Você está na página 1de 10

Lista 2 GA

1. Calcule o ângulo entre as retas 𝑟1 e 𝑟2 com:


𝑥 = 3+𝑡 𝑥+3 𝑦−1 𝑧
𝒓𝟏 : { 𝑦 = 𝑡 𝒓𝟐 : = =
−2 −2 1
𝑧 = −1 − 2𝑡
Forma Simétrica da reta
Forma Paramétrica da reta

Para encontrar o ângulo entre as retas vamos utilizar a fórmula:

| ⃗⃗⃗⃗ 𝑣2 |
𝑣1 ⋅ ⃗⃗⃗⃗
cos(𝜃) =
|⃗⃗⃗⃗
𝑣1 | ⋅ |⃗⃗⃗⃗
𝑣2 |

 𝜃 será o ângulo entre as retas


 𝑣1 será o vetor diretor de 𝒓𝟏
⃗⃗⃗⃗
 𝑣2 será o vetor diretor de 𝒓𝟐
⃗⃗⃗⃗

 Vetor diretor de 𝒓𝟏:

Para encontrar o vetor diretor de uma reta na forma paramétrica devemos criar um
vetor utilizando como coordenadas os coeficientes que acompanham 𝒕:
𝑥 = 3 + 𝟏𝑡
𝒓𝟏 : { 𝑦 = 𝟏𝑡 ⃗⃗⃗⃗𝟏 = ( 1, 1, −2)
𝒗
𝑧 = −1 − 𝟐𝑡

 Vetor diretor de 𝒓𝟐:

Para encontrar o vetor diretor de uma reta na forma simétrica devemos criar um vetor
utilizando como coordenadas os valores do denominador de cada uma das frações:
𝑥+3 𝑦−1 𝑧 ⃗⃗⃗⃗𝟐 = (−2, −2, 1)
𝒗
𝒓𝟐 : = =
−𝟐 −𝟐 𝟏
Agora precisamos calcular os módulos e o produto escalar:

𝑣1 | = √(1)2 + (1)2 + (−2)2 = √1 + 1 + 4 = √6


|⃗⃗⃗⃗

𝑣2 | = √(−2)2 + (−2)2 + (1)2 = √4 + 4 + 1 = √9 = 3


|⃗⃗⃗⃗

| ⃗⃗⃗⃗ 𝑣2 | = (1 ⋅ (−2)) + (1 ⋅ (−2)) + ((−2) ⋅ 1) = −2 − 2 − 2 = −6


𝑣1 ⋅ ⃗⃗⃗⃗

Substituindo na fórmula:

| ⃗⃗⃗⃗ 𝑣2 |
𝑣1 ⋅ ⃗⃗⃗⃗ −6 −6 ⋅ √6
cos(𝜃) = → cos(𝜃) = → cos(𝜃) =
|⃗⃗⃗⃗
𝑣1 | ⋅ |⃗⃗⃗⃗
𝑣2 | 3 ⋅ √6 3 ⋅ √6 ⋅ √6

−6 ⋅ √6 −√6
→ cos(𝜃) = → cos(𝜃) =
3⋅6 3
Aplicando 𝑎𝑟𝑐𝑐𝑜𝑠 em ambos os lados chegamos que:

𝜃 ≈ 35°

R: O ângulo entre 𝐫𝟏 e 𝐫𝟐 é 𝟑𝟓°.

2. Calcule o ponto de intersecção das retas 𝑟1 e 𝑟2 onde:


𝑥 = 3+𝑡 𝑥−2 𝑦 𝑧−5
𝒓𝟏 : { 𝑦 = 𝑡 𝒓𝟐 : = =
2 3 4
𝑧 = −1 − 2𝑡

Para encontrar um ponto de interseção vamos substituir 𝑥 e 𝑦 de 𝑟1 pelos respectivos


𝑥 e 𝑦 de 𝑟2 .

𝒙 = 𝟑+𝒕
𝒓𝟏 : { 𝒚 = 𝒕 𝒙−2 𝒚 𝑧−5
𝑧 = −1 − 2𝑡 𝒓𝟐 : = =
2 3 4

Dessa forma será possível isolar o parâmetro 𝑡 para encontrar um candidato a ponto de
interseção de 𝑟1 e 𝑟2 . Vamos utilizar só as duas primeiras frações:
𝟑+𝒕−2 𝒕 𝑡+1 𝑡
= → = → 3 ⋅ (𝑡 + 1) = 2 ⋅ 𝑡 → 3𝑡 + 3 = 2𝑡 → 𝒕 = −𝟑
2 3 2 3
Vamos substituir esse 𝑡 na reta 𝑟1 e obter as coordenadas do nosso ponto candidato a
interseção, esse candidato será o ponto 𝑃:
𝑥 = 3−3 𝑥=0
𝑷: { 𝑦 = −3 → 𝑷: {𝑦 = −3 → 𝑃 ( 0, −3, 5)
𝑧 = −1 − 2 ⋅ (−3) 𝑧=5

Agora vamos verificar se o ponto 𝑃 pertence a reta 𝑟2 :

0 − 2 −3 5 − 5 −2 −3 0
𝒓𝟐 : = = → = = → −1 = −𝟏 = 𝟎
2 3 4 2 3 4

Como os resultados das divisões não foram iguais, não há interseção entre as retas.

3. Estabelecer as equações paramétricas (com 𝑥, 𝑦 e 𝑧 em função de 𝑡) da reta que passa


pelo ponto (3, 2, 1) e é simultaneamente ortogonal as retas 𝑟 e 𝑠, com:
𝑥=3 𝑦 = −2𝑥 + 1
𝒓∶ { 𝒔∶ {
𝑧=1 𝑧 = −𝑥 − 3

O primeiro passo é encontrar os vetores diretores de cada reta:


 Vetor diretor de 𝒓:

Para encontrar o vetor diretor de uma reta na forma paramétrica devemos criar um
vetor utilizando como coordenadas os coeficientes que acompanham 𝒕 , e como neste
caso o 𝑦 não apareceu vamos supor de 𝑦 = 𝑡 :
𝑥 = 3 + 𝟎𝑡
𝒓: { 𝑦 = 𝟏𝑡 ⃗⃗⃗⃗𝟏 = ( 0, 1, 0)
𝒗
𝑧 = 1 + 𝟎𝑡
 Vetor diretor de 𝒔:

Neste caso o 𝑥 não apareceu vamos supor de 𝑥 = 𝑚 :


𝑥 = 𝟏𝑚
𝒔: {𝑦 = −𝟐𝑚 + 1 ⃗⃗⃗⃗𝟐 = ( 1, −2, −1)
𝒗
𝑧 = −𝟏𝑚 − 3

Agora utilizaremos ambos os vetores diretores para encontrar um vetor ortogonal as


retas 𝑟 e 𝑠 através do produto vetorial:

⃗⃗⃗𝑖 ⃗⃗⃗𝑗 ⃗⃗⃗⃗


𝑘
⃗⃗⃗⃗
𝑣 = ⃗⃗⃗⃗
𝑣1 × 𝑣
⃗⃗⃗⃗2 = 0 1 0 → −1⃗⃗⃗𝑖 − 1 ⃗⃗⃗⃗
𝑘 → ⃗⃗⃗⃗
𝑣 = (−1, 0, −1)
1 −2 −1

O vetor ⃗⃗⃗⃗
𝑣 é ortogonal as retas 𝑟 e 𝑠 , dessa forma vai ser o vetor diretor da nossa reta
𝑣 , mas precisamos garantir que a reta passe pelo ponto ( 3, 2, 1), vamos chamar esse
ponto de 𝐴, então usaremos a seguinte igualdade:

(𝑥, 𝑦, 𝑧) = 𝐴 + ⃗⃗⃗⃗
𝑣 ⋅𝑡
(𝑥, 𝑦, 𝑧) = ( 3, 2, 1) + (−1, 0, −1) ⋅ 𝑡
(𝑥, 𝑦, 𝑧) = ( 3, 2, 1) + (−1𝑡, 0, −1𝑡)
(𝑥, 𝑦, 𝑧) = ( 3 − 1𝑡, 2, 1 − 1𝑡)

Escrevendo de forma paramétrica:

𝑥 = 3 − 1𝑡
𝒗: { 𝑦 = 2
𝑧 = 1 − 1𝑡

4. A reta que passa pelos pontos 𝐴(−2, 5, 1) e 𝐵( 1, 3, 0) é paralela à reta


determinada por 𝐶( 3, −1, −1) e 𝐷( 0, 𝑦, 𝑧). Calcule o ponto 𝐷.

