Você está na página 1de 18

ECV5149 – Geologia de Engenharia

Capítulo 7
DINÂMICA de Superfície
Intemperismo e Formação de Solo
Uma paisagem somente estará completamente estudada quando puder ser corretamente descrita em
termos de estrutura, processo e tempo o que envolve conhecimentos diversificados (da física a
hidrologia, da botânica a pedologia, etc.)

“A dinâmica superficial é responsável pela modelagem da superfície da Terra”

1. Processos

“São eventos que envolvem a aplicação de forças sob um certo gradiente. Estas forças estão
relacionadas à ação da chuva, vento, ondas, rios, gelos e etc.”

 Quando estas forças excedem a resistência dos sistemas naturais ocorrem modificações por
alterações do terreno, mudança de posição ou mudanças na estrutura química.

Diversos agentes estão envolvidos na destruição da superfície da Terra:

Agentes móveis – Rios escavam canais; ondas atacam as praias e costões; vento movimenta as areias
das dunas e das praias; geleiras desgastam aos ales glaciais.

Agentes imóveis – Variação de temperatura e umidade; dissolução de calcários em cavernas;


congelamento de águas em fraturas.

“A dinâmica superficial compreende a interação de fatores físicos, químicos, biológicos e fatores


antrópicos (ação do homem)”

 Alteração do escoamento da água superficial


Modificações antrópicas  Impermeabilização do solo
 Remoção ou destruição da cobertura vegetal

Os processos da dinâmica superficial que atuam com mais freqüência no Brasil são:

 Intemperismo
 Erosão
 Movimento de massa
 Assoreamento
 Inundação
 Subsidiência e colapsos
 Processos Costeiros

2. Intemperismo

Conjunto de processos que ocasionam a alteração e a decomposição química das rochas e dos
minerais graças a ação de agentes atmosféricos e biológicos.

São processos que atuam através de mecanismos modificadores das propriedades físicas dos minerais
e rochas (morfologia, resistência e textura) e de suas características químicas, classificando-se nos
seguintes tipos:

 Intemperismo físico
 Intemperismo químico

175
ECV5149 – Geologia de Engenharia

2.1 intemperismo físico

2.1.1 Variações de temperatura repentinas

 Durante o dia a temperatura nas rochas chega a 60º e a 0o durante a noite. Estas variações de
temperatura fazem com que os minerais das rochas estejam ora em estado de expansão, ora em
contração.
 Os coeficientes de dilatação térmica dos minerais são diferentes, sendo assim, começam a
aparecer pequenas trincas que vão se alongando com o tempo, fraturando todo o maciço com
conseqüente desintegração em blocos.

Exemplo:
 Considerando um cubo de granito, com 3 metros de lado, a penetração do calor será maior nos
vértices e arestas do que no centro das faces, pos nestes pontos a superfície exposta é maior.

Ataque
de um lado

Alteração esferoidal resulta na produção de formas arredondadas a partir de formas angulosas de


blocos de rocha

 Apesar de ser um cubo a linha isotérmica terá a forma de uma esfera.


 Às 5:00hs o cubo mostraria uma casca de 15 a 20 cm,com temperatura de 26º C, enquanto que
a temperatura no núcleo do granito estaria numa temperatura da ordem de 35º C. → Nesta
situação a casca do granito tenderia a esmagar o núcleo.
 As 17:00 hs a casca do granito estaria aquecida com 63º C, estaria expandida, sofrendo
esforços de tração.
 Como as rochas resistem mais à compressão tem-se que s esforços derivados do aquecimento,
teriam maiores conseqüência na ruptura.
 A fadiga a tração levaria ao desprendimento de uma casca semelhante a uma cebola, com 15 a
25 cm de espessura, que tenderia a arredondar as arestas do cubo. Este processo denomina-
se de esfoliação esferoidal. (Victor Hugo, 1992)

Praia do Campeche/Florianópolis Barra da Lagoa / Florianópolis

176
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Esfoliação esferoidal de um bloco de rocha

2.1.2 Congelamento da água

 Fendas (trincas) preenchidas com água em regiões que alcançam baixas temperaturas, têm um
acréscimo de pressão, da ordem de 150 kg/cm2 (Petrucci, B.;1979), quando do seu
congelamento (aumento do seu volume em 10%) o que contribui para o seu fraturamento.

