em um único sentido. Isso
é exemplificado através do Diagrama de Blocos da Figura 5.1 e do Diagrama (ou Grafo) de
Fluxo de Sinal (Signal-Flow Graph – SFG) da Figura 5.2.
x1 x2 x3 x4
F 21 F 32 F 43

Figura 5.1: Diagrama de blocos de um fluxo em malha aberta.

x1 x2 x3 x4
✁ ✂✄ ☎ ☎

✆ ✆ ✝✞

F 21 F 32 F 43

Figura 5.2: Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo em malha aberta.

Das Figuras 5.1 e 5.2, pode-se estabelecer as seguintes relações funcionais

x4 = F43 x3 ,

x3 = F32 x2 ,

25
26 Capı́tulo 5. Realimentação

x2 = F21 x1 ,

onde Fji são relações funcionais de causa e efeito ou de entrada e saı́da, as quais relacionam as
variáveis de causa ou de entrada xi com as variáveis de efeito ou de saı́da xj .
Diz-se que ocorre uma alimentação direta (feedforward) quando, a partir de uma mesma
variável, originam-se fluxos paralelos, com o mesmo sentido do fluxo geral, conforme ilustrado
nas Figuras 5.3 e 5.4.
x1 x2 x3 x5 x6
F 21 F 32 Σ F 65

x4
F 42

Figura 5.3: Diagrama de blocos de um fluxo em malha aberta com feedforward.

x3
F 32 ✟✠

1
x1 x2 x5 x6
✁ ✂✄ ☎✆ ✝✞

F 21 ✡☛
F 65
F 42 1
x4

Figura 5.4: Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo em malha aberta com feedforward.

Uma realimentação ou retroalimentação (feedback) é caracterizada pela existência de um


fluxo de sentido contrário ao do fluxo geral. As Figuras 5.5 e 5.6 mostram a ocorrência de uma
realimentação. Em tais figuras, o sinal negativo utilizado na realimentação tem por objetivo
deixar a estrutura na forma comumente encontrada em Teoria de Sistemas e Teoria de Circuitos.
x1 x2 x3 x4 x5 x7
F 21 Σ F 43 F 54 F 75

x6
F 65

Figura 5.5: Diagrama de blocos de um fluxo contendo realimentação.

A.S.V.
5.2. Definições 27

x1 x2 x3 x4 x5 x7
✡☛ ☞✌ ✝✞ ✁ ✂ ✂✄ ☎✆

F 21 1 F 43 F 54 F 75
−1
✟✠

x6 F 65

Figura 5.6: Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo contendo realimentação.

Das Figuras 5.5 e 5.6, pode-se estabelecer as seguintes relações funcionais

x2 = F21 x1 ,

x3 = x2 − x6 ,

x6 = F65 x5 ,

x5 = F54 x4 ,

x4 = F43 x3 ,

x7 = F75 x5 ,

das quais pode-se deduzir que


F54 F43
x5 = x2 = F52 x2 , (5.1)
1 + F54 F43 F65
onde
F54 F43
F52 = . (5.2)
1 + F54 F43 F65
Das Figuras 5.5 e 5.6, pode-se definir ainda duas outras importantes relações, que são

Frr = F54 F43 F65 (5.3)


e

Frd = 1 + Frr = 1 + F54 F43 F65 ,

onde:
Frr → razão de retorno ou return ratio.

Frd → diferença de retorno ou return difference.

TET / UFF
28 Capı́tulo 5. Realimentação

5.3 Existência de realimentação


Das Figuras 5.5 e 5.6, pode-se interpretar realimentação como uma seqüência fechada (mesma
variável de inı́cio e de fim) de relações funcionais de causa e efeito envolvendo determinadas
variáveis do fluxo. Baseado nisso, pode-se argumentar que a presença ou a ausência de reali-
mentação dentro de um determinado fluxo é uma questão de ponto de vista, dependendo apenas
de como o fluxo em questão é formulado. Isso pode ser visualizado ao se remodelar o fluxo das
Figuras 5.5 e 5.6 no fluxo das Figuras 5.7 e 5.8, com o auxı́lio da Equações (5.1) e (5.2).
x1 x2 x5 x7
F 21 F 52 F 75

Figura 5.7: Diagrama de blocos de um fluxo sem realimentação.

x1 x2 x5 x7
✁ ✂✄ ☎✆ ✝✞

F 21 F 52 F 75

Figura 5.8: Diagrama de fluxo de sinais de um fluxo sem realimentação.

5.4 Tipos de realimentação


Dependendo de como o fluxo realimentado é recombinado com o fluxo direto, a realimentação
pode ser definida como positiva ou negativa. Se o fluxo realimentado colabora para o aumento
do valor, em módulo, da variável que lhe deu origem, a realimentação é positiva. Caso contrário,
se ele provoca a sua diminuição, a realimentação é negativa.
Deve ser ressaltado que a estrutura do fluxo, isoladamente, não é capaz de definir o tipo
de realimentação. Por exemplo, a realimentação presente nas Figuras 5.5 e 5.6 só poderá ser
classificada como negativa quando sua razão de retorno, definida em (5.3), for positiva.

5.5 Importância da realimentação


Os fluxos em malha aberta, exemplificados nas Figuras 5.1–5.4, possuem um sério problema:
caso as suas relações funcionais não apresentem os valores originalmente especificados, as
variáveis do fluxo sofrerão mudanças indesejadas. Uma solução para tal problema é constan-
temente supervisionar as variáveis do fluxo e, caso elas apresentem valores não esperados,
realizar as correções necessárias. Observando-se as Figuras 5.5 e 5.6 pode-se constatar que a
realimentação implementa tanto a supervisão quando a autocorreção do fluxo. Dessa forma,
pode-se dizer que a realimentação possui uma ação regulatória sobre o fluxo, objetivando ajustar
suas caracterı́sticas ou minimizar efeitos indesejados que se venham manifestar.

5.6 Sistemas em malha aberta


A Figura 5.9 mostra a estrutura geral de um sistema em malha aberta. Dessa figura constam:
i) uma Fonte, que gera um sinal de referência xr , ii) a Planta, ou sistema a ser controlado, de

A.S.V.
5.6. Sistemas em malha aberta 29

onde pode-se medir o sinal controlado xc e iii) uma Carga, que recebe o sinal controlado.
xr xc
Fonte Planta Carga

Figura 5.9: Estrutura geral de um sistema em malha aberta.

Freqüentemente, ocorre a situação onde a Planta não possui as caracterı́sticas adequadas


para que se cumpram determinadas especificações de projeto, as quais são necessárias ao fun-
cionamento desejado do sistema. Nesses casos, se não for possı́vel modificar a Planta, a solução
é adicionar novos elementos à estrutura, com a intenção de corrigir ou compensar determi-
nadas caracterı́sticas da Planta. Um elemento utilizado para esse propósito será denominado
de Controlador ou Compensador.
Há duas formas básicas de adição de novos elementos à estrutura: conexão série e conexão
paralela. Através de suas combinações, diversas estruturas podem ser obtidas.
As Figuras 5.10 e 5.11 mostram, respectivamente, a estrutura geral de um sistema em malha
aberta, com a inserção de Controlador em série e em paralelo. Dessas figuras constam: i) uma
Fonte, que gera um sinal de referência xr , ii) um Controlador, que gera um sinal de controle
ou de atuação xa , iii) a Planta, ou sistema a ser controlado, de onde pode-se medir o sinal
controlado xc e iv) uma Carga, que recebe o sinal controlado.
xr xa xc
Fonte Controlador Planta Carga

Figura 5.10: Estrutura de um sistema em malha aberta, com conexão de controlador em série.

,
xr xc xc
Fonte Planta Σ Carga

xa
Controlador

Figura 5.11: Estrutura de um sistema em malha aberta, com conexão de controlador em par-
alelo.

Na estrutura da Figura 5.11, um determinado sinal é fornecido, paralelamente, a um outro


ponto da estrutura, seguindo a mesma direção do fluxo de sinais entre o que se considera a
entrada e a saı́da do sistema. Quando isso ocorre, tal ligação é denominada de feedforward.
Dos sistemas das Figuras 5.10 e 5.11, pode-se construir as seguintes relações

xc = (P ) xa = (P C) xr (5.4)
e

x′c = ±xc ± xa == ± (P ) xr ± (C) xr = (±P ± C) xr , (5.5)


onde P e C são operadores que representam o funcionamento da Planta e do Controlador,
respectivamente.

TET / UFF
30 Capı́tulo 5. Realimentação

Apesar de sua simplicidade, sistemas em malha aberta apresentam uma nı́tida desvantagem.
Caso algum sinal indesejado, o qual receberá a denominação genérica de ruı́do, seja injetado ao
longo do sistema ou caso algum dos parâmetros do Controlador e/ou da Planta seja alterado,
o sinal controlado xc apresentará valores diferentes do esperado.
O problema fundamental de um sistema em malha aberta é o fato de não se implementar
mecanismos que possibilitem verificar e corrigir situações de erro.
Os sistemas com realimentação negativa tentam minimizar tais dificuldades, como será visto
a seguir.

5.7 Sistemas com realimentação negativa


Em algumas estruturas, um determinado sinal é fornecido paralelamente a um outro ponto da
estrutura, seguindo a direção contrária ao fluxo de sinais entre o que se considera a entrada
e a saı́da do sistema. Quando isso ocorre, tal ligação é denominada de realimentação ou
retroalimentação (feedback).
A Figura 5.12 mostra a estrutura geral de um sistema com realimentação negativa (negative
feedback). Dessa figura constam: i) uma Fonte, que gera um sinal de referência xr , ii) um
somador (ou subtrator), também denominado comparador ou misturador, que gera um sinal
de erro xe , iii) um Controlador, que gera um sinal de controle ou de atuação xa , iv) a Planta,
ou sistema a ser controlado, de onde pode-se medir o sinal controlado xc , v) uma Carga, que
recebe o sinal controlado e vi) uma realimentação, que gera um sinal realimentado xf .
xr xe xa xc
Fonte Σ Controlador Planta Carga

xf
,~
Realimentacao

Figura 5.12: Estrutura geral de um sistema com realimentação negativa.

Do sistema realimentado negativamente, pode-se escrever que

xc = (P ) xa
= (P C) xe
= (P C) (xr − xf )
= (P C) xr − (P C) xf
= (P C) xr − (P CF ) xc
 
PC
= xr . (5.6)
1 + P CF

Deve-se ressaltar que, para que a realimentação seja negativa na estrutura da Figura 5.12,
a seguinte relação necessita ser satisfeita

P CF > 0 .

A.S.V.
5.8. Posicionamento de pólos e zeros 31

Utilizando-se a Figura 5.12 e a Equação (5.6) pode-se demonstrar, qualitativamente, como a


realimentação negativa implementa um sistema de correção de erros. Supondo-se que haja um
aumento em xa , ocorrerá um aumento em xc , que acarretará um aumento em xf , que provocará
uma diminuição em xe , diminuindo xa . Por outro lado, se houver uma diminuição em xa , a
realimentação atuará de forma a aumentá-lo.
Em sistemas fı́sicos, qualquer dos blocos envolvidos necessitará de alguma quantidade de
tempo para que modificações produzidas na sua entrada provoquem alterações em sua saı́da.
Conseqüentemente, será necessário que uma determinada quantidade de tempo transcorra para
que o mecanismo de correção de erros do sistema realimentado negativamente atue de forma
correta. Essa quantidade de tempo é comumente denominada de tempo de acomodação ou
tempo de estabilização. Nesse sentido, pode-se dizer que o tempo de estabilização do sistema
realimentado negativamente é um fator limitante para a composição espectral dos sinais que
serão aplicados na entrada do sistema.

5.8 Posicionamento de pólos e zeros


Uma análise de posicionamento de pólos e zeros pode ser efetuada ao se considerar que os blocos
das Figuras 5.9 a 5.12 são sistemas fı́sicos, lineares e invariantes no tempo, cujas Funções de
Transferência são definidas pelas seguintes funções polinomiais racionais:

Xc (s) NP (s)
P (s) = = , (5.7)
Xa (s) CI=0 DP (s)


Xa (s) NC (s)
C(S) = = (5.8)
Xr (s) CI=0 DC (s)

e

Xf (s) NF (s)
F (s) = = , (5.9)
Xc (s) CI=0 DF (s)

onde CI = 0 significa condições iniciais iguais a zero.


Para o sistema em malha aberta da Figura 5.10, a transferência total é dada por

Xc (s) NP (s) NC (s) NH (s)
H(s) = = P (s)C(s) = = , (5.10)
Xr (s) CI=0
DP (s) DC (s) DH (s)
onde

NH (s) = NP (s)NC (s) (5.11)


e

DH (s) = DP (s)DC (s) . (5.12)


Para o sistema em malha aberta da Figura 5.11, a transferência total é dada por

Xc′ (s)

NP (s) NC (s)
H(s) = = ±P (s) ± C(s) = ± ±
Xr (s) CI=0
DP (s) DC (s)
±DC (s)NP (s) ± NC (s)DP (s) NH (s)
= = , (5.13)
DP (s)DC (s) DH (s)

TET / UFF
32 Capı́tulo 5. Realimentação

onde

NH (s) = ±DC (s)NP (s) ± NC (s)DP (s) (5.14)


e

DH (s) = DP (s)DC (s) . (5.15)


No caso do sistema realimentado negativamente, a transferência total é dada por

NP (s) NC (s)
Xc (s) P (s)C(s) DP (s) DC (s)
Hf (s) = = = NP (s) NC (s) NF (s)
Xr (s) CI=0 1 + P (s)C(s)F (s)

1+ DP (s) DC (s) DF (s)
DF (s)NP (s)NC (s) NHf (s)
= = , (5.16)
DP (s)DC (s)DF (s) + NP (s)NC (s)NF (s) DHf (s)
onde

NHf (s) = DF (s)NP (s)NC (s) (5.17)


e

DHf (s) = DP (s)DC (s)DF (s) + NP (s)NC (s)NF (s) . (5.18)


As Equações (5.10)–(5.18) mostram que é possı́vel modificar a configuração original de pólos
e zeros da Planta, utilizando-se os seguintes mecanismos: i) criação, através da inserção de
novas singularidades, ii) remoção, realizada por cancelamento pólo-zero, iii) reposicionamento,
promovido conjuntamente pelas operações de remoção por cancelamento e criação e iv) simples
reposicionamento das singularidades originais da Planta.

5.9 Amplificadores com realimentação negativa


Na representação de amplificadores com realimentação negativa, é comum que se aglutine os
blocos Comparador e Planta em um único bloco Amplificador, representando-se o sistema
realimentado conforme a Figura 5.13.

xr xe Amplificador xc
Σ
(A)

xf
,~
Realimentacao
(β)

Figura 5.13: Estrutura geral de um amplificador com realimentação negativa.

