Você está na página 1de 21

1

E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL


#4
4
CURSO
“INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL”
COM PROFESSOR BRUNO GUIMARÃES

SINOPSE

Os livros costumam ser a principal fonte de aprendizado.

Portanto, é necessário aprender a ler com proveito as grandes obras.

Dicas iniciais para a leitura eficiente. Sugestões para selecionar

uma boa bibliografia e saber identificar a qualidade deum livro. Há

também outras formas de aprendizado, que se complementam:

convívio com um professor e com pessoas que se têm dedicado

a estudar temas semelhantes, meditação sobre o objeto de seus

estudos, aulas e conferências etc..

BONS ESTUDOS!
INTRODUÇÃO

Nesta quarta aula, trataremos um pouco de livros, da leitura e das

outras fontes dos estudos.

1. OS LIVROS SÃO A PRINCIPAL FONTE DE APRENDIZADO


É comum dizer que os livros são a principal fonte de aprendizado. Em

parte, eu concordo com essa concepção. Eu sou apaixonado pelos livros,

eles tiveram e têm um papel fundamental em minha formação, então não

serei eu a negar a importância deles. Porém, é preciso colocar os livros

no seu lugar apropriado, e esse lugar é aquele em que ele não usurpe a

importância das outras fontes de estudo.

Eu não pretendo também lutar contra uma longa tradição do fetiche

pelos livros, até porque eu sofro dela em alguma medida. Esse fetiche pelos

livros apresenta basicamente dois problemas, dos quais eu me reconheço

padecente.

O primeiro deles é o fetiche em sentido estrito. Um baiano autor do

nosso cancioneiro nacional disse que os livros são objetos transcendentes,

mas podemos amá-los com um amor tátil, um amor sensível. Esse


amor sensível pelos livros é muito curioso. Acumulamos livros que não

conseguiremos ler sequer em dez existências, e isso é um problema para

aqueles que são muito ansiosos. Há pessoas que acumulam livros à vontade

e não se sentem ansiosos. Eu, por exemplo, já comecei a me desfazer

daqueles meus que sei que não vou ler. Vendi muitos livros, outros, doei para

os amigos e familiares, a fim de ter na minha biblioteca apenas aqueles que

me servem de algum modo, seja para consulta, seja porque estão nos meus

planos de leitura para os próximos vinte anos. De algum modo eu sofro

disso e sei que isso me faz mal, pois me causam ansiedade. Mas o problema

maior desse fetiche pelos livros nem é esse.

Parece-me que dar uma importância maior do que a que eles

3
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
realmente têm, e eles têm uma grande importância, redunda no estudante

que padece do que se chama indigestão das leituras. Ou seja, ele não

consegue passar pelo ciclo das fontes — descreverei detalhadamente

isso mais adiante — e só fica lendo, lendo, lendo continuamente, nunca

medita sobre os assuntos, não sai para respirar um ar lá fora, não consulta

professores, não conversa com os amigos sobre os assuntos que lê, enfim,

ele não passa pelo ciclo das fontes que renova essas leituras. Uma forma de

evitar essa indigestão é percorrer esse ciclo composto de quatro fontes,

e uma delas são os livros.

Antes de entrar nessas quatro fontes, a recomendação para você

lidar com esse problema de encarar os livros de um jeito obsessivo e de

não dar muita atenção às outras fontes de conhecimento e de estudos, é

você tentar fazer uma análise fenomenológica do que sejam os livros. E,

para contrabalançar esse possível sobrevalor que você possa dar aos livros

— talvez você dê ou não —, considero que o ideal é pegar um autor que

pensou o contrário, ou seja, um pensador que desvalorizava a escrita. E, no

Ocidente, eu pelo menos não conheço ninguém que tenha tido a escrita

em mais baixa conta do que o próprio Platão1.

Platão foi um exímio escritor e um grande prosador. Você pode


estudar cada diálogo dele a vida inteira e sempre sairão novas ideias e

novas percepções. Mas, na verdade, se você perceber o último terço do

diálogo Fedro e a passagem chamada “discurso filosófico” da Carta VII, você

começa a entender por que Platão, não vou dizer desprezava, mas entendia

que os livros não deveriam ser tidos como a principal fonte de aprendizado.

Ele viveu na época de transição da cultura oral para a escrita e também,

é preciso entender, está dialogando com pessoas que estavam por perto,

com muitos mestres de variadas disciplinas e de variadas qualidades. Então

ele está em uma época em que os escritos começam a aparecer como uma

opção de aprendizado e faz essa crítica nesse contexto específico.


1  Platão (aproximadamente 428 a.C.-348 a.C.) foi um filósofo e matemático do Período Clássico da Grécia Antiga.
Foi autor de diversos diálogos e o fundador da Academia em Atenas.

