Você está na página 1de 121

CURSO DE

ELETRÓNICA ANALÓGICA

Resistores

PROF. VICTOR NASCIMENTO


11º & 12º ANOS DE ESCOLARIDADE – VIA TÉCNICA
INTRODUÇÃO

• Neste curso, irá ser abordados os principais componentes eletrónicos


utilizados em circuitos de controle ou sistemas eletrónicos.
• O objetivo é conhecer:
 O princípio de funcionamento dos componentes;
 Suas características físicas;
 Formas de especificação;
 E testes de funcionamento.
INTRODUÇÃO

• No quadro seguinte, é-nos mostrado alguns componentes usados em


circuitos e sistemas eletrónicos com os seus respectivos símbolos
gráficos representativos em esquemas elétricos.
• A figura 1 mostra-nos um exemplar de um esquema de circuito
elétrico, onde são utilizados os símbolos que representam cada
componente eletrónico.
Figura 1 – Esquema elétrico de um sistema eletrónico
RESISTORES

• Os resistores são componentes que têm por finalidade oferecer uma


certa oposição à passagem de corrente elétrica, através de seu
material.
• A essa oposição damos o nome de resistência elétrica, grandeza
elétrica que possui como unidade o ohm (Ω).
RESISTORES

• Existe ainda os múltiplos (maiores que a unidade) e os subúltiplos


(menores que a unidade), conforme nos mostra a régua seguinte:

• A relação entre uma unidade e a outra consecutiva é sempre de


± 1000 (±103 ), ou seja, de 1000 (103 ) se partimos do maior para
menor ou de – 1000 (10−3 ) se partimos do menor para o maior.
RESISTORES

• Os prefixos utilizados com a unidade, têm os seguintes significados e


valor, sendo a ordem indicada na régua anterior:
 𝑮 𝑮𝑖𝑔𝑎 = 109
 𝑴 𝑴𝑒𝑔𝑎 = 106
 𝑲 𝑲𝑖𝑙𝑜 = 103
 𝒎 𝑴𝑖𝑙𝑖 = 10−3
 µ 𝑀𝑖𝑐𝑟𝑜 = 10−6
RESISTORES

• Os resistores fixos são comumente especificados por três parâmetros,


a saber:
 O valor nominal da resistência elétrica;
 A tolerância, ou seja, a máxima variação em porcentagem do
valor nominal;
 A máxima potência elétrica dissipada.
RESISTORES

• Por exemplo, um resistor de 1000Ω ± 5%_0.33, significa que esse


resistor possui:
a) Um valor nominal de 1000 Ω;
b) Uma tolerância sobre esse valor de mais ou menos 5%;
c) E pode dissipar uma potência de no máximo 0,33 watts.
TIPOS DE RESISTORES FIXOS

• Dentre os tipos de resistores fixos mais utilizados em eletrónica,


podemos destacar os seguintes:
 Os resistores de fio;
 Os resistores de filme de carbono;
 Os resistores de filme metálico.
TIPOS DE RESISTORES FIXOS

1. Resistores de fio metálico


• Consiste basicamente em um tubo cerâmico, que servirá de suporte
para enrolarmos um determinado comprimento de fio metálico.
• Normalmente o fio metálico utilizado é de liga especial para obter-se
o valor de resistência desejado, sendo que os terminais desse fio são
conectados às braçadeiras presas ao tubo.
TIPOS DE RESISTORES FIXOS

1. Resistores de fio metálico


• Os resistores de fio são encontrados com valores de resistência de
alguns ohms até alguns kilo-ohms.
• São aplicados onde se exige altos valores de potência, acima de 5W,
sendo suas especificações impressas no próprio corpo.
Figura 2 - Resistores de fio metálico
TIPOS DE RESISTORES FIXOS

2. Resistores de filme de carbono


• Os resistores de filme de carbono têm o formato cilindrico,
feitos de porcelana e recoberto por um filme (película) de
carbono.
• O valor da resistência é obtido mediante a formação de um
sulco, transformando a película em uma fita helicoidal.
• Esse valor pode variar conforme a espessura do filme ou a
largura da fita e como revestimento, encontramos uma resina
protetora.
TIPOS DE RESISTORES FIXOS

