Você está na página 1de 3

4 motivos para incluir a tecnologia na

gestão tributária

Maior carga tributária da América Latina: infelizmente


esse é mais um título que as empresas brasileiras não se
orgulham em ostentar.

Segundo a OCDE (Organização para a Cooperação e


Desenvolvimento Econômico) 33,4% do PIB (Produto
Interno Bruto) é utilizado apenas para o pagamento de
impostos. O número, que é 50% maior que a média da
região, torna urgente a realização da gestão tributária.

A enorme quantidade de tributos somada aos entraves


da legislação tributária expõem um cenário complexo
e desfavorável. Assim, otimizar processos é tão
importante quanto conhecer como a palma da mão o
mercado que sua empresa atua.

E a gestão tributária vai muito além de uma


administração tributária eficiente. Sua adoção é a
garantia do pagamento correto de tributos, além de
estar em dia com as autoridades fiscalizadoras.

Quer saber como, com a ajuda da tecnologia de um


software fiscal, é possível colocar em prática ações tão
necessárias para a sobrevivência do negócio?

Conheça, abaixo, 4 dicas:

1 2 3 4
Priorizar o Fazer o Colocar em Automatizar
compliance planejamento prática a Elisão a apuração de
tributário tributário Fiscal impostos

4 motivos para incluir a tecnologia na gestão tributária 1


1 Priorizar o compliance tributário

Compliance é a prática de agir em consonância com uma determinada lei, regra ou regulamento. Na
área tributária as conformidades estão nos atos de revisar e checar as informações enviadas ao Fisco,
evitando assim a exposição desnecessária do contribuinte a riscos atrelados às questões tributárias.
Para alcançar um compliance efetivo é necessário:

Conhecer todas Entregá-las


as obrigações a sempre no
serem cumpridas prazo Seguir as regras
de emissão da
NFe (Nota Fiscal
eletrônica)
Armazenar digitalmente as obrigações e
seus comprovantes de entrega

Uma ferramenta tecnológica que assegure o processo de conformidade é capaz de garantir as


exigências acima e muito mais. A validação dos dados contidos nas obrigações acessórias e da
escrituração assegura que não há informações divergentes entregues ao Fisco. Por exemplo: o
cruzamento de todas as NF-es recebidas com os arquivos gerados do SPED Fiscal EFD.

Já as informações de cadastro de fornecedores estarão sempre atualizadas. Isso garante que os


dados que vão determinar o cálculo dos impostos e os códigos dos produtos ou serviços não terão
erros.

2 Fazer o planejamento tributário


O planejamento tributário é um estudo que examina todos os fatores relativos aos impostos que
incidem sobre a empresa. Ele deve ser feito por uma equipe especializada que vai direcionar uma
maneira inteligente de cumprir todas as obrigações.

Essa investigação é facilitada quando sua empresa detém o controle dos tributos incidentes sobre
as operações realizadas. E nisso a tecnologia de um software fiscal pode ajudar. Uma ferramenta
inteligente pode fazer a geração das obrigações fiscais ao trabalhar em conjunto com o ERP
(Enterprise Resource Planning).

O sistema é capaz de emitir relatórios com as informações fiscais das obrigações e apurações
de tributos. As análises são profundas, facilitando o trabalho do time envolvido e a tomada de
importantes decisões relativas ao planejamento tributário.

4 motivos para incluir a tecnologia na gestão tributária 2


3 Colocar em prática a Elisão Fiscal
O planejamento tributário e as informações providas por um software fiscal permitem a realização
da elisão fiscal, estratégia para pagar a menor carga possível de impostos. Para colocar essa ação
em prática é necessário um profundo conhecimento da legislação tributária. Dessa forma, toda vez
que a interpretação das leis permite, a empresa recolhe menos tributos.

A elisão é diferente da evasão. Enquanto a primeira é utilizada antes da obrigação ser gerada, por
meio do planejamento tributário, na segunda, por meios ilícitos, evita-se o pagamento de tributos,
o que é comumente conhecido como sonegação fiscal. O ISS (Imposto Sobre Serviços), com alíquota
definida por cada município, é um exemplo clássico. Caso o município vizinho tenha valores mais
atrativos não há impedimento para a mudança do estabelecimento do prestador, se esta for o
critério espacial da hipótese de incidência do tributo.

Outro exemplo, dessa vez mais específico, são os incentivos fiscais para as atividades relacionadas
à inovação tecnológica, mais conhecido como “Lei do Bem”. Com eles uma empresa que optar
pela tributação de Lucro Real pode economizar até 34% (Soma das alíquotas de 15% de IRPJ, 10%
de adicional de IRPJ e 9% de CSLL) sobre o montante dos dispêndios excluídos na determinação da
base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

4 Automatizar a apuração de impostos


Você sabe bem o quanto é trabalhoso delegar ao seu time a apuração manual de impostos. Errar
é uma das características do comportamento humano e a chance de cálculos incorretos serem
realizados é bem grande. Um dos princípios de uma gestão tributária exemplar leva em conta
deixar no passado essa tarefa. E, mais uma vez, a utilização da tecnologia certa é essencial.
Com base no levantamento da realidade da empresa, um software de determinação e cálculo de
impostos é capaz de apurar todas as obrigações, incluindo alíquotas e bases de cálculo, oferecendo
agilidade e rastreabilidade no cálculo tributário.

A inteligência do sistema também monitora a legislação vigente. É a melhor maneira de garantir


que todos os impostos e regras aplicáveis ao negócio terão as alíquotas corretas por meio de
atualizações automáticas. E quais os benefícios dessa automatização? Menos preocupações com
burocracia para os gestores e liberdade para os analistas se focarem no que realmente importa: o
crescimento da empresa.

Como você pode perceber, adotar a gestão tributária em conjunto com a adoção de
um software fiscal é a decisão mais inteligente.

Evite autuações por sonegação ou inconsistência nos dados declarados!

Contato:
Brasil: +55 (11) 3307-0150
www.avalara.com.br

4 motivos para incluir a tecnologia na gestão tributária 3

Você também pode gostar