Você está na página 1de 103

CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

1 - AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

1.1 - DEFINIÇÃO 1.4 - O PROFISSIONAL DE AUTOMAÇÃO


É o conjunto das técnicas baseadas em O profissional em automação industrial
máquinas e programas com objetivo de executar deve estar qualificado para aplicar em seu trabalho
tarefas previamente estabelecidas pelo homem e conhecimentos teóricos e práticos, afim de:
de controlar seqüências de operações sem a
intervenção humana. • Analisar equipamentos de automação para:
reparo, testes, configuração, calibração e
1.2 - AS VANTAGENS EM INVESTIR detecção de defeitos.
• Analisar e desenvolver sistemas de
• Continuidade operacional;
comando e controle de sistemas
• Segurança no trabalho;
pneumáticos e hidráulicos aliados à
• Redução de riscos ambientais; eletroeletrônica.
• Ampliação da produtividade;
• Programar, instalar e configurar softwares
• Melhoria da qualidade; de supervisão e controle.
• Melhoria da competitividade no mercado. • Especificar e configurar sistemas de redes
de comunicação industriais.
1.3 - NECESSIDADE DE AUTOMATIZAR
• Identificar os diversos tipos de
A automação começou a ganhar impulso equipamentos de produção industrial.
no Brasil no início dos anos 90 com o fim da • Supervisionar projetos de instrumentação e
reserva de mercado de informática, aliada à controle.
abertura comercial e à globalização. • Identificar estratégias de controle em
Pesquisa realizada no primeiro semestre processos de produção industrial.
de 2009 pela ABINEE – Associação Brasileira da • Sintonizar e otimizar malhas de controle de
Indústria Eletroeletrônica mostra que é um dos processos industriais.
setores da indústria que mais cresce e que mais • Identificar sistemas instrumentados de
contrata no país. segurança e intertravamento.
A competição cada vez mais acirrada
enfrentada pelo setor produtivo no mercado O profissional de Automação Industrial
globalizado transformou a automação industrial em também deve estar preparado para o contínuo
um dos principais requisitos para o aprendizado, dada à diversidade da aplicação e
desenvolvimento econômico do país e para uma velocidade com que a tecnologia muda atualmente,
participação mais eficiente da indústria brasileira no deve gostar de pesquisar e a determinação e
mercado internacional. paciência são características fundamentais.

2 - PIRÂMIDE DA AUTOMAÇÃO

Foi na década de 1980 que surgiu a


“pirâmide da automação”. Essa pirâmide
divide os níveis dos equipamentos envolvidos
nessa tecnologia de acordo com sua atuação
na indústria e mostra como as informações
são filtradas do nível 1 até chegar ao seu
topo.

1
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

2.1 - NIVEL 1 (DISPOSITIVOS DE CAMPO) 2.4 - NIVEL 4 (SISTEMAS PIMS E MÊS)


O sucesso de um projeto de automação Os sistemas MES (Manufacturing
começa com uma base sólida de coleta de dados. Execution System) têm como papel principal
A partir de instrumentos precisos de medição de gerenciar o fluxo de informações de produção e
temperatura, vazão, pressão, posição e outros, centralizá-los em um único sistema. De forma
estruturam-se uma rede de informações sobre efetiva, ele é capaz de reportar as informações
todos os processos de produção. Sensores e certas na hora certa e no local certo, transformando
atuadores são a base deste nível. dados de processo em informações mais valiosas.
Os sistemas MES estão entre o
2.2 - NIVEL 2 (SISTEMAS DE CONTROLE) planejamento da produção realizados nos ERP’s e
o controle de processo (sistemas Supervisórios,
Neste nível, equipamentos de controle que
CLPs e PIMS), com o intuito de apoiar de forma
atuam automaticamente sobre válvulas, motores e
efetiva as intenções estratégicas relacionadas
outros elementos a fim de corrigir rapidamente
direta ou indiretamente com as operações de
qualquer desvio que possa interferir na eficiência
manufatura.
ou na qualidade dos bens produzidos. São
utilizados os Controladores Lógicos Programáveis
2.5 - NIVEL 5 (SISTEMAS DE GERENCIAMENTO)
(CLP), controladores dedicados, multiloops, SDCD,
PC industrial e outros. ERP (Enterprise Resource Planning) ou
SIGE (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial)
2.3 - NIVEL 3 (SISTEMAS DE SUPERVISÃO) são sistemas de informação que integram todos os
dados e processos de uma organização em um
Os Sistemas de Supervisão e Aquisição de
único sistema. A integração pode ser vista sob a
Dados (“Supervisory Control And Data Acquisition”)
perspectiva funcional (sistemas de: finanças,
permitem a coleta de dados de vários
contabilidade, recursos humanos, fabricação,
equipamentos do chão-de-fábrica para um servidor
marketing, vendas, compras, etc) e sob a
central, com a função de gerar os dados utilizados
perspectiva sistêmica (sistema de processamento
para seu controle e supervisão.
de transações, sistemas de informações gerenciais,
As IHM’s (Interfaces Homem-Máquina),
sistemas de apoio a decisão, etc).
interfaces de operação associadas aos sistemas
Os ERPs em termos gerais, são uma
SCADA, possibilitam a visualização de telas
plataforma de software desenvolvida para integrar
sinóticas, gráficos de tendências e execução de
os diversos departamentos de uma empresa,
comandos para controle do processo.
possibilitando a automação e armazenamento de
todas as informações de negócios.

2
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

3 - REVISÕES DE ELETRICIDADE BÁSICA


3.1 - TENSÃO ELÉTRICA (V)
3.4 LEIS DE POTÊNCIA
É a diferença de potencial elétrico entre
A potência é uma grandeza que mede a
dois pontos, sendo a "força" responsável pela
velocidade com que um trabalho é realizado.
movimentação de elétrons. Sua unidade de medida
Derivadas da lei de Ohm têm as seguintes
é o Volt [V].
equações que relacionam a potencia em um
circuito elétrico. Onde a Potência é dada em Watt
3.2 - RESISTÊNCIA ELÉTRICA (R)
[W].
É a capacidade de um corpo se opor à
passagem de corrente elétrica, quando existe uma
diferença de potencial aplicada. Sua unidade de
medida é o Ohm [Ω].

3.3 - CORRENTE ELÉTRICA (I)


A Intensidade corrente elétrica é o fluxo de
elétrons que circula por um corpo quando entre
suas extremidades houver uma diferença de
potencial aplicada. Sua unidade de medida é o
Ampere [A].

Esses três conceitos: corrente, tensão e


resistência estão relacionadas entre si, de tal
maneira que, conhecendo dois deles, pode-se
calcular o terceiro através da Lei de Ohm.

3.5 - FORMAS DE ONDA DOS SINAIS ELÉTRICOS


3.5.1 - CORRENTE CONTÍNUA (DC ou CC)
A corrente elétrica flui apenas em um
sentido, criando uma “POLARIDADE” no circuito.
Desta forma temos sempre bem definido os
LEI DE OHM terminais “POSITIVO” e “NEGATIVO”.

“A corrente elétrica é diretamente proporcional a tensão


aplicada em uma resistência”.

V = Tensão (V)
I = Corrente (A)
R = Resistência (Ω)

Prefixos para indicar frações ou múltiplos de


unidades
Símbolo Fração/Múltiplo
-12
p pico (1 trilionésimo 10 )
-9
n nano (1 bilionésimo 10 )
-6
µ micro (1 milionésimo 10 )
-3
m mili (1 milésimo 10 )
3
K Kilo (1 milhar 10 )
6
M Mega (1 milhão 10 )
9
G Giga (1 bilhão 10 )
12
T Tera (1 trilhão 10

3
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

3.5.2 - CORRENTE ALTERNADA (CA ou AC) 3.5.3 - OUTRAS FORMAS DE SINAIS ELÉTRICOS
A corrente elétrica muda de sentido em São muito utilizadas também as seguintes
função do tempo. Existe uma “INVERSÃO DE formas de sinais elétricos:
POLARIDADE” no circuito.
ONDA QUADRADA

ONDA DENTE DE SERRA

ONDA TRIANGULAR

A quantidade de ocorrência da inversão de


polaridade (ou “OSCILAÇÃO”) é denominada
Esses sinais podem conter componentes
“FREQUÊNCIA”, cuja unidade de medida é o Hertz
de corrente contínua e alternada misturadas, em
[Hz].
quantidades que dependem de seus valores
O tempo decorrido para uma oscilação
mínimos e máximos.
recebe o nome de período (T), cuja unidade de
medida é dada em Segundos (S). Sendo a
freqüência o inverso do período.
f = Freqüência (Hz)
T = Período (Segundos)

4 – COMPONENTES DE COMANDOS ELÉTRICOS


4.1 - CONTATO ELÉTRICO
Em comandos elétricos utiliza-se bastante um elemento simples que é o contato elétrico. Também
denominado de chave. É um componente eletromecânico usado para ligar, desligar ou direcionar a corrente
elétrica, através de um acionamento mecânico, de forma manual ou automática.
Basicamente existem dois tipos de contatos, listados a seguir:

CONTATO NORMALMENTE ABERTO (NA) CONTATO NORMALMENTE FECHADO (NF)


Não há passagem de corrente elétrica na Há passagem de corrente elétrica na posição
posição de repouso. de repouso.

4
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

CONTATO REVERSÍVEL
É comum encontrar também os dois contatos associados à
mesma ação de acionamento. São os contatos reversíveis. Geralmente
possuem um terminal em comum. A mesma ação que aciona o contato
NA desaciona o contato NF.

4.2 - ASSOCIAÇÃO DE CONTATOS ELÉTRICOS


Quando se fala em associação de contatos é comum montar uma tabela contendo todas as
combinações possíveis entre os contatos, esta é denominada de “Tabela Verdade”.

ASSOCIAÇÃO SÉRIE ASSOCIAÇÃO PARALELA


Na combinação em série a carga estará acionada Na combinação em paralelo qualquer um dos
somente quando os dois contatos estiverem contatos ligados aciona a carga e por isso é
acionados e por isso é denominada de “função E”. denominada de “função OU”.

OBS: 0 = DESLIGADO 1 = LIGADO

4.3 - POLOS E POSIÇÕES


Embora exista uma grande variedade de chaves elétricas, há vários termos que são comuns quando se
descreve a construção de qualquer chave.

POLOS E POSIÇÕES DESCRIÇÃO SIMBOLO

SPST SIMPLES POLO


SIMPLES POSIÇÃO
SINGLE-POLE, SINGLE-THROW

SPDT SIMPLES POLO


DUPLA POSIÇÃO
SINGLE-POLE, DOUBLE-THROW

DPST DUPLO POLO


SIMPLES POSIÇÃO
DOUBLE-POLE, SINGLE-THROW

DPDT DUPLO POLO


DUPLA POSIÇÃO
DOUBLE-POLE, DOUBLE -THROW

OBS: Esta nomenclatura se aplica também aos contatos de relés.

5
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

4.4 - TIPOS DE CHAVES


4.4.1 - CHAVES MANUAIS
São acionadas manualmente. Assim que o operador aperta o seu acionamento, seus contatos mudam
de estado. Podem ser basicamente de três tipos:

CHAVE FUNCIONAMENTO SIMBOLO


A chave liga-desliga é retentiva, ou seja, a
chave é ligada por um movimento mecânico e os
CHAVE LIGA-DESLIGA
contatos permanecem na posição alterada, até que a
(on/off)
chave seja acionada no sentido contrario.

A chave botoeira é projetada para abrir ou


fechar um circuito quando acionada e retornar à sua
CHAVE BOTOEIRA
posição normal, quando desacionada. O contato é não
(push button)
retentivo, ou seja, o contato só permanece na posição
alterada enquanto a chave estiver acionada.
A chave seletora ou rotatória fecha e abre
circuitos quando é girada entre posições. Um contato
CHAVE SELETORA fixo ao eixo gira por meio de um knob ligado à outra
extremidade do eixo. A chave seletora é usada para
selecionar duas, três, dez ou mais posições.

4.4.2 - CHAVES AUTOMÁTICAS


As chaves automáticas são acionadas pela posição de algum dispositivo ou pelo valor de alguma
grandeza física. Normalmente possuem em sua constituição física sensores para detectar variações em
alguma grandeza física e acionar os(s) contatos(s) elétricos.

DISPOSITIVO ACIONAMENTO SIMBOLO (NA - NF)

CHAVE DE PRESSÃO
PRESSÃO
PRESSOSTATO

CHAVE DE TEMPERATURA
TEMPERATURA
TERMOSTATO

CHAVE DE VAZÃO
VAZÃO OU FLUXO
CHAVE DE FLUXO

CHAVE DE NÍVEL NIVEL

CHAVE FIM DE CURSO


POSIÇÃO
CHAVE LIMITE

6
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

4.5 - RELÉS
Os relés são dispositivos eletromecânicos, que tem seus contatos acionados por um “eletroímã”,
formados por uma bobina de fio de cobre e um núcleo magnético. Ao energizar a bobina, um campo magnético
atua sobre os contatos, comutando o estado dos mesmos.

TERMINAIS CONSTRUÇÃO FÍSICA SIMBOLO

A1 e A2 – BOBINA
1 e 2 - CONTATO NF
3 e 4 – CONTATO NA

A bobina é completamente isolada dos contados. Por essa característica, os relés são os elementos
fundamentais de manobra de cargas elétricas, pois permitem a combinação de lógicas no comando, bem como
a separação dos circuitos de potência e comando.

O acionamento da bobina do relé é feito com baixas correntes e/ou tensões. Os contatos, porém,
podem chavear correntes e tensões mais elevadas, podendo comandar cargas de potências maiores.
Um contato auxiliar, seja de relê, contator, disjuntor que está isolado galvanicamente do resto do
circuito também é denominado de “CONTATO SECO”.

4.6 - CONTATORES
Para fins didáticos podem-se considerar os contatores como relés expandidos, pois o principio de
funcionamento é similar. Porém sua construção é muito mais robusta e sua capacidade de chavear altas
correntes tornam seu uso praticamente obrigatório na maioria dos circuitos de potência trifásicos.

4.6.1 - DEFINIÇÃO (DE NORMA)


“Chave de operação não manual, eletromagnética, que tem uma única posição de repouso e é capaz
de estabelecer, conduzir e interromper correntes em condições normais do circuito, inclusive sobrecargas no
funcionamento.”

7
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

ELEMENTOS
SIMBOLO DETALHES CONSTRUTIVOS
CONSTRUTIVOS

CONTATOS
NÚCLEO
BOBINA
MOLAS
CARCAÇA

4.6.2 - BOBINA
Tem os terminais são identificadas de forma alfanumérica com A1 e A2. Normalmente a bobina dos
contatores pode ser alimentada com as seguintes tensões:
• 24 VCC
• 48 VCC
• 127 VCA
• 220 VCA

4.6.3 - CONTATOS PRINCIPAIS


São aqueles componentes de ligação que, em estado
fechado, conduz a corrente do circuito de potência. Os contatos
principais de um contator são dimensionados com o objetivo
principal de estabelecer e interromper correntes de motores,
podendo ainda, acionar cargas resistivas, capacitivas e outras.
São identificados por números unitários e por um sistema
alfanumérico

4.6.4 - CONTATOS AUXILIARES


São dimensionados para a comutação de circuitos auxiliares para comando, sinalização e
intertravamento elétrico, entre outras aplicações.
Os terminais dos circuitos auxiliares devem ser marcados ou identificados nos diagramas, através de
figura com dois números, a saber:

UNIDADE DEZENA
REPRESENTA A FUNÇÃO DO CONTATO REPRESENTA A SEQÜÊNCIA DE NUMERAÇÃO

CONTATOS NF CONTATOS NA Contatos devem ser marcados com o mesmo número de


Identificam por 1 e 2 Identificam por 3 e 4 seqüência.

8
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

4.7 - DISJUNTORES
São dispositivos de proteção, capaz de conduzir e interromper correntes em condições normais do
circuito, assim como conduzir por tempo especificado e interromper correntes em condições anormais
especificadas do circuito, tais como as de curto-circuito. Têm como função garantir a proteção, abertura e
fechamento de um circuito sem o risco de arco voltaico.

DISJUNTOR-MOTOR
É um dispositivo composto de disparadores térmicos e
magnéticos que atua na partida do motor elétrico, assegurando o
comando e a proteção do motor e da partida em si contra: queima
causada por variação de tensão e corrente na rede, elevação de
temperatura do motor e condutores, e contra sobrecargas.
Quando está associado a um contator é possível realizar
ligação à distância, quando do contrário deve ser acionado
manualmente. Na associação disjuntor/contator, ambos exercem a
função de proteção.

Antigamente a proteção contra corrente de sobrecarga era feita por um elemento separado
denominado de RELÉ TÉRMICO. Este elemento é composto por uma junta bi-metálica que se dilatava na
presença de uma corrente acima da nominal por um período de tempo longo. Atualmente os disjuntores
englobam esta função e sendo assim os relés de sobrecarga caíram em desuso.

4.8 - SINALIZAÇÃO
A sinalização é um recurso altamente recomendado em sistemas elétricos e de automação. Segurança
de processos e maquinas, bem como a operação e manutenções das mesmas devem ser bem sinalizadas
para que o ser humano possa identificar com clareza as ocorrências e estado dos equipamentos.

4.8.1 - SINALIZAÇÃO VISUAL


Para a sinalização visual de eventos usam-se lâmpadas (ou LED). As lâmpadas são usadas para
sinalizar tanto situações normais quanto anormais, tendo uma cor referente a cada tipo de ocorrência.

SIMBOLO
CORES SIGNIFICADO
Condições anormais, perigo ou
VERMELHO
alarme.
AMARELO Atenção, cuidado.

VERDE Condição de serviço segura.

BRANCA Funcionamento normal.

AZUL Informações especiais.

4.8.2 - SINALIZAÇÃO SONORA


As buzinas e sirenes são usadas apenas para sinalizar condições de
emergência, como vazamentos de gases, ou ainda para informações em
local onde a sinalização visual seja insuficiente. H

9
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

4.9 - CHAVE SECCIONADORA


É um dispositivo que tem por função a manobra de abertura ou desligamento dos condutores de uma
instalação elétrica. A finalidade principal dessa abertura é a manutenção da instalação desligada. Normalmente
é chamada de “CHAVE GERAL”.

A chave seccionadora deve suportar, com margem de


segurança, a tensão e corrente nominais da instalação, isso é normal em
todos os contatos elétricos, mas nesse caso se exigem melhor margem de
segurança.
Esse dispositivo de comando é construído de modo a ser
impossível que se ligue (feche) por vibrações ou choques mecânicos, só
podendo, portanto ser ligado ou desligado pelos meios apropriados para
tais manobras.

4.10 - TRANSFORMADOR DE COMANDO


O transformador de comando, também chamado de “TRAFO”,
tem como objetivo principal compatibilizar a tensão da rede com a tensão
de comando.
O transformador isola (separa) galvanicamente o circuito de
comando do principal. Com esta prática o circuito de comando estará
isento de qualquer anomalia (curto-circuito, sobrecargas) do circuito de
potência.
Outra função importante do transformador isolador é a
necessidade de se evitar que ruídos e picos de rede entrem nos
controladores (CLP e outros).

4.11 - FUSÍVEIS
Os fusíveis são dispositivos de proteção contra curto-circuito (e
contra sobrecarga caso não seja usado relé para este fim) de utilização F
única, ou seja, após sua atuação devem ser descartados.

4.12 - MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO (MIT)


Os motores elétricos são a principal carga industrial que encontramos ligada ao sistema elétrico de
potência. Dos diversos tipos de motores, cerca de 85 a 90% se concentram nos motores de corrente alternada
(CA), trifásicos, de indução com gaiola de esquilo, que, apesar de não serem necessariamente os
eletricamente melhores, são os mais robustos e baratos.
Os motores indução trifásicos podem apresentar 6, 9 ou
12 terminais. Cada par de terminais é referente a uma bobina.

Para efeito de estudo dos comandos elétricos citaremos


apenas o MIT de 6 terminais em nossos exemplos e experiências
práticas.

10
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

FECHAMENTO DO MIT (6 TERMINAIS)


É chamada de “FECHAMENTO DO MOTOR” a forma de interligação das bobinas. Em geral o
fabricante fornece os dados necessários para esse fechamento, indicados na placa do MIT.
De acordo com esse fechamento, o MIT pode ser configurado para trabalhar em duas redes de
alimentação (ex. 220V ou 380V), especificadas pelo fabricante.

FECHAMENTO TERMINAIS BOBINAS CARACTERÍSTICAS

TRIÂNGULO REDE DE ALIMENTAÇÃO:


∆ TENSÃO MENOR: 220 V

ESTRELA REDE DE ALIMENTAÇÃO:


γ TENSÃO MAIOR: 380 V

Depois de feito o fechamento das bobinas do MIT, o


mesmo pode ser representado com apenas 03 terminais de
alimentação. O terminal PE refere-se ao aterramento do MIT.

5 - COMANDOS ELÉTRICOS
Por definição os comandos elétricos têm por finalidade a manobra de motores elétricos que são os
elementos finais de potência em um circuito automatizado. Entende-se por manobra o estabelecimento e
condução, ou a interrupção de corrente elétrica em condições normais e de sobrecarga.

O circuito de comando também tem as FUNÇÃO DISPOSITIVOS


funções de selo, intertravamento, sinalização,
lógica e medição. SECCIONAMENTO • CHAVE SECCIONADORA
O termo “INTERTRAVAMENTO” designa a • DISJUNTOR
forma de interdependência entre contatos elétricos, PROTEÇÃO • DISJUNTOR-MOTOR
de modo a formar uma lógica para funcionamento • FUSÍVEIS
seguro de dispositivos elétricos.
• RELÉS
A tensão de comando pode ser contínua ACIONAMENTO
• CONTATORES
ou alternada. Após ser determinada a tensão de
comando, todos os elementos de acionamento • LÂMPADAS e LEDs
SINALIZAÇÃO
devem ser comprados para esta tensão. • SIRENE
Podemos classificar os dispositivos
• BOTOEIRAS
estudados segundo sua função dentro dos
• RELÉS AUXILIARES
comandos elétricos: COMANDO
• CONTATOS AUXILIARES
• TRAFO DE COMANDO

11
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

5.1 - DIAGRAMAS ELÉTRICOS


Do ponto de vista de diagramação, os circuitos de acionamentos de motores classificam-se em:
• Circuitos de Força (também chamando de Potência ou Principal);
• Circuitos de Comando (também chamando de Auxiliar);
Os circuitos de força são aqueles em que são mostrados os dispositivos de manobra e de proteção e a
carga elétrica, que pode ser um motor. Não envolve lógica de comando.
Os circuitos de comando são aqueles em que são mostrados as bobinas dos contatores e os contatos
dos mesmos interligados, formando o intertravamento e a lógica de comando da carga. A sinalização também
está inserida no circuito de comando.

Os diagramas elétricos podem ser feitos de acordo como o modelo UNIFILAR ou MULTIFILAR
conforme seu objetivo. No estudo de comandos elétricos a seqüência mostrada a seguir orienta o projeto de
qualquer circuito de potência para acionamento de motores.
DIAGRAMA DE BLOCOS DIAGRAMA MULTIFILAR DIAGRAMA UNIFILAR

Objetiva mostrar a seqüência Objetiva mostrar todos os Objetiva mostrar as interligações


de ligação dos dispositivos e a condutores e detalhes existentes entre equipamentos sem minúcias
função dos mesmos. em uma instalação. quanto aos pontos de conexão.

12
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

5.2 - ACIONAMENTO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS


O Motor de Indução Trifásico (MIT) é a principal carga utilizada dentro dos sistemas elétricos
industriais. Processos de transporte e movimentação de materiais e líquidos, geração de vapor, ar comprimido,
bombeamento de líquidos e outras operações, utiliza-se o MIT. Assim em comando elétricos se faz necessário
conhecer as formas mais usuais de acionamento desses motores.

5.2.1 - PARTIDA DIRETA


A primeira e mais básica forma de acionamento do MIT apresentada é a partida direta. Esta se destina
simplesmente ao acionamento e interrupção do funcionamento de um motor de indução trifásico, em um
determinado sentido de rotação.

A seqüência de ligação dos elementos é mostrada acima, onde se pode notar a presença dos circuitos
de potência e comando.

A partida direta funciona da seguinte forma: ao pressionar a botoeira S1 permite-se a passagem de


corrente pela bobina do contator K1, ligando o motor. Para que o mesmo não desligue, acrescentou-se um
contato NA de K1 em paralelo com S1. Este contato é denominado de selo, sendo muito utilizado em
manobras e, portanto é de fundamental importância. A botoeira S2 serve para o desligamento do motor.
A lâmpada H1 sinaliza que o circuito de comando está energizado.
A lâmpada H2 sinaliza que houve uma sobrecarga no circuito de potência, sendo energizada pelo
acionamento do disjuntor-motor Q2.
A lâmpada H3 sinaliza o acionamento do MIT, indicando se o mesmo está ligado ou não.

13
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

5.2.2 - PARTIDA REVERSA


Esta manobra destina-se ao acionamento do motor com possibilidade de reversão do sentido de giro
de seu eixo. Para fazer isso se devem trocar duas fases, de forma automática. Portanto utilizam-se dois
contatores, um para o sentido horário e outro para o sentido anti-horário (K1 e K2). A figura abaixo mostra os
circuitos de comando e potência para este tipo de partida.

No circuito de potência, pode-se observar que, se K1 for acionado, a alimentação do motor terá uma
seqüência de fases. Caso K2 seja acionado, haverá uma inversão das fases R e T, provocando a mudança no
sentido de rotação.
É importante observar que os fios passando pelos contatores K1 e K2 ligam as fases R e T diretamente
sem haver passagem por uma carga. Desse modo estes contatores não podem ser ligados simultaneamente,
pois isso causaria um curto-circuito no sistema. Para evitar isso se introduz no comando dois contatos NF, um
de K1 antes da bobina de K2 e outro de K2 antes da bobina de K1. Esse procedimento é denominado de
“intertravamento” sendo muito comum nos comandos elétricos.
Ao pressionar o botão S1 permite-se a passagem de corrente pela bobina de K1. Automaticamente os
contatos 1-2, 3-4 e 5-6 se fecham ligando o motor. O contato 13-14 de K1 também se fecha “selando” a
passagem de corrente. O contato 21-22 de K1 se abre, impedindo a passagem de corrente pela bobina de K2,
mesmo que o operador pressione a botoeira S2 tentando reverter à velocidade de rotação. Desse modo é
necessária a parada do motor para inverter o sentido de giro, por isso o circuito é denominado de “partida com
reversão de parada obrigatória”.
O funcionamento do circuito quando se liga o motor no outro sentido de rotação através da botoeira S2
é similar e por isso não será descrito. Em alguns casos, dependendo da carga manobrada, adiciona-se ainda
temporizadores de modo a contar um tempo antes que a velocidade possa ser invertida. Evitam-se assim os
famosos “trancos” extremamente prejudiciais ao sistema mecânico e elétrico.
A segurança também pode ser aumentada convenientemente através da adição de mais dois contatos
de intertravamento, garantido assim a inexistência de curtos, caso um dos contatos esteja danificado.