2. Resistores de filme de carbono


• Sobre o seu revestimento será impresso um código de
cores, identificando seu valor nominal e tolerância.
• Os resistores de filme de carbono são destinados ao uso geral e
suas dimensões físicas determinam a máxima potência que pode
dissipar.
Figura 3 – Resistores de filme de carbono
TIPOS DE RESISTORES FIXOS

3. Resistores de filme metálico


• Sua estrutura é idêntica ao de filme de carbono, somente que, se
utiliza uma liga metálica (níquel-cromo) para se formar a película,
obtendo valores mais precisos de resistência com tolerâncias de 1 % e
2%.
Figura 4 – Resistores de filme metálico
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Os resistores são fabricados com valores que vão de alguns miliohms


(mΩ) até cerca de 1 gigaohm (GΩ).
• Porém, somente alguns valores limitados estão disponíveis no
mercado especializado, pertencentes às séries de valores preferenciais
da norma IEC 60063 (international electrotechnical comission).
• Essas séries são chamadas E6, E12, E24, E96 e E192, onde o número
da série indica quantos valores padrões existem entre 10 e 100.
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Por exemplo, na série E12 há 12 valores disponíveis entre 10 e 100,


que são 10, 12, 15, 18, 22, 27, 33, 39, 47, 56, 68 e 82.
• Na série E24 há todos os valores da série E12 mais 11, 13, 16, 20, 24,
30, 36, 43, 51, 62, 75 e 91.
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Dessa forma, são fabricados múltiplos de 10 dos valores padrões,


como por exemplo, existem comercialmente resistores de resistências
0.47Ω, 4.7Ω, 47Ω, 470Ω, 4.7 kΩ, 47 kΩ, 470 kΩ, 4.7 MΩ, 47 MΩ e
470 MΩ.
• Isso vale para os demais valores das séries, lembrando da disciplina
de ELETRICIDADE BÁSICA, o código de cores é a convenção
utilizada para identificação de resistores de uso geral, onde
compreende as séries E6, E12 e E24 da norma internacional IEC.
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

1. Resistores com 4 faixas coloridas


• Os resistores com quatro faixas coloridas são os mais encontrados
numa placa de circuito impresso eletrónico.
• Por exemplo, consideremos um resistor com 4 faixas coloridas, onde:
 A 1ª faixa é da cor verde (1ª Faixa significativo);
 A 2ª faixa é da cor azul (2ª Faixa significativo);
 A 3ª faixa é da cor vermelha (Faixa multiplicativo);
 A 4ª faixa é da cor de ouro (Tolerância).
Figura 5 – Resistor com 4 faixas coloridas
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

1. Resistores com 4 faixas coloridas


• Normalmente, a faixa de tolerância é a mais afastada das outras e isso
é feito de propósito para identificarmos essa faixa e identificar as
outras, sem margens para erros.
• Partindo da faixa de tolerância, a seguir é a faixa multiplicadora e as
restantes serão as faixas dos números significativos.
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Considerando o nosso resistor de 4 faixas coloridas temos, usando a


nosso codigo de cores, temos:
 A 1ª faixa é da cor verde (1ª Faixa significativo), tem o valor 5
no código de cores;
 A 2ª faixa é da cor azul (2ª Faixa significativo) tem o valor 6
no código de cores;
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

 A 3ª faixa é da cor vermelha (Faixa multiplicativo), deve


multiplicar os dois números anteriores por 100, sendo a sua
unidade o Ohm (Ω);
 A 4ª faixa é da cor de ouro (Tolerância), indica-nos que esse
resistor pode variar o seu valor nominal de ±5%.
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Desta forma, o valor nominal (VN) deste resistor é:


 56 × 100 Ω;
 5600Ω;
 5.6 𝐾Ω;
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Como este resistor possui uma tolerância de ± 5%, significa que ela
pode medir valores que estarão dentro desse intervalo, ou seja:
 5600 × 0.05 Ω;
 280Ω;
• O limite inferior (LI) do intervalo deste resistor é:
 5600 − 280 Ω;
 5320Ω;
 5.32 𝐾Ω;
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• O limite superior (LS) do intervalo deste resistor é:


 5600 + 280 Ω;
 5880Ω;
 5.88 𝐾Ω;
• Assim sendo, podemos escrever:

5.32 𝐾Ω < 5.6 𝑘Ω < 5.88 𝐾Ω


CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

2. Resistores com 5 faixas coloridas


• Os resistores com cinco faixas coloridas são os ditos resistores de
precisão, como por exemplo, o resistor mostrado na figura a seguir, onde:
 A 1ª faixa é da cor verde (1ª Faixa significativo);
 A 2ª faixa é da cor azul (2ª Faixa significativo);
 A 3ª faixa é da cor azul (2ª Faixa significativo);
 A 4ª faixa é da cor vermelha (Faixa multiplicativo);
 A 5ª faixa é da cor de ouro (Tolerância).
Figura 6 – Resistor com 5 faixas coloridas
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

2. Resistores com 5 faixas coloridas


• Normalmente, a 1ª faixa significtiva é a mais fina de todas, sendo que
desta forma fica mais fácil identificarmos a faixa de tolerância (a
última).
• Da mesma forma, partindo da faixa de tolerância, a seguir é a faixa
multiplicadora e as restantes serão as faixas dos números
significativos.
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Considerando o nosso resistor de 5 faixas coloridas temos, usando a


nosso codigo de cores, temos:
 A 1ª faixa é da cor amarela (1ª Faixa significativo), tem o valor
4 no código de cores;
 A 2ª faixa é da cor violeta (2ª Faixa significativo), tem o valor
7 no código de cores;
 A 3ª faixa é da cor laranja (3ª Faixa significativo), tem o valor
3 no código de cores;
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

 A 4ª faixa é da cor castanho (Faixa multiplicativo), deve


multiplicar os três números anteriores por 10, sendo a sua
unidade o Ohm (Ω);
 A 5ª faixa é da cor também castanho (Tolerância), indica-nos
que esse resistor pode variar o seu valor nominal de ±1%.
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Desta forma, o valor nominal (VN) deste resistor é:


 473 × 10 Ω;
 4730Ω;
 4.73 𝐾Ω;
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• Como este resistor possui uma tolerância de ± 1%, significa que ela
pode medir valores que estarão dentro desse intervalo, ou seja:
 4730 × 0.01 Ω;
 47.3Ω;
• O limite inferior (LI) do intervalo deste resistor é:
 4730 − 47.3 Ω;
 4682.7Ω;
 4.68𝐾Ω;
CÓDIGO DE CORES PARA RESISTORES FIXOS

• O limite superior (LS) do intervalo deste resistor é:


 4730 + 47.3 Ω;
 4777.3Ω;
 4.78 𝐾Ω;
• Assim sendo, podemos escrever:

4. 68 𝐾Ω < 4.73 𝑘Ω < 4.78 𝐾Ω


RESISTORES SMD

• Os resistores SMD (surface mounted device – componentes de


montagem à superfície), são montados e soldados na mesma face da
placa de circuito impresso.
• Por isso, não precisam de furos na placa como no caso dos
componentes de montagem por inserção.
Figura 7 – Resistores SMD
RESISTORES SMD

• A leitura do seu valor óhmico é indicada no corpo através de um


número, onde o terceiro algarismo é o número de zeros a serem
acrescentados aos dois primeiros, como nos mostra a figura a seguir.
Figura 8A – Código numérico em resistores SMD
Figura 8B – Código numérico em resistores SMD
RESISTORES VARIÁVEIS

• Uma resistor variável é composta por uma pista com uma resistência
fixa e um cursor que pode ser deslocado de modo a efetuar contato
com qualquer parte da pista.
• O formato da pista pode ser:
 Deslizante;
Rotativo.
Figura 9A – Resistor variável do tipo deslizante
Figura 9B – Resistor variável do tipo rotativo
RESISTORES VARIÁVEIS

