Você está na página 1de 7

OTM - PERGUNTAS FREQUENTES

A - CONCEITO DE TRANSPORTE MULTIMODAL

1- O que é Transporte Multimodal de Cargas?


Transporte Multimodal de Cargas é aquele que, regido por um único contrato, utiliza
duas ou mais modalidades de transporte, desde a origem até o destino, e é executado
sob a responsabilidade única de um Operador de Transporte Multimodal – OTM.

2- O que é modalidade? O que é modal?


Os termos modo, modal e modalidade de transporte possuem o mesmo significado.
Consideram-se cinco os modos básicos de transporte: rodoviário, ferroviário, dutoviário,
aquaviário e aéreo.

3- O Transporte Multimodal de Cargas pode compreender outros serviços, além


do transporte?
Sim. Além do transporte em si, podem compreender os serviços de coleta, unitização,
desunitização, movimentação, armazenagem e entrega da carga ao destinatário, bem
como a realização dos serviços correlatos que forem contratados entre a origem e o
destino, inclusive os de consolidação e desconsolidação documental de cargas.

4- A definição brasileira de Transporte Multimodal de Cargas está coerente com a


definição dos outros países?
O conceito de Transporte Multimodal definido pela Lei 9.611/98 está em consonância
com o estabelecido no acordo firmado entre o Brasil e os países da América Latina, em
1994. Não obstante inexistir, atualmente, uma aceitação por todos os países de uma
terminologia única, a definição deste acordo é baseada no Convênio das Nações Unidas
de 1980, realizado em Genebra, sobre o Transporte Internacional de Mercadorias.

5- Qual a diferença entre transporte Intermodal e Multimodal?


O conceito de Transporte Multimodal é o definido pela Lei 9.611/98 (vide pergunta 1), já
o termo Transporte Intermodal não possui mais base jurídica, pois a legislação que o
definiu, a Lei 6.288/75 (dispõe sobre a utilização, movimentação e transporte, inclusive
intermodal, de mercadorias em unidades de carga) foi revogada. Embora a primeira Lei
revogue esta última, o conceito de Transporte Intermodal não foi substituído pelo de
Transporte Multimodal, pois há diferenças conceituais entre os dois termos.

Atualizado em 30/11/2020
B - OTM (Operador de Transporte Multimodal)

1- O que é um Operador de Transporte Multimodal – OTM?


O Operador de Transporte Multimodal é a pessoa jurídica contratada como principal
para a realização do Transporte Multimodal de Cargas da origem até o destino, por
meios próprios ou por intermédio de terceiros.

2- Qual a diferença entre o OTM e o Operador Logístico?


O OTM realiza contrato com o cliente por todo o serviço, emitindo o Conhecimento de
Transporte Multimodal de Cargas. Posteriormente, contrata os transportadores de cada
modal, assim como os serviços adicionais necessários (armazenagem, coleta etc).
Assim, o OTM se responsabiliza pelo serviço perante o Cliente até a entrega ao destino
(porta-a-porta). Por outro lado, o Operador Logístico não emite conhecimento, ao
contrário, somente promove o contato entre o cliente e cada prestador de serviço. O
foco principal do OTM é o transporte da carga sendo os demais serviços considerados
acessórios, enquanto o foco do operador logístico é gerenciar o abastecimento ou a
distribuição para o contratante.

3 - O Operador de Transporte Multimodal deve possuir frota própria?


O Operador de Transporte Multimodal poderá ser transportador ou não, não sendo,
portanto, necessário que tenha frota própria.

4 - Quais as responsabilidades do OTM?


O OTM assume a responsabilidade:
• pela execução do contrato multimodal;
• pelos prejuízos resultantes de perda, por danos ou avaria às cargas sob sua custódia,
assim como por aqueles decorrentes de atraso em sua entrega, quando houver prazo
acordado;
• pelas ações ou omissões de seus empregados, agentes, prepostos ou terceiros
contratados ou subcontratados para execução dos serviços de Transporte Multimodal,
como se essas ações fossem próprias.

Atualizado em 30/11/2020
5 - O OTM tem direito a ação regressiva contra os terceiros contratados ou
subcontratados, para ressarcir o valor de indenização que houver pago?
Sim.

6- O OTM pode ser pessoa física?


