Você está na página 1de 2

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: TECNOLOGIAS COMO RECURSO PARA O

ENSINO DO XADREZ

Deivide Telles de Lima


UFSCar
Evandro Antonio Corrêa
Instituto de Biociências - Unesp Rio Claro
Dagmar Hunger
Faculdade de Ciências - Unesp Bauru

Com o avanço tecnológico, surgem meios de telecomunicações como a internet,


tecnologias da informação e comunicação, entre outras, que tem reconfigurado
a forma de agir do ser humano no espaço e tempo. Nesse sentido, a Educação
Física Escolar (EFE) pode se apropriar das tecnologias, em diversos momentos,
sejam as adjetivações de boas, más, novas, modernas, contemporâneas. Dessa
maneira, este estudo objetivou analisar o uso das tecnologias como recurso no
processo de ensino e aprendizagem para o ensino do xadrez nas aulas de
Educação Física no Ensino Fundamental II. Trata-se de uma pesquisa
qualitativa, como técnica de pesquisa utilizou-se a pesquisa bibliográfica
subsidiando a discussão do entrelaçamento da Educação Física e tecnologia.
Para obtenção dos dados foi utilizada a pesquisa de campo por meio da
observação e registro em diário de campo referente as atividades envolvendo o
xadrez e recursos da tecnologia desenvolvidas com 130 alunos do sexto ano do
Ensino Fundamental de uma escola pública estadual, localizada na cidade de
Jaú, Estado de São Paulo, durante o primeiro semestre 2015. Realizou-se a
análise dos dados obtidos à luz do quadro teórico referente à Educação Física e
tecnologias e a apropriação destas informações na construção do processo de
ensino e aprendizagem. Os resultados apresentam ensino do xadrez por meio
dos recursos tecnológicos como o computador, internet, tablet, celular e as
tecnologias de informação e comunicação (TIC’s). No início do ano letivo de 2015
diagnosticou que os alunos do sexto ano apresentavam dificuldades em se
trabalhar com conteúdos no âmbito comportamental, das aprendizagens e
conduta, talvez herdados do ensino fundamental I. A partir deste diagnóstico
optou-se por trabalhar o xadrez a fim de resgatar valores de ética e moral, de
respeito ao outro (aluno, professores, familiares etc.) no contexto educacional e
social. As atividades se desenvolveram de forma participativa, dialogando
sempre com os alunos, explicitando os benefícios do conhecimento, habilidades
e atitudes relacionadas às diferentes áreas e ambientes propostos nas aulas.
Após a apresentação do xadrez, foram propostas situações de aprendizagens
de forma tradicional (aulas expositivas e o jogo no tabuleiro), em um primeiro
momento, e posteriormente com o uso das TIC’s, o jogo no computador, celular
e tablet, de forma online e off-line. Evidenciou-se a oportunidade que os alunos
obtiveram de desenvolver suas capacidades e habilidades intelectuais, motoras
e sócio afetivas, por meio de ambientes de aprendizagens de forma significativa
e funcional e oportunizaram a construção da autonomia intelectual e moral.
Houve uma maior aceitação e encantamento dos alunos em aprender a jogar
xadrez em especial com a utilização dos recursos tecnológicos. Para tanto,
estabeleceu-se com os alunos a construção um conjunto de regras e
combinados que nortearam as relações e condutas entre professores e alunos,
e alunos e alunos, principalmente, quanto ao uso de celular e tablet na escola.
As situações de aprendizagens propostas foram: pesquisas no laboratório de
informática, jogo de xadrez com tabuleiro tradicional, jogo “queimada xadrez” na
quadra poliesportiva, xadrez no celular e tablet, online e off-line. Durante e após
a vivência destas etapas observou-se uma melhora significativa quanto ao
comportamental dos alunos, o respeito com os demais alunos, com professores
e equipe gestora da escola. Percebeu-se também a melhoria da autonomia
intelectual e moral dos alunos, a capacidade de cooperação, respeito e
solidariedade. Outro fator relevante que foi agregado está na questão atitudinal
em que os alunos apresentaram um avanço significativo quanto as suas atitudes
no espaço escolar e o conceitual com a aprendizagem do xadrez, e no relato dos
alunos as atividades com o uso das tecnologias facilitaram a aprendizagem das
regras, movimentação das peças, entre outros. O xadrez atrelado aos recursos
tecnológicos contribuiu com transformações positivas nos alunos de ordem
procedimental, atitudinal e conceitual. Conclui-se que a Educação Física pode
desempenhar, por meio de atividades como o xadrez e o uso das tecnologias,
uma possível forma de emancipação social e intelectual dos alunos, contribuindo
para a formação e favorecendo a inclusão dos alunos no meio digital e
tecnológico.

Palavras-chave: Educação Física; Tecnologia; Xadrez; Escola.

Contato: prof.evandrocorrea@gmail.com