4
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
Eu imagino que Platão não faria essa crítica tão incisiva em relação aos

livros se vivesse na nossa época na qual os mestres não estão aí chovendo

na nossa lavoura, e também na qual é difícil encontrar grandes pensadores

prolíficos, aqueles que têm a semente, como ele mesmo diz no final do

Fedro, para transmitir esse conhecimento adiante. Kant não pode vir a

minha casa terça-feira à noite para me explicar a sua concepção de mundo,

mas tenho o embaixador apropriado de Kant, que é o livro dele. Essa é uma

forma de ter acesso ao autor que não está pessoalmente acessível a mim.

Platão faz essa crítica no Fedro e na Carta VII levando em conta

pessoas como Dionísio II2. Este começou a tomar aulas com aquele e

começou a acreditar estar fazendo um bem em registrar por escrito o que

aprendia com Platão, como se ele próprio fosse capaz de transmitir o que

acabara de aprender. Platão ficou completamente frustrado com essa

conduta de Dionísio II e fez uma série de críticas ao escrito. Segundo Platão,

em Fedro, Sócrates, conversando com Fedro, lhe diz: “Fedro, o escrito é

como uma pintura: você vê uma pintura, vê a imagem de uma figura

humana, mas se quiser conversar, perguntar algo a essa figura, ela nada

vai lhe responder”. Ou seja, ela é uma figura morta, é apenas um símbolo,

uma representação de algo que eventualmente teve vida. Então, do ponto


de vista platônico, nós poderíamos dizer que os livros são como que uma

cristalização de uma atividade intelectual que foi viva em outra época,

em outro âmbito. Ou seja, é um retrato paralisado de um momento, ou de

alguns momentos — às vezes o autor demora dez anos para escrever uma

obra — de uma atividade intelectual petrificada e cristalizada.

Se o livro é um retrato morto de uma atividade viva, como disse

Platão, a minha impressão é que você pode ressuscitar esse conteúdo

dentro de você mesmo. O livro serviria então não como um retrato morto

— vamos mudar um pouco essa imagem — mas como uma partitura. De

fato, partitura não é a sinfonia executada. Porém, se você tiver habilidade

2  Dionísio II (aproximadamente 397 a.C. a 343 a.C.) foi um tirano de Siracusa que estabeleceu a paz com Cartago.

5
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
suficiente, pode trazer para vida aqueles símbolos impressos e, ao mesmo

tempo, em uma atividade misteriosa, você está também trazendo o

próprio autor à vida. De algum modo, você está insuflando vida naquele

ensinamento que, se ficasse em um livro fechado, estaria como numa

sepultura.

Agora, para insuflar vida em um ensinamento, é preciso que você

tenha habilidade suficiente. Quantas leituras nós fizemos e elas não nos

trouxeram uma vida nova, não renovaram nenhuma parte de nós, não

ofereceram nenhum conhecimento relevante? É como uma comunicação

entre surdos. A leitura pode ser relevante desde que você consiga extrair

vida desse texto que, a princípio, é de um retrato mais ou menos morto

de uma atividade que outrora teve vida.

2. FONTES DE ESTUDO
Vamos percorrer essas quatro fontes dos estudos e, no final, eu vou

me deter mais sobre a leitura para sugerir também uma trilha de estudos

para quem queira estudar um tema ou outro e para quem se interessa, por

exemplo, por filosofia política e filosofia ética, ou moral.

Essas quatro fontes podem ser extraídas daqueles quatro tipos de


informação que Aristóteles apontava no início do livro Peri Hermeneias

(Da Interpretação). A comparação não é perfeita, mas é uma analogia, ou

seja, há diferenças e semelhanças. Lembrem-se de que ele menciona que

nós captamos a realidade pelas sensações e formamos em nossa cabeça

uma série de imagens, que são os pensamentos — chamados por ele de

paixões da alma — ou seja, é o impacto da realidade em nossa alma, e

trabalhamos esses dados dentro de nós. Esses dados se transformam então

eventualmente em palavra, em logos (razão falante) e, por sua vez, alguns

autores elaboram um pouco mais esse pensamento, essa paixão da alma,

essas imagens dentro de si, e transformam em escrito.

As quatro fontes seriam basicamente a experiência da realidade, o

6
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
contato com os professores, os livros e, por fim, a meditação que você faz

sobre os conteúdos que assimila nas outras três fontes. É como um ciclo.

Claro, uma coisa não se sucede à outra necessariamente, mas o interessante

é que você comece a mesclar essas quatro fontes de conhecimento que, de

algum modo, exaurem os tipos de fontes que podemos acessar. Você pode

encontrar uma quinta, mas quase certamente ela vai se encaixar em uma

dessas quatro.