Assim, a relação descrita em (5.6) passa a ser escrita como


 
A
xc = xr = (Af ) xr , (5.19)
1 + Aβ

A.S.V.
5.10. Análise de circuitos usando realimentação negativa 33

onde:
A
Af = (5.20)
1 + Aβ
e
Aβ > 0 .
Os parâmetros envolvidos no sistema realimentado recebem as seguintes denominações:
A → ganho em malha aberta ou open-loop gain.
β → fator de realimentação ou feedback factor.
Aβ → ganho de malha ou loop gain.
(1 + Aβ) → quantidade de realimentação ou amount of feedback.
Af → ganho em malha fechada ou closed-loop gain.
Nos casos onde Aβ >> 1, a Equação 5.20 pode ser aproximada por
A 1
Af = ≈ . (5.21)
1 + Aβ β
A Equação (5.21) apresenta um resultado muito importante: uma vez que se escolha ade-
quadamente os valores dos ganhos do amplificador original e da realimentação (Aβ >> 1), esta
última pode controlar isoladamente o ganho do amplificador realimentado final.
Outro resultado muito útil pode ser encontrado na relação entre os sinais xr e xf , a qual é
dada por
 

xf = xr . (5.22)
1 + Aβ
Nos casos onde Aβ >> 1, a Equação (5.22) pode ser aproximada por
 

xf = xr ≈ xr . (5.23)
1 + Aβ
A Equação (5.23) mostra que, para Aβ >> 1, a realimentação negativa obriga que os
sinais xr e xf assumam, aproximadamente, o mesmo valor, ainda que não estejam diretamente
conectados. Essa é uma propriedade denominada de tracking, uma vez que o sinal xf tenta,
continuamente, igualar-se ao sinal xr . Em termos elétricos, considerando-se que os sinais xr
e xf sejam sinais de tensão, tal efeito é denominado curto-circuito virtual. Este resultado
é bastante útil na análise de cicuitos realimentados negativamente, uma vez que simplifica
enormente a quantidade de cálculos efetuados.

5.10 Análise de circuitos usando realimentação negativa


Dado o amplificador ilustrado na Figura 5.14, construı́do a partir de um OpAmp realimen-
tado negativamente, um exemplo de análise que emprega a teoria de realimentação negativa é
desenvolvido a seguir.
Inicialmente, o circuito original do amplificador pode ser redesenhado como na Figura 5.15,
a qual destaca a estrutura de um sistema realimentado negativamente.
Em seguida, empregando-se o modelo ideal para o OpAmp e considerando-se que o mesmo
está operando em sua região linear, bem como adotando-se um modelo com parâmetros z para
a malha de realimentação, a Figura 5.16 apresenta um modelo equivalente para o amplificador.

TET / UFF
34 Capı́tulo 5. Realimentação

+
+
V 1 (s) - +
- V 2 (s)
-

R2
R1

Figura 5.14: Amplificador utilizando OpAmp com realimentação negativa.

+ + +

V 1 (s) V e (s) - +
- -
V 2 (s)
-

R2

+
V f (s) R1
-

Figura 5.15: Desenho equivalente do amplificador, destacando a estrutura de um sistema real-


imentado negativamente.

+
+ + +
+
V 1 (s) V e (s) V d (s) V 2 (s)
- - A d (s) V d (s) -

I o(s) z o (s) z i (s) I i (s)

+
+ +
V f (s)
- z f (s) I i (s) z r (s) I o(s)

Figura 5.16: Modelo equivalente para o amplificador.

A.S.V.
5.11. Referências 35

A matriz Z da malha de realimentação é dada por


   
zi zr (R1 + R2 ) (R1 )
Z= = .
zf zo (R1 ) (R1 )
V2 (s)
Uma vez que Io (s) = 0A e Ii (s) = zi (s)
, pode-se adotar o modelo simplificado das Figu-
z (s)
ras 5.17 e 5.18, onde A(s) = Ad (s) e β(s) = zfi (s) . Dessa figuras, pode-se escrever que

V2 (s) A(s)
=
V1 (s) 1 + A(s)β(s)
Ad (s)
= h i
zf (s)
1 + Ad (s) zi (s)
 
zi (s) Ad (s)
= h i
zf (s) A (s) + zi (s)
d zf (s)
 
zi (s) 1
= h i
zf (s) 1 + zi (s) 1
zf (s) Ad (s)
 
R2 1
= 1+   . (5.24)
R1 1 + 1 + R2 1
R1 Ad (s)

Deve ser ressaltado que a Equação (5.24) só é válida para


   
zf (s) R1
A(s)β(s) = Ad (s) = Ad (s) >0.
zi (s) R1 + R2
 
R2
Quando A(s)β(s) >> 1 ou, nesse caso, quando Ad (s) >> 1 + R 1
, a Equação (5.24)
poderá ser aproximada por
 
V2 (s) 1 R2
≈ = 1+ .
V1 (s) β(s) R1

5.11 Referências
Os tópicos abordados neste capı́tulo podem ser encontrados, com mais detalhes, em [3], [4], [7],
[8], e [9].

TET / UFF
36 Capı́tulo 5. Realimentação

+
+ + +
+
V 1 (s) V e (s) V d (s) V 2 (s)
- - A (s) V e (s) -

I o(s) z i (s) I i (s)

+
+
V f (s)
- β (s) V 2 (s)

Figura 5.17: Modelo simplificado para o amplificador.

V 1 (s) V e (s) V 2 (s)


Σ A (s)

V f (s)
β (s)

Figura 5.18: Estrutura geral para o amplificador.

A.S.V.
Capı́tulo 6

Circuitos básicos

6.1 Introdução
Neste capı́tulo são apresentados exemplos de circuitos que se utilizam de OpAmps para im-
plementar algumas funções básicas em processamento de sinal analógico. Alguns dos circuitos
abordados necessitam que o OpAmp se mantenha operando apenas da região linear. Por outro
lado, outros circuitos se aproveitam de toda a caracterı́stica não linear de operação do OpAmp.
Com o objetivo de investigar apenas a funcionalidade de cada circuito, as análises são efetuadas
substituindo-se cada OpAmp por seu modelo ideal. Caso se deseje definir as limitações de cada
circuito, deve-se refazer as análises com modelos mais elaborados.

6.2 Circuitos não lineares


Pode-se dizer que há duas formas básicas de se utilizar OpAmps em circuitos não lineares. Na
primeira delas, o OpAmp é o próprio elemento não linear, trabalhando em toda a sua região de
operação. Na outra forma, os OpAmps trabalham na sua região linear de operação e empregam-
se elementos não lineares, tais como diodos e transistores. Neste caso, o elemento não linear
trabalha como chave e/ou é utilizada a sua caracterı́stica não linear de operação (quadrática
ou exponencial).
A seguir, são apresentados apenas os casos mais simples, com o OpAmp trabalhando em
toda a sua região não linear de operação.

6.2.1 Comparadores simples


Um comparador simples é definido como um bloco cuja saı́da x2 apresenta formas distintas de
sinalização para representar a relação de amplitudes entre um sinal de entrada x1 e um sinal de
referência xr . A comparação dos sinais de entrada pode ser interpretada como a diferença xd
entre eles, onde |xd | = |x1 − xr |. Dessa forma, pode-se dizer que a saı́da x2 é função da entrada
diferencial xd .
Observando-se a curva caracterı́stica de um OpAmp, ilustrada na Figura 6.1, pode-se cons-
tatar que, se for utilizada toda a sua região não linear de operação, o OpAmp realiza a função
de um comparador simples. Neste caso, o OpAmp sinaliza com vo (t) = VSAT − ou vo (t) = VSAT +
quando vd (t) < 0 ou vd (t) > 0, respectivamente.
Teoricamente, segundo o modelo ideal, o OpAmp deve sinalizar com vo (t) = 0. quando
vd (t) = 0. Na prática, porém, não se consegue cumprir tal relação, pois: i) imperfeições do
próprio OpAmp fazem com que vo (t) 6= 0 quando vd (t) = 0 e ii) o ganho elevado do OpAmp

37
38 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

reduz a região linear a uma faixa tão estreita (vdlin → 0) que qualquer pequena variação é capaz
de saturar o OpAmp.

vo
V PS

Vo
V PS+ SAT

-
v- -
vd vo
v+ + 0 vd
+

V PS- -V o
SAT

-V PS

Figura 6.1: Curva caracterı́stica de um OpAmp.

Dependendo dos sinais que são aplicados na entrada e de como eles são ligados às entradas
positiva e negativa do OpAmp, diversas configurações de comparadores simples podem ser
implementadas. As Figuras 6.2 – 6.7 apresentam implementações de comparadores simples,
nas configurações não inversora e inversora, com tensões de comparação nula e não nula.

v2
V PS

V2
SAT

+
+
v1 (t) - +
- v2 (t) 0
- v1

-V 2
SAT

-V PS

Figura 6.2: Comparador simples não inversor sem deslocamento.

A.S.V.
6.2. Circuitos não lineares 39

v2
V PS

V2
SAT
+

- +
+ v2 (t)
v1 (t) - 0
- v1

-V 2
SAT

-V PS

Figura 6.3: Comparador simples inversor sem deslocamento.

v2
V PS

V2
SAT
+
+
v1 (t) - +
- v2 (t)
- 0 VR v1
VR

-V 2
SAT

-V PS

Figura 6.4: Comparador simples não inversor com deslocamento positivo.

v2
V PS

V2
SAT
+
VR +
-
+ v2 (t)
v1 (t) - 0
- VR v1

-V 2
SAT

-V PS

Figura 6.5: Comparador simples inversor com deslocamento positivo.

TET / UFF
40 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

v2
V PS

V2
SAT
+
+
v1 (t) - +
- v2 (t)
- - VR 0 v1
VR

-V 2
SAT

-V PS

Figura 6.6: Comparador simples não inversor com deslocamento negativo.

v2
V PS

V2
SAT
+
VR +
-
+ v2 (t)
v1 (t) - 0
- - VR v1

-V 2
SAT

-V PS

Figura 6.7: Comparador simples inversor com deslocamento negativo.

A.S.V.
6.2. Circuitos não lineares 41

6.2.2 Margem de ruı́do e laço de histerese


Diante de sinais com um nı́vel significante de ruı́do os comparadores simples podem ter a
sua funcionalidade comprometida, Tal situação é ilustrada Figura 6.8. Conforme pode ser
constatado nesta figura, a perda de funcionalidade ocorrre porque o ruı́do, modificando o sinal
original, faz com que o sinal total cruze várias vezes o único ponto de comparação existente (V T ).
Dessa forma, cada vez que o sinal total torna-se maior ou menor que o valor de comparação,
ele provoca uma mudança de estado do comparador. Tal observação conduz a uma possı́vel
solução: adotar mais de um nı́vel de comparação. Neste caso, apresentado na Figura 6.9,
quando o sinal total torna-se maior que um dos nı́veis de comparação (VTH ), o comparador
assume um de seus dois estados. Por sua vez, quando o sinal total torna-se menor que o outro
nı́vel de comparação (VTL ), o comparador assume o seu outro estado. Entre os dois nı́veis de
comparação (VTL < v1 (t) < VTH ), forma-se uma zona morta, denominada margem de ruı́do,
que insensibiliza o comparador em relação às variações provocadas pelo ruı́do.
A Figura 6.10 apresenta as duas curvas caracterı́sticas de comparação, relativas aos dois
nı́veis de comparação. A união das duas curvas gera a curva caracterı́stica total de operação,
mostrada na Figura 6.11, a qual apresenta um laço de histerese (atraso) associado à zona
morta ou margem de ruı́do.

v2

V2
SAT
v1 (t)
Comparador v2 (t)
Simples
VT 0 VT v1

-V 2
SAT

v1 (t) , v2 (t) v1 (t) , v2 (t)


V2 V2
SAT SAT

VT VT

0 t 0 t

v1 (t) v1 (t)

-V 2 v2 (t) -V 2 v2 (t)
SAT SAT

Figura 6.8: Comparador simples não inversor na presença de ruı́do.


.

TET / UFF
42 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

v1 (t) , v2 (t) v1 (t) , v2 (t)


V2 V2
SAT SAT
V VT
T H H

VT V
L
T L

0 t 0 t

v1 (t) v1 (t)

-V 2 v2 (t) -V 2 v2 (t)
SAT SAT

Figura 6.9: Comparador não inversor com dois nı́veis de comparação.


.

v2 v2

V2 V2
SAT SAT

0 VT v1 V 0 v1
H
TL

-V 2 -V 2
SAT SAT

v1 < VT v1 > VT v1 > VT v1 < VT


H H L L

Figura 6.10: Curvas caracterı́sticas relativas aos dois nı́veis de um comparação.

A.S.V.
6.2. Circuitos não lineares 43

v2

V2
SAT
v1 (t)
Comparador
VT com v2 (t)
H
Histerese V 0 V v1
VT TL TH
L
-V 2
SAT

Zona morta

Figura 6.11: Curva caracterı́stica de um comparador não inversor com laço de histerese.

TET / UFF
44 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

6.2.3 Comparadores com histerese


Geral

vd (t) = v+ (t) − v− (t)

vd (t) > 0 → vo (t) = VSAT +

vd (t) < 0 → vo (t) = VSAT −

Inversor

R2

R1
+

- +
v2 (t)
+ -
v1 (t)
-

Figura 6.12: Comparador com histerese inversor.

 
R1
v+ (t) = v2 (t)
R1 + R2
Supondo-se vd (t) > 0, tem-se

v2 (t) = VSAT +

e
 
R1
v+ (t) = VSAT +
R1 + R2
O valor v1 (t) = VTH , que acarreta a mudança de estado de v2 (t) = VSAT + para v2 (t) = VSAT − ,
ocorre quando vd (t) = 0 e é calculado por

v+ (t) − v− (t) = 0

 
R1
VSAT + − VTH = 0
R1 + R2

 
R1
VTH = VSAT +
R1 + R2

A.S.V.
6.2. Circuitos não lineares 45

Supondo-se vd (t) < 0, tem-se

v2 (t) = VSAT −

e
 
R1
v+ (t) = VSAT −
R1 + R2

O valor v1 (t) = VTL , que acarreta a mudança de estado de v2 (t) = VSAT − para v2 (t) = VSAT + ,
ocorre quando vd (t) = 0 e é calculado por

v+ (t) − v− (t) = 0

 
R1
VSAT − − VTL = 0
R1 + R2

 
R1
VTL = VSAT −
R1 + R2

Não inversor

R2

R1
+
+
v1 (t) - +
- v2 (t)
-

Figura 6.13: Comparador com histerese não inversor.

