Você está na página 1de 6

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/266419350

LINKAGE ENTRE SIM E SINAN PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DOS


DADOS DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA TUBERCULOSE: A EXPERIÊNCIA
NACIONAL

Article

CITATIONS READS

12 376

5 authors, including:

Rejane Pinheiro Claudia Medina Coeli


Federal University of Rio de Janeiro Federal University of Rio de Janeiro
71 PUBLICATIONS   1,511 CITATIONS    165 PUBLICATIONS   1,638 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Public Health View project

Gender, morbidity, access and utilization of health services in Brazil View project

All content following this page was uploaded by Claudia Medina Coeli on 09 February 2016.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


LINKAGE ENTRE SIM E SINAN PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DOS DADOS DO
SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA TUBERCULOSE: A EXPERIÊNCIA NACIONAL

Linkage between SIM (mortality information system) and SINAN (communicable diseases
information system) for the improvement of the data quality in the tuberculosis information
system: the Brazilian experience

Gisele Pinto de Oliveira1, Rejane Sobrino Pinheiro2, Cláudia Medina Coeli3, Stefano Barbosa
Codenotti4, Dráurio Barreira5

Resumo
O objetivo desse trabalho é demonstrar como o relacionamento com a base de dados do
sistema de informação sobre mortalidade pode contribuir para a melhoria da qualidade do
encerramento dos casos notificados no sistema de vigilância da tuberculose. Foram analisados
3.400 pares de registro, resultado da utilização da técnica de relacionamento probabilístico
entre declarações de óbito que apresentavam tuberculose com causa básica ou associada em
2006 e todas as notificações de tuberculose dos anos de 2005 e 2006 no Brasil. Foram realiza-
dos cinco passos de blocagem e para o pareamento de registros utilizou-se o nome do pacien-
te, nome da mãe e data de nascimento. Ao comparar o encerramento dos casos antes e
depois do relacionamento observou-se variação no percentual de óbitos em 2006 passando
de 5,6% para 6,4%. Embora as alterações observadas nos demais indicadores tenham sido
discretas, o método apresenta-se como uma estratégia promissora a ser explorada visando à
melhoria da qualidade da informação do encerramento dos casos de tuberculose.

Palavras-chave
Tuberculose, Sistemas de informação, Causa de morte, Relacionamento probabilístico de regis-
tros

Abstract
The aim of this article is to demonstrate how the linkage with the SIM (Brazilian national
mortality information system) database may contribute to the improvement of data quality on
the outcome of the cases reported in the tuberculosis surveillance system. We analyzed 3,400
pairs of records, a result of the probabilistic linkage between the death certificates that had
tuberculosis as underlying or associated cause in 2006 and all reported cases of tuberculosis in
2005 and 2006, in Brazil. We used five blocking steps, and to match the records we used the
patient’s name, mother’s name and date of birth. When comparing the outcome of the cases
before and after the linkage we observed variation in the percentage of deaths in 2006, from
5.6% to 6.4%. Although the changes observed in the other indicators were small, the method
is presented as a promising strategy to help improve the information quality of the outcome of
all tuberculosis cases.

Keywords
Tuberculosis, Information systems, Cause of death, Probabilistic record linkage

1
Especialista em Saúde Coletiva. Mestranda em Saúde Coletiva.Programa Nacional de Controle da Tuberculose do Departamento de Vigilância
Epidemiológica da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde. End: Shin QI 7 Conjunto 11 Casa 14 – Lago Norte, Brasília CEP
71515-110. E-mail: giselepoliveira@gmail.com
2
Doutora em Saúde Pública. Professora Adjunta do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
3
Doutora em Saúde Coletiva. Professora Adjunta do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
4
Especialista em Pneumologia Sanitária. Programa Nacional de Controle da Tuberculose do Departamento de Vigilância Epidemiológica da
Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.
5
Pós-graduado em Saúde Coletiva e especialista em Epidemiologia. Programa Nacional de Controle da Tuberculose do Departamento de
Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO , 18 (1): 107 - 111, 2010 107
Gisele Pinto de Oliveira, Rejane Sobrino Pinheiro, Cláudia Medina Coeli, Stefano Barbosa Codenotti, Dráurio Barreira