2.1. A EXPERIÊNCIA
A experiência é a pedra de toque3 do nosso conhecimento. Uma vez

fiquei muito impressionado com uma pregação do falecido Bispo Dom

Henrique Soares — veja, uma pregação contém um pouco de retórica,

então é natural que o pregador use um pouco de retórica para passar sua

mensagem. Ele estava falando da fé na Igreja e então disse que, se por

acaso, aparecessem por aí provas concretas e robustas do corpo de Nossa

Senhora enterrado em algum lugar, ele renunciaria à sua fé na Igreja. Ele

quis dizer basicamente, para os nossos fins aqui da aula, que a realidade

fala mais alto. É claro, na prática as coisas podem se ajustar. É evidente que

ele não vai largar a batina por causa de um evento desses, que é na verdade
um ensinamento em particular da fé católica e não exaure a mensagem

de Cristo. Mas o que ele estava querendo dizer é que a fé dele na Igreja era

imensa, porém, a realidade é a pedra de toque.

Se você se fecha à realidade, você se expõe ao risco de se fechar em

um conjunto de teorias, de postulados — e essa atividade pode ser muito

interessante, pode ser muito bela — você passa a se deslumbrar com esse

universo que começou a construir no seu entorno. Entretanto, se você não

sai na rua para conferir isso, para conversar com as pessoas, para acessar a

vida que pulsa lá fora — o lá fora simboliza a realidade —, você se arrisca a

3  Pedra de toque em sentido estrito é um material lítico usado para avaliar a pureza dos metais preciosos, no
entanto, costumeiramente, a palavra é utilizada em seu sentido figurado que significa um padrão de aferimento
ou critério utilizado para averiguar a qualidade ou genuinidade de algo.

7
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
construir castelos de areia e, mais à frente, quando a realidade lhe exigir que

renuncie a esse castelo, pode ser difícil você abdicar dessa vida de estudos

que se fundou, na verdade, sobre um solo sem consistência.

Padre Sertillanges afirma a todo o momento que o intelectual não

é um isolado. Ele está querendo dizer algo nesse contexto de você não se

esquecer de viver a vida que pulsa lá fora. E olha que ele era um padre que

deveria passar várias horas por dia em oração e outras tantas horas por dia

enfurnado nos livros.

Porém, ele faz uma ressalva curiosa (e temos experiência com isso):

não devemos perder muito tempo em encontros inúteis. Isso é algo que,

por muito tempo, me ocupou bastante. Fui muito radical nesse ponto. Em

alguns momentos eu realmente evitava qualquer encontro, não queria ir

nesse ou naquele lugar, nem queria encontrar essas pessoas. Eu evitava

tudo e todos porque eu queria me concentrar.

Sêneca4 em suas Cartas a Lucílio, na sétima carta mais exatamente,

comenta que todas as vezes que ia ao encontro dos homens, voltava um

pouquinho menos humano. Não quero dizer que sempre é assim, pois

digamos que isso seja um pouco pessimista, mas em alguns ambientes —

de frivolidade, que você de fato não tem por que estar frequentando — é
assim mesmo que acontece.

Esse contato com a realidade, com a experiência, é uma das

fontes do conhecimento, é uma das fontes para aferir a confiabilidade,

a veracidade do que você tem aprendido nos livros. Não só isso. Quando

você também conversa com as pessoas que estudam os mesmos assuntos,

você começa a ganhar um novo tom nos seus estudos, a olhar para setores

do conhecimento para os quais você não havia atentado antes. Isso

acontece comigo com muita frequência. Uma frase bem colocada dita por

um amigo descortina para mim ambientes inteiros. Passariam meses e

4  Neste trecho o professor cita a possibilidade de o autor da ideia ser Tomás de Kempis ou Sertillanges, no entan-
to, Sêneca é autor da seguinte frase que se assemelha ao que foi dito: “Que pensas tu que eu quero dizer? Que re-
gresso mais avaro, mais ambicioso, mais propenso ao luxo? Mais do que isso: venho mais cruel e mais desumano
de ter estado em contacto com os homens”.

8
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
talvez eu nunca conseguisse entender aquilo, a não ser daquele modo um

pouco descompromissado, talvez até sem querer, como ele se expressou.

Portanto, não se feche só nos livros e tome de fato a experiência com a

importância que ela tem.

2.2. MEDITAÇÃO
Eu trato de meditação aqui no sentido de Hugo de São Vitor5. Ele tem

obras muito interessantes sobre esse tema. Ele diz que no ensinamento, no

aprendizado e na educação o princípio está nos livros e a consumação está

na meditação. Ele conceitua a meditação como um certo vagar na mente

que investiga prudentemente a causa e a origem, o modo e a utilidade de

cada coisa. Trata-se então, em breves linhas — não vamos explorar essa

técnica de aprendizado, essa fonte do conhecimento—, de você se deter

sobre o objeto dos seus estudos por tempo suficiente para que você

consiga vê-lo por diversos ângulos, enxergar suas relações.

