Você está na página 1de 32

CONCRETO PROTENDIDO

HIPÓTESES BÁSICAS DE DIMENSIONAMENTO

A análise das tensões numa viga de concreto protendido é


feita admitindo-se as seguintes hipóteses:

1 - As seções planas permanecem planas;


2 - A relação tensão-deformação dos materiais é linear;
3 - As propriedades das seções são baseadas na seção bruta
de concreto;
4 - As mudanças de tensões na armadura de protensão
causadas por cargas aplicadas são desprezíveis.

1
Convenção de sinais:

Tensão:
(+) tração; () compressão;

Momento:
(+) quando tracionar as fibras inferiores;
() quando tracionar as fibras superiores;

Distância até o centro de gravidade da seção:


(+) abaixo da LN; () acima da LN

Força de protensão:
Sempre ()

2
Flexão reta

P Pey My
( y )   
A I I
cg
Onde:
A = a seção bruta de concreto; e y
I = momento de inércia da seção bruta; (y)
P = força de protensão. Ap

3
Flexão oblíqua

P Pe x x Pe y y M x y M y x
 ( x, y )     
A Ix Iy Ix Iy
cg x
Onde:
ey Mx
Mx e My são momentos causados por cargas ex
aplicadas ; Ap
Ix é o momento de inércia em torno do eixo x;
y
Iy é o momento de inércia em torno do eixo y.
My

4
EXEMPLO 1:

Dada a viga abaixo, determinar as tensões na seção mais solicitada,


nas seguintes situações:

a) Considerando cabo reto centrado;


b) Considerando cabo reto excêntrico;
c) Estimando em 15% as perdas de protensão;

5
Dados:

6
7
8
9
10
CONCLUSÃO (a):

11
12
As tensões devidas à g e q, serão mantidas conforme
calculado anteriormente. A elas será adicionada a tensão
devida à força de protensão que, por sua vez, é composta de
duas parcelas de tensão normal.
A primeira parcela é devida à compressão axial exercida
pela força de protensão na seção transversal. A segunda, devida
ao momento fletor decorrente da excentricidade na aplicação
desta força axial. Deste fato, decorre ser a protensão um problema
de flexão composta.
13
14
CONCLUSÃO (b):

15
16
17
CONCLUSÃO (c):

18
EXEMPLO 2:

19
20
Sugestão: Repetir este exemplo, estimando em 8% as perdas de protensão na seção à ¼ do vão.
21
22
A forma que melhor representa este
princípio é a forma parabólica,
conforme será mostrado adiante.

23
24
ANÁLISE DAS TENSÕES NO CONCRETO AO
LONGO DO VÃO

O posicionamento da armadura de protensão ao longo do vão é


função das solicitações atuantes na peça.
Uma vez que as tensões de flexão das cargas externas são variáveis
ao longo da peça, para que na superposição dos efeitos (protensão +
cargas externas) não ocorram tensões acima dos limites estabelecidos
em Norma, é necessário, na maioria dos casos, variar também as
tensões geradas pela protensão.

25
Exemplo: seja a viga simplesmente apoiada, protendida
excentricamente:

Superposição dos momentos das cargas externas com os de protensão 26


OBSERVAR QUE: nas regiões próximas aos apoios a protensão pode
causar tensões que ultrapassam os limites, sendo necessário reduzir
tais efeitos.

27
FORMAS DE VARIAR OS EFEITOS DA PROTENSÃO
PEÇAS COM ADERÊNCIA POSTERIOR E SEM ADERÊNCIA

Para esta forma de execução a variação das tensões causadas pela


protensão pode ser obtida de duas maneiras:

a) cabos curvos terminando nas extremidades da peça.

Cabos curvos ancorados nas extremidades 28


b) cabos curvos terminando na borda superior e nas
extremidades da peça.

Cabos curvos ancorados na borda superior e nas extremidades


Nas duas situações acima mostradas, a variação dos efeitos da protensão
é causada pela mudança da excentricidade dos cabos, bem como pela
decomposição da força de protensão em uma componente normal e uma
tangencial à seção transversal.
Nas situações em que se empregam cabos curvos, o traçado do cabo é
usualmente definido por uma parábola do segundo grau, em função da
facilidade de executar tal traçado.
29
VARIAÇÃO DAS TENSÕES DE PROTENSÃO
AO LONGO DO CABO CURVO

*
B r’’
y’’
X2 k’’
h X1 k’
y’
A x
r’
xB
+ -
-

-
- +
(A) ( X1 ( X2 ) (B 30

)
VERIFICAÇÃO DAS TENSÕES NO CONCRETO AO
LONGO DO VÃO

Existe a necessidade de se verificar as tensões normais atuantes


no concreto ao longo da peça, e não somente na seção mais
solicitada, para garantir que nas regiões pouco solicitadas pelas
cargas externas a força de protensão não venha a causar
solicitações excessivas.

O procedimento mais imediato para realizar esta verificação seria


repetir os cálculos já efetuados na seção mais solicitada para as
demais seções da peça.

31
VARIAÇÃO DAS TENSÕES DAS CARGAS
PERMANENTES EM VIGA SIMPLESMENTE APOIADA

32

Você também pode gostar