Você está na página 1de 3

RESENHA1

OLIVEIRA, Jefferson de Sousa2

KAISER, Walter C.; Moisés Silva. Introdução à hermenêutica bíblica: como ouvir a
Palavra de Deus apesar dos ruídos de nossa época. Tradução: Paulo C. N. dos Santos;
Tarcízio J. F. de Carvalho; Susana Klassen. 3ª Ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2014. 288 p.

O livro Introdução à Hermenêutica Bíblica, de autoria de Walter C. Kaiser Jr. e


Moisés Silva, foi originalmente publicado nos Estados Unidos pela Grand Rapids, com o
título An Introduction to Biblical Hermeneutics, em 1994. No Brasil, a primeira edição foi
lançada pela Cultura Cristã no ano de 2002.
Walter Christian Kaiser Jr3. (1933-) é doutor pela Universidade Brandeis,
professor de Antigo Testamento e presidente emérito do Seminário Teológico Gordon-
Conwell, em South Hamilton, Massachusetts, nos Estados Unidos. Autor prolífico, tendo
lançado vários livros só, ou em coautoria com outros autores de relevo, o dr. Walter Kaiser é
um crítico da hipótese documentária defendida pela escola liberal4.

Já Moisés Silva (1945-) lecionou no Westmont College (1972-1981), no


Seminário Teológico Westminster (1981-1996) e no Seminário Teológico Gordon-Conwell
(1996-2000), onde foi Professor de Novo Testamento até se aposentar. Foi presidente da
Sociedade Evangélica de Teologia em 1997, e há muitos anos é ministro da Igreja
Presbiteriana Ortodoxa. No Brasil foi professor visitante do Centro Presbiteriano de Pós-
Graduação Andrew Jumper, em São Paulo5.

Os autores dividiram o livro em quatro partes principais, sendo as três primeiras


metodológicas, e a última mais histórica. Já em relação aos capítulos, quinze no total, foram
escritos de maneira separada por ambos os autores, de modo que Walter Kaiser Jr. escreveu
nove capítulos, e Moisés Silva escreveu os outros seis.
A primeira parte da obra, com orientações iniciais ao leitor, é aberta com um
capítulo mais introdutório, intitulado “Quem precisa de hermenêutica?”, no qual Moisés Silva

1 Resenha apresentada como requisito para obtenção de nota parcial da disciplina Hermenêutica, ministrada pelo professor
Felipe Prestes.
2 Aluno do 5º período do Curso Livre de Teologia da Escola Teológica Charles Spurgeon.