Fragmentação por ação do gelo. A água líquida ocupa as fissuras da rocha (a), que posteriormente
congelada expande e exerce pressão nas paredes (b).

Bloco de gnaisse fraturado pela ação do gela nas fissuras

A força de expansão da água durante o seu congelamento é muito superior à força de tração de muitas
rochas.

Alguns valores típicos de resistência a tração das rochas:



Granito → da ordem de 70 kg/cm2

Mármore → 49 a 63 kg/cm2
 Arenito → 7-14 kg/cm2
177
ECV5149 – Geologia de Engenharia

2.1.3. Alívio de tensão

As rochas que se formaram a grandes profundidades (15-30 km), tais como as rochas ígneas plutônicas
abissais (granito, gabro), estiveram submetidas a elevadas pressões

Posteriormente,com o soerguimento daquele ponto da placa continental, tais rochas foram alçadas a
profundidades menores e sua cobertura foi erodida até que afloraram ficando expostas a atmosfera.

Estas rochas estiveram submetidas a elevadas pressões passam a ser submetida a pressão de 1 atm
sofrendo assim uma acentuada descompressão.

A conseqüência será a ruptura intensa da rocha segundo a direção paralela a superfície do terreno com
espaçamento de 1 a 10 metros condicionando a fragmentação desta rocha em formato de placas
paralelas.

Formação de juntas de alívio em conseqüência da expansão do corpo rochoso sujeito a alívio de


pressão.

Exemplos:

 Desplacamento abrupto, assemelhando-se a explosão, que ocorrem nas paredes das galerias
da Mina do Morro Velho – MG. Destacam-se espontaneamente placas de rocha, em pontos
imprevisíveis de forma violenta, que tem causado vítimas fatais.
 Túneis da adução de água da Hidroelétrica Capivari-Cachoeira. Ocorreu desprendimento,
frequentemente violento, de placas de rocha das paredes das escavações.

2.1.4 Cristalização de sais e Ação física dos vegetais

 As águas presentes no interior de fendas de rochas podem evaporar e precipitar os sais que se
encontram em solução. Esta cristalização exerce uma pressão que contribui para a
desintegração das rochas (comum em regiões costeiras)
 Ação do crescimento de raízes ao longo das fraturas também separa e remove fragmentos de
rochas.
 A porção superficial da rocha é comumente habitada por algas, musgos e liquens que liberam
produtos químicos ativos que atacam a rocha.

178
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Ação do crescimento de raízes alargando as fisssuras e contribuindo para a fragmentação da rocha

2.2 Intemperismo químico

Transformação química dos minerais que compõem a rocha. Ocorre fragmentação das rochas
aumentando a superfície exposta ao ar e à água.

O intemperismo físico abre caminho e facilita o intemperismo químico.

O principal agente do intemperismo químico é a água de chuva, que infiltra e percola as rochas.

Esta água rica em oxigênio (O2) em interação com o CO2 da atmosfera adquire caráter ácido. Ao entrar
em contato com o solo, que enriquecem o ambiente em CO2, tem o seu pH diminuído.

O aumento da acidez destas águas proporciona o aumento do seu poder de ataque em relação aos
minerais, intensificando assim o intemperismo químico.

Na maior parte dos ambientes da superfície da terra, as águas percolantes têm pH entre 5 e 9. Neste
ambiente as principais reações de intemperismo são:

 Hidratação
 Dissolução
 Hidrólise
 Oxidação

2.2.1 Hidratação

 A hidratação dos minerais ocorre pela atração entre os dipolos das moléculas de água (não
rompidas em H+ e OH-) e as cargas elétricas não neutralizadas da superfície dos grãos.
 Na hidratação, moléculas de água se incorporam e entram na estrutura dos minerais,
modificando-as e formando um novo mineral.

179
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Exemplos:

1) CaSO4+2H2O → CaSO4.2H2O.
(anidrita) (gipsita)

2) Entre os minerais que se hidratam merecem destaque as argilas que apresentam comportamento de
expansão. Como exemplo tem-se a presença de nontronita em basalto que pode levar a rocha à
ruptura.

3) A conjugação de processos de intemperismo físico, tais como a variação e temperatura, alívio de


tensão e hidratação tem grande interesse na intemperização de folhelhos.