Para resolver esse problema podemos usar os vetores ⃗⃗⃗⃗⃗


𝐴𝐵 e ⃗⃗⃗⃗⃗
𝐶𝐷, pois como a reta que
passa por A e B é paralela à reta que passa por C e D, as razões coordenada a
coordenada entre os vetores devem ser iguais.

Primeiramente calculemos os vetores:


⃗⃗⃗⃗⃗ = 𝐵 − 𝐴 = ( 1, 3, 0) − (−2, 5, 1) = ( 3, −2, −1)
𝐴𝐵
⃗⃗⃗⃗⃗ = 𝐷 − 𝐶 = ( 0, 𝑦, 𝑧) − ( 3, −1, −1) = ( −3, 𝑦 + 1, 𝑧 + 1)
𝐶𝐷
Agora fazendo a razão entre cada coordenada dos dois vetores:
3 −2 −1 −𝟐 −1 −2 −𝟏
= = → 1º) − 𝟏 = = 2º) − 𝟏 = =
−3 𝑦 + 1 𝑧 + 1 𝒚+𝟏 𝑧+1 𝑦+1 𝒛+𝟏

Trabalhando primeiramente com a parte em azul encontraremos o valor de 𝒚:


−2
−1 = → −𝑦 − 1 = −2 → −𝑦 = −1 → 𝒚 = 𝟏
𝑦+1

Trabalhando em seguida com a parte em vermelha encontraremos o valor de 𝒛:


−1
−1 = → −𝑧 − 1 = −1 → −𝑧 = 0 → 𝒛 = 𝟎
𝑧+1

Com os valores de 𝑦 e 𝑧 encontrados basta substitui no ponto 𝐷.

R: As coordenadas do ponto 𝑫 são ( 𝟎, 𝟏, 𝟎)

5. Determine a equação geral do plano paralelo ao plano 𝜋: 2𝑥 − 3𝑦 − 𝑧 + 5 = 0 e


que tem o ponto 𝐴( 4, −1, 2).

Como os planos são paralelos, o nosso plano 𝛼 deverá ter o mesmo vetor normal.
O vetor normal a um plano pode ser escrito como um vetor com os valores que
acompanham 𝑥 , 𝑦 e 𝑧 respectivamente.

𝜋: 𝟐𝑥 − 𝟑𝑦 − 𝟏𝑧 + 5 = 0 → ⃗⃗⃗⃗
𝑣𝜋 = ( 2, −3, −1)

Dessa forma nosso plano 𝛼 terá o mesmo vetor diretor.


𝑣𝜋 = ( 2, −3, −1)
⃗⃗⃗⃗ → 𝑣𝛼 = ( 2, −3, −1)
⃗⃗⃗⃗

A equação geral do plano é a seguinte:

𝑎𝑥 + 𝑏𝑦 + 𝑐𝑧 + 𝑑 = 0

Para encontrar o plano 𝛼 que é paralelo a 𝜋 e passa pelo ponto 𝐴 , nessa equação vamos
substituir:
 𝑎, 𝑏 e 𝑐 pelas coordenadas do vetor normal ao plano
 𝑥, 𝑦 e 𝑧 pelas coordenadas do ponto 𝐴

Reunindo essas informações conseguiremos determinar o valor de 𝑑 :


𝐴( 𝟒, −𝟏, 𝟐).
𝑣𝛼 = ( 𝟐, −𝟑, −𝟏)
⃗⃗⃗⃗
𝑎𝑥 + 𝑏𝑦 + 𝑐𝑧 + 𝑑 = 0

Substituindo na equação:
(𝟐) ⋅ (4) + (−𝟑) ⋅ (−1) + (−𝟏) ⋅ (2) + 𝑑 = 0
8+3−2+𝑑 = 0
9+𝑑 = 0
𝑑 = −9
Agora com todas as informações podemos escrever a equação geral do plano 𝛼:
𝟐𝒙 − 𝟑𝒚 − 𝒛 − 𝟗 = 𝟎

6. Determine a equação geral do plano que contêm as retas 𝑟 e 𝑠 , com:


𝑥−1 𝑦+2 𝑧−3 𝑥−1 𝑦+2 𝑧−3
𝒓: = = 𝒔: = =
2 3 −1 −2 −1 2

Primeiramente devemos encontrar os vetores diretores de cada reta:


⃗⃗⃗𝑟 = ( 2, 3, −1)
⃗⃗⃗𝑠 = (−2, −1, 2)

