Você está na página 1de 4

Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski

DIREITO HUMANOS – TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS

*Direitos Humanos é o reflexo da sociedade que se tem. Direitos conquistados pós-


segunda guerra mundial – segunda guerra mundial divisor par internalização do
processo de universalização dos Direitos Humanos.
*Direitos humanos = direitos inerentes (faz parte da estrutura – não pode ser
separado) a todos os seres humanos, independentemente (todos são iguais e
gozam dos mesmos preceitos fundamentais) de raça, sexo, cor, nacionalidade,
etnia, idioma, religião ou qualquer condição. (ONU). (conceito institucional)
*Conjunto de faculdades e instituições que, em cada momento histórico,
concretizam as exigências de dignidade, liberdade e igualdade humanas, as quais
devem ser reconhecidas positivamente pelos ordenamentos jurídicos em nível
nacional e internacional. (dignidade de pessoa humana)
*Foco de proteção da dignidade da pessoa humana, que implica em tratamento
igualitário.

*Proteção
*Assegurar
*Proteção contra a arbitrariedade, proteção contra o tratamento degradante –
promoção, assegurando essas condições materiais para que se possa usufruir dos
direitos conquistados.
*STF guardião da Constituição – o que é direitos humanos exteriormente quando
vem para o contexto interno se transforma em direitos fundamentais.
USO DO TERMO DIGNIDADE HUMANA - STF
Dignidade humana na fundamentação Fundamento de criação de novos
direitos – “direito a felicidade”
Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski

Dignidade Humana na interpretação Parâmetro interpretativo: celeridade


adequada processual.
Dignidade Humana na limitação da Limitação do agir do poder público:
atuação do Estado. algemas.
Dignidade Humana na ponderação dos Prevalece a dignidade mesmo em
interesses. detrimento de outros princípios: trânsito
em julgado e novas provas.

Direitos humanos # direitos fundamentais – plano de positivação desses direitos e


preceitos (lugar onde estão positivados) – o que estiver positivado/estabelecido no
contexto internacional = direitos humanos (universalmente aceitos no plano
internacional) -. Quando o conjunto é internalizado e passa a compor o plano interno
do Estado seja na Constituição, em normas infra constitucionais, seja na
internalização de tratados = direitos fundamentais (direitos positivados na ordem
interna dos Estados, em geral, mas não somente na Constituição).
ESTRUTURA NORMATIVA DOS DIREITOS HUMANOS
*Possuem a estrutura aberta – a estrutura dos direitos humanos não é se impor, não
é obrigar – o objetivo é ter um preceito mínimo que garanta esse mínimo e que
possibilite a partir da interpretação desse mínimo uma acomodação com a
especificidade de cada lugar. Noção de respeito dentro do processo de aplicação
desses preceitos – direitos humanos possuem regras escritas, positivadas, mas
possuem muitos princípios que orbitam juntamente com essas regras que tentam
fazer com que essas regras sejam otimizadas para a finalidade da dignidade da
pessoa humana.
*Regras X Princípios
Regras – situação fática com consequência jurídica. Aplicadas pela técnica de
subsunção. (situação fática que vai ter uma consequência jurídica – Matar alguém –
pena)
Princípios – “mandados de otimização”. Aplicados pela técnica de ponderação de
interesses.
*Direitos humanos: formado principalmente por princípios, mas também por regras.
Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski

FUNDAMENTOS (base – o que justifica) DOS DIREITOS HUMANOS


*Dificuldade na fundamentação da delimitação dos fundamentos (Bobbio)
1. Divergência quanto ao conjunto de direitos abrangidos;
2. Constante evolução pela sua historicidade;
3. Categoria de direitos heterogênicos.
Peres Luño: consagração de direitos a partir de juízos de valor pessoal, sem
fundamento de validade.

Teoria jusnaturalista = inerência = direitos naturais


Teoria positivista = Constituição como positivação dos DH.
Teoria moralista = construção dos DH no dia a dia verificando a necessidade dos
mesmos.
*SE COMPLEMENTAM: Não há predominância. Os Direitos Humanos a partir do
convívio social e consciência de sociedade (3) (teoria moralista), se fundamentam na
crença da existência de direitos oriundos da natureza humana (1) (teoria
jusnaturalista) que são consolidados pelo legislador que o positiva no ordenamento
jurídico (2) (teoria positivista).
APLICAÇÃO DOS DH NO CONTEXTO INTERNACIONAL
TEORIAS
1. UNIVERSALISTA – conjunto de direitos mínimos herdados por todos os
povos, sendo diretrizes ou um norte magnético. Regras básicas para a defesa
da dignidade da pessoa humana. Aceitação como direitos inerentes à todos,
independentemente da procedência. (direitos herdados pela mera
condição humana)
Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski

2. RELATIVISTA – aplicáveis de acordo com os contextos culturais de formação


da sociedade. Respeito a costumes locais e contra reducionismos de modelos
culturais ocidentais transfigurados em padrões universais. Imposição de
valores universais. Imposição de valores universais pode gerar sentimento de
rejeição de tais valores, dificultando a implementação dos DH.

Você também pode gostar