Você está na página 1de 2

Bom Dia Turma tudo bem??

Vamos iniciar os nossos foruns a partir de hoje, gostaria de


contar com a participação de todos vocês aqui, ok? Valerá 1.0 ponto cada Forum, mas
vocês terão que comentar a resposta de um colega ok? 1) Fale sobre o conceto de
currículoapresentado na aula 01 ( Aula 01) 2) Comente sobre o conceito de teoria, teorias
críticas e teorias pós-críticas.(Aula 02) 3) Descreva a sua opinião sobre as Teorias
Críticas citadas no text (Aula 03) 4) Fale a respeito das Teorias Pós-Crítcas (Aula 04) 5)
Dê a sua opinião sobre Teoria Curricular e a prática pedagógica (Aula 05) OBS: - Não
será prorrogado o prazo da entrega deste Forum (para o dia 09/3/2011) até 11:40h. -
Somente será aceita a resposta que estiver comentada de um outro colega - Valerá 1.0
ponto cada Forum Abraços, Cristina

1)Ao longo do tempo, o conceito de currículo ganhou novas conotações e concepções,


que estão diretamente relacionadas a uma questão de formação de “identidade” ou de
“subjetividade”.
O currículo não pode ser concebido apenas como uma maneira de organizar,selecionar e
transmitir o conhecimento historicamente acumulado, pois o conhecimento que constitui
o currículo está centralmente envolvido naquilo que somos e naquilo que nos tornamos:
nossa identidade e subjetividade. Além de uma questão de conhecimento, o currículo é
também uma questão de identidade.
Podemos definir currículo como todas as ações desenvolvidas no ambiente educacional,
pedagogicas ou administrativas que vão formar uma visão de homem e sociedade.
Uma vez que o currículo transmite visões sociais particulares de um modelo sociedade e
homem ele produz tambem identidades individuais em em consonância com um
determinado projeto de sociedade, figurando como um espaço de produção e reprodução
sócio-cultural.
2) É a questão do poder que vai separar as teorias tradicionais das teorias críticas e pós-
críticas do Currículo.
As teorias críticas e pós-críticas argumentam que não há neutralidade na teoria, que está
inevitavelmente implicada em relações de poder, portanto interessa saber o que ensinar,
mas, sobretudo, por que ensinar esse conhecimento e não aquele.Pois os criticos das
concepções tradicionais avaliam que as relações de poder permeiam o ensino,
legitimando a opressão e a dominância de uma classe sobre a outra.
Isso fica claro quando a cultura, que tem prestígio e valor social, é justamente a cultura
das classes dominantes, com a valorização de seus valores, seus costumes, seus gostos e
seus hábitos.
A diferença da teoria critica para a pós critica é que a segunda amplia os argumentos no
campo do entendimento de que o poder não se limita às classes sociais, mas encontra-se
pulverizado, ou seja, mesmo nas classes oprimidas, um homem branco pode mais (tem
mais poder) que uma mulher, por sua vez, uma mulher branca pode mais que uma mulher
negra,assim as relações de poder acontecem de forma multifacetada, desencadeando
múltiplos processos de hierarquias de poder.
Ao meu ver sem escola democrática não há regime democrático; portanto, a
democratização da escola é fundamental e urgente, pois somente através de
oportunidades iguais de aquisição do saber e de uma formação crítica do homem,
teremos futuros cidadãos conscientes de seus direitos e deveres.Desta forma,a
classe trabalhadora poderá tornar-se mais intrumentalizada para enfrentar a
exploração que o capitalismo lhes impõe , gerando a grande desigualdade social que
vivenciamos nesta sociedade atual.