Quando aquecidas ou hidratadas as lâminas dos folhelhos, formadas pelas fissilidades, se expandem,
desprendendo-se das Lâminas subjacentes. Este processo de desplacamento do folhelho cessará,
quando as plaquetas que se desprenderem, não escorregarem recobrindo a rocha. Este fato ocorrerá
quando a inclinação da encosta ou do corte for de 1:1, ou seja, 45º. (Victor Hugo, 1992).

Empastilhamento de rocha

Este processo é considerado um fenômeno de instabilidade superficial e apresenta de maneira


semelhante à erosão, características de destruição da estrutura do material e sua posterior remoção.

É comum a sua ocorrência em regiões tropicais e resulta de uma ação cíclica de umedecimento e
secagem.

• Rochas sedimentares, como siltitos e folhelhos das formações lrati e Estrada Nova, quando expostas
às intempéries manifestam desagregação superficial, conhecida por empastilhamento.

• O material desagregado pode atingir a via, colmatar obras de drenagem, bem como descalçar blocos
de rocha de outras camadas mais resistentes em um processo conhecido com erosão diferencial.

Empastilhamento em rochas xistosas


180
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Erosão diferencial

Empastilhamento de solo – Serra do Corupá/SC

Medidas corretivas

• Impedimento da ocorrência de ciclicidade (umedecimento/secagem) através da proteção superficial, ou


confinamento do talude com camada de solo compactado.

2.2.2 Hidrólise

A hidrólise é a principal causa do intemperismo químico dos minerais das rochas.

 A hidrólise resulta da dissociação quase que completa da água, gerando íons de hidrogênio (H +)
e consequentemente a formação de pH ácido.

 A hidrólise está relacionada intimamente a hidratação. Pela hidratação a água é incorporada à


estrutura cristalina do mineral. Na hidrólise ocorre a decomposição do mineral pela água
transformando-o em outras substâncias inteiramente novas.

181
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Os silicatos são atacados quimicamente pela água em dois passos sucessivos:

 1º passo: A água penetra nos capilares dos minerais, afrouxando-os


 2º passo: Ocorre a hidrólise propriamente dita com a quebra da estrutura cristalina do mineral.

Exemplo: Alteração de feldspato potássico.

Alteração de um feldspato potássico em presença de água e ácido carbônico, com a entrada de H + na


estrutura do mineral substituindo o K +. O potássio é totalmente eliminado pela solução de lixiviação e a
sílica apenas parcialmente; a sílica não eliminada recombina-se com o alumínio também não
eliminado, formando uma fase secundária argilosa (caulinita)

2.2.3 Dissolução

Alguns minerais estão sujeitos à dissolução que consiste na solubilização completa. É o caso da calcita
e da halita que entram em solução conforme a equação abaixo:

Exemplos:

CaCO3 → Ca+2+CO3-2
(Calcita)

NaCl → Na++ Cl-


(Halita)

2.2.4 Oxidação

Alguns elementos podem estar presentes nos minerais em mais de um estado de oxidação.

182
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Exemplo:

Ferro – Encontra-se nos minerais ferro-magnesianos (inossilicatos → piroxênios e anfibólios; nesossilicatos →


Olivina; Filossilicato → Biotita) sob a forma de Fe+2 e quando liberado em solução oxida-se a Fé+3 e se precipita
como um novo mineral, a geotita que é um óxido de ferro hidratado.

Formação da geotita:

2FeSiO3 + 5H2O + ½ O2 → 2FeOOH + 2 H4SiO4


(Geotita)
A geotita pode transformar-se em hematita por desidratação:

2FeOOH → Fe2O3 + H2O


(Hematita)

A alteração intempérica de um mineral com Fe +2 resulta, por oxidação do Fe+2 para Fe+3, na formação
de geotita.

3. Formação do Solo

Para a finalidade específica de engenharia civil, o termo solo corresponde a todo material da crosta
terrestre que não oferece resistência intransponível à escavação mecânica e que perde totalmente toda
a resistência quando em contato prolongado com a água (Vargas, 1978).

A origem e evolução do solo está relacionada aos seguintes fatores:

 Clima – Condicionado principalmente pela ação da chuva e da temperatura


 Material de origem – A alteração intempérica depende da natureza dos minerais constituintes
das rochas
 Organismos – Vegetais e animais
 Relevo – Interferindo na dinâmica da água
 Tempo.

