Você está na página 1de 14

Alarcão, Isabel.

Professores reflexivos em uma


escola reflexiva.
Sã P
São Paulo:
l CCortez,
t 2OO3
CAPÍTUL01
ALUNOS PROFESSORES E ESCOLA FACE À
ALUNOS,
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

"A
sociedade da informação
informação, como
sociedade aberta e global, exige
competências de acesso,
acesso avaliação e gestão
da informação oferecida
Deve-se desenvolver a competência para organizar o
pensamento e a ação em função da informação,
recebida ou procurada, para termos uma pessoa
preparada para viver na sociedade da informação.
A sociedade da informação em que vivemos

A era da informação
ç e também da comunicação ç é caracterizada
por uma sociedade complexa, repleta de sinais contraditórios,
inundada por canais e torrentes de informação numa oferta de
"sirva-se
sirva se quem precisar e do que precisar
precisar" e "faça
faça de mim o uso
que entender".
Nesse mundo marcado por tanta riqueza informativa, a autora
concorda com Edgar Morin quando este afirma que só o
pensamento pode organizar o conhecimento, e uma cabeça bem
feita é a que é capaz de transformar a informação em conhecimento
pertinente.
ti t
A sociedade da informação passou a chamar sociedade da
informação e do conhecimento e se acrescentou a designação de
sociedade da aprendizagem. Reconhecendo assim que não existe
conhecimento sem aprendizagem, e que a informação, sendo uma
condição
ç necessária p para o conhecimento,, não é suficiente
As novas competências
p exigidas
g pela
p sociedade
da informação e da comunicação, do conhecimento e da aprendizagem

cada cidadão deve estar preparado para encontrar a informação


necessária, para decidir sobre a sua relevância e para avaliar da sua
fidedignidade. Sem o saber que lhe permite aceder à informação e ter um
pensamento independente e critico, ele pode ser manipulado e info-
excluído".

A autora buscou em Perrenoud a definição do conceito de


competência.
p ".. a competência
p é a capacidade
p de utilizar os
saberes para agir em situação, constituindo-se assim como uma
mais-valia relativamente aos saberes. Ter competência é saber
mobilizar os saberes. A competência não existe, portanto, sem os
conhecimentos. Como consequência lógica não se pode afirmar
que as competências estão contra os conhecimentos, mas sim
com os conhecimentos
A competências
As tê i d desejadas
j d ,
conjunto de capacidades:
a curiosidade intelectual, a capacidade de utilizar e
recriar o conhecimento, questionar e indagar, ter um
pensamento próprio, desenvolver mecanismos de auto-
aprendizagem a capacidade de gerir a sua vida individual
e em grupo, de
d se adaptar
d t sem deixar
d i de
d ter
t a sua
própria identidade, ser responsável por seu
desenvolvimento constante, lidar com situações que
saem da rotina, decidir e assumir responsabilidades,
resolver problemas, trabalhar em colaboração e aceitar
os outros.
A competência para lidar com a informação na
sociedade da aprendizagem

Saber o que procurar e onde procurar - distinguir entre o que


é relevante e irrelevante, sério ou fraudulento, reter apenas o que
é importante.
A necessidade vital na educação
ç de hojej éq que se criem
condições, nas escolas e nas comunidades, que compensem a
falta de acessibilidade a fontes de informação que possam
existir no seio das famílias.
Também se deve organizar o trabalho escolar, promovendo o
trabalho colaborativo entre os alunos, reorganizando os horários
de forma que os alunos tenham tempos para pesquisas e
criando verdadeiras comunidades de aprendizagem
Os alunos na sociedade da aprendizagem

Ser aluno é ser aprendente ao'longo da vida. Observar o mundo e se


observar a si, se questiona e procura atribuir sentido aos objetos, aos
acontecimentos
t i t e àsà interações.
i t õ Ir
I à procura do
d saber.
b
Estudos de pesquisa-ação realizadas mostrou que a intervenção
didático-curricular tiveram como finalidade desenvolver a capacidade
de autonomia dos alunos por meio da organização de atividades que os
incitassem a ser aprendentes ativos, tais como:
tomada de consciência do que sabiam ou precisa-vam saber para
realizar a atividade;
pesquisa pessoal;
trabalho colaborativo;
sistematização orientada;
reflexão individual e partilhada;
apoio do professor e regulação da aprendizagem.
Os alunos começamç a definir os ppróprios
p objetivos
j e tentar alcançá-los,
ç ,
tornam-se sujeitos ativos; aumentam sua capacidade cognitiva e
metacognitiva na medida em que foram capazes de se questionar, de
determinar o conhecimento de q que dispunham
p e aquele
q de que
q
precisavam para resolver as dificuldades
Os professores na sociedade da aprendizagem