   
R1 R2
v+ (t) = v2 (t) + v1 (t)
R1 + R2 R1 + R2

Supondo-se vd (t) > 0, tem-se

v2 (t) = VSAT +

e
   
R1 R2
v+ (t) = VSAT + + v1 (t)
R1 + R2 R1 + R2

O valor v1 (t) = VTL , que acarreta a mudança de estado de v2 (t) = VSAT + para v2 (t) = VSAT − ,
ocorre quando vd (t) = 0 e é calculado por

v+ (t) − v− (t) = 0

TET / UFF
46 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

   
R1 R2
VSAT + + VTL = 0
R1 + R2 R1 + R2

 
R1
VTL =− VSAT +
R2

Supondo-se vd (t) < 0, tem-se

v2 (t) = VSAT −

e
   
R1 R2
v+ (t) = VSAT − + v1 (t)
R1 + R2 R1 + R2

O valor v1 (t) = VTH , que acarreta a mudança de estado de v2 (t) = VSAT − para v2 (t) = VSAT + ,
ocorre quando vd (t) = 0 e é calculado por

v+ (t) − v− (t) = 0

   
R1 R2
VSAT − + VTH = 0
R1 + R2 R1 + R2

 
R1
VTH =− VSAT −
R2

A.S.V.
6.3. Circuitos lineares 47

6.3 Circuitos lineares


Nesta seção, todos os circuitos utilizam-se de OpAmps realimentados negativamente. Além
disso, é suposto que os valores de tensão do circuito não levam o OpAmp à saturação. Isto faz
com que o OpAmp possa ser modelado como um elemento ativo, de ganho linear e invariante
no tempo. Portanto, utilizando-se um modelo ideal, onde o ganho do OpAmp é puramente
diferencial, constante e bem elevado, os circuitos podem ser vistos como sistemas lineares e
invariantes no tempo, estáveis.
Baseando-se ainda no modelo ideal, o conceito de curto-circuito virtual é utilizado no cálculo
das relações entre entrada e saı́da dos circuitos, de forma a simplificar o processo de análise.
Vale a pena ressaltar que, uma vez utilizando-se um modelo ideal, com ganho constante,
os resultados aqui gerados são uma boa aproximação para sinais constantes (sinais DC). No
caso de sinais variáveis no tempo (sinais AC), dependendo da faixa de freqüência envolvida e
do circuito implementado, os resultados encontrados na prática podem diferir daqueles aqui
calculados ou, ainda pior, o circuito pode se tornar instável. Neste caso, as imperfeições do
OpAmp devem ser anexadas ao modelo e os cálculos devem ser refeitos.

6.3.1 Amplificador inversor


A Figura 6.14 apresenta o circuito de um amplificador inversor. Realizando-se o somatório
de correntes no terminal de entrada negativo do OpAmp e considerando-se o modelo ideal,
obtém-se

I1 (s) = I2 (s) + I− (s) ≈ I2 (s)

V1 (s) − V− (s) V− (s) − V2 (s)



R1 R2

       
R2 R2 R2 R2
V2 (s) ≈ − V1 (s) + 1 + V− (s) = − V1 (s) − 1 + Vd (s)
R1 R1 R1 R1

 
R2
V2 (s) ≈ − V1 (s) .
R1

A função de transferência do circuito é definida por


 
V2 (s) R2
H(s) = ≈− .
V1 (s) R1

No caso de um amplificador inversor genérico, exemplificado na Figura 6.15, uma análise


equivalente conduz a
 
V2 (s) Z2 (s)
H(s) = ≈− .
V1 (s) Z1 (s)

TET / UFF
48 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

R2

R1
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 6.14: Amplificador inversor.

Z 2 (s)

Z 1 (s)
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 6.15: Amplificador inversor genérico.

A.S.V.
6.3. Circuitos lineares 49

6.3.2 Amplificador não-inversor


A Figura 6.16 apresenta o circuito de um amplificador não inversor. Realizando-se o somatório
de correntes no terminal de entrada negativo do OpAmp e considerando-se o modelo ideal,
obtém-se

I2 (s) = I1 (s) + I− (s) ≈ I1 (s)

V2 (s) − V− (s) V− (s)



R2 R1

       
R2 R2 R2 R2
V2 (s) ≈ 1 + V− (s) = 1 + [V+ (s) − Vd (s)] ≈ 1 + V+ (s) = 1 + V1 (s) .
R1 R1 R1 R1

A função de transferência do circuito é definida por


 
V2 (s) R2
H(s) = ≈ 1+ .
V1 (s) R1

R2

R1
-
+
+
V 2 (s)
+ -
V 1 (s)
-

Figura 6.16: Amplificador não inversor.

No caso de um amplificador não inversor genérico, exemplificado na Figura 6.17, uma análise
equivalente conduz a
 
V2 (s) Z2 (s)
H(s) = ≈ 1+ .
V1 (s) Z1 (s)

TET / UFF
50 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

Z 2 (s)

Z 1 (s)
-
+
+
V 2 (s)
+ -
V 1 (s)
-

Figura 6.17: Amplificador não inversor genérico.

A.S.V.
6.3. Circuitos lineares 51

6.3.3 Amplificador somador inversor


A Figura 6.18 apresenta o circuito de um amplificador somador inversor. Realizando-se o
somatório de correntes no terminal de entrada negativo do OpAmp e considerando-se o modelo
ideal, obtém-se

I1 (s) + · · · + IN (s) = IF (s) + I− (s) ≈ If (s)

V1 (s) − V− (s) VN (s) − V− (s) V− (s) − Vo (s)


+···+ ≈
R1 RN Rf

    
Vo (s) V1 (s) VN (s) 1 1 1
≈− +···+ + + +···+ V− (s)
Rf R1 RN Rf R1 RN

    
V1 (s) VN (s) 1 1
Vo (s) ≈ −Rf +···+ − 1 + Rf +···+ Vd (s)
R1 RN R1 RN

  N  
1 1 X Rf
Vo (s) ≈ −Rf V1 (s) + · · · + VN (s) = − Vk (s) .
R1 RN k=1
Rk

R1
+
V 1 (s)
- Rf

RN
+ -

V N (s) +
+
- V o (s)
-

Figura 6.18: Amplificador somador inversor.

No caso de um somador inversor genérico, exemplificado na Figura 6.19, uma análise equi-
valente conduz a
  N  
1 1 X Zf (s)
Vo (s) ≈ −Zf (s) V1 (s) + · · · + VN (s) = − Vk (s) .
Z1 (s) ZN (s) k=1
Z k (s)

TET / UFF
52 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

Z 1 (s)
+
V 1 (s)
- Z f (s)

Z N (s)
+ -

V N (s) +
+
- V o (s)
-

Figura 6.19: Amplificador somador inversor genérico.

A.S.V.
6.3. Circuitos lineares 53

6.3.4 Amplificador subtrator


A Figura 6.20 apresenta o circuito de um amplificador subtrator. Aplicando-se o Princı́pio da
Superposição, pode-se escrever que

Vo (s) = Vo2 (s) + Vo1 (s)


onde:
Vo1 (s) = Vo (s)|V2 =0
e
Vo2 (s) = Vo (s)|V1 =0 .
Considerando-se o OpAmp ideal, tem-se I+ (s) ≈ 0A e pode-se dizer que
  !
R4 1
V+ (s) ≈ V2 (s) = R3
V2 (s) .
R4 + R3 1+ R 4

Utilizando-se os resultados obtidos para os amplificadores inversor e não inversor, obtém-se


      
R2 R2
Vo (s) ≈ 1+ V+ (s) + − V1 (s)
R1 R1
e, finalmente,
 
R2
1+ R1

R2

Vo (s) ≈   V2 (s) − V1 (s) .
1+ R3 R1
R4

R2

R1
+ -

V 1 (s) +
+
- V o (s)
R3 -
+
V 2 (s)
-
R4

Figura 6.20: Amplificador subtrator.


No caso de um subtrator genérico, exemplificado na Figura 6.21, uma análise equivalente
conduz a
h i
(s)
1 + ZZ12 (s) 
Z2 (s)

Vo (s) ≈ h i V2 (s) − V1 (s) .
Z3 (s)
1 + Z4 (s) Z1 (s)

TET / UFF
54 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

Z 2 (s)

Z 1 (s)
+ -

V 1 (s) +
+
- V o (s)
Z 3 (s) -
+
V 2 (s)
-
Z 4 (s)

Figura 6.21: Amplificador subtrator genérico.

A.S.V.
6.4. Referências 55

6.3.5 Amplificador integrador inversor


A Figura 6.22 apresenta o circuito de um amplificador integrador inversor sem perdas. Utilizando-
se os resultados obtidos para o amplificador inversor, obtém-se
  1
!  
V2 (s) ZC2 sC2 1 1
H(s) = ≈− =− =− .
V1 (s) ZR1 R1 R1 C2 s

C2

R1
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 6.22: Amplificador integrador inversor sem perdas.


A Figura 6.23 apresenta o circuito de um amplificador integrador inversor com perdas.
Utilizando-se os resultados obtidos para o amplificador inversor, obtém-se
 1

R2 sC
2
 R2 + sC1 2 
     
V2 (s) ZR2 k ZC2 R2 1 R2 1
H(s) = ≈− = −  =− =− ,
V1 (s) ZR1 R1  R1 1 + (R2 C2 ) s R1 1 + ωsc

onde:
 
1
ωc = .
R2 C2

R2

C2

R1
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 6.23: Amplificador integrador inversor com perdas.

6.4 Referências
Os tópicos abordados neste capı́tulo podem ser encontrados, com mais detalhes, em [1], [2], [3],
[4], [5], [6], [13] e [18].

TET / UFF
56 Capı́tulo 6. Circuitos básicos

A.S.V.
Capı́tulo 7

Caracterı́sticas não-ideais

7.1 Introdução
Normalmente, quando se pretende analisar apenas a funcionalidade de um circuito construı́do
com base em OpAmps, utiliza-se o modelo de OpAmp ideal.
Infelizmente, por melhor que seja seu projeto e seu desempenho, um OpAmp real sempre
apresentará caracterı́sticas não ideais que influenciarão, de alguma forma, no desempenho do
circuito do qual ele faça parte.
Neste capı́tulo, inicialmente são listadas algumas das caracterı́sticas não ideais comuns aos
OpAmps. Em seguida, são apresentadas as caracterı́sticas não ideais mais comumente mode-
ladas nos OpAmps: tensão de offset de entrada, correntes de polarização de entrada, resposta
em freqüência e resistências de entrada e de saı́da.

7.2 Resumo das caracterı́sticas não ideais


A seguir, são listadas algumas das caracterı́sticas não ideais comuns aos OpAmps.

Especificações de segurança

• Máxima tensão de alimentação.

• Máxima dissipação de potência.

• Faixa permitida para a temperatura de operação.

• Tensões máximas de entrada: diferencial e de modo comum.

• Corrente máxima de saı́da.

Caracterı́sticas elétricas de desempenho

• Tensão de offset de entrada (VOS ).

• Coeficiente de temperatura da tensão de offset de entrada (VOS drift).

• Correntes de polarização de entrada (IB e IOS ).

• Coeficientes de temperatura das correntes de polarização de entrada (IB e IOS drift).

57
58 Capı́tulo 7. Caracterı́sticas não-ideais

• Tensão de ruı́do entrada (vn ).


• Corrente de ruı́do entrada (in ).
• Valor máximo de tensão de modo comum de entrada para operação linear.
• Valores máximos simultâneos de tensão e corrente de saı́da (Rated Output).
• Taxa de subida (Slewing Rate ou Slew Rate ou SR).
• Full-Power Bandwidth (FPBW).
• Tempo de acomodação (Settling Time ou ts ).
• Ganhos: diferencial (Ad ) e de modo comum (ACM ).
• Resposta em freqüência ( Ad (jω) ).
• Resistências: entrada diferencial (Rid ), entrada modo comum (Ricm ) e saı́da (Ro ).
• Capacitâncias: entrada diferencial (Cid ) e entrada modo comum (Cicm ).
• Razão de rejeição de modo comum (CMRR).
• Razão de rejeição de fonte de alimentação (PSRR).

7.3 Tensão de offset de entrada


Em um OpAmp ideal, uma tensão diferencial de entrada igual a zero gera uma a tensão de
saı́da também igual a zero. Em um OpAmp real, é comum que uma tensão diferente de zero
surja na sua saı́da ao se anular a tensão diferencial de entrada. Isto ocorre devido a imperfeições
na sua construção e a variações nas caracterı́sticas de seus componentes internos em função da
temperatura, da fonte de alimentação, do tempo, entre outros fatores. O valor e a polaridade
desta tensão de offset de saı́da variam de componente para componente. Uma forma comum
de se modelar tal efeito é incorporar, nos terminais de entrada do OpAmp ideal, uma fonte
de tensão que seja capaz de anular a tensão de saı́da do OpAmp real. Tal fonte de tensão é
denominada tensão de offset de entrada (VOS ). A Figura 7.1 apresenta alguns exemplos de
modelagem de VOS .

OpAmp Real OpAmp Real

V OS Ideal Ideal
- -

+ +

V OS

(a) Fonte no terminal negativo. (b) Fonte no terminal positivo.

Figura 7.1: Exemplos de modelagem da tensão de offset de entrada.

A.S.V.
7.4. Correntes de polarização de entrada 59

7.4 Correntes de polarização de entrada


Os terminais de entrada de um OpAmp real são internamente conectados aos terminais da base
de transistores bipolares de junção (BJT) ou aos terminais de gate de transistores de efeito de
campo (FET), os quais fazem parte do circuito de entrada do OpAmp. Para que se obtenha
uma operação linear de tais transistores é necessário que os mesmos sejam polarizados. Isto
significa que os terminais dos transistores serão submetidos a tensões e correntes constantes, as
quais são denominadas de tensões e correntes de polarização (bias). Uma forma comum de se
modelar o efeito das correntes de polarização é incorporar, nos terminais de entrada do OpAmp
ideal, fontes de corrente que sejam equivalentes às correntes de bias dos transistores de entrada
do OpAmp real. Tais fontes são denominadas correntes de polarização de entrada (I B− e IB+ ).
É comum que se expresse IB− e IB+ através de outras duas correntes, que são definidas por
IB+ + IB−
IB = (7.1)
2
e

IOS = |IB+ − IB− | , (7.2)


onde IB e IOS são denominadas, respectivamente, corrente de bias de entrada e corrente de
offset de entrada.
A Figura 7.2 ilustra a modelagem das correntes de polarização de entrada.

