Você está na página 1de 3

Termos de Referência

Facilitador de Fundo Comunitário (FC)


(Moatize e Marara em Tete)

Introdução

A Associação de Apoio e Assistência Jurídica às Comunidades (AAAJC) é uma organização da


sociedade civil moçambicana de âmbito nacional, fundada na província de Tete no contexto
do advento da exploração do carvão mineral no Distrito de Moatize. AAAJC defende o
respeito e promoção dos direitos e interesses das comunidades locais afectadas pela
mineração e propõe-se a fazer advocacia para mudanças e adoção de políticas e praticas
Governamentais e corporativas sensíveis a participação, transparência e respeito pela
sustentabilidade ambiental e social.

O Centro de Aprendizagem e Capacitação da Sociedade Civil (CESC) é uma Organização da


Sociedade Civil, sem fins lucrativos, cuja missão é fortalecer a capacidade de participação
activa do cidadão e das comunidades nos processos de desenvolvimento sócio-económico e
político, investindo na partilha de conhecimento, ferramentas de aprendizagem, monitoria e
advocacia em prol de políticas públicas que respondem às necessidades dos cidadãos.

AAAJC e o CESC estão a implementar um projecto designado Roteiro da Sociedade Civil para
Inclusao Economica e Social das Comunidades Locais, financiado pela Uniao Europeia. Neste
sentido, as duas organizações supracitadas AAAJC e CESC, pretendem recrutar 3 Facilitadores
de Fundo Comunitário (FC) para preparar, providenciar assistência técnica as comunidades
na criação, estabelecimento e operacionalização de FCs nos distritos de Moatize e Marara em
Tete.

Contextualização

A implantação dos Fundos Comunitarios é parte das actividades de um projecto que comporta
a AAAJC, CESC e MULABA como partes integrantes do consórcio. Esta ação surge na
necessidade de assegurar justiça económica e social para as comunidades hospedeiras dos
recursos naturais. Assim sendo, pretendemos como meta global, “Melhorar as condições de
vida e o acesso a justiça para 1000 cidadãos que vivem em locais impactados pela mineração,
petróleo gás, através da defesa da justa compensação e inclusão dos cidadãos e membros das
comunidades na planificação e monitoria das ações de Responsabilidade Social Corporativa e
Desenvolvimento comunitário, até o ano de 2024”. Especificamente, pretendemos:

 Assegurar o envolvimento dos membros das comunidades afectadas pelos mega-


projectos na planificação e alocação de fundos e iniciativas relacionadas com o
desenvolvimento social e local.
 Ajudar a restabelecer os meios de subsistências dos membros das comunidades
através de projectos de geração de renda e empreendedorismo, envolvendo em
especial os jovens, as mulheres e pessoas vivendo em situação de vulnerabilidade,
mobilizando financiamento e recursos junto às empresas e entidades públicas nas
comunidades impactadas pela indústria extractiva.
 Realizar ações de advocacia e desenvolvimento de capacidade destinado ao reforço e
defesa dos direitos e interesses das comunidades locais no contexto da exploração
dos recursos naturais.

As actividades serão realizadas nas províncias de Tete, Manica e Zambézia e beneficiarão


membros das comunidades hospedeiras de recursos naturais, tais como, mineração e
exploração florestal. Ação prevê a realização de formações e workshops, estudos e advocacia
baseado em evidências que visa garantir que as empresas e governo assegurem a canalização
das contribuições para as comunidades no âmbito 2.75% previstos na Lei de Minas e 20% no
âmbito da Lei de Floretas e Fauna-Bravia.

Tarefas
 Implementar as actividades-chave previstas nos presentes Termos de Referência,
entre as quais, mas não exclusivamente, incluem: mobilizar e preparar as
comunidades para a criação de Fundo Comunitário;
 Preparar e mobilizar para obter BI, NUIT, Registo Criminal e localização do local para
reuniões do FC a ser criado;
 Assistir a comunidades na preparação de Estatutos, Agenda da Comunidade/FC para
ser incorporado no PESOD, planos de actividades económicas do FC;
 Prepapar e participar na implementação de formação/capacitação de Paralegais e
Agentes Comunitários;
 Apoiar na documentação das reuniões do Direcção/ Comité Executivo do FC; divulgar
ferramentas/instrumentos/manuais de operacionalização dos FC’s;
 Orientar o trabalho dos Paralegais/Agentes Comunitários, particularmente no que se
refere ao seu papel de levantamento de conflitos de terra, queixas e encamilhamento
de processos judiciais e à sua articulação com autoridades e os actores locais durante
o processo de preparação social;
 Produzir os relatórios regulares (mensais, trimestrais, semestrais e anual);
 Efectuar visitas de monitoria conjuntas com autoridades locias ao FC;
 Participar nas sessões de balanço e planificação (trimestral, semestral e anual) da
AAAJC;
 Gerir os fundos referentes às actividades do seu distrito, incluindo a prestação de
contas, em colaboração com os colegas do escritório provincial da AAAJC;
 Prestar apoio ao Gestor de Litigação Estratégica ao nível local: fornecer informação
sobre o perfil e papel desempenhado pelas actores locais para a implementação dos
direitos humanos;
 Representar a AAAJC em fóruns distritais e provinciais relacionados com a gestão dos
recursos naturais;
 Outras tarefas ligadas ao projecto.

Resultados
 Mobilizadas e preparadas as comunidades com membros selecionados pelas
comunidades para constituir o FC;
 Craidas condições para as brigadas móveis irem registar os membros (BI, NUIT, Registo
Criminal;
 Elaborados os Estatutos do FC
 Criada a Conta Bancária do FC
 Relatório de lições aprendidas na criação do FC.

Prestação de contas
O/A Facilitador de Fundo Comunitário presta contas à Gestora de Fundos Comunitários após
ouvido o parecer do Gestor Provincial da AAAJC.

Duração
O Posto tem a duração inicial de 6 meses, com probabilidades de extensão por pelo menos
dois anos, de acordo com o desempenho.

Qualificações
 Formação superior (Licenciatura) em áreas relevantes (Desenvolvimento Comunitário,
Desenvolvimento Rural, ciências sociais ou outras);
 Domínio do quadro legal e institucional de gestão de recursos naturais e dos Órgãos Locais
do Estado;
 Domínio sobre a constituição, organização e funcionamento de associações, ou Comités
de Gestão de Recursos Naturais;
 A experiência de trabalho em projectos similares constitui uma vantagem;
 Capacidade de elaboração de relatórios;
 Experiência de formação de actores locais (Comités, OCBs, OSCs, etc);
 Capacidade de trabalho em equipa;
 Capacidade e experiência de trabalho de forma autónoma.
 Constituem vantagem para os/as candidatas/os paralegais, domínio de línguas das na
província de Tete.
 Encoraja-se candidaturas femininas.

As propostas deverão ser enviadas para o seguinte E-mail:


c.ruidevasconcelos@yahoo.com.br

Você também pode gostar