Segundo a Lei nº 9.611/1998 (art. 5º) e o Decreto nº 3.411/2000 (art. 3º, Inciso III), no
caso de transporte multimodal nacional de cargas, o Operador de Transporte Multimodal
de Cargas – OTM é uma pessoa jurídica.
De acordo ainda com o Art. 4º do Decreto nº 3.411/2000, o transporte multimodal
internacional de cargas poderá ser realizado sob a responsabilidade de empresa
estrangeira, desde que mantenha como representante legal pessoa jurídica domiciliada
no País.
Quando em virtude de tratado, acordo ou convenção internacional, firmados pelo Brasil,
o Operador de Transporte Multimodal pode ser representado por pessoa física, caso
previsto no Decreto nº 1563, de 19 de julho de 1995 que trata do Acordo de Alcance
Parcial para a Facilitação do Transporte Multimodal de Mercadorias, entre Brasil,
Argentina, Paraguai e Uruguai (Mercosul).

7- Para exercer a atividade de OTM é necessária a habilitação?


O interessado na habilitação de OTM deverá inscrever-se na Agência Nacional de
Transportes Terrestres – ANTT.

C- HABILITAÇÃO DO OTM (Operador de Transporte Multimodal)

1- Qual a abrangência da habilitação do OTM?


A abrangência da habilitação do OTM pode ser:
• Nacional - pontos de embarque e destino situados no território nacional.
• Internacional - ponto de embarque ou desembarque situado fora do território
nacional.
As empresas originárias dos países integrantes do Mercosul poderão ainda ser
amparadas pelo Decreto nº 1563/95, que dispõe sobre a facilitação do transporte
multimodal no Mercosul, devendo esta opção ser feita no momento da solicitação da
habilitação.

2- Como faço para saber quais são os OTM habilitados?


Para consultar a lista completa e atualizada de OTM, acessar:
http://appweb2.antt.gov.br/multimodal/otms_habilitadas.asp

Atualizado em 30/11/2020
3 - O que é necessário para a habilitação?
A abrangência da habilitação do OTM pode ser:

- nacional - pontos de embarque e destino situados no território nacional.

- internacional - ponto de embarque ou desembarque situado fora do território nacional.

No caso de transporte multimodal de carga internacional, o OTM será beneficiário do


regime especial de trânsito aduaneiro para desembaraço da carga. Para isso, deverá
se licenciar na Receita Federal do Brasil.

As empresas originárias dos países integrantes do Mercosul poderão ainda ser


amparadas pelo Decreto nº 1.563/95, que dispõe sobre a facilitação do transporte
multimodal no Mercosul, devendo esta opção ser feita no momento da solicitação da
habilitação.

Os pré-requisitos necessários para a habilitação na ANTT são:

- Requerimento para Habilitação do OTM - ver modelo no site;

- Para sociedade comercial: Ato Constitutivo ou Contrato Social;

- Para sociedade por ações: Estatuto Social, Documento de Eleição e Termo de Posse
dos Administradores;

- Para firma individual: Registro Comercial;

- Inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ.

- Se houver solicitação para transporte entre países do Mercosul, incluir a


apresentação de comprovação de patrimônio mínimo em bens ou equipamentos
equivalente a 80.000 DES (site do Banco Central do Brasil - www.bcb.gov.br.), ou aval
bancário ou seguro de caução equivalente.

4 - O que é recadastramento e como faço para efetuá-lo?


O recadastramento qüinqüenal é um procedimento obrigatório a ser realizado no
5º(quinto) ano contado a partir da data de emissão do respectivo certificado. Para tanto,
a empresa deverá enviar a documentação prevista nos artigos. 3º, 4º e 5º da Resolução
ANTT nº 794/2004 com antecedência mínima de 90 (noventa) dias do vencimento do
prazo quinquenal.

5 - O que é renovação e como faço para efetuá-la?


A renovação diz respeito ao procedimento pelo qual a empresa detentora do Certificado
de OTM solicita a extensão do prazo de validade de seu certificado por mais 10 (dez)

Atualizado em 30/11/2020
anos, mantendo-se a mesma numeração do documento. Para tanto, a empresa deverá
enviar a documentação prevista nos artigos. 3º, 4º e 5º da Resolução ANTT nº 794/2004
com antecedência mínima de 90 (noventa) dias do vencimento.

6 - Se minha empresa for habilitada como OTM, precisa também estar registrada
no RNTRC (Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga) para
emitir o conhecimento de transporte rodoviário de cargas?
Sim, precisa. A Lei nº 9.611/98, que trata do Transporte Multimodal, não abre exceções
para que o OTM deixe de seguir o que está estabelecido nas demais leis que regem os
transportes nos diversos modais e regimes de funcionamento. Desta forma, caso sua
empresa, além de operar como OTM, exercer a atividade de transporte rodoviário de
carga remunerado na operação multimodal, deverá estar registrada no RNTRC, de
acordo com. a legislação em vigor.