Para escrever a equação geral do plano precisaremos do vetor normal (⃗⃗⃗⃗


𝑣 ), para
encontra-lo vamos utilizar a regra de Sarrus:

⃗⃗⃗𝑖 ⃗⃗⃗𝑗 ⃗⃗⃗⃗


𝑘
⃗⃗⃗⃗
𝑣 = ⃗⃗⃗𝑟 × ⃗⃗⃗𝑠 = 2 3 −1 → 5⃗⃗⃗𝑖 − 2⃗⃗⃗𝑗 + 4⃗⃗⃗⃗
𝑘 → ⃗⃗⃗⃗
𝑣 = (5, −2, 4)
−2 −1 2

Com o vetor normal, agora só precisamos de um ponto em qualquer uma das retas para
resolver nosso problema, veja a reta 𝑟:
𝑥−1 𝑦+2 𝑧−3
𝒓: = = → 𝑅( 1, −2, 3)
2 3 −1

Agora vamos descobrir o valor de 𝑑 para finalizar a equação geral do plano:


⃗⃗⃗⃗
𝑣 = (5, −2, 4)
𝑅( 1, −2, 3)
𝑎𝑥 + 𝑏𝑦 + 𝑐𝑧 + 𝑑 = 0

Substituindo na equação:
(𝟓) ⋅ (1) + (−𝟐) ⋅ (−2) + (𝟒) ⋅ (3) + 𝑑 = 0
5 + 4 + 12 + 𝑑 = 0
21 + 𝑑 = 0
𝑑 = −21
Agora com todas as informações podemos escrever a equação geral do plano 𝛼:
𝟓𝒙 − 𝟐𝒚 + 𝟒𝒛 − 𝟐𝟏 = 𝟎

7. Determinar os pontos de intersecção do plano 𝜋: 2𝑥 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 com os


eixos coordenados e com os planos coordenados 𝑂𝑥, 𝑂𝑦, 𝑂𝑧, 𝑥𝑂𝑦, 𝑥𝑂𝑧, 𝑦𝑂𝑧:

Para determinar as interseções basta zerar as coordenadas em cada um dos planos:


𝑂𝑥 → 𝑆𝑒 𝑎 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒çã𝑜 é 𝑛𝑜 𝑒𝑖𝑥𝑜 𝑑𝑜 𝑥, 𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑎𝑠 𝑑𝑒 𝑦 𝑒 𝑧 𝑠ã𝑜 𝒛𝒆𝒓𝒐
2𝑥 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 → 2𝑡 + 6 ⋅ 0 − 1 ⋅ 0 − 12 = 0 → 2𝑡 = 12 → 𝑡 = 6
𝑃𝑥 ( 6, 0, 0)

𝑂𝑦 → 𝑆𝑒 𝑎 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒çã𝑜 é 𝑛𝑜 𝑒𝑖𝑥𝑜 𝑑𝑜 𝑦, 𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑎𝑠 𝑑𝑒 𝑥 𝑒 𝑧 𝑠ã𝑜 𝒛𝒆𝒓𝒐


2𝑥 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 → 2 ⋅ 0 + 6 ⋅ 𝑡 − 1 ⋅ 0 − 12 = 0 → 6𝑡 = 12 → 𝑡 = 2
𝑃𝑦 ( 0, 2, 0)
𝑂𝑧 → 𝑆𝑒 𝑎 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒çã𝑜 é 𝑛𝑜 𝑒𝑖𝑥𝑜 𝑑𝑜 𝑧, 𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑎𝑠 𝑑𝑒 𝑥 𝑒 𝑦 𝑠ã𝑜 𝒛𝒆𝒓𝒐
2𝑥 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 → 2 ⋅ 0 + 6 ⋅ 0 − 1 ⋅ 𝑡 − 12 = 0 → −𝑡 = 12 → 𝑡 = −12
𝑃𝑧 ( 0, 0, −12)

𝑥𝑂𝑦 → 𝑆𝑒 𝑎 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒çã𝑜 é 𝑐𝑜𝑚 𝑜 𝑝𝑙𝑎𝑛𝑜 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑜 𝑑𝑜 𝑥𝑂𝑦, 𝑒𝑛𝑡ã𝑜 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟


𝑑𝑎 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝑧 é 𝒛𝒆𝒓𝒐
𝜋: 2𝑥 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 → 2𝑥 + 6𝑦 − 1 ⋅ 0 − 12 = 0 → 2𝑥 + 6𝑦 = 12