Esse contato solitário da sua mente com o objeto é essencial,

porque o objeto de algum modo misterioso está dentro de você e, por

conta daqueles espelhos um pouco manchados da nossa alma, nem

sempre conseguimos vislumbrá-lo claramente; às vezes nem temos muita


paciência para nos determos nisso, muitas vezes ficarmos cinco minutos

pensando no mesmo assunto já é suficientemente cansativo para nós.

Estimule-se a se deter sobre o objeto por cinco minutos, por dez minutos.

Se você tiver o preparo suficiente, ou seja, as informações que estão prestes

a se conectar, repentinamente acontece a mágica — aliás, essa mágica,

por acaso, também Platão menciona na Carta VII. Desses momentos surge

uma faísca. Você fica friccionando o objeto durante muito tempo e, de

repente, como que uma chama aparece, e você começa a compreender

aquilo que não compreendia antes. Então a meditação é um desses quatro

estágios que eu sugiro que você atente nesse ciclo das fontes.
5  Hugo de São Vítor (1096-1141) foi um filósofo, teólogo, cardeal e autor místico da Idade Média. O recente retorno
da discussão sobre Trivium e educação clássica tem posto a sua edição chamada Didascalicon em evidência.

9
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
2.3. PROFESSORES
Os professores ou os mestres que você conhece pessoalmente, com

os quais você pode conversar, ou os mestres que você tem contato por meio

de uma aula gravada ou transcrita, como essa que você está assistindo ou

lendo agora.

Sendo honesto, existe uma diferença fundamental entre ter contato

com os professores por meio de aulas remotas ou presenciais nas quais

os professores não o tratam individualmente, das demais aulas. Eu me

beneficio muito das aulas que escuto. Eu as ponho no meu telefone celular

e isso rende horas e horas de estudo quando faço caminhada, corro, vou à

academia. Sou um consumidor obsessivo de aulas. Não estou criticando

isso. Mas é preciso diferenciar esse tipo de aula daquela em que o professor
está ali diante de você, que o conhece e é capaz de, no ato, transmitir o

conhecimento na forma e na quantidade que você está precisando.

O bom professor, segundo o próprio Platão definiu no Fedro,

é aquele que conhece a alma do discípulo, sabe que essa alma é mais

capaz em alguns casos — em outros casos, menos capaz — de absorver

certo tipo de conhecimento e, como um bom agricultor, ele lança as suas

sementes conforme o solo que é a alma do discípulo. Esse ato educativo é

o ato educativo por essência: o professor diante de um aluno exercendo o

magistério em ato. Agora, isso em muitos casos é apenas um ideal. Temos

de nos contentar e tentar extrair o máximo do que temos perto de nós: os

livros e as aulas gravadas que já são muita coisa. Mas eu não seria honesto

se não fizesse essa diferenciação: o ato educativo acontece essencialmente

no contato entre o professor e o aluno diante de si e eles se conhecem. Se

conhecem para se relacionar no nível da mente. É mente para mente, alma

diante de alma.

10
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
2.4. LEITURA
A fonte mais utilizada com certeza são os livros.

É impossível que reunamos em nossa casa, quando vamos estudar,

os grandes autores em um colóquio conosco. Ainda que estivessem vivos,

qual a chance de reunir na minha casa Hegel, Aristóteles e João Cabral de

Melo Neto para uma conversa? Isso não vai acontecer. Diante da ausência

dessa possibilidade, eu posso trazer para a minha casa os procuradores

habilitados desses autores que, de algum modo, têm procuração para falar

por eles. Esses procuradores são os livros.

Existem diversas espécies e níveis de leitura. Para você que não

conhece ainda o livro do Mortimer Adler, Como Ler Livros, ou não leu ainda o

livro do padre Sertillanges, é importante começar a entender que existem


diversos tipos de propósito com os quais você pode encarar um livro.

2.4.1. ESPÉCIES DE LEITURA


Padre Sertillanges classifica quatro espécies de leitura6: “Lê-se para

ter uma formação e ser alguém; lê-se em vista de uma tarefa; lê-se como

treinamento para o trabalho e para o bem; lê-se por ser uma distração.

Há leituras fundamentais, leituras ocasionais, leituras de treinamento ou

edificantes, leituras relaxantes.”

Para cada um dos quatro tipos, ele recomenda certa disposição.

