Você está na página 1de 19

Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

Capítulo 6 -
Degradação dos
Materiais

Prof. C.P.Bergmann - DEMAT - EE – UFRGS – 2013


Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO

6-1 Introdução

6-2 Corrosão

6-3 Radiação

6-4 Desgaste
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.1 INTRODUÇÃO
 Os materiais utilizados em Engenharia (materiais industriais) são selecionados pelo conjunto de suas
propriedades. Para tanto, deve-se considerar que a Termodinâmica muitas vezes (quase sempre!) atua para a
degradação dos materiais. PROCESSO DE FABRICAÇÃO

DESEMPENHO

ESTRUTURA PROPRIEDADES
CIÊNCIA DOS MATERIAIS

 Ação do meio sobre o material:


CORROSÃO
RADIAÇÃO Nenhum material é
totalmente inerte a qualquer
DESGASTE ambiente. Consequência:
(físico) degradação do material

 A degradação pode ser classificada em quatro mecanismos:


1. Químico
2. Eletroquímico
3. Radiação induzida
4. Desgaste
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.1 Oxidação - Ataque químico da atmosfera
 Oxidação : reação química direta entre metal e O2 da atmosfera (também N2, S, etc.): facilita a oxidação, limitando a vida útil
do material ou protege o metal. Óxidos metálicos têm maior estabilidade (maior energia de ligação, maior ponto de fusão) em
relação ao metal puro. Exemplo: PF do Al 660°C e do Al2O3 2054°C
4 MECANISMOS possíveis na oxidação de metais:
a) Formação de um óxido poroso, não protetor: filme de óxido poroso através do qual o O2 pode
passar continuamente e reagir na interface metal-óxido: crescimento do filme à taxa constate.
dy = C1 y = C1t + C2 C2 = y para t = 0 CRESCIMENTO LINEAR DA TAXA!
dt
b), c) e d ) Filme não poroso: os íons se difundem de forma a reagir com o oxigênio na face externa
(óxido-meio) (b) ou na interface óxido-metal (c) no interior da camada (d): crescimento da camada
diminui com o crescimento da espessura do filme óxido.
dy = C3 1 y2 = C4t + C5 C5 = y2 para t = 0 TAXA DE CRESCIMENTO PARABÓLICA, COM CAMADA
dt y DENSA E UNIFORME!

Interação entre os tipos de mecanismos: lei de crescimento cúbica. Exemplo:


oxidação da camada de zircônio: adição iônica e difusão.
y3 = C6t + C7 C7 = y3 para t = 0

Comparação entre o
crescimento linear,
parabólico e o logarítmico
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.1 Oxidação - Ataque Direto da Atmosfera
metal forma uma camada protetora de óxido? onde:

LEI DE PILLING-BEDWORTH RPB = Vóxido = Móxido . rmetal M = massa


r = densidade
descreve a tendência de um metal formar ou não uma camada protetora
Vmetal n . Mmetal . róxido n = n° de átomos do metal

R < 1  camada de óxido muito fina,


provavelmente trincada: não protetora (ex. Mg)

R > 2  camada de óxido desplaca: não


protetora (ex. Fe)

1 > R < 2  pode ser criada uma camada


protetora (ex. Al, Cr (aço inoxidável)

No entanto, as exceções à razão PB são numerosas. Muitas das exceções podem


ser atribuídas ao mecanismo do crescimento do óxido: a regra PB pressupõe a
necessidade de oxigênio difundir através da camada de óxido à superfície do metal.
Como visto, muitas vezes é o íon de metal que se difunde para a superfície externa
do óxido.
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.2 Corrosão aquosa - Ataque eletroquímico

Força motriz
Rotação de um disco de latão em uma solução aquosa
contendo íons de Cu+2, produzindo um gradiente na
concentração iônica próxima a superfície.
concentração de íons na
solução

Reação anódica
Fe°  Fe2+ + 2e-
Reação catódica
Fe2+ + 2e-  Fe°
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.3 Corrosão galvânica de dois metais
Força motriz
diferente tendência que estes
metais têm de se ionizar
Quanto menor o potencial de
redução mais ativo é o metal, e
mais anódico
sujeito à corrosão
Reação anódica
Fe°  Fe2+ + 2e-
Reação catódica
Cu2+ + 2e-  Cu°
Pode ocorrer em meio aquoso diferenciado, por exemplo
Célula galvânica pode ser produzida em Em ambientes ácidos a corrosão ocorre mesmo na água do mar, e além disso, entre ligas metálicas diferentes.
escala microscópica ausência de oxigênio

Parafuso de aço em uma placa de latão criando uma célula galvânica


Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.4 Corrosão por redução gasosa
• Duas moléculas de água são consumidas por 4 e- no circuito
externo para reduzir a molécula de oxigênio para 4 íons OH.

• Fe do cátodo é fonte de elétrons

Reação anódica
O2 + 2H2O +4e-  4 OH-

Exemplos práticos de corrosão devido a concentração de oxigênio na célula


Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.5 Efeito da tensão mecânica sobre a corrosão
Regiões de alta tensão são anódicas em
relação a regiões de baixa tensão

Logo, um estado de mais alta energia de um


metal tensionado em relação ao de menor
energia induz a uma barreira de ionização

Exemplo: prego dobrado, ou devido a


própria fabricação de um prego, observa-se
zonas tensionadas, sujeitas à corrosão

Em uma microestrutura os contornos de grão são regiões de mais alta energia, logo
são mais susceptíveis para acelerar o ataque à corrosão e desenvolvê-la
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.6 Prevenção contra à corrosão
(a) aço galvanizado consiste de um revestimento de zinco sobre o substrato de aço; (b)
contraste: um revestimento mais nobre como placas de estanho é protegida pelo aço.
1. Selecionar os materiais de acordo com sua aplicação

p. ex.: para não formar um par galvânico

2. O projeto deve ser executado de forma que não ocorram regiões tensionadas, mais propícias à corrrosão;

3. Uso revestimentos protetores na superfície do material:


- metálicos: ex. cromagem, zincagem, aço estanhado

- cerâmicos: ex. esmaltação, aspersão térmica

- polímeros: ex. pintura com base polimérica

4. Pode-se ainda utilizar como método de prevenção à corrosão:


- ânodo de sacrifício Aço inox (camada protetora de óxido de Cr)

- corrente imposta

- aço inox com cromo

Para não haver migração de elétrons no sentido Placas de Zn ou Mg oxidam e protegem o metal
normal da reação
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.2 CORROSÃO E OXIDAÇÃO
6.2.7 Degradação química de Cerâmicos e Polímeros
CERÂMICOS
- não tem e- livres  difícil par galvânico
- são mais estáveis no meio
- susceptível à corrosão devido a H2O na fadiga estática
- corrosão à quente em cerâmicos  termocorrosão (materiais refratários)

POLÍMEROS

Degradam em presença de O2 e com ultravioleta

enfraquecimento e quebra das grandes cadeias (moléculas)

Exemplo: borracha não vulcanizada (corrosão por solventes


orgânicos)
Danos em função da energia envolvida na onda eletromagnética
E=h. E = energia
h = constante de Planck (0,6626 10-33 J/s)
=c/
 = freqüência
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.3 RADIAÇÃO
Tipos de radiação Radiação por neutrons podem
- eletromagnética provocar vacâncias ou outros defeitos
- ultravioleta
- raios X
- raios 
- por partículas  e 
- neutrons
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.4 DESGASTE
Segundo os fenômenos de desgaste do material, pode-se classificá-lo como:

Desgaste não depende somente da partícula que a) ADESIVO


está desgastando mas também da superfície
desgastada e do meio b) ABRASIVO
SISTEMA TRIBOLÓGICO
c) EROSÃO
d) CAVITAÇÃO
Um sistema tribológico consiste nas superfícies de dois componentes que se encontram em contato
móvel um com o outro e com a área adjacente. O tipo, evolução e extensão do desgaste são
determinados pelos materiais e acabamentos dos componentes, eventuais materiais intermédios,
influências da área adjacente e condições de operação.

Sistema tribológico

1 Objecto de base
2 Corpo oponente
3 Influências adjacentes: temperatura, umidade relativa, pressão
4 Material intermediário: óleo, graxa, água, partículas, contaminantes
5 Carga
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.4 DESGASTE
ADESIVO Duas superfícies de contato deslizando uma sobre a outra, resultando no arrancamento de
partículas.
V = volume de material desgastado
V=kPx k = coeficiente de atrito entre superfícies
x = distância de deslocamento relativo
3H P = carga
H = dureza da superfície atacada

Superfícies submetidas a condições de desgaste adesivo.


Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.4 DESGASTE
ABRASIVO Superfície dura sobre uma mais mole, ocorrendo a perda de material desta segunda superfície.
Ex.: Usinagem

Desgaste abrasivo entre Desgaste abrasivo entre Desgaste abrasivo como Desgaste abrasivo como
dois materiais com dois materiais com um desbaste um polimento
diferentes graus de diferentes graus de
dureza. Material superior dureza. Material superior
está desgastando o está desgastando o
inferior. inferior, formando sulcos.

Superfícies submetidas a condições de desgaste abrasivo. Comparativo de abrasão entre materiais de tubos de esgoto urbano.
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.4 DESGASTE Partículas retiradas por desgaste

EROSÃO Jato de partículas sobre uma superfície. Ex.: jato de areia

Variação da taxa de
erosão do aço com o
tamanho de partículas a
90°, para diferentes
velocidades de impacto.

Variação da erosão com o ângulo de impacto para deferentes materiais, demonstrando o comportamento característico de materiais dúcteis e frágeis.
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS

6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO


6.4 DESGASTE
CAVITAÇÃO Colapso de bolhas causa desgaste e a superfície fica com aspecto polida, porém côncava.

Modelo de propulsor gerando a cavitação em um túnel de água


Danos de cavitação evidentes numa hélice de um barco de giro esquerdo
experimental.

O mecanismo de desgaste por cavitação: qualquer líquido contém bolhas, que servem como núcleos de cavitação. Quando a
pressão é reduzida a um determinado nível, as bolhas se tornam o repositório de vapor ou de gases dissolvidos. O resultado
imediato dessa condição é que as bolhas aumentam rapidamente de tamanho. Posteriormente, quando as bolhas entram em
uma zona de pressão reduzida, tomam um tamanho reduzido como resultado da condensação de vapores que elas contêm.
Este processo de condensação surge de modo rápido, acompanhado por choques hidráulicos, emissão do som, destruição dos
ligações nos materiais e outros fenômenos indesejáveis.
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS
6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO
6.5 EXERCÍCIOS
Data de entrega: DATA DA 3a PROVA
1. Os seguintes dados foram coletados durante a oxidação de uma pequena barra de liga metálica. Tempo Ganho de massa (mg)1
min 0,401 hora 24,01 dia 576. O ganho de massa é devido a formação de óxido. Devido às condições experimentais, não é possível
inspecionar visualmente a camada de óxido. Diga se ela é (1) porosa e descontínua ou (2) densa e tenaz. Explique brevemente sua
resposta.
2. As densidades para três óxidos de ferro são FeO (5,70 Mg/m3), Fe3O4 (5,18 Mg/m3) e Fe2O3 (5,24 Mg/m3). Calcule a razão de
Pilling-Bedworth para o ferro relativo a cada tipo de óxido e comente as implicações para a formação de uma camada protetora.
3. Dada a densidade do SiO2 (quartzo) = 2,65 Mg/cm3, calcule a razão de Pilling-Bedworth para o silício e comente as implicações
para a formação de uma camada protetora se o quartzo fosse o óxido formado.
4. Em contraste com o assumido no problema anterior, a oxidação do silício tende a produzir um filme de sílica vítrea com densidade
= 2,20 Mg/cm3. A fabricação de semicondutores rotineiramente envolve estes filmes vítreos. Calcule a razão de Pilling-Bedworth para
este caso e comente as implicações para a formação de um filme tenaz.
5. Verifique a assertiva relativa às equações dy/dt = c3/y e y2 = c4t + c5 em que c4 = 2c3 e c5=y2 em t=0.
6. Em uma célula de corrosão por concentração iônica envolvendo níquel (formando Ni+2), uma corrente elétrica de 5 mA foi medida.
Quantos átomos de Ni por segundo são oxidados no ânodo?
7. Para a célula descrita no problema anterior, quantos átomos de Ni por segundo são reduzidos no cátodo?
8.(a) Em uma célula galvânica simples consistindo de eletrodos de Co e Cr imersos em soluções iônicas 1 molar, calcule o potencial
da célula. (b) Qual metal sofrerá corrosão nesta célula?
Ciência dos Materiais-DEMAT-EE-UFRGS
6. DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS EM USO
6.5 EXERCÍCIOS
9. Identifique o ânodo nas seguintes células galvânicas, incluindo uma breve discussão para cada resposta. (a) eletrodos de cobre e
níquel em soluções padrão de seus próprios íons, (b) uma microestrutura bifásica de uma liga Pb-Sn 50:50, (c) uma solda chumbo-
estanho em uma liga de alumínio 2024 na água do mar, e (d) um parafuso de latão em uma placa de Hastelloy C, também em água
do mar.
10. Uma liga cobre-níquel (35% peso – 65% peso) é corroída em uma célula de concentração de oxigênio gasoso usando água em
ebulição. Que volume de oxigênio gasoso (a 1 atm) será consumido no cátodo para corroer 10g da liga? (Assuma que somente íons
bivalentes são produzidos).
11. Assuma que ferro é corroído em um banho ácido, com a reação do cátodo sendo dada pela equação 2H+ + 2e- = H2 reação de
redução do hidrogênio. Calcule o volume de gás H2 produzido nas CNTP para corroer 100g de ferro.
12. Um ânodo de sacrifício de zinco protege da corrosão com uma corrente média de 2A no período de 1 ano. Que massa de zinco é
necessária para esta proteção?
13. Um tipo de dano causado por radiação encontrado em uma variedade de sólidos está associado com a produção do par elétron-
pósitron, que ocorre em um patamar de energia de 1,02 MeV. (a) Qual é o comprimento de onda deste fóton? (b) Que tipo de
radiação eletromagnética é esta?
14. Calcule o diâmetro de uma partícula de abrasão para um disco de cobre sobre um aço 1040. Suponha uma carga de 40kg para
uma distância de 10mm. (Dureza Brinell do aço 1040 = 235; k(x103) do cobre sobre o aço carbono = 1,5).
15. Calcule o diâmetro de uma partícula de abrasão produzida pelo desgaste adesivo de duas superfícies de aço inoxidável 410 sob
às mesmas condições do problema anterior. (Dureza Brinell do aço inox 410 = 250; k(x103) do aço inox sobre o aço inox = 21).

Você também pode gostar