14
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

5.2.3 - PARTIDA ESTRELA TRIÂNGULO


Normalmente os motores de indução exigem, durante a partida, uma corrente maior que pode variar de
cinco a sete vezes o valor de sua corrente nominal. Esta característica é extremamente indesejável, pois além
de exigir um super dimensionamento dos cabos, ainda causa quedas no fator de potência da rede, provocando
possíveis multas da concessionária de energia elétrica.
Uma das estratégias para se evitar isso é a Partida Estrela-triângulo, cujo princípio é o de ligar o motor
na configuração estrela, reduzindo a corrente e posteriormente comutá-lo para triângulo atingindo sua potência
nominal.

.
A figura acima mostra os circuitos de comando e potência para a partida estrela-triângulo,
respectivamente. Para funcionar de forma automática, o fechamento do motor, antes feito no próprio, é
realizado agora através da combinação dos contatores K1-K2 e K1-K3. Desse modo K2 e K3 não podem
funcionar simultaneamente, pois ocorreria curto-circuito, pela mesma razão já explicada na partida com
reversão. O intertravamento destes dois contatores pode ser observado no circuito de comando.
Introduz-se nesta partida o relê temporizador (K6), responsável pela comutação do motor de estrela para
triângulo.
O motor deve alcançar, pelo menos, 90% de sua velocidade nominal de regime antes de haver a
comutação da chave.

15
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6 - CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL (CLP)


O Controlador Lógico Programável (CLP) ou (PLC) é a maior revolução que ocorreu no mundo da
eletrônica na área de automação industrial. Antes do surgimento dos CLPs as tarefas de comando e controle
de máquinas e processos Industriais eram feitas por relés eletromagnéticos, especialmente projetados para
este fim, o resultado era um volume considerável de dispositivos dispostos sobre painéis com grande espaço e
pouca flexibilidade.
O CLP nasceu praticamente dentro da indústria automobilística americana, especificamente na
Hydromic Division da General Motors, em 1968, devido a grande dificuldade de se mudar a lógica de controle
de painéis de comando a cada mudança na linha de montagem. Estas mudanças implicavam em altos gastos
de tempo e dinheiro. Sob a liderança do engenheiro Richard Morley, foi preparada uma especificação que
refletia os sentimentos de muitos usuários de relés, não só da indústria automobilística como de toda a
indústria manufatureira.
Hoje na indústria é possível encontrar CLPs em controles individuais como uma “ilha” ou como parte de
um complexo sistema de produção integrado em rede.

DEFINIÇÃO SEGUNDO A ABNT (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS)


É um equipamento eletrônico digital com hardware e software compatíveis com aplicações Industriais.

DEFINIÇÃO SEGUNDO A NEMA (NATIONAL ELECTRICAL MANUFACTURERS ASSOCIATION)


Aparelho eletrônico digital que utiliza uma memória programável para o armazenamento interno de
instruções para implementações específicas, tais como lógica, seqüenciamento, temporização, contagem e
aritmética, para controlar, através de módulos de entradas e saídas, vários tipos de máquinas ou processos.

6.1 - VANTAGENS NA UTILIZAÇÃO DE CLP


Hoje os CLPs oferecem um considerável número de benefícios para aplicações Industriais, que podem
ressaltar em economia que excede o custo do CLP e devem ser considerados quando da seleção de um
dispositivo de controle industrial.
As vantagens em sua utilização, comparados a outros dispositivos de controle industrial incluem:
• Ocupa menor espaço;
• Requer menor potência elétrica;
• Permite sua fácil reutilização;
• É programável, permitindo a alteração dos parâmetros de controle;
• Apresenta maior confiabilidade;
• Sua manutenção é mais fácil e rápida;
• Oferece maior flexibilidade;
• Apresenta interface de comunicação com outros CLP e computadores;
• Permite maior rapidez na elaboração do projeto do sistema.

6.2 - APLICAÇÕES PRÁTICAS EM AMBIENTES INDUSTRIAIS


O controlador programável existe para automatizar processos Industriais, sejam de seqüenciamento,
intertravamento, controle de processos, batelada, etc.
Este equipamento tem seu uso tanto na área de automação da área de manufatura, de processos,
elétrica, predial, entre outras. Praticamente não existem ramos de aplicações Industriais onde não se possam
aplicar os CLPs, entre elas tem-se:

• Máquinas Industriais (operatrizes, injetoras de plástico, têxteis, calçados);


• Equipamentos Industriais para processos (siderurgia, papel e celulose, petroquímica, química,
alimentação, mineração, etc.);
• Equipamentos para controle de energia (demanda ou fator de carga);
• Controle de processos com realização de sinalização, intertravamento e controle;
• Malhas de controle complexo (PID, Lógica Fuzzy);
• Aquisição de dados de supervisão;
• Bancadas de teste automático de componentes Industriais;

16
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Com a tendência dos CLPs terem baixo custo, muita inteligência, facilidade de uso e massificação das
aplicações, a utilização deste equipamento não será apenas nos processos, mas também nos produtos.

6.3 - ASPECTOS DE HARDWARE


O diagrama de blocos abaixo representa a estrutura básica de um controlador programável com todos
os seus componentes. Estes componentes irão definir o que denominamos configuração do CLP.

6.3.1 - FONTE DE ALIMENTAÇÃO


A Fonte de Alimentação tem normalmente as seguintes funções básicas:
• Converter a tensão da rede elétrica (110 ou 220 VCA) para a tensão de alimentação dos circuitos
eletrônicos, (+ 5Vcc para o microprocessador, memórias e circuitos auxiliares, +/- 12 Vcc para a
comunicação com o programador ou computador);
• Manter a carga da bateria, nos sistemas que utilizam relógio em tempo real;
• Fornecer tensão para alimentação das entradas e saídas (12 ou 24 Vcc).

17
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.2 - BATERIA
As baterias são usadas nos CLPs para manter o circuito do Relógio em Tempo Real (RTC), reter
parâmetros ou programas (em memórias do tipo RAM), mesmo em caso de corte de energia, guardar
configurações de equipamentos etc.
Normalmente são utilizadas baterias recarregáveis do tipo Ni–Ca ou Li. Nestes casos, incorporam se
circuitos carregadores.

6.3.3 - PROCESSADOR OU CPU (UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO)


Também chamada de CPU, é responsável pelo funcionamento lógico de todos os circuitos. Nos CLPs
modulares a CPU está em uma placa (ou módulo) separada das demais, podendo-se achar combinações de
CPU e Fonte de Alimentação. Nos CLPs de menor porte a CPU e os demais circuitos estão todos em único
módulo.
Utiliza microprocessadores ou microcontroladores de 8,16 ou 32 bits e, em CLPs maiores, um co-
processador (microprocessador dedicado) adicional para aumentar a capacidade de processamento em
cálculos complexos com aritmética de ponto flutuante.
A seguir são descrita as formas de processamento utilizadas pelos CLPs.

6.3.3.1 - PROCESSAMENTO CÍCLICO (VARREDURA OU SCAN)


Este tipo é a forma mais comum de execução que predomina em todas as CPU´s conhecidas, e de
onde vem o conceito de varredura (SCAN), ou seja, as instruções de programa contidas na memória, são lidas
uma após a outra seqüencialmente do início ao fim, daí retornando ao início ciclicamente.
Um dado importante de uma CPU é o seu tempo de varredura, ou seja, o tempo gasto para a execução
de um ciclo. Este tempo está relacionado com o tamanho do programa do usuário. A maioria dos fabricantes de
CLPs especifica os tempos de varredura como função do tamanho do programa, caracterizando a existência de
CLPs rápidos e lentos.

18
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.3.2 - PROCESSAMENTO POR INTERRUPÇÃO


Em algumas situações, é necessário interromper o ciclo normal de um programa para priorizar uma
rotina em especial. Nestes casos, ao reconhecer um pedido de interrupção, a CPU interrompe o ciclo normal
de programa e executa um outro programa chamado de rotina de interrupção.
Esta interrupção pode ocorrer a qualquer instante na execução do ciclo de programa. Ao finalizar esta
situação o programa voltará a ser executado do ponto onde ocorreu a interrupção.
As interrupções no programa de usuário podem ser ativadas por Hardware (ex. uma entrada que foi
ativada) ou por software, no mesmo programa (ex. uma variável que alterou seu valor).

6.3.3.3 - PROCESSAMENTO COMANDADO POR TEMPO


Às vezes as interrupções têm que ser feitas de
forma periódica e com duração definida. Assim o ciclo
normal pode ser alterado de duas formas: ou é
interrompido para execução de uma interrupção, ou uma
parte do programa passa a se tornar ativa durante um
tempo definido. Lembrando que isso aumentará o tempo
de scan (varredura) e deve ser considerado na hora de
elaborar programas em aplicações críticas.
Este tipo de processamento também pode ser visto
como um tipo de interrupção, porém ocorre a intervalos
regulares de tempo dentro do ciclo normal de programa.

6.3.3.4 - PROCESSAMENTO POR EVENTO


Este é processado em eventos específicos, tais como na interrupção de energia, falha na bateria e
estouro do tempo de supervisão do ciclo da CPU.
Existe uma função importante da CPU, chamada WATCHDOGTIMER (cão de guarda), que tem grande
utilidade na segurança do sistema. É um temporizador que monitora o tempo de scan do CLP e caso esse
tempo seja maior que o tempo do WATCHDOGTIMER, o CLP detecta que está havendo algum erro de
processamento no scan do programa e pára de funcionar gerando um alarme externo.

19
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.4 - ÁREAS DE MEMÓRIAS


As áreas de memória dos CLPs são divididas em duas partes, a memória do sistema operacional e a
memória de aplicação.

6.3.4.1 - MEMÓRIA DO SISTEMA OPERACIONAL


É subdividida em duas partes, descritas a seguir:

6.3.4.1.1 - PROGRAMA DE EXECUÇÃO (FIRMWARE)


Constitui o programa desenvolvido pelo fabricante do CLP, o qual determina como o sistema deve
operar, incluindo a execução do programa de aplicação, controle de serviços periféricos, atualização dos
módulos do E/S, etc.
O programa de execução é responsável pela tradução do programa de aplicação desenvolvido pelo
usuário em linguagem de alto nível, para instruções que o processador do CLP possa executar em linguagem
de máquina. É armazenado em memória não volátil tipo ROM, normalmente EPROM.
O usuário não tem acesso a esta memória, exceto quando for executar uma atualização de firmware.

6.3.4.1.2 - MEMÓRIA DE RASCUNHO DO SISTEMA


Trata-se de uma área de memória reservada para o armazenamento momentâneo de uma quantidade
pequena de dados utilizados pelo sistema operacional, para cálculos, controle ou status interno (calendário e
relógios internos, acumuladores, dados internos, flags de alarmes e erro). Uma característica desta área de
memória é o acesso rápido, sendo do tipo RAM.
O usuário tem acesso restrito de somente leitura a algumas informações internas, definidas pela
fabricante do CLP.

6.3.4.2 - MEMÓRIA DE APLICAÇÃO (MEMÓRIA DO USUÁRIO)


Subdividida em 3 partes, descritas a seguir:

6.3.4.2.1 - PROGRAMA DO USUÁRIO


Nesta área é armazenado o programa desenvolvido pelo usuário para a execução do controle desejado
(LADDER ou em outra linguagem). Trata-se normalmente de memória RAM com bateria de segurança.

6.3.4.2.2 - MEMÓRIA DE DADOS


Essa área armazena dados que são utilizados pelo programa de aplicação, como valores atuais e de
preset (pré-ajuste) de temporizadores / contadores e variáveis do programa, além do estado de entradas e
saídas.
A atualização desses estados é realizada constantemente, refletindo as mudanças ocorridas nos
pontos de entrada, e as atualizações das saídas são efetuadas pelo programa de aplicação.

6.3.4.2.3 - TABELA IMAGEM DAS ENTRADAS E SAÍDAS


Sempre que a CPU executa um ciclo de leitura das entradas ou executa uma modificação nas saídas,
ela armazena o estado de cada uma das entradas ou saídas em uma região de memória denominada Memória
Imagem das Entradas / Saídas.
Essa região de memória funciona como uma espécie de “tabela” onde a CPU irá obter informações das
entradas ou saídas para tomar as decisões durante o processamento do programa do usuário.

20
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

A seguir uma tabela resume as divisões de memória em um CLP.

ÁREA DE MEMÓRIA MEMÓRIA TIPO ACESSO

MEMORIA DO FIRMWARE EPROM ATUALIZAÇÃO


SISTEMA
OPERACIONAL RASCUNHO DO SISTEMA RAM SOMENTE LEITURA

PROGRAMA DO USUÁRIO RAM LEITURA E ESCRITA

MEMORIA DE MEMÓRIA DE DADOS RAM LEITURA E ESCRITA


APLICAÇÃO
TABELA IMAGEM DE ENTRADAS → LEITURA
RAM
ENTRADAS E SAÍDAS SAIDAS → ESCRITA

6.3.5 - CANAIS DE COMUNICAÇÃO


6.3.5.1 - COMUNICAÇÃO SERIAL
É a forma de comunicação mais utilizada entre os CLPs e a maioria dos periféricos, especialmente os
terminais de programação, microcomputadores, impressoras, etc. Os padrões mais utilizados são o RS-232C e
o RS-485. Esses canais de comunicação são nomeados como portas COM, seguidas de uma numeração para
identificá-las. Ex. COM1, COM2.

6.3.5.2 - COMUNICAÇÃO ETHERNET


A Ethernet está ganhando aceitação na área industrial. Computadores pessoais, impressoras e outros
periféricos com interfaces prontas para Ethernet estão migrando para a área industrial e, quando usado com
switches inteligentes e roteadores este padrão de rede ganha ainda maior aceitação no "chão-de-fábrica".
Construída sobre o protocolo TCP/IP, a rede Ethernet dá acesso, de forma transparente desde o “chão-
de-fábrica" até a rede corporativa, facilitando o desenvolvimento de sistemas que integram desde a aquisição
de dados das variáveis de processo até a os bancos de dados corporativos, acessados pelos sistemas de
gestão empresariais tipo ERP, RP, SAP.

6.3.5.3 - MÓDULOS ESPECIAIS DE COMUNICAÇÃO


Para integrar os CLPs em uma rede industrial, existem módulos (cartões) especiais de comunicação
que permitem o CLP interagir com outros equipamentos industriais. Diversos padrões de redes estão presentes
no chão de fábrica. Podemos citar as redes DEVICENET, PROFIBUS, FIELDBUS FOUNDATION, AS-ASI, etc.

6.3.6 - MÓDULOS DE IO (IMPUT / OUTPUT)


Os módulos de I/O fazem a comunicação entre a CPU e o meio externo (por meio dos dispositivos de
entrada e saída), além de garantir isolação e proteção à CPU. São divididos em módulos de entrada e módulos
de saída. Para os CLPS modulares, há também os módulos combinados (pontos de entrada e de saída no
mesmo módulo).

MÓDULOS DE ENTRADA
Recebem os sinais dos dispositivos de entrada, tais como: sensores, chaves e transdutores, e os
convertem em níveis adequados para serem processados pela CPU.

MÓDULOS DE SAÍDA
Enviam os sinais aos dispositivos de saída, tais como: motores, atuadores e sinalizadores. Esses sinais
são resultantes da lógica de controle, implementada no programa de aplicação, ou podem ser ‘forçados’ pelo
usuário, independente da lógica de controle.

Normalmente, os Módulos de I/O são dotados de:

21
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

ISOLAÇÃO ÓPTICA PARA PROTEÇÃO DA CPU


Fonte de Alimentação e demais Módulos de I/O. Neste caso, não há conexão elétrica entre os
dispositivos de entrada (chaves, sensores) ou de saída (atuadores, motores) e o barramento de comunicação
da CPU.

INDICADORES DE STATUS
LEDs (Diodos Emissores de Luz) presentes na parte frontal dos módulos de I/O que indicam quais
pontos de entrada estão recebendo sinal dos dispositivos externos, e quais pontos de saída estão sendo
atuados pela CPU. Alguns modelos possuem também indicadores de falhas.

CONECTORES REMOVÍVEIS
Reduzem o tempo de manutenção e/ou substituição dos módulos de I/O, pois não existe necessidade
de refazer a fiação do mesmo.

Cada ponto, de entrada ou de saída, dos módulos digitais corresponde a um bit de um determinado
endereço da Tabela de Dados (Tabela de Imagem das Entradas e Tabela de Imagem das Saídas), a qual é
acessada durante a execução do Programa de Aplicação.
Os módulos de I/O são classificados como Discretos (Digitais) ou Analógicos, existindo também os
Especiais, como exemplos podem citar os módulos para controle de motores de passo e servo drives.

6.3.6 - ENTRADAS DIGITAIS


As entradas digitais recebem sinais de dispositivos que podem comutar apenas em dois estados
definidos, ligado (1) ou desligado (0). Para escolha e configuração dos módulos que receberam estes sinais
devemos levar em consideração alguns parâmetros importantes das entradas digitais.

6.3.6.1 - FILTRO DE SINAL


Eliminam problemas pulsos indesejados, causados pelo chaveamento de contatos mecânicos.
Normalmente são configurados dentro do software de programação.

6.3.6.2 - DENSIDADE DE PONTOS


A quantidade de pontos de um módulo determina a densidade do módulo. Podem-se encontrar
módulos com 2, 4, 8, 16, 32 ou 64 pontos de entradas digitais.

6.3.6.3 - TIPO E TENSÃO DAS ENTRADAS


Basicamente os módulos de entradas digitais podem ser de dois tipos, conforme a tensão de
alimentação e sinais de entrada.
• MÓDULOS AC (24, 110 ou 220V)
• MÓDULOS DC (24, 48 ou 125V).
A faixa de tensão de entrada deve ser escolhida conforme a alimentação dos sinais dos dispositivos de
campo.

22
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.6.4 - AGRUPAMENTO DAS ENTRADAS


O terminal comum (COM) das entradas é conectado internamente no CLP, formando grupos de
entradas nos módulos. A figura e a tabela a seguir mostram um exemplo desses “agrupamentos”.

GRUPO COMUM ENTRADAS


IN 0
IN 1
1 COM 0
IN 2
IN 3
IN 4
IN 5
IN 6
IN 7
NC = Não Conectado
IN 8
Observe que as cores também identificam os agrupamentos. 2 COM 1
IN 9
IN 10
IN 11
IN 12
IN 13

6.3.6.5 - MODO DE CONFIGURAÇÃO DAS ENTRADAS


As entradas alimentadas com tensão DC podem ter as seguintes configurações:

MODO RECEPÇÃO (CURRENT SINKING) MODO FONTE (CURRENT SOURCING)

Características: Características:
• Consumidora de corrente • Fornecedora de corrente
• Comum negativo • Comum positivo
• Ativa em nível alto (1) • Ativa em nível baixo (0)

23
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

MODO RECEPÇÃO E FONTE (CURRENT SINKING/SOURCING)


Qualquer entrada Micrologix 1XXX, alimentada com tensão CC pode ser configurada como recepção
ou fonte, dependendo de como o terminal comum (COM) está conectado ao Micrologix. A figura a seguir
ilustra um exemplo da forma de fiação das entradas.

6.3.6.6 - NÍVEIS DE TENSÃO DO SINAL DE ENTRADA


TENSÃO MÁXIMA PARA NÍVEL 0
Máxima tensão permitida para que a entrada reconheça como nível 0 (desligado ou nível baixo).

TENSÃO MÍNIMA PARA NÍVEL 1


Mínima tensão necessária para que a entrada reconheça como nível 1 (ligado ou nível alto).

A seguir o exemplo desses parâmetros para o Micrologix 1XXX.

6.3.6.7 - NÍVEIS DE CORRENTE DO SINAL DE ENTRADA


CORRENTE MÁXIMA EM NÍVEL 0
Máxima corrente que a entrada consome operando em nível 0.

CORRENTE MÍNIMA EM NÍVEL 1


Mínima corrente necessária para que a entrada opere adequadamente em nível 1.

CORRENTE NOMINAL DE ENTRADA


Corrente típica de operação para uma entrada ativa (nível 1).

24
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.6.8 - TEMPOS DE RESPOSTA


TEMPO DE RESPOSTA DE 0 PARA 1
Tempo (típico) que o módulo necessita para reconhecer a transição de uma entrada, do nível 0 para o
nível 1.

TEMPO DE RESPOSTA DE 1 PARA 0


Tempo (típico) que o módulo necessita para reconhecer a transição de uma entrada, do nível 1 para o
nível 0.

6.3.6.9 - POTÊNCIA CONSUMIDA


Especifica a corrente que o módulo consome da fonte de alimentação, por meio do barramento da
Base, para operar adequadamente. Este valor é utilizado no cálculo de consumo de potência durante a
configuração do CLP.

6.3.7 - SAIDAS DIGITAIS


As saídas digitais são utilizadas para acionar de dispositivos que podem comutar apenas em dois
estados definidos, ligado (1) ou desligado (0). Para escolha dos módulos de saídas digitais, devemos levar em
consideração alguns parâmetros importantes.

6.3.7.1 - DENSIDADE DE PONTOS


Idêntico aos módulos de entradas, a quantidade de pontos determina a densidade do módulo de saída.
Podem-se encontrar módulos com 2, 4, 8, 16 ou 32 pontos de saídas digitais. Quanto maior a densidade de
um módulo, menor será a capacidade de corrente individual de cada saída.

6.3.7.2 - TIPO E TENSÃO DAS SAÍDAS


A tabela a seguir mostra os tipo e faixa de tensão mais comum das saídas digitais:

SAIDA A RELÉ SAIDA A TRIAC (OU SCR) SAIDA A TRANSISTOR

Características: Características: Características:


• Alimentação AC ou DC • Alimentação AC • Alimentação DC
(24V, 110V ou 220V) (24V, 110V ou 220V) (24V, 48V ou 125V)
• Contato seco • Contato de estado sólido • Contato de estado sólido
• Aciona cargas de alta potência • Chaveamento rápido • Chaveamento rápido
• Desgaste mecânico • Gera muito ruído na rede • Necessita proteção extra
• Chaveamento lento • Necessita proteção extra contra surtos de corrente e
• Possibilidade de Arco voltaico contra surtos de corrente. tensão.

25
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.7.3 - AGRUPAMENTO DAS SAÍDAS


O terminal comum (COM) das saídas é conectado internamente no CLP, formando grupos de saídas
nos módulos. A figura e a tabela mostram um exemplo desses “agrupamentos”.

GRUPO COMUM SAÍDAS


1 VAC DC 0 OUT 0
2 VAC DC 1 OUT 1
OUT 2
3 VAC DC 2
OUT 3
VAC L1 = Alimentação do CLP (85 – 264 Vca)
OUT 4
VAC NEUT = Neutro da alimentação 4 VAC DC 3
OUT 5
Observe que as cores também identificam os agrupamentos.
OUT 6
OUT 7
5 VAC DC 4
OUT 8
OUT 9

6.3.7.4 - MODO DE CONFIGURAÇÃO DAS SAÍDAS DC


As saídas DC podem ter as seguintes configurações:

MODO FONTE (CURRENT SOURCING) MODO RECEPÇÃO (CURRENT SINKING)

Características: Características:
• Consumidora de corrente • Fornecedora de corrente
• Comum negativo • Comum positivo
• Ativa em nível alto (1) • Ativa em nível baixo (0)

6.3.7.5 - NÍVEIS DE CORRENTE DO SINAL DE SAÍDA


CORRENTE MÁXIMA
Máxima corrente permitida para cada ponto de saída, normalmente indicada para cargas resistivas.
Uma Atenção especial deve ser dada a este item, pois na maioria dos casos são indicadas corrente
máxima/ponto e corrente máxima/comum ou máxima/módulo.
Por exemplo, um módulo com oito pontos de saída pode ter a seguinte indicação de corrente máxima:
1A/ponto e 5A/comum, indicando que cada ponto individualmente pode acionar uma carga de até 1A, e o
somatório da corrente de todos os pontos acionados em determinado instante não deve exceder os 5A.

CORRENTE DE PICO
Máxima corrente que pode ser fornecida à carga por um curto intervalo de tempo durante a transição
de O para 1. Este valor é maior que o de corrente máxima e é característico para acionamento de circuitos
indutivos.

CORRENTE DE FUGA
Máxima corrente que poderá circular pelo dispositivo de saída com o ponto de saída quando o mesmo
estiver desligado.

26
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.7.6 - TEMPOS DE RESPOSTA


TEMPO DE RESPOSTA DE 0 PARA 1
Tempo (típico) que o módulo leva para realizar a transição de uma saída, do nível 0 para o nível 1.

TEMPO DE RESPOSTA DE 1 PARA 0:


Tempo (típico) que o módulo leva para realizar a transição de uma saída, do nível 1 para o nível 0.

6.3.7.7 - POTÊNCIA CONSUMIDA


Especifica a corrente que o módulo consome da Fonte de Alimentação, por meio do barramento da
Base, para operar adequadamente.

6.3.7.8 - PROTEÇÕES DAS SAÍDAS A RELÊ


Um fator importante durante a configuração dos módulos de saída relaciona-se ao acionamento dos
dispositivos controlados. Não é recomendada a utilização de saídas a relê para acionamentos cíclicos, mesmo
de baixa freqüência, ou acionamentos rápidos, devido à fadiga mecânica que eles podem sofrer. Porém,
quando se utilizam saídas a relê para acionamento de cargas indutivas, recomenda-se a utilização de circuito
RC - snubber (AC e DC) e diodo (apenas DC) para proteção dos contatos.

Supressão de transiente para dispositivos Supressão de transiente para dispositivos


de carga CA indutivas de carga CC indutivas

Esses circuitos de supressão de transiente conectam-se diretamente através do dispositivo de carga.


Isso reduz o centelhamento dos contatos de saída. Um alto transiente pode causar centelhamento que ocorre
ao desligar um dispositivo indutivo.
Os métodos adequados de supressão de transiente para dispositivos de carga CA indutiva incluem um
varistor, uma rede RC ou um supressor de pico. Esses componentes devem estar ajustados adequadamente
para suprimir a característica transiente de chaveamento de um dispositivo indutivo particular.
Para dispositivos de carga DC indutiva, um diodo é indicado. Recomenda-se que o dispositivo de
supressão fique alocado o mais próximo possível do dispositivo de carga.

6.4 – SOFTWARES DO CLP


Em geral, para que os CLPs possam se funcionais, se comunicar, ser programados e operar conforme
foram projetados, precisam basicamente de três tipos de softwares, que são:

• Firmware
Software de controle interno do CLP é o sistema operacional do CLP, responsável pelo
funcionamento do mesmo. O programador consegue apenas atualizar o firmware, quando necessário.