2.4.1.1. FUNDAMENTAIS
Nas leituras fundamentais ou formativas, você deve agir com

docilidade, ou seja, a princípio suspenda a sua descrença em relação ao

autor, presuma por um momento que seja, enquanto lê o livro, que o autor

está de boa fé, que sabe do que fala. Em suma, assimile o que o autor está

dizendo com docilidade, deguste isso por um momento. Não leia os livros

sempre com desconfiança, pelo menos esses fundamentais. Leia com uma

6  Sertillanges, A.D. A Vida Intelectual: seu espírito, suas condições, seu métodos. São Paulo: É Realizações, 2010.

11
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
confiança, ainda que uma confiança provisória sujeita a uma revogação

mais adiante.

2.4.1.2. OCASIONAIS
A segunda espécie de leitura é a que você vai fazer para cumprir uma

tarefa. Nesse caso, você vai ler especificamente para resolver um problema,

para tratar de um assunto específico. Por exemplo, sou advogado e estou

estudando Direito para a minha formação intelectual, mas recebi um caso

de um cliente que cometeu um crime não muito comum. Eu preciso estudar

o caso para definir a melhor defesa. Então é uma leitura pontual, ocasional.

Sertillanges recomenda que, nesse caso, é necessário ter disposição de

penetrar no livro com mais argúcia e ter concentração. Sua mente tem

de estar ali compenetrada na leitura porque se trata de fazer algo, isto é,

você vai testar o que está lendo na própria realidade. Por isso é preciso

concentração nessa leitura.

2.4.1.3. DE TREINAMENTO OU EDIFICANTES


A terceira espécie é a leitura para o trabalho, a leitura inspiracional,

aquela que você faz para entrar no ambiente de trabalho ou de estudo.


São leituras preparatórias que vão ajudá-lo a se aprofundar em leituras

formativas ou em uma atividade de trabalho. Nesse caso, você deve encarar

essa leitura com ardor, ler ardorosamente.

2.4.1.4. RELAXANTES
Por fim, a quarta espécie é a leitura de distração. Você pode ler para

relaxar o espírito. Entre as atividades exaustivas do dia a dia você pode ler

simplesmente para alimentar seu espírito com algo mais leve. E a disposição

para essas leituras é a liberdade.

12
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
2.4.2. NÍVEIS DE LEITURA
Além dessas quatro espécies de leitura, ou seja, desses quatro

propósitos diferentes com que você vai encarar um determinado livro,

existem os chamados níveis de leitura tão conhecidos e muito bem

explicados por Mortimer Adler no livro Como Ler Livros.

2.4.2.1. LEITURA ELEMENTAR


Esse é o nome do nível mais básico. Na verdade, não é propriamente

um tipo de leitura, mas sim a capacidade que o leitor tem de assimilar o

conteúdo de um livro. Ninguém pode garantir que tem essa capacidade

em toda sua extensão. Trata-se de ser alfabetizado, mas não é apenas

decodificar símbolos, saber riscar o próprio nome e ler a mensagem de


um bilhete. A ideia é que você consiga fazer relações entre as partes do

texto, saber interpretar as intenções do autor e às vezes até prever onde ele

quer chegar. Tudo isso faz parte da habilidade da leitura elementar. Você

sabe ler? Então pode seguir para os outros três níveis de leitura que são um

pouco mais complexos.

2.4.2.2. LEITURA INSPECIONAL


Esse segundo nível de leitura é um tipo muito útil. Poucos sabem

fazer essa leitura com eficiência.. Ainda não é o caso de ler o livro todo, mas

de inspecioná-lo para decidir se vale a pena enfrentá-lo. Muitas vezes essa

leitura já basta.

Adler diz que a leitura inspecional é a melhor leitura que você

pode fazer de um livro em tempo limitado. Por exemplo, quero decidir se

vou comprar o livro A ou B. Vou dedicar dez minutos para fazer a leitura

inspecional dele na livraria: leio a capa, o prefácio, o índice e um capítulo

ou outro, conforme algumas regras. As regras que ele traça são um pouco

mais complexas que essas, mas a ideia é formar uma imagem do livro na

sua cabeça e identificar mais ou menos os caminhos percorridos pelo autor

13
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
para expor a tese dele ou para ensinar uma técnica se for um livro prático.

Em suma, é uma leitura rápida que você faz para absorver o conteúdo do

livro e decidir se merece lê-lo ou não.

Essa leitura também tem outros propósitos, algumas serventias,

as quais vou sugerir mais adiante. Mas, para Adler, a leitura inspecional é

basicamente para decidir se você prossegue ou não com o terceiro tipo ou

nível de leitura, que é a Analítica.

2.4.2.3. LEITURA ANALÍTICA


Segundo ele, é a melhor leitura que você pode fazer de um livro no

tempo que for necessário, ou seja, em um tempo infinito ou em um tempo

que não tem limite. A princípio, você pode ficar no livro dois ou três anos.