1. Introdução principalmente nos anos de 2005 e 2006 (Malhão


et al., 2010 no prelo). Um estudo realizado no
O Brasil ocupa a 18ª posição entre os 22 paí- Rio de Janeiro no mesmo período e utilizando
ses responsáveis por 80% dos casos de tubercu- critérios estabelecidos pelo Sinan, considerou
lose (TB) no mundo e contempla 35% dos casos como excelente a qualidade dos dados dos blo-
notificados na Região das Américas (WHO, 2009). cos identificação e dados complementares, mas
Com a instituição do Sistema Nacional de Vi- apenas regular para o bloco acompanhamento.
gilância Epidemiológica no Brasil em 1975, um Esse fato foi atribuído principalmente à
conjunto de doenças de importância sanitária completitude da variável situação de encerra-
para o país, dentre elas a TB, passou a ter priori- mento que de 2001 a 2004 teve um preenchi-
dade, tornando-se obrigatória sua notificação mento ruim, passando a regular em 2005 e 2006
(Brasil, 2005). Com o objetivo de coletar, trans- (Oliveira et al., 2009).
mitir e disseminar dados sobre doenças de noti- O objetivo desse trabalho é demonstrar como
ficação foi desenvolvido na década de 90 o Sis- o linkage com o SIM pode contribuir para a
tema de Informação de Agravos de Notificação melhoria da qualidade do encerramento dos ca-
(Sinan), que se tornou a principal fonte de dados sos notificados no Sinan.
para a vigilância epidemiológica da TB (Laguardia
et al., 2004). 2. Materiais e métodos
Informações epidemiológicas adicionais para
a TB podem ser obtidas de outros sistemas pú- A base de dados foi obtida a partir do relacio-
blicos como o Sistema de Informação sobre Mor- namento probabilístico entre 6.924 declarações
talidade (SIM). de óbito (DO) que apresentavam a TB com cau-
A ficha de notificação/investigação da TB no sa básica ou associada (Classificação Internacio-
Sinan é composta por três blocos de variáveis: nal de Doenças/10ª revisão; A15 a A19)
identificação, dados complementares e acompa- registradas no SIM em 2006 no Brasil e todas as
nhamento. Os dois primeiros blocos são preen- notificações de TB (177.762) que constavam no
chidos no momento do diagnóstico do caso e Sinan cujo ano de notificação tenha sido 2005
início de tratamento. O último necessita ser atu- ou 2006. Se os casos tivessem sido notificados
alizado durante o tratamento do paciente, em mais de uma vez, considerou-se a notificação
média seis meses, pois contém informações so- mais antiga.
bre os exames que constatam a cura do doente As bases de dados foram disponibilizadas pelo
e o encerramento do caso. Essas informações PNCT e pelo Departamento de Análise da Situa-
devem ser enviadas mensalmente pelas unida- ção em Saúde (DASIS) do Ministério da Saúde.
des de saúde (US) responsáveis pelo tratamento Essas continham dados de identificação do paci-
do doente no nível administrativo mais periféri- ente (nome e endereço) que são essenciais para
co do município por meio do boletim de acom- esse tipo de relacionamento, realizado por meio
panhamento da TB (Brasil, 2007). de metodologia proposta por Camargo & Coeli
Informações precisas, completas e oportunas (2007) com o software Reclink III.
de natureza epidemiológica representam Foram realizados cinco passos de blocagem e
insumos essenciais para o planejamento, para o pareamento de registros utilizaram-se as
monitoramento, execução e avaliação das ações seguintes variáveis: nome do paciente, nome da
de saúde, especialmente em países e regiões de mãe e data de nascimento.
ampla desigualdade socioeconômica (Romero & Os escores superiores a 22,4 foram considera-
Cunha, 2007). dos pares verdadeiros enquanto que os inferiores
Segundo metodologia proposta pelo Center for a 9,7 não pares, permanecendo os escores inter-
Disease Control and Prevention dos Estados Uni- mediários como duvidosos. A revisão manual dos
dos, a qualidade é um dos principais atributos pares duvidosos foi realizada e durante esse pro-
que devem ser considerados na avaliação de um cesso a reclassificação desses em pares verdadei-
sistema de vigilância de um agravo (CDC, 2001). ros e não pares obedeceu ao seguinte critério de
Uma avaliação nacional realizada pelo Progra- desempate: nome do paciente, nome da mãe,
ma Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT) data de nascimento e município de residência. A
entre os anos de 2001 a 2006 verificou uma pior revisão foi realizada ao final de cada passo de
qualidade de preenchimento das variáveis que blocagem e os registros que permaneceram clas-
dizem respeito ao acompanhamento do caso sificados como dúvida foram considerados pares.