Com essa equação vamos isolar o 𝑦:


1
2𝑥 + 6𝑦 = 12 → 6𝑦 = 12 − 2𝑥 → 𝑦 = 2 − 𝑥
3
1
 Logo a interseção é a reta 𝑦 = 2 − 3 𝑥 ou na sua forma paramétrica:
𝑥=𝑡
1
𝒓𝟏 : { 𝑦 = 2 − 3 𝑡
𝑧=0

𝑥𝑂𝑧 → 𝑆𝑒 𝑎 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒çã𝑜 é 𝑐𝑜𝑚 𝑜 𝑝𝑙𝑎𝑛𝑜 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑜 𝑑𝑜 𝑥𝑂𝑧, 𝑒𝑛𝑡ã𝑜 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟


𝑑𝑎 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝑦 é 𝒛𝒆𝒓𝒐.
𝜋: 2𝑥 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 → 2𝑥 + 6 ⋅ 0 − 𝑧 − 12 = 0 → 2𝑥 − 𝑧 = 12

Com essa equação vamos isolar o 𝑧:


2𝑥 − 𝑧 = 12 → −𝑧 = 12 − 2𝑥 → 𝑧 = 2𝑥 − 12
 Logo a interseção é a reta 𝑧 = 2𝑥 − 12 ou na sua forma paramétrica:
𝑥=𝑡
𝒓𝟐 : { 𝑦 = 0
𝑧 = 2𝑡 − 12

𝑦𝑂𝑧 → 𝑆𝑒 𝑎 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒çã𝑜 é 𝑐𝑜𝑚 𝑜 𝑝𝑙𝑎𝑛𝑜 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑜 𝑑𝑜 𝑦𝑂𝑧, 𝑒𝑛𝑡ã𝑜 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟


𝑑𝑎 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝑥 é 𝒛𝒆𝒓𝒐
𝜋: 2𝑥 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 → 2 ⋅ 0 + 6𝑦 − 𝑧 − 12 = 0 → 6𝑦 − 𝑧 = 12

Com essa equação vamos isolar o 𝑧:


6𝑦 − 𝑧 = 12 → −𝑧 = 12 − 6𝑦 → 𝑧 = 6𝑦 − 12
 Logo a interseção é a reta 𝑦 = 6𝑦 − 12 ou na sua forma paramétrica:
𝑥=0
𝒓𝟑 : { 𝑦 = 𝑡
𝑧 = 6𝑡 − 12

8. Determine o valor de 𝑚 para que seja de 30° o angulo entre os planos 𝜋1 : 𝑥 +


1
𝑚𝑦 + 2𝑧 − 7 = 0 e 𝜋2 : 4𝑥 + 5𝑦 + 3𝑧 − 2 = 0, sabendo que 𝑠𝑒𝑛(30°) = e
2
√3
cos(30°) =
2

Para calcular o ângulo entre os planos podemos utilizar seus vetores normais, que são:
𝜋1 = ( 1, 𝑚, 2)
⃗⃗⃗⃗
𝜋2 = ( 4, 5, 3)
⃗⃗⃗⃗
Para encontrar o valor de 𝑚, vamos utilizar a seguinte fórmula:
| ⃗⃗⃗⃗ 𝜋2 |
𝜋1 ⋅ ⃗⃗⃗⃗
cos(𝜃) =
|⃗⃗⃗⃗
𝜋1 | ⋅ |⃗⃗⃗⃗
𝜋2 |

| ⃗⃗⃗⃗ 𝜋2 | = (1 ⋅ 4) + (𝑚 ⋅ 5) + (2 ⋅ 3) = 4 + 5𝑚 + 6 = 10 + 5𝑚
𝜋1 ⋅ ⃗⃗⃗⃗

𝜋1 | = √(1)2 + (𝑚 )2 + (2)2 = √1 + 𝑚 2 + 4 = √𝑚 2 + 5
|⃗⃗⃗⃗

𝜋2 | = √(4)2 + (5)2 + (3)2 = √16 + 25 + 9 = √50


|⃗⃗⃗⃗

Substituindo na fórmula:
| ⃗⃗⃗⃗ 𝜋2 |
𝜋1 ⋅ ⃗⃗⃗⃗ √3 10 + 5𝑚 √3 10 + 5𝑚
cos(30°) = → = → =
|⃗⃗⃗⃗
𝜋1 | ⋅ |⃗⃗⃗⃗
𝜋2 | 2 √𝑚 2 + 5 ⋅ √50 2 √50𝑚 2 + 250

