Você está na página 1de 2

RELATÓRIO SOBRE O LIVRO E DA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES

 Referência.
 Temática do Texto.
O texto estudo vai abordar assuntos relacionados ao estudo do ser de acordo
com algumas circunstâncias, nas quais serão colocadas em quatro partes: Divisão
das ciências e absoluta primazia da metafísica entendida como teologia, ou seja,
nessa parte o autor fará a relação da metafísica com algumas outras ciências, usa o
exemplo da física e da matemática como ciências teoréticas pois, diz Aristóteles, “o
conhecimento teorético daquele gênero de ser que tem potência para mover-se e da
substância entendida segundo a forma, mas prioritariamente considerada como
inseparável da matéria”, ainda, assim, ele se refere as questões eternas e divinas e
a filosofia primeira. Os quatros significados do ser (acidental, ser como verdadeiro e
não ser como falso, as figuras das categorias e o ser como potência e ato) e do
exame acidental e, a natureza e causa do acidente e do ser acidental, são outros
dois outros pontos do texto, onde o filósofo vai dar prioridade aos acidentes e as
relações do ser com o acidente e, dentre muitas colocações, é dito que o acidente é
“ o que não existe nem sempre nem na maioria das vezes” e que dele não existe
nenhuma ciência e, sobre a parte em que se fala da natureza, dentre muitos
exemplos utilizados, chega-se na colocação de que o que se gera e se corrompe
deve haver uma causa não acidental. A quarta parta se trata do exame do ser no
significado de verdadeiro e conclusões sobre os dois primeiros significados do ser
analisados, começando sobre o comentário em relação ao não ser como verdadeiro
e ao não ser como falso: ”O verdadeiro é a afirmação do que é realmente unido e a
negação do que é realmente separado; o falso é a contradição dessa ação e dessa
negação.” Outro comentário que ainda é feito é: “assim com o ser é por acidente,
também o ser como verdadeiro deve ser deixado de lado: a causa do primeiro é
indeterminada, enquanto o segundo consiste numa afecção da mente”, e, por fim:
“Portanto, devemos deixar de lado esses modos de ser e devemos indagar as
causas e os princípios do ser enquanto ser. E também é claro – como já emergiu do
livro dedicado aos diversos significados dos vários termos – que o ser tem muitos
significados.”

 Palavras-chave.
Causa, ser, essência, ciência e acidente

 Questões de cunho metafísico presente no texto.


As questões de cunho metafisico aparecem no texto a medida que o autor
destrincha cada um de suas partes, mas aqui destaca-se algumas principais. A
primeira, a questão em destaque levantada, é o porquê de a física ser uma ciência
teorética e o que nelas consistem e, logo após, fazer a menção da metafísica com a
filosofia e a teologia de acordo com as coisas eternas relacionadas a aquilo que é
divino. Outra questão a ser destacada é sobre os acidentes (o que são e como
acontecem) e sobre deles não haver nenhuma ciência além da questão colocada
sobre as definições de ser como verdadeiro e o não-ser como falso.
 Diálogo com outros saberes presentes no texto.
Os outros saberes presentes no texto aparecem quando o filósofo faz referência
as ciências teoréticas. Os saberes apresentados são: física, matemática, filosofia e
teologia.
 Principal problema levantado e solução apontada, ambos pelo autor.
O principal problema surge na explicação do ser e em como algumas situações
criam várias circunstâncias que podem decorrer em outras, como na colocação e
explicação sobre os acidentes.
A solução encontrada foi de que o autor, ao término da quarta parte do texto,
deixa todos os modos que foram abordados de lado, “para indagar as causas e
princípios do ser enquanto ser”.
 Quais questionamentos que podem ser colocados em relação ao texto?
Qual o estreito relacionamento (maior aprofundamento e reflexão) entre
metafísica e teologia?
Por que o acidente está relacionado ao não ser?