OpAmp Real

I B- Ideal
-

I B+

Figura 7.2: Modelagem das correntes de polarização de entrada.

TET / UFF
60 Capı́tulo 7. Caracterı́sticas não-ideais

7.5 Resposta em freqüência


Para um OpAmp ideal, considera-se que o ganho diferencial Ad (s) = VVdo (s)
(s)
é elevado e indepen-
dente da freqüência. Em um OpAmp real, Ad (s) pode assumir diversas formas, dependendo
do seu projeto. A seguir, são apresentados três modelos básicos, os quais podem ser utilizados
para a representação da maioria dos OpAmps, que são: i) modelo com um pólo dominante fora
da origem, em baixa freqüência, ii) modelo com um pólo dominante na origem e iii) modelo
com dois pólos reais fora da origem, um em baixa freqüência e outro em alta freqüência.

7.5.1 Modelo com um pólo dominante em baixa freqüência


A Figura 7.3 mostra uma curva tı́pica de módulo para a resposta em freqüência de um OpAmp
que possua um pólo dominante.

A d (j ω ) (1) ω = ω p
dB

A0 (2) ω = ω t
dB
,
(3) -20 dB / dec
(3)

0 dB (1) (2) log10ω

Figura 7.3: Módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com pólo dominante.


Vo (s)
Neste caso, o ganho diferencial Vd (s)
= Ad (s) do OpAmp pode ser descrito por
A0
Ad (s) = (7.3)
1 + ωsp
e, conseqüentemente, sua resposta em freqüência é definida como
A0
Ad (jω) = . (7.4)
1 + j ωωp
A freqüência ω tal que o módulo do ganho do OpAmp é unitário recebe a denominação de
freqüência de ganho unitário ω0dB ou freqüência de transição ωt . Pode-se, então, escrever que

Ad (jω0dB ) = Ad (jωt ) = 1 = 0 dB . (7.5)

7.5.2 Modelo com um pólo dominante na origem


Normalmente, o ganho A0 é muito elevado e a freqüência do pólo dominante ωp é muito baixa.
Assim, pode-se estabelecer uma relação aproximada entre o ganho A0 , a freqüência do pólo
dominante ωp e a freqüência de transição ωt .

A.S.V.
7.5. Resposta em freqüência 61

Para freqüências ω ≫ ωp , as Equações (7.3) e (7.4) tornam-se

A0 (A0 ωp ) (GB)
Ad (s) ≈ s = = (7.6)
ωp
s s
e

A0 (A0 ωp ) (GB)
Ad (jω) ≈ ω = = , (7.7)
j ωp jω jω
onde o fator GB = (A0 ωp ) é chamado de produto ganho banda passante.
Calculando-se a Equação (7.7) em ω = ωt , obtém-se

(A0 ωp )
|Ad (jωt )| = 1 ≈ (7.8)
ωt
e

ωt ≈ (A0 ωp ) = GB , (7.9)
o que leva a freqüência ωt a ser também denominada de banda passante de ganho unitário.
A Figura 7.4 mostra uma curva de módulo para a resposta em freqüência de um OpAmp
assumindo-se o modelo simplificado, onde o pólo dominante encontra-se na origem do plano
complexo.

A d (j ω ) (1) ω = ω t
dB
,
(2) -20 dB / dec

(2)

0 dB (1) log10ω

Figura 7.4: Módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com pólo dominante na origem.

7.5.3 Modelo com dois pólos reais fora da origem


Normalmente, os OpAmps apresentam vários pólos parasitas em altas freqüências. A fim de se
modelar tal caracterı́stica, porém de forma simplificada, é comum que se acrescente um pólo em
alta freqüência no modelo de pólo dominante. Dessa forma, o ganho diferencial VVod (s)
(s)
= Ad (s)
do OpAmp passa a ser descrito por

A0 (A0 ωp1 ωp2 )


Ad (s) =   = (7.10)
1+ s
1+ s s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )
ωp1 ωp2

TET / UFF
62 Capı́tulo 7. Caracterı́sticas não-ideais

e, conseqüentemente, sua resposta em freqüência passa a ser definida como

A0 (A0 ωp1 ωp2 )


Ad (jω) =   = . (7.11)
1 + j ωωp1 1 + j ωωp2 [(ωp1 ωp2 ) − ω 2] + j [(ωp1 + ωp2 ) ω]

A Figura 7.5 mostra uma curva tı́pica de módulo para a resposta em freqüência de um
OpAmp que possua um pólo dominante e um pólo em alta freqüência.

A d (j ω ) (1) ω = ω p1
dB

A0 (2) ω = ω t
dB

(3) ω = ω p2
(4) ,
(4) -20 dB / dec
,
(5) -40 dB / dec
(3)

0 dB (1) (2) log10ω

(5)

Figura 7.5: Módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com pólo dominante e pólo em
alta freqüência.

7.6 Impedâncias de entrada e de saı́da


Um OpAmp ideal, trabalhando na sua região linear, é modelado por uma fonte de tensão
controlada por tensão ideal, conforme ilustrado na Figura 7.6.

v- vo

v- -
vo +
V d (s)
v+ +
A d (s) V d (s)
+
v+

Figura 7.6: Modelagem das impedâncias de entrada e de saı́da para um OpAmp ideal.

Por sua vez, um OpAmp real apresenta impedância de entrada finita e impedância de saı́da
não nula.
A Figura 7.7 exibe uma modelagem das impedâncias de entrada e de saı́da para um OpAmp
real, onde Zid , Zicm e Zo são denominadas, respectivamente, impedância de entrada diferencial,
impedância de entrada de modo comum e impedância de saı́da.

A.S.V.
7.7. Referências 63

Z icm (s)
Z o (s)
v- vo

v- -
vo V d (s) Z id (s) +
v+ +
A d (s) V d (s)
v+ +

Z icm (s)

Figura 7.7: Modelagem das impedâncias de entrada e de saı́da de um OpAmp real.

7.7 Referências
Os tópicos abordados neste capı́tulo podem ser encontrados, com mais detalhes, em [1], [2], [3],
[4], [13], [15], [16], [17] e [18].

TET / UFF
64 Capı́tulo 7. Caracterı́sticas não-ideais

A.S.V.
Capı́tulo 8

Efeitos das caracterı́sticas não ideais

8.1 Introdução
Este capı́tulo apresenta análises de circuitos lineares que utilizam OpAmps, levando-se em
consideração suas caracterı́sticas não ideais.
Os objetivos das análises realizadas são: i) identificar, nos circuitos em questão, a relevância
de cada parâmetro do circuito nas funções calculadas e ii) apresentar uma técnica de análise a
ser utilizada em outros circuitos.
As caracterı́sticas não ideais consideradas são: tensão de offset de entrada, correntes de
polarização de entrada, resposta em freqüência e resistências de entrada e de saı́da.
Os seguintes circuitos são analisados: amplificador inversor, amplificador não inversor, am-
plificador integrador inversor sem/com perdas.
Nos exemplos apresentados são empregados os seguintes parâmetros para os OpAmps:
A0 = 2.30 × 105 , ωp = ωp1 = 2 × π × (15) rad s
, ωp2 = 2 × π × (6.43 × 106 ) rad
s
e Ro = 150Ω.

8.2 Efeito de tensão de offset e corrente de polarização


Com base nos modelos de tensão de offset e corrente de polarização dos OpAmps, pode-se
avaliar a influência destas caracterı́sticas na resposta de diversos circuitos. Isto é feito a seguir.

8.2.1 Amplificador integrador inversor sem perdas


A Figura 8.1 apresenta o circuito de um amplificador integrador inversor sem perdas onde são
modelados os efeitos da tensão de offset e das correntes de polarização.
Supondo-se que o OpAmp é ideal e está operando na região linear, para t ≥ 0 pode-se
escrever que

v2 (t) = v2 (t)|v1 (t) + v2 (t)|vC (0− ) + v2 (t)|VOS + v2 (t)|IB−

= v2 (t)|F1 + v2 (t)|F2 + v2 (t)|F3 + v2 (t)|F4 , (8.1)

onde:

v2 (t)|Fi = v2 (t), para Fi u(t) 6= 0 e Fj = 0, com Fi 6= Fj e i, j = 1, 2, 3, 4 .

65
66 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

C2

R1 Ideal
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-
I B- V OS

Real

Figura 8.1: Amplificador integrador inversor sem perdas com modelagem da tensão de offset e
das correntes de polarização.

Da Equação (8.1) e da Figura 8.1 pode-se obter as seguintes equações no domı́nio da


freqüência



ZC2 (s)
V2 (s)|v1 (t) = − V1 (s)
ZR1 (s)
1
!
sC2
= − V1 (s)
R1
  
1 1
= − V1 (s) , (8.2)
R1 C2 s

vC2 (0− )
 
V2 (s)|vC (0− ) = − , (8.3)
2 s

  
ZC2 (s) VOS
V2 (s)|VOS = 1+
ZR1 (s) s
  
1 VOS
= 1+
sR1 C2 s
     
1 1 VOS VOS
= + , (8.4)
R1 C2 s s s

  
ZC2 (s) IB−
V2 (s)|IB− = − ZR1
ZR1 (s) s
1
!  
IB−
= − sC2 R1
R1 s
   
1 1 IB−
= − , (8.5)
C2 s s

A.S.V.
8.2. Efeito de tensão de offset e corrente de polarização 67

de onde pode-se escrever as seguintes equações no domı́nio do tempo


  Z t 
1
v2 (t)|v1 (t) = − v1 (τ ) dτ u(t) , (8.6)
R1 C2 0

v2 (t)|vC (0− ) = −vC2 (0− ) u(t) ,


 
(8.7)
2

 Z t 
1
v2 (t)|VOS = VOS dτ u(t) + VOS u(t) , (8.8)
R1 C2 0
  Z t 
1
v2 (t)|IB− = − IB− dτ u(t) , (8.9)
C2 0

as quais, substituı́das na Equação (8.1), fornecem

  Z t 
1
v2 (t) = − v1 (τ ) dτ u(t) +
R1 C2 0
−vC (0− ) u(t) +
 
 Z t 
1
VOS dτ u(t) + VOS u(t) +
R1 C2 0
  Z t 
1
− IB− dτ u(t) . (8.10)
C2 0

8.2.2 Amplificador integrador inversor com perdas


A Figura 8.2 apresenta o circuito de um amplificador integrador inversor com perdas onde são
modelados os efeitos da tensão de offset e das correntes de polarização.

R2

C2

R1 Ideal
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-
I B- V OS

Real

Figura 8.2: Amplificador integrador inversor com perdas com modelagem da tensão de offset e
das correntes de polarização.

TET / UFF
68 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Supondo-se que o OpAmp é ideal e está operando na região linear, a Equação (8.1) em
conjunto com a Figura 8.2 fornece as seguintes equações no domı́nio da freqüência

Z1 (s) = R1 , (8.11)

!  
R2 sC1 2
 
1 1
Z2 (s) = (ZR2 //ZC2 ) = =   , (8.12)
R2 + sC1 2

C2 s+ 1
R2 C2

 
Z2 (s)
V2 (s)|v1 (t) = − V1 (s)
Z1 (s)
 
 
1 1
= −     V1 (s) , (8.13)
R1 C2 1
s + R2 C2

IC2 (s) = −IR2 (s)



V2 (s) + vC (0
s
)
V2 (s)
= −
ZC2 (s) Z (s)

 R2 
vC (0 ) ZC2 (s)
V2 (s) + = − V2 (s)
s ZR2 (s)
vC (0− )
 
ZC2 (s)
1+ V2 (s) = −
ZR2 (s) s
 
1 1 
V2 (s) = − h i vC (0− )
 s 1 + ZC2 (s) 
ZR2 (s)
 
1 1
= −    vC (0− )
s 1+ 1
sR2 C2
 
1 sR2 C2
= − vC (0− )
s 1 + sR2 C2
 
 
1 1
= −     vC (0− ) , (8.14)
R2 C2 s+ 1
R2 C2

 

Z2 (s) VOS
V2 (s)|VOS = 1+
Z1 (s) s
   
1  
R1 C2 V OS
= 1 +  
1
s + R2 C2 s
    
s + R21C2 + R11C2 
VOS

=    
s + R21C2 s

A.S.V.
8.2. Efeito de tensão de offset e corrente de polarização 69

1 ”
s+
 “

R1 R2  
R1 +R2
C2 VOS
=    
s+ 1 s
R2 C2
   “ 1 ” 
R1 R2  
1 R1 +R2
C2 1
=     VOS +     VOS
s+ 1
s + R21C2 s
R2 C2
    
1  
R2  1 (−1) 
=     VOS + 1+ +   VOS
s+ 1  R1 s s+ 1 
R2 C2 R2 C2
 
     
R2 1 R2 1
=  −   VOS + 1 +
 VOS , (8.15)
R1 s + 1 R1 s
R2 C2

   
Z2 (s) IB−
V2 (s)|IB− = − Z1 (s)
Z1 (s) s
 
   
1  1 1
= −   IB−
C2 s + R21C2 s
 
1 (−1) 
= (−R2 )  +   IB−
s s+ 1
R2 C2
 
  
1 1
= (R2 )   IB− + (−R2 )
 IB− , (8.16)
s + R21C2 s

de onde pode-se escrever as seguintes equações no domı́nio do tempo


  h i
1 − R tC
v2 (t)|v1 (t) = − v1 (t) ∗ e 2 2 u(t) , (8.17)
R1 C2
   
1 − R tC


v2 (t)|vC (0− ) = − e 2 2 vC (0 ) u(t) , (8.18)
R2 C2
     
R2  − R tC  R2
v2 (t)|VOS = − e 2 2 VOS u(t) + 1 + VOS u(t) , (8.19)
R1 R1
h   i
− t
v2 (t)|IB− = (R2 ) e R2 C2 IB− u(t) + [− (R2 ) IB− ] u(t) , (8.20)
as quais, substituı́das na Equação (8.1), fornecem
  h i
1 − R tC
v2 (t) = − v1 (t) ∗ e 2 2 u(t) +
R1 C2
   
1 − R tC


− e 2 2 vC (0 ) u(t) +
R2 C2
     
R2  − R tC  R2
− e 2 2 VOS u(t) + 1 + VOS u(t) +
R1 R1
h   i
− R tC
(R2 ) e 2 2 IB− u(t) + [− (R2 ) IB− ] u(t) . (8.21)

TET / UFF
70 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

8.3 Efeito da resposta em freqüência


Com base nos modelos de pólos e zeros dos OpAmps, pode-se avaliar a influência da resposta
em freqüência do OpAmp na resposta em freqüência de diversos circuitos. Isto é feito a seguir.