Você vai pegar as partes do livro e vai tentar relacionar os termos que o

autor utiliza, vai tentar entrar em acordo com ele.

Ele apresenta quais são as técnicas da leitura analítica.

Resumidamente, é explorar o livro ao máximo, absorver a mensagem

dele em toda sua extensão pelos seus fundamentos e saber expor o que

o autor tentou transmitir através do livro e a forma como o fez.

2.4.2.4. LEITURA SINTÓPICA


E, por fim, o quarto nível de leitura, que é o mais aprofundado e o mais

exigente. Trata-se aqui de você eleger um tema, e começar a arrecadar, a

encontrar, a escolher livros que abordem esse tema e fazer uma espécie

de cruzamento de perspectivas entre um autor e outro, comparando

as ideias deles e formando uma espécie de panorama do assunto cuja

bibliografia você coligiu.

Essa leitura é mais exigente, portanto, ninguém começa pela leitura

sintópica. Não adianta você achar que é capaz de passar por ela, pois ela

exige muito treino nas leituras inspecional e analítica. Até porque, para

chegar a esse nível de leitura, você deve escolher bem os livros e tem de

14
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
conhecer um livro em um curto espaço de tempo para decidir se vale a

pena ler ou não. Não adianta pegar uma lista de livros já pronta e começar

a ler, é necessário ter afinidade com o livro e saber se ele se encaixa no seu

propósito específico.

Esses são os quatro níveis de leitura, o encaixe entre eles e as

espécies. As espécies se referem aos propósitos e os níveis, aos métodos,

embora também haja propósitos. A leitura analítica quer exaurir um livro e

a sintópica abranger um assunto mais amplo.

3. CASO PRÁTICO
Aqui eu queria dar algumas sugestões para aquele que escolheu

estudar um tema específico. E esses dois temas da filosofia que escolhi

— política e ética — podem não lhe interessar a princípio, mas você pode

utilizar essas sugestões para o tema no qual queira se aprofundar. Elas são

muito úteis e se compõem de quatro passos.

Antes de começar o primeiro passo, você precisa entender o que é

o tal do sintópico que se encontram nos últimos dois volumes do Great

Books de Mortimer Adler. É importante não confundir Great Books com o

livro chamado Great Ideas.


O que são os Great Books? É uma coleção de uns sessenta livros que

reúne uma série de obras clássicas, as mais relevantes segundo ele, desde

os gregos até autores do século XX.

E o que é o sintópico? É uma seleção de temas, como o Amor, a

Justiça, a lei, o Estado, a política, o homem. Foram selecionados uns 50

temas7 e — veja que interessante — para cada um desses temas, há trechos

selecionados que fazem referência a eles. Então o sintópico (tema) Estado

ou lei, por exemplo, contém passagens de Platão e indica qual é a obra de

Platão que ele escolheu para os Great Books que tratam do tema da lei ou

7  Ele fez um trabalho que ninguém faria sozinho. É possível achar pelo Google uma imagem do Mortimer Adler
envolto com milhares de fichas — um negócio impressionante —, que são, eu acho, as que ele utilizou para fazer o
sintópico. Foi um trabalho que envolveu muitas pessoas.

15
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
do Estado. Ele concebeu um índice do tema, com os assuntos se sucedendo

uns aos outros, e indica: Platão, República, número tal, livro tal; Aristóteles,

livro tal e tal, até chegar no século XX. Para cada item do índice de cada

assunto, ele listou uma série de livros que abordam esses assuntos.

Eu não conheço ninguém que tenha feito o estudo, que tenha

percorrido esse sintópico, conferido e assimilando cada um dos temas.

Imagino que seja muito mais útil você percorrer esse sintópico para se

inspirar e fazer o seu próprio sintópico sobre um tema que lhe interessa.

Como eu já fiz isso em alguns temas, posso dizer que esse exercício é muito

interessante e rico. Ainda que você, assim como vai fazer com Adler, não

percorra todo esse itinerário que você vai traçar, o fato de fazê-lo já vai

enriquecer muito o seu conhecimento a respeito do tema.

O passo antecedente então é tomar conhecimento do sintópico. Se

possível, folheie os dois volumes e comece a perceber como ele monta o

índice sobre um tema específico, para você ter uma noção, porque esse vai

ser o fruto do seu trabalho no final dessa sugestão que estou dando a você.