• Um resistor variável pode ser utilizada para fornecer uma tensão


variável, ou seja aplica-se uma tensão constante aos terminais da pista
fixa (terminal 1 e 2).
• O cursor (terminal 3) permite obter uma tensão variável no ponto de
contato com a pista.
• Se utilizarmos a resistor variável desta forma, adota-se o
nome de potenciômetro.
RESISTORES VARIÁVEIS

• Se num resistor variável utilizarmos um dos terminais fixos (1 ou 2) e


o cursor (terminal 3) chamamos de reóstato.
• Se o resistor variável não possuir cursor (terminal 3), chamamo-na
de trimpot.
Figura 10 – Resistor variável na função potenciómetro e trimpot
RESISTORES VARIÁVEIS

• Por exemplo, se aplicarmos uma tensão de 5V a um potenciómetro de


10K, a amplitude da tensão de saída irá depender da posição do
cursor ao longo da pista, conforme a figura abaixo.
Figura 11 – Gráfico de um potenciómetro que se aplica uma tensão fixa
RESISTORES VARIÁVEIS

• Se aplicarmos uma tensão de polaridade dupla, a amplitude e


polaridade da tensão de saída irá depender da direção do movimento
do cursor a partir de sua posição central, conforme a figura a seguir.
Figura 12 – Gráfico de um potenciómetro que se aplica uma tensão
com dupla polaridade
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

1. Potenciómetros multivoltas
• O potenciómetro multivoltas tem o corpo comprido e um eixo tipo
parafuso semfim.
• Esse eixo ao ser girado, varia a resistência bem devagar, sendo usado
em circuitos onde o ajuste de resistência deve ser bem preciso.
Figura 13 – Potenciómetro multivoltas
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

2. Varistor
• Um varistor ou VDR ( do inglês Voltage Dependent Resistor) é
um componente eletrônico cujo valor de resistência elétrica é
uma função da tensão aplicada nos seus terminais.
• Isto é, à medida que a diferença de potencial sobre o varistor
aumenta, sua resistência diminui.
Figura 14 – O varistor e o seu gráfico
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

2. Varistor
• É usado na entrada de força de alguns aparelhos, protegendo-os de
um aumento de tensão da rede elétrica.
• Isto é, são geralmente utilizados como elemento de proteção contra
transientes de tensão em circuitos , tal como em filtros de linha.
• Ou seja, quando a tensão nos terminais ultrapassa o limite do
componente, ele entra em curto, queima o fusível e desliga o
aparelho.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

2. Varistor
• Desta forma, eles montados em paralelo ao circuito que se deseja
proteger, por apresentarem uma característica de "limitador de
tensão” ou seja, impedem que surtos de pequena duração cheguem ao
circuito.
• E no caso de picos de tensão de maior duração, a alta corrente que
circula pelo dispositivo faz com que o dispositivo de proteção
(disjuntor ou fusível), desarme, desconectando o circuito da fonte de
alimentação.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

2. Varistor
• Atualmente, uma ampla variedade de composições são utilizadas para
a obtenção de varistores, sendo os comercialmente mais usados ainda
são à base de óxido de zinco.
• Mas varistores de dióxido de estanho e dióxido de titânio possuem
um grande potencial tecnológico que ainda não foi utilizado.
• É exatamente esse o objetivo das pesquisas que estão sendo
realizadas, visando otimizar as propriedades desses varistores tanto
em alta e baixas tensões.

OUTROS TIPOS DE RESISTORES

3. Termistor
• O termistor (figura 15) é um resistor que varia a sua resistência
óhmica com a temperatura, sendo construídos apartir de
semicondutores sensíveis à temperatura.
• Conforme a curva característica do termístor, o seu valor de
resistência pode diminuir ou aumentar em maior ou menor grau
numa determinada faixa de temperatura .
Figura 15 - Termistor
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

3. Termistor
• Assim alguns podem servir de proteção contra sobreaqueci-
mento, limitando a corrente elétrica quando determinada
temperatura é ultrapassada.
• Outra aplicação em corrente, no caso a nível industrial, é a
medição de temperatura (em motores por exemplo).
• Pois podemos com o termístor obter uma variação de uma
grandeza elétrica função da temperatura a que este se encontra.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

3. Termistor
• Existem basicamente dois tipos de termístores, a saber:
a) NTC;
b) PTC.
• A sigla NTC vem do inglês que significa Negative Temperature
Coefficient, ou seja, é um componente eletrónico feito à base de
semicondutor sensível a temperatura.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

3. Termistor
• São utilizados para controle, medição ou polarização de circuitos
eletrônicos, caracterizados por possuirem um coeficiente de variação
de resistência.
• Essa resistência varia negativamente conforme a temperatura
aumenta, ou seja, a sua resistência elétrica diminui com o aumento da
temperatura.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

3. Termistor
• A sigla PTC vem do inglês que significa Positive Temperature
Coefficient), ou seja, é um componente eletrónico semi-
condutor sensível às variações da temperatura.
• São utilizados para controle, medição ou polarização de
circuitos eletrónicos, caracterizados por possuirem um
coeficiente de variação de resistência que varia positivamente.
• Ou seja, se a temperatura aumenta, a sua resistência elétrica
também aumenta.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

4. Barra de resistores
• Uma barra de resistores são vários resistores interligados dentro de
uma única peça, tendo um terminal comum para todos.
• É usado em circuitos que requerem economia de espaço, podendo ser
chamado de resistor package.
Figura 16A – Barra de resistores
Figura 16B – Barra de resistores
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

5. LDR
• A sigla LDR vem do inglês que significa Light Dependent
Resistor ou em português resistor variável conforme incidência
de luz.
• É um tipo de resistor cuja resistência varia conforme a
intensidade de radiação eletromagnética do espectro visível que
incide sobre ele (figura 17).
Figura 17 - LDR
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

5. LDR
• Os resultados típicos para um LDR padrão, são:
a) Escuridão: resistência máxima, geralmente acima de 1MΩ;
b) Luz muito brilhante: resistência mínima, aproximadamente
100Ω.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

5. LDR
• Por muitos anos o LDR mais comum foi o ORP12, mas nos últimos
anos, o modelo NORP12 tem se tornado muito comum.
• O NORP12 possui um diâmetro de aproximadamente 13mm, podendo ser
encontrado LDR’s menores cujo diâmetro é de aproximadamente 5mm.
• Um LDR é sensivel das faixas infravermelho(IR), luz vizivel e ultravioleta
(UV) e são soldados de maneira simples, ou seja, não requerem nenhuma
precaução especial.
• Apenas deve-se ficar atento com aquecimento excessivo, como com qualquer
outro componente eletrónico.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

5. LDR
• O LDR é muito frequentemente utilizado nas chamadas
fotocélulas que controlam o acendimento de poste de iluminação
e luzes em residencias.
• O LDR é tambem muito utilizado em sensores foto-elétricos,
como por exemplos os foto-diodos.
OUTROS TIPOS DE RESISTORES

5. LDR

• Um LDR é na verdade um transdutor de entrada (sensor)


que converte a (luz) em valores de resistência.
• É feito de sulfeto de cádmio ou seleneto de cádmio, onde
a sua resistência diminui quando a luz é muito alta, e
quando a luz é baixa, a resistência no LDR aumenta.
• Um multímetro pode ser usado para encontrar a
resistência na escuridão ou na presença de luz intensa.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Quando combinamos dois ou mais resistores em série, estamos a
conectar uma extremidade de um resistor com uma extremidade da
outra (figura 18).
• Desta forma, a mesma corrente passa sequencialmente por cada
resistor ligado em série.
• Fazendo isto, estamos a restringir a corrente com o primeiro resistor,
e a restringir ainda mais com o resistor seguinte, e assim por diante.
Figura 18 – Associação série de três resistor e o circuito equivalente
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Assim, o efeito da combinação em série é:
 Um aumento da resistência total;
 Um divisor da tensão fornecida pela fonte;
 Enquanto que a corrente é sempre a mesma que a fonte fornece
(o mesmo valor).
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Observando o circuito da figura 16, temos três resistores (𝑅1 , 𝑅2 e
𝑅3 ) ligados em série, onde:
𝑅1 tem um valor óhmico de 1.2kΩ;
 𝑅2 tem um valor óhmico de 680Ω;
𝑅3 tem um valor óhmico de 470Ω.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Para calcular a resistência total ( 𝑅𝑇 ) de múltiplos resistores
em série, simplesmente somamos os valores das resistências
individuais, ou seja:

𝑅𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = 𝑅1 + 𝑅2 + ⋯ + 𝑅𝑛
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• 𝑹𝒏 significa um número indeterminado de resistores, podendo ser 2,
10, 130, 1000, 1000000, etc.
• Voltando ao nosso exemplo, 𝑅𝑛 significa que temos três resistores
ligados, então 𝑛 = 3.
• No circuito do nosso exemplo, temos dois resistores expressos em Ω
e um em kΩ e, para somá-los precisam estar na mesma unidade, ou
seja, todos em Ω ou todos em kΩ.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Vamos expressar todos os valores em ohms (Ω), ou seja, apenas 𝑅1
precisa ser convertido.
• Assim sendo temos que:
 𝑅1 = 1.2𝐾Ω;
 𝑅1 = 1200Ω
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Estamos agora em condições de calcular a resistência total (𝑹𝑻 ) do
nosso circuito, ou seja:
 𝑅𝑇 = 𝑅1 + 𝑅2 + 𝑅3
 𝑅𝑇 = 1200Ω + 680Ω + 470Ω
 𝑅𝑇 = 1200 + 680 + 470 Ω
 𝑅𝑇 = 2350Ω
 𝑅𝑇 = 2.35𝐾Ω
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Se num circuito com n resistores em série ligarmos uma fonte com
um certo valor da tensão, circulará uma corrente de igual valor pelos
três resistores (figura 19).
• Desta forma, temos que:

𝐼𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = 𝐼1 = 𝐼2 = ⋯ = 𝐼𝑛

𝑈𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = 𝑈1 + 𝑈2 + ⋯ + 𝑈𝑛
Figura 19 – Resistores em série ligados à uma fonte de tensão
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Vamos ligar uma fonte de 60V ao conjunto dos três resistores ligados
em série e calcular o valor da corrente que a fonte fornece.
• A fórmula geral, diz que:
 𝐼𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = 𝐼1 = 𝐼2 = ⋯ = 𝐼𝑛 ;
 𝐼𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = 𝐼1 = 𝐼2 = 𝐼3
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• E:
𝑈𝑇
 𝐼𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = ;
𝑅𝑇

60
 𝐼𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = 𝐴
2.35×103
60
 𝐼𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = × 10−3 𝐴
2.35

 𝐼𝑇(𝑠é𝑟𝑖𝑒) = 25.5𝑚𝐴
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Podemos saber agora, qual é o valor da tensão existente em cada
terminal de cada resistor ligado em série.
• Sabendo que:
 𝑈 = 𝑅𝐼
• Temos que:
 𝑈1 = 𝑅1 𝐼𝑇
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Desta forma, o valor da tensão que existe entre os terminais de 𝑅1 é:
 𝑈1 = 𝑅1 𝐼𝑇 ;
 𝑈1 = 1.2 × 103 × 25.5 × 10−3 𝑉;
 𝑈1 = 30,6𝑉
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• O valor da tensão que existe entre os terminais de 𝑅2 é:
 𝑈2 = 𝑅2 𝐼𝑇 ;
 𝑈2 = 0.68 × 103 × 25.5 × 10−3 𝑉;
 𝑈2 = 17,34𝑉
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• E o valor da tensão que existe entre os terminais de 𝑅3 é:
 𝑈3 = 𝑅3 𝐼𝑇 ;
 𝑈3 = 0.47 × 103 × 25.5 × 10−3 𝑉;
 𝑈3 = 11,985𝑉
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• A soma desses três valores parciais anteriormente calculados, deverá
ser igual ou muito próximo do valor da tensão existente na fonte, mas
nunca superior a ela, ou seja:
 𝑈𝑇 = 𝑈1 + 𝑈2 + 𝑈3 ;
 𝑈𝑇 = 30.6 + 17.34 + 11,985 𝑉;
 𝑈𝑇 = 59,925𝑉 ≈ 60𝑉
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