8.3.1 Topologia inversora


A topologia inversora genérica é ilustrada na Figura 8.3.

Z 2 (s)

Z 1 (s)
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 8.3: Topologia inversora genérica.

Desprezando-se as correntes de entrada do OpAmp (I+ = I− ≈ 0 A), tem-se que

I2 (s) = −I1 (s)


V2 (s) − V− (s) V1 (s) − V− (s)
= −
Z2 (s) Z1 (s)
 
Z2 (s)
V2 (s) − V− (s) = − [V1 (s) − V− (s)]
Z1 (s)
   
Z2 (s) Z2 (s)
V2 (s) = − V1 (s) + 1 + V− (s) . (8.22)
Z1 (s) Z1 (s)

Considerando-se que o OpAmp encontra-se na região linear, pode-se escrever que

V2 (s) = Vo (s) = Ad (s)Vd (s) = Ad (s) [V+ (s) − V− (s)] = −Ad (s)V− (s) . (8.23)

Substituindo-se (8.23) em (8.22), obtém-se a seguinte função de transferência

    
Z2 (s) Z2 (s) V2 (s)
V2 (s) = − V1 (s) + 1 + −
Z1 (s) Z1 (s) Ad (s)
     
Z2 (s) 1 Z2 (s)
1+ 1+ V2 (s) = − V1 (s)
Z1 (s) Ad (s) Z1 (s)
 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io .
V1 (s) Z1 (s) (s)
1 + 1 + ZZ21 (s) 1
Ad (s)
 
Z2 (s) Ad (s)
= − h i . (8.24)
Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s)
d Z1 (s)

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 71

8.3.2 Amplificador inversor


Substituindo-se Z1 (s) = R1 e Z2 (s) = R2 na Figura 8.3, obtém-se o amplificador inversor
ilustrado na Figura 8.4. As análises com os diversos modelos de pólos e zeros dos OpAmps são
feitas a seguir.

R2

R1
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 8.4: Amplificador inversor.

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.24), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io
V1 (s) Z1 (s) (s)
1 + 1 + ZZ12 (s) 1
Ad (s)
 
R2 1
= −   1+ s i
R1
h 
R2 ωp
1 + 1 + R1 A0
 
R2 A
= − h  i 0 h   i
R1 A0 + 1 + RR2
+ 1 + R2 s
1 R1 ωp

“A0 ”
R
A′0
   
R2 A 0 + 1+ R2
1
R2
= − = − (8.25)
R1 1 + " A + s1+ R2 # R1 1 + ωs′
0 ( R1 ) p
ωp R2
(1+ R1 )
e sua respectiva resposta em freqüência
“A0 ”
R
A′0
   
V2 (jω) R2 A0 + 1+ R2
1
R2
= − = − , (8.26)
V1 (jω) R1 1 + j " A +ω1+ R2 # R1 1 + j ωω′
0 ( R1 ) p
ωp
(1+ RR12 )
onde:
A 1 1
A′0 = 0 = ” =  , (8.27)
1 + K1

R2
1+ R
A0 + 1 + R 2
R1 1 + A0 1

    
R2
A0 + 1 + R 1 A0
ωp′ = ωp     = ωp 1 +    = ωp (1 + K) (8.28)
R2 R2
1 + R1 1 + R1

TET / UFF
72 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

e
A0
K=  . (8.29)
R2
1+ R1

Analisando-se as Equações (8.26) – (8.29), pode-se ter uma idéia do comportamento da


curva de resposta em freqüência do amplificador inversor.
Tipicamente, o ganho DC do OpAmp Ad (j0) = A0 possui um valor muito mais elevado
R2
do que a razão de resistências R1
. Portanto, K ≫ 1 e as Equações (8.27) e (8.28) podem ser
reescritas como

A′0 ≈ 1 (8.30)
e

(ωp A0 ) ωt
ωp′ ≈  ≈  . (8.31)
R2 R2
1 + R1 1 + R1

Inicialmente, para ω ≪ ωp′ , a Equação (8.26) reduz-se a


 
V2 (jω) R2
≈ − . (8.32)
V1 (jω) R1
Para valores intermediários de freqüência, onde ω ≈ ωp′ , a Equação (8.26) pode ser aproxi-
mada por
 
V2 (jω) R2 1
≈ − ω . (8.33)
V1 (jω) R1 1 + j " #
ωt

(1+ RR21 )
Finalmente, para ω ≫ ωp′ , a Equação (8.26) assume a seguinte forma
   
R2 R2
V2 (jω)

R2

1 − R1 
ωt
 − R1
≈ − = ≈  Ad (jω) , (8.34)
R1 j " ω #
  
V1 (jω) 1 + R2 jω 1 + R2
ωt R1 R1
(1+ RR12 )
R2
que, no caso de R1
≫ 1, reduz-se a

V2 (jω)
≈ −Ad (jω) . (8.35)
V1 (jω)
A Figura 8.5 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante e de um amplificador inversor, empregando-se R1 = 10kΩ
e R2 = 100kΩ.

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 73

Figura 8.5: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante e de um amplificador inversor.

TET / UFF
74 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Modelo com um pólo na origem

Substituindo-se (7.6) em (8.24), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io
V1 (s) Z1 (s) 1 + 1 + ZZ21 (s) 1
(s) Ad (s)
 
R2 1
= − h   i
R1 1 + 1 + R1 R2 s
A 0 ωp
   
R2 1 R2 1
= − s = − , (8.36)
R1 1 + " # R1 1 + ωs′
A0 p
ωp
(1+ RR12 )

onde:
 
A0 ωt
ωp′ = ωp    ≈   (8.37)
1+ R2
R1
1 + R2
R1

A Figura 8.6 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante na origem e de um amplificador inversor, empregando-se
R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.6: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante na origem e de um amplificador inversor.

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 75

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.24), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io
V1 (s) Z1 (s) Z2 (s)
1 + 1 + Z1 (s) Ad (s) 1

 
R2 1
= − “ ”“ ”
R1
   1+ ωs 1+ ωs
R2 p1 p2
1 + 1 + R1 A0
 
R2 A
= − h   0  i
R1 A0 + 1 + R 2
1 + s
1 + s
R1 ω p1 ω p2
 
R2 (A ω ω )
= − h  0 p1 p2 i
R1 (A0 ωp1 ωp2 ) + 1 + R 2
(s + ω ) (s + ω )
R1 p 1 p 2
 
(A“0 ωp1 ωp”2 )
  R
R2 1+ R2
1
= −   
R1 ( “0 p1 p”2 )
A ω ω
2
R + [s + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )]
1+ R2
1
 
(A“0 ωp1 ωp”2 )
  R
R2 1+ R2
= −  1  
R1 2 (A“0 ωp1 ωp”2 )
s + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 ) + R
1+ R2
1
 
(A“0 ωp1 ωp”2 )
  R
R2 1+ 2
= − R1   . (8.38)
R1 2 A
s + (ωp1 + ωp2 ) s + 1 + “ R2 ” (ωp1 ωp2 )
0
1+ R
1

A Figura 8.7 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com dois pólos e de um amplificador inversor, empregando-se R1 = 10kΩ e
R2 = 100kΩ.

Figura 8.7: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
dois pólos e de um amplificador inversor.

TET / UFF
76 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

8.3.3 Amplificador integrador inversor sem perdas


Substituindo-se Z1 (s) = R1 e Z2 (s) = sC1 2 na Figura 8.3, obtém-se o amplificador integrador
inversor sem perdas ilustrado na Figura 8.8. As análises com os diversos modelos de pólos e
zeros dos OpAmps são feitas a seguir.

C2

R1
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 8.8: Amplificador integrador inversor sem perdas.

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.24), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io
V1 (s) Z1 (s) Z2 (s)
1 + 1 + Z1 (s) Ad (s) 1

 
1 1
= −   1+ s i
sR1 C2
h 
1 + 1 + sR11 C2 ωp
A0
 
1 A0
= − h   i
sR1 C2 A0 + 1 + sR1 C2 1 s
1 + ωp
 
1 A0 ωp sR1 C2
= −
sR1 C2 [A0 ωp sR1 C2 + (sR1 C2 + 1) (s + ωp )]
A0 ωp
= (−1)
[(A0 ωp R1 C2 ) s + R1 C2 s2 + (ωp R1 C2 ) s + s + ωp ]
A0 ωp
= (−1) 2
(R1 C2 ) s + [(A0 + 1) ωp R1 C2 + 1] s + (ωp )
 
A0 Rω1 Cp 2
= (−1) h i  
s2 + (A0 + 1) ωp + R11C2 s + Rω1 Cp 2
(A0 ωp ωR1 C2 )
= (−1) , (8.39)
s2 + [(A0 + 1) ωp + ωR1 C2 ] s + (ωp ωR1 C2 )

e sua respectiva resposta em freqüência

V2 (jω) (A0 ωp ωR1 C2 )


= (−1) 2
, (8.40)
V1 (jω) [(ωp ωR1 C2 ) − ω ] + j [(A0 + 1) ωp + ωR1 C2 ] ω

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 77

onde:
1
ωR1 C2 = .
R1 C2
A Figura 8.9 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante e de um amplificador integrador inversor sem perdas,
empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.9: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante e de um amplificador integrador inversor sem perdas.

Modelo com um pólo na origem

Substituindo-se (7.6) em (8.24), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io
V1 (s) Z1 (s) Z 2 (s)
1 + 1 + Z1 (s) Ad (s) 1

 
1 1
= − h   i
sR1 C2 1 + 1 + sR11 C2 s
A0 ωp
 
1 A0 ωp
= −
sR1 C2 A0 ωp + s + R11C2
 
ω p
 A0 “ ”
A0 ωp + R 1C

1 1 2
= − s
sR1 C2 1+ “ ”
A0 ωp + R 1C
1 2

A′0
 
1
= − , (8.41)
sR1 C2 1 + ωs′
p

onde:
 
 
ωp ωt
A′0 = A0   ≈ , (8.42)
A0 ωp + 1 (ωt + ωR1 C2 )
R1 C2
 
′ 1
ωp = A0 ωp + ≈ (ωt + ωR1 C2 ) (8.43)
R1 C2

TET / UFF
78 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

e
1
ωR1 C2 = . (8.44)
R1 C2
1
Quando A0 ωp >> R1 C2
, as Equações (8.42) e (8.43) reduzem-se, respectivamente, a

A′0 ≈ 1 (8.45)
e

ωp′ ≈ A0 ωp ≈ ωt . (8.46)
A Figura 8.10 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante na origem e de um amplificador integrador inversor sem
perdas, empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.10: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante na origem e de um amplificador integrador inversor sem perdas.

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.24), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io
V1 (s) Z1 (s) Z 2 (s)
1 + 1 + Z1 (s) Ad (s) 1

 
1 1
= − “ ”“ ”
R1 C2 s
   1+ ωs 1+ ωs
1 p1 p2
1 + 1 + R1 C2 s A0
 
1 A0
= − h     i
R1 C2 s 1
A0 + R1 C2 s (R1 C2 s + 1) 1 + ωp s
1+ s
1 ω p2

(−1) A0
=      
A0 s s s
1 s+ 1+ 1 1+ ω p1
1+ ω p2
R1 C2 R1 C2

(−1) A0
= h     i
A0 s s s
ωR1 C2
s+ 1+ ωR C
1+ ω p1
1+ ω p2
1 2

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 79

(−1) (A0 ωp1 ωp2 ωR1 C2 )


=
[(A0 ωp1 ωp2 ) s + (s + ωR1 C2 ) (s + ωp1 ) (s + ωp2 )]
(−1) (A0 ωp1 ωp2 ωR1 C2 )
= 3 2
s + (ωp1 + ωp2 + ωR1 C2 ) s + [(A0 + 1) (ωp1 ωp2 ) + (ωR1 C2 ) (ωp1 + ωp2 )] s + (ωp1 ωp2 ωR1 C2 )
(8.47)
onde:
1
ωR1 C2 = .
R1 C2
A Figura 8.11 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com dois pólos e de um amplificador integrador inversor sem perdas, empregando-
1
se ωR1 C = (10kΩ)(100nF )
= 103 rad
s
≈ 2 × π × (159) rad
s
.

Figura 8.11: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
dois pólos e de um amplificador integrador inversor sem perdas.

8.3.4 Amplificador integrador inversor com perdas


1
Considerando-se ZR1 (s) = R1 , ZR2 (s) = R2 , ZC2 (s) = sC2
e definindo-se, na Figura 8.3,

Z1 (s) = ZR1 (s) = R1 (8.48)


e

1
!
R2
 
ZR2 (s) ZC2 (s) sC2 R2
Z2 (s) = ZR2 (s) k ZC2 (s) = = = , (8.49)
ZR2 (s) + ZC2 (s) R2 + sC1 2 (R2 C2 ) s + 1
obtém-se o amplificador integrador inversor com perdas ilustrado na Figura 8.12.
Substituindo-se (8.48) e (8.49) em (8.24), obtém-se a função de transferência
 
V2 (s) Z2 (s) 1
= − n h ih io
V1 (s) Z1 (s) 1 + 1 + ZZ21 (s) 1
(s) Ad (s)
  
R2 1 Ad (s)
= − n  h io
R1 (R2 C2 ) s + 1 A (s) + 1 + R2 1
d R1 (R2 C2 )s+1
 
R2 Ad (s)
= −   (8.50)
R1 [A (s) + 1] [(R C ) s + 1] + R2
d 2 2 R1

TET / UFF
80 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

R2

C2

R1
+ -

V 1 (s) +
+
- V 2 (s)
-

Figura 8.12: Amplificador integrador inversor com perdas.

As análises com os diversos modelos de pólos e zeros dos OpAmps são feitas a seguir.

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.50), obtém-se a função de transferência

 
A0
1+ ωs
 
V2 (s) R2 p
= −   
V1 (s) R1 A0

R2

1+ ωs
+ 1 [(R2 C2 ) s + 1] + R1
p
 
  A 0 ωp
R2 s+ωp
= − h  i  
R1 A0 ωp
+ 1 [(R C ) s + 1] + R2
s+ωp 2 2 R1
 
R2 (A0 ωp )
= − h  i
R1 [(A ω ) + (s + ω )] [(R C ) s + 1] + R2 (s + ω )
0 p p 2 2 R1 p
 
R2 (A0 ωp )
= − h  i
R1 [(A + 1) ω + s] [(R C ) s + 1] + R2 (s + ω )
0 p 2 2 R1 p
 
R2
−R 1
(A0 ωp )
= h    i
[(A0 + 1) ωp (R2 C2 ) s + (A0 + 1) ωp + (R2 C2 ) s2 + s] + R R1
2
s + R2
R1
ωp
 
− R11C2 (A0 ωp )
= h    i h    i ,
s2 + (A0 + 1) ωp + R21C2 + R11C2 s + (A0 + 1) R21C2 + R11C2 ωp
(8.51)

e sua respectiva resposta em freqüência

 
1
V2 (jω) − R1 C1
(A0 ωp )
= nh    i o h    i .
V1 (jω) (A0 + 1) R21C2 + R11C2 ωp − ω 2 + j (A0 + 1) ωp + R21C2 + R11C2 ω
(8.52)

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 81

A Figura 8.13 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante e de um amplificador integrador inversor com perdas,
empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.13: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante e de um amplificador integrador inversor com perdas.

Modelo com um pólo na origem

Substituindo-se (7.6) em (8.50), obtém-se a função de transferência

 
  A 0 ωp
V2 (s) R2 s
= −    
V1 (s) R1 A 0 ωp
+ 1 [(R2 C2 ) s + 1] + R 2
s R1
 
R2 (A0 ωp )
= −  
R1 (A ω + s) [(R C ) s + 1] + R2 s
0 p 2 2 R1
 
R2 (A0 ωp )
= − h  i
R1 (R C ) s2 + 1 + (A ω R C ) + R2 s + (A ω )
2 2 0 p 2 2 R1 0 p
 
− R11C2 (A0 ωp )
= h    i h  i ,
s2 + (A0 ωp ) + R21C2 + R11C2 s + (A0 ωp ) R21C2
(8.53)

e sua respectiva resposta em freqüência

 
1
V2 (jω) − R1 C1
(A0 ωp )
= nh  i o h    i . (8.54)
V1 (jω) (A0 ωp ) R21C2 − ω 2 + j (A0 ωp ) + R21C2 + R11C2 ω

A Figura 8.14 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante na origem e de um amplificador integrador inversor com
perdas, empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

TET / UFF
82 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Figura 8.14: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante na origem e de um amplificador integrador inversor com perdas.

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.50), obtém-se a função de transferência

“ A
”“0 ”
1+ ωs 1+ ωs
 
V2 (s) R2 p1 p2
= −  
V1 (s) R1 A

R2

“ ”“0 ” + 1 [(R2 C2 ) s + 1] + R1
1+ ω s 1+ ω s
p1 p2

  ( A 0 ω p 1 ω p2 )
R2 s2 + (ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 )
= −  
R1 ( A 0 ω p1 ω p2 )
 
R2
s2 +(ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 )
+ 1 [(R 2 C 2 ) s + 1] + R1
 
−R R1
2
(A0 ωp1 ωp2 )
=
[(A0 ωp ωp ) + s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )] [(R2 C2 ) s + 1] +
 1 2
R2  2 
s + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )
R1
 
−R 2
R1
(A0 ωp1 ωp2 )
=
[(A0 ωp1 ωp2 ) (R2 C2 ) s + (A0 ωp1 ωp2 ) + (R2 C2 ) s3 + s2 + (R2 C2 ) (ωp1 + ωp2 ) s2 +
(ωp + ωp ) s + (R2 C2 ) (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )] +
 1 2    
R2 2 R2 R2
s + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )
R1 R1 R1
 
1
− R1 C2 (A0 ωp1 ωp2 )
= h   i
1 1
3
s + R2 C2 + (ωp1 + ωp2 ) + R1 C2 s2 +
     
1 1
(A0 ωp1 ωp2 ) + (ωp1 + ωp2 ) + (ωp1 + ωp2 ) + (ωp1 + ωp2 ) s +
R2 C2 R1 C2
      
1 1 1
(A0 ωp1 ωp2 ) + (ωp1 ωp2 ) + (ωp1 + ωp2 )
R2 C2 R2 C2 R1 C2

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 83

 
− R11C2 (A0 ωp1 ωp2 )
=   
3 1 ”
s + “
R1 R2 + (ωp1 + ωp2 ) s2 +
R1 +R2
C2
   
 1 
(A0 ωp1 ωp2 ) + 1 +    (ωp1 + ωp2 ) s +
R1 R2

R1 +R2
C2 
      
1 1
(A0 + 1) (ωp1 ωp2 ) + (ωp1 + ωp2 ) .
R2 C2 R1 C2
(8.55)

A Figura 8.15 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com dois pólos e de um amplificador integrador inversor com perdas, empregando-
1
se ωR1 C2 = (10kΩ)(100nF )
= 103 rad
s
≈ 2 × π × (159) rad
s
.

Figura 8.15: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
dois pólos e de um amplificador integrador inversor com perdas.

8.3.5 Topologia não inversora


A topologia não inversora genérica é ilustrada na Figura 8.16.

Z 2 (s)

Z 1 (s)
-
+
+
V 2 (s)
+ -
V 1 (s)
-

Figura 8.16: Topologia não inversora genérica.

TET / UFF
84 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Desprezando-se as correntes de entrada do OpAmp (I+ = I− ≈ 0 A), tem-se que

I2 (s) = I1 (s)
V2 (s) − V− (s) V− (s)
=
Z2 (s) Z (s)
1 
Z2 (s)
V2 (s) − V− (s) = V−
Z1 (s)
 
Z2 (s)
V2 (s) = 1 + V− (s) . (8.56)
Z1 (s)

Considerando-se que o OpAmp encontra-se na região linear, pode-se escrever que

V2 (s) = Vo (s) = Ad (s)Vd (s) = Ad (s) [V+ (s) − V− (s)] = Ad (s) [V1 (s) − V− (s)] (8.57)

ou que

V2 (s)
V− (s) = V1 (s) − . (8.58)
Ad (s)
Substituindo-se (8.58) em (8.56), obtém-se a seguinte função de transferência

  
Z2 (s) V2 (s)
V2 (s) = 1 + V1 (s) −
Z1 (s) Ad (s)
     
Z2 (s) 1 Z2 (s)
V2 (s) 1 + 1 + = 1+ V1 (s)
Z1 (s) Ad (s) Z1 (s)
 
V2 (s) Z2 (s) 1
= 1+ n h ih io .
V1 (s) Z1 (s) Z2 (s)
1 + 1 + Z1 (s) Ad (s) 1

 
Z2 (s) Ad (s)
= 1+ h i . (8.59)
Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s)
d Z1 (s)

8.3.6 Amplificador não inversor


Substituindo-se Z1 (s) = R1 e Z2 (s) = R2 na Figura 8.16, obtém-se o amplificador não inversor
ilustrado na Figura 8.17. As análises com os diversos modelos de pólos e zeros dos OpAmps
são feitas a seguir.

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.59) e aproveitando-se os resultados do item 8.3.2, obtém-se a


função de transferência
“A0 ”
R
A′0
   
V2 (s) R2 A0 + 1+ R2
1
R2
= 1+ = 1 + (8.60)
V1 (s) R1 1 + " A + s1+ R2 # R1 1 + ωs′
0 ( R1 ) p
ωp
(1+ RR12 )

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 85

R2

R1
-
+
+
V 2 (s)
+ -
V 1 (s)
-

Figura 8.17: Amplificador não inversor.

e sua respectiva resposta em freqüência


“A0 ”
R
A′0
   
V2 (jω) R2 A0 + 1+ R2
1
R2
= 1+ ω = 1+ , (8.61)
V1 (jω) R1 1+j R R1 1 + j ωω′
( )
" #
A0 + 1+ 2 p
R1
ωp R
(
1+ 2
R1 )
onde A′0 e ωp′ são os mesmos definidos em (8.27) e (8.28), respectivamente.
Com o auxı́lio das Equações (8.30) e (8.31), pode-se analisar a Equação (8.61), a fim de
se ter uma idéia do comportamento da curva de resposta em freqüência do amplificador não
inversor.
Inicialmente, para ω ≪ ωp′ , a Equação (8.61) reduz-se a
 
V2 (jω) R2
≈ 1+ . (8.62)
V1 (jω) R1
Para valores intermediários de freqüência, onde ω ≈ ωp′ , a Equação (8.61) pode ser aproxi-
mada por
 
V2 (jω) R2 1
≈ 1+ . (8.63)
V1 (jω) R1 1 + j " ω #
ωt

(1+ RR12 )
Finalmente, para ω ≫ ωp′ , a Equação (8.61) assume a seguinte forma
   
V2 (jω) R2 1 ωt
≈ 1+ ω = ≈ Ad (jω) . (8.64)
V1 (jω) R1 j " # jω
ωt
(1+ RR12 )
A Figura 8.18 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante e de um amplificador não inversor, empregando-se
R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

TET / UFF
86 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Figura 8.18: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante e de um amplificador não inversor.

Modelo com um pólo na origem

Substituindo-se (7.6) em (8.59) e aproveitando-se os resultados do item 8.3.2, obtém-se a


função de transferência

   
V2 (s) R2 1 R2 1
= 1+ s = 1+ , (8.65)
V1 (s) R1 1 + " # R1 1 + ωs′
A0 p
ωp
(1+ RR12 )

onde ωp′ é o mesmo definido em (8.37).


A Figura 8.19 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante na origem e de um amplificador não inversor, empregando-
se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.19: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante na origem e de um amplificador não inversor.

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 87

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.59) e aproveitando-se os resultados do item 8.3.2, obtém-se a


função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= 1+ n h ih io
V1 (s) Z1 (s) 1 + 1 + ZZ21 (s) 1
(s) Ad (s)
 
(A“0 ωp1 ωp”2 )
  R
R2 1+ 2
= 1+ R1  
R1 A
s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + 1 + “ R2 ” (ωp1 ωp2 )
0
1+ R
1

(A0 ωp1 ωp2 )


=    . (8.66)
A0 ”
s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + 1 + “ R (ωp1 ωp2 )
1+ R2
1

A Figura 8.20 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com dois pólos e de um amplificador não inversor, empregando-se R1 = 10kΩ e
R2 = 100kΩ.

Figura 8.20: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
dois pólos e de um amplificador não inversor.

8.3.7 Amplificador não inversor com compensação de fase


Considerando-se, na Figura 8.16, ZR1 (s) = R1 , ZR2 (s) = R2 , ZC2 (s) = sC1 2 e as relações
definidas em (8.48) e (8.49), obtém-se o amplificador não inversor com compensação de fase
ilustrado na Figura 8.21.
Substituindo-se (8.48) e (8.49) em (8.59), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= 1+ n h ih io
V1 (s) Z1 (s) Z2 (s) 1
1 + 1 + Z1 (s) Ad (s)
   
R2
R1 1
= 1 +  “ ” 
(R2 C2 ) s + 1 R2
 h i
R1 1
1 + 1 + (R2 C2 )s+1 Ad (s)

TET / UFF
88 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

C2

R2

R1
-
+
+
V 2 (s)
+ -
V 1 (s)
-

Figura 8.21: Amplificador não inversor com compensação de fase.


  
R2
(R2 C2 ) s + 1 + R1 1
=   “ ”
(R2 C2 ) s + 1 R
 i
(R2 C2 )s+ 1+ R2
h
1
1+ (R2 C2 )s+1
1
Ad (s)
  
R2
(R2 C2 ) s + 1 + R1 (R C ) s + 1
=   h 2 2  i h i
(R2 C2 ) s + 1 [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R2 1
R1 Ad (s)
h  i
R2
(R2 C2 ) s + 1 + R1
= h  i h i . (8.67)
R2 1
[(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R 1 Ad (s)

As análises com os diversos modelos de pólos e zeros dos OpAmps são feitas a seguir.

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.67), obtém-se a função de transferência

h  i
R2
V2 (s) (R C
2 2 ) s + 1 + R1
= i  1+ s 
V1 (s)
h 
R2 ωp
[(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R1 A0
h  i
(A0 ωp ) (R2 C2 ) s + 1 + R 2
R1
= h  i
(A0 ωp ) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R R1
2
(s + ωp )
h  i
R2
(A0 ωp ) (R2 C2 ) s + 1 + R1
= h  i h   i
(R2 C2 ) s2 + (A0 ωp ) (R2 C2 ) + (R2 C2 ) ωp + 1 + R 2
R1
s + (A0 ω p ) + 1+ R2
R1
ωp
“ ”
R
1+ R2
s+ (R2 C2 )
1

= (A0 ωp )  “
R2
”  “
R
”
1+ R 1+ R2
2 A0
s + (A0 + 1) ωp + (R2 C2 )
1
s+ (R2 C2 )
+ 1
(R2 C2 )
ωp

A.S.V.
8.3. Efeito da resposta em freqüência 89

s + ωz
= K h i , (8.68)
A0
s2 + [(A0 + 1) ωp + ωz ] s + (R2 C2 )
+ ω z ωp

onde:

K = (A0 ωp ) (8.69)
e
 
R2
1+ R1 1
ωz = = h  i . (8.70)
(R2 C2 ) R1 R2
C2
R1 +R2

A Figura 8.22 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante e de um amplificador não inversor com compensação de
fase, empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.22: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante e de um amplificador não inversor com compensação de fase.

Modelo com um pólo na origem

Substituindo-se (7.6) em (8.67), obtém-se a função de transferência

h  i
R2
V2 (s) (R 2 C 2 ) s + 1 + R1
= h  i  
V1 (s) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R R2 s
1 A 0 ωp
h  i
R2
(A0 ωp ) (R2 C2 ) s + 1 + R 1
= h   i
2 R2
(A0 ωp ) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R1 s
“ ”
R
1+ R2
s+ 1
(R2 C2 )
= (A0 ωp )  “
R
”
1+ R2
 
A 0 ωp
s2 + (A0 ωp ) + (R2 C2 )
1
s+ R2 C2

s + ωz
= K   , (8.71)
A 0 ωp
s2 + (A0 ωp + ωz ) s + R2 C2

onde K e ωz são definidos em (8.69) e (8.70), respectivamente.

TET / UFF
90 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

A Figura 8.23 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com pólo dominante na origem e de um amplificador não inversor com com-
pensação de fase, empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.23: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
pólo dominante na origem e de um amplificador não inversor com compensação de fase.

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.67), obtém-se a função de transferência


h  i
V2 (s) (R2 C2 ) s + 1 + R R1
2

= i  “1+ s ”“1+ s ” 
V1 (s) h 
ω p1 ω p2
[(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R R1
2
A0
h  i
R2
(A0 ωp1 ωp2 ) (R2 C2 ) s + 1 + R 1
= h  i
R2
(A0 ωp1 ωp2 ) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) s + 1 + R1 [s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )]
h  i
R2
(A0 ωp1 ωp2 ) (R2 C2 ) s + 1 + R1
= h  i
(R2 C2 ) s3 + (R2 C2 ) (ωp1 + ωp2 ) + 1 + R 2
R1
s2 +
   
R2
(R2 C2 ) (A0 ωp1 ωp2 ) + (R2 C2 ) (ωp1 ωp2 ) + 1 + (ωp1 + ωp2 ) s +
R1
   
R2
A0 (ωp1 ωp2 ) + 1 + (ωp1 ωp2 )
R1
“ ”
R

1+ R2
(A0 ωp1 ωp2 ) s + (R2 C12 )
=  “
R
”  “
R
” 
1+ R2 1+ R2
3 2
s + (ωp1 + ωp2 ) + (R2 C2 ) s + (A0 + 1) (ωp1 ωp2 ) + (R2 C2 ) (ωp1 + ωp2 ) s+
1 1

  
R2
1 +
 A0 + R1
 (ωp1 ωp2 )
(R2 C2 ) (R2 C2 )
K (s + ωz )
= h i ,
A0
s3 + (ωp1 + ωp2 + ωz ) s2 + [(A0 + 1) (ωp1 ωp2 ) + ωz (ωp1 + ωp2 )] s + (R2 C2 )
+ ωz (ωp1 ωp2 )
(8.72)

A.S.V.
8.4. Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da 91

onde

K = (A0 ωp1 ωp2 ) (8.73)


e ωz é definida em (8.70).
A Figura 8.24 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com dois pólos e de um amplificador não inversor com compensação de fase,
1
empregando-se ωR1 C2 = (10kΩ)(100nF )
= 103 rad
s
≈ 2 × π × (159) rad
s
.

Figura 8.24: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
dois pólos e de um amplificador não inversor com compensação de fase.

8.4 Efeito da resposta em freqüência e da resistência de


saı́da
Com base nos modelos de pólos e zeros dos OpAmps, e considerando-se a sua resistência de
saı́da, pode-se avaliar a influência de tais caracterı́sticas do OpAmp na resposta em freqüência
de diversos circuitos. Isto é feito a seguir.

8.4.1 Topologia inversora


A topologia inversora genérica, com impedância de saı́da, é ilustrada na Figura 8.25.

Z 2 (s)

Z 1 (s) Z o (s)
+ +
V 1 (s) V 2 (s)
- + -
V d (s)
+ A d (s) V d (s)

Figura 8.25: Topologia inversora genérica, com impedância de saı́da.

TET / UFF
92 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Desprezando-se as correntes de entrada do OpAmp (I+ = I− ≈ 0 A), tem-se que

V2 (s) = Ad (s)Vd (s) − Zo (s)I2 (s)


 
V2 (s) − V1 (s)
= Ad (s) [−V− (s)] − Zo (s)
Z1 (s) + Z2 (s)
   
Zo (s) Zo (s)
1+ V2 (s) = −Ad (s)V− (s) + V1 (s)
Z1 (s) + Z2 (s) Z1 (s) + Z2 (s)
[Z1 (s) + Z2 (s) + Zo (s)] V2 (s) = −Ad (s) [Z1 (s) + Z2 (s)] V− (s) + Zo (s)V1 (s) (8.74)

e que
   
Z2 (s) Z1 (s)
V− (s) = V1 (s) + V2 (s) . (8.75)
Z1 (s) + Z2 (s) Z1 (s) + Z2 (s)
Substituindo-se (8.75) em (8.74), obtém-se a seguinte função de transferência

[Z1 (s) + Z2 (s) + Zo (s)] V2 (s) = −Ad (s) [Z2 (s)V1 (s) + Z1 (s)V2 (s)] + Zo (s)V1 (s)
[Z1 (s) + Z2 (s) + Zo (s)] V2 (s) = − [Ad (s)Z1 (s)] V2 (s) − [Ad (s)Z2 (s) − Zo (s)] V1 (s)
V2 (s) [Ad (s)Z2 (s) − Zo (s)]
= (−1)
V1 (s) {[Ad (s)Z1 (s)] + [Z1 (s) + Z2 (s) + Zo (s)]}
h i
Zo (s)

Z2 (s)
 A d (s) − Z2 (s)
= − h i . (8.76)
Z1 (s) A (s) + 1 + 2 (s) + Zo (s)
Z
d Z1 (s) Z1 (s)

8.4.2 Amplificador inversor


Substituindo-se Z1 (s) = R1 , Z2 (s) = R2 e Zo (s) = Ro na Figura 8.25, obtém-se o amplificador
inversor ilustrado na Figura 8.26. As análises com os diversos modelos de pólos e zeros dos
OpAmps são feitas a seguir.

R2

R1 Ro
+ +
V 1 (s) V 2 (s)
- + -
V d (s)
+ A d (s) V d (s)

Figura 8.26: Amplificador inversor, com resistência de saı́da.

A.S.V.
8.4. Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da 93

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.76), obtém-se a função de transferência

h i
Zo (s)
V2 (s)

Z2 (s) A
d (s) − Z2 (s)
= − h i
V1 (s) Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s) + Zo (s)
d Z1 (s) Z1 (s)
  
A0
  1+ ωs
−R R2
o
R2 p
= −   
R1 A0 R2 Ro

1+ s
+ 1 + R1
+ R1
ωp

[Ro (s + ωp ) − A0 ωp R2 ]
=
[(A0 ωp R1 ) + (R1 + R2 + Ro ) (s + ωp )]
[Ro s + (Ro − A0 R2 ) ωp ]
=
[(A0 + 1) R1 + R2 + Ro ] ωp + (R1 + R2 + Ro ) s
s
  1+ R
− (A0 R2 − Ro ) ωp (1−A0 R2 )
= o

(A0 + 1) R1 + R2 + Ro 1 + h (A0 +1)Rs 1 +R2 +Ro i


ωp (R1 +R2 +Ro )
s
1+ ωz
= (−K) s , (8.77)
1+ ωp′

onde:

(A0 R2 − Ro )
K= , (8.78)
(A0 + 1) R1 + R2 + Ro
 
R2
ω z = ω p 1 − A0 (8.79)
Ro
e
 
(A0 + 1) R1 + R2 + Ro
ωp′ = ωp . (8.80)
(R1 + R2 + Ro )
Tipicamente, o ganho DC do OpAmp Ad (j0) = A0 possui um valor muito mais elevado do
R2
que a resistência Ro e a razão de resistências R1
. Portanto, as Equações (8.78) – (8.80) podem
ser reescritas como
A0 R2 A0 R2 R2
K≈ ≈ = , (8.81)
A0 R1 + R2 + Ro A0 R1 R1
     
R2 R2 R2 ωt
ωz ≈ ωp −A0 = − (A0 ωp ) = −ωt = −  (8.82)
Ro Ro Ro Ro
R2

   
A0 R1 + R2 + Ro A0 R1 (A0 ωp ) ωt
ωp′ ≈ ωp ≈ ωp = =  .
R1 + R2 + Ro R1 + R2 + Ro R2
1+ R +R o
1+ R2
+ Ro
1 R1 R1 R1
(8.83)

TET / UFF
94 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Nas situações onde R2 > R1 > Ro , tem-se ainda que

ωp′ < ωt < |ωz | . (8.84)


A Figura 8.27 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador inversor,
empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.27: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp, com
pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador inversor.

Modelo com um pólo na origem (Tatiana Kühner)

Substituindo-se (7.6) em (8.76), obtém-se a função de transferência

h i
Zo (s)
V2 (s)

Z2 (s)
 Ad (s) − Z2 (s)
= − h i
V1 (s) Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s) + Zo (s)
d Z1 (s) Z1 (s)
h  i
A 0 ωp

R2

s
−RR2
o

= −    
R1 A 0 ωp R2
+ 1 + R1 + R1 Ro
s
 1+ s
R

R2 ωp (−A0 R2 )
= − s
o

R1 1 + h
A0 R1
i
ωp (R1 +R2 +Ro )
s
1+ ωz
= (−K) s , (8.85)
1+ ωp′

onde:
R2
K= , (8.86)
R1
   
R2 R2 −ωt
ωz = ωp −A0 = −ωt =  (8.87)
Ro Ro Ro
R2

A.S.V.
8.4. Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da 95

e
 
A0 R1 ωt
ωp′ = ωp =  . (8.88)
(R1 + R2 + Ro ) R
1 + R12 + Ro
R1

A Figura 8.28 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com pólo dominante na origem e resistência de saı́da, e de um amplificador
inversor, empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.28: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp, com
pólo dominante na origem e e resistência de saı́da, de um amplificador inversor.

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.76), obtém-se a função de transferência

h i
Zo (s)
V2 (s)

Z2 (s)
 Ad (s) − Z2 (s)
= − h i
V1 (s) Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s) + Zo (s)
d Z1 (s) Z1 (s)
 
( A 0 ω p 1 ω p2 ) R
 
s2 +(ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 )
− R2
o
R2
= −  
R1 ( A 0 ω p 1 ω p2 )

R2 Ro
s2 +(ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 )
+ 1+ R 1
+ R1

Ro [s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )] − (A0 ωp1 ωp2 ) R2


=
(A0 ωp1 ωp2 ) R1 + (R1 + R2 + Ro ) [s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )]
h  i
2 R2

Ro
 s + (ωp1 + ωp2 ) s + 1 − A0 Ro (ωp1 ωp2 )
= h  i h  i .
R1 + R2 + Ro s2 + 1
(ω + ω ) s + 1 + A R1
(ω ω )
R1 +R2 +Ro p 1 p 2 0 R1 +R2 +Ro p 1 p 2

(8.89)

A Figura 8.29 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com dois pólos e resistência de saı́da, e de um amplificador inversor, empregando-
se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

TET / UFF
96 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Figura 8.29: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp, com
dois pólos e resistência de saı́da, e de um amplificador inversor.

8.4.3 Amplificador integrador inversor sem perdas


Substituindo-se Z1 (s) = R1 , Z2 (s) = sC1 2 e Zo (s) = Ro na Figura 8.25, obtém-se o amplificador
integrador inversor sem perdas ilustrado na Figura 8.30. As análises com os diversos modelos
de pólos e zeros dos OpAmps são feitas a seguir.

C2

R1 Ro
+ +
V 1 (s) V 2 (s)
- + -
V d (s)
+ A d (s) V d (s)

Figura 8.30: Amplificador integrador inversor sem perdas, com resistência de saı́da.

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.76), obtém-se a função de transferência

h i
Zo (s)
V2 (s)

Z2 (s)
 Ad (s) − Z2 (s)
= − h i
V1 (s) Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s) + Zo (s)
d Z1 (s) Z1 (s)
  
A
  0
1+ ωs
− Ro C2 s
1 p
= −   h
sC2 R1 A0

1
  i
Ro
1+ s + 1 + sC2 R1
+ R1
ωp

A.S.V.
8.4. Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da 97

[(A0 ωp ) − (Ro C2 ) (s + ωp ) s]
= (−1)
[(A0 ωp ) (R1 C2 ) s] + [(R1 C2 ) s + 1 + (Ro C2 ) s] (s + ωp )
(Ro C2 ) [s2 + (ωp ) s] − (A0 ωp )
=
[(Ro + R1 ) C2 ] s2 + [(Ro + R1 ) C2 ωp + (A0 ωp ) R1 C2 + 1] s + ωp
h  i
2 1

Ro
 s + (ω p ) s + (−A ω
0 p ) Ro C2
= n h  i h io h i
Ro + R1 s2 + ω 1 + (A ω ) R1
+ 1
s + ω 1
p 0 p Ro +R1 (Ro +R1 )C2 p (Ro +R1 )C2

(8.90)

A Figura 8.31 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador integrador
inversor sem perdas, empregando-se R1 = 10kΩ e C2 = 100nF .

Figura 8.31: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp, com
pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador integrador inversor sem perdas.

Modelo com um pólo na origem (Tatiana Kühner)

Substituindo-se (7.6) em (8.76), obtém-se a função de transferência

h i
Zo (s)
V2 (s)

Z2 (s)
 Ad (s) − Z2 (s)
= − h i
V1 (s) Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s) + Zo (s)
d Z1 (s) Z1 (s)
A 0 ωp
− Ro C2 s
 
1
= −   hs    i
sC2 R1 A 0 ωp
+ 1 + 1
+ Ro
s sC2 R1 R1

[(A0 ωp ) − (Ro C2 ) s2 ]
= (−1)
[(A0 ωp ) (R1 C2 ) s] + [(R1 C2 ) s2 + s + (Ro C2 ) s2 ]
(Ro C2 s2 ) − (A0 ωp )
=
[(Ro + R1 ) C2 ] s2 + [1 + (A0 ωp ) (R1 C2 )] s
 
  s2 − (A ω ) 1
Ro 0 p Ro C2
= n h io . (8.91)
Ro + R1 s s + 1+(A0 ωp )(R1 C2 )
(Ro +R1 )C2

A Figura 8.32 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com pólo dominante na origem e resistência de saı́da, e de um amplificador
integrador inversor sem perdas, empregando-se R1 = 10kΩ e C2 = 100nF .

TET / UFF
98 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Figura 8.32: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp, com
pólo dominante na origem e resistência de saı́da, e de um amplificador integrador inversor sem
perdas.

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.76), obtém-se a função de transferência

h i
Zo (s)
V2 (s)

Z2 (s)
 Ad (s) − Z2 (s)
= − h i
V1 (s) Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s) + Zo (s)
d Z1 (s) Z1 (s)
 
( A 0 ω p 1 ω p2 )
 
s2 +(ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 )
− Ro C2 s
1
= −
sC2 R1 ( A 0 ω p 1 ω p2 )
h    i
1
s2 +(ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 )
+ 1 + sC2 R1
+ Ro
R1
 
( A 0 ω p1 ω p2 )
s2 +(ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 )
− Ro C2 s
= (−1)  
( A 0 ω p 1 ω p2 )
s2 +(ωp1 +ωp2 )s+(ωp1 ωp2 ) 1 2
R C s + {1 + [(Ro + R1 ) C2 ] s}

(Ro C2 ) [s3 + (ωp1 + ωp2 ) s2 + (ωp1 ωp2 ) s] − (A0 ωp1 ωp2 )


=
[s2 + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )] + [(Ro + R1 ) C2 ] [s3 + (ωp1 + ωp2 ) s2 + (ωp1 ωp2 ) s] +
[(R1 C2 A0 ωp1 ωp2 ) s]

(Ro C2 ) [s3 + (ωp1 + ωp2 ) s2 + (ωp1 ωp2 ) s] + (−A0 ωp1 ωp2 )


=
[(Ro + R1 ) C2 ] s3 + [1 + (Ro + R1 ) C2 (ωp1 + ωp2 )] s2 +
{(ωp1 + ωp2 ) + [Ro + (A0 + 1) R1 ] C2 (ωp1 ωp2 )} s + (ωp1 ωp2 )
 n h  io
Ro 3 2 1
s + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 ) s + (−A0 ) (ωp1 ωp2 ) Ro C2
Ro +R1
= n h io
1
s3 + (ωp1 + ωp2 ) + (Ro +R 1 )C2
s2 +
     
1 R1
(ωp1 + ωp2 ) + (ωp1 ωp2 ) (A0 ) + 1 s +
(Ro + R1 ) C2 Ro + R1
  
1
(ωp1 ωp2 ) .
(Ro + R1 ) C2
(8.92)

A.S.V.
8.4. Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da 99

A Figura 8.33 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com dois pólos e resistência de saı́da, e de um amplificador integrador inversor
sem perdas, empregando-se R1 = 10kΩ e C2 = 100nF .

