Você está na página 1de 11

Cliente: TRIUNFO LOGISTICA

Equipamento Modelo: L120F


Número de série: 72737
Horímetro: 6569,9H
Data da leitura: 24/07/2019

1 – Introdução:

Este relatório tem o intuito de instruir, prevenir, sugerir e orientar sobre anomalias e/ou
falhas de operação que podem ser identificadas através da Leitura de Matris (software que
acompanha os equipamentos VOLVO e registra todas as operações realizadas pelo
equipamento).

Neste, nós mostramos e analisamos pontos que podem ser aprimorados a/ou acertados para
que assim consigamos reduzir ao máximo o risco de uma quebra precoce do equipamento,
fazendo com que o mesmo produza sempre mais por menos.

Este relatório é acompanhado da leitura MATRIS (anexada) e discutiremos os pontos mais


relevantes desta leitura.
2 – Análise:
2.1 – Utilização da Máquina.

Este gráfico nos mostra como o equipamento foi utilizado dentro do intervalo de operação.

É considerado como tempo de marcha lenta, todo tempo em que o equipamento está ligado
sem realizar deslocamento e/ou movimentos hidráulicos (trabalho), ou seja, o motor está
apenas consumindo diesel. Neste equipamento, é importante atentarmos para o índice de
marcha lenta com 51,6%, que significa que o equipamento ficou ligado aproximadamente
3.390 horas nestas condições.

Além do consumo de diesel com o equipamento parado, altos índices de marcha lenta
podem ser prejudiciais ao equipamento pois, quando um motor está em marcha lenta a
lubrificação do mesmo é reduzida e o atrito gerado pelo movimento do conjunto de pistões
e anéis, quando em excesso, faz com que os mesmos se tornem uma lixa para as camisas,
este processo é popularmente conhecido como espelhamento das camisas, vale lembrar que
TODOS os motores estão fadados a este problema quando o índice de marcha lenta é alto

É aconselhável que o motor seja desligado quando o tempo de espera for superior a 3
minutos.
2.2 – Rotação do Motor, distribuição (%).

Este gráfico nos mostra quais as faixas de rotação estão sendo mais utilizadas.

Podemos observar pelo gráfico, que a operação do equipamento pode ser considerada
de risco, pois a exceção da marcha lenta (barra azul), tempo em que a máquina está parada
sem executar trabalho, o uso não segue o recomendado pelo fabricante, onde as barras de
rotação do motor não seguem um desenho semelhante ao da linha de torque do motor (linha
preta), dessa forma o equipamento estará trabalhando fora da linha de rendimento máximo.

É valido ressaltar que os equipamentos VOLVO têm por ideal a geração de alto torque
à baixa rotação, como podemos ver, para atingirmos o pico de torque do motor da L120F
precisamos de aproximadamente 1400 – 1600 RPM.

A utilização do equipamento em marcha lenta por elevados períodos de tempo fará


com que a média de consumo global do equipamento seja reduzido, além de dificultar a
lubrificação dos componentes internos do motor. Pois em marcha lenta o equipamento está
parado apenas consumindo combustível e oscilando a rotação da bomba de óleo dificultando
a lubrificação das partes móveis internas do motor.
É interessante realizarmos a conscientização dos operadores quanto a este fato.
2.3 – Tempo em marcha lenta antes do desligamento.

Este gráfico nos mostra o tempo em marcha lenta antes do desligamento do equipamento.
Lembrando que o tempo mínimo recomendado são 2 minutos.

Enquanto o motor pode desempenhar até 2.200 RPM, um turbocompressor em plena


carga pode desenvolver até 120.000 RPM. Este por sua vez necessita de lubrificação durante
todo o tempo de operação, mas ao desligarmos o motor, desligamos também a bomba de
óleo, que é responsável, entre outras coisas, pela lubrificação dos mancais da turbina.

Quando o motor é desligado sem que se aguarde a queda de rotações e o resfriamento


do turbo, este irá funcionar sem lubrificação e aumentará o aquecimento, podendo danificar
ou até mesmo quebrar os mancais do eixo do turbo. Uma vez que isso ocorra, a troca do
turbocompressor será necessária além de ocasionar passagem de óleo para a câmara de
combustão do motor, podendo causar danos aos componentes internos.

Aconselhamos a conscientização junto aos operadores, explicitando a necessidade de se


aguardar o tempo mínimo recomendado antes do desligamento, cerca de 2 minutos.
2.4 – Marchas, distribuição de tempo (%).