• Driver de comunicação
Normalmente é um driver, ou aplicativo que permite a comunicação do CLP com o aplicativo de
programação, rede com outros CLP ou sistemas de supervisão.

• Aplicativo para programação


Software projetado para programação do CLP. Através dele o usuário desenvolve, monitora,
testa e descarrega o programa com a lógica no CLP.

Nota:
No decorrer do curso estaremos estudando o driver de comunicação e o aplicativo de programação
para dar suporte ao desenvolvimento dos projetos práticos.

27
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.4.1 - LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DO CLP


Um programa de CLP é um conjunto de instruções representadas na forma gráfica ou textual,
dispostas pelo programador em uma seqüência que, quando executadas, produzirão as ações necessárias
para obtenção dos objetivos de controle estabelecidos para uma máquina ou processo controlado.
No meio industrial, a norma IEC 61131-3 define duas linguagens gráficas e duas linguagens baseadas
em texto para a programação de CLPs.
As linguagens gráficas usam símbolos para representar as instruções do programa de controle,
enquanto as linguagens baseadas em texto usam palavras como instruções.

Linguagens Gráficas Linguagens de texto


• Diagramas Ladder (LD) • Lista de Instruções (IL)
• Diagramas de Blocos Funcionais (FBD) • Texto Estruturado (ST)

A linguagem mais simples e preferida no meio industrial é o diagrama de contatos ou Diagrama Ladder,
como é mais conhecida, será a linguagem que trataremos no decorrer do curso.

6.4.2 – LINGUAGEM LADDER


Quando os CLPs foram especificados, um dos requisitos básicos é que a forma de programação do
controlador deveria ser simples e de fácil entendimento pelo pessoal de campo responsável para instalação e
manutenção.
Como as linguagens de programação convencionam não atendiam este requisito, foi necessário criar
uma linguagem de programação baseada nos diagramas lógicos de contatos elétricos de relé. Esta linguagem
de programação foi chamada linguagem Ladder.
Na linguagem ladder, o programa de aplicação é representado empregando-se símbolos similares aos
utilizados em diagramas elétricos e, por esse motivo, a sua compreensão e assimilação é extremamente fácil
por profissionais que já tenham experiência em instalações e comandos elétricos de sistemas industriais.

6.4.2.1 – DIAGRAMA DE COMANDOS ELÉTRICOS X LADDER


A maneira clássica e mais fácil de compreender a sistemática do método de programação ladder, é
começar mostrando a equivalência entre diagramas de comandos elétricos e seus equivalentes em ladder.
Essa estratégia funciona muito bem e é exatamente a que utilizaremos nesse tópico.

CIRCUITO DE COMANDO PROGRAMA EQUIVALENTE EM LADDER

O exemplo mostrado é de uma simples partida de motor trifásico, com sinalização de ligado e falha.
Observe a semelhança entre as duas formas de se executar um mesmo controle, exceto a
representação dos contatos fechados que é invertido, o que será explicado mais adiante quando iremos
abordar as instruções de forma detalhada.

Curiosidade:
Devido à aparência do programa do CLP se parecer com uma escada, a linguagem foi batizada com o
nome Ladder (que significa “escada”). As linhas de programação são os Rungs (“degraus” da escada).

28
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.4.2.2 – ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO LADDER


ESTRUTURA DO PROGRAMA LADDER
Linhas de energia
São duas linhas verticais, sendo uma disposta à
esquerda e a outra à direita. A linha vertical à esquerda
simula um potencial elétrico positivo, enquanto a linha
vertical à direita simula um potencial elétrico negativo.

Rungs
A combinação dos elementos gráficos (instruções)
interligando as duas linhas verticais é chamada de Rungs
(degraus da escada), ou seja, são as linhas de
programação da linguagem ladder. Normalmente recebem
uma numeração para facilidade de identificação.
O diagrama ladder sempre começa a ser construído a partir da linha esquerda para a direita.
Geralmente consiste em um conjunto de condições, representadas por instruções de contatos, e uma
instrução de saída no final do rung, representada por um símbolo de bobina.

FUNCIONAMENTO BÁSICO
A funcionalidade principal de um programa Ladder é controlar as saídas de um CLP através da análise
lógica de suas entradas.
Quando houver um caminho fechado que permite a circulação de corrente entre as linhas de energia,
dizemos que existe CONTINUIDADE LÓGICA.

Quando a continuidade lógica existir em pelo menos um caminho de contatos, sempre da esquerda
para a direita, a condição do rung é considerada verdadeira (TRUE), e as saídas controladas pelo rung são
ativadas (rungs 000 e 002 do exemplo acima).
A condição do rung é considerada falsa (FALSE) quando não existir nenhum caminho com
continuidade lógica, então as saídas controladas pelo rung são desativadas (rung 001 do exemplo acima).

6.4.2.3 – INSTRUÇÕES LADDER


As instruções ladder informam ao processador uma operação a ser
realizada e o elemento (ou elementos) que deverão participar da mesma.
Esses elementos são denominados operandos da instrução e são
identificados por um endereço que fazem referência a um ou mais
elementos na tabela de E/S dos dispositivos físicos do CLP, ou a bits
internos na memória.

29
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7 - CONTROLADORES PROGRAMÁVEIS MICROLOGIX 1XXX


Todos os membros da família MicroLogix e SLC™ 500 compartilham das mesmas funcionalidades,
desde um conjunto de instruções comuns e do software de programação RSLogix 500™ até dispositivos de
rede e de IHM compatíveis.
Estes sistemas são projetados para trabalhar de forma integrada – dentro de uma única máquina ou
em toda a fábrica. Todos os controladores podem ser montados em painel ou trilho DIN. O uso dos
controladores da família MicroLogix permite migrar de um nível de controlador para outro à medida em que s
aplicações mudam ou crescem.

7.1 – IDENTIFICAÇÃO DOS MICROLOGIX 1XXX PELO NUMERO DE CATÁLOGO


®
A Rockwell Automation adota um sistema de
numeração de catálogo para identificar os modelos
de MICROLOGIX 1XXX, onde temos:

7.2 – MICROLOGIX 1000 (1761)


O MicroLogix 1000 é um controlador pequeno e
robusto para aplicações que exigem soluções compactas e
com excelente custo-benefício.
Baseado na arquitetura do SLC500 possui excelente
desempenho de velocidade, instruções poderosas e
comunicações flexíveis para aplicações que exigem soluções
compactas e de custo reduzido.

7.2.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1000


• Não expansível (não possue módulos de expansão dos pontos de E/S);
• 01 porta RS-232 (Mini DIN de 8 pinos);
• Controladores com entradas de 24 VDC incluem um contador de alta velocidade incorporado (6,6 kHz);
• 1 Kb EEPROM (aproximadamente 737 palavras de instrução: 437 palavras de dados);
• 17 versões com diferentes configurações 10, 16, 20 ou 32 pontos.
• Versões analógicas disponíveis, com 20 pontos de E/S digitais e 5 pontos de E/S analógica.

30
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.2.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1000


ENTRADA ENTRADA SAÍDA POTÊNCIA
Nº CATÁLOGO I/O ALIMENTAÇAO SAÍDA DIGITAL
DIGITAL ANALÓGICA ANALÓGICA CONSUMIDA
6 x 24VCC 13W (120VCA)
1761-L10BWA 10 120/240 VCA 0 4 x relê 0
sink/source 14W (240 VCA)
6 x 24VCC
1761-L10BWB 10 24 VCC 0 4 x relê 0 5W (24VCC)
sink/source
6 x 24VCC 2 x relê
1761-L10BXB 10 24 VCC 0 0 5W (24VCC)
sink/source 2 x 24 VCC source
7W (120VCA)
1761-L16AWA 16 120/240 VCA 10 x 120VCA 0 6 x relê 0
8W (240VCA)
9.1W (120VCA)
1761-L32AWA 32 120/240 VCA 20 x 120VCA 0 12 x relê 0
10.6W (240VCA)
10 x 24VCC 14W (120VCA)
1761-L16BWA 16 120/240 VCA 0 6 x relê 0
sink/source 15W (240VCA)
10 x 24VCC
14W (120VCA)
1761-L16NWA 16 120/240 VCA sink/source 0 6 x relê 0
15W (240VCA)
or 24VCA
20 x 24VCC 15W (120VCA)
1761-L32BWA 32 120/240 VCA 0 12 x relê 0
sink/source 16W (240VCA)
2 x relê
7W (120VCA)
1761-L32AAA 32 120/240 VCA 20 x 120VCA 0 10 x TRIAC 0
9W (240VCA)
120/240VCA
10 x 24VCC
1761-L16BWB 16 24 VCC 0 6 x relê 0 5W (24VCC)
sink/source
10 x 24VCC
1761-L16NWB 16 24 VCC sink/source 0 6 x relê 0 5W (24VCC)
or 24VCA
20 x 24VCC
1761-L32BWB 32 24 VCC 0 12 x relê 0 7W (24VCC)
sink/source
10 x 24VCC 2 x relê
1761-L16BBB 16 24 VCC 0 0 5W (24VCC)
sink/source 4 x 24 VCC source
20 x 24VCC 2 x relê
1761-L32BBB 32 24 VCC 0 0 7W (24VDC)
sink/source 10 x 24 VCC source
2 x (±10V) 1 x tensão/corrente 12W (120VCA)
1761-L20AWA-5A 20 120/240 VCA 12 x 120VCA 8 x relê
2 x (0-20 mA) (0-10V, 4-20 mA) 13W (240VCA)
12 x 24VCC 2 x (±10V) 1 x tensão/corrente 18W (120VCA)
1761-L20BWA-5A 20 120/240 VCA 8 x relê
sink/source 2 x (0-20 mA) (0-10V, 4-20 mA) 19W (240VCA)
12 x 24VCC 2 x (±10V) 1 x tensão/corrente
1761-L20BWB-5A 20 24 VCC 8 x relê 7W (24VCC)
sink/source 2 x (0-20 mA) (0-10V, 4-20 mA)

Publicação Origem Data Idioma CD


Referências
1761-IN001C-MU-P Rockwell Automation® Setembro/2007 PT 51
para consulta ®
1761-SO001A-PT-P Rockwell Automation Novembro/1999 PT 52

31
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.3 – MICROLOGIX 1100 (1763)


O MicroLogix 1100 é ideal para uma ampla variedade
de aplicações. É particularmente adequado para atender às
necessidades de aplicações SCADA RTU, onde a necessidade
e facilidade de comunicação sejam requeridas.
Com mais memória para registro de dados e receitas
que o MicroLogix 1500, o MicroLogix 1100 é ideal para
monitoração remota e para aplicações que exigem muita
memória, mas requerem E/S limitada.

7.3.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1100


• Permite expansão de E/S (até quatro módulos tipo 1762 de E/S, em qualquer combinação)
• Porta EtherNet/IP 10/100 Mbps incorporada (padrão RJ45);
• Funcionalidade de edição on-line;
• Servidor Web incorporado;
• RTC incorporado (Relógio de Tempo Real);
• Porta combinada RS-232/RS-485 e isoladas (Mini DIN de 8 pinos);
• Tela de LCD incorporada (interface simples para mensagens e entrada de bit/número inteiro);
• 2 potenciômetros digitais pela Tela de LCD;
• Um contador de alta velocidade de 20 kHz (nos controladores com entradas CC);
• Dois PTO/PWM de alta velocidade de 20 kHz (nos controladores com saidas CC);
• Duas entradas analógicas incorporadas (0-10 Vcc, resolução de 10 bits);
• Memória do programa do usuário com 4 K de palavras e memória e dados do usuário com 4 K;
• Até 128 K bytes para registro de dados e 64 K bytes para receitas.

7.3.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1100


ENTRADA POTÊNCIA
Nº CATÁLOGO I/O ALIMENTAÇAO ENTRADA DIGITAL SAÍDA DIGITAL
ANALÓGICA CONSUMIDA
2x
1763-L16AWA 16 120/240 VCA 10 x 120 VCA 6 x relê 46VA
0...10VCC
6 x 24VCC 2x
1763-L16BWA 16 120/240 VCA 6 x relê 52VA
4 X 24VCC (rápida) 0...10VCC
2 x relê
6 x 24VCC 2x
1763-L16BBB 16 24 VCC 2 x FET 24 VCC 35W
4 X 24VCC (rápida) 0...10VCC
2 x FET 24 VCC (rápida)
6 x 12/24VCC 2x
1761-L16DWD 16 12/24 VCC 6 x relê 35W
4 X 12/24VCC (rápida) 0...10VCC

Publicação Origem Data Idioma CD


®
Referências 1763-IN001C-MU-P Rockwell Automation setembro/2007 PT 53
para consulta 1763-PP001A-PT-P Rockwell Automation®
Julho/2005 PT 54
1763-SG001A-PT-P Rockwell Automation® agosto/2005 PT 55

32
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.4 – MICROLOGIX 1200 (1762)


Os controladores MicroLogix 1200 fornecem mais
capacidade de processamento e maior flexibilidade E/S
do que o MicroLogix 1000.
Disponível para versões de 24 e 40 pontos, o
número de E/S pode ser expandida usando módulos de
E/S sem racks. Isto resulta em amplos sistemas de
controle, maior flexibilidade do aplicativo e expansividade
a custos mais baixos.
Um sistema operacional instalado em Flash
EEPROM atualizável permite atualização do firmware,
sem ter que substituir hardware.

7.4.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1200


• Memória de 6K (4K de programa do usuário com 2K de Dados de usuário);
• Expansão E/S (até seis módulos tipos 1762);
• Quatro entradas de alta velocidade (controladores com entradas 24 VCC - 20 kHz);
• Uma saída de alta velocidade - 20 Khz PTO/PWM (controladores com saídas de 24VCC);
• Interrupção selecionada em função do tempo (STI);
• Instruções ASCII leitura / escrita;
• Dois potenciômetros de ajustes digitais incorporados;
• Suporte para arquivo de dados inteiros duplos e ponto flutuante;
• Recursos PID incorporados;
• Blocos de terminal removíveis em controladores de 40 pontos.

7.4.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1200


POTÊNCIA
Nº CATÁLOGO I/O ALIMENTAÇAO ENTRADA DIGITAL SAÍDA DIGITAL
CONSUMIDA
1762-L24AWA 24 120/240 VCA 14 x 120 VCA 10 x relê 68 VA

1762-L24BWA 24 120/240 VCA 14 x 24VCC sink/source 10 x relê 70 VA


5 x relê
1762-L24BXB 24 24 VCC 14 x 24VCC sink/source 27W
5 x FET 24VCC
1762-L40AWA 40 120/240 VCA 24 x 120VCA 16 x relê 80 VA

1762-L40BWA 40 120/240 VCA 24 x 24VCC sink/source 16 x relê 82 VA


8 x relê
1762-L40BXB 40 24 VCC 24 x 24VCC sink/source 40W
8 x FET 24VCC
Observação: Todos os modelos acima, com a letra R no final possuem 2 portas seriais RS-232.

Publicação Origem Data Idioma CD


®
1762-IN006E-MU-P Rockwell Automation Setembro/2007 PT 59
Referências
1762-UM001E-EN-P Rockwell Automation® Fevereiro/2006 EN 61
para consulta ®
1762-UM001B-ES-P Rockwell Automation Novembro/2000 ES 62
®
1762-RM001D-PT-P Rockwell Automation Outubro/2002 PT 45

33
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.5 – MICROLOGIX 1400 (1766)


O novo MicroLogix 1400 complementa a família
MicroLogix já existente de pequenos controladores lógicos
programáveis. Combina os recursos do MicroLogix 1100, como
EtherNet/IP, edição on-line e LCD incorporado, e proporciona
recursos avançados, como: maior contagem de E/S, Contador
de alta velocidade/PTO mais rápido e recursos avançados de
rede.

7.5.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1400


• Suporta até 7 módulos de expansão 1762 I/O para um total de 144 I/O;
• Memória de 10 Kb para programa do usuário e 10 Kb de memória de dados;
• Até 128 Kb para registro de dados e 64 Kb para receitas;
• Até 6 contadores rápidos incorporados de 100kHz;
• 4 entradas e 2 saídas analógicas de tensão incorporado;
• 2 portas seriais com suporte aos protocolos DF1/ DH485/Modbus RTU/DNP3/ASCII
• Porta EtherNet com Webserver e email;
• Display LCD integrado;
• Suporte a edição online.

7.5.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1400


ENTRADA SAÍDA POTÊNCIA
Nº CATÁLOGO I/O ALIMENTAÇAO ENTRADA DIGITAL SAÍDA DIGITAL
ANALÓGICA ANALÓGICA CONSUMIDA
12 x 24 VCC (rápida)
1766-L32BWA 32 120/240 VCA 12 x relê 120 VA
8 x 24 VCC

1766-L32AWA 32 120/240 VCA 20 x 120VCA 12 x relê 100 VA

6 x relê
12 x 24 VCC (rápida)
1766-L32BXB 32 24 VCC 3 x 24 VCC 7.5…53W
8 x 24 VCC
3 x 24 VCC (rápida)
12 x 24 VCC (rápida) 4x 2x
1766-L32BWAA 32 120/240 VCA 12 x relê 120 VA
8 x 24 VCC 0...10VCC 0...10VCC
4x 2x
1766-L32AWAA 32 120/240 VCA 20 x 120VCA 12 x relê 100 VA
0...10VCC 0...10VCC
6 x relê
12 x 24 VCC (rápida) 4x 2x
1766-L32BXBA 32 24 VCC 3 x 24 VCC 7.5…53W
8 x 24 VCC 0...10VCC 0...10VCC
3 x 24 VCC (rápida)

Publicação Origem Data Idioma CD


®
Referências 1766-IN001C-PT-P Rockwell Automation Outubro/2009 PT 64
para consulta 1766-PP001A-PT-P Rockwell Automation ®
Julho/2008 PT 65
1766-UM001-EN-P Rockwell Automation® Janeiro/2010 EN 66

34
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.6 – MICROLOGIX 1500 (1764)


É o controlador mais poderoso e expansível da
família MicroLogix. Geralmente é utilizado em
aplicações mais exigentes, onde no passado foram
exigidos controladores maiores e mais caros.
A arquitetura do MicroLogix 1500
caracteriza um projeto inovador de duas peças com
uma base pequena. O processador e unidades base
formam um controlador completo.
Módulos de Compact I/O 1769 expandem as
opções de E/S do controlador e fornece flexibilidade
adicional para cobrir uma grande variedade de
aplicações.
Este alto desempenho modular e plataforma
E/S sem racks fornecem acessibilidade frontal para
remoção e inserção. Blocos de terminais removíveis
diminuem o custo total do sistema, reduzindo o tempo
de montagem e manutenção.

7.6.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1500


• Opções de expansão E/S (até 16 módulos usando Compact I/O 1769);
• Chave para Executar/Remoto/Programa;
• Bateria para programa de usuário e dados;
• Oito entradas de alta velocidade - 20 kHz (para controladores com entradas 24VCC);
• Duas saídas de alta velocidade - 20 kHz (para controladores com saidas 24VCC);
• Bornes removíveis em todas as unidades base MicroLogix 1500 e módulos E/S permitem pré-fiação;
• Dois processadores disponíveis:
1764-LSP: Programa de usuário de 3.65K com 4K de dados de usuário;
1764-LRP: Programa de usuário de 10K com 4K de dados de usuário.

7.6.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1500


POTÊNCIA
Nº CATÁLOGO I/O ALIMENTAÇAO ENTRADA DIGITAL SAÍDA DIGITAL
CONSUMIDA
1764-L24BWA 24 120/240 VCA 12 x 24VCC sink/source 12 x relê 88 VA

1764-L24AWA 24 120/240 VCA 12 x 120 VCA 12 x relê 70 VA


6 x relê
1762-L28BXB 28 24 VCC 16 x 24VCC sink/source 30W
6 x FET 24VCC

Publicação Origem Data Idioma CD


®
1764-IN001B-MU-P Rockwell Automation Setembro/2007 PT 67
®
Referências 1764-SO001A-PT-P Rockwell Automation Dezembro/1999 PT 68
para consulta 1764-IN002A-ML-P Rockwell Automation® Fevereiro/2000 EN 69
®
1764-TD001A-EN-P Rockwell Automation Março/2002 EN 70
®
1764-UM001-EN-P Rockwell Automation Abril/2002 EN 71

35
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.7 - MÓDULOS DE EXPANSÃO DAS E/S


Com exceção do MicroLogix 1000, todos os outros modelos de Micrologix utilizam módulos para
expandir os pontos de E/S. Módulos discretos, analógicos e de funções especiais podem ser utilizados para
aumentar a capacidade de trabalho desses controladores.

7.7.1 - MÓDULOS DE EXPANSÃO DA FAMLIA 1762


Compatibilidade:
• MicroLogix 1100 (máx 4 módulos)
• MicroLogix 1200 (máx 6 módulos)
• MicroLogix 1400 (máx 7 módulos)

MÓDULOS DIGITAIS
ENTRADAS
CATÁLOGO
E/S QUAN TIPO ALIMENTAÇÃO MANUAL DO FABRICANTE

1762-IA8 E 8 - 120 VAC 1762-IN002A-PT-P
1762-IQ8 E 8 SINK/SOURCE 24 VDC 1762-IN004A-PT-P
1762-IQ16 E 16 SINK/SOURCE 24 VDC 1762-IN010A-EN-P
1762-IQ32T E 32 SINK/SOURCE 24 VDC 1762-IN019A-EN-P
SAÍDAS
1762-OA8 S 8 TRIAC 120/240 VAC 1762-IN007A-EN-P
1762-OB8 S 8 SOURCING 24 VDC 1762-IN008A-EN-P
1762-OB16 S 16 SOURCING 24 VDC 1762-IN011A-EN-P
1762-OB32T S 32 SOURCING 24 VDC 1762-IN020A-EN-P
1762-OV32T S 32 SINKING 24 VDC 1762-IN021A-EN-P
1762-OW8 S 8 RELÊ VAC / VDC 1762-IN003A-PT-P
1762-OW16 S 16 RELÊ VAC / VDC 1762-IN009A-EN-P
1762-OX6I S 6 RELÊ (ISOLADOS) VAC / VDC 1762-IN017B-EN-P
MÓDULO MISTO E/S
E=8 E-SINK/SOURCE E = 24 VDC
1762-IQ8OW6 E/S 1762-IN018A-EN-P
S=6 S - RELÊ S = VAC / VDC

MÓDULOS ANALÓGICOS
ENTRADAS
CATÁLOGO
E/S QUAN TENSÃO CORRENTE MANUAL DO FABRICANTE

1762-IF4 E 4 +/-10 Vcc 4-20 Ma 1762-IN012A-PT-P
SAÍDAS
1762-OF4 S 4 0-10 Vcc 4-20 Ma 1762-IN016B-EN-P
MÓDULO MISTO E/S
E= 2
1762-IF2OF2 E/S 0-10 Vcc 4-20 Ma 1762-IN005A-US-P
S= 2

MÓDULOS DE ENTRADAS PARA TEMPERATURA


CATÁLOGO Nº E/S QUAN TIPO DE ENTRADA MANUAL DO FABRICANTE
1762-UM003A-EN-P
1762-IR4 E 4 Resistência (RTD)
1762-IN014A-EN-P
1762-UM002A-EN-P
1762-IT4 E 4 Termopar (mV)
1762-IN013A-EN-P

36
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.7.2 - MÓDULOS DE EXPANSÃO DA FAMLIA 1769


Compatibilidade:
• MicroLogix 1500 (máx 16 módulos)
• CompactLogix

MÓDULOS DIGITAIS
ENTRADAS
CATÁLOGO Nº E/S QUAN TIPO ALIMENTAÇÃO MANUAL DO FABRICANTE
1769-IA16 E 16 100/120 VAC 1769-IN006B-EN-P
1769-IA8I E 8 100/120 VAC 1769-IN012B-EN-P
1769-IM12 E 12 200/240 VAC 1769-IN011B-EN-P
1769-IQ16 E 16 SINK/SOURCE 24 VDC 1769-IN007B-EN-P
SINK/SOURCE
1769-IQ16F E 16 24 VDC 1769-IN064A-EN-P
(Alta velocidade)
1769-IQ32 E 32 SINK/SOURCE 24 VDC 1769-IN032A-EN-P
1769-IQ32T E 32 SINK/SOURCE 24 VDC 1769-IN072A-EN-P
SAÍDAS
1769-OA8 S 8 120/240 VAC 1769-IN055A-EN-P
1769-OA16 S 16 120/240 VAC 1769-IN061A-EN-P
1769-OB8 S 8 SOURCING 24 VDC 1769-IN063A-EN-P
1769-OB16 S 16 SOURCING 24 VDC 1769-IN054A-EN-P
1769-OB16P S 16 SOURCING 24 VDC 1769-IN004A-US-P
1769-OB32 S 32 SOURCING 24 VDC 1769-IN031A-EN-P
1769-OV16 S 16 SINKING 24 VDC 1769-IN010B-EN-P
1769-OB32T S 32 SINKING 24 VDC 1769-IN080A-EN-P
1769-OW8 S 8 RELÊ VAC/VDC 1769-IN051A-EN-P
1769-OW8I S 8 RELÊ (isolado) VAC/VDC 1769-IN053A-EN-P
1769-OW16 S 16 RELÊ VAC/VDC 1769-IN062A-EN-P
MÓDULO MISTO E/S
E=6 E-SINK/SOURCE E = 24 VDC
1769-IQ6XOW4 E/S 1769-IN050A-EN-P
S=4 S - RELÊ S = VAC / VDC

37
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

MÓDULOS ANALÓGICOS
ENTRADAS
CATÁLOGO Nº E/S QUAN Tensão Corrente MANUAL DO FABRICANTE
0 a 10 Vcc
±10 Vcc 0 a 20 mA 1769-IN048A-EN-P
1769-IF4 E 4
0 a 5 Vcc 4 a 20 mA 1769-UM002B-EN-P
1 a 5 Vcc
0 a 10 Vcc
±10 Vcc 0 a 20 mA 1769-IN067B-EN-P
1769-IF8 E 8
0 a 5 Vcc 4 a 20 mA 1769-UM002B-EN-P
1 a 5 Vcc
0 a 10 Vcc
4 ±10 Vcc 0 a 20 mA 1769-IN074B-EN-P
1769-IF4I E
(Isoladas) 0 a 5 Vcc 4 a 20 mA 1769-UM014B-EN-P
1 a 5 Vcc
SAÍDAS
0 a 10 Vcc
±10 Vcc 0 a 20 mA 1769-IN049A-EN-P
1769-OF2 S 2
0 a 5 Vcc 4 a 20 mA 1769-UM002B-EN-P
1 a 5 Vcc
4 0 a 20 mA 1769-IN075A-EN-P
1769-OF4CI S -
(Isoladas) 4 a 20 mA 1769-UM014B-EN-P
0 a 20 mA 1769-IN065C-EN-P
1769-OF8C S 8 -
4 a 20 mA 1769-UM002B-EN-P
0 a 10 Vcc
4 ±10 Vcc 1769-IN076A-EN-P
1769-OF4VI S -
(Isoladas) 0 a 5 Vcc 1769-UM014B-EN-P
1 a 5 Vcc
0 a 10 Vcc
±10 Vcc 1769-IN066D-EN-P
1769-OF8V S 8 -
0 a 5 Vcc 1769-UM002B-EN-P
1 a 5 Vcc
MÓDULO MISTO E/S
0 a 10 Vcc
E=4 ±10 Vcc 0 a 20 mA 1769-IN057A-EN-P
1769-IF4XOF2 E/S
S=2 0 a 5 Vcc 4 a 20 mA 1769-UM008A-EN-P
1 a 5 Vcc