3.1. PRIMEIRO PASSO


O primeiro passo é selecionar um curso em aulas sobre o tema da sua
preferência. A minha sugestão é: se você se interessa por filosofia política,

assista ao curso de oito aulas do professor Marcus Boeira que está no Núcleo

de Formação da Brasil Paralelo. É um curso muito abrangente, e é a visão

dele sobre esse tema, é a divisão que ele fez sobre um tema relevante. Ou

seja, é a imagem da filosofia política tal como ele decidiu transmiti-la e há

um toque pessoal dele. E você presume que, como ele é o professor, ele

tenha na sua mente o acabamento de que falava Hannah Arendt. Assista

ao curso, fazendo uma espécie de fichamento das aulas, mas não apenas

como resumo. Esse resumo será transmutado nas fases seguintes num

resumo maior. Então o ideal é que, para cada tópico que for resumido,

você consiga torná-lo autônomo. Ou seja, ele pode ser destacado de seu

16
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
resumo e ser compreendido se for enxertado em outro lugar.

Se o seu assunto é a ética, tem o curso interessante do professor

Frederico Bonaldo: As Cinco Grandes Correntes da Ética Ocidental. O

procedimento é o mesmo: assista às cinco aulas e faça uma espécie de

mapeamento da abordagem do professor. Ele escolheu cinco correntes.

Há outras correntes, mas foi a escolha que ele fez, e você presume que ele

tenha na mente dele essa imagem acabada do tema.

3.2. SEGUNDO PASSO


Feito o resumo do curso, selecione, conforme o seu ânimo para os

estudos, dois ou três livros. Pode ser um também, mas vai ficar um trabalho

insuficiente. Selecione dois livros que tenham abrangência horizontal

sobre o assunto, ou seja, que tratem do assunto em uma base histórica.

Por exemplo, se você se interessa pela ética, eu tenho duas sugestões. São

sugestões pessoais minhas e podem não servir muito bem para o seu caso.

A ideia é selecionar um autor de sua confiança que trate do tema de modo

horizontal, ou seja, não é um livro sobre ética, é um livro sobre história da

ética, sobre a história dessa disciplina que se originou basicamente na

Grécia, no Ocidente.
Eu recomendo, para o estudo da ética, o livro de Martin Rhonheimer,

La Perspectiva de La Moral. Alguns podem dizer que eu estou indicando

um livro muito complexo para os iniciantes, mas é um livro interessante

à perspectiva da moral. Mesmo que você não compreenda todo o seu

conteúdo — é muito natural que não compreenda no começo —, a ideia

é que você faça o mesmo que fez com o curso ao qual e você assistiu.

Isto é, mapear os temas, fazer uma espécie de fichamento, de resumo,

desses temas e guardar como um segundo mapeamento. O segundo livro,

nessa perspectiva horizontal, é o de MacIntyre, História da Ética. É um livro

também muito interessante e muito abrangente. Faça o mesmo com ele.

17
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
3.3. TERCEIRO PASSO
Aqui começa a parte mais complexa. Você vai pegar algum livro que

trate do tema verticalmente. Ou seja, o autor se aprofunda nas questões,

pois não tem pretensões históricas, e está explorando o tema por meio

de suas percepções e de seu conhecimento. Ele vai entrando nos temas,

aprofundando e trabalhando como quem está degustando os assuntos.

Na ética, por exemplo, eu recomendo o livro Filosofia Moral de Éric

Weil que você encontra facilmente hoje em dia. Também recomendo o

Tratado do Melhor de Julián Marías, um livro curto que talvez seja um pouco

mais difícil de encontrar. Trata-se de uma abordagem pessoal dos autores

sobre o assunto.

E qual é a pegada? Aqui começa a complicar um pouco e a exigir


de você um trabalho criativo. Então é você se debruçando sobre os temas

com os quais, bem ou mal, teve contato assistindo ao curso e lendo os dois

livros de abrangência horizontal (os históricos) sobre o tema e os dois de

abrangência vertical, já são pelo menos cinco fontes que o impactaram de

algum modo com cinco imagens diferentes e acabadas sobre o mesmo

tema.

Pegue os resumos feitos e tente montar o seu próprio índice da

matéria, mesclando a abordagem, por exemplo, do professor Marcus Boeira

com a abordagem de Éric Weil na Filosofia Política ou a de Eric Voegelin

na Nova Ciência da Política, por exemplo8. Como Eric Voegelin sintetizou a

política no seu livro? O que ele disse de política? Você vai mesclar um pouco e

tentar ver como esses temas se encaixam, para formar o seu sintópico sobre

eles. Ao final desse trabalho árduo, você terá um panorama riquíssimo

e imenso construído por você mesmo passo a passo, com dificuldades,

o mais abrangente possível e o mais completo possível, ou da Filosofia

Política ou da Ética.

8  Há diversos livros que você pode escolher, conforme a confiança no autor, e absorver essa imagem que eles
trazem do tema.