→ √ 3 ⋅ √50𝑚2 + 250 = 2 ⋅ (10 + 5𝑚) → √150𝑚2 + 750 = 20 + 10𝑚

→ 150𝑚 2 + 750 = (20 + 10𝑚)2 → 150𝑚 2 + 750 = 400 + 400𝑚 + 100𝑚2

→ 𝟓𝟎𝒎𝟐 − 𝟒𝟎𝟎𝒎 + 𝟑𝟓𝟎 = 𝟎

Podemos simplificar toda a equação por 50 para depois encontrar as raízes:

0 = 50𝑚2 − 400𝑚 + 350 → 0 = 𝑚2 − 8𝑚 + 7 → 𝑚1 = 1 𝑜𝑢 𝑚2 = 7

Então 𝑚 pode assumir dois valores para que o ângulo entre os planos seja de 30°, logo
𝑚 = 1 ou 𝑚 = 7.

𝑥 = 1 − 2𝑡
9. Calcule a distância do ponto 𝑃( 1, 2, 3) à reta 𝒓: { 𝑦 = 2𝑡
𝑧 = 2−𝑡

Vamos precisar de um ponto 𝑄 na reta 𝑟. Como ele está na reta dever ser da forma
𝑄 = (1 − 2𝑡, 2𝑡, 2 − 𝑡).

A distância entre o ponto 𝑃 e a reta 𝑟 é sempre a menor distância possível, por isso o
⃗⃗⃗⃗⃗ tem que ser perpendicular ao vetor diretor da reta 𝑟.
vetor 𝑃𝑄

Construindo o vetor ⃗⃗⃗⃗⃗


𝑃𝑄:

⃗⃗⃗⃗⃗
𝑃𝑄 = 𝑄 − 𝑃 = (1 − 2𝑡, 2𝑡, 2 − 𝑡) − ( 1, 2, 3) = (1 − 2𝑡 − 1, 2𝑡 − 2, 2 − 𝑡 − 3) =
⃗⃗⃗⃗⃗
𝑃𝑄 = (−2𝑡, 2𝑡 − 2, −𝑡 − 1)

O vetor diretor da reta 𝑟 é ⃗⃗⃗𝑟 = (−2, 2, −1) , agora falta calcular o produto interno
entre ⃗⃗⃗⃗⃗
𝑃𝑄 e ⃗⃗⃗𝑟 , mas sabemos que < ⃗⃗⃗⃗⃗
𝑃𝑄 , ⃗⃗⃗𝑟 > = 0, o resultado deve ser zero pois os
vetor são perpendiculares.
(−2𝑡). (−2) + (2𝑡 − 2).2 + (−𝑡 − 1). (−1) = 0
4𝑡 + 4𝑡 − 4 + 𝑡 + 1 = 0
9𝑡 − 3 = 0
9𝑡 = 3
1
𝑡 =
3

1 2 5
Substituindo este valor de 𝑡 no ponto 𝑄(1 − 2𝑡, 2𝑡, 2 − 𝑡) encontraremos 𝑄 ( , , )
3 3 3

Agora, basta calcular a distância entre P e Q, ou seja, o módulo de ⃗⃗⃗⃗⃗


𝑃𝑄:

2 2 2
1 2 5 2 2 4 2 4 2
⃗⃗⃗⃗⃗ | = √( − 1) + ( − 2) + ( − 3) = √ (− ) + (− ) + (− )
|𝑃𝑄
3 3 3 3 3 3

4 16 16 36
= √ + + = √ = √4 = 2
9 9 9 9

R: A distância entre o ponto 𝑷 e a reta 𝒓 é de 2 u. c.

𝑥=0 𝑦=3
10. Calcule a distância entre as retas 𝒓: { e 𝒔: {
𝑦=𝑧 𝑧 = 2𝑥

Para encontrar a distância entre as retas 𝑟 e 𝑠 vamos precisar de um ponto em cada


uma das reta e os vetores diretores delas também. Vai ser conveniente utilizar a
equação paramétrica das retas, então:

𝑥 = 0 + 0𝑡 𝑥 = 0 + 1𝑚
𝒓: {𝑦 = 0 + 1𝑡 𝒔: {𝑦 = 3 + 0𝑚
𝑧 = 0 + 1𝑡 𝑧 = 0 + 2𝑚

A partir das equações paramétricas podemos encontrar:


⃗⃗⃗⃗
𝑑𝑟 = ( 0, 1, 1)  Vetor diretor da reta 𝑟
⃗⃗⃗⃗𝑠 = ( 1, 0, 2)
𝑑  Vetor diretor da reta 𝑠

𝑃( 0, 0, 0)  Ponto pertencente a reta 𝑟


𝑄( 0, 3, 0)  Ponto pertencente a reta 𝑠

Para calcular a distância entre as retas 𝑟 e 𝑠 [notação 𝒅(𝒓, 𝒔)], vamos utilizar duas
fórmulas que servem para calcular o volume de um paralelepípedo:
𝑃𝑄,⃗⃗⃗⃗⃗
𝐼) 𝑉 = |( ⃗⃗⃗⃗⃗ ⃗⃗⃗⃗𝑠 )|
𝑑𝑟 , 𝑑
𝐼𝐼)𝑉 = d(𝑟, 𝑠) ⋅ ||𝑑 ⃗⃗⃗⃗𝑟 × 𝑑
⃗⃗⃗⃗𝑠 ||
𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒 𝑽 é 𝑜 𝑣𝑜𝑙𝑢𝑚𝑒 𝑑𝑒 𝑢𝑚 𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑒𝑝í𝑝𝑒𝑑𝑜 𝑓𝑜𝑟𝑚𝑎𝑑𝑜 𝑝𝑒𝑙𝑜 𝑣𝑒𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑖𝑟𝑒𝑡𝑜𝑟
𝑑𝑎 𝑟𝑒𝑡𝑎 𝑟 [𝒅𝒓 ], 𝑜 𝑣𝑒𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑖𝑟𝑒𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑎 𝑟𝑒𝑡𝑎 𝑠 [𝒅𝒔 ] 𝑒 𝑜 𝑣𝑒𝑡𝑜𝑟 ⃗⃗⃗⃗⃗
𝑃𝑄, 𝑐𝑜𝑚 𝑃 ∈ 𝑟 𝑒 𝑄 ∈ 𝑠.
Como as duas equações são iguais ao volume do paralelepípedo, podemos igualar
ambas e isolar a altura do paralelepípedo, que é exatamente d(𝑟, 𝑠). Dessa forma,
utilizaremos a seguinte fórmula:

𝑃𝑄, ⃗⃗⃗⃗
|( ⃗⃗⃗⃗⃗ ⃗⃗⃗⃗𝑠 )|
𝑑𝑟 , 𝑑
d(𝑟, 𝑠) =
⃗⃗⃗⃗𝑟 × 𝑑
||𝑑 ⃗⃗⃗⃗𝑠 ||

Agora precisamos calcular o vetor 𝑃𝑄 ⃗⃗⃗⃗⃗ :


⃗⃗⃗⃗⃗ = 𝑄 − 𝑃 = ( 0, 3, 0) − ( 0, 0, 0) = ( 0, 3, 0)
𝑃𝑄

𝑃𝑄, ⃗⃗⃗⃗
Em seguida vamos calcular o produto misto |( ⃗⃗⃗⃗⃗ ⃗⃗⃗⃗𝑠 )|:
𝑑𝑟 , 𝑑
0 1 1
⃗⃗⃗⃗⃗ , ⃗⃗⃗⃗
|( 𝑃𝑄 ⃗⃗⃗⃗𝑠 )| = 1 0 2 → 3
𝑑𝑟 , 𝑑 Use cada vetor como uma linha da matriz
0 3 0

Por último precisamos calcular o produto vetorial ⃗⃗⃗⃗


𝑑𝑟 × ⃗⃗⃗⃗𝑠 e seu módulo:
𝑑
⃗⃗⃗⃗
⃗⃗⃗𝑖 ⃗⃗⃗𝑗 𝑘
⃗⃗⃗⃗
𝑑𝑟 × 𝑑⃗⃗⃗⃗𝑠 = 0 1 1 → 2⃗⃗⃗𝑖 + ⃗⃗⃗𝑗 − ⃗⃗⃗⃗𝑘 → 𝒅 ⃗⃗⃗⃗𝒓 × ⃗⃗⃗⃗
𝒅𝒔 = ( 𝟐, 𝟏, −𝟏)
1 0 2