MÓDULOS DE ENTRADAS PARA TEMPERATURA


CATÁLOGO Nº E/S QUAN TIPO DE ENTRADA MANUAL DO FABRICANTE
1769-IN027A-EN-P
1769-IR6 E 6 Resistência (RTD)
1769-UM005A-EN-P
1769-IN026B-EN-P
1769-IT6 E 6 Termopar (mV)
1769-UM004A-EN-P

38
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.8 - QUADRO COMPARATIVO DAS SÉRIES MICROLOGIX 1000


Cód. Catálogo 1761 1763 1762 1766 1764
Tipo MicroLogix 1000 MicroLogix 1100 MicroLogix 1200 MicroLogix 1400 MicroLogix 1500
Memória
Programa do Usuário / 4K / 4K 4K / 2K 10K / 10K LSP- 3,6K/4K
1K
Espaço de dados configurável configurável configurável LRP- 10K/4K
LSP- Receitas
Registro de dados / Registro até 128K Registro até 128K
- - memória de usuário
Armazenamento de Receitas Receitas até 64K Receitas até 64K
LRP- 48K
Backup de EEPROM - - √ - -
Backup de bateria - √ - √ √
Somente por meio
Módulo de memória de Backup de programador √ √ √ √
portátil
E/S Discreta
Incorporada Até 32 16 Até 40 32 Até 28
Máximo com expansão local - 80 136 144 240
Até 4 Até 6 Até 7 Até 16
Módulos de Expansão -
(tipo 1762) (tipo 1762) (tipo 1762) (1769 Compact IO)
E/S distribuída - - - - Usando 1769 SDN
Funcionalidade Adicional
2 incorporadas 2 incorporadas
E/S Analógico 5 incorporadas Até 24 expansões Até 128 expansões
Até 16 expansões Até 28 expansões
Potenciômetros - 2 digitais 2 2 digitais 2
PID - √ √ √ √
Contador de Alta velocidade
1 a 6,6 Khz 1 a 40 Khz 1 a 20 Khz Até 6 a 100 Khz 2 a 20 Khz
(entradas de 24Vcc)
Relógio em Tempo Real (RTC) - Incorporado opcional Incorporado opcional
Posicionamento simples 1 a 40Khz (PWM)
2 a 40Khz 1 a 20Khz 2 a 20Khz
Modulação largura de pulso (PWM) - 1 a 100Khz (PTO)
(saída FET CC) (saída FET CC) (saída FET CC)
Trem de pulso de saída (PTO) (saída FET CC)
IHM Local - Display LCD - Display LCD -
Matemática de ponto flutuante - √ √ √ √
Software de Programação
RSLogix 500 e RSLogix 500 micro √ √ √ √ √
Comunicações
Edição on-line - √ - √ -
LSP:
1- MiniDim 8 pin
1- MiniDim 8 pin 1- MiniDim 8 pin 1- MiniDim 8 pin
Portas RS-232 1- MiniDim 8 pin LRP:
(RS232/RS485) 1-MiniDim 8 (R) 1- DB9 9 pin
1- MiniDim 8 pin
1- DB9 9 pin
Compartilhada com Compartilhada com
Porta RS-485 - - -
A RS-232 A RS-232 8 pin
Ethernet
DH 485 - Incorporada - Incorporada -
DF1 half-duplex
Somente escravo √ √ √ √
Mestre/escravo / modem de rádio
Modbus RTU - Mestre/escravo Mestre/escravo Mestre/escravo Mestre/escravo
ASCII - √ √ √ √
Fonte de alimentação extra (USO SOMENTE PARA ENTRADAS)
L24 – 250 mA
Modelos BWA - 24 Vcc 200 mA 250 mA 250 mA 400 mA
L40 – 400 mA

39
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

7.9 - COMUNICAÇÃO SERIAL DOS MICROLOGIX


Os seguintes protocolos são suportados por todos modelos de MicroLogix, através do canal de
comunicação RS-232:
• DF1 Full-Duplex
• DF1 Half-Duplex Escravo
• DH-485

7.9.1 - PROTOCOLO DF1 FULL-DUPLEX


O protocolo DF1 Full-Duplex (também conhecido como protocolo ponto-a-ponto DF1), permite que o
MicroLogix se comunique diretamente com outros dispositivos, como um computador pessoal ou a uma
interface de operação (IHM). Quando o driver a ser utilizado for o DF1 Full-Duplex, os seguintes parâmetros
poderão ser alterados:

DF1 Full-Duplex é o protocolo mais utilizado para programação dos MicroLogix, como veremos mais
adiante.

7.9.2 - PROTOCOLO DF1 HALF-DUPLEX


Os controladores MicroLogix também suportam comunicações do Escravo DF1 Half-Duplex para uso
em sistemas SCADA, como uma Unidade de Terminal Remoto (RTU). Este protocolo aberto de rede permite
que os controladores MicroLogix se comuniquem como nós emissores (escravo) em redes mestre/escravo DF,
que suportam até 254 dispositivos.

7.9.3 - PROTOCOLO DH485


A capacidade de comunicação multiponto da DH485 permite que você conecte até 32 controladores
em rede MicroLogix ou SLC 500, dispositivos para Interface de Operação e Programação (IHM) e/ou
computadores pessoais, usando envio de mensagens ponto-a-ponto.
O protocolo DH-485 define a comunicação entre vários dispositivos que coexistem em um único par de
fios. O protocolo DH-485 utiliza o RS-485 Half-Duplex como sua interface física. (o RS-485 é uma definição de
características elétricas; ele não é um protocolo.) O RS-485 utiliza dispositivos que são capazes de coexistir
em um circuito de dados comum, permitindo, assim, que os dados sejam facilmente compartilhados entre os
dispositivos.

40
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

8 - TUTORIAL COMUNICANDO O PC COM O MICROLOGIX


Objetivo: Mostrar a conexão física e a configurações de softwares necessárias para estabelecer a
comunicação entre o Microcomputador PC e o CLP MicroLogix através da RS-232
Recursos: Hardware
01 Microcomputador IBM PC, com porta serial RS-232
®
01 CLP Micrologix 1XXX (Rockwell Automation )
®
01 Cabo de Programação 1761-CBL-PM02 (Rockwell Automation )
Software
®
Windows XP
® ®
RSlinx (Lite ou Classic) (Rockwell Automation )

8.1 - CONECTANDO O MICROLOGIX A UM MICROCOMPUTADOR PC


A forma mais usual, e mais simples para conectar um microcomputador PC, que servirá de “Terminal
de programação” dos CLPs MicroLogix é através da porta serial RS-232.

A conexão PC-MicroLogix é feita através do cabo de


programação 1761-CBL-PM02, construído pelo mesmo
fabricante do MicroLogix, e tem seu aspecto físico e pinagem
mostrada na figura ao lado.
A conexão na porta serial do microcomputador PC é
feita através do conector DB-9 (9 pinos fêmea) e do lado do
micrologix a conexão é através do conector Mini Din (8 pinos
macho).

Um cuidado especial deve ser tomado ao encaixar o


conector do Min Din de 8 pinos no canal serial do MicroLogix.
Esses pinos são frágeis e podem ser danificados, podendo
inutilizar o cabo de programação.
Cabo de Programação 1761-CBL-PM02

8.2 – IDENTIFICANDO E CONFIGURANDO A PORTA RS-232 DO MICROCOMPUTADOR PC

®,
No Windows as portas de comunicações RS-232 são
identificadas como “portas COM”. E são numeradas de acordo com
o canal de comunicação ocupada por elas, ex: COM1, COM2,..

Para identificar qual(is) porta(s) COM estão instaladas


®
temos que abrir o “Gerenciador de dispositivos” do Windows ,
conforme mostra a figura ao lado, no item Portas(COM & LPT) e
verificar qual(is) porta(s) estão presentes e funcionando.
No nosso caso a porta COM1 é a única presente e será
utilizada para comunicar com o CLP MicroLogix.

Dando um duplo-clique sobre a porta COM1 a janela de


propriedades da porta selecionada será aberta, onde estão
disponíveis suas configurações .

41
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Essa etapa de configuração não é estritamente necessária,


pois o software responsável por efetuar a comunicação entre o PC
®
e o CLP MicroLogix (RsLinx ) é auto-configurável.

Porém estamos mostrando essa tela para que, em caso de


problemas de comunicação, possamos ter uma referência da
configuração atual da porta COM que estamos utilizando.

Mas para uma grande maioria de dispositivos que fazem


uso das portas seriais, estas configurações são imprescindíveis, e
caso não ajustadas corretamente, não conseguem estabelecer a
comunicação entre os dispositivos.

®
8.3 – O RSLINX
®
O RSLinx é um pacote de software, que incluem drivers para comunicação entre os dispositivos da
® ®
Allen-Bradley e os softwares de programação da Rockwell Automation .
® ®
O RSLinx também conecta IHMs, softwares de supervisão, aplicativos Windows e tem outras
funcionalidades como OPC Data Access.
®
Para saber mais sobre o RSLinx , consulte a publicação indicada como referência para consulta.

Referência Publicação Origem Data Idioma CD


para consulta LINX-GR001A-PT-E ®
Rockwell Automation Dezembro/2008 PT 46

®
Para a família MicroLogix e a família SLC500, o RSLinx efetua a comunicação entre estes CLPs e o
®
software de programação RSLogix 500 , como mostra a figura abaixo:

42
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

®
8.3.1 – INICIALIZANDO O RSLINX
®
Na grande maioria das vezes, o RSLinx é
®
inicializado juntamente com o Windows . Mas caso
isso não ocorra, ele pode ser encontrado e
®
inicializado manualmente no menu do Windows , na
®
pasta Rockwell , como mostrado ao lado.

®
Já inicializado, o RSLinx fica executando como um
®
serviço Windows (sem apresentar janela na barra de
ferramentas) e com um ícone ativo na bandeja, como visto na
figura ao lado.

®
8.3.2 – ENCERRANDO O RSLINX
®
Quando o RSLinx está ativo ele utiliza a porta COM
selecionada e impede que outros softwares façam uso da
mesma. Em muitos casos quando precisamos utilizar a porta
®
COM, temos que encerrar o RSLinx para que ela seja liberada.
Isso pode ser feito clicando com o botão direito do mouse
®
sobre o ícone do RSLinx na bandeja e selecionando a opção
“Shuntdown RSLinx”.

®
8.3.3 – A JANELA PRINCIPAL DO RSLINX
® ®
Para abrir a janela principal do RSLinx , basta dar um clique sobre o ícone do RSLinx na bandeja.

®
O RSLinx possui uma grande variedade de opções de comunicações para atender as necessidades
®
de toda linha industrial da Rockwell Automation . No nosso caso, como estaremos estabelecendo apenas um
tipo de comunicação com a família Micrologix, vamos nos concentrar somente nas configurações necessárias
para essa finalidade.

43
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

®
8.3.4 – CONFIGURANDO A COMUNICAÇÀO ENTRE RSLINX E O MICROLOGIX
1º Passo: Abrindo a janela Configure Drivers
®
Para abrir a janela onde estão localizados os drivers de comunicação do RSLinx , podemos utilizar o
botão Configure Drivers na barra de ferramentas ou selecionar a opção Configure Drivers no menu
®
Communications na janela principal do RSLinx .

Botão Configure Drivers na barra de ferramentas Menu Comunications, Configure Drivers

2º Passo: Selecionando o Driver


Clicando na lista Available Driver
Types, vamos selecionar o driver RS-232
DF1 devices, que é o driver próprio para
conectar o MicroLogix através da porta
serial, utilizando o protocolo DF1. A janela
a seguir mostra a seleção do driver.

3º Passo: Nomeando o Driver


Após selecionar o driver, clicar no
botão Add New inseri-lo na lista de drivers
®
ativos. O RSLinx pode gerenciar vários
drivers simultaneamente, conectados a
diversos dispositivos diferentes.
Um nome deve ser dado (máx 15
caracteres) ao novo driver. Pode-se
escolher o nome baseado no tipo e/ou
localização do equipamento que será
conectado. Caso não queira alterar, o
®
RSLinx sugere um nome padrão.

Ao clicar em OK, a janela de configuração do driver inserido é aberta automaticamente.

44
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

4º Passo: Configurando o Driver


A configuração do driver pode ser feita
manualmente ou ser auto-configurada pelo próprio
®
RSLinx .

CONFIGURAÇÃO MANUAL DO DRIVER


Mostraremos inicialmente a configuração
manual para conhecer todos os parâmetros
envolvidos na comunicação serial e no protocolo DF1
que iremos utilizar.

Na janela ao lado podemos verificar os


parâmetros que devem ser configurados. A seguir
vamos comentar cada um deles a fim de entender o
significado e função dos mesmos.

Comm Port:
Selecione a porta COM do microcomputador que será utilizada
para comunicar. As opções dependem das portas seriais que estiverem
instaladas no microcomputador.

Device:
Selecione o dispositivo para comunicação (CLP, IHM e outros).
A opção SLC-CH0/Micro/PanelView deverá ser escolhida para
os seguintes dispositivos:
• SLC500
• Micrologix
• PanelView

Baud Rate:
Selecione a taxa de transmissão da porta serial, que deve ser a
mesma configurada internamente do CLP. Para o MicroLogix a taxa
padrão é 19200 bps.

Parity:
O bit de paridade auxilia na detecção de erros na comunicação
serial. Mas nem sempre é utilizada. Para o MicroLogix a configuração
padrão é None (nenhuma).

45
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Stop Bits:
Seleciona o bit de sinalização de fim de dados da RS-232. Para o
MicroLogix a configuração padrão é 1 (um).

Station Number (octal):


Quando a conexão for estabelecida, a conexão recebe um
número dentro da rede DF1. O padrão é 00 (em octal).

Erro Checking:
Tipo de checagem de erro do protocolo DF1. Deve ser a mesma
do CLP. Para o MicroLogix o padrão de fábrica é CRC.

Protocol:
Selecione Tipo de protocolo DF1. Para programação é “FULL
DUPLEX”.

Use Modem Dialer:


Usado apenas para comunicação via modem. No nosso caso de
comunicação direta pela porta serial, este item deve permanecer
desmarcado.

Clicando no botão OK a configuração será salva e a janela Configure Drivers será fechada e o driver já
estará sendo executado e provavelmente já com a comunicação estabelecida. Adiante, no item RSWho
veremos como checar se a configuração foi bem sucedida.

AUTO CONFIGURAÇÃO DO DRIVER


®
O RSLinx tem a funcionalidade de auto-configurar os
parâmetros do driver de acordo com os parâmetros do CLP que estiver
conectado na porta serial. O Botão Auto-Configure executa uma
varredura na porta serial para encontrar os parâmetros corretos de
comunicação automaticamente.

Porém, dois destes parâmetros devem ser


®
ajustados manualmente, caso contrário, o RSLinx não
conseguirá fazer a varredura e ajustar o restante dos
parâmetros de forma automática.

• A porta COM deve ser selecionada para que o


®
RSLinx saiba onde executar a varredura.

• O protocolo deve ser “Full Duplex”.

Selecionada a porta e o protocolo, ao clicar no


®
botão Auto-Configure, o RSLinx irá iniciar a auto
configuração dos parâmetros.

46
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Um quadro ao lado do botão Auto-Configure mostra o status ou o resultado da auto-configuração.


®
Quando o RSLinx tiver dificuldade
para detecção dos parâmetros, no quadro
será mostrada os testes em andamento.

®
Ao terminar a varredura, o RSLinx
ajusta automaticamente os parâmetros,
mostrando no quadro a mensagem:

Auto Configuration Successfull! Indica que a configuração foi executada com sucesso.
®
Quando o RSLinx não consegue
estabelecer conexão com o CLP, ou não
consegue ajustar os parâmetros para
configurar a comunicação, uma mensagem
de erro é mostrada no quadro.

Esse erro é comum quando a ligação física entre o CLP e a porta serial do microcomputador não está
correta, sendo então necessário refazer todos os procedimentos de conexão física e checagem da porta COM.

Terminada a configuração e
clicando no botão OK, de volta na janela
Configure Drivers, verificamos na coluna
Status que o driver já estará sendo
executado (Running).

Clicando sobre a linha com o


nome e descrição do driver, os botões
laterais serão habilitados, onde temos as
seguintes opções:

Abre novamente a janela Configure Drivers, para uma eventual modificação nos parâmetros de
configuração do driver.
® ®
Abre a janela RSLinx Driver Startup Mode, para configurar como o Rslinx será iniciado.

® ®
Automatic = O RSLinx será iniciado com o Windows .
®
Manual = O RSLinx deverá ser iniciado manualmente.
On Demand = Somente em caso especiais (vide help)
®
Disabled = O Rslinx será desabilitado.

Inicia a comunicação com o CLP. Na coluna Status da lista de drivers a palavra Running
indica que o driver está ativo.
Paraliza a comunicação com o CLP. Na coluna Status da lista de drivers a palavra Stopped
indica que o driver foi parado.

Apaga da lista de drivers o driver selecionando.

47
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

5º Passo: Verificando a conexão e os dispositivos online na janela RSWho


®
O RSWho é a janela principal do RSLinx e exibe redes e dispositivos em um estilo semelhante ao do
Windows Explorer. A janela RSWho pode ser aberta das seguintes formas:

Botão RSWho na barra de ferramentas Menu Comunications, RSWho

O painel esquerdo do RSWho é um controle tipo árvore e mostra as redes e dispositivos. O painel
direito é o controle da lista e mostra todos os membros de rede (ou uma coleção).

O ícone RSWho indica uma rede. Se este ícone estiver animado, a rede está sendo detectada.
Se a rede ou o dispositivo estiver resumido (indicado pelo sinal +), clique em + ou clique duas vezes no
ícone da rede ou do dispositivo ao lado de +, para expandir a exibição e começar a navegação.
Se a rede ou o dispositivo estiver expandido (indicado pelo sinal –), clique em – ou clique duas vezes
no ícone da rede ou do dispositivo ao lado de –, para resumir a exibição.

Quando a caixa de seleção Autobrowse está ativada, o RSWho detecta continuamente o dispositivo
ou rede selecionada (sem considerar se a seleção está ou não expandida ou resumida).
Quando a caixa de seleção Autobrowse está desmarcada, o botão Refresh fica ativo. Clicar em
Refresh instrui o RSWho a executar um ciclo de detecção do dispositivo ou rede selecionada. Como o botão
Refresh executa apenas um ciclo de detecção, talvez seja necessário clicar várias vezes em para detectar algo
na rede.

48
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Observação:
Um dispositivo exibido com X vermelho indica que o RSWho reconheceu anteriormente esse
dispositivo, mas agora não consegue fazê-lo. O X vermelho indica status de erro de comunicação, como
dispositivo reconhecido desconectado.

®
Com o Rslinx configurado e comunicando com o MicroLogix, podemos seguir para o próximo tutorial
®
que trata do software de programação da família dos Micrologix e SLC500, o RSLogix 500 .

®
9 – CONHECENDO O RSLOGIX 500

®
Para abrir o RSLogix 500 utilize a
barra de menu do Windows, na guia Rockwell
Software, RSLogix 500 English.

Caso o ícone do atalho para o


®
RSLogix 500 estiver na área de trabalho, o
mesmo também pode ser utilizado.

49
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

®
9.1 – A INTERFACE DO RSLOGIX 500
®
O software RSLogix 500 é um programa desenvolvido pela Rockwell Software para editar programas
de aplicação dos CLPs da família SLC-500 e MicroLogix. Através dele é possível:
• Criar novos programas offline ou online.
• Enviar programas para o CLP (download).
• Ler programas do CLP (upload).
• Editar programas offline ou online.
• Imprimir programas.
• Forçar estados ON/OFF nas E/S (Force).
• Monitorar estados de programa online, verificando e/ou alterando parâmetros.
®
O RSLogix 500 possui todos os recursos disponíveis de um software padrão Windows (barras de
®
título, ferramentas, status, help, etc..). A seguir, pode-se verificar a apresentação do RSLogix 500 .

50
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

As barras de ferramentas e janelas podem ser exibidas


e/ou ocultadas através do menu View.
Pode-se utilizar também as teclas de atalho indicadas ao
lado das opções do menu.

9.1.1 – BARRA DE TÍTULO


Mostrar o nome do programa, o nome do projeto aberto e
®
os botões de controle da janela principal do RSLogix 500 .

9.1.2 – BARRA DE MENU


No menu são acessados os comandos do programa. Ao
longo do curso estaremos utilizando as principais opções do
menu para montar nossos projetos práticos.

9.1.3 – BARRA DE ÍCONES (FERRAMENTAS)


®
Junto dos comandos padrões do Windows, a barra de ferramentas possui funções específicos do RSLogix 500 .

9.1.4 – BARRA ONLINE


A barra online exibe informações e permite acesso a
funções importantes referente aos seguintes itens do CLP.
• Modo operacional do CLP
• Estado do Programa de usuário
• Driver utilizado para comunicação
• Existência de E/S forçadas no CLP
• Habilitação/desabilitação de Forces de E/S
• Identificação do Nó do CLP na rede
• Globo animado para indicação de Online/Offline

9.1.4.1 – MODO DE OPERAÇÃO


Esta caixa de lista suspensa indica se você está offline ou online, sendo o estado atual sempre visível
neste campo. Também permite fazer upload ou download do projeto.
Quando estiver offline, a lista suspensa apresenta as seguintes opções:
Go Online – Coloca o CLP em online (novas opções irão aparecer na lista suspensa).
®
Download... – Abre a janela para transferir o projeto do RSLogix 500 para o CLP.
®
Upload... – Abre a janela para transferir o projeto do CLP para o RSLogix 500 .

Quando estiver online, permite a seleção do estado operacional do CLP, apresentando as opções:

51
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Go Offline – Coloca o CLP em offline (as opções voltam como mostrado acima).
®
Download... – Abre a janela para transferir o projeto do RSLogix 500 para o CLP.
®
Upload... – Abre a janela para transferir o projeto do CLP para o RSLogix 500 .
Program – Coloca o CLP no modo operacional REMOTE PROGRAM. Neste caso o CLP
continua online, mas não executa o programa o programa do usuário.
Run – Coloca o CLP no modo operacional REMOTE RUN. Neste caso o CLP continua
online e executa o programa do usuário.
Test Continuous – Executa o programa com scan contínuo, mas não aciona as saídas.
Teste single... – Executa apenas 01 ciclo de scan, mas não aciona as saídas.

Se estiver online e o CLP entrar em falha, duas opções relativas ao erro serão listadas.
Goto Error – Abre o arquivo de erro do CLP (S2 – Status) para determinar a causa do erro.
Clear Fault – Limpa o erro no arquivo de status e coloca o CLP em modo Remote Program.

As opções da barra online também estão disponíveis no


menu Comms, mostrado na figura ao lado.

9.1.4.2 – CAMPO EDIÇÕES


Este campo de somente leitura em modo online, informa sobre a existência ou não de edições no
programa do usuário.
Quando este campo exibir a descrição No Edits, indica que não há edição online
no programa do usuário.

Quando este campo exibir a descrição Edits Exist, indica que está havendo uma
edição online no programa do usuário. Clicando sobre o campo, o mesmo exibe as opções
de cancelar ou testar a edição online em andamento.

9.1.4.3 – DRIVER UTILIZADO


®
Aqui exibe o driver atual utilizado para comunicação entre o RSLogix 500 e o CLP.

9.1.4.4 – CAMPO FORCES


®
Um dos excelentes recursos dos CLPs da Allen-Bradley é o Force, que é a possibilidade do usuário
poder “Forçar” um estado (on / off) em determinados pontos das E/S digitais do CLP. Essas E/S permanecem
no estado em que foram “forçadas” até que o usuário remova essa condição.
O campo Forces é de somente leitura e em online exibe se há a existência de pontos “forçados”no
programa de usuário.

No Forces – Indica que nenhum ponto de E/S está sendo forçado.

Forces Installed – Indica que existem pontos de E/S sendo forçados.


Clicando-se no campo forces, a opção de remover os pontos forçados será exibida.

52
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Efetuar um Force em uma entrada digital afeta: Efetuar um Force em uma saída digital afeta:
• Tabela de forces de entrada; • Somente o circuito de saída.
• Arquivo de dados de entrada; O Force de saída não afeta o arquivo de dados
• Lógica do programa do usuário. de saída nem a lógica do programa.

Importante
Os MicroLogix e os SLC500 possuem um LED indicador de Force, para que o técnico visualize caso
haja algum ponto de E/S sendo “forçado” no programa de usuário. Isso facilita muito os procedimentos de
manutenção e reforça a integridade e segurança dos sistemas automatizados.

9.1.4.5 – CAMPO ENABLE/DISABLE FORCES


Este campo de somente leitura informa se o recurso de Force está habilitado /
Desabilitado, podendo ser utilizado ou não quando estiver online.

9.1.4.6 – NÓ DA REDE
Indica o número do nó do CLP na rede de comunicação selecionada. Uma letra
minúscula após o número indica o sistema de numeração do Nó. Pode ser octal (“o”) ou
decimal (“d”).

9.1.4.7 – GLOBO
O ícone do globo estará girando quanto estiver on-line. Quando estiver offline o
globo estará estacionário.

9.1.5 – ÁRVORE DE PROJETO


No CLP todas as informações são armazenadas na forma de arquivos. O conjunto completo
desses arquivos é denominado de Projeto. O RSLogix 500® é baseado em projetos.
A Árvore de Projetos mostra as informações do
projeto dentro de pastas, organizadas de acordo com a
função especifica de cada arquivo.
Porém, quando gravados em um
microcomputador, esses arquivos são “unidos” e salvos
com a extensão .RSS, com o ícone mostrado.

Clicando nos sinais + e – do lado esquerdo das


pastas, o conteúdo pode ser ocultado e/ou expandido.
A seguir vamos descrever as funções das pastas e
arquivos que são utilizados em todos os projetos do RSLogix
®
500 .

9.1.5.1 – PROJECT
É a pasta raiz que com todos os arquivos do projeto.

9.1.5.2 – HELP
®
São os arquivos de ajuda interna do RSLogix 500 .

53
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.5.3 – CONTROLLER
Contém todos os arquivos de configuração do CLP.
Tudo que se refere a configuração, status e comunicação
está contida nesta pasta, como veremos a seguir:

Propriedades do Controlador
Contém as janelas para configuração do tipo de CLP e da comunicação a ser utilizada.
Na Guia General é feita a escolha do tipo da Cpu a
ser utilizada (Processor Type) e um nome para o mesmo
(Processor Name).
Também nesta guia são mostradas algumas
informações sobre os arquivos de programa e de dados, bem
como a quantidade de memória de usuário já utilizada.

A guia Copiler exibe a opção Allow Future Access,


que controla o acesso ao projeto carregado no CLP.
Este recurso impede alterações não autorizadas,
exigindo que o programa do dispositivo de programação seja
o mesmo que o carregado no CLP.
Quando a caixa Allow Future Access estiver
marcada, o acesso a outros programadores estará liberado.
Para ativar a proteção, desmarque a caixa Allow
Future Access. Sem o projeto original, ao tentar abrir o
programa carregado no CLP será exibida a mensagem:

A Guia Password mostra os campos de senha para


proteção contra o acesso, cópia e/ou alteração do programa
do usuário. Quando protegido, qualquer acesso ao programa
será solicitado a senha.

CUIDADO
Em caso de perda da senha, é importante uma cópia
de Backup para recuperação do programa de usuário.

Na guia Controller Communications é feita à


escolha do driver de comunicação.
O Driver e o Nó (Processor Node) deve ser o
®
mesmo utilizado pelo RSLinx .
Em caso de dúvida utilize o botão Who Active para
®
abrir a janela RSWho do RSLinx .

54
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Status do Controlador (Arquivo S2)


O arquivo de status permite que você monitore o estado operacional do CLP e demais informações
importantes de hardware e software do projeto. Através dele o CLP informa todas as configurações do projeto
e as informações relativas ao funcionamento do mesmo, como veremos:
Os campos que aparecem em cinza são de somente leitura. Os campos em branco são de leitura /
escrita. Mas atenção, essas informações são raramente escrita pelo programa do usuário ou dispositivo de
programação (a menos que você deseja redefinir ou apagar uma função).
Se você necessitar escrever dados no arquivo de status, certifique-se primeiro que tem domínio para
isso, pois poderá causar mal funcionamento do CLP. A seguir veremos nas guias disponíveis as informações
sobre o status do projeto.

Na guia Main (principal) são vistas as informações:


Processor mode: S:1/0-S:1/4
Mostra o estado operacional do CLP
Powerup Go To Run: S1/12
Ativado quando o CLP for energizado. Depois volta a zero.
A
First Pass (Primeiro scan): S:1/15
Ativo somente no primeiro ciclo de scan.
A
Free Running Clock: S:4 (Palavra de 16 bits)
No modo Remote REM é zerada (não roda o programa do usuário).
A
Online Edits: S:33/11 – S:33/12 (somente ML1100 ou ML1400)
Exibe o status de qualquer edições online.

Na guia Proc (processador) são vistas as


informações da CPU configurada no projeto.
Os dados do firmware instalado na CPU também são
exibidos.

Na guia Scan Times, são exibidos os tempos de:


Máximo [x100 µSeg]: S:22
Indica o intervalo máximo ocorrido entre os ciclos do programa.

Watchdog [x10ms] S:3 (byte mais alto)


Configura o tempo do WatchDog. O valor padrão é 10 (100 mSeg).

Last 100 µSeg Scan Time: S:35


Mostra o último tempo de varredura (scan).

Scan Toggle Bit: S:33/9


Alterna esse bit a cada ciclo de scan.

Na guia Math são exibidas as informações das


operações matemáticas e os bits de erros de operação.

55
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Na guia Chan 0 são exibidas as informações


relativas ao canal configurado para comunicação com o CLP.

Na guia Debug são exibidas as informações de


status para depuração do programa (pouco documentadas).

Na guia Errors são exibidas as informações sobre


origem de erros.

Fault Routine (S:29) : Rotina em que o erro ocorreu.


Error Description : Explicação do erro ocorrido.

No botão Clear Major Error pode-se resetar os bits


de erros para solucionar a origem do erro e colocar o
programa novamente em execução.

Na guia Protection são exibidas as informações as


proteções de acesso e dados.

Deny Future Access S: 1/14


Mostra se a proteção de acesso está ativada /desativada.
Essa proteção é configurada na guia Copile (Allow Future
Access), nas Propriedades do Controlador.

Data File Overwrite Protection Lost S: 10/36


Quando setado, este bit indica que o projeto possui arquivo
de dados protegidos. Este bit não é limpo pelo processador.

Na guia Mem Module são exibidas informações de


status da memória. Aqui aparecem também outras
informações já exibidas em outras guias.

56
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Na guia Forces são exibidas as informações se o


recusro de Force está habilitado/desabilitado e também se
existem pontos de E/S forçados no programa de usuário.

São as mesmas informações da barra online. Porém


esses bits podem fazer parte do programa de usuário, para
indicar a existência de pontos forçados.

Arquivos de Funções
Contém as configurações e informações das funções
especiais suportadas pelo CLP, tais como:
• HSC – Contadores de alta velocidade
• PTO – Saídas de Pulsos
• PWM – Modulação por largura de pulsos
• STI – Interrupção programadas por tempo
• RTC – Relógio em tempo real
• EII – Evento de interrupção pelas entradas
• LCD – Configuração do LCD (ML 1100 e 1400)
• MMI – Diagnóstico do Módulo de memória
• CSO – Diagnóstico do Canal 0 de comunicação
• ES – Diagnóstico do Canal de Ethernet
• IOS – Diagnóstico dos módulos de expansão

Configuração dos Cartões de E/S


Na janela I/O Configuration é feita a
configuração dos módulos de expansão, caso sejam
usados.
No quadro Current Cards Available, ao lado
da CPU do projeto, é exibida uma lista com os
modelos dos cartões de expansão disponíveis.
Abaixo da CPU configurada, tem-se
numeradas as linhas que indicam quantos cartões são
permitidos para expansão.
Para inserir os cartões de expansão, basta
arrasta-los sobre as linhas numeradas que estiverem
vazias.

O botão PowerSupply... abre a janela de


informação sobre a alimentação do barramento
interno do CLP que alimenta os módulos de
expansão.
Quando inserido, os cartões irão consumir
corrente do barramento do CLP. Essa janela mostra o
consumo de corrente total do barramento e quanto
ainda resta. Caso o limite tenha excedido, uma
mensagem é mostrada no quadro Messages.
No caso do MicroLogix 1500 e do SLC500
uma fonte externa pode ser utilizada para aumentar a
capacidade do barramento.

57
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Configuração dos canais de comunicação

Na guia General da janela de Na guia dos canais, tem-se as opções de


configuração de canal é mostrado um resumo dos configuração. Lembrando que o canal escolhido para
canais disponíveis para comunicação. comunicação deve ter as mesmas configurações feitas
®
no CLP e no RSLinx .

9.1.5.4 – PROGRAM FILES


Os dois primeiros arquivos de programa (Sys 0 e Sys 1) são do
sistema operacional do controlador (Firmware). O usuário não tem acesso
a esses arquivos.
O arquivo de número 2 (Lad 2 – Main_proc) é o arquivo principal
do controlador, onde é executada a varredura (scan). Toda lógica para ser
executada deve ser inserida e/ou chamada de dentro do Lad 2.
Novos arquivos de programas (também chamados de Rotinas) podem ser criados para formar o
programa do usuário. Nos controladores SLC é permitido ter até 256 arquivos de programa, enquanto que nos
controladores MicroLogix é possível ter até 16 arquivos.

Para criar um novo arquivo de programa utilize o botão direito


do mouse sobre a pasta Program Files e selecione a opção New.
A janela Create Program File será mostrada com as opções
do arquivo a ser criado:

Number: Número do arquivo.


Name: Nome do arquivo (máx 10 caracteres).
Description: Descrição resumida da função do arquivo (máx 50 caracteres).
Debug: Criar como arquivo para simulação com o RSEmulate 500.
Allow Online Edits: Permite editar em on-line (somente ML1100 e 1400)
Novo arquivo em Program Files

58
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Os arquivos de programas podem ser criados com numeração seqüencial livremente, porém, para
utilização adequada de algumas funções especiais do MicroLogix, existem alguns arquivos com numeração
pré-determinada para execução dessas funções.
A seguir um quadro mostra a numeração dos arquivos com funções especiais para os controladores
SLC e MicroLogix.

SLC500 MicroLogix
Arquivo de Programa Descrição do arquivo
Nº do arquivo Nº do arquivo
Contém informações relacionadas ao sistema e
informações do projeto, tais como: tipo de
Programa do Sistema 0 (Lad 0) 0 (Lad 0)
processador, configuração de E/S, nome do arquivo do
processador e senhas.
Reservado Reservado pelo Firmware 1 (Lad 1) 1 (Lad 1)
Rotina principal de execução do ciclo de varredura
Programa Principal (Scan) (scan). Contém as instruções e chamadas para as 2 (Lad 2) 2 (Lad 2)
rotinas do programa do usuário (Ladder).
Rotina de Falha do Pode-se criar uma sub-rotina para tratamento de
usuário falhas do programa. Quando houver uma ocorrência Qualquer arquivo de
3 (Lad 3)
de erro que seja recuperável essa sub-rotina será sub-rotina (Lad 3-255)
executada a partir da rotina de falha do usuário.
Interrupção do contador Pode-se criar uma sub-rotina para ser executada
Qualquer arquivo de
de alta velocidade quando houver uma interrupção do HSC. Se não 4 (Lad 4)
sub-rotina (Lad 3-255)
houver HSC, use como sub-rotina normalmente.
Pode-se criar uma sub-rotina para ser executada de
Interrupção Temporizada tempo e tempo, de forma programada, através da Qualquer arquivo de
5 (Lad 5)
Regulável interrupção por tempo regulável (STI). Se não houver sub-rotina (Lad 3-255)
STI, use como sub-rotina normalmente.
Programa de contatos São os arquivos de programas (sub-rotinas) com as
Qualquer arquivo de
(sub-rotinas do usuário) lógicas de contatos e demais funções que compõem o Lad 6 - 15
sub-rotina (Lad 3-255)
programa de usuário.

59
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.5.5 – DATA FILES


Os arquivos de dados, também chamados de Tabela de dados,
contêm as informações das E/S e de todas as outras variáveis e memória
disponíveis para serem utilizadas pelo programa do usuário.
Os SLC500 e MicroLogix 1100, 1200, 1400 e 1500 poderão ter até
256 arquivos (0-255) de dados. Os primeiros arquivos de dados (0-8) contêm
tipos de arquivos padrão. O restante dos arquivos é definido pelo usuário.
Nos controladores MicroLogix 1000 tem-se somente os primeiros oito
arquivos padrão. Não há arquivos de dados definidos pelo usuário.

Arquivo Tipo Descrição do arquivo


O0 - OUTPUT SAIDAS Armazena o estado dos terminais de saída do CLP.

I1 - INPUT ENTRADAS Armazena o estado dos terminais de entrada do CLP.

S2 - STATUS STATUS DA CPU Armazena informações de operação / configuração do CLP.

B3 - BINARY BITS INTERNOS Armazena a lógica interna de relés (bits de memória)

T4 - TIMER CONTADORES Armazena o acumulador do temporizador, valores predeterminados e bits de status.

C5 - COUNTER TEMPORIZADORES Armazena o acumulador do contador, valores predeterminados e bits de status.

Armazena o comprimento, posições de ponteiro, e bits de status para instruções


R6 - CONTROL CONTROLE específicas tais como registradores de deslocamento e seqüenciadores.

N7 - INTEGER Nº INTEIRO Armazenar números inteiros (ou informações de bits).

F8 - FLOAT Nº REAL Armazena números de ponto flutuante (com casas decimais)

São arquivos que podem ser criados pelo usuário, podendo ser definido com qualquer
9-255 - tipo de dados padrão.

Com um duplo click sobre o arquivo de dados, a janela


de monitoramento do mesmo se abre, possibilitando o usuário
observar o que acontece dentro dos arquivos de dados e
também executar outras ações, como veremos a seguir.

Dica:
Clique na seta para cima ou para baixo, logo abaixo do
campo de descrição para ir para o arquivo seguinte ou anterior
no projeto.

Ação Como executar


Observar valores Em modo online os valores são vistos diretamente em seus endereços.
Alterar valores Clicar diretamente no endereço, digitar o novo valor e dar Enter.
Alterar o formato de exibição (Radix) Na lista Radix, selecione o formato de exibição dos dados.
Exibir endereços usados na lógica Clique no botão Usage para alternar a grade e para exibir os endereços em uso.
Exibir pontos de E/s forçados Clique no botão Forces para alternar a grade e para exibir as E/s forçadas.
Atribuir símbolo a um endereço Selecione o endereço, no campo Symbol: digite um “apelido” e tecle Enter.
Atribuir descrição a um endereço Selecione o endereço, no campo Desc: digite uma “apelido” e tecle Enter.

Importante:
As alterações de dados feitas offline só afetam o arquivo no disco a menos que o programa seja
restaurado ao processador.
As alterações de dados feitas online só afetam o arquivo do processador a menos que o programa
seja salvo ou carregado enquanto on-line para atualizar o arquivo no disco.

60
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Para criar um novo arquivo de dados, clique com o botão


direito sobre a pasta Data Files e selecione a opção New.

Na janela Create Data File estão disponíveis as seguintes


opções para criar o novo arquivo:
File: Número do novo arquivo.
Type: Tipo de dados do novo arquivo.
Name: Nome do novo arquivo (máx 10 caracteres).
Desc: Descrição do novo arquivo (máx 50 caracteres).
Elements: Número de elementos (palavra) do novo arquivo.

Observação:
®
As demais opções consulte o manual do RSLogix 500
para configurações de simulação, scopo e proteção do arquivo.

Observe na pasta Data Files a que o novo arquivo de


dados foi criado.

Observação:
®
O RSLogix 500 cria automaticamente um arquivo de
dados (ou um endereço novo em um arquivo) quando for inserido
no programa de usuário um endereço não existente.
Isso é interessante pelo lado prático. Porém pode ser
problemático em caso de erro de endereçamento ou digitação.

9.1.5.6 – FORCE FILES


Na pasta Force Files estão as tabelas de dados
das entradas e saídas, onde são mostrados os pontos que
estão “forçados”.

Os pontos de E/S aparecem na tabela


com o valor do estado em que foram forçados.

O Botão Remove All remove o force de


todos os pontos forçados.
O Botão Data File alterna visualização
da grade para o modo dados.

61
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Para forçar um determinado ponto de Para remover o force, utilize o mesmo


E/S, utilize o botão direito sobre uma instrução procedimento, mas selecionando a opção Remove
no programa do usuário (Ladder) que contenha o Force.
endereço do ponto a ser forçado.

Abaixo é mostrado um exemplo onde o programa do usuário foi colocado lado a lado com a janela dos
arquivos de dados ( INPUT Forces e OUTPUT Forces) para exemplificar melhor o uso do recurso force.

As seguintes observações podem ser feitas para melhor entendimento:


• Nas tabelas os pontos forçados em ON aparecem com valor 1.
• Nas tabelas os pontos forçados em OFF aparecem com valor 0.
• O estado dos demais pontos de E/S não são visualizados.
• No programa Ladder, os pontos forçados aparecem com a descrição >ON ou >OFF do lado do bit.

Importante:
Mesmo que a lógica do programa dê condições para uma saída ser ativada (ou desativada), vale a
condição imposta pelo force sobre essa saída. O Force estabelece o estado da saída, independente da lógica
do programa.

62
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.5.7 – DATABASE
O Database é um banco de dados, que reúne arquivos que
armazenam informações inseridas pelo usuário, para documentação do
projeto. A documentação é uma parte importante de qualquer projeto de
lógica Ladder, tornando-o mais legível e utilizável por outros
programadores (e para si mesmo).
®
Os projetos em RSLogix 500 contêm a seguinte documentação:

9.1.5.7.1 – ADDRESS/SYMBOL
Os Símbolos de endereços são “etiquetas de identificação”, também denominadas de “Tags”, que
têm a função de identificar de forma mais clara um endereço.
®
Por padrão, quando você usa o RSLogix 500 , os símbolos podem ter até 20 caracteres. Mas esse
comprimento pode ser alterado para 10 ou 15 caracteres, da seguinte maneira:

No menu Tools, selecione Options...


Na janela System Options, no quadro Database selecione
na lista Symbol Lenght o comprimento máximo dos símbolos.

As regras gerais para adicionais para criar um símbolo para um endereço são:
• Não podem ser utilizados seguintes caracteres: ~ `! @ # $% ^ & * () + - = [] () \:; "<> '. /? |
• Os símbolos podem ter até 20 caracteres de comprimento.
• Caracteres podem ser as letras AZ ou números 0-9.
• O símbolo não pode consistir apenas números.
• Um símbolo não pode ser um número seguido por uma única letra D, O, H, E, A ou B (RSLogix 500®
interpreta isso como um Decimal, Octal, Hexadecimal, exponencial, ou valor de notação binária).
• Não são permitidos espaços.
• As letras I, O, S e seguida apenas por um número também não são permitidos.

Para criar um símbolo diretamente no endereço, em qualquer instrução siga os passos:


Clique com botão direito sobre o Digite o símbolo diretamente sobre O endereço já possui um símbolo,
endereço na instrução, selecione o endereço da instrução e finalize mostrado acima do endereço.
Edit Symbol. com Enter.

• Um duplo-click no símbolo
pode editá-lo novamente.

63
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Os símbolos também recebem uma breve descrição, indicando para qual finalidade de um determinado
endereço. Para inserir essa descrição siga os passos:

Clique com botão direito sobre o Na janela com o endereço O endereço já possui uma
endereço na instrução, selecione selecione Address e digite uma descrição, mostrado acima do
Edit Description. breve descrição do símbolo. símbolo do endereço.

• Um duplo-click na descrição pode


editá-la novamente.
• Podem ter de até 5 linhas, com
até 20 caracteres ASCII por linha.

Lembrando:
Os símbolos e descrições de endereços também podem ser inseridos e visualizados nos arquivos de
dados (Data Files). Cabe ao programador escolher o método que melhor se adaptar.

Address/Symbol Editor (Editor de Símbolos)


Esse editor permite o acesso ao arquivo de dados que armazena todos os símbolos e descrições
atribuídas aos endereços do projeto.

O editor de símbolos
Address/Symbol Editor pode ser aberto
com um duplo clique sobre o ícone
Address/Symbol na pasta Database.

A seguir temos uma lista das tarefas que podem ser executadas dentro do editor de símbolos:
• Exibir uma lista contendo todos os endereços que receberam símbolos e/ou descrição;
• Editar informações nos campos da lista de símbolos (clicando direto no campo da tabela);
• Criar grupos de símbolos (facilidade para programação usando o Address/Symbol Picker);
• Arrastar e soltar os campos de Símbolos para o programa Ladder;
• Busca no lista por endereços, símbolos, descrições ou grupos de símbolos (Search Field/Search For).
• Adicionar novo símbolo a um novo endereço (botão Add New Record);
• Apagar um símbolo atribuído a um endereço (botão Delete Record);
• Duplicar um símbolo atribuído para posteriormente alterações (botão Duplicate Record);
• Visualizar a quantidade de registros da lsita de símbolos (DB entries).

Importante:
Não existem normas que estabelecem padrões de nomenclatura para a criação de símbolos. Porém,
normalmente elas identificam a função, a área ou dispositivo que o endereço tem ligação dentro da lógica de
comando. Em geral, são utilizados para melhor entendimento do programa do usuário como um todo.

64
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.5.7.2 – INSTRUCTIONS COMMENTS


O editor de comentários de instruções
Instruction Comment Editor pode ser aberto
com um duplo clique sobre o ícone Instruction
Comment na pasta Database.

Os comentários de instrução estão associados com o tipo de instrução e de seu endereço.


Todas as instruções com a mesma combinação de endereço e tipo de instrução têm a mesma
instrução comentário.
A forma de lidar com os comentários de instruções são idênticos das descrições dos símbolos. Na
mesma janela que é feita a descrição dos símbolos é feita à descrição das instruções.
Comentários de Instrução pode conter até 5 linhas, com até 20 caracteres ASCII por linha.

Nota:
Se em uma instrução tem dois tipos de descrição (de endereço e de instrução), prevalece à exibição da
descrição de instrução sobre a descrição de endereços.
Para mostrar a descrição do endereço no programa ladder, você tem que apagar o comentário de
instrução. Por isso é melhor optar pelo uso somente da descrição por endereço, o que garante que nenhum
comentário ficará oculto.

9.1.5.7.3 – RUNG COMMENTS / PAGE TITLE


O editor de comentários de Rung
Rung Comment/Page Title Editor pode ser
aberto com um duplo clique sobre o ícone
Rung Comments/Page Title na pasta
Database.

Rung Comment (Comentário Rung)


Os comentários (ou descrição) dos Rungs são extremamente importantes para documentação da
lógica do programa em ladder. Cada linha de programação (rung) pode receber um comentário descrevendo a
finalidade da mesma dentro da lógica do programa. Os comentários de rungs podem ter até 64 Kbytes de
comprimento.

Page Title (Título da página)


Diferente do que o nome sugere os comentários de página não são relativos à página do programa em
ladder, mas sim, a blocos de rungs dentro do ladder.
Em programas extensos, os comentários de página auxiliam e documentam a lógica em partes
definidas de acordo com a função que executam. Os títulos de página podem ter até 80 caracteres ASCII de
comprimento.

65
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Para inserir o Comentário de Rung ou um Título de Página, clique com o


botão direito sobre a numeração do rung. No menu de contexto pode-ser selecionar
Edit Comment ou Edit Title.
Os comentários de rungs e de página são editados na mesma janela.

No exemplo abaixo, temos uma rotina em ladder, com os comentários de rungs e de página e ao lado a
janela Rung Comment/Page Title Editor com a lista dos comentários.

Por exemplo, em casos de alteração do programa ou de manutenção, se os comentários forem feitos


de forma clara e organizada, seria fácil a localização de uma linha do programa (rung) que executasse alguma
operação. Esse recurso auxiliaria bastante esse tipo de trabalho e daria mais segurança ao sistema.
O que temos que acrescentar é que, os comentários são tão importantes quanto a lógica do programa.

Dica:
Os comentários de todas as rungs são essenciais na documentação do projeto. Porém, os comentários
de página não necessitam ser feitos em todas as rungs. Isso deve ser bem avaliado para que o ladder não
fique muito poluído, dificultando a leitura do programa.

66
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.5.7.4 – ADDRESS/SYMBOL PICKER


A janela Address/Symbol Picker pode ser aberta com um
duplo clique sobre o ícone Address/Symbol Picker na pasta
Database.

A janela Address/Symbol Picker mostra uma listagem com todos os endereços que receberam
símbolos (Tags).
O botão expande a janela e exibindo detalhes do endereço e descrição do símbolo.
O botão fecha a expansão da janela exibindo somente a lista de símbolos.

A janela Address/Symbol Picker, facilita muito o trabalho do programador, pois o endereçamento é


feito, somente com o uso do mouse, agilizando em tempo e evitando erros de digitação, o que seria
problemático na lógica do programa.
Pode-se trabalhar de duas formas diferentes com a janela Address/Symbol Picker:

1 – Arrastar e soltar
O programador pode arrastar e soltar o símbolo diretamente sobre uma instrução.

2 – Duplo clique
Selecionando uma instrução no programa ladder e em seguida dando um duplo clique em um símbolo
na lista da janela Address/Symbol Picker, o endereçamento será feito automaticamente. Se a instrução já
tiver outro endereço, o mesmo será substituído pelo endereço selecionado. Se a instrução não tiver endereço,
o novo endereço será inserido. A cada duplo clique o símbolo selecionando é inserido na instrução e o cursor
passa para a instrução seguinte.

Filtrando os símbolos por Grupos


Se o programador, ao atribuir os símbolos,
também especificar a quais grupos eles pertencem,
então esses símbolos podem ser filtrados e
mostrados de forma mais organizada pelo Symbol
Picker.
Na janela de símbolos, mostrada ao lado,
está um exemplo dos endereços que receberam
símbolos, descrição e também a que grupos
pertencem.

No exemplo mostrado, os endereços foram organizados em grupos de ENTRADAS E SAIDAS. A


seguir é mostrada a filtragem por grupos de símbolos.
Exibindo todos os símbolos (All Groups) Exibindo somente os símbolos do grupo ENTRADAS

67
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.5.7.5 – SYMBOL GROUPS


A janela Symbol Group Editor pode ser aberta com
um duplo clique sobre o ícone Symbol Group na pasta
Database.

Nessa janela é feito o gerenciamento dos grupos de símbolos. É aconselhado criar os grupos através
desta janela, pois na lista de grupos é exibido os grupos já existentes e não se corre o risco de criar grupos de
nomes parecidos ou com erros de digitação.

O botão adiciona um novo grupo de símbolos.


O botão apaga o grupo selecionado.

9.1.6 – JANELA DE RESULTADOS


A janela resultados (Result Window) , também chamada de Janela de Saída, tem a função de exibir
®
as informações enviadas pelo RSLogix 500 para serem avaliadas pelo usuário.
Normalmente ela fica oculta quando não existem erros no programa do usuário,
mas ao detectar algum erro, a mesma aparece automaticamente.
A exibição da janela de resultados também pode ser exibida/ocultada através
do menu View na opção Results, ou pelas combinação das teclas de atalho Alt + 1.

A janela de resultados possui duas guias, que veremos a seguir:

Guia Verify Results


Quando o programa ladder do usuário não
apresentar nenhum erro, a guia Verify Results
exibirá a mensagem No Errors, avisando que não
existem erros no projeto e o mesmo pode ser
copilado e transferido para o CLP.

Caso haja erro no programa ladder do


usuário, a guia Verify Results exibirá uma
mensagem descrevendo os detalhes do erro.
Um clique sobre o erro listado move o cursor
para o ponto do erro, na janela do programa ladder.
Essa guia é usada com os comandos de verificação de arquivo e de projetos, na barra de ferramentas.
Verifica se existe erro no arquivo aberto na janela do ladder. Se houver então abre a janela de
resultados e apresenta o erro na guia Verify Results.
Verifica se existe erro no projeto inteiro. Se houver então abre a janela de resultados e apresenta o
erro na guia Verify Results.

Guia Search Results


A guia Search Results exibe o resultado de
uma busca feita na barra de ferramentas pelos
comandos de busca mostrados abaixo.

68
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

No exemplo foi feita uma busca pelo endereço I:0/1 e foram encontradas 3 ocorrências, mostradas na
guia Search Results da janela de resultados. Um clique sobre a ocorrência listada move o cursor para o local
onde o endereço está inserido.