O desenvolvimento do solo inicia-se com o intemperismo físico e químico agindo sobre as


rochas formando materiais não consolidados.

Este material proveniente da desagregação da rocha poderá permanecer no local onde se desenvolveu
ou se transportar para outro originando os seguintes tipos de solos:

 Solo residual – Formado no local, diretamente da desagregação da rocha subjacente ao perfil


do solo.

183
ECV5149 – Geologia de Engenharia

 Transportado – Dependendo do agente transportador pode receber as seguintes


denominações.

o Coluvionar – ação da gravidade


o Aluvionar – ação da água corrente
o Glacial – ação de geleiras
o Eólicos – ação do vento.

Seção esquemática com diversos tipos de solos, em região com escarpa de serra (Serra geral, interior
do Estado de São Paulo)

3.1 Fatores que condicionam a formação do solo.

3.1.1 Clima

Os aspectos climáticos mais importantes na formação dos solos estão relacionados à temperatura e
precipitações pluviométricas.

a) Temperatura

 Quanto maior for a temperatura maior a profundidade do terreno submetido à alteração física e
química.
 Mantidas as condições pluviométricas, as regiões de clima temperado apresentam solos mais
profundos.

Um aumento de 10º C aumenta a velocidade de uma reação química de duas a três vezes.

b) Precipitação pluviométrica

 Na formação do solo a ação da água atua nos processos de alteração química e movimento de
soluções e lixiviação do solo.

 Promove o aumento da alteração química por hidrólise, remoção de elementos solúveis e


acúmulo de elementos insolúveis em determinadas posições do perfil do solo.

3.1.2 Relevo
184
ECV5149 – Geologia de Engenharia

 A influência do relevo se manifesta pela sua interferência na dinâmica da água e nos processos
de erosão e sedimentação.
 Relevo com topografia suave facilita a infiltração de água de chuva superando as taxas de
escoamento superficial. Os processos de formação do solo atuam em profundidades maiores.
 As perdas de solo por erosão são menos significativas

Em regiões de clima úmido, como o observado em grande pare do território brasileiro, é comum
a formação de solos influenciados pela circulação de água das chuvas, tendo como exemplo os
solos lateríticos (ocorrem em regiões aplainadas ou ligeiramente onduladas e bem drenadas).

3.1.3 Tipo de rocha

 Muitas propriedades físicas e químicas do solo são determinadas pelo conteúdo mineralógico.
 Rochas compostas por minerais ricos em sílica produzem solos de textura arenosa (Ex. granito).
 Rochas com relevante porcentagem de minerais ferromagnésianos (biotita, olivina e piroxênio) e
feldspatos oferecem condições para a formação de solos argilosos (Ex. basalto, diabásio).

Amostra retida # 2 mm

Solo residual do Granito Ilha – SC401/Florianópolis

Amostra passante na # 2 mm

185
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Amostra integral de solo residual de Diabásio – Itacorobi/Florianópolis

3.1.4 Ação de organismos

 Os restos de vegetais, acumulados na superfície do solo, passam progressivamente por


transformações físico-química com produção de humos.
 Bactérias e fungos contribuem na alteração de certos minerais
 Espécies vegetais com raízes profundas e seres vivos que se instalam no interior do solo
(minhoca, formiga e cupim) contribuem para a evolução do solo, desenvolvem a porosidade do
solo tornando-o mais permeável.

3.1.5 Tempo

 As regiões de clima quente e úmido com densa cobertura vegetal desenvolvem o solo em um
período de tempo menor.
 Superfícies topográficas mais antigas não apresentam necessariamente solos mais evoluídos,
pois esta evolução depende da conjunção de todos os fatores anteriores.

3.2 Espessura do solo e forma de relevo

Sendo a formação do solo condicionada pela maior ou menor penetração da água e pela alterabilidade
relativa dos minerais, que constituem a rocha, é de se esperar duas situações principais quanto à
espessura do solo:

 Espessura do solo em áreas com variação do tipo de rocha


 Espessura do solo em áreas com o mesmo tipo de rocha

3.2.1 Espessura do solo em áreas com variação do tipo de rocha

A espessura do solo tenderá a ser maior nas áreas de rochas constituídas de minerais de maior
alterabilidade que influenciará a forma do relevo.

186
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Exemplos:

a) Granito – tendo menor alterabilidade apresentará solo de menor espessura e tenderá a formar um
relevo acidentado

b) Diabásio – por ser mais facilmente alterado, por conter minerais com quantidade menor de sílica,
tenderá a formar solo de maior espessura.
3.2.2 Espessura do solo em áreas com o mesmo tipo de rocha

 A espessura do solo será determinada predominantemente pelo fraturamento da rocha e da sua


estrutura.
 Nos pontos onde o fraturamento for mais intenso, tenderá a ocorrer maior espessura de solo e o
desenvolvimento de vales.

Menor espaçamento das fraturas, provoca o desenvolvimento de maior espessura de solo e de vales.
(Victor Hugo , 1992)

3.3 Perfil de alteração

Do que foi exposto anteriormente tem-se que a formação do solo é composta de duas etapas que
ocorrem simultaneamente:

 Formação do substrato: Ocorre por meio do intemperismo agindo sobre as rochas


 Diferenciação dos horizontes: a camada de detritos intemperizados vai se diferenciando em
subcamadas morfologicamente distintas. Ocorre a incorporação da matéria orgânica e a
migração de matéria mineral e orgânica entre os horizontes do solo

Deere e Patton (1971) definem perfil de alteração com a seqüência de camadas formadas por
processos de alteração física e química e que permanecem recobrindo o maciço rochoso.

A migração de matéria orgânica e mineral depende da presença da água podendo ser descendente ou
ascendente, na zona de aeração e de saturação, e horizontais para a água da zona de saturação.

Entre estes processos de migração estão as substâncias solúveis sobre a forma de sais (lixiviação),
migração de de Fe e Al sobe a forma de complexos organometálicos (queliviação) e migração de
partículas de argilominerais em suspensão.

187
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Relações entre minerais formadores de rochas e os argilominerais produzidos por intemperismo

Série de Goldich: Ordem de estabilidade frente ao intemperismo dos minerais mais comuns.
Comparação com a série de cristalização fracionada magmática de Bowen

Os três principais horizontes de solo definidos pela PEDOLOGIA são os seguintes:

Horizonte Características
A Superficial, acumula matéria orgânica e lixívia material para o horizonte inferior
B Intermediário, com pouca matéria orgânica originada do horizonte A, acúmulo de
material lixiviado (húmus,argila, óxido de ferro e alumínio transportados do
horizonte A); não é encontrada estrutura ou textura da rocha original;
C Corresponde a rocha alterada, mantém a estrutura da rocha original, alguns
minerais ainda não sofreram intemperismo (saprolito), nenhuma matéria
orgânica; podendo conter até 10% de blocos de rocha

188
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Muitos pesquisadores propuseram sua própria terminologia para designar as diferentes camadas de um
perfil de solo.

Baseado em diferentes proposições existentes, Pastore (1995) propôs uma padronização da


terminologia para descrever o perfil do solo. As características dos horizontes de solo são descritas
como:
(I)Horizonte de solo orgânico – Presente em todos os perfis, geralmente com pequena espessura.
Composto por areia, silte e argila e quantidade apreciável de matéria orgânica.
(II)Horizonte laterítico – Pode estar presente em solos residuais ou transportados e não apresenta
estrutura típica da rocha de origem.
(III)Horizonte de solo saprolítico – Composto por solo residual cuja principal característica é
apresentar a estrutura reliquiar da rocha de origem, podendo conter até10% de blocos de rocha.
(IV)Horizonte saprolítico – É a transição entre o maciço de solo e o maciço rochoso. É composto por
blocos ou camadas de rochas em vários estágios de alteração. Quantidade de blocos de rocha superior
a 10%.
(V)Horizonte de rocha muito alterado – Caracteriza o topo do maciço rochoso, sendo a rocha
composta por minerais em avançado estado de alteração, sem brilho e com resistência reduzida.
(VI)Horizonte de rocha alterada – a resistência da rocha é bem maior do que a do horizonte de rocha
muito alterada.
(VII)Horizonte de rocha sã

Perfil de alteração típico de rochas areníticas

Rocha:
SOLO RESIDUAL
Arenito
Textura:
Horizonte C Horizonte B
Areia
% média dos minerais Areia Silte Argila Areia Silte Argila
da rocha
Quartzo – 90% 90% 85%
Argila – 10% 10% 15%
Granulometria 90% 10% 85% 15%
Classificação Arenoso Arenoso
Relação esquemática da rocha mãe e solo residual

189
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Perfil de alteração típico de rochas basálticas

Rocha:
SOLO RESIDUAL
Basalto Colunar
Textura:
Horizonte C Horizonte B
Equigranular fina
% média dos minerais da rocha Areia Silte Argila Areia Silte Argila
Plagioclásio
5% 25% 20% 20% 30%
Cálcico – 50%
Piroxênio – 30% 5% 15% 10% 10% 20%
Vidro – 15% 15% 15%
Titânio,
5% 5%
Magnetita – 5%
Granulometria 15% 40% 45% 5% 30% 65%
Classificação Argilo siltoso ou Síltico argiloso Argilo siltoso
Relação esquemática da rocha mãe e solo residual

Perfil de alteração típico de rochas graníticas

Rocha:
SOLO RESIDUAL
Granito
Textura:
Horizonte C Horizonte B
Grosseira
% média dos minerais da
Pedregulho Areia Silte Argila Areia Silte Argila
rocha
Quartzo – 20% 0 a 5% 15 a 20% 20%
Feldspato k – 70% 0 a 35% 20 a 40% 10 a 25% 5 a 40% 5 a 15% 30 a 60%
Biotita – 10% 0 a 5% 5 a 10% 10 a 20% 10%
Granulometria 0 a 40% 35 a 85% 10 a 25% 10 a 50% 25 a 35% 10 a 20% 40 a 70%
Arenoso com pedregulho
Classificação Areno argilo siltoso Argilo areno siltoso
Argilo areno argiloso
Relação esquemática da rocha mãe e solo residual

190
ECV5149 – Geologia de Engenharia

3.3.1 Solos Tropicais


São chamados solos tropicais aqueles que apresentam peculiaridades de propriedades e de
comportamento, em decorrência da atuação nos mesmos de processos geológicos e/ou pedológicos,
tipo das regiões tropicais úmidas. Encontram-se os seguintes solos nas regiões tropicais: lateríticos,
saprolíticos e transportados.

Solos Lateríticos Solos Saprolíticos

 São solos superficiais, típicos das partes  São solos que resultam da decomposição
bem drenadas das regiões tropicais e/ou desagregação "in situ" da rocha matriz
úmidas, resultante de uma transformação pela ação das intempéries (chuvas,
da parte superior do subsolo pela atuação insolação, geadas), mantendo ainda de
do intemperismo. maneira nítida a estrutura da rocha que lhe
 No processo de laterização há um deu origem. São solos, genuinamente
enriquecimento no solo de óxidos residuais, isto é, derivam de uma rocha
hidratados de ferro e/ou alumínio e a matriz e as partículas que a
permanência da caulinita como argilo-  constituem permanecem praticamente no
mineral predominante e quase exclusivo, mesmo lugar em que se encontravam em
conferindo a estes solos uma coloração estado Pétreo.
típica: vermelho, amarelo, marrom e  Constituem a parte subjacente à camada de
alaranjado. solo superficial laterítico aparecendo
Em alguns locais podem apresentar, inseridos em somente na superfície do terreno através de
sua constituição, pedregulhos lateríticos obras executadas pelo homem ou erosões.
denominados de laterita, que são massas  São mais heterogêneos e constituídos por
consolidadas, maciças ou porosas, de mesma uma mineralogia complexa, contendo
mineralogia dos solos lateríticos e que tem sido frequentemente minerais ainda em fase de
muito aproveitadas como materiais de construção decomposição. São designados também de
rodoviária. solos residuais jovens, em contraste com os
solos superficiais lateríticos que seriam
maduros.

Horizonte A
Horizonte B

Horizonte C

Perfil de solo mostrando os horizontes A, B e C Diferença de erodibilidade entre camada superficial


(Maragon, 2004) laterítica e camadas subjacentes de solos
saprolíticos Nogami e Villibor (1995)

191
ECV5149 – Geologia de Engenharia

Ocorrência de solos lateríticos no Território brasileiro (Nogami et al, 2000)

192

Você também pode gostar