Você está na página 1de 22

01/08/2014

SENAI – Serviço Nacional de


Aprendizagem Industrial
Curso: Tecnologia em Processos de Fabricação
Disciplina: Tratamentos Térmicos

Aula 1 e 2:Mecanismos de Endurecimento

Julho de 2014

Correlação entre estrutura, propriedades,


aplicações e processamento de materiais
metálicos
• Processamentos
termo-mecânicos
MICROESTRUTURA • Tratamentos
térmicos
• Processamentos
mecânicos
• Mecânicas
• Magnéticas
• Térmicas
• Corrosão
• Fadiga
• Desgaste
• Outros

DEFORMAÇÃO

PROPRIEDADE APLICAÇÃO

1
01/08/2014

Mecanismos de Endurecimento
 Mecanismos de endurecimento para aumento da
resistência de ligas metálicas, mas que ainda possuam
alguma ductilidade e tenacidade.

 Ductilidade: habilidade do material em ser submetido a


uma deformação plástica apreciável antes de sofre
fratura (pode ser expressa por %Al ou %RA)

 Tenacidade: Medida da energia que é absorvida por um


material a medida que ele fratura. Indicada pela área
total sob a curva tensão deformação em tração do
material.

Mecanismos de Endurecimento
 Relação do aumento de resistência x ductilidade
 Para compreensão dos mecanismos de endurecimento,
ou de aumento de resistência em metais, é fundamental
o entendimento da relação entre o movimento de
discordâncias e o comportamento mecânico dos metais.

 A habilidade de um metal se deformar plasticamente


depende da habilidade das discordâncias se moverem.

2
01/08/2014

Mecanismos de Endurecimento

Mecanismo de deslizamento planar na presença de uma discordância em cunha

Mecanismos de Endurecimento
 Deformação provoca o surgimento de defeitos nas
estruturas cristalinas.

 O movimento de discordâncias provoca a recuperação


do defeito.

 Desta forma, os mecanismos de endurecimento


baseiam-se essencialmente em restringir o movimento
de discordâncias pela estrutura cristalina, através da
introdução de obstáculos, tais como, contornos de grão,
outras discordâncias, ou ainda pela presença de
precipitados de segunda fase.

3
01/08/2014

Mecanismos de Endurecimento
 Tipos de mecanismos de endurecimento:
• Endurecimento devido a redução do contorno de grão

• Endurecimento por solução sólida

• Endurecimento por precipitação

• Endurecimento por deformação

• Endurecimento por tratamento térmico

Contorno de Grão
 O contorno de grão representa a região limite entre dois
grãos adjacentes, que possuem orientações cristalinas
diferentes, e, portanto, atua como uma barreira a
propagação de discordâncias.
 Ao passar de um grão com uma certa orientação para
outro com orientação muito diferente (fronteiras de alto
ângulo) a discordância tem que mudar de direção, o
que envolve muitas distorções locais na rede cristalina.
 A fronteira é uma região desordenada, o que faz com
que os planos de deslizamentos sofram
descontinuidades.
 Para que a deformação prossiga, é necessário aumentar
os níveis de deformação aplicada.

4
01/08/2014

Contorno de Grão

Contorno de Grão

5
01/08/2014

Contorno de Grão
 Um material que possui tamanho de grãos mais finos é
mais resistente que o que possui grãos mais grosseiros,
maiores, uma vez que o primeiro possui uma maior
área total de contornos de grãos para dificultar o
movimento das discordâncias.

Contorno de Grão
 Para muitos materiais, o limite de escoamento varia de
acordo com a equação de Hall-Petch.

• d = tamanho médio dos grãos.


• e são constante que dependem de cada material.
• é a limite de escoamento.

6
01/08/2014

Contorno de Grão

Contorno de Grão
 O tamanho de grão pode ser alterado ou regulado
mediante o controle da taxa de resfriamento da
solidificação a partir da fase líquida, por deformação
plástica e por tratamentos térmicos apropriados.

7
01/08/2014

Solução Sólida
 o aumento de resistência por solução sólida consiste na
formação de ligas com átomos de impurezas que
entram quer em solução sólida substitucional, quer em
solução sólida intersticial.

• Substitucional: solução sólida em que átomos de soluto repõe ou


substituem os átomos hospedeiros.

• Intersticiais: solução sólida em que átomos de soluto


relativamente pequenos ocupam posições intersticiais entre os
átomos de solvente ou átomos hospedeiros.

Solução Sólida
 A presença de átomos substitucionais e/ou intersticiais
na rede cristalina gera um campo de tensões a sua
volta.
 Quando uma discordância se move em direção a estes
átomos, ela “sente” este campo de tensões como um
obstáculo à sua propagação.
 De modo geral, quanto maior a presença de soluto e/ou
a diferença de tamanho entre os átomos
substitucionais/intersticiais e os átomos da rede, maior
é a distorção da rede, e portanto, maior a dificuldade de
deslizamento.
 Via de regra, átomos intersticiais tem efeito
endurecedor muito maior que átomos substitucionais.

8
01/08/2014

Solução Sólida

Solução Sólida
 Átomos substitucionais de tamanhos menores que os
átomos hospedeiros, onde exerce uma deformação de
tração sobre a rede cristalina vizinha.

9
01/08/2014

Solução Sólida
 De maneira contrária, um átomo substitucional maior
impões deformações compressivas sobre a rede
cristalina vizinha.

Solução Sólida

10
01/08/2014

Solução Sólida

Solução Sólida
 Solução sólida substitucional de Ni em Cu.
 Relação de raios Ni/Cu = 1,246 / 1,478 = 0,98

11
01/08/2014

Solução Sólida
 Solução sólida substitucional de Ni em Cu.
 Relação de raios Ni/Cu = 1,246 / 1,478 = 0,98

Solução Sólida
 Solução sólida substitucinal de Ni em Cu.
 Relação de raios Ni/Cu = 1,246 / 1,478 = 0,98

12
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio

 Também denominado encruamento de um metal, ocorre


como consequência de deformação plástica a frio.
 A deformação plástica é permanente e corresponde ao
grande movimento e multiplicação do número de
discordâncias em resposta a aplicação da tensão.
 A própria interação entre as linhas de discordância
diminuem as suas mobilidades e causam o encruamento
do metal.
 Encruamento é o fenômeno pelo qual um metal dutil se
torna mais duro e mais resistente quando ele é
submetido a uma deformação plástica.

Endurecimento por Deformação a Frio

 Dividem-se em 2 grandes grupos:


• relacionados à conformação de volumes (bulk forming)
• relacionados à conformação de superfícies (sheet forming), onde
relaciona um total de 60 processos (forjamento, extrusão,
laminação, trefilação e estampagem).

 Deformação a frio é também chamada de trabalho a frio


pelo fato da temperatura da deformação que é aplicada
ser fria, em relação a temperatura de fusão do metal.

13
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio

Endurecimento por Deformação a Frio

 Algumas vezes o grau de deformação plástica é


expressa como um percentual de trabalho a frio (%TF
ou %CW).

 Quanto um metal é deformado plasticamente, um


grande número de discordâncias é gerado, e em um
material conformado a frio, a densidade de
discordâncias é da ordem de 10^11 a 10^12
discordâncias / cm2.

14
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio

Endurecimento por Deformação a Frio

15
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio - Exercício

 Calcule o limite de resistência à tração e à ductilidade


(%AL) de um bastão cilíndrico de cobre quando ele é
trabalhado a frio de tal modo que seu diâmetro seja
reduzido de 15,2 mm para 12,2 mm.

Endurecimento por Deformação a Frio - Exercício

 Dois corpos de prova do mesmo material devem ser


submetidos a deformação. Um é cilíndrico e outro é
retangular. Qual deles será mais duro após a
deformação plástica? Porque?
Circular (diâm. Mm) Retangular (mm)

Dim. Original 15,2 125 x 175

Dim. após 11,4 75 x 200

16
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio - Exercício

Endurecimento por Deformação a Frio

 Um dos mecanismos por meio do qual ocorre a


multiplicação de discordâncias foi proposto por Frank e
Read, em 1950.
 Assumindo uma discordância ancorada por dois
obstáculos qualquer, tais como precipitados, quando
uma tensão cisalhante é aplicada no plano de
deslizamento, a discordância se curva, produzindo um
escorregamento.
 O curvamento prossegue até o momento em que um
anel de discordância é formado e se despende dos
pontos de ancoramento, deixando para trás uma nova
discordância ancorada, e assim sucessivamente.

17
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio

Endurecimento por Deformação a Frio

 Portanto, à medida que a tensão aplicada aumenta,


mais e mais discordâncias são geradas. Estas
discordâncias, além de interagir com obstáculos, tais
como contornos de grão ou precipitados, também
interagem entre si.

 Entretanto, deve-se salientar que tanto a multiplicação,


como a interação entre as discordâncias criam
dificuldades para a continuidade da deformação
plástica, ou seja, ocorre um aumento da dureza ou da
resistência mecânica do material.

18
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio

 O endurecimento por deformação é também chamado


de encruamento e é um dos métodos mais empregados
para aumentar a resistência mecânica dos metais.
Entretanto, há de se destacar que o aumento de
resistência vem acompanhado de uma queda na
dutilidade, ou seja, na capacidade do material sofrer
posteriores deformações plásticas.

Endurecimento por Deformação a Frio

19
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio

Aumento de resistência por Encruamento

Encruamento: o trabalho mecânico realizado a frio (T < 0,5 Th)


promove a geração e a acumulação de discordâncias em
subestruturas (subgrãos).

20
01/08/2014

Endurecimento por Deformação a Frio

21
01/08/2014

Tratamento Térmico
 Existem vários TT para endurecimento de ligas
metálicas.
 O mais conhecido é o TT de Têmpera para aços, que
consiste no aquecimento do aço até a temperatura de
austenitização (815º a 870ºC), seguido de resfriamento
rápido.
 Os meios de resfriamento mais comumente utilizados:
• Água
• Água contendo sal ou aditivos
• Óleo, que pode conter uma variedade de aditivos

 Com a têmpera, o constituinte final desejado é a


• Soluções aquosas de polímeros.

martensita, que do pto de vista de propriedades


mecânicas, proporcionam um aumento de resistência a
tração e aumento de dureza.

Questões propostas

1) Explique o que são discordâncias e como elas se


movimentam em materiais metálicos.
2) Com base no diagrama Tensão vs Deformação, explique as
diferenças entre materiais duros e materiais dúcteis.
3) O que é um solução sólida intersticial?
4) O que é uma solução sólida substitucional?
5) Com suas palavras, discorra sobre o encruamento de
metais.
6) Porque as propriedades mecânicas são importantes para
a escolha e aplicação de materiais de engenharia?

22

Você também pode gostar