1. Associação série de resistores


• Quando se associa n resistor em série, o circuito é chamado de
divisor de tensão, pois a tensão existente entre os terminais da fonte
será dividida em n tensões parciais.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Quando combinamos dois ou mais resistores em paralelo, estamos a
conectar uma das extremidades dos resistores de um lado e todas as
outras extremidades desses mesmos resistores (figura 20).
• Desta forma, a mesma corrente passa sequencialmente por cada
resistor ligado em série.
• Fazendo isto, estamos a restringir a corrente com o primeiro resistor,
e a restringir ainda mais com o resistor seguinte, e assim por diante.
Figura 20 – Associação paralelo de três resistor e o circuito equivalente
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Assim, o efeito da combinação em paralelo é:
 Uma diminuição da resistência total;
 Um divisor da corrente fornecida pela fonte;
 Enquanto que a tensão é sempre a mesma que a fonte fornece (o
mesmo valor).
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Observando o circuito da figura 20, temos três resistores (𝑅1 , 𝑅2 e
𝑅3 ) ligados em paralelo, onde:
𝑅1 tem um valor óhmico de 1.2kΩ;
 𝑅2 tem um valor óhmico de 680Ω;
𝑅3 tem um valor óhmico de 470Ω.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


1
• Para calcular a resistência total inversa de múltiplos resistores
𝑅𝑇
em paralelo, simplesmente somamos os inversos dos valores das
resistências individuais, ou seja:

1 1 1 1
= + + ⋯+
𝑅𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) 𝑅1 𝑅2 𝑅𝑛
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• 𝑹𝒏 significa um número indeterminado de resistores, podendo ser 2,
10, 130, 1000, 1000000, etc.
• Voltando ao nosso exemplo, 𝑅𝑛 significa que temos três resistores
ligados, então 𝑛 = 3.
• No circuito do nosso exemplo, temos dois resistores expressos em Ω
e um em kΩ e, para somá-los precisam estar na mesma unidade, ou
seja, todos em Ω ou todos em kΩ.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Vamos expressar todos os valores em kilo-ohms (kΩ), ou seja, apenas
𝑅1 não precisa ser convertido.
• Assim sendo temos que:
 𝑅2 = 0.68𝑘Ω;
 𝑅3 = 0.47𝑘Ω.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Estamos agora em condições de calcular a resistência total (𝑹𝑻 ) do
nosso circuito, ou seja:
1 1 1 1
 = + +
𝑅𝑇 𝑅1 𝑅2 𝑅3

1 0.3196+0.564+0.816
 = Ω
𝑅𝑇 0.38352

 𝑅𝑇 = 229.7Ω
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Se num circuito com n resistores em paralelo ligarmos uma fonte
com um certo valor da tensão, entre os terminais de cada resistores
associado, existirá um valor de tensão igual ao valor da tensão da
fonte (figura 21).
• Desta forma, temos que:

𝑈𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) = 𝑈1 = 𝑈2 = ⋯ = 𝑈𝑛
Figura 21 – Resistores em paralelo ligados à uma fonte de tensão
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Enquanto que a corrente fornecida pela fonte é dividida por n
resistores associados em paralelo, ou seja:

𝐼𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) = 𝐼1 + 𝐼2 + ⋯ + 𝐼𝑛
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Vamos ligar uma fonte de 60V ao conjunto dos três resistores ligados
em paralelo e calcular o valor da corrente que a fonte fornece.
• A fórmula geral, diz que:
 𝑈𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) = 𝑈1 = 𝑈2 = ⋯ = 𝑈𝑛 ;
• E neste caso específico, temos:
 𝑈𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) = 𝑈1 = 𝑈2 = 𝑈3 = 60𝑉;
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Desta forma, o valor da corrente que esta fonte fornece ao circuito é:
𝑈𝑇
 𝐼𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) = ;
𝑅𝑇

