Você está na página 1de 3

AO JUÍZO DA XXXª VARA CÍVEL DA COMARCA DE XXXXXX – SC

Autos nº XXXXXXXXXXXXX

XXXXXXXXXXXXX, já qualificado nos autos em epígrafe, movido por


XXXXXXXXXXXXX, menor impú bere, e XXXXXXXXXXXX, menor impú bere, ambos
representados por XXXXXXXXXXXXX, também já qualificada, vem, por seu
procurador infra-assinado, apresentar
JUSTIFICATIVA ACERCA DO INADIMPLEMENTO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA E
PEDIDO DE SUSPENSÃO DE COBRANÇA DE PENSÃO ALIMENTÍCIA
pelos fatos e fundamentos expostos em sequência:
I. DO BREVE RELATÓRIO
Trata-se de execuçã o de alimentos processada sob o rito da prisã o da expropriaçã o
em que os Exequentes buscam obrigar o Executado ao cumprimento dos alimentos
fixados nos Autos
Alegam os Exequentes que o Executado estaria em débito com referidas prestaçõ es
e pugnam pela expropriaçã o dos bens
II. DA JUSTIFICATIVA
.
b) IMPOSSIBILIDADE FINANCEIRA COMPLETA
Apó s contato com o Executado este informara nã o detém qualquer possibilidade
de efetuar o pagamento do débito, pois se encontra em situaçã o de penú ria, sem
renda suficiente para arcar com o adimplemento do “débito”.
Cabe consignar que sua situaçã o financeira, que já nã o estava saudá vel, foi
severamente abalada com a pandemia do COVID-19, que acabou por extirpar
quaisquer oportunidades de trabalho.
Ou seja, nã o há renda capaz de suportar o pagamento da pensã o alimentícia, e tal
situaçã o nada tem relaçã o com os anseios do Executado, mas por mero infortú nio
do destino, pelo que se pode concluir nitidamente que eventual prisã o em razã o de
dívida cível nã o logrará seu desiderato, qual seja, de atuar como meio COERCITIVO
para pagamento, tornando-se mero instrumento PENALIZADOR.
O STJ mantém posicionamento a respeito do acolhimento da justificativa quando o
Executado comprovar situaçã o de penú ria temporá ria, afastando-lhe a prisão.

RECURSO ESPECIAL. EXECUÇÃO DE ALIMENTOS. PRISÃO CIVIL. JUSTIFICATIVA APRESENTADA PELO


DEVEDOR. COMPROVAÇÃO DA SITUAÇÃO DE PENÚRIA. FATO NOVO. IMPOSSIBILIDADE MOMENTÂNEA.
AFASTAMENTO TEMPORÁRIO DA PRISÃO. 1. O art. 733 (atual art. 528, § 3º) do CPC, buscando conferir
efetividade à tutela jurisdicional constitucional (CF, art. 5º, LXVII), previu meio executório com a
possibilidade de restrição à liberdade individual do devedor de alimentos, de caráter excepcional,
estabelecendo que"na execução de sentença ou de decisão, que fixa os alimentos provisionais, o juiz
mandará citar o devedor para, em 3 (três) dias, efetuar o pagamento, provar que o fez ou justificar a
impossibilidade de efetuá-lo". 2. Valendo-se da justificativa, o devedor terá o direito de comprovar a
sua situação de penúria, devendo o magistrado conferir oportunidade para seu desiderato, sob pena
de cerceamento de defesa. 3. A justificativa deverá ser baseada em fato novo, isto é, que não tenha
sido levado em consideração pelo juízo do processo de conhecimento no momento da definição do
débito alimentar. 4. Outrossim, a impossibilidade do devedor deve ser apenas temporária; uma vez
reconhecida, irá subtrair o risco momentâneo da prisão civil, não havendo falar, contudo, em
exoneração da obrigação alimentícia ou redução do encargo, que só poderão ser analisados em ação
própria. 5. Portanto, a justificativa afasta temporariamente a prisão, não impedindo, porém, que a
execução prossiga em sua forma tradicional (patrimonial), com penhora e expropriação de bens, ou
ainda, que fique suspensa até que o executado se restabeleça em situação condizente à viabilização
do processo executivo, conciliando as circunstâncias de imprescindibilidade de subsistência do
alimentando com a escassez superveniente de seu prestador, preservando a dignidade humana de
ambos. 6. Na hipótese, de acordo com os fatos delineados nos autos, realmente não se pode ver
decretada a prisão do executado, ora recorrente, mas também não se pode simplesmente extinguir a
execução ou ver retomado o processo pelo rito do art. 733 (atual art. 528, § 3º) do Código de Processo
Civil, como entendeu o acórdão. Devem os autos retornar ao Juízo de piso que, consultado o credor,
mantidas as condições averiguadas, poderá suspender a execução ou transmudá-la para outro meio
(CPC, art. 732 - atual art. 528, § 3º). 7. Recurso especial parcialmente provido. (STJ - REsp 1185040/SP,
Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 13/10/2015, DJe 09/11/2015).

Ademais, a constriçã o de liberdade somente se justifica, consoante decisã o do STJ,


se a) for indispensá vel à consecuçã o dos alimentos inadimplidos; b) atingir o
objetivo perseguido pela prisã o civil, qual seja, adimplemento do débito por meio
da coaçã o exercida psicologicamente – o medo da prisã o; e c) for medida que
espelhe a má xima efetividade com menor restriçã o de direitos ao devedor. (HC n.
392.521/SP, Relatora a Ministra Nancy Andrighi, Terceira Turma, DJe de
1º/8/2017).
No caso em pauta, estã o ausentes todos os requisitos, pelo que a referida medida
representa atentado grave à dignidade da pessoa humana.
Todavia, a ação proposta tem o rito diverso, o da expropriação, desse modo,
tal justificativa tem o condão de solicitar a suspensão da execução
imediatamente e/ou no caso de prosseguimento da mesma e restando a
mesma infrutífera conforme lhe é esperado que o juízo dê
Quanto ao rito de expropriaçã o, que
ANTE O EXPOSTO, REQUER:
a) Seja acolhida a presente justificativa, com a suspensã o do processo ou seu
prosseguimento sob o rito da penhora, preservando o princípio da dignidade
humana de ambas as partes.
c) Pugna também pela produçã o de todos os meios de prova, notadamente a prova
testemunhal e a oitiva das partes.
Nestes termos, pede deferimento.

Você também pode gostar