3 Disponível in <http://www.walterckaiserjr.com/aboutkaiser.html> acesso 28 mai 2018.

4
Disponível in < https://en.wikipedia.org/wiki/Walter_Kaiser_Jr.> acesso 28 mai 2018.
5
Disponível in < https://pt.wikipedia.org/wiki/Moisés_Silva.> acesso 28 mai 2018.
argumenta sobre a necessidade de se lançar mão da hermenêutica bíblica em virtude de a
Bíblia ser um livro não somente divino, mas também humano. Isto é, por ter sido escrita em
uma língua que não é a nossa, num tempo distante, e num contexto diferente, precisamos da
exegese gramático-histórica para compreender o texto das Escrituras. Assim, o leitor é
convencido da importância da disciplina para quem deseja de forma séria entender e aplicar o
texto das Escrituras, bem como qualquer outro texto.
De maneira muito interessante, esse autor encerra o capítulo trazendo algumas
premissas, ou princípios, que precisamos ter em mente quando deparamos com a tarefa de
interpretar a Bíblia, quais sejam: 1) ninguém conhece os pensamentos de Deus, a não ser o
Espírito de Deus; 2) a essência da revelação de Deus – a verdade – é compartilhada por todos
os que creem; 3) a mensagem de Deus para nós é consistente; e 4) uma interpretação
satisfatória da Bíblia requer uma predisposição submissa.
Em seguida, Walter Kaiser aborda a questão do sentido do significado, tocando
nos pontos principais dos críticos literários modernos, como Gadamer, Ricoeur e Hirsch, para
então dialogar com as diversas acepções de “significado”, concluindo que na verdade não
devemos isolar nenhuma delas, mas entender a função de cada acepção e utilizá-las de
maneira reunida, num modo holístico de olhar para o texto.
Antes de iniciar a discussão sobre de que maneira os textos devem ser entendidos
dentro dos seus gêneros literários, Moisés Silva aborda a importância do conhecimento das
línguas originais para a compreensão do texto bíblico, mas chama a atenção para o erro de se
achar que as traduções não são confiáveis. Ainda nesse sentido, ele enfatiza a necessidade de
se concentrar no contexto, o que será uma tônica ao longo de toda a obra.
A segunda parte, a maior do livro, trata sobre a busca do sentido do texto bíblico
segundo os gêneros literários em que se apresentam. Assim, os autores abordam os princípios
a serem observados quando estamos lidando com narrativas, poesia e literatura de sabedoria,
evangelhos, epístolas e profecias. Essa seção, composta de cinco capítulos, é marcada por
concisão e objetividade, haja vista que é, de certa forma, a parte mais prática no que concerne
à interpretação da Bíblia.
A parte 3 trata dos aspectos mais relacionados à reação que os leitores devem ter
ao estudarem a Bíblia. Deste modo, são abordados o uso devocional, cultural, e teológico do
texto bíblico. Certamente essa seção diz respeito à parte final do estudo bíblico, que é a
aplicação do significado obtido a partir do emprego dos princípios anteriormente aprendidos.
Essa parte foi toda escrita pelo dr. Kaiser, que demonstrou muito cuidado para tratar sobre o
tema, trazendo os princípios adequados à aplicação, inclusive abordando conceitos
conhecidos, mas não completamente compreendidos, como analogia da fé e analogia das
escrituras.
A última parte, como já ventilado, trata sobre a história da interpretação,
perpassando por uma abordagem das visões contemporâneas, e por uma defesa da
hermenêutica de João Calvino, num capítulo muito bem escrito por Moisés Silva. Por fim,
Walter Kaiser apresenta suas considerações finais onde, ainda numa perspectiva mais
histórica, enfatiza a importância da aplicação no processo interpretativo, concluindo que “o
trabalho mais importante e necessário em nossos dias é o de se encontrar verdadeiras
aplicações que não extrapolem o que Deus revelou nos princípios de sua Palavra” (p. 272).
A obra ainda conta com um sucinto glossário, onde palavras mais técnicas e
recorrentes no livro são definidas. Além disso, ainda há um índice de passagens bíblicas, de
nomes, e um remissivo, muito úteis ao leitor.
Algo que chamou a atenção de maneira muito positiva foram as sínteses que se
apresentam antes de cada capítulo, que indicam de maneira precisa o assunto que será
abordado, preparando o leitor para o texto, e servindo ainda de uma boa revisão após a
término da leitura do capítulo.
No tocante à apresentação editorial do livro, há algumas ressalvas, visto que
apesar de se tratar de obra bem-acabada, com uma capa bem elaborada (ainda que em nada se
assemelhe à original na edição em inglês), poderia contar com o texto distribuído em mais
páginas e com a capa dura, assim como a original. Ainda no que concerne a esses aspectos,
vale ressaltar que foram identificados pouquíssimos erros de grafia, revelando que foi
realizado um bom trabalho de revisão.
A obra em comento se apresenta como uma ótima introdução à disciplina de
hermenêutica, como o próprio título indica. Certamente o leitor será beneficiado com as
noções fundamentais para se interpretar o texto bíblico, evidentemente sendo necessária a
busca em outras fontes no caso de o estudante desejar se aprofundar mais na ciência
interpretativa.
Por tratar-se de um livro bastante acadêmico, ainda que a linguagem não seja
inacessível, é altamente indicado para seminaristas, sendo um ótimo livro-texto para a
disciplina de hermenêutica.

Você também pode gostar