60
 𝐼𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) = 𝑚𝐴
0.2296

 𝐼𝑇(𝑝𝑎𝑟𝑎𝑙𝑒𝑙𝑜) = 261.2𝑚𝐴
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Podemos saber agora, qual é o valor da corrente que circula em cada
um dos resistores associados.
• Sabendo que:
𝑈
𝐼=
𝑅
• Temos que:
𝑈
 𝐼1 =
𝑅1
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Desta forma, o valor da corrente que circula em 𝑅1 é:
𝑈1 𝑈𝑇
 𝐼1 = = ;
𝑅1 𝑅1

60
 𝐼1 = × 10−3 𝐴;
1.2

 𝐼1 = 50𝑚𝐴
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• O valor da corrente que circula em 𝑅2 é:
𝑈2 𝑈𝑇
 𝐼2 = = ;
𝑅2 𝑅2

60
 𝐼2 = × 10−3 𝐴;
0.68

 𝐼1 = 88,2𝑚𝐴
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• E o valor da corrente que circula em 𝑅3 é:
𝑈3 𝑈𝑇
 𝐼3 = = ;
𝑅3 𝑅3

60
 𝐼3 = × 10−3 𝐴;
0.47

 𝐼3 = 127,7𝑚𝐴
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• A soma dos três valores de correntes encontrados anteriormente
(correntes parciais) devem ser aproximadamente igual ao valor da
corrente que parte da fonte (𝐼𝑇 ), ou seja:
 𝐼𝑇 = 𝐼1 + 𝐼2 + 𝐼3
 𝐼𝑇 = 50 + 88,2 + 127,7 𝑚𝐴;
 𝐼𝑇 = 265,9𝑚𝐴
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

2. Associação paralelo de resistores


• Quando se associa n resistor em paralelo, o circuito é chamado de
divisor de corrente, pois a corrente fornecida pela fonte será dividida
em n correntes parciais.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

3. Associação mista de resistores


• Podemos também combinar resistores em paralelo e em série em simultâneo,
cujo circuito resultante é chamada de associação mista de resistores (figura
22).
• Desta forma, a corrente fornecida pela fonte sempre divide num ponto
chamado nó ou nodo e volta a juntar-se de novo no outro nó ou nodo
seguinte.
• Fazendo isto, estamos a usar as vantagens da associação série e paralelo
anteriormente vistos em simultâneo.
Figura 22 – Associação mista de quatro resistores e o circuito equivalente
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

3. Associação mista de resistores


• Assim, o efeito da combinação mista é uma mistura dos efeitos da
associação série e paralelo em simultâneo.
• Quando se está perante uma associação mista de resistores, devemos
resolver primeiro todas as situações em que os resistores estão em
paralelo para depois resolver as em série.
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

3. Associação mista de resistores


• Observando o circuito da figura 22, temos dois resistores (𝑅1 e 𝑅4 )
ligados em série com o parelelo de outros dois resistores (𝑅2 e 𝑅3 ).
• Para calcular a resistência total, temos de calcular primeiro a
associação em paralelo de 𝑅2 e 𝑅3 , ou seja:
𝑅2 ×𝑅3
 𝑅𝑒𝑞1 = 𝑅2 ∥ 𝑅3 =
𝑅2 +𝑅3

0.68×0.47
 𝑅𝑒𝑞1 = 𝑅2 ∥ 𝑅3 = 𝑘Ω = 0.277𝑘Ω
0.68+0.47
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

3. Associação mista de resistores


• O circuito fica simplificado com três resistores (𝑅1 , 𝑅𝑒𝑞1 e 𝑅4 )
ligados em série, cujo valor total da resistência é:
 𝑅𝑇 = 𝑅1 + 𝑅𝑒𝑞1 + 𝑅4
 𝑅𝑇 = 1.2 + 1 + 0.277 𝑘Ω = 2.48𝑘Ω