O professor de hoje tem que desenvolver competências


relacionadas a criar,, estruturar,, dinamizar situações
ç de
aprendizagem, estimular a aprendizagem, auto-confiança nas
capacidades individuais para aprender. "Os professores são
estruturadores e animadores das aprendizagens"
aprendizagens ,
Manter um constante processo de auto-formação e
identificação profissional.
Desafio - ajudar a desenvolver nos alunos
alunos, futuros
cidadãos, a capacidade de trabalho autônomo e colaborativo,
mas também o espírito critico.
R
Ressaltando
lt d que o espírito
í it critico
iti nãoã se desenvolve
d l por
meio de monólogos expositivos, e sim, se faz no diálogo, no
confronto de idéias e de práticas, na capacidade de se ouvir o
outro, mas também de se ouvir a si próprio e de se auto-
criticar.
A escola na sociedade da aprendizagem

Nova organização da escola - ter tempos e lugares


diferenciados para aulas de grandes grupos,
grupos pequenos
grupos, trabalhar isoladamente;
acesso facilitado tanto a livros e revistas q
quanto a
computadores, bases de dados e serviços da Internet;
realização de tarefas concretas, teoria e prática

A escola reflexiva não é telecomandada do


exterior -é auto-gerida.
Sabe para onde quer ir e avalia
avalia-se
se
permanentemente na sua caminhada - é uma
comunidade de aprendizagem - um local onde se
produz conhecimento sobre educação.
A FORMAÇÃO
à DO PROFESSOR REFLEXIVO

"A noção de professor reflexivo baseia-se na consciência da


capacidade de pensamento e reflexão que caracteriza o ser
humano como criativo e não como mero reprodutor de idéias e
práticas que lhe são exteriores"

A escola tem de ser organizada de modo a criar condições de


reflexividade individuais e coletivas. Ela é uma comunidade
educativa, um grupo social constituído por alunos, professores
e funcionários e fortes ligações à comunidade envolvente
através dos pais e dos representantes do poder municipal.
O professor reflexivo reflete em situação e constrói
conhecimento a partir do pensamento sobre a sua prática.
A capacidade reflexiva é inata no ser humano e necessita de
contextos q que favoreçam
ç o seu desenvolvimento,, contextos de
liberdade, diálogo e responsabilidade.
A pesquisa ação, a abordagem reflexiva e a
aprendizagem experiência!
A aprendizagem é um processo transformador da experiência e se
processa em quatro fases: experiência concreta; observação
reflexiva;
fl i conceptualização;
li ã experimentação
i ã ativa.
i
A análise de casos - os casos são a expressão do pensamento sobre
uma situação concreta.
As narrativas - serão cada vez mais ricas quanto mais elementos
significativos se registrarem. Devem se registrados não apenas os
fatos,, mas também o contexto físico,, social e emocional do
momento.
Os portfólios - construção pessoal do seu autor, que seleciona os
seus trabalhos,
trabalhos os organiza,
organiza os explica e lhes dá coerência.
coerência Tem a
finalidade de conhecer, revelar-se, aspirando a um reconhecimento
do mérito.
As perguntas pedagógicas - meios de desenvolvimento profissional,
profissional
perspectiva de emancipação e manifestação do espírito crítico pêlos
professores como intelectuais e cidadãos interventivos na
sociedade.
i d d
permitirá a visão e a sabedoria necessárias para mudar a qualidade
do ensino e da educação"
CAPÍTULO 4 GERIR UMA ESCOLA REFLEXIVA

“A escola é uma comunidade reflexiva, ou então, é um edifício


sem alma"
A escola é uma comunidade social,
social organizada para exercer a
função de educar e instruir.
A escola como eu gostaria que ela fosse - Escola comunidade
dotada de pensamento e vida própria,
própria contextualizada na cultura
local e integrada no contexto nacional e global mais abrangente; que
conceba, projete, atue e refuta; ambição estratégica; questione o
insucesso nas suas causas para, relativamente a elas, traçar planos
de ação; reflita sobre os seus próprios processos e as suas formas
de atuar e funcionar; analise, desconstrua e
refaça as suas opções e a sua ação curricular; saiba prestar
contas da sua atuação, justificar os seus resultados e auto-
avaliar se para definir o seu desenvolvimento; que se alimente do
avaliar-se
saber, da produção e da reflexão dos seus profissionais; ela
própria conheça as suas necessidades, cria os seus contextos de
f
formação e integra
i a formação
f no seu desenvolvimento
d l i
institucional; missão de educar as novas gerações.
A escola reflexiva encontra
encontra-se
se sempre
em construção, em desenvolvimento
(comunidade social
social, dinâmica)
dinâmica).

É uma escola que sabe onde está e para


onde qquer ir. É uma organização
g ç
aprendente e qualificante
O currículo se encontra no centro do projeto de escola - a noção
de currículo é central na noção de escola e tem de assumir um
lugar de primeiro plano no projeto educativo de escola.
escola
Gerir uma escola reflexiva é:

ser capaz de liderar e mobilizar as pessoas;


saber agir em situação;
nortear-se pelo projeto de escola;
assegurar uma atuação ã sistêmica;
i ê i
assegurar a participação democrática;
pensar e escutar antes de decidir;
saber avaliar e deixar-se avaliar;
ser conseqüente;
ser capaz
p de ultrapassar
p dicotomia paralisante;
p ;
decidir;
acreditar que todos e a própria escola se encontram
num processo de desenvolvimento e de aprendizagem

Você também pode gostar