⃗⃗⃗⃗𝑟 × 𝑑
||𝑑 ⃗⃗⃗⃗𝑠 || = √22 + 12 + (−1)2 = √4 + 1 + 1 = √6

Com todos os fatores calculados, agora é só substituir a fórmula inicial:


⃗⃗⃗⃗⃗ , ⃗⃗⃗⃗
| ( 𝑃𝑄 𝑑𝑟 , 𝑑 ⃗⃗⃗⃗𝑠 )| 3 3 ⋅ √6 3 ⋅ √6 √6
d(𝑟, 𝑠) = = = = =
||𝑑 ⃗⃗⃗⃗ × 𝑑 ⃗⃗⃗⃗ || √6 √6 ⋅ √6 6 2
𝑟 𝑠

√𝟔
R: A distância entre as retas 𝒓 e 𝒔 é u.c.
𝟐

11. Calcule a distância entre os planos:


𝜋1 : 3𝑥 − 6𝑦 + 9𝑧 − 10 = 0 e 𝜋2 : − 18𝑥 + 36𝑦 − 54𝑧 + 120 = 0

Para começar a questão precisamos saber qual a posição relativa entre os planos, para
isso vamos utilizar os vetores normais de cada um deles:
𝑣1 = (3, −6, 9)  Vetor normal de 𝜋1
𝑣2 = (−18, 36, −54)  Vetor normal de 𝜋2

Como 𝑣2 = −6 ⋅ 𝑣1 esses vetores são linearmente dependentes (𝐿𝐼), logo esses


planos são paralelos.

Para calcular a distância entre os planos 𝜋1 e 𝜋2 precisamos apenas de um ponto em


𝜋2 e o vetor normal de 𝜋1 porque d(𝑃𝑜 , 𝜋1 ) = d(𝜋2 , 𝜋1 ).

Utilizaremos a seguinte fórmula:

| 𝑎𝑥𝑜 + 𝑏𝑦0 + 𝑐𝑧𝑜 + 𝑑|


d(𝑃𝑜 , 𝜋1 ) =
|⃗⃗⃗⃗
𝑣1 |
Nessa equação temos que:
 𝑃𝑜 (𝑥0 , 𝑦0 , 𝑧0 ) é um ponto no plano 𝜋2
 𝑎, 𝑏 e 𝑐 são as coordenadas do vetor ⃗⃗⃗⃗
𝑣1 que é o vetor normal ao plano 𝜋1

Como já conhecemos ⃗⃗⃗⃗


𝑣1 vamos calcular seu módulo:
𝑣1 | = √32 + (−6)2 + (9)2 = √126
|⃗⃗⃗⃗

Precisamos encontrar um ponto 𝑃0 em 𝜋2 , para isso vamos escolher 𝑦 = 0 e 𝑧 = 0 e


encontrar um valor para 𝑥.
𝑃𝑜 𝑒𝑠𝑡á 𝑒𝑚 𝜋2 → 𝜋2 : −18𝑥 + 36𝑦 − 54𝑧 + 120 = 0
→ −18𝑥 + 36𝑦 − 54𝑧 = −120
→ 3𝑥 − 6𝑦 + 9𝑧 = 20
→ 3𝑥 − 6 ⋅ 0 + 9 ⋅ 0 = 20
→ 3𝑥 = 20
20
→𝑥=
3
20
→ 𝑃0 ( , 0 , 0)
3

Com esse ponto 𝑃0 temos todos dados necessários, então vamos substituí-los na
fórmula:
| 𝑎𝑥𝑜 + 𝑏𝑦0 + 𝑐𝑧𝑜 + 𝑑|
d(𝜋2 , 𝜋1 ) = d(𝑃𝑜 , 𝜋1 ) =
|⃗⃗⃗⃗
𝑣1 |
20
|3⋅ − 6 ⋅ 0 + 9 ⋅ 0 − 10|
d(𝑃𝑜 , 𝜋1 ) = 3
√126
| 20 − 10|
=
√126
|10|
=
√126
10
=
√126
10
=
3√14
10 ⋅ √14
=
3 ⋅ 14
5 ⋅ √14
=
3⋅7
5√14
=
21

𝟓√𝟏𝟒
R: A distância entre os planos 𝝅𝟏 e 𝝅𝟐 é 𝟐𝟏
u.c.