Lógica Matemática para concursos – Dudu cearense

AULA 08 EXERCÍCIOS DE REVISÃO

Nem preciso dizer o que farei para começarmos nosso encontro, não é verdade?! Cadê, espero que tenham resolvido (ou pelo menos tentato) as questões da aula passada. Gostaria de fazer um rápido comentário sobre estas aulas que elaborei. Primeiro, acho que é mais do que suficiente para fazer qualquer questão de lógica matemática dos concursos que exigem esta disciplina o material que escrevi. Alías, meu propósito nem era elaborá-lo, iria só resolver questões. Mas, felizmente, acabei criando uma apostila sobre o assunto. Espero só que, quem faz uso desse material, que o faça de boa-fé. Se você tiver algum amigo que precise, pode distribuir, pois é gratuito. Acho importante estas aulas pelo o fato de que, fora alguns cursos universitários, como informática e matemática, a grande maioria das formações acadêmicas não têm em seu currículo a disciplina de lógica. Claro, não vejo tanta necessidade uma disciplina de lógica no curso de direito, por exemplo. Assim, muita gente desconhece as bases deste assunto e fica tentando raciocinar para entender certas respostas, às vezes se martirizando com certos gabaritos de provas Finalizando, eu soube que alguns colegas perguntaram a respeito de outras aulas de raciocínio lógico que, por ventura, eu venha a elaborar. Na minha opinião, não acho necessário se fazer outras aulas abordando outras matérias de Raciocício Lógico e Quantitativo, porque os livros do ensino médio já abordam demasiadamente tais assuntos, como Teoria dos Conjuntos e o Princípio Fundamental da Contagem. E há ainda muito material na Internet sobre esses e outros assuntos cobrados em provas de RLQ. Pois bem, bora deixar de papo e umbora ao que interessa...

(AFC-1997) Ou Celso compra um carro, ou Ana vai à África, ou Rui vai a Roma. Se Ana vai à África, então Luís compra um livro. Se Luís compra um livro, então Rui vai a Roma. Ora, Rui não vai a Roma, logo: a) Celso compra um carro e Ana não vai à África b) Celso não compra um carro e Luís não compra o livro c) Ana não vai à África e Luís compra um livro d) Ana vai à África ou Luís compra um livro e) Ana vai à África e Rui não vai a Roma Resolução Bora continuar na outra página porque essa aqui acabou!

Sabendo ainda que se trata de uma proposição simples. há que convir comigo que. tem outro modo de solucionar este problema.Lógica Matemática para concursos – Dudu cearense Representando primeiro as proposições simples: p: Celso compra um carro q: Ana vai à Africa r: Rui vai a Roma t: Luís compra um livro Escrevendo as premissas em linguagem simbólica: pvqvr q→t t→r (p v q v r) ^ (q → t) ^ (t → r) Olha aí a disjunção exclusiva. amigos. Então: (p v q v F) ^ (q → t) ^ (t → F) (p v q) ^ (q → F) ~(p ↔ q) ^ (q → F) ~(p → q) ^ (q → F) ~(~p v q) ^ (~q v F) (p ^ ~q) ^ ~q p ^ (~q ^ ~q) p ^ ~q (disjunção exclusiva e silogismo hipotético) (equivalente) (implicação) (equivalente) (Morgan) (idempotente) Pronto. Rui não vai a Roma. não se desespere. está a se afirmar que a proposição “r” tem valor lógico falso. hein! No mais. Quando se diz que “Rui não vai a Roma”. podemos tranquilamente resolvê-la pelo método dedutivo. nossa resposta é a letra a). questão de prova. se “r” é falso: (p v q v r) ^ (q → t) ^ (t → r) (p v q v F) ^ (q → t) ^ (t → F) (p v q v F) ^ (q → t) ^ (F → F) (p v q v F) ^ (q → F) ^ (F → F) (p v q v F) ^ (F → F) ^ (F → F) (p v F v F) ^ (F → F) ^ (F → F) (F v F v F) ^ (F → F) ^ (F → F) p q r q t t r Proposição inicial . pelos conceitos da lógica matemática. observe que no final do enunciado da questão fala-se: “ora. transformando a linguagem simbólica para a linguagem corrente temos que “Celso compra um carro e Ana não vai à África”. Logo. gente. Se você achou difícil. Se você lembrar da aula passada. Logo”. e na hora da prova esqueceu como resolver através do método dedutivo.

b) Paula é filha de Paulete e Ana é filha de Alice.. pela primeira vez. ou melhor. b..Lógica Matemática para concursos – Dudu cearense Sacou todos os passos? Em cada um. certo?! Uma última é que. sabendo que cada premissa deve ser verdadeira. Três pontos que julgo importantes. Viu como a proposição z não trouxe nenhum problema?! Vamos em frente. Ora. Ou Ana é filha de Alice. e) Se Ana é filha de Alice. temos a seguinte preposição: “nem Ênia é filha de Elisa nem Inês é filha de Isa”. d) Ênia é filha de Elisa ou Flávia é filha de Fernanda. ou Ênia é filha de Elisa. então Ana não é filha de Alice. então Flávia é filha de Fernanda. c. vamos testando cada item (a.. dê uma olhada rápida na aula anterior e observe o que está aqui sendo feito. . nem” é uma operação que representaremos como (~r ^ ~z). como fizemos na questão anterior. a) Paula é filha de Paulete e Flávia é filha de Fernanda.. ~r ^ ~z devem ter valores lógicos verdadeiros. (AFC/TCU-1999) Se Flávia é filha de Fernanda. d e e) para saber qual resulta em um valor verdadeiro. ok?! Vamos para a próxima. c) Paula não é filha de Paulete e Ana é filha de Alice. nem Ênia é filha de Elisa nem Inês é filha de Isa. temos que encontrar um valor lógico de uma proposição simples. isso já sabemos. Resolução Representando primeiro as proposições simples: p: Flávia é filha de Fernanda q: Ana é filha de Alice r: Ênia é filha de Elisa t: Paula é filha de Paulete z: Inês é filha de Isa Escrevendo as premissas em linguagem simbólica: p → ~q qvr ~t → p (p → ~q) ^ (q v r) ^ (~t → p) Observe que. apareceu uma proposição simples encerrando o enunciado sem aparecer nas premissas anteriores: a proposição z. Outro é que “nem. Flávia é filha de Fernanda. e assim vamos resolvê-la diretamente pelos conceitos. Depois. Se Paula não é filha de Paulete. Não há nada de mais aparecer a proposição z. Quer ver com não tem nada de difícil?! Veja: Como sabemos que (~r ^ ~z) é uma proposição verdadeira. Um é que temos uma proposição composta encerrando o enunciado. uma conjunção da negação entre duas proposições simples. Se você não entendeu. ao final do nosso enunciado.

(AFT-2003) Investigando uma fraude bancária. z = falso. q → p = V → F = Falso Então.. então João é culpado. t ^ q = V ^ V = Verdadeiro c) Paula não é filha de Paulete e Ana é filha de Alice. r. portanto. p = Falso. um famoso detetive colheu evidências que o convenceram da verdade das seguintes afirmações: 1) Se Homero é culpado. r v p = F v F = Falso e) Se Ana é filha de Alice. poderíamos ter usado f. Como vemos. as proposições simples são redigidas pelas bancas de concursos com frases que possibilitam uma assossiação entre as letras e as proposições representadas. Nota: Na maioria das vezes. 3) Se Adolfo é inocente. r = Falso. 4) Se Adolfo é culpado. a) Paula é filha de Paulete e Flávia é filha de Fernanda. respectivamente. Conferindo cada item.. Flávia é filha de Fernanda.Lógica Matemática para concursos – Dudu cearense Aí. t ^ p = V ^ F = Falso b) Paula é filha de Paulete e Ana é filha de Alice. a. e. então Homero é culpado. Temos. p e i. como r é falso. a resposta para a questão é a letra b)... ao invés de p. então João é inocente.. t = Verdadeiro. visando facilitar ao candidato. As evidências colhidas pelo famoso detetive indicam. 2) Se Homero é inocente. Assim. (p → ~q) ^ (q v r) ^ (~t → p) (p → ~q) ^ (q v F) ^ (~t → p) (p → ~q) ^ (V v F) ^ (~t → p) (p → ~V) ^ (V v F) ^ (~t → p) (F → ~V) ^ (V v F) ^ (~t → p) (F → ~V) ^ (V v F) ^ (~t → F) (F → ~V) ^ (V v F) ^ (~V → F) Resolvido. t e z. que: . é só ir resolvendo. então João ou Adolfo são culpados. q. ~t ^ q = ~V ^ V = F ^ V = Falso d) Ênia é filha de Elisa ou Flávia é filha de Fernanda. q = Verdadeiro.. o ponto franco deste método é que temos que conferir item por item e verificar a resposta.

O enunciado dá as premissas. resposta letra b). Então. e) Homero e Adolfo são culpados. Como pediram para alongar no conteúdo de Raciocínio Lógico. c) Homero é culpado. mas João é inocente. visto aula passada. vou pensar um pouco mais. pois uma delas com certeza cairá em qualquer prova. Tenho que ver o meu tempo. João e Adolfo são culpados. Resolução Serei um pouco mais conciso nesta questão! Representando primeiro as proposições simples. pelo método dedutivo: (~p → ~q) ^ (p → (~q v ~r)) ^ (r → q) ^ (~r → ~p) (q → p) ^ (p → (~q v ~r)) ^ (~q → ~r) ^ (~r → ~p) (q → (~q v ~r)) ^ (~q → ~p) (~(~q v ~r) → ~q) ^ (~q → ~p) (~(~q v ~r) → ~p) (~q v ~r) v ~p (~q v ~r v ~p) ~(q ^ r ^ p) Enfim. esta questão ilustra o conceito de argumento. João e Adolfo são inocentes. Fique com essas 7 questões abaixo e resolvam. e a partir delas devemos encontrar uma conclusão que dê validade ao argumento. d) Homero e João são inocentes. mas João e Adolfo são inocentes. Caso resolva realmente voltar a dar esse pequeno curso aqui pelo Grupo de Estudo. estou indo. Virei ainda nesta semana para resolvê-las! Fui! . eu aviso no Quadro de Mensagens. Escolhendo a qulidade de inocente para as proposições simples : p: Homero é inocente q: João é inocente r: Adolfo é inocente Escrevendo as premissas em linguagem simbólica: ~p → ~q p → (~q v ~r) r→q ~r → ~p (~p → ~q) ^ (p → (~q v ~r)) ^ (r → q) ^ (~r → ~p) Bem pessoal.Lógica Matemática para concursos – Dudu cearense a) Homero. b) Homero. Bom. Pronto. finalizado! Gostaram?! Espero que sim. mas Adolfo é culpado. Pois é.

Júlio não é justo. Se Jorge é irmão de Maria.Lógica Matemática para concursos – Dudu cearense Exercícios (AFC/AGU-2003) Ana é prima de Bia. c) Beto é bondoso. Jorge é irmão de Maria. (AFC-2002) Ou Lógica é fácil. então Lógica é difícil. “R . b) Beto não é bondoso. ou Júlio não é justo. se Artur gosta de Lógica. d) Lógica é difícil e Geografia é difícil. Sabendo-se que todas as afirmações da professora são verdadeiras. ou Carlos é filho de Pedro. Beto não é bondoso. conclui-se corretamente que: a) X > Y > Q > Z b) X > R > Y > Z c) Z < Y < X < R d) X > Q > Z > R e) Q < X < Z < Y (AFC/AGU-2003) Homero não é honesto. então Breno não é neto de Beto. . e) Ana é prima de Bia e Carlos não é filho de Pedro. (AFC/AGU-2003) Uma professora de matemática faz as três seguintes afirmações: “X > Q e Z < Y”. Por outro lado. Homero é honesto. Logo: a) Carlos é filho de Pedro ou Breno é neto de Beto. Se Carlos é filho de Pedro. então Lógica é difícil. Homero não é honesto. c) Ana não é prima de Bia e Carlos é filho de Pedro. ou Beto é bondoso. “X > Y e Q > Y. Júlio é justo. Homero é honesto. então: a) Se Geografia é difícil. Daí segue-se que. Homero é honesto. Q. ou Júlio é justo. se e somente se Y = X”. c) Lógica é fácil e Geografia é fácil. Júlio é justo. e) Beto não é bondoso. d) Beto não é bondoso. Logo. se e somente se Y > Z”. Ora. b) Breno é neto de Beto e Ana é prima de Bia. e) Lógica é difícil ou Geografia é fácil. b) Lógica é fácil e Geografia é difícil. Júlio não é justo. se Geografia não é difícil. ou Artur não gosta de Lógica. ou Júlio é justo. Homero é honesto. d) Jorge é irmão de Maria e Breno é neto de Beto. então Breno é neto de Beto. Júlio não é justo. Beto é bondoso. Homero é honesto. a) Beto é bondoso. ou Homero é honesto.

então Carmem é cunhada de Carol. A análise do encadeamento lógico dessas três afirmações permite concluir que elas: a) implicam necessariamente que Patrícia é uma boa amiga b) são consistentes entre si. B) se Vítor diz a verdade. Carmem não é cunhada de Carol. a) b) c) d) e) D ocorre e B não ocorre D não ocorre ou A não ocorre B e A ocorrem nem B nem D ocorrem B não ocorre ou A não ocorre . e) Carina é amiga de Carol e não é cunhada de Carmem. Assim. (AFTN-1998) Considere as afirmações: A) se Patrícia é uma boa amiga. C) se Helena não é uma boa amiga. Helena não é uma boa amiga. Patrícia é uma boa amiga. que a ocorrência de D é condição necessária e suficiente para a ocorrência de A. quer Patrícia seja uma boa amiga. Vítor diz a verdade. d) Carina é amiga de Carmem e é amiga de Carol. Sabe-se. quando C ocorre. b) Carina não é amiga de Carol ou não é cunhada de Carmem. Logo. a) Carina é cunhada de Carmem e é amiga de Carol. c) Carina é amiga de Carol ou não é cunhada de Carol. quer Patrícia não seja uma boa amiga c) implicam necessariamente que Vítor diz a verdade e que Helena não é uma boa amiga d) são equivalentes a dizer que Patrícia é uma boa amiga e) são inconsistentes entre si (Engenheiro do Trabalho-1998) Sabe-se que a ocorrência de B é condição necessária para a ocorrência de C e condição suficiente para a ocorrência de D. também.Lógica Matemática para concursos – Dudu cearense (AFC-2002) Se Carina é amiga de Carol. então Carina é amiga de Carol. Se Carina não é cunhada de Carol.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful