Você está na página 1de 72

Histologia Vegetal

Germinação
Semente
Germinação
 Fatores biológicos  Etapas
 Qualidade do embrião  Embebição
 Estado das reservas  Aumento do metabolismo
 Estado do tegumento  Emersão da radícula, do
caulículo e das folhas embr.
 Fatores ambientais
 Oxigenação
 Luz
 Umidade
 Temperatura
Germinação Epígea
Germinação Hipógea
Histologia
Tecidos Vegetais
 “Tecidos” meristemáticos: células indiferenciadas.
 Tecidos permanentes: agrupados em três sistemas, de
acordo com a função que exercem.
 Fundamental: preenchimento, síntese e sustentação.
 Parênquima, colênquima eesclerênquima.
 Revestimento e proteção:
 Epiderme
 Periderme (súber, felogênio e feloderma).
 Vascular: condução.
 Xilema
 Floema.
Meristemas
 Conjunto de células não
diferenciadas  totipotentes

 Capazes de intensa divisão


celular (mitose).

 Originam a maior parte dos


tecidos da planta.

 Continuam ativos durante


toda a vida do organismo.
Meristemas
 Os principais meristemas são:

 Embrionários (apicais) ápices caulinar e radicular

protoderme
 Primários meristema fundamental
procâmbio

câmbio interfascicular
 Secundários
felogênio
Meristemas embrionários
 Ápice caulinar: eleva o caule para fora do substrato.
 Surgem as folhas embrionárias.
 Começam a realização da fotossíntese.

 Ápice radicular: a raiz cresce e penetra no solo.


 Inicia-se a absorção de água e sais minerais.

 Meristema intercalar: presente em alguns caules


 Presente em algumas plantas (ex.: bambu).
 Crescimento fora dos meristemas apicais.
Ápice caulinar
Ápice radicular
Estrutura Primária
Meristemas Primários
 Formados por células totipotentes, que
mantêm as características embrionárias.
 Crescimento primário (em comprimento).
 Meristemas primários tecidos primários.

 Protoderme Epiderme
Parênquimas

 Meristema fundamental Colênquima


Xilema (lenho) Esclerênquima
 Procâmbio
Floema (líber)
Estrutura Primária

SISTEMA DE REVESTIMENTO
Epiderme - funções
 Tecido de revestimento e proteção das plantas
com unicamente o crescimento primário.
 Nas raízes e caules das plantas com crescimento secundário, a
epiderme é substituída pela periderme.
 Recobre toda a planta: raiz, caule, folhas, flores e
frutos.
 Impede a perda excessiva de água.
 Permite as troca dos gases necessá-
rios à respiração e à fotossíntese.
Epiderme - estruturas
 É um tecido uniestratificado formado por células:
 justapostas e achatadas;
 aclorofiladas e com um grande vacúolo.
 Pode apresentar substâncias impermeabilizantes.
 Cutícula (formada pela cutina) e cera.
 Anexos especializados.
 Estômatos: controle da transpiração e trocas gasosas.
 Hidatódios: eliminação de água na forma líquida.
 Tricomas: evitam perda de água e secretam substâncias.
 Pêlos: absorção de água e sais minerais da raiz.
 Acúleos: estruturas pontiagudas para proteção.
Lenticelas
São órgãos de
arejamento, de formato
poroso, encontrados
nos caules, raízes e
alguns frutos de
plantas lenhosas, e que
funcionalmente
substituem
os estômatos. Ocorrem
especialmente em
certos caules.
Estômatos
Epiderme com função de revestimento e trocas gasosas
Estômatos
Hidatódios

 São estômatos modificados, adaptados para perder o


excesso de água na forma líquida, de gotinhas.
Outros anexos
Tricomas
Tricomas secretores
Estrutura Primária

SISTEMA FUNDAMENTAL
Parênquimas
 Tecidos localizados entre epiderme e
tecidos condutores.
 Células:
 vivas, geralmente poliédricas e isodiamétricas
(mesmo diâmetro nas várias direções);
 com vacúolos grandes e paredes celulares
delgadas;
 com pequenos poros ou perfurações através
dos quais os protoplasmas de células vizinhas
entram em contato.
 Funções: preenchimento, assimilação,
reserva e secreção.
Parênquimas cortical e medular

Parênquima
medular
Parênquimas
 Clorofiliano ou assimilador – folhas
Parênquimas
 Amilífero – tubérculo da batata
Parênquimas
 Áquífero – cladódio do cacto
Parênquimas
 Aerífero – folha de ninfeia; caule de papiro
Parênquimas
 Parênquimas cortical e medular: preenchimento
 Localizados no córtex e medula, respectivamente
 Parênquima clorofilado ou clorênquima: assimilação
 Possui células clorofiladas – principalmente em folhas
 Parênquima aqüífero: reserva de água
 Presente em plantas de ambientes secos ou salinos
 Parênquima aerífero ou aerênquima: reserva de ar
 Presente em plantas aquáticas (flutuação e respiração)
 Parênquima amilífero: reserva de amido
 Presentes em raízes e caules subterrâneos
Tecidos de sustentação
Tipos: Colênquimae Esclerênquima
Colênquima
Colênquima
Colênquima
 Tecido de sustentação e resistência mecânica
formado por células vivas.
 Não possui células lignificadas.
 Não impede o crescimento dos órgãos que circunda –
comum nas partes jovens da planta.
 Promove sustentação com flexibilidade.
 Paredes celulares com reforços de celulose.
 Pode ser comparado com o tecido cartilaginoso nos
animais.
Esclerênquima
Esclerênquima
Esclerênquima
 Tecido de sustentação e resistência mecânica
formado por células mortas.
 Intensa lignificação nas paredes celulares.
 Possui dois tipos celulares:
 Fibras: células fusiformes, alongadas e pontiagudas.
 Rígidas ou elásticas (dependendo da maior ou menor lignificação).
 Flexíveis e muito resistentes à tração (grande aplicação na indústria).
 Exemplos: fibras de cânhamo, linho, juta, sisal etc.
 Células pétreas ou escléritos ou esclerídeos: têm ampla
distribuição no corpo vegetal, sendo comuns em
eudicotiledôneas e raras nas mono.
 Pode ser comparado ao tecido ósseo dos animais.
Estrutura Primária

SISTEMA VASCULAR
Tecidos Condutores
 Transportam as substâncias entre
os vários órgãos das plantas.

 Vasos lenhosos (xilema):


 Seiva bruta: solução de água e sais
absorvida pelas raízes.

 Vasos liberianos (floema):


 Seiva elaborada: solução orgânica
com produtos da fotossíntese
(glicose) e outras substâncias que
são distribuídas para nutrir os outros
órgãos da planta.
Feixes vasculares
 Vasos lenhosos (xilema) e
liberianos (floema) :tecidos
condutores.

 Fibras de sustentação:
células lignificadas

 Procâmbio: meristema que


produz novas células de
xilema e floema.
Xilema ou Lenho
 Tecido responsável pelo transporte de seiva bruta ou
inorgânica das raízes até as folhas.
 Formado por células mortas, impregnadas de lignina.
 Localiza-se na parte
interna do feixe
vascular.
 Também atua como
importante tecido de
sustentação.
Xilema ou lenho: transporta a
seiva bruta
Elementos de vaso
Traqueídes
Xilema ou Lenho
 Lúmen: amplo espaço interno que permite o
deslocamento de um grande volume de seiva bruta.
 Elementos de vaso: células perfuradas, por onde passa
a seiva bruta.
 Traqueídes: elementos con-
dutores com reforços de
lignina em anéis ou espirais.
 Função de sustentação em plan-
tas com crescimento secundário
Floema x Xilema
Floema ou Líber
Localização do floema no
caule

Pulgão sugando a seiva elaborada


Localização do floema
no caule
Floema ou Líber
 Tecido responsável pelo transporte de seiva elaborada
ou orgânica.
 Formados pela sobreposição de células vivas,
alongadas, de paredes finas, sem lignificação.
 Localizado na parte mais
periférica do feixe vascular,
ficando logo abaixo da casca
da planta.
Floema ou Líber
 Elementos de tubo crivado: células
anucleadas por onde passa a seiva
elaborada.

 Placas crivadas: septos ou membranas


transversais não completamente
dissolvidos entre as células anucleadas
(elementos de tubo crivado).

 Células companheiras: vivas, dão


suporte às células crivadas.
Estrutura Secundária
Meristemas Secundários
 Formados por células embrionárias que se
diferenciaram e se tornaram integrantes de algum
sistema de tecidos adultos, mas depois entraram
novamente em atividade de divisão celular.
Desdiferenciação celular
Parede celular espessa

Parede celular delgada


Meristemas Secundários
 Possibilitam o crescimento secundário (em espessura).
 Formam os tecidos secundários.
 Felogênio (câmbio da casca): meristema do sistema de
revestimento.
 Feloderme
 Súber
 Câmbio interfascicular: meristema do sistema vascular.
 Xilema secundário
 Floema secundário
Meristemas secundários
Tecidos Secundários
 Possibilitam o crescimento secundário (em espessura),
formando a estrutura secundária.
 Periderme: é a estrutura secundária de revestimento,
que substitui a epiderme. A
Epiderme

 Súber Súber

 Felogênio Felogênio PERIDERME

 Feloderme Feloderme

 Tecidos condutores secundários


 Xilema secundário
 Floema secundário
Periderme
 Feloderme: tecido vivo cujas células são semelhantes
às do parênquima cortical  preenchimento.
 Felogênio: meristema secundário.
 Súber ou felema: tecido morto pelo excesso de
suberina (uma substância impermeável de natureza
lipídica) isolante térmico e proteção mecânica.
 Reveste principalmente as partes mais velhas do caule e da
raiz, mas nunca das folhas.
 Protege a planta contra predadores, excesso de calor e fogo.
 Seu principal anexo é a lenticela, pequenas rachaduras no
súber que permitem as trocas gasosas.
Periderme
Estruturas 1ª e 2ª

Estrutura primária de raiz Estrutura secundária de raiz


(região pilífera) (região de ramificação)
Transição
Madeira
 Cerne: xilema interno não-
funcional (escuro)
 Impregnado de substâncias
como óleos, resinas e taninos
 Alburno: xilema externo
funcional (claro)
Resumão
Histologia dos
órgãos vegetais
Raiz, caule efolha
Raiz
Raiz
 Estrutura primária:
 Epiderme com pêlos
absorventes
 Zona cortical espessa com
parênquima de reserva e
endoderme
 Cilindro central grande com
periciclo, feixes condutores e,
às vezes, parênquima medular
e tecidos de suporte.
Raiz
 Monocotiledônea  Dicotiledônea
Caule
 Estrutura primária
 Epiderme com cutícula e
estômatos
 Zona cortical fina com
clorênquima e tecidos de
suporte
 Cilindro central com feixes
vasculares, parênquimas e
tecidos de suporte
Caule
 Monocotiledônea  Dicotiledônea
Folha
 Estrutura primária monocotiledônea
 Epiderme superior e inferior com estômatos
 Mesófilo com parênquima clorofilado simétrico
 Tecidos vasculares na porção mais interna
Folha
 Estrutura primária de dicotiledônea
 Tecidos vasculares e de suporte na porção mais interna
 Mesófilo com parênquima clorofilado assimétrico
 Epiderme com estômatos
Folha

Você também pode gostar