Você está na página 1de 66

EDUCAÇÃO FINANCEIRA

E PLANEJAMENTO
DOMÉSTICO

Como Controlar Gastos Domésticos com Criatividade


e Capacidade

Magno Angelito Bontorin


Curitiba, julho/2013

Esta apostila foi desenvolvida para servir de instrumento de apoio ao curso


Educação Financeira e Planejamento Domestico e oferece ao seu usuário
condições de reciclar e aprimorar conhecimentos de forma simples e acessível,
sobre os principais conceitos de Finanças e Orçamento Domestico, através da
aplicação e desenvolvimento de exercícios, reflexão de temas pertinentes, em
aula, construindo o conhecimento em negociações financeiras e controle de
dívidas. Estas questões tema/exercicios, são baseadas em situações práticas do
dia a dia tanto a nível pessoal como familiar ou profissional. Além disto, ensina
como resolver os problemas do cotidiano particularmente na relação conjugal e na
partilha dos assuntos financeiros e responsabilidades mútuas.
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Sumário

1 – FINANÇAS PESSOAIS / ORÇAMENTO DOMÉSTICO ............................................. 3


1.1 IMPORTÂNCIA DE CONVERSAR COM A FAMILIA ........................................................... 3
1.2 ESPAÇO PARA AS DIFERENÇAS..................................................................................... 6
1.3 REGRAS DE NEGOCIAÇÃO PARA O CASAL .................................................................... 6
1.4 SUGESTÃO PARA MONTAR SEU ORÇAMENTO DOMESTICO ............................................ 8
2 ECONOMIA X FINANÇAS .......................................................................................... 13
2.1 EXEMPLOS DE ENDIVIDAMENTO ................................................................................ 21
2.2 COMO RENEGOCIAR DÍVIDAS ..................................................................................... 22
2.3 RAZÃO COMO GUIA DE JUROS ................................................................................... 22
2.4 QUEM NÃO SABE, PAGA CARO... ................................................................................. 23
2.5 COMO SE LIVRAR DO CARTÃO DE CRÉDITO ............................................................... 24
2.6 CARTÃO QUALIDADE................................................................................................. 25
2.7 NÃO EXISTE VENDA A PRAZO SEM JUROS... ................................................................ 27
2.8 CONSUMIDOR S.A. .................................................................................................... 28
2.9 CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ....................................................................... 28
2.10 PASSOS PARA UMA BOA RENEGOCIAÃO .................................................................... 29
2.11 ESTE É O MOMENTO DE PLANEJAR SUA VIDA E TRAÇAR SEUS OBJETIVOS ................... 30
3 MORADIA ...................................................................................................................... 37
3.1 ABUSOS NO ALUGUEL ............................................................................................... 37
3.2 AGUA ........................................................................................................................ 38
3.3 ELETRICIDADE ........................................................................................................... 38
3.4 CONSERTOS NA MORADIA / CONTRATO COM TERCEIROS........................................... 39
3.5 LIXO .......................................................................................................................... 40
4 ALIMENTAÇÃO ........................................................................................................... 40
4.1 OS PAIS SÃO RESPONSÁVEIS ....................................................................................... 41
4.2 HORTA DOMESTICA - APROVEITAMENTO ................................................................... 41
5 SAUDE - MEDICAMENTOS ....................................................................................... 42
5.1 COMO ECONOMIZAR NA SAUDE ................................................................................. 42
5.2 MEDICAMENTOS GENÉRICOS ..................................................................................... 42
6 SAUDE - RELACIONAMENTOS ............................................................................... 48
6.1 SAUDE – RELACIONAMENTOS .................................................................................... 48
6.2 SAUDE – FILHOS ........................................................................................................ 49
7 EDUCAÇÃO ................................................................................................................... 49
7.1 MENSALIDADE ESCOLAR ........................................................................................... 49
7.2 LANCHE: NA ESCOLA OU EM CASA? ........................................................................... 50
7.3 MESADA PARA OS FILHOS .......................................................................................... 50
7.4 VOCE FEZ, VOCÊ ASSUME .......................................................................................... 50
7.5 CRIANÇA BIRRENTA... ................................................................................................ 51
7.6 PAPEL ...................................................................................................................... 51
8 TRANSPORTE ............................................................................................................... 52
8.1 TRANSPORTE COLETIVO OU ESCOLAR ....................................................................... 52

1
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

8.2 COMBUSTIVEL ........................................................................................................... 52


8.3 AUTOMOVEL – COMO PROLONGAR A VIDA ÚTIL DA SUA BATERIA ........................ 53
8.4 AUTOMÓVEL – IPVA – FIQUE ATENTO AOS IMPOSTOS ......................................... 54
9 PESSOAL ........................................................................................................................ 54
9.1 DESEJO OU NECESSIDADE? ........................................................................................ 54
9.2 ROUPAS – PRECISO IR A UMA FESTA, E AGORA? ......................................................... 55
9.3 FESTA DE ANIVERSARIO DE UM FILHO ....................................................................... 55
9.4 CONSUMIDOR DIREITOS E DEVERES ..................................................................... 55
9.5 O CÍRCULO DAS RELAÇÕES ........................................................................................ 56
9.5.1 Pessoal (eu) .......................................................................................................... 57
9.5.2 Família ................................................................................................................. 57
9.5.3 Empresa ................................................................................................................ 57
9.5.4 Posição ................................................................................................................. 57
9.5.5 Chefe ..................................................................................................................... 57
9.5.6 Subordinados ........................................................................................................ 57
9.5.7 Colegas ................................................................................................................. 57
9.5.8 Comunidade .......................................................................................................... 57
9.6 PLANO DE METAS ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL ..................................... 58
9.6.1 Área de Desenvolvimento: Pessoal / Familiar ..................................................... 58
9.6.2 Área de Desenvolvimento: Saúde física ............................................................... 58
9.6.3 Área de Desenvolvimento: Comunidade .............................................................. 58
9.6.4 Área de Desenvolvimento: Educação / Ensino..................................................... 58
9.6.5 Financeiro ............................................................................................................ 58
9.6.6 Espiritual .............................................................................................................. 58
9.7 FAÇA SEU PLANO DE MDETAS ................................................................................... 59
9.8 CONSELHOS PRÁTICOS PARA VOCÊ NÃO IR AO FUNDO DO POÇO .............................. 60
9.9 TESTE VOCÊ SE PREOCUPA COM SEU PLANO DE METAS? .................................... 61
10 – LAZER ......................................................................................................................... 63
10.1 DESCANSO, DIVERSÃO... ........................................................................................... 63
10.2 LAZER COM OS BICHANOS, POR QUE NÃO ???............................................................. 64

2
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

1 – FINANÇAS PESSOAIS / ORÇAMENTO


DOMÉSTICO

“Não importa o tamanho do


patrimonio nem a
disponibilidade financeira do casal: nunca é
fácil falar de dinheiro. Mas marido e mulher
podem aprender a negociar, entendendo que
cada um tem um estilo de gastar”

1.1 Importância de conversar com a Familia

Quando chega o momento de compartilharmos


nossos sonhos e problemas com alguém fazemos uma
escolha muito apurada. Avaliamos inúmeras
caracteristicas que se tornam boas qualidades em nossas
analise pessoal como formação religiosa, apego à familia,
gostar de crianças, formação acadêmica (escolar),
educação, boas maneiras e bons modos. Enfim
escolhemos a pessoa que vai compartilhar nossa vida e
nossos sonhos para o resto de nossas vidas.
Aprovamos o seu jeito de fazer amor, conhecemos
quais os assuntos que deixam nosso conjuge entusiasmados, descobrimos quais são
os deus defeitos. Juntos, conversamos sobre o nosso futuro e assumimos o
compromisso de respeitar as diferenças e dividir as responsabilidades asssumidas.
Em suma, ninguém se casa antes de escolher muito bem o homem ou mulher
com quem vai se casar. Todas as caracteristicas qeu serviram de base para a nossa
escolha tem por finalidade favorecer a convivência conjugal, favorecer o diálogo entre
marido e mulher. Mas, um assunto geralmente muito embaraçoso é dinheiro. É normal
até chegar a um entendimento e decidir quem vai pag o quê. Mas a falta de educação
financeira, problema comum nas pessoas do Brasil, não permite que o assunto evolua
para outros campos e então paramos por aí.
Não podemos imaginar que quando se discute finanças nos tornamos pessoas
mesquinhas ou obsessivas perante o outro. Falar de dinheiro não é feio nem tão pouco
desagadável mas é fundamental para a saúde do orçamento doméstico e vital para a
relação conjugal. Da mesma forma como no sexo, não pode haver tema proibido
nessa conversa, que muitas pessoas consideram desnecessárias algumas vezes
vulgar ou ate mesmo deselegante.
No mundo atual onde a comunicação e a informação chegam a todas as
pessoas, sem discriminar classe social, raça ou cor, não podemos mais permitir temas
proibidos. Vivemos cercados por questões que a todo momento nos induzem ao
consumismo e quando não dispomos das condições financeiras necessárias para
adquirir ou consumir criamos um problema em nossa casa. Importante que o casal

3
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

defina quais os valores que se podem utilizar para o consumo e lazer pessoal e
também para o lazer e consumo do casal.
A vida a dois fica melhor quando o casal consegue
administrar suas finanças no dia-a-dia e a definir o que fazer
com o dinheiro que sobra (se sobrar). Planejar uma viagem à
casa dos pais? Economizar para comprar um sofá novo?
Planejar o pagamento dos estudos do(s) filho(s)? Poupar para
fazer um curso de aperfeiçoamento profissional? Estas
decisões são extremamente importantes tanto antes como
depois do casamento e, a partir do momento que começa a
ser feita propicia que os cônjuges conheçam as prioridades
um do outro além do que serve para se prepararem e resolverem eventuais
divergências financeiras com os acordos que foram feitos com a devida antecedência
e de forma clara entre eles.

Por que é tão difícil falar o que queremos?

No inicio de nossa vida de casal, vivemos uma etapa em que as emoções falam
mais alto. Somos movidos pela paixão. Tudo à nossa volta é perfeito e não falta
absolutamente nada. Após o casamento começamos a reduzir o nível de nossaas
emoções que estavam supervalorizados. Então, após o casamento começamos a nos
deparar com situações até então não previstas pelos casais. Precisamos deixar um
pouco a emoção de lado e cuidar melhor da parte materialista.
Quando nos deparamos com situações em que notamos que nosso cônjuge
está se desesperando porque entrou novamente no limite do cheque especial ou
porque não conseguiu pagar suas prestalções em dia, precisamos sentar e
conversar, expor nossa apreensão e insegurança. Mas não podemos colocar o
assunto de forma a por tudo a perder. Estamos pedindo para o romance acabar.
Devíamos ter aprendido na fase de namoro que o amor deve ser flexível e que
conversar é fundamental para que o casal chegue ao entendimento desejado. Na
vida tudo depende de treinamento. Deviamos ter “treinado” a discutir estes assuntos
sobre finanças ou dificuldades financeiras. Fica mais facil depois do casamento ir
direto ao assunto. Não podemos jamais cair na tentação de taxar nosso cônjuge de
“desorganizado”, “incompetente”, etc.
Ninguem precisa ficar alardeando as dificuldades que temcom dinheiro. Elas se
revelam aos poucos, ao longo da convivência. Não podemos iniciar cada nova
semana rezando para que o nosso cônjuge não se esqueça de pagar este ou aquele
compromisso ou de reservar dinheiro para pagar alguma conta naquele dia. Estes são
sinais de que há algo de errado no comportamento
dele e no seu de não se sentar para conversar sobre
a situação.
Somente o diálogo poderá acabar com esta
tensão. Somente uma conversa ffranca e sincera
poderá permitir que se resolva a situação. Sempre

4
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

num clima de serenidade e harmonia, trazer o assunto e procurar entender os motivos


que justificam aquela atitude e parar com as suposições que apenas contribui para
enfraquecer e esfriar o relacionamento conjugal.

Algumas suposições. Pensamento...


Das mulheres Ele deve ter uma amante....
Dos homens Será que ela gastou em bobagens
novamente o dinheiro das contas da casa?
Por mais banal que seja a situação não podemos
deixar passar despercebido. É necessário comentar o
esquecimento ou a falta de dinheiro. Normalmente as
mulheres tendem a ser mai compreensivas mas também são como poços profundos:
gostam de ir acumulando e um dia explodem do nada e neste momento perdem o
controle vindo a ter uma reação desproporcional ao fato em si e tendem a xingar até
a enésima enésima geração do marido estabelecendo um conflito que deencadeará
raiva e rancor sendo que, se houvesse uma conversa preventiva lá atrás o desgaste
da relação seria evitado.
De forma geral, sem expor nossas inquietações e inseguranças, fantasiamos,
entramos no campo pantanoso da livre interpretação e das indiretas que, na maioria
das vezes não são entendidas pela cara metade.
Mal-entendidos não esclarecidos são um empecilho a mais na já espinhosa
tarefa de construir um projeto de vida a dois. Contribuem, também, para a criação de
rótulos.É mais simples catalogar uma atitude que não compreendemos, moldando-a a
nossa visão de mundo, do que decifrá-la.
Temos a tendência de rotular os outros por seus atos. Uma vez cristalizado o
rótulo, deixamos de nos relacionar com a pessoa e passamos a nos relacionar com os
estereótipos que criamos, ou seja, a imagem que temos do ser "amado". Por exemplo:
ela é uma fera...; ele é um mão de vaca...; ela não cede...; com ele não adianta nem
tentar...; etc.

Estes rótulos nascem de ironias, indiretas, sarcasmos:


- "Você é mesmo folgado(a)"...;
-"Tudo eu, tudo eu, você não serve para nada?"...;

É difícil sermos tolerantes em alguns momentos e percebermos que o outro


também tem suas dificuldades e reagimos em cima da falha do outro, como se
fossemos donos da verdade.

Num casamento cuja base é o amor não pode haver rótulos. Os parceiros
aceitam as diferenças, discutem as dificuldades em lidar com o dinheiro e,
entendem que somos seres humanos, dinâmicos, mutáveis, em constante
evolução, logo, capazes de sentar, olhar no olho um do outro e conversar.

5
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

1.2 Espaço para as Diferenças

É comum imaginarmos que, porque somos um casal, devemos buscar sempre


os mesmos ideais, pensar sempre da mesma maneira, para "aumentar a sintonia",
como se fosse possível, num passe de mágica, eliminar as diferenças individuais que
formam nossa identidade e nosso carater. O casamento não transforma a natureza de
ninguém. Pode até nos incentivar a fazer concessões, a sermos mais ponderados,
mas jamais nos levará a um consenso sobre como poupar ou usar o dinheiro.

Da mesma forma que, para uma amiga é importante gastar R$ 80 reais por
mês em manicure, você prefere empregar essa mesma quantia na compra de dois
DVD’s e seu marido terá as prioridades dele. Assim, se você adora viajar e ir às férias
para casa de parentes, entendendo que é um prêmio merecido por você ter tido um
ano de trabalho duro, certamente vai tentar convencer seu
cônjuge a destinar parte do dinheiro comum da casa para seu
projeto, a viagem. Ele ou ela, no entanto, pode estar mais
interessado(a) em trocar o carro ou a geladeira.

A partir do momento que compreendermos que cada ser


humano funciona de um jeito, em função de sua personalidade,
história de família, cultura, experiências acumuladas, e tem
uma lista única de prioridades, vai ficar mais fácil respeitar as
diferenças e conversar sobre elas e chegar a um acordo sobre
o dinheiro e de que forma ele será empregado na família.

Compreender é o sentimento que move uma relação conjugal. Compreender


que o parceiro se sentirá oprimido se não puder gastar parte do salário dele em
supérfluos é sinal de carinho e amor. Ao se mostrar aberta, em vez de recriminá-lo
pela "nova bugiganga" que comprou, você ganha um aliado. Em retribuição, ele
poderá aceitar a sugestão de resistir à liquidação "imperdível" de algo para ajudar na
compra de um computador para a família. Mas para fazer estas trocas maduras é
preciso negociar, conversar e praticar a conversa a dois.

1.3 Regras de Negociação para o Casal

a) Conversar ao primeiro sinal de insegurança ou pensamento que venham a


atrapalhar o bom convívio familiar se desejarmos algo que vai comprometer o
orçamento;

b) Se desejarmos algo que vai comprometer o orçamento familiar devemos incluir o


outro em nossa vontade para tomarmos a decisão sem comprometer o orçamento
doméstico;

6
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

c) Ser flexível ao falar de seus desejos e necessidades;

d) Escutar de verdade compreendendo a opinião do


outro;

e) Tentar entrar no mundo do outro;

f) Colocar-se no lugar dele(a);

g) Envolver-me em suas opiniões, entendendo-as;

h) dar opções de escolha, ou um acordo, pois ninguém é dono da verdade;

i) oferecer benefícios, ou seja, o que aquele investimento vai representar para a


família;

j) ter objetivos em comum quanto ao investimento do dinheiro;

k) e, porque não reservar uma parte do dinheiro para o casal alimentar o romance
como: um cinema, um jantar, e outras coisas que alimentem a paixão e fortalecem
o relacionamento.

No início, quando resolvem ficar juntos, o casal está imbuído das melhores
intenções. Com o passar dos anos, as diferenças se acentuam, se não houver
empenho em refazer acordos. Concordâncias surgem, desaparecem e reaparecem
cotidianamente. A cumplicidade se estreita, levando adiante projetos comuns. Não se
conhecem fórmulas e receitas prontas de sucesso. Mas é mais do
que comprovado que o trio:
o diálogo amoroso ao pé do ouvido,
a compreensão da paixão e,
a doçura do olhar, são fundamentais para o bom
entendimento do casal em todos os aspectos: no orçamento
familiar, na educação dos filhos e sobre a vida do casal,
podendo incluir a vida sexual.

Tratar de assunto sério nos intervalos da propagação da TV ou procurar o


parceiro só para se queixar da crise econômica e do cheque especial estourado é
péssimo.

Rir juntos, confessar inseguranças, falar de futilidades, jogar baralho a dois,


mandar beijos, escrever bilhetes apaixonados e deixar para o companheiro encontrar,
reafirma desta forma, a confiança e o sentimento que temos um pelo outro, ajudando
a fortalecer a relação e, nos habilita a colocar um tijolo na obra interminável que
construímos e chamamos de casamento.

7
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

1.4 Sugestão para montar seu orçamento domestico

Reúna os comprovantes de pagamentos do último mês. Se não tiver tudo a mão,


comece hoje a anotar na Planilha Diária TODOS os seus gastos: do cafezinho ao
juro do cheque especial, tarifas bancárias, chicletes das crianças, padaria, etc.
Parece chato, mas é a melhor maneira de perceber onde a torneira está aberta
para apertar o cinto.

Anote o quanto você ganha na Planilha Diária, se o companheiro trabalha anote o


salário dele, e se faz bicos, anote o valor extra que entra.

Depois de organizada a Planilha Diária, onde você se organizou, passe a


preencher a Planilha Mensal, anote as contas fixas que você paga mensalmente,
em relação à Moradia, Alimentação, Saúde, Educação, Transporte, Pessoal,
Lazer e Banco.

Some os valores lançados e compare com a entrada de dinheiro (o salário seu e


do seu cônjuge). Se a conta das despesas com Moradia, Alimentação, etc., for
maior que a entrada de dinheiro, prepare-se para cortar despesas. Comece
cortando os gastos que não são necessidades como: Vestuário, Restaurantes,
Bar, Bilhar, Cervejinha de todo dia, salão de beleza, CDs, cafezinhos fora de hora,
docinhos ou salgados da rua, etc.

Com sua situação financeira diagnosticada, programe os gastos dos próximos


meses. Pegue a Planilha de Previstos e Realizados e preencha. Na coluna de
Previstos lance os possíveis gastos que você terá no próximo mês de acordo com
os cortes que irá fazer junto com sua família, das despesas desnecessárias.

Terminando o mês, lance os valores na coluna Realizado todas as despesas do


mês, e compare com os valores que você previu na coluna Previstas. Desta forma
você poderá perceber se conseguiu junto com sua família economizar, por
exemplo, de R$ 88,00 que paga de luz por mês e previu economizar, com ações
concretas como apagar a luz daqueles ambientes da casa que não há ninguém,
R$ 8,00, logo deveria pagar R$ 80,00 e o quanto deste valor à família conseguiu
chegar perto ou passou, do PREVISTO.

Se, os ajustes feitos não forem suficientes para garantir sobra de dinheiro para
pagar outras despesas, corte mais gastos desnecessários (ou supérfluos), ou
comece a economizar nos Setores necessários, como pro exemplo: Alimentação
onde podemos fazer uma Horta, se já temos, podemos aprender a usar melhor as
folhas dos legumes como da Couve-Flor, Cenoura e Beterraba, por exemplo,
onde podemos aprender a usar as folhas, talos e polpa das frutas e verduras.

8
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Lembre-se: O Orçamento Domestico ajuda


você a manter as contas em dia

9
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

10
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

11
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

12
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

2 ECONOMIA X FINANÇAS

Os sinais da desaceleração econômica são1


• A China, que crescia acima de 10%, está com
dificuldade de manter o crescimento acima de 7%
neste e nos próximos anos;
• A Índia, que também chegou a crescer acima de
10%, atingiu 4% no ano passado;
• Países da América Latina, que cresciam forte
estão com perspectivas piores:
México deve crescer apenas 2,3%;
Chile, deve desacelerar de 5,6%, no ano passado, para 4,2%;
Colômbia, de 4% para 3,5%;
Peru, está desacelerando para 5,4%, uma taxa baixa para o país.

Retrospectiva da Crise Economica Mundial de 2008


A crise financeira atingiu, em primeiro lugar, seu
epicentro, nos EUA, que foram os primeiros a ver sua
economia desacelerar. Na sequência, a desaceleração
atingiu a Europa e se propagou para os países
periféricos (Grécia, Irlanda, Espanha e Portugal), que
estavam mais vulneráveis a uma mudança de curso, o
que quase levou à quebra do sistema do euro no ano
passado.
As economias da China e dos emergentes
desaceleraram apenas anos depois, algumas só neste
ano de 2013. A capacidade de reação dos emergentes
com políticas expansionistas diversas (estímulos
creditícios, fiscais e monetários) adiou o impacto. Quando essa capacidade e sua
eficácia se esgotaram, a desaceleração finalmente ocorreu. Na China, por exemplo,
ficou evidente o esgotamento da capacidade de sustentar a expansão do crédito e
dos investimentos. Em outros emergentes, o esgotamento se deu nos estímulos à
expansão do consumo.
O Brasil desacelerou antes dos outros emergentes, quando o crescimento
caiu de 7,5% em 2010 para 2,7% em 2011 e para 0,9% em 2012. A frágil
recuperação em 2013 deve levar o crescimento para algo em torno de 2%. A fase de
desaceleração trouxe de volta dúvidas sobre a disposição de manter o arcabouço
macroeconômico (e microeconômico) promotor de crescimento no longo prazo. E
faltaram reformas que aumentassem a produtividade, que elevassem o investimento,
principalmente em infraestrutura e educação.

Inflação afeta a renda do brasileiro


A inadimplência do consumidor patina e recua em ritmo lento nos últimos
meses porque a disparada da inflação acabou achatando a renda das famílias,

1
Ilan Godfajn. Economista-Chefe e Sócio do Banco Itau. Artigo: A desaceleração do Brasil é global? Publicado em www.
ESTADÃO.COM.BR, em 06/08/2013.

13
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

especialmente as mais pobres e que gastam mais com alimentos. Para manter o
padrão de consumo, a saída encontrada pelas famílias foi assumir novas dívidas.
Isso amplia o risco de inadimplência futura num cenário de alta da taxa de juros.
O índice de calote dos empréstimos com recursos livres do sistema financeiro
fechou 2012 em 8%, segundo o Banco Central (BC). Em março/2013, o último dado
disponível, a inadimplência tinha recuado para 7,6%. A expectativa da Confederação
Nacional do Comércio (CNC) era que a inadimplência recuasse para a média
histórica, que é 7,3%, em outubro deste ano. Agora acredita que essa marca será
atingida só em dezembro. Diversos economistas acreditam que este recuo poderá
ser ,mais expressivo somente no primeiro semestre de 2014.

Principais consequências da inflação alta


A inflação alta é prejudicial para a economia de um país. Quando alta ou fora
de controle, pode gerar diversos problemas e distorções econômicas. Taxas de
inflação altas são aquelas que ficam acima de 6% ao ano.
a. Desvalorização da moeda do país.
Com a inflação elevada, a moeda vai perdendo seu valor com o
passar do tempo e os consumidores (trabalhadores) que não tem
reajustes constantes não conseguem comprar os mesmos produtos
com o mesmo valor usado anteriormente. O preço dos produtos sofre
reajustes constantes. Uma inflação de 50% ao mês (hiperinflação), por
exemplo, corrói pela metade o salário dos trabalhadores.
b. - Alta do dólar e aumento dos preços dos importados
Outro problema é que enquanto a moeda do país se desvaloriza, as
outras (principalmente o dólar) faz o movimento inverso. Se este país
com inflação elevada é muito dependente de importações, os produtos
importados aumentam de preço, fato que alimenta ainda mais a alta
da inflação.
c. - Diminuição dos investimentos no setor produtivo
Num ambiente de inflação elevada, muitos investidores preferem
deixar o dinheiro aplicado em bancos (para que ocorra a correção
monetária) do que investir no setor produtivo. Embora dê uma falsa
ideia de que o dinheiro está “rendendo” muito, muitas pessoas
preferem as aplicações financeiras.
d. - Clima econômico desfavorável
Um país que sofre de inflação alta é visto no mercado internacional de
forma negativa. Os grandes investidores e empresas evitam fazer
investimentos produtivos de médios e longos prazos nestes países,
pois sabem que a inflação alta é um indicativo de economia com
problemas.
e. - Aumento da especulação financeira
Muitos investidores externos, em busca de rendimentos altos e
rápidos, costumam fazer investimentos em países de inflação alta com
o objetivo de tirar vantagens das altas taxas de juros. Este capital
especulativo é prejudicial para a economia de um país, pois grandes

14
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

somas de capital podem entrar e sair rapidamente, causando


instabilidade no mercado de câmbio.
f. - Elevação da taxa de juros
Muitos países usam o recurso da elevação da taxa de juros como
mecanismo de controlar a inflação. A lógica é simples: com juros
elevados o consumo diminui, forçando os preços a caírem. Porém, a
alta dos juros desestimula a tomada de financiamentos, prejudicando
assim os investimentos internos no setor produtivo, o mercado
imobiliário e a venda de bens de consumo duráveis (veículos,
eletrodomésticos, etc.).
g. - Aumento do desemprego
Países que não conseguem baixar e controlar a inflação sofrem, no
longo prazo, com o aumento das taxas de desemprego. Isso acontece,
pois ocorre diminuição significativa nos investimentos no setor
produtivo.

Indices de Preços

Inflação
A inflação é definida como um aumento contínuo e generalizado de preços
dentro de alguma situação. É considerado como um processo e não como uma
ocorrência passageira.
Se os preços dos bens se elevam e em pouco tempo já se estabilizam, não se
considera um processo inflacionário, apenas um ajuste na economia, caracteriza-se
uma economia inflacionária quando os preços aumentam continuamente e por um
longo período de tempo.
A inflação não aconteceria se só existisse o aumento dos preços em um
determinado setor e sim o aumento dos preços de todos os bens e serviços
produzidos pela economia. Ela é medida pelos números-índices, ou seja, fórmulas
matemáticas que informam a porcentagem de aumento nos preços dos bens e
serviços num determinado período. No Brasil, não há um índice oficial para inflação
de períodos passados. A inflação é medida por meio de diversos índices, divulgados
por várias instituições, Eles são usados para medir a variação dos preços e o
impacto no custo de vida da população.
Os principais índices utilizados no Brasil, Índice Gerais de Preços (IGPs) e o
Índice de Preços ao Consumidor (IPCs), e o IGP-M Índice Geral de Preços do
Mercado.
O IGPs procura transmitir uma ideia de inflação pesquisando todos os bens
produzidos e consumidos numa economia, os IPCs enfatizam os gastos comuns de
uma família. O IGP-M tem caráter mais amplo. Isto porque considera não só preços
de produtos finais (de consumo), mas também os de atacado e da construção civil.
No país são três as instituições que calculam índices de preços:
1. Fundação Getúlio Vargas (FGV);
2. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE;
3. Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE).

15
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

O que é um índice de inflação?


Um índice de inflação é um indicador que mede a evolução dos preços de um
agregado de bens e serviços num determinado período de tempo. Existe uma
dezena deles no Brasil como herança da época da hiperinflação, quando o ritmo
frenético de reajustes demandava acompanhamento diário ou semanal. O que
diferencia um indicador de outro é o nível de renda e o perfil social das famílias
pesquisadas, a abrangência, a cesta de produtos que serve de base para o
levantamento de preços e o período de coleta. Cada índice tem o seu valor,
dependendo do que se quer avaliar.

Características dos principais Índices de preços do Brasil

Figura 1 - Características dos principais Índices de preços do Brasil


Àrea de Início da
Instituto Índice Índices Componentes Faixa de renda Abrangência Coleta Divulgação série
IPCA-15 Do dia 16 do mês anterior Até o dia 25 do 2000
11 maiores ao dia 15 do mês de referência mês de referência
IBGE IPCA Não há 1 a 40 sm regiões
Metropolitanas Do 1º ao dia 30 do mês Até o dia 15 do 1979
INPC 1 a 6 sm de referência mês subsequente

IPA 1 a 33 sm no IPC, Dia 11 do mês anterior ao


IGP-10 IPC que é computado dia 10 do mês de Até o dia 20 do mês 1993
INCC juntamente com referência de referência
IPA os Índices de 7 das princípais Dia 21 do mês anterior ao dia 20 do Até o dia 30 do mês de ref.
FVG IGP-M IPC Preços no Atacado capitais do mês de referência 1ª prévia dia 21 1ª prévia - até dia 10 1989
INCC (IPA) e na país a ultimo dia 2ª prévia dia 21 a 10 2ª prévia - até dia 20
IPA Construção Civil
IGP-DI IPC (INCC) Dia 1º ao último dia do mês de Até o dia 10 do mês 1944
INCC referência subsequente

Fipe IPC-Fipe Não há 1 a 20 sm Munícipio de Dia 1º ao último dia do mês de Até o dia 10 do mês 1939
São Paulo referência subsequente

Índice Geral de Preços - IGP


O IGP é obtido a partir da média ponderada desses índices, de acordo com a
seguinte ponderação:

IP A 60%
IP C 30%
INCC 10%

Índice de Preços no Atacado - IPA


Esse índice pesquisa a evolução dos preços na comercialização no atacado,
em que são vendidos em grandes quantidades.
Sua fórmula consiste numa média ponderada de 423 produtos. Sua medição
é feita pela Fundação Getulio Vargas.

16
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Sua criação foi em 1947, em 2010 foi denominado Índice de Preços ao


Produtor Amplo, registram variações de preços de produtos agropecuários e
industriais nas transações interempresariais, em estágios de comercialização
anteriores ai consumo final.

Índice de Preços ao Consumidor para Brasil (IPC)


Este índice pesquisa a evolução dos preços no varejo, mede a inflação para
as famílias com renda mensal entre um (1) e trinta e três (33) salários mínimos,
calculado pela Fundação Getúlio Vargas, sua pesquisa de preços se desenvolve
diariamente, cobrindo sete principais capitais do país: Rio de Janeiro, São Paulo,
Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Recife.
O cálculo do IPC é realizado com base nas despesas de consumo obtidas
através da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).
Os bens e serviços que integram a amostra foram classificados em sete
grupos ou classes de despesa, 25 subgrupos, 87 itens e 456 subitens.

As sete classes de despesa são:


Alimentação;
Habitação;
Vestuário;
Saúde e Cuidados Pessoais;
Educação, Leitura e Recreação;
Transportes e
Despesas Diversas.

Índice Nacional de Custo da Construção (INCC)


Este índice acompanha apenas a evolução dos preços dos materiais,
equipamentos e mão de obra empregados na construção civil.
Calculado pela Fundação Getúlio Vargas a pesquisa é realizada em 18
capitais e envolve 56 itens de materiais e serviços e 16 de mão de obra.
O peso dos materiais e serviços, no cálculo do INCC, são 61,1205% e da mão
de obra, 38,7005%.

Índice Geral de Preços no Mercado (IGP-M)


Este índice é calculado pela Fundação Getúlio Vargas, ele registra a inflação
de preços variados, desde matérias-primas agrícolas e industriais até bens e
serviços finais. O IGP-M foi criado para ser usado no reajuste de operações
financeiras, especialmente as de longo prazo.
É muito usado na correção de aluguéis e tarifas públicas, como conta de luz.
Serve para todas as faixas de renda.
Seu cálculo é feito da seguinte forma, este índice é formado pelo IPA-M
(Índice de Preços por Atacado – Mercado), IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor
– Mercado) e INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado), com
pesos de 60%, 30% e 10%, respectivamente.

17
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

A pesquisa de preços é feita entre o dia vinte e um do mês anterior até o dia
vinte do mês atual.

Índice de Preços ao Consumidor – IPC-FIPE


É considerado o índice mais antigo no Brasil.
Começou a ser apurado em 1939, pela Subdivisão de Estatística e
Documentação Social da Prefeitura Municipal de São Paulo.
Em 1968 passou a ser calculado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas da
Universidade de São Paulo (IPE-USP), que foi sucedido pela Fundação Instituto de
Pesquisas Econômicas (FIPE), criada em 1973.
Recebeu a denominação atual em 1984.
O IPC-FIPE é uma média ponderada dos preços dos bens e serviços
consumidos pelas famílias paulistanas com renda entre um e vinte salários mínimos
classificados nos seguintes grupos de despesa:

Alimentação 30, 8075%;


Habitação 26,5159%;
Transportes 12,9684%;
Despesas Pessoais 12,5199%;
Vestuário 8,6580%;
Saúde 4,5814%;
Educação 3,9484%.
Isso nos indica que em média a alimentação é responsável por 30,8% das
despesas das famílias pesquisadas e assim por diante.

Índice de Custo de Vida do DIEESE (ICV-DIEESE)


Este índice serve como base para que sejam feitas as reivindicações de
reajustes salariais.
O calculo é feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos
Socioeconômicos (Dieese), que foi fundada em 1955 e criada para desenvolver
atividades de pesquisa, educação e assessoria ao movimento sindical em situações
relacionadas com o universo do trabalho.
Atualmente o Dieese pesquisa a evolução dos preços dos bens e serviços
consumidos pelas famílias paulistanas com renda mensal de um a trinta salários
mínimos, classificados da seguinte forma:

Alimentação 27,44%;
Habitação 23,53%;
Equipamentos domésticos 6,13%;
Transporte 13,62%;
Vestuário 7,87%;
Educação e leitura 6,91%;
Saúde 8,18%;
Recreação 2,08%;
Despesas pessoais 3,96%;

18
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Diversos 0,28%;

Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC e IPCA)


Os dois índices são de preço ao consumidor e calculados pelo Sistema
Nacional de Preços ao Consumidor (SNIPC), órgão que foi criado pelo IBGE com o
objetivo de produzir os índices de preços ao consumidor (INPC) e o índice nacional
de preços ao consumidor amplo (IPCA).
O período de coleta de ambos estende-se do dia um até o dia trinta do
mesmo mês.
O INPC me a inflação das famílias com rendimentos mensais de um a seis
salários mínimos, residentes em regiões urbanas e o IPCA também mede a inflação
das famílias, mas com os rendimentos entre um e quarenta salários mínimos.

Taxa de Desemprego e queda de rendimento2


A taxa de desemprego subiu para 6% em junho/13, conforme mostrou a
Pesquisa Mensal de Emprego divulgada pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia
e Estatística em 24/06/13. Em maio, a desocupação estava em 5,8% e, em junho de
2012, em 5,9%. Esta é a maior taxa para o mês desde 2011, quando marcou 6,2%.
A desocupação abrange cerca de 1,5 milhão de brasileiros contra 23 milhões
ocupados.
Em termos salariais, o rendimento médio real habitual dos ocupados caiu de
R$ 1.872,03 reais em maio para R$ 1.869,20 reais em junho. Contudo, na
comparação com junho de 2012 (R$1.854,13 reais), houve um leve aumentou de
0,8%. O rendimento não acompanhou a alta da inflação, que entre junho de 2012 e
2013 acumulou alta de 6,70%.
FIGURA 2 – Evolução da taxa de desemprego mensal

FONTE: JORNAL O GLOBO, EM 06/06/2013.

2
Jornal O Globo, em 06/06/2013.

19
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Estoques elevados podem ter feito a industria recuar:


3
FIGURA 3 – Evolução da Industria

FONTE: G1.COM.BR

Inadimplência
A inadimplência no comércio no mês de julho/13 desacelerou pela quarta vez
consecutiva e registrou a primeira queda do ano, em relação à julho do ano
passado, informou a Confederação Nacional de Dirigentes Logistas (CNDL) com
base em dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).
Para as instituições, se por um lado a inflação acima do centro da meta e a
alta dos juros forçaram o brasileiro a consumir menos e de maneira consciente, por
outro, esses fatores também aumentaram o custo de vida do consumidor, fazendo
com que o movimento no comércio apresentasse uma retração.

Emissão de Cheques sem Fundos


Em janeiro, 2,02% dos cheques emitidos em todo o país não tinham fundos,
porcentual menor que os 2,04% registrados em dezembro de 2012, segundo aponta
o Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos, divulgado ontem.
No entanto, na comparação anual o volume de cheques devolvidos
aumentou. Em janeiro de 2012, o percentual de devoluções foi de 1,93%.
Na análise regional, Roraima foi o estado que apresentou o maior percentual
de cheques devolvidos (10,95%) e o Amazonas, o menor, 1,47%. Entre as regiões, a
Norte foi a que apresentou o maior número de cheques devolvidos, com 4,22%, e a
Sudeste mostrou o menor percentual de devoluções, 1,59%.
Na avaliação dos economistas da Serasa, a melhoria das condições
financeiras do consumidor, em decorrência da intensificação das renegociações de
dívidas, contribuíram para o recuo na comparação janeiro ante dezembro, além dos
juros e desemprego baixos.

3
Jornal eletrônico Globo.com, publicado em 02/07/2013

20
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Taxas de juros praticadas pelo mercado (pessoa física)

Taxas atuais – SELIC em 26,5%a.a.


Linha de Crédito
Mês Ano
Juros no comercio 6,74% 118,74%
Cartão de Credito 10,63% 236,10%
Cheque Especial 9,77% 206,06%%
CDC Bancos 4,14% 62,71%
Empréstimo Pessoal Bancos 6,60% 115,32%
Empréstimo Pessoal financeiras 12,82% 325,24%
TAXA MÉDIA (ARITM.) 8,45% 164,70%
TAXA MÉDIA (GEOM.) 8,41% 163,56%

FONTE: http://www.bcb.gov.br/pt-br/sfn/infopban/txcred/txjuros/Paginas/default.aspx

2.1 Exemplos de endividamento

A fim de demonstrarmos o efeito nas taxas de juros descrevemos abaixo


algumas simulações de crédito:

Cartões

Cartão de Crédito

• Utilização do rotativo: Valor R$ 1.000,00 Prazo: 30 dias;


• Taxa de Juros de 10,63% ao mês – juros R$ 106,30
• Um aumento para 13,90% ao mês – juros R$ 139,00

Cheque especial

• Utilização do limite: Valor R$ 1.000,00 Prazo: 20 dias;


• Taxa de juros de 9,77% ao mês – juros R$ 65,13

Emprestimos

Crédito Pessoal - Banco

• Emprestimo de R$ 1.000,00 Prazo: 6 meses


• Taxa de juros de 6,56% ao mês – (0+6) Parcela de R$ 206,95 Total R$ 1241,73

21
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Crédito Pessoal - Financeira

• Empréstimo no valor de R$ 1.000,00 por 12 meses


• Taxa de juros de 12,78% ao mês – (0+12)
• Parcela de R$ 167,31 Total R$ 2.007,76

Crediário de Loja

• Compra de uma geladeira preço à vista = R$ 800,00


• Financiada em 12 vezes (0 + 12)
• Taxa de juros de 6,74% ao mês (0+12) Parcela de R$ 99,33 Total de R$ 1.191,96

2.2 Como renegociar dívidas

Quem já não passou por uma renegociação de dívida em algum momento de


sua vida? Seja por ter perdido o emprego, por ter perdido parte de sua renda, por ter
comprometido demasiadamente seu orçamento por usar e abusar da utilização do
cartão de crédito rotativo ou cheque especial, ter tido aumento de suas despesas
muitas provocadas por elevação de tarifas públicas ou ter exagerado nos gastos.

Nestes momentos temos a sensação de impotência e nos sentimos como se


fossemos os únicos com tais problemas.

As reações quase sempre são as


mesmas:

Não aceitar que está com problema e tentar


adiar a resolução dos mesmos;
Recorrer ao limite do cheque especial e vai-
se empurrando a dívida com a "barriga";
Perde-se dinheiro por ignorar os juros. Se
todo brasileiro é um técnico de futebol, por
que não pode também entender de juros e
ensinar para os seus familiares, vizinhos,
amigos, colegas de serviço e fazer disto uma
permanente fonte de alegria e razão?
Quem pensa que os cálculos são difíceis e lembram um jogo de xadrez está
enganado. São cálculos simples, apresentados com tabelas e exemplos da
compra de um carro, uma geladeira, um perfume, etc.

2.3 Razão como Guia de Juros

Nós brasileiros sabemos como ninguém que o futebol envolve arte, alegria e
paixão. Já a economia envolve cálculo e razão. Com os dois lados da mesma moeda,
a torcida anda sempre correndo atrás do seu time do coração e acompanhando cada
drible dos craques, mas não tem dado a mínima bola para os juros absurdos
praticados no mercado financeiro.

22
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Assim também como o cheque especial, cujos juros são em média 7,5% ao
mês ou 138,18% ao ano. A mesma coisa tem sido no cartão de crédito, que tem juros
médio de 13% ao mês e 333,45% ao ano, como também os juros do empréstimo
pessoal das financeiras, cuja taxa média atinge 4% ao mês ou 60,10% ao ano. A
torcida sente na pele que os juros são de lascar o couro do gramado, pior que um
carrinho covarde para quebrar a canela do craque, mas não se defende, nem o juiz
marca falta e nem ergue o cartão vermelho para o carrasco. Nos últimos tempos,
como muitos dos consumidores ficaram endividados e esfolados em suas longas
prestações, tem muita gente com o pé atrás.

Mas não é suficiente. O assunto é tão importante, que se não prestar muita
atenção, o consumidor perde para os juros de goleada e pode ficar assim que nem
após a derrota da seleção brasileira contra um time internacional, que, sabidamente,
seria facil ganhar o jogo, e se torna um desastre que dispensa comentários. Mas todo
mundo sabe e acompanha as CPI’s sobre o futebol, entende e questiona o patrocínio
da Nike na seleção brasileira. Enfim, o torcedor tem a sua opinião.

2.4 Quem não sabe, paga caro...

Uma situação muito diferente é perder dinheiro


com juros sem ao menos saber os motivos. Ser lesado
e enganado sem questionar por pura ignorância.
Quem não sabe, paga caro. Corre o risco de ser
“expulso” de campo e levar fama de caloteiro, vendo
seu nome ir parar no SPC. Para que nada disso
aconteça, é preciso aprender a calcular os juros. Mas
aí aparece o problema. Isso envolve matemática e
cálculos complicados que lembram mais um jogo de
xadrez. Eis o primeiro e fatal engano. Os cálculos são
simples, mas exigem muita atenção para acompanhar
nas tabelas o índice correto.

Os juros são absurdos e beiram a agiotagem, porque existe uma mistura de


ganância e má avaliação de risco das lojas e instituições financeiras. Mas não é só
isso. O comportamento do consumidor é um aspecto fundamental, pois ele não
questiona os juros. Não reclama. Não se preocupa e ignora os juros.

Entretanto, pouco se sabe, por exemplo, sobre a realidade dos juros em outros
países.

A taxa de juros do cartão de crédito no Brasil supera a de todos os países da


América Latina, segundo estudo divulgado pela Proteste - Associação de
Consumidores, EM 17/07/2012. As taxas dessa modalidade continuam elevadas no
País, apesar das recentes reduções da Selic (taxa básica de juros), que na última
reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) chegou a 8,5% a.a. neste mes de
julho/13.

23
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Confira o levantamento realizado pela Proteste, com as taxas básicas de juros,


a taxa anual do cartão de crédito e a inflação em cada um dos países pesquisados:

Taxa Básica Taxa do Cartão


País Inflação Taxa Real
de juros de crédito
Brasil 8,0% 4,9% * 2,96% 323,14%
Peru 4,25% 4,0% 0,24% 55,00%
Chile 5,0% 3,1% 1,84% 54,24%
Argentina 11,15% 9,9% 1,14% 50,00%
México 4,5% 4,3% 0,19% 33,8%
Venezuela 15,65% 21,3% -4,66% 33,0%
Colômbia 5,37% 3,2% 2,1% 29,23%
Fonte: Proteste (*) Taxa acumulada nos últimos 12 meses

2.5 Como se livrar do Cartão de Crédito

Passo 1 – Como se livrar das dívidas de cartão de


credito

É natural que o consumidor que tem dívidas no


cartão de crédito queira, o quanto antes, se livrar do
problema. Mas de nada adianta negociar a dívida e
acabar assumindo prestações que não cabem no bolso.
Confira, a seguir, cinco dicas para colocar em prática se
perceber que sua fatura está virando uma bola de neve
Passo 2 – Pare de Gastar

Ao primeiro sinal de que não vai conseguir pagar


a fatura integralmente, deixe o cartão de crédito em casa
e não faça mais compras com ele. "Se o consumidor continuar usando o cartão, a
dívida vai virar uma bola de neve e vai ser mais difícil sair dela", diz a coordenadora
institucional da associação de consumidores Proteste, Maria Inês Dolci
Passo 3 - Avalia a Proposta

Quando o consumidor paga o valor mínimo da fatura por alguns meses, é


comum a administradora enviar para ele, automaticamente, uma proposta de
parcelamento da dívida. Antes de aceitar essa proposta, analise com cuidado os
valores e as chances de você conseguir arcar com aquelas parcelas. Nem sempre a
oferta feita pelas empresas é interessante.
Passo 4 – Cancele o Cartão

"As empresas têm interesse em negociar com o devedor, mas não são
obrigadas a fazer isso", afirma a assistente técnica do Procon-SP, Marta Cassis. Ela

24
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

diz que o ideal é, antes de mais nada, pedir o cancelamento do cartão, e depois enviar
uma proposta de pagamento para a administradora. "Enquanto ele está ativo, elas
não costumam negociar a dívida", diz Marta Cassis.
Passo 5 – Peça um Empréstimo

Pode ser interessante pedir um empréstimo no banco em que você tem conta
e, com o dinheiro, quitar a dívida do cartão, diz a assistente técnica do Procon-SP,
Marta Cassis. Dados da Anefac mostram que os juros do cartão de crédito são de
10,69% ao mês, enquanto o das linhas de empréstimo pessoal dos bancos é de
3,59%, em média
Passo 6 - Questione

Se achar que os juros cobrados pela empresa estão altos demais, peça à
administradora uma planilha com a evolução da dívida. Em caso de dúvida, questione
a empresa. Se ainda assim você não entender como a dívida chegou àquele ponto ou
não concordar com o valor, procure ajuda nos órgãos de defesa do consumidor, como
o Procon.

2.6 Cartão Qualidade4

O Cartão Qualidade está presente nas atividades


da rotina corporativa, como acionamento das catracas
de acesso ao local de trabalho, cartão ponto e acesso
restrito; e também é instrumento de crédito consignado
para compras em rede conveniada.

A liberação da margem consignável é automática


e ocorre no dia 21 de cada mês. O crédito autorizado
pode ser utilizado em supermercados, restaurantes,
farmácias, postos de combustível e outros
estabelecimentos. São mais de 700 pontos de venda
conveniados em Curitiba e região metropolitana.

Para fazer compras na rede conveniada, seu


Cartão Qualidade funciona de forma parecida a um cartão de crédito, você paga
somente no mês seguinte, mas com a vantagem de não haver nenhuma taxa ou
anuidade.

Crédito Consignado

A margem consignável é liberada automaticamente no dia 21 de cada mês. O


valor liberado é determinado pelo setor de Recursos Humanos de sua empresa. Se
você fizer suas compras entre os dias 6 e 20 de cada mês, seu prazo de pagamento
será de 55 dias. Somente o valor gasto será descontado do seu salário, pois não há
juros, taxa ou qualquer acréscimo para o usuário.

4
www.cartaoqualidade.com.br

25
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Período de Compras e Descontos

Para compras realizadas do dia 21 ao dia 05: redução automática do saldo


consignável e desconto no final do mês do dia 05.

Por exemplo, no dia 30 de julho realizou-se uma compra de R$ 100,00. Os


R$100,00 serão abatidos do saldo em utilização e o desconto virá somente no
contracheque de agosto.

Para compras realizadas do dia 06 ao dia 20: redução do saldo consignável do mês
seguinte e desconto também no final do mês seguinte.

Por exemplo, no dia 10 de agosto realizou-se uma compra de R$ 100,00. O


desconto virá somente no contracheque de setembro, porém, no dia 21 de agosto, ao
consultar seu saldo consignável, notará que os R$ 100,00 estarão deduzidos deste
saldo.

FUNCIONALIDADES DO CARTÃO

O Cartão Qualidade possui grande espaço para armazenamento de dados, o


que permite que, a qualquer momento, novas funcionalidades sejam incorporadas.

Identificação e Autenticação

• Identificação funcional (crachá) - Os cartões podem ser customizados com o


logotipo da empresa credenciada, nome, foto e outras informações cadastrais
dos funcionários.

• Controle de acesso e frequência - Libera as catracas da empresa controlando


entradas e saídas.

• Ponto eletrônico - Aciona os relógios-ponto permitindo o controle de jornada


de trabalho.

• Acesso a áreas restritas - Controla o acesso a áreas em que só é permitida a


entrada de pessoas autorizadas.

26
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

• Autenticação de usuário na rede corporativa - Efetua login na rede corporativa


ou fornece acesso a máquinas, sistemas ou arquivos específicos.

• Controle de utilização de impressoras - Para evitar a exposição de documentos


confidenciais, o acesso e acionamento das impressoras podem ser feitos pelo
Cartão Qualidade.

• Registro de participação em treinamentos - A adesão aos eventos de


capacitação ofertados pela empresa pode ser controlada por meio do Cartão
Qualidade.

Operações Financeiras

• Crédito consignado para compras em rede conveniada - Estipulado sobre um


percentual do salário definido pelo setor de Recursos Humanos de cada
empresa, o crédito consignado serve para compra em estabelecimentos da
rede conveniada. A utilização do crédito consignável oferece benefícios como
maiores prazos para pagamento do mesmo valor cobrado à vista, sem nenhum
juro; ausência de qualquer taxa ou anuidade; controle dos gastos por meio do
desconto em folha de pagamento; aproveitamento de ofertas especiais para os
usuários do Cartão Qualidade.

• Empréstimo Consignado - O Cartão Qualidade também pode ser utilizado para


fazer empréstimos bancários com taxas de juros bem menores do que as
praticadas normalmente pelos bancos. Esses empréstimos podem durar até 72
meses, com os pagamentos descontados mês a mês em sua folha de
pagamento.

2.7 Não existe venda a prazo sem juros...

Na economia estabilizada, quando a inflação não existe ou tem níveis muitos


baixos, os juros estão ligados para sempre à nossa vida. Dessa forma, os juros
também podem ser um grande motivo de
grande alegria para os consumidores. Nada de
pagar à vista o que está anunciado em três
vezes sem juros e não pedir um desconto de no
mínimo 5%. Ou pagar à vista o que se diz ser
em seis vezes sem juros e não obter uma
redução de 10% a 15%.

Não existe venda a prazo sem juros, dicas simples, mas valiosas, que ajudam
os consumidores aprenderem a sobreviver aos juros absurdos.

Afinal, a economia não é algo tão estranho para os brasileiros. Pelo contrário. É
só dar uma olhada no passado recente e entender que em muitos momentos o
envolvimento com a vida econômica lembra lances emocionantes e inesquecíveis de
muitas Copas do Mundo. Como demonstra o Guia dos Juros, muitas vezes o futebol e
27
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

a economia fazem uma tabelinha curiosa. Se todo brasileiro é um técnico de futebol,


por que não pode também entender de juros e ensinar para os seus familiares,
vizinhos, amigos e fazer disto uma permanente fonte de alegria e razão?

2.8 Consumidor S.A.

Juros altos e abusivos acabam de vez com os sonhos do consumidor brasileiro.


E a grande causa dos recordes de inadimplência dos últimos tempos e do descontrole
do orçamento pessoal. Aprender a lidar com os juros é conhecer o caminho do gol.
Mais do que nunca, a bola está nas mãos, nos pés e na cabeça do consumidor.
Associações de Consumidores e ONGs surgem no país em defesa do seu time.

Nesse sentido, a pesquisa de juros é uma iniciativa com implicações


consumista, pois aponta uma série de distorções e irregularidades prejudiciais ao
consumidor, que precisa conhecer os seus direitos sagrados

2.9 Código de Defesa do Consumidor

Em relação aos juros, o Código de Defesa do


Consumidor determina que, quando o preço à vista
é diferente do preço a prazo, a loja tem que
informar em destaque a taxa de juros anual que
está praticando. Além disso, o governo baixou a
Portaria n° 14, publicada no dia 22 de junho de
1998, pela Secretaria de Proteção e Defesa do
Consumidor, da Secretaria de Direito Econômico,
órgão vinculado ao Ministério da Justiça.

A Portaria n° 14 representa mais uma


medida para acabar com as irregularidades na
cobrança dos juros e estabelece em seu Art. 1° que
os comerciantes

"ficam obrigados a prestar aos


consumidores seja na oferta do produto ou na prestação dos serviços e,
em especial, na publicidade, informação correta, clara, precisa e ostensiva,
sobre o preço à vista, as parcelas ofertadas, as taxas de juros ao mês e ao
ano, em lugar visível e de fácil leitura, nos locais de atendimento".

• Fugir dos credores como o diabo foge da cruz;

• Recorrer ao velho agiota da esquina que nos "faz o favor" de descontar um


cheque; ...

• Ou, simplesmente não se toma nenhuma atitude e se aguarda a hora que


algum cobrador ou empresa de cobrança bate na porta. Medidas esta que
somente agravam ainda mais o problema.

28
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Entretanto, é neste momento que é necessário ter a cabeça no lugar e no


bolso. Primeiramente vale destacar que o problema da inadimplência é muito grande
no país e que as empresas estão sempre dispostas a negociar, abrindo mão de
ganhos excessivos do que discutir o assunto na justiça.

Porém, caso o consumidor inadimplente não saiba negociar o credor tenderá a


tirar o máximo proveito da desinformação do devedor e fazendo um acordo que nem
sempre é o ideal para o devedor.

2.10 Passos para uma Boa Renegociaão

1. Tão logo perceba que terá problemas de continuar pagando a sua dívida
procure imediatamente e diretamente o credor informando sua situação. Esta
medida evita que sua divida cresça muito e sem fim;

2. O devedor é que sabe o que pode assumir de compromisso com o credor, por
isso negocie os pagamentos (parcelas) sempre dentro de suas possibilidades
financeiras. Não assuma um pagamento mensal maior do que possa suportar,
pois se assim o fizer estará novamente procurando o credor no futuro. Se
necessitar de prazos longos 12, 24, 36 meses, não deixe de pedir, ou seja, faça
um acordo para cumprir e não para ganhar tempo.

3. Evite negociar através de intermediários, como empresas de cobrança, estas


empresas recebem sempre um percentual sobre o valor recebido do devedor e,
assim sendo, têm sempre o interesse de cobrar o máximo possível do devedor.
Além disso, o intermediário não possui muita autonomia para negociar, como
por exemplo, diminuição de encargos ou alongamento dos prazos de
pagamento;

4. Não ter receio de sentar frente a frente com o credor. O que ele quer é receber
de volta o dinheiro;

5. Solicitar demonstrativo da dívida ao credor a fim de verificar o que está sendo


cobrado (principal, juros de mora, multas, etc.);

6. Solicitar o estorno dos excessos como juros de mora e multas valem lembrar
que de acordo com o Código de Defesa do Consumidor a multa é limitada a 2%
do valor da dívida, porém muitas lojas chegam a cobrar multa de 20% do valor
da dívida, vale igualmente lembrar que o credor costuma estornar multas e
juros de mora de quem solicita, porém quem não solicita tende a pagar um
valor maior.

7. Como referência o devedor deve se basear no valor principal que deixou de


pagar (valor do carne, cheques emitidos, etc);

8. Não aceitar multa superior a 2% do valor da dívida, nem a cobrança de


honorários advocatícios ou despesas de cobrança (mesmo que cobradas por
escritório de advogados), uma vez que de acordo com o Código de Defesa do
Consumidor tais despesas devem ser pagas por quem contratou os serviços

29
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

(no caso o credor). Somente são devidos honorários advocatícios quando a


dívida está sendo cobrada judicialmente e com a autorização do juiz, o que
dificilmente é feito pelas lojas.

9. No parcelamento da dívida, pleitear juros menores, nunca se deve aceitar a


primeira proposta do credor.

10. Como referência vale ressaltar que estas taxas normalmente vão até 2% ao
mês. Alguns credores, quando solicitado, chegam a parcelar a dívida sem juros
a fim de receber de volta o valor principal da dívida, vale lembrar igualmente
que o credor não faz propaganda disso para não incentivar outros a
renegociação e assim reduzir seus lucros;

11. Aqueles que possuam débitos, porém receberam o seu 13º salário e querem
acertar à vista as suas dívidas sempre privilegiando o pagamento daqueles que
possuem encargos maiores (cartão de crédito rotativo, cheque especial, etc)
devem solicitar um desconto da mesma como forma de estornar os excessos
(juros, multas, etc.).

Tão logo formalize um acordo com o credor, o nome do devedor que deverá
estar nos cadastros de restrição ao crédito (SPC, Serosa, etc), deverá ser excluídos,
independente da dívida estar ou não totalmente paga.

Por fim, caso a empresa se negue a baixar a restrição, cobrar multas e juros
excessivos, cobrar despesas de cobrança ou honorários advocatícios ou se negue o
demonstrar o débito, deve-se procurar o órgão de defesa do consumidor - Procon e
formalizar queixa.

2.11 Este é o momento de planejar sua vida e traçar seus objetivos

Para que possamos atingi-los ou não ser surpreendidos durante o percurso faz-
se necessário a elaboração de um orçamento doméstico.

Quem nunca se preocupou em elaborar um orçamento doméstico e administrar


melhor suas finanças pessoais, tem hoje motivos de sobra para fazê-lo. Pois hoje,
manter as contas em dia é uma questão de sobrevivência. Mas não basta só equilibrar
receitas e despesas. E preciso garantir uma sobra (de pelo menos 10% da receita)
para emergências. Para tanto, são necessárias disciplina e muita disposição para
fazer eventuais ajustes além de caderno, lápis e calculadora. Confira, a seguir, os
principais passos para elaborar seu orçamento.

30
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Observações importantes:

1. Reúna os comprovantes de pagamento de


todas as contas dos últimos três meses ou pelo
menos do último mês, incluindo as faturas dos
cartões de crédito e os extratos bancários;

2. Verifique as despesas extras, taxas de extratos,


saques, juros de saldo devedor de cartão,
cheque especial, enfim todas as despesas
extras em seu extrato bancário.

3. Relacione, na coluna de despesas, todos os gastos dos últimos meses,

4. Compare o valor total das despesas e ou taxas, com certeza os valores


aumentaram, prepare-se para reduzir as despesas.

Quando o EMPREGADOR solicita abertura de conta corrente para crédito


da folha de pagamento, este está assumindo todas as despesas, tais como:

Aquisição do Cartão para efetuar saque de folha pagamento;

Conta Salário, não tem limites de saques e/ou saldo;

Funcionário não tem despesas com taxas, este valor é destinado ao governo para
ser revertido socialmente.

Soluções

• Não incorpore o limite do cheque especial à sua renda. O crédito concedido pelo
banco, pelo qual ele cobra taxa altíssima (que podem superar 200% ao ano), só
deve ser usado em situações de emergência e por períodos curtos

• Nunca use o cheque especial para pagar dívidas decorrentes de outros


financiamentos. Nesse caso, você estará pagando juros sobre juros.

• Use cartões de crédito para postergar o pagamento de dívidas. Mas, quando


receber as faturas, liquide o débito integralmente. Quem rola a dívida, pagando
apenas o valor mínimo, arca com juros altíssimos.

• Informe-se sobre as taxas de juros (e não apenas sobre o valor das prestações)
cobradas nos financiamentos. O valor da prestação pode caber no orçamento de
hoje, mas não no de amanhã.

• Procure pagar suas contas até o vencimento, de modo a evitar cobrança de


multas.

Cartão de Crédito – Como renegociar a divida

31
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

a) Renegociar dívida, no caso de saldos devedores sem efetuar pagamento no


período de dois meses deve negociar com a administradora;

b) você deve encaminhar uma carta, o motivo do atraso e como se propõe a quitar
o debito.

c) Envie a carta sempre ao órgão emissor do cartão, que em


geral é um banco, nunca mande o documento à
administradora, a chamada bandeira do cartão;

d) depois de fechado o acordo não deixe de cumprir, para não


ter o nome incluído na lista de maus pagadores,

e) neste caso seu limite e cartão estarão temporariamente


suspenso no período de quitação da divida.

Caso você não esteja concordando com os valores de juros,


(sua divida estiver muito alta), vale a pena contratar um advogado
na área bancaria (teria um custo de honorários), e discutir em
juízo. Neste caso seu nome não pode ser enviado à SERASA ou
SPC.

Cheque sem Fundos

• CCF – Cadastro de Emitentes de Cheque semFundo cadastro mantido pelo


Banco Central;

• Inclusão é feita se algum cheque for devolvido por “Alínea 12” sem fundos;

• “Alínea 13” conta encerrada;

• “Alínea 14” prática espúria;

• Quando se tratar de conta-conjunta todos os CPFs são inclusos;

• Para retirar nome do CCF, faz-sse necessário solicitação por escrito ao Banco, e,
juntamente, comprovante de pagamento do referido cheque;

• Entrega do cheque, ou declaração do beneficiário dando quitação do debito


devidamente autenticada em tabelião ou abonada pelo endossante,
acompanhada com copia do cheque, certidões negativas dos cartórios de
protesto relativo ao cheque em nome do emitente e pagar taxa e tarifa
correspondente à exclusão junto ao Banco;

• Outra hipótese pode levar a exclusão de seu nome junto ao CCF após
decorridos cinco anos da respectiva inclusão - seu nome será automaticamente
excluído do cadastro de CCF;

• Banco oferece empréstimos, limites de crédito, cartão de crédito, cheques. Mas


nada é de graça, e as pessoas físicas caem na tentação destes valores se

32
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

tornarem parte de seu salário e, cada dia que passa, os juros aumentam e fica
mais difícil de sair desta bola de neve. Primeiro passo para se livrar de tarifas,
somente ter conta salário, evitando cheques (cair na tentação de cheques pré-
datados em mercados, lojas, etc.);

• Juro do cheque especial e empréstimos pessoais, tarifas bancárias. Procure


pagar todas as dívidas inclusive as do cheque especial antes de entrar em novos
financiamentos. Dependendo do caso, vale a pena renegociar os débitos,
buscando condições mais vantajosas junto aos credores.

• Se não tiver necessidade imediata do produto, aplique seu dinheiro num fundo de
investimentos ou na caderneta de poupança e compre-o, depois, à vista. A
economia com os juros será significativa. Não parcele suas compras, faça
investimentos.

• Aplicação Fundos de Renda Fixa e CDB até 29 dias incide IOF (imposto sobre
operações financeiras); A partir de 30 dias a alíquota cai a zero.

• IR - Imposto de Renda, é aplicado sobre todos os tipos de aplicações. Sua


alíquota varia em função do prazo da operação.

Prazo em Até 180 181 a 360 361 a 720 Acima de 720


Dias dias dias dias dias
Alíquota 22,5% 20% 17,5% 15%

Conta Corrente

Os bancos têm o direito de cobrar quase tudo de você, mas também têm a
obrigação de explicar muito bem o que estão fazendo com o seu dinheiro. Perguntar,
chegar, negociar e pedir vantagens ao gerente são os meios para você manter sua
conta corrente em dia.

• Cuidados antes de abrir uma conta corrente: procure se informar sobre a


situação do banco e conversar com algum correntista para saber como são
atendidos, quais as queixas, etc.

• E na hora de abrir a conta? Quando você abre uma conta, recebe um


contrato de adesão, no qual estão escritas as "regras do jogo", quais os
serviços que serão prestados e quanto pagará por eles. Ao assinar o contrato,
você está concordando com as condições do banco.

• E como saber se as condições são boas? Lendo cuidadosamente o


contrato. Atenção: alguns itens estão em letras bem miúdas, outros não são
explicados de forma clara. Anote tudo o que não entender e peça para o
gerente explicar. Some os valores de todas as tarifas que vai pagar para
checar se o total não está muito alto (veja a tabela). Os bancos costumam ter
"pacotes", oferecendo alguns serviços gratuitos (saques no caixa eletrônico,

33
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

um extrato por mês, etc.). Veja se esses serviços interessam para você e se
compensam o preço de outras tarifas.

• O que o banco pode cobrar dos correntistas? Praticamente tudo que quiser
(e estiver no contrato). O Banco Central exige apenas que os bancos forneçam
um talão de cheques de 20 folhas por mês ou um cartão de débito sem cobrar
nada. O resto, cada banco decide.

• O banco pode aumentar o valor das tarifas? Até quanto pode aumentar?
Pode e não há regulamentação para esses aumentos. Você precisa estar
atenta: em toda agência está afixada uma tabela com os valores das tarifas
cobradas por aquele banco. E elas também aparecem no seu extrato.

• Com que frequência devo checar meu extrato? Uma vez por mês é o
suficiente (a maioria dos bancos cobra para emitir extratos extras). Abra o
extrato assim que chegar do correio, se por acaso tiver algo errado, quanto
antes você tomar providências melhor. Confira o que entrou e saiu de sua
conta, se não houve algum lançamento indevido e quanto está pagando de
tarifas.

• E se aparecer dinheiro a mais em minha conta, que eu não sei de onde


veio? Antes de comemorar, cuidado. Se o dinheiro não for “seu” e caiu na sua
conta por engano, mais cedo ou mais tarde a quantia será estornada, ou seja,
sai de sua contra e é você quem tem que pagar. O melhor a fazer é procurar o
gerente para tentar descobrir de onde veio o dinheiro.

• Vale a pena ter duas contas correntes, em bancos diferentes? Não. Você
vai pagar tarifas duas vezes e é mais difícil controlar os gastos de um unico
banco.

• E melhor um casal ter contas conjuntas ou individuais? A vantagem da


conta conjunta é que vocês só vão pagar as tarifas uma vez. A desvantagem é
que fica mais difícil controlar o saldo. No caso de cada um ter a sua conta, e as
duas serem conjuntas, a vantagem é que vocês não pagarão tarifas (quando
houver) se precisarem transferir dinheiro de uma conta para outra (lembrem-se
da CPMF).

• Ter cheque especial é um bom negócio? Entrar no cheque especial significa


que voce gastou mais do que você tinha na conta. É um péssimo negócio. É
como pegar dinheiro emprestado e pagar com juros altíssimos, o juro do
cheque especial é um dos mais caros do mercado. Evite a todo custo.

• E se eu cair naquele círculo vicioso: uso o cheque especial, meu saldo


fica negativo, preciso entrar no especial de novo? É possível,
recomendável e inteligente negociar as dívidas com o banco. Sente-se com o
seu gerente e combine como parcelar a dívida e reduzir o juro. Você vai se
surpreender com a facilidade de fazer isso e, principalmente, com a redução de
custos que pode conseguir.

34
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

• Se tiver problemas com meu banco, o que posso fazer? Primeiro, conversar
com o gerente sobre suas queixas e ver o que ele tem a oferecer para você.
Lembre-se: o dinheiro é seu, o banco não está fazendo nenhum favor e sim
prestando um serviço e cobrando por isso. Se você é mal atendido(a) numa
loja e, ainda por cima, o produto que quer comprar está mais caro do que nas
outras, você não volta mais lá, certo? Com o banco, a mesma coisa: se não é
bom para você, feche a conta e abra em outro banco.

• Dá muito trabalho fechar uma conta? Há uma pequena burocracia, mas é


fácil. Dá menos trabalho do que "esquecer" uma pequena quantia na conta e
nunca mais usar.

• Por quê? Se você não oficializa o fechamento da conta, vai pagar uma taxa de
manutenção de conta inativa. Essa taxa não é ilegal. Suponha que o banco
lance, todo mês, essa quantia em sua conta e você não tenha mais saldo.
Depois de algum tempo, será cobrada. E voce terá que pagar juro pelos
pagamentos atrasados.

• Se eu não conseguir resolver meus problemas no banco conversando


com o gerente, o que posso fazer? Você pode procurar o Banco Central ou
o PROCON da sua cidade e se é possível fazer algo, pois se lembre que você
assinou um contrato com o banco permitindo certas coisas. Como os bancos
não estão enquadrados no Código de Defesa do Consumidor, nem sempre é
fácil de negociar.

Tarifas Cobradas pelos Bancos

35
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Tarifas cobradas pelos Bancos


Como as taxas de serviços bancários não são tabeladas, mostramos aqui uma
média dos preços cobrados pelos bancos. Fique esperto, pois para atrair
clientes muitos bancos oferecem alguns desses serviços sem cobrar nada.
Serviços Valores médios em
Confecção de ficha cadastral reais
Abertura de conta
Confecção de cartão magnético comum
Confecção de cartão magnético múltiplo internacional
Confecção de cartão adicional
Talão de cheque com 20 folhas (2º talão no mês)
Cheque sem fundo devolvido
Cheque sustado
Inclusão no cadastro de cheque sem fundo
Exclusão do cadastro de cheque sem fundo
Cheque compensado
Cheque de transferência bancária sem CPMF
Concessão de cheque especial / conta garantida
Débito autorizado em conta corrente
Saque em caixa automático externo / banco 24 horas
Emissão de DOC
Depósito em outra agência
Extrato de conta em terminal eletrônico
Extrato de conta via fax, internet etc.
Abertura de crédito
Renegociação de dívida
Segunda via de documento

É bom saber...5

... se a dívida estiver em discussão na Justiça, o devedor não pode


ser incluído nos cadastros de inadimplentes.

... depois da quitação ou renegociação do débito, o nome tem de ser


retirado das listas de devedores em no máximo cinco dias. Se isso
não ocorrer, procure os órgãos de defesa do consumidor ou um
advogado com os comprovantes de pagamento em mãos.

Em último caso, será preciso ingressar com uma ação judicial de reparação por
danos.

5
Rrevista Claudia – Abril/2002

36
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

... você tem direito a processar, por danos morais, o credor e a entidade de
proteção ao crédito caso seu nome seja incluído indevidamente em uma
dessas listas.

... nos contratos financeiros - empréstimos bancários, crediários de financeiras,


leasing ou consórcio - a multa máxima por atraso de pagamento é de 2%. É
permitida ainda uma taxa de juros por dia de atraso, a tal comissão de
permanência, que todos os tipos de contrato é possível cobrar juros de mora de
1% ao mês se a quitação for feita após o vencimento.

Orçamento Básico...6

Veja abaixo quanto os gastos com um filho representam, aproximadamente, no


total do orçamento familiar (100%):

De O a 3 anos 10 a 15%;(*)

De 4 a 10 anos 15 a 25%;(*)

De 11 a 17 anos 25 a 30%.(*)

(*) Esses valores são somente uma média. O total de gastos, em cada faixa
etária, pode ser maior ou menor, dependendo das necessidades de cada família.

3 MORADIA

3.1 Abusos no Aluguel7

Os inquilinos devem ficar atentos ao pagar o


aluguel com atraso. Geralmente, o contrato estipula
dois valores, um com desconto e outro sem. Essa
decisão da imobiliária ou do locador não é ilegal
mas, muitas vezes, contém abusos e ilegalidades. Um exemplo é quando o
proprietário cobra multa por atraso sobre o valor mais alto.

Os contratos de aluguéis não são obrigados a impor a penalidade por atraso


como multa, pois a adoção do desconto a substitui. Também não há limite para os
descontos, de acordo com a Lei do Inquilinato, mas normalmente variam de 10% a
20%.

Segundo o Código de Defesa do Consumidor, o teto para multas é de 2%, mas,


na maioria das vezes, está determinado no Contrato o percentual.

6
Revista Criativa – Outubro/2002 – site: www.criativa.globo.br
7
Revista Consumidor S.A. – Fevereiro/2001 – site: www.consumidorsa.org.br

37
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

3.2 Agua8

Em 2025, duas em cada três pessoas no mundo não terão água para beber,
segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Um cano com um furo do
tamanho de um alfinete derrama 2,8 mil litros de água em 24 horas. Em um ano esse
furo vazaria mais de 1 milhão de litros de água - esse valor multiplicando por 50 anos
representa o equivalente ao que jorra durante um minuto pelas cataratas do Iguaçu.
Motivos mais que suficientes para constatar rapidamente qualquer vazamento e
pensar duas vezes antes de lavar desnecessariamente o carro ou a calçada.

a. Nunca deixe a torneira pingando. Em um só dia, ela é capaz de desperdiçar


mais de 40 litros de água.

b. Se a descarga disparar, troque o reparo o mais rápido possível.

c. Na construção ou reforma, opte por vasos sanitários que usem o sistema


V.D.R (Volume de Descarga Reduzido), que economiza até 40% de água.
Muitos fabricantes de louças sanitárias já oferecem produtos que adotam
esse sistema.

d. Ao lavar a louça, primeiro jogue fora os restos de alimentos de pratos e


panelas e encha a cuba da pia pela metade. Ensaboe as louças com a
torneira fechada. Encha a cuba novamente e enxague toda a louça.

e. No banho, feche o chuveiro enquanto está se ensaboando. No verão,


substituindo a resistência do chuveiro de 110 V para 220 V, dá uma boa
economia, aquece a água o suficiente , reduzindo gastos de energia.

f. Deixe a torneira fechada - escove os dentes ou faça a barba com a torneira


fechada, abra apenas no enxague

g. Lave de uma vez só, na máquina ou na mão, toda a roupa acumulada.

h. No verão, regue o jardim pela manhã ou no final da tarde, para que a água
não evapore rápido demais.

i. Em vez da mangueira, use um balde para retirar a sujeira do veículo e da


calçada. Prefira varrer o chão sempre que puder.

j. Mantenha a válvula de descarga regulada. Teste, se há vazamento, jogue


pedacinhos de papel picado no vaso sanitário, se eles ficarem circulando, em
vez de ir para o fundo, é sinal de água sendo perdida, e você está pagando
por isso;

3.3 Eletricidade9

Esse é um ótimo motivo para tomar banhos mais curtos e menos quentes:

8
Revista Bons Fluidos – Julho/2003 – site: www.bonsfluidos.com.br e Revista Tudo – Novembro/2002
9
Revista Bons Fluidos – Julho/2003 – site: www.bonsfluidos.com.br

38
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

"Se 1 milhão de pessoas diminuíssem seu tempo de banho para 6 minutos,


seria possível uma economia de energia suficiente para fechar a Usina
Nuclear Angra I, além de economizar água para 100 mil pessoas", afirma
Hélio Mattar, do Instituto Akatu.

a. Evite guardar na geladeira alimentos ainda quentes, pois isso exige maior
esforço do motor e maior gasto de energia;

b. Ao comprar um eletrodoméstico, prefira os que possuam o Selo Procel de


Economia de Energia. Esse selo é concedido pelas Centrais Elétricas Brasileiras
aos equipamentos com bons índices de eficiência energética

c. Desligue os aparelhos eletrônicos da tomada quando estiverem fora de uso. E


se for comprar procure sempre os aparelhos que oferecem uma maior economia
de energia.

d. Não durma com a TV ou o equipamento de som ligados.

e. Utilize ao máximo a iluminação natural. Substitua as lâmpadas incandescentes


por fluorescentes, que consomem menos energia , economizam até 30% de
energia.

f. Acostume-se a sempre apagar as luzes dos ambientes desocupados.

3.4 Consertos na Moradia / Contrato com terceiros10

COMO CONTRATAR UMA DESENTUPIDORA ou outro Serviço

Pode parecer um problema só do vizinho, mas talvez um dia você também


precise contratar um serviço de desentupimento. Esteja preparado com as dicas do
Procon:

a. Mesmo em situação de emergência, levante orçamentos de diferentes empresas.


A pesquisa lhe dá opções de preço e garantia do valor a ser pago;

b. Exija no orçamento o preço de todo o material usado, a data de início e término


do serviço, o valor e as condições de pagamento. Confira os dados da empresa,
como nome, endereço, CNPJ, telefone;

c. Solicite também no orçamento a apresentação do preço final. A alteração só


poderá ser feita mediante a negociação de ambas as partes.

d. As empresas costumam dar preço do metro de cabo linear e não dizem quantos
metros serão usados no serviço. Assim, não permita o início do trabalho antes de
saber quanto vai pagar.

e. Não deixe de acompanhar o desentupimento, principalmente a retirada do cabo.


Confira a metragem real usada. Não tenha vergonha de solicitar esses dados.

10
Revista Consumidor S.A. – Fevereiro/2001 – www.consumidorsa.org.br.

39
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

f. Ao término, faça um teste. Você tem a garantia de 90 dias. Portanto, se o


problema persistir, exija execução dos serviços sem custo adicional. Se preferir,
exija o reembolso da quantia paga (atualizada monetariamente) ou o abatimento
proporcional do preço

g. Mantenha o orçamento e a nota fiscal com todos os detalhes do serviço efetuado.

3.5 Lixo11

Quanto tempo leva para que o lixo se decomponha no meio ambiente?

TIPO DE LIXO TEMPO PARA DECOMPOSIÇÃO


Papel 3 meses (É reciclável)
Filtro de Cigarro 1 a 2 anos
Chicletes 5 anos
Madeira Pintada 14 anos
Náilon (roupa) 30 anos
Latas de Aluminio 200 a 500 anos (É reciclável)
Plástico Cerca de 450 anos (Conforme o plástico é reciclável)
Fralda Descartável 600 anos
Vidro Mais de 4 amil anos (É reciclável)

4 ALIMENTAÇÃO

No Brasil, 60% do lixo domiciliar é composto por comida, de acordo com as


pesquisas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Isso representa que a
cada ano 26,3 milhões de toneladas de restos de alimentos são desperdiçados.

Você pode fazer sua parte para conter esse esbanjamento (num país em que
boa parte da população passa fome) prestando atenção na data de fabricação dos
produtos e adequando a compra de frutas e legumes, por exemplo, ao real consumo
de sua família.

a. Evite fazer grandes compras mensais. Compre tudo em quantidades menores,


com a certeza que não vai jogar nada fora.

b. Não compre produtos em quantidade exagerada só porque estão em promoção.

c. Consuma logo vegetais e frutas, que são os primeiros a estragar.

d. Para conservar as hortaliças por mais tempo, guarde-as inteiras, sem cortar ou
descascar, em sacos plásticos na parte baixa da geladeira. Frutas maduras
devem ser conservadas no refrigerador. Deixe-as em temperatura ambiente
somente até amadurecerem.

11
Apostila da Secretaria de Estado do Meio Ambiente para escolas de 1ª a 4.a série

40
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

e. Procure reaproveitar talos e sementes, folhas de verduras e cascas de frutas, que


têm alto valor nutritivo. Faça uma Oficina sobre Reaproveitamento de Alimentos

4.1 Os pais são responsáveis12

Os pais devem ser os primeiros a dar exemplos de bons hábitos de uma


alimentação saudavel aos filhos

Veja como:

• Comer verduras e legumes: é uma forma de fazer a criança entender a


importância de alimentos saudáveis;

• Não abusar das guloseimas: é preciso mostrar limites no consumo diário de


calorias.

• Evitar beliscar: no lugar de comer a todo instante, o ideal é fazer lanches entre
as refeições: (5 refeições: café, lanche, almoço, lanche, jantar)

• Deixar a sobremesa de lado: presentear a criança com um doce porque raspou


o prato é condenado pelos pediatras, pois uma fruta é bem mais saudável.

• Diversificar os pratos: comer todos os dias a mesma comida deixa qualquer um


enjoado, aprenda novas formas de fazer o mesmo prato. Participe de curso sobre
“Alimentação” e aprenda a diversificar.

4.2 Horta domestica - aproveitamento

Um exemplo de bom aproveitamento dos recursos disponíveis em nossa horta:


SUCO DE COUVE
Ingredientes:

. Suco de 03 limões
. 1 limão com casca;
. 2 folhas de couve pequena, com talo;
. 2 litros de água
. Adoçar a gosto

Modo de fazer
Bate tudo no liquidif icador e passe na peneira. Esta pronto para tomar.
Caso fique muito ácido, colocar uma pitadinha de bicarbonato de sódio após o preparo
ou use somente o suco dos limões

12
Revista Tudo – Novembro/2002

41
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

5 SAUDE - MEDICAMENTOS

5.1 Como economizar na saude

Sempre procure pesquisar os medicamentos


antes de compra-los. Há uma grande variação
de preços entre uma farmácia e outra.

Não compre medicamentos sem receita


médica. A auto medicação, além de perigosa,
pode sair cara.

Procure sempre que possível comprar o


medicamento à vista procurando fazer uma
pesquisa antes da compra.

5.2 Medicamentos Genéricos

1. O que são medicamentos genéricos?


O medicamento genérico é aquele
que contém o mesmo fármaco
(princípio ativo), dose e forma
farmacêutica, é administrado pela
mesma via e com a mesma
indicação terapêutica do
medicamento de marca
apresentando a mesma segurança.
2. O que são medicamentos
similares?
Os similares são medicamentos que possuem o mesmo fármaco, a mesma
concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação
terapêutica do medicamento de referência (ou marca), mas não têm sua bio-
equivalência com o medicamento de referência comprovada.
3. O que são medicamentos de marca?
São, normalmente, medicamentos, cuja eficácia, segurança e qualidade foram
comprovadas cientificamente, por ocasião do registro junto ao Ministério da
Saúde. São os medicamentos que, geralmente, se encontram há bastante tempo
no mercado e têm uma marca comercial conhecida.
4. Como identificaros três tipos de medicamentos existentes no mercado
brasileiro: os genéricos, os similares e os de marca?

A diferença na identificação está na embalagem;

42
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Apenas os medicamentos
genéricos contêm, em sua
embalagem, logo abaixo do
nome do princípio ativo
que os identifica, a frase
"Medicamento genérico -
Lei 9.787/99". Os demais
medicamentos não possuem
esta identificação

5. . O medicamento genérico tem o mesmo efeito do medicamento de marca?

Sim. O medicamento genérico tem a mesma eficácia do medicamento de marca


ou de referência. É ele o único que pode ser substituído pelo medicamento de
referencia, porque foi submetido ao teste.
6. O médico pode proibir a troca do remédio de marca pelo medicamento
genérico?

O profissional poderá restringir a substituição do medicamento de referência pelo


genérico; todavia, esta orientação deverá ser escrita de próprio punho, de forma
clara e legível.
7. Se na farmácia não tiver o medicamento genérico, como o usuário deve
proceder?

O usuário deve solicitar ao farmacêutico orientações quanto à substituição do


medicamento, conforme a prescrição, ou procurar outro estabelecimento,que
possua o medicamento genérico prescrito.
8. Qual a vantagem de comprar o medicamento genérico?

Pela comprovação da boa qualidade do medicamento genérico, e pelo menor


custo, em relação ao medicamento de referência.
9. E preciso receita médica para comprar um medicamento genérico?

Sim. Qualquer medicamento, exceto os de venda livre, seja de marca, similar ou


genérico deve ser vendido mediante prescrição médica. A auto medicação é uma
prática perigosa.
10. Na hora de comprar medicamentos, o que fazer para se proteger de
falsificações?

Exija sempre a nota fiscal

Guarde com você: a nota fiscal, a embalagem e a cartela ou ou frasco do


medicamento que está sendo usado

43
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Só tome medicamentos que foram RECEITADOS pelo seu medico

Nada de seguir conselhos;

Nunca compre medicamentos em feiras e camelos

Muita atenção com promoções e liquidações

Se o medicamento falhar,procure imediatamente seu médico

Na hora da compra, VERIFIQUE sempre na embalagem do remédio:

Se consta a data de validade do produto;

Se o nome do produto está bem impresso e pode ser lido facilmente;

Se não há rasgos, rasuras ou alguma informação que tenha sido apagada ou


raspada;

Soros e Xaropes devem vil com lacre. Isso é obrigatório para todos os
medicamentos líquidos;

Se consta o nome do farmacêutico responsável pela fabricação e o número de sua


inscrição no Conselho Regional de Farmácia;

O registro do farmacêutico responsável deve ser do mesmo estado da fábrica do


medicamento;

Se consta o numero do registro do medicamento no Ministerio da Saude;

Se o número do lote, que vem impresso na parte de fora, é igual ao que vem
impresso no frasco;

A bula não pode ser uma cópia xerox. Se a bula do medicamento não for original,
não aceite o produto;

Não compre medicamentos com embalagens amassadas, lacres rompidos, rótulos


que se soltam facilmente ou estejam apagados e borrados;

Caso vá aplicar uma injeção na própria farmácia ou drogaria, compre primeiro a


medicação e verifique tudo o que foi dito acima;

Só depois disso peça para fazer a aplicação, que deve ser supervisionada pelo
farmacêutico;

Se você costuma usar um remédio e já o conhece bem, ao comprar uma nova


caixa não deixe de verificar;

Se a embalagem que você está acostumado mudou de cor, de formato, ou

Se o tamanho das letras no nome do produto foi alterado;

44
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Se o sabor, a cor ou a forma do produto mudou;

Peça ajuda ao farmacêutico responsável pela farmácia ou drogaria para identificar


os itens acima;

Verifique se o profissional que está lhe atendendo é o farmacêutico. O nome dele


deve estar escrito em uma placa, pregada em local visível na farmácia ou drogaria.
Este profissional deve identificar-se

Outras alternativas ... para melhorar sua saúde com $$$$$$$$$$$

Quem nunca teve uma dor de cabeça?

Dor de barriga?

Aquela ressaca depois de um final de semana de abusos?

Qual a sua reação?

Opção 1 Vai à farmácia?

Opção 2 Recorre ao quintal em busca de ervas medicinais que podem

auxiliar sem prejudicar sua saúde?

Assim como os remédios, as plantas também devem ser manipuladas com


cuidado

Nunca recorra à varias plantas ao mesmo tempo, fazendo aquele “misturão”. Isso pode
trazer problemas.

Aquela receita da comadre ou da avó, muitas vezes, não considera


alguns problemas que você tem....

Exemplo:

Alecrim
Ideal para problemas estomacais, mas contra-indicado para quem é hipertenso.

Tenha cautela para não haver uma overdose herbária

Alguns exemplos de plantas que podem auxiliar sem causar problemas.

PLANTAS INDICAÇÃO
Analgésico indicado para dor de cabeça e pressão
Anador
alta
Cipó de Insulina Para pessoas que tem diabetes

45
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Babosa Queimaduras e cabelo (dar brilho)


Salvia Dor de garganta e gripe
Bálsamo Brasileiro Ferimentos (pequenas escoriações)
Capim-Limão Abaixar a pressão
Auxiliam no funcionamento do aparelho digestivo,
Orégano e Mangerona
quando usado na comida.

DICA: Quando alguém em sua família não estiver bem de saúde dê mais
atenção, seja carinhoso(a). Isso também é “remédio”!

Essas pequenas dicas não dispensam a orientação médica.

Mandamentos para manter um coração saudável13

I. Evitarás os alimentos gordurosos;


II. Consultarás o médico periodicamente;

A partir dos 40 anos, a consulta pode ser semestral, além de uma investigação
clínica, exames de sangue para verificar níveis de colesterol, de triglicérides e de
glicose podem ajudar a detectar e a conter a evolução de eventuais doenças

III. Não consumirás sal em excesso14

Esse tempero é um dos principais determinantes da hipertensão, mal que atinge


30% da população adulta e compromete a saúde cardiovascular. A pressão começa
a ficar preocupante quando ultrapassa os 135 por 85 mm Hg, que pode se alterar a
partir dos 35 anos de uma hora para outra. A hipertensão é completamente
assintomática, silenciosa, com alto índice de letalidade no país. Não tem cura, mas
pode ser controlada com dietas e remédios. Dados do Ministério da Saúde apontam
que a população brasileira consome cerca de 12 gramas de sal por dia, mais do que
o dobro cinco gramas diárias recomendadas pela Organização Mundial de Saúde
(OMS).

IV. Evitarás o Stress

As doenças cardiovasculares predominam em pessoas sedentárias, com maus


hábitos alimentares, que se alteram além da conta com as dificuldades da vida.

V. Praticarás alguma atividade física

Os exercícios físicos combatem a obesidade, o colesterol, a diabete e a hipertensão,


além de favorecer a circulação sanguínea e manter o músculo do coração em forma.
Uma hora de exercício como andar, correr, pedalar, nadar, etc., entre 3 ou 4 vezes
por semana, é fundamental para o bom funcionamento do coração.

VI. Investigarás antecedentes familiares

13
Revista Tudo – Novembro/2002
14
www.saudeweb.com.br

46
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Se avós, pai, mãe ou irmão tem colesterol alto, diabetes, hipertensão ou morreram
por complicação cardíaca antes dos 55 anos, a probabilidade de você, se não se
cuidar, desenvolver uma deficiência cardíaca, aumenta consideravelmente.

VII. Não fumarás

O cigarro aumenta em quase 5 vezes a chance de ter problemas cardíacos. As


substâncias presentes no cigarro aumentam e tornam irregular o ritmo cardíaco e
ajudam na formação de placas de gorduras nas artérias.

VIII. Medirás a frequência cardíaca

Verificar o ritmo dos batimentos cardíacos, principalmente durante a prática de


exercícios, pode ajudar a detectar arritmias e evitar sobrecarga do coração. Em
repouso, os batimentos devem ficar entre 60 e 90 por minutos. A fórmula para
descobrir a frequência máxima recomendada durante os exercícios é uma operação
simples: o numero 220 menos a idade da pessoa. Durante a prática de exercícios, é
sempre bom manter-se numa margem 20% abaixo desse limite

Fórmula: Frequencia Maxima Recomendada = 220 – Idade da Pessoa

Exemplos:

Idade Fórmula F.C. máxima


20 Anos 220 – 20 = 200
30 Anos 220 – 30 = 190
40 Anos 220 – 40 = 180
50 Anos 220 – 50 = 170
60 Anos 220 – 60 = 160

IX. Controlarás o peso

Não se sabe ao certo o motivo, mas a ocorrência de gordura no abdome está


diretamente relacionada às doenças cardiovasculares. O risco de enfarto quase
triplica quando a proporção da medida cintura/quadril (divisão da primeira pela
segunda) for maior que 0,93 para homens e 0,83 para mulheres. Os médicos
recomendam atenção também ao índice de massa corpórea: divide seu peso por
sua altura elevada ao quadrado. Se o resultado for igual ou maior que 25, você tem
sobrepeso e, acima de 30, obesidade.

Risco de enfarto: cintura_ Homens > 0,93 e Mulheres > 0,83


quadril

Indice de Massa Corpórea: Peso ≥ 25 = sobrepeso ou > 30 = obesidade


(Altura)2

47
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Exemplo p/ Homem com “sobre peso”

Idade: 50 anos
Cintura: 1,10 m
Quadril: 1,00 m
Peso: 92 Kg
Altura: 1,70 m

FORMULAS:
A) Risco de enfarto 1,10 = 1,1 (ALTO)
1,00
B) Indice de Massa Corpórea 92 . = 32,87 (ALTO)
(1,70)2

Exemplo p/ Homem “sarado”

Idade: 50 anos
Cintura: 0,90 m (ou 90 cm)
Quadril: 1,00 m
Peso: 85 Kg
Altura: 1,70 m

FORMULAS:
C) Risco de enfarto 0,90 = 0,9 (ADEQUADO)
1,00
D) Indice de Massa Corpórea 70 . = 24,22 (ADEQUADO)
(1,70)2
X. Descobrirás se é diabético

Os efeitos da doença diabetes são tão danosos que é o segundo principal fator de
risco de enfarto. Acontece quando o organismo não consegue converter a glicose
que ingere em energia por alguma deficiência na produção ou absorção de insulina.
A diabetes está diretamente relacionada à obesidade e tende a aumentar com a
idade. Considera-se diabético quem tem mais de 126 miligramas de glicose por
decilitro de sangue.

6 SAUDE - RELACIONAMENTOS

6.1 Saude – Relacionamentos

Venha me Beijar15

Beijar deveria ser a mais nova coqueluche para manter a saúde:

a. o beijo diminui a tensão ao liberar no cérebro endorfinas, hormônios que geram


bem-estar;

15
Revista Seleções – Dezembro/2002

48
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

b. queima duas calorias por minuto e pode levar a "mais exercícios";


c. fortalece os músculos do rosto e é mais barato do que uma plástica;
d. "trocar saliva" melhora o sistema imunológico, ajudando o organismo a reforçar
suas defesas;
e. então para sair do baixo astral, dê beijos em seu “ser amado”... não custa nada....
e ainda faz bem e é muito gostoso.

6.2 Saude – Filhos

Cama Sequinha16

Pequenas mudanças

Pequenas mudanças na rotina da criança ajudam a livrá-la das fraldas noturnas


como:

• de à criança o último copo de água, suco, chá ou leite cerca de três horas antes
de ela deitar;
• crie o hábito da ida ao banheiro antes de dormir;
• não castigue, não humilhe nem dê broncas quando ela molhar a cama;
• durante o dia, incentive-a a segurar o xixi. Quando ela avisar que quer ir ao
banheiro, peça-lhe para esperar um pouco. Isso fará com que ela aprenda a
controlar a vontade, aumentar assim a capacidade da bexiga.

7 EDUCAÇÃO

7.1 Mensalidade Escolar17

COMO SABER SE ESTÁ CORRETO O AUMENTO DA MENSALIDADE ESCOLAR?

A Lei n°. 9.870 (Nov/1999) determina que o valor da anuidade ou da semestralidade


deve ser determinado no ato da matrícula. Ou seja, é proibido o reajuste da
mensalidade antes do término do ano letivo. No local da matrícula, 45 dias antes do
final desse período, devem ser fixados os valores das taxas referentes à matrícula,
como a reserva ou mesmo a confirmação. Portanto, o cálculo da nova anuidade
deve ser demonstrado para o consumidor por meio de uma planilha de custos.

Planilha de custos = Salario de Funcionarios + Impostos+ Inflação + Custeio do


espaço físico e estrutura funcional + Investimentos + Inadimplência

Se você perceber que essa soma é maior que o aumento informado para a
anuidade, ou que o aumento da mensalidade é abusivo, individualmente ou com

16
Revista Tudo – Novembro/2002
17
www.portaldoconsumidor.gov.br

49
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

outros interessados, procure um órgão de defesa do consumidor. Assim, serão


exigidas justificativas para o aumento, em caso de abuso.

7.2 Lanche: na escola ou em casa?

Dicas práticas:

• acordar o filho mais cedo para que ele tome um bom café da manhã em casa,
desta forma, não terá necessidade de comprar lanche na escola,
• se der, o filho poderá levar uma fruta ou outro lanche de casa para tomar na
escola;
• levar dinheiro faz com que a criança compre o que quiser e isto não garante uma
boa alimentação.

7.3 Mesada para os filhos

Dicas práticas:

• veja as necessidades de seu(s) filho(s), dentro do que vocês pais permitem e


tenham condições. Exemplos: ir à Lanhouse 2 vezes por mês; ir ao cinema 2
vezes e fazer 01 lanche com os amigos, custará aproximadamente R$ 40,00,
então,
• ao invés de dar dinheiro toda vez que ele quiser sair, dê o valor dos gastos para
ele gerenciar de acordo com as suas necessidades e lazer,
• deixe bem claro que se ele “torrar” o dinheiro em uma semana vocês pais não irão
socorre-lo, cumpra com sua palavra, e ensine seu filho a poupar para um grande
investimento que ele queira. Exemplo: um play statio, calcule com ele quanto ele
poderá poupar por mês e quantos meses ele levará para comprar a televisão ou
outro objeto que ele queira (play station, TV, celular, tenis, roupa de marca, CD,
DVD, etc.).

7.4 Voce fez, você assume18

A supressão da liberdade, em pequenos intervalos, pode ser uma forma


eficaz de lidar com um comportamento imaturo ou perigoso. Mas a técnica é
frequentemente usada de forma incorreta. Cortar a liberdade durante um pequeno
intervalo, retirando a criança de uma atividade lúdica ou prazerosa, fará com que ela
perceba que está arcando com as consequências do mau comportamento. A
criança, nesse período, não deve ter nada para fazer. Pais que mandam os filhos
para o quarto a fim de "refletir" sobre o comportamento inadequado estão dando à
criança uma atividade. Alguns até gostam, porque aproveitam para ver TV, jogar
videogame ou dormir.

18
Revista Seleções – Dezembro/2002

50
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Para a criança sentir na pele as consequências, os pais devem impor um


castigo educativo que venha a mudar o comportamento da criança. Exemplo:

7.5 Criança birrenta...

Se a criança por pura birra, jogou no chão um brinquedo...

a. diga à criança que ela não pode jogar brinquedos ou outros objetos no chão;
b. peça-lhe na hora para consertar o que quebrou;
c. diga-lhe que da próxima vez ela vai perder um brinquedo de que gosta muito;
d. se a criança neste momento ou em outro repetir a atitude, olhe nos olhos dela,
lembre da proposta de tirar um brinquedo favorito e tire;
e. doe este brinquedo a uma criança carente;
f. seu filho será um adulto justo e correto se você cumprir o que promete.
g. Quem disse que educar e criar os filhos não exige amor, paciência e muita
dedicação estavam completamente erradas.

7.6 PAPEL19

Cada brasileiro gasta por ano uma quantidade de papel equivalente a duas
árvores, segundo dados do Instituto Akatu. Reutilizar e reciclar papéis pode salvar
uma árvore e meia por ano e ainda economizar 2 mil litros de água e 120 litros de
petróleo gastos na fabricação do papel. Preste atenção se você não gasta folhas
sem necessidade e procure reaproveitá-las sempre que possível.

h. Use os dois lados das folhas, tanto para escrever quanto para imprimir.
i. Revise os textos ainda na tela do computador, antes de imprimi-los, para não ter
que pedir mais de uma impressão.
j. Visualize a impressão do documento antes de imprimir (todos os computadores
possuem esse recurso). Assim evita-se desperdiçar uma folha inteira com apenas
uma ou duas linhas.
k. Reaproveite papel ou cartolina para fazer rascunhos, anotações ou imprimir
documentos enviados por fax.
l. Se possível, ao fazer fotocópias use os dois lados da folha de papel.
m. Use coadores, guardanapos e toalhas de pano.
n. Aceite apenas os folhetos de propaganda que forem de seu interesse.
o. Use envelopes apenas quando for realmente necessário.
p. Tente reutilizar os papéis de presente e sacolas.

19
Revista Bons Fluídos – Julho/2003 – www.bonsfluidos.com.br

51
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

8 TRANSPORTE

8.1 Transporte Coletivo ou Escolar

Dicas praticas:

• faça o levantamento de quantos dias as crianças precisam ir para a escola pela


manhã e à tarde;
• calcule em vale-transporte quanto sairia;
• compare com a Mensalidade cobradas pelo transporte escolar por criança

8.2 Combustivel20

As reservas de petróleo, gás natural e carvão, formadas ao longo de milhares de


anos, estão sendo rapidamente consumidas e não são renováveis. Manter o motor
do carro bem regulado, com filtros de ar limpos e velas dentro do período de vida útil
indicado pelo fabricante, é a principal medida para não desperdiçar combustível -
gasolina, álcool ou gás natural. É o que ensina Gunn, técnica do Instituto de Defesa
do Consumidor, de São Paulo:

a. Organize seu dia-a-dia para precisar o menos possível do carro. Se fizer


caminhada, aproveite para passar no banco ou na padaria.
b. Peça ou dê carona para pessoas que façam o mesmo trajeto que você.
c. Escolha um carro econômico e menos poluente e evite utiliza-lo para ir a lugares
não muito distantes.
d. O ar-condicionado do carro é um dos vilões do desperdício de combustível.
Utiliza-se com moderação.
e. Mantenha os pneus calibrados e as rodas alinhadas e balanceadas, pois elas
também contribuem para o desperdício.
f. Não sobrecarregue o veículo. O porta-malas pesado exige mais força do motor e,
consequentemente, mais combustível.
g. Não ande com o tanque na reserva, isso provoca evaporação mais rápida do
combustível.
h. Evite vícios como acelerar antes de desligar o motor e ao trocar de marcha. Se o
carro tiver afogador, acione-o apenas enquanto o motor estiver frio.

20
Revista Bons Fluidos – Julho/2003 – www.bonsfluidos.com.br

52
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

8.3 AUTOMOVEL – Como prolongar a vida útil da sua Bateria21

A bateria do seu carro pode ter uma vida útil superior a dois anos. Para não
precisar trocá-la antes da hora, Reinaldo Nascimbeni, Supervisor do departamento
de serviços técnicos da Ford Brasil, dá alguns conselhos:

• Se ela é do tipo comum (que precisa de água destilada para funcionar), complete
o reservatório pelo menos uma vez por mês.
• O motor não pegou na primeira tentativa? Não gire a chave várias vezes para
fazê-lo funcionar. Espere alguns minutos.
• Quando o carro for ficar muito tempo parado, peça a alguém para dar uma volta
com ele uma vez por semana. Não basta fazer o motor funcionar na garagem.
• Num congestionamento, evite manter farol, rádio, desembaçador e ar-
condicionado ligados ao mesmo tempo.
• Seja consciente. Compreenda a importância da manutenção de um carro. Quem
fala da bateria, fala das velas, luzes, etc. Até porque a manutenção preventiva
proporciona maior economia e segurança para si e para a sua família - o risco de
acidentes reduz drasticamente.
• Sempre que ligar o carro, mantenha-o em funcionamento pelo menos 20 minutos.
Durante esse tempo, a carga da bateria, se já estiver fraquinha, será recomposta
e o seu carro funcionará com perfeição.
• Faça revisões periódicas no sistema elétrico do carro (alternador, motor de
partida, regulador de tensão, cabos e terminais e bateria). O mau funcionamento
de algum destes itens compromete a vida útil da bateria.
• Evite deixar as luzes acesas do carro, quando sair. Evite a surpresa no dia
seguinte, quando se preparar para ir para o trabalho, e verificar que ele não anda.
• O mesmo pode acontecer se utilizar equipamentos eletrônicos como o rádio e
DVD com o veículo desligado. O seu consumo excessivo pode descarregar a
bateria.
• Se quiser instalar um opcional elétrico, não original, confirme se o alternador
consegue suprir o consumo de todos os componentes eléctricos.
• Evite ligar e desligar o carro muitas vezes durante o dia. Os intervalos devem ser
pelo menos de 20 minutos, para recompor a carga. Se tiver em atenção estes
pormenores, a sua bateria, mesmo que seja dos modelos de menor preço, vai
longe.

21
Revista Claudia – Abril/1999

53
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

8.4 AUTOMÓVEL – IPVA – Fique atento aos impostos22

Programe em sua agenda quando pagar IPVA, Licenciamento e Seguro


Obrigatório, conforme cronograma publicado pelo DETRAN

9 PESSOAL

9.1 Desejo ou Necessidade?

Nossas decisões sempre vão estar ligadas a um Desejo ou uma


Necessidade. Vejamos um pequeno exemplo:

Dois jovens:
A moça já com seus 20 anos vê um moço interessante a seus olhos e sente uma
necessidade louca de pegar na mão dele...
O moço, em contrapartida, vê a moça e deseja loucamente beijá-la.
Começa o namoro. No calor da paixão, a moça sente necessidade de casar com o
moço para poder ter mais intimidade.
O moço neste momento, deseja ir direto para a lua de mel antes do casamento...

Assim é com nosso dia a dia, temos que fazer escolhas desde a hora que
acordamos. Se iremos tomar café (necessidade), se iremos trabalhar (necessidade),
se iremos estudar (necessidade), se iremos fazer com que este dia seja ótimo
(desejo), se preciso comprar alimento (necessidade), se preciso comprar um tênis
(desejo ou necessidade?) etc.

22
http://www.fazenda.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=416

54
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Conclusão: Desejo é tudo que nos vem à mente e temos vontade de fazer.
Necessidade é tudo que precisamos para continuar vivendo no dia a dia.

O desequilíbrio entre o desejo e a necessdiade pode provocar


conseqüências desagradaveis em nossas vidas.

9.2 Roupas – Preciso ir a uma festa, e agora?

Sugestão para homens: se você não tem terno e esta é uma ocasião que
raramente acontece de você ter que ir de terno, faça uma pesquisa de quanto
custará você alugar um terno e compare ao preço de um terno novo e decida pelo
que é melhor para você: comprar ou alugar um terno.

Sugestão para mulheres: se você tem uma máquina de costura e jeito para
costura, por que não reformar aquele conjunto, ou saia para esta festa? Ou outra
sugestão: compare preços de roupas prontas, com tecido e feitio, às vezes
compensa mandar fazer ou reformar, e se o preço está acima do que você se
propôs gastar, outra opção é alugar uma roupa. Veja o que está dentro das suas
possibilidades.

9.3 Festa de Aniversario de um filho

Se tivermos uma Festa para fazer de um filho seja de 1 ano, seja de 15 anos,
se planeja com um ano de antecedência. Tudo o que é planejado dentro de nossa
real necessidade não nos faz sofrer.

Dicas práticas:

1 Decida com a família o que será: almoço, jantar ou coquetel;.


2 Quantas pessoas serão convidadas?
3 Faça orçamento de preço nos restaurantes, clubes, salão de festas, etc;
4 Levante o que será feito e valor respectivo: convite, enfeites para o lugar, bolo,
lembrancinhas, quem vai fazer, etc;
5 Dentro do seu Orçamento Doméstico, veja quanto e o que você pode começar a
pagar já por mês;
6 Curta a Festa, pois, essa forma, no momento em que ela acontece, ela está
praticamente pagate ou quase.

9.4 Consumidor Direitos e Deveres23

PRESTE ATENÇÃO AOS SEUS DIREITOS

Compare os enganos cometidos pelas lojas virtuais no que diz respeito aos
direitos do consumidor com o que diz o Código de Defesa do Consumidor:

23
Revista Consumidor S.A. – Novembro/2000 – www.consumidorsa.org.br

55
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

"O consumidor deve explicar a razão pela qual desistiu de sua compra"

Esta frase diz respeito ao direito de arrependimento, uma proteção especial


concedida pela legislação para quem adquire um produto fora do estabelecimento
comercial, como acontece com as compras on line, pela internet (computador).
Nestes casos, o Código estabelece que o comprador pode desistir pura e
simplesmente de sua aquisição, sem que seja necessário dar qualquer explicação.

"Não ressarcimos o valor do frete se houver desistência/arrependimento da


compra"

Em casos de arrependimento/desistência, o consumidor deve ser


reembolsado de todo o valor pago.

As lojas não informam o prazo para o consumidor exercer seus direitos, ou


até divulgam o mesmo período para os direitos de arrependimento e de defeito dos
produtos.

O Código do Condumidor – CDC, prevê prazos completamente diferentes


para estes dois casos. O consumidor tem sete dias úteis para se arrepender de sua
compra. Caso o produto apresente defeito, o prazo para reclamação é de trinta dias
(para bens não-duráveis) ou noventa dias (para produtos duráveis). Todos os prazos
valem a partir da data em que a mercadoria foi entregue. Nestes dois últimos casos,
a empresa tem trinta dias para resolver o problema. Já se houver algum problema
com o serviço, o comprador pode exigir (desde que seja imediatamente) a re-
execução do serviço ou o cancelamento da compra.

9.5 O Círculo das relações24

Pessoal

Comuni- Familia
dade

Colegas VOCÊ Empre-


sa

Subordi Posição
nados
Chefe

24
Revista Voce S/A – Agosto/2001

56
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

9.5.1 Pessoal (eu)

Quem sou eu?


Quais os meus interesses?
Quais os meus valores?
Quais as minhas necessidades e meus objetivos?
Quais os meus meios de vida?

9.5.2 Família

Faça estas perguntas ao seu companheiro, interesses em comum aproximam


pessoas:
Quem sou eu na família ?
Quais os meus interesses nesta família ?
Quais os meus valores para esta família ?
Quais as minhas necessidades e meus objetivos nesta família ?
Quais os meus meios de vida desta família ?

9.5.3 Empresa

Você acredita na empresa que você trabalha?


Você acredita em seu trabalho?
Qual a qualidade do produto oferecido por esta empresa? Você tem participação
para
que este produto seja de qualidade?
As pessoas que trabalham são qualificadas ou buscam se qualificar?

9.5.4 Posição

Quais as perspectivas de aprendizado que você tem para sua vida? Qual minha
exposição interna e externa? Há participação? Quais as chances de crescimento?

9.5.5 Chefe

Você depende dele para se desenvolver, ser promovido, fazer cursos; Não faça
sombra; Não o menospreze

9.5.6 Subordinados

Eles se parecem comigo? v"Cx>mo posso ajudá-los? Como podem me ajudar?

9.5.7 Colegas

Quem são meus colegas de trabalho? O que temos em comum?

9.5.8 Comunidade

Deve ser a extensão social do seu trabalho;


Lugares que frequento: igreja, clube, partido político, associação, etc

57
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

9.6 Plano de Metas Áreas de Desenvolvimento Pessoal25

9.6.1 Área de Desenvolvimento: Pessoal / Familiar


Até dezembro de 2003 visitar meu filho/meus pais que mora em outra cidade;
Fazer caminhada três vezes por semana, começar em agosto;
Dedicar-me integralmente por quatro horas por semana aos meus filhos;
Passar as próximas férias com os pais de minha esposa/marido;
Manter um relacionamento mais próximo dos meus pais e irmãos;

9.6.2 Área de Desenvolvimento: Saúde física


Até fevereiro de 2004, emagrecer 10 quilos;
Fazer caminhada três vezes por semana, começar em setembro;
Fazer dança de salão uma vez por semana com minha esposa/marido;
Colocar em prática a dieta para um coração saudável até final de agosto.
Parar de fumar dia 23 de setembro data em que casei.
Fazer exames de sangue para verificar níveis de colesterol, de triglicérides e
de glicose para detectar e conter a evolução de eventuais doenças, até
dezembro de 2013

9.6.3 Área de Desenvolvimento: Comunidade


Participar como voluntário nas horas de folga de campanhas comunitárias que
envolvam crianças (ou crianças especiais ou idosos).
Participar de eventos sociais que tenham por objetivo, melhorar a
comunidade. Ajudar a organizar eventos que acredito como Natal ou Dia das
Crianças. Participar da Associação de bairro para melhorar o lugar onde
moro.

9.6.4 Área de Desenvolvimento: Educação / Ensino


Terminar o Ensino Fundamental até julho de 2014.
Participar de uma Oficina de Reaproveitamento Alimentar até dezembro/13.
Passar conhecimentos que adquiri para outras pessoas até fevereiro de 2014.

9.6.5 Financeiro
Iniciar a anotação das despesas domésticas na Planilha Diária em setembro
com toda a família;
Ver as contas atrasadas e qual têm maior juro por mês para negociar;
Levantar possibilidades de dinheiro para pagar dívidas atrasadas;
Abrir uma poupança em setembro com o objetivo de economizar para fazer
outro quarto em casa até dezembro de 2014.

9.6.6 Espiritual
Ir a missa ou ao culto semanalmente;
Participar de eventos da igreja;
Ler a Bíblia com a família regularmente;

25
Revista Voce S/A – Agosto/2001

58
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

9.7 Faça seu Plano de Mdetas

PESSOAL/FAMILIA:

SAÚDE FÍSICA

COMUNIDADE

EDUCAÇÃO/ENSINO

FINANCEIRO

ESPIRITUAL

59
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

9.8 Conselhos Práticos Para Você Não ir ao Fundo do Poço26

Saber conviver com a frustração e usá-la como ferramenta para dar a volta
por cima, essa é, em resumo, a receita dada por especialistas, para que você não
queira sumir diante daqueles problemas que nos jogam no fundo do poço. Veja
alguns conselhos:

a. Nunca se considere um derrotado faça uma auto-avaliação e


aprenda com os erros e oportunidades (utilize o teste de “Plano de Metas”
para você perceber em que área está se dedicando mais e em que áreas
precisa se dedicar);

b. Procure fazer a diferença na sua empresa, participe, converse, dê


sugestões, faça mais do que esperam, assim, você estará mostrando para
você mesmo que é capaz, apesar de estar passando por uma fase difícil;

c. Não alimente expectativas além das possibilidades e capacidade que


você tenha naquele momento. Saiba quem você é, e de sua real chance,
mediante a uma promoção na empresa, para não se frustrar. Vá a luta, “a
realidade” deve ser seu aliado e não seu inimigo;

d. Mantenha-se motivado. Estabeleça algumas Metas e Objetivos possíveis


de serem alcançados (escreva no papel... utilize o Plano de Metas
colocados nesta Apostila);

e. Invista no seu aprimoramento profissional: faça cursos, participe de


palestras, encontros; aprenda coisas novas, leia livros, aperfeiçoe-se. Isso
lhe dará confiança e, por tabela, aumentará sua empregabilidade;

f. Procure não depender tanto do reconhecimento daqueles que estão à


sua volta. Essas coisas são importantes, claro, mas tudo ficará mais fácil
se você procurar se conhecer (faça sua avaliação de Autoconhecimento)
melhor e se valorizar. Isso lhe dará mais auto-estima, independentemente
dos elogios que possa ou não receber;

g. Procure pensar em você de forma múltipla, você é um todo e não


partes. Além de bom profissional (emprego), você tem de ser também um
bom filho e bom pai (familiar), um bom amigo (colegas), um bom marido
ou uma boa esposa (pessoal) e um bom cidadão (comunidade), entre
outras coisas e setores. Essas são fontes de gratificação interna que não
podemos deixar de lado. A vida não gira somente em torno de ser um
bom profissional, temos que ser inteiros, em casa, na rua e no
trabalho.

h. Esteja sempre se olhando no seu espelho da verdade, pois somente


você pode mudar algo em sua vida, você sempre terá a sua frente: ou
duas portas para escolher, ou dois caminhos a fazer. A escolha é sua.

26
Revista Você S.A. – Março/2000

60
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

i. Hoje, o que você escolheu é o melhor para você? Pense neste


momento, pois é do presente que vivemos e fazemos nosso futuro ser
melhor ou pior.

j. Hoje você decidiu ser feliz ou infeliz?

k. Hoje você decidiu por um Desejo ou por uma Necessidade.

l. A resposta será o SEU futuro, então cuidado. Coloque em prática seu


pensamento, saia da condição de frustração, desânimo, "do coitadinho" e
faça alguma coisa...

m. Parou, refletiu, existiu, então viva.

9.9 Teste Você se Preocupa Com Seu Plano de Metas?27

Voce se preocupa com seu Plano de Metas e quer saber quais são seus
pontos fortes e fracos. Responda as questões abaixo.

1) Você tem um plano de Plano de Metas?


a. Sim, formal e por escrito
b. Sim, mas é apenas um esboço mental
c. Nunca pensou sobre o assunto ou em escrever

2) Seu Plano de Metas - como foi elaborado ?


a. Por você mesmo(a), levando em consideração suas necessidades pessoais e
profissionais
b. Pela empresa na qual trabalha, levando em consideração as necessidades estratégicas
dela
c. Por você e pela empresa, levando em consideração suas necessidades profissionais e as
necessidades estratégicas da organização
d. Aleatoriamente

3) Seu Plano de Metas prioriza:


a. Leitura sobre gestão de negócios
b. Leitura sobre negócios e também áreas como filosofia, história, arte, música,
antropologia e sociologia.
c. Participação em seminários, palestras, discussões em grupo sobre assuntos diversos,
viagens etc.
d. Pesquisa sistemática e periódica em bibliotecas ou na Internet

4) Você tem um mentor intelectual (que tem bastante conhecimento, bom nível cultural,
alguém tipo “professor”...) a quem recorrer e solicitar orientação sobre seu Plano de
Metas?
a. Sim

27
Revista Você S/A – Ano 3 – 23ª Edição – Maio/2000

61
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

b. Não, apesar de saber da importância de ter um mentor


c. Nunca pensou no assunto nem acha isso relevante

5) Você tem o hábito de frequentar uma boa livraria:


a. Uma vez a cada 15 dias
b. Uma vez por mês
c. Uma vez por semestre
d. Uma vez por ano
e. Não tem esse hábito

6) Você tem o hábito de ler um ou mais jornais diariamente? Qual o seu critério de
leitura?
a. Lê cadernos específicos, como finanças, economia, esportes, cultura, etc.;
b. Folheia o jornal todo e lê aquilo que acha importante;
c. Não tem o hábito de ler jornal diariamente;

7) Quantas revistas nacionais e/ou estrangeiras você lê por mês?


a. Nenhuma
b. De uma a duas
c. De três a cinco
d. Mais de seis

8) Quando você planeja uma viagem de férias, o que mais o(a) motiva?
a. Conhecer lugares badalados e da moda
b. Curiosidade e aquisição de cultura geral
c. Aquisição de conhecimentos específicos aplicáveis a sua atividade profissional

9) Quando você planeja participar de um seminário, palestra ou congresso?


a. Procura saber de antemão tudo sobre o(s) palestrante(s);
b. Vai a uma livraria, compra um livro mais conhecido do(s) palestrante(s) e os lê antes
de participar do evento;
c. Vai apenas em razão do forte marketing relacionado ao evento e porque quer incluir
essa participação em seu currículo;
d. Vai porque a empresa está pagando.

10) Quanto tempo você reserva diariamente para estudar assuntos que considera vitais a
seu crescimento pessoal e profissional?
a. Não tem tempo nem disposição para isso;
b. 15 minutos;
c. Meia hora;
d. 1 hora ou mais;

62
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Pontuação:

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Resposta a 10 7 4 10 10 6 0 3 5 0
Resposta b 3 3 10 2 8 10 2 7 10 2
Resposta c 0 10 4 0 4 0 5 10 0 5
Resposta d 2 1 10 0
Resposta e 0
Pontos Obtidos
Total dos Pontos

Análise do Resultado:

Acima de 90 pontos: Você é um profissional comprometido com seu Plano de


Metas e gerência seu capital intelectual de maneira correta. Suas chances de
crescer profissionalmente são ilimitadas;

Entre 75 e 89 pontos: Você é um profissional preocupado com seu Plano de


Metas, mas delega aspectos importantes de seu capital intelectual à gestão de
terceiros.

Entre 60 e 74: O Plano de Metas é um assunto que ocupa seus pensamentos


apenas em determinadas circunstâncias. Em geral, você não considera isso tão
importante como deveria. Cuidado para não se tornar um profissional obsoleto;

Abaixo de 59 pontos: Você demonstra não ter qualquer compromisso com seu
Plano de Metas. Nesse caso, precisa agir rapidamente para não ficar à margem
do mercado nem comprometer sua carreira. Mexa-se para compensar o tempo
perdido

10 – LAZER

Como poderíamos interpretar o significado da palavra LAZER? Algumas


sugestões praticas:

10.1 Descanso, Diversão...

E disso que a gente precisa para descarregar as tensões causadas pelo


estress diário. Vamos partir do princípio que:

63
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

Quem dá um sorriso recebe um sorriso...


Quem trata uma pessoa com amabilidade terá como retorno amabilidade
(gentileza gera gentileza);

Uma situação que poderia acontecer com qualquer pessoa:

- Confesso que eu não trabalho, eu me divirto, porque se eu encarar meu trabalho


só como trabalho tudo se torna cansativo, sem cor. Eu não brinco em serviço, eu
trabalho, mas sem me alterar com situações que são contornáveis. Eu sou um tipo
de pessoa que não precisa muito para se divertir: um bom livro, boa música e uma
boa noite de sono já recarregam as baterias para mais uma semana de trabalho.
Bom livro, eu consigo, em biblioteca pública que, aliás, temos diversas espalhadas
pela cidade; não preciso comprar boa música, pois posso gravar as que mais gosto
de diversas fontes: rádio, internet, CD emprestado,etc. Mas para quem acha que
esse tipo de lazer é pouco, tem várias opções que são praticamente "de grátis",
como:

• Pescaria com a família;


• Pic-Nic em casa;
• Passeio a museu;
• Passeios a lugares turísticos;
• Acampamento (no fundo do quintal) por que não???;
• Locação de fitas com amigos ou vizinho;

O lazer para as crianças, pode ser com brinquedos educativos como: dama,
xadrez, dominó, que trabalham o raciocínio da criança, e são melhores do que vídeo
game, que consume energia elétrica.

Fazendo isto você estará estimulando o seu filho a pensar, pois a criança, por
exemplo que joga xadrez, tem de 50% a 60% a mais de rendimento escolar do que
as que não jogam, conforme estudos, isso porque aprendem a pensar e,
consequentemente, tem um raciocínio mais rápido do que aquelas que não jogam
xadrez.

10.2 Lazer com os bichanos, por que não ???28

O que ensinar a seu cão

xixi e coco no lugar certo: desde cedo mostre onde o cachorro deve fazer
suas necessidades. Forre o local com jornal e, ao trocá-lo, deixe um pedaço
do antigo jornal para que ele associe à ação ao seu cheiro;

sentar: coloque um biscoito ou brinquedo acima da cabeça do cão espere até


que ele sente. Repita varias vezes a palavra "senta". Ele obedece porque a
posição é mais cômoda para olhar o que você está oferecendo;

28
Revista tudo – Novembro/2002

64
Educação Financeira e Planejamento Doméstico Profº Magno Angelito Bontorin

deitar: baixe o biscoito até o chão e diga "deita". Se ele interromper o


movimento e levantar, bata com a outra mão no chão;

andar junto: para que aprenda a acompanhá-lo, ande devagar com a mão
em sua cabeça. Se ele sair correndo e não obedecer, não grite. Vá buscá-lo,
brinque e mostre algo apetitoso. Ele deve gostar de você e respeita-lo, não
temê-lo.

65