Você está na página 1de 3

ESCOLA ONLINE DE CIÊNCIAS FORMAIS

CURSO DE INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA (3) – MÉTODO AXIOMÁTICO E TEORIAS


FORMAIS

AULA 09 – TEORIA ELEMENTAR DE GRUPOS

Teoria Informal de Grupos

 Temos um conjunto de objetos

 Uma operação binária entre esses objetos que satisfaz algumas propriedades:

o Associatividade.
o Existência de um elemento neutro.
o Existência de inversos.

Teoria Elementar (de 1ª Ordem) de Grupos

Definição 1 – A teoria elementar de grupos é uma teoria formal de 1ª ordem com


igualdade definida da seguinte maneira:

LINGUAGEM

 Símbolos auxiliares, conectivos lógicos, quantificadores universal e existencial,


variáveis individuais;
 Uma constante individual 𝑎1 ;
 Uma letra funcional 𝑓12;
 Uma letra predicativa 𝐴12 .

Abreviações:

 𝑥𝑖 = 𝑥𝑗 abrevia 𝐴12 (𝑥𝑖 , 𝑥𝑗 )


 𝑥𝑖 ∗ 𝑥𝑗 abrevia 𝑓12 (𝑥𝑖 , 𝑥𝑗 )
 𝑒 abrevia 𝑎1

numeroimaginario.wordpress.com
ESCOLA ONLINE DE CIÊNCIAS FORMAIS
CURSO DE INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA (3) – MÉTODO AXIOMÁTICO E TEORIAS
FORMAIS

AXIOMAS PRÓPRIOS

(G1) (∀𝑥𝑖 )(∀𝑥𝑗 )(∀𝑥𝑘 ) 𝑥𝑖 ∗ (𝑥𝑗 ∗ 𝑥𝑘 ) = (𝑥𝑖 ∗ 𝑥𝑗 ) ∗ 𝑥𝑘

(G2) (∀𝑥𝑖 )𝑒 ∗ 𝑥𝑖 = 𝑥𝑖

(G3) (∀𝑥𝑖 )(∃𝑥𝑗 )𝑥𝑗 ∗ 𝑥𝑖 = 𝑒

Lembrete: Como estamos formalizando a teoria de grupos como uma teoria de primeira
ordem, ela possui por “herança”, digamos assim, todos os axiomas lógicos e regras de
inferência de uma teoria de primeira ordem com igualdade que vimos na aula passada.

Grupo e Modelos

Uma vez que formalizamos a teoria de grupos como uma teoria formal, um grupo é,
então, um modelo para a teoria elementar de grupos, isto é, uma interpretação de uma
teoria formal de grupos na qual todos os axiomas dessa teoria são verdadeiros.

Exemplo 1 – Uma interpretação 𝐼 para a nossa teoria elementar de grupos:

 Domínio de interpretação: 𝐷 = ℤ = {… , −2, −1, 0, 1, 2, … }


 A interpretação da constante individual 𝑎1 é o número 0 ∈ ℤ
 A interpretação da letra funcional 𝑓12 é a soma usual entre inteiros
 A interpretação da letra predicativa 𝐴12 é a igualdade usual entre inteiros

Para essa interpretação 𝐼, observa-se que

 A soma entre inteiros é associativa: 𝑥 + (𝑦 + 𝑧) = (𝑥 + 𝑦) + 𝑧. Isso implica que o


axioma (G1) é verdadeiro.
 O número 0 ∈ ℤ é o elemento neutro da soma: 0 + 𝑥 = 𝑥 para todo 𝑥 ∈ ℤ. Isso
implica que o axioma (G2) é verdadeiro.
 Para todo inteiro 𝑥 existe seu inverso: (−𝑥) + 𝑥 = 0. Isso implica que o axioma
(G3) é verdadeiro.

numeroimaginario.wordpress.com
ESCOLA ONLINE DE CIÊNCIAS FORMAIS
CURSO DE INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA (3) – MÉTODO AXIOMÁTICO E TEORIAS
FORMAIS

Portanto, a interpretação 𝐼 é um modelo para a teoria de grupos (a veracidade dos


demais axiomas segue de um resultado da lógica de primeira ordem que diz que todos
os axiomas lógicos de uma teoria formal de 1ª ordem são verdadeiros).

Exemplo 2 – Uma outra interpretação 𝐽 para a nossa teoria elementar de grupos:

 Domínio de interpretação: 𝐷 = ℕ = { 0, 1, 2, … }
 A interpretação da constante individual 𝑎1 é o número 0 ∈ ℕ
 A interpretação da letra funcional 𝑓12 é a soma usual entre naturais
 A interpretação da letra predicativa 𝐴12 é a igualdade usual entre naturais

Para essa intepretação 𝐽, observa-se que:

 A soma entre naturais é associativa. Logo, o axioma (G1) é verdadeiro.


 O número 0 ∈ ℕ é o elemento neutro da soma. Logo, o axioma (G2) é
verdadeiro.
 Com exceção do número 0 ∈ ℕ, nenhum número natural possui inverso aditivo
para a soma. Portanto, o axioma (G3) é falso nessa interpretação.

Portanto, concluímos que a interpretação 𝐽 não é um modelo para a teoria de grupos,


pois existe um axioma que não é verdadeiro nessa interpretação.
Ademais, como o axioma (G3) é falso nessa interpretação e os demais são verdadeiros,
podemos concluir adicionalmente que (G3) é independente dos demais axiomas
próprios.

numeroimaginario.wordpress.com

Você também pode gostar