Figura 8.33: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp, com
dois pólos e resistência de saı́da, e de um amplificador integrador inversor sem perdas.

8.4.4 Topologia não inversora


A topologia não inversora genérica, com impedância de saı́da, é ilustrada na Figura 8.34.

Z 2 (s)

Z 1 (s) Z o (s)
+
V 2 (s)
+ -
V d (s)
+ A d (s) V d (s)
+
V 1 (s)
-

Figura 8.34: Topologia não inversora genérica, com impedância de saı́da.

Desprezando-se as correntes de entrada do OpAmp (I+ = I− ≈ 0 A), tem-se que

Vd (s) = V1 (s) − VZ1 (s) = V1 (s) − Z1 (s)I1 (s) = V1 (s) − Z1 (s)I2 (s) , (8.93)

V2 (s) = [Z1 (s) + Z2 (s)] I2 (s) (8.94)


e

V2 (s) = Ad (s)Vd (s) − Zo (s)I2 (s) . (8.95)

TET / UFF
100 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

Substituindo-se (8.93) e (8.94) em (8.95), obtém-se a seguinte relação

V2 (s) = Ad (s)Vd (s) − Zo (s)I2 (s)


= Ad (s) [V1 (s) − Z1 (s)I2 (s)] − Zo (s)I2 (s)
 
V2 (s)
= Ad (s)V1 (s) − [Ad (s)Z1 (s) + Zo (s)] ,
Z1 (s) + Z2 (s)
(8.96)

da qual se retira a seguinte função de transferência

V2 (s) Ad (s)
= h i h i
V1 (s) Z1 (s)
Ad (s) Z1 (s)+Z + 1 + Zo (s)
2 (s) Z1 (s)+Z2 (s)
 
Z2 (s) A (s)
= 1+ h d i . (8.97)
Z1 (s) A (s) + 1 + Z2 (s) + Zo (s)
d Z1 (s) Z1 (s)

8.4.5 Amplificador não inversor com compensação de fase


Considerando-se, na Figura 8.34, ZR1 (s) = R1 , ZR2 (s) = R2 , ZC2 (s) = sC1 2 , Zo (s) = Ro e as
relações definidas em (8.48) e (8.49), obtém-se o amplificador não inversor com compensação
de fase, com resistência de saı́da, ilustrado na Figura 8.35.

C2

R2

R1 Ro
+
V 2 (s)
+ -
V d (s)
+ A d (s) V d (s)
+
V 1 (s)
-

Figura 8.35: Amplificador não inversor com compensação de fase, com resistência de saı́da.

A.S.V.
8.4. Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da 101

Substituindo-se (8.48), (8.49) e Zo (s) = Ro em (8.97), obtém-se a função de transferência

 
V2 (s) Z2 (s) 1
= 1+ n h ih io
V1 (s) Z1 (s) 1+ 1+ Z2 (s)
+ Zo (s) 1
Z1 (s) Z1 (s) Ad (s)
   
R2
R1 1
= 1 +  “ ”
(R2 C2 ) s + 1 R2
 h i
R1 Ro 1
1+ 1+ (R2 C2 )s+1
+ R1 Ad (s)
  
R2
(R2 C2 ) s + 1 + R1 (R2 C2 ) s + 1
=   n    o h i
(R2 C2 ) s + 1 [(R2 C2 ) s + 1] + [(R2 C2 ) s + 1] 1 + R o
+ R2 1
R1 R1 Ad (s)
h  i
R2
(R2 C2 ) s + 1 + R 1
= h    i h i . (8.98)
1
[(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) 1 + R1 s + 1 + R
Ro 2
R1
+ Ro
R1 Ad (s)

As análises com os diversos modelos de pólos e zeros dos OpAmps são feitas a seguir.

Modelo com um pólo

Substituindo-se (7.3) em (8.98), obtém-se a função de transferência

h  i
R2
V2 (s) (R C
2 2 ) s + 1 + R1
= i  1+ s 
V1 (s)
h   
Ro R2 Ro ωp
[(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) 1 + R1 s + 1 + R1 + R1 A0
h  i
(A0 ωp ) (R2 C2 ) s + 1 + R R1
2

= h    i
Ro R2 Ro
(A0 ωp ) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) 1 + R 1
s + 1 + R1
+ R1
(s + ωp )
h  i
R2
(A0 ωp ) (R2 C2 ) s + 1 + R 1
=   h    i
(R2 C2 ) 1 + R o
s 2 + (A ω ) (R C ) + (R C ) 1 + Ro ω + 1 + R2 + Ro
s+
R1 0 p 2 2 2 2 R1 p R1 R1
   
R2 Ro
(A0 ωp ) + 1 + + ωp
R1 R1
“ ”
R
1+ R2
 
A0 ωp  s+ (R2 C2 )
1

=     “
R2 Ro
”   “
R
”
Ro 1+ R + R A0 + 1+ R2 + R o
1+ R 1
2
s + “ A0 ”
+ 1 ωp + 1
“ 1 ”
s + “ 1 R1” ωp
1+ R
R
o (R2 C2 ) 1+ R
R
o (R2 C2 ) 1+ R
R
o
1 1 1

s + ωz
= K′ h i , (8.99)
A′0
s2 + [(A′0 + 1) ωp + ωz′ ] s + (R2 C2 )
+ ωz′ ωp

TET / UFF
102 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

onde:
A0 ωp
K′ =   = A′0 ωp , (8.100)
Ro
1+ R1

A0
A′0 =   , (8.101)
Ro
1+ R1
 
R2
1+ R1 1
ωz = = h  i (8.102)
(R2 C2 ) R1 R2
C2
R1 +R2
e
 
R2 Ro
1+ R1
+ R1 1
ωz′ =   = nh i o . (8.103)
Ro (R1 +Ro )R2
(R2 C2 ) 1 + R1 (R1 +Ro )+R2
C2
A Figura 8.36 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador não inversor
com compensação de fase, empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.36: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp, com
pólo dominante e resistência de saı́da, e de um amplificador não inversor com compensação de
fase.

Modelo com um pólo na origem

Substituindo-se (7.6) em (8.98), obtém-se a função de transferência


h  i
R2
V2 (s) (R2 C2 ) s + 1 + R1
= h    i  
V1 (s) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) 1 + R o
s + 1 + R2
+ Ro s
R1 R1 R1 A0 ωp
h  i
(A0 ωp ) (R2 C2 ) s + 1 + R R1
2

= h     i
Ro 2 R2 Ro
(A0 ωp ) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) 1 + R1 s + 1 + R1 + R1 s
h  i
R2
(A0 ωp ) (R2 C2 ) s + 1 + R 1
=   h  i
(R2 C2 ) 1 + R R1
o
s 2 + (A ω ) (R C ) + 1 + R2 + Ro
0 p 2 2 R1 R1
s + (A0 ωp )

A.S.V.
8.4. Efeito da resposta em freqüência e da resistência de saı́da 103

“ ”
R
1+ R2
 
A0 ωp  s+ (R2 C2 )
1

=    “
R2 Ro
”   
Ro 1+ R + R
1 + R1 s + “ A0 ωRpo ” +
2 1
“ 1 ”
s + A0“ωp ”
1+ R (R2 C2 ) 1+ R
R
o Ro
(R2 C2 ) 1+ R
1 1 1

′ s + ωz
= K   , (8.104)
A′0 ωp
s2 + (A′0 ωp + ωz′ ) s + R2 C2

onde K ′ , A′0 , ωz e ωz′ são definidos em (8.100) – (8.103), respectivamente.


A Figura 8.37 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp, com pólo dominante na origem e resistência de saı́da, e de um amplificador não
inversor com compensação de fase, empregando-se R1 = 10kΩ e R2 = 100kΩ.

Figura 8.37: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp,


com pólo dominante na origem e resistência de saı́da, de um amplificador não inversor com
compensação de fase.

Modelo com dois pólos

Substituindo-se (7.10) em (8.98), obtém-se a função de transferência

h  i
R2
V2 (s) (R C
2 2 ) s + 1 + R1
= i  “1+ s ”“1+ s ” 
V1 (s) h   
ω p1 ω p2
[(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) 1 + R o
R1
s+ 1+ R 2
R1
+RRo
1 A0
h  i
R2
(A0 ωp1 ωp2 ) (R2 C2 ) s + 1 + R 1
= h    i
R2
(A0 ωp1 ωp2 ) [(R2 C2 ) s + 1] + (R2 C2 ) 1 + R o
R1
s + 1 + R1
+ Ro
R1
 2 
s + (ωp1 + ωp2 ) s + (ωp1 ωp2 )
h  i
R2
(A0 ωp1 ωp2 ) (R2 C2 ) s + 1 + R1
=   h    i
Ro Ro R2 Ro
(R2 C2 ) 1 + R1 s + (R2 C2 ) 1 + R1 (ωp1 + ωp2 ) + 1 + R1 + R1 s2 +
3
     
Ro R2 Ro
(R2 C2 ) (A0 ωp1 ωp2 ) + (R2 C2 ) 1 + (ωp1 ωp2 ) + 1 + + (ωp1 + ωp2 ) s +
R1 R1 R1
   
R2 Ro
A0 (ωp1 ωp2 ) + 1 + + (ωp1 ωp2 )
R1 R1

TET / UFF
104 Capı́tulo 8. Efeitos das caracterı́sticas não ideais

“ ”
R
 
A 0 ω p1 ω p2 1+ R2

Ro
” s+ 1
(R2 C2 )
1+ R
1
=  “
R Ro
” 
1+ R2 + R
s3 + (ωp1 + ωp2 ) + 1
“ 1
R
” s2 +
(R2 C2 ) 1+ R2
1
    
R2 Ro
1 + +
  A0  + 1 (ωp1 ωp2 ) +
 R1 R1

  (ωp1 + ωp2 ) s +
 1 + Ro R2
R1
(R 2 C 2 ) 1 + R1

   
R2 Ro
A0 1 + R1
+ R1
  +    (ωp1 ωp2 )
R2 R2
(R2 C2 ) 1 + R1 (R2 C2 ) 1 + R1

K ′ (s + ωz )
=
s3 + (ωp1 + ωp2 + ωz′ ) s2 + [(A′0 + 1) (ωp1 ωp2 ) + ωz′ (ωp1 + ωp2 )] s+
A′0
 

+ ωz (ωp1 ωp2 ) ,
(R2 C2 )
(8.105)

onde:
A0 ωp1 ωp2
K′ =   = A′0 ωp1 ωp2 (8.106)
Ro
1 + R1

e A′0 , ωz e ωz′ são definidos em (8.100) – (8.103), respectivamente.


A Figura 8.38 apresenta uma comparação entre as curvas de módulo da resposta em freqüência
de um OpAmp com dois pólos e de um amplificador não inversor com compensação de fase,
1
empregando-se ωR1 C2 = (10kΩ)(100nF )
= 103 rad
s
≈ 2 × π × (159) rad
s
.

Figura 8.38: Comparação das curvas de módulo da resposta em freqüência de um OpAmp com
dois pólos e de um amplificador não inversor com compensação de fase.

A.S.V.
Bibliografia

[1] G. E. Tobey, J. G. Graeme, and L. P Huelsman. Operational Amplifiers: Design Applica-


tions. McGraw-Hill, Tokyo, 1971.

[2] D. L. Schilling and C. Belove. Electronic Circuits: Discrete and Integrated. McGraw-Hill,
New York, 1979 (1982 em português, Guanabara Dois, Rio de Janeiro).

[3] J. Millman and A. Grabel. Microelectronics. McGraw-Hill, New York, 2nd edition, 1987.

[4] A. S. Sedra and K. C. Smith. Microelectronic Circuits. Holt, Rinehart and Wiston, New
York, 1982.

[5] L. O. Chua, C. A. Desoer, and E. S. Kuh. Linear and Nonlinear Circuits. McGraw-Hill,
New York, 1987.

[6] J. W. Nilsson and S. A. Riedel. Circuitos Elétricos. LTC Editora, Rio de Janeiro, 5a.
edição, 1996.

[7] S. S. Haykin. Active Network Theory. Addison-Wesley, Massachusetts, 1970.

[8] B. P. Lathi. Signals, Systems and Controls. Intext Educational Publishers, New York,
1974.

[9] B. C. Kuo. Automatic Control Systems. Prentice-Hall, Englewood Cliffs, 1982 (1985 em
português).

[10] N. Balabanian and T. A. Bickart. Electrical Network Theory. John Wiley, New York, 1969.

[11] M. E. Van Valkenburg. Introduction to Modern Network Synthesis. John Wiley, New York,
1960.

[12] M. E. Van Valkenburg. Network Analysis. Prentice-Hall, New Jersey, 3rd edition, 1974.

[13] G. C. Temes and J. W. LaPatra. Introduction to Circuit Synthesis and Design. McGraw-
Hill, Tokyo, 1977.

[14] C. A. Desoer and E. S. Kuh. Basic Circuit Theory. McGraw-Hill, New York, 1969 (1979
em português, Guanabara Dois, Rio de Janeiro).

[15] G. Daryanani. Principles of Active Network Synthesis and Design. John Wiley, New York,
1976.

[16] S. Noceti Fo. Filtros Seletores de Sinais. Editora da UFSC, Florianópolis, 1998.

[17] L. P Huelsman. Theory and Design of Active RC Circuits. McGraw-Hill, New York, 1968.

105
106 BIBLIOGRAFIA

[18] A. S. Sedra and P. O. Brackett. Filter Theory and Design: Active and Passive. Matrix
Publishers, Beaverton, 1978.

[19] G. C. Temes and S. K. Mitra. Modern Filter Theory and Design. John Wiley, New York,
1973.

[20] J. L. Hilburn and D. E. Johnson. Manual of Active Filter Design. McGraw-Hill, New
York, 1973.

[21] R. G. Kinsman. Crystal Filters: Design, Manufacture, and Application. John Wiley, New
York, 1987.

A.S.V.

Você também pode gostar