O gráfico mostra a distribuição das diferentes marchas, em percentagem do tempo total


de operação do motor.

Em comparação ao gráfico do item 2.1, onde 51,6% do tempo que o equipamento fica
em marcha lenta, em 42,4% do tempo está em posição Neutra. Em ambos os casos o
equipamento está apenas consumindo combustível e oscilando a rotação da bomba de óleo
dificultando a lubrificação das partes móveis internas do motor.

Além do espelhamento de camisas, já citado anteriormente, essa prática pode nos


levar a análises erradas quanto ao consumo de combustível do equipamento, conforme será
explicado nos itens a seguir.

É interessante realizarmos a conscientização dos operadores quanto a este fato.


2.5 – Velocidade da máquina durante mudanças R – F.

Este gráfico também é de suma importância para o equipamento, as carregadeiras sobre


rodas VOLVO podem realizar a inversão de sentido sem a necessidade de paramos o
equipamento e/ou usar o freio até uma velocidade máxima de 13,5 Km/h.

Neste caso temos 168 ocorrências de inversão no sentido na faixa entre 13,5 – 18
Km/h e 6 ocorrências na faixa entre 18 – 22,5 Km/h.
Lembramos que este procedimento acima registrado coloca em risco todo o pacote
eixo / transmissão.

É interessante realizarmos a conscientização dos operadores quanto a este fato.


2.6 – Velocidade da máquina durante mudanças F – R.

Este gráfico também é de suma importância para o equipamento, as carregadeiras sobre


rodas VOLVO podem realizar a inversão de sentido sem a necessidade de paramos o
equipamento e/ou usar o freio até uma velocidade máxima de 13,5 Km/h.

Neste temos 55 ocorrências de inversão no sentido na faixa entre 13,5 – 18 Km/h,


temos 2 ocorrências na faixa entre 18 – 22,5 Km/h e 1 ocorrência entre 22,5 – 27 Km/h.
Lembramos que este procedimento acima registrado coloca em risco todo o pacote
eixo / transmissão.

É interessante realizarmos a conscientização dos operadores quanto a este fato.


2.7 – Uso do bloqueio do diferencial.

O bloqueio do diferencial é um recurso técnico que melhora o desempenho


do equipamento em situações adversas, recomendado acionamento apenas em
casos críticos que requer tração positiva no eixo dianteiro.

No gráfico acima temos 457 ocorrências em velocidade inferior à 0,5 Km/h,


temos 1.253 ocorrências na faixa entre 0,5 – 10 Km/h, 7 ocorrências na faixa
entre 10 – 25 Km/h e 1 ocorrência acima de 25 Km/h.
2.8 – Média de consumo de combustível por hora.

Este gráfico nos mostra a média global do consumo de combustível horária do


equipamento.

Podemos ver que o equipamento está com o consumo de combustível no limite


recomendado pelo fabricante (linhas pretas). Todavia o consumo pode estar sendo
mascarado pelo tempo em que o equipamento permanece em marcha lenta, pois parado o
consumo de diesel por hora é baixo, reduzindo assim a média global de consumo.
3 – Conclusão.

Após avaliarmos estes gráficos gostaríamos de deixar claro mais uma vez que esta
análise não tem o menor sentido punitivo, e sim, a intenção de prever sempre para os nossos
clientes, possíveis danos que podem interferir diretamente nas operações dos
equipamentos VOLVO para que assim, diretrizes possam ser tomadas a fim de evitar tais
acontecimentos e custos excessivos.

Temos a intenção de estreitar ainda mais o relacionamento com nossos clientes e


deixamos claro também que em qualquer momento que for necessário estamos
inteiramente à disposição para dar auxílio/suporte.

Em âmbito geral, a operação deste equipamento pode ser classificada como de risco.
O operador deve estar atento ao excesso de marcha lenta, à velocidade na qual realiza as
inversões de sentido, à faixa de rotação adequada do motor e ao tempo de marcha lenta
antes do desligamento. Este tipo de ocorrência pode acarretar em falhas de componentes
críticos do equipamento. Atestamos que a prática de inspeções preventivas diárias e das
revisões previstas pelo fabricante traz benefícios não só para o equipamento como também
para correções operacionais, informações que nossos técnicos passam costumeiramente
durante as revisões.

Lembramos também que caso haja necessidade a Tracbel poderá fornecer


treinamento de operação e manutenção preventiva para os operadores de sua empresa, o
que trará grandes resultados na operação e prevenção de danos maiores ao equipamento.

Cordialmente,

Fabricio Gomes
Tracbel S/A