7 - É necessário habilitar também a filial da empresa habilitada?


Não é necessário, pois, a filial é considerada a extensão da matriz.

D- CTMC (Conhecimento do Transporte Multimodal de Cargas)

1- O que é o Conhecimento de Transporte Multimodal de Cargas-CTMC?


O Conhecimento de Transporte Multimodal de Cargas é aquele que evidencia o contrato
de transporte multimodal e rege toda a operação, desde o recebimento da carga até sua
entrega no destino.

2- O CTMC é somente um contrato ou representa também um documento fiscal de


transporte?
O CTMC evidencia o contrato de transporte. Além disso, representa também um
documento fiscal de transporte, pois o OTM, embora possa não realizar nenhuma parte
do transporte, responsabiliza-se pelo serviço de transporte multimodal.

3- Como deve ser o CTMC?


Por ser um documento de transporte e fiscal, existem determinações sobre sua emissão
não só na Lei nº 9.611/98, como também na legislação tributária. O modelo do CTMC é
definido pelo CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária,
http://www.fazenda.gov.br/confaz/), órgão do Ministério da Fazenda responsável pela
regulamentação da legislação tributária nacional no âmbito do ICMS. Além disso, cada
estado da federação pode complementar as resoluções do CONFAZ, para sua aplicação
em âmbito estadual.

Atualizado em 30/11/2020
E- VANTAGENS DO TRANSPORTE MULTIMODAL DE CARGAS

1- Quais são as vantagens da utilização do Transporte Multimodal de Cargas?


Existem várias vantagens potenciais no Transporte Multimodal, entre as quais
destacam-se:
• Melhor utilização da capacidade disponível da matriz de transporte;
• Utilização de combinações de modais mais eficientes energeticamente;
• Melhor utilização da tecnologia de informação;
• Ganhos no processo, considerando todas as operações entre origem e destino,
já que no serviço porta-a-porta, o OTM pode agregar valor oferecendo serviços
adicionais;
• Melhor utilização da infraestrutura para as atividades de apoio, tais como
armazenagem e manuseio; e
• A responsabilidade da carga, perante o cliente, entre origem e destino, é de
apenas uma empresa, o OTM.

F - ATRIBUIÇÕES DA ANTT QUANTO À MULTIMODALIDADE

1 - Quais são as atribuições da ANTT no que se refere ao Transporte Multimodal


de cargas?
Conforme a Lei 10.233/01, cabe à ANTT habilitar o Operador do Transporte Multimodal,
em articulação com as demais agências reguladoras de transportes.
Por sua vez, segundo o Regimento Interno da ANTT, Resolução ANTT 5.888/2020
compete à Superintendência de Serviços de Transporte Rodoviário e Multimodal de
Cargas - SUROC entre outros:
acompanhar o mercado de transporte multimodal e rodoviário nacional e internacional
de cargas;
• regulamentar e acompanhar o transporte multimodal de cargas;
• propor a habilitação dos Operadores de Transporte Multimodal;
• articular com entidades de classe, transportadores, embarcadores, agências
reguladoras de outros modos de transporte, órgãos de governo e demais envolvidos
com a movimentação de bens para promover o transporte multimodal.

G- LEGISLAÇÃO

Atualizado em 30/11/2020
1 - Quais as leis que disciplinam o Transporte Multimodal de Cargas no Brasil?
Onde posso encontrá-las?
A legislação referente ao Transporte Multimodal de Cargas pode ser encontrada no
endereço eletrônico abaixo: https://portal.antt.gov.br/transporte-multimodal-de-cargas
• Lei nº 9.611, de 19 de fevereiro de 1998 – Dispõe sobre o Transporte Multimodal
de Cargas;
• Decreto nº 3.411, de 12 de abril de 2000 – Regulamenta a Lei 9.611/98;
• Decreto nº 5.276, de 19 de novembro de 2004 – Altera os Artigos 2º e 3º do
Decreto 3.411/00;
• Decreto nº 1.563, de 19 de julho de 1995 – Dispõe sobre a execução do Acordo
de Alcance Parcial para a Facilitação do Transporte Multimodal de Mercadorias, entre
Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, de 30 de dezembro de 1994; e
• Resolução nº 794, de 22 de novembro de 2004 – Dispõe sobre a habilitação do
Operador de Transporte Multimodal.

Atualizado em 30/11/2020

Você também pode gostar