18
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
Esse é um trabalho apenas inicial. Ou seja, a leitura que você faz

desses livros está entre a leitura inspecional e a analítica. Ainda não é o caso

de ler linha a linha e ficar meditando. O momento agora é de ter na sua

mente uma imagem o mais abrangente possível desse conteúdo. A partir

disso, qualquer livro que você ler sobre o assunto que você mapeou, que

fez o sintópico, vai lhe parecer muito mais tranquilo, muito mais fácil. Você

não terá aquele receio de ler um livro muito complicado e não entender

nada. Você terá pelo menos uma noção da abordagem do autor, do que ele

está falando e onde ele se encaixa dentro desse universo inteiro que você

conseguiu mapear.

É uma ideia inicial. Eu fiz isso com alguns temas que me interessavam.

Não gastei nisso mais de dois ou três meses. Nem sempre retorno, para

falar a verdade. Às vezes o tema me interessa apenas relativamente, então

é para mim suficiente ter na mente a imagem dele para eventualmente

entrar em alguma senda e explorar melhor. O que importa é que você

começar a ter intimidade com os temas, com a forma com que eles foram

tratados pelos melhores professores e autores. Isso é essencial para

você ter segurança para começar a estudar. Não adianta nada começar

a estudar ética pela Crítica da Razão Prática de Kant, se você não sabe
nada sobre esse assunto, por exemplo. É algo tremendamente espinhoso.

Algumas pessoas são capazes de fazer isso, mas em geral não somos gênios

o suficiente para começar a conversar com Kant de igual para igual do

nada. É preciso percorrer um pouco, como quem come pelas beiradas, para

chegar ao núcleo das disciplinas, quando então, no quarto ou quinto passo,

você vai poder ler os livros clássicos da matéria e começar a compreendê-los

suficientemente.

É um grande problema as pessoas acharem que têm força suficiente

para enfrentar os grandes clássicos. No fundo isso é uma fantasia. No meu

canal do YouTube, eu tenho alguns vídeos nos quais procuro ajudar as

pessoas a começarem a ler Platão. Um dia um sujeito comentou dizendo

19
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
que, para começar a ler Platão, é só a ler a primeira linha da esquerda

para a direita. Isso é um ato corajoso. Pode ser que de fato ele assimile

Platão maravilhosamente, comece a ler a primeira linha e flua como um

grande gênio. Mas, em geral, precisamos nos acostumar um pouco com

o ambiente em torno do autor e do tema, chegar devagarzinho, como se

diz em Minas, até ganharmos intimidade com os temas e com os autores.

A intimidade é de fato um elemento do aprendizado. Não adianta você ler

um grande autor se você não tem primeiro a noção do tamanho dele, da

linguagem dele, da intenção por trás daquilo que ele diz. Livros de filosofia,

por exemplo, são muito complexos e pressupõem que você tenha um

vocabulário mínimo assimilado para começar a entender. Então comece

pelas beiradas.

A minha sugestão de você fazer um sintópico do tema que lhe interessa

não é um mau negócio. Contudo, entendam que essa sugestão pressupõe

que você tenha percorrido aquelas já mencionadas sobre a percepção da

realidade9, a expressão da realidade. Não adianta você detectar em você

grandes falhas na sua formação e começar a encarar grandes livros. Isso,

como eu disse, é assimilar um verniz de cultura que mais para frente lhe

fará muito mal.


Termino aqui, fazendo um resumo um pouquinho tosco das aulas,

para incentivá-los a seguirem adiante. Para assimilar bem o que foi dito

nesse curso, vocês precisam compreender basicamente a função da

educação, que é a assimilação da cultura e eventualmente a transmissão

dela para as próximas gerações. Você vai se colocar como um elo dessa

transmissão e você precisa se capacitar para isso, para viver a sua vida

melhor e conseguir transmitir esse conhecimento. Uma vez decidido seguir

esse caminho, é interessante que, no começo, você se fixe em um desses

propósitos mais simples, seguindo algumas das minhas sugestões. Se não

quiser seguir todas, fique à vontade, mas elas vão enriquecer um pouco o

9  V. a aula 2 deste curso.

20
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
seu caminho e prepará-lo para começar a ler os grandes livros.

Por fim, não se esqueça também de sempre tomar um ar puro. Tem

gente que é muito empolgada com as leituras e acaba vivendo em dois

mundos: a pessoa vive um pouco reclusa nos estudos e de repente ela quer

viver a vida deixando de lado aquilo que aprendeu. Percorrer aqueles quatro

ciclos ajuda-o a integrar a sua própria experiência nas suas leituras.

Eu estou à disposição de vocês para responder alguma questão que

surja, quer na área de comentários das aulas, quer nas minhas redes sociais.

Fico à disposição para ajudá-los em algum ponto que tenha ficado obscuro

neste curso.

Muito obrigado a todos.

21
E-BOOK BP INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL