Você está na página 1de 196

CADERNO DE

ATIVIDADES DE
EDUCAÇÃO PARA
SUSTENTABILIDADE
CADERNO DE
ATIVIDADES DE
EDUCAÇÃO PARA
SUSTENTABILIDADE

Caderno de atividades de Educação para Sustentabilidade / editor Taísa Cecília de Lima Caires
São Bernardo do Campo, SP: Fundação Espaço ECO, 2019.

Vários autores
Bibliografia
ISBN 978-65-901955-0-0

Sustentabilidade 2. Meio Ambiente 3. Cidades Sustentáveis I. Taísa Cecília de Lima Caires

CDD -333.72
ÍNDICE
PARTE 1 - REPARAÇÃO DO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM PARTE 5 - VIDA SOBRE A TERRA E CIDADES SUSTENTÁVEIS
COMO SER UM EDUCADOR EFICIENTE 8 5.1 - AS FLORESTAS E OS TEMAS AMBIENTAIS 86
5.2 - A FLORESTA E A FAUNA 87
PARTE 2 - SUSTENTABILIDADE 5.3 - A FLORESTA E A ÁGUA 96
2.1 - AFINAL DE CONTAS, O QUE É SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUS- 5.4 - A FLORESTA E OS RESÍDUOS 104
TENTÁVEL? 17 5.5 - A FLORESTA E O CONSUMO 111
2.2 - PENSAMENTO SISTÊMICO A PARTIR DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA 23 5.6 - A FLORESTA E AS FONTES DE ENERGIA (RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS) 117
2.3 - COMO INSERIR A SUSTENTABILIDADE NO DIA A DIA? 27 5.7 - CIDADES SUSTENTÁVEIS 122
2.4 - OS DESAFIOS À NOSSA FRENTE 29
PARTE 6 - USO SUSTENTÁVEL DAS FLORESTAS
PARTE 3 - MEIO AMBIENTE E OS CICLOS DA VIDA E AGRICULTURA SUSTENTÁVEL
3.1 - MEIO AMBIENTE: O QUE É ISSO? 31 6.1 - A AGRICULTURA E AS FLORESTAS 125
3.2 - A FLORESTA, NOSSA MESTRA 35 6.2 - ALTERNATIVAS PARA USO SUSTENTÁVEL DAS FLORESTAS 131
3.3 - BREVE HISTÓRIA DAS FLORESTAS 37
3.4 - OS CICLOS DA VIDA 41 PARTE 7 - ATIVIDADE EXTRA CLASSE 144
3.5 - AS MANIFESTAÇÕES DA VIDA 53
3.6 - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS 55 PARTE 8 - APÊNDICES
APÊNDICE 1 - A CARTA DA TERRA 157
PARTE 4 - CONVIVENDO COM A NATUREZA APÊNDICE2 - CARTA DO CHEFE DE SEATTLE 162
4.1 - A FLORESTA E A ESCOLA 77
4.2 - SOCIEDADES E A NATUREZA 80 PARTE 9 - MATERIAL DE APOIO
4.3 - CONVIVER COM A NATUREZA 83 9.1 - JOGOS ODS 166
9.2 - PLANO DE AULAS SOBRE OS ODS (SUGESTÕES) 169
9.3 - CIDADES ABANDONADAS (EXEMPLOS) 170
REFERÊNCIAS 173

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 3


Autores: Fotos e Ilustrações:
Helene Marcelle Roberte Menu Acervo Fundação Espaço ECO®
Instituto Romã Arthur Calasans
Taísa Cecília de Lima Caires Ricardo Dias
Tiago Egydio Barreto Maurício Simonetti
Oziel Ferreira da Rocha
Edição: Propósitto
Taísa Cecilia de Lima Caires Geodinâmica
Vanessa Leão
Realização:
Fundação Espaço ECO

Projeto Gráfico e diagramação:


ASA Comunicação & Design
APRESENTAÇÃO
Criada e mantida pela BASF desde 2005, com a qualificação de OSCIP todos os alunos adquiram conhecimentos e habilidades necessárias
(Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), temos a missão para promover o desenvolvimento sustentável, inclusive, entre
de promover o desenvolvimento sustentável no ambiente empresarial e outros, por meio da educação para o desenvolvimento sustentável e
na sociedade civil, realizando estudos, pesquisas e ações em benefício estilos de vida sustentáveis, direitos humanos, igualdade de gênero,
da sociedade. Atuamos como consultoria para sustentabilidade, promoção de uma cultura de paz e não violência, cidadania global e
desenvolvendo projetos customizados para organizações medirem valorização da diversidade cultural e da contribuição da cultura para
e compreenderem impactos ambientais, sociais e econômicos de o desenvolvimento sustentável.”
seus negócios com base no pensamento de Ciclo de Vida. Além disso
procuramos estimular a mudança de comportamento a partir da e ainda, acreditando na importância de se capacitar os profissionais da
construção de valores socioambientais, atitudes voltadas ao uso eficiente área de educação para inclusão do tema na agenda do ensino formal
de recursos e da consciência dos impactos causados por todas as no Brasil, conforme disposto na Política de Educação para o
atividades humanas. Consumo Sustentável (Lei nº 13.186, de 11 de novembro 2015).

Em concordância com: E por acreditar no importante papel dos profissionais da educação na:

o proposto pela resolução 57/254 da Unesco, que declara que ...promoção do processo de aprendizagem significativo, despertando
a Educação para o Desenvolvimento Sustentável deve empoderar seus alunos para o prazer de aprender;
cidadãos para agir por mudanças sociais e ambientais positivas,
implicando em uma ação participativa; (UNESCO, 2015) ...formação cidadãos mais conscientes dos impactos de suas
escolhas;
a Agenda 21 que salienta a importância do ensino formal e
informal na promoção do desenvolvimento sustentável, como ...empoderamento da comunidade para ação participativa e busca
instrumento para aumentar a capacidade do povo para por mudanças locais.
abordar questões de meio ambiente e desenvolvimento; (ONU, 1992)
Este caderno de atividades foi desenvolvido para apoiar o profissional
o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 4 sobre Educação da educação na inclusão, de forma transversal, dos diversos assuntos
de Qualidade que estabelece na meta 4.7: “ até 2030, garantir que relacionados ao tema sustentabilidade nas escolas e organizações sociais.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 5


Nele apresentamos uma série de conteúdos em sinergia com os Objetivos
de Desenvolvimento Sustentável (ODS) (veja mais no capítulo xx:
em https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/) e a agenda
global para o tema. Organizamos uma série de atividades, com o intuito
de apoiá-lo na construção de um plano pedagógico que promova a
aprendizagem significativa e a reflexão sobre os impactos da ação
humana.

Em nosso site/redes sociais, você também poderá contar com o apoio de


uma videoaula, gibi educativo para download https://www.espacoeco.
org.br/download/, e sugestões de atividades desenvolvidas por
educadores de diversos municípios brasileiros.

Uma ótima leitura e bom planejamento de aula.

Fundação Espaço ECO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 6


PARTE 1 PREPARAÇÃO DO
AMBIENTE DE
APRENDIZAGEM

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 7


COMO SER UM EDUCADOR EFICIENTE
Você já reparou que nem sempre é fácil atrair a atenção das crianças
para os assuntos que você deve tratar com elas? Isso pode acontecer
devido a vários fatores:

a) O ambiente da sala não é agradável


Afaste as cadeiras e peça para seus alunos
Pode estar muito quente ou muito frio, pode haver muito estímulo caminharem livres pela sala, observando os
externo, muito ruído, entre tantos outros. A primeira coisa a ser objetos, a limpeza, percebendo a luminosidade, a
feita é transformar o ambiente da sala em um espaço inclusivo, ventilação, as cores. Depois eles terão que fazer
acolhedor e agradável de estar. Não pense que essa é uma tarefa uma lista com as melhorias que gostariam de ter
à parte: é a pura essência da educação ambiental. Sendo assim, na sala. Neste momento é importante ressaltar que
a arrumação, a decoração e a organização dos materiais e do lixo as melhorias sugeridas tem que ser executáveis, ou
precisa estar de acordo com o que vocês combinaram. Antes de seja, que eles próprios sejam capazes de realizar.
pedir para seus alunos arrumarem a sala, faça o seguinte exercício
de observação com eles: Quando todos tiverem terminado sua lista,
abra uma roda de conversa e verifique se
alguma melhoria é possível de implementar
imediatamente, e elabore com eles um plano de
ação para atender as sugestões executáveis.

Provavelmente algumas sugestões não serão


possíveis, é pertinente conversar sobre elas e
explicar o porquê.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 8


b) A disposição das cadeiras não está adequada

Observe como as crianças mudam de comportamento de


acordo com a disposição das cadeiras. Se elas estão enfileiradas,
como tradicionalmente, as indisciplinas, as distrações e a baixa
participação se tornam frequentes. Se você as dispuser em círculo,
haverá mais participação e menos indisciplina. Antes de pedir aos
alunos para mudarem a disposição das cadeiras, faça com eles o
exercício de ouvir sons:
Ouvir os sons da sala, ouvir os sons de fora. Contar
Então, peça-lhes para mudar as cadeiras sem arrastá-las e sem quantos sons diferentes conseguem ouvir. Com
fazer barulho. Se eles forem pequenos, oriente-os a formarem isso eles se darão conta do ambiente próximo e do
duplas. Isso faz parte da percepção e do cuidado com o ambiente. expandido e ficarão mais sensíveis em relação aos
ruídos desagradáveis.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 9


c) Há vários interesses diferentes em jogo e os
alunos estão dispersos

Hoje em dia, dada à grande circulação de informações, as pessoas EU GOSTO DE VOCÊ


são, em geral muito dispersas. Os alunos são especialmente Os alunos devem fazer um círculo com as cadeiras
sensíveis aos inúmeros estímulos de fora. Todo professor deveria, e se sentar, um aluno fica de pé sem cadeira, ou
antes de começar qualquer aula, reservar alguns minutos para seja, haverá uma cadeira a menos. Este aluno
ajudar os alunos a tomarem consciência de onde estão e a se em pé deve escolher outro aluno, se aproximar
acalmar. Há inúmeros exercícios para harmonizar a energia do e dizer a frase: eu gosto de você! A outra pessoa
grupo e concentrar a atenção. Veja ao lado: pergunta: por quê? E a resposta deve ser baseada
em alguma característica do corpo humano, por
exemplo: porque você tem cabelo! Neste momento
todos os alunos que possuem esta característica
devem trocar de lugar, aleatoriamente. Depois
da “correria” uma pessoa vai ficar sem cadeira
(já que tem uma cadeira a menos), e esta pessoa
se aproxima de outra e faz a fala novamente.
Alguns pontos importantes a serem observados
nesta atividade: é legal explicar para os alunos
que as características devem ser as mais gerais
possíveis porque assim um grande número de
pessoas troca de lugar (alguns exemplos: porque
você tem nariz, porque você é um ser humano,
porque você está de tênis, etc); cuidado para não
enfatizar características que causem algum tipo
de constrangimento para os alunos; para iniciar
a atividade é legal que o professor inicie e dê o
exemplo das características.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 10


QUE ANIMAL SOU EU
Prenda com um pregador de roupa a figura
OBSERVAR A RESPIRAÇÃO
de um animal nas costas de um dos alunos
Peça para ficarem de pé e observarem
do grupo. Não deixe que ele veja a figura.
a própria respiração durante alguns
Peça-lhe que fique de costas para o grupo de
minutos. Este exercício ajuda na calma e
modo que todos possam ver em que animal
na percepção das coisas com mais clareza.
ele se transformou. Em seguida, ele deve fazer
perguntas para descobrir sua identidade.
Exemplos de perguntas: Sou um mamífero?
Vivo no Brasil? Sou aquático? Me alimento de
pequenos insetos? Os outros alunos só podem
responder sim, não ou talvez. Quando o aluno
com a figura do animal nas costas adivinhar, a
brincadeira pode se repetir com outro aluno.
Este exercício ajuda a criar um sentimento de
MÚSICA
pertencimento e amainar os ânimos muito
Colocar uma música suave como de sons da
exaltados.
natureza, para estimular sensações agradáveis
e de relaxamento. O relaxamento é importante
CORNELL, J. Vivências com a Natureza 1. São Paulo.
e pode harmonizar inclusive aqueles que estão
2005. Pg 94.
sonolentos. Relaxar não é dormir, mas sim
tranquilizar-se para estimular a mente.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 11


d) O grupo não está harmônico

Para harmonizá-lo você deve também observar a linguagem do Preparar o corpo é preparar a mente. Depois de um desses exercícios
corpo. O corpo fala de muitas formas. Pelas posturas corporais de você terá uma turma mais receptiva para o seu trabalho. O aprendizado
seus alunos você pode perceber se estão dispostos a ouvi-lo ou se dá no cérebro, mas o cérebro está no corpo. Pelo corpo podemos
quais são suas disposições para aquele momento. Eles também despertar o interesse pelo conhecimento, podemos ensinar com prazer e
perceberão se você está bem disposto para ensinar-lhes de acordo criar um ambiente leve, alegre e receptivo.
com as posturas que mostrar.

Se você perceber que sua turma está com muitas disposições


corporais diferentes, você pode:

ALONGAMENTO
Antes de começar a aula pare para fazer alguns
exercícios corporais de alongamento, uma roda, ou
uma dança circular, por exemplo, uma ciranda.

ESPELHO
Peça para os alunos formarem duplas e ficarem um
de frente para o outro. Eles devem escolher quem é
o número 1 e quem é o número 2. Para começar, o
nº 1 deve fazer alguns movimentos corporais e o nº
2 deve imitá-lo, como se fosse um espelho. Dê um
tempo para que o nº 1 se movimente e depois troque
os papéis. Incentive-os a serem criativos nos seus
movimentos.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 12


e) O grupo não está receptivo conteúdo a partir da lembrança da emoção que sentiram naquele
momento. Não é fácil fazer isso diante dos alunos, mas conforme
Você não deve começar uma aula sem ter certeza de que todos você for conseguindo perceberá que isso deixará vocês mais
os seus alunos estão receptivos e focados no que vão fazer. próximos e cúmplices, criando uma relação de confiança, respeito
Esteja sempre disposto a prepará-los. Não vai adiantar colocar-se e afeto.
em oposição à suas disposições. É mais seguro estar receptivo
e propor atividades preparatórias. Se elas tomam algum tempo • Observe o que está acontecendo para então intervir da melhor
da aula, farão com que você ganhe tempo posteriormente se maneira. Reações imediatas e automatizadas causam desconforto
eles estiverem concentrados e interessados no que você tem a e inibem a interação.
dizer. Estar receptivo aos diferentes humores das turmas e criar
sempre um ambiente leve e alegre são estratégias que o ajudarão a • Use simulações que sejam tão próximas da realidade dos alunos
proporcionar um ambiente equilibrado e a dar uma aula eficaz. quanto possíveis. Ex: Demonstre hortas urbanas em um espaço
urbano;
Outras considerações importantes:
• A informação deve ser relacionada ao mundo conhecido dos
• Uma postura hierárquica e autoritária muitas vezes distancia as alunos. Utilize exemplos concretos e específicos. Nunca assuma o
pessoas e cria uma relação que não valoriza a sinceridade e a que é conhecido, confira!
diversidade. Isto faz com que neste tipo de relação as pessoas não
criem laços afetivos e nenhuma proximidade de sentimentos e/ou • Conheça a história dos alunos o tanto quanto possível.
pensamentos.
• Combine uma variedade de métodos para a apresentação de
• É comum termos a impressão de que quando falamos de informações e a partilha de ideias. Exposições, diagramas, filmes,
nossos sentimentos, quando expomos aos outros o que exercícios, tempestade de ideias e outras técnicas.
estamos sentindo numa situação, isso nos enfraquece. Muito
pelo contrário, se você procurar falar abertamente sobre seus • Uma coisa é certa: os seus alunos tenderão a se relacionar com o
sentimentos para os seus alunos, por exemplo, quando você conhecimento de forma muito parecida com a própria relação
estiver dando uma aula sobre um assunto que te desperte algo que você tem com ele. Você gosta de ensinar? Você gosta
em específico como alegria, medo, ressentimento ou entusiasmo, daquilo que ensina? Você concorda com os conteúdos que tem
seja explícito e observe a reação de seus alunos! Se ao introduzir que lecionar? Essas questões talvez você não precise responder
uma matéria nova você contar uma história pessoal sobre o de imediato, mas são importantes para sua reflexão.
assunto, ou então pedir para um dos alunos falar algo que já
sabe, você dará oportunidade para criar um clima de grupo. Ao
compartilhar conhecimentos e sentimentos o grupo que fica para
as crianças é a do clima que foi criado, se relacionarão com aquele

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 13


• A essa altura você deve estar pensando que esse assunto não
tem nada a ver com a educação ambiental. Pois é justamente o
contrário: sem cuidar de seu ambiente interno (do que sente ao
lecionar), do ambiente próximo (a sala de aula e suas relações
com os alunos) e com o ambiente da escola, dificilmente você
desenvolverá um programa de educação ambiental eficiente.
Como você vê, cuidar do meio ambiente está muito mais à mão
do que se costuma imaginar.

Canário da Terra Verdadeiro (Sicalis


flaveola), também é conhecido como
canário-da-horta, canário-da-telha (Santa
Catarina), canário-do-campo, chapinha
(Minas Gerais), canário-do-chão (Bahia),
coroinha e cabeça-de-fogo, é uma ave
admirada pelo canto forte e estalado e
por isso é frequentemente aprisionado
como ave de cativeiro (está entre as 10
mais apreendidas, segundo o IBAMA),
mesmo tal ato sendo considerado crime
federal inafiançável pela Lei de Crimes
Ambientais (Lei 9.605/98). Graças à ação
das autoridades e da conscientização
da população, registros do canário-da-
terra-verdadeiro vêm se tornando mais
frequentes nos últimos anos.

Bioma: Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica.


Também é comum vê-los em áreas abertas
na área rural e em áreas urbanas em
municípios de pequena área.

Fonte: https://www.wikiaves.com.br/wiki/
canario-da-terra

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 14


Em sua opinião, quais são os prós e os contras da proposta acima?

Anote aqui as atividades que você fez com seus alunos e suas
observações sobre elas. Elas melhoraram sua eficiência como educador?
Como você observou isso?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 15


SUSTENTABILIDADE PARTE 2

Este capítulo tem sinergia com os ODS:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 16


2.1 - AFINAL DE CONTAS, O QUE É
SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL?
Como nasce este conceito
Ao se deparar com este tema, a pergunta que a maioria se faz é: o que é As primeiras discussões sobre o tema foram iniciadas em 1968, com
desenvolvimento sustentável? o Clube de Roma, uma organização sem fins lucrativos que reúne
profissionais de diversas áreas (diplomacia, universidade, sociedade civil,
empresas, etc.). Tal grupo publica o Relatório Limites do Crescimento,
“É a capacidade do atendimento das necessidades
documento que faz uma projeção sobre o modelo de desenvolvimento
do presente sem comprometer a possibilidade de e as consequências do crescimento rápido da população mundial
as gerações futuras atenderem as suas próprias considerando os recursos naturais limitados num período de 100 anos e
necessidades“ (WCED, 1987, p.16). propõe que para manter o equilíbrio econômico e ambiental é necessário
que haja um congelamento no crescimento da população global (JACOBI,
1999).

Figura 1 – Infográfico: Linha do tempo sobre as discussões sobre sustentabilidade

1968 1972 1983 1987 1992 1997 1999 2000 2012 2015
Clube de Roma Conferência de Comissão Nosso Futuro Rio 92 Protocolo de Pacto Global (ODM) Conferência Objetivos do
Estocolmo Mundial Meio Comum Agenda 21 Kyoto ONU Objetivos do da ONU sobre Desenvolvimento
Ambiente e (Relatório Tratado BASF é Milênio Desenvolvimento Sustentável COP 21
Desenvolvimento Brundtland) Internacional signatária Sustentável
Redução GEE

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 17


Em 1987, a Comissão Mundial de Desenvolvimento e Meio Ambiente da
Organização das Nações Unidas (ONU) divulga o Relatório Nosso Futuro
Comum ou Relatório Brundtland, que apresenta a definição clássica de Nos apêndices apresentamos
desenvolvimento sustentável apresentada no início deste capítulo. alguns outros materiais que
podem complementar seu
Este relatório ressalta a responsabilidade de todos os atores da sociedade embasamento para condução
para a necessidade de uma nova postura ética que leve em consideração das atividades sobre o tema
as questões ambientais, equidade das populações e a transformação da Sustentabilidade.
economia. Embora este conceito tenha surgido, formalmente, em 1987, o
tema tem sido foco de discussões, principalmente após o acontecimento
de alguns acidentes ambientais graves que marcaram a história, no
período dos anos 1950 aos anos 1980, dentre eles:

1956 1976 1984 1986 1989

Minamata - Japão Seveso - Itália Vila Socó - Cubatão, SP Chernobyl - URSS Alaska, USA

Para saber mais sobre os acidentes, acesse:


• O Mal de Minamata – Japão - https://youtu.be/TiSpr62_GJ0
• Seveso – Itália - https://youtu.be/Zk2_mLcJ6jY
• Vila Socó – Cubatão – Brasil - https://youtu.be/U-qcw9x293U https://youtu.be/sj3jqp4Pi1M
• Bhopal – Índia - https://youtu.be/tgZwQ503uLo
• Chernobyl – Rússia - https://youtu.be/bv4AoqZsfHs
Bophal - Índia

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 18


Em 1992, foi realizada a segunda Conferência Ambiental ECO 92, 9. Incentivar o desenvolvimento e difusão de tecnologias
sediada no Rio de Janeiro, com a proposta de discutir como promover ambientalmente amigáveis.
o desenvolvimento com respeito à humanidade e ao meio ambiente; 10. As empresas devem combater a corrupção em todas as suas
nesta conferência, a comunidade internacional aprovou um documento formas, inclusive extorsão e propina.
chamado Agenda 21 com os compromissos de mudança do padrão de
desenvolvimento no século 21. Vinte anos após a Rio 92, aconteceu a Rio+20, que teve como objetivo
inicial discutir a renovação dos compromissos assumidos entre os países
Em 1997, a comunidade internacional se reúne novamente, desta vez em para o desenvolvimento sustentável. Um dos desdobramentos da Rio+20
Nova York, para checar as metas estabelecidas na ECO 92. Esse encontro foi a elaboração dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS),
ficou conhecido com Rio+5. os quais substituíram os Objetivos do Milênio da ONU (ODM) a partir de
2015, mas foram considerados os avanços alcançados com os ODM’s e se
O Pacto Global, iniciativa da ONU, foi criado no ano de 1999 a fim comprometem a buscar avanços nas metas até então não alcançadas.
de encorajar empresas a adotar políticas de sustentabilidade e
responsabilidade social corporativa. Atua de forma a promover o diálogo Os ODS foram publicados num documento chamado “Transformando
entre as empresas, ONU, sindicatos, organizações não governamentais Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. São
(ONGs) e organizações para o desenvolvimento de um mercado global compostos por 17 premissas e objetivos, estruturados em 169 metas, aos
que seja mais inclusivo e sustentável. Teve como objetivo a adoção de quais 193 países signatários do movimento se comprometem a cumpri-las
dez princípios relacionados aos temas direitos humanos, trabalho, meio até 2030. (PNUD, 2015).
ambiente e corrupção, que são eles:
Segundo WBCSD (2015, p. 6) “Os ODS foram acordados por todos os
1. As empresas devem apoiar e respeitar a proteção de direitos governos, mas o seu sucesso depende demasiadamente das ações e
humanos reconhecidos internacionalmente; e colaboração de todos os setores”.
2. Assegurar-se de sua não participação em violações destes
direitos
3. As empresas devem apoiar a liberdade de associação e o
reconhecimento efetivo do direito à negociação coletiva;
4. A eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou
compulsório;
5. A abolição efetiva do trabalho infantil; e
6. Eliminar a discriminação no emprego
7. As empresas devem apoiar uma abordagem preventiva aos
desafios ambientais;
8. Desenvolver iniciativas para promover maior responsabilidade
ambiental; e

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 19


Os 17 objetivos do Desenvolvimento Sustentável conforme publicado por UN (2015, p. 14) são:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 20


Objetivo 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas Objetivo 10 - Reduzir a desigualdade dentro dos países e
formas, em todos os lugares; entre eles;

Objetivo 2 - Acabar com a fome, alcançar a segurança


alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura Objetivo 11 - Tornar as cidades e os assentamentos
sustentável; humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis;

Objetivo 3 - Assegurar uma vida saudável e promover o Objetivo 12 - Assegurar padrões de produção e de
bem-estar para todos, em todas as idades; consumo sustentáveis;

Objetivo 4 - Assegurar a educação inclusiva e equitativa de


qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao Objetivo 13 - Tomar medidas urgentes para combater a
longo da vida para todos; mudança climática e seus impactos

Objetivo 14 - Conservação e uso sustentável dos oceanos,


Objetivo 5 - Alcançar a igualdade de gênero e empoderar dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento
todas as mulheres e meninas; sustentável;
Objetivo 15 - Proteger, recuperar e promover o uso sustentável
dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável
Objetivo 6 - Assegurar a disponibilidade e gestão as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a
sustentável da água e saneamento para todos; degradação da terra e deter a perda de biodiversidade;
Objetivo 16 - Promover sociedades pacíficas e inclusivas
para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o
Objetivo 7 - Assegurar o acesso à energia confiável, acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes,
sustentável, moderna e barata para todos; responsáveis e inclusivas em todos os níveis;

Objetivo 8 - Promover o crescimento econômico Objetivo 17 - Fortalecer os meios de implementação e


sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e revitalizar a parceria global para o
produtivo e trabalho decente para todos; Desenvolvimento sustentável.

Objetivo 9 - Construir infraestruturas resilientes, promover Para saber mais sobre os 17 ODS e suas metas, acesse
a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a https://nacoesunidas.org/pos2015/
inovação;

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 21


Ainda em 2015, houve a realização da COP21, que ocorreu em dezembro Esta preocupação global gerou a formulação de um compromisso com
em Paris, que colocou em pauta e propôs um novo acordo global, que esforço coletivo para a redução das emissões de carbono e foi assinado
substituísse o Protocolo de Kyoto estabelecido em 1997. na Conferência das Partes (COP 21) por 195 países, este ficou conhecido
como Acordo de Paris. Seu objetivo é manter o aumento da temperatura
As mudanças climáticas podem ser consideradas um dos principais global abaixo dos 2°C e se possível limitar em 1,5°C. Cada país que
desafios de nível planetário que põe em dúvida o modelo atual de vida ratificou o Acordo assumiu metas que foram chamadas de Contribuições
da nossa sociedade. Este fenômeno é entendido como alterações no Nacionalmente Determinadas (NDC – Sigla em Inglês). Atualmente as
clima de todo o planeta Terra, causadas pelas atividades humanas que emissões globais estão próximas a 37 Giga Toneladas/ano de gases de
emitem CO2 e outros Gases de Efeito Estufa para a atmosfera. Essas efeito estufa.
alterações têm consequências diretas no nosso dia-a-dia, causando, por
exemplo, alterações nos padrões de temperatura e eventos climáticos de As metas assumidas por cada país no Acordo de Paris começam a ser
alta intensidade, como secas, inundações, picos de temperaturas altas e válidas a partir de 2020. O Brasil que está entre as 10 nações que mais
baixas. emitem gases de efeito estufa, se comprometeu reduzir suas emissões
em 37% em relação à 2005. A data limite para isso é 2025, com indicativo
Segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas de reduzir 43% das emissões até 2030.
(IPCC – Sigla em Inglês) já foi registrado uma elevação média de 0,8oC na
temperatura do planeta, e é imprescindível cessar as emissões de gases
de efeito estufa até 2100 para estabilizar o aquecimento global em 2oC.
Uma mudança climática acima desse patamar pode colocar em risco toda
a vida no planeta.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 22


Ciclo de Vida
2.2 - PENSAMENTO SISTÊMICO A PARTIR DA
AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA A análise do ciclo de vida de um produto fornece informações
importantes sob o ponto de vista ambiental, social e econômico
Cotidianamente estamos sempre tomando decisões, mesmo que quanto a: aspectos da extração de materiais; opções de formas
muitas vezes a gente nem se dê conta disso. Quer se locomover: vai a de produção, necessidade de substitutos de menor impacto;
pé, de bicicleta, carro, moto ou ônibus? E para iluminar a casa: que tipo dados quantitativos dos gastos de energia, água, minérios e de
de lâmpada usar? Quer se refrescar: liga o ar-condicionado ou abre outros recursos e de outros recursos naturais resíduos gerados na
as janelas? E, quando se trata de escolher produtos no mercado, qual produção, mão de obra envolvida, distribuição, consumo e usos;
seu critério? Normalmente escolhemos por hábito, conforme nossas destinação (reciclagem, descontaminação, descarte etc) e impactos
preferências e recursos financeiros, mas raramente paramos para ambientais pós consumo etc.
pensar que nossas decisões podem ter impactos no meio ambiente, na
economia e na sociedade. Se investigarmos de onde vêm os produtos que
consumimos, podemos nos surpreender!
Recursos
Naturais Produção
Cada produto tem uma história, desde o momento em que se inicia Beneficiamento da
Matéria Prima
a extração de matéria-prima, passando pela produção, distribuição e
comercialização, até chegar ao consumidor final. E não para por aí. Depois
ainda temos os resíduos, que podem virar lixo – mas também podem ser
reciclados ou reutilizados. Distribuição

Pensando nisso tudo, o que se deve levar em conta quando escolhemos


um produto? Só o preço e a qualidade? Se a gente entender tudo que
está envolvido na produção, será que podemos tomar uma decisão boa Materiais
para nós que também seja mais responsável? Reciclados

Reciclagem Uso

Compostagem
Destinação
Incineração Final
Aterro

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 23


Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) ABNT NBR ISO 14044:2009. Gestão ambiental - Avaliação do ciclo
de vida - Requisitos e orientações
A crescente conscientização quanto à importância da proteção Fundação Espaço ECO: www.espacoeco.org.br 2.
ambiental e os possíveis impactos associados aos produtos, tanto
na sua fabricação quanto no consumo, tem aumentado o interesse
no desenvolvimento de métodos para melhor compreender e lidar O que é ecoeficiência?
com aqueles impactos. Uma das técnicas em desenvolvimento com
esse objetivo é a Avaliação de Ciclo de Vida (ACV). A ecoeficiência é uma filosofia de gestão que encoraja o mundo
empresarial a procurar melhorias ambientais que potencializem,
paralelamente, benefícios econômicos. Concentra-se em
A ACV pode subsidiar oportunidades de negócio e permite às empresas tornarem-se
mais responsáveis, do ponto de vista ambiental, e mais lucrativas.
• a identificação de oportunidades para a melhoria do desempenho Incentiva a inovação e, por conseguinte, o crescimento e a
ambiental de produtos em diversos pontos de seus ciclos de vida, competitividade.

• o nível de informação dos tomadores de decisão na indústria e nas Tal como definida pelo WBCSD (World Business Council for
organizações governamentais ou não-governamentais (visando, por Sustainable Development):
exemplo, o planejamento estratégico, a definição de prioridades ou
o projeto ou reprojeto de produtos ou processos), “A ecoeficiência atinge-se através da oferta de bens e serviços a
preços competitivos, que, por um lado, satisfaçam as necessidades
• a seleção de indicadores de desempenho ambiental relevantes, humanas e contribuam para a qualidade de vida e, por outro,
incluindo técnicas de medição, e reduzam progressivamente o impacto ecológico e a intensidade
de utilização de recursos ao longo do ciclo de vida, até atingirem
• o marketing (por exemplo, na implementação de um esquema um nível, que, pelo menos, respeite a capacidade de sustentação
de rotulagem ambiental, na apresentação de uma reivindicação estimada para o planeta Terra”. Em resumo, diz respeito à criação
ambiental ou na elaboração de uma declaração ambiental de de mais valor com menos impacto.
produto).
No Brasil, este conceito vem ganhando força a partir da criação
A ACV enfoca os aspectos ambientais e os impactos do Conselho Empresarial Brasileiros para o Desenvolvimento
ambientais potenciais (por exemplo, uso de recursos e as Sustentável – CEBDS, que congrega grandes corporações e tem
conseqüências de liberações para o meio ambiente) ao longo como missão promover o desenvolvimento sustentável no setor
de todo o ciclo de vida de um produto, desde a aquisição empresarial por meio do conceito de ecoeficiência.
das matérias-primas, produção, uso, tratamento pós-uso,
reciclagem até a disposição final (isto é,do berço ao túmulo).

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 24


Socioecoeficiência

Para escolher um produto, precisamos


ter critérios. Mas o que levar em
conta para fazer uma boa escolha? O
conceito de socioecoeficiência pode
ajudar. A análise da socioecoeficiência
considera três fatores: social,
econômico e ambiental. Um produto
ou serviço mais socioecoeficiente
traz qualidade de vida, atende
necessidades, tem baixo impacto
ambiental e ao mesmo tempo
apresenta custos mais acessíveis.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 25


ATIVIDADE: PENSANDO O CICLO DE VIDA
Objetivo: Elucidar o conceito de ciclo de vida como introdução ao modelo de pensamento
sistêmico e a um novo modelo mental.
Número de Participantes: Grupos de 3 a 10 participantes (Varia de acordo com tamanho
da turma.
Tempo: 10 a 20 minutos para elaboração + 10 minutos de apresentação por grupo.
Materiais: Cartolina, folha de flip chart ou outro tipo de folha por grupo, canetas
coloridas, tesouras, réguas, revistas e jornais para recortes, figuras dos possíveis insumos
e resíduos e cola.
Desenvolvimento: Após explicar o conceito de ciclo de vida, separar os participantes em
grupos e em cada mesa deixar os materiais distribuídos igualmente.
• Pedir para que cada grupo construa o ciclo de vida de um determinado produto
especificado pelo facilitador do Workshop.
• O produto deve ser relacionado com a realidade dos participantes, e cada grupo
deve fazer o mapeamento de um produto diferente.
• Dê o tempo de elaboração (+/- 30 minutos) e oriente o grupo para que use os
materiais disponíveis em sua mesa.
• Os grupos podem decidir a forma gráfica de apresentar seu ciclo de vida bem como
com quais materiais irá trabalhar.
• Depois do tempo de elaboração, os grupos deverão apresentar suas construções
para todos os participantes em formato roda de conversa e discutir quais os
impactos de cada uma das etapas e sobre como tomar decisões mais criteriosas
para inserir a sustentabilidade no dia a dia.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 26


• Não jogar produtos tóxicos, medicamentos, nem pilhas no lixo
2.3 - COMO INSERIR A SUSTENTABILIDADE comum – destine corretamente
NO DIA A DIA? • Reutilizar os objetos (pensar bem antes de jogar fora!)
• Plantar sempre que possível, principalmente nas cidades
• Não cobrir terrenos inteiros com cimento ou lajes
“Seja você mesmo a mudança que quer ver no mundo” • Preferir produtos biodegradáveis
Mahatma Gandhi • Usar sacolas reutilizáveis em lugar de sacolas plásticas
• Regar as plantas quando o sol não estiver forte (evita que a água
evapore logo)
Esta frase é a inspiração para pensarmos sobre como podemos iniciar • Desligar os aparelhos elétricos em vez de deixa-los em standy-by
ações que tragam a sustentabilidade para o nosso dia a dia. O primeiro • Escolher aparelhos que economizem energia
movimento, e talvez o mais difícil, é começar! Inicie de uma maneira que • Aproveitar a luz do dia e não acender lâmpadas sem necessidade
seja possível, sem gerar sobrecarga para você, e aos poucos suas ações • Usar lâmpadas de baixo consumo
ganham mais sentido e você vai gradualmente inserindo mais e mais • Apagar a luz nos lugares em que não há ninguém
atitudes sustentáveis. Abaixo seguem algumas sugestões, mas não fique • Preferir ventilação natural a ar condicionado
preso à elas, experimente e invente outras ações que sejam possíveis nos • Usar menos o automóvel
lugares que convive! • Usar mais transportes coletivos e caronas
• Deslocar-se a pé ou de bicicleta, sempre que possível
Gestos pequenos, grande diferença • Consumir menos carne
• Triar o lixo e evitar embalagens inúteis • Consumir mais frutas e legumes da estação e da região
• Preferir produtos que respeitem o meio ambiente • Evitar o uso de inseticidas e pesticidas químicos – preferir métodos
• Evitar produtos descartáveis naturais para controle de insetos e ervas daninhas
• Fechar a torneira enquanto escova os dentes escova os dentes, • Consertar o que está estragado, em vez de trocar por algo novo
esfrega a roupa ou lava a louça • Arejar a sala de aula
• Tampar as panelas para consumir menos energia (gás) e cozinhar • Resistir à tentação da propaganda (que leva a consumir
mais depressa exageradamente e sem consciência)
• Consertar todos os vazamentos de água • Fazer campanhas de limpeza na escola, no bairro, na comunidade
• Recuperar água da chuva • Compartilhar estas e outras ideias com o maior número
• Evitar desperdício de água tratada em lavagem de carros, de possível de pessoas
calçadas, etc.
• Não jogar nada nas privadas Você sabia que qualquer coisa que você fizer, mesmo que
• Escolher produtos com menos material em embalagem pequena, vale a pena???
Para saber mais, acesse o Guia do Preguiçoso da ONU – https://
• Usar as folhas de papel dos dois lados
nacoesunidas.org/guiadopreguicoso

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 27


É interessante termos em mente alguns princípios que podem
ATIVIDADE:
direcionar nossas atitudes:
Parte 1: Introduzir o tema com base no contexto apresentado e
propor uma roda de conversa sobre o que são os ODS e porque
• princípio de precaução: não esperar que fique irreparável para agir
foram desenvolvidos.
Parte 2: Exercícios de fixação / Jogos (caça palavra, jogo dos sete
• princípio de prevenção: melhor prevenir do que remediar
erros e palavras cruzadas).
Parte 3: Aprofundar conhecimento e discussões sobre os ODS e
• princípio de economia e boa gestão: quem quer chegar longe que
fazer um “diagnóstico” de sua comunidade.
cuide do seu transporte e reduza
3.1 Leitura do GIBI;
3.2 Atividade em Grupo: dividir os ODS nos grupos de forma que
• princípio da responsabilidade: quem estraga deve consertar
cada grupo trabalhe com temas diferentes
a) elaborar um questionário investigativo e um roteiro de
• princípio da participação: todos envolvidos, todos tomando
observação para a atividade em grupo
decisões, todos agindo
b) pedir para que os alunos observem seu bairro e entreviste
alguns vizinhos sobre alguns dos ODS.
• princípio da solidariedade: deixemos às gerações futuras um
c) preparar material gráfico – cartazes, teatro ou outras formas,
mundo viável
de acordo com a escolha dos alunos – para apresentação em sala
de aula.
Parte 4: Apresentar o resultado de sua apresentação para os
demais.

MATERIAIS DE APOIO:
GIBI, VIDEO AULA – Acesso em https://www.espacoeco.org.br/
download/ https://youtu.be/ciz4D5tB-JA
Material de Apoio 1 - JOGOS DOS ODS
Material de Apoio 2 – Plano de Aulas dos ODSs
Workshop.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 28


decisões? Há soluções emergindo tanto em nível nacional como local.
2.4 - OS DESAFIOS À NOSSA FRENTE Governos com visão de longo prazo verão a oportunidade de ganhar
competitividade econômica e social por meio de abordagens diferentes,
O cenário tendencial prevê que a humanidade estará usando recursos tais como a valoração da natureza e a alocação de recursos de maneira
e terra ao ritmo de dois planetas ao ano até 2030, e pouco mais de 2,8 a proporcionar prosperidade social e resiliência. Ainda assim, esforços
planetas ao ano até 2050. O caminho seguido hoje é insustentável. em nível nacional não serão suficiente. Também serão necessárias
ações coletivas internacionais para enfrentar questões globais como a
Nosso conceito de prosperidade e sucesso precisa mudar. Na história eliminação dos subsídios e a desigualdade global.
recente, a renda e o consumo se transformaram em importantes facetas
do desenvolvimento e, nos últimos 80 anos, o PIB foi usado como o As empresas também tem um papel a cumprir no fortalecimento da
principal indicador de progresso. Mas isso não é a história toda: afinal, gestão, tanto nacional quanto internacional, por meio do engajamento em
deveríamos buscar o bem estar pessoal e da sociedade. Acima de certo medidas voluntárias e do trabalho com a sociedade civil e governos para
nível de renda, a elevação do consumo não aumenta os benefícios sociais assegurar que tais mecanismos voluntários de gestão sejam reconhecidos
drasticamente e novos aumentos na renda per capita não ampliam o bem mais formalmente. O mais importante é a sua habilidade em usar o poder
estar humano de maneira significativa. do mercado para gerar mudanças, com base no reconhecimento de que
os bens naturais são diferentes dos bens criados artificialmente.
Para viver em harmonia com a natureza, também precisamos investir
nela, e não imaginá-la como certa e segura. Um passo a ser tomado E nós, o que podemos fazer para assegurar que a vida humana continue
para que isso aconteça é a proteção adequada de áreas representativas em nosso planeta com qualidade? Se aceitarmos que o mundo que temos é
de nossas florestas, reservas de água doce e oceanos. Quanto espaço o mundo que criamos segundo nossa capacidade de percebê-lo, segue em
deve ser reservado para a conservação da biodiversidade, não só para nossas mãos a responsabilidade e a capacidade de criar novos caminhos.
fins de armazenamento de carbono e de manutenção dos serviços de Como cada uma de nossas ações tem milhões de interações com o que
ecossistemas, mas também pelas razões éticas inerentes que guiam os acontece no mundo e é difícil conhecer tudo, isso pode nos trazer a
princípios do desenvolvimento sustentável? sensação de que nada podemos fazer. No entanto, o potencial humano é
muito grande, e subestimar e desperdiçar nossas potencialidades pode ser
Em complementação ao investimento na proteção direta da natureza, tão grave quanto o desperdício de água e energia. Podemos muito mais
precisamos investir na biocapacidade. Dentre as opções para aumentar do que imaginamos. Por isso, não devemos nos contentar com soluções
a produtividade da terra estão a recuperação de terras degradadas, o rápidas, imediatistas e superficiais. Cada gesto nosso precisa ser consciente,
aperfeiçoamento da ocupação da terra, do manejo da terra e do manejo pois ele reflete nossa maneira de pensar e, então, é ela que precisa mudar.
dos cultivos, e o aumento da produção agrícola. Neste sentido, os mercados
tem um papel a cumprir. Melhores práticas de manejo para a produção
aumentam a eficiência, e assim ajudam a aumentar a biocapacidade.
“No final, nossa sociedade será definida não somente pelo que
criamos, mas pelo que recusamos a destruir. A escolha é sua.”
Quem vai conduzir essas e outras transformações, e quem vai tomar as John Sawhill / The Nature Conservancy

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 29


PARTE 3 MEIO AMBIENTE E OS
CICLOS DA VIDA
Este capítulo tem sinergia com os ODS:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 30


3.1 - MEIO AMBIENTE: O QUE É ISSO?

“A defesa da Terra começa no interior de cada um de nós.”


Carlos Drummond de Andrade

Para trabalhar com educação ambiental, fazemos a você um convite à


reflexão, para começar: você já pensou no que significa a palavra meio
ambiente? Certamente já ouviu essa palavra muitas vezes, mas talvez
ainda não tenha parado para pensar em seu significado. Para a grande
maioria das pessoas meio ambiente é a mesma coisa que florestas,
animais silvestres, regiões polares, enfim, os lugares selvagens onde a
ação humana ainda não é muito forte. Nesse sentido, Meio Ambiente é
sinônimo de Natureza. Por outro lado, essas mesmas pessoas, quando
pensam nos problemas ambientais, referem-se às alterações que os
seres humanos impuseram à Natureza, alterações essas que chegam a
ser extremas, tais como: a criação de inúmeras substâncias novas, novas
combinações que não existem no estado natural, e que por isso geram os
mais variados tipos de poluições, já que não são facilmente integradas aos
ciclos naturais.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 31


Os povos antigos formularam inúmeras versões sobre o que é a comunidade de seres vivos e fazemos muita coisa bem parecida com
Natureza, que vão desde a noção do sagrado até a de reserva de os animais silvestres e até mesmo com as plantas: nascemos pequenos
bens para serem utilizados. Esta última é a visão mais difundida de e frágeis, precisamos nos alimentar, nos desenvolver, amadurecer, nos
Natureza. Foi somente nos tempos modernos, em que a modificação da reproduzir, para depois morrermos. Nenhum ser vivo escapa desse ciclo.
Natureza se tornou extremamente acentuada, é que o conceito de meio
ambiente passou a fazer sentido, gerando uma certa distinção entre Os alimentos que ingerimos são produzidos pelas plantas ou a partir
Meio Ambiente e Natureza. Tivemos que criar o termo Meio Ambiente, delas, pois as carnes são parte inclusive dos corpos dos animais
pois a palavra Natureza já não servia mais para designar máquinas, herbívoros, isto é, que só comem plantas. Todos os produtos que
construções ou objetos de plástico, apesar de precisarmos dela para a utilizamos para organizar nossas atividades e garantir nosso conforto
fabricação destes itens. Quando queremos nos referir aos elementos são extraídos originalmente de áreas naturais, onde muitas plantas
retirados da Natureza para as nossas fabricações, utilizamos o termo: e animais conviviam naturalmente. Carros, bicicletas, computadores,
recurso natural, mas isso não quer dizer que Natureza seja somente armários, canetas, xampus, panelas; enfim, essa infinidade de objetos
um recurso natural. Há funções e significados muito mais amplos que que utilizamos são sempre um pedacinho da natureza transformada. A
conhecemos e vivenciamos o tempo todo. energia elétrica, o ar, a água também. A natureza está muito mais perto
de nós do que imaginamos.
Para compreendermos bem essa separação ou não entre Meio
Ambiente e Natureza, podemos observar o próprio ambiente em que Pensando assim, então, dá pra saber onde é que começa o nosso meio
vivemos: nossos corpos, nossas casas, nossos bairros, nossa cidade. ambiente? Na nossa cidade, no nosso bairro, na nossa casa, no nosso
Onde você mora era um lugar cheio de plantas e animais silvestres que quarto, no nosso corpo? Para mantermos o nosso corpo precisamos de
já não habitam mais a região. Hoje eles estão protegidos em lugares ar, água, energia. Então, faz sentido pensarmos que o meio ambiente
especiais, chamados Unidades de Conservação (UCs), ou em áreas começa no nosso corpo. O que respiramos e ingerimos faz parte do
particulares que, por algum motivo, ainda não foram transformadas. nosso corpo e influencia aquilo que fazemos e pensamos. Podemos
Mesmo quem mora pertinho da floresta, não mora dentro dela. até pensar que o meio ambiente pode começar em nosso cérebro, em
Nós acabamos nos acostumando a nos ver bem separados do que nossa mente.
chamamos de Natureza e assim organizar nossa vida “separados” dela.
Estamos interagindo o tempo todo! As moléculas da água, dos alimentos
De uma maneira geral, os ambientes onde as pessoas vivem foram e de todas as coisas estão continuamente circulando pela Terra! O
profundamente alterados para que se tornassem propícios aos que está acontecendo hoje em dia, com a poluição, o uso excessivo
modos modernos de convivência humana. Pelo menos esse é um dos de substâncias químicas, entre outros impactos causados pela ação
fundamentos da construção da vida em sociedade: alterar a Natureza humana, é que estamos modificando a forma desses elementos
para favorecer a vida humana. circularem pela Terra. E também, não sem graves consequências,
estamos modificando a velocidade com que esses elementos circulam.
Se de um lado nos acostumamos a transformar a Natureza para criar O que chamamos de Meio Ambiente é a própria Natureza
o nosso modo de vida, por outro lado, continuamos a fazer parte da modificada.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 32


Extraímos muito rapidamente uma grande quantidade de recursos
naturais e, após um consumo que dura pouco tempo, depositamos esses
recursos em locais que denominamos de lixo. Para a Natureza, a maneira
de funcionar não se modifica: as substâncias devem circular pela Terra
fazendo parte de seus ciclos. Para nós, temos problemas: as substâncias
que não entram ou demoram para entrar nos ciclos formam depósitos
que nos desagradam ao olhar, provocam mau cheiro, são foco de vetores
de doenças, depositam-se na água e matam os ecossistemas aquáticos,
contaminam o ar causando enfermidades variadas.

As florestas são a forma que a Natureza toma em nossa região. Temos


muito o que aprender com elas. Por isso a tomaremos como eixo que
norteará todo o nosso trabalho: será a partir da observação, reflexão e
convivência com ela que conduziremos nossas ações.

Outro fator que contribuiu para essa escolha relaciona-se diretamente


ao tipo de atividade extra classe que você e seus alunos farão em um
local escolhido por você que tenha ainda algum remanescente de floresta
nativa.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 33


O que é Natureza para você?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 34


3.2 - A FLORESTA, NOSSA MESTRA

“Uma árvore cai com um grande estrondo.


Mas ninguém escuta a floresta crescer.”
Provérbio africano

Se temos muito o que aprender com as florestas, então podemos a natureza e tiraram conclusões sobre suas leis. Toda a história humana
considerá-las como nossas mestras. Mas o que aprendemos com elas? se deu baseando-se não só nas relações humanas: isso não seria possível
Para pensar nisso, vamos retomar o que foi afirmado anteriormente, de sem a conexão direta com as potencialidades naturais de cada lugar, a
que aprendemos muito mais pelo exemplo dos educadores do que com partir das quais os seres humanos erigiram suas culturas e construíram
suas falas. A floresta é assim. Ela dá muitos exemplos, mas precisamos suas histórias. As florestas nos ajudam a definir uma ética mais
saber reconhecê-los. Ela nos fala também, mas é preciso aprender a ouvi- abrangente, para incluir todos os seres que fazem parte deste planeta.
la. Como é que se faz isso?

O contato atento e sensível com a floresta nos ajuda a expressar nossas


próprias potencialidades, que é o objetivo primordial da educação,
quando a consideramos a partir de seu significado original: processo
de promover a expressão das potencialidades que cada pessoa possui
dentro de si. Ela nos ensina a olhar e compreender o mundo a partir
de nosso próprio repertório, ampliando-o nesse contato. Ela nos ajuda
a formar valores enraizados na experiência e no compromisso consigo
mesmo, com os outros e com a vida como um todo.

O foco na transmissão de informações incorporado pelos sistemas de


ensino tradicionais gerou uma falta de comprometimento generalizada,
que agora, com a educação ambiental, queremos recuperar. As florestas
nos ajudam nesse processo, pois são o reservatório de vida a partir
do qual toda a história humana teve origem, evoluiu e do qual não
podemos ficar sem. Todo o conhecimento científico e todos os conteúdos
disciplinares, foram aprendidos durante séculos em que matemáticos,
naturalistas, gramáticos, geólogos, historiadores e geógrafos observaram

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 35


Você tem uma experiência pessoal para contar na qual aprendeu algo
diretamente com a floresta? Relate-as aqui.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 36


3.3 - BREVE HISTÓRIA DAS FLORESTAS

Sobradinho
“O homem chega, já desfaz a natureza
Tira a gente, põe represa, diz que tudo vai mudar
O São Francisco lá prá cima da Bahia
Diz que dia menos dia vai subir bem devagar
E passo a passo vai cumprindo a profecia
Do beato que dizia que o sertão ia alagar
O sertão vai virar mar, dá no coração
O medo que algum dia o mar também vire sertão”
Sá e Guarabira

Atualmente, quando nos referimos às florestas, estamos falando


principalmente das florestas tropicais, pois são as que restam, em
áreas ainda extensas, de todas as que já existiram sobre a Terra. As
outras, já extintas ou quase, foram palco de desenvolvimento de todas
as civilizações que nos antecederam. Diversos historiadores parecem
concordar que a presença das florestas foi elemento essencial para o
florescimento das grandes civilizações. Se hoje desejamos protegê-las,
é porque o processo civilizatório está se aproximando das últimas áreas
florestais do planeta.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 37


A destruição atual faz parte de um ciclo que começou há milhares de
anos. Hoje podemos perceber que as civilizações antigas entraram em
decadência devido, entre outros motivos, à escassez de florestas: o
desmatamento e a degradação do solo reduziram as possibilidades de
desenvolvimento.

Se hoje queremos protegê-las com uma população mundial de mais de 6


bilhões de habitantes, e se sabemos que transformar florestas em cultura
foi o procedimento básico para todas as civilizações que já ocuparam
nosso planeta, estamos assumindo o desejo coletivo de que a história
tome um rumo diferente de tudo o que nos antecedeu até aqui, pelo
menos nos últimos 6 mil anos!

A história oficial considera que a civilização ocidental teve início na


Mesopotâmia, na fértil região entre os rios Tigre e Eufrates, região em
que havia uma enorme floresta, há quase 7 mil anos atrás. A intensa
transformação da Natureza em artefatos cada vez mais elaborados e
sofisticados, a expansão da extração de minérios, da agricultura e da
pecuária, além das questões de domínio sobre as terras e das culturas,
umas sobre as outras, fez com que, nesse período, a floresta exuberante
se transformasse numa região árida e desértica. Desde então, o processo
civilizatório foi se intensificando e se expandindo, e experiências
reveladoras do grande talento e inteligência humana foram deixando
suas marcas. Hoje podemos apreciar o que ficou do mundo egípcio, de Sabiá-do-campo (Mimus
impressionante beleza, assim como da Grécia antiga, do Império Romano saturninus)
e das diversas civilizações que se desenvolveram no território europeu. Ocorrem em quase todo
o Brasil, inclusive em área
Todas essas civilizações por nós conhecidas tiveram, de certo ponto de urbana.
vista, na escassez da madeira um dos motivos de sua decadência. No final
do século 15, as jovens nações europeias já tinham avançado seu saber Biomas: Mata Atlântica,
Cerrado e Caatinga e áreas
tecnológico na construção de navios e também já tinham exterminado a
campestres da Amazônia.
maior parte de suas florestas.
Fonte: https://www.wikiaves.
O avanço tecnológico destes países permitiu que eles saíssem para a com.br/wiki/sabia-do-campo

conquista de novas terras, do chamado, por eles, de Novo Mundo. A

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 38


primeira descoberta feita pelos portugueses foi a Ilha da Madeira, no
ano 1.420 d.C. O nome da ilha reflete a paisagem da época, composta de
muita floresta e visualizada como madeira em potencial. A colonização
começou com a extração da madeira, o cultivo da cana de açúcar e a
transformação desta em açúcar, o que consumia muita madeira que
também era levada para Portugal e Espanha para a construção das
embarcações, pois já se planejava fazer viagens oceânicas e estabelecer o
Peça aos seus alunos para escreverem uma carta
comércio com as Índias.
para alguma pessoa do passado, sobre o resultado
das ações delas em nosso mundo atual. Analise
E assim o Brasil entra neste modelo de processo civilizatório. Depois de
observando se as crianças relacionam a realidade
receber alguns nomes provisórios, a nova terra foi batizada com o nome
atual como resultado de algo que foi pensado e
da primeira madeira explorada pelos recém-chegados estrangeiros: o
sonhado por pessoas do passado.
Pau-brasil.

Leia em voz alta alguns trechos da carta de Pero


No Brasil as florestas não tiveram melhor sorte que as europeias,
Vaz de Caminha (Apêndice 1). Peça para os alunos
mantendo-se vivas ainda em pleno século 21 graças, sobretudo, ao fato
desenharem a paisagem que os portugueses
de serem tão grandes que ainda não se conseguiu acabar com elas.
avistaram em sua chegada às costas brasileiras.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 39


Anote aqui os resultados de suas experiências com os alunos sugeridas neste item.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 40


3.4 - OS CICLOS DA VIDA

A base dos processos vitais que mantém um ecossistema é o ciclo. Todos


os elementos necessários à vida estão circulando no ambiente, isto é, os
elementos entram na estrutura dos seres por um período, passam por
processos de transformação e voltam a ficar disponíveis no meio para
serem novamente absorvidos em outra estrutura. Assim acontece com
todos os componentes: o carbono, o oxigênio, a água, o nitrogênio e
uma infinidade de outros elementos que circulam em quantidade muito
pequena.

Toda a matéria que forma a Terra faz parte de um ciclo. Ela não pode
ser criada nem destruída, só transformada. Os ciclos dos elementos
formam um complexo mecanismo de controle que mantém as condições
essenciais à autossustentação dos seres vivos. É a vida que pulsa nos
elementos que os coloca em permanente movimento.

Por todo o planeta, a vida se expressou das mais variadas formas,


com maior ou menor diversidade biológica, com maior ou menor
disponibilidade de água, com maior ou menor riqueza de solos, criando
uma infinidade de ambientes com características próprias. Todos eles
funcionam da mesma forma e seu equilíbrio depende de todas as
relações que seus componentes mantêm entre si.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 41


CALENDÁRIO DA TERRA
Peça aos alunos para desenharem uma linha do tempo, desde a
formação da terra, passando pelo aparecimento dos seres humanos e
chegando aos dias atuais, num espaço imaginário de 1 ano.

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Formação da Terra = Cristalização Primeiros seres Plantas e animais


primeiro minuto do da rocha mais vivos terrestres
mês de janeiro antiga
Aparecimento e desaparecimento dos dinossauros = logo após o Natal
Primeiros hominídeos = início da noite de 31 de dezembro
Retrocesso da última glaciação = faltando um minuto e
quinze segundos para a meia-noite do dia 31
Duração do Império Romano = apenas cinco segundos
(de 11h59min45s até 11h59min50s)
Descobrimento da América = três segundos antes de terminar o ano

FERREIRA & ROIZMAN. Jornada de Amor à Terra – Ética e Educação em Valores Universais. São Paulo.2006. Pg 67

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 42


Os cientistas ainda não chegaram a um acordo sobre quantas espécies
existem na Terra. As estimativas ficam entre 10 e 50 milhões de plantas
e animais. Até hoje só estudaram e deram nome científico a cerca de 1,5
milhão de formas de vida.

As espécies não existem de forma isolada. A evolução de cada uma delas


se deu no ambiente específico em que viviam e assim formaram, ao longo
dos tempos, os ecossistemas. O relacionamento entre as espécies de um
ecossistema é tão estreito que a existência de uma só espécie afeta a vida
de todas as outras. Da mesma forma, a alteração na vida de uma espécie
afeta todos os demais componentes daquele ecossistema. Por exemplo,
os excrementos de um animal podem servir de alimento para outras
espécies e fertilizar o solo para o crescimento das plantas. As sementes
das plantas podem espalhar-se por uma grande área graças ao trabalho
de algumas aves e insetos. Eles também podem ajudar no cruzamento
entre as plantas, levando o grão de pólen de uma para outra flor, ao
mesmo tempo em que podem se alimentar do seu néctar.

Da mesma maneira, a vida humana depende da existência de outras O Curió (Sporophila angolensis) é uma ave passeriforme da família
thraupidae. Mede cerca de 14,5 cm, sendo que o macho é preto na parte
espécies. Alimentos, materiais de construção, roupas, medicamentos,
superior do corpo e castanho-avermelhado na parte inferior, sendo a
todos os objetos que já conseguimos inventar são provenientes de algum parte interna das asas na cor branca.
ecossistema. O impacto das civilizações sobre a Natureza tem sido grande
e decorrente de um consumo de matérias-primas mais acelerado do que Os seus habitats naturais são: florestas subtropicais ou tropicais úmidas
a capacidade de recuperação dos ambientes. Houve uma alteração radical de baixa altitude e florestas secundárias altamente degradadas.
nos mecanismos reguladores e mantenedores das condições ambientais
necessárias à manutenção da vida na Terra. Muito procurado como pássaro de gaiola Esta é considerada a principal
ameaça e causa de seu desaparecimento das regiões mais habitadas do
país. É considerado Criticamente em Perigo no Estado de Minas Gerais,
Desde as inovações tecnológicas desenvolvidas durante o século XX2, conforme a Lista Vermelha estadual.
muitas variedades de plantas e animais foram criados e dispersados pelo
globo para ambientes onde aquela espécie não existia anteriormente. Biomas: Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga e áreas campestres da
Com a expansão dos campos cultivados e das pastagens, a diversidade Amazônia.
de espécies por área diminuiu muito, já que um local antes habitado por
Fontes: https://www.wikiaves.com.br/wiki/curio
diferentes seres vivos era transformado em um espaço ocupado por
https://www.wikiaves.com.br/wiki/sabia-do-campo
cultivos contendo normalmente apenas uma espécie.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 43


A introdução voluntária de espécies exóticas foi, muitas vezes, uma A exploração dos oceanos e das zonas costeiras sempre fizeram parte
opção econômica para a agricultura, quando algumas espécies exóticas da história da humanidade, gerando riquezas, fornecendo alimento e
eram mais produtivas ou mais resistentes a pragas e doenças do que possibilitando o transporte entre os povos. Os oceanos também são
as espécies nativas. Isso pode acontecer com frequência, pois a espécie considerados como a última fronteira para a exploração dos recursos
nativa, integrada ao ecossistema de origem, está interagindo com as minerais da terra. O uso indiscriminado dos oceanos e dos mares para a
outras espécies. A planta ou animal exótico não tem, em seu novo produção de alimentos, navegação comercial e despejo de efluentes vem
território, predadores naturais para ameaçar sua sobrevivência, o que faz causando muitos danos, muitos deles irreversíveis.
com que elas se reproduzam com mais facilidade.

Além destas causas, alguns estudiosos apontam que a perda da


biodiversidade é devida aos baixos valores econômicos dados à
biodiversidade e às suas funções ecológicas – como a proteção de bacias
hidrográficas, ciclagem de nutrientes, controle da poluição, formação
dos solos, fotossíntese e evolução – das quais depende o bem estar da
humanidade.

A maior diversidade de vida terrestre está nas florestas tropicais. Em


outras partes do mundo a diversidade é menor, mas sua importância do
ponto de vista ecológico é igualmente grande.

Os oceanos cobrem 70% da superfície terrestre e podem abrigar uma


biodiversidade superior à das florestas tropicais, mas que até agora está,
em sua maior parte, desconhecida. Há referências sobre a possibilidade
de o fundo do mar abrigar até 10 milhões de espécies sobre as quais
ainda nada sabemos. A geração de oxigênio e a regulação climática
dependem muito mais dos ecossistemas oceânicos do que dos terrestres.
Os ciclos hidrológicos dependem dessa enorme massa de água disponível
e de sua capacidade de armazenar calor.

2. E mesmo anteriormente, desde as primeiras viagens dos homens pela Terra, os


cruzamentos entre espécies e variedades animais e vegetais foram sendo feitos. Depois
dos descobrimentos, no século 15, as grandes navegações intensificaram essas trocas e, 3
séculos mais tarde, durante a Revolução Industrial o processo de artificialização da natureza
tornou-se ainda mais intenso.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 44


DINÂMICA DA TEIA transmissor da esquistossomose (barriga d´água), que vive em águas
paradas, encontrou boas condições de desenvolvimento, e a doença
Material: folhas de sulfite em branco, fita adesiva e novelo de se espalhou pela região, contaminando o ser humano. Mais ainda:
lã ou barbante. descobriu-se depois que as fezes do hipopótamo funcionavam como
adubo que estimulava o desenvolvimento de algas no fundo do rio.
Necessita-se de sete participantes. Cada um vai representar um Essas algas serviam de alimento para pequenos crustáceos (bichinhos
elemento da história abaixo, sendo eles: o hipopótamo, a lama, o semelhantes a um camarão) que, por sua vez, eram comidos pelos
caramujo, o ser humano, as algas, os crustáceos e os peixes. Cada peixes. Sem os hipopótamos, a população de peixes diminui, e os seres
participante coloca um pequeno cartaz em seu peito (o que pode humanos deixaram de comer carne de peixe e começaram a passar
ser feito utilizando-se folha de sulfite e fita adesiva) com o nome de fome.”
um elemento da história... Ler o texto abaixo e, com um barbante
ou fios de lã, interligue os personagens da história à medida que Debate: depois de formada a teia, podemos perceber visualmente os
seus nomes forem sendo mencionados, formando visivelmente uma elos de dependência que existem entre os elementos. É um exercício
teia, na qual podem ser vistas claramente as interconexões entre os que possibilita a vivência da saúde individual e coletiva: cada célula
seus elementos. Elas fazem parte de todos os sistemas vivos e seu contribui para a estabilidade do organismo. Cada habitante da Terra
entendimento pode ser aplicado a qualquer um deles. desempenha seu papel na saúde coletiva, pois os humanos estão
interconectados entre si, dependem uns dos outros e do ambiente.
O extermínio do hipopótamo em certas regiões da África do Sul, com
a finalidade de facilitar a navegação nos rios, é um ótimo exemplo É importante que os participantes percebam que as nossas ações
das complexas relações que uma espécie mantém com todo o seu podem ter consequências em um sistema maior, que muitas vezes não
ecossistema. Sem conhecer a teia da vida, a morte dos hipopótamos conseguimos imaginar.
acabou desencadeando a proliferação da esquistossomose e a falta de
recursos alimentares para a população local. Após o debate, os participantes poderão criar outros exemplos para
realizar a dinâmica da teia, extraídos da vida real: situações vividas
“O ser humano exterminou os hipopótamos. Os hipopótamos, na escola, dentro de casa e assim por diante.
ao caminharem no fundo do rio, agitavam a lama depositada,
facilitando a circulação da água. Com o seu desaparecimento, os rios FERREIRA & ROIZMAN. Jornada de Amor à Terra – Ética e Educação em
“entupiram”, alagando as regiões ao seu redor. Com isso, o caramujo Valores Universais. São Paulo.2006. Pg 37

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 45


RECEITA DE FLORESTA
PREDADOR-PRESA
Dê a cada aluno uma escritura imaginária de um terreno
de 1.500 metros quadrados. Nesse pedaço de terra Esta brincadeira introduz o conceito de cadeias alimentares e
virgem ele terá a liberdade de criar a floresta de seus demonstra como elas funcionam. Forme um círculo de cerca de
sonhos, com muitas árvores, animais, montanhas e cinco metros de diâmetro numa área aberta. Coloque vendas nos
rios, enfim, tudo o que desejar. Deixe qu as imaginações olhos de dois alunos, deixando-os no meio do círculo. Peça a um
fluam livremente. Para estimular a criatividade dos deles que diga o nome de um predador que vive na região e peça
alunos, você poderá dar algumas sugestões: “Para que ao outro que diga o nome de uma presa. O predador tenta apanhar
sua floresta seja linda e radiante, talvez você queira a presa, ouvindo-a, seguindo sua pista e correndo atrás dela. Se o
incluir algo como cachoeiras e tempestades de vento, ou predador ou a presa se aproximarem muito da margem do círculo,
arco-íris permanentes...”. os alunos lhe darão duas pancadinhas. Exija silêncio enquanto
a brincadeira está em andamento e peça que os participantes
Peça-lhes que façam uma lista dos ingredientes de suas representem de modo mais real e que imitem os animais
florestas e depois os desenhem. Termine indagando aos escolhidos. Para variar a brincadeira, faça uma experiência com
alunos se suas florestas serão capazes de sobreviver número diferente de predadores e presas. Coloque sininhos em
ano após ano. Por exemplo, verifique se eles escolheram alguns dos animais, forçando-os a modificar sua estratégia de
alguns representantes do ciclo alimentar: herbívoros, caça ou para que não sejam capturados. Se o predador não for tão
plantas e os decompositores (exemplo: formigas, arrojado como poderia ser, e estiver demorando muito, feche mais
cogumelos, bactérias). Não deixe que se esqueçam de o círculo, de modo que o predador e a presa fiquem mais próximos
fatores menos evidentes, tais como solo e clima. um do outro.

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 1. São Paulo. 2003. Esta atividade pode ser feita num momento de introdução, em que
Pg 77 você está preparando o grupo para as informações sobre a teia da
vida, pois ela cria uma atmosfera de grupo e costuma acalmar a
agitação das crianças.

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 1. São Paulo. 2003. Pg 79

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 46


PIRÂMIDE DA VIDA

Esta atividade requer seis participantes, no mínimo. Forneça a cada


aluno um pedaço de papel e peça-lhe que escreva secretamente o
nome de uma planta ou animal que se desenvolve ou vive na região.
Os participantes deverão formar uma pirâmide, mas não lhes conte
isso até ter recolhido todos os pedaços de papel.

Para jogar Pirâmide da Vida entregue aos jogadores uma carta com o
nome de uma planta ou animal escrito nela. É mais divertido se você
escolher animais e plantas interessantes – como sempre-viva e beija-
flor –, se possível todos os animais e plantas devem ser do mesmo se identificam e se colocam atrás das plantas. Contem-nos quem são
habitat. Ao escrever você mesmo o nome das plantas e dos animais, vocês... Se você é um predador, faça uma terceira fila e se identifique...
você tem a possibilidade de estabelecer a proporção entre as plantas, Há alguém que ocupa o topo da cadeia alimentar? Sim? Conte-nos
os animais herbívoros e os predadores. Junto com o nome, escreva quem você é?...Uma águia,...então venha e forme a quarta fila. Agora
também um algarismo romano (Plantas, I; Herbívoros, II; Carnívoros, que cada um está em seu lugar, tentem formar uma pirâmide. (Eu
III; Predadores de segunda ordem3 , IV). Para um grupo de 26 pessoas, disse apenas para que tentem, pois é bem arriscado construir uma
sugiro a seguinte proporção, de plantas até os predadores de segunda pirâmide com muita gente).
ordem: 14-7-4-1.
Explique ao grupo que há uma hipótese científica que explica que
Embaralhe as cartas e distribua uma para cada participante. Se a proporção de um nível para outro (isto é, das plantas para os
algum deles não souber a qual categoria pertence, podem encontrá- herbívoros) é de cerca de 1/10 da biomassa. Por exemplo, se você tem
la pelos algarismos romanos. Eis como jogar: “Eu gostaria de chamar 500 kg de plantas você terá 50 kg de herbívoros, 5 kg de carnívoros e
todos aqueles que são capazes de produzir alimento a partir do sol, 0,5 de predadores de segunda ordem.
do ar, da água e de nutrientes do solo que deem um passo à frente e
formem uma fila... Por favor, plantas, vocês podem se apresentar?... Agora diga ao grupo: “Notei que as plantas estão tendo problemas com
(os participantes respondem com o nome engraçado que está escrito alguns insetos, então vou jogar um pouco de defensivo agrícola. Estes
em sua carta, tal como Suzana sempre-viva!... Maria sem-vergonha!... lenços que estou colocando sobre suas cabeças – um para cada planta
Fernanda não-me-toques!... Joana Sensitiva!...) Agora os herbívoros – representa uma partícula desse pesticida...

3. “Animais que podem se alimentar de outros carnívoros”

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 47


Agora eu gostaria que os herbívoros se alimentassem das plantas.
Façam isso pegando os lenços das plantas e colocando-os sobre suas
cabeças. Sigam comendo até que todas as plantas sejam comidas.

Substâncias como herbicidas e pesticidas, quando ingeridos pelos


animais, ficam depositados em seus tecidos. Vamos agora deixar os
carnívoros se alimentarem dos herbívoros...” (Agora os participantes
podem prever o que vai acontecer quando todos os lenços estiverem
na quarta fila.) “Agora, será que a águia vai comer os animais da
terceira fila?” (Os jogadores se divertirão ao verem todos os lenços
formando um chapéu na cabeça da águia.) “Os níveis mais elevados
da cadeia alimentar apresentam uma concentração maior de AS ESTAÇÕES DO ANO
substâncias. Este processo é chamado de amplificação biológica.
Pássaros como águias, falcões peregrinos e pelicanos e também Refletir sobre as estações do ano é uma
outros animais têm sido fortemente contaminados por substâncias ótima maneira de perceber os ciclos
despejados no meio ambiente... E você, como humano, qual o seu naturais!
lugar na cadeia alimentar?”
Peça para seus alunos descreverem as
CORNELL, J. Vivências com a Natureza 1. São Paulo. 2003. Pg 77 estações ao ano, com informações sobre a
temperatura, regime de chuvas, aparência
das plantas, reprodução dos animais. Você
também pode comentar sobre a alternância
das estações do ano nos hemisférios norte
e sul.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 48


Distribua o texto abaixo para seus alunos. Depois de ler, peça para que formem grupos e façam uma discussão sobre o texto abordando
questões como: os ciclos de vida dos materiais citados, a reutilização de materiais, os resíduos e a nossa vida. Também é possível pedir
para que observem o lixo da sua casa e façam um texto descrevendo seus hábitos a partir do que está no lixo.

- Você também perdoe a minha indiscrição, mas tenho visto restos de


AS ESTAÇÕES DO ANO comida em seu lixo. Champignons, coisas assim...
Luís Fernando Veríssimo do livro “O analista de Bagé”
- É que eu gosto muito de cozinhar. Fazer pratos diferentes. Mas como
moro sozinha, às vezes sobra...
Encontraram-se na área de serviço. Cada um com seu pacote de lixo. É
a primeira vez que se falam. - A senhora.... você não tem família?
- Bom dia... - Tenho, mas não aqui.
- Bom dia. - No Espírito Santo.
- A senhora é do 610. - Como é que você sabe?
- E o senhor do 612. - Vejo uns envelopes no seu lixo. Do Espírito Santo.
- É. - É. Mamãe escreve todas as semanas.
- Eu ainda não lhe conhecia pessoalmente... - Ela é professora?
- Pois é... - Isso é incrível! Como foi que você adivinhou?
- Desculpe a minha indiscrição, mas tenho visto seu lixo... - Pela letra no envelope. Achei que era letra de professora.
- O meu o quê? - O senhor não recebe muitas cartas. A julgar pelo seu lixo.
- O seu lixo. - Pois é...
- Ah! - No outro dia tinha um envelope de telegrama amassado.
- Reparei que nunca é muito. Sua família deve ser pequena... - É.
- Na verdade sou só eu. - Más notícias?
- Mmmmm. Notei também que o senhor usa muita comida em lata. - Meu pai. Morreu.
- É que eu tenho que fazer minha própria comida. E como não sei - Sinto muito.
cozinhar... - Ele já estava bem velhinho. Lá no sul. Há tempos não nos víamos.
- Entendo. - Foi por isso que você recomeçou a fumar?
- A senhora também... - Como é que você sabe?
- Me chame de você. - De um dia para o outro começaram a aparecer carteiras de cigarro
amassadas no seu lixo.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 49


- É verdade. Mas consegui parar outra vez. - Se você achasse eles ruins mesmo, teria rasgado. Eles só estavam
- Eu, graças a Deus, nunca fumei. dobrados.
- Eu sei. Mas tenho visto uns vidrinhos de comprimidos no seu lixo... - Se eu soubesse que você ia ler...
- Tranquilizantes. Foi uma fase. Já passou. - Só não fiquei com eles porque, afinal, estaria roubando. Se bem que,
- Você brigou com o namorado, certo? não sei: o lixo da pessoa ainda é propriedade dela?

- Isso você também descobriu no lixo? - Acho que não. Lixo é domínio público.

- Primeiro o buquê de flores, com o cartãozinho, jogado fora. Depois, - Você tem razão. Através do lixo, o particular se torna público. O que
muito lenço de papel. sobra da nossa vida privada se integra com a sobra dos outros. O lixo
é comunitário. É a nossa parte mais social. Será isso?
- É, chorei bastante, mas já passou.
- Bom, aí você já está indo fundo demais no lixo. Acho que...
- Mas hoje ainda tem uns lencinhos...
- Ontem, no seu lixo...
- É que eu estou com um pouco de coriza.
- O quê?
- Ah.
- Me enganei, ou eram cascas de camarão?
- Vejo muita revista de palavras cruzadas no seu lixo.
- Acertou. Comprei uns camarões graúdos e descasquei.
- É. Sim. Bem. Eu fico muito em casa. Não saio muito. Sabe como é.
- Eu adoro camarão.
- Namorada?
- Descasquei, mas ainda não comi. Quem sabe a gente pode...
- Não.
- Jantar juntos?
- Mas há uns dias tinha uma fotografia de mulher no seu lixo. Até
bonitinha. - É.

- Eu estava limpando umas gavetas. Coisa antiga. - Não quero dar trabalho.

- Você não rasgou a fotografia. Isso significa que, no fundo, você quer - Trabalho nenhum.
que ela volte. - Vai sujar sua cozinha.
- Você já está analisando meu lixo! - Nada. Num instante se limpa tudo e põe os restos fora.
- Não posso negar que seu lixo me interessou. - No seu lixo ou no meu?
- Engraçado. Quando examinei o seu lixo, decidi que gostaria de
conhecê-la. Acho que foi a poesia.
- Não! Você viu meus poemas?
- Vi e gostei muito.
- Mas são muito ruins!

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 50


PROCESSOS NATURAIS

Divida o grupo em subgrupos de 5 até 7


pessoas. Diga que cada grupo deve escolher
um processo natural qualquer (você pode
perguntar antes para todos o que é um
processo natural e pedir para que eles
deem exemplos). Os subgrupos se separam
para escolher o seu processo e ensaiar uma
dramatização que deverá ser apresentada
posteriormente para o restante do grupo.
Depois que todos os subgrupos tiverem
ensaiado, cada um apresenta e o grupo
todo tenta adivinhar qual processo natural
foi representado.

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 2. São


Paulo, 2008. Pg 78

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 51


Anote aqui os resultados de suas experiências com os alunos, sugeridas neste item.
Quais das atividades sugeridas você mais gostou?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 52


3.5 - AS MANIFESTAÇÕES DA VIDA

Obviamente é a vida na Terra que conhecemos. E é dela que vamos A flora brasileira conhecida contribui com 50 mil a 56 mil espécies de
falar aqui. Ao longo da evolução da vida, a diversificação das espécies foi plantas superiores, o que corresponde a 20% do que hoje é conhecido.
fundamental para garantir o desenvolvimento e a sustentabilidade de Esse número é muito superior ao que se encontra na América do Norte,
todas as formas, que convivem em comunidades relacionando-se direta Europa ou África. Em relação à fauna, os dados existentes mostram uma
ou indiretamente, alimentando-se e realizando diversas trocas formando importância especial tanto quanto ao número de espécies de anfíbios,
os ecossistemas4 do mundo inteiro. répteis, mamíferos, aves, peixes e artrópodes, quanto ao alto grau de
endemismo (uma espécie é endêmica quando ela é restrita a uma
A chamada Diversidade biológica ou biodiversidade indica não só a determinada área geográfica): das 517 espécies de anfíbios, 294 são
variedade de vida na Terra como os padrões naturais que essa variedade endêmicas; das 468 espécies de répteis, 172 são endêmicas; das 524
forma. A biodiversidade pode ser considerada em relação às espécies, espécies de mamíferos, 131 são endêmicas; das 1.622 aves, 191 são
isto é, incluindo todas as espécies de animais, vegetais, microorganismos endêmicas. Só de insetos, temos 15 milhões de espécies, estima-se. Esse
etc. Os genes contidos em cada indivíduo, ou os “conjuntos” que essas alto grau de endemismo está presente em todos os biomas5 brasileiros.
espécies formam a partir de seus relacionamentos, são os ecossistemas. Isso significa que, se um pequeno trecho de floresta é desmatado, muitas
espécies podem estar sendo extintas, pois ocorriam apenas naquele local.
Estão relacionados abaixo os principais ecossistemas brasileiros. O Brasil
é considerado um dos países de maior diversidade biológica do planeta.
Abriga cerca de 10% a 20% das espécies já conhecidas pela ciência. Estas
são originárias de suas extensas florestas tropicais úmidas, que hoje
representam cerca de 30% das florestas deste tipo no mundo.

4. Ecossistema é uma unidade de estudo, formada pelo conjunto de todos os seres animais
e vegetais que interagem entre si e com o meio físico, formando uma rede de inter-relações
energéticas viabilizada pelas relações alimentares que os seus componentes estabelecem
entre si. Para haver equilíbrio em um ecossistema é preciso haver diversidade biológica e um
intercâmbio entre os seres vivos, as rochas, as águas e o solo.

5. Biomas são os grandes conjuntos de ecossistemas.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 53


ECOSISTEMAS BRASILEIROS

20% do que
50 a 560 mil existe no
Espécies de mundo
Plantas superiores

Anfíbios Mamíferos
517 espécies 524 espécies
294 endêmicas 131 endêmicas

Répteis Aves
468 espécies 1622 espécies
172 endêmicas 191 endêmicas

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 54


3.6 - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

AMAZÔNIA
A Amazônia é quase mítica: um verde e vasto mundo de águas e florestas,
onde as copas de árvores imensas escondem o úmido nascimento,
reprodução e morte de mais de um terço das espécies que vivem sobre a
Terra.

Os números são igualmente monumentais. A Amazônia é o maior bioma


do Brasil: num território de 4.196.943 milhões de km2 (IBGE, 2004),
crescem 2.500 espécies de árvores (ou um terço de toda a madeira
tropical do mundo) e 30 mil espécies de plantas (das 100 mil da América
do Sul). A bacia amazônica é a maior bacia hidrográfica do mundo: cobre
cerca de 6 milhões de km2 e tem 1.100 afluentes. Seu principal rio, o
Amazonas, corta a região para desaguar no Oceano Atlântico, lançando ao
mar cerca de 175 milhões de litros d’água a cada segundo.

As estimativas situam a região como a maior reserva de madeira tropical


do mundo. Seus recursos naturais – que, além da madeira, incluem
Amazônia enormes estoques de borracha, castanha, peixe e minérios, por exemplo
– representam uma abundante fonte de riqueza natural. A região abriga
Caatinga
também grande riqueza cultural, incluindo o conhecimento tradicional
Cerrado sobre os usos e a forma de explorar esses recursos naturais sem esgotá-
los nem destruir o habitat natural.
Mata Atlântica
Pampa
Pantanal

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 55


A Amazônia representa mais da metade das florestas tropicais
remanescentes no planeta e compreende a mais biodiversa floresta
tropical do mundo. No Brasil, ocupa 49,29% do território, abrangendo os
Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, e parte dos
Estados do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso.

O clima na floresta Amazônica é equatorial, quente e úmido, devido à


proximidade da linha do Equador, com a temperatura variando pouco
durante o ano. As chuvas são abundantes, com as médias de precipitação
anuais variando de 1.500 mm a 1.700 mm, podendo ultrapassar 3.000
mm na foz do rio Amazonas e no litoral do Amapá. O período chuvoso
dura seis meses.

A região é o lar de cerca de 2,5 milhões de espécies de insetos e dezenas


de milhares de plantas. Até o momento, pelo menos 40.000 espécies
de plantas, 3.000 de peixes, 1.294 aves, 427 mamíferos, 428 anfíbios
e 378 de répteis foram classificadas cientificamente na região. Um em
cada cinco de todos os pássaros no mundo vivem na floresta tropical da
Amazônia. Os cientistas descreveram entre 96.660 e 128.843 espécies de
invertebrados só no Brasil.

Em comparação com os demais biomas brasileiros, a Amazônia é o que


detém o maior percentual de florestas oficialmente protegidas (3,2% da
área total do bioma). No entanto, apenas 0,38% da área dos parques e
reservas hoje existentes na Amazônia está minimamente protegida de
fato.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 56


MATA ATLÂNTICA
A Mata Atlântica abrangia uma área equivalente a 1.315.460 km2 e
estendia-se originalmente ao longo de 17 Estados (Rio Grande do Sul,
Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio de
Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Sergipe, Paraíba,
Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí).

Hoje, restam 7,91% de remanescentes florestais acima de 100 hectares do


que existia originalmente. Somados todos os fragmentos de floresta nativa
acima de 3 hectares, temos atualmente 11%. É um dos hotspots6 mundiais,
ou seja, uma das áreas mais ricas em biodiversidade e mais ameaçadas
do planeta; foi também decretada Reserva da Biosfera pela Unesco e
Patrimônio Nacional, na Constituição Federal de 1988. A composição
original da Mata Atlântica é um mosaico de vegetações definidas como
florestas ombrófilas densa, aberta e mista; florestas estacionais decidual
e semidecidual; campos de altitude, mangues e restingas. Seu clima é
subtropical e tropical.

6. Hotspot é um conceito definido pela Conservation International e designa as áreas naturais


com duas características básicas: apresentam elevada biodiversidade e já foram destruídas
em 80% ou mais de sua área original.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 57


Segundo dados atualizados do Atlas dos Remanescentes Florestais
A MATA ATLÂNTICA EM NÚMEROS da Mata Atlântica, publicado pela SOS Mata Atlantica em 23/5/19, a
área abriga cerca de 72% da população, sete das nove maiores bacias
hidrográficas do país e três dos maiores centros urbanos do continente
sul americano. Das 633 espécies de animais ameaçadas de extinção no
Brasil, 383 ocorrem na Mata Atlântica. Neste bioma vivem mais de 20 mil
Habitantes espécies de plantas, sendo 8 mil endêmicas, 270 espécies conhecidas
72%
da população
112 milhões brasileira de mamíferos, 992 de pássaros, 197 de répteis, 372 de anfíbios e 350 de
peixes. A maior parte das espécies de animais brasileiros ameaçados de
extinção são originários da Mata Atlântica, como os micos-leões, a lontra,
a onça-pintada, o tatu-canastra e a arara-azul-pequena. Além desta lista,
Plantas Peixes também vivem na região gambás, tamanduás, preguiças, antas, veados,
20 mil 350 espécies cotias, quatis, etc. O primeiro parque nacional brasileiro foi criado em uma
espécies área de Mata Atlântica, em 14 de junho de 1937. O Parque Nacional de
Itatiaia fica entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais e abriga 360
espécies de aves (incluindo gaviões, codornas e tucanos) e 67 espécies de
mamíferos (como a paca, macacos e preguiças).
Anfíbios Mamíferos
372 espécies 270 espécies

Répteis Aves
197 espécies 992 espécies

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 58


CAATINGA
Ocupando quase 10% do território nacional, com 736.833 km², a Caatinga
abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco,
Sergipe, Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais.
Região de clima semiárido e solo raso e pedregoso, embora relativamente
fértil, o bioma é rico em recursos genéticos dada a sua alta biodiversidade.
O aspecto agressivo da vegetação contrasta com o colorido diversificado
das flores emergentes no período das chuvas, cujo índice pluviométrico
varia entre 300 e 800 milímetros anualmente.

No meio de tanta aridez, a Caatinga surpreende com suas “ilhas de


umidade” e solos férteis. São os chamados brejos, que quebram a
monotonia das condições físicas e geológicas dos sertões. Nessas ilhas
é possível produzir quase todos os alimentos e frutas peculiares aos
trópicos do mundo. Essas áreas normalmente localizam-se próximas às
serras, onde a abundância de chuvas é maior.

Estudos recentes mostram que cerca de 327 espécies animais são


endêmicas (exclusivas) da Caatinga. São típicos da área 13 espécies de
mamíferos, 23 de lagartos, 20 de peixes e 15 de aves. Entre as plantas há
323 espécies endêmicas. Cerca de metade da paisagem de Caatinga já foi
deteriorada pela ação do homem. De 15% a 20% do bioma estão em alto
grau de degradação (com risco de desertificação). Calcula-se que 80% do
ecossistema original já foram transformados em cultivos e pastagens. Na
estação seca a temperatura do solo pode chegar a 60ºC.

O uso do fogo é muito comum no preparo da terra, o que ameaça cada


vez mais a fauna silvestre e compromete o equilíbrio do clima, do solo e a
qualidade da água.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 59


CERRADO
O Cerrado é a segunda maior formação vegetal brasileira, superado
apenas pela Floresta Amazônica. São 2 milhões de km2 espalhados pelos
estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e partes
de Minas Gerais, Bahia e Distrito Federal, ou 23,1% do território brasileiro.
O Cerrado é uma savana tropical na qual a vegetação herbácea coexiste
com mais de 420 espécies de árvores e arbustos esparsos.

O Cerrado tem a seu favor o fato de ser cortado por três das maiores
bacias hidrográficas da América do Sul (Tocantins, São Francisco e Prata),
favorecendo a manutenção de uma biodiversidade surpreendente.
Estima-se que a flora da região possua 10 mil espécies de plantas
diferentes (muitas usadas na produção de cortiça, fibras, óleos,
artesanato, além do uso medicinal e alimentício). Isso sem contar as
759 espécies de aves que se reproduzem na região, 180 espécies de
répteis, 195 de mamíferos, sendo 30 tipos de morcegos catalogados na
área. O número de insetos é surpreendente: apenas na área do Distrito
Federal há 90 espécies de cupins, mil espécies de borboletas e 500 tipos
diferentes de abelhas e vespas.

O Cerrado tem um clima tropical com uma estação seca pronunciada.


A topografia da região varia entre plana e suavemente ondulada,
favorecendo a agricultura mecanizada e a irrigação. Estudos recentes
indicam que cerca de 20% do Cerrado ainda possui a vegetação nativa
em estado relativamente intacto. Aproximadamente 40% conserva
parcialmente suas características iniciais e outros 40% já as perderam
totalmente.

O Cerrado é considerado o “berço das águas” ou “caixa d’água do Brasil”,


por abrigar as nascentes de importantes bacias hidrográficas da América

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 60


do Sul - Platina, Amazônica e São Francisco. Além disso suas, raízes
profundas e a relação deste sistema radicular com o solo, mantém as
condições ideais para recarga do lençol freático e aquíferos.

O Cerrado é uma savana tropical na qual a vegetação herbácea coexiste


com mais de 420 espécies de árvores e arbustos esparsos. O solo,
antigo e profundo, ácido e de baixa fertilidade, tem altos níveis de ferro e
alumínio.

Este bioma também se caracteriza por suas diferentes paisagens, que


vão desde o cerradão (com árvores altas, densidade maior e composição
distinta), passando pelo cerrado mais comum no Brasil central (com
árvores baixas e esparsas), até o campo cerrado, campo sujo e campo
limpo (com progressiva redução da densidade arbórea).

O excesso de alumínio e a alta acidez do solo diminuem a disponibilidade


de nutrientes às plantas, tornando-o tóxico para plantas não adaptadas. A
baixa fertilidade e a elevada toxicidade do solo são associadas ao nanismo
e a tortuosidade da vegetação (hipótese do oligomorfismo distrófico).
Outra hipótese é relacionada ao fogo. O fogo mata alguns brotos, de
modo que os galhos estão sempre crescendo numa direção diferente e
isto acarreta no crescimento tortuoso do tronco das plantas do Cerrado.

Depois da Mata Atlântica, o Cerrado é o ecossistema brasileiro que mais


sofreu alterações com a ocupação humana. Um dos impactos ambientais
mais graves na região foi causado por garimpos, que contaminaram os
rios com mercúrio e provocaram o assoreamento dos cursos de água
(bloqueio por terra). A erosão causada pela atividade mineradora tem
sido tão intensa que, em alguns casos, chegou até mesmo a impossibilitar
a própria extração do ouro rio abaixo. Nos últimos anos, contudo, a
expansão da agricultura e da pecuária representa o maior fator de risco
para o Cerrado. Apenas 0,85% do Cerrado encontra-se oficialmente em
unidades de conservação.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 61


PANTANAL
O Pantanal é a planície de inundação contínua mais importante da
América do Sul. Ao todo, a bacia transfronteiriça, abrange uma área de
624.320 km2, sendo aproximadamente 62% no Brasil (localizado no sul do
Mato Grosso e noroeste do Mato Grosso do Sul), 20% na Bolívia e 18% no
Paraguai. Para a conservação do Pantanal, é importante levar em conta
a bacia hidrográfica como um todo e não só a planície alagável. Afinal,
tudo está interligado. O equilíbrio ambiental e os processos ecológicos do
Pantanal são determinados por eventos, naturais ou não, que ocorrem
nas partes altas da bacia hidrográfica. A água que nasce nas partes altas
corre para baixo, para a planície inundável, carregando o que estiver
pelo caminho. É o pulso das águas que dita o ritmo da vida, dinâmico,
complexo e delicado. Há duas estações bem definidas: a seca e a chuvosa.

O Pantanal possui uma rica biodiversidade. É o berço 4.700 espécies


entre animais e plantas. Entre as espécies levantadas estão 3.500 plantas
(árvores e vegetações aquáticas e terrestres), 263 espécies de peixes, 122
de mamíferos, 93 de répteis, 656 de aves e 1.032 de borboletas.

Enquanto a planície inundável mantém 86,6% da sua cobertura vegetal


natural, apenas 43,5% da área possui vegetação nativa. O regime de
inundações é o responsável pelo ciclo da vida no Pantanal, garantindo
as condições para que animais e plantas se desenvolvam em toda a sua
plenitude.

Por isso, a preservação das nascentes nas partes altas da Bacia e a


adoção de práticas de produção econômica que não agridam ao meio
ambiente são fundamentais para a conservação da planície inundável.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 62


BIODIVERSIDADE - PANTANAL

Plantas Borboletas
3500 espécies 1032 espécies

656 espécies
Animais e Plantas
Mamíferos
Aves
122 espécies 656 espécies

Peixes
263 espécies Répteis
93 espécies

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 63


ECOSSISTEMAS COSTEIROS
A Zona Costeira brasileira é extensa e variada. O Brasil possui uma linha
contínua de costa com mais de 8 mil quilômetros de extensão, uma das
maiores do mundo. Ao longo dessa faixa litorânea é possível identificar
uma grande diversidade de paisagens como dunas, ilhas, recifes, costões
rochosos, baías, estuários, brejos e falésias. Dependendo da região, o
aspecto é totalmente diferente do encontrado a poucos quilômetros de
distância. Mesmo os ecossistemas que se repetem ao longo do litoral -
como praias, restingas, lagunas e manguezais - apresentam diferentes
espécies animais e vegetais. Isso se deve, basicamente, as diferenças
climáticas e geológicas. O litoral está quase todo voltado para o Atlântico
Sul. Porém, uma pequena parcela (no extremo norte do país) debruça-se
sobre o Mar do Caribe.

O litoral amazônico, que vai da foz do Rio Oiapoque ao Rio Parnaíba, é


lamacento e tem em alguns trechos mais de 100 km de largura. Apresenta
grande extensão de manguezais, assim como matas de várzeas de marés.
Jacarés, guarás e muitas espécies de aves e crustáceos são alguns dos
animais que vivem nesse trecho.

O litoral nordestino começa na foz do Rio Parnaíba e vai até o Recôncavo


Baiano. É marcado por recifes calcáreos e arenitos, além de dunas que,
quando perdem a cobertura vegetal que as fixa, movem-se com a ação
do vento. Há ainda nessa área manguezais, restingas e matas. Nas águas
do litoral nordestino vivem tartarugas e o peixe-boi marinho, ambos
ameaçados de extinção.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 64


O litoral sudeste segue do Recôncavo Baiano até São Paulo: a área mais
densamente povoada e industrializada do país. Suas áreas características
são as falésias, recifes, arenitos e praias de areias monazíticas (mineral de
cor marrom escura). É dominado pela Serra do Mar e tem a costa muito
recortada, com várias baias e pequenas enseadas. O ecossistema mais
importante dessa área é o das matas de restingas. Nessa parte do litoral
é possível encontrar espécies como a preguiça-de-coleira e o mico-sauá,
dois animais ameaçados de extinção.

O litoral sul começa no Paraná e termina no Arroio Chuí, no Rio Grande


do Sul. Cheio de banhados e manguezais, o ecossistema da região é
riquíssimo em aves, mas há também outras espécies: ratão-do-banhado,
lontras, capivaras etc.

Há muito ainda para se conhecer sobre a dinâmica ecológica do litoral


brasileiro. Complexos sistemas costeiros distribuem-se ao longo da costa,
fornecendo áreas para a criação, crescimento e reprodução de inúmeras
espécies de flora e fauna.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 65


CAMPOS SULINOS
Este bioma ocupa áreas no Brasil (Rio Grande do Sul e Santa Catarina),
Uruguai e Argentina. De um modo geral, o campo limpo é destituído
de árvores, com uma composição bastante uniforme e com arbustos
espalhados e dispersos. O solo é revestido de gramíneas, subarbustos e
ervas.

Entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, os Campos formados por


gramíneas e leguminosas nativas se estendem como um tapete verde por
uma região de mais de 200 mil km2. Nas encostas, esses campos tornam-
se mais densos e ricos. Nessa região, com muita mata entremeada,
as chuvas distribuem-se regularmente pelo ano todo e as baixas
temperaturas reduzem os níveis de evaporação. Tais condições climáticas
favorecem o crescimento de árvores.

Na parte brasileira do bioma, existem cerca de 3.000 espécies de plantas


vasculares, sendo que aproximadamente quatrocentas são gramíneas,
como capim-mimoso, pelo menos 385 espécies de aves, como pica-paus,
caturritas e anus-pretos e 90 de mamíferos terrestres, como guaraxains,
veados e tatus.

Atualmente os campos, que já representaram 2,4% da cobertura vegetal


do país, são amplamente utilizados para a produção de arroz, milho, trigo
e soja, às vezes em associação com a criação de gado. A desatenção com
o solo, entretanto, leva à desertificação, registrada em diferentes áreas do
Rio Grande do Sul.

A região coberta pelos campos sulinos apresenta clima subtropical, com


temperaturas amenas e chuvas regulares, sem grande alteração durante
o ano.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 66


ZONAS DE TRANSIÇÃO
Algumas zonas com características específicas, existentes entre os
principais biomas brasileiros, foram identificadas e separadas para
facilitar as tarefas e esforços de conservação. Juntas, as áreas de transição
compreendem um território de aproximadamente 675.000 km². Uma
delas é a transição entre o Cerrado e a Amazônia, com área de 414.007
km2, envolvendo as florestas secas do Mato Grosso. As florestas de
babaçu do Maranhão também foram separadas, na zona de transição
Amazônia-Caatinga, com área de 144.583 km2. Finalmente, também
foi classificada separadamente a zona encontrada entre a Caatinga e o
Cerrado, com 115.108 km2 de área.

Entre a Amazônia e o Cerrado está localizada a Mata Seca, ou floresta


mesófila semidecídua. Representa uma forma florestal de manchas
inclusas com características comuns do Cerrado, sendo por vezes
contornadas ou ladeadas por manchas desse bioma. Quase sempre
seus maciços ocorrem em locais afastados dos cursos de água ou da
umidade permanente, em terrenos ondulados ou planos. No entanto, os
maciços tornam-se menos frequentes nos declives e dorsos das elevações
acentuadas.

O babaçu (Orbignya phalerata) é uma palmeira nativa das regiões norte


e nordeste do Brasil. Compõe extensas florestas, ocupando áreas onde
a floresta primária foi desmatada. Além do nome babaçu, também é
conhecida por bagassú, aguassú e coco de macaco. Ocorre em uma zona
de transição entre as florestas úmidas da bacia amazônica e as terras
semiáridas do Nordeste brasileiro.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 67


O clima nessa área é bem mais úmido do que na Caatinga, com vegetação
mais exuberante a medida que se avança para o oeste. A vegetação
natural é a mata dos cocais, onde se encontra a palmeira babaçu, da qual
é extraído óleo utilizado na fabricação de cosméticos, margarinas, sabões
e lubrificantes. A economia local é basicamente agrícola, predominando as
plantações de arroz nos vales úmidos do estado do Maranhão. Na década
de 80, no entanto, teve início o processo de industrialização da área,
com a instalação de indústrias que constituem extensões dos projetos
minerais da Amazônia.

Já na transição entre o Cerrado e a Caatinga pode observar-se uma


vegetação mais rica que a da Caatinga, com florestas de árvores de folhas
secas. Naturalmente, o clima é mais seco que o do Cerrado, com solo
mais ressecado e períodos mais intensos sem chuva. A maior parte desta
área está na fronteira do Cerrado com o sertão, no interior de estados
nordestinos.

Fonte: http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/biomas/

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 68


CONSTRUIR UMA ÁRVORE
Raízes transversais: Escolha pessoas de cabelos compridos que
Peça que a classe faça uma grande roda e diga que farão a pareçam não se importar em deitar no chão. Peça às “raízes
representação de uma árvore. Revise com eles quais as partes de transversais” para que deitem de costas, com os pés de encontro ao
uma árvore. É importante que todos participem, portanto calcule o tronco e o corpo estendendo-se para fora da árvore. Diga-lhes: “Vocês
número de alunos para cada uma das partes: raiz principal, raízes são as raízes transversais. Como vocês existem outras centenas. Vocês
transversais, cerne, xilema, floema e a casca. Siga as orientações: crescem superficialmente, ao redor de toda a árvore como os galhos,
só que por debaixo da terra. Vocês também ajudam a manter a árvore
Cerne: Para começar, escolha dois ou três participantes altos e que de pé. Em suas extremidades existem raízes muito finas”. Neste
aparentam ser fortes e peça-lhes para que representem o cerne. momento, ajoelhe-se ao lado de uma das raízes, espalhe os cabelos
Eles devem ficar de pé, um de costas para o outro. Diga ao restante das raízes superficiais ao redor da cabeça e continue narrando; “As
do grupo: “Este é o cerne – a parte mais interna e forte da árvore. A árvores possuem milhares de quilômetros de raízes capilares que
função do cerne é manter o tronco e os galhos na vertical de forma cobrem cada centímetro quadrado de solo em que crescem. Quando
que as folhas possam receber luz solar. O cerne é um tecido morto, elas sentem que há água por perto, suas células crescem em direção
mas bem preservado; quando vivo, seus milhares de pequenos vasos a ela e a sugam. As pontas das raízes capilares possuem células tão
carregavam a água para cima e o alimento para baixo, mas agora duras quanto um capacete. Gostaria que as raízes demonstrassem
estão todos entupidos de resina”. Diga aos que interpretam o cerne o barulho que fazem ao sorver a água para cima. Quando eu disser:
que sua função é ser “alto e forte”. Sorvam! vocês fazem assim (emita o som de sorver bem alto). Agora
então, vamos ouvir vocês sorverem!”
Raiz principal: Em seguida, escolha várias pessoas para representarem
a raiz principal. Peça para que se sentem de costas para a base do Xilema: Peça para que um pequeno grupo interprete o xilema. Escolha
cerne, dizendo: “vocês são uma raiz muito comprida, chamada raiz um número suficiente de pessoas para formar um círculo completo
principal. Fixem-se bem fundo ao solo – por cerca de nove metros. A em torno do cerne. Olhando para dentro de mãos dadas, peça-lhes
raiz principal permite que a árvore obtenha água do solo profundo, e que tomem cuidado para não pisarem nas raízes! Diga-lhes: “Vocês
também a ancora firmemente ao solo. Quando vêm as tempestades, são a parte da árvore chamada xilema. Vocês conduzem a água das
a raiz principal impede que ventos fortes carreguem-na”. Lembre-se raízes para os galhos mais altos. Vocês são a bomba mais eficiente
de sempre informar que nem todas as árvores possuem raiz principal, que existe no mundo, sem nenhuma parte móvel. Vocês são capazes
mas que esta possui. de elevar centenas de litros de água por dia a uma velocidade de mais
de 160 quilômetros por hora. Depois que as raízes sorverem a água do
solo, a função de vocês é conduzi-la para o alto da árvore. Quando eu

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 69


disser: Conduzam a água para cima!, vocês fazem assim: Uiiii! Faça todos os sons e movimentos com todas as partes, na seguinte
(levantando os braços para cima). Vamos praticar! Primeiro as raízes ordem: “Vamos sorver!” “Vamos produzir alimento!” “Conduzam a
sorvem a água. “Vamos sorver!” Logo em seguida, peça ao xilema: água para cima!” “Conduzam o alimento para baixo!”
“Conduzam a água para cima! Uiiii!”
Peça ao restante dos participantes que atuem como casca. Eles
Floema: Selecione mais algumas pessoas para representarem o devem formar uma roda em torno da árvore, olhando para fora. Diga-
floema. Peça que formem um círculo em torno do xilema com as mãos lhes: “Vocês são a casca. De que tipo de perigos vocês protegem as
dadas e com a face virada para dentro. Fale: “A partir de vocês em árvores?”
direção ao interior, existe uma camada de tecido que se chama floema
que é a parte da árvore que cresce. Todos os anos uma nova camada Sugira os exemplos: fogo, insetos, mudanças bruscas de temperatura,
é adicionada ao xilema e floema. Uma árvore cresce de dentro para meninos e meninas usando canivetes. Diga à casca como ela deve
fora, a partir de seu tronco, e também a partir das pontas de suas proteger a árvore: “Levantem os braços como se estivesse em posição
raízes e galhos. Não é como o crescimento dos cabelos humanos”. defensiva, com os cotovelos dobrados e os punhos próximos ao peito.
(Pausa) Estão ouvindo um som alto e agudo? É um buprestídeo, um
“Atrás de vocês, em direção à parte de fora está o floema. Esta é inseto que destrói árvores e que está muito faminto. Verei o que posso
a parte que conduz o alimento produzido pelas folhas para toda fazer para acabar com isto. Se eu não voltar, vocês é que terão de
a árvore. Vamos transformar nossas mãos em folhas.” Deixe que detê-lo”.
estiquem os braços para cima e para fora de modo que entrelacem
braços, antebraços e os pulsos, deixando as mãos livres para Esconda-se atrás de uma árvore e reapareça fingindo ser um
balançarem como folhas. buprestídeo. Exagere na interpretação fazendo cara de bravo, usando
dois gravetos como antenas e balançando a cabeça para frente e
Quando eu disser: “Vamos produzir alimento!”, levantem seus braços para trás. Aponte suas antenas e mire seu longo focinho em direção
e balancem as folhas absorvendo a energia do sol e produzindo à árvore. Agora, corra ou caminhe rapidamente ao redor da árvore
alimento. E quando eu disser: “Conduzam o alimento para baixo!”, fingindo que está tentando penetrar na camada protetora da casca. A
você devem falar: “Uoooo!” (emita um som de “Uoooo!” decrescente “casca” deverá tentar afastar você.
e longo enquanto você flexiona os joelhos e se agacha soltando os
braços e o corpo em direção ao chão). “Vamos praticar!” Enquanto você rodeia a árvore, oriente para que as outras partes do
grupo representem suas funções. Em sequência, diga os comandos
para todas as partes, em voz alta. Faça a sequência três ou quatro
vezes. Os comandos para as partes da árvore são:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 70


Da primeira vez diga: “Cerne, permaneça alto e forte!” e “Fique firme
casca!”: 1) “Raízes, sorvam” 2) “Folhas, produzam alimentos!” 3)
“Xilema, conduza a água para cima!” 4) “Floema, conduza o alimento
para baixo!”

Depois desta primeira rodada, apenas diga os comandos sem falar


o nome das partes da árvore. Quando tiver acabado, sugira que os
participantes dêem um grande abraço por terem construído uma
árvore tão bela. E ajude as raízes a se levantarem do chão! HABITAT

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 2. São Paulo. 2008. Pg 80 Para esta atividade divida a classe em grupos de cinco
participantes.

Peça para cada grupo escolher um habitat natural e organizar


uma representação em que cada participante será um elemento
desse ambiente. Dê alguns minutos para eles ensaiarem.
Determine um local para ser o “palco” onde cada grupo se
apresentará.

Enquanto cada grupo se apresenta, os outros assistem em


silêncio, sem falar o que adivinhou até que a atuação seja
finalizada. Esta atividade pode ser feita ao ar livre, ou em sala
de aula.

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 2. São Paulo. 2008. Pg 92

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 71


O cheiro das folhas caídas, dos brotos, dos pequenos animais, da brisa
PERSONIFICAR UMA ÁRVORE
que sopra do oceano e das sementes e flores vai se transformando à
medida que se você aproxima do coração da mata.
Pode ser praticada ao ar livre ou em ambientes fechados. Ao ar
livre, procure uma clareira dentro da mata, e parem debaixo de uma
Você caminha até chegar à parte mais aberta da trilha.
árvore grande. Peça aos participantes que se espalhem sob a árvore
e permaneçam de pé com os olhos fechados, próximos o suficiente de
Agora você pára e sente a firmeza de seus pés em contato com o solo.
você para que possam ouvi-lo. Diga-lhes que eles irão experienciar a
Vira-se em direção ao raio de sol que penetra os galhos da floresta e
vida de uma árvore durante um ano inteiro – verão, outono, inverno e
sente se transformar em uma imponente árvore desta mata.
primavera. Na realidade eles se tornarão uma árvore.

Com os pés paralelos aos ombros, sinta sua imensa raiz principal
Enquanto você faz a narração, as “árvores” podem manter seus braços
descer abaixo do quadril... alcançando os joelhos... solas dos pés até
levantados como galhos, ou apenas permanecer paradas de pé com
atravessar as folhas que se decompõem no solo e penetrar na terra
os olhos fechados, mentalizando. Com crianças mais jovens, fazer
úmida. Deixe que ela penetre na terra até atingir uma profundidade
movimentos (por exemplo, durante as “tempestades” de inverno)
de 9 metros.
ajuda a canalizar a agitação.

Agora comece a estender suas raízes transversais em todas as


Caso não se lembre ou não tiver tempo para ler a narração completa,
direções, pouco abaixo da superfície do solo. Estenda-as para a
não se preocupe. Se memorizar poucos detalhes evidentes de cada
esquerda... para a direita... para frente... e para trás. Estenda-as para
fase do ciclo de vida de um ano da árvore, você verá que pode superar
cada vez mais longe. (Pausa)
os ocasionais lapsos de memória falando de improviso.

O solo da floresta é pobre e fornece principalmente a sua sustentação.


Com crianças mais jovens e outros grupos pouco concentrados,
A maior parte dos nutrientes estão armazenados na matéria
encurte a sua apresentação omitindo fatos secundários, e reduzindo
orgânica viva e morta da floresta. Por isso, suas raízes aéreas são tão
as descrições de ambientações. Sua habilidade com Personificar uma
importantes. Núcleos de bactérias se formam e ajudam as raízes a
Árvore melhorará a cada vez que aplicá-la.
assimilar os nutrientes.

Comece a narração:
Leve água com os nutrientes para cima e distribua-a por todo seu
Com os olhos fechados, imagine-se caminhando por uma trilha da
corpo. Sinta como ela sobe, primeiro em minúsculos jatos, e depois
floresta. Uma fina névoa evapora do solo quente no alvorecer de uma
como se fosse um imenso rio.
linda manhã. As gotas de orvalho recobrem toda a vida ao seu redor.

É verão, época das chuvas e intenso calor. Você se delicia com a água
morna da chuva que cai todas as tardes. (Pausa)

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 72


Suavemente, incline-se para frente e para trás. Sinta como você está Sinta novamente suas raízes crescendo e absorvendo água e nutrientes.
firmemente enraizado na terra. (Pausa) Mentalmente olhe para o seu
tronco largo e veja quão grande e redondo você é. (Pausa) Sua casca é Sinta os animais que convivem com você. As formigas, os cupins, os
lisa ou áspera? É escura ou clara? (Pausa) Quais outras formas de vida mosquitos, borboletas, libélulas.
habitam e você? Bromélias? Liquens? Orquídeas? (Pausa)
Conforme a estação da seca se aproxima, a temperatura vai baixando
Agora, acompanhe o seu tronco para o alto até que você chegue nos podendo chegar até os 10ºC. Os dias são mais curtos e a umidade pode
galhos maiores. Siga-os à medida que se dividem em galhos cada vez ser sentida ora com mais intensidade, ora com menos. Nesta época,
menores e se espalham pelo céu. você perde grande parte de suas folhas e começa a florir.

Observe suas folhas. Quantos tons de verde elas têm? Qual o seu Agora você está em flor. Qual é a sua cor predominante? Qual o seu
tamanho? São pontudas? E a sua copa? Que desenho ela forma? Ela é cheiro? Suas flores têm que textura? Numerosos insetos, morcegos e
redonda? Em quais direções crescem seus galhos? Você pode observar beija-flor vêm participar do seu processo de polinização. Bandos de
as outras espécies de árvores que estão muito próximas a você? macacos, passeiam pelos teus galhos. Há várias semanas um bicho
preguiça abraçou um de seus galhos.
As nuvens se formam densas acima de sua copa. Em breve a chuva
cairá torrencialmente. Olhe para o chão coberto de folhas, formando Após a florada, novas folhas se formam e vagens e frutos são lançados
diversos tons marrons. A chuva cai em seus galhos e tronco que ficam ao solo.
completamente encharcados. A floresta escureceu rapidamente e é
possível ouvir galhos rompendo, trovoadas e muitas aves procurando Toda a vida animal depende de você para obter alimento, abrigo e
abrigo. Ouça os pingos das chuvas caindo de galho em galho até o bem-estar.
chão. (Pausa)
Estenda seus galhos para todos os seres da floresta, num espírito de
Agora, a chuva começa a cessar. Observe seus brotos de folhas novas. proteção e amor. Sinta que vocês compartilham da unidade da vida,
Abra-se completamente em direção aos últimos raios de sol e receba com beleza e harmonia.
a sua energia. Sinta o quanto ele te sustenta. Conduza a energia dos
nutrientes para toda a árvore. CORNELL, J. Vivências com a Natureza 2. São Paulo. 2008. Pg 124

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 73


ENCONTRE ALGUÉM QUE...

Peça que os alunos fiquem de pé com um lápis-borracha em mãos. • Conhece pelo menos uma espécie animal ameaçada de extinção
Distribua-lhes questionários impressos como no modelo abaixo. Sinta- Nome da espécie.
-se à vontade para criar seu próprio questionário de acordo com o
conteúdo que estiver trabalhando com os alunos. Cada aluno deverá • Se tivesse que se tornar uma planta ou animal, qual seria
entrevistar as outras pessoas do grupo, fazendo as perguntas e Nome da planta ou animal
marcando
seus nomes nos espaços disponíveis toda vez que encontrar • Sabe recitar um poema, uma citação ou cantar uma música que fale
alguém que responde positivamente ao item. Diga-lhes para tentarem de Natureza
marcar o nome de cada pessoa na lista ao menos uma vez, mas que
não se estendam por muito tempo com ninguém em particular. Esta • Já visitou uma área de brejo
atividade pode ser feita ao ar livre, ou em sala de aula.
• Sabe dizer qual o principal ecossistema do Nordeste do Brasil
SUGESTÃO DE QUESTIONÁRIO
Encontre alguém que: • Tem uma atividade favorita para praticar ao ar livre
• Já comeu um fruto típico da Amazônia
Nome do fruto • Sabe dizer qual a maior planície inundável da América Latina

• Conhece pelo menos três animais da Mata Atlântica • Sabe o principal bioma de seu município
Nome dos animais
CORNELL, J. Vivências com a Natureza 2. São Paulo. 2008. Pg 94
• Sabe em qual lua estamos

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 74


Anote aqui os resultados de suas experiências com os alunos, sugeridas neste item. Quais das atividades
sugeridas você mais gostou? Observe os resultados de cada uma delas e registre neste espaço.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 75


CONVIVENDO COM A PARTE 4
NATUREZA
Este capítulo tem sinergia com os ODS:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 76


4.1 - A FLORESTA E A ESCOLA
Considerando que o principal local de interação do professor com seus
alunos é a escola, vamos, antes de mais nada, relacionar o que a escola
tem a ver com a floresta. Ou melhor, o que a floresta pode ensinar sobre
a formação de um ambiente de aprendizagem. Como em tudo na vida, um
aprendizado prazeroso e duradouro depende de um ambiente receptivo,
leve e alegre.

Como é o ambiente de sua escola? E das salas de aula em que você


trabalha? Tem boa iluminação? Como é a ventilação? Como ficam
dispostas as carteiras? É bonito? O que ele tem de agradável? O que
tem de desagradável? Em que pode melhorar? A presença de plantas
costuma melhorar ou piorar a qualidade de um ambiente? Que sensações
e estímulos perceptivos são oferecidos para os professores e os alunos?
As sensações são em sua maior parte prazerosas ou penosas? O
ambiente escolar tem ajudado a dar vitalidade a todos ou a torna sofrível,
enfraquecendo-a?

Essas questões não têm nada a ver com o currículo da escola, mas
são essenciais para que ele faça sentido e alcance seus objetivos. São
questões relacionadas ao “ambiental” da escola. Sem uma boa qualidade
ambiental dentro da escola, dificilmente um projeto de educação
ambiental ultrapassará os limites dos atos repetitivos e mecanizados,
desprovidos de sentido. Melhorar o ambiente da escola já representa um
grande avanço em direção à melhora da qualidade de vida no planeta.

Melhorar o ambiente não significa apenas pintar as paredes, colocar


plantas, desenhos e quadros bonitos, modificar a disposição das carteiras
e outros móveis, melhorar a iluminação ou a ventilação. Significa também
melhorar as relações entre as pessoas. Como as pessoas se relacionam?
São cooperativas e solidárias? Há boa cooperação na organização dos
espaços da escola? Têm oportunidade de expressar suas emoções,

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 77


sejam elas negativas ou positivas? E quanto aos sons? São controlados e cultivos de alimentos em larga escala, florestas homogêneas, mineração
e respeitosos das diversidades entre as pessoas? Como o lixo é cuidado? e áreas urbanas. Em alguns lugares as matas originais foram protegidas
As pessoas colaboram para a limpeza do ambiente? As pessoas cuidam por lei. No Brasil, as áreas de floresta nativa inseridas em unidades de
umas das outras? As pessoas são amigas ou vivem disputando? Estas são proteção integral não chegam a 10% do nosso território.As crianças
questões que garantem um bom ambiente no sentido das coisas invisíveis se desenvolvem hoje em ambientes muito artificializados e, na maioria
que também regem o nosso bem-estar e garantem um ambiente favorável dos casos, degradados. Apesar da predominância de um mundo pouco
para o convívio e para a aprendizagem. Propiciam experiências positivas e é alentador, onde impera o individualismo, a competição e a destruição,
nelas que o potencial transformador de uma instituição se afirma. ainda acreditamos que é possível educar as crianças para uma vida
alegre, saudável e solidária, se quisermos. Há muitas coisas simples e
Apresentamos, algumas páginas atrás, uma breve história das florestas. profundamente significativas, bem à mão dos educadores.
O final dessa história já sabíamos: elas foram eliminadas na maior
parte da superfície do planeta, tendo sido substituídas por pastagens, Vamos a elas:

a) Dê-lhes a oportunidade de estar ao ar livre, estimulando o contato Que os seres humanos não são os donos do céu nem da terra, mas
com a terra (ficando descalços e com roupas leves), e com o céu sim que pertencemos a eles; que a ideia de que pertence a nós tudo
(observando o caminho das sombras, as diferenças entre as estações, que não é humano - as terras, as águas, os vegetais, os animais, os
as temperaturas e as estrelas). Isso pode parecer uma atividade minerais - decorre de uma separação artificial entre seres humanos
de lazer, mas ao mesmo tempo pode ser um momento de intenso e Natureza (confira a Carta do Chefe Seattle, no Apêndice 2); que
aprendizado de português, história, ciências ou geografia, se você se fazemos parte da Natureza e não nos damos conta disso na maior
permitir dar uma volta no entornoda escola em local com terra para parte do tempo; e a respeitar a Natureza ao conviverem com ela e
que caminhem descalços por 5 minutos, parem para sentir o chão, o perceberem/sentirem que pertencem a ela.
contato, e para observar a própria respiração, os cheiros, a brisa, a
temperatura. Para observar como se sentem. A água, a terra e o ar b) Utilizar o espaço externo da escola para atividades de semear,
são fontes fundamentais de vida e de energia. Esse simples momento plantar, cuidar, colher e consumir alimentos, relacionando essas
de centramento pode facilitar muito o seu trabalho de transmitir atividades com as disciplinas. Dividir tarefas, planejar e organizar as
os conhecimentos planejados, tornando o processo de ensino/ atividades externas também propiciam grande aprendizado. Estas
aprendizagem muito mais prazeroso. atividades podem absorver o tempo de uma aula inteira ou apenas
servir de momento de aquecimento e envolvimento, preparando os
Com esse exercício eles podem aprender: alunos para a aula, que poderá ser dada ali mesmo ao ar livre, ou
voltando para a sala de aula.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 78


Como tem sido sua experiência de estar ao ar livre com os alunos? Você pode desenhar abaixo uma
vista do espaço aberto da escola. O que há nele? O que está precisando de cuidados? O que poderia
ser melhor aproveitado?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 79


4.2 - SOCIEDADES E NATUREZA
Mesmo para quem vive nas cidades atualmente, é possível
As primeiras civilizações, que surgiram há cerca de 7 mil anos, foram resgatar esse sentimento de pertencimento e de respeito
gradualmente crescendo e substituindo as culturas tribais que a um lugar. Proponha os seguintes exercícios com seus
funcionavam dentro de uma lógica mais integrada e menos dominadora alunos: (para cada um destes itens você pode fazer uma
em relação tanto à Natureza quanto a outros povos. Felizmente, o “Excursão” específica).
mundo civilizado, apesar da agressividade com que investiu sobre os
demais povos nos diversos períodos de desenvolvimento das grandes 1 - Desenhe o perfil do solo da área do entorno da
civilizações, não conseguiu exterminar todos os outros povos que viviam escola;
e vivem de outra forma. Essa outra forma de viver destes outros povos 2 - Escolha um canto do prédio da escola e faça o
diferencia-se da nossa por – entre inúmeras razões – sua relação com o desenho da sombra que ali é formada, durante todo
mundo natural. Um dos aspectos marcantes de muitas culturas com as o ano letivo. Há variações? Em que época do ano as
quais compartilhamos o Planeta é o fato de encararem os outros seres sombras são maiores? Sabem explicar por quê?
vivos como seres que existem num mesmo nível de importância que eles 3 - Quando há nuvens no céu, onde estão o Sol, a Lua e
próprios, formando uma relação de parceria entre todos. as estrelas?
4 - De qual direção vêm geralmente as tempestades em
Os povos indígenas atuais correspondem a aproximadamente 300 sua região?
milhões de pessoas, e ocupam cerca de 20% da superfície do planeta; a 5 - Liste 5 pássaros que vivem em sua região. Você sabe
maioria deles está em territórios por eles ocupados desde suas origens. qual deles é migratório e quais não são?
Esses territórios apresentam quase sempre suas características naturais 6 - Para onde vai o lixo de sua casa? E o de sua escola?
conservadas, em que as alterações para uso humano foram feitas de 7 - Como era a sua região há 100 anos?
forma a manter a dinâmica dos ecossistemas em equilíbrio. Sua maneira 8 - Que espécies de animais e de plantas foram extintas
de pensar o mundo, a vida, a morte, a Natureza e o sentido da vida em sua região?
humana é refletida em suas ações e em suas diversificadas e sofisticadas 9 - Qual é a maior área silvestre de sua região? Você já
maneiras de realizar suas intervenções e de explicá-las. foi visitá-la?
10 - Como é a sua relação com o lugar onde você vive e
A grande diversidade de formas de realização dessa imersão revela trabalha?
a liberdade que os seres humanos sempre tiveram de expressar sua 11 Você gosta de viver aí?
própria Natureza a partir das características ambientais de seus locais de 12 - É um lugar bonito e acolhedor?
origem, das adversidades que encontraram e das formas de interação que 13 - Você se vê como filho deste lugar?
escolheram para criar suas sociedades e culturas.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 80


Como foi sua experiência ao realizar os exercícios propostos neste item com seus alunos?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 81


4.3 - CONVIVER COM A NATUREZA
Divida seus alunos em pequenos grupos e peça para que
A vida é um processo anterior e superior à existência e às ações humanas.
eles dêem uma volta pelo quarteirão; solicitando para cada
Os seres humanos fazem parte do processo evolutivo da vida. Ele é a
grupo fazer um trabalho minucioso de observação de uma
própria Natureza tomando consciência de si mesma. Apesar de, nessa
árvore: Que idade terá ela? Peça que façam um desenho
evolução, os caminhos civilizacionais assumidos tenderem a substituir
dela. Qual é a forma de sua copa? E qual é a forma de suas
os ambientes naturais pelos artificiais e, apesar das pessoas urbanas
folhas? Peça que desenhem uma folha. Peça que escrevam
vivendo num mundo totalmente artificializado e urbanizado não mais
uma história desta árvore, desde o seu nascimento: como
sentirem necessidade de contato com o mundo natural, os processos
ela foi parar nesse lugar? Quem vem visitá-la? Ela tem uma
naturais seguem sua dinâmica. A Natureza tem respondido às ações
vida boa, saudável, tem tudo o que precisa? De que uma
humanas modificando o clima, com as pragas e com as doenças próprias
árvore precisa?
desse nosso tempo. Algumas enfermidades muito comuns – tais como
a depressão, o stress, o déficit de atenção e até mesmo a hipertensão
Faça você também um desenho de uma árvore. Escolha
– estão sendo estudados e suas causas estão sendo atribuídas em
uma árvore que tenha algo de diferente ou algum aspecto
muitos casos ao chamado “déficit de natureza”. Essas doenças estão
especial que te chame a atenção.
revelando que esse distanciamento da Natureza, ou melhor dizendo, a
débil consciência da Natureza que as pessoas têm, está lhes trazendo
problemas de equilíbrio tanto físico como psíquico. A retomada de
contato com esses ambientes, traz conforto em diversos níveis, ajuda no
restabelecimento das doenças e dá sentido ao viver de cada um. Resta-
nos aprender a ouvir a música da Natureza para podermos dançar em
consonância com ela, promovendo harmonia e coerência à nossa própria
trajetória no Planeta.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 82


Como foi a experiência de seus alunos nesta atividade?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 83


PARTE 5 VIDA SOBRE A
TERRA E CIDADES
SUSTENTÁVEIS

Este capítulo tem sinergia com os ODS:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 84


5.1 - AS FLORESTAS E OS TEMAS AMBIENTAIS
As florestas estão muito presentes em nosso dia a dia, e na maioria
das nossas ações, não estamos cientes disso. Se pensarmos em nossa
sala de aula, quantos objetos que utilizamos vieram das florestas ou de
elementos da natureza que tem profunda relação com elas? As cadeiras
e mesas que utilizamos são feitas de quais materiais? Quais as origens
destes materiais? E o que comemos, de onde veio? Qual o percurso
que fez para chegar até nós? Mesmo os animais que domesticamos e
que convivem conosco, qual foi seu habitat inicial há tempos atrás? E o
combustível que utilizamos em nossos meios de transporte? É de origem
vegetal? Estas perguntas nos fazem refletir um pouco sobre como as
florestas influenciam e muitas vezes determinam nosso modo de vida.

É importante pensarmos que as florestas estão muito mais perto de


nós do que imaginamos. Quando perguntamos para as pessoas se elas
acham importante proteger as florestas, quase 100% dirão que sim, que
todos devem proteger as florestas. Normalmente esta resposta vem com
a referência de que floresta é algo que está lá longe, lá na Amazônia,
nas áreas protegidas, distantes da nossa vida. Mas, podemos enxergar
a floresta até dentro de nós! Quando nos alimentamos não estamos
colocando a floresta para dentro do nosso corpo? Quais ações podemos
criar para proteger a floresta ao nosso redor?

Abaixo vamos mostrar um pouco das relações que podemos estabelecer


entre as florestas e os temas ambientais sabendo que as informações
aqui expostas servem de incentivo para buscarmos mais e começarmos a
refletir sobre as florestas e a nossa vida.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 85


5.2 - A FLORESTA E A FAUNA
Conseguimos facilmente estabelecer uma relação direta entre a floresta
e os animais: as florestas são originalmente o habitat, a casa de todos A Amazônia abriga um número enorme de plantas e animais existentes
os animais. Quando alteramos as florestas, seja queimando, cortando as no planeta e a maior parte dessas espécies sequer foi estudada pelos
árvores, ou alagando grandes áreas verdes, estamos alterando também a cientistas. Até agora, já se tem a classificação científica de pelo menos 40
dinâmica da vida dos animais que vivem nestas matas. Estamos aqui nos mil espécies vegetais, 427 mamíferos, 1.294 aves, 378 répteis, 427 anfíbios
referindo aos animais silvestres, pois sobre os domésticos é outra história. e cerca de 3 mil peixes da região. No entanto, as menores formas de vida
são as que apresentam os números mais impressionantes: os cientistas
É claro que existem animais, como os peixes, por exemplo, que vivem já descreveram entre 96.660 e 128.840 espécies de invertebrados só na
em outro tipo de habitat, como os aquáticos, e existem ainda aqueles parte brasileira da Amazônia.
que vivem em dois tipos de ambiente: aquático e terrestre (os répteis e
anfíbios). Uma característica interessante do bioma Pantanal é que muitas espécies
ameaçadas em outras regiões do Brasil persistem em populações
Mas se pensarmos de uma maneira mais global e lembrarmos dos ciclos avantajadas na região, como é o caso do tuiuiú – ave símbolo do Pantanal.
da vida e da interdependência, já visto anteriormente nesta apostila, Estudos indicam que o bioma abriga os seguintes números de espécies
podemos observar que alterações em florestas interferem nos outros catalogadas: 263 espécies de peixes, 41 espécies de anfíbios, 113 espécies
habitats. Sem a floresta os rios tendem a diminuir ou secar, e sem os de répteis, 463 espécies de aves e 132 espécies de mamíferos, sendo 2
rios as florestas tendem a sofrer perdendo suas espécies mais sensíveis endêmicas.
à água e perdendo seus animais, pois eles precisam de suas águas para
beber. Em relação à fauna da Mata Atlântica, os levantamentos já realizados
indicam que a Mata Atlântica abriga 849 espécies de aves, 370 espécies
Já vimos também sobre os biomas do Brasil... Vamos agora aprender um de anfíbios, 200 espécies de répteis, 270 de mamíferos e cerca de 350
pouco sobre a fauna que vivem neles: espécies de peixes.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 86


TEXTO: O JULGAMENTO DA CAPIVARA
O bioma Caatinga é muito rico em biodiversidade, e abriga 178 espécies
Utilize este texto com seus alunos e crie uma dinâmica em
de mamíferos, 591 de aves, 177 de répteis, 79 espécies de anfíbios, 241
que eles se coloquem no lugar dos personagens desta história,
de peixes e 221 abelhas.
em que eles tenha que conversar entre si para chegar numa
solução boa para todos.
O Cerrado é considerado como um dos hotspots mundiais de
biodiversidade, apresenta extrema abundância de espécies endêmicas
À sombra de uma árvore estavam: um homem, um gato, um cão,
e sofre uma excepcional perda de habitat. Cerca de 200 espécies de
uma vaca, muitos pássaros e muitos insetos.
mamíferos são conhecidas, e a rica avifauna compreende um número
de 837 espécies. Os números de peixes (1200 espécies), répteis (180
O homem, sentado sobre uma elevação do terreno, tinha nas
espécies) e anfíbios (150 espécies) são elevados. O número de peixes
maõs uma espingarda, e pretendia com ela matar uma capivara
endêmicos não é conhecido, porém os valores são bastante altos
que havia comido uma parte do seu arrozal. O cão descansava
para anfíbios e répteis: 28% e 17%, respectivamente. De acordo com
uma das patas sobre o pé do dono. O gato cochilava, esticado:
estimativas recentes, o Cerrado é o refúgio de 13% das borboletas, 35%
metade ao sol, metade à sombra. A vaca pastava distraída, e os
das abelhas e 23% dos cupins dos trópicos.
pássaros cantavam, pulando de galho em galho.

Fonte:
O homem, cujo nome era Zé, embalado pelo silêncio, acabou por
http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/
bioma_amazonia/ adormecer. Adormeceu e sonhou. Sonhou com o julgamento da
http://www.mma.gov.br/biomas/caatinga capivara.
http://www.mma.gov.br/biomas/pantanal
http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado É bem verdade que a capivara estava ausente e, portanto,
http://www.mma.gov.br/biomas/mata-atlantica incapaz de qualquer defesa. Após o crime, ela afundou entre
os arbustos da pequena capoeira que ainda existia ao lado do
ribeirão.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 87


Bem, honestamente, o julgamento já tinha acontecido. Como foi dito, - Não sei. O que eu sei é que, depois que derrubaram a mata, o rio está
a pobre capivara já fora julgada e condenada à morte pelo homem. desaparecendo; nem peixe existe mais.

Mas qual foi o grande crime que a capivara cometeu para merecer - Então não existe outra coisa para a capivara comer?
castigo tão cruel?
- Não, e se continuar assim elas vão comer todo o arrozal, por isso
Ora, a ousada capivara, durante a noite, penetrou no arrozal e tenho de matá-las. Meu avô contava que isso era tudo mata fechada
devorou uma parte dele. E o que é pior: trouxe consigo toda a família. quando ele chegou. Tinha anta, paca, veado, até onça-pintada.
É verdade que sua família já não era tão grande assim: apenas o Então as onças começaram a comer o gado, e eles foram matando...
marido, dois filhinhos e uma ou outra irmã. De sua grande família matando... até acabar, então puderam criar o gado tranquilamente.
restam poucos, porque também restam poucas matas, os córregos Depois derrubaram as matas, e a bicharada foi acabando. Mas ainda
estão desaparecendo, e o alimento anda escasso. restam estas capivaras, e agora vou acabar com elas.

Estava então, em sonho, o Zé a falar com seus animais: - Hum!- ponderou o gato. – Só os homens têm direito ao alimento. O
que você pensa sobre isso cão?
- Está morta, essa capivara! Onde já se viu tamanho atrevimento!
Comer um trecho do meu arrozal! Justamente onde ele estava mais - Bem! Acho que deveríamos reunir todos que estão aqui. Chame a
verdinho: aquela parte perto do rio. vaca, os pássaros, os insetos. Vamos fazer o julgamento da capivara,
vamos juntos decidir se a capivara deve morrer. Você concorda Zé?
O gato, que antes dormia, levantou preguiçosamente a cabeça e
perguntou: A pergunta ficou sem resposta.

- Zé, por que as capivaras comeram seu arrozal? O homem acordou.

- Por quê? Sei lá, acho que a capivara gosta de arroz verdinho, bem, lá FERREIRA & ROIZMAN. Jornada de Amor à Terra – Ética e Educação
para os lados do rio já não tem muito capim, lá só tem areia. em Valores Universais. São Paulo. 2006. Pg 91

- Por que só ficou areia nas margens do rio? – perguntou o cão.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 88


ARCA DE NOÉ
Inicie contando o número de participantes, depois faça uma lista
com nomes de bichos, e o número deles deve ser a metade do
número de participantes. (Escolha animais que tenham sons e/
ou movimentos bem característicos, por exemplo, garça, cobras,
patos, borboletas, sapos e lobos.)

Escreva o nome de cada bicho em duas fichas pequenas (3x5 cm)


de cartolina. Quando você terminar, deverá haver tantas fichas em
suas mãos quantos forem os participantes – uma ficha para cada
participante. Se o número de crianças for ímpar, escreva o nome
de um dos bichos em três fichas, formando um trio para incluir o
terceiro jogador.

Peça aos jogadores para formar um grande círculo. Conte-lhes


a história da Arca de Noé, em que, sabendo que haveria um
dilúvio, Noé constrói uma arca e nela abriga um casal de cada
espécie animal, para garantir sua sobrevivência e reprodução.
Embaralhe as fichas e distribua-as. Cada criança deverá ler
sua ficha e transformar-se no bicho cujo nome lá está escrito,
guardando segredo. Recolha as fichas.

A um sinal, os participantes começam a representar sons, formas


e movimentos típicos do bicho com que foi sorteado, na tentativa
de atrair seus pares. A atividade torna-se engraçada quando os
bichos começam a uivar, coaxar, chiar, zumbir, andar de modo
elegante, balançar, saltar e fazer pose. As crianças poderão
fazer qualquer ruído que desejarem, mas é proibido falar – cada
bicho deve atrair seu par somente por meio da autenticidade
de suas representações. Esta brincadeira termina com uma feliz
confraternização e muitas gargalhadas.

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 1. São Paulo, 2003.Pg 109

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 89


PARTES DO ANIMAL
Divida seu grupo em equipes de 4 ou 5 participantes. Peça que cada
equipe escolha um animal que eles consideram interessante. Então,
diga que cada grupo terá de imitar o corpo do animal que escolheu.
As equipes terão alguns minutos para ensaiar, antes de apresentar
sua performance para as outras equipes, que tentarão adivinhar
qual animal está sendo imitado. (Estimule as equipes a priorizar os
movimentos físicos, reproduzindo o movimento do animal, e não os
seus sons característicos.)

Dê as equipes um período de cerca de cinco minutos para ensaiar: PESQUISA DE ANIMAIS AMEAÇADOS DE
“Oh, não! O escorpião tem oito pernas – todos teremos de ser EXTINÇÃO
pernas!... Também posso ser a cabeça, porque estou na frente e meus Divida os alunos em grupos, e cada grupo será
braços serão os ferrões... Está bem, serei a cauda, mas penso que não responsável por um bioma brasileiro. Sugira
vou agüentar por muito tempo. Vocês, rapazes, terão de inclinar para para eles pesquisarem os animais do bioma, a
a frente e segurar uns nos outros para formar o corpo. Tudo pronto?” quantidade de animais em extinção em relação
ao número total, em que momento histórico
Quando terminarem os ensaios, peça às equipes, uma de cada vez, estes animais começaram a entrar em perigo.
para apresentar seu animal. As outras equipes devem esperar o Que animais estão presentes em mais de um
término da apresentação antes de dizer qual animal está sendo bioma? Que animais podem ser encontrados em
imitado. todo o país? É possível também eles fazerem em
cartolina ou maquete a representação destes
CORNELL, J. Vivências com a Natureza 1. São Paulo, 2003.Pg 110 biomas e alguns exemplares dos animais que
vivem neles.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 90


acima dos 26 graus Celsius, a umidade é 80%, e a média pluviométrica
ANIMAL MISTERIOSO
anual é acima de 4 metros. Devido a estas condições favoráveis,
Em Animal Misterioso, você fornece informações intrigantes
a floresta tropical abriga uma variedade de vida tão grande como
sobre um animal sem revelar o seu nome. Para começar, o grupo
em nenhum outro ambiente da Terra. Olhe para cima. Você vê uma
deve estar confortavelmente sentado, próximo o suficiente para
espessa cobertura formada pela copa das árvores. Apenas 1% dos
ouvi-lo claramente. Diga-lhes que irá levá-los a uma viagem
raios do sol alcança o chão da floresta. É por isso que poucas plantas
para ver um animal muito raro. Estimule-os a prestar bastante
cobrem o solo, o que torna fácil o caminhar. Você começa a penetrar
atenção em tudo que “virem”, porque depois eles terão que criar
na floresta. Você vê plantas estranhas ao seu redor. Você ouve
um “relatório de campo” sobre o animal e seu ambiente.
um coro de sons agudos, coaxos e estalidos de animais silvestres:
macacos, pássaros, sapos e insetos. Você sente o cheiro de vegetação
Para dar o poder de uma visualização guiada à sua narrativa, use
em decomposição.
descrições que envolvam os sentidos: barulhos da selva, calor e
umidade tropical, o cheiro das folhagens e dos brotos da floresta
Lá em cima, pendurado sob um ramo, você vê algo se movimentar.
e assim por diante. Inclua a dose de humor que desejar.
Parece um monte de folhas mortas, fungos esverdeados ou um ninho
de cupim. Mas, olhe – moveu-se novamente! Usem seus binóculos para
O exemplo da narrativa tem duração ideal para manter o
enxergar mais de perto. Sim, é um animal, e está pendurado em um
interesse de adultos e adolescentes. Com crianças mais jovens,
galho de cabeça para baixo. Tem pelos compridos e grossos e quatro
você provavelmente terá de encurtá-la. Fica mais dinâmico se
membros longos. Cada pata possui garras que parecem ganchos.
você memorizar alguns dos pontos mais importantes e narrar as
Mede cerca de 60 centímetros e parece pesar aproximadamente
outras partes de modo improvisado, em vez de ler.
seis quilos. Sua cabeça arredondada não é maior que seu pescoço,
e você não consegue ver suas orelhas. É muito difícil saber qual é a
Quando você terminar, distribua lápis e os cartões de 10 x 15
parte da frente e qual é a parte de trás, porque vocês não conseguem
cm. Diga aos participantes que seus relatórios de campo devem
ver o rabo dele. Ah! A sua cabeça está virada de frente para vocês.
ser uma imagem do animal e seu ambiente (muitas pessoas são
Examinem-na de perto. Seu rosto é achatado e esbranquiçado, e sua
autoconscientes sobre suas limitações para desenhar, por isso
boca parece estar sempre sorrindo.
não mencione a parte que terão de desenhar até este ponto. E
para diminuir seus desconfortos, diga-lhes que não precisam
Este animal não é conhecido por sua velocidade; na verdade
assinar seus relatórios). Segue exemplo de uma narrativa, fique
movimenta-se como um filme em câmera lenta. Dizem que as amebas
à vontade para criar outras!
são mais velozes do que ele. Está começando a se movimentar agora.
Veja por que ele se move tão lentamente... (pausa)... está movendo
Vocês estão em uma das últimas grandes regiões ainda não
um membro de cada vez. Veja quão devagar ele alcança o galho mais
exploradas da Terra. Charles Darwin a chamava de “uma estufa
próximo. Ele quase alcançou! (Pausa) Alcançou! Agora veja sua outra
imensa, selvagem e exuberante”. A temperatura é quase sempre

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 91


perna começando a se movimentar. Poderá levar meio minuto para pêlos embolorados, e então entram em estado de pupa e saem voando
que ele desloque suas pernas por apenas poucos centímetros. Uma como mariposas.
mãe que estava correndo em direção a seu filhote há cinco metros
dela, percorreu a distância em uma hora. Sua extrema lentidão Este animal parece tão primitivo e tão pouco desenvolvido que você
faz que seus principais inimigos – onças e aves de rapina – tenham se pergunta como ele conseguiu escapar da extinção. Seu sucesso
dificuldade em vê-lo. Sua velocidade máxima nas árvores é de um se deve a vários fatores: a coloração que o protege, o hábito de
pouco mais de 1,6 quilômetros por hora, mas no chão é de apenas alimentar-se prioritariamente à noite, o fato de permanecer imóvel
160 metros por hora. Isto ocorre porque suas pernas não suportam o durante o dia, seus vinte e três pares de costelas (os humanos tem
peso do seu corpo e ele tem que se arrastar pelo chão. Não descem doze), além da pesada pele grossa e dura que o cobre e protege seus
das árvores com muita frequência – apenas para dar a luz e fazer suas órgãos internos. “De todos os animais”, escreveu Charles Waterton,
necessidades. Estas últimas ocorrem com baixa frequência – uma vez “esta pobre criatura de formação anômala é a que mais luta pela
a cada sete ou oito dias. vida”. Tem a habilidade de sobreviver a ferimentos que matariam
qualquer outro animal. Embora muitas pessoas caçoem deste animal,
Após acompanhar e estudar este animal na selva por uma semana, dizem que nenhuma outra criatura é mais bem adaptada à vida na
um cientista observou, em tom de brincadeira, que algumas pessoas floresta tropical.
poderiam dizer que ele tem uma vida ideal, porque gasta seu
tempo desta maneira: 11 horas se alimentando; 18 horas apenas O animal que estamos observando não se move há algum tempo e
movimentando-se lentamente; 10 horas descansando; 129 horas está agora fazendo o que melhor sabe: dormir. Antes de voltarmos
dormindo. ao acampamento, vamos dar mais uma boa olhada com nossos
binóculos. Notem seu corpo parecido com um urso, seus pêlos ásperos
Gasta 18 das 24 horas dormindo! Seu metabolismo também é muito que descem pelas costas e seus longos membros, cada um com três
lento – estes animais são conhecidos por não precisarem respirar por longas garras curvas.
30 minutos quando debaixo d’água.
Quando acabar a narrativa, dê um tempo ara eles desenharem e
Não dedica muito tempo com a higiene pessoal e não limpa sua pele. só depois revele qual era o animal! O Animal Misterioso é um bicho
Foram encontrados 978 besouros vivendo na pelagem de um único preguiça de três garras. Ele mora nas florestas tropicais das Américas
indivíduo. Na verdade, foram encontradas nove espécies de traças, do Sul e Central.
seis espécies de carrapatos e várias espécies de ácaros levando uma
vida feliz em grupo em seus pêlos. CORNELL, J. Vivências com a Natureza 2. São Paulo, 2008. Pg 111

Durante a época de chuvas, algas crescem em sua pele. A pigmentação


verde delas serve como camuflagem. Lagartas se alimentam em seus

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 92


MICRO EXCURSÃO
Leve seus alunos para uma área ao ar livre onde tenha
terra. Divida-os em grupo de 3 ou 4 pessoas e dê a cada
grupo um pedaço de barbante de mais ou menos 1 metro
de comprimento. Peça para que eles escolham um local na
terra para colocar o barbante. Depois distribua lupas para
os grupos, e diga que eles terão que observar ao longo do
barbante a vida que tem neste pedaço de terra, os animais
pequenos que vivem ali, as plantas que estão nascendo
e outras descobertas que eles fizerem. Se você tiver um
lugar com bastante vegetação isso trará mais riquezas nas
observações dos alunos. Se você não tiver lupa para todos,
dê uma por grupo e enquanto um observa os outros podem
ir anotando as descobertas, e depois troca; posteriormente
os alunos poderão conversar sobre a vida que conseguiram
observar neste pequeno espaço.

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 1. São Paulo, 2003. Pg 66

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 93


Anote aqui suas observações sobre os exercícios desta parte.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 94


5.3 - A FLORESTA E A ÁGUA
A MENINA QUE GANHOU UM RIO
“Minha mãe me deu um rio.
Estampada em posters, camisetas e outdoors, a imagem do planeta Terra
Era dia do meu aniversário e ela não sabia o que me presentear. visto do espaço já é muito popular entre as novas gerações, e o que se
vê é uma grande bola redonda essencialmente azul. Azul de muita, muita
Fazia tempo que o mascate não passava naquele lugar esquecido.
água... A Terra é o planeta da água. Então não seria melhor chamá-la de
Se o mascate passasse a minha mãe compraria alguma rapadura ou Planeta Água ao invés de Planeta Terra?
bolachinhas para me presentear.

Mas, como não passava o mascate, minha mãe me deu um rio. De fato, a vida na Terra depende essencialmente desse precioso
elemento. Onde há água, há vida. A existência das florestas só é possível
Era o mesmo rio que passava atrás da nossa casa.
graças a ela que, em movimentação contínua, acima e abaixo da superfície
Eu estimei o presente mais do que fosse uma rapadura do mascate. do solo, mantém todos os ecossistemas e os relaciona entre si.

Meu irmão ficou sentido porque ele gostava do rio igual aos outros.
A água que circula é sempre a mesma, e em igual quantidade desde que
A mãe prometeu que no aniversário do meu irmão ela iria dar uma árvore a Terra se formou há mais ou menos 3,8 bilhões de anos. No entanto, de
para ele. toda a água existente no Planeta apenas 2,7% são doce, o resto são águas
Uma árvore que fosse coberta de pássaros. de mares e oceanos. Dessa pequena proporção de água doce, 77,2% são
de difícil utilização para as atividades humanas, pois estão congelados nas
Eu bem ouvi a promessa que a mãe fizera para o meu irmão.
calotas polares ou reservados nos aquíferos (águas subterrâneas).
E achei legal.
Como já vimos, toda a água do Planeta, seja na forma líquida, sólida
Os pássaros ficariam durante o dia nas margens do meu rio, e à
noite eles iriam dormir na árvore do meu irmão. ou gasosa está sempre em movimento. Esse movimento contínuo e
interdependente entre os três estados é chamado de ciclo da água, ou
Meu irmão me provocava assim: minha árvore dava flores lindas em ciclo hidrológico.
setembro e o seu rio nunca dá flores.

Mas eu gozava que a árvore dele não dava peixes.

E na verdade o que nos unia de verdade eram os banhos no rio nus entre
pássaros!

Nesse ponto a vida era um afago”

Manoel de Barros

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 95


ÁGUA, A FONTE DA VIDA, UM IMPORTANTE ALERTA
É UM BEM FINITO. SOBRE A QUANTIDADE DE ÁGUA
A ÁGUA E SEUS NÚMEROS POTÁVEL NO PLANETA
Essencial às vidas humana, vegetal e
animal, a água é um bem preciosíssimo. CONHEÇA AGORA O CICLO 2,5%
água doce
Cuidar da água é cuidar da própria DA ÁGUA E COMO VOCÊ FAZ
68,9%
sobrevivência. Ao utilizarmos boas PARTE DELE.
práticas na preservação da água, Formação de núvens
estaremos contribuindo para a nossa vida 30,8%
e para a vida das futuras gerações.
Ao evitar desperdício, a poluição dos rios,
córregos e nascentes, bem como fazer
uso de técnicas adequadas de plantio, precipitação 97,5% 0,3%
água salgada
você estará ajudando a preservar a água
potável e a vida no planeta.

escoamento
evaporação

evaporação

evaporação
O consumo
de água por
atividade

infiltração pelo solo


plantas absorvendo água

água subterrânea

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 96


O ser humano interfere na ordem natural desse ciclo de diversas maneiras • Mais de um terço da humanidade (2,3 bilhões de pessoas) já vivem em
e a utiliza das mais diversas maneiras: para irrigação (agricultura), produção regiões com escassez de água potável.
de energia (hidroeletricidade), usos industriais diversificados, recreação,
turismo, produção pesqueira comercial e esportiva, transporte e navegação A vida que a gente quer depende do que a gente faz. Proposta de
e mineração. É interessante sabermos que: sustentabilidade para o planeta. Ecofuturo, 2007. Pg 92

• Cerca de 70% do corpo humano é água. A organização não governamental WWF e o Banco Mundial desenvolveram
um estudo para demonstrar o papel das áreas protegidas de florestas
• 65% das internações hospitalares no Brasil se devem a doenças no suprimento de água para as cidades. O estudo envolveu as 105
transmitidas por água contaminada. maiores cidades do mundo e um dos resultados é que pelo menos 30%
delas dependem diretamente destas áreas protegidas para garantir o
• Uma pessoa necessita de, no mínimo, cinco litros de água por dia para abastecimento público. Outro dado interessante é que os moradores
beber e cozinhar e 2,5 litros de água para higiene pessoal. de Nova Iorque concordaram em pagar um valor a mais na sua conta
de água para proteção dos mananciais que abastecem a cidade. Eles
• Uma família média consome cerca de 350 litros de água por dia no entendem que é mais barato proteger as áreas de mananciais do que
Canadá, 20 litros na África, 165 litros na Europa e 200 litros no Brasil. tratar a água poluída ou ter que construir grandes projetos de engenharia
para captação de água.
• O Brasil tem o maior potencial hídrico do mundo: 17% do total dos
recursos do Planeta. Caderno de educação ambiental água para todos, WWF. São Paulo.
2006. Pg 56
• A agricultura representa 80% do consumo da água mundial.

• No Brasil, 80% do esgoto é despejado em rios, sem nenhum tratamento.

• 20% da população urbana do Brasil não dispõem de rede de água e


esgoto.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 97


ESPELHO D’ÁGUA
PESQUISA: DE ONDE VEM A ÁGUA DE Para tornar mais ilustrativa a disponibilidade da água no
NOSSA ESCOLA? Planeta, os alunos podem montar uma maquete ou um painel
Solicite aos alunos que façam uma pesquisa para para decorar a sala. Caso queiram montar uma maquete, são
descobrir de onde vem a água que abastece a sua necessários os seguintes materiais: 1 garrafa plástica de 2
escola. Será necessário fazer antes uma pesquisa litros cheia de água, com tampa, 1 copo de 200 ml, 1 copo de
junto ao órgão responsável pelo abastecimento 50 ml, cartolinas, jornais, revistas, tesoura, cola, e, se possível,
de água do município. Aproveite o tema para uma ilustração do ciclo da água.
fazer um estudo do meio com seus alunos indo
com eles até a caixa d’água que a armazena Inicie sua fala pedindo para que os alunos suponham que com
para o abastecimento do bairro em que fica a um passe de mágica é possível colocar toda a água da Terra
escola; e/ou ainda visite as áreas de mananciais (oceanos, mares, rios, lagos, geleiras, lençóis subterrâneos...)
do município e os locais de tratamento dessa numa garrafa de 2 litros. Depois, siga a ilustração abaixo para
água antes da distribuição. No final de uma ou a demonstração da disponibilidade de água no Planeta.
da sequência de visitas, peça para os alunos
fazerem, em grupos, um mapa do caminho
da água que consomem na escola, desde a
Toda água do planeta (100%)
precipitação até a torneira. (água doce + água salgada)

Somente Água doce


água de fácil
doce acesso
(rios, lagos
e represas)
Água
potável

100% 2,7% 0,26% 0,002%


Fonte: Fundação Espaço ECO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 98


Segue uma sugestão de roteiro para iniciar sua fala.
Mostrando a garrafa PET cheia de água, pergunte: Que tipo de
água é esta? Salgada? Doce? Quais são os locais onde existe
água? Será que temos toda esta água para consumir? Alguém
já experimentou beber água salgada? Como foi? Depois,
mostrando o copo de 200 ml questione: Quais os lugares onde
encontramos a água doce?

Ao lembrarmos os lugares (geleiras, lençóis subterrâneos,


lagos, pântanos, rios, represas, água em forma de vapor),
identificaremos suas localizações e a facilidade para obter a
água doce. É fácil tirar água doce das geleiras ou do subsolo?
Além de não ser fácil, pode ser muito caro.

Logo, nosso próximo passo será separar visualmente a água


doce dos locais disponíveis (rios, represas, lagos) da água
doce de difícil acesso (geleiras, lençóis freáticos, pântanos,
atmosfera). A água doce disponível será representada tirando
uma parte da água do copo de 200 ml e passando para o copo
de 50 ml.

Caderno de educação ambiental água para todos, WWF. São


Paulo. 2006. Pg 20

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 99


PLANETA ÁGUA

Objetivo: trabalhar o tema da água, suas funções e ciclo por


meio da música. Desenvolver a escuta ativa nas crianças e jovens
e interpretação do texto.
Participantes: crianças a partir dos 10 anos e jovens, grupo de no
máximo 30 pessoas. Pode ser feito dentro da sala de aula, ou ao
ar livre com estrutura para ouvir a música.
Você precisará da letra da música para todas as crianças e
aparelho de som.

“Água que nasce na fonte Gotas de água de chuva,


Serenando o mundo Alegre arco íris sobre a plantação.
E que abre um profundo grotão. Gotas de água da chuva
Água que faz inocente riacho Tão tristes, são lágrimas na inundação.
E deságua na corrente do ribeirão. Águas que movem moinhos
Águas escuras dos rios São as mesmas águas que enxaguam o chão.
Que levam a fertilidade ao sertão. E sempre voltam humildes
Águas que banham aldeias Pro fundo da terra
E matam a sede da população. - Terra, Planeta Água”
Águas que caem das pedras,
No véu das cascatas, Guilherme Arantes
Ronco de trovão,
E, depois dormem tranquilas
No leito dos lagos.
Água dos igarapós onde Iara, mãe d’água, Converse com seus alunos sobre a mensagem que a letra desta
É misteriosa canção. música quer transmitir. Peça para que eles localizem no texto temas
Água que o sol evapora como: ciclo da água e suas funções, relação da água com as florestas.
Pro céu vai embora Pergunte se eles conhecem outras músicas que tenham como tema
Virar nuvens de algodão. principal a água. Se puder leve a música e cantem juntos!

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 100


ECOFUTEBOL

Esta atividade demonstra a importância da mata ciliar na Conte que a mata ciliar está sendo reduzida. Isso significa que
preservação dos recursos hídricos e das florestas, como deve-se diminuir o número de árvores na barreira, intercalando
reservatórios naturais de água. a retirada de alguns participantes. Ao som do apito, começam
a chutar as bolinhas para ultrapassar a barreira. Outro apito
Você precisará de apito, 30 bolinhas feitas com meia, jornal ou e todos param de chutar para a contagem das bolinhas que
tampinhas plásticas, barbante ou novelo de lã reutilizado, fita ficaram na área do gol. Compare o resultado com a primeira
crepe e tesoura. situação (da barreira bem fechada, com muitas árvores). A
barreira será diminuída até que a entrada das bolinhas se torne
Método: escolha uma área livre ou o espaço da sala de aula. muito fácil.
De um lado, será a área do gol, fixe o barbante no chão da área
escolhida. Esta linha representará a margem do rio, cujo interior Converse sobre as sensações que os participantes tiveram
pode ser decorado com sacos de lixo ou papéis azuis para ficar durante a atividade, comparando com a realidade da relação
com aparência de água. Em frente à área do gol, distribua as água e floresta: a mata ciliar é representada pela barreira
bolinhas pelo chão. e as bolinhas representam o lixo e os sedimentos, como a
terra carregada pela erosão. Quanto maior a barreira, menos
Selecione alguns participantes que deverão ficar enfileirados na sedimentos e lixo conseguirão penetrar nas águas pela ação do
linha da margem do rio, representando as árvores da mata ciliar. vento e das chuvas. Assim como os cílios protegem nossos olhos
Eles podem segurar folhas de papel com desenhos de árvores. contra a entrada de partículas de poeira, a mata ciliar protege
É importante que a barreira fique bem fechada, dificultando os rios contra a erosão e algumas formas de poluição.
a entrada das bolinhas. Os demais participantes serão os
jogadores posicionados a uma certa distância do gol. Caderno de educação ambiental água para todos, WWF. São Paulo.
2006, Pg 16
Ao som do apito, os jogadores chutam as bolinhas, visando
ultrapassar a área da barreira. Outro apito e todos param de
chutar para a contagem das bolinhas que ficaram na área do gol.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 101


Como foi a realização dos exercícios deste item? Seus alunos gostaram? E você? Conte um pouco.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 102


Municípios com coleta
5.4 - A FLORESTA E OS RESÍDUOS seletiva no Brasil Apenas 18% dos
Já vimos o quanto podemos aprender com as florestas e no caso dos
Municípios Brasileiros
resíduos não é diferente. De maneira ilustrativa, as florestas podem ser
18% possuem programas
consideradas as usinas de reciclagem mais eficientes que existem, pois
Municípios com
Coleta Seletiva de coleta seletiva
na Natureza nada se perde, tudo é incorporado ao ciclo natural (de vida Municípios sem Fonte: Pesquisa Ciclosoft do Compro-
e morte), a fim de manter a sustentação da vida. Na Natureza não existe 82% Coleta Seletiva misso Empresarial para Reciclagem
(CEMPRE), 2016
resíduo. Animais, excrementos e troncos mortos se decompõem com a ação
de milhões de microrganismos como bactérias e fungos, dando origem aos
nutrientes que se incorporarão ao solo e sustentarão novas espécies de vida.
Material Percentual de
reciclagem
O alumínio é o
Resíduo é uma criação humana. A partir da revolução industrial, a criação
Latas de Alumínio 92%
material mais
e produção em larga escala de produtos se difundiram por todo o planeta.
O desenvolvimento tecnológico já estava, a essa altura, bastante avançado. Garrafas PET 55% reciclado no Brasil,
Muitas substâncias sintéticas e ligas entre metais foram desenvolvidas, Vidro 47% seguido pelas
dando vazão à criatividade e ao desejo de tornar a vida mais confortável Embalagens Longa Vida 27% garrafas PET e o
e prática. Essas substâncias não são encontradas no ambiente natural na Plástico 21% vidro.
forma em que são utilizadas por nós, de modo que quando as descartamos, Fonte: Ambiente Brasil

elas não são facilmente reintegradas aos ciclos naturais. Por isso ficam
depositadas e, por seu aspecto desagradável, é chamado de lixo. Por não
retornarem ao ciclo natural, a sociedade moderna começou a deparar- Compostagem - é o processo biológico de decomposição da matéria
se com montanhas de rejeitos que passaram a ser perigosas fontes de orgânica de origem animal ou vegetal. Tem como resultado final o
doenças e contaminação para o meio ambiente. composto orgânico, que pode ser aplicado ao solo para melhorar suas
características, sem ocasionar riscos ao meio ambiente.
A partir do momento em que este problema foi tornando-se consciente,
novas propostas de destinação correta do lixo começaram a ser Aterro sanitário - é o modo mais avançado de disposição final de
criadas. No Brasil, o gerenciamento dos resíduos é de responsabilidade resíduos no solo. Procura resolver os problemas ambientais, de saúde
das Prefeituras Municipais. Segundo dados da Pesquisa Nacional de pública e operacionais. Os resíduos são depositados sobre uma camada
Saneamento Básico, realizada pelo IBGE em 2000, 64% dos municípios de material impermeável que protege o solo, com drenagem de gases e
brasileiros depositam seus resíduos em lixões. Apenas 14% possuem chorume. O gás metano produzido pela decomposição do lixo pode ser
aterros sanitários e 18% possuem aterros controlados. aproveitado como combustível. O despejo, a compactação e a cobertura
Veja a seguir como funciona cada um dos sistemas de tratamento e são controlados. Há procedimentos para minimizar odores, para evitar
disposição e suas consequências para o homem e o meio ambiente: incêndios, e a proliferação de insetos e roedores. A compactação reduz a

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 103


área disponível, prolonga a vida útil do aterro e ao mesmo tempo propicia
a firmeza do terreno, possibilitando seu uso futuro para outros fins. A
distância mínima entre um aterro sanitário e um curso de água deve
ser de 400 (quatrocentos) metros. Quando um aterro sanitário recebe a
quantidade máxima de resíduos para qual foi projetado, é desativado, e
outra área deve ser definida para tal uso.

Aterro controlado - os resíduos são depositados no solo e recobertos


por uma camada de material inerte, geralmente terra ou entulho. Não
há impermeabilização da base do solo nem tratamento dos gases ou do
chorume – líquido que se forma a partir da decomposição dos materiais
que compõem o lixo. Essa técnica reduz o impacto, mas não resolve o
problema.

Incineração - é a queima dos resíduos em alta temperatura, geralmente


acima de 900 (novecentos) graus centígrados. É um método de alto custo
devido à utilização de equipamentos especiais. Ele destrói bactérias e
vírus, mas exige supervisão constante, além de produzir cinzas tóxicas
que devem ser depositadas em aterros especiais. Alguns metais pesados
resistem à combustão. As cinzas restantes correspondem a 25% do peso
do depósito inicial.

Reciclagem - é a utilização de produtos descartados como matéria-prima


para a fabricação de novos produtos. Para que os produtos recicláveis
sejam de fato encaminhados às usinas e/ou indústrias de reciclagem,
devemos separar nosso lixo e descartá-lo de forma seletiva. A reciclagem
integral transforma o material descartado no mesmo produto de origem,
em produtos similares ou em novos produtos.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 104


No entanto, sabemos que apenas medidas tecnológicas não são
suficientes. A diminuição do volume de lixo e a reversão de nosso modo
de vida rumo à sustentabilidade passam por: • decisão de reutilizar embalagens e outros produtos, renovando
seus usos tanto quanto possível, aumentando sua vida útil e
• uma profunda reflexão sobre o que é realmente necessário; retardando o descarte;

• coragem de recusar o consumo de produtos desnecessários ou • iniciativa de encaminhar todos os produtos utilizados e quando
supérfluos; possível, reutilizados, para a reciclagem.

• ponderação para reduzir o consumo dos produtos considerados MENDONÇA, Rita. Como Cuidar do seu Meio Ambiente. São Paulo: Editora
necessários; BEI, 2003. Pg. 206

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 105


EXERCÍCIOS
DECOMPOSIÇÃO DOS MATERIAIS
Abaixo está uma tabela que relaciona os tipos de materiais e seu
tempo de decomposição. Baseado nesta tabela, você pode elaborar
problemas baseados no tempo de decomposição, ou então pedir aos
alunos que meçam a quantidade de lixo gerado em suas casas e na
escola. Você também pode pedir-lhes que façam uma redação sobre
como é a sua relação com o lixo, ou como se sentem em um ambiente COMPOSTEIRA
cheio de lixo em comparação a um ambiente sem lixo. Se a escola tiver um jardim ou uma pequena área
verde, é possível fazer uma composteira ao ar livre.
Materiais Tempo de Decomposição Cave um buraco suficiente para que todo o lixo
Papel de 3 a 6 meses orgânico (cascas de frutas, restos de alimentos,
folhas) gerado na escola seja depositado ali, coloque
Panos de 6 meses a 1 ano
o lixo orgânico neste buraco e cubra com um pouco
Filtro de Cigarro mais de 5 anos de terra, folhas secas, serragem, esterco seco até
Madeira Pintada mais de 13 anos que não seja mais possível ver os restos orgânicos
Náilon mais de 20 anos enterrados. Regue para umedecer esta camada de
cobertura mais seca. A cada dois ou três dias areje
Metal mais de 100 anos esta terra com um bastão de bambu, ou um galho.
Alumínio mais de 200 anos Depois de aproximadamente 3 meses esta terra já
Plástico mais de 400 anos terá se transformado em adubo.

Vidro mais de 1.000 anos


Borracha indeterminado
Fonte: http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/
reciclagem/tempo_de_decomposicao_do_materiais.html

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 106


OFICINA DE RECICLAGEM DE PAPEL
Esta atividade tem o objetivo de refletir sobre as responsabilidades
do cidadão, reciclar parte do que jogamos fora, estimular o
aproveitamento de materiais que normalmente acabariam no lixo e metade. Agite a mistura com a mão para as partículas de papel não
compartilhar técnica de reciclagem de papel. assentarem no fundo. Mergulhe a peneira pela lateral da bacia até o
fundo, subindo-a lentamente sem incliná-la, “pescando” as partículas
Você precisará de papéis usados (embrulhos, caixas, folhas, envelopes em suspensão. Uma camada de papel se forma sobre a peneira. Se
rasgados, revistas, sobras de cartolina, cartões, jornais etc), desejar um papel mais grosso adicione papel batido à bacia, agite e
liquidificador, bacia funda, peneira plástica de fundo plano (ou tela penere novamente. Passe a mão várias vezes sob a peneira inclinada
pregada em moldura de madeira), que caiba na bacia com certa folga, para escorrer a água. Coloque a peneira sobre o jornal, para secar
jornais ou panos velhos para secar os papéis, recipientes para cada a superfície inferior. Troque o jornal até que este não fique mais
tipo de papel, corantes naturais (urucum, beterraba etc), torneiras e molhado. Ainda sobre o jornal, cubra a peneira com um pano e aperte
bancada para trabalho. Você também pode utilizar folhas, serragens, como uma massa de torta na forma, para secar a superfície superior
ervas, linhas etc, para obter diferentes tipos de papéis. da folha. Use vários panos até que estes não fiquem mais molhados.
O papel ainda estará úmido, mas não deverá molhar a mão no toque.
Método: peça para os participantes da atividade que piquem seus Vire a peneira sobre o jornal seco e dê vários tapas no fundo. A folha
papéis (com a mão, em pedaços pequenos) e os coloquem de molho deve se soltar. Se o papel estiver muito úmido a folha não cai. Daí
um dia antes da oficina. No dia da oficina, coloque uma xícara deste desvire a peneira e seque novamente na peneira. Coloque a folha
papel umedecido no liquidificador, com água até ¾. A própria “água entre jornais secos, e deixe-a secar até o dia seguinte. Pronta esta
do molho” pode ser aproveitada. Bata a mistura aos poucos e sinta folha poderá ser escrita, cortada, dobrada, colada, pintada. As sobras
com as mãos até obter a textura desejada. Batendo pouco você de papel picado ou batido podem ser peneiradas e espremidas, e
obterá uma mistura com pedacinhos do papel original, às vezes até guardadas em potes tampados para futura reciclagem ou descartadas
com letras inteiras. Quanto mais você bater mais homogênea ficará separadamente para coleta seletiva e reciclagem industrial. A água
a mistura. Mas não bata demais; isso deixa o papel quebradiço, que sobra na bacia pode ser despejada no esgoto (vaso sanitário ou
e não mais fino. Despeje o papel batido na bacia com água até a ralos). Reúna utensílios e arte feitos com papel reciclado (envelopes,
agendas, cartões, álbuns de fotografia, blocos, porta retratos, etc)
para inspirar a produção dos participantes.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 107


FRASES DE INQUIETAÇÃO
O objetivo desta atividade é problematizar a temática dos resíduos e
levantar dúvidas e controvérsias do grupo sobre este tema.

Você precisará de fichas com frases sobre o tema, de


aproximadamente 10x15cm e cartelas de aproximadamente 30x15cm.

Método: Prepare pelo menos 10 frases polêmicas sobre a temática.


Escolha frases que habitam o imaginário das pessoas, que possam Exemplos de frases sobre resíduos:
revelar preconceitos ou desconhecimento do assunto ou conclusões • Lixo é coisa de equipes de limpeza.
tidas como verdades absolutas. Escreva uma frase em cada ficha. • Reduzir a geração de lixo promove o desemprego.
Divida as crianças em até 8 grupos e assim prepare 8 jogos com 10 • A coleta seletiva arrecada muito dinheiro.
fichas cada um. Distribua também 1 cartela para cada grupo que deve • O lixo da nossa cidade é coletado e levado para um lixão
estar marcada com três campos: “concordamos”, “temos dúvidas” e do município.
“muito pelo contrário”. Reunidos em grupos os participantes decidem
se concordam, se pensam o contrário ou se têm dúvidas sobre as Escolha frases compatíveis com a faixa etária dos seus
informações contidas nas fichas, e assim agrupando as frases nos alunos.
campos escritos na cartela. Depois que todos os grupos finalizarem,
abra uma roda de conversa sobre as frases. Da Pá Virada – Revirando o tema lixo – Vivências em educação
ambiental e resíduos sólidos. São Paulo. 2007. Pg 34

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 108


Como foi sua experiência de trabalho sobre o item “resíduos”?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 109


que vem fazendo com que as injustiças, a violência e o desrespeito aos
5.5 - A FLORESTA E O CONSUMO direitos humanos sejam muito mais frequentes do que consideramos
aceitável. Temos dado menos valor à vida, aos seres vivos, aos seres
O consumo gera um impacto direto em nossas florestas, rios, montanhas
humanos e aos patrimônios da humanidade do que aos automóveis, aos
e nos ecossistemas como um todo. Cada vez mais a sociedade está
equipamentos, máquinas e roupas de marca.
consumindo mais eletrodomésticos, carros, mesas, papel, e devido a
todos os objetos serem provenientes da Natureza, transformada, quanto
ANTES DE COMPRAR QUALQUER COISA, FAÇA AS
maior o consumo, maior será a extração dos recursos naturais.
6 PERGUNTAS DO CONSUMO CONSCIENTE!
O aumento no consumo, junto com outros fatores, ajudou a desencadear a
A prática do consumo consciente
crise ambiental que começou a ser iniciada em meados do Século XX e que Por que começa com a análise da
necessidade do produto ou do
está tão em pauta nos tempos atuais. Quantas vezes paramos para pensar, comprar? serviço que se vai consumir.
quando compramos um produto, sobre como ele chegou até nós? Quais
recursos tiveram que ser extraídos? Quantas pessoas se envolveram em Aquilo que
não tem mais O que
seu processo de fabricação? Quantas pessoas têm acesso a eles? utilidade para Como
você pode ser descartar? comprar?

pik
interessante
Entretanto, não podemos pensar nosso dia a dia sem o consumo, não

/ Free
para outra pessoa. Pense sobre quais as
conseguimos viver sem consumir. O problema não está no consumo em

olinero
Quando realmente o produto tiver funcionalidades que você
si, mas na quantidade, velocidade e na importância que damos àquilo que sido explorado ao máximo, é preciso realmente precisa no

y luis_m
fazer um descarte adequado. produto e evite ser atraído
consumimos. E também na falta de informação (ou de responsabilidade!)

ned b
por elementos que não
sobre o ciclo de vida7 dos produtos. serão úteis no uso que

Desig
você fará do produto.
Se pensarmos no ciclo de vida de um produto, verificamos que o consumo Como
não é um ato que se inicia nem acaba em si mesmo. O ciclo começa na
Devemos usar? Como
extração do recurso natural e tem seu fim quando se transforma em lixo, aproveitar
comprar?
ou resíduo sólido. Entre os anos de 1992 e 2000 a população mundial bem o produto
comprado, evitando, De quem
cresceu 16,4% enquanto que o volume dos resíduos sólidos cresceu dessa forma, a É hora de pensar sobre as
comprar? formas de pagamento e
49%. Como a geração de lixo está diretamente atrelada à quantidade necessidade de uma
nova compra em curto sobre a logística dessa
de objetos que consumimos, vemos que o consumo aumentou compra. Considere o preço do
período.
desproporcionalmente ao número de habitantes. Sempre que puder, tente frete no valor total da compra,
descobrir informacões sobre além do tempo de entrega.
a produção, qualidade, a
Além disso, os valores da nossa sociedade estão diretamente relacionados FONTE: Instituto Akatu
durabilidade e a segurança dos
à quantidade e qualidade do que consumimos, na ideia de que quanto seus produtos, além do seu preço.
maior o consumo mais eu sou, mas eu posso! Tal posicionamento cultural
tem afastado os cidadãos do sentido de comunidade viva e humana, o 7. Vide página 177

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 110


Algumas posturas das empresas que fabricam utensílios, acabam as pessoas não conseguirem ficar sem comprar. Outras doenças da
“contribuindo” para este comportamento. Você já ouviu falar de modernidade são causadas pela alimentação, como a obesidade que
obsolescência programada? Ela é o processo pelo qual os produtos são mata milhares de pessoas por ano no mundo. Outros distúrbios como
planejados e confeccionados de modo que seu tempo de vida seja menor a anorexia e a bulimia, podem ser entendidos como o consumo de um
do que poderia efetivamente ser. Além disso, criam-se cada vez mais modelo padrão de corpo e de beleza imposto pela mídia e amplamente
“novidades”, produtos com novas funções (muitas vezes desnecessárias), desejado pelas mulheres e homens de todas as idades.
outras cores, outros modelos, incentivando os consumidores a desfazer-
se dos seus “antigos” e “ultrapassados” produtos. Hoje em dia, movimenta-se muito mais dinheiro no mundo para a
compra de produtos que podem ser considerados supérfluos, tais como
O aumento sem precedentes no consumo traz consigo diversas cosméticos ou viagens, do que para questões relativas ao bem estar
“patologias”. A oneomania, doença do consumo compulsivo, é um social, tais como a alfabetização, água potável e vacinação.
dos reflexos do mundo consumista, a qual caracteriza-se pelo fato de
Veja a tabela abaixo:

Investimento
Gasto anual Objetivo social ou extra anual
Itens de Luxo (bilhões de
ECONOMIA CIRCULAR econômico necessário para
US$)
Uma outra maneira de pensar a produção e o consumo atingir o objetivo
é através do conceito de economia circular. Segundo
a Fundação Ellen MacArthur, a Economia Circular Saúde Reprodutiva para
procura redefinir a noção de crescimento, com foco Cosméticos 18 12
em benefícios para toda a sociedade, ou seja, propõe
todas as mulheres
dissociar a atividade econômica, do consumo de
recursos finitos, e eliminar resíduos do sistema por Ração de animais de Erradicacão da fome e
17 19
princípio. Apoiada por uma transição para fontes de estimação na Europa e EUA má nutrição
energia renovável, e baseada em três princípios:
Perfumes 15 Alfabetizacão universal 5
• Eliminar resíduos e poluição por princípio
• Manter produtos e materiais em ciclos de uso
• Regenerar sistemas naturais Cruzeiros Marítimos 14 Água potável para todos 10
Para saber mais sobre Economia Circular: Vacinação de todas as
http://www.espacoeco.org.br/downloads/Ebook_ Sorvetes na Europa 11 1,3
Economia-Circular.pdf crianças
BADUE, TORRES, ZERBINI, PISTELLI & CLEC’H. Material Pedagógico - Entender para Intervir: por uma educação para
https://www.ellenmacarthurfoundation.org/pt/ o Consumo Responsável e o Comércio Justo. São Paulo. 2005. Pg 77
economia-circular-1/conceito

https://www.youtube.com/
watch?v=z5bNocDSyfg&feature=youtu.be

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 111


RECONHECENDO O CONSUMO INDIVIDUAL EDUCAR PARA O CONSUMO
Peça para os alunos fazerem uma lista de tudo o O que seus alunos consomem ou desejam consumir? Peça-lhes
que consomem (alimentos, bebidas, lazer, vestuário, que em casa, abram um dos armários e contem quantos itens
energia, luz, água, combustível) durante uma diferentes existem ali. Analisem quais deles estão realmente em
semana, e depois fazerem uma reflexão sobre o que uso. Os itens que não estão em uso, foram adquiridos por qual
eles realmente precisam para viver de uma maneira razão? O que consideram necessário? Como definem o conforto?
confortável.
Quanto aos bens considerados necessários, peça-lhes que
ADUE, TORRES, ZERBINI, PISTELLI & CLEC’H. Material desenhem o caminho de cada uma das matérias primas que
Pedagógico - Entender para Intervir: por uma educação possibilitaram a sua fabricação. De onde vieram? O que têm a ver
para o Consumo Responsável e o Comércio Justo. São com as florestas? Que reflexões podem fazer sobre isso?
Paulo. 2005. Pg 127
Como é o consumo da água? E o de energia? Há desperdício de
materiais? Quais?

BALCÃO DE TROCAS
Peça para os alunos trazerem algum livro ou gibi que não
utilizem mais, mas que estão em bom estado de conservação,
para que sejam trocados no Balcão de Trocas que vocês irão
realizar. Faça uma roda com as carteiras e peça para que
os alunos circulem na sala apresentando uns aos outros os
objetos que trouxeram. Depois peça para que comecem as
trocas, de acordo com seus interesses e motivações. No final,
dê um tempo para leitura das novas aquisições.

Esta atividade também pode ser feita com desenhos e poesias


criados pelos próprios alunos. Ela estimula a cooperação, pois
mostra como às vezes o que é velho para uns pode ser novo
para outros.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 112


PEGADA ECOLÓGICA
Você sabia que se todos os habitantes da Terra consumissem recursos
como nos países ricos precisaríamos de três planetas Terra para nos Pela análise do quadro, percebemos que uma pessoa que mora no
sustentar? Sri Lanka precisa, em média, de 1,2 hectares de terra para viver, ao
A população humana tem aumentado significativamente, assim passo que uma pessoa que vive no Canadá precisa, em média, de 6,3
como o consumo de produtos naturais. Será que a Terra tem tanta hectares. Vamos refletir a respeito baseados nestas perguntas:
água e solo fértil para nos sustentar? Vamos conhecer o conceito de
“pegada ecológica”. Ela mede a área de terra fértil (em hectares) de 1 - Em quais locais do mundo você acha que a população humana está
que uma população humana – ou uma pessoa – precisa para produzir crescendo mais: nos países ricos, ou nos pobres?
os recursos (comida, combustível, água etc.) que consome e para R: Nos países pobres a população cresce mais.
absorver os resíduos descartados.
2 - Por que os países ricos como o Japão têm uma pegada ecológica
Veja o tamanho da pegada ecológica em diferentes países. muito maior que a Índia, que é muito populosa?
Pegada Ecológica R: Porque as pessoas têm mais recursos financeiros, e os países
Países mais ricos da Terra consomem mais recursos naturais (exemplo:
(hectares de terra fértil por pessoa)
combustível, alimentos com muita embalagem, eletricidade, e assim
Brasil 2,6
por diante) e acabam gerando mais lixo (que também é proveniente
China 1,8 das atividades industriais).
Alemanha 6,3
Índia 1,1 3 - O que deveria ser feito para reduzir nossa pegada ecológica, visto
que a quantidade de pessoas está aumentando e a dimensão do
Indonésia 1,5
planeta Terra não tem como crescer?
Japão 5,9 R: Uma mudança no estilo de vida, isto é, reduzir o consumo de
Relatório Planeta Vivo. WWF. Brasília. 2012 (http:/d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/ recursos naturais, evitar o desperdício, gerar menos lixo e controlar o
downloads/relatorio_planeta_vivo_sumario_rio20_final.pdf)
crescimento populacional.

Abra um espaço para debater o tema.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 113


Como você se sentiu no trabalho sobre o consumo com seus alunos? A conexão do consumo com as florestas
ainda está clara para vocês? Anote aqui suas observações.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 114


CINEMA MUDO
O objetivo desta atividade é despertar a atenção do público para a Sugestões de frases:
temática do consumo, estimular reflexões e difundir mensagens de BOM DIA!!!! OPS, BOA TARDE!!
maneira não convencional.
SEJAM BEM VINDOS

Você precisará de 10 “atores ou atrizes” e papel para confecção de VAMOS BRINCAR DE CINEMA MUDO?
cartazes de 60x45cm cada um, música ambiente, roupas da mesma cor SIGA AS INSTRUÇÕES...
para todos os atores.
SORRIA!

Método: Produza em grupo as falas do filme, frases curtas que LEVANTE OS BRAÇOS E RESPIRE FUNDO
provoquem o público. Os dizeres dos cartazes devem ser legíveis AGORA UMA GARGALHADA....RSRSRSRS
a uma distância de 5 metros. Dobre ao meio para não revelar a
AGORA É SÉRIO, VAMOS REFLETIR SOBRE O CONSUMO?
mensagem antes da hora. O grupo responsável deve ensaiar a
sequência de apresentação com antecedência. ETC.....

Para iniciar a apresentação coloque a música, e cada ator entra de Da Pá Virada – Revirando o tema lixo – Vivências em educação
uma vez com seu respectivo cartaz, que deve ser aberto quando o ator ambiental e resíduos sólidos. São Paulo. 2007. Pg 185
der os primeiros passos em direção ao público. A expressão corporal
deve se relacionar a cada mensagem mostrada. Valem mímicas,
porém não a comunicação verbal. Crie um ritmo, mas evite a correria
para que a plateia tenha tempo de ler e cumprir as tarefas indicadas.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 115


5.6 - A FLORESTA E AS FONTES DE ENERGIA
(RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS)
Energia é algo que está presente em todos os processos naturais ou
criados pelos seres humanos. Ela consiste, basicamente, na capacidade
de gerar movimento ou mudanças de estado. As fontes de energia que
os seres humanos aprenderam a utilizar, desde o fogo até os reatores
nucleares, podem ser classificadas em renováveis e não renováveis.

As não renováveis são aquelas que se apresentam sob forma de estoques


armazenados pela natureza e que, quando esgotados, só se regeneram
em prazos extremamente longos. São elas: carvão mineral, petróleo, gás
natural e os minerais radioativos que abastecem os reatores nucleares.

As renováveis são associadas a ciclos de reprodução bastante curtos,


renovando-se constantemente e possibilitando o seu uso permanente.
São elas: energia solar, dos ventos (eólica), das marés, das ondas do mar,
das correntes marítimas, das quedas d’água e a contida em todos os tipos
de biomassa – madeira, carvão vegetal e cana de açúcar, entre outros.

Atualmente a humanidade é dependente de combustíveis fósseis para


a geração de energia elétrica. As fontes mais utilizadas são o petróleo, o
gás, o carvão e a energia nuclear. A dependência destes combustíveis não
renováveis resulta em grandes problemas: mudanças climáticas, poluição
do ar e perda irreparável de recurso, além dos conflitos internacionais
resultantes da luta pelo controle destes.

7. Vide página 177

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 116


Um quarto da população do planeta consome mais de 70% da energia
comercializada no mundo, enquanto os outros três quartos consomem
menos de 30%. Uma cultura sustentável demanda o uso ético de
tecnologias baseadas em fontes renováveis de energia, que poderiam
estar acessíveis a todos.

Se pensarmos na energia da biomassa consegue-se facilmente relacioná-


la com as florestas. Biomassa é matéria de origem orgânica, animal
ou vegetal, que pode ser aproveitada para gerar calor ou eletricidade.
Pode ser melhor definida como a energia solar armazenada pelas
plantas através da fotossíntese, quando água e gás carbônico reagem,
transformando-se em açúcar ou celulose, que ficam retidos no
tecido vegetal. A produção de biomassa pode ocorrer também pelo
aproveitamento de lixo residencial e comercial ou resíduos de processos
industriais, como serragem, bagaço de cana e cascas de árvore ou de
arroz. Mas para uma produção em escala maior, pode ser obtida a partir
da cana, mandioca, babaçu, dendê, girassol, amendoim e mamona.

Há também outras formas de energia que tem relação estreita com as


florestas: carvão mineral (devido à extração), hidrelétricas (pelos rios e
pelo alagamento de grandes áreas florestais) e eólica (pela influência dos
ventos).

VOCÊ SABIA QUE 43,5% DA MATRIZ ENERGÉTICA


BRASILEIRA É FORMADA POR FONTES RENOVÁVEIS?

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 117


Outras renováveis
Outras não
renováveis 5,4% Carvão A matriz elétrica é formada pelo conjunto
Lenha e carvão 0,7% 5,5% de fontes disponíveis apenas para a
vegetal
8% geração de energia elétrica.
Solar e eólica Carvão Derivados de
5,4% 4,2% petróleo
Biomassa
Derivados 2,4%
da cana 8,2%
Gás natural
17,5%
9,1%
Petróleo e
derivados
Hidráulica Nuclear
12,6% 36,5% 2,6%

Nuclear
Hidráulica
1,5% Gás natural
68,1%
12,3%
Matriz Energética Brasileira 2016

A matriz energética brasileira é composta Matriz Elétrica Brasileira 2016


pelo conjunto de fontes de energia
disponíveis para movimentar os carros, A matriz elétrica brasileira é ainda
preparar a comida no fogão e gerar mais renovável do que a energética.
eletricidade. Isso porque grande parte da energia
Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Governo Federal elétrica gerada no Brasil vem de usinas
hidrelétricas.
São fontes renováveis: hidráulica/hidroelétrica, cana e Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Governo Federal
carvão vegetal.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 118


VOCÊ SABIA QUE A NOSSA MATRIZ ELÉTRICA ESTÁ DIRETAMENTE LIGADA À
DISPONIBILIDADE DE ÁGUA E QUE EM UMA EVENTUAL CRISE HÍDRICA, COMO
A DE 2014, PODEMOS SOFRER IMPACTOS TAMBÉM NO ABASTECIMENTO DE
ENERGIA?

NA VERDADE, JÁ ESTAMOS SOFRENDO ALGUMAS CONSEQUÊNCIAS EM


FUNÇÃO DA BAIXA DOS NOSSOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA. UMA DELAS É O
AUMENTO DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA.

Atualmente, alternativas vêm sendo discutidas, em especial de energias


renováveis, para compor nossas matriz elétrica de forma que não sejamos tão
dependentes de uma única fonte.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 119


CATA VENTO
Você precisará de um pote de plástico grande, prego de cabeça
chata, uma varinha de 60cm, tesouras e martelo.

Método: corte um quadrado de um dos lados do pote. Marque


linhas diagonais unindo os cantos do quadrado (você terá 4
AS COISAS ESTÃO ESQUENTANDO triângulos). Corte ao longo destas linhas. Pare a uma distância
Você precisará de 4 vidros grandes, uma régua, fita
curta do centro. Dobre cada segunda ponta, unindo-as no
crepe, água, solo, pequenas pedras, 4 termômetros,
centro. Faça um furo no centro, juntamente com as pontas
relógio, lápis e papel.
que ali se encontram e prenda com o prego. Pregue na
varinha, mas deixe espaço suficiente entre a varinha e o cata
Método: meça 10 centímetros a partir do fundo de cada
vento para que possa girar no vento. Agora corra pelo vento!
vidro. Marque com a fita crepe. Faça isso em todos
os vidros. Na fita você escreverá o conteúdo de cada
LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo Ambiente.
pote (ar, água, solo, pedra). Ela servirá como rótulo e
São Paulo. 2007. Pg 137
marcador de nível. Deixe um dos vidros vazio (cheio
de ar). Encha um deles com 10cm de solo, outro com
10cm de água. Cuidadosamente ponha um termômetro
dentro de cada um deles. No último vidro você coloca
as pedras. É preciso colocar primeiro o termômetro e
depois, com cuidado os 10cm de pedras. Para medir os
vidros com água e ar suspenda os termômetros com o
auxílio da fita crepe presa no gargalo. Ponha todos os
vidros em lugar ensolarado. Após duas horas confira a
temperatura de cada um.

LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo


Ambiente. São Paulo. 2007. Pg 130

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 120


5.7 - CIDADES SUSTENTÁVEIS
Vivemos em um mundo de constantes transformações, o modelo de O Ministério do Meio Ambiente afirma que “buscar um melhor
desenvolvimento está em discussão, os recursos naturais estão se ordenamento do ambiente urbano primando pela qualidade de vida da
esgotando, o tempo de vida do ser humano aumenta e as populações população é trabalhar por uma cidade sustentável. Melhorar a mobilidade
crescem. Dentro deste cenário, nos deparamos com o “problema”, a urbana, a poluição sonora e atmosférica, o descarte de resíduos
sustentabilidade da vida no planeta. sólidos, eficiência energética, economia de água, entre outros aspectos,
contribuem para tornar uma cidade sustentável”.
Segundo o PNUD (2019) “mais da metade da população do planeta vive
em áreas urbanas. Em 2050, esse número chegará a 6,5 bilhões de O desenvolvimento sustentável não poderá ser alcançado sem uma
pessoas – dois terços de toda a humanidade”. mudança na forma de pensar nosso modelo de desenvolvimento. É
preciso constituir uma visão de mundo de forma a integrar as dimensões
A humanidade construiu uma grande civilização, onde a concretização são sociais, ambientais e econômicas considerando que todas as atividades
as cidades. Porém, algumas destas acabaram abandonadas por motivos humanas geram algum tipo de impacto e toda a sociedade é responsável
diversos. A vida humana nestes lugares acabou sendo comprometida pela por transformar a forma como gerenciamos nossos espaços urbanos.
degradação dos recursos naturais e o não aproveitamento devido dos
recursos físicos e humanos.

“O rápido crescimento das cidades no mundo em desenvolvimento,


junto com o aumento da migração rural para a área urbana, levou a uma
expansão das cidades. Em 1990, haviam dez megacidades com mais de VOCÊ SABIA
10 milhões de habitantes ou mais. Em 2014, já haviam 28 megacidades, que desde 2011 existe o “Programa Cidades Sustentáveis” que tem
que abrigavam mais de 453 milhões de pessoas”. (PNUD, 2019) por finalidade oferecer aos gestores públicos uma agenda completa
de sustentabilidade urbana, um conjunto de indicadores associados
a esta agenda e um banco de práticas com casos exemplares
nacionais e internacionais como referências a serem perseguidas
pelos municípios??

Quer saber mais? Acesse: https://www.cidadessustentaveis.org.br/

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 121


ATIVIDADE: CIDADES ABANDONADAS

1. Apresentar o Contexto de Cidades Abandonadas:


Você sabia que existem milhares de cidades abandonadas no mundo inteiro?
Só na América do Norte concentram-se cerca de 6 mil cidades abandonadas.

1 - Kolmanskop, Namíbia - África


4 2 - Kowloon Walled, Hong Kong - Ásia
3 3 - Agdam, Azerbaijão - Ásia
1 4 - Varosha, Chipre, Turquia - Ásia
5 - Aiadour sur Glane, França - Europa
6 - Wittenoom, Western, Austrália - Oceania
7 - Balestrino, Gênova, Itália - Europa
5 8 - Centralia, Pensilvânia, EUA - América do Norte
2
9 - Pripyat, Ucrânia - Europa
9 10 - Elizabethtown, Novo México, EUA - América do
Norte
11 - Jonestown, Guiana - América do Sul
12 - São João Marcos, Rio de Janeiro, Brasil - América
Conte a história de alguma cidade que foi abandonada. Nos materiais do Sul
de apoio você encontrará detalhes sobre 3 cidades: Balestrino – Itália, 13 - Bodie, Califórnia, EUA - América do Norte
São João Marcos – Brasil e Hashima – Japão. 14 - Mandu, Madhya Pradesh, Índia - Ásia
2. Solicite que seus alunos pesquisem outras cidades e, em outra 15 - Rhyolite, Nevada, EUA - América do Norte
aula, apresentem quais foram as causas deste abandono e,
quais poderiam ser as ações para que a cidade voltasse a ser
habitada e se tornasse sustentável.

3. Roda de Conversa para que os alunos apresentem o resultado


de sua pesquisa e os colegas possam refletir e propor mudanças
para cada uma das cidades estudadas

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 122


Como foi a atividade sobre cidades abandonadas? Quais foram as reflexões de seus alunos?
Anote aqui suas observações.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 123


PARTE 6 USO SUSTENTÁVEL
DAS FLORESTAS
E AGRICULTURA
SUSTENTÁVEL
Este capítulo tem sinergia com os ODS:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 124


6.1 - A AGRICULTURA E AS FLORESTAS

Apesar dos seus 10 mil anos, a agricultura permanece sendo a atividade


humana que mais intimamente relaciona a sociedade com a natureza.
Por mais que se esteja vivendo na “aurora de uma nova era”- rotulada pós
industrial, pós moderna, ou pós escassez – a verdade é que a humanidade
continua muito longe de encontrar uma fonte de energia necessária à
vida, que dispense o consumo das plantas e animais, como ocorre a cerca
de 2 milhões de anos. Ou seja, por mais que venha a ser revolucionada
a esfera da produção alimentar, essa importância singular da agricultura
manter-se-à até que surja, por exemplo, uma alternativa à transformação
biológica de energia solar em nutriente.

Além disso, em contraste com outros processos produtivos, a intervenção


humana na agricultura não é realizada com o propósito de transformar
matéria prima. Nela, o trabalho humano visa regular as condições
ambientais sob as quais plantas e os animais crescem e se reproduzem,
pois nesse processo há um momento de transformação que se realiza por
dinâmicas orgânicas naturais, e não pela aplicação do trabalho humano.

A ideia de agricultura sustentável indica o desejo social de práticas que,


simultaneamente, conservem os recursos naturais e forneçam produtos
mais saudáveis, sem comprometer os níveis tecnológicos já alcançados
de segurança alimentar. Resulta de emergentes pressões sociais por uma
agricultura que não prejudique o meio ambiente e a saúde. Transmite
a visão de um sistema produtivo de alimentos e fibras que garanta: a
manutenção a longo prazo dos recursos naturais e da produtividade
agrícola; o mínimo de impactos adversos ao ambiente; retornos adequados
aos produtores; otimização da produção com um mínimo de insumos
externos; satisfação das necessidades humanas de alimentos e renda e
atendimento às demandas sociais das famílias e das comunidades rurais.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 125


Serviços ambientais reprodução. Mais de 3/4 das plantas agrícolas que alimentam o mundo
e muitas plantas utilizadas pela a indústria farmacêutica dependem
Os ecossistemas são importantíssimos para a vida humana, pois da polinização por insetos ou outros animais para produzir frutos e
desempenham funções como a purificação da água e do ar, amenizam sementes. A manutenção da diversidade de polinizadores contribui para a
os fenômenos violentos do clima, promovem a decomposição do lixo, manutenção da nossa diversidade de alimentos e qualidade de vida.
a geração de solos férteis, o controle de erosões, a reprodução da
vegetação pela polinização e pela dispersão de sementes, o controle de Onde há ausência de polinizadores, a segurança alimentar pode
pragas, o sequestro de carbono por meio do crescimento da vegetação, ser comprometida repercutindo negativamente na economia com a
entre outros serviços ambientais. diminuição da produtividade das culturas.

O conceito de Serviços Ambientais (SA) surgiu com a necessidade de Há dois aspectos importantes e interconectados para os fornecedores
demonstrar que as áreas naturais são responsáveis por cumprir funções de serviços ao ecossistema (no caso, polinizadores), aqueles que são
essenciais nos processos de manutenção da vida. Classificam-se três tipos requeridos pela agricultura bem sucedida e os destinados à manutenção
de serviços ambientais: manutenção da biodiversidade, manutenção dos da biodiversidade natural. Ambos dependem da sobrevivência de hábitats
estoques de carbono e do ciclo da água, além da conservação da beleza naturais e, no caso da agricultura em particular, do relacionamento
cênica. espacial entre hábitats naturais e culturas agrícolas.

A preservação dos ecossistemas e, consequentemente, dos Os polinizadores fornecem um serviço essencial ao ecossistema e trazem
serviços ambientais por eles prestados nem sempre é um caminho inúmeros benefícios à sociedade, através do seu papel na produção de
economicamente atrativo à primeira vista. Em curto prazo, outras atividades alimento e da agricultura, além de melhorias nos meios de subsistência,
são mais lucrativas: criação de gado e produção de grãos, por exemplo.
Tais atividades exigem a derrubada de vegetação de grandes áreas, o
que interrompe a geração dos serviços ambientais prestados pela mata
que precisaria ser derrubada. No entanto, se pensarmos nos custos para
recuperar uma área degradada, despoluir um rio, ou recuperar a perda de
uma produção causada por incêndios florestais, vale mais a pena investir na
manutenção dos serviços ambientais que a natureza presta.

Polinizadores

A polinização é um dos principais mecanismos de manutenção e


promoção da biodiversidade na Terra. Somente após a polinização as
plantas podem formar frutos e sementes, das quais dependem para sua

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 126


desenvolvimento científico, cultura e recreação, e na conservação da Combate às pragas
diversidade biológica. Frequentemente, a produção agrícola reduzida ou
os frutos deformados são resultantes da polinização insuficiente e não Quando falamos de agricultura, estamos falando de inimigos naturais
do uso insuficiente de insumos. Em ecossistemas naturais, as sugestões que insistem em conviver com as plantas, são as conhecidas pragas.
visuais de polinização insuficiente são mais sutis do que em sistemas Atualmente existem inúmeras práticas que permitem combatê-las e
agrícolas, mas as consequências podem ser tão severas como: a extinção reduzi-las. Vamos destacar duas delas: o controle biológico e o manejo
de uma planta ou um declínio visível de animais que se alimentam integrado das pragas (MIP).
de frutos e sementes, regeneração pobre da flora, erosão do solo e
diminuição do volume de água.
Controle Biológico
É necessário identificar práticas de manejo sustentáveis que diminuam
os impactos negativos antropogênicos sobre os polinizadores; que As técnicas de controle biológico visam favorecer o aumento das
promovam a conservação e a diversidade de polinizadores nativos e populações de inimigos naturais das pragas, valendo-se dos limites de
conservem e restaurem áreas naturais necessárias para otimizar tais tolerância das plantas. Um ponto polêmico é a possível dependência dos
serviços de polinizadores nos sistemas agrícolas. agricultores perante as empresas “produtoras” de inimigos naturais. Para
reduzir esta dependência, a opção é proporcionar as condições para o
Os estudos que abordam as exigências para a polinização de culturas no desenvolvimento dos inimigos naturais no próprio agroecossistema, ou
Brasil e seus déficits ainda são escassos. Os poucos dados disponíveis se seja, conservar parte da vegetação nativa e reduzir o uso de insumos.
concentram em um número reduzido de culturas, tais como: melão, café, Por exemplo, a Joaninha é indicada para controle biológico de pragas por
maracujá, laranja, soja, algodão, caju e maçã. ser predadora voraz de diversas espécies de cochonilhas e pulgões que
afetam diversas culturas agrícolas, como soja, milho, algodão e frutas
Trabalhos interessantes que enfocam os serviços ambientais fornecidos como pêssego e maçã.
por polinizadores foram publicados recentemente, considerando também
seu valor econômico e tentando medir este valor. Um bom exemplo Manejo integrado das pragas (MIP)
está relacionado às culturas do café. Embora estas não dependam
obrigatoriamente dos polinizadores, mostrou que as plantações de café É a prática que combina métodos químicos, físicos e biológicos para
no Brasil, nas fazendas próximas a fragmentos florestais, tiveram um reduzir populações de pragas e minimizar seus danos econômicos. O que
aumento de 14,6% na produção, o que poderia estar relacionado aos se propõe é um rígido acompanhamento da lavoura a fim de determinar
serviços de polinização. Tambem apontaram a importância de fragmentos em que nível as pragas ou doenças provocam prejuízos às culturas, e o
florestais tropicais para aumentar a atividade do polinizador em culturas momento a partir do qual os insumos devem ser aplicados. Realiza-se,
de café. portanto, aplicações mais específicas, diminuindo o número de produtos e
aplicações.
Fonte: http://www.ib.usp.br/vinces/logo/servicos%20aos%20ecossistemas_
polinizadores_vera.pdf

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 127


Preservando a água com boas práticas de plantio

A chuva deve ser aliada e não ser inimiga Curvas de Nível


Com as chuvas, a água tende a correr do local mais alto para o mais baixo. Esse é um sistema onde cada linha da cultura a ser cultivada é plantada
À medida que ela corre morro abaixo ela ganha velocidade e força para em uma mesma altitude. Imagine o seguinte: se plantarmos seguindo
carregar o solo. Assim, todo o material solto no solo é carregado ao pé a linha do morro, onde cada linha começa em cima e termina no pé do
do morro, podendo chegar até os rios. Os resultados são os buracos de morro, estamos formando corredores para que a água da chuva escorra
erosão, desgaste da camada superficial do solo (a mais fértil) e, muitas e faça seu estrago. Já quando o plantio é feito com as linhas cortando o
vezes, poluição de rios com solo, adubos e agrotóxicos. É preciso impedir morro, na transversal, cada linha já serve de barreira para a água da chuva
que a água escorra sobre a superfície e consiga carregar esse solo para não escorrer.
outros locais. Saíba como:

Fonte: Fundação Espaço ECO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 128


Terraceamento
Utilizado onde há terrenos íngremes, essa técnica consiste na
construção de obstáculos à água da chuva, chamados de terraços.
Eles fazem a água perder velocidade e se infiltrar no solo, não
escorrendo mais. Quanto mais inclinado o terreno, mais terraços são
necessários.

A construção de terraços exige conhecimento técnico e cálculos


de engenharia para definir a distância entre eles, assim como a
declividade e a altura.

Terraços construídos sem a orientação de especialistas podem


provocar erosões e estragos ainda maiores em chuvas mais fortes.

Irrigação
O uso de irrigação na atividade agrícola deve ser
bem planejado e o método que for empregado
(pivot central, aspersão ou gotejo) deve buscar
uma irrigação localizada para que se otimize o uso
da água. Além disto, é muito importante que o
agricultor anote e acompanhe periodicamente o
consumo de água utilizado na atividade agrícola,
para que se possa ser feita uma gestão orientada
na sustentabilidade deste recurso.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 129


Proteção das nascentes
As nascentes, devido a sua importância dentro de uma propriedade
agrícola, devem ser tratadas com um cuidado todo especial. Localizam-
se em encostas ou depressões do terreno ou ainda no nível de água
representado pelo curso d’água local; podem ser perenes (de fluxo
contínuo), temporárias (de fluxo apenas na estação chuvosa) e efêmeras
(surgem durante a chuva, permanecendo por apenas alguns dias). A
nascente ideal é aquela que fornece água de boa qualidade, abundante
e contínua, localizada próxima ao local de uso e de cota topográfica
elevada, possibilitando assim sua distribuição por gravidade, sem gasto
de energia.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 130


6.2 - ALTERNATIVAS PARA USO SUSTENTÁVEL
DAS FLORESTAS

OU ISTO OU AQUILO
“Ou se tem chuva ou não se tem sol,

ou se tem sol ou não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,

ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,

Quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa

estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo dinheiro e não compro doce,

ou compro doce e não guardo dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...

e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,

se saio correndo ou fico tranquilo.

Mas não consegui entender ainda

qual é melhor: se é isto ou aquilo.”

Cecília Meirelles

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 131


Construir um mundo equilibrado depende de nossas escolhas... Seguem
abaixo alguns exemplos de novos caminhos em busca dessa harmonia, 2. Substituir altos investimentos e trabalho por planejamento e
abrindo mão de hábitos e modelos predominantes na sociedade e criatividade. Isso supõe uma observação atenta dos sistemas
propondo outros, mais coerentes com os valores da sustentabilidade. produtivos e coragem para criar soluções totalmente diferentes
daquelas dos vizinhos. O limite de um sistema está na criatividade
das pessoas.
Permacultura
3. O problema é a solução. Problemas revelam situações especiais
Permacultura é o planejamento e a manutenção conscientes de que podem ter uma função única. Todo problema aponta para uma
ecossistemas agriculturalmente produtivos, ou seja, ecossistemas oportunidade, é uma questão de enfoque.
com potencial produtivo para agricultura, que tenham a diversidade,
estabilidade e resistência dos ecossistemas naturais. É a integração 4. A diversificação garante a estabilidade. Ela protege contra desastres
harmoniosa das pessoas e a paisagem, provendo alimento, energia, abrigo climáticos, pois sempre os mais resistentes vão salvar a colheita. Os
e outras necessidades, materiais ou não, de forma sustentável. povos antigos faziam policultura por esse motivo. As policulturas
que incorporam árvores no sistema são as mais estáveis de todas.
A Permacultura visa trabalhar com a Natureza, e não contra ela. É um
trabalho de observação do mundo natural, com conclusões transferidas 5. A estabilidade vem quando se fecham os ciclos. Quando uma parte
para o ambiente planejado. Os sistemas naturais são observados em do sistema sustenta outra, evita-se a necessidade de procurar
todas as suas funções, não exigindo somente um produto deles. Para insumos fora da propriedade, fortalecendo, assim, todo o sistema.
isto devemos permitir que estes sistemas produtivos apresentem suas
evoluções próprias. 6. Precisamos responsabilizar-nos por nossos netos. Ainda temos o
privilégio de desfrutar de florestas, de beber água limpa, de apreciar
Os princípios da permacultura são: belas paisagens. Nossos netos também têm esse direito, e cabe a
nós assegurar que ele seja respeitado.
1. Quanto mais se aproxima da Natureza, menos se trabalha. Nos
sistemas permaculturais de agricultura, se comparados com as 7. Os problemas são basicamente domésticos e podem ser resolvidos
monoculturas, há muito menos necessidade de intervenções, tais no nível doméstico. Não há soluções em grande escala para
como: introdução de adubo, irrigação e uso de defensivos. A criação problemas locais. Atualmente, chamam-se terras agrícolas aquelas
de animais busca atender as necessidades do animal, não tendo de onde pode-se entrar com máquinas pesadas. Mas toda terra pode
buscar continuamente sua adaptação ao sistema artificial, como se ser agrícola. Plantações pequenas e intensivas são muito mais
faz na pecuária moderna. O sistema produtivo pode durar décadas, produtivas em qualquer lugar do mundo. Mesmo aquelas em frente
sem requisitar grandes investimentos, e proporciona um lucro à porta da cozinha!
maior, além da qualidade.
8. Todo sistema deve produzir mais energia do que consome. A

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 132


agricultura mecanizada é deficitária energeticamente. O sistema
permacultural é de produção e consumo locais; utiliza as fontes de
energia e os insumos do lugar, economizando energia em todas as
suas fases.

9. Visa-se cooperação em vez de competição, integração em vez


de fragmentação. A Permacultura tem sido difundida no Brasil
pelo Ipec - Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado (www.
ecocentro.org) e pelo Ipema - Instituto de Permacultura da Mata
Atlântica (www.ipemabrasil.org.br).

MOLLISON & SLAY. Introdução à Permacultura. Austrália. 1994.

Agrofloresta

A agrofloresta é uma forma de uso da terra em que as espécies agrícolas


e florestais são plantadas e manejadas em associação, considerando
a estrutura e a dinâmica dos ecossistemas onde estão inseridas,
fundamentando-se na sucessão natural das espécies. Representa
a interface entre a agricultura e a floresta, aliando a produção à
conservação dos recursos naturais; possibilita a recuperação de áreas
alteradas e intensifica a produção em pequenas áreas por muitos anos.
As espécies da regeneração natural são consideradas como componentes
da agrofloresta que, com alta diversidade de vida, promove um maior
equilíbrio ecológico, podendo ser uma alternativa promissora para os
países tropicais, ricos em biodiversidade. Esse sistema de produção
envolve práticas e conhecimentos antigos, fundamentalmente usados
por índios e populações tradicionais, e há pouco tempo a ciência vem se
dedicando ao estudo aprofundado desses saberes e dessa forma de uso
da terra.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 133


Algumas vantagens ambientais das agroflorestas: instrumento fundamental na tomada de decisões visando à proteção
ambiental. Assim, o manejo de florestas nativas deve englobar um
• Capacidade de reincorporar ao processo produtivo áreas já conjunto de procedimentos e técnicas que assegurem:
degradadas;
• A permanente capacidade da floresta oferecer produtos e serviços
• O sistema agroflorestal, durante a fase de desenvolvimento, diretos e indiretos.
apresenta alto potencial para sequestro de carbono;
• A capacidade de regeneração natural.
• Diminui as perdas de nutrientes do solo por erosão, lixiviação e
volatização; • A capacidade de manutenção da biodiversidade.

• Melhora as propriedades físicas e biológicas do solo; Fonte: www.ambientebrasil.com.br

• Minimiza o uso de herbicidas e pesticidas, aumentando a qualidade


do alimento; Reflorestamento

• Pode ser utilizado na recuperação de matas ciliares, encostas e As atividades de reflorestamento são dispendiosas. Muitas etapas são
manejo de bacias; necessárias para se ter sucesso, como, por exemplo, o preparo da
terra, a escolha ideal das espécies, a manutenção adequada da área em
• Permite a conservação da biodiversidade. processo de restauração. Mas, além disto, para se ter tanto sucesso com
o desenvolvimento da floresta, como na redução de custo, a distribuição
Fonte: www.agrofloresta.net das espécies no espaço em grupos funcionais - de crescimento rápido e
http://www.cpaa.embrapa.br/portfolio/sistemadeproducao/prosiaf/ que produz boa sombra (geralmente espécies pioneiras) e das demais
SISAFpagina/WebSisaf/SISAF1_1.php espécies que podemos chamar de grupo de diversidade, pode auxiliar
na maior otimização de resultados para o sucesso das atividades de
reflorestamento.
Manejo das Florestas
As espécies pioneiras são as de crescimento rápido, desenvolvem-se a pleno
O manejo de florestas é a utilização de recursos de interesse econômico sol e são menos exigentes quanto às características de fertilidade do solo.
sem a sua derrubada. A conceituação de manejo florestal está associada, Estas são as primeiras a crescerem e fecharem um dossel (ou domo). Com
inicialmente, aos determinantes do desenvolvimento em bases melhores condições de sombra, umidade e terra, as espécies nobres, não-
sustentáveis que são: promover o capital natural, o capital humano e pioneiras, passam a se desenvolver. Com o passar do tempo, estas espécies
institucional e ser objeto de análise econômica. Nesse aspecto, não se nobres passam a ocupar o dossel sombreando as pioneiras, que, tendo
descarta a análise de custos e benefícios, apesar de suas limitações, como cumprido sua missão, eventualmente morrem, pois têm um ciclo de vida mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 134


curto. As espécies utilizadas no processo devem ser escolhidas de acordo com Ecoturismo e estudos do meio
a área a ser reflorestada, privilegiando espécies de ocorrência regional, pois
busca-se chegar o mais perto possível da composição original desta mata. O Ecoturismo é uma modalidade do turismo que vem ganhando cada
vez mais espaço no Brasil e no mundo. O nosso país desponta como
O reflorestamento busca auxiliar no processo de recuperação da um grande polo de Ecoturismo devido às suas matas e beleza natural. O
floresta através do plantio de espécies nativas, preferencialmente de Ecoturismo consiste em visitas às áreas naturais com guias especializados,
caráter regional, de forma a ampliar as possibilidades de manutenção com o objetivo principal de aproximar as pessoas da natureza. Porém, a
das florestas. Para tanto são determinadas certas prioridades, como a maioria das operadoras e agências de viagens que oferecem este serviço,
recuperação de recursos hídricos e manutenção de biodiversidade, de o fazem de maneira superficial e acabam não contribuindo para que o
forma a aumentar a eficiência do processo. Cada uma destas prioridades passageiro tenha uma experiência significativa.
é então atendida através de plantios em áreas estratégicas que
possibilitem maior êxito na manutenção dos fatores ambientais. Quando se pratica o Ecoturismo de uma forma cuidadosa com a
comunidade que está sendo visitada, respeitando a diversidade,
O programa clickarvore, iniciativa da ONG SOS Mata Atlântica, realiza aprofundando a experiência com a natureza, observando e percebendo
parceria com proprietários de terras que querem reflorestar suas áreas. todos os aspectos novos que aquela viagem pode proporcionar, ele acaba
O programa tem o objetivo de plantar espécies nativas da Mata Atlântica, sendo um mecanismo de conservação da cultura daquela comunidade e
como o ipê, peroba, ingá, palmito juçara, jequitibá-rosa entre outros para das áreas naturais, pois cria-se uma demanda por florestas e lugares bem
ajudar a recuperação de áreas degradadas dos 17 estados brasileiros com conservados com retorno econômico direto.
vegetação nativa de Mata Atlântica.
Fonte: www.clickarvore.org.br Com as atividades de estudo do meio – atividades de estudo ao ar livre
realizado pelas escolas ou por empresas especializadas - algo parecido
acontece. Se não está vinculado a um projeto pedagógico mais amplo e
Corredores de Biodiversidade bem consolidado, acaba sendo um “passeio” que as crianças poderiam
fazer sem a escola. A atividade extra classe tem o potencial de colocar em
Corredor de Biodiversidade é como um mosaico de usos e ocupação da prática muitos dos conceitos vistos na sala de aula e que ficam, muitas
terra. Ele integra parques e reservas, áreas de cultivo e pastagem, centros vezes, abstratos para os alunos. Quando eles corporificam estes conceitos
urbanos e atividades industriais, responsabilizando todos os cidadãos no trabalho ao ar livre, a aprendizagem se consolida.
pela conservação da natureza. O objetivo é reconectar os fragmentos
de floresta, que garantem a sobrevivência das espécies, o equilíbrio dos A visita ao NEA da Cooxupé tem o propósito de proporcionar aos
ecossistemas e o bem estar humano. É uma forma de recuperar e religar estudantes e professores momentos de interação com o ambiente natural
os fragmentos de florestas; uma tentativa de evitar a perda de riquezas e entre os participantes. A proposta da visita está estruturada para que os
naturais insubstituíveis, que o tempo não irá repor sem nossa ajuda. visitantes consigam perceber que é possível aprender brincando e brincar
aprendendo com os conteúdos apresentados na sala de aula, permeando
Fonte: www.corredores.org.br todo o contexto das atividades.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 135


Mata ciliar

Assim como os cílios protegem os olhos, a mata ciliar protege as


nascentes, córregos e rios. O termo Mata Ciliar significa qualquer
formação florestal na margem de cursos d’água. Elas contribuem para
o escoamento das águas da chuva, diminuição do pico dos períodos de
cheia, estabilidade das margens e barrancos de cursos d’água e para o
ciclo de nutrientes existentes na água, entre outros.

As pastagens são a principal razão da destruição das matas ciliares.


A maior umidade das várzeas e beira de rios permite melhor
desenvolvimento de pastagens na estação da seca e, por essa razão, os
fazendeiros recorrem a essa opção mais simples.

As matas ciliares cumprem a importante função de corredores para


a fauna, pois permitem que animais silvestres possam deslocar-se de
uma região para outra, tanto em busca de alimentos como para fins de
acasalamento.

Além disso, as matas ciliares e outras áreas de preservação permanente


permitem ao proprietário diminuir os problemas de erosão do solo e
manter a qualidade das águas dos rios e lagos da propriedade.

SUGESTÃO DE VÍDEO:
Simulador de Erosão Hídrica do Solo
Acesse: Acesse: https://www.youtube.com/watch?v=eGDc1_vQges

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 136


Áreas de proteção permanente e reservas legais

As APPs, ou áreas de preservação permanente, são margens de rios,


cursos d’água, lagos, lagoas, reservatórios e topos de morros e encostas
com declividade elevada cobertas ou não por vegetação nativa, com
a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a
estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora,
e de proteger o solo e assegurar o bem estar da população humana. São
consideradas áreas mais sensíveis por sofrerem mais riscos de erosão do
solo, enchentes e deslizamentos. A retirada da vegetação nativa nessas
áreas só pode ser autorizada em casos de obras de utilidade pública, de
interesse social ou para atividades eventuais de baixo impacto ambiental.

A reserva legal é uma área localizada no interior da propriedade ou posse


rural que deve ser mantida com a sua cobertura vegetal original. Esta área
tem a função de assegurar o uso econômico sustentável dos recursos
naturais, proporcionar a conservação e a reabilitação dos processos
ecológicos, promover a conservação da biodiversidade, abrigar e proteger
a fauna silvestre e a flora nativa. O tamanho da área varia de acordo com
a região onde a propriedade está localizada.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 137


Restauração de áreas degradadas 2. Isolamento da degradação
Depois de detectar a causa da degradação, o próximo passo é isolar os
1. Diagnóstico da degradação fatores que a causaram. Veja como proceder em cada caso:
É preciso avaliar a área e detectar as características da degradação,
ver o histórico de uso e ocupação do solo e os fatores de degradação
existentes, como pisoteio da regeneracão natural pelo gado, Restrição de
desmatamento, presença de mato sufocando a regeneração e
acesso do gado
nas APP - Área
degradação por fogo. de Preservação
Permanente

Fonte: Fundação
Espaço ECO

Aceiros - evitando
degradação por fogo

Fonte: Fundação
Espaço ECO

Coroamento -
controle do mato
no entorno da
regeneração

Fonte: Fundação Espaço ECO Fonte: Fundação Espaço ECO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 138


3. Procedimentos para restaurar B - Quando há floresta no local mas com quase nenhuma
Com base no diagnóstico da degradação observe: diversidade de árvores
Resposta: Introduzir novas espécies fazendo o plantio com mudas
A - Quando há regeneração no local nativas regionais.
Resposta: No local há algumas árvores pequenas e muito mato, o que
deve ser feito é limpar o excesso de mato e nas áreas onde houver
espaço, plantar novas mudas. Dê preferência com alta diversidade de
espécies nativas regionais.

Fonte: Fundação Espaço ECO

C - Quando não há floresta no local


Fonte: Fundação Espaço ECO
Resposta: Fazer o plantio com mudas de espécies nativas regionais.

Fonte: Fundação Espaço ECO Fonte: Fundação Espaço ECO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 139


O CÓDIGO FLORESTAL: O QUE EU TENHO A VER COM ISSO?

Pode não parecer, mas o Código Florestal tem a ver com a qualidade criação, o Código originou discussões e alterações
de vida de todos os brasileiros. Desde 1934, quando surgiu, o Código foram feitas ao longo dos anos, uma delas foi em
parte do pressuposto de que a conservação das florestas e dos outros 1965 que determinou que 50% da vegetação de cada
ecossistemas naturais interessa a toda a sociedade. Afinal, são elas que propriedade na Amazônia deveriam ser preservadas.
garantem, para todos nós, serviços ambientais básicos – como a produção Nas demais regiões do país, o exigido era 20%. Os
de água, a regulação do ciclo das chuvas e dos recursos hídricos, a proprietários que eventualmente já tivessem derrubado
proteção da biodiversidade, a polinização, o controle de pragas, o controle além dessa porcentagem teriam de se responsabilizar
do assoreamento dos rios e o equilíbrio do clima – que sustentam a vida pela recomposição da área. A nova lei também definiu as
e a economia de todo o país. Além de tudo isso, é a única lei nacional áreas de preservação permanente (APPs) que deveriam ser
que veta a ocupação urbana ou agrícola de áreas de risco sujeitas, por obrigatoriamente mantidas, no campo ou nas cidades.
exemplo, a inundações e deslizamentos de terra.
Trinta anos depois, devido ao maior desmatamento da Amazônia,
É o código que determina a obrigação de se preservar áreas sensíveis e de foi criada uma medida provisória que aumentou a reserva legal nas
se manter uma parcela da vegetação nativa no interior das propriedades áreas de floresta para 80%, mas no Cerrado dentro da Amazônia Legal,
rurais. São as chamadas áreas de preservação permanente (APPs) e reduziu de 50% para 35%. Apesar de ser uma lei importante para a
reserva legal. sociedade, há uma imensa pressão de parte do setor agropecuário por
sua modificação. A razão da insatisfação é que, após muitas décadas de
Para entender a polêmica gerada em torno do Código Florestal, é preciso esquecimento, ela começou a ser aplicada. Em 1998, a Lei de Crimes
voltar no tempo e recapitular como se deu o processo de ocupação Ambientais trouxe penas mais duras para quem desobedecesse a
do solo no nosso país. Desde a chegada dos colonizadores ao Brasil, a legislação ambiental. A fiscalização no campo aumentou e o Ministério
natureza era vista como uma fonte de recursos sem fim e as florestas não Público passou a agir com mais vigor em suas denúncias. Além disso,
passavam de “obstáculos” que impediam o avanço do desenvolvimento. um conjunto de medidas voltadas a fazer valer o que diz o código foi
Essa visão permanece até hoje em algumas regiões do país: é mais barato editado pelo governo em 2008, incluindo a restrição de financiamento
queimar, degradar e procurar outra área do que ficar e cuidar da terra e bancário para fazendas que não tivessem seu passivo ambiental
investir no aumento da produtividade. regularizado. Até hoje, um total de 36 projetos de lei já tentaram derrubar
o Código Florestal. A mais recente investida teve início em 2009, com
Foi o governo Getúlio Vargas que, em 1934, criou o Código Florestal, a criação de uma comissão especial na Câmara dos Deputados – com
junto com os códigos de Água, Minas, Caça e Pesca e a primeira uma participação desproporcional da bancada ruralista – para analisar
Conferência Brasileira de Proteção à Natureza – todos foram uma projetos de lei que, em sua essência, querem desfigurar a nossa legislação
tentativa do Estado de ordenar o uso dos recursos naturais. Desde sua ambiental ao invés de buscar o seu aperfeiçoamento.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 140


Depois de muita discussão, mobilização de organizações da sociedade Com relação a uma possível condenação de
civil, de empresários e da população, em termos gerais, o código não traz proprietários rurais que desmataram legalmente
mudanças em relação à Lei nº 4.771 (Código Florestal de 1965). O código suas propriedades, a nova lei nada trouxe. Foi
novo trouxe apenas ajustes pontuais para que a situação de fato se encaixe cogitada uma condenação a tais proprietários, para que
à situação de direito pretendida pela legislação ambiental. A proteção do restaurassem as áreas de florestas nativas em tamanho
meio ambiente natural continua sendo obrigação do proprietário mediante equivalente ao que seriam suas reservas legais, mas a lei
a manutenção de espaços protegidos de propriedade privada, divididos trouxe que somente será necessária a recomposição das
entre Área de Preservação Permanente (APP) e Reserva Legal (RL). A lei áreas de reserva legal caso o desmatamento tiver sido efetuado
inova apenas na implementação e fiscalização desses espaços, agora sujeito em desacordo com legislação vigente à época do ato. É princípio
ao Cadastro Ambiental Rural (CAR). fundamental de direito, de acordo com o artigo 5º, inciso XXVI
da Constituição, que a Lei nova não afeta o ato jurídico perfeito, a
O Cadastro Ambiental Rural (CAR) é sem dúvida a grande novidade do coisa julgada e o direito adquirido. No Superior Tribunal de Justiça
Código Florestal. Da maneira como é definido, promete ser importante há o entendimento de que não há direito adquirido contra o meio
ferramenta do Poder Público para a gestão do uso e ocupação do solo ambiente. O mesmo entendimento foi transferido ao novo código, que
quanto às questões ambientais. De inscrição obrigatória para todos não trouxe novidade alguma neste assunto.
os proprietários rurais, o CAR é um novo registro público, onde são
inscritas as propriedades com perímetro identificado e delimitado Fonte: http://www.infoescola.com/direito
a partir de coordenadas geográficas, assim como todos os espaços
protegidos no interior do imóvel, especialmente Áreas de Preservação
Permanente e Reserva Legal. Ele trará não apenas o perímetro do
imóvel georreferenciado, mas também a delimitação geográfica das
áreas do interior da propriedade, cujo acompanhamento e fiscalização
poderá ser feito por imagens de satélite. A efetividade do cadastro, no
entanto, depende da capacidade do Poder Público em implementar essa
ferramenta e garantir sua disponibilidade em todo o território nacional.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 141


MÓDULO RURAL
É expresso em hectares e é variável, sendo fixado para cada município.
CONHEÇA ALGUNS No Novo Código Florestal, a Área
de Preservação Permanente (APP)
TÓPICOS DO NOVO é definida como: área protegida, Faixa mínima de restauro obrigatório em cursos d’água, no caso de
coberta ou não por vegetação propriedades rurais que possuam uso consolidado em APP:
CÓDIGO FLORESTAL nativa, com as funções ambientais
de preservar os recursos hídricos, a
paisagem, a estabilidade geológica Faixa mínima de restauro obrigatório (m)
e a biodiversidade (fauna e flora), Largura do Rio

m
de proteger o solo e de assegurar Módulos fiscais
Até 10 m Menor que 10 m Maior que 10 m
o bem-estar das populações
30 humanas. Até 1 5 5
m

entre 1 e 2 8 8
50

entre 2 e 4 15 15
10 a 50 m metade da largura do rio (sendo o
entre 4 e 10 20 mínimo 30 e o máximo 100m)
Nascente: São consideradas metade da largura do rio (sendo o
APP as áreas no entorno das Mais que 10 30 mínimo 30 e o máximo 100m)
nascentes e dos olhos d’água
m

m
perenes, em qualquer que seja
50

100
sua situação topográfica, no
raio mínimo de 50 (cinquenta)

0m
metros.

m
50 a 200 m
É considerada como obrigatória

20

500
a recomposição florestal,
independentemente da
quantidade de módulos fiscais
da propriedade rural, uma faixa
de 15 metros no entorno das APP GERADA POR LARGURA DO CURSO D’ÁGUA 200 a 600 m
nascentes e dos olhos d’água LARGURA DO CURSO D’ÁGUA APP GERADA (M)
perenes.
até 10 m 30 mais que 600 m
de 10 a 50 m 50
de 50 a 200 m 100
de 200 a 600 m 200
mais que 600 m 500

Fonte: Fundação Espaço ECO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 142


ATIVIDADE EXTRA PARTE 7
CLASSE

Este capítulo tem sinergia com os ODS:

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 143


“A Educação existe onde não há a escola e por toda parte pode haver A partir dos conteúdos que planejou ou já desenvolveu com seus alunos,
redes e estruturas sociais de transferência de saber de uma geração a identifique outros espaços educadores de sua cidade que possam
outra, onde ainda não foi sequer criada a sombra de algum modelo de proporcionar a aprendizagem significativa conectando o dia a dia
ensino formal e centralizado. Porque a educação aprende com o homem com os temas apresentados e ainda, promovendo a reflexão sobre o
a continuar o trabalho da vida. A vida que transporta de uma espécie desenvolvimento sustentável.
para a outra, dentro da história da natureza, e de uma geração de outras
viventes, dentro da história da espécie, os princípios através dos quais a São exemplos de locais e temas que podem ser abordados:
própria vida aprende e ensina a sobreviver e a evoluir em cada tipo de
ser” (Carlos Rodrigues Brandão, 1981) • Áreas verdes (praças e/ou parques) – biodiversidade, biomas, mata
ciliar, etc;
A educação pode acontecer em diversos espaços, formais e informais, • Aterro Sanitário – como os resíduos municipais são gerenciados e
de forma que a comunidade onde o aluno está inserido possa ser um qual sua destinação;
território rico de aprendizagem que contribua para a aprendizagem • Empresas/Cooperativas – como gerenciam o uso de recursos
significativa e para a formação de cidadãos com uma visão integrada da naturais, qual o ciclo de vida dos produtos e/ou serviços realizados;
realidade. • Estação de tratamento de água e esgoto – ciclo de distribuição e
tratamento da água e esgoto;
• Fazendas – conservação do solo e da água, nascentes, agricultura
sustentável e agricultura orgânica;
Prefeitura – políticas públicas municipais conectadas com o
desenvolvimento sustentável;

Além das atividades e visitas extras em sala de aula, seguem algumas


sugestões de outras atividades práticas que podem ser desenvolvidas
com seus alunos. Fique à vontade para adaptá-las à sua realidade e
necessidade. Não tenha receio de experimentar!

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 144


FAZENDO UMA HORTA MANDALA

Objetivo: Deixar que os alunos experimentem o círculo e o espaço. • divida o grande círculo em seis partes iguais. Estas linhas
marcarão os caminhos;
Materiais: fita métrica, cinzas de madeira, pás, mudas e compasso.
• Dois dos caminhos serão a entrada e a saída. Os outros 4 serão as
Método: escolha uma área onde possa caber um círculo com diâmetro entradas dos buracos de fechadura.
de 9 metros (se tiver uma área maior pode tentar um diâmetro de 12
metros); dois alunos marcam o círculo, usando um barbante de 4,5 Os caminhos podem ser escavados até uns 10 centímetros de
metros: um fica no centro com uma ponta e o outro marca um círculo profundidade, colocando a terra sobre os canteiros. Depois cubra
usando cinza ou cal. Marque o centro com uma pedra; a partir do os caminhos com serragem, que é ótima para andar em cima e
centro, marque outro círculo interior, com um barbante de 1 metro. evita o crescimento de invasoras. Os canteiros são então plantados
Este será o centro da mandala. Escolha um recipiente espetacular com espécies rasteiras, espécies de baixa estatura e algumas altas.
para um tanquinho ou construa um elemento bonito como peça Plante as ervas de corte próximas dos caminhos, reserve um lado
central neste círculo; agora marque outro círculo de 1,80 metros, dos caminhos para os vegetais de colheita constante e as áreas
formando um caminho de 80 cm de largura. mais largas para aquelas de produção lenta. Finalmente é hora de
plantar as mudinhas. Anote a data e os tipos de plantas que foram
A partir deste padrão você começa a marcar os canteiros de buraco de introduzidas, assim você pode acompanhar o experimento.
fechadura. Estes canteiros permitem acesso fácil às verduras sem que
seja necessário pisá-los. Faça assim: LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo Ambiente. São
Paulo. 2007. Pg 53

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 145


Outras opções de criar uma horta na escola são:

CANTEIRO DE VASOS
Materiais: potes e recipientes recicláveis de plástico, metal ou
isopor, composto e mudas de vegetais e ervas.
ESPIRAL DE ERVAS
Materiais: pedras, tijolos ou toras cortadas, pá, mudas de ervas
Método: plante as espécies mais altas atrás das menores. Desta
medicinais e culinárias e composto.
forma todas podem receber luz suficiente; posicione as plantas
de forma agradável para os olhos; as melhores plantas para os
Método: marque uma base circular de 1,6m de diâmetro com
vasos são variedades de ervas e saladas; as plantas precisarão
pedras ou tijolos; antes que o círculo se complete comece a
de muita água, pois os vasos secam com facilidade; adube-as
formar uma espiral para dentro, empilhando as pedras e subindo
uma vez ao mês com algum biofertilizante.
à medida que chega ao centro; para ganhar altura introduza
pedras cuidadosamente, encha a espiral com solo; plante as ervas
LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo
considerando os microclimas disponíveis.
Ambiente. São Paulo. 2007. Pg 55

LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo Ambiente. São


Paulo. 2007. Pg 54

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 146


FAZENDO MINHOCAS

As minhocas não mordem, não arranham, não transmitem doenças, é coletar e armazenar o chorume orgânico (líquido que escorre dos
são animais inofensivos e muito bons para o ambiente. As minhocas resíduos orgânicos). O chorume orgânico é um biofertilizante líquido,
exercem um importante papel na sobrevivência, na saúde do solo e ele deve ser diluído em água para ser utilizado como adubo na rega
das plantas. Agora é a sua chance de cultivar um pouco deste milagre das plantas.
da natureza. Algumas crianças têm preconceitos sobre as minhocas.
Converse sobre seus benefícios! Torneira: A torneira deve ser aberta semanalmente ou
quinzenalmente para a retirada do biofertilizante líquido.
Para montar uma composteira ou minhocário doméstico, você vai
precisar de: Tampa: A tampa impede a entrada de insetos voadores. A tampa
também regula a umidade do sistema, minimizando a manutenção
Duas caixas digestoras: As caixas digestoras ficam posicionadas referente à rega e controle da umidade.
na parte superior do sistema. Elas são furadas no fundo. Os furos
possuem o tamanho suficiente para possibilitar a travessia das Minhocas vermelhas californianas: As minhocas Eisenia andrei,
minhocas e o escoamento do excesso de líquido (chorume orgânico) popularmente conhecidas por vermelhas ou californianas,
para a caixa coletora. As caixas digestoras são as moradas das são excelentes agentes decompositores. Elas são menores e
minhocas. São nelas onde serão colocados os resíduos orgânicos da aparentemente mais oleosas que as nossas minhocas nativas,
sua cozinha a partir de agora. comum em nossos jardins. Diferentemente das minhocas de jardim,
as minhocas vermelhas possuem a capacidade de se alimentar dos
Uma caixa coletora: A caixa coletora fica na parte inferior do resíduos orgânicos frescos.
sistema. Ela não é furada no fundo e possui uma torneira afixada
na extremidade inferior de uma das paredes da caixa. Sua função DICAS: Sua composteira/minhocário doméstico não pode ficar exposto
ao sol e nem pegar chuva, devendo ficar em um local arejado e
sombreado. O calor em excesso compromete o bem estar e a vida das
minhocas, e a umidade em excesso compromete o bom funcionamento
do sistema. Uma vez encontrado o local ideal, coloque as minhocas e o
substrato na caixa de cima.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 147


Sempre acomode os resíduos orgânicos na caixa de cima sem espalhá-
los, dessa forma você precisará de menos matéria vegetal seca para
cobri-los.

IMPORTANTE: Sempre cobrir os resíduos orgânicos completamente


com matéria vegetal seca (folhas, serragem, palha ou grama), esse
procedimento é fundamental para tornar o processo de decomposição menos observe se o húmus estará pronto para uso, caso contrário
mais eficaz e evitar a incidência de moscas, larvas e mau cheiro. separe o mesmo em um local arejado e deixe descansar até ficar com
aparência de terra preta.
Se optar pela serragem, o melhor tipo para este fim são as serragens
grossas. Atenção para não utilizar serragem de madeiras tratadas, Havendo alimento suficiente nas caixas as minhocas conseguem
envernizadas, com tinta, compensados, aglomerados, fórmicas e etc, sobreviver até 3 meses sem a inserção de novos alimentos, ou seja,
devido aos elementos químicos presentes nesses materiais. se precisar se ausentar por esse período basta completá-las com
alimentos frescos.
Para as minhocas digerirem os resíduos orgânicos em menos tempo,
corte-os ou triture-os antes de colocá-los na caixa. Quando a caixa de O que PODE ser colocado:
cima encher, coloque-a no meio do sistema e suba a caixa que estava
no meio para receber os próximos resíduos orgânicos, dessa vez sem • frutas, legumes, verduras, grãos e sementes;
a necessidade de colocar terra ou substrato. Esse ciclo continuará a
acontecer por todo o período em que a composteira estiver em uso. • saquinhos de chá, erva de chimarrão, borra de café e de cevada
(com filtro);
O prazo adequado para que o húmus esteja pronto para o uso é de
30 dias após o preenchimento total da caixa, portanto evite encher • restos de legumes cozidos ou estragados (sem exageros) e cascas
as mesmas em menos de um mês. Se demorar mais melhor, pois as de ovos;
minhocas terão mais tempo para transformar os resíduos. Se demorar
• palhas, folhas secas, serragem, gravetos, palitos de fósforo e
dentais e podas de jardim;

• papel toalha, guardanapos de papel, papel de pão, papelão,


embalagem de pizza e papel jornal (em pouca quantidade).

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 148


O que NÃO PODE ser colocado:

• carnes de qualquer espécie, cruas ou

1
cozidas;

2
O minhocário é composto Sobras de comida, como
de três caixas plásticas, cascas de legumes e
• casca de limão; sendo que as duas de cima pedaços de frutas, são então
são cheias de terra. No despejadas nesta caixa. Mas
recipiente superior, ficam nem tudo pode ir para o
• laticínios, óleos, gorduras; cerca de 200 minhocas “prato” das minhocas. Na lista
que vão tocar o trabalho. dos alimentos vetados estão
Em geral, são usadas as carnes e os queijos – que
• papel higiênico usado; minhocas californianas, podem apodrecer –, além de
“especialistas” em restos comidas salgadas ou muito
orgânicos. ácidas.
• fezes de animais domésticos;

3 4
• frutas cítricas em grande quantidade Após cobrir tudo com Assim que fica cheia, esta
serragem ou palha, para caixa vai para o segundo
(laranja, mexerica, abacaxi, etc); andar, onde por cerca de
manter a umidade, fecha-
se a tampa e as minhocas dois meses, as minhocas
• alimentos cozidos (em maior partem para a ação. vão trabalhar na digestão.
O recipiente que estava
quantidade que os alimentos crus); no segundo andar
vai para o topo, onde
receberá os novos restos
• temperos fortes em grande quantidade de comida.
(pimenta, sal, alho, cebola, etc).

Fonte: www.moradadafloresta.org.br

5 Enquanto acontece o
processo de decomposição
6 À medida que os
alimentos são absorvidos,
a maioria das minhocas
da comida, um líquido ruma para a caixa do
rico em nutrientes e topo em busca de mais
livre de bactérias escorre comida. No recipiente
para a caixa da base. Esse intermediário, temos
líquido pode ser coletado e o adubo pronto,
depois ser pulverizado nas fresquinho para ser
plantas, servindo de adubo utilizado nos jardins e
e pesticida. vasos.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 149


PLANTAS E LUZ
Objetivo: Demonstrar que as plantas se movem em direção
à luz.
OUVINDO AS MINHOCAS
Materiais: papel e uma minhoca. Materiais: duas plantas idênticas, uma caixa com um furo
que acomode as plantas e o beiral de uma janela.
Método: com dedos cuidadosos, coloque a minhoca em um
pedaço de papel úmido; coloque o papel na ponta da mesa e Método: com as crianças, desenhe as plantas, apontando
coloque o ouvido próximo ao papel. Anote o que você ouviu. para suas características especiais, tais como cor, textura,
À medida que a minhoca contrai e expande seus músculos altura e forma; cubra uma das plantas com a caixa; ponha
ela pega o papel. Você poderá escutar o som das cerdas da as duas plantas no beiral da janela. O buraco deve estar
minhoca arranhando o papel. Depois da atividade, devolva a apontando para a direção contrária da janela. Após uma
minhoca para seu habitat. semana remova a caixa e observe as mudanças.

LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo Ambiente. LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo
São Paulo. 2007. Pg 72 Ambiente. São Paulo. 2007. Pg 95

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 150


FAZENDO CHUVA
Materiais: uma panela com água fervendo e bandeja com
cubos de gelo.

Método: segure a bandeja de gelo sobre o vapor que sai da


água fervendo; assista ao vapor se condensando, até que
comece a “chover”.

LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo Ambiente.


São Paulo. 2007. Pg 119
RELÓGIO SOLAR
Materiais: lápis, papel, massa de modelar e um dia de sol.

Método: escolha um lugar ensolarado para o relógio; ponha o papel


em uma superfície plana. Posicione o lápis de forma que projete uma
sombra que caiba no papel. Use a massa de modelar para fixar o lápis
no papel; use outro lápis para desenhar uma linha ao longo da sombra
do primeiro lápis.

Confira a cada hora e anote ao lado da linha da sombra. Continue


durante todo o dia. No próximo dia você poderá dizer as horas pelo
relógio do sol.

LEGAN, L. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo Ambiente. São


Paulo. 2007. Pg 131

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 151


CONSTRUINDO UMA BACIA HIDROGRÁFICA

A propriedade rural é também uma unidade de gerenciamento dos Cada curva de nível representa a união de todos os pontos com a
recursos naturais, sendo sua área delimitada a partir do estudo mesma altura. Para determinar o valor (cota ou altura) de cada curva
do relevo e da identificação dos divisores de água em seu entorno. de nível, adotamos uma base de referência com valor igual a zero. A
Assim, é importante entender que toda ação realizada dentro da partir do nível dessa base todas as curvas têm seus valores definidos,
PROPRIEDADE influi de forma direta na qualidade da água e TODOS OS ou seja, tem sua altura definida. Quanto maior a numeração, maior a
RECURSOS do seu conjunto. diferença (ou altura) desse nível em relação à base de referência.

Objetivos: O objetivo é orientar a identificação desses elementos Método


básicos, através da construção de maquete como apoio para o estudo Primeiro Passo: Cortar as placas de papel do tamanho externo
de Adequação Ambiental. do Desenho Topográfico proposto. Cada placa representará uma
diferente curva de nível. No total deveremos cortar 5 placas (no caso
Materiais: desenho topográfico do local, papel pinho (ou paraná) do modelo adotado) sendo uma para a base de referência e as outras
gramatura 120, papel carbono, tesoura, estilete, caneta esferográfica quatro para as curvas de nível representadas no Desenho Topográfico.
(azul e vermelha preferencialmente), caneta e cola branca.
Segundo Passo: Com auxílio de papel carbono, transferir o desenho da
Recomendação: O papel pinho ou paraná é o mesmo papel usado carta topográfica para a placa de papel cortada.
para a construção de caixas de presente, podendo ser substituído
na execução da maquete por tampa de caixa de sapatos, caixa de Terceiro Passo: Com as placas reproduzindo cada curva de nível do
papelão, ou caixa de sabão em pó. desenho, passaremos agora para a etapa de corte dos moldes que
permitirão a montagem da maquete.
Considerações Iniciais
O Desenho Topográfico abaixo representa o relevo da região “em A área representada pela cor branca no esquema abaixo, em cada
estudo” necessária para a execução da maquete. placa, será descartada no momento do corte das placas. Recorta-se
cada uma das placas eliminando-se a área representada na cor branca
(conforme figura na página 103).

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 152


BASE
3
3 4
3
2
1

4
4

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 153


Quarto Passo: Com as placas recortadas faremos uma simulação
da montagem da maquete antes da colagem definitiva. Primeiro
colocamos a placa inteira (base de referência). Em cima dela,
acertando o contorno externo, colocamos a placa que representa o
nível 1, e assim sucessivamente, até colocarmos os pedaços menores
que representam o nível 4. Realizada essa montagem, coloque-a ao
lado do desenho topográfico. Olhando ambas de cima, elas devem ser
iguais. Agora é só colar as peças!

BASE
3
3 4
3
Curva de 2
nível
1 ESQUEMA PARA TRANSFERÊNCIA DAS CURVAS DE NÍVEL
DO DESENHO TOPOGRÁFICO PARA A PLACA DE PAPEL PINHO
4
Linha de
corte 4

Carta topográfica

4
3
2
1
Base
Perfil topográfico
representação do relevo da área escolhida Placa cortada em papel pinho

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 154


Acabamentos
A locação de alguns elementos irá enriquecer o trabalho realizado,
facilitando seu entendimento e uso como material de apoio em sala
de aula:

1. A locação do(s) corpo(s) d’água ou rios e nascentes, para que


possamos facilitar o traçado dos demais elementos;

3. Delimite as áreas na propriedade de forma a assegurar o


manejo sustentável. Lembre-se de considerar a sustentabilidade
financeira com atividades em linha com a Legislação Ambiental
em vigência.

Conclusão
A construção de uma maquete é uma ferramenta eficaz para ilustrar
os conceitos no estudo de Adequação Ambiental em Propriedades
Rurais. Com a maquete montada, a próxima etapa é extrair os
elementos de estudo: Definição do Bioma de inserção da Propriedade
Rural que se pretende trabalhar; Manejo de Reserva Legal (RL); Áreas
de Preservação Permanente (APP); delimitação de área agrícola ou
agropecuária; Sistemas Agroflorestais (SAF).
Estes são tópicos explorados nessa oficina.

Adaptado de: AZEVEDO, F. Oficina temática de Bacias Hidrográficas. São


Paulo. 2000. Pg 20

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 155


PARTE 8 APÊNDICES

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 156


APÊNDICE 1
A CARTA DA TERRA
PREÂMBULO
Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa do desenvolvimento não estão sendo divididos equitativamente e o
época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida fosso entre ricos e pobres está aumentando. A injustiça, a pobreza, a
que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro ignorância e os conflitos violentos têm aumentado e são causa de grande
enfrenta, ao mesmo tempo, grandes perigos e grandes promessas. Para sofrimento. O crescimento sem precedentes da população humana tem
seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio de uma magnífica sobrecarregado os sistemas ecológico e social. As bases da segurança
diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e global estão ameaçadas. Essas tendências são perigosas, mas não
uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos somar inevitáveis.
forças para gerar uma sociedade sustentável global baseada no respeito
pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e Desafios Para o Futuro
numa cultura de paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, A escolha é nossa: formar uma aliança global para cuidar da Terra e uns
os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os dos outros, ou arriscar a nossa destruição e a da diversidade da vida.
outros, com a grande comunidade da vida e com as futuras gerações. São necessárias mudanças fundamentais dos nossos valores, instituições
e modos de vida. Devemos entender que, quando as necessidades
Terra, Nosso Lar básicas forem atingidas, o desenvolvimento humano será primariamente
A humanidade é parte de um vasto universo em evolução. A Terra, voltado a ser mais, não a ter mais. Temos o conhecimento e a tecnologia
nosso lar, está viva com uma comunidade de vida única. As forças da necessários para abastecer a todos e reduzir nossos impactos ao meio
natureza fazem da existência uma aventura exigente e incerta, mas a ambiente. O surgimento de uma sociedade civil global está criando novas
Terra providenciou as condições essenciais para a evolução da vida. A oportunidades para construir um mundo democrático e humano. Nossos
capacidade de recuperação da comunidade da vida e o bem-estar da desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão
humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com interligados, e juntos podemos forjar soluções includentes.
todos seus sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais,
solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio ambiente global com seus Responsabilidade Universal
recursos finitos é uma preocupação comum de todas as pessoas. A Para realizar estas aspirações, devemos decidir viver com um
proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado. sentido de responsabilidade universal, identificando-nos com toda a
comunidade terrestre bem como com nossa comunidade local. Somos,
A Situação Global ao mesmo tempo, cidadãos de nações diferentes e de um mundo no
Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando qual a dimensão local e global estão ligadas. Cada um compartilha da
devastação ambiental, redução dos recursos e uma massiva extinção responsabilidade pelo presente e pelo futuro, pelo bem-estar da família
de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios humana e de todo o mundo dos seres vivos. O espírito de solidariedade

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 157


humana e de parentesco com toda a vida é fortalecido quando vivemos humanos e as liberdades fundamentais e proporcionem a cada um a
com reverência o mistério da existência, com gratidão pelo dom da vida, oportunidade de realizar seu pleno potencial.
e com humildade considerando o lugar que ocupa o ser humano na b. Promover a justiça econômica e social, propiciando a todos a consecução
natureza. de uma subsistência significativa e segura, que seja ecologicamente
responsável.
Necessitamos com urgência de uma visão compartilhada de valores
básicos para proporcionar um fundamento ético à comunidade mundial 4. Garantir as dádivas e a beleza da Terra para as atuais e as futuras
emergente. Portanto, juntos na esperança, afirmamos os seguintes gerações.
princípios, todos interdependentes, visando um modo de vida sustentável a. Reconhecer que a liberdade de ação de cada geração é condicionada pelas
como critério comum, através dos quais a conduta de todos os indivíduos, necessidades das gerações futuras.
organizações, empresas, governos, e instituições transnacionais será b. Transmitir às futuras gerações valores, tradições e instituições que apoiem,
guiada e avaliada. em longo prazo, a prosperidade das comunidades humanas e ecológicas da
Terra.

PRINCÍPIOS Para poder cumprir estes quatro amplos compromissos, é necessário:


I. RESPEITAR E CUIDAR DA COMUNIDADE DA VIDA II. INTEGRIDADE ECOLÓGICA

1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade. 5. Proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da
a. Reconhecer que todos os seres são interligados e cada forma de vida tem Terra, com especial preocupação pela diversidade biológica e pelos
valor, independentemente de sua utilidade para os seres humanos. processos naturais que sustentam a vida.
b. Afirmar a fé na dignidade inerente de todos os seres humanos e no potencial a. Adotar planos e regulamentações de desenvolvimento sustentável em todos
intelectual, artístico, ético e espiritual da humanidade. os níveis que façam com que a conservação ambiental e a reabilitação sejam
parte integral de todas as iniciativas de desenvolvimento.
2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e b. Estabelecer e proteger as reservas com uma natureza viável e da biosfera,
amor. incluindo terras selvagens e áreas marinhas, para proteger os sistemas de
a. Aceitar que, com o direito de possuir, administrar e usar os recursos sustento à vida da Terra, manter a biodiversidade e preservar nossa herança
naturais vem o dever de impedir o dano causado ao meio ambiente e de natural.
proteger os direitos das pessoas. c. Promover a recuperação de espécies e ecossistemas ameaçadas.
b. Assumir que o aumento da liberdade, dos conhecimentos e do poder implica d. Controlar e erradicar organismos não-nativos ou modificados
responsabilidade na promoção do bem comum. geneticamente que causem dano às espécies nativas, ao meio ambiente, e
prevenir a introdução desses organismos daninhos.
3. Construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, e. Manejar o uso de recursos renováveis como água, solo, produtos florestais
sustentáveis e pacíficas. e vida marinha de forma que não excedam as taxas de regeneração e que
a. Assegurar que as comunidades em todos níveis garantam os direitos protejam a sanidade dos ecossistemas.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 158


f. Manejar a extração e o uso de recursos não-renováveis, como minerais e f. Adotar estilos de vida que acentuem a qualidade de vida e subsistência
combustíveis fósseis de forma que diminuam a exaustão e não causem dano material num mundo finito.
ambiental grave.
8. Avançar o estudo da sustentabilidade ecológica e promover a troca
6. Prevenir o dano ao ambiente como o melhor método de proteção aberta e a ampla aplicação do conhecimento adquirido.
ambiental e, quando o conhecimento for limitado, assumir uma a. Apoiar a cooperação científica e técnica internacional relacionada a
postura de precaução. sustentabilidade, com especial atenção às necessidades das nações em
a. Orientar ações para evitar a possibilidade de sérios ou irreversíveis danos desenvolvimento.
ambientais mesmo quando a informação científica for incompleta ou não b. Reconhecer e preservar os conhecimentos tradicionais e a sabedoria
conclusiva. espiritual em todas as culturas que contribuam para a proteção ambiental e o
b. Impor o ônus da prova àqueles que afirmarem que a atividade bem-estar humano.
proposta não causará dano significativo e fazer com que os grupos sejam c. Garantir que informações de vital importância para a saúde humana e para
responsabilizados pelo dano ambiental. a proteção ambiental, incluindo informação genética, estejam disponíveis ao
c. Garantir que a decisão a ser tomada se oriente pelas consequências domínio público.
humanas globais, cumulativas, de longo prazo, indiretas e de longo alcance.
d. Impedir a poluição de qualquer parte do meio ambiente e não permitir o III. JUSTIÇA SOCIAL E ECONÔMICA
aumento de substâncias radioativas, tóxicas ou outras substâncias perigosas.
e. Evitar que atividades militares causem dano ao meio ambiente. 9. Erradicar a pobreza como um imperativo ético, social e ambiental.
a. Garantir o direito à água potável, ao ar puro, à segurança alimentar, aos
7. Adotar padrões de produção, consumo e reprodução que protejam solos não contaminados, ao abrigo e saneamento seguro, distribuindo os
as capacidades regenerativas da Terra, os direitos humanos e o bem- recursos nacionais e internacionais requeridos.
estar comunitário. b. Prover cada ser humano de educação e recursos para assegurar uma
a. Reduzir, reutilizar e reciclar materiais usados nos sistemas de produção e subsistência sustentável, e proporcionar seguro social e segurança coletiva a
consumo e garantir que os resíduos possam ser assimilados pelos sistemas todos aqueles que não são capazes de manter-se por conta própria.
ecológicos. c. Reconhecer os ignorados, proteger os vulneráveis, servir àqueles que sofrem,
b. Atuar com restrição e eficiência no uso de energia e recorrer cada vez mais e permitir-lhes desenvolver suas capacidades e alcançar suas aspirações.
aos recursos energéticos renováveis, como a energia solar e do vento.
c. Promover o desenvolvimento, a adoção e a transferência equitativa de 10. Garantir que as atividades e instituições econômicas em todos os
tecnologias ambientais saudáveis. níveis promovam o desenvolvimento humano de forma equitativa e
d. Incluir totalmente os custos ambientais e sociais de bens e serviços no preço sustentável.
de venda e habilitar os consumidores a identificar produtos que satisfaçam as a. Promover a distribuição equitativa da riqueza dentro das e entre as nações.
mais altas normas sociais e ambientais. b. Incrementar os recursos intelectuais, financeiros, técnicos e sociais das
e. Garantir acesso universal à assistência de saúde que fomente a saúde nações em desenvolvimento e isentá-las de dívidas internacionais onerosas.
reprodutiva e a reprodução responsável. c. Garantir que todas as transações comerciais apoiem o uso de recursos

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 159


sustentáveis, a proteção ambiental e normas trabalhistas progressistas. do governo, participação inclusiva na tomada de decisões, e acesso à
d. Exigir que corporações multinacionais e organizações financeiras justiça.
internacionais atuem com transparência em benefício do bem comum e a. Defender o direito de todas as pessoas no sentido de receber informação
responsabilizá-las pelas consequências de suas atividades. clara e oportuna sobre assuntos ambientais e todos os planos de
desenvolvimento e atividades que poderiam afetá-las ou nos quais tenham
11. Afirmar a igualdade e a equidade de gênero como pré-requisitos interesse.
para o desenvolvimento sustentável e assegurar o acesso universal à b. Apoiar sociedades civis locais, regionais e globais e promover a participação
educação, assistência de saúde e às oportunidades econômicas. significativa detodos os indivíduos e organizações na tomada de decisões.
a. Assegurar os direitos humanos das mulheres e das meninas e acabar com c. Proteger os direitos à liberdade de opinião, de expressão, de assembléia
toda violência contra elas. pacífica, de associação e de oposição.
b. Promover a participação ativa das mulheres em todos os aspectos da vida d. Instituir o acesso efetivo e eficiente a procedimentos administrativos e
econômica, política, civil, social e cultural como parceiras plenas e paritárias, judiciais independentes, incluindo retificação e compensação por danos
tomadoras de decisão, líderes e beneficiárias. ambientais e pela ameaça de tais danos.
c. Fortalecer as famílias e garantir a segurança e a educação amorosa de e. Eliminar a corrupção em todas as instituições públicas e privadas.
todos os membros da família. f. Fortalecer as comunidades locais, habilitando-as a cuidar dos seus próprios
ambientes, e atribuir responsabilidades ambientais aos níveis governamentais
12. Defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um onde possam ser cumpridas mais efetivamente.
ambiente natural e social, capaz de assegurar a dignidade humana, a
saúde corporal e o bem-estar espiritual, concedendo especial atenção 14. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida,
aos direitos dos povos indígenas e minorias. os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de
a. Eliminar a discriminação em todas suas formas, como as baseadas em vida sustentável.
raça, cor, gênero, orientação sexual, religião, idioma e origem nacional, étnica a. Oferecer a todos, especialmente a crianças e jovens, oportunidades
ou social. educativas que lhes permitam contribuir ativamente para o desenvolvimento
b. Afirmar o direito dos povos indígenas à sua espiritualidade, conhecimentos, sustentável.
terras e recursos, assim como às suas práticas relacionadas a formas b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das
sustentáveis de vida. ciências, na educação para sustentabilidade.
c. Honrar e apoiar os jovens das nossas comunidades, habilitando-os a c. Intensificar o papel dos meios de comunicação de massa no sentido de
cumprir seu papel essencial na criação de sociedades sustentáveis. aumentar a sensibilização para os desafios ecológicos e sociais.
d. Proteger e restaurar lugares notáveis pelo significado cultural e espiritual. d. Reconhecer a importância da educação moral e espiritual para uma
subsistência sustentável.
IV.DEMOCRACIA, NÃO VIOLÊNCIA E PAZ
15. Tratar todos os seres vivos com respeito e consideração.
13. Fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e a. Impedir crueldades aos animais mantidos em sociedades humanas e
proporcionar-lhes transparência e prestação de contas no exercício protegê-los de sofrimentos.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 160


b. Proteger animais selvagens de métodos de caça, armadilhas e pesca que realizar esta visão. Devemos aprofundar e expandir o diálogo global gerado
causem sofrimento extremo, prolongado ou evitável. pela Carta da Terra, porque temos muito que aprender a partir da busca
c. Evitar ou eliminar ao máximo possível a captura ou destruição de espécies iminente e conjunta por verdade e sabedoria.
não visadas.
A vida muitas vezes envolve tensões entre valores importantes. Isto pode
16. Promover uma cultura de tolerância, não violência e paz. significar escolhas difíceis. Porém, necessitamos encontrar caminhos para
a. Estimular e apoiar o entendimento mútuo, a solidariedade e a cooperação harmonizar a diversidade com a unidade, o exercício da liberdade com
entre todas as pessoas, dentro das e entre as nações. o bem comum e objetivos de curto prazo com metas de longo prazo.
b. Implementar estratégias amplas para prevenir conflitos violentos e usar Todo indivíduo, família, organização e comunidade têm um papel vital a
a colaboração na resolução de problemas para manejar e resolver conflitos desempenhar. As artes, as ciências, as religiões, as instituições educativas, os
ambientais e outras disputas. meios de comunicação, as empresas, as organizações não-governamentais
c. Desmilitarizar os sistemas de segurança nacional até chegar ao nível de e os governos são todos chamados a oferecer uma liderança criativa. A
uma postura não provocativa da defesa e converter os recursos militares em parceria entre governo, sociedade civil e empresas é essencial para uma
propósitos pacíficos, incluindo restauração ecológica. governabilidade efetiva.
d. Eliminar armas nucleares, biológicas e tóxicas e outras armas de destruição
em massa. Para construir uma comunidade global sustentável, as nações do mundo
e. Assegurar que o uso do espaço orbital e cósmico mantenha a proteção devem renovar seu compromisso com as Nações Unidas, cumprir
ambiental e a paz. com suas obrigações respeitando os acordos internacionais existentes
f. Reconhecer que a paz é a plenitude criada por relações corretas consigo e apoiar a implementação dos princípios da Carta da Terra com um
mesmo, com outras pessoas, outras culturas, outras vidas, com a Terra e com instrumento internacional legalmente unificador quanto ao ambiente e ao
a totalidade maior da qual somos parte. desenvolvimento.

O CAMINHO ADIANTE Que o nosso tempo seja lembrado pelo despertar de uma nova reverência
face à vida, pelo compromisso firme de alcançar a sustentabilidade, a
Como nunca antes na história, o destino comum nos conclama a buscar intensificação da luta pela justiça e pela paz, e a alegre celebração da vida.
um novo começo. Tal renovação é a promessa dos princípios da Carta da
Terra. Para cumprir esta promessa, temos que nos comprometer a adotar e
promover os valores e objetivos da Carta.

Isto requer uma mudança na mente e no coração. Requer um novo sentido de


interdependência global e de responsabilidade universal. Devemos desenvolver
e aplicar com imaginação a visão de um modo de vida sustentável aos níveis
local, nacional, regional e global. Nossa diversidade cultural é uma herança
preciosa, e diferentes culturas encontrarão suas próprias e distintas formas de

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 161


os sumos da campina, o calor que emana do corpo de um mustang, e o
APÊNDICE2 homem - todos pertencem à mesma família.
CARTA DO CHEFE DE SEATTLE
Portanto, quando o grande chefe de Washington manda dizer que
Discurso pronunciado após a fala do encarregado de negócios indígenas deseja comprar nossa terra, ele exige muito de nós. O grande chefe
do governo norte-americano haver dado a entender que desejava adquirir manda dizer que irá reservar para nós um lugar em que possamos viver
as terras de sua tribo Duwamish. confortavelmente. Ele será nosso pai e nós seremos seus filhos. Portanto,
vamos considerar a tua oferta de comprar nossa terra. Mas não vai ser
“O grande chefe de Washington mandou dizer que desejava comprar a fácil, porque esta terra é para nós sagrada.
nossa terra, o grande chefe assegurou-nos também de sua amizade e
benevolência. Isto é gentil de sua parte, pois sabemos que ele não precisa Esta água brilhante que corre nos rios e regatos não é apenas água, mas
de nossa amizade. sim o sangue de nossos ancestrais. Se te vendermos a terra, terás de te
lembrar que ela é sagrada e terás de ensinar a teus filhos que é sagrada
Vamos, porém, pensar em sua oferta, pois sabemos que se não o e que cada reflexo espectral na água límpida dos lagos conta os eventos
fizermos, o homem branco virá com armas e tomará nossa terra. O e as recordações da vida de meu povo. O rumorejar d’água é a voz do pai
grande chefe de Washington pode confiar no que o Chefe Seattle diz de meu pai. Os rios são nossos irmãos, eles apagam nossa sede. Os rios
com a mesma certeza com que nossos irmãos brancos podem confiar na transportam nossas canoas e alimentam nossos filhos. Se te vendermos
alteração das estações do ano. nossa terra, terás de te lembrar e ensinar a teus filhos que os rios são
irmãos nossos e teus, e terás de dispensar aos rios a afabilidade que
Minhas palavras são como as estrelas que nunca empalidecem. darias a um irmão.

Como podes comprar ou vender o céu, o calor da terra? Tal ideia nos é Sabemos que o homem branco não compreende o nosso modo de viver.
estranha. Se não somos donos da pureza do ar ou do resplendor da água, Para ele um lote de terra é igual a outro, porque ele é um forasteiro que
como então podes comprá-los? Cada torrão desta terra é sagrado para chega na calada da noite e tira da terra tudo o que necessita. A terra
meu povo, cada folha reluzente de pinheiro, cada praia arenosa, cada véu não é sua irmã, mas sim sua inimiga, e depois de a conquistar, ele vai
de neblina na floresta escura, cada clareira e inseto a zumbir são sagrados embora, deixa para trás os túmulos de seus antepassados, e nem se
nas tradições e na consciência do meu povo. A seiva que circula nas importa. Arrebata a terra das mãos de seus filhos e não se importa. Ficam
árvores carrega consigo as recordações do homem vermelho. esquecidos a sepultura de seu pai e o direito de seus filhos à herança. Ele
trata sua mãe - a terra - e seu irmão - o céu - como coisas que podem ser
O homem branco esquece a sua terra natal, quando - depois de morto compradas, saqueadas, vendidas como ovelha ou miçanga cintilante. Sua
- vai vagar por entre as estrelas. Os nossos mortos nunca esquecem voracidade arruinará a terra, deixando para trás apenas um deserto.
esta formosa terra, pois ela é a mãe do homem vermelho. Somos parte
da terra e ela é parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs; o Não sei. Nossos modos diferem dos teus. A vista de tuas cidades causa
cervo, o cavalo, a grande águia - são nossos irmãos. As cristas rochosas, tormento aos olhos do homem vermelho. Mas talvez isto seja assim por

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 162


ser o homem vermelho um selvagem que de nada entende. ser mais importante do que o bisão que (nós - os índios) matamos apenas
para o sustento de nossa vida.
Não há sequer um lugar calmo nas cidades do homem branco. Não há
lugar onde se possa ouvir o desabrochar da folhagem na primavera O que é o homem sem os animais? Se todos os animais acabassem, o
ou o tinir das asas de um inseto. Mas talvez assim seja por ser eu, um homem morreria de uma grande solidão de espírito. Porque tudo quanto
selvagem que nada compreende; o barulho parece apenas insultar os acontece aos animais, logo acontece ao homem. Tudo está relacionado
ouvidos. E que vida é aquela se um homem não pode ouvir a voz solitária entre si.
do curiango ou, de noite, a conversa dos sapos em volta de um brejo?
Sou um homem vermelho e nada compreendo. O índio prefere o suave Deves ensinar a teus filhos que o chão debaixo de seus pés são as cinzas
sussurro do vento a sobrevoar a superfície de uma lagoa e o cheiro do de nossos antepassados; para que tenham respeito ao país, conta a teus
próprio vento, purificado por uma chuva do meio-dia ou recendendo o filhos que a riqueza da terra são as vidas da parentela nossa. Ensina a
pinheiro. teus filhos o que temos ensinado aos nossos: que a terra é nossa mãe.
Tudo quanto fere a terra - fere os filhos da terra. Se os homens cospem
O ar é precioso para o homem vermelho, porque todas as criaturas no chão, cospem sobre eles próprios.
respiram em comum - os animais, as árvores, o homem.
De uma coisa sabemos. A terra não pertence ao homem: é o homem que
O homem branco parece não perceber o ar que respira. Como um pertence à terra, disso temos certeza. Todas as coisas estão interligadas,
moribundo em prolongada agonia, ele é insensível ao ar fétido. Mas se te como o sangue que une uma família. Tudo está relacionado entre si. Tudo
vendermos nossa terra, terás de te lembrar que o ar é precioso para nós, quanto agride a terra, agride os filhos da terra. Não foi o homem quem
que o ar reparte seu espírito com toda a vida que ele sustenta. O vento teceu a trama da vida: ele é meramente um fio da mesma. Tudo o que ele
que deu ao nosso bisavô o seu primeiro sopro de vida, também recebe fizer à trama, a si próprio fará.
o seu último suspiro. E se te vendermos nossa terra, deverás mantê-la
reservada, feita santuário, como um lugar em que o próprio homem Os nossos filhos viram seus pais humilhados na derrota. Os nossos
branco possa ir saborear o vento, adoçado com a fragrância das flores guerreiros sucumbem sob o peso da vergonha. E depois da derrota
campestres. passam o tempo em ócio, envenenando seu corpo com alimentos
adocicados e bebidas ardentes. Não tem grande importância onde
Assim pois, vamos considerar tua oferta para comprar nossa terra. Se passaremos os nossos últimos dias - eles não são muitos. Mais algumas
decidirmos aceitar, farei uma condição: o homem branco deve tratar os horas, mesmos uns invernos, e nenhum dos filhos das grandes tribos que
animais desta terra como se fossem seus irmãos. viveram nesta terra ou que têm vagueado em pequenos bandos pelos
bosques, sobrará, para chorar sobre os túmulos de um povo que um dia
Sou um selvagem e desconheço que possa ser de outro jeito. Tenho visto foi tão poderoso e cheio de confiança como o nosso.
milhares de bisões apodrecendo na pradaria, abandonados pelo homem
branco que os abatia a tiros disparados do trem em movimento. Sou um Nem o homem branco, cujo Deus com ele passeia e conversa como amigo
selvagem e não compreendo como um fumegante cavalo de ferro possa para amigo, pode ser isento do destino comum. Poderíamos ser irmãos,

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 163


apesar de tudo. Vamos ver, de uma coisa sabemos que o homem branco Se te vendermos a nossa terra, ama-a como nós a amávamos. Proteje-a
venha, talvez, um dia descobrir: nosso Deus é o mesmo Deus. Talvez como nós a protegíamos. Nunca esqueças de como era esta terra quando
julgues, agora, que o podes possuir do mesmo jeito como desejas possuir dela tomaste posse: E com toda a tua força o teu poder e todo o teu
nossa terra; mas não podes. Ele é Deus da humanidade inteira e é igual coração - conserva-a para teus filhos e ama-a como Deus nos ama a
sua piedade para com o homem vermelho e o homem branco. Esta terra todos. De uma coisa sabemos: o nosso Deus é o mesmo Deus, esta terra
é querida por ele, e causar dano à terra é cumular de desprezo o seu é por ele amada. Nem mesmo o homem branco pode evitar o nosso
criador. Os brancos também vão acabar; talvez mais cedo do que todas as destino comum”.
outras raças. Continuas poluindo a tua cama e hás de morrer uma noite,
sufocado em teus próprios desejos.

Porém, ao perecerem, vocês brilharão com fulgor, abrasados, pela força


de Deus que os trouxe a este país e, por algum desígnio especial, lhes
deu o domínio sobre esta terra e sobre o homem vermelho. Esse destino
é para nós um mistério, pois não podemos imaginar como será, quando
todos os bisões forem massacrados, os cavalos bravios domados, as
brenhas das florestas carregadas de odor de muita gente e a vista das
velhas colinas empanada por fios que falam. Onde ficará o emaranhado
da mata? Terá acabado. Onde estará a águia? Irá acabar. Restará dar
adeus à andorinha e à caça; será o fim da vida e o começo da luta para
sobreviver.

Compreenderíamos, talvez, se conhecêssemos com que sonha o homem


branco, se soubéssemos quais as esperanças que transmite a seus filhos
nas longas noites de inverno, quais as visões do futuro que oferece às
suas mentes para que possam formar desejos para o dia de amanhã.
Somos, porém, selvagens. Os sonhos do homem branco são para nós
ocultos, e por serem ocultos, temos de escolher nosso próprio caminho.
Se consentirmos, será para garantir as reservas que nos prometestes. Lá,
talvez, possamos viver o nossos últimos dias conforme desejamos. Depois
que o último homem vermelho tiver partido e a sua lembrança não passar
da sombra de uma nuvem a pairar acima das pradarias, a alma do meu
povo continuará vivendo nestas floresta e praias, porque nós a amamos
como ama um recém-nascido o bater do coração de sua mãe.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 164


PARTE 9 MATERIAL DE APOIO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 165


MATERIAL DE APOIO
9.1 - JOGOS ODS

Caça palavras jogo dos 7 erros


C R E S C I M E N T O E C O N Ô M I C O
S C O M U N I D A D E S D M A R I N H A
A I A Á E R R A D I C A Ç Ã O E O O D R
Ú N Ç G I H B U P R O T E G E R C V L S
D S Ã U B E J H N R N C E R K P P A Z O
E T O A O T E R R E S T R E A D O Ç L K
S I C P C L O O S V U E D U C A Ç Ã O B
E T L O K E R S C E M W E N N P U O Q S
F U I T R A B A L H O D I G N O N S C I
I I M Á I O B J E T I V O S E R K U E N
C Ç Á V D E S I G U A L D A D E S S U F
A Õ T E Q U A L I D A D E R S D L T I R
Z E I L C I D A D E S F I E F U K E Y A
E S C K C R R E E S P O B R E Z A N O E
S P A I R I C A L J R M A R N I C T S S
K C B S E N Y C E U E E L A R R E Á A T
I N D Ú S T R I A S P V I D A N S V N R
I E E R E H N D H T U E L I P Z S E E U
P A R C E R I A S I Ç R O C E H Í I A T
I B E N P R O D U Ç Ã O R A K I V S M U
O K T O B E R E E A T B U R F O E E E R
E N E R G I A S R E N O V Á V E I S N A
H I M P L E M E N T A Ç Ã O N K S T T S
I G U A L D A D E D E G Ê N E R O S O Y

ERRADICAR ENERGIAS RENOVÁVEIS CIDADES TERRESTRE


POBREZA ACESSÍVEIS COMUNIDADES PAZ
FOME TRABALHO DIGNO SUSTENTÁVEIS JUSTIÇA
SAÚDE CRESCIMENTO ECONÔMICO PRODUÇÃO INSTITUIÇÕES
QUALIDADE INDÚSTRIA CONSUMO EFICAZES
EDUCAÇÃO INOVAÇÃO AÇÃO CLIMÁTICA PARCERIAS
IGUALDADE DE GÊNERO INFRAESTRUTURAS PROTEGER IMPLEMENTAÇÃO
ÁGUA POTÁVEL REDUZIR VIDA OBJETIVOS
SANEAMENTO DESIGUALDADES MARINHA

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 166


PALAVRAS CRUZADAS

CONSTRUINDO UM
1 M
2 U
1 Palavra referente ao ODS 6
3 N 2 Palavra referente ao ODS 11
4 D 3 Palavra referente ao ODS 7
4 Palavra referente ao ODS 4
5 O
5 Palavra referente ao ODS 9
6 Ý 6 Palavras referentes ao ODS 6
7 Palavra referente ao ODS 16
7 S
8 Palavra referente ao ODS 9
8 U 9 Palavra referente ao ODS 16
9 S 10 Palavra referente ao ODS 14
11 Palavra referente ao ODS 2
10 T
12 Palavra referente ao ODS 12
11 E 13 Palavra referente a letra O dos
ODS
12 N
14 Palavra referente ao ODS 13
13 T 15 Palavra referente ao ODS 14
14 Á 16 Palavra referente ao ODS 16
17 Palavra referente ao ODS 6
15 V
16 E
17 L

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 167


MATERIAL DE APOIO
9.1 - JOGOS ODS (GABARITOS)

Caça palavras jogo dos 7 erros PALAVRAS CRUZADAS


C R E S C I M E N T O E C O N Ô M I C O CONSTRUINDO UM
S C O M U N I D A D E S D M A R I N H A
A I A Á E R R A D I C A Ç Ã O E O O D R
1
S A N E A M E N T O
Ú N Ç G I H B U P R O T E G E R C V L S
D S Ã U B E J H N R N C E R K P P A Z O
C O M
2 U N I D A D E S
E T O A O T E R R E S T R E A D O Ç L K
S I C P C L O O S V U E D U C A Ç Ã O B
R E 3 N O V Á V E I S
E T L O K E R S C E M W E N N P U O Q S E 4 D U C A ç Ã O
F U I T R A B A L H O D I G N O N S C I
I I M Á I O B J E T I V O S E R K U E N I N 5 O V A Ç Ã O
C Ç Á V D E S I G U A L D A D E S S U F
A Õ T E Q U A L I D A D E R S D L T I R
6
Á G U A Ý P O T Á V e l
Z E I L C I D A D E S F I E F U K E Y A
E S C K C R R E E S P O B R E Z A N O E
i n 7 S t i T u i ç Õ e s
S P A I R I C A L J R M A R N I C T S S I N D
8 U S T R I A
K C B S E N Y C E U E E L A R R E Á A T
I N D Ú S T R I A S P V I D A N S V N R j u 9 S t i ç a
I E E R E H N D H T U E L I P Z S E E U
P A R C E R I A S I Ç R O C E H Í I A T P R O
10 T e g e r
I B E N P R O D U Ç Ã O R A K I V S M U
O K T O B E R E E A T B U R F O E E E R
11 E r r a d i c a r
E N E R G I A S R E N O V Á V E I S N A
H I M P L E M E N T A Ç Ã O N K S T T S
c O
12 N s u m o
I G U A L D A D E D E G Ê N E R O S O Y 13
o b j e T i v o s
ERRADICAR
POBREZA
ENERGIAS RENOVÁVEIS
ACESSÍVEIS
CIDADES
COMUNIDADES
TERRESTRE
PAZ
14
c l i m Á t i c a
FOME TRABALHO DIGNO SUSTENTÁVEIS JUSTIÇA
SAÚDE
QUALIDADE
CRESCIMENTO ECONÔMICO
INDÚSTRIA
PRODUÇÃO
CONSUMO
INSTITUIÇÕES
EFICAZES
15 V i d a
f i c a z e s
EDUCAÇÃO INOVAÇÃO AÇÃO CLIMÁTICA PARCERIAS
IGUALDADE DE GÊNERO INFRAESTRUTURAS PROTEGER IMPLEMENTAÇÃO
16 E
ÁGUA POTÁVEL REDUZIR VIDA OBJETIVOS
SANEAMENTO DESIGUALDADES MARINHA 17
i G U A L d a d e

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 168


MATERIAL DE APOIO Tema: À sombra de uma árvore
9.2 - PROPOSTAS DE PLANO DE AULA: Tipo de Sequência: (Ex.
aula expositiva, feira de Roda de conversa, passeios livres, apresentação de
CONSTRUINDO UM MUNDO SUSTENTÁVEL - OS ODS ciência, aula externa, imagens
estudo do meio, etc.)
NAS ESCOLAS
Tempo/Duração
Faixa etária/Ano: 4 a 6 anos (pode ser uma ou 1 mês ou mais
Estes planos de aulas foram desenvolvidos por educadores nos mais aulas):
anos de 2017 e 2018, fruto da parceria entre: FEE, BASF, Secretaria de
• Reconhecer a importância das árvores no meio urbano
Educação do Município de Santo Antônio de Posse/SP, Agrária, Secretaria e florestas;
de Educação do Município de Guarapuava/PR, Mocellin, Secretaria de • Identificar os tipos de árvore que fazem parte do
Educação do Município de Campo Novo do Parecis/MT. Objetivos Pedagógicos cotidiano das crianças;
(conteúdo, competências • Incentivar os cuidados e o respeito para com o meio
e habilidades) ambiente;
• Promover a participação da comunidade escolar;
• Mobilizar ações práticas em relação ao cultivo das
árvores.

• Conversa informar com as crianças;


• Passeio ao ar livre, pelo bairro e pela cidade, fazendo
observações sobre a importância das árvores no meio
urbano;
Descrição da atividade: • Exposições de imagens coletadas pelas crianças em
revistas e livros;
• Exposições de vídeos relacionados ao meio ambiente;
• Plantio e cuidados diários de mudas na escola e no
bairro.

ODS relacionado: ODS15 - PROTEGER A VIDA TERRESTRE

Conteúdos: Os cuidados com o meio ambiente

Materiais Necessários: Revistas, livros e multimídia

Produtos Finais: Árvores plantadas pelas crianças

Autores Escola

Tatiana C. Santos EMEI Karine Alves Maforte


Secretaria Municipal de Educação
Neila C. Gullich Município Campo Novo do Parecis/MT

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 169


Tema: Erradicação da fome Alimentação Saudável valorizando
Tema: a agricultura local
Tipo de Sequência: Projeto Interdiciplinar
Tipo de Sequência: (Ex.
Tempo/Duração aula expositiva, feira de
Faixa etária/Ano: 4º ano e 5º ano (pode ser uma ou o ano todo ciência, aula externa, Expedição Investigativa
mais aulas): estudo do meio, etc.)
• Incentivar as famílias a construção de hortas Tempo/Duração
domésticas. Faixa etária/Ano: Pré-Escola (pode ser uma ou 15 dias
mais aulas):
• Desenvolver a consciência de uma alimentação
saudável, através da construção de uma horta escolar • Identificar a diversidade de alimentos produzidos pela
Objetivos Pedagógicos região;
Objetivos Pedagógicos • Buscar parceiros com as comunidades e universidades (conteúdo, competências
(conteúdo, competências de modo a auxiliar no desenvolvimento de uma horta e habilidades) • Reconhecer as variedades, cores, formas, texturas,
e habilidades) produtiva. aromas e sabores desses alimentos.
• Conscientizar toda comunidade escolar sobre o
desperdício. • Introduzir o assunto valorizando conhecimentos prévios;
• Orientar os alunos sobre a importância do uso de • Passeio pela região (hortas, pomares e feiras livres) que
alimentos saudáveis. integram a agricultura familiar;
• Elaborar questionário para pesquisa de campo;
ODS relacionado: ODS2 - ERRADICAR A FOME • Visitação ao supermercado para contrapor os produtos
bom como a apreciação;
• Construção de hortas domésticas e escolares Descrição da atividade: • Estabelecer aspectos importantes sobre a produção,
• Parcerias com palestras informativas sobre o tema transporte e conservação das propriedades naturais
Conteúdos: • Desperdício de alimentos (livres de agrotóxicos/defensivos e conservantes)
• Reaproveitamento de alimentos • A partir da pesquisa fazer triagem em uma roda de
• Degustação de alimentos variados conversa e assim concluir os aspectos importantes de
uma alimentação saudável com produtos produzidos
• Roda de conversa na região.
• Palestras
Materiais Necessários: • Vídeos ODS12 – PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL
ODS relacionado:
• Textos informativos ODS02 – ERRADICAR A FOME
• Panfletos
Alimentação saudável
Conteúdos:
Construção de hortas permanentes Agricultura familiar
Produtos Finais:
Feiras de alimentos produzidos nas hortas.
Cartolina, pincel, revistas para recortes, cola, tesoura,
Materiais Necessários:
Autores Escola ônibus para transporte das crianças.
Produtos Finais: Não definido
Carmem Machado E. M. Alcindo de França Pacheco
Secretaria Municipal de Educação Autores Escola
Maria Aparecida Nunes Município de Guarapuava/PR
Mara Edilene Mateus EMEI – Hestha Beata
Sandra Carollo E. M. Antonio Lustosa de Oliveira Secretaria Municipal de Educação
Marilei Ap. Bahnort
Secretaria Municipal de Educação Município Campo Novo do Parecis/MT
Adailza Caldas Município de Guarapuava/PR Eliana V. de Souza

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 170


Tema: Produção e consumo Sustentável Tema: Água Potável e Saneamento
Tipo de Sequência: (Ex.
aula expositiva, feira de Aula expositiva, estudo do meio, pesquisa, Tipo de Sequência: (Ex.
ciência, aula externa, apresentação e exposição dos trabalhos aula expositiva, feira de Aula expositiva, estudo de meio, visita ao departamento
estudo do meio, etc.) ciência, aula externa, de água
Tempo/Duração estudo do meio, etc.)
9 e 10 anos / 4º
Faixa etária/Ano: (pode ser uma ou 1 semana Tempo/Duração
ano mais aulas): Faixa etária/Ano: 2º ano (pode ser uma ou 15 dias
mais aulas):
• Identificar materiais que seriam descartados em casa;
• Identificar a vida útil, ou seja, o tempo de decomposição • Importância da água para a sobrevivência dos seres
Objetivos Pedagógicos na natureza; Objetivos Pedagógicos vivos;
(conteúdo, competências (conteúdo, competências • Despertar e conscientizar sobre o uso racional da água;
e habilidades) • Reutilizar esses materiais de forma produtiva; e habilidades) • Identificar o percurso da água potável até a sua casa;
• Pesquisar a origem das matérias primas utilizadas e
• Reconhecer de que maneira consumimos a água.
materiais reutilizáveis;
• Aula expositiva e informativa;
• Coletar rolinhos de papel higiênico, caixas de ovos, • Música sobre a importância sobre a água;
caixas de sapato, latas e garrafas pet; • Leitura de livros de literatura infantil e informativos;
• Confeccionar brinquedos e jogos com os materiais • Produção de texto;
coletados; Descrição da atividade: • Ilustração dos textos trabalhados;
Descrição da atividade:
• Produção de texto sobre a decomposição destes • Passeio ao departamento onde a água é tratada e
materiais na natureza; distribuída;
• Confecção de cartazes informativos; • Produção de frases, palavras cruzadas e atividades
• Exposição dos brinquedos confeccionados diversas.

ODS relacionado: ODS15 - PROTEGER A VIDA TERRESTRE ODS06 – ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO
ODS relacionado: ODS03 – SAÚDE DE QUALIDADE
• Reutilização de materiais; ODS15 – PROTEGER A VIDA TERRESTRE
Conteúdos: • Reciclagem;
• Ciclo de Vida (de produtos); • Importância da água;
• Uso consciente da água;
Conteúdos:
Cartolina, tesoura, cola, tinta, latas, rolos de papel • Procedência da água;
Materiais Necessários:
higiênico, caixas de ovos, papelão, palitos, etc. • Ciclo da água
Produtos Finais: Brinquedos, jogos e redação. Materiais Necessários: Livros, cadernos, lápis, borracha, cartolina, lápis de cor
Autores Escola
Apresentação de músicas, textos e poemas sobre o
Produtos Finais:
EM Prof. Antônio Pereira assunto
Mariane, Edilce, Nedite e Sandra Secretaria Municipal de Educação Autores Escola
Município Campo Novo do Parecis / MT
EM Prof. Antônio Pereira
Mariane, Edilce, Nedite e Sandra Secretaria Municipal de Educação
Município Campo Novo do Parecis / MT

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 171


Conhecendo o seu passado – Educação Tema: Intercâmbio Cultural
Tema:
de qualidade Tipo de Sequência: (Ex.
Tipo de Sequência: (Ex. aula expositiva, feira de Aula expositiva
aula expositiva, feira de ciência, aula externa, Feira de ciências
ciência, aula externa, Conto de história estudo do meio, etc.)
estudo do meio, etc.)
Tempo/Duração Semana de abril
Tempo/Duração Faixa etária/Ano: 1º ao 5º ano (pode ser uma ou 3h (das 7h às
Educação mais aulas):
Faixa etária/Ano: (pode ser uma ou 1h30 9h)
Infantil mais aulas):
• Conhecimento cultural;
Objetivos Pedagógicos • Interação do aluno; • Interação;
(conteúdo, competências • Chamar a atenção do aluno; Objetivos Pedagógicos • Artes (pintura e artesanato);
e habilidades) • Prender a atenção (conteúdo, competências • Valorização;
e habilidades) • Demonstração de dança;
• Contar a história com os alunos que irão apresentar a • Demonstração da bola;
Descrição da atividade: história; • Demonstração da pintura corporal.
• Ensaiar com a turma.
• Apresentação do grupo;
ODS relacionado: • Palestras;
ODS04 - EDUCAÇÃO DE QUALIDADE
• Prática na interação da dança;
Conteúdos: História de como e quem criou os nossos (índios Parecis) • Prática da leitura da bola;
Descrição da atividade:
• Prática da pintura corporal.
Nossos anciões ou alguém mais velho da nossa
Materiais Necessários:
comunidade e que conheça nossas histórias. (integração com escolas não indígenas para apresentar a
cultura da comunidade)
Conhecimento das histórias e passado de nossos
Produtos Finais: ODS relacionado: ODS10 - REDUZIR AS DESIGUALDADES
ancestrais.
• Dança;
Autores Escola Conteúdos: • Bola;
• Pintura.
Escola Indígena Morrinhos
Claudiane Quezozaé Secretaria Municipal de Educação • Os indígenas;
Município Campo Novo do Parecis / MT Materiais Necessários: • Seiva da mangava;
• Líquido do jenipapo.
Escola Municipal Indígena Wazarê
Valdirene Avelino Zokenaezokero Secretaria Municipal de Educação Produtos Finais: Cartazes com fotos e imagens sobre o evento.
Município Campo Novo do Parecis / MT
Autores Escola
Escola Indígena Morrinhos
Claudiane Quezozaé Secretaria Municipal de Educação
Município Campo Novo do Parecis / MT
Escola Municipal Indígena Wazarê
Valdirene Avelino Zokenaezokero Secretaria Municipal de Educação
Município Campo Novo do Parecis / MT

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 172


Tema: Saúde para todos Tema: Uso consciente da água
Tipo de Sequência: (Ex. Tipo de Sequência: (Ex.
aula expositiva, feira de aula expositiva, feira de Visita a uma nascente e reservatório de água, aula
ciência, aula externa, Estudo de caso (através de levantamentos) ciência, aula externa, expositiva (consumo de água e gastos)
estudo do meio, etc.) estudo do meio, etc.)
Tempo/Duração Tempo/Duração
2 aulas (60 Faixa etária/Ano: 4º e 5º ano (pode ser uma ou +/- 15 dias
Faixa etária/Ano: 9º ano / 14 anos (pode ser uma ou
mais aulas): minutos) mais aulas):

• Levantar, junto à comunidade rural, o acesso aos • Identificar uma nascente e os reais cuidados que a
cuidados básicos com saúde familiar; mesma necessita;
Objetivos Pedagógicos • Orientar sobre a importância da prevenção e dos Objetivos Pedagógicos • Despertar o interesse do aluno para que faça o uso
(conteúdo, competências (conteúdo, competências consciente da água;
e habilidades) cuidados essenciais com a saúde, desde a infância até a e habilidades) • Estabelecer metas de cuidados dos recursos naturais
vida adulta; do nosso município;
• Promover palestras com profissionais da saúde. • Reconhecer que a água é indispensável ao ser humano.
• Elaborar questionários para ter conhecimento da • Conversa informal;
realidade e dos cuidados que cada um tem com a • Passeio nas nascentes (e áreas de preservação
saúde preventiva; permanente – APP)
Descrição da atividade: • Rodas de conversa para troca de experiências e • Criação de gráficos e tabelas;
Descrição da atividade:
conhecimentos; • Relatórios;
• Apresentações de vídeos e palestras; • Pesquisa;
• Elaboração de cartazes informativos. • Exposição dos trabalhos;
• Criação de panfletos sobre o uso consciente da água.
ODS relacionado: ODS03 - SAÚDE DE QUALIDADE
ODS relacionado: ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO
Conteúdos: Saúde familiar preventiva
Conteúdos: Consumo da água e cuidados com o saneamento básico
Cartolinas
Materiais Necessários:
Datashow
Cartolinas, cadernos, Datashow, mapas, bússola, guia (da
Materiais Necessários:
• Cartazes de conscientização sobre a importância da estação de água) e conta de água.
prevenção para ter qualidade;
Produtos Finais: Panfletos informativos;
• Palestras com profissionais; Produtos Finais: Atividade de fixação de conhecimento;
• Aulas práticas e demonstrativas.
Apresentação de gráficos para a comunidade.
Autores Escola Autores Escola

Danielly Jacoboski E.E. União da Chapada Lucimar Helena L. Silva


Secretaria Municipal de Educação
Michelle Lima da Mata Município Campo Novo do Parecis / MT Jurema Aparecida Schivan Escola Nossa Aparecida
Secretaria Municipal de Educação
Valmira Schivan Município Campo Novo do Parecis / MT

Lucélia Lapinski

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 173


Reaproveitamento de lixo orgânico e inorgânico Tema: Inovação e Infraestrutura
Tema:
(Horta escolar) Tipo de Sequência: (Ex. • Aula expositiva, onde haverá a divisão de eixos temáticos;
Tipo de Sequência: (Ex. aula expositiva, feira de • Pesquisa, questionários, entrevistas, levantamento de
aula expositiva, feira de ciência, aula externa, dados que resultarão em construção de gráficos;
ciência, aula externa, Aula externa, estudo de meio estudo do meio, etc.) • Seminário Municipal.
estudo do meio, etc.) Tempo/Duração
Tempo/Duração Um bimestre ou
Faixa etária/Ano: 5º ao 9º ano (pode ser uma ou
Faixa etária/Ano: 08 a 10 anos (pode ser uma ou Ano letivo mais aulas): mais
mais aulas):
• Compartilhamento de ideias;
• Reconhecer os diferentes tipos de lixo; Objetivos Pedagógicos • Empoderamento / Empreendedorismo
Objetivos Pedagógicos • Conscientizar o descarte apropriado para cada tipo de lixo; (conteúdo, competências • Resiliência, refazer, fazer o melhor;
(conteúdo, competências • Incentivar a coleta seletiva; e habilidades) • Produzir (elaborar Leis Ambientais);
e habilidades) • Proteger o meio ambiente através da reciclagem; • Exposição de ideias.
• Promover a mobilização da comunidade escolar.
• Aula expositiva;
• Conhecer o espaço que será desenvolvido o projeto
• Divisão de eixos temáticos;
(escola);
• Pesquisas;
• Roda de conversa para explicar o projeto;
• Questionários;
• Pesquisar assuntos teóricos para o entendimento dos tipos
• Entrevistas;
de lixos que irão ser reaproveitados;
• Gráficos;
• Armazenar materiais recicláveis para reaproveitamento;
Descrição da atividade: Descrição da atividade: • Debate;
• Construção prática do projeto;
• Rodas de conversa;
• Classificação do material (garrafa pet);
• Vídeos Informativos;
• Construção dos canteiros;
• Fotos;
• Adubação;
• Cartazes;
• Semeadura;
• Visitas em indústrias (áreas de produção);
• Cultivo;
• Seminário.
• Minhocário
ODS relacionado: ODS11 - CIDADES E COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS ODS03 – SAÚDE DE QUALIDADE
ODS04 - EDUCAÇÃO DE QUALIDADE
• Reciclagem; ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO
• Água, solo; ODS11 - CIDADES E COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS
Conteúdos: • Desperdício de alimentos (escolar); ODS relacionado: ODS12 – PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS
• Fomento de recurso financeiro (venda dos produtos da ODS13 – AÇÃO CLIMÁTICA
horta para manter o projeto ativo). ODS15 – PROTEGER A VIDA TERRESTRE
Garrafas PET; Resíduos de sobras de alimentos (merenda ODS17 - PARCERIAS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS
Materiais Necessários:
escolar); Água, solo e adubo; Recursos humanos. OBJETIVOS
Alimentos saudáveis (tempero verde, verduras e legumes) • Indústria
Produtos Finais:
para compor a merenda escolar. • Meio ambiente;
Autores Escola • Economia do município;
• Espaço Geográfico;
Elizelma dos Santos Silva Conteúdos: • Saneamento básico;
• Uso de agrotóxicos (pontos + e -)
Joana Uriel Escola Municipal Amélia Lena Fredizzi
• Agricultura sustentável;
Secretaria Municipal de Educação
Silvana Torret • Coleta de lixo;
Município Campo Novo do Parecis / MT • Aterro sanitário.
Rosemere Schivan

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 174


• Datashow; Tema: Alimentação saudável
• Celular;
Materiais Necessários: • Internet; Tipo de Sequência: (Ex.
• Cartazes; aula expositiva, feira de
ciência, aula externa, Estudo de meio
• Fotos.
estudo do meio, etc.)
Seminário com toda a comunidade escolar e participação Tempo/Duração
do executivo, legislativo e judiciário com o objetivo de Faixa etária/Ano: 12 anos (7º ano) (pode ser uma ou 2 aulas (50 min.)
Produtos Finais:
elaborar leis que venham de encontro às indústrias e uso mais aulas):
de agrotóxicos.
• Identificar a procedência e a qualidade dos alimentos;
Autores Escola Objetivos Pedagógicos • Reconhecer a importância do preparo dos alimentos;
(conteúdo, competências • Identificar os benefícios e malefícios da alimentação;
Vera Lúcia Freitas e habilidades) • Estabelecer metas para combater as causas de doenças
como obesidade e sedentarismo.
Valdean Gomes E. M. 04 de Julho
E. M. Jardim das Palmeiras • Pesquisa de levantamento a partir do conhecimento que
Elisangela Momesso
Secretaria Municipal de Educação os alunos têm a respeito do assunto;
Salete Rocha Município Campo Novo do Parecis / MT • Elaborar um questionário para pesquisa de campo;
Descrição da atividade:
• A partir da pesquisa fazer uma triagem para a roda de
Lucimari V. conversa e assim concluir as partes importantes de
alimentação saudável.

ODS relacionado: ODS03 - SAÚDE DE QUALIDADE

Conteúdos: Cardápio alimentar

Cartolina, lápis de cor, canetas coloridas, revistas para


Materiais Necessários:
recorte, cola e tesoura.
Cartaz de conscientização sobre a alimentação saudável
Produtos Finais:
e seus malefícios
Autores Escola

EMEF “Profº Augusto Coelho”


Valdemir Donizete Bastos Secretaria Municipal de Educação
Município de Santo Antônio de Posse/SP

EMEF “Profª Conceição G. Menuzzo”


Viviane Cristina Barbosa Secretaria Municipal de Educação
Município de Santo Antônio de Posse/SP

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 175


Tema: Consumo racional da água Tema: Proteger a vida marinha
Tipo de Sequência: (Ex. Tipo de Sequência: (Ex.
aula expositiva, feira de aula expositiva, feira de
ciência, aula externa, Aula expositiva ciência, aula externa, Experimental com debate
estudo do meio, etc.) estudo do meio, etc.)
Tempo/Duração 7º ano (11 e 12 Tempo/Duração
7º ano (11-12 Faixa etária/Ano: (pode ser uma ou 1 aula (50 min.)
Faixa etária/Ano: (pode ser uma ou 1 aula (50 min.)
anos) mais aulas): anos) mais aulas):

Objetivos Pedagógicos Objetivos Pedagógicos


(conteúdo, competências Conscientizar sobre o consumo racional da água (conteúdo, competências • Descarte consciente;
e habilidades) • Proteção da vida aquática.
e habilidades)

• Dar um quadradinho de cartolina para cada aluno; • Um elástico circular entre os dedos polegar e dedo
• Pedir que cada aluno desenhe, pinte e recorte uma mínimo (“costas da mão”);
gotinha de água; • Sem usar a outra mão, tentar retirá-lo;
Descrição da atividade: Descrição da atividade:
• Chamar um aluno de cada vez para colar sua gotinha • Cada aluno deverá apresentar oralmente no grupo a
na cartolina; experiência vivenciada;
• Recortar a cartolina e transformá-la em balde. • Promover em debate quanto o descarte de material nas
proximidades dos rios e praiais.
ODS relacionado: ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO
ODS relacionado: ODS14 - PROTEGER A VIDA MARINHA
Conteúdos: Consumo racional da água
Conteúdos: Poluição
Materiais Necessários: Cartolinas brancas, tesoura, lápis de cor azul e cola.
Materiais Necessários: Elástico circular para cada aluno
Cartaz alertando que uma gotinha de cada aluno forma
Produtos Finais:
um balde. Produtos Finais: Relatório único sobre o tema

Autores Escola Autores Escola

Lauro Evandro Malandriu EMEF “Profº Augusto Coelho” Lauro Evandro Malandriu EMEF “Profº Augusto Coelho”
Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Educação
Denise O Morella Coelho Município de Santo Antônio de Posse/SP Denise O Morella Coelho Município de Santo Antônio de Posse/SP

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 176


Tema: Uso consciente da água Tema: Educação de Qualidade
Tipo de Sequência: (Ex. Tipo de Sequência: (Ex.
aula expositiva, feira de aula expositiva, feira de
ciência, aula externa, Aula expositiva ciência, aula externa, Projeto
estudo do meio, etc.) estudo do meio, etc.)

7º ano (11-12 Tempo/Duração Tempo/Duração durante o ano


Faixa etária/Ano: (pode ser uma ou 50 min. (1 aula) Faixa etária/Ano: 4°ano/5°ano (pode ser uma ou
anos) mais aulas): mais aulas): letivo
• Despertar o interesse do aluno fazendo com que ele faça o • Assegurar a educação inclusiva equitativa e de qualidade;
Objetivos Pedagógicos uso consciente da água; • Promover oportunidades de aprendizagem ao longo da
(conteúdo, competências • Conhecer o caminho da água do ambiente até sua casa; Objetivos Pedagógicos
e habilidades) (conteúdo, competências vida para todos.
• Analisar criticamente o uso da água e verificar se é e habilidades) • Proporcionar material diversificado e de qualidade para
adequado ou não. garantir bom desenvolvimento na primeira infância de
modo que estejam prontos para o ensino primário.
• Realizar uma pequena pesquisa sobre as fontes de água
que abastece a cidade; ODS relacionado: ODS04 - EDUCAÇÃO DE QUALIDADE
• Pesquisa as formas de tratamento de cada uma dessas
fontes; Paz/Violência;
Descrição da atividade:
• Conhecer a quantidade de água ideal para cada tipo de uso, Diversidade cultural;
exemplos: escovar os dentes, banho, lavar louças e etc; Etnias;
• Identificar na sua residência onde pode estar ocorrendo Direitos humanos;
gastos excessivos. Conteúdos: Igualdade de gênero;

ODS relacionado: • Abordagem com panfletos através de blitz educativa;


ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO
• Exposição de fotos de seus antepassados e de objetos
• Principais fontes de água da cidade: antigos
a. Rios; • Direitos e deveres respeitando a igualdade de gêneros.
b. Poço artesianos;
Conteúdos: • Vídeo aulas;
c. Minas e nascentes
• Palestras;
• Tratamento de água;
Materiais Necessários: • Visita à museus;
• Conscientização e uso racional de água evitando o
• Objetos antigos;
desperdício.
• Fotos
• Gibi – Construindo um mundo sustentável;
Materiais Necessários: • Exposição;
• Lousa/giz. Produtos Finais: • Visitas
• Atividades para fixação de conhecimento; • Confecção de panfletos
Produtos Finais: • Devolutiva para o professor dos possíveis gastos Autores Escola
inadequados de água na sua residência.
Angela Bonfim Abílio F. de Oliveira
Autores Escola
Secretaria Municipal de Educação
Elizandra Serbai Município de Guarapuava/PR
Priscilla F. Zonzini da Silva EMEF “Profª Isaura C. Coelho”
Secretaria Municipal de Educação Professora Carlita G Pupo
Eliane Serbai Ozuvenka
Leonardo H. T. Marquezi Município de Santo Antônio de Posse/SP Secretaria Municipal de Educação
EMEF “Profª Conceição G. Menuzzo” Rosangela Pitta Dalle Laste de O Município de Guarapuava/PR
Mary Helen Romanini Secretaria Municipal de Educação
Município de Santo Antônio de Posse/SP

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 177


Tema: Saúde de Qualidade Tema: Vida debaixo da água
Conjunto de atividades: Vídeos, palestras, parceiras com Tipo de Sequência: Projeto Pedagógico interdisciplinar
Tipo de Sequência:
a comunidade (profissionais da saúde)
Faixa etária/Ano: 5°ano - 7°ano Tempo/Duração: 1 semana
Faixa etária/Ano: 5° ano - 9° ano Tempo/Duração: Ano todo
• Interdisciplinaridade com Língua Portuguesa;
Objetivos Pedagógicos Objetivos Pedagógicos
(conteúdo, competências Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para (conteúdo, competências • Conhecer algumas espécies marinhas;
todos, em todas as idades. e habilidades) • Adquirir conhecimento da importância da preservação do
e habilidades)
meio ambiente.
ODS relacionado: ODS03 - SAÚDE DE QUALIDADE
ODS relacionado: ODS14 - PROTEGER A VIDA MARINHA
• Sistemas: respiratório, reprodutor, circulatório
• Repertoriar o aluno através de:
• Água
1. Textos informativos
• Gráficos e tabelas
2. Vídeos
• Rótulos Conteúdos: 3. Revistas
Conteúdos: • Gêneros textuais
• Na oralidade tirar do aluno que conhece o litoral, fazendo
• Regiões
anotações no quadro de giz, fazendo intervenção e
• Alimentação
aprimorando o relato.
• Alimentação (produtor rural)
• Mortalidade (comprar com outros estados/países) • Vídeos
• Revistas
Materiais Necessários: Vídeos aula, rótulos, música, teatro, exposição, passeio; Materiais Necessários: • Textos informativos
• Máquinas fotográficas
Produtos Finais: Exposição dos trabalhos • Cartolina, lápis
• Painel coletivo (confecção)
Autores Escola Produtos Finais:
• Possível passeio (excursão) para conhecer o mar.
Ciúma Alves dos Santos Ribeiro Escola Municipal do Campo Enoch Tavares Autores Escola
Secretaria Municipal de Educação
Dirce Maceno Dreviski Município de Guarapuava/PR Izabel Lopes E. M. Sofia Horst
Secretaria Municipal de Educação
E. M. Profª Julieta Anciutti Glaúcia Ribas Kramer Município de Guarapuava/PR
Gerusa Ribas Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR E. M. Hildegard Burjan
Sandra Veneti Secretaria Municipal de Educação
E. M. Professora Elcídia Município de Guarapuava/PR
Silvana Baldin Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 178


Tema: A criança empreendedora Tema: Energia Renováveis
Tipo de Sequência: Aulas expositivas (relatos, histórias, pesquisa) Tipo de Sequência: Projeto pedagógico interdisciplinar

Faixa etária/Ano: 9-10 anos / 5°ano Tempo/Duração: 1 mês (50 min.) Faixa etária/Ano: 4°ano Tempo/Duração: 1 mês

• Desenvolver na criança o senso empreendedor • Informar os discentes sobre o tema a ser trabalhado
• Promover políticas efetivas para a construção de gerações Objetivos Pedagógicos • Conhecer a vantagens e desvantagens das várias formas
Objetivos Pedagógicos (conteúdo, competências de produção de energia.
(conteúdo, competências com iniciativa. e habilidades) • Buscar a conscientização do uso consciente de energia
e habilidades) • Incentivar a formalização e o crescimento de
microempresas elétrica.
• Empreendedorismo sustentável
ODS relacionado: ODS07 - ENERGIAS RENOVÁVEIS E ACESSÍVEIS
ODS relacionado: ODS08 - TRABALHO DIGNO E CRESCIMENTO ECONÔMICO • Pesquisas
• Meio Ambiente
Textos informativos, Sistema monetário, órgãos dos sentidos,
Conteúdos: • Saneamento Básico
arte, literatura, localização e espaço.
• Regiões
Sala de aula, quadro de giz, músicas, histórias, vídeos, • Hidrografia
Materiais Necessários: multimídias, tecidos, aromas, fitas, sagu comestível, tule • Porcentagem
Conteúdos:
(tecido). • Análise de Gráficos
• Análise e interpretação de textos
Produtos Finais: Confecção e comercialização de sachês aromáticos. • Pesquisa em diferentes fontes sobre o tema
• Estudo dos biomas
Autores Escola • Conhecer as diferentes realidades do munícipio
• Identificar fontes de energias renováveis
Elza M. de Oliveira E. M. Prof. Ruy V. Marques
Secretaria Municipal de Educação Vídeos, laboratório informática, mapas, Material impresso,
Materiais Necessários:
Romilda P. Lemi Município de Guarapuava/PR Livros e revistas e Textos informativos

• Roda de conversa com os pais


Marinês de Fátima Ribeiro E. M. Prof. Conrado G. de Oliveira Produtos Finais: • Chamar os pais para entrevista e verificação dos resultados
Secretaria Municipal de Educação
adquiridos ao longo do trabalho.
Cristiani Muller Município de Guarapuava/PR
Autores Escola
E. M. Dr. Roberto C. Silva
Silvana F. M. Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
E. M. Profª Carmen T. Cordeiro
Aurora Lopes Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
E. M. São Pedro
Patrícia Mayer Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 179


Tema: Vida sobre a Terra Tema: Cidadania
Tipo de Sequência: Roda de conversa Tipo de Sequência: Projeto pedagógico interdisciplinar

Faixa etária/Ano: 5° ano Tempo/Duração: 1 semana 1 semana


Faixa etária/Ano: 4°ano Tempo/Duração: (aproximada-
Objetivos Pedagógicos Conscientizar os alunos e a comunidade escolar da mente)
(conteúdo, competências importância da biodiversidade das florestas no impacto
e habilidades) • Despertar consciência crítica dos direitos e deveres do
global.
cidadão.
ODS relacionado: ODS15 - PROTEGER A VIDA TERRESTRE • Conscientizar da importância da educação para o seu
Objetivos Pedagógicos
(conteúdo, competências futuro.
• Biodiversidade e habilidades) • Incentivar a família sobre a importância da participação na
• Sustentabilidade educação dos filhos (parceria família/escola).
• A partir de uma reportagem (Globo Rural) meios de • Promover a Educação Inclusiva de forma natural dentro do
Conteúdos: comunicação onde enfocou a destruição de florestas espaço escolar.
importantes para população. Os alunos estão convidados
ODS relacionado: ODS04 - EDUCAÇÃO DE QUALIDADE
a refletir sobre o impacto ambiental que interfere no nosso
cotidiano. • Direitos e deveres do cidadão
Conteúdos: • Conceito de cidadania
• Projetor de multimídia
• Trabalhar a diversidade
• Folhetos
Materiais Necessários:
• Livros • Vídeos
• A reportagem • Livros de leitura infantil
• Livros didáticos
• Exposição de cartazes explicativos Materiais Necessários: • Jogos
Produtos Finais:
• Produção individual e coletiva • Músicas
• Palestras
Autores Escola
• Teatro - dramatização
Ana Maria Peterlini E. M. Lídia S. Curi • Mural
Secretaria Municipal de Educação Produtos Finais: • Painéis
Gilmar Luis Santin Município de Guarapuava/PR • Roda de conversa
Edna Taskievicz E. M. Maria de Jesus Taques Autores Escola
Secretaria Municipal de Educação
Marisa Bilet Município de Guarapuava/PR Hulyana Secretaria Municipal de Educação
Erondina Kamenski Município de Guarapuava/PR

Eleni Costa E. M. do Campo Profº Maack


Secretaria Municipal de Educação
Janita Todeschini Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 180


Tema: Combate às mudanças climáticas Tema: Igualdade de gênero/ Mulher no trabalho
Tipo de Sequência: Projeto Pedagógico Interdisciplinar Tipo de Sequência: Projeto pedagógico interdisciplinar

Faixa etária/Ano: 5° ano Tempo/Duração: 1 ano Faixa etária/Ano: 4° ano e 5° ano Tempo/Duração: 30 dias

Melhorar a educação, aumentar a conscientização e a Proporcionar a reflexão de igualdade de gênero e


capacidade humana e institucional sobre mitigação e Objetivos: empoderar todas as mulheres e meninas ao mercado de
Objetivos: trabalho.
adaptação, educação de impacto e alerta precoce da
mudança climática.
ODS relacionado: ODS05 - IGUALDADE DE GÊNERO
ODS relacionado: ODS13 - AÇÃO CLIMÁTICA
• Língua Portuguesa (textos informativos e interpretações,
• Meio Ambiente produção de texto)
• Sustentabilidade • Matemática
Conteúdos: • Pesquisa e gráficos
• Água
Conteúdos: • Preservação Ambiental • Profissões
• Catastrofes naturais • Palestra para a família
• Impactos ambientais • Dinâmica de autoestima
• Saneamento básico • Vídeos
• Data show
• Vídeos Materiais Necessários:
• Computador
• Reportagens
• Folhetos
• Revistas, jornais
Materiais Necessários: • Computadores • Levar a participação plena e efetiva das mulheres/meninas
• Cartazes, canetas Produtos Finais: a igualdade de oportunidades para a liderança.
• Recortes • Feira de profissões
• Data show
Autores Escola
• Conscientização e disseminação da preservação ambiental
e sustentabilidade E. M. Profª Julieta Anciutti
• Debate em sala de aula com base nas informações Francieli de Souza Secretaria Municipal de Educação
Produtos Finais:
encontradas e pesquisas feitas pelos alunos Município de Guarapuava/PR
• Ações em casa e sociedade com relação a separação do
lixo, desperdício de água. E. M. Profª Elcídia de Santa Maria Pereira
Giseli Maria de Cristo dos Santos Secretaria Municipal de Educação
Autores Escola Município de Guarapuava/PR

Joblaina Carraro E. M. Gabriel Hugo Rios Maria Luisa P. Hiller E. M. Iná Ribas Carli
Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Educação
Marli Dominíco Município de Guarapuava/PR Scheyla Tatiana Franbe Município de Guarapuava/PR

Nilza Pereira das Neves E. M. Raul H. Lupatelli


Secretaria Municipal de Educação
Sandra Kondas Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 181


Tema: Água limpa e saneamento Tema: Vida debaixo da água
Tipo de Sequência: Aula expositiva e informativa Tipo de Sequência: Pesquisa de campo / Trabalho em grupo

Faixa etária/Ano: 4° ano e 5° ano Tempo/Duração: Uma semana Faixa etária/Ano: 5º ano Tempo/Duração: 1 semana

• Pesquisar sobre a situação do saneamento básico no • Conhecer a realidade dos rios da cidade
Objetivos Pedagógicos bairro e a acessibilidade da comunidade a água potável • Conscientizar a respeito dos efeitos da poluição das águas
(conteúdo, competências • Conscientizar o consumo consciente de água nos dias de hoje e para as gerações futuras;
e habilidades) • Visitar a Sanepar e conhecer o processo de captação de Objetivos Pedagógicos
• Desenvolver ideias para manter as águas limpas e
(conteúdo, competências
água. e habilidades) sustentáveis;
• Compreender o conceito de sustentabilidade
ODS relacionado: ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO • Conhecer o processo de tratamento da água e de sua
captação
• Saneamento básico
Conteúdos: • Utilização da água de forma consciente ODS relacionado: ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO
• Tratamento da informação
• Ciências:
• Vídeos educativos
1. Ecossistema e meio ambiente
• Palestras (visita)
2. Poluição ambiental
• Análise de consumo da água e construção de gráficos Conteúdos: • Português:
Materiais Necessários: • Textos informativos
1. Leitura, interpretação de texto e produção escrita
• Cartolina, pincel, gravuras para confecção de cartazes
2. Gênero textual
• Recortes
3. Oralidade
• Data show
• Recursos audiovisuais
• Teatro sobre o uso consciente da água;
Produtos Finais: Materiais Necessários: • Livros
• Confecção de folders informativos;
• Textos informativos
• Exposição de cartazes.

Autores Escola • Leitura compartilhada


• Pesquisa de campo (rios/estação de tratamento de água)
Produtos Finais:
Lucimara Ap. Da Silva E. M. Profº Pedro Itararé • Debates
Secretaria Municipal de Educação • Produção escrita
Márcia Alves dos Santos Município de Guarapuava/PR
Autores Escola
E. M. Vila Palmeira
Noemi dos Reis Muffato Secretaria Municipal de Educação Maria Lucia Ruth de Moura E. M. Capitão Wagner
Município de Guarapuava/PR Secretaria Municipal de Educação
Élen Miriani Matoso Município de Guarapuava/PR
E. M. Domingos Savio
Thaisa Machoski Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 182


Tema: Erradicação da pobreza Tema: Saúde de qualidade/ Vida saudável
Tipo de Sequência: Aula expositiva Tipo de Sequência: Palestra/ trabalho em grupo para discussões

Faixa etária/Ano: 5º ano Tempo/Duração: 15 a 20 dias 4 horas/


Faixa etária/Ano: 4º ano/5º ano Tempo/Duração:
contínuo
• Incentivar os alunos a buscarem formação para melhoras
• Prevenir e reduzir o uso do tabaco, conscientizando as
suas condições financeiras.
pessoas a causa nociva à saúde
• Conscientizar os alunos (pré-adolescentes) sobre o Objetivos:
Objetivos: • Conscientizar que as drogas entorpecentes e álcool são
controle de natalidade
prejudiciais à saúde física, mental e social dos indivíduos.
• Explicar os vários métodos para evitar a gravidez na
adolescência.
ODS relacionado: ODS03 - SAÚDE DE QUALIDADE
ODS relacionado: ODS01 - ERRADICAR A POBREZA
• Controle do tabaco
Conteúdos:
• Aparelho reprodutor • Drogas entorpecentes, álcool
• Estratificação social
Cartazes, vídeos, folders, filmes, panfletos, depoimentos,
• Qualidade de vida
Conteúdos: Materiais Necessários: PROERD, slides, revistas, jornais, pesquisa entre outros.
• Tabelas e gráficos
Pessoas da área da saúde.
• Porcentagem
• Textos informativos Produtos Finais: Exposição de cartazes
Livros, revistas, vídeos, pesquisas, palestras; pesquisa de
Materiais Necessários: Autores Escola
campo e material para confecção da cartilha; aparelho
reprodutor E. M. Profª Dirce J. Jaeger
Elizethe Aparecida da Silva Secretaria Municipal de Educação
• Cartilha com informações
Município de Guarapuava/PR
• Espera-se que ao trabalhar com os alunos possam
Produtos Finais:
compreender e ajudar a construir a cartilha com as E. M. do Campo Princesa Isabel
informações. Angela Cristiany de Souza Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
Autores Escola
E. M. Francisco P. Lacerda Werneck
E. M. Dalila H. Teixeira Gracielen Silva Secretaria Municipal de Educação
Joceli Rocio T. da Rosa Secretaria Municipal de Educação Município de Guarapuava/PR
Município de Guarapuava/PR
E. M. General Eurico Dutra
Franciele M. P. Leal Silva Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
E. M. Profº Francisco Contini
Rosane F. Passaglia Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 183


Tema: Saúde de Qualidade Tema: Cidades e comunidades sustentáveis
Tipo de Sequência: Pesquisa/Debates/Produções Tipo de Sequência: Aula Expositiva

Faixa etária/Ano: 8 a 10 anos Tempo/Duração: 1 semana Faixa etária/Ano: 4º e 5º anos Tempo/Duração: 15 a 20 dias

• Conscientizar os estudantes sobre a importância do • Conscientizar a comunidade escolar a preservar o meio


Objetivos Pedagógicos cuidado e preservação do meio ambiente onde estamos ambiente.
(conteúdo, competências inseridos. • Promover ações dentro do espaço escolar que possibilitem
e habilidades) • Conscientizar sobre o acesso as políticas públicas de a preservação e a economia.
atendimento à saúde. • Expor à comunidade as mudanças ocorridas
• Conversas e discussões (debates)
Objetivos Pedagógicos
ODS relacionado: ODS03 - SAÚDE DE QUALIDADE (conteúdo, competências • Vídeos e fotos (comparações)
e habilidades) • Visita às cooperativas de coleta seletiva
• Higiene Ambiental • Construção de brinquedos com lixo reciclável
Conteúdos: • Qualidade de vida • Cartazes
• Vacinas • Monitores
• Palestra e teatro
• Roteiro para entrevista • Amostra de brinquedo
• Cartolina • Resultado do trabalho.
Materiais Necessários:
• Internet ODS relacionado: ODS11 - CIDADES E COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS
• Máquina fotográfica
• Meio ambiente
Espera-se que esse trabalho contribua para o conhecimento • Tratamento da informação
Produtos Finais: e compromisso na preservação no meio ambiente a fim de • Lixo
deixar como herança uma melhor qualidade de vida. Conteúdos:
• Doenças
• Lixo
Autores Escola • Doenças

Neuza Brachak E. M. Profº Francisco Contini TV, projetor, lixo reciclável, cartolina, canetão, máquina
Materiais Necessários:
Secretaria Municipal de Educação fotográfica.
Donisete Neves Stocki Município de Guarapuava/PR
• Amostras
E. M. Dalila H. Teixeira Produtos Finais: • Gráficos de resultados
Silvana J Pereira Secretaria Municipal de Educação • Tabelas
Município de Guarapuava/PR
Autores Escola
E. M. Francisco P. Lacerda Werneck
Maria Fernandes Mendes Bayer Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
E. M. do Campo Princesa Isabel
Jocemari Pedroso Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
E. M. Profª Dirce J. Jaeger
Marizete R. Bettez Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 184


Tema: Acabar com as epidemias e doenças Tema: Combate as mudanças climáticas
Tipo de Sequência: Aula expositiva Tipo de Sequência: Exposição e prevenção

Faixa etária/Ano: 8 à 10 anos Tempo/Duração: 1 bimestre Faixa etária/Ano: 9 à 10 anos Tempo/Duração: 15 dias

Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar em Tomar medidas urgentes para combater a mudança
Objetivos: Objetivos:
todas as idades. climática e seu impacto

ODS relacionado: ODS03 - SAÚDE DE QUALIDADE ODS relacionado: ODS13 - AÇÃO CLIMÁTICA

Prevenção de epidemias de doenças de higiene e saúde, • Meio ambiente (data comemorativa)


Conteúdos: • Produção de texto
vacinas
• Tratamento da informação
Filmes, slides, panfletos, palestras, músicas, textos • Leitura e escrita
Materiais Necessários:
informativos
Metodologia
Produtos Finais: Confecção de murais, cartazes e panfletos informativos • Análise de gráficos
Conteúdos:
• Pesquisas
Autores Escola • Confecção de panfletos e cartazes
• Legislação de coletas de materiais (pilhas, motores,
Silvana M. Galhart Pacheco E. M. Profª Silvanira Penha baterias)
Secretaria Municipal de Educação • Amostra na escola (conscientização) chamando a
Solange T. S. Barreto Município de Guarapuava/PR comunidade escolar
• Blitz
Adriana P. Correa E. M. do Campo Manoel Moreira de Campos
Secretaria Municipal de Educação • Vídeos
Simone Miotto Município de Guarapuava/PR • Computadores
Materiais Necessários: • Papéis
• Cartolinas
• Máquina fotográfica.

• Blitz educativo
Produtos Finais:
• Exposição para comunidade
Autores Escola
E. M. Dom Bosco
Cátia M. S. de Araújo Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
E. M. Pe Estaníslau Cebula
Eliziane Silva Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR
E. M. Hipolyta Neves de Oliveira
Ivonete Oliveira da Silva Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 185


Tema: Consumo Responsável Vida debaixo da água: conscientização sobre a
Tema: poluição marinha
Tipo de Sequência: Oralidade, pesquisa e prática
Tipo de Sequência: Projeto Pedagógico
Faixa etária/Ano: 3° e 4° ano Tempo/Duração: 15 dias
5° ano (9 e 10
• Diminuir impactos ambientais Faixa etária/Ano: Tempo/Duração: 1 semana
anos)
• Redução da produção de resíduos
Objetivos Pedagógicos • Apresentar situações que envolvam problemas
(conteúdo, competências • Reutilização de materiais relacionados a poluição
e habilidades) • Reciclagem
• Redução do desperdício • Compreender a importância do equilíbrio marinho e a
• Consumo consciente Objetivos Pedagógicos influência no ambiente
(conteúdo, competências • Conhecer as diferentes formas de vida marinha
ODS relacionado: ODS12 - PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS e habilidades) • Incentivar a busca de soluções para os problemas
marinhos
• Língua Portuguesa: Leitura e interpretação de texto • Destacar a importância da inter-relação entre o homem e o
informativo. Roda de conversas. Listas de produtos ambiente marinho
recicláveis e orgânicas
• Matemática: gráficos e situações-problemas ODS relacionado: ODS14 - PROTEGER A VIDA MARINHA
• Ciência: reciclagem, vídeos, debates, palestras com visitas
Conteúdos: do operador ecológico na escola. • Animais marinhos (vida marinha)
• Geografia: regiões do bairro onde e produz a menor Conteúdos: • Formas de poluição marinha
quantidade de resíduos. • Utilização de recursos marinhos de forma sustentável
• História: Evolução e conscientização do consumo
sustentável. • Vídeos explicativos
• Arte: Construção de brinquedos com produtos recicláveis. • Textos informativos
• Revistas
Materiais de pesquisa, laboratório do Proinfo, jogos, gibis, Materiais Necessários:
• Filmes
Materiais Necessários: livro didático, material manipulativo, cartolina, pincel e • Internet (pesquisa)
quadro negro. • Recursos pedagógicos (cartolinas, canetas, etc)
• Exposição com materiais construídos com recicláveis.
Instalação de arte com os materiais produzidos pelos alunos
• Apresentação para os pais através de cartazes, Produtos Finais:
Produtos Finais: para os pais e toda comunidade escolar.
palestrinhas feitas pelos próprios alunos ou teatro.
• Cartazes explicativos. Autores Escola
Autores Escola E. M. Pe Estaníslau Cebula
Márcia R. Elding Secretaria Municipal de Educação
E. M. Profª Carmen T. Cordeiro Município de Guarapuava/PR
Francieli R. Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR E. M. Dom Bosco
Jatieli Aparecida Zeviriskóski Secretaria Municipal de Educação
São Pedro Município de Guarapuava/PR
Jaqueliane Aparecida Ramos Bamczec Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR E. M. Hipolyta Neves de Oliveira
Luciana Aparecida S. Amaral Secretaria Municipal de Educação
E. M. Dr. Roberto Cunha e Silva Município de Guarapuava/PR
Danise M. Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 186


Saúde de Qualidade – Reaproveitando Tema: Água
Tema: os alimentos
Tipo de Sequência: Didática, pesquisa e entrevista
Tipo de Sequência: Projeto pedagógico Interdisciplinar
4 º ano (9 e 10
Faixa etária/Ano: Tempo/Duração: Bimestral
10 a 12 anos / Durante o ano anos)
Faixa etária/Ano: Tempo/Duração:
4° e 5° anos letivo
• Apoiar e fortalecer a participação das comunidades locais,
• Utilizar os alimentos de forma correta e sustentável para melhorar a gestão da água e do saneamento.
• Estimular a redução de desperdício dos alimentos em casa Objetivos: • Sensibilizar a comunidade escolar sobre o uso consciente
e na escola da água, a preservação e os cuidados com o meio
Objetivos:
• Estimular o aproveitamento dos alimentos em receitas ambiente.
alternativas, diminuindo assim o lixo.
• Produzir o adubo orgânico (compostagem) ODS relacionado: ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO

ODS relacionado: ODS03 - SAÚDE DE QUALIDADE • Saneamento básico:


• Água: tratamento e distribuição
• Alimentação • Lixo: coleta seletiva, os 7R’s (refletir, reduzir, reciclar,
Conteúdos:
• Palestra com a nutricionista reutilizar...)
• Envolvimento com a comunidade por meio de curso e • Leitura, escrita e produção
palestras (receitas alternativas). • Gráficos e tabelas
Conteúdos: • Roda de conversa e distribuição de textos explicativos e
produzidos em sala de aula. • Recursos audiovisuais
• Elaboração de receita (português) • Mídias
• Horta • Papel (formulário)
• Rótulo do valor nutricional (cálculos) Materiais Necessários: • Livros, revistas, panfletos
• Câmera
• Textos explicativos sobre alimentação e sustentabilidade • Celular
Materiais Necessários: • Ingredientes para receita • Filmadora
• Lixeira para a separação de resíduos.
• Produção de panfletos
Feira de (cada) receita produzida com todas as informações • Palestras
Produtos Finais: nutricionais de alimentos alternativos com o envolvimento Produtos Finais: • Murais
da comunidade para degustação. • Entrevistas/pesquisas
• Vídeos – de todo trabalho realizado
Autores Escola
Autores Escola
E. M. São José
Jeancarla F. T. Secretaria Municipal de Educação Regina Camargo E. M. Santa Cruz
Município de Guarapuava/PR Secretaria Municipal de Educação
Marta M. Nascimento Município de Guarapuava/PR
E. M. Benedita
Cristiana Maria Santos Secretaria Municipal de Educação Laura Vanderléia Becker E. M. Prof. Chester Kochanski
Município de Guarapuava/PR Secretaria Municipal de Educação
Cleide Aparecida Silva Município de Guarapuava/PR
E. M. Dionísio
Marizete de Fátima Oliveira Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 187


Tema: Água limpa e saneamento
Tipo de Sequência: Aula expositiva

Faixa etária/Ano: 5º ano Tempo/Duração: 15 dias


Objetivos Pedagógicos
(conteúdo, competências Apoiar e fortalecer a participação da comunidade escolar
e habilidades) para melhorar a gestão da água e do saneamento.

ODS relacionado: ODS06 - ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO

• Tratamento água
Conteúdos:
• Saneamento Básico

• Textos explicativos
• Data show
Materiais Necessários:
• Folders
• Livro didático

• Visita no próprio bairro para identificar os problemas


• Visita na Sanepar
Produtos Finais: • Confecção e distribuição de folder explicativo
• Grupos de alunos apresentarão as demais turmas das
escolas

Autores Escola

Soeli E. M. Profª Luiza Paulina Amaral


Secretaria Municipal de Educação
Marinez Federle Município de Guarapuava/PR
E. M. Campo Vila Palmira
Vanessa Frigeri Secretaria Municipal de Educação
Município de Guarapuava/PR

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 188


Porém, o Rio de Janeiro continuava a crescer e, na década de 1930,
MATERIAL DE APOIO começou-se a planejar a expansão da represa.
9.3 - CIDADES ABANDONADAS (EXEMPLOS)
Tombada pelo Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional –
São João Marcos, RJ - Brasil SPHAN como “raro exemplo intacto de conjunto de arquitetura colonial”,
São João Marcos foi uma importante cidade no início do Ciclo do Café no São João Marcos achava que estava, enfim, a salvo. Mas o Governo
Brasil. Localizada no estado do Rio de Janeiro, a 100 km da capital, chegou Federal, em decisão inédita até então, “destombou” a cidade e autorizou a
a ter 20 mil habitantes. Foi um dos mais importantes polos produtores de expansão da represa.
café, riqueza essa que lhes permitiu ter escolas, teatros, fábricas e um dos
melhores padrões de vida do país. Além da cafeicultura, a região era uma A população foi expulsa, as indenizações irrisórias foram pagas,
importante passagem comercial, ligando o interior ao litoral. as construções foram demolidas e a cidade foi condenada ao
desaparecimento. Um erro de cálculo provocou uma última nota de
Na segunda metade do século XIX, o café passa a perder importância na tragédia: mesmo com o aumento da represa, as águas nunca chegaram
região e ao mesmo tempo, com o surgimento das ferrovias, a região acaba ao centro de São João Marcos.
ficando isolada. No início do século XX, a população cai para 7 mil pessoas.
Há alguns anos, antigos moradores de São João Marcos e seus
Nessa mesma época, o Rio de Janeiro, então Distrito Federal, se descendentes iniciaram um movimento de retomada de sua história,
desenvolvia e a sua população aumentava rapidamente. Esse acelerado tradições e modo de vida. Motivados por uma necessidade de resgatar
desenvolvimento trouxe a necessidade de obter mais energia elétrica suas origens e inconformados com seu destino, foram atrás de seus
e água potável. A solução foi a construção de uma represa e uma direitos e conseguiram uma verba indenizatória, que lhes permitiu iniciar
hidrelétrica no Ribeirão Lages, localizado em São João Marcos. o repovoamento da cidade.

Em 1907, inicia-se a obra sem planejamento ou assistência à A área é, hoje, distrito da cidade de Rio Claro e está passando por algumas
população. As barragens foram construídas, e a água começou a subir ações de grande relevância.
vertiginosamente. Centenas de grandes fazendas, as maiores da área
rural, foram inundadas. Milhares de animais morreram afogados, assim Em uma iniciativa pioneira de resgate de uma cidade abandonada há
como moradores. 70 anos, uma das mais importantes do Ciclo do Café, o Instituto Light
e o Instituto Cultural Cidade Viva, com o patrocínio da Secretaria da
Formaram-se imensas áreas alagadiças, e o apodrecimento de matéria Cultura do Estado do Rio de Janeiro e o apoio do Instituto Estadual do
orgânica em grande quantidade causou uma epidemia de malária. Metade Patrimônio Cultural - Inepac, Prefeitura de Rio Claro, Instituto Estadual do
dos habitantes contraiu a doença e muitos morreram. Ainda assim, os que Patrimônio Cultural - Inepac e Instituto Estadual do Ambiente - Inea, estão
restavam tentavam superar a tragédia reavivando os carnavais e as festas implantando o Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos.
do padroeiro que ficaram famosas e atraiam turistas, criando alternativas
para recuperar a cidade. Esse projeto teve início em 2008 quando uma equipe multidisciplinar

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 189


de arqueologos, museólogos, arquitetos e paisagistas, realizaram Depois da Segunda Guerra Mundial, a vida dos funcionários que moravam
uma intensa pesquisa histórica, iconográfica e ambiental, com coleta na ilha ficou muito melhor.
de depoimentos de antigos moradores e um trabalho cuidadoso de
prospecção arqueológica. Esse levantamento permitiu a construção de Cinemas, consultórios, restaurantes e bares foram construídos, e a cidade
uma maquete, revelando a antiga cidade, e a elaboração de um projeto transformou-se em uma comunidade próspera. O complexo inteiro estava
paisagístico e museológico de sinalização. ligado por túneis subterrâneos. No seu auge, em 1959, Hashima era a
cidade de maior densidade populacional do planeta, com 1 habitante por
Também, é prevista a criação de um Centro de Memória, um anfiteatro 12m2.
para 150 pessoas e a elaboração de um programa educativo, com
capacitação de professores, que possibilitará a visitação do local por No entanto, o seu grande desenvolvimento teve curta duração. Na
circuitos pré-estabelecidos de suas ruínas, ruas e antigas construções. década de 1970, o petróleo passou a ser a matriz energética dominante,
O Parque, além disso, pretende explorar todo seu potencial ecológico e de substituindo o carvão mineral, e a sua exploração em Hashima se tornou
lazer, oferecendo trilhas, passeios de barco e outras atividades. Visando, economicamente inviável. A Mitsubishi anunciou o fechamento da mina
com esse conjunto de ações, o crescimento econômico, turístico e social em abril de 1974. No mesmo ano, os últimos moradores da ilha foram
da região, e atingir a auto sustentabilidade do Parque. transportados para o continente, e a ilha permaneceu abandonada.
Fonte: Jogo Cidades Sustentáveis – Fundação Espaço ECO
As estruturas da ilha ainda estão em boa forma se levarmos em conta as
mais de três décadas de abandono. Os túneis subterrâneos que ligavam a
Hashima - Japão cidade, apesar de pichados, ainda estão transitáveis, e alguns interiores de
A Ilha Hashima é um pequeno afloramento de rochas ao lado da costa prédios ainda estão surpreendentemente intactos.
de Nagasaki, no Japão. Apesar de pequena, a ilha foi importante em
magnitude: tratava-se de um importante centro de mineração de carvão, Hashima, hoje, é propriedade pública, pertencente à cidade de Nagazaki, e
devido à existência de um depósito desse mineral localizado abaixo dela, existem, de fato, planos em discussão para a sua recuperação.
que durou quase um século. Uma vez descoberta, a empresa japonesa
Mitsubishi comprou Hashima das famílias locais, em 1890. Foi quando Agências de turismo locais organizam passeios periódicos às suas ruínas,
teve início a época de grande desenvolvimento econômico da ilha. e as autoridades japonesas iniciaram um processo de tombamento,
solicitando que Hashima passe a ser considerada patrimônio mundial. Foi
Localizada a cerca de 15 km de Nagasaki, fez mais sentido para a cenário para o filme “007: Operação Skyfall”.
Mitsubishi construir casas na ilha do que transportar os seus funcionários
do continente diariamente. Blocos de apartamentos foram construídos Fonte: Jogo Cidades Sustentáveis – Fundação Espaço ECO
de uma única vez. O espaço era reduzido e caro, então as famílias eram
obrigadas a morar juntas em alojamentos, dividindo banheiros e cozinhas.

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 190


Balestrino - Itália
Balestrino é uma comuna localizada na Província de Savona, região da
Liguria, no norte da Itália, região de maior importância demográfica e
econômica (comparativamente com a região Sul que é mais voltada a
agricultura). Fica localizada em uma colina a 70 quilômetros de Genova,
cortada pelo Rio do Pó. Possui relevo bastante acidentado, uma vez
que está inserida dentro do domínio geomorfológico dos Apeninos. Sua
origem remonta ao século XI, sendo, a princípio, propriedade da Abadia
Beneditina de San Pietro dei Monti.

A arquitetura existente hoje é a mesma desde a época do Marquês


Carretto de Balestrino, que levantou seu castelo no século XIV. Sendo
assim, é um importante sítio arqueológico medieval, com quase mil anos
de história, o que lhe confere um elevado valor paisagístico. A cidade
começou a perder sua população no final do século XIX quando os
terremotos abriram fendas na região e danificaram muitas propriedades.
Em 1953, a cidade foi abandonada devido a sua “instabilidade geológica”.
A parte da cidade que permaneceu intocada desde essa época está sendo
atualmente objeto de um plano de revitalização.

Possui atualmente 535 habitantes, mas a parte histórica continua


desabitada. Atualmente existem várias iniciativas para sua recuperação,
com dinheiro público e participação da iniciativa privada.

Fonte: Jogo Cidades Sustentáveis – Fundação Espaço ECO

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 191


REFERÊNCIAS – Ética e Educação em Valores Universais. São Paulo: Palas Athena
Editora, 2006.
BEZERRA, Maria do Carmo de Lima; FERNANDES, Marlene Allan (Coord.).
Cidades sustentáveis: subsídios à elaboração da Agenda 21 JOSEPH, Cornell. Vivências com a Natureza 1. São Paulo: Editora
brasileira. Brasília: MMA: IBAMA, 2000.. Aquariana, 2005.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria de Agricultura e JOSEPH, Cornell. Vivências com a Natureza 2. São Paulo: Editora
Abastecimento. Aprendendo com a natureza: Programa Segurança e Aquariana, 2007.
Saúde do Trabalhador Rural. São Paulo: Convênio Fundacentro, 2001.
LEGAN, Lucia. A Escola Sustentável – Ecoalfabetização pelo
INSTITUTO ECOFUTURO. A vida que a gente quer depende do que a Ambiente. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2007.
gente faz, 2007.
MENDONÇA, Rita. Como Cuidar do seu Meio Ambiente. São Paulo:
AZEVEDO, Fabiana Zanqueta de. Oficina temática de bacias Editora BEI, 2003.
hidrográficas. São Paulo: DAEE/CTH, 2000
MENDONÇA, Rita e NEIMAN, Zysman. A Natureza como educadora. São
BADUE, Ana Flávia, TORRES, Arturo, ZERBINI, Fabíola, PISTELLI e Renata, Paulo: Editora Aquariana, 2013.
Clec´h, Yaël. Material Pedagógico - Entender para Intervir: por uma
educação para o Consumo Responsável e o Comércio Justo. São Ministério do Meio Ambiente, Instituto Brasileiro de Defesa do
Paulo: Artisans Du Monde e Instituto Kairós, 2005. Consumidor (Idec). Consumo Sustentável – Manual de Educação.
Brasília, 2002.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Aqui é onde eu moro, aqui nós
vivemos- Escritos para conhecer, pensar e praticar o Município Educador MACY, Joanna e BROWN, Molly Young. Nossa Vida como Gaia. São Paulo:
Sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. Editora Gaia, 2004.

PROJETO DOCES MATAS. Brincando e Aprendendo com a Mata: MARTINS, Ana Luiza. História do Café. Editora Contexto. São Paulo, 2008.
Manual para Excursões Guiadas, 2002.
MOLLISON, Bill e SLAY, Reny Mia. Introdução à Permacultura. Austrália:
PONTUSCHKA, Nídia Nacib. Da pá virada: revirando o tema lixo. Tagari Publications, 1994.
Vivências em educação ambiental e resíduos sólidos. [S.l: s.n.], 2007.
PERLIN, John. A História das Florestas – A importância da madeira no
DUALIBI, Miriam (et al.): coordenação de Irineu Tamaio; revisão de Ricardo desenvolvimento da civilização. Rio de Janeiro: Imago, 1992.
Lopez, Jorge Fecuri. Cadernos de educação ambiental. São Paulo:
Instituto Ecoar para a cidadania. Brasília: WWF, 2002. WORLD WIDE FUND - WWF. Planeta Vivo Relatório 2010:Biodiversidade,
FERREIRA, Elci e ROIZMAN, Laura Gorresio. Jornada de Amor à Terra

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 192


Biocapacidade e Desenvolvimento. [S. l.], 2010. guide for continuous improvement, 2015. Disponível em: https://www.
unglobalcompact.org/what-is-gc/our-work/supply-chain Acesso em 15 dez.
SINGER, Paul. Introdução à Economia Solidária. Sao Paulo: Editora 2015
Fundacao Perseu Abramo, 2002.
WORLD BUSINESS COUNCIL SUSTAINABILITY DEVELOPMENT; UN
TELLES, Marcelo; ROCHA, Mário; PEDROSO, Mylene; MACHADO, Silvia. GLOBAL COMPACT e GLOBAL REPORT INITIATIVE. Guia dos ODS para as
Vivências Integradas com o Meio Ambiente. São Paulo: Sá Editora, Empresas: Diretrizes para implementação dos ODS na estratégia
2002. dos negócios. 2015. Disponível em: http://cebds.org/wp-content/
uploads/2015/12/SDGCompass_Guia_Port_2015_digital_menor.pdf.
VIEGA, José Eli. Sustentabilidade – a legitimação de um novo olhar. Acesso: 01 jan. 2016.
São Paulo: Editora Senac, 2010.
GARCIA, Martim. Cidades sustentáveis. Brasília, 201?. Disponível em:
VIEIRA, Andrée de Ridder; COSTA, Larissa; BARRETO, Samuel Rophie https://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis.html. Acesso em: 15 jan.
(coord.).. Cadernos de Educação Ambiental Água para Vida, Água 2019
para Todos: Guia de Atividades. Brasília: WWF-Brasil, 2006.
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD. Objetivos
ASSOCIACAO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. (ISO NBR) 14044:2009. de Desenvoltimento Sustentável: Objetivo 11 - Cidades e comunidades
Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida - Requisitos e sustentáveis. Disponível em: (link). Acesso em: 15 jan. 2019
orientações
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Que é Educação. São Paulo: Editora
JACOBI, P. Meio Ambiente e Sustentabilidade In: CEPAN, F. P. F. L.- O Brasiliense, 1981. 116 p.
Município do século XXI. São Paulo: CEPAN, 1999. p. 175-184.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD. Os


Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, 2015. Disponível em:
http://www.pnud.org.br/ODS.aspx. Acesso em 11 jan. 2016

UNITED NATIONS - ONU. Transforming our world: The 2030 Agenda


for Sustainable Development, [S.L], 2015. Disponível em: (link). Acesso
em: 11 jan. 2016

UN Global Compact e BSR. Supply Chain Sustainability: A practical

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 193


SITES
http://www.guaxupehoje.com.br/noticia/2012/02/28/80-anos-de- http://www.wbcsd.org/home.aspx
cooperativismo-a-cooxupe-e-a-homenageada-no-ano-internacional- acessado em 13/10/2012
dedicado-as-cooperativas/
acessado em 12/10/2012 http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/biomas/
acessado em 22/10/2012
www.cooxupe.com.br
acessado em 12/10/2012 http://www.polinizadoresdobrasil.org.br/index.php/en/projeto
acessado em 22/10/2012
http://www.fundacaofia.com.br/pensa/anexos/biblioteca/221200812150_
ec95_cooxupe.pdf http://www.ib.usp.br/vinces/logo/servicos%20aos%20ecossistemas_
Acessado em 12/10/2012 polinizadores_vera.pdf
acessado em 22/10/2012
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cooperativismo
acessado em 12/10/2012 http://www.ipam.org.br/saiba-mais/abc/mudancaspergunta/O-que-sao-
Servicos-Ambientais-possivel-compensar-economicamente-a-prestacao-
http://www.ocb.org.br/site/cooperativismo/index.asp destes-servicos-/40/30
acessado em 12/10/2012 acessado em 22/10/2012

http://www.ocesp.org.br/default.php?p=texto.php&c=cooperativismo http://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/cartilha_
acessado em 12/10/2012 codigoflorestal_20012011.pdf
acessado em 22/10/2012
http://www.ief.mg.gov.br/biodiversidade/dados-da-biodiversidade
acessado em 13/10/2012 http://www.onu.org.br/a-onu-em-acao/a-onu-e-o-meio-ambiente/
acessado em 26/10/2012
http://ecobiolife.blogspot.com.br/2010/10/diversidade-da-avifauna-no-sul-
de-minas.html http://sustentale.wordpress.com/2010/04/08/tripe-da-sustentabilidade/
acessado em 13/10/2012 acessado em 26/10/2012

http://www.espacoeco.org.br/atuacao/ecoeficiencia/ http://lassu.usp.br/sustentabilidade/pilares-da-sustentabilidade
acessado em 13/10/2012 acessado em 26/10/2012

http://www.cebds.org.br/construcao/ http://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/relatorio_planeta_vivo_
acessado em 13/10/2012 sumario_rio20_final.pdf
acessado em 13/01/2013

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 194


SUGESTÕES DE WEBSITES SUGESTÕES DE VÍDEOS
Código florestal
https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/
http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/reducao_de_impactos2/temas_
www.corredores.org.br nacionais/codigoflorestal/video/
www.clickarvore.org.br
Crianças olham, crianças imitam
www.ambientebrasil.org.br http://www.youtube.com/watch?v=8AcWo3gbtBk
www.agrofloresta.net
Rio e a Mata (documentário sobre o rio Ribeira de Iguape)
www.aao.org.br http://pbvideo.blogspot.com.br/2006/09/o-rio-e-mata.html
www.ibama.gov.br
Lixo e Cidadania
www.amazonia.org.br/compradores http://pbvideo.blogspot.com.br/2005/08/lixo-cidadania.html
www.cempre.org.br
Escala do tempo geológico do ponto de vista das pedras (animação)
www.ibens.org http://www.youtube.com/watch?v=KumHnZL2SQg
www.akatu.net
Criança e consumo
www.ecoar.org.br http://www.youtube.com/watch?v=rW-ii0Qh9JQ
www.reciclevidas.org.br
A história das coisas
www.mma.gov.br http://www.unichem.com.br/video.php?id_video=16
www.permacultura.org.br
Ciclo da água
www.wwf.org.br http://www.youtube.com/watch?v=bG6t6N4zKQo

Pense Novo
http://www.youtube.com/watch?v=iFbsv_k2X6M

Uma hora volta para você


http://www.youtube.com/watch?v=FfbSxW3wPUQ

Um ponto dentro de você


http://www.youtube.com/watch?v=MIncSVOBpQ8

E se sua casa encolhesse? Mudanças climáticas


http://www.youtube.com/watch?v=f7yqYJFkhxw

CADERNO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE 195


www.espacoeco.org
Estrada Ribeirão do Soldado, 230
São Bernardo do Campo /SP - 09822-010
T +55 11 2349.3000