Você está na página 1de 34

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO-UFMA

CURSO: CIÊNCIAS NATURAIS

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO APLICADAS


AO ENSINO
Prof. Esp. José Luís dos Santos

GRAJAÚ
2015
INTRODUÇÃO

Nesta aula, vamos conhecer situações que podem inovar a prática


pedagógica por meio da inserção e da utilização de tecnologias na
Educação.
O avanço tecnológico tem envolvido diferentes atividades – das mais
simples às mais complexas: realizar transações bancárias, comunicar-
se com pessoas em diferentes lugares em tempo real, pesquisar
temas diversificados, executar agendamentos e efetuar compras sem
sair de casa são algumas das atividades possíveis graças às
tecnologias.
Esse avanço tecnológico contribui, ainda, com a Educação ao
promover a aprendizagem. Hoje, já é possível ensinar, interagir e
aprender mesmo não estando em uma sala de aula.
PRÁTICAS INOVADORAS NA EDUCAÇÃO

De que forma as tecnologias podem favorecer atividades inovadoras


na Educação?
As tecnologias são só apoio, meios. Mas elas nos permitem realizar
atividades de aprendizagem de formas diferentes às de antes.
Uma educação inovadora pressupõe desenvolver um conjunto de
propostas com alguns grandes eixos que se integram, se
complementam, se combinam: foco na aprendizagem,
desenvolvimento da autoestima/autoconhecimento, formação do
aluno empreendedor e do aluno-cidadão.
Com as tecnologias podemos organizar atividades inovadoras na sala
de aula, no laboratório, com acesso a Internet, integradas com
atividades a distância e as de inserção profissional ou experimental.
(MORAN, do artigo “A contribuição das tecnologias para uma
Educação inovadora”. Disponível em:
<http://www6.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/785>)
Com a chegada da internet, o acesso às informações e ao trabalho de
pesquisa ganhou um novo percurso.
TIC na Educação.
CIBERCULTURA, CIBERESPAÇO E HIPERTEXTO

O ciberespaço e a cibercultura fazem parte da sociedade


contemporânea. Na internet, as pessoas têm um espaço cultural
virtual, onde se encontram, por exemplo, os hipertextos. Nesse
espaço, ficam armazenadas diversas informações.
CIBERESPAÇO

Para o filósofo Pierre Lévy, o ciberespaço é um novo espaço de


comunicação, o qual possibilita uma nova maneira de contato social
entre as pessoas que vai além dos limites naturais de tempo e espaço
com os quais elas estavam acostumadas.
O ciberespaço permite novas formas de sociabilidade e de cultura.
Segundo Lévy (1999), o ciberespaço “é um espaço não físico ou
territorial, que se compõe de um conjunto de redes de computadores
através das quais todas as informações [...] circulam.”
O ciberespaço pode contribuir para que as pessoas se tornem mais
conscientes de si mesmas, além de ser um espaço em que se
oportuniza a comunicação entre elas.
CIBERCULTURA

Em relação à cibercultura, podemos compreendê-la como o “conjunto


de processos tecnológicos, midiáticos e sociais emergentes a partir da
década de 70 do século passado [...]” (LEMOS, 2002, p. 101).
Para esse autor, o compartilhamento de arquivos, músicas, fotos,
dentre outros, para a construção de processos coletivos é uma das
características da cibercultura planetária.
“conjunto de técnicas, práticas, atitudes, modos de pensamento e
valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento da
internet como um meio de comunicação, que surge com a
interconexão mundial de computadores.” (BERGMANN, 2007, p. 5)
INTERNETÊS
WEBSITE OU SITE

Elemento básico da internet, de acordo com Miyazaki (apud FILENO,


2007, p. 38), é o “conjunto de páginas web agrupado por um mesmo
assunto, propósito ou objetivo, podendo ser de uma instituição,
empresa ou indivíduo.”
HIPERMÍDIA

É a linguagem própria do ciberespaço, que faz acontecer a integração


de som, imagem, textos em um ambiente de informação digital único.
HIPERTEXTO

O hipertexto pode ser considerado um texto aberto, com muitas


conexões. Para Lévy (1993):
Tecnicamente, um hipertexto é um conjunto de nós ligados por
conexões. Os nós podem ser palavras, páginas, imagens, gráficos ou
partes de gráficos, sequências sonoras, documentos complexos que
podem eles mesmos ser hipertextos.
VOCÊ É IMIGRANTE OU NATIVO DIGITAL?
RELAÇÕES ENTRE CIBERCULTURA E EDUCAÇÃO

Novas formas de ensinar e aprender precisam estar presentes na


escola, e as tecnologias digitais podem favorecer essas mudanças ao
possibilitar não só o acesso, mas também a produção de
conhecimento.
INTERNET NA EDUCAÇÃO

A internet pode favorecer a aproximação de alunos e professores a


materiais que, de outra forma, muitas vezes, não seria possível o
acesso.
PESQUISANDO NA INTERNET

A pesquisa escolar é um grande desafio nos tempos da internet. Para


Brito e Purificação (2011, p. 112) “uma das questões centrais que
muitos professores têm feito é: como fazer para que nossos alunos
não façam cópia e entreguem os seus trabalhos sem uma reflexão?”
Você teria uma sugestão para evitar essa situação?
VOCÊ SABE O QUE É PESCÓPIA?

Pescópia é um termo utilizado pelas pesquisadoras Glaucia da Silva


Brito e Ivonélia da Purificação para denominar a cola virtual –
também chamada de e- -cola ou cola eletrônica.
Segundo Brito e Purificação (2005), em seu artigo “Pescópia no
ciberespaço: uma questão de atitude”, elas afirmam:
Aliado às ferramentas de pesquisa na internet, ou seja: os alunos
simplesmente acessam a internet, copiam e colam num editor de
texto uma dada informação, entregam a seus professores como se
tivessem realizado uma pesquisa e, na maioria dos casos, nem leram
o que copiaram.
REFERÊNCIAS
ALVES, P. P.; MANCEBO, D. Tecnologias e subjetividade na contemporaneidade.
Estudos de Psicologia, 2005. Disponível em:
<http://redalyc.uaemex.mx/pdf/261/26111106.pdf>. Acesso em: 11 mai. 2010.
BELMIRO, Â. Fala, escritura e navegação: caminhos da cognição. In:
COSCARELLI, C. V. (org.). Novas tecnologias, novo textos novas formas de pensar.
Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Ensino Fundamental
(SEF). Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.
OROFINO, M. I. Mídias e mediação escolar: Pedagogia dos meios,
participação e visibilidade. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2005.
POCHO, C. L. Tecnologia Educacional: descubra suas possibilidades na sala
de aula. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.
SANCHO, M. J. HERNÁNDES, F. Tecnologias para transformar a Educação.
Porto Alegre: Artimed. 2006.

Você também pode gostar