9.1.7 – BARRA DE STATUS


A barra de status está localizada na parte inferior da janela do aplicativo. Ela contém informações
relevantes sobre arquivo atual.

®
No lado esquerdo, é exibida uma mensagem conforme a posição do curso dentro do RSLogix 500 .
No lado direito da barra de status, é exibido:
Arquivo: Rung - Indica o arquivo aberto e a rung onde está cursor dentro do programa. 0000:0000 É exibido
quando o cursor está localizado na árvore do projeto ou em outro lugar que não seja o arquivo de programa.
App / Ins - Append/Insert, indica o modo escolhido para a entrada de instrução.
Read - Na maioria dos casos vai ser acinzentada, indicando que ela não se aplica.

9.1.8 – BARRA DE INSTRUÇÕES


As barras de instruções contem todas as instruções que podem ser utilizadas
no desenvolvimento do programa ladder. Sua exibição pode ser controlada através do
menu View na opção Instructions Palette, ou pelas combinação das teclas de atalho
Alt + 4.

As instruções são exibidas em guias, divididas por categoria, segundo suas finalidades.
Para selecionar uma categoria de instruções pode-se clicar diretamente sobre o nome da
categoria na aba ou utilizar os botões de movimentação de categoria, ao lado esquerdo das abas.
Caso o numero de instruções seja maior que o exibido em uma categoria, utiliza-se os botões
de rolagem localizados do lado esquerdo e direito das instruções para exibir as instruções ocultas.

A seguir uma lista com uma breve descrição de todas as categorias de instruções:
Cat. Instruções Descrição da categoria de instruções
User Instruções do usuário, esta guia pode ser personalizada e receber novas instruções.
Bit Instruções de manipulação de Bits.
Timer/Counter Instruções de temporizadores e contadores.
Imput/Output Instruções para manipulação de entradas e saídas físicas e de comunicação.
Compare Instruções de comparação de valores.
Compute/Math Instruções matemáticas e conversões de códigos.
Move/Logical Instruções de movimentação de dados e operações lógicas.
File/Misc Instruções de arquivo e funções especiais.
FileShift/Sequence Instruções de deslocamento e sequenciamento.
Program Control Instruções para controle do programa de usuário.
Ascii Control Instruções para comunicação com protocolo ASCII.
Ascii String Instruções para manipulação de palavras ASCII.
Micro High Spd Cntr Instrução para controle do contador de alta velocidade.
Trig Functions Instruções de funções trigonométricas.
Advanced Math Instruções matemáticas avançadas.

69
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Personalizando a Guia User


®
O RSLogix 500 permite que o programador insira (ou remova) novas instruções na guia User. Isso é
muito útil, pois se pode reunir em uma só guia todas as instruções utilizadas com mais freqüência, agilizando o
trabalho de montagem da lógica de programação. Para personalizar a guia User, siga os passos:

No menu View selecione a Na janela Toolbars, selecione na lista e


opção Toolbars. mantenha marcada com um X o item
SLC500 Instructions, em seguida clique
no botão

Na janela User Toolbar Customization são exibidas duas listas com as instruções:
Available Buttons
®
Contém todas as instruções do RSLogix 500
Current Selections
Contém as instruções contidas na guia User.
Para inserir novas instruções na guia User selecione a
instrução na lista Available Buttons e clique no botão .
Para remover instruções da guia User selecione a
instrução na lista Current Selections e clique no botão .

Os botões Sep. Before e Sep. After inserem na guia User separadores antes ou após a instrução
selecionada na guia.
Os botões Up, Down, Top e Botton deslocam a instrução selecionada de posição na guia User.

A Paleta de Instruções (Instruction Palette)


Para visualizar todas as instruções reunidas em apenas uma
barra (Instruction Palette) têm-se as seguintes opções:
1 - Utilize a opção Instruction Palette no menu View

2 - Clique no botão na barra de ferramentas


3 – Utilize as teclas de atalho Alt + 4

A Instruction Palette também pode ser personalizada, de forma idêntica a guia User.

Observação:
As instruções que estiverem em cinza estão indisponíveis para uso. A CPU configurada no projeto é
que define se há ou não suporte para execução destas instruções.

70
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.9 – JANELA DO LADDER


Na janela do ladder (Ladder View) é montada toda a lógica do programa do usuário. A seguir veremos
®
algumas características e recursos desta área de programação do RSLogix 500 .
Ao iniciar um novo projeto, na janela de
programação é mostrado automaticamente na guia
de arquivos o primeiro arquivo de programa
disponível, que é o arquivo de número 2, onde
acontece a varredura (scan) do CLP.
Todos os arquivos, quando abertos, serão
mostrados na guia de arquivos.

Todo arquivo de programa ao ser criado recebe automaticamente a instrução de fim de arquivo (End).

A janela de programação pode ser dividida em duas partes,


exibindo dois arquivos abertos ao mesmo tempo. Para isso use o
mouse para arrastar a barra de divisão da janela para baixo. Duas
vistas da janela serão exibidas.

Para criar uma linha de programação (rung), clique sobre


a numeração da linha e em seguida clique na instrução New Rung
na guia User.

Uma nova linha (rung) será criada. A letra “e” ao lado do


número da linha indica que ela está em modo edição, ou seja, em
modo programação.
A cada linha criada, a numeração é automaticamente
incrementada e a instrução End é sempre a última linha e de
numeração mais alta.

9.1.9.1 – INSERINDO INSTRUÇÕES NO LADDER


Existem três formas de inserir as instruções nas linhas de programação, como veremos:

1 - Posicionar o curso sobre a linha e clicar na instrução desejada


nas guias de instrução. A instrução é automaticamente inserida.

2 – Arrastar e soltar a instrução na posição desejada na linha de


programação. Neste caso, na linha serão mostrados uns pontos
em vermelho, onde é possível soltar a nova instrução. Quando
estiver sobre um destes pontos, o mesmo ficará em verde,
indicando que ali a nova instrução poderá ser inserida.

3 – Posicionar o cursor na linha e digitar o nome das instruções. É um recurso interessante, porém, menos
produtivo que os executados pela forma gráfica (usando somente o mouse).

Digitando as instruções diretamente na linha Resultado das instruções na linha

71
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.9.2 – ASSOCIAÇÕES DE CONTATOS EM SÉRIE E PARALELO


As associações de contatos são a base da lógica de programação em ladder. A seguir veremos como
®
criar essas associações no RSLogix 500 .

Instruções em série
Para criar uma associação em série, basta inserir as
instruções, seguindo qualquer um dos 3 métodos já citados.
Lembrando sempre que a última instrução deve ser
uma instrução de bobina (saída).

Instruções em Paralelo
Para inserir uma instrução em paralelo com outra já existente, siga os passos:
1 – Posicione o cursor sobre a linha onde quer inserir a
instrução em paralelo.

2 – Clique no o botão Rung Branch, da guia User.

3 – Arraste o lado direito do Rung Branch para o outro lado da


instrução que ficará em paralelo.
Observe que apareceram ao longo da linha os pontos
vermelhos onde é possível soltar o Rung Branch. É possível
soltar a esquerda ou a direita, podendo escolher onde será
feita a associação em paralelo.

Atenção:
O lado esquerdo do Rung Branch não pode ser movido.

4 – No nosso exemplo, escolhemos fazer uma associação em


paralelo com a instrução com o endereço B3:0/2. Então
soltamos o Rung BranchN do lado direito da instrução.

5 – Com o Rung Branch pronto basta arrastar e soltar a outra


instrução sobre a linha horizontal do Rung Branch.

6 – A associação em paralelo de duas instruções está pronta.


Necessitando somente de endereçamento para finalizar a
edição da linha.

72
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

®
10 – ENDEREÇAMENTO NO RSLOGIX 500
10.1 – ENDEREÇAMENTO DE ENTRADAS E SAÍDAS
No endereçamento das entradas e saídas externas,
cada palavra (Word) de 16 bits representa uma ranhura
localizada em seu controlador, onde o número de bits
corresponde ao número de terminais de entrada ou saída.
Os Bits não usados de uma palavra não são válidos
para uso na lógica do programa de usuário (abra o arquivo de
dados e observe que esses bits não aparecem).

O Arquivo de dados O0 – OUTPUT armazena a tabela imagem das saídas.


O Arquivo de dados I1 – INPUT armazena a tabela imagem das entradas.

Exemplo Prático
Ao lado temos um MicroLogix 1100 os seguintes
cartões de expansão, configurados no IO Configuration.

A título de exemplo vamos endereçar um ponto de E/S em cada Slot do sistema acima.
Descrição dos pontos para endereçamento Endereço Completo Endereço abreviado
Segunda Entrada incorporada na CPU I:0.0/1 I:0/1
Quarta Saída incorporada na CPU O:0.0/3 O:0/3
Oitava Entrada do cartão no Slot1 I:1.0/7 I:1/7
Ultima Entrada do cartão no Slot2 I:2.0/15 I:2/15
Terceira Saída do cartão no Slot3 O:3.0/2 O:3/2
Primeira Saída do cartão no Slot4 O:4.0/0 O:4/0
Observações:
1 – Lembre-se que sempre o primeiro elemento começa com ZERO;
2 – Fique atento para não digitar 0 (zero) quando for digitar O (letra “O”);
3 – Quando a palavra no endereçamento for 0, ela pode ser omitida( 0.0 = 0 , 1.0 =1 , 2.0 = 2 , 3.0=3 , 4.0=4).

10.2 – ENDEREÇAMENTO DE BITS


B3 - Binary
O uso deste arquivo é para instruções de bits (lógica de
reles), registradores de deslocamento e sequenciadores, o seu
tamanho máximo é de 256 elementos de uma palavra cada num
total de 4096 bits.
É possível criar novos arquivo de bits, cujo arquivo pode
ser numerado de 9-255.

Exemplo de endereçamento de bits Endereço


Quarto Bit da primeira palavra do arquivo B3 B3:0/3
Décimo Bit da terceira palavra do arquivo B3 B3:2/9

73
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

10.3 – ENDEREÇAMENTO DE PALAVRAS


N7 - Integer
É um arquivo de uso geral onde os elementos têm comprimentos de
uma palavra cada, podendo ser endereçados como palavras ou como bit.
Como palavra, eles podem armazenar valores inteiros entre -32767 a
+32767.
É possível criar novos arquivos de números inteiros, cujo arquivo
pode ser numerado de 9-255.

Exemplo de endereçamento de Palavras Endereço


Primeira palavra do arquivo N7 N7:0
Terceira palavra do arquivo N7 N7:2

F8 - Float
O Arquivo de Ponto Flutuante é um arquivo de uso geral composto de elementos de dados de ponto
flutuante IEEE-754 de 32 bits. Um arquivo pode conter até 256 elementos de ponto flutuante.
38 38
A faixa válida para números de ponto flutuante vai de -3,4028 x 10 até +3,4028 x 10 .
A forma de endereçamento é idêntica ao endereçamento de palavras de 16 bits. Para mais detalhes,
consulte a referência para consulta indicada abaixo.

Referência Publicação Origem Data Idioma CD


para consulta 1762-RM001D-PT-P - Pág. 178 ®
Rockwell Automation Outubro/2002 PT 45

11 - INSTRUÇÕES DE PROGRAMAÇÃO DO MICROLOGIX E SLC500


®
A publicação Rockwell Automation 1762-RM001D-PT-P de outubro de 202, é um guia de referência
para os controladores MicroLogix 1200 e MicroLogix 1500.
O manual descreve os procedimentos de programação, localização de falhas, características gerais
dos controladores e fornece detalhadamente o conjunto de instruções utilizado pelos Micrologix e também pelo
SLC500. Essa publicação encontra-se no CD do curso e servirá de consulta no estudo das instruções do
MicroLogix e SLC500.

Referência Publicação Origem Data Idioma CD


para consulta 1762-RM001D-PT-P - Pág. 178 ®
Rockwell Automation Outubro/2002 PT 45

Faremos um breve resumo de algumas instruções apenas, as mais utilizadas em lógicas de bits e
outras essenciais para o desenvolvimento do curso.

11.1 - INSTRUÇÕES DE BITS


As instruções de bit, também chamadas de instruções de relés, são as mais básicas dentro do
conjunto de instruções da linguagem Ladder. Estas instruções representam o estado ON/OFF das entradas e
saídas digitais do CLP, bem como bits da memória interna. As instruções de bit usam dois tipos de símbolos:
contatos e bobinas.

11.1.1 - INSTRUÇÕES DE CONTATOS (INSTRUÇÕES DE ENTRADA)


As instruções de contatos representam as condições de entrada que devem ser avaliadas, em um
determinado rung, para controlar uma saída. Os contatos podem ser colocados em qualquer configuração
série, paralelo ou série/paralelo necessária para controlar uma determinada saída.

As instruções de entrada somente lêem e avaliam o estado do bit endereçado, não alterando seu
estado.

74
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Instrução Símbolo Denominação Descrição


XIC Contato Aberto examine If Closed (examine se fechado)
Examina se o bit endereçado é 1 (ON). Quando a instrução é executada se o bit endereçado for 1(ON),
então a instrução é considerada como verdadeira, permitindo a continuidade lógica na linha.

Instrução Símbolo Denominação Descrição


XIO Contato Fechado examine If Opened (examine se aberto)
Examina se o bit endereçado é 0 (OFF). Quando a instrução é executada se o bit endereçado for 0
(OFF), então a instrução é considerada como verdadeira, permitindo a continuidade lógica na linha.

11.1.2 - INSTRUÇÕES DE BOBINAS (INSTRUÇÕES DE SAÍDAS)


As instruções de bobinas representam uma saída de um rung. A combinação lógica de contatos de
entrada vai determinar o estado lógico da bobina de saída (ativada ou desativada).

BOBINA DE SAÍDA
Instrução Símbolo Denominação Descrição
OTE Bobina de Saída OutpuT Energize (energize a saída)
Ativa o bit endereçado em 1(ON) somente quando houver continuidade lógica na linha.
Atenção:
Evite utilizar um endereço de saída em mais de um lugar no programa ladder. Isso pode causar
funcionamento anormal na lógica do programa, gerando acionamentos imprevisíveis.

LÓGICA DE TESTE
Objetivo:
• Testar as instruções de contato e bobina (XIC, XIO e OTE);
• Demonstrar a lógica de intertravamento de bobina (“Selo”).
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

Na simulação observe que, após o contato do botão


S1_LIGA (I:0/0) ser acionado, o contato de selo K1_MM01
(O:0/0) mantém a continuidade lógica da linha mesmo depois
que S1_LIGA (I:0/0) ser desacionado.
Esse intertravamento é denominado de SELO. A saída
somente será desernergizada quando a linha perder a Considere os pontos das E/S físicas:
continuidade lógica, neste caso pressionando o botão Endereço Tag Tipo
S2_DESLIGA (I:0/1). I:0/0 S1_LIGA CONTATO NA
I:0/1 S2_DESLIGA CONTATO NF
O:0/0 K1_MM01 CONTATOR

75
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

BOBINAS RETENTIVAS
Instrução Símbolo Denominação Descrição
OTL Bobina de Set OutpuT Latch (Arma Saída)
OTU Bobina de Reset OutpuT UnLatch (Desarma Saída)

OTL e OTU são instruções de saída retentivas. Estas instruções normalmente são utilizadas aos pares,
com ambas as instruções endereçando o mesmo bit.
OTL seta (1) o bit endereçado quando a linha for verdadeira (continuidade lógica em pelo menos por
um ciclo de scan) e mantém esse estado mesmo que a linha seja falsa.
OTU reseta (0) o bit endereçado quando a linha for verdadeira (continuidade lógica em pelo menos por
um ciclo de scan) e mantém esse estado mesmo que a linha seja falsa.
Quando habilitado a instrução OTL SETA o bit endereçado, e a saída permanecerá ativada
independentemente da condição lógica da linha, até a execução de uma instrução OTU que RESETA o bit.

LÓGICA DE TESTE
• Testar as instruções de bobina retentivas (OTL e OTU).
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

Ligue e desligue o botão S1_SET (I:0/0) para setar em


ON o endereço de saída K1_MM01 (O:0/0).
Para resetar o endereço K1_MM01 (O:0/0) em OFF, faça
o mesmo com o botão S1_RESET (I:0/1).
Considere os pontos das E/S físicas:
Endereço Tag Tipo
I:0/0 S1_SET CONTATO NA
I:0/1 S2_RESET CONTATO NA
O:0/0 K1_MM01 CONTATOR

Atenção:
Se houver caminho lógico acionando as duas instruções ao mesmo tempo, o estado da saída será
determinado pela ÚLTIMA instrução inserida no ladder! Experimente inverter as saídas OTU E OTL no ladder
acima simule novamente para comprovar como será o comportamento da saída.

76
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.1.3 - MONOESTÁVEL
Instrução Símbolo Denominação Descrição
ONS Monoestável ONe Shot (detetor de borda de subida)

A instrução ONS é um monoestável, que detecta uma transição de linha, de falsa para verdadeira,
permanecendo ativa apenas em um ciclo de Scan (varredura) do programa. Essa instrução é também
conhecida como detetor de borda de subida (ou flanco de subida).

Atenção:
O endereço usado pela instrução ONS não deve ser utilizado em nenhum outro lugar do programa.

LÓGICA DE TESTE
• Testar a instrução de detecção de borda de subida (ONS).
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

Na simulação observe que com a instrução de detecção


de borda de subida (flanco ascendente ou flanco de subida), não
haverá mais condições lógicas para ativação de OTL e OTU ao
mesmo tempo.

Dica:
A instrução ONS é largamente utilizada em conjunto com outras instruções, para que as mesmas
sejam executadas, apenas uma vez, sempre que uma determinada lógica se torne verdadeira.
É também usada para detectar o momento exato quando uma condição se torne verdadeira

77
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.1.4 - OSR – MONOESTÁVEL CRESCENTE / OSF – MONOESTÁVEL DECRESCENTE


Instrução Símbolo Denominação Descrição
Monoestável
OSR One Shot Rising (detetor de borda de subida)
Ascendente

Monoestável
OSF One Shot Falling (detetor de borda de descida)
Descendente

OSR detecta quando o estado da linha passa de falsa para verdadeira (borda crescente),
funcionamento idêntico à instrução ONS.
OSF detecta quando o estado da linha passa de verdadeira para falsa (borda decrescente).
Gráfico da instrução OSR Gráfico da instrução OSF

Essas instruções utilizam dois parâmetros:


Storage Bit (Bit de Armazenamento) - É o endereço do bit que lembra o estado da linha a partir da varredura
anterior.
Output Bit (Bit de Saída) - É o endereço do bit que é definido com base na transição de linha.

LÓGICA DE TESTE
• Testar a instrução de detecção de borda de subida e descida (OSR e OSF).
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

Atenção:
O endereço usado no bit de armazenamento das instruções OSR e OSF não deve ser utilizado em
nenhum outro lugar do programa.

Após simulação da instrução OSR, substitua no ladder à mesma pela instrução OSF e verifique o
comportamento da saída.

78
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.2 - TEMPORIZADORES
Os temporizadores são instruções de saída que permitem o controle de operações com base no tempo.
Instrução Símbolo Denominação Descrição

Temporizador com retardo Time ON Delay


TON
na energização (atraso na ativação)

Temporizador com retardo Time OFf Delay


TOF
na desenergização (atraso na desativação)

Temporizador com retardo


Retentive Timer On
RTO na energização e valor
(temporizador retentivo)
Retentivo
Reset dos parâmetros do RESet
RES
temporizador e dos contadores. (bobina de reset dos T e C)

11.2.1 – ARQUIVO DE DADOS T4


Os parâmetros dos temporizadores são armazenados no arquivo de dados T4.
Cada elemento de T4 possui 3 palavras para cada temporizador, como mostrado abaixo.

Palavra 0 = Bits de Controle e status


Palavra 1 = PRE (Preset)
Palavra 2 = ACC (Valor acumulado)

Timer (Offset)
Cada temporizador utilizado deverá ter um elemento (contendo 3 palavras) no arquivo de dados T4.
Esse elemento (Offset) identifica o temporizador e seus parâmetros na lógica ladder

PALAVRA 0 – PALAVRA DE CONTROLE


Na palavra 0 somente os bits 13 , 14 e 15 são utilizados no programa ladder. Os demais são para
armazenamento da base de tempo e de uso interno, não estando disponíveis para uso no ladder.

BIT ENDEREÇO DENOMINAÇÃO DESCRIÇÃO


EN 15 T4:_/EN Habilitação (Enable) É verdadeiro sempre quando a linha for verdadeira
TT 14 T4:_/TT Temporizado (Timer Timing) Indica que a temporização está em andamento (ACC < PRE)
DN 13 T4:_/DN Executado (Done) Indica que a temporização foi atingida (ACC >= PRE)

Time Base (Base de tempo) - Determina a duração de cada intervalo de base de tempo.
Os temporizadores podem ser configurados para uma das três bases de tempo:

79
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Precisão do Temporizador
A precisão do temporizador se refere ao período
compreendido entre o momento em que uma instrução do
temporizador é habilitada e o momento em que o intervalo
temporizado se completa.

Atenção:
Para garantir a precisão, se a varredura do programa ultrapassar 2,5 segundos, repita a instrução do
temporizador em outra linha (lógica idêntica) em outra área do código de lógica ladder para que a varredura da
linha seja realizada dentro desses limites.

PALAVRA 1 – PRESET (PRE)


É o valor predefinido para temporização, dado em segundos. Esse é o valor que o temporizador deve
alcançar antes do término do período de espera. A faixa de dados de Preset varia de 0 a 32767.
O Preset é endereçado no ladder como palavra (número inteiro), exemplo: T4:0.PRE

PALAVRA 2 – ACCUM (ACC)


É o valor acumulado de intervalos da base de tempo que a instrução contou. Ele representa o tempo
decorrido. A faixa de dados do acumulador varia de 0 a 32767.
O acumulado é endereçado no ladder como palavra (número inteiro), exemplo: T4:0.ACC

11.2.2 – FUNCIONAMENTO DOS TEMPORIZADORES


TON
Se a condição de entrada se toma verdadeira, o temporizador começa a
incrementar em intervalos selecionados (Time Base). Quando o valor acumulado
(ACC) é maior ou igual ao valor pré-selecionado (Preset), o temporizador pára e
energiza o bit de executado do temporizador (DN).
O gráfico mostra o estado dos bits na transição de falsa para
verdadeira (borda de subida) da linha do temporizador.
Observe:
EN – É ativo enquanto a condição a linha for verdadeira.
DN – Ativado após a temporização, atrasando a energização.
TT – Será ativo somente no período de temporização.

TOF
Se a condição de entrada é falsa, o temporizador começa a incrementar em
intervalos selecionados (Time Base). Quando o valor acumulado (ACC) é maior ou
igual ao valor pré-selecionado (Preset), o temporizador pára e energiza o bit de
executado do temporizador (DN).
O gráfico mostra o estado dos bits na transição de verdadeira
para falsa (borda de descida) da linha do temporizador.
Observe:
EN – É ativo enquanto a condição a linha for verdadeira.
DN – Desativado após a temporização, atrasando a energização.
TT – Ativo somente no período de temporização.

80
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

RTO
Se a condição de entrada se toma verdadeira, o temporizador começa a
incrementar em intervalos selecionados (Time Base). Quando a linha passa para
falsa, o temporizador pausa a temporização e retorna somente quando a linha for
verdadeira. Quando o valor acumulado (ACC) é maior ou igual ao valor pré-
selecionado (Preset), o temporizador pára e energiza o bit de executado do
temporizador (DN). O gráfico dos bits de RTO é idêntico ao TON

RES
Instrução para Reset (ou rearme) de temporizadores e contadores. Zera o
valor acumulado (ACC) e os bits de estado.

Atenção:
RES não pode ser utilizada com uma instrução TOF.

LÓGICA DE TESTE
• Testar as instruções de temporização (TON – TOF – RTO – RES)
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

• Simule a lógica acima para os três tipos de temporizadores (TON – TOF – RTO).
• Use para cada instrução os seguintes elementos no arquivo de dados T4:
TON – T4:0
TOFF – T4:1
RTO – T4:2
• Abra o arquivo de dados T4 e observe os valores nos elementos do arquivo.

81
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.3 - CONTADORES
Os contadores são instruções de saída que permitem o controle de operações com base na contagem
de eventos.
Instrução Símbolo Denominação Descrição

Count Up
CTU Contador crescente
(contador crescente)

Count Down
CTD Contador decrescente
(contador decrescente)

11.3.1 – ARQUIVO DE DADOS C5


Os parâmetros dos contadores são armazenados no arquivo de dados C5.
Cada elemento de C5 possui 3 palavras para cada contador, como mostrado abaixo.

Palavra 0 = Bits de Controle e status


Palavra 1 = PRE (Preset)
Palavra 2 = ACC (Valor acumulado)

Counter (Offset)
Cada contador utilizado deverá ter um elemento (contendo 3 palavras) no arquivo de dados C5. Esse
elemento (Offset) identifica o contador e seus parâmetros na lógica ladder

PALAVRA 0 – PALAVRA DE CONTROLE


Na palavra 0 são utilizados os bits 11-15 no programa ladder. Os demais são de uso interno, não
estando disponíveis para uso no ladder.

BIT ENDEREÇO DENOMINAÇÃO DESCRIÇÃO


CU 15 C5:_/CU Habilita crescente (Count Up) Somente no CTU. É verdadeiro quando a linha for verdadeira
CD 14 C5:_/CD Habilita decrescente (Cont Down) Somente no CTD . É verdadeiro quando a linha for verdadeira
DN 13 C5:_/DN Executado (Done) Indica que o valor de Preset foi atingido (ACC >= PRE)
O ACC passa de +32.767 para -32.768 e continua a
OV 12 C5:_/OV Estouro positivo (Overflow)
contagem crescente
O ACC passa de -32.767 para -32.768 e continua a
UN 11 C5:_/UN Estouro negativo (Underflow)
contagem decrescente

PALAVRA 1 – PRESET (PRE)


É o valor predefinido para contagem. A faixa de dados de preset varia de -32768 a 32767.O Preset é
endereçado no ladder como palavra (número inteiro), exemplo: C5:0.PRE

PALAVRA 2 – ACCUM (ACC)


O acumulador contém a contagem atual. A faixa de dados do acumulador varia de -32768 a 32767. O
acumulado é endereçado no ladder como palavra (número inteiro), exemplo: C5:0.ACC

82
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.3.2 – FUNCIONAMENTO DOS CONTADORES


O valor acumulado é aumentado (CTU) ou reduzido (CTD) quando a linha passa de falsa para
verdadeira (borda de subida). O valor acumulado é mantido (retentivo) quando a condição da linha se torna
falsa novamente e quando a alimentação do controlador é desligada e ligada novamente.
A contagem acumulada é mantida até que seja removida por uma instrução RES que tenha o mesmo
endereço que o contador.

Atenção:
O contador continua a contagem quando o acumulador é maior que o valor de preset na instrução CTU
e menor que o valor de preset na instrução CTD.

LÓGICA DE TESTE
• Testar as instruções de contagem (CTU - CTD - RES)
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

• Simule a lógica acima para os dois tipos de temporizadores (CTU - CTD).


• Use para cada instrução os seguintes elementos no arquivo de dados C5:
CTU – C5:0
CTD – C5:1
• Abra o arquivo de dados C5 e observe os valores nos elementos do arquivo.
• Altere o valor do Acumulado e do Preset para 32767 e simule a contagem crescente. Altere o valor do
• Acumulado e do Preset para -32767 e simule a contagem decrescente.
• Utilize também o gerador de pulsos ( < 100 Hz) para simulação da contagem.

83
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.4 – INSTRUÇÕES DE COMPARAÇÃO (COMPARADORES)


As instruções de comparação utilizam dois parâmetros, Origem A e Origem B (com exceção das
instruções MEQ e LIM possuem um parâmetro adicional). As duas origens não podem ser valores imediatos.
As faixas de dados válidos para essas instruções são:
-32768 a 32767 (palavra)
-2.147.483.648 a 2.147.483.647 (palavra longa)
Nas instruções de comparação identificar que cada origem de
dados possui o campo de endereço e o campo de valor, que mostra o
conteúdo do endereço utilizado.
As instruções de comparação tornam a saída verdadeira
(continuidade lógica) quando o resultado da comparação é verdadeiro.

Instrução Símbolo Operação de Comparação


EQU
A=B
(Equal)
Compara se os dois valores são iguais.
Igual

NEQ
NOT A = B
(Not Equal)
Compara se os dois valores não são iguais.
Diferente

LES
A<B
(Less Than)
Compara se origem A é menor que origem B.
Maior

GRT
A>B
(Great Than)
Compara se origem A é maior que origem B.
Menor

LEQ
A <= B
(Less Than or Equal)
Compara se origem A é menor ou igual à origem B.
Menor Igual

GEQ
A <= B
(Great Than or Equal)
Compara se origem A é maior ou igual à origem B.
Maior Igual

LIM Low Lim < Test < High Lim


(Limit Test)
Compara se um valor de Teste está dois outros valores
Contido na Faixa (limites alto e baixo)

MEQ
(Masked Equal) Compara partes de dois valores para ver se são iguais,
utilizando uma máscara.

84
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

LÓGICA DE TESTE
• Testar as instruções de comparação.
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

Entradas
S1 - Pulso
S2 – Seletor Crescente/Decrescente
S3 – Reset do Contador

Saídas
O:0/0 → A=B
O:0/1 → A<B
O:0/2 → A>B
O:0/3 → N7:3 < CONTADOR < N7:4

• Utilizando CTU e CTD com mesmo elemento de C5 simula um contador Crescente/Decrescente.


• Inicie a contagem crescente.
• Abra o arquivo de dados N7 e altere os valores para facilitar os testes.
• Verifique o funcionamento das instruções de comparação.

85
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.5 – INSTRUÇÕES MATEMÁTICAS


A maior parte das instruções matemáticas utiliza três parâmetros:
Origem A, Origem B e Destino (parâmetros adicionais são descritos
posteriormente quando necessário).
A operação matemática é realizada utilizando-se os dois valores de
Origem. O resultado é armazenado no Destino.
As faixas de dados válidos para essas instruções são:
-32768 a 32767 (palavra)
-2.147.483.648 a 2.147.483.647 (palavra longa)

Instrução Símbolo Operação de Comparação


ADD
Dest = A + B
(Add)
Destino é igual à soma das origens.
Adição

SUB
Dest = A - B
(Subtract)
Destino é igual à subtração das origens.
Subtração

MUL
Dest = A x B
(Multiply)
Destino é igual à Multiplicação das origens.
Multiplicação

DIV
Dest = A ÷ B
(Divide)
Destino é igual à divisão da origem A pela origem B.
Divisão

SQR
(Square Root) Dest = √ Source
Destino é igual à raiz quadrada do endereço Source.
Raiz Quadrada

NEG
(Negate) Dest = - Source
Destino é igual à origem com sinal invertido
Negação

CLR
(Clear) Dest = 0 (zero)
Limpa o conteúdo do destino (insere valor zero)
Limpa Endereço

ABS
(Absolute Value) Destino é igual ao valor absoluto da origem.
Valor absoluto

86
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Instrução Símbolo Operação de Comparação


Dest = [(Rate x Source)/10000] + Offset
SCL
(Scale) SCL escala a origem e insere um valor de Offset (defasagem) e
armazena o resultado no destino.
Escala de dados
A faixa de dados para Rate e Offset é de -32768 a 32767.

SCP A instrução SCP produz um valor de saída escalonado que tem


(Scale w/Parameters) uma relação linear entre os valores escalonados e a entrada. Essa
instrução resolve a equação apresentada abaixo para determinar a
Escala de dados saída escalonada.
com parâmetros

Output = [(ScaleMax - ScaleMin) / (InputMax - InputMin)] . (Input - InputMin) + ScaleMin

LÓGICA DE TESTE
• Testar as instruções matemáticas
®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.

Entradas
S1 - Pulso
S2 – Seletor Crescente/Decrescente
S3 – Reset do Contador

• A lógica acima simula um contador crescente/decrescente;


• Abra o arquivo de dados N7 e verifique o conteúdo do endereço N7:0;
• Altere a lógica de modo a não permitir que haja estouro do valor do contador.

87
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

11.6 – INSTRUÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO


MOV - MOVIMENTAÇÃO
Instrução Símbolo Descrição

A instrução MOV move os dados da origem para o destino. Enquanto a


MOV instrução permanecer verdadeira, a instrução moverá os dados em cada
varredura.

As faixas de dados válidos para essas instruções são:


-32768 a 32767 (palavra)
-2.147.483.648 a 2.147.483.647 (palavra longa)

LÓGICA DE TESTE
• Testar a instrução de movimentação MOV.

®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.
Entradas
S1 - Pulso

11.7 – INSTRUÇÃO DE CONTROLE DE PROGRAMA


JSR - SALTO PARA SUB-ROTINA
Instrução Símbolo Descrição
A instrução JSR faz com que o controlador inicie a execução de um
arquivo de sub-rotina separado em um programa de lógica ladder. A
instrução JSR move a execução do programa para a sub-rotina
JSR
designada (SBR número do arquivo). Depois da execução da instrução
SBR, o controle prossegue para a instrução que vem após a instrução
JSR.
A faixa de dados para o arquivo JSR é de 3 a 255, indicando o número da sub-rotina a ser executada.

LÓGICA DE TESTE
• Testar a instrução de controle de programa JSR.

®
No RSLogix 500 implemente a lógica a seguir e simule a mesma no módulo didático.
Entradas
S1 - Controle

JSR pode ser inserido diretamente em


uma linha ou pode ser antecedido por
instruções de bits.

Na lógica ao lado podemos observar a


chamada de duas sub-rotinas diferentes,
dependendo do estado lógico da entrada
de controle I:0/0.

88
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

ANEXO 1 - SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E UNIDADES DIGITAIS


São sistemas onde os algarismos pertencentes à base de numeração possuem dois valores. O
algarismo tem o seu valor absoluto, que é o seu valor fixo na base de numeração. E também tem um valor
relativo à posição que estiver ocupando na cadeia de números, ou seja, cada algarismo possui um “Peso”.
A seguir, um resumo das bases mais utilizadas em sistemas digitais.

SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL


Nº de algarismos: 10
Algarismos: de 0 a 9
Representação: 8937(10) ou 8937(d)
• É o sistema mais utilizado pelo homem.

SISTEMA DE NUMERAÇÃO OCTAL


Nº de algarismos: 8
Algarismos: de 0 a 7
Representação: 1567(8) ou 1567(o)
• Mais usado em conversão de linguagens de
máquinas, especialmente em sistemas mais antigos.

SISTEMA DE NUMERAÇÃO HEXADECIMAL


Nº de algarismos: 16
Algarismos: numéricos de 0 a 9 e alfanuméricos de A - F
Representação: 3F4A(16) ou 3F4A (&h)
• A usada para endereçamentos e para dados.
• Às vezes é abreviada como Hexa ou Hex.

SISTEMA DE NUMERAÇÃO BINÁRIA


Nº de algarismos: 2
Algarismos: de 0 e 1
Representação: 11010101(2) ou 11010101 (b)
• Sistema utilizado em linguagem de máquina
• Possui variante, formando códigos dedicados.

Como vimos o sistema de “Pesos” permite converter as outras bases de numeração em decimal, que
é a base mais utilizada pelo homem.

CÓDIGO BCD
O código BCD representa algarismos decimais
codificados em binário.
Cada algarismo decimal é convertido
individualmente no seu equivalente binário, sempre com 4
(quatro) dígitos, como é mostrado ao lado.

89
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Abaixo é mostrada uma tabela comparativa das bases de numeração.


Binário Octal Decimal Hexadecimal BCD
0000 0 0 0 0000
0001 1 1 1 0001
0010 2 2 2 0010
0011 3 3 3 0011
0100 4 4 4 0100
0101 5 5 5 0101
0110 6 6 6 0110
0111 7 7 7 0111
1000 10 8 8 1000
1001 11 9 9 1001
1010 12 10 A (= 10) 0001 0000
1011 13 11 B (= 11) 0001 0001
1100 14 12 C (= 12) 0001 0010
1101 15 13 D (= 13) 0001 0011
1110 16 14 E (= 14) 0001 0100
1111 17 15 F (= 15) 0001 0101

MÉTODOS PRÁTICOS PARA CONVERSÃO ENTRE AS BASES DE NUMERAÇÃO


CONVERSÃO DE DECIMAL PARA BINARIO
• Efetuar divisões sucessivas por 2 até se obter o quociente 1;
• Agrupar o último quociente e todos os restos da divisão encontrados por ordem inversa.
Exemplo: 35(10) = 100011(2)

CONVERSÃO DE DECIMAL PARA OCTAL


• Efetuar divisões sucessivas por 8 até se obter o quociente menor que 8;
• Agrupar o último quociente e todos os restos da divisão encontrados por ordem inversa.
Exemplo: 35(10) = 43(8)

CONVERSÃO DE DECIMAL PARA HEXADECIMAL


• Efetuar divisões sucessivas por 16 até se obter o quociente menor que 16;
• Agrupar o último quociente e todos os restos da divisão encontrados por ordem inversa.
Exemplo: 163(10) = A3(16)

Atenção:
Se o resto da divisão e o último quociente forem de 10 a 15, devem-se substituir os mesmos pelas letras de A –F,
conforme o valor de cada letra na tabela HEXADECIMAL.

CONVERSÃO HEXADECIMAL – BINÁRIO


• Converter cada algarismo hexadecimal no seu correspondente binário, sempre com 4 dígitos;
• Agrupar os dígitos convertidos para formar o número binário.
1 F 7 2
Converter: 1F72(16) 1F72(16) = 0001111101110010(2)
0001 1111 0111 0010

CONVERSÃO BINÁRIO – HEXADECIMAL


• Converter cada algarismo hexadecimal no seu correspondente binário, sempre com 4 dígitos;
• Agrupar os dígitos convertidos para formar o número binário.
1011 0101 0111 1010
Converter: 1011010101111010(2) 1011010101111010(2)= B57A(16)
B 5 7 A

90
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

CONVERSÃO OCTAL – BINÁRIO


• Converter cada algarismo hexadecimal no seu correspondente binário, sempre com 3 dígitos;
• Agrupar os dígitos convertidos para formar o número binário.
1 4 7 3
Converter: 1473(8) 1473(8) = 001100111011(2)
001 100 111 011

CONVERSÃO BINÁRIO – OCTAL


• Converter cada algarismo octal no seu correspondente binário, sempre com 3 dígitos;
• Agrupar os dígitos convertidos para formar o número binário.
101 010 001 111
Converter: 101010001111(2) 101010001111(2)= 5217(8)
5 2 1 7

CONVERSÃO OCTAL ↔ HEXADECIMAL


A conversão entre as bases octal e hexadecimal são feitas passando pela base binária. Converte a
base de origem em binário e posteriormente converte o binário para a base desejada.

UNIDADES DE MÉMORIA
A seguir vamos descrever alguns termos usados para lidar com informações nos sistemas digitais.

Bit ("BInary digiT")


Simplificação para dígito binário é a menor unidade de informação que pode ser armazenada ou
transmitida. Um bit pode assumir somente 2 valores, abaixo alguns exemplos:
• 0 ou 1
• Verdadeiro ou Falso
• Ligado ou Desligado
• Ativado ou Desativado
• Aberto ou fechado

Nibble
4
Um nibble é o agrupamento de quatro bits. Se 2 = 16 então esse Nibble pode armazenar até 16
valores diferentes. É utilizado em muitos casos para representar números BCD e Hexadecimais.

Byte
8
É o agrupamento de 8 bits. Se 2 = 256 então esse byte pode armazenar até 256 valores diferentes.
Geralmente é usada como unidade de medida para memórias e dispositivos de armazenamento.

Word (Palavra)
16
É o agrupamento de 16 bits (2 bytes). Se 2 = 65536 então essa Word pode armazenar até 65536
valores diferentes. Em alguns casos, um bit pode ser utilizado como sinal, assim um Word pode armazenar
valores entre –32768 a +32768.

DWord (Palavra Dupla)


32
É o agrupamento de duas palavras (32 bits = 4 bytes). Se 2 = 4.294.967.296 então essa DWord pode
armazenar até 4.294.967.296 valores diferentes. Em alguns casos, um bit pode ser utilizado como sinal, assim
uma DWord pode armazenar valores entre –2.147.483.648 a +2.147.483.648.

91
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Dentro de um agrupamento de 8 bits (Byte), é comum as seguintes denominações:


MSB - Bit mais significativo (Most Significant Bit) é o bit, conforme a sua posição, tem o maior valor.
LSB - Bit mais significativo (Least Significant Bit) é o bit, conforme a sua posição, tem o menor valor.

No caso de uma palavra (Word), estas denominações se referem aos bytes de maior e menor valor.
MSB - Byte mais significativo (Most Significant Byte) é o byte, conforme a sua posição, tem o maior peso.
LSB - Byte mais significativo (Least Significant Byte) é o byte, conforme a sua posição, tem o menor peso.

EXERCITE AS SEGUINTES CONVERSÕES:

CONVERTER N(2) N(8) N(&h) N(BCD)


245(10)

CONVERTER N(10) N(8) N(&h) N(BCD)


10111011(2)

CONVERTER N(2) N(10) N(&h) N(BCD)


137(8)

CONVERTER N(2) N(10) N(8) N(BCD)


3F5(&h)

CONVERTER N(2) N(10) N(8) N(&h)


0111 1001 0110(&BCD)

92
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

ANEXO 2 - EXPERIÊNCIAS PRÁTICAS DE LÓGICA LADDER


EX1 - PARTIDA DIRETA DE MIT
A partida direta é a mais simples das formas de acionamento dos motores trifásicos e por isso é a mais
utilizada. Seu uso é limitado à potência de motores menores, pois a correte de partida é elevada.

Circuito de força Painel de comando

LISTA DE IOs
I/O END DISPOSITIVO E/S TAG (ladder) DESCRIÇÃO
I0 I:0/0 S1 - Botoeira NA S1-LIGA Comando liga motor (partida)
I1 I:0/1 S2 - Botoeira NF S2-DESLIGA Comando desliga motor (parada)
I2 I:0/2 Q1-AUX - Contato auxiliar NA Q1-SOBRECARGA Contato auxiliar de Q1 acusa sobrecarga no motor
I3 I:0/3 K1-AUX - Contato auxiliar NA K1-FEEDBACK Contato auxiliar de K1 confirmação de acionamento
O0 O:0/0 K1 - Contator de acionamento K1-M1 Contator de acionamento do motor
O1 O:0/1 H1 - Lâmpada verde H1-LIGADO Lâmpada verde indica motor ligado.
O2 O:0/2 H2 - Lâmpada vermelha H2 - FALHA Lâmpada vermelha indica falha (erro K1) ou sobrecarga em Q1

Com base no diagrama de força, no layout do painel de comando e na lista de IOs do CLP execute as
seguintes tarefas:

1. Fiação das IOs do CLP MicroLogix modelos 24BWA (incluir também alimentação)

2. Lógica Ladder contendo:


a) Liga / desliga motor com selo
b) Sinalização de operação (H1 - lâmpada verde)
c) Checagem de falha de acionamento (chegar falha em K1)
d) Sinalização de sobrecarga e falha de acionamento (H2 - lâmpada vermelha)

93
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

EX2 - PARTIDA REVERSA DE MIT


A partida reversa possui as mesmas características da partida direta. Porém, invertendo duas fases da
alimentação, o motor trifásico parte com rotação invertida. Vamos desenvolver um exemplo para uma esteira.

Circuito de força Painel de comando

LISTA DE IOs
I/O END DISPOSITIVO E/S TAG (ladder) DESCRIÇÃO
I0 I:0/0 S1 - Chave 3 posições S1-AVANCA Comando avança esteira
I1 I:0/1 Avança - Desliga - Recua S1-RECUA Comando recua esteira
I2 I:0/2 Q1-AUX - Contato auxiliar NA Q1-SOBRECARGA Contato auxiliar de Q1 acusa sobrecarga no motor da esteira
I3 I:0/3 K1-AUX - Contato auxiliar NA K1-FEEDBACK Contato auxiliar de K1 confirmação de acionamento K1 (avança)
I4 I:0/4 K2-AUX - Contato auxiliar NA K2-FEEDBACK Contato auxiliar de K2 confirmação de acionamento K2 (recua)
O0 O:0/0 K1 - Contator de acionamento K1-AVANCA Contator de acionamento (avança esteira)
O1 O:0/1 K2 - Contator de acionamento K2-RECUA Contator de acionamento (recua esteira)
O2 O:0/2 H1 - Lâmpada verde H1-AVANCA H1 - Lâmpada verde indica esteira avançando
O3 O:0/3 H2 - Lâmpada verde H2-RECUA H2 - Lâmpada verde indica esteira recuando
O4 O:0/4 H3 - Lâmpada vermelha H3-FALHA Lâmpada vermelha indica falha (erro K1 - K2) ou sobrecarga em Q1

Com base no diagrama de força, no layout do painel de comando e na lista de IOs do CLP execute as
seguintes tarefas:

1. Fiação das IOs do CLP MicroLogix modelos 24BWA (incluir também alimentação)

2. Lógica Ladder contendo:


a) Liga / desliga motor com selo
b) Sinalização de operação (H1 - lâmpada verde)
c) Checagem de falha de acionamento (chegar falha em K1)
d) Sinalização de sobrecarga e falha de acionamento (H2 - lâmpada vermelha)

Atenção:
K1 e K2 não podem ser acionados juntos. Isso causaria um curto-circuito em duas fases da alimentação.
ELABORAR LÓGICA REDUNDANTE DE SEGURANÇA PARA PREVENIR ESSA SITUAÇÃO.

94
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

EX3 - PARTIDA ESTRELA - TRIÂNGULO DE MIT


A partida estrela-triângulo minimiza a correte de partida dos motores trifásicos. A partida é feita na
configuração estrela. Após o MIT atingir pelo menos 90% da rotação nominal, o CLP inverte para a
configuração triângulo.
Circuito de força Configuração dos terminais do motor

Estrela Triângulo
Painel de comando

LISTA DE IOs
I/O END DISPOSITIVO E/S TAG (Ladder) DESCRIÇÃO
I0 I:0/0 S1 - Botoeira NA S1-LIGA Comando liga motor (partida)
I1 I:0/1 S2 - Botoeira NF S2-DESLIGA Comando desliga motor (parada)
I2 I:0/2 Q1-AUX - Contato auxiliar NA Q1-SOBRECARGA Contato auxiliar de Q1 acusa sobrecarga no motor
I3 I:0/3 K1-AUX - Contato auxiliar NA K1-FEEDBACK Contato auxiliar de K1 confirmação de acionamento
I4 I:0/4 K2-AUX - Contato auxiliar NA K2-FEEDBACK Contato auxiliar de K2 confirmação de acionamento
I5 I:0/5 K3-AUX - Contato auxiliar NA K3-FEEDBACK Contato auxiliar de K3 confirmação de acionamento
O0 O:0/0 K1 - Contator principal K1-M1 Contator principal de acionamento do motor
O1 O:0/1 K2 - Contator triângulo K2-TRIANGULO Contator de fechamento do motor em triângulo
O2 O:0/2 K3 - Contator estrela K3-ESTRELA Contator de fechamento do motor em estrela
O3 O:0/3 H1 - Lâmpada verde H1-LIGADO Lâmpada verde indica motor ligado.
O4 O:0/4 H2 - Lâmpada vermelha H2 - FALHA Lâmpada vermelha indica falha (erro K1) ou sobrecarga em Q1

Com base no circuito de força, no layout do painel de comando e na lista de IOs do CLP execute as
seguintes tarefas:
1. Fiação das IOs do CLP MicroLogix modelos 24BWA (incluir também alimentação)
2. Lógica Ladder contendo:
a) Liga / desliga motor com selo (parte em estrela, depois de 10 segundos comuta para triângulo)
b) Sinalização de operação (H1 - lâmpada verde)
c) Checagem de falha de acionamento (chegar falha em K1 - K2 - K3)
d) Sinalização de sobrecarga e falhas de acionamento (H2 - lâmpada vermelha)

Atenção:
K2 e K3 não podem ser acionados juntos. Isso causaria um curto-circuito nas três fases da alimentação.
ELABORAR LÓGICA REDUNDANTE DE SEGURANÇA PARA PREVENIR ESSA SITUAÇÃO.

95
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

EX4 - ALARME SONORO E LUMINOSO


A sinalização de situações de falha em sistemas industriais é essencial para preservar a integridade do
ser humano e das máquinas e equipamentos.
Desenvolva uma lógica em Ladder onde uma entrada digital do CLP irá receber o sinal de um sensor
(termostato, pressostato, chave fim de curso, etc.) indicando uma situação crítica.
O CLP faz soar uma sirene e acende uma lâmpada. Depois que o alarme soa, o operador irá acionar
um botão de ACK (reconhecimento da falha ou Cala-Alarme) no painel. O CLP desliga a buzina e deixa a
lâmpada acesa. A lâmpada só apagará quando o sinal do sensor indicar que a situação voltou ao normal.
Desenhar também a fiação do CLP (modelos 24BWA).

LISTA DE IOs
I/O END DISPOSITIVO E/S TAG (ladder) DESCRIÇÃO
I0 I:0/0 S1 - Sensor NF S1-SENSOR Sensor de entrada
I1 I:0/1 S2 - Botoeira NA S2-ACK Botão de reconhecimento de alarme (Cala-Alarme)
O1 O:0/1 H1 - Lampada H1-LAMPADA Lâmpada
O6 O:0/6 H2 - Sirene H2-Sirene Sirene

EX5 - PARTIDA TEMPORIZADA DE 3 MOTORES


Na indústria normalmente precisamos programar a partida de dois ou mais motores em seqüência. Isso
se faz necessário para que a corrente consumida não seja excessiva.
Desenvolva a lógica Ladder e a fiação do CLP para partida direta de três motores, isoladamente e um
após o outro, com intervalos de 20 segundos.
• O botão de parada desliga todos os motores.
• Qualquer sobrecarga desliga todos os motores.
• Uma lâmpada verde em paralelo com as bobinas dos contatores (indica motor ligado)

LISTA DE E/S
I/O END DISPOSITIVO E/S TAG (ladder) DESCRIÇÃO
I0 I:0/0 S1 - Botoeira NA S1-LIGA Comando liga motor (partida)
I1 I:0/1 S2 - Botoeira NF S2-DESLIGA Comando desliga motor (parada)
I2 I:0/2 Q1-AUX - Contato auxiliar NA Q1-SOBRECARGA Contato auxiliar de Q1 acusa sobrecarga no motor M01
I3 I:0/3 Q2-AUX - Contato auxiliar NA Q2-SOBRECARGA Contato auxiliar de Q2 acusa sobrecarga no motor M02
I4 I:0/4 Q3-AUX - Contato auxiliar NA Q3-SOBRECARGA Contato auxiliar de Q3 acusa sobrecarga no motor M03
O0 O:0/0 K1 - Contator M01 K1-M1 Contator de acionamento do motor M01 (aciona também H1 verde)
O1 O:0/1 K2 - Contator M02 K2-M2 Contator de acionamento do motor M02 (aciona também H2 verde)
O2 O:0/2 K3 - Contator M03 K3-M3 Contator de acionamento do motor M03 (aciona também H2 verde)
O3 O:0/3 H4 - Lâmpada vermelha H4-FALHA Lâmpada vermelha indica sobrecarga em Q1 - Q2 - Q3

EX6 - PARTIDAS ALTERNADAS


Em processos industriais é sempre importante ter redundância de equipamentos, ou seja, são dois
sistemas idênticos, que executam a mesma tarefa. Porém nunca funcionam ao mesmo tempo.
Vamos considerar que temos duas bombas, e queremos que elas funcionem de forma alternada.
Quando for necessário uma delas será acionada. Na próxima vez que for necessária, a outra bomba
entrará em funcionamento. Isso evita o desgaste de apenas uma bomba e garante que as duas estarão em
bom funcionamento, pois equipamento parado por longo período pode não funcionar adequadamente quando
solicitado.
Desenvolva uma lógica em Ladder que alterne o estado do bit B3:0/0 sempre que uma borda de subida
for detectada na entrada I1:0/0.

96
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

EX7 - CALCULO DE VOLUME DE TANQUE (MATEMÁTICA)


Calcule o volume do tanque da figura ao lado.
Utilize o arquivo de dados de ponto flutuante F8.
V = F8:0
r = F8:1
h = F8:2
Abra o arquivo de dados F8 e simule o resultado variando o
valor da altura (h) de metro em metro no elemento F8:2. Crie uma
tabela com a altura e o volume correspondente.

EX8 - CÁLCULO DE VOLUME DE TANQUE (ESCALA)


Para a experiência anterior refaça a tabela utilizando na lógica a instrução de escala SCP.
As entradas são os dados da altura. As saídas são os dados de volume.

EX9 - REATOR DE PROCESSO


Em processos industriais é comum o uso de reatores de processo, principalmente em produção por
batelada. Desenvolva:

a) Lista de IOs do CLP


b) Fiação do CLP e diagrama de força para o reator
c) A lógica de controle em Ladder para o equipamento abaixo.

TAG DESCRIÇÃO
BB1 Bomba de alimentação do reator
XV1 Válvula solenóide de alimentação do reator
BB2 Bomba de retirada do reator
XV2 Válvula solenóide de retirada do reator
XV3 Válvula solenóide de aquecimento por vapor
MM1 Moto-redutor do agitador do reator
LSH Sensor tipo bóia de nível alto (reator cheio)
LSL Sensor tipo bóia de nível baixo (reator vazio)
TSAH Sensor termostato de temperatura alta

Descritivo de Funcionamento

TAG CONDIÇÕES DE ACIONAMENTO CONDIÇÕES DE DESACIONAMENTO


BB1 - XV1 Quando o nível cair abaixo do sensor LSL. Quando o nível subir acima do sensor LSH.
Quando o nível subir acima do sensor LSH.
MM1 Ao término da temporização de 30 segundos.
Aciona temporizador para agitação de 30 segundos.
Desacionada junto com o agitador.
XV3 Acionada junto com o agitador Temperatura acima do ajustado no termostato TSAH.
Quando o nível cair abaixo do sensor LSL.
BB2 - XV2 Ao término da temporização de 30 segundos. Quando o nível cair abaixo do sensor LSL.

As bóias de níveis LSL e LSH são normalmente abertas. Quando o nível levantar a bóia elas fecham o
contato e acusam presença de nível.

97
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

EX10 - ACIONAMENTO SEGURO DE PRENSA

TAG DESCRIÇÃO
B1 Botoeira 1 de acionamento da prensa
B2 Botoeira 2 de acionamento da prensa
H1 Lâmpada verde - pronto para operação
H2 Lâmpada amarela - em operação
H3 Lâmpada vermelha - falha de operação
SV1 Solenóide de atuação do cilindro da prensa
SWS Chave fim de curso da posição superior
SWI Chave fim de curso da posição inferior

Descritivo de funcionamento
A prensa movimenta-se através de um atuador hidráulico que, quando acionado, realiza o movimento
de fechamento, e quando não acionado, realiza o movimento de retorno.
Comandos
• Para acionar, deve-se pressionar simultaneamente duas botoeiras com intervalo máximo de 3 segundos;
• Se umas das botoeiras forem soltas antes da prensa fechar, ela deverá recuar;
• Quando a prensa alcançar a chave fim de curso inferior temporiza 3 segundos e desaciona o cilindro;
• Quando a prensa estiver retornando em qualquer situação as botoeiras não tem ação.
Sinalização
• Lâmpada verde (H1) - Acesa quando a prensa está em repouso e pronta para operação;
• Lâmpada amarela (H2) - Acesa quando a prensa este em movimento (avançando ou recuando);
• Lâmpada vermelha (H3) - Acesa quando o tempo de acionamento de B1 e B2 for maior que 3 segundos.

Desenvolva a lógica Ladder para o funcionamento desta prensa.

EX11 - CONTADOR DE PEÇAS PRODUZIDAS


Desenvolva uma lógica para contagem de pulsos (borda de subida) na entrada I1:0/0, onde está ligado
um sensor indutivo que detecta a presença de peças produzidas.
Quando a produção estiver atingida certa quantidade irá acender uma lâmpada amarela para avisar o
pessoal de coleta para esvaziar o container da bancada. Outro sensor detecta quando o container foi
esvaziado e reseta o contador de peças.
Se o pessoal não esvaziar o container a tempo e a produção atingir o limite máximo, o CLP bloqueia a
produção da máquina, acende uma lâmpada vermelha e inicia um temporizador indicando quanto tempo à
máquina ficou parada sem produção.

TAG DESCRIÇÃO
SW1 Sensor de peça produzida na esteira
SW2 Sensor de presença de peça no container
H1 Lâmpada amarela. Indica pedido de coleta
H2 Lâmpada vermelha. Indica container cheio
MAQ Saída do CLP para controle da máquina
MAQ = 1 → Máquina produzindo
MAQ = 0 → Máquina bloqueada

98
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

EX12 - TANQUE MISTURADOR


A seguir temos um tanque misturador e seu painel elétrico de comando. Desenvolva:
a) Fiação do CLP;
b) Lógica Ladder de controle.
Painel de comando Tanque Misturador

COMANDOS E SINALIZAÇÃO DISPOSITIVOS


TAG DESCRIÇÃO TAG DESCRIÇÃO
S1 Chave liga / desliga processo automático BB1 Bomba de retirada do tanque
S2 Chave liga/desliga BB1 em manual SV1 Válvula solenóide de saída do tanque
H1 Lâmpada H1 indica BB1 ligada XV2 Válvula de entrada do produto 01
H2 Lâmpada H2 indica MM1 ligado XV3 Válvula de entrada do produto 02
H3 Lâmpada H3 indica XV2 aberta MM1 Moto-redutor do misturador com hélice
H4 Lâmpada H4 indica XV3 aberta LSH Sensor de nível cheio no tanque
H5 Lâmpada H5 indica tanque cheio LSL Sensor de nível vazio no tanque
H6 Lâmpada H6 indica tanque vazio

Descritivo de funcionamento

TAG CONDIÇÕES DE ACIONAMENTO CONDIÇÕES DE DESACIONAMENTO


MM1 Quando o nível subir acima do sensor LSL. Quando a BB1 ligar (automático ou manual).
Quando o nível subir acima do sensor LSH. Aciona
Quando o nível cair abaixo do sensor LSL.
BB1 - XV1 temporizador e aguarda 30 segundos para ligar.
Em manual desligando a chave S2.
Em manual ligando a chave S2.
Temporizador de 1 minuto acionado por S1.
XV2 Quando ligar a chave de início de processo S1
Se ligar BB1 em manual fecha XV2.
Quando o nível subir acima de LSH.
XV3 Quando ligar a chave de início de processo S1
Se ligar BB1 em manual fecha XV3.

Se desligar a chave S1 desliga tudo. Neste caso somente a BB1 funcionará em manual.

As bóias de níveis LSL e LSH são normalmente abertas. Quando o nível levantar a bóia elas fecham o
contato e acusam presença de nível.

99
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

EX13 - ESCOLHA DE MÓDULOS DE IOs


Supondo que um cliente tem a intenção de automatizar parte de sua indústria. Então solicitou o
levantamento dos pontos de IOs para uma cotação do custo do equipamento.
Foram mapeados 48 pontos de entradas digitais, todas em 24 VCC, 32 saídas digitais a relé, 10
entradas analógicas de 4-20 mA. A CPU a ser utilizada será um MicroLogix 1500 LRP.
®
Escolha os cartões de expansão, monte no RSLogix 500 a configuração e crie uma tabela com os
códigos de catálogo do equipamento completo para cotação.

EX14 - ACIONAMENTO CICLICO TEMPORIZADO


Freqüentemente temos que acionar dispositivos de tempo em tempo. Como exemplos podemos citar
sistemas de lubrificação automática, descarga de fundo de caldeiras, etc.
Desenvolva uma lógica onde a saída O0:0/0 será acionada ciclicamente (ex: ciclo de hora em hora),
permanecendo ativa por alguns segundos (tempo ativo). Utilize N7:0 para parametrizar o tempo de ciclo e N7:1
para parametrizar o tempo ativo.

EX15 - HORÍMETRO
O uso de horímetro é um recurso interessante para indicar o tempo de funcionamento de máquinas e
dispositivos. Com base nesta informação, pode ser feita a programação de produção e manutenção.
Desenvolva a lógica de um horímetro (retentivo) onde, a entrada I1:0/0 quando acionada ativa o
horímetro, contabilizando o tempo de funcionamento de uma máquina (ex: caldeira, compressor, prensa, etc).
No final do dia, o operador faz a leitura em uma IHM ( use N7:0/0 para o tempo acumulado) e zera o
valor em uma botoeira NA ligada na entrada I1:0/1.

EX16 - SEMÁFORO DUPLO


O semáforo é uma aplicação didática para exercitar o
raciocínio lógico seqüencial. Desenvolva a lógica de controle de
um semáforo duplo. A entrada I1:0/0 liga/desliga o semáforo.

FAROL 1 TEMPO FAROL 2


SAIDA SINAL (segundos) SINAL SAIDA
O:0/0 VERDE 15 VERDE O:0/3
O:0/1 AMARELO 3 AMARELO O:0/4
O:0/2 VERMELHO 18 VERMELHO O:0/5

EX17 - SEMÁFORO DUPLO (1 TEMPORIZADOR)


Com base nos tempos e endereços de EX16, desenvolva a
lógica de um semáforo duplo, utilizando apenas 1 temporizador.
Use N7:0 para o tempo acumulado.

100
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

Índice
1 - AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL .................................................................................................................................................................... 1
1.1 - DEFINIÇÃO ...................................................................................................................................................................................... 1
1.2 - AS VANTAGENS EM INVESTIR ...................................................................................................................................................... 1
1.3 - NECESSIDADE DE AUTOMATIZAR................................................................................................................................................ 1
1.4 - O PROFISSIONAL DE AUTOMAÇÃO ............................................................................................................................................. 1
2 - PIRÂMIDE DA AUTOMAÇÃO .................................................................................................................................................................. 1
2.1 - NIVEL 1 (DISPOSITIVOS DE CAMPO) ............................................................................................................................................ 2
2.2 - NIVEL 2 (SISTEMAS DE CONTROLE) ........................................................................................................................................... 2
2.3 - NIVEL 3 (SISTEMAS DE SUPERVISÃO) ........................................................................................................................................ 2
2.4 - NIVEL 4 (SISTEMAS PIMS E MÊS) ................................................................................................................................................ 2
2.5 - NIVEL 5 (SISTEMAS DE GERENCIAMENTO) ................................................................................................................................. 2
3 - REVISÕES DE ELETRICIDADE BÁSICA ................................................................................................................................................ 3
3.1 - TENSÃO ELÉTRICA (V) ................................................................................................................................................................... 3
3.2 - RESISTÊNCIA ELÉTRICA (R) ......................................................................................................................................................... 3
3.3 - CORRENTE ELÉTRICA (I) ............................................................................................................................................................... 3
3.4 LEIS DE POTÊNCIA ........................................................................................................................................................................... 3
3.5 - FORMAS DE ONDA DOS SINAIS ELÉTRICOS ............................................................................................................................... 3
3.5.1 - CORRENTE CONTÍNUA (DC ou CC) ..................................................................................................................................... 3
3.5.2 - CORRENTE ALTERNADA (CA ou AC) ................................................................................................................................... 4
3.5.3 - OUTRAS FORMAS DE SINAIS ELÉTRICOS ........................................................................................................................... 4
4 – COMPONENTES DE COMANDOS ELÉTRICOS..................................................................................................................................... 4
4.1 - CONTATO ELÉTRICO ..................................................................................................................................................................... 4
4.2 - ASSOCIAÇÃO DE CONTATOS ELÉTRICOS .................................................................................................................................. 5
4.3 - POLOS E POSIÇÕES....................................................................................................................................................................... 5
4.4 - TIPOS DE CHAVES ......................................................................................................................................................................... 6
4.4.1 - CHAVES MANUAIS ................................................................................................................................................................. 6
4.4.2 - CHAVES AUTOMÁTICAS ........................................................................................................................................................ 6
4.5 - RELÉS .............................................................................................................................................................................................. 7
4.6 - CONTATORES ................................................................................................................................................................................. 7
4.6.1 - DEFINIÇÃO (DE NORMA)........................................................................................................................................................ 7
4.6.2 - BOBINA ................................................................................................................................................................................... 8
4.6.3 - CONTATOS PRINCIPAIS ........................................................................................................................................................ 8
4.6.4 - CONTATOS AUXILIARES ....................................................................................................................................................... 8
4.7 - DISJUNTORES ................................................................................................................................................................................ 9
4.8 - SINALIZAÇÃO ................................................................................................................................................................................. 9
4.8.1 - SINALIZAÇÃO VISUAL ........................................................................................................................................................... 9
4.8.2 - SINALIZAÇÃO SONORA ......................................................................................................................................................... 9
4.9 - CHAVE SECCIONADORA ............................................................................................................................................................. 10
4.10 - TRANSFORMADOR DE COMANDO ........................................................................................................................................... 10
4.11 - FUSÍVEIS ..................................................................................................................................................................................... 10
4.12 - MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO (MIT) .................................................................................................................................... 10
5 - COMANDOS ELÉTRICOS ...................................................................................................................................................................... 11
5.1 - DIAGRAMAS ELÉTRICOS ............................................................................................................................................................. 12
5.2 - ACIONAMENTO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ....................................................................................................... 13
5.2.1 - PARTIDA DIRETA.................................................................................................................................................................. 13
5.2.2 - PARTIDA REVERSA.............................................................................................................................................................. 14
5.2.3 - PARTIDA ESTRELA TRIÂNGULO ........................................................................................................................................ 15
6 - CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL (CLP) .............................................................................................................................. 16
6.1 - VANTAGENS NA UTILIZAÇÃO DE CLP ....................................................................................................................................... 16
6.2 - APLICAÇÕES PRÁTICAS EM AMBIENTES INDUSTRIAIS .......................................................................................................... 16
6.3 - ASPECTOS DE HARDWARE ........................................................................................................................................................ 17
6.3.1 - FONTE DE ALIMENTAÇÃO................................................................................................................................................... 17
6.3.2 - BATERIA................................................................................................................................................................................ 18
6.3.3 - PROCESSADOR OU CPU (UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO) ......................................................................... 18
6.3.3.1 - PROCESSAMENTO CÍCLICO (VARREDURA OU SCAN) ............................................................................................ 18
6.3.3.2 - PROCESSAMENTO POR INTERRUPÇÃO ................................................................................................................... 19
6.3.3.3 - PROCESSAMENTO COMANDADO POR TEMPO ........................................................................................................ 19
6.3.3.4 - PROCESSAMENTO POR EVENTO ............................................................................................................................... 19
6.3.4 - ÁREAS DE MEMÓRIAS ......................................................................................................................................................... 20
6.3.4.1 - MEMÓRIA DO SISTEMA OPERACIONAL .................................................................................................................... 20
6.3.4.1.1 - PROGRAMA DE EXECUÇÃO (FIRMWARE) ......................................................................................................... 20
6.3.4.1.2 - MEMÓRIA DE RASCUNHO DO SISTEMA ............................................................................................................ 20
6.3.4.2 - MEMÓRIA DE APLICAÇÃO (MEMÓRIA DO USUÁRIO) ............................................................................................... 20
6.3.4.2.1 - PROGRAMA DO USUÁRIO................................................................................................................................... 20
6.3.4.2.2 - MEMÓRIA DE DADOS .......................................................................................................................................... 20
6.3.4.2.3 - TABELA IMAGEM DAS ENTRADAS E SAÍDAS ................................................................................................... 20
6.3.5 - CANAIS DE COMUNICAÇÃO ................................................................................................................................................ 21
6.3.5.1 - COMUNICAÇÃO SERIAL .............................................................................................................................................. 21
6.3.5.2 - COMUNICAÇÃO ETHERNET ........................................................................................................................................ 21
6.3.5.3 - MÓDULOS ESPECIAIS DE COMUNICAÇÃO ............................................................................................................... 21
6.3.6 - ENTRADAS DIGITAIS............................................................................................................................................................ 22
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

6.3.6.1 - FILTRO DE SINAL ......................................................................................................................................................... 22


6.3.6.2 - DENSIDADE DE PONTOS ............................................................................................................................................. 22
6.3.6.3 - TIPO E TENSÃO DAS ENTRADAS ............................................................................................................................... 22
6.3.6.4 - AGRUPAMENTO DAS ENTRADAS .............................................................................................................................. 23
6.3.6.5 - MODO DE CONFIGURAÇÃO DAS ENTRADAS ........................................................................................................... 23
6.3.6.6 - NÍVEIS DE TENSÃO DO SINAL DE ENTRADA ............................................................................................................ 24
6.3.6.7 - NÍVEIS DE CORRENTE DO SINAL DE ENTRADA ....................................................................................................... 24
6.3.6.8 - TEMPOS DE RESPOSTA .............................................................................................................................................. 25
6.3.6.9 - POTÊNCIA CONSUMIDA .............................................................................................................................................. 25
6.3.7 - SAIDAS DIGITAIS .................................................................................................................................................................. 25
6.3.7.1 - DENSIDADE DE PONTOS ............................................................................................................................................. 25
6.3.7.2 - TIPO E TENSÃO DAS SAÍDAS ..................................................................................................................................... 25
6.3.7.3 - AGRUPAMENTO DAS SAÍDAS ..................................................................................................................................... 26
6.3.7.4 - MODO DE CONFIGURAÇÃO DAS SAÍDAS DC............................................................................................................ 26
6.3.7.5 - NÍVEIS DE CORRENTE DO SINAL DE SAÍDA.............................................................................................................. 26
6.3.7.6 - TEMPOS DE RESPOSTA .............................................................................................................................................. 27
6.3.7.7 - POTÊNCIA CONSUMIDA .............................................................................................................................................. 27
6.3.7.8 - PROTEÇÕES DAS SAÍDAS A RELÊ............................................................................................................................. 27
6.4 – SOFTWARES DO CLP .................................................................................................................................................................. 27
6.4.1 - LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DO CLP ........................................................................................................................ 28
6.4.2 – LINGUAGEM LADDER ......................................................................................................................................................... 28
6.4.2.1 – DIAGRAMA DE COMANDOS ELÉTRICOS X LADDER ............................................................................................... 28
6.4.2.2 – ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO LADDER ....................................................................................................... 29
6.4.2.3 – INSTRUÇÕES LADDER ................................................................................................................................................ 29
7 - CONTROLADORES PROGRAMÁVEIS MICROLOGIX 1XXX ................................................................................................................ 30
7.1 – IDENTIFICAÇÃO DOS MICROLOGIX 1XXX PELO NUMERO DE CATÁLOGO ........................................................................... 30
7.2 – MICROLOGIX 1000 (1761) ............................................................................................................................................................ 30
7.2.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1000............................................................................ 30
7.2.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1000 ....................................................................................................................................... 31
7.3 – MICROLOGIX 1100 (1763) ............................................................................................................................................................ 32
7.3.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1100............................................................................ 32
7.3.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1100 ....................................................................................................................................... 32
7.4 – MICROLOGIX 1200 (1762) ............................................................................................................................................................ 33
7.4.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1200............................................................................ 33
7.4.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1200 ....................................................................................................................................... 33
7.5 – MICROLOGIX 1400 (1766) ............................................................................................................................................................ 34
7.5.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1400............................................................................ 34
7.5.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1400 ....................................................................................................................................... 34
7.6 – MICROLOGIX 1500 (1764) ............................................................................................................................................................ 35
7.6.1 - CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS MODELOS DE MICROLOGIX 1500............................................................................ 35
7.6.2 - MODELOS DE MICROLOGIX 1500 ....................................................................................................................................... 35
7.7 - MÓDULOS DE EXPANSÃO DAS E/S ............................................................................................................................................ 36
7.7.1 - MÓDULOS DE EXPANSÃO DA FAMLIA 1762 ...................................................................................................................... 36
7.7.2 - MÓDULOS DE EXPANSÃO DA FAMLIA 1769 ...................................................................................................................... 37
7.8 - QUADRO COMPARATIVO DAS SÉRIES MICROLOGIX 1000 ...................................................................................................... 39
7.9 - COMUNICAÇÃO SERIAL DOS MICROLOGIX .............................................................................................................................. 40
7.9.1 - PROTOCOLO DF1 FULL-DUPLEX ........................................................................................................................................ 40
7.9.2 - PROTOCOLO DF1 HALF-DUPLEX ....................................................................................................................................... 40
7.9.3 - PROTOCOLO DH485 ............................................................................................................................................................. 40
8 - TUTORIAL COMUNICANDO O PC COM O MICROLOGIX .................................................................................................................... 41
8.1 - CONECTANDO O MICROLOGIX A UM MICROCOMPUTADOR PC ............................................................................................. 41
8.2 – IDENTIFICANDO E CONFIGURANDO A PORTA RS-232 DO MICROCOMPUTADOR PC .......................................................... 41
8.3 – O RSLINX® ................................................................................................................................................................................... 42
8.3.1 – INICIALIZANDO O RSLINX® ................................................................................................................................................ 43
8.3.2 – ENCERRANDO O RSLINX® ................................................................................................................................................. 43
8.3.3 – A JANELA PRINCIPAL DO RSLINX® ................................................................................................................................. 43
8.3.4 – CONFIGURANDO A COMUNICAÇÀO ENTRE RSLINX® E O MICROLOGIX ..................................................................... 44
9 – CONHECENDO O RSLOGIX 500®......................................................................................................................................................... 49
9.1 – A INTERFACE DO RSLOGIX 500®............................................................................................................................................... 50
9.1.1 – BARRA DE TÍTULO .............................................................................................................................................................. 51
9.1.2 – BARRA DE MENU................................................................................................................................................................. 51
9.1.3 – BARRA DE ÍCONES (FERRAMENTAS) ............................................................................................................................... 51
9.1.4 – BARRA ONLINE.................................................................................................................................................................... 51
9.1.4.1 – MODO DE OPERAÇÃO ................................................................................................................................................ 51
9.1.4.2 – CAMPO EDIÇÕES ........................................................................................................................................................ 52
9.1.4.3 – DRIVER UTILIZADO ..................................................................................................................................................... 52
9.1.4.4 – CAMPO FORCES.......................................................................................................................................................... 52
9.1.4.5 – CAMPO ENABLE/DISABLE FORCES .......................................................................................................................... 53
9.1.4.6 – NÓ DA REDE ................................................................................................................................................................ 53
9.1.4.7 – GLOBO ......................................................................................................................................................................... 53
9.1.5 – ÁRVORE DE PROJETO ........................................................................................................................................................ 53
9.1.5.1 – PROJECT ...................................................................................................................................................................... 53
9.1.5.2 – HELP ............................................................................................................................................................................. 53
9.1.5.3 – CONTROLLER .............................................................................................................................................................. 54
CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
Controladores Lógicos programáveis Micrologix /SLC500

9.1.5.4 – PROGRAM FILES ......................................................................................................................................................... 58


9.1.5.5 – DATA FILES.................................................................................................................................................................. 60
9.1.5.6 – FORCE FILES ............................................................................................................................................................... 61
9.1.5.7 – DATABASE ................................................................................................................................................................... 63
9.1.5.7.1 – ADDRESS/SYMBOL ............................................................................................................................................. 63
9.1.5.7.2 – INSTRUCTIONS COMMENTS ............................................................................................................................. 65
9.1.5.7.3 – RUNG COMMENTS / PAGE TITLE ...................................................................................................................... 65
9.1.5.7.4 – ADDRESS/SYMBOL PICKER............................................................................................................................... 67
9.1.5.7.5 – SYMBOL GROUPS ............................................................................................................................................... 68
9.1.6 – JANELA DE RESULTADOS ................................................................................................................................................. 68
9.1.7 – BARRA DE STATUS ............................................................................................................................................................. 69
9.1.8 – BARRA DE INSTRUÇÕES .................................................................................................................................................... 69
9.1.9 – JANELA DO LADDER........................................................................................................................................................... 71
9.1.9.1 – INSERINDO INSTRUÇÕES NO LADDER ..................................................................................................................... 71
9.1.9.2 – ASSOCIAÇÕES DE CONTATOS EM SÉRIE E PARALELO ........................................................................................ 72
10 – ENDEREÇAMENTO NO RSLOGIX 500® ............................................................................................................................................. 73
10.1 – ENDEREÇAMENTO DE ENTRADAS E SAÍDAS ........................................................................................................................ 73
10.2 – ENDEREÇAMENTO DE BITS...................................................................................................................................................... 73
10.3 – ENDEREÇAMENTO DE PALAVRAS .......................................................................................................................................... 74
11 - INSTRUÇÕES DE PROGRAMAÇÃO DO MICROLOGIX E SLC500 .................................................................................................... 74
11.1 - INSTRUÇÕES DE BITS ................................................................................................................................................................ 74
11.1.1 - INSTRUÇÕES DE CONTATOS (INSTRUÇÕES DE ENTRADA).......................................................................................... 74
11.1.2 - INSTRUÇÕES DE BOBINAS (INSTRUÇÕES DE SAÍDAS) ................................................................................................. 75
11.1.3 - MONOESTÁVEL .................................................................................................................................................................. 77
11.1.4 - OSR – MONOESTÁVEL CRESCENTE / OSF – MONOESTÁVEL DECRESCENTE........................................................ 78
11.2 - TEMPORIZADORES .................................................................................................................................................................... 79
11.2.1 – ARQUIVO DE DADOS T4.................................................................................................................................................... 79
11.2.2 – FUNCIONAMENTO DOS TEMPORIZADORES ................................................................................................................... 80
11.3 - CONTADORES............................................................................................................................................................................. 82
11.3.1 – ARQUIVO DE DADOS C5 ................................................................................................................................................... 82
11.3.2 – FUNCIONAMENTO DOS CONTADORES ........................................................................................................................... 83
11.4 – INSTRUÇÕES DE COMPARAÇÃO (COMPARADORES) ........................................................................................................... 84
11.5 – INSTRUÇÕES MATEMÁTICAS ................................................................................................................................................... 86
11.6 – INSTRUÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO ............................................................................................................................................ 88
11.7 – INSTRUÇÃO DE CONTROLE DE PROGRAMA.......................................................................................................................... 88
ANEXO 1 - SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E UNIDADES DIGITAIS ........................................................................................................... 89
ANEXO 2 - EXPERIÊNCIAS PRÁTICAS DE LÓGICA LADDER ................................................................................................................. 93
EX1 - PARTIDA DIRETA DE MIT ........................................................................................................................................................... 93
EX2 - PARTIDA REVERSA DE MIT ....................................................................................................................................................... 94
EX3 - PARTIDA ESTRELA - TRIÂNGULO DE MIT ................................................................................................................................ 95
EX4 - ALARME SONORO E LUMINOSO ............................................................................................................................................... 96
EX5 - PARTIDA TEMPORIZADA DE 3 MOTORES ................................................................................................................................ 96
EX6 - PARTIDAS ALTERNADAS ........................................................................................................................................................... 96
EX7 - CALCULO DE VOLUME DE TANQUE (MATEMÁTICA) .............................................................................................................. 97
EX8 - CÁLCULO DE VOLUME DE TANQUE (ESCALA) ....................................................................................................................... 97
EX9 - REATOR DE PROCESSO ............................................................................................................................................................ 97
EX10 - ACIONAMENTO SEGURO DE PRENSA.................................................................................................................................... 98
EX11 - CONTADOR DE PEÇAS PRODUZIDAS .................................................................................................................................... 98
EX12 - TANQUE MISTURADOR ............................................................................................................................................................ 99
EX13 - ESCOLHA DE MÓDULOS DE IOs ........................................................................................................................................... 100
EX14 - ACIONAMENTO CICLICO TEMPORIZADO ............................................................................................................................. 100
EX15 - HORÍMETRO ............................................................................................................................................................................ 100
EX16 - SEMÁFORO DUPLO ................................................................................................................................................................ 100
EX17 - SEMÁFORO DUPLO (1 TEMPORIZADOR).............................................................................................................................. 100

Você também pode gostar