108 CAD. SAÚDE COLET., R IO DE JANEIRO , 18 (1): 107 - 111, 2010


Linkage entre SIM e SINAN para a melhoria da qualidade dos dados do Sistema de
Informação da Tuberculose: a experiência nacional.

Após o relacionamento das bases de dados, Tabela 1


os casos foram agrupados de acordo com a situ- Situação de Encerramento, por ano de notificação, dos casos
que evoluíram para óbito e foram notificados previamente
ação de encerramento registrada no Sinan: ig- no Sinan, Brasil.
norado/branco, cura, abandono de tratamento,
óbito por tuberculose, óbito por outras causas, Situação de Encerramento Ano de Notificação
transferência e tuberculose multirresistente 2005 2006
(TBMR). n % n %
O trabalho foi aprovado pela Comissão Ignorado 40 5,6 276 10,2
Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) em 12/ Cura 142 20,1 247 9,2
04/2009, com registro nº 15222. Abandono 139 19,7 103 3,8
Óbito* 308 43,7 1.920 71,3
3. Resultados Transferência 75 10,6 149 5,5
TBMR 1 0,1 0 0,0
Dos óbitos registrados no SIM em 2006, 50,9% Total 705 20,7 2.695 79,3
(n= 3.524) não haviam sido notificados no Sinan *Óbito = Óbito por TB + Óbito por outras causas
entre 2005 e 2006. Dentre os notificados (n =
3.400), 79,3% (n = 2.695) foram registrados em
2006 (Tabela 1). to óbito aumentou de 6,5 para 6,9%. Em 2006,
Ao analisar a situação de encerramento dos esse valor aumentou de 5,6 para 6,4%. Para esse
óbitos por/com TB registrados previamente no mesmo ano, o percentual de casos sem desfe-
Sinan entre os anos de notificação verificou-se cho de tratamento reduziu de 14,0 para 13,7%.
que, para os notificados em 2005, apenas 43,7% Os demais tipos de encerramento apresentaram
(n = 308) apresentaram o encerramento do caso mudanças mais discretas como o percentual de
como óbito, enquanto 19,7% (n = 139) tinham cura dos casos, que em 2005 reduziu de 68,8 para
como encerramento o abandono do tratamento 68,6% e em 2006 reduziu de 63,6 para 63,4%
e 20,1% (n = 142) apresentavam o desfecho (Tabela 2).
como cura. Em 2006, 71,3% (n = 1.920) dos óbi-
tos que possuíam uma notificação no Sinan tive- 4. Discussão
ram a informação do encerramento do caso como
óbito, 3,8% (n = 103) como abandono e 10,2% Ao analisar a situação de encerramento no
(n = 276) não possuíam informação de desfecho Sinan dos casos que evoluíram para óbito em
(Tabela 1). 2006 verificou-se que aqueles que foram notifi-
Após adequar o tipo de encerramento dos cados em 2005 apresentaram uma proporção
casos que evoluíram para óbito no Sinan, verifi- menor do desfecho óbito quando comparado a
cou-se uma alteração nos percentuais de encer- 2006. Esse fato sugere que quanto mais distante
ramento ignorado e óbito nacional. Para o ano do ano do óbito for a primeira notificação, me-
de 2005, o percentual de casos com encerramen- nor é a chance de que o encerramento seja re-

Tabela 2
Comparativo entre o percentual dos tipos de encerramento antes e depois da correção pelo relacionamento entre
Sinan e SIM. Brasil, 2005 e 2006.

Situação de Ano de Notificação


Encerramento
2005 2006
Antes da Depois da Antes da Depois da
Correção Correção Correção Correção
n % n % n % n %
Ignorado 5.596 6,0 5.556 6,0 12.468 14,0 12.192 13,7
Cura 64.030 68,8 63.888 68,6 56.767 63,6 56.520 63,4
Abandono 9.351 10,0 9.212 9,9 8.188 9,2 8.085 9,1
Óbito* 6.076 6,5 6.473 6,9 4.953 5,6 5.728 6,4
Transferência 7.975 8,6 7.900 8,5 6.662 7,5 6.513 7,3
TBMR 169 0,1 168 0,1 156 0,0 156 0,0
Total 93.197 - 93.197 - 89.184 - 89.184 -

*Óbito = Óbito por TB + Óbito por outras causas

CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO , 18 (1): 107 - 111, 2010 109
Gisele Pinto de Oliveira, Rejane Sobrino Pinheiro, Cláudia Medina Coeli, Stefano Barbosa Codenotti, Dráurio Barreira

gistrado como óbito, ou seja, a primeira notifica- rindo a possibilidade de um erro no preenchimen-
ção no mesmo ano do óbito reflete o diagnósti- to do encerramento ou falha médica no critério
co tardio da doença. Em 2005, um importante de alta dos casos, principalmente para aqueles
percentual dos óbitos foi encerrado como aban- notificados no mesmo ano do óbito.
dono de tratamento (19,7%), reforçando o acha- Os óbitos por TB e por outras causas foram
do de outro estudo que considera o abandono reunidos em uma só categoria pelo fato da de-
prévio como fator de risco para a ocorrência de sagregação dos tipos de óbitos somente ter sido
óbito (Domingos et al., 2008). Dessa forma, rati- inserida no Sinan em 2006, não sendo muito pro-
fica-se a necessidade dos serviços de saúde de vavelmente neste período um dado confiável e
criar alternativas que garantam a adesão ao tra- válido (Brasil, 2007).
tamento para esses pacientes ou fazer uso da Os encerramentos do tipo ignorado e transfe-
estratégia Directly Observed Treatment Short- rência não deveriam apresentar um percentual
Course (DOTS), que é a recomendada mundial- expressivo na base de dados da TB porque se
mente (WHO, 2006). Além disso, deve-se levar referem a uma situação transitória. Todos os ca-
em consideração o fato do caso evoluir para óbi- sos devem possuir um encerramento após o tér-
to e ser classificado como abandono de trata- mino de tratamento e as transferências devem
mento pelas US de origem devido ao desconhe- ser eliminadas por meio da execução contínua
cimento da ocorrência do óbito. O seguimento das rotinas do SINAN. Espera-se que um caso de
passivo do paciente, apresentado no presente transferência seja notificado novamente pela
trabalho, é uma alternativa para a melhoria da unidade para qual o mesmo foi transferido e o
qualidade da informação do encerramento do encerramento da nova notificação deve substi-
caso, que pode ser realizado no serviço, consu- tuir o da primeira.
mindo tempo e recursos inferiores aos que seri- Ao se comparar o percentual de encerramen-
am necessários para o seguimento ativo. to em nível nacional antes e depois do relacio-
O fato de 10,6%, em 2005 e 5,5%, dos casos namento entre as bases de dados verificou-se
em 2006 terem apresentado o tipo de encerra- que as alterações observadas nos indicadores são
mento como transferência reforça a necessida- muito discretas, exceto para o percentual de óbi-
de de realizar o seguimento destes casos para tos. Isso pode ser explicado pelo fato de apenas
evitar que eles se percam e não cheguem às US 49,1% dos óbitos terem sido notificados nos dois
para qual o mesmo foi transferido. Dessa forma, anos analisados. No entanto, o percentual de
é essencial que a US que realiza a transferência encerramento por óbito passou de 5,6% para
faça o monitoramento do caso até que a outra 6,4% em 2006, o que corresponde um aumento
unidade receba o mesmo para continuar o trata- de 14%, indicando uma melhoria na qualidade
mento. desse indicador no Sinan.
Os casos que evoluíram para óbito em 2006 e A utilização dos sistemas de informação em
apresentaram uma notificação de TB em 2005 saúde nacionais permite que possíveis proble-
ou 2006 com encerramento por cura podem ser mas, como a má qualidade dos dados, sejam re-
classificados como recidiva de acordo com o Guia conhecidos e solucionados (Teixeira et al., 2006).
de Vigilância Epidemiológica (Brasil, 2005). No A técnica de relacionamento da base de dados
entanto, esses casos devem ser investigados, pois do Sinan e do SIM pode contribuir para a melhoria
esse comportamento é incomum, já que a reci- da qualidade da informação do encerramento dos
diva ocorreu num curto espaço de tempo, suge- casos de TB.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saú- CENTER FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Update
de. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de Vi- Guidelines for Evaluating Public Health Surveillance Systems.
gilância Epidemiológica. 6. ed, p. 732-756, 2005. MMWR, v. 50, n. RR-13. 2001.
______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em DOMINGOS, M. P.; CAIAFFA, W. T.; COLOSIMO, E. A. Mortality,
Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Sistema TH/HIV co-infecton, and treatment dropout: predictors of
de Informação de Agravos de Notificação – Sinan: normas e tuberculosis prognosis in Recife, Pernambuco State, Brazil.
rotinas. 2. ed. Brasília, 2007. 67p. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 4, p. 887-896, apr. 2008.
CAMARGO JR, K. R.; COELI, C. M. Reclink III versão 3.1.6.3160. LAGUARDIA , J.; DOMINGUES, C . M . A .; CARVALHO, C .;
Guia do Usuário. 2007. Disponível em <http :// LAUERMAN, C. R.; MACÁRIO, E.; GLATT, R. Sistema de Infor-
www.iesc.ufrj.br/reclink>. Acesso em 15 jun. 2008. mação de Agravos de Notificação (Sinan): Desafios no De-

110 CAD. SAÚDE COLET., R IO DE JANEIRO , 18 (1): 107 - 111, 2010


Linkage entre SIM e SINAN para a melhoria da qualidade dos dados do Sistema de
Informação da Tuberculose: a experiência nacional.

senvolvimento de um Sistema de Informação em Saúde. blica, v. 23, n. 3, p-701-704, mar. 2007.


Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 13. n. 3, p. 135-147. TEIXEIRA, C. L. S.; BLOCK, K. V.; KLEIN, C. H.; COELI, C. M. Méto-
2004. do de relacionamento de bancos de dados do Sistema de
MALHÃO, T. A.; OLIVEIRA, G. P.; CODENOTTI, S. B.; MOHERDAUI, Informação sobre Mortalidade e das autorizações de
F.; BARREIRA. D. Avaliação da Completitude do Sistema de internação hospitalar no Sistema Único de Saúde, na investi-
Informação de Agravos de Notificação da Tuberculose, Brasil gação de óbitos de causa mal-definida no Estado do Rio de
(2001-2006). Epidemiologia em Serviços de Saúde, 2010. No Janeiro, Brasil, 1998. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.
prelo. 15, n. 1, p.47-57. 2006.
OLIVEIRA, P. B. NÓBREGA, A.; SOBEL, J.; OLIVEIRA, G. P.; WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Stop TB Partnership.
CODENOTTI, S. B. Avaliação do Sistema de Vigilância da Tu- The Global Plan to Stop TB, 2006-2015. Actions for life:
berculose, Rio de Janeiro, 2001 a 2006 (Documento técnico). towards a world free of Tuberculosis. International Journal
Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Tuberculosis Lung Disease, v. 10 n. 3, p. 240-241, mar. 2006.
Serviços do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde. ______. Global Tuberculosis Control: Epidemiology, Strategy,
Brasília, 2009. Financing. WHO Report, 2009.
ROMERO, D. E.; CUNHA, C. B. Avaliação da qualidade das vari-
áveis epidemiológicas e demográficas do Sistema de Infor- Recebido em: 22/12/2009
mações sobre Nascidos Vivos, 2002. Caderno de Saúde Pú- Aprovado: 29/12/2009

CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO , 18